DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas"

Transcrição

1 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA - Analisar princípios e conceitos de Agroecologia. - Aplicar práticas e metodologias agroecológicas na produção agropecuária. - Analisar a sustentabilidade na unidade de produção familiar. - Analisar o modelo tecnológico de produção agrícola. - Avaliar os impactos da revolução verde. - identificar potencialidades na área produtiva de uma região; - indicar formas de produção que sejam auto-sustentáveis do ponto de vista social e ambiental; - Aplicar algumas práticas e métodos alternativos utilizados no controle de doenças e pragas. - Avaliar a sustentabilidade social, econômica e ambiental do modelo agrícola de produção familiar. - Recursos naturais (clima, vegetação, fauna) ; - Agrotóxicos; - Agroecologia; - alelopatia; - fixação biológica de nutrientes; - plantas companheiras e inimigas; - pragas e inimigos naturais; - manejo integrado fontes poluidoras do meio ambiente; - Matéria orgânica: Adubos verdes e estercos; - Agricultura alternativa; - Agricultura orgânica. BIOCLIMATOLOGIA E ETOLOGIA - orientar e monitorar os fatores que influenciam no comportamento animal e no seu conforto térmico. - analisar os fenômenos e a importância da interação do meio ambiente com o animal; - analisar as atitudes dos animais, em base no conhecimento do comportamento animal; - manejar os animais para evitar o efeito negativo da expressão da dominância social em criações domésticas; - manejar as instalações de acordo com as necessidades térmicas dos animais.

2 - Conceitos de bioclimatologia e climatologia zootécnica; -componentes do meio ambiente; -variações ambientais; -termorregulação e zona de conforto; -adaptação de grandes ruminantes, nos trópicos; -adaptação dos ovinos, nos trópicos; -adaptação dos suínos, nos trópicos; -adaptação de outras criações, nos trópicos; -conceitos de etologia; -comportamento instintivo e adquirido; -processos de aprendizagem; -comportamento social; -comportamento reprodutivo; -dominância social. CONSERVAÇÃO DE ALIMENTOS - Orientar e monitorar os processos físico, químicos e microbiológicos dos alimentos de origem vegetal e animal bem como seus métodos higiênicos de manipulação e conservação. - Analisar a composição químico-física, microbiológica e nutritiva dos alimentos. - Analisar e diagnosticar aspectos relativos a qualidade dos alimentos. - Utilizar métodos e práticas de higiene e conservação dos alimentos. - Aspectos físico-químico e microbiológico dos alimentos; - segurança alimentar; - controle de qualidade: APPCC; - aspectos sanitários e higiênicos dos alimentos; - qualidade da água; - análise sensorial; - conservação pelo frio; - conservação pelo calor; - conservação pelo controle de atividade de água; - conservação por defumação; - conservação por fermentação; - conservação por irradiação; - uso de aditivos. DEFENSIVOS AGRÍCOLAS - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas - aplicar, na melhor época, os defensivos; - avaliar as diferentes formulações dos produtos e seu grau de toxicidade; - utilizar equipamentos de proteção individual;

3 - aplicar a quantidade necessária de produto comercial e de calda em uma determinada área; - utilizar os diferentes tipos de defensivos agrícolas, de acordo com seus respectivos grupos químicos e sua recomendação. - Conceito de defensivos agrícola - importância e histórico do controle químico; - classificação toxicológica; - grupos químicos dos defensivos; - recomendação de defensivos: época, dosagens e finalidade de aplicação; - segurança no uso de produtos químicos: uso do EPI, armazenamento e manipulação; - atividade ou seletividade dos defensivos; - toxicologia dos defensivos; - formulações; - tecnologia de aplicação; - Noções de receituário agronômico DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - atuar na área de Defesa Sanitária, reconhecendo as principais doenças e os mecanismos de prevenção. - identificar as principais doenças infectocontagiosas, parasitárias e tóxicas; - orientar e acompanhar programas profiláticos, higiênicos e sanitários; - interpretar legislação e normas de controle sanitário. - Importância do controle sanitário; - desinfetantes; - instrumentos de uso veterinário; - procedimentos de limpeza de instalações e equipamentos; - medicamentos; - procedimentos necessários a visitas em criatórios; - procedimentos de coleta e envio de material para análise em laboratório; -prevenção de doenças; - legislação sanitária; - principais doenças de interesse, em defesa sanitária animal. ENTOMOLOGIA - Avaliar, monitorar e controlar pragas em plantas cultivadas. -avaliar níveis de danos econômicos a cultura; -analisar os fatores ambientais e climáticos que interagem na relação planta-inseto; -definir os métodos de prevenção, erradicação e controle de pragas; -identificar inimigos naturais para uso no controle biológico; -avaliar as conseqüências do uso dos métodos de controle;

4 -fazer o reconhecimento das principais ordens e famílias importantes de insetos; -coletar e acondicionar insetos; -usar métodos práticos e de laboratório para identificação e diferenciação de pragas; -utilizar métodos integrados de prevenção e controle de pragas; -montar uma coleção entomológica. - Insetos e Ácaros: nomenclatura zoológica; morfologia; anatomia; taxonomia;ordens de importância agrícola e ecologia; - Coleção entomológica; - Métodos de Controle: controles mecânico, físico, químico, cultural e biológico. - Manejo integrado de pragas: Avaliação populacional; Níveis populacionais. FLORICULTURA, JARDINAGEM E PLANTAS MEDICINAIS - Identificar e analisar as características botânicas, econômicas, sociais e ambientais das plantas medicinais; - Conceber e executar projetos paisagísticos, identificando estilos, modelos, elementos vegetais, materiais e acessórios a serem empregados. - analisar e distinguir características dos estilos e modelos de paisagismo e sua evolução histórica, do clássico ao contemporâneo; - desenvolver visão espacial para planejamento e organização do paisagismo e a harmonização das cores; - Elaborar, executar e monitorar os projetos de cultivo de plantas medicinais. - descrever o papel das plantas medicinais no atual contexto sócio, político e econômico; - reconhecer as plantas medicinais, formas de propagação, e sua utilização; - Manejar o cultivo de plantas medicinais; - Identificar técnicas de extração de princípios ativos de plantas medicinais. - aplicar técnicas de secagem e armazenamento de plantas medicinais; - selecionar dados sobre a evolução de jardins residenciais, públicos e similares; - aplicar métodos que viabilizem a percepção espacial para que o paisagismo possa ser concebido; - utilizar de modo correto os equipamentos adequados ao paisagismo em fase de concepção; - aplicar adequadamente as técnicas de plantio, transplante, sementeira, dormência e poda. - Plantas medicinais, seu cultivo e seu valor fitoterapeútico; - histórico das plantas medicinais no Brasil e distribuição geográfica; - importância das plantas medicinais no Brasil; - implantação e manejo de hortas medicinais; - fitoquímica e química de plantas medicinais; - manipulação de produtos naturais; - formas de utilização de plantas medicinais; - cultivo de plantas medicinais; - pesquisas de modelos e estilos de jardins residenciais e públicos, praças e parques, fachadas, espaços promocionais, pomar e horta; - tecnologia de equipamentos, ferramentas, manutenção de jardins, harmonia na aplicação das cores;

5 - técnicas de símbolos, gráficos, convenções, tabelas e manejo; - formas de utilização de plantas medicinais; - manipulação de produtos naturais; - técnicas de implantação, manejo e manutenção de jardins; -planejamento de jardins; -propagação de plantas ornamentais. FISIOLOGIA E REPRODUÇÃO ANIMAL - orientar métodos de reprodução e manejo de criação. -aplicar métodos de reprodução animal e manejo de criação Noções de: -sistema circulatório; - sistema urinário; - sistema nervoso; - sistema digestório; - sistema endócrino; - osteologia; - miologia; - sistema tegumentar; - sistema reprodutor; - sistemas de acasalamento; - métodos de reprodução. FITOPATOLOGIA - Capacidade de reflexão e tomada de decisões, diante de problemas fitossanitários, na áreas de doenças, de modo a proporcionar aumento da produtividade com respeito ao meio ambiente. - ter entendimento dos princípios básicos sobre os agentes causadores de enfermidades nas plantas; - avaliar níveis de danos econômico a cultura; - analisar os fatores ambientais e climáticos que interagem na relação planta-doença; - definir os métodos de prevenção, erradicação e controle de doenças; - identificar inimigos naturais para uso no controle biológico; - avaliar as conseqüências do uso dos métodos de controle. - História da fitopatologia; - importância das doenças de plantas; - a natureza da doença e agentes causais; - sintomatologia e diagnose; - ciclo das relações patógeno-hospedeiro; - fisiologia do parasitismo; - interação do hospedeiro patógeno;

6 - epidemiologia; - grupos de doenças; - doenças de plantas cultivadas. MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA - Realizar, controlar e orientar a manutenção das maquinas e implementos agrícolas; - Regular e operar as máquinas agrícolas com segurança; - Projetar e gerenciar um parque de máquinas e implementos agrícolas; - Recomendar tecnologias de mecanização do trabalho agrícola compatível com a realidade sócio-econômica do produtor; - Identificar e descrever máquinas, implementos e ferramentas agrícolas; - Reconhecer as principais partes e sistemas de funcionamento; - Aplicar e recomendar normas de segurança na utilização de máquinas e implementos agrícolas; - Executar a manutenção básica em máquinas e implementos agrícolas; - Operar e regular as máquinas e implementos agrícolas; - Calcular e estimar o custo/hora máquina - Calcular o custo hora/máquina. - Introdução, histórico e importância da mecanização agrícola; - Normas de segurança, na utilização de máquinas e implementos agrícolas; - Tração animal; - Tratores e colheitadeiras agrícolas; - Implementos de preparo do solo, cultivo, semeadura, adubação, colheita e transporte; - Capacidade operacional de máquinas e implementos agrícolas; - Vida útil, depreciação, custos fixos e variáveis de maquinas e implementos agrícolas. MORFOLOGIA E FISIOLOGIA VEGETAL - Identificar os aspectos morfológicos de maior relevância das espécies cultivadas na agricultura, bem como a importância dos principais fenômenos fisiológicos envolvidos no desenvolvimento vegetal. - Analisar as espécies cultivadas como vegetais agrupados de acordo com suas características botânicas e fisiológicas; - Avaliar os principais processos fisiológicos do crescimento e desenvolvimento das espécies vegetais cultivadas e sua relação com as práticas de manejo. - Origem e evolução das espécies; - classificação botânica; - morfologia das plantas; - tecidos vegetais; - fotossíntese ; - nutrientes;

7 - fotorrespiração; - fitohormônios. NUTRIÇÃO ANIMAL - Identificar e avaliar alimentos para animais; - Formular e preparar ração para animais domésticos; - Conceber e avaliar programas de alimentação dos animais em função da fase e espécie. - Classificar os alimentos e nutrientes para animais; - Especificar as funções dos nutrientes dos alimentos; - Utilizar tabelas de composição químicas e valores nutricionais dos alimentos e de exigências; - Formular ração pelo método do quadrado de Pearson, método algébrico e por computador; - Preparar rações; - Avaliar formulas e programas de alimentação animal. - Evolução da nutrição animal; - Composição química e classificação dos alimentos; - Exigências nutricionais dos animais; - Anatomia do Aparelho digestivo; - Fisiologia da digestão e absorção de nutrientes; - Medidas do valor nutritivo do alimentos; - Nutrientes e suas funções; - Métodos de cálculo de rações; - Limitações de uso dos alimentos; - Apresentação dos alimentos e rações; - Microingredientes de ração; - Programas de alimentação animal PLANTAS DANINHAS - planejar e executar o manejo e controle das plantas daninhas nas mais variadas atividades agropecuárias - fazer o reconhecimento de algumas famílias e espécies de plantas daninhas; - utilizar informações sobre os fatores climáticos no manejo; - utilizar os métodos integrados de prevenção e controle de plantas daninhas; - montar herbário; - identificar os prejuízos causados; - cumprir legislação pertinente - Conceito e importância, características botânicas, estabelecimento e propagação, ciclo de vida, estágios de crescimento, danos às culturas, competição, interação com o clima;

8 - características das principais famílias e identificação das principais plantas daninhas; - herbário: conceito, importância, métodos e técnicas de montagem; - alelopatia ; - manejo e métodos de controle ; - herbicidas: seu uso correto e cuidados de saúde e ambientais. PRÁTICA DO PROCESSO PRODUTIVO I - Manejo da produção vegetal e animal. SOLOS I - planejar o aproveitamento visando distinguir a capacidade de uso e manejo garantindo a conservação dos solos agrícolas. - Analisar a formação geológica do planeta; - distinguir as principais rochas formadoras dos solos; - distinguir os principais solos agrícolas; - analisar os conceitos de conservação dos solos agrícolas; - Aplicar as práticas de controle vegetativo e mecanizado da erosão - construir e manter terraceamentos, sua construção e manutenção; - distinguir as classes de capacidade e de uso dos solos e sua aplicação em uma propriedade agrícola. - planejar, orientar e implantar sistema de plantio direto. - Identificar os principais aspectos da formação geológica do planeta Terra, sua morfologia, seus minerais e rochas formadoras dos solos agrícolas; - A formação do planeta Terra; - noções gerais sobre a forma, relevo, massa do planeta, constituição interna do globo terrestre; - noções gerais sobre magma vulcânico, terremotos e origem das montanhas e planícies; - noções gerais sobre geologia; - generalização sobre minerais e suas propriedades químicas; - conhecimentos sobre rochas constituintes do planeta; - formação dos solos agrícolas; - noções gerais sobre as propriedades físicas, químicas e biológicas dos solos; - noções gerais sobre a classificação dos solos; - noções gerais sobre erosão, uso, manejo e conservação dos solos; - sistema de plantio direto: conceito, importância, fundamentos. TOPOGRAFIA - Dominar as noções básicas necessárias para efetuar os principais métodos e levantamentos topográficos executados pelo Técnico em Agropecuária; - efetuar os principais tipos de levantamento topográficos planimétricos; - levantamento à Trena (por irradiação e caminhamento), executando as operações de

9 campo e os trabalhos de escritório (cálculo e desenho da área). - utilizar corretamente as escalas; - medir com trena e balizas um ângulo; - somar e subtrair ângulos; - definir azimute e rumo; - representar as convenções topográficas; - medir distâncias com diastímetro (trena); - marcar alinhamentos com balizas; - caracterizar e utilizar corretamente os instrumentos topográficos (balizas, trenas, mira, bússola, nível de precisão, teodolito e estação total); - identificar as peças componentes do teodolito e do nível e suas funções; - operar corretamente um teodolito e um nível; - efetuar leitura de ângulos e distâncias com teodolito; - conceituar topografia; - conceituar e efetuar plantas topográficas; - determinar a distância horizontal e a diferença de nível entre dois pontos com teodolito e mira; - caracterizar os métodos de levantamento planimétrico à trena, por irradiação e caminhamento; - efetuar a campo os levantamentos planimétrico à trena, por irradiação e caminhamento, coletando os dados necessários para a resolução e cada método; - realizar os trabalhos de escritório de cálculo da área e desenho da planta topográfica; - resolver a planilha analítica do levantamento por caminhamento. -Conceitos básicos em trigonometria e em topografia -goniometria; -medição direta de distâncias; -estudo dos instrumentos e acessórios; -operações com o teodolito; -planimetria; -altimetria.

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral

Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Ementário do Curso Técnico em AGROPECUÁRIA Campus Nilo Peçanha - Pinheiral Disciplina: Agroindústria EMENTA: Introdução à Agroindústria; Importância das boas práticas de fabricação- BPF s. Valor nutricional

Leia mais

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP

ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP Apresentação ENGENHARIA AGRONÔMICA - USP A Agronomia está intimamente ligada à produção de alimentos, sejam estes de origem animal ou vegetal. Compete ao Engenheiro Agrônomo produzir, conservar, transformar

Leia mais

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA

CURRÍCULO DO CURSO DE AGRONOMIA 48 CURSO DE AGRONOMIA COORDENADOR DO CURSO DE AGRONOMIA Valterley Soares Rocha vsrocha@ufv.br Catálogo de Graduação 2002 49 ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro-Agrônomo desempenhar as atividades profissionais

Leia mais

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br

AGRONOMIA. COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br AGRONOMIA COORDENADOR Moacil Alves de Souza moacil@ufv.br UFV Catálogo de Graduação 2011 65 Engenheiro Agrônomo ATUAÇÃO Compete ao Engenheiro Agrônomo desempenhar as atividades profissionais previstas

Leia mais

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014

GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014 GRADE CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2014 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(5) Introdução à Engenharia Agronômica 2

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012

ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 ESTRUTURA CURRICULAR ENGENHARIA AGRONÔMICA ESALQ/USP 2012 Disciplinas em Seqüência Aconselhada Créditos Carga Per. Obrigatórias Aula Trab. Tot. Horária Ideal 0110113(5) Introdução à Engenharia Agronômica

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.854 DE 29 DE ABRIL DE 2009 Aprova o Projeto Político Pedagógico do Curso de Engenharia

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 1 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 4.637, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2015 Aprova o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado

Leia mais

Considerando a Resolução Nº 39/99, do CONSEPE/UFPB, que sistematiza a elaboração e reformulação dos projetos pedagógicos; e

Considerando a Resolução Nº 39/99, do CONSEPE/UFPB, que sistematiza a elaboração e reformulação dos projetos pedagógicos; e SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE COLEGIADO PLENO DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE ENSINO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 Aprova a estrutura curricular do curso de graduação

Leia mais

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO

ESTRUTURA CURRICULAR CURSOS DE GRADUAÇÃO ADMINISTRAÇÃO PERÍODO DISCIPLINAS C.H. 1º Antropologia e Sociologia 60 Língua Portuguesa 60 Matemática Básica 60 Metodologia Científica 60 TGA I 60 2º Ciências da Religião 60 Instituições do Direito Público

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA

SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA SISTEMAS DE PRODUÇÃO VEGETAL AGROECOLÓGICA III Ciclo de Palestras Produção Animal, Meio Ambiente e Desenvolvimento - UFPR Julio Carlos B.V.Silva Instituto Emater juliosilva@emater.pr.gov.br A produção

Leia mais

Curso Técnico em Agroecologia

Curso Técnico em Agroecologia Curso Técnico em Agroecologia Nível/Grau/Forma: Médio/Técnico/Integrado Vagas: 25 Turno: Integral Duração: 3 anos + estágio Perfil do Egresso O Técnico em Agroecologia deverá ser um profissional com formação

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : AGRONOMIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 230 Optativos: 10. 1º Semestre

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : AGRONOMIA. CRÉDITOS Obrigatórios: 230 Optativos: 10. 1º Semestre Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:07:30 Curso : AGRONOMIA

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS ÁREA: ENGENHARIA I

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS ÁREA: ENGENHARIA I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DA AMAZÔNIA COMISSÃO DE PROCESSO SELETIVO PONTOS ÁREA: ENGENHARIA I 1. Matriz: Conceito, notação e representação; Tipos de matriz; operação com matrizes; Aplicações; 2. Vetor:

Leia mais

LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS

LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS LIVRO DAS COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS CENTRO PAULA SOUZA - Nº 2, 2008, VERSÃO ELETRÔNICA Governador José Serra Secretário de Desenvolvimento Geraldo Alckmin Presidente do Conselho Deliberativo Yolanda Silvestre

Leia mais

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841

Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 Portaria Inep nº 232 de 13 de julho de 2010 Publicada no Diário Oficial de 14 de julho de 2010, Seção 1, pág. 841 A Presidente, substituta, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO)

MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) MATRIZ CURRICULAR - CURSO DE AGRONOMIA (DIURNO) Ingressantes a partir de 2015 1º SEMESTRE HORAS 2º SEMESTRE HORAS Introdução à Engenharia Agronômica 60 Metodologia Científica 60 Álgebra Linear 60 Desenho

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS - CCA MEMBROS DA CÂMARA DE ENSINO DO CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Sérgio Hermínio Brommonschenkel - Presidente Coordenadores de curso Agronomia (AGN) - Eveline Mantovani Alvarenga

Leia mais

Disciplina: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL E REDAÇÃO TÉCNICA Carga horária: 60h

Disciplina: PORTUGUÊS INSTRUMENTAL E REDAÇÃO TÉCNICA Carga horária: 60h EMENTAS DAS DISCIPLINAS 1 SEMESTRE Disciplina: MATEMÁTICA APLICADA Carga horária: 60h Ementa: Conjuntos numéricos. Operações em R. Geometria plana e espacial. Funções Polinomiais. Função Exponencial e

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 5, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1 º Período AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO Planeamento Curricular referente ao 1 º Período Ano e Turma 5º Disciplina Ciências Naturais Prof. (a) N.º Aulas Previstas Domínio: ÁGUA, O AR, AS ROCHAS

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA

CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA CURSO DE GRADUAÇÃO DE AGRONOMIA 1 o Período - GRADE CURRICULAR DO CURSO Citologia 5 Desenho Técnico 3 Física I 4 Matemática I 4 Morfologia Vegetal 5 Química Geral e Analítica 6 27 2 o Período - GRADE CURRICULAR

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO ALIMENTÍCIA EMENTÁRIO:

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 1, DE 2 DE FEVEREIRO DE 2006 1 Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Engenharia

Leia mais

Escola Básica de S. Pedro da Cova Ano Letivo 2015 / 2016 2º Ciclo do Ensino Básico Matriz da prova de Exame de Ciências Naturais

Escola Básica de S. Pedro da Cova Ano Letivo 2015 / 2016 2º Ciclo do Ensino Básico Matriz da prova de Exame de Ciências Naturais Escola Básica de S. Pedro da Cova Ano Letivo 2015 / 2016 2º Ciclo do Ensino Básico Matriz da prova de Exame de Ciências Naturais 1. Objeto da avaliação TEMAS CONTEÚDOS OBJETIVOS Grupo I (5º ano) (23 pontos)

Leia mais

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP

PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP PLANTIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA. INTEGRAÇÃO LAVOURA PECUÁRIA - ILP Autores: Eng.º Agr.º José Alberto Ávila Pires Eng.º Agr.º Wilson José Rosa Departamento Técnico da EMATER-MG Trabalho baseado em: Técnicas

Leia mais

AGRONOMIA. Campus Sede Maringá. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado

AGRONOMIA. Campus Sede Maringá. 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado AGRONOMIA Campus Sede Maringá 1. TURNO: Integral HABILITAÇÃO: Bacharelado GRAU ACADÊMICO: Engenheiro Agrônomo PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. PERFIL DO PROFISSIONAL A SER FORMADO

Leia mais

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM

Curso: Biomedicina PROGRAMA DE APRENDIZAGEM Curso: Biomedicina 1º. Semestre: DISCIPLINA: Anatomia Humana I SUPERINTEDÊNCIA B108508 04 1º 80 Estruturas anatômicas. Posição anatômica: planos, eixos e conceitos. Estruturas aplicadas às situações em

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior ASSUNTO: Aprovação das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso

Leia mais

para os cursos de Graduação da UAG-UFRPE

para os cursos de Graduação da UAG-UFRPE UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DE PERNAMBUCO UNIDADE ACADÊMICA DE GARANHUNS Av. Bom Pastor, s/n Boa Vista CEP 55292-270 Garanhuns, PE Telefones: (087) 3764-5505 3764-5517 Edital de seleção pública para ocupação

Leia mais

ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FCA 1º SEMESTRE ANO LETIVO 2013

ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FCA 1º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 ENSALAMENTO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO FCA 1º SEMESTRE ANO LETIVO 2013 Legenda: ANFITEATRO - FCA Eixo1 Eixo2 Eixo1 Eixo2 15h10min-16h05min Eixo1 Eixo2 16h00min-16h55min Eixo1 Eixo2 ANFITEATRO 1 ENG. AGRÍCOLA

Leia mais

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS

EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS EMENTÁRIO E BIBLIOGRAFIAS DAS DISCIPLINAS OPTATIVAS Agricultura e Sustentabilidade Pré-requisito: Ecologia Geral; Introdução a Agronomia A questão ambiental e o desenvolvimento: a evolução, fatores antrópicos

Leia mais

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014

Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular. J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 Engenheiro Agrônomo: Atribuições profissionais e matriz curricular J.O. Menten T.C. Banzato UFPB Areia/PB 27 a 30 de Outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO AGENDA 2. ATRIBUIÇÕES PROFISSIONAIS 3. MATRIZ CURRICULAR

Leia mais

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações)

ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) ANEXO I- (Quadro de Vagas com as respectivas codificações) P1 Auxiliar Administrativo, Auxiliar de Recursos Humanos, Auxiliar Financeiro. Fundamentos da administração, Recursos humanos e departamento de

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional Missão do Curso A função primordial do Engenheiro Agrônomo consiste em promover a integração do homem com a terra através da planta e do animal, com empreendimentos de interesse social e humano, no trato

Leia mais

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12.

Sistema de Controle Acadêmico. Grade Curricular. Curso : ENGENHARIA FLORESTAL. CRÉDITOS Obrigatórios: 241 Optativos: 12. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Pró-reitoria de Graduação - DAARG DRA - Divisão de Registros Acadêmicos Sistema de Controle Acadêmico Grade Curricular 30/01/2014-13:09:29 Curso : ENGENHARIA

Leia mais

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas

A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas A necessidade do profissional em projetos de recuperação de áreas degradadas Moacyr Bernardino Dias-Filho Engenheiro Agrônomo, pesquisador da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA www.diasfilho.com.br Conceito

Leia mais

Pré-requisito Coreq Disciplina 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: 01/01/2006. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34

Pré-requisito Coreq Disciplina 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: 01/01/2006. Natureza - Obrigatoria Prática 34 Teórica 34 1 de 9 Colegiado: Nível:Graduação Início: 19941 Título: Concluinte: Mínimo: 01 - - CCA024 - BIOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA029 - ZOOLOGIA GERAL - Ativa desde: CCA283 - METODOLOGIA DA PESQUISA - Ativa

Leia mais

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015

Planificação Curricular Anual Ano letivo 2014/2015 PROCESSOS VITAIS COMUNS AOS SERES VIVOS Trocas nutricionais entre o organismo e o meio: nos animais. 1. Compreender a importância de uma alimentação equilibrada e segura 1.1. Apresentar um conceito de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 20/12/2004, seção 1, pág.29. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional

Leia mais

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE:

Artigo 3º São objetivos secundários da FEPE: 1 REGIMENTO DA FAZENDA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO-FEPE ELABORADO DE ACORDO COM A RESOLUÇÃO UNESP-59, DE 14-11-2008, RESOLUÇÃO UNESP-40, DE 11-10-2011 E PORTARIA UNESP-469, DE 25-7- 2012 Do Conceito

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EAD (Currículo 2015)

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EAD (Currículo 2015) EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS EAD (Currículo 2015) ANATOMIA E FISIOLOGIA HUMANA C/H 105 D0232 Estudo anatômico e fisiológico dos sistemas: digestório, circulatório,

Leia mais

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde

Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde Manhã Tarde BLOCO I ANFITEATRO A 78 carteiras c/ PG - EA Manutenção e Lubrificação de Máquinas Agrícolas PG -EA Ensaio de Máquinas Agrícolas Radiação Solar- SALA 2 SALA 3 SALA 4 50 carteiras c/ SALA 7 SALA 8 SALA

Leia mais

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma:

A Matriz curricular do curso de Engenharia Agronômica das Faculdades Integradas de Santa Fé do Sul fica estabelecida da seguinte forma: 5.2 Objetivo do Curso Capacitar o aluno para que se torne um profissional com habilidades para produzir mais e melhor, com competência para gerenciar e gerar tecnologias que reduzam os impactos negativos

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) Viveirista de Plantas e Flores Florestal 2014 Reitora da Universidade Federal de Viçosa Nilda de Fátima Ferreira Soares Pró-Reitor de

Leia mais

RELAÇÃO DE DISCIPLINAS COM RESPECTIVAS VAGAS DE MONITORIA REMUNERADA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA

RELAÇÃO DE DISCIPLINAS COM RESPECTIVAS VAGAS DE MONITORIA REMUNERADA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMARA DE MONITORIA RELAÇÃO DE DISCIPLINAS COM RESPECTIVAS DE MONITORIA REMUNERADA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA DAE GAE0 Comportamento

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 2.º CICLO DISCIPLINA: CIÊNCIAS NATURAIS 6.º ANO Período Nº semanas Nº de aulas Previstas 1º 13 37 2º 10 32 3º 9 27 TOTAL 96 Domínios Subdomínios

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE ENSINO COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO DESCRITORES DE CIÊNCIAS PROVA - 3º BIMESTRE 2011 4º ANO Compreender o processo

Leia mais

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO

Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Anexo 1 DESCRIÇÃO SUMÁRIA DE ATIVIDADES DO CARGO Cargos Classe B Auxiliar de Laboratório: desenvolver atividades auxiliares gerais de laboratório bem como, de áreas específicas, de acordo com as especialidades,

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, ENSINO TÉCNICO INTEGRADO AO MÉDIO E CURSOS PROEJA RETIFICAÇÃO Nº. 01, DE 03 DE SETEMBRO 2014.

PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, ENSINO TÉCNICO INTEGRADO AO MÉDIO E CURSOS PROEJA RETIFICAÇÃO Nº. 01, DE 03 DE SETEMBRO 2014. ENTRADA / SEMESTRE PESSOA COM DEFICIÊNCIA (A) AMPLA CONCORRÊNCIA(B) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO PROCESSO SELETIVO PARA OS CURSOS TÉCNICOS SUBSEQUENTES, ENSINO TÉCNICO INTEGRADO AO MÉDIO E CURSOS PROEJA Edital

Leia mais

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO IAPAR PCIapar 2010-2015

PLANO DE CAPACITAÇÃO DO IAPAR PCIapar 2010-2015 PLANO DE CAPACITAÇÃO DO IAPAR PCIapar 2010-2015 DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS 1. APRESENTAÇÃO...2 2. DOS FUNDAMENTOS DO PCIapar...4 3. DOS OBJETIVOS...6 3.1. Objetivo geral...6 3.2. Objetivos Específicos...7

Leia mais

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS

CURSO DE MESTRADO EM ENGENHARIA FLORESTAL EMENTAS DE DISCIPLINAS A MADEIRA NA CONSTRUÇÃO Ementa: Introdução ao material madeira. Potencialidades da madeira e o seu emprego na construção civil. Valor ecológico-ambiental das madeiras no ciclo do carbono. Aplicação como

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

5.6 EDUCAÇÃO AMBIENTAL. 5.6.1 Objetivos da Educação Ambiental

5.6 EDUCAÇÃO AMBIENTAL. 5.6.1 Objetivos da Educação Ambiental HABITAÇÃO E MEIO AMBIENTE - Abordagem integrada em empreendimentos de interesse social Os resultados da auditoria devem ser divulgados e discutidos para a adoção de medidas corretivas. As medidas devem

Leia mais

Curso Disciplina Tipo Cargo Formação Titulação Requisitos Horário. Administração / Psicologia. Especialização. Especialização

Curso Disciplina Tipo Cargo Formação Titulação Requisitos Horário. Administração / Psicologia. Especialização. Especialização Curso Disciplina Tipo Cargo Formação Titulação Requisitos Horário Comunicação Empresarial Psicologia Conhecimento em comunicação empresarial e comunicação oral e escrita. 3º e 4º feiras das 19h20 Ciências

Leia mais

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo -

Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Plano Anual Curricular Estudo do Meio - 1º Ciclo - Estudo do Meio 1º Ano 1º Período 2º Período 3º Período À descoberta de si mesmo - A sua identificação Conhecer a sua identificação Conhecer o seu nome

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que:

PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO. O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: PERFIL PROFISSIONAL DO EGRESSO O IFFarroupilha, em seus cursos, prioriza a formação de profissionais que: Tenham competência técnica e tecnológica em sua área de atuação; Sejam capazes de se inserir no

Leia mais

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA PROVA OBJETIVA NÍVEL SUPERIOR

MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO PRÓ-REITORIA ADMINISTRATIVA CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA PROVA OBJETIVA NÍVEL SUPERIOR ANEXO II DO EDITAL DE CONCURSO PÚBLICO N. o 006/PROAD/SGP/2009 CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS DA PROVA OBJETIVA NÍVEL SUPERIOR Cargos: Administrador Técnico em Assuntos Educacionais Língua Portuguesa (para os

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS - IFSULDEMINAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Regulamento 2ª Olimpíada Brasileira de Agropecuária OBAP 1.

Leia mais

ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES

ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES PROCESSO SELETIVO PARA O CURSO TÉCNICO EM AGROPECUÁRIA INTEGRADO AO ENSINO MÉDIO 2013.1 (EDITAL Nº 004/2012) ETAPA: SONDAGEM DOS SABERES Instruções: 1. A Sondagem dos Saberes está constituída de 20 (vinte)

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009).

EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE NUTRIÇÃO GRADE (2009). ABASTECIMENTO E CUSTOS EM NUTRIÇÃO 1593 C/H 68 Conceito, processo e classificação de custos. Custos de mão-de-obra. Custos diversos. Política,

Leia mais

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases:

Composição da atmosfera terrestre. Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Poluição do ar Composição da atmosfera terrestre Fruto de processos físico-químicos e biológicos iniciados há milhões de anos Principais gases: Nitrogênio 78% Oxigênio 21% Argônio 0,9% Gás Carbônico 0,03%

Leia mais

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO

ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO ANEXO I, DA PORTARIA N 111 MATRIZ DE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES DO ENCCEJA/2003 ENSINO MÉDIO 1 - Matriz de Competências e Habilidades de Ciências da Natureza e Suas Tecnologias Ensino Médio EIXOS COGNITIVOS

Leia mais

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO

SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO 13º Encontro Nacional de Plantio Direto na Palha SISTEMA PLANTIO DIRETO, EM CONSTANTE EVOLUÇÃO José Eloir Denardin Embrapa Trigo AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO DENARDIN, 2012 CONFERÊNCIA DE ABERTURA OBJETIVOS

Leia mais

ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2012/02 ALUNO ESPECIAL

ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL QUADRO DE OFERTA DE DISCIPLINAS 2012/02 ALUNO ESPECIAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA, MEDICINA VETERINÁRIA E ZOOTECNIA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL ANEXO I COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO

Leia mais

DADOS DOS CURSOS TÉCNICOS NA FORMA CONCOMITANTE. 1500 (1200 horas das disciplinas + 300 horas de estágio)

DADOS DOS CURSOS TÉCNICOS NA FORMA CONCOMITANTE. 1500 (1200 horas das disciplinas + 300 horas de estágio) INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO AMAZONAS PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO E EMPREGO PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO COMITE GESTOR CENTRAL DO PRONATEC DADOS DOS CURSOS TÉCNICOS

Leia mais

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 6 ọ ano (Regime 9 anos) 5 ạ série (Regime 8 anos) 1. Astronomia: estudando o céu Estrelas e constelações Estudo do Universo Sistema Solar 2. Movimentos da Terra e da Lua Dia e noite Estações

Leia mais

PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS

PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS PROJETO DE CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA FIC RECURSOS NATURAIS CURSO: MANEJO DE CULTURAS ANUAIS REGIONAIS CAMPUS: IF SERTÃO-PE Campus Floresta CARGA HORÁRIA: 160h PÚBLICO-ALVO: Técnicos agrícolas,

Leia mais

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE

TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE TECNOLOGIA EM MEIO AMBIENTE 1. TURNO: Noturno MODALIDADE: Saneamento ÁREA: Meio Ambiente e Tecnologia da Saúde GRAU ACADÊMICO: Tecnólogo em Meio Ambiente PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 3 anos Máximo =

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 01/014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Projeto Educativo e Programa de Biologia e Geologia do 11ºano ENSINO SECUNDÁRIO BIOLOGIA

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III

PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III PROGRAMA DE BOLSA ACADÊMICA DE EXTENSÃO PBAEX / EDIÇÃO 2016 CAMPUS AMAJARI ANEXO III FORMULÁRIO DA VERSÃO ELETRÔNICA DO PROJETO / ATIVIDADE DE EXTENSÃO PBAEX 2016 01. Título do Projeto Implantação e desenvolvimento

Leia mais

OBJETIVOS 2 o TRIMESTRE 2014 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA. Objetivos Essenciais:

OBJETIVOS 2 o TRIMESTRE 2014 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA. Objetivos Essenciais: OBJETIVOS 2 o TRIMESTRE 2014 6 os ANOS LÍNGUA PORTUGUESA Interpretar os diversos gêneros textuais (crônica, notícia, debate oral regrado e paródia), identificando os mecanismos estruturais da narrativa;

Leia mais

Curso Técnico em Fruticultura, eixo tecnológico Recursos Naturais na forma integrada ao Ensino Médio

Curso Técnico em Fruticultura, eixo tecnológico Recursos Naturais na forma integrada ao Ensino Médio ESTADO DE SANTA CATARINA Secretaria de Estado da Educação Diretoria de Educação Básica e Profissional Gerência de Ensino Médio Curso Técnico em Fruticultura, eixo tecnológico Recursos Naturais na forma

Leia mais

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015

Planificação Anual. Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Planificação Anual Professora: Maria da Graça Valente Disciplina: Ciências Naturais Ano: 6.º Turma: B Ano letivo: 2014-2015 Competências Aprendizagens Atividades/Estratégias Avaliação o Relacionar alimento

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL. Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO PROFISSIONAL Plano de Trabalho Docente 2014 Etec Dr. José Luiz Viana Coutinho Código: 073 Município: Jales - SP EE: Eixo Tecnológico: Recursos Naturais Habilitação

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

Tipos de Sistema de Produção

Tipos de Sistema de Produção Tipos de Sistema de Produção Os sistemas de cultura dominantes conjunto de plantas cultivadas, forma como estas se associam e técnicas utilizadas no seu cultivo apresentam grandes contrastes entre o Norte

Leia mais

A formação profissional de engenharia UFRA. Prof. Sergio Pinheiro

A formação profissional de engenharia UFRA. Prof. Sergio Pinheiro A formação profissional de engenharia agronômica pela UFRA Prof. Sergio Pinheiro O Curso de Agronomia da UFRA Início: 1951 Escola de Agronomia da Amazônia (EAA) Criado pelo Decreto Lei nº. 8.290, de 05.12.1945.

Leia mais

PAISAGISMO AGROECOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA

PAISAGISMO AGROECOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA PAISAGISMO AGROECOLÓGICO: UMA EXPERIÊNCIA PEDAGÓGICA Ana Christina Duarte Pires 1 - UFPR Gilson Walmor Dahmer 2 - UFPR Mário Sérgio Nicolodi 3 - UFPR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência

Leia mais

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas

DEFENSIVOS AGRÍCOLAS Competências - Planejar, organizar e monitorar o uso adequado dos diferentes tipos de defensivos agrícolas Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Dois Vizinhos Diretoria de Graduação e Educação Profissional COAGO Coordenação do Curso Técnico em Agropecuária 1º PERÍODO AGROECOLOGIA

Leia mais

CURSO BACHARELADO EM AGRONOMIA

CURSO BACHARELADO EM AGRONOMIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SERTÃO PERNAMBUCANO CAMPUS PETROLINA ZONA RURAL CURSO BACHARELADO EM AGRONOMIA

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde.

ASPECTOS SÓCIO POLÍTICO DA SAÚDE Noções básicas de políticas sociais, com ênfase nas do setor saúde. 1º PERÍODO ANATOMIA HUMANA Unidade I - Anatomia sistemática-generalidades - Nomenclatura anatômica. Sistema ósseo. Articular. Muscular. Sistema nervoso. Sistema circulatório. Sistema digestivo. Sistema

Leia mais

PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009

PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009 PORTARIA CONJUNTA SEPLAG/IBRAM Nº 02, DE 06 DE FEVEREIRO DE 2009 DODF de 10.02.2009 O SECRETÁRIO DE ESTADO DE PLANEJAMENTO E GESTÃO DO DISTRITO FEDERAL e o PRESIDENTE DO INSTITUTO DO MEIO AMBIENTE E DOS

Leia mais

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO

CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO CONTEÚDOS DE BIOLOGIA POR BIMESTRE PARA O ENSINO MÉDIO COM BASE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ESTADO DE PERNAMBUCO GOVERNADOR DE PERNAMBUCO João Lyra Neto SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO E ESPORTES Ricardo Dantas

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE DIREITO

DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE DIREITO DISTRIBUIÇÃO DOS PONTOS PARA A PROVA DIDÁTICA SORTEADOS EM 19/07/2010 CAMPUS CAIAPÔNIA FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS Contabilidade Geral Noções de Custo Contabilidade de Custos Teoria Superior da Contabilidade

Leia mais

Administração Regional ANEXO VI DESCRIÇÃO RESUMIDA DOS CURSOS

Administração Regional ANEXO VI DESCRIÇÃO RESUMIDA DOS CURSOS ANEXO VI DESCRIÇÃO RESUMIDA DOS CURSOS FPR - FORMAÇÃO PROFISSIONAL RURAL Cursos CH Descrição FRUTICULTURA BÁSICA BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS NA FRUTICULTURA PODA E ENXERTIA DO CAJUEIRO

Leia mais

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico

Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação. Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Embasamento técnico de projetos de conservação do solo para atendimento da legislação Isabella Clerici De Maria Instituto Agronômico Áreas Agrícolas Diferentes situações Aspectos que devem ser vistos em

Leia mais

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES

AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES AVALIAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE DE UMA ESCOLA TÉCNICA AGRÍCOLA POR MEIO DE INDICADORES Rafael José Navas da Silva. CEETEPS ETEC. Prof. Edson Galvão Itapetininga/SP. Resumo O conceito de desenvolvimento sustentável

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com

GESTÃO AMBIENTAL. Aplicação da ecologia na engenharia civil ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.com ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Aplicação da ecologia na engenharia

Leia mais

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente

ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS. Modalidade Subseqüente Serviço Público Federal Ministério da Educação Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará Campus Belém Processo Seletivo Técnico Subseqüente 2012/2 ANEXO II INFORMAÇÕES BÁSICAS DOS CURSOS

Leia mais

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010

III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí III Jornada Científica 19 a 23 de Outubro de 2010 Efeito da iluminação noturna na prevenção de injúrias causadas por Neoleucinodes elegantalis (Broca-pequena-do-tomateiro) Francisco Vagner Pereira de SOUZA¹; Silvério Augusto de PAULA²; Paulino da Cunha

Leia mais

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS

SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS 1) Perfil do curso: SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO ENGENHARIA CIVIL POÇOS DE CALDAS O curso de Engenharia Civil da PUC Minas, campus de Poços de Caldas, tem como objetivo principal formar um profissional

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I

CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONCURSO PÚBLICO PARA A CARREIRA DE TÉCNICO-ADMINISTRATIVO EM EDUCAÇÃO EDITAL N.º 195, DE 26 DE JULHO DE 2011 ANEXO I REQUISITOS BÁSICOS PARA INVESTIDURA

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL

APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL APRESENTAÇÃO DA CERTIFICAÇÃO OCUPACIONAL A Agência de Certificação Ocupacional (ACERT) é parte integrante da Fundação Luís Eduardo Magalhães (FLEM) Centro de Modernização e Desenvolvimento da Administração

Leia mais

ANEXO I. 40 horas Ensino superior completo em engenharia ambiental e registro no órgão de classe (CREA)

ANEXO I. 40 horas Ensino superior completo em engenharia ambiental e registro no órgão de classe (CREA) ANEXO I FUNÇÃO VAGAS REMUNERAÇÃO E/OU CARREIRA/ CLASSE Engenheiro Ambiental 01 R$ 3.749,14 + valor de R$ 800,00 CARGA HORÁRIA SEMANAL ESCOLARIDA DE E TITULAÇÃO 40 horas Ensino superior completo em engenharia

Leia mais

FACULDADE CIDADE DE COROMANDEL Mantenedora: Associação Educacional de Coromandel EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2016

FACULDADE CIDADE DE COROMANDEL Mantenedora: Associação Educacional de Coromandel EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2016 EDITAL DE SELEÇÃO Nº 001/2016 Dispõe sobre abertura do processo seletivo para contratação de docentes para Disciplinas da Educação Superior. A Direção Geral e Coordenação de Recursos Humanos da Faculdade

Leia mais