DESENHO TÉCNICO PARA PROJETOS ARQUITETÔNICOS: APLICAÇÃO DE UM MINI CURSO A DISTÂNCIA, USADO COMO APOIO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENHO TÉCNICO PARA PROJETOS ARQUITETÔNICOS: APLICAÇÃO DE UM MINI CURSO A DISTÂNCIA, USADO COMO APOIO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL"

Transcrição

1 DESENHO TÉCNICO PARA PROJETOS ARQUITETÔNICOS: APLICAÇÃO DE UM MINI CURSO A DISTÂNCIA, USADO COMO APOIO AO ENSINO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL Arkana Kelly Csta Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanism-Departament de Arquitetura e Cnstruçã. End. Avenida Albert Einstein, 951 Cidade Universitária "Zeferin Vaz". Caixa Pstal 6021 CEP: Campinas - SP Aparecid Fujimt Ana Lúcia N. C. Clélia Mnastéri- Waldir Dezan- Rbert Resum: Este artig mstra a experiência de criaçã e implementaçã de um mini-curs a distância, que fi utilizad cm api a ensin em curss de graduaçã em Engenharia Civil. A finalidade deste mini-curs fi estabelecer cntat cm ambiente virtual a prfissinais de educaçã (da área de engenharia civil), prprcinand a estes um melhr us das nvas tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã. Objetivava-se também estimular e facilitar diálg e as relações de interaçã entre frmadres / aluns num ambiente virtual de ensin/aprendizagem. O mini-curs fi aplicad em turmas d primeir períd de Engenharia Civil e teve cm cnteúd nções inicias sbre desenh arquitetônic. Fi usad cm suprte da aplicaçã ambiente virtual de aprendizagem TelEduc. Cm resultad mini-curs que embra aparentemente nã tenha despertad muit interesse ds aluns inscrits, prprcinu para seus frmadres, através de sua elabraçã e aplicaçã, um melhr entendiment sbre a Educaçã a distância (EAD) e estimulu a prática d relacinament entre aluns/frmadres, prprcinand uma melhra na utilizaçã ds recurss tecnlógics de infrmaçã e cmunicaçã. Palavras chave: Educaçã a Distância, Ensin de Engenharia, Engenharia Civil, Desenh Técnic. 1

2 1. INTRODUÇAO Este relat descreve a experiência desenvlvida na disciplina IC 040 EAD na Arquitetura e Cnstruçã, d prgrama de pós-graduaçã em Engenharia Civil da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanism -FEC da UNICAMP, durante primeir semestre de Após as atividades iniciais e depis de algumas discussões, grup (Crdenadra e aluns) ptu pr elabrar um mini-curs, a invés de váris, devid principalmente a cmplexidade da cmpilaçã d material necessári para a elabraçã d mini-curs dentr d praz estipulad e a necessidade de bter um cnjunt de aluns, cm características especificas, para cada mini-curs. A seguir, trnu-se necessári definir qual seria tema abrdad. Dentre as pções, fi sugerid um mini-curs que apresentaria sugestões de cm evitar errs cmuns em cnstruções. Esta idéia fi descartada em virtude da dificuldade da aplicaçã d mini-curs, uma vez que mini-curs deveria ser aplicad em um lcal pré-determinad em virtude das cndições ecnômicas d public alv. Outra sugestã cnsistia na elabraçã de um mini-curs de Desenh Técnic que atendesse as necessidades de duas disciplinas da graduaçã, da FEC/UNICAMP. Estas disciplinas pssuem uma lacuna caracterizada pela representaçã de elements específics de Arquitetura e Cnstruçã que nã é apresentada na disciplina Desenh I, mas é slicitada em sua sucessra. Esta pçã fi bem vista pels participantes, uma vez que s aluns pderiam ser cntatads cm mair facilidade, vist que estariam na mesma faculdade que seus frmadres. A realizaçã d mini-curs fi embasada numa abrdagem pedagógica, nde se elabru um prjet didátic em que a representaçã gráfica através d desenh técnic pudesse atender as aluns participantes. Assim send, adtad cnsensualmente a metdlgia a ser aplicada, estabeleceu-se para sua cncretizaçã 12 móduls, cm teria simplificada numa linguagem predminantemente visual. O bjetiv principal n cas da aplicaçã deste curs fi a aplicaçã ds cnheciments adquirids na disciplina, de frma a refrçar ensin de desenh a algumas turmas iniciantes ds curss de arquitetura e engenharia. A elabraçã d curs tiru partid da tecnlgia da infrmaçã, e utilizu ambiente virtual de aprendizagem TelEduc(desenvlvid pela própria UNICAMP) cm ferramenta para aplicaçã ds cnheciments btids na disciplina, abrind um canal de cmunicaçã entre frmadres e aluns, e pssibilitand aprendizad a distancia. Observu-se também que devid sua cmplexidade, para se mntar um curs a distancia é necessári bastante trabalh e cuidad, cnteúd da matéria prpsta deve estar bem definid e detalhad e é precis também prprcinar meis para que s aluns tenham um cntat cm frmadres através de ferramentas de cmunicaçã tant síncrnas cm assíncrnas. Em vistas destes aspects a realizaçã deste mini-curs teve cm bjetivs: Estabelecer cntat cm ambiente de Educaçã a Distância (EAD) á prfissinais de educaçã cm experiência n ensin presencial; Prprcinar us de tecnlgias de infrmaçã e cmunicaçã (TICs) e destas aplicadas a EAD; Organizar rientações para us de recurss de TICs em curss que pssam ser ministrads futuramente; Desenvlver e aplicar um curs a distância; Estimular e facilitar diálg e as relações de interaçã entre frmadres / aluns num ambiente virtual de ensin/aprendizagem. 2

3 3. A EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA A educaçã a distância, cnfrme Mansur (2001), nasceu e se desenvlveu cm respsta a um acúmul imprtante de necessidades educacinais, cm pr exempl: a alfabetizaçã, a incrpraçã cada vez mais precce a mund d trabalh e também em cass cm de ppulações isladas ds centrs urbans impssibilitadas, pr diverss fatres, de ter acess as frmas cnvencinais de ensin. A EAD nã é uma nvidade, ela já existe há muit temp e já se utilizu de diverss meis de cmunicaçã. Deste seu surgiment, as diferentes tecnlgias incrpradas a ensin cntribuíram para definir s suprtes fundamentais das prpstas de EAD. Inicialmente fram utilizads livrs e cartilhas, depis, na década de 1970, a televisã e rádi. Após iss, ns ans 80, fram intrduzids s áudis e vídes e ns 90, a incrpraçã de redes de satélite, crrei eletrônic, internet e prgramas especialmente cncebids para s suprtes infrmátics da mdalidade. Estas mdernas tecnlgias prprcinam a resluçã de um ds prblemas cruciais da educaçã a distância, a interatividade. Ns dias atuais, sã desenvlvidas várias alternativas que permitem as usuáris fazerem cnsultas cm especialistas, bem cm intercambiar piniões, prblemas u prpstas cm utrs usuáris.a mesm temp, este prcess também permite que eles aprendam a utilizar prgramas que atualizam a infrmaçã cnstantemente. Além destes fatres, um fat decrrente deste prcess é que a Internet, além de ser um recurs de entreteniment e diversã, trnu-se mais uma imprtante referência n prcess de aprendizagem e cnstruçã d cnheciment. Ist se deu devid a fat de ser um mei que cmbina pder de várias mídias cm: jrnais, revistas, rádi, TV, abrangend uma grande variedade de tecnlgias de cmputaçã, telecmunicações, entreteniment, interligand text digitalizad, sns, imagens e víde. N mund td, a EAD e seus prcesss de ensin, têm sid utilizads em larga escala, em áreas que vã desde a agricultura, a saúde até a capacitaçã empresarial. Para Rezende (1999) grande avanç tecnlógic e acúmul de cnheciments na sciedade mderna cnduzem a uma abrdagem pedagógica d ensin/aprendizagem cada vez mais hlística, integrada e multidisciplinar. Para muits autres a frma que s cmputadres pderã ser utilizads n prcess educacinal pde mdificar s paradigmas atuais da educaçã. As características de flexibilidade, aliadas a sua versatilidade, fazem cm que cmputadr pssa ser usad cm mei u recurs instrutiv distint ds tradicinais, abrind perspectivas ilimitadas. Cnfrme Rezende (1999), s recurss de cmunicaçã mediada pr cmputadr, multimídia e internet trnam a cmunicaçã mais acessível, a integraçã mais viável e cnheciment mais dispnível, send instruments capazes de mtivar alun, enriquecer ambiente educativ e estimular a criatividade na busca de sluçã de prblemas. Segund Medeirs Filh (2004) a utilizaçã de cmputadres n mei educativ cresce a cada dia e cnseqüentemente gera muitas investigações a respeit da influência desta tecnlgia n sistema educativ. Atualmente educadres de td mund estã discutind este sistema educativ. A mairia destas investigações busca embasaments teórics relacinads a entender cm ser human adquire cnheciments para estabelecer uma relaçã cm prcess educativ. De fat se entenderms melhr cm ser human aprende, pderems utilizar métds e técnicas específicas de frma a bter maires resultads nas nssas esclas e ns nsss prcesss de ensin/aprendizagem. 3

4 Segund Vianney (2003), n Brasil, estima-se que aprximadamente 100 instituições de ensin superir estejam utilizand métds de EAD e em trn de 60% destes cass recrrem a Internet. Na Unicamp várias atividades sã desenvlvidas pela equipe EAD que prestam serviçs à cmunidade acadêmica através de (): Ambiente teleduc Api na elabraçã de prjet de EAD Videcnferência e transmissã de víde sb demanda Hspedagem de paginas WEB 4. MANUFATURA DO MINI-CURSO Depis de ter sid estabelecid tema para mini-curs este se chamu de Dtarq - Desenh técnic para prjets arquitetônics, e fi desenvlvid nas seguintes etapas: 1. Prcess de definiçã ds temas a serem abrdads 2. Definiçã ds móduls de estud 3. Divisã de tarefas na manufatura ds móduls 4. Esclha ds tips de recurss tecnlógics que seriam utilizads 5. Manufatura ds móduls 6. Aplicaçã d mini-curs 4.1 Divisã de tarefas na manufatura ds móduls A elabraçã e desenvlviment d mini-curs cntu cm trabalh de 9 frmadres e 1 crdenadr que utilizaram diverss recurss para execuçã d mesm. A equipe cntu cm 5 engenheirs civis, 4 arquitets e 1 engenheir eletrônic. Definiram-se dis grups de trabalh de frmadres: s cnteudistas e a equipe de avaliaçã. Os cnteudistas seriam respnsáveis pel cnteúd e acmpanhament ds aluns n mini-curs e a equipe de avaliaçã seria respnsável pela elabraçã e estruturaçã das avaliações diagnósticas, acmpanhament da avaliaçã frmativa ds aluns e também pela cmpilaçã ds dads da avaliaçã geral d mini-curs. 4.2 Prcess de definiçã ds temas a ser abrdads: Neste pnt definiu-se que seriam abrdads temas específics sbre desenh técnic e deste aplicad a cnstruçã civil e arquitetura. A idéia era apresentar as aluns d mini-curs seqüenciament das atividades na elabraçã de um prjet executiv de arquitetura. N quadr que segue é mstrad rteir inicial de trabalh: 4

5 Quadr1.Planejament inicial d cnteúd Pedaggia prpsta para mini-curs Planejament inicial d cnteúd para mini-curs: Tópics Cnteúd 1 Apresentaçã d curs - intrduçã à TGP Frmadr 1/ Frmadr 2 2 VO primárias Frmadr 1/ Frmadr 2 3 Geraçã de plantas e crtes Frmadr 1/ Frmadr 2 4 Simblgia básica Frmadr 3 5 Nções de cbertura, nmenclaturas e representações Frmadr 3 6 Escala e nrmas de ctagem Frmadr 4 7 Nções de tpgrafia, planificaçã e curvas de nível Frmadr 4/ Frmadr 5 8 Representaçã de escadas Frmadr 3 9 Planta de situaçã e implementaçã Frmadr 5 10 Intrduçã à representaçã de prjet hidráulic Frmadr 6 11 Detalhament de caixilharia Frmadr 7/Frmadr 8 12 Representaçã de um prjet arquitetônic cmplet (?) Frmadr 5 Planejament para abrdagem pedagógica: Cada módul cm a teria bastante simplificada e numa linguagem predminantemente visual (bem estruturad); Exercícis cmplementares envlvend um prjet geral a ser desenvlvid pr partes(interacinista, cm acessria ds mnitres) Planejament para a estruturaçã d mini-curs: 12 móduls cm cnteúd teóric a ser lid em trn de 10 minut; Exercícis dissertativs pr módul para fixaçã - para serem feits em trn de 1:30h pr módul. Junt cm a teria um exempl interativ cm um prjet d Rin Levi. (além ds 10min.) Avaliações: diagnóstica - na hra da inscriçã, frmativa (exercícis múltipla esclha pr módul), smativa - resultad final d prjet individual 4.3 Definiçã ds móduls de estud O curs abrdu de frma genérica, alguns ds desenhs mais utilizads n prcess de desenvlviment de prjet. A seqüência ds móduls seguiu a rdem usual d desenvlviment de um prjet arquitetônic, send que s móduls iniciais tinham cm 5

6 prpsta intrduzir alun a desenh e as pssíveis frmas de representaçã a serem adtadas.além destes móduls fi pensad um módul final que traria um exempl real de cm desenh técnic pderia ser utilizad num prjet arquitetônic. 4.4 Recurss tecnlógics utilizads e manufatura ds móduls Para bm andament d mini-curs fi necessári, nã smente elabrar material didátic, mas também utilizar ferramentas aprpriadas para que sua interface fsse, a mesm temp, amigável e eficiente. Os materiais desenvlvids pdem ser classificads em três categrias: páginas da internet, mdels tridimensinais e aplicativs. Para desenvlviment d material didátic, ptu-se pela elabraçã das páginas seguind frmat HTML (HyperText Markup Language). Para tal, huve uma apresentaçã deste padrã e d editr Micrsft FrntPage para a grande mairia ds participantes. Deve-se lembrar que a prpsta d grup seria elabrar um mini-curs de Desenh Técnic. Desta frma, us de recurss cm imagens e animações fram fundamentais para que a interface permitisse a usuári (alun) cmpreender melhr s cnceits infrmads textualmente. As imagens fram desenvlvidas em aplicativs diverss, desde ferramentas CAD até editres gráfics cm Micrsft Paint. Estes aplicativs CAD permitiram cm que s bjets pudessem ser mdelads tridimensinalmente, permitind cm que diverss ânguls fssem ftgrafads. Além diss, texturas de materiais diverss puderam ser aplicads as bjets trnand-s mais reais. Dentre s aplicativs utilizads, destacam-se s AutCAD da Autdesk, bem cm seu módul Architectural Desktp e MicrStatin da Bentley. As animações fram desenvlvidas pr dis caminhs distints: a mdelagem tridimensinal n aplicativ MicrStatin e representaçã bidimensinal em Macrmedia Flash. Em ambs s cass, prdut final fi um arquiv n frmat GIF (Graphics Interchange Frmat). Além diss, fi desenvlvid um aplicativ que permite cm que alun faça uma visita virtual pela cnstruçã apresentada n últim módul, representand a aplicaçã ds cnceits em um prjet real. Este aplicativ fi desenvlvid n ambiente Delphi, utilizand a linguagem Object Pascal. Para que s efeits visuais fssem satisfatóris, a bibliteca gráfica OpenGL fi utilizada, permitind que bjets fssem mdelads, texturas aplicadas e animações geradas. 4.4 Aplicaçã d mini-curs O mini-curs fi aplicad n períd de 2 a 23 de junh de Utilizu-se a abrdagem pedagógica instrucinista e mini-curs fi dispnibilizand n ambiente virtual d TelEduc nde s participantes cm a agenda estabelecida e prjets definids pels móduls puderam durante 17 dias analisar, cnfrntar s desenhs e exercícis prpsts e em seguida enviarem suas resluções a cada frmadr via e ns bate-paps n ambiente virtual. Em cada módul, fi apresentad um exercíci de cmplementaçã que auxiliu prjet d mini curs Dtarq que deveria ser desenvlvid em etapas. Daí a necessária inserçã de valres humans na interaçã frmadr/alun/prfessr. Desta frma, destacu-se centrar interesse ns aluns, bservar e cmpilar dads btids, trabalh n prjet (móduls) e nível das sluções ds prblemas e exercícis frnecids n mini-curs Dtarq. 6

7 5. RESULTADOS Buscava-se n univers deste cntext didátic-pedagógic inferir as participantes sens de bservaçã, analise, cleta de dads, planejament e execuçã das tarefas ds móduls apresentads numa interaçã biunívca cm s frmadres, cm um agendament flexível cm base na estruturaçã d mini-curs apresentad. Em cncmitância cm s bjetivs fundamentads n mini-curs, cube as aluns cmprmiss e a respnsabilidade de cnduzir as tarefas pré-estabelecidas de frma clara e num trabalh clabrativ e cube as frmadres a missã de serem facilitadres da aprendizagem, cnstituind-se cm mediadres deste prcess a distância. A aplicaçã d mini-curs desenvlveu-se da seguinte frma: N primeir mment fi aplicada uma avaliaçã diagnóstica (n ambiente virtual), para verificar cnheciment ds aluns e analisar cresciment destes em uma avaliaçã final após a aplicaçã d curs. Nesta avaliaçã bteve-se um alt grau de acerts pr parte ds inscrits, fat que talvez pssa ter desestimulad a cntinuaçã d curs. Fi realizada ainda uma segunda avaliaçã diagnóstica (desta vez presencialmente), cm intuit de gerar dads cmparativs entre estas duas avaliações e uma avaliaçã que seria realizada a final d curs. Tal avaliaçã final nã fi pssível de ser realizada. Para uma melhr dinâmica d acmpanhament d mini-curs fi criad um hrári de atendiment nde cada frmadr respnsável pr determinad módul, deveria ficar 30 min pr dia a dispsiçã ds inscrits, temp em que pderiam ser esclarecidas as eventuais dúvidas. O mini-curs fi aplicad a 70 aluns, estudantes d curs de graduaçã em Engenharia Civil da Universidade Estadual de Campinas-UNICAMP (55) e de Arquitetura e Urbanism da Universidade Paulista -UNIP (15). Deste ttal de inscrits 27 aluns acessaram ambiente virtual d TelEduc. Onde 23 destes já haviam realizad a avaliaçã diagnóstica e 11 aluns acessaram sem ter realizad tal avaliaçã. Nã existiu registr de aluns nas sessões de bate-pap agendadas. Quant a acess geral d mini-curs, ds 366 acesss registrads até dia 29 de Junh de 2004, apenas 78 destes fi de aluns, tend sid restante de frmadres e crdenadra. 6. CONCLUSÕES E DISCUSSÃO Cncluiu-se que embra mini-curs tenha sid bem elabrad, e mesm cm esfrç da equipe de frmadres, esse parece nã ter despertad interesse ds aluns inscrits. Esse fat pde ter cm causa a falta de brigatriedade da participaçã e a cincidência entre a aplicaçã d curs e a épca de prvas e trabalhs finais d semestre na faculdade em que estã matriculads. Ist pderá ser revist em utras aplicações a partir de uma análise mais detalhada d interesse e da necessidade deste públic a ser atingid e d mment adequad a sua aplicaçã. Entretant para s frmadres a elabraçã d mini-curs e sua aplicaçã cntribuiu para um melhr entendiment sbre EAD. Estimulu a prática d relacinament entre aluns/frmadres e prprcinu uma melhra na utilizaçã ds recurss tecnlógics de infrmaçã e cmunicaçã. 7

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS MANSUR, A. A Gestã na Educaçã a Distância : Nvas Prpstas, Nvas Questões. In LITWIN, E. (rg.). Educaçã a Distância: Temas para debate de uma nva agenda educativa. Prt Alegre: Artmed, 2001 MEDEIROS FILHO, Dante Alves; PIMENTEL, Jrge Cintra. Instruments de Evaluación del us de rdenadres en la enseñanza y aprendizaje. 11.Cngres Internacinal de ingeniería Gráfica. Dispnível em: Acess junh REZENDE, Luiziana; JESUS, Cláudia Amrim de. Desenvlvend Site Educacinal na Web.4.INFOEDUCAR.1999 VIANNEY,J,; TORRES,P.; SILVA E. A Universidade Virtual n Brasil:Os númers d ensin superir a distância n país em In: Seminári Internacinal sbre Universidades Virtuais na América Latina e Caribe.Quit, Dispnível em : Acess em 25 de fevereir de 2003 DRAWING TECHNICIAN FOR PROJECTS ARCHITECTURAL: APPLICATION OF A MINI COURSE, IN THE DISTANCE USED AS SUPPORT TO THE EDUCATION OF GRADUATION IN CIVIL ENGINEERING Abstract: This article shws the experience f creatin and implementatin f shrt-curse n-line in the distance, that it was supprt t educatin in curses f degree in Civil Engineering. The purpse f this shrt-curse was t establish the cntact with the virtual envirnment fr educatin prfessinals (f the area f Civil Engineering), prviding t these ne better use f the new technlgies f infrmatin and cmunicatin. It was als bjectified t stimulate and t facilitate the dialgue and the relatins f interatin between prfessrs/pupils in a virtual envirnment f teaching/learning. Hw result the it elabratin and applicatin this shrt-curse cntributed fr ne better understanding abut Distance Educatin fr this prfessrs and stimulated the relatinship between prfessrs/pupils prviding an imprvement in the use f the technlgical resurces f infrmatin and cmuicatin. Key Wrds: Distance Educatin, Civil Engineering, Engineering Educatin and Technical Drawing. 8

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30)

PIM TECNOLOGIA EM GERENCIAMENTO DE REDES DE COMPUTADORES (GR3P30) UNIP Brasília - Crdenaçã CG/CW/GR/AD Senhres Aluns, Seguem infrmações imprtantes sbre PIM: 1. O QUE É? - Os PIM (Prjet Integrad Multidisciplinar) sã prjets brigatóris realizads els aluns ds curss de graduaçã

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Critéris de Avaliaçã Direçã Reginal de Educaçã d Nrte Agrupament de Esclas AMADEO DE SOUZA-CARDOSO Telões - Amarante EDUCAÇÃO MUSICAL 2ºCICLO An Letiv 2014/2015 Dmíni Cgnitiv

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa

Plano de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Plan de aulas 2010 1ª série 1ª aula 2ª etapa Escla Clégi Eng Juarez Wanderley Prfessr Fernand Nishimura de Aragã Disciplina Infrmática Objetivs Cnstruçã de um website pessal para publicaçã de atividades

Leia mais

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. PORTARIA Nº 025-R, DE 14 DE MARÇO DE 2013. ATUALIZA DIRETRIZES PARA A IMPLEMENTAÇÃO DO PROJETO ALFABETIZAÇÃO PARA ESTUDANTES DAS TURMAS DO 2º, 3º e 4º ANOS E 4ª SÉRIES DO ENSINO FUNDAMENTAL, COM DOIS ANOS

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu em Gestã da Segurança da Infrmaçã em Redes de Cmputadres A Faculdade

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1

Edital Simplificado de Seleção de Monitoria 2015.1 Institut Federal de Educaçã, Ciência e Tecnlgia d Ri de Janeir Edital Simplificad de Seleçã de Mnitria 2015.1 A Direçã Geral d IFRJ/, cmunica, pel presente Edital, que estarã abertas as inscrições para

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida

é a introdução de algo novo, que atua como um vetor para o desenvolvimento humano e melhoria da qualidade de vida O que é invaçã? Para a atividade humana: é a intrduçã de alg nv, que atua cm um vetr para desenvlviment human e melhria da qualidade de vida Para as empresas: invar significa intrduzir alg nv u mdificar

Leia mais

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação

Os novos usos da tecnologia da informação nas empresas Sistemas de Informação Os nvs uss da tecnlgia da infrmaçã nas empresas Sistemas de Infrmaçã Prf. Marcel da Silveira Siedler siedler@gmail.cm SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Planejament

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Academia FI Finanças

Academia FI Finanças Academia FI Finanças A Academia é melhr caminh para especializaçã dentr de um tema n ERP da SAP. Para quem busca uma frmaçã cm certificaçã em finanças, mais indicad é participar da próxima Academia de

Leia mais

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL

WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL WORKSHOPS SOBRE AS POSSIBILIDADES DE COOPERAÇÃO / CONCENTRAÇÃO NO SECTOR AUXILIAR NAVAL ÍNDICE I. Apresentaçã e bjectivs d wrkshp II. III. Resultads ds inquérits Ambiente cmpetitiv Negóci Suprte Prcesss

Leia mais

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi

1. Objetivo Geral. Página 1 de 5 CURSO LEADER COACH BELÉM. SESI Serviço Social da Indústria. IEL Instituto Euvaldo Lodi O país d futur parece estar chegand para muits brasileirs que investiram em qualidade e prdutividade prfissinal, empresarial e pessal ns últims ans. O gigante adrmecid parece estar despertand. Dads d Centr

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais

3 Formulação da Metodologia 3.1. Considerações Iniciais 53 3 Frmulaçã da Metdlgia 3.1. Cnsiderações Iniciais O presente capítul tem cm finalidade prpr e descrever um mdel de referencia para gerenciament de prjets de sftware que pssa ser mensurável e repetível,

Leia mais

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios.

Art. 2º. Trata-se de uma promoção de caráter exclusivamente de estimulo cultural, profissional e acadêmico sem vínculo com sorteios. Prêmi Data Pint de Criatividade e Invaçã - 2011 N an em que cmpleta 15 ans de atuaçã n mercad de treinament em infrmática, a Data Pint ferece à cmunidade a prtunidade de participar d Prêmi Data Pint de

Leia mais

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva

Proposta. Treinamento Lean Thinking Mentalidade Enxuta. Apresentação Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta www.masterhuse.cm.br Prpsta Cm Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Apresentaçã Executiva Treinament Lean Thinking Mentalidade Enxuta Cpyright 2011-2012

Leia mais

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO

Faculdade de Tecnologia SENAI Florianópolis e Faculdade de Tecnologia SENAI Jaraguá do Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Faculdade de Tecnlgia SENAI Flrianóplis e Faculdade de Tecnlgia SENAI Jaraguá d Sul EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Pós-Graduaçã Lat Sensu MBA em Gestã de Prjets A Faculdade de Tecnlgia SENAI/SC em Flrianóplis

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações

Modelagem, qualificação e distribuição em um padrão para geoinformações Mdelagem, qualificaçã e distribuiçã em um padrã para geinfrmações Julia Peixt 14h, 14 de junh de 2010. Mtivaçã Acerv de dads desde 1994 em diferentes áreas de pesquisa; Muitas pessas fazend muits trabalhs

Leia mais

REGULAMENTO 1- OBJETIVO

REGULAMENTO 1- OBJETIVO REGULAMENTO 1- OBJETIVO O Prgrama Nv Temp é um iniciativa da Cargill Agricla SA, que visa ferecer as seus funcináris e das empresas patrcinadras ds plans de previdência sb a gestã da CargillPrev Sciedade

Leia mais

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA

MASTERCOMP ESCOLA DE INFORMÁTICA www.mastercmp.net 1 www.mastercmp.net www.mastercmp.net INFORMAÇO ES ADICIONAIS DO CURSO DE PROMODEL E MS PROJECT Prgramaçã: Carga hrária: 32 Hras Lcal: Sã Sebastiã d Paraís MG Prgramas usads n curs: MS

Leia mais

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI

GESTÃO DE PROJETOS. Uma visão geral Baseado nas diretrizes do PMI GESTÃO DE PROJETOS Uma visã geral Bead n diretrizes d PMI 1 Intrduçã Objetiv da Apresentaçã O bjetiv é frnecer uma visã geral ds prcesss de Gestã de Prjets aplicads à Gestã de Empreendiments. O que é Prjet?

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos

Proposta de Formação para o uso pedagógico e integrado do Tablet Educacional Estudos Autônomos Prpsta de Frmaçã para us pedagógic e integrad d Tablet Educacinal Estuds Autônms Objetiv geral: OBJETIVOS Prmver a Frmaçã Cntinuada ds Prfessres, Crdenadres Pedagógics e Gestres Esclares, na mdalidade

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular

Missão do Curso. Objetivos. Perfil do Profissional. Integralização Curricular ANO ANO Missã d Curs É missã d Curs de Arquitetura e Urbanism da UFC frmar prfissinais capacitads a pesquisar, cnceber e cnstruir, cm visã crítica da realidade sci-ecnômica e cnheciment aprfundad d cntext

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS

ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS ATIVIDADES PRÁTICAS SUPERVISIONADAS CST em Análise e Desenvlviment de Sistemas 3ª série Fundaments de Sistemas Operacinais A atividade prática supervisinada (ATPS) é um métd de ensinaprendizagem desenvlvid

Leia mais

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC)

III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) 1 III.3. SISTEMAS HÍBRIDOS FIBRA/COAXIAL (HFC) III.3.1. DEFINIÇÃO A tecnlgia HFC refere-se a qualquer cnfiguraçã de fibra ótica e cab caxial que é usada para distribuiçã lcal de serviçs de cmunicaçã faixa

Leia mais

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE

FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE FRWTC-200 INTRODUÇÃO JAVA SE SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss IN-COMPANY persnalizads

Leia mais

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11

ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 ARQUITETURA E INSTALAÇÃO PROTHEUS 11 OBJETIVO Infraestrutura e tecnlgia d Prtheus sã a base de uma sluçã de gestã empresarial rbusta, que atende a tdas as necessidades de desenvlviment, persnalizaçã, parametrizaçã

Leia mais

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014

REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 1 REGULAMENTO DA OLIMPÍADA JURÍDICA 2014 PARTICIPANTES A Olimpíada Jurídica 2014 é uma cmpetiçã direcinada a aluns que estejam regularmente matriculads ns curss de graduaçã de Direit de Instituições de

Leia mais

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região

Ministério da Justiça. Orientações para a preparação dos Policiais que atuam na Região Ministéri da Justiça Departament da Plícia Federal Academia Nacinal de Plícia Secretaria Nacinal de Segurança Pública Departament de Pesquisa, Análise da Infrmaçã e Desenvlviment Humanan Orientações para

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017

Florianópolis, 25 de janeiro de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 Flrianóplis, 25 de janeir de 2016 EDITAL PARA CANDIDATURA À SEDE DO 6º ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDANTES DE ENGENHARIA CIVIL 2017 1) Cnsiderações Gerais: A Federaçã Nacinal ds Estudantes de Engenharia Civil

Leia mais

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES

Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 1 de 10 PROJETO E RELATÓRIO DE ATIVIDADES Página 2 de 10 O Prjet Aliança O Prjet Aliança é uma idéia que evluiu a partir de trabalhs realizads cm pessas da cmunidade d Bairr da Serra (bairr rural

Leia mais

1ª EDIÇÃO. Regulamento

1ª EDIÇÃO. Regulamento 1ª EDIÇÃO Regulament 1. OBJETIVO O Prêmi BRASILIDADE é uma iniciativa d Serviç de Api às Micr e Pequenas Empresas n Estad d Ri de Janeir SEBRAE/RJ, idealizad pr Izabella Figueired Braunschweiger e cm a

Leia mais

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO

PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO PRÊMIO AUTOMAÇÃO - CATEGORIA DE JORNALISMO REGULAMENTO 1. DOS OBJETIVOS DO PRÊMIO O PRÊMIO NA CATEGORIA DE JORNALISMO tem cm bjetiv premiar matérias veiculadas na imprensa nacinal relativas a temas ligads

Leia mais

Curso de Extensão: Finanças Corporativas

Curso de Extensão: Finanças Corporativas 1. Apresentaçã Curs de Extensã: Finanças Crprativas Uma crpraçã é, genericamente, caracterizada pela tmada de duas decisões fundamentais, a de financiament e a de investiment. O prcess de seleçã, análise

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO)

NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) NORMAS PARA ELABORAÇÃO DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO (ESO) O relatóri de Estági Supervisinad (ESO) deverá ser elabrad pel alun matriculad n 10º semestre, em cmum acrd cm seu rientadr,

Leia mais

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas

CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aproximadamente 84 horas - aulas de 2 horas CRONOGRAMA DELPHI para turmas Aprximadamente 84 hras - aulas de 2 hras Primeira Parte Lógica de Prgramaçã 5 aulas 10 hras AULA 1 OBJETIVO 1. Cnceits básics: Algritm, Tips de Variáveis, Tips e Expressões

Leia mais

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA

PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA PLATAFORMA EMPRESAS PELO CLIMA CAMINHO PARA ELABORAÇÃO DE AGENDAS EMPRESARIAIS EM ADAPTAÇÃO ÀS MUDANÇAS DO CLIMA Prpsta de Framewrk Resultad d diálg crrid em 26 de junh de 2013, n Fórum Latin-American

Leia mais

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno.

Poder e escola: Uma analise acerca das relações entre professor e aluno. Pder e escla: Uma analise acerca das relações entre prfessr e alun. Marcs Paul A. Rdrigues 1 Andersn Silva Nunes 2 Intrduçã: O presente trabalh expõe s tips de pder exercid pels prfessres sbre s aluns,

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006

Nome do programa, pesquisa ou produto: Projeto Censo GIFE 2005/2006 1 GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Dads da rganizaçã Data de elabraçã da ficha: Fev 2008 Nme: GIFE Grup de Instituts, Fundações e Empresas Endereç: Av. Brigadeir Faria Lima, 2.413 1º andar

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA

DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA DESENVOLVIMENTO DE UM WEB SITE PARA A BASE DE CONHECIMENTOS DO PROGRAMA DE APOIO AOS ACTORES NÃO ESTATAIS ANGOLA REQUISITOS TECNICOS O Prgrama de Api as Actres Nã Estatais publica uma slicitaçã para prestaçã

Leia mais

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO

PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO PRÊMIO DE INCENTIVO À EDUCAÇÃO 1. OBJETIVO O Prêmi de Incentiv à Educaçã é uma iniciativa das empresas d Pl Industrial, através d Cmitê de Fment Industrial de Camaçari - COFIC. Tem pr bjetiv estimular,

Leia mais

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010

Glossário das Metas Prioritárias 2010 Versão 1.2.14 Agosto/2010 Meta Priritária 5 Implantar métd de gerenciament de rtinas (gestã de prcesss de trabalh) em pel mens 50% das unidades judiciárias de 1º grau. Esclareciment da Meta Nã estã sujeits a esta meta s tribunais

Leia mais

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO

INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES. Excelência na Formação através da Experiência e Aplicação MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO E IEES I EDUCAÇÃO DE SAÚDE INSTITUTO DE EXCELÊNCIA EM EDUCAÇÃO DE SAÚDE IEES Excelência na Frmaçã através da Experiência e Aplicaçã MARKETING FARMACÊUTICO PRÁTICO 1.CARGA HORÁRIA 32 Hras 2.DATA E LOCAL

Leia mais

Escola Básica e Secundária de Velas

Escola Básica e Secundária de Velas Escla Básica e Secundária de Velas Dcument Orientadr para a Implementaçã das TIC na Educaçã Pré-Esclar e Ensin Básic 1 As TIC na Educaçã Pré-Esclar e n Ensin Básic O presente Dcument de Orientações Metdlógicas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL DA DISCIPLINA DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO 8º an Subdmíni Cmunicaçã e clabraçã CC8 Cnheciment e utilizaçã adequada e segura de diferentes tips de ferramentas de cmunicaçã,

Leia mais

Relatório bolsistas Tecnologias

Relatório bolsistas Tecnologias 1 Universidade Federal da Bahia Faculdade de Educaçã Departament de Educaçã II Licenciatura em Educaçã d Camp Grup de Pesquisa Educaçã, Cmunicaçã e Tecnlgias (GEC) Relatóri blsistas Tecnlgias Tecnlgias

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

www.highskills.pt geral@highskills.pt

www.highskills.pt geral@highskills.pt www.highskills.pt geral@highskills.pt Índice Designaçã d Curs... 2 Duraçã Ttal d Curs de Frmaçã... 2 Destinatáris... 2 Objetiv Geral... 2 Objetivs Específics... 2 Estrutura mdular e respectiva carga hrária...

Leia mais

Global Knowledge Portugal

Global Knowledge Portugal Glbal Knwledge Prtugal Quem é a Glbal Knwledge? A Glbal Knwledge é a empresa líder a nível mundial em frmaçã IT & Business Skills Adaptam-ns às necessidades ds nsss clientes ministrams curriculum cmplet

Leia mais

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE

REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE REGULAMENTO TOP CIDADANIA ABRH-RS EDIÇÃO 2015 CATEGORIA ESTUDANTE ARTIGO I DEFINIÇÃO E NATUREZA O Prêmi Cidadania, categria Estudante, premia trabalhs de caráter técnic u científic, referente a implementaçã

Leia mais

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo:

Gestão do Escopo 1. Planejamento da Gestão do Escopo: 2. Definição do Escopo: 3. Elaboração da EDT(EAP): 4. Verificação do Escopo: Gestã d Escp 1. Planejament da Gestã d Escp: i. Autrizaçã d prjet ii. Definiçã d escp (preliminar) iii. Ativs em cnheciments rganizacinais iv. Fatres ambientais e rganizacinais v. Plan d prjet i. Plan

Leia mais

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional

Dados Gerais. Código / Nome do Curso. 196 / Escola de Gestores- Curso de Especialização em Gestão Escolar. Gestão Educacional Códig / Nme d Curs Status Códig - Área Subárea Especialida Dads Gerais 196 / Escla Gestres- Curs Especializaçã em Gestã Esclar Ativ 49 / Educaçã Gestã Educacinal Gestã Esclar Nivel d Curs Especializaçã

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Plano de Recuperação - Inglês

Plano de Recuperação - Inglês Escla: 9º 2005/2006 Prf. I- APOIO PEDAGÓGICO ACRESCIDO Plan de Recuperaçã - Inglês Existência de dis níveis diferenciads: Nível I aluns cm graves deficiências de base. N.º Nme Nível II aluns cm algumas

Leia mais

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares

Projeto e Implementação de um Software para auxilio no Ensino de Linguagens Regulares Prjet e Implementaçã de um Sftware para auxili n Ensin de Linguagens Regulares Jsé Rbsn de Assis 1, Marln Oliveira da Silva 1. Faculdade de Ciências Exatas e Cmunicaçã (FACEC) Universidade Presidente Antôni

Leia mais

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março)

Cursos Profissionais de Nível Secundário (Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março) REFERENCIAL DE FORMAÇÃO Curss Prfissinais de Nível Secundári (Decret-Lei n.º 74/2004, de 26 de Març) Família Prfissinal: 07 - Infrmática 1. QUALIFICAÇÕES / SAÍDAS PROFISSIONAIS As qualificações de nível

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT

REGULAMENTO GERAL DOS ESTÁGIOS FAFIT O significad das cisas nã está nas cisas em si, mas sim em nssa atitude em relaçã a elas. (Antine de Saint-Exupéry, 1943) CURSOS bacharelads: Administraçã Geral Ciências Cntábeis Direit Educaçã Física

Leia mais

MODALIDADE DE FORMAÇÃO

MODALIDADE DE FORMAÇÃO CURSO 7855 PLANO DE NEGÓCIO - CRIAÇÃO DE PEQUENOS E MÉDIOS NEGÓCIOS Iníci ------ Duraçã 50h Hrári(s) ------ OBJECTIVOS GERAIS - Identificar s principais métds e técnicas de gestã d temp e d trabalh. -

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem.

Os valores solicitados para transporte e seguro saúde deverão ser comprovados por um orçamento integral fornecido por uma agência de viagem. Aluns de Pós-Graduaçã de Instituições Estrangeiras Visa apiar visitas de n máxim 30 dias, de dutrands de instituições estrangeiras, qualificads, e prcedentes de Centrs de Excelência para estudarem, pesquisarem

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE

CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE CAPACITAÇÃO EM SIMULAÇÃO PARA O MUNDO REAL DA SAÚDE Institut Instituiçã fcada na geraçã de sluções para a implementaçã e gestã pedagógica de Núcles de Treinament e Capacitaçã de prfissinais e acadêmics

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB

FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB FRWTC-220 DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES JAVA WEB SOBRE A FRAMEWORK A Framewrk (www.frwtc.cm) atua diretamente cm prfissinais d segment de tecnlgia em busca de capacitaçã, atualizaçã e certificaçã, curss

Leia mais

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS

3. DESTINATÁRIOS DA ACÇÃO 4. EFEITOS A PRODUZIR: MUDANÇA DE PRÁTICAS, PROCEDIMENTOS OU MATERIAIS DIDÁCTICOS CONSELHO CIENTÍFICO PEDAGÓGICO DA FORMAÇÃO CONTÍNUA APRESENTAÇÃO DE ACÇÃO DE FORMAÇÃO NAS MODALIDADES DE ESTÁGIO, PROJECTO, OFICINA DE FORMAÇÃO E CÍRCULO DE ESTUDOS An 2-B Frmulári de preenchiment brigatóri,

Leia mais