PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DA SOF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DA SOF"

Transcrição

1 PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DA SOF

2 PLANO DE CAPACITAÇÃO DE SERVIDORES DA SOF Brasília

3 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTRA DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Miriam Belchior SECRETÁRIA-EXECUTIVA Eva Maria Cella Dal Chiavon SECRETÁRIO DE ORÇAMENTO FEDERAL José Roberto Fernandes Júnior SECRETÁRIOS-ADJUNTOS Franselmo Araújo Costa Antonio Carlos Paiva Futuro George Alberto de Aguiar Soares COORDENADOR-GERAL DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Carlos Eduardo Lacerda Veiga COORDENADORA Daniela Rode Guimarães EQUIPE DE ELABORAÇÃO Eder Luiz dos Santos Guilherme Abrantes de Sousa Silvia de Jesus Ferreira Carvalho de Paula EQUIPE DE COLABORAÇÃO UnB Rafael Timóteo de Sousa Júnior Daniel Alves da Silva Eder Luiz dos Santos INFORMAÇÕES Secretaria de Orçamento Federal SEPN 516 bloco D, lote Brasília DF REVISÃO DE TEXTO/ EDITORAÇÃO Laice Machado CAPA Laboratório Latitude/UnB (Responsável Técnico - Karen Scaff) Brasil. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Secretaria de Orçamento Federal. Secretaria-Adjunta de Gestão Corporativa. Plano de capacitação de servidores da SOF. Brasília, p. 1. Planejamento estratégico. 2. pessoas. I. Título. CDU: CDD: 658 3

4 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO OBJETIVOS METODOLOGIA Linhas de ação programática PÚBLICO ALVO METAS DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO Definição Classificação LOCAL DE REALIZAÇÃO DOS CURSOS E EVENTOS CURSOS E EVENTOS NO EXTERIOR CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DE AÇÕES DE CAPACITAÇÃO Participação em evento de curta ou média duração Participação em evento de longa duração Cursos não contemplados na previsão inicial LICENÇA CAPACITAÇÃO VIGÊNCIA DO PLANO DE CAPACITAÇÃO PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DOS RESULTADOS ª Etapa ª Etapa CONSIDERAÇÕES FINAIS Recursos financeiros e orçamentários Processo e controle CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS APÊNDICES Apêndice A Fluxo do Processo e necessidades de capacitação Diagrama do Processo de Capacitação da SOF Necessidades de capacitação da SOF Atribuições das áreas e capacitações identificadas Apêndice B Cursos e eventos solicitados Quadro de capacitações programadas Quadro de capacitações realizadas Relatório de execução do Plano de Capacitação Avaliação de Resultados de Capacitação ANEXOS Anexo A - Glossário de Competências Competências transversais (competências profissionais)

5 APRESENTAÇÃO A política e as diretrizes para o desenvolvimento de pessoal da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional foram instituídas e regulamentadas pelo Decreto Nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006 e pela Portaria/MP N 208, de 25 de julho de A política visa, sobretudo, a melhoria da eficiência, eficácia e qualidade dos serviços públicos prestados ao cidadão, partindo-se do pressuposto que o desenvolvimento permanente do servidor público é um fator estratégico para o alcance desse objetivo. Dentre as diretrizes da Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal (PNDP), destacase o incentivo e apoio ao servidor em suas iniciativas de capacitação voltadas para o desenvolvimento das competências individuais e institucionais. Para viabilizar esse incentivo e apoio ao servidor, a Secretaria de Orçamento Federal (SOF), consonante com os objetivos propostos no Plano de Capacitação do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2012/2015 e, em atendimento ao disposto na Norma Operacional (NO) Nº 4, de 7 de outubro de 2010, da Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração, do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão (SPOA/MP), procura planejar e promover a capacitação gerencial e técnica de servidores da SOF. O Plano de Capacitação de Servidores da SOF permite às Secretarias-Adjuntas e aos Departamentos orientação a respeito das competências que precisam ser desenvolvidas, os meios disponíveis, os prazos, os recursos e as condições para que as referidas competências tenham condições de desenvolverem. Desta forma, esse Plano de Capacitação visa a aquisição, expansão e reciclagem de conhecimentos, habilidades e atitudes, de forma planejada, sistemática e permanente para o aperfeiçoamento do desempenho pessoal, profissional e institucional é, portanto, um esforço no sentido de conquistar a maturidade na gestão de pessoas da Secretaria. Para essa evolução é inevitável o aperfeiçoamento do Plano, bem como a efetiva execução das capacitações ali previstas, oferecendo ações alinhadas às estratégicas de governo para o desenvolvimento de pessoal e às competências organizacionais da SOF. ~ 5

6 1. INTRODUÇÃO Este documento é a base do desafio de efetivar um Plano de Capacitação de Servidores da SOF, em conformidade com as diretrizes constantes no Decreto Nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a Política Nacional de Capacitação dos Servidores para a Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional. O Plano de Capacitação de Servidores da SOF 2014/2015 observa a seguinte legislação: Lei Nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, que dispõe sobre o regime jurídicos dos servidores públicos civis da União, das autarquias e das fundações federais; Lei Nº 9.527, de 10 de dezembro de 1997, que altera dispositivos das Leis Nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; N 8.460, de 17 de setembro de 1992; e N 2.180, de 5 de fevereiro de 1954, e dá outras providências; Decreto Nº 5.707, de 23 de fevereiro de 2006, que institui a política e as diretrizes para o desenvolvimento de pessoal da Administração Pública Federal direta, autárquica e fundacional, e regulamenta dispositivos da Lei Nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990; Portaria MP Nº 208, de 25 de julho de 2006, que institui os instrumentos da Política Nacional de Desenvolvimento de Pessoal; Portarias MP Nº 528, de 29 de dezembro de 2009 e Nº 447, de 3 de novembro de 2010, que disciplinam o afastamento dos servidores para participar de Programa de Capacitação de Longa Duração (PCLD), no País ou no exterior; Norma Operacional (NO) Nº 4, de 7 de outubro de 2010, da SPOA, que dispõe sobre a política de capacitação dos servidores do MP; Norma Operacional (NO) Nº 1, de 24 de fevereiro de 2012, da SPOA, que altera a Norma Operacional NO Nº 4, de 7 de outubro de 2010, que dispõe sobre a política de capacitação dos servidores do MP; Norma Operacional (NO) Nº 3, de 22 de junho de 2010, da SPOA, que dispõe sobre os procedimentos relativos à autorização de afastamento do País de servidores do MP e dos presidentes das entidades vinculadas; e Plano de Capacitação 2012/2015 do MP, elaborado pela Coordenação-Geral de Pessoas (COGEP/SPOA/MP). 6

7 2. OBJETIVOS O Plano de Capacitação tem como objetivo oferecer ações de capacitação alinhadas às orientações estratégicas de governo e às competências organizacionais das diversas áreas da SOF, visando à aquisição, expansão e reciclagem de conhecimentos, habilidades e atitudes, de forma planejada e sistemática, para o aperfeiçoamento do desempenho pessoal, profissional e institucional. O Plano objetiva, também, promover o desenvolvimento permanente dos servidores da SOF, orientando-se pelas regras estabelecidas no Plano de Capacitação 2012/2015 do MP. 3. METODOLOGIA Com a finalidade de propiciar a melhoria na qualidade dos serviços prestados, as ações do Plano de Capacitação de Servidores da SOF, serão realizadas em três dimensões: áreas técnica, administrativa e comportamental. Para isso, as atividades serão desenvolvidas conforme as seguintes etapas básicas: 1ª etapa: Levantamento de necessidades de treinamento, realizado por intermédio da coleta de informações junto aos servidores e chefias, das demandas por treinamentos advindas de processos administrativos. 2ª etapa: Adequação ao Plano de Capacitação 2012/2015 do MP. 3ª etapa: Elaboração e apresentação do Plano de Capacitação para o ano de Após a publicação do Plano de Capacitação de Servidores da SOF 2014/2015, deve ser iniciada sua implementação, assim como a sua operacionalização. Na sequência, deverá ser realizado um levantamento prévio da média de preços das ações de capacitação e das escolas/instituições que podem oferecer as capacitações planejadas. Finalmente, deverão ser realizados, com o servidor e a chefia imediata, o acompanhamento e as avaliações de cada evento realizado. O Plano apresenta, conforme orientação da Coordenação de Capacitação, Avaliação, Cargos e Carreiras (COCAR/COGEP/SPOA/MP), descrita abaixo, as Trilhas de Aprendizagem, com a definição dos eixos temáticos e as competências a serem desenvolvidas, in verbis: "Para o planejamento das ações de capacitação, optou-se pelo conceito de trilhas de aprendizagem, entendendo-se como caminhos a serem percorridos pelos 7

8 servidores para o desenvolvimento de competências e, consequentemente, para o aprimoramento funcional. As trilhas foram projetadas em comum acordo entre a COCAR e os gestores setoriais de capacitação, tendo como premissa o Plano Plurianual. O consenso foi firmado por domínio temático e pelo direcionamento estratégico organizacional. Em posse destes eixos foi possível construir as competências necessárias para a consecução dos objetivos institucionais. Prioridades e estimativa de público: A partir das competências descritas, coube às unidades definirem aquelas que melhor se adequam às atribuições regimentais. Em continuidade, coube a apresentação do nível de prioridade, isto é, se curto, médio ou longo prazo; as múltiplas formas para o crescimento profissional dos servidores e, por fim, o público estimado, dentre o estratégico, o técnico e o operacional. Na prática, as unidades construíram, de modo harmônico, a trilha de aprendizagem que se pretende seguir no quadriênio. Com a adoção deste modelo foi possível estabelecer uma visão estratégica de longo prazo, traduzindo as diretrizes organizacionais em ações de desenvolvimento de pessoal." 3.1. Linhas de ação programática Para alcançar os objetivos pretendidos nesse Plano, as ações a serem executadas deverão observar as seguintes linhas de ação programática. Desenvolvimento gerencial Este Programa tem como objetivo instrumentalizar os gerentes e coordenadores das diversas áreas da SOF, mediante cursos de atualização e de reciclagem com o emprego de modernas estratégias e técnicas gerenciais que permitam aumentar a capacidade de resposta às demandas geradas pelos órgãos setoriais, unidades orçamentárias e pelos cidadãos. Desenvolvimento de competências técnicas Este Programa tem como objetivo adequar o perfil técnico dos servidores das áreas aos requisitos exigidos para o cumprimento das competências institucionais nas diferentes áreas de atuação das Coordenações. Formação de atitudes e comportamentos Este Programa compreende o desenvolvimento e execução de ações voltadas para a motivação comportamental e a melhoria da qualidade de vida dos servidores da SOF. 8

9 Há que se atentar para as seguintes estratégias para a implementação: promover ações de capacitação que propiciem um mínimo de aperfeiçoamento por servidor para o bom desempenho de suas atividades; estabelecer parcerias na execução de ações de capacitação; possibilitar o acesso dos servidores da SOF às ações de capacitação, oferecendo, anualmente, pelo menos duas oportunidades de capacitação a cada servidor, buscando, sempre que possível, o equilíbrio das cargas horárias; priorizar as ações internas de capacitação que aproveitem habilidades e conhecimentos de servidores da própria instituição e programas de educação continuada que contemplem eventos de média ou curta duração; implantar o controle gerencial dos gastos com capacitação; otimizar os investimentos em desenvolvimento de pessoas; propiciar maior envolvimento das chefias e servidores na gestão de pessoas; dotar a SOF de uma força de trabalho qualificada a nível gerencial e técnico para desempenhar as competências institucionais da Secretaria; e incentivar os servidores à participação em eventos de capacitação. Apesar das atividades da SOF serem eminentemente técnicas, a formação dos servidores deverá contemplar as seguintes competências transversais: 1. Visão sistêmica 2. Orientação para resultados 3. Planejamento 4. processos 5. Criatividade e inovação 6. Trabalho em equipe/relacionamento 7. Liderança 8. Comunicação 9. Negociação 10. Gestão da informação 11. Ética no serviço público 12. Qualidade de vida e responsabilidade social 9

10 4. PÚBLICO ALVO Servidores do MP em exercício na SOF; Servidores sem vínculo, ocupantes de DAS; e Servidores Requisitados. 5. METAS formar multiplicadores no quadro de servidores efetivos da SOF; promover a avaliação permanente dos resultados advindos das ações de capacitação; alinhar a performance das pessoas aos resultados institucionais; fortalecer a gestão de pessoas; simplificar o processo de desenvolvimento de pessoas; promover transparência e clareza quanto às ações de capacitação; elevar o comprometimento do servidor com as ações institucionais e sociais da SOF; promover a valorização e o desenvolvimento de competências de gestão dos servidores da SOF; proporcionar aos servidores oportunidades de crescimento pessoal e profissional por meio de desenvolvimento e aquisição de novos conhecimentos, habilidades e atitudes; contribuir para a melhoria do clima organizacional; reduzir ou corrigir as deficiências, atendendo às necessidades de capacitação dos servidores; e desenvolver nos servidores as competências requeridas para o alcance dos objetivos das respectivas áreas. 10

11 6. DEFINIÇÃO E CLASSIFICAÇÃO DOS EVENTOS DE CAPACITAÇÃO 6.1. Definição De acordo com a da Norma Operacional SPOA Nº 4, de 7 de outubro de 2010, capacitação é um processo permanente e deliberado de aprendizagem, com o propósito de contribuir para o alcance das competências institucionais, por meio do aperfeiçoamento das capacidades individuais dos servidores. Eventos de capacitação são todas as oportunidades que propiciem aos servidores o desenvolvimento das competências necessárias para a melhoria do desempenho de suas atribuições, tais como: cursos presenciais; cursos a distância (EaD); oficinas de trabalho e estudo; grupos formais de estudo; intercâmbios; missões; visitas técnicas; estágios; seminários; simpósios; congressos; fóruns; conferências; palestras; e outros que resultem no aperfeiçoamento, atualização de conhecimentos e promovam mudanças comportamentais. 11

12 6.2. Classificação Quanto a duração I - curta: carga horária inferior a 88 horas. II - média: carga horária igual ou superior a 88 horas e inferior a 360 horas. III - longa: carga horária igual ou superior a 360 horas. Quanto a modalidade I - educação continuada: eventos de curta duração que propiciem a melhoria do desempenho funcional, por meio da aquisição de conhecimento técnico, de novas habilidades, experiências e desafios. II - lato sensu: pós-graduação, especialização ou Master in Business Administration (MBA). III - stricto sensu: mestrado ou doutorado. Quanto ao financiamento I - com ônus: quando implicar a concessão total ou parcial de inscrições, de passagens, de diárias ou de outras taxas, assegurados ao servidor o vencimento e demais vantagens do cargo ou função. II - com ônus limitado: quando implicar apenas a manutenção dos vencimentos e demais vantagens do cargo ou função. III - sem ônus: quando não acarretar qualquer despesa para o Ministério, seja de vencimento ou demais vantagens do cargo ou função. 12

13 7. LOCAL DE REALIZAÇÃO DOS CURSOS E EVENTOS As ações de capacitação serão realizadas: quando tratar-se de evento na modalidade EaD ou interno, com uso de equipamentos de informática, prioritariamente, nas salas de treinamento disponíveis, ou no local de trabalho do servidor, sem prejuízo às atividades diárias e com anuência da chefia imediata; auditórios ou salas de reunião da SOF, desde que comportem o número de participantes; nas instalações dos órgãos públicos que disponibilizem auditórios e salas para eventos, mediante contato prévio, com ou sem ônus para a instituição; ou nas instalações das empresas contratadas. A participação do servidor em ações de capacitação fora da unidade de sua lotação, se dará mediante solicitação e justificativa pelo Gestor de Nível, condicionada à disponibilidade orçamentária e à autorização pelas autoridades competentes, conforme a análise de cada caso. 8. CURSOS E EVENTOS NO EXTERIOR No caso dos afastamentos para eventos de capacitação e cursos de pós-graduação no exterior, além de observados todos os procedimentos estabelecidos pela NO SPOA Nº 4/ 2010, também deverá ser cumprido o disposto na NO SPOA Nº 3/2010, a fim de obter autorização/homologação/publicação do afastamento do país em viagens ao exterior a serviço ou com o fim de aperfeiçoamento para os servidores públicos federal. Em se tratando de servidores da carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental (EPPGG), atender ao contido nas Portaria/MP Nº 528, de 29 de dezembro de 2009 e Nº 447, de 3 de novembro de 2010, que disciplina o afastamento dos servidores para participar de Programa de Capacitação de Longa Duração (PCLD), no País ou no exterior. Caberá à Secretaria Executiva (SE/MP) homologar a participação do servidor no evento. 13

14 9. CONDIÇÕES PARA PARTICIPAR DE AÇÕES DCAPACITAÇÃO Condições para a participação de servidores em ações de capacitação, de acordo com a Norma Operacional Nº 4/2010, in verbis: "Para que seja possível atender as demandas, faz-se necessário observar o planejamento orçamentário, verificando a disponibilidade de recursos aprovados e o possível contingenciamento no período. A SPOA estabelecerá, em ato específico, a alocação desses recursos, mediante critérios de proporcionalidade por Área, bem como priorizará o investimento em capacitação para competências consideradas estratégicas para o Ministério. Além da disponibilidade orçamentária, devem ser observados os seguintes pré requisitos para liberação de recursos para capacitação: - ser ocupante de cargo efetivo de uma das carreiras deste Ministério; - ser indicado a participar de ações de capacitação por meio da avaliação de desempenho; - não haver participado em eventos nos últimos 12 meses; - não haver desistência em cursos anteriores, nos últimos 12 meses; - optar por turmas fechadas e exclusivas para o Ministério, criando oportunidade para mais servidores, a custos mais acessíveis; - distribuir equitativamente as vagas em eventos, de acordo com proporcionalidade entre o número de vagas existentes e servidores de uma mesma unidade; - indicar apenas um servidor por unidade, quando se tratar de custeio de eventos de longa duração; e - evitar a inscrição de servidores em eventos stricto sensu (mestrado ou doutorado), às custas integrais do Erário. As exceções ou os casos omissos, devidamente justificados, serão deliberados pelo Senhor Subsecretário de Planejamento, Orçamento e Administração Participação em evento de curta ou média duração As solicitações deverão ser encaminhadas à COPES/SEAGE com antecedência mínima de 15 dias úteis em relação à data de início do evento, contendo: pré inscrição (garantia de vaga); folder/programa do curso ou convite; formulário/anexo I, devidamente preenchido e assinado; e 14

15 no caso de evento aberto ao mercado, apresentar duas outras propostas comerciais de eventos similares que viabilizem a comparação do programa e custo. IMPORTANTE De acordo com o artigo Nº 13, da Norma Operacional Nº 4/2010, após a conclusão do evento, o servidor entregará à COPES/SEAGE no prazo de até 5 dias úteis: cópia do certificado; e formulário/anexo II - Relatório do Participante em Evento de Capacitação Participação em evento de longa duração Requisitos específicos para participação de servidores em eventos lato e stricto sensu: I - ser ocupante de cargo efetivo no Ministério. II - quando se tratar de ocupantes de cargos em comissão dos quadros de pessoal da Administração Pública Federal, encontrar-se em efetivo exercício no Ministério há pelo menos: dois anos, para participação em cursos da modalidade lato sensu; três anos, para a modalidade stricto sensu mestrado; e quatro anos, quando se tratar de doutorado. III - ter sido aprovado em processo seletivo pela instituição promotora do evento. As solicitações de participação deverão ser encaminhadas à COPES/SEAGE com antecedência mínima de 40 dias úteis em relação a data do início do evento, contendo: pré inscrição (garantia de vaga); conteúdo programático do evento a ser pleiteado; declaração do valor da bolsa, se houver; currículo atualizado, datado e assinado; formulário/anexo I, devidamente preenchido e assinado; 15

16 formulário/anexo III - Termo de Compromisso e Responsabilidade para Eventos de Longa Duração, preenchido e assinado, no caso de stricto sensu; cópia da Carteira de Identidade; cópia da Declaração de Conclusão do Curso Superior; cópia do Histórico Escolar; e 2 (duas) fotos 3x4 recentes. Poderá ocorrer o afastamento para efeito de capacitação lato e stricto sensu, incluindo os períodos destinados à elaboração da dissertação ou tese, observados os seguintes prazos, ressalvada a possibilidade de utilização da licença para capacitação: I - até 24 meses, para mestrado. II - até 48 meses, para doutorado. III - até 12 meses, para pós-doutorado ou especialização. IV - até 6 meses, para estágio Cursos não contemplados na previsão inicial Eventuais cursos requisitados pelos servidores e que não constam da planilha Necessidades de Capacitação deverão seguir o fluxo indicado no Diagrama de Processo de Capacitação, Anexo A. IMPORTANTE De acordo com o artigo Nº 13, da Norma Operacional Nº 04/2010, após a conclusão do evento, o servidor deverá entregar à COPES/SEAGE no prazo de até 60 dias úteis: cópia do certificado; formulário constante do Anexo II - Relatório do Participante em Evento de Capacitação; currículo atualizado, datado e assinado; diploma, certificado ou declaração de conclusão do curso; histórico escolar; e 16

17 arquivo eletrônico e um exemplar encadernado da dissertação ou tese, que comporá o acervo da área de documentação do Ministério. 10. LICENÇA CAPACITAÇÃO O servidor poderá usufruir o direito à licença capacitação para participar de evento ou para elaborar tese, dissertação ou monografia, desde que devidamente solicitada à Coordenação de Capacitação, Avaliação, Cargos e Carreiras (COCAR/COGEP/DIRAD/MP), mediante requerimento contendo: anuência do Gestor de Nível e do dirigente máximo da unidade a que pertence, destacando a compatibilidade do evento com atribuições regimentais e com as atividades que o servidor desenvolve; e formulário/anexo I, devidamente preenchido e assinado. Caberá à COCAR solicitar à Divisão de Legislação Aplicada (DILEA/COGEP/DIRAD/MP) que seja feita a contagem de tempo de efetivo exercício, para comprovação do período aquisitivo (quinquênio). Caso seja homologada a licença e autorizada a capacitação, compete à COCAR: elaborar portaria e incluir a informação no Sistema Integrado de Administração de Recursos Humanos (SIAPE) e no Sistema de Administração de Recursos Humanos (SARH). 11. VIGÊNCIA DO PLANO DE CAPACITAÇÃO O Plano de Capacitação tem vigência para os anos de 2014/

18 12. PLANEJAMENTO E ACOMPANHAMENTO DOS RESULTADOS ª Etapa A primeira etapa de avaliação e acompanhamento será o atendimento ao que estabelece o artigo 13, da Norma Operacional Nº 4/ ª Etapa Preencher o formulário Avaliação de Efetividade de Capacitação baseado na avaliação da efetividade da ação de capacitação, considerando-se os itens 2 e 3 do Formulário Anexo I. 13. CONSIDERAÇÕES FINAIS Recursos financeiros e orçamentários Para a execução deste Plano de Capacitação, o aporte orçamentário/financeiro estará condicionado à disponibilidade orçamentária da COGEP/SPOA/SE. Para a realização dos eventos previstos, será encaminhado à COGEP o processo de capacitação, contendo a identificação do servidor, as justificativas para realização da ação de capacitação, os objetivos a serem alcançados, os resultados esperados, local e período de realização, carga horária e os custos, conforme consta o Formulário Anexo I da NO Nº 4/2010, para fins de autorização/homologação Processo e controle Apêndice A Processo de capacitação da SOF 18

19 Apresenta o processo de capacitação, com a sequência e os passos a serem seguidos na identificação das capacitações e gestão correspondente. Apêndice B Atribuições das áreas x capacitações necessárias Identifica as capacitações necessárias para eliminar as lacunas identificadas nas atribuições das áreas. 14. CONCLUSÃO O Plano de Capacitação para o período de 2014/2015 trata da política de capacitação em educação formal e não formal, a ser implementada pela instituição, visando a qualificação, o aperfeiçoamento e o desenvolvimento de servidores da SOF. O Plano pressupõe a necessária e decisiva participação dos servidores nesse processo como agentes de identificação das necessidades e proponentes de ações de capacitação, visando atender o interesse institucional. Em caso de conflitos entre o conteúdo deste Plano e a NO Nº 4/2010, prevalecerá a redação desta última. 19

20 15. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS 1. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Plano de Capacitação , Brasília, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Norma Operacional (NO) Nº 4, de 7 de outubro de 2010, Brasília, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Norma Operacional (NO) Nº 1, de 24 de fevereiro de 2012, Brasília, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Norma Operacional (NO) Nº 3, de 22 de junho de 2010, Brasília, TCU Plenário, Acórdão Nº 2.613/2011, Brasília, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Plano de Capacitação da Suframa, Manaus, Ministério do Desenvolvimento Agrário, Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária, Plano Nacional de Capacitação de Servidores do INCRA, Ministério da Cultura, Plano Anual de Capacitação do Sistema Minc, Pac Secretaria de Estado da Casa Civil do Governo do Estado do Rio de Janeiro, Projeto de Pessoas por Competência, Projeto Nossa Gente, Guia de Orientação para Elaboração do Plano de Capacitação - SIPEC. 11. Departamento Nacional de Obras Contra as Secas DENOCS, Plano de Capacitação Técnico-Administrativo, Escola da AGU, Plano Anual de Capacitação, Brasília, Decreto Nº 5.707, de 23 de fevereiro de Lei Nº 8.112, de 11 de dezembro de Lei Nº 9.527, de 10 de dezembro de Portaria MP Nº 208, de 25 de julho de Portaria MP Nº 528, de 29 de dezembro de Portaria MP Nº 447, de 3 de novembro de

21 APÊNDICES Apêndice A Fluxo do Processo e necessidades de capacitação Diagrama do Processo de Capacitação da SOF Necessidades de capacitação da SOF Atribuições das áreas e capacitações identificadas 21

22 Diagrama do Processo de Capacitação da SOF 22

23 Área do Conhecimento Necessidades de capacitação da SOF Evento SECAD DECON DEINF DEPES DESOC SEAFI SEAGE TT Direito Atualização sobre Lei Nº Direito Administrativo 2 Direito Ambiental (ou legislação ambiental) 1 Direito Constitucional 2 Direito das Telecomunicações (ou legislação de telecomunicações) Direito Orçamentário e Financeiro Pós-Graduação 1 Direito Tributário 1 1 Pessoas Aperfeiçoamento sobre Legislação de Pessoal (ABOP) 1 Capacitação e desenvolvimento de pessoas 1 Concessão e cálculo de benefícios do Regime de Previdência Complementar somado a Aposentadoria 1 (ENAP) Desenho de cursos e programas de capacitação (ENAP) 1 Elaboração de planos de capacitação (ENAP) 1 cargos e carreiras 1 desempenho 1 pessoas - fundamentos e tendências (ENAP) 1 Gestão por competências (ENAP) 1 Processo administrativo disciplinar (ABOP) 1 Recursos Humanos 1 23

24 Necessidades de capacitação da SOF (continuação) Área do Conhecimento Evento SECAD DECON DEINF DEPES DESOC SEAFI SEAGE TT Informática Access 4 Banco de Dados 1 Certificações 1 Design 1 Documentação 1 Excel 4 Informática na Educação 1 Metodologias 1 Métricas 1 Moodle 1 Processos 1 Programação 1 Qlik View 1 Redes 1 Requisitos 1 Riscos 1 Segurança 1 Servidores 1 Sistemas Estruturantes 1 Sistemas Operacionais 1 Web 1 Webservices 1 Word 1 24

25 Área do Conhecimento Licitações, convênios e contratos Necessidades de capacitação da SOF (continuação) Evento SECAD DECON DEINF DEPES DESOC SEAFI SEAGE TT Compras Públicas 1 Convênios 3 Licitação (RDC) 3 Não-classificados Gestão Escolar 1 Programas e Grandes Projetos de 1 Infraestrutura (ENAP) - Especialização Recursos de Defesa (CGERD) 1 Informações geográficas e georreferenciamento 1 Meio Ambiente - Noções básicas 1 Ontologias 1 Qualidade 1 Sustentabilidade e Meio Ambiente 1 Terceiro Setor - Captação de Recursos 1 Terceiro Setor Planejamento de Projetos 1 Transparência e Participação Social 1 Sistemas Estruturantes CPROD 1 SIAFI Operacional e Gerencial 5 SIAPE 1 SIOP 1 25

26 Área do Conhecimento Orçamento, Contabilidade, Economia, Custos Necessidades de capacitação da SOF (continuação) Evento SECAD DECON DEINF DEPES DESOC SEAFI SEAGE TT Administração e Orçamento Público - Mestrado Profissionalizante Administração Pública - Mestrado Profissional 1 Alterações Orçamentárias (tipos, prazos legais, situações especiais) 1 Benchmarking de elaboração orçamentária com Estados brasileiros e com outros países 1 Contabilidade Pública 5 Controle Social (Orçamento Público) 1 Custos Mestrado 1 Custos no serviço público 1 Descentralização 1 Econometria 2 Economia Área de Concentração em Gestão Econômica de Finanças Públicas (UNB) Mestrado Economia do Setor Público 2 Economia do Setor Público (UNB) Mestrado 2 Economia Política aplicada ao Orçamento Público (SEAFI) 1 Elaboração de documentos técnicos relacionados ao 1 orçamento público Estatística 1 Execução Orçamentária 4 Finanças Públicas 2 Gestão e Execução Orçamentária e Financeira

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO

MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA-EXECUTIVA SUBSECRETARIA DE PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E ADMINISTRAÇÃO NORMA OPERACIONAL/SPOA/Nº 04, DE 7 DE OUTUBRO DE 2010. Dispõe sobre a Política

Leia mais

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO XI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE RELAÇÕES DE TRABALHO NO SERVIÇO PÚBLICO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Relações de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 RESOLUÇÃO N 016/2014 DE 27 DE MAIO DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de Afastamentos de Curta Duração, Licença para Capacitação, Afastamentos para Pós- Graduação Stricto Sensu e Pós-Doutorado

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - Objetivo Geral: Implantar na UNIFEI um Programa de Capacitação que seja continuado

Leia mais

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO I REGIMENTO INTERNO DO GABINETE DO MINISTRO CAPITULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º O Gabinete do Ministro, órgão subordinado diretamente ao Ministro

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 27, DE 15 DE JANEIRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINISTRO DOU de 16/01/2014 (nº 11, Seção 1, pág. 26) Institui o Plano Nacional de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.102, DE 6 DE SETEMBRO DE 2013 Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

PORTARIA Nº 527, DE 11 DE ABRIL DE 2008

PORTARIA Nº 527, DE 11 DE ABRIL DE 2008 PORTARIA Nº 527, DE 11 DE ABRIL DE 2008 Dispõe sobre a Política de Capacitação dos servidores em exercício na Controladoria-Geral da União e dá outras providências. O MINISTRO DE ESTADO DO CONTROLE E DA

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE

PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE PLANO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DOS SERVIDORES INTEGRANTES DO PCCTAE Ministério da Educação Novembro de 2013 1 SUMÁRIO 1. Apresentação 1.1 Introdução 1.2 Base Legal 1.3 Justificativa 2.

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD)

PROGRAMA DE GESTÃO DE DESEMPENHO (PGD) UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE RECURSOS HUMANOS DEPARTAMENTO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DIVISÃO DE TREINAMENTO E AVALIAÇÃO SERVIÇO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO PROGRAMA DE

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2015

DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2015 DIRETORIA DE GESTÃO DE PESSOAS COORDENAÇÃO DE CAPACITAÇÃO E AVALIAÇÃO FUNCIONAL PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO 2015 TERESINA,PI 2015 1 APRESENTAÇÃO A educação profissional e tecnológica brasileira vivencia

Leia mais

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59

PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 Destaques da Proposta de Programa de Capacitação dos Servidores Técnico- Administrativos em Educação aprovados durante a 435ª Reunião do Conselho Diretor PROCESSO Nº 23062.000509/12-59 ALTERAÇÕES GERAIS

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO RESOLUÇÃO CONSUNI N.º 04, DE 26 DE MARÇO DE 2014. Dispõe sobre normas de afastamento de servidores técnicoadministrativos, do quadro efetivo da Universidade Federal de Mato Grosso, para qualificação stricto

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS

ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ESCOLA DE GOVERNO DE ALAGOAS REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA DE GOVERNO DO ESTADO DE ALAGOAS ( Decreto nº 24.202, de 07 de janeiro de 2013 Anexo Único Publicado no Diário Oficial do Estado de 08 de janeiro

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62

RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 RESOLUÇÃO N o 448, DE 22 DE ABRIL DE 2015 Documento nº 00000.022337/2015-62 Dispõe sobre os procedimentos e critérios para concessão de Licença para Capacitação no âmbito da Agência Nacional de Águas ANA

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ I

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014 ) ANEXO X REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º À Secretaria de Logística e Tecnologia

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP 2012

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP 2012 MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO SECRETARIA DE LOGÍSTICA E TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DEPARTAMENTO DE SERVIÇOS DE REDE GRUPO DE GESTÃO DE PESSOAS DO SISP PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO DO SISP

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS

CATÁLOGO DE SERVIÇOS 2012 CATÁLOGO DE S Tecnologia da Informação MINISTÉRIO DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO MINISTRA DO PLANEJAMENTO, ORÇAMENTO E GESTÃO Miriam Belchior SECRETÁRIA-EXECUTIVA Eva Maria Cella Dal Chiavon

Leia mais

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 12, DE 30 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Boletim de Serviço n 18, de 30/4/2001)

NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 12, DE 30 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Boletim de Serviço n 18, de 30/4/2001) NORMA DE EXECUÇÃO/INCRA/Nº 12, DE 30 DE ABRIL DE 2001. (Publicação: Boletim de Serviço n 18, de 30/4/2001) Dispõe sobre critérios e parâmetros de participação dos servidores do INCRA em cursos e seminários.

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL

CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL REGULAMENTO PARA SOLICITAÇÃO, CONCESSÃO E USUFRUTO DA LICENÇA PARA CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS DE QUE TRATA A NS Nº 570 de 22/05/2006 CAPÍTULO I DA FUNDAMENTAÇÃO LEGAL 1.1 A licença

Leia mais

CARTA DE SERVIÇOS. Coordenação-Geral da Gestão da Carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental.

CARTA DE SERVIÇOS. Coordenação-Geral da Gestão da Carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. CARTA DE SERVIÇOS Coordenação-Geral da Gestão da Carreira de Especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental Brasília - DF Secretaria de Gestão Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Leia mais

M I N U T A POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA

M I N U T A POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA M I N U T A POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA Porto Velho,

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO N 12.653 Estabelece a forma de organização e regulamenta o funcionamento das unidades administrativas da Secretaria de Trabalho e Geração

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos

MINISTÉRIO DA FAZENDA Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Coordenação-Geral de Recursos Humanos MINISTÉRIO DA FAZENDA QUADRO GERAL DO PLANO SETORIAL DE APRENDIZAGEM PERMANENTE - 2007 ÓRGÃO: GERÊNCIA REGIONAL DE ADMINISTRAÇÃO DO MINISTERIO DA FAZENDA NO PIAUI - GRA-PÍ Campos de Conhecimento Número

Leia mais

PORTARIA Nº 108/2007-ANTAQ BRASÍLIA, 06 DE JUNHO DE 2007

PORTARIA Nº 108/2007-ANTAQ BRASÍLIA, 06 DE JUNHO DE 2007 PORTARIA Nº 108/2007-ANTAQ BRASÍLIA, 06 DE JUNHO DE 2007 APROVA O REGULAMENTO DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES EM EXERCÍCIO NA ANTAQ. O DIRETOR-GERAL DA AGÊNCIA NACIONAL DE TRANSPORTES AQUAVIÁRIOS-ANTAQ,

Leia mais

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância

A Escola. Com uma média de 1.800 alunos por mês, a ENAP oferece cursos presenciais e a distância A Escola A ENAP pode contribuir bastante para enfrentar a agenda de desafios brasileiros, em que se destacam a questão da inclusão e a da consolidação da democracia. Profissionalizando servidores públicos

Leia mais

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO

AFASTAMENTO PARA CAPACITAÇÃO 50.05.004 1/20 1. FINALIDADE Estabelecer procedimentos e normatizar o processo de afastamento para capacitação dos docentes e dos servidores técnico-administrativos da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009.

LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. LEI COMPLEMENTAR Nº 141, DE 03 DE SETEMBRO DE 2009. O GOVERNADOR DO ESTADO DE PERNAMBUCO: Dispõe sobre o Modelo Integrado de Gestão do Poder Executivo do Estado de Pernambuco. Faço saber que a Assembléia

Leia mais

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO

CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO CAPÍTULO I DA IDENTIFICAÇÃO Art. 1º O Laboratório de Línguas é um órgão complementar de fomento ao ensino, pesquisa, extensão, e prestação de serviços vinculado ao Centro de Letras e Ciências Humanas sob

Leia mais

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014

EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E INOVAÇÃO EDITAL 01/2014 - PIQPG/PRPI/CQA PIQPG / 2014 Programa de Incentivo para Qualificação em Cursos de Pós-Graduação dos

Leia mais

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração

Ministério da Educação UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei No. 10.435 de 24 de abril de 2002 Pró-Reitoria de Administração EDITAL DE SELEÇÃO DE SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS COM INTERESSE EM PARTICIPAR DE TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EM NÍVEL DE EDUCAÇÃO FORMAL - QUALIFICAÇÃO A PRAD e o Departamento de Pessoal

Leia mais

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004;

- o princípio constitucional da garantia de celeridade na tramitação dos processos, incluído pela Emenda Constitucional 45/2004; ATO DO CONSELHO DE ENSINO PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE Resolução Nº xx, de xx de xxx de 2015 Regulamenta o afastamento de docentes efetivos da UFRA, para fins de estudo e cooperação. O Reitor da Universidade

Leia mais

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições,

O Presidente da Câmara Superior de Pós-Graduação da Universidade Federal de Campina Grande, no uso de suas atribuições, SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 13/2008 Revoga a Resolução Nº 13/2007 desta Câmara, e dá nova redação

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 25/2014 Regulamenta a política de afastamento para qualificação e capacitação do Pessoal Técnico- Administrativo,

Leia mais

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014

DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 8.243, DE 23 DE MAIO DE 2014 Institui a Política Nacional de Participação Social - PNPS e o Sistema Nacional de Participação

Leia mais

Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010

Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010 Decreto nº 31.452, de 22 de março de 2010 Diário Oficial do Distrito Federal ANO XLIII Nº 56 BRASÍLIA DF, 23 DE MARÇO DE 2010 Aprovar normas para concessão da Gratificação de Titulação - GTIT e do Adicional

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

PORTARIA Nº 440, DE 23 DE MAIO DE 2006.

PORTARIA Nº 440, DE 23 DE MAIO DE 2006. PORTARIA Nº 440, DE 23 DE MAIO DE 2006. Disciplina as Ações de Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos no âmbito da PGFN. O PROCURADOR-GERAL DA FAZENDA NACIONAL, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA INTEGRAÇÃO LATINO-AMERICANA RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 RESOLUÇÃO N 008/2014 DE 30 DE ABRIL DE 2014 Normatiza os procedimentos para concessão de afastamentos para capacitação de servidores docentes da Universidade Federal da Integração Latino-Americana - UNILA.

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013.

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. REGULAMENTO DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA Aprovado pela Resolução nº 01/2013/CONSUP/IFTO, de 7 de março de 2013. PALMAS-TO MARÇO 2013 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 2 DA CATEGORIA... 2 FINALIDADE E OBJETIVOS...

Leia mais

Art. 1º Fica instituída a Política de Capacitação dos servidores da Controladoria-Geral da União - CGU, com os seguintes objetivos:

Art. 1º Fica instituída a Política de Capacitação dos servidores da Controladoria-Geral da União - CGU, com os seguintes objetivos: Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca A Biblioteca da Presidência da República

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos. Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Gabinete do Ministro

Leia mais

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO.

RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. RESOLUÇÃO N 002, DE 11 DE OUTUBRO DE 1991, DA CONGREGAÇÃO. Fixa normas de capacitação para o pessoal técnicoadministrativo. A CONGREGAÇÃO DA FACULDADE DE MEDICINA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso de suas atribuições

Leia mais

Controlador Geral do Município

Controlador Geral do Município RESOLUÇÃO CGM Nº 534, DE 30 DE ABRIL DE 2004. REGULAMENTA AS ATIVIDADES DE CAPACITAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO. O CONTROLADOR GERAL DO

Leia mais

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira PAC-UNILAB 2015

PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira PAC-UNILAB 2015 PLANO ANUAL DE CAPACITAÇÃO Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira PAC-UNILAB 2015 Redenção 2015 INTRODUÇÃO Tendo como premissa que a aprendizagem é reconhecida como elemento

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL GOIANO ASSESSORIA INTERNACIONAL REGULAMENTO GERAL PARA AFASTAMENTO DE SERVIDOR DO INSTITUTO FEDERAL GOIANO PARA

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014

COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 COORDENAÇÃO DE APERFEIÇOAMENTO DE PESSOAL DE NÍVEL SUPERIOR PORTARIA Nº 156, DE 28 DE NOVEMBRO DE 2014 Aprova o regulamento do Programa de Apoio à Pós-graduação PROAP, que se destina a proporcionar melhores

Leia mais

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE

ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE (Portaria GM-MP nº 220, de 25 de junho de 2014) ANEXO VI REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE PLANEJAMENTO E INVESTIMENTOS ESTRATÉGICOS CAPÍTULO I CATEGORIA E FINALIDADE Art. 1º A Secretaria de Planejamento

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 32/2009. O DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABA- LHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 32/2009 Dispõe sobre a concessão de Bolsa de Estudo de cursos de pós-graduação lato e strito sensu, na forma de reembolso parcial, para magistrados e servidores do Tribunal Regional do Trabalho

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO CEFET-MG. Minuta. Minuta

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICOS ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DO CEFET-MG. Minuta. Minuta Minuta Trabalho elaborado pela comissão indicada pelo Conselho Diretor Membros: Delvair Pereira de Oliveira Filho Tatiana Leal Barros Rita de Cássia Almeida Andrade Regina Rita de Cássia Oliveira Sheila

Leia mais

Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012

Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012 Decreto nº 7.691, de 02 de Março de 2012 Diário Oficial da União nº 45, de 6 de março de 2012 (terça-feira) Seção 1 Págs. 24_27 Atos do Poder Executivo DECRETO Nº 7.691, DE 02 DE MARÇO DE 2012 Aprova a

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br)

COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) (Candidaturas serão aceitas até o dia 22/2/2013 envie seu CV para asantos@uniethos.org.br) COORDENADOR SÊNIOR (CONSULTORIAS) DESCRIÇÃO GERAL: O Coordenador Sênior do Uniethos é responsável pelo desenvolvimento de novos projetos, análise de empresas, elaboração, coordenação, gestão e execução

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES 1 de 11 3/5/2013 14:35 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES DELIBERAÇÃO Nº 056/2006 CONSELHO DEPARTAMENTAL

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução:

Ao Colendo Plenário. A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Ao Colendo Plenário A Mesa Diretora da Câmara Municipal de Canoas apresenta o seguinte projeto de resolução: Dispõe sobre a instituição e regulamentação de Programa de Capacitação aos servidores da Câmara

Leia mais

Controle Interno do Tribunal de Contas da União

Controle Interno do Tribunal de Contas da União Controle Interno do Tribunal de Contas da União Resumo: o presente artigo trata de estudo do controle interno no Tribunal de Contas da União, de maneira expositiva. Tem por objetivo contribuir para o Seminário

Leia mais

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior

Prof Dr. Antonio Guedes Rangel Junior RESOLUÇÃO/UEPB/CONSEPE/065/2014 Regulamenta o processo de afastamento para capacitação de Docentes da UEPB. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO CONSEPE, da UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA UEPB,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME Secretaria-Executiva Diretoria de Projetos Internacionais - DPI CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR MODALIDADE: Produto Nº do Termo de Referência no Plano de

Leia mais

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA

BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROJETO DE COOPERAÇÃO TÉCNICA INTERNACIONAL BRA/12/018 DESENVOLVIMENTO DE METODOLOGIAS DE ARTICULAÇÃO E GESTÃO DE POLÍTICAS PÚBLICAS PARA PROMOÇÃO DA DEMOCRACIA PARTICIPATIVA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 028 DE 30 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO Nº 028 DE 30 DE MARÇO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CONSELHO SUPERIOR Avenida Professor Mário Werneck, nº. 2590,

Leia mais

Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3

Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3 Nº OE Objetivos Estratégicos (OE) que se relacionam ao plano de capacitação 3 3 Investir no recrutamento, capacitação e desenvolvimento de seus profissionais. 7 7 Implementar ações de modernização administrativa

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CONSUN Nº 07/2010 Define e regulamenta o funcionamento dos programas de pós-graduação stricto sensu O Conselho Universitário da Universidade

Leia mais

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção

8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção 8.1 Políticas de Gestão de Pessoal 8.1.1 Organização e Gestão de Pessoas 8.1.2 Corpo Docente 8.1.3 Requisitos de Titulação 8.1.4 Critérios de Seleção e Contratação 8.1.5 Plano de Carreira e Regime de Trabalho

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE GESTÃO ADMINISTRATIVO-FINANCEIRA RESOLUÇÃO Nº 01/2011 Regulamenta a capacitação de Pessoal Técnico-

Leia mais

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares

REGIMENTO INTERNO AUDITORIA INTERNA DA UNIFEI. CAPÍTULO I Disposições Preliminares REGIMENTO INTERNO DA UNIFEI CAPÍTULO I Disposições Preliminares Art. 1º. A Auditoria Interna da Universidade Federal de Itajubá é um órgão técnico de assessoramento da gestão, vinculada ao Conselho de

Leia mais

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015

PREFEITURA DE RIO BRANCO INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DO MUNICÍPIO DE RIO BRANCO - RBPREV. Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Prefeitura Municipal de Rio Branco RBPREV Programa de Capacitações Exercicio de 2015 Equipe do RBPREV Raquel de Araújo Nogueira Diretora-Presidente Maria Gecilda Araújo Ribeiro Diretora de Previdência

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS. Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Políticas de Gestão de Pessoas do Ibama COMISSÃO PORTARIA Nº 248/07 P Deliberações Resumo 1ª reunião: papéis, procedimentos gerais

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS Rua Ciomara Amaral de Paula, 167 Medicina CEP: 37.550-00

Leia mais

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasília/DF 4, 5 e 6 de junho de 2012 A NOVA POLÍTICA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Pablo Sandin Amaral Renato Machado Albert

Leia mais

Adicional de Pós-Graduação. Conceito

Adicional de Pós-Graduação. Conceito Adicional de Pós-Graduação Conceito A concessão do APG está condicionada à realização de curso de pós-graduação nos níveis de Especialização, Mestrado e Doutorado, que se enquadrem nas normas dos Conselhos

Leia mais

NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES EM CURSOS DE CAPACITAÇÃO

NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES EM CURSOS DE CAPACITAÇÃO NORMAS PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES EM CURSOS DE CAPACITAÇÃO 1. DOS CURSOS 1.1 Os cursos poderão ser presenciais ou à Distância. Para os técnico-administrativos, deverão ter correlação com o cargo

Leia mais

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV)

MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) MANUAIS DCCAc/PROPLAN Nº 4: TRANSFERÊNCIA DE RECURSOS DA CONTA ÚNICA DA UFPE PARA A FUNDAÇÃO DE APOIO ATRAVÉS DE CONVÊNIO (SICONV) I. Informações Iniciais I.I Este manual abrange os projetos financiados

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESULTADOS FINAIS DO ENCONTRO NACIONAL - ÁREA MEIO - ESTRATÉGIA NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO SISTEMATIZAÇÃO DOS RESULTADOS Atendendo a solicitação do CNMP, o presente documento organiza os resultados

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Publicada no DJE/STF, n. 127, p. 1-3 em 3/7/2013. RESOLUÇÃO Nº 506, DE 28 DE JUNHO DE 2013 Dispõe sobre a Governança Corporativa de Tecnologia da Informação no âmbito do Supremo Tribunal Federal e dá outras

Leia mais

EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO - PIQ

EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE QUALIFICAÇÃO - PIQ MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - MEC SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA SETEC INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS EDITAL Nº 08/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL

Leia mais

ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I

ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I Legenda: azul - inclusão verde - comentários ANEXO DA RESOLUÇÃO Nº /2014 - CONSELHO UNIVERSITÁRIO POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS DA UFV CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.622, DE 19 DE DEZEMBRO DE 2005. Vide Lei n o 9.394, de 1996 Regulamenta o art. 80 da Lei n o 9.394, de 20 de dezembro

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 5 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.405, DE 23 DE DEZEMBRO DE 2010. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84,

Leia mais

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012.

RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. RESOLUÇÃO SMF Nº 2712 DE 13 DE MARÇO DE 2012. Altera o Regulamento de Treinamento e Desenvolvimento de Pessoas da Secretaria Municipal de Fazenda. A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE FAZENDA, no uso das atribuições

Leia mais

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações:

Art. 5º O Plano de Capacitação dos Servidores compreende as seguintes ações: PORTARIA Nº 2143, DE 12 DE JUNHO DE 2003. Institui o Plano de Capacitação de Servidores e regulamenta a participação de servidores em eventos de capacitação no âmbito do TRT da 4ª Região. A PRESIDENTE

Leia mais