PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTARIA SMS Nº 001/2013. A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais:"

Transcrição

1 PORTARIA SMS Nº 001/2013 EMENTA: Dispõe sobre o Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, para todos os cargos previstos no ANEXO II da Lei Municipal nº 1.817/2011 A Secretária de Saúde do município de Salgueiro, no uso de suas atribuições legais: CONSIDERANDO que o art. 39, da Lei Municipal nº 1.817/2011 determina que a Secretaria Municipal de Saúde deverá formular o Programa de Qualificação Profissional e a Programação Anual de Qualificação; CONSIDERANDO a necessidade de operacionalização do Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde; RESOLVE: Art. 1º. Regulamentar o Programa de Qualificação Profissional, no âmbito da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, para todos os cargos previstos no ANEXO II da Lei Municipal nº 1.817/2011, estabelecendo as normas básicas para a efetivação do Programa. CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 2º. A presente Portaria tem por finalidade normatizar a organização, a execução, a supervisão e a avaliação das ações desenvolvidas através do Programa de Qualificação Profissional para o SUS, pela Diretoria de Gestão de Pessoas através do Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS; Art. 3º. O Programa de Qualificação Profissional contém os seguintes objetivos: I caráter permanente e atualizado da programação de forma a acompanhar a evolução do conhecimento e dos processos atinentes ao avanço tecnológico da área de saúde; II universalidade no aspecto do conteúdo técnico-científico e profissional da qualificação, assim como da promoção humana do profissional do SUS como agente de transformação das práticas e modelos assistenciais; III ser veículo de sistematização das ações e dos serviços do SUS inscritos na política de saúde do Município de Salgueiro;

2 IV ser instrumento de integração dos parceiros de gestão do SUS, no âmbito federal, estadual e municipal; V formação de gestores qualificados para o SUS; VI descobrir valores e potenciais humanos para o desenvolvimento de novas atribuições necessárias ao desenvolvimento do SUS; VII - utilização de metodologias e recursos tecnológicos de ensino à distância que viabilizem a qualificação dos profissionais do SUS. CAPÍTULO II DAS MODALIDADES DOS CURSOS Art. 4º. Os cursos integrantes da Programação Anual do Programa de Qualificação Profissional serão organizados em duas modalidades, são elas: I os cursos específicos de qualquer natureza e nível, que tenham como público-alvo uma categoria profissional específica; II os cursos multiprofissionais de qualquer natureza e nível, que tenham como público-alvo duas ou mais categorias profissionais. Art. 5º. Os cursos integrantes da Programação Anual do Programa de Qualificação Profissional poderão ser ministrados: I por servidores do quadro efetivo com qualificação específica e/ou experiência comprovada na área a ser abordada no curso; II por entidades públicas ou privadas, por meio de convênios, protocolos de cooperação, contrato administrativo, termo de parceria, contrato de gestão ou quaisquer outros instrumentos equivalentes. Parágrafo único. A carga horária didática do servidor ministrante citado no inciso I deste artigo, destinada às atividades de curso previstas pelo Programa de Qualificação Profissional poderá ser contabilizada como carga horária trabalhada. CAPÍTULO III DA ORGANIZAÇÃO Art. 6º. Os cursos serão previstos na Programação Anual, conforme determina o 2º, do Art. 39, da Lei nº 1.817/2011. Parágrafo único. A coordenação dos cursos previstos será operacionalizada mediante a Programação Anual e será exercida pelo Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS. Art. 7º. Os cursos não previstos na Programação Anual, ofertados por iniciativa das Diretorias e Coordenações da Secretaria Municipal de Saúde de Salgueiro, serão

3 organizados pelo setor proponente com a supervisão e parecer do Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS. Parágrafo único. Para atender as necessidades de aprovação e acompanhamento dos projetos, as propostas deverão ser encaminhadas ao Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS com antecedência mínima de 30 (trinta) dias. Art. 8º. Na proposta de projeto dos cursos deverão constar obrigatoriamente os seguintes elementos: I Título; II Diretoria(s) e Coordenação (ões) envolvidas; III Objetivos do curso; IV Público alvo; V Pré-requisitos exigidos; VI Número mínimo e máximo de vagas; VII Conteúdo programático; VIII Metodologia; IX Ambiente físico a ser adotado NE execução do curso; X Material instrucional e de apoio didático; XI Datas e horários de execução; XII Critérios de avaliação dos participantes; XIII Corpo docente, com curriculum vitae resumido; XIV Coordenador do curso; XV Apoio do curso, quando houver; XVI Planilha de custos, contendo de forma detalhada as despesas do curso. Art. 9º. Caberá ao Coordenador do Curso as seguintes atribuições: I Apresentar a proposta de projeto ao Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS para avaliação; II Articular junto à Diretoria de Administração todos os recursos necessários para a efetivação do curso (espaço físico, equipamentos e materiais instrucionais, entre outros); III Elaborar e aplicar o instrumento de avaliação final do curso, que deverá ser preenchido por alunos e instrutores, e encaminhar os resultados para o Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS; IV Encaminhar para o Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS as atas de freqüência assim como a avaliação consolidada dos participantes;

4 Parágrafo único. Na ausência de pessoal de apoio, o Coordenador exercerá esta função, não devendo recair sobre o próprio instrutor executor do curso. Art. 10. Caberá ao Apoio do Curso as seguintes atribuições: I Assistência técnica e logística para a realização do curso; II Instalação de equipamentos e softwares; III Recebimento e posterior encaminhamento de material instrucional e demais materiais de apoio no local do curso. CAPÍTULO IV DO AFASTAMENTO DO SERVIDOR Art. 11. A qualificação e o esforço pessoal em busca de maiores níveis de formação dos servidores abrangidos pela Lei nº 1.817/2011, visando o seu crescimento profissional e a sua permanência no serviço público, serão assegurados mediante o estímulo à produção e promoção do conhecimento técnico-científico que proporcione o desenvolvimento do servidor da aera de saúde e o conseqüente melhoramento dos serviços de saúde. Art. 12. O afastamento do servidor para participação em cursos de graduação e pósgraduação, não ofertados pelo Programa de Qualificação Profissional, deverá ser autorizado pela Administração, nas condições estabelecidas pelo Art. 24, da Lei nº 1.817/ º As solicitações para afastamento do servidor para participação em cursos de graduação e pós-graduação deverão ser realizadas mediante requerimento a serem entregues previamente no Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS; 2º. A liberação dos servidores para os cursos citados no 1º deste artigo, está submetida à avaliação de sua correlação com o Sistema Único de Saúde, mais especificamente, com a área de atuação a que o servidor está destinado no serviço público; 3º. A liberação para os cursos citados no 1º, deste artigo, não poderá ultrapassar o limite de 5% (cinco por cento) dos servidores. 4º. Os servidores classificados para cursos de graduação e pós-graduação, cujos horários coincidam com o horário de trabalho deverão solicitar a negociação de carga horária. Art. 13. A liberação para participação de servidores em Congressos, Conferências, Seminários, reuniões de Conselho de Classe e outros, serão autorizadas, a critério da Administração, mediante requerimento e cópia de documento que comprove a inscrição ou convocação, solicitado à Diretoria de Gestão de Pessoas com antecedência mínima de 15 (quinze) dias desde que não haja comprometimento da oferta dos serviços essenciais.

5 CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 14. A adesão aos cursos será mediante ficha de inscrição a ser preenchida pelos servidores nas dependências do Departamento de Desenvolvimento dos Servidores do SUS. Art. 15. Os cursos previstos no Programa de Qualificação Profissional da Secretaria Municipal de Saúde, conforme a Lei nº 1.817/2011 têm como público-alvo os servidores da Secretaria Municipal de Saúde. Art. 16. Será conferido Certificado de Conclusão de Curso aos participantes que apresentarem freqüência mínima de 75% das aulas ministradas e aproveitamento mínimo de 70% dos conteúdos apresentados. Art. 17. Os casos omissos serão resolvidos pela Comissão de Gestão do Plano de Cargos, Carreiras e Remuneração da Saúde. Salgueiro 13 de março de Antônia Vanda Freitas de Lima Secretaria de Saúde de Salgueiro

Ministério da Educação e Desporto Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CONSELHO DIRETOR

Ministério da Educação e Desporto Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CONSELHO DIRETOR Ministério da Educação e Desporto Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná CONSELHO DIRETOR DELIBERAÇÃO N º 09/98 de 26 de junho de 1998 O CONSELHO DIRETOR DO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 1 FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS ÍNDICE CAPÍTULO I... 01 DAS FINALIDADES... 01 DOS OBJETIVOS... 01 CAPÍTULO II... 01 DO PROCESSO DE ABERTURA DE CURSOS... 01 DO ENCAMINHAMENTO...

Leia mais

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA UNIFEI CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1 - Objetivo Geral: Implantar na UNIFEI um Programa de Capacitação que seja continuado

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO REGULAMENTO DE ESTÁGIO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE NUTRIÇÃO Dispõe sobre os princípios e diretrizes para disciplinar e regulamentar os procedimentos a serem adotados pelo Curso de Nutrição da Faculdade de

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense

RESOLUÇÃO N.º 150/2010. Art. 1º - Fica aprovado o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense MEC - UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA RESOLUÇÃO N.º 150/2010 EMENTA: Aprovação do Regulamento Geral dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu da Universidade Federal Fluminense.

Leia mais

Proposta de Resolução Ementa:

Proposta de Resolução Ementa: Proposta de Resolução Ementa: Dispõe sobre a regulamentação de Título de Especialista e de Especialista Profissional Farmacêutico e sobre normas e procedimentos para seu registro O Conselho Federal de

Leia mais

Assessoria de Imprensa e Comunicação

Assessoria de Imprensa e Comunicação PORTARIA 74/06 - SMG Assessoria de Imprensa e Comunicação Dispõe sobre os critérios e procedimentos para valoração e apuração dos pontos relativos à capacitação e participação em atividades realizadas

Leia mais

TÍTULO I DAS ENTIDADES

TÍTULO I DAS ENTIDADES RESOLUÇÃO Nº 444 DE 27 DE ABRIL DE 2006. 1205 Ementa: Dispõe sobre a regulação de cursos de pós-graduação lato sensu de caráter profissional. O Conselho Federal de Farmácia, no uso das atribuições que

Leia mais

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015.

MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. MINUTA DE RESOLUÇÃO Nº 00, DE XX DE XXXXX DE 2015. O CONSELHO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1 Aprovar as

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013)

RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) RESOLUÇÃO N o 047, de 16 de outubro de 2006. (Modificada pela Res. 039/2012 e 002/2013) Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001

FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.06/2008 Dispõe sobre a Normatização do Programa. de Cursos de Pós-Graduação Lato

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - O Programa de Pós-graduação lato sensu da FAZU - Faculdades Associadas de Uberaba, tem por objetivo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 50, DE 24 DE MAIO DE 2007 Regulamenta as atividades de instrutoria interna no âmbito do Supremo Tribunal Federal. O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, no uso

Leia mais

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE:

CONSELHO SUPERIOR. O CONSELHO SUPERIOR DA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAI PORTO ALEGRE, no uso de suas atribuições regimentais; RESOLVE: CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº. 48, de 15 de fevereiro de 2013. Revoga a Resolução nº 6, de 05 de dezembro de 2007 que implantou a Monitoria na Faculdade e aprova o Regulamento da Monitoria na Faculdade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000

RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 RESOLUÇÃO Nº 1 de 03 de Abril de 2000 EMENTA: Estabelece normas para a organização e funcionamento de cursos de especialização (pósgraduação lato sensu) na Universidade. O CONSELHO COORDENADOR DE ENSINO,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO CAMPUS BAIXADA SANTISTA SERVIÇO-ESCOLA DE PSICOLOGIA Capítulo I Caracterização Artigo 1 º O Serviço-Escola de Psicologia (SEP) da UNIFESP é uma instância do campus Baixada

Leia mais

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica

Município de Montes Claros MG Procuradoria Jurídica PORTARIA Nº 01, de 15 de janeiro de 2007. Estabelece critérios visando à convocação para contratação de pessoal, por excepcional interesse público, na composição do Quadro de Pessoal das Unidades Municipais

Leia mais

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 RESOLUÇÃO CSA N.º 07, DE 23 DE SETEMBRO DE 2014 Estabelece o Regulamento para a Oferta de Cursos de Pós Graduação Lato Sensu das Faculdades Ponta Grossa. A Presidente do Conselho Superior de Administração

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE PALMEIRAS DE GOIÁS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Palmeiras de Goiás Rua S-7, s/ nº _ Setor Sul_ Palmeiras de Goiás-GO Fone/ Fax: (64) 3571-1198 (64) 3571-1173 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013

RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 RESOLUÇÃO Nº 62 DE 26 DE SETEMBRO DE 2013 O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Pampa, em sua 45ª Reunião Ordinária, realizada no dia 26 de setembro de 2013, no uso das atribuições que lhe

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO APERFEIÇOAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO DO CURSO APERFEIÇOAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO Escola de Contas Conselheiro Otacílio Silveira REGULAMENTO DO CURSO APERFEIÇOAMENTO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 133/2014-CEPE, DE 22 DE MAIO DE 2014. Aprova o Regulamento do Programa Casulo Sócio-Tecnológico de Apoio e Desenvolvimento em Gestão Social, Inovação e sustentabilidade. O CONSELHO DE ENSINO,

Leia mais

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES REGULAMENTO NÚCLEO FLEXÍVEL CURSO DE DIREITO Art. 1º O presente conjunto de regras tem por finalidade normatizar as atividades que compõem o núcleo flexível do Currículo de Graduação em Direito e cujo

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

Portaria nº 69, de 30/06/2005

Portaria nº 69, de 30/06/2005 Câmara dos Deputados Centro de Documentação e Informação - Legislação Informatizada Portaria nº 69, de 30/06/2005 O PRIMEIRO-SECRETÁRIO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, no uso das atribuições que lhe confere o

Leia mais

ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO

ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS ASSESSORIA DE PÓS GRADUAÇÃO E PESQUISA ROTEIRO PARA MONTAGEM DE CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO EM NÍVEL DE ESPECIALIZAÇÃO i:\latosens\rot_esp.doc Pelotas, março de 1996 PROCEDIMENTOS

Leia mais

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO

ESTADO DO ACRE ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO DO ACRE REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE CAPACITAÇÃO DA ESCOLA DO SERVIDOR PÚBLICO CAPÍTULO I DA FINALIDADE E OBJETIVOS Dispõe sobre as normas para participação dos servidores públicos em Cursos de Capacitação promovidos

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL

REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Texto Aprovado CONSU Nº 2011-26 - Data: 09/06/11 REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM PROMOÇÃO DE SAÚDE (PPGPS) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL Art. 1º Este regimento estabelece as atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC

REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO Lato Sensu FACULDADE SATC 2014 ÍNDICE CAPÍTULO I... 3 Da Constituição, Natureza, Finalidade e Objetivos dos Cursos... 3 CAPÍTULO II... 3 Da Implantação dos Cursos...

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006

RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAPÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO Nº 020/2006-CONSU de 22 de agosto de 2006 EMENTA: Normatiza os Afastamentos de Curta, Média e Longa Duração de Docentes.

Leia mais

Curso de Sistema de Informação

Curso de Sistema de Informação 1 Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Sistema de Informação Cascavel - PR CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Curricular

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007

RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Rua Governador Luiz Cavalcante, S/N, TELEFAX (82) 3530-3382 CEP: 57312-270 Arapiraca-Alagoas RESOLUÇÃO Nº. 05 - CONSU 13 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre normas e procedimentos para os Cursos de Especialização

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM GATROENTEROLOGIA DA EPM-UNIFESP CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em da UNIFESP-EPM, tem como objetivo a formação, capacitação

Leia mais

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP

REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP REGULAMENTO DO LABORATÓRIO INTEGRADO DE DESIGN E ENGENHARIA DE PRODUTO - LIDEP A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº. 10/2015 Criar e aprovar o Curso de Pós-Graduação MBA em Gestão Empreendedora

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU REGULAMENTO DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU Res. Consun nº 96/10, de 24/11/10. Art. 1º Art. 2º Art. 3º Art. 4º TÍTULO I DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO ESCOLA MUNICIPAL DE GOVERNO SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3º... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II Da Finalidade

Leia mais

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências.

Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo e dá outras providências. RESOLUÇÃO CoCEx nº 6667, de 19 de dezembro de 2013. (D.O.E. 21.12.13) (Protocolado 11.5.2443.1.5). Regulamenta e estabelece normas sobre os Cursos de Extensão Universitária da Universidade de São Paulo

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014.

RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. RESOLUÇÃO Nº 15, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2014. O COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA CIVIL DA FACULDADE DE ENGENHARIAS, ARQUITETURA E URBANISMO E GEOGRAFIA da Fundação Universidade Federal de Mato

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 30, DE 28 DE ABRIL DE 2011 Dispõe sobre as normas para a pós-graduação na modalidade lato sensu ofertada pela Universidade Federal do Pampa. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR FUNDAÇÃO EDUCACIONAL SÃO CARLOS REGIMENTO INTERNO UNIVERSIDADE ABERTA DO TRABALHADOR SÃO CARLOS 2011 SUMÁRIO TÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO Art. 1º a 3... 3 Capítulo I Da Natureza (art. 1º)... 3 Capítulo II

Leia mais

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO PROPPES (Aprovado na Reunião do Consuni em 24/9/2009) CAPÍTULO XVI DA PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Art. 72. Os cursos de Pós-Graduação Lato Sensu destinam-se a candidatos graduados, podendo ser

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA UNIRON - CPA Av. Mamoré, nº 1520, Bairro Três Marias CEP: 78919-541 Tel: (69) 3733-5000 Porto Velho - RO 1 CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS FACULDADE DE ARACRUZ FAACZ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DA FACULDADE DE ARACRUZ - FAACZ ARACRUZ 2010 CAPÍTULO 1 DAS DISPOSIÇÕES

Leia mais

Curso de Engenharia de Elétrica

Curso de Engenharia de Elétrica Regulamento de Estágio Curricular Obrigatório Curso de Engenharia de Elétrica Cascavel-PR 2011 - 2 - CAPITULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º. Este regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO (TCC) CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADES Art. 1º O Trabalho de Conclusão de Curso - TCC é um componente obrigatório dos cursos de Graduação

Leia mais

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública

Alexandre de Souza Ramos Diretor da Escola Estadual de Saúde Pública SECRETARIA DE SAÚDE DO ESTADO DA BAHIA (SESAB) ESCOLA ESTADUAL DE SAÚDE PÚBLICA (EESP) RESOLUÇÃO Nº. 01/2010 - Regulamenta o desenvolvimento de Cursos de Pós-Graduação lato sensu Especialização na EESP.

Leia mais

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União.

PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011. Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. PORTARIA PGR Nº 198 DE 15 DE ABRIL DE 2011 Regulamenta o Programa de Treinamento, Desenvolvimento e Educação do Ministério Público da União. O PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA, no uso de suas atribuições,

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 09/2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO

CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO Belém-PA, janeiro/2015 REGIMENTO DO PROGRAMA DE MESTRADO EM DIREITO DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO ESTADO DO PARÁ CAPÍTULO

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA

FACULDADE DE MEDICINA DE MARÍLIA REGULAMENTO AFASTAMENTO DE FUNCIONÁRIOS DA FAMEMA CAPÍTULO I - DAS FINALIDADES Art. 1 - Promover o aperfeiçoamento de seus funcionários mediante convivência e intercâmbio de informações com outras Instituições

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação.

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Conselho de Pesquisa e Pós-Graduação. Resolução nº. 035/12-COPPG Curitiba, 09 de abril de 2012 O CONSELHO PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI

Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI Faculdade São Francisco de Piumhi FASPI PLANO DE CARREIRA, CARGOS E SALÁRIOS - PCCS DOCENTE Piumhi- MG Fevereiro / 2011 1 SUMÁRIO CAPÍTULO I - DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES....03 CAPÍTULO II - DO QUADRO

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DO CURSO DE QUÍMICA, CAMPUS PATO BRANCO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Pato Branco Coordenação do Curso Superior de Química: Bacharelado em Química Industrial e Licenciatura em Química REGULAMENTO DAS

Leia mais

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP

REGIMENTO INTERNO Ato: Resolução Nº 009/2010- CONSUP Pág. 1 de 10 DO PROGRAMA DE PÓS- DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1 o A Pró-Reitoria de Pesquisa e Inovação é o órgão

Leia mais

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP

Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP Manual do Sistema para abertura de curso de extensão pelos docentes EACH - USP 1.INTRODUÇAO...... 3 2.ONDE CONSEGUIR INFORMAÇÔES?... 4 Normas USP... 4 Site EACH...4 Sistema de atendimento da Comissão de

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

GABINETE DO MINISTRO

GABINETE DO MINISTRO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 1.007, DE 9 DE OUTUBRO DE 2013. Altera a Portaria MEC nº 168, de 07 de março de 2013, que dispõe sobre a oferta da Bolsa-Formação no âmbito do Programa Nacional de Acesso

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL N 10, DE 30 DE JANEIRO DE 2013. SELEÇÃO SIMPLIFICADA DE SERVIDORES ATIVOS E INATIVOS DO IFMA PARA ATUAREM COMO PROFESSORES NOS CURSOS DO PROGRAMA NACIONAL DE ACESSO AO ENSINO TÉCNICO

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação

Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Faculdade de Informática Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação Regulamento Capítulo I Da Atribuição e Organização Geral Art. 1 - O Programa de Pós-Graduação em Ciência da Computação (PPGCC),

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 84, DE 23 DE JULHO DE O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São Luís Centro Histórico, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 24/07/2014

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO UNIVERSITÁRIO. ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn ANEXO I DA RESOLUÇÃO Nº 26/2012-CUn PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA OS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DESTA UNIVERSIDADE 1. APRESENTAÇÃO O Departamento de Desenvolvimento de Pessoas (DDP),

Leia mais

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências;

CONSIDERANDO a Portaria Nº 080 de 16/12/1998, da CAPES, que dispõe sobre o reconhecimento dos Mestrados Profissionais e dá outras providências; RESOLUÇÃO CEPE Nº 012/2007 Aprova a criação e o Regulamento dos Cursos de Pós-Graduação Stricto sensu, Mestrado Profissional. 2192/2007; CONSIDERANDO o contido no processo nº CONSIDERANDO a Portaria Nº

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO FASETE REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CURSO DE BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO RESOLUÇÃO - CONSUP Nº 001/2012 REGULAMENTO PARA AS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DA NATUREZA DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 03, DE 03 DE JULHO DE 2015.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 03, DE 03 DE JULHO DE 2015. O Diretor Geral do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus Imperatriz-MA, no uso de suas atribuições, torna público que estarão abertas no período de 01/07/2015 a 22/07/2015

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA FACULDADE ARTHUR THOMAS CAPÍTULO I DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS Art. 1º. O presente Regulamento estabelece as políticas

Leia mais

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o

3o 4o 5o 6o Art. 8o Art. 9o REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU TÍTULO I GENERALIDADES Art. 1 o A Fundação Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Mandaguari FAFIMAN - poderá oferecer cursos de pós-graduação lato

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA DA FACULDADE DE DIREITO DE VITÓRIA FDV REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PRÁTICA JURÍDICA TÍTULO I Dos Princípios gerais Art. 1. Este regimento Interno disciplina

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS: BIOQUÍMICA ESTRUTURA DO CURSO A estrutura do Curso dará ênfase à formação do pós-graduando como docente-pesquisador. O Curso buscará atribuir

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU REGULAMENTO GERAL DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO, NATUREZA, FINALIDADES E OBJETIVOS DOS CURSOS Art. 1. Os Cursos de Pós-Graduação Lato sensu do Instituto Federal de Rondônia

Leia mais

Universidade Tiradentes Diretoria de Graduação Diretoria de Gente & Carreira DGC

Universidade Tiradentes Diretoria de Graduação Diretoria de Gente & Carreira DGC Universidade Tiradentes Diretoria de Graduação Diretoria de Gente & Carreira DGC EDITAL DE PROVIMENTO INTERNO 03/2014 O Magnífico Reitor da Universidade Tiradentes, no uso de suas atribuições, faz saber

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003

RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 RESOLUÇÃO N o 008, de 30 de junho de 2003 Aprova Regimento do Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Letras Teoria Literária e Crítica da Cultura da UFSJ O PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO SUPERIOR

Leia mais

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009.

RESOLUÇÃO NORMATIVA N.º 03/CUn/09, DE 08 DE DEZEMBRO DE 2009. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA ÓRGÃOS DELIBERATIVOS CENTRAIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO - TRINDADE CEP: 88040-900 - FLORIANÓPOLIS - SC TELEFONE (048) 3721-9661 - FAX (048) 234-4069

Leia mais

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS

Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. DA FINALIDADE E OBJETIVOS Resolução do CS nº 11/2013 Aparecida de Goiânia, 29 de janeiro de 2013. Homologa adequações no Regulamento do Programa de pós-graduação lato sensu. O Presidente Conselho Superior, no uso de suas atribuições,

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Aprovação:

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) DO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º. Este Regulamento estabelece as normas relativas às disciplinas Trabalho de Conclusão de Curso I (TCC

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA O CURSO DE GEOGRAFIAA DISTÂNCIA CAPÍTULO I CONSIDERAÇÕES GERAIS Art. 1º - Este Regulamento visa normatizar as Atividades Complementares do Curso de Pedagogia.

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA FACERES CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º As Atividades Complementares são componentes curriculares obrigatórios

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAPÍTULO I DA RESIDÊNCIA MÉDICA E SEUS OBJETIVOS Art. 1º - O Curso de Residência Médica da Faculdade de Medicina de Marília constitui modalidade de ensino de pós-graduação, lato sensu, caracterizado por

Leia mais

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742

RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS RESOLUÇÃO - CEPEC Nº 742 Aprova o Regulamento Geral dos Cursos de Pós-Graduação LATO SENSU da UFG, revogando-se a Resolução CEPEC Nº 540. O CONSELHO

Leia mais

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS REGIME TO I TER O DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SE SU EM GESTÃO DA PRODUÇÃO TÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - O presente Regimento Interno regulamenta a organização e o funcionamento do curso de pósgraduação

Leia mais

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA

NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO CÂMARA DE MONITORIA NORMAS DO SISTEMA DE MONITORIA CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1º - Complementar a formação acadêmica do aluno, na área de seu

Leia mais

REGULAMENTO DA JORNADA CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMIILO

REGULAMENTO DA JORNADA CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMIILO REGULAMENTO DA JORNADA CIENTÍFICA DO CENTRO UNIVERSITÁRIO SÃO CAMIILO Aprovado no Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) e Conselho de Administração Superior (CAS) em 10 de setembro de 2015, Processo

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições:

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA. Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: 1 UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SANTOS REGULAMENTO DA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Para os propósitos deste documento são aplicáveis as seguintes definições: Professor-autor é aquele que possui pleno domínio da área

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO AMBIENTAL Cacoal RO REGULAMENTO DE ESTÁGIOS

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES 1 de 11 3/5/2013 14:35 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES DELIBERAÇÃO Nº 056/2006 CONSELHO DEPARTAMENTAL

Leia mais

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO RESOLUÇÃO CONSU Nº 031 - A/2009, DE 01 DE SETEMBRO DE 2009, A Reitora do Centro Universitário Euro - Americano no, no uso de suas atribuições estatutárias, considerando a necessidade de atualizar as normas

Leia mais

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO

UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO UNIARA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE ARARAQUARA MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO: PROCESSOS DE ENSINO, GESTÃO E INOVAÇÃO REGULAMENTO SUMÁRIO TÍTULO I - APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 1 TÍTULO II - DOS OBJETIVOS...

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES.

MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. MANUAL DO ALUNO. ATIVIDADES COMPLEMENTARES. IDENTIFICAÇÃO DO (A) DISCENTE NOME: ENDEREÇO: CURSO: PERIODO: TURMA: Trabalhar o discente para torná-lo um empreendedor e facilitar sua inclusão no mercado de

Leia mais

Art. 1º Estabelecer as normas de funcionamento dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu do IFB, conforme dispositivos a seguir:

Art. 1º Estabelecer as normas de funcionamento dos Cursos de Pós-graduação Lato Sensu do IFB, conforme dispositivos a seguir: RESOLUÇÃO N.º -2012/CS-IFB Estabelece as normas de funcionamento dos Cursos de Pósgraduação Lato Sensu do Instituto Federal de Brasília, de acordo com a Lei nº 9.394 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação

Leia mais

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013.

EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 2013. EDITAL INSTITUCIONAL DE EXTENSÃO N 25, DE 12 DE AGOSTO DE 13. O Diretor Pró-Tempore do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão Campus São João dos Patos, no uso de suas atribuições,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA RESOLUÇÃO Nº 49/2002/CONEP Aprova reformulação das Normas de Pós-Graduação da UFS. O CONSELHO DO ENSINO E DA PESQUISA da Universidade

Leia mais

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO

MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO MODELO DE REGULAMENTO PARA CURSO DE APERFEIÇOAMENTO Este modelo deve orientar a elaboração do Regulamento dos Cursos de Aperfeiçoamento, obedecendo às Normas para Aprovação e Acompanhamento de Cursos de

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO E EXTERNO PARA ENGENHARIA CIVIL N 2015/05-06 DE JULHO DE 2015 Á 08 DE JULHO DE 2015

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO E EXTERNO PARA ENGENHARIA CIVIL N 2015/05-06 DE JULHO DE 2015 Á 08 DE JULHO DE 2015 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO INTERNO E EXTERNO PARA ENGENHARIA CIVIL N 2015/05-06 DE JULHO DE 2015 Á 08 DE JULHO DE 2015 Dispõe sobre o TESTE SELETIVO INTERNO E EXTERNO para PROFESSOR integrante da carreira

Leia mais

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG.

Aberta e a Distância - CEAD, da UNIFAL-MG. RESOLUÇÃO Nº 023/2011, DE 28 DE ABRIL DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho Universitário da UNIFAL-MG, no uso de suas atribuições regimentais e estatutárias,

Leia mais