SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) APLICADA ÀS ORGANIZAÇÕES COM FOCO NA REDUÇÃO DAS PERDAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) APLICADA ÀS ORGANIZAÇÕES COM FOCO NA REDUÇÃO DAS PERDAS."

Transcrição

1 FACULDADE CÂNDIDO MENDES INSTITUTO A VEZ DO MESTRE BRUNO DOS SANTOS BATISTA SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) APLICADA ÀS ORGANIZAÇÕES COM FOCO NA REDUÇÃO DAS PERDAS. Rio de Janeiro 2010

2 BRUNO DOS SANTOS BATISTA SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE (SMS) APLICADA ÀS ORGANIZAÇÕES COM FOCO NA REDUÇÃO DAS PERDAS. Monografia apresentada junto ao Curso de Pós-Graduação em Gestão de Petróleo e Gás da Faculdade Cândido Mendes / A Vez do mestre como requisito para aprovação. Orientador : Prof. Jorge Tadeu Rio de Janeiro 2010

3 Agradeço ao professor e orientador Jorge Tadeu, pelo apoio e encorajamento contínuos na pesquisa, aos demais Mestres da casa, pelos conhecimentos transmitidos, ao Departamento Pedagógico do curso de Pósgraduação da Faculdade Cândido Mendes / Instituto A Vez Do Mestre pelo apoio institucional e pelas facilidades oferecidas.

4 Há homens que lutam um dia e são bons. Há outros que lutam um ano e são melhores. Há os que lutam muitos anos e são muito bons. Porém, há os que lutam toda a vida. Esses são os imprescindíveis." Bertolt Brecht

5 Resumo Toda pessoa sabe que a vida é um bem precioso e delicado e que, compete a cada um de nós defendermos da melhor forma possível. Nossos familiares têm orgulho do trabalho que exercemos, e cabe a cada um de nós realizá-lo com segurança, preservando o meio ambiente e nossa saúde. O referido trabalho tem como objetivo mostrar a importância de programas de Segurança, Meio Ambiente e de Saúde nas organizações, visando defender a integridade dos trabalhadores, reduzindo custos, melhorando a produtividade, oferecendo um melhor ambiente de trabalho e colaborando com a melhoria da imagem da empresa perante o mercado. Para isso é importante a participação e conscientização das partes envolvidas. Essa mudança de postura trará benefícios para os trabalhadores no período em que estiverem na empresa bem como maior qualidade de vida para todos os seus familiares. Palavras-chave: Segurança no Trabalho; Meio Ambiente; Saúde; Doença do Trabalho; Trabalhador e Produtividade. Abstract Every person knows that life is a very precious and delicate and that is for each of us defend in the best way possible. Our families are proud of the work that had, and it is up to each of us carry it with safety, preserving the environment and our health. This work aims to show the importance of programs for the Safety, Environment and Health in organizations, to defend the integrity of workers, reducing costs, improving productivity, offering a better environment to work and cooperate with the improvement of the image of company to the market. Therefore it is important the participation and awareness of the parties involved. This change of attitude will bring benefits to workers in the period in which at the company as well as improved quality of life for all his family. Keywords: Safety at Work, Environment, Health, Disease Labor, and worker productivity.

6 SUMÁRIO RESUMO....5 ABSTRACT INTRODUÇÃO SAÚDE CONCEITOS DE SAÚDE E DOENÇA LESÕES AGUDAS E DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO COMO PREVENIR AS DOENÇAS RELACIONADAS AO TRABALHO ERGONOMIA COMO PREVENIR AS DOENÇAS NÃO RELACIONADAS AO TRABALHO ALIMENTAÇÃO ATIVIDADE FÍSICA TABAGISMO ESTRESSE CUSTO E CONSEQUÊNCIAS DO ESTRESSE HIGIENE DO TRABALHO CONCEITOS DE HIGIENE DO TRABALHO ACIDENTES DE TRABALHO CONCEITO DE ACIDENTE CAUSAS PREVENÇÃO CIPA QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO CONCEITO DE QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO O IMPACTO PARA O TRABALHADOR A SATISFAÇÃO NO TRABALHO SAÚDE E PRODUTIVIDADE MEIO AMBIENTE MEIO AMBIENTE: QUESTÃO DE CIDADANIA NORMA ISO O QUE É A NORMA ISO 14000? BENEFÍCIOS PROBLEMAS E DESAFIOS IMPACTOS AMBIENTAIS A QUALIDADE DO AR A QUALIDADE DA ÁGUA A QUALIDADE DO SOLO CONSEQUÊNCIAS E IMPACTOS CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS...37

7 1. INTRODUÇÃO Para fazer frente às atuais exigências dos mercados que se apresentam cada vez mais competitivos, as empresas precisam buscar permanentemente a maximização dos resultados de forma a agregar valor para todos os envolvidos, primando pela excelência em todos os segmentos que compõem o seu negócio. O problema identificado para o desenvolvimento desta pesquisa é analisar a forma com que o sistema será transmitido e aceito, de modo a permitir o acompanhamento do progresso conseguido, minimizando os esforços e maximizando os resultados. Ultimamente tem aumentado a consciência sobre a importância em se aliar capacidade de produção, os meios de transformação, os processos de manufatura e até a manutenção com o bem estar e a qualidade de vida daqueles que executam essas atividades por mais simples que seja a sua participação na cadeia produtiva. Considerando que a mudança de hábitos não pode ser imposta, mas implantada de forma a agregar as pessoas valores que serão enraizados e esses valores com a todas as informações da cadeia de produção possam conduzir essas Organizações por uma trilha de sucesso de forma duradoura e sustentável. Com o rápido avanço da tecnologia que é uma aliada no desenvolvimento de todos os processos de transformação o homem não deve ser deixado de lado nunca, pois reside nele a capacidade de entender esses novas tecnologias e fazer com que tudo funcione de forma harmoniosa, gerando riquezas para os acionistas, reduzindo os impactos dos processos produtivos e tornando os ambientes de trabalho cada vez mais saudáveis. Hoje em dia querer que as organizações tenham segurança, meio ambiente e saúde, não é exigir muito, é sim, o mínimo que cada empresa tem por obrigação oferecer como

8 contra partida aos seus processos produtivos. Atuar na promoção da saúde, na proteção do ser humano e do meio ambiente é essencial para qualquer empresa, pois o trabalho está constantemente cercado por incertezas, exigindo tomadas de decisão rápidas, e muitas vezes podem acarretar acidentes de trabalho. Esses acidentes obrigarão os empregados a se afastarem dos seus postos de trabalho, acarretando prejuízo de ordem, financeira para ele próprio e seus familiares, psicológica, queda na produtividade da empresa e etc. Baseado em tudo que acarreta como custos para as organizações é vital que haja uma política de investimento na área de segurança, meio ambiente e saúde com evidente víeis para a redução dos afastamentos relacionados com doenças e acidentes sem contar na possibilidade da mudança do processo produtivo para um que promova o que se chama de processo limpo, ou ecologicamente correto, no qual o impacto ao meio ambiente é reduzido e/ou compensado pelas políticas da empresa nesse setor. 2. SAÚDE 2.1 Conceitos de saúde e doença A saúde é a promoção e preservação da integridade física do trabalhador, através da detecção dos fatores que interfiram na sua saúde, tais como os riscos inerentes no seu ambiente de trabalho. (Souza, 2004) As doenças do trabalho, ou doenças ocupacionais são aquelas decorrentes da exposição dos trabalhadores aos riscos ambientais, ergonômicos ou de acidentes. Elas se caracterizam quando há uma relação entre os danos na saúde do trabalhador e a exposição do mesmo a determinados riscos ocupacionais. O risco estando presente, atua diretamente sobre o organismo humano, alterando a sua qualidade de vida. (MARANO, 2003)

9 O trabalho não deve ser causa de danos à saúde dos trabalhadores. Como as situações de risco são comuns nas indústrias em geral, os trabalhadores devem estar treinados sobre os procedimentos adotados nas diversas atividades e os recursos disponíveis para evitar danos à sua saúde, ais como os equipamentos de proteção coletiva (EPC) e individual (EPI). No ambiente de trabalho a pessoa responsável em manter a saúde de todos os empregados é o Médico do Trabalho que agindo sozinho ou através de uma equipe, após ter a notificação dos riscos ambientais existentes na empresa, padronizará todos os exames que serão realizados, a freqüência de cada um deles e por grupo de trabalhadores, usando como critério, por exemplo, a faixa etária, não deixando de atender aos requisitos legais estabelecidos. Cabe ressaltar que todo aprendizado na empresa é extensível as casas dos empregados por que nos dias de hoje nenhuma organização espera que seus empregados hajam de forma diferente quando estiverem fora delas, os cuidados adotados na empresa deverão ser os mesmo fora delas e isso é compreensivo quando avaliamos a imagem dessa empresas. 2.2 Lesões agudas e doenças relacionadas ao trabalho A exposição ao ruído, à radiação solar, às altas temperaturas, aos produtos químicos e aos agentes biológicos, bem como a realização de esforços físicos intensos, o levantamento de pesos excessivos e a adoção de posturas incorretas podem causar danos à saúde do trabalhador.

10 As lesões agudas provocadas por acidentes do trabalho resultam da ação de materiais, como produtos químicos, ou energias como; ruído, radiação e calor em altas intensidades por curtos períodos de tempo. Um exemplo: queimadura provocada pelo contato com superfície quente, lesão do ouvido causada pelo ruído de uma explosão e fratura resultante de uma queda de andaime. (SOUZA, 2004) As doenças relacionadas ao trabalho resultam da exposição prolongada por meses, anos ou décadas, a materiais ou energias em moderadas ou baixas intensidades. Um exemplo: a surdez, causada pela exposição prolongada ao ruído e a tendinite causada pelo esforço repetitivo de determinada função. No quadro a seguir, pode-se observar um mesmo agente, dependendo da intensidade e do tempo de exposição, causando lesões e doenças com características diversas: Tabela de danos físicos AGENTE Radiação ultravioleta do Sol EFEITO IMEDIATO(LESÃO) Queimadura da pele após exposição a altas doses EFEITO TARDIO (DOENÇA) Câncer de pele após a exposição prolongada a pequenas doses diárias. Ruído Surdez temporária Danos permanentes no (fadiga auditiva) aparelho auditivo. Fonte: manual Petrobrás, 2004 O trabalho em plataformas marítimas é realizado em turnos alternados de 12 horas em regime de confinamento. Pode ocorrer exposição a ruído e a produtos químicos usados nas atividades petrolíferas.

11 Todos esses fatores podem prejudicar a saúde do trabalhador, razão pela qual a abordagem preventiva de medidas preventivas é tão importante Como prevenir as doenças relacionadas ao trabalho As medidas preventivas das doenças relacionadas ao trabalho podem ser aplicadas em 3 níveis: na fonte de emissão do agente (ruído, gás ou poeira); na trajetória dos materiais e energias; e no corpo do trabalhador (EPI),conforme esquematizado a seguir: AGENTE... Fonte Trajetória Trabalhador Fonte: manual Petrobrás,2004 As medidas preventivas mais eficazes são aquelas aplicadas na fonte que libera os materiais e energias no ambiente de trabalho. Quando as medidas aplicadas na fonte e na trajetória são insuficientes, torna-se necessário o uso dos equipamentos de proteção individual - EPI. Todo EPI fornecido aos trabalhadores deve ter o Certificado de Aprovação (C.A) exigido pelo Ministério do Trabalho, garantido dessa forma sua liberação para uso e com restrições que lhe forma dadas nos ensaios realizados. É obrigação: Da empresa fornecer o EPI adequado e treinar os empregados para seu uso;

12 Do empregado conhecer os EPIs obrigatórios para as suas atividades e usá-los corretamente Ergonomia As primeiras medidas e observações sistemáticas partiram de engenheiros, médicos, pesquisadores e organizadores do trabalho. Os engenheiros, pesquisadores e organizadores realizaram os estudos que visavam à melhoria de rendimento do homem no trabalho. Procuravam suprimir trabalhos penosos por sistemas de mecanização e a dosagem da carga de trabalho. Estudavam os movimentos e segmentos corporais, duração de esforços e os ritmos de trabalho, os problemas de fadiga e os efeitos do ambiente, como temperatura, ruído, iluminação etc. Os médicos se preocupavam de maneira mais direta com a proteção da saúde dos trabalhadores. Foram descritas as primeiras doenças profissionais problemas de visão na fabricação de objetos muito pequenos, má postura e manuseio de cargas pesadas. Em 1949, os especialistas se reuniram em Londres e assinaram o nascimento de um novo ramo da ciência aplicada que batizaram de ERGONOMIA. Para os americanos a Ergonomia é a engenharia humana. Podemos definir então que a ERGONOMIA: é o ramo da ciência aplicada, que se vale dos conhecimentos básicos de engenharia, anatomia, fisiologia, psicologia para utilizá-los harmonicamente no trabalho humano, assegurando ao conjunto homemmáquina-ambiente, as melhores condições de desempenho. (CEFET-RJ,1996)

13 A ergonomia tem como objetivo principal, o estudo das capacidades e limitações do homem no trabalho, determinando-se os materiais, os equipamentos, as ferramentas, os métodos e os locais mais apropriados ao desempenho de suas atividades produtivas. A ergonomia, busca a eficiência do trabalho. Temos a seguir um modelo ideal de ergonomia: fonte: Setor de Segurança do trabalho - Petrobras

14 2.4 Como prevenir as doenças não relacionadas ao trabalho A prevenção de doenças relacionadas ao trabalho não é suficiente para garantir a saúde do trabalhador, depende também de ações preventivas voltadas para fatores de risco fora do trabalho relacionados aos seus hábitos de vida. A saúde do trabalhador é uma resultante das ações preventivas adotadas no trabalho e fora dele tendo como maior beneficiado o próprio empregado e as organizações onde eles trabalham De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a falta de atividade física, o tabagismo e os erros alimentares constituem os três principais fatores de risco á saúde, relacionados aos hábitos pessoais. Por outro lado, hábitos saudáveis protegem a saúde. Algumas medidas simples, descritas a seguir, devem fazer parte do dia-a-dia porque são capazes de garantir nossa saúde em longo prazo Alimentação A alimentação correta é a base da vida saudável. Eis algumas recomendações para toda a família viver com mais saúde: Consumir frutas, legumes e verduras diariamente, por serem ricos em vitaminas, minerais e fibras; Reduzir o consumo de alimentos gordurosos Reduzir consumo de sal Reduzir o consumo de álcool e refrigerantes. A melhor bebida é a água

15 2.4.2 Atividade física O sedentarismo (falta de atividade física) contribui para o aumento na incidência de diversas doenças tais como o infarto do miocárdio, o derrame cerebral, diversos tipos de câncer e o diabetes. As pessoas que praticam algum tipo de atividade física regularmente apresentam maior produtividade, sofrem menos acidentes, faltam menos ao trabalho por causa da doença e permanecem menos tempo internados quando necessitam de hospitalização Tabagismo Estudos desenvolvidos até o momento confirmam que o hábito de fumar (tabagismo) pode causar cerca de 50 doenças cardiovasculares (infarto, angina) câncer e doenças respiratórias (como enfisema e bronquite). Se uma pessoa pára de fumar: Após 20 minutos, sua pressão sanguínea e a pulsação voltam ao normal Após 2 dias, seu olfato e paladar melhoram Após 3 semanas, a respiração fica mais fácil e a circulação melhora Após 5 a 10 anos, o risco de sofrer infarto será igual ao de quem nunca fumou Quanto mais cedo a pessoa parar de fumar, melhor para a sua saúde Estresse Hoje em dia cada vez mais nos defrontamos com pressões no trabalho, na família e no meio social, capazes de gerar estresse. A maneira mais adequada de lidar

16 com o estresse é a prevenção, é nos fortalecendo para que situações adversas como essas não nos deixem debilitado. Melhorar a auto estima, aprender a gostar do que faz, trabalhar com dedicação e responsabilidade, levar uma vida metódica e produtiva, ter uma alimentação equilibrada, praticar regularmente atividades físicas, dedicar tempo para a família e o lazer, manter laços de amizade e ajudar outras pessoas são algumas atitudes positivas na direção de uma vida saudável. Uma das melhores definições de estresse afirma que se trata de uma resposta não-específica do organismo às exigências que lhe são feitas, provocando, assim, duas reações: 1. Uma reação específica, ou seja, algo muito semelhante à reação provocada por um medicamento em função de seu princípio ativo, como faz, por exemplo, o analgésico que abranda a dor ou antibiótico que combate a infecção. 2. Uma reação não-específica, ou seja, uma reação do organismo independentemente do efeito do agente ativo. Nesse caso, trata-se de uma resposta do organismo à presença de numerosos e diferentes estímulos. O estresse é, portanto, a reação não-específica de um indivíduo submetido a estímulos externos chamados estressores - e que podem ser desagradáveis e dolorosos ou desejáveis e agradáveis. Por exemplo, o divórcio é quase sempre um evento doloroso, já é o casamento é um evento geralmente agradável. Ambos são

17 estressores importantes e podem provocar o mesmo tipo de excitação: emoção, palpitações, lágrimas, etc. (CUNGI, 2004) Custo e conseqüências do estresse O estresse custa muito caro tanto do ponto de vista humano quanto econômico. As doenças que causa e os gastos de saúde direta ou indiretamente relacionados a ele são elevados. Um exemplo são os crescentes casos de distúrbios de ansiedade e de depressão, por um lado, e o elevado consumo de medicamentos e antidepressivos, por outro. Trata-se de um problema de saúde pública cada vez mais reconhecido como mostram numerosos estudos e pesquisas publicados nos Estados Unidos, na Europa, no Brasil e em todo mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, segundo estudos do American Institute of Stress, o estresse custaria entre 150 e 200 milhões de dólares por ano, aproximadamente 1 a 2% do PIB norte-americano. Os gastos dividem-se em custos de saúde, licenças e perda de produtividade. (ROSSI; PERREWÉ; SAUTER, 2005) Na Europa, o relatório da Agência Européia para a Segurança e Saúde do Trabalho, mostra que aproximadamente um em cada três trabalhadores é atingido pelos problemas do estresse, em grande parte como decorrência de mudanças e insegurança no emprego. No Brasil, o estresse é cada dia mais comum, elevando o número de licenças médicas e afastamentos do trabalho.

18 3. Higiene do Trabalho 3.1 Conceitos de higiene do trabalho A Higiene do Trabalho é uma das ciências que atuam no campo da saúde Ocupacional, aplicando os princípios e recursos da engenharia e da medicina, no controle e prevenção de doenças ocupacionais. Estas, chamadas também de doenças do trabalho ou moléstias profissionais, são estados patológicos característicos, diretamente atribuíveis às condições ambientais ou de execução de determinadas atividades remuneradas. (CEFET-RJ, 1997) A Higiene do Trabalho é encarada por muitos como a área onde se unem e completam a Medicina do Trabalho e a Engenharia de Segurança do Trabalho, que passam a atuar com um objetivo comum: prevenir os danos à saúde do trabalhador, decorrentes das condições de trabalho. È um campo de especialização para médicos e engenheiros que deverão exercer suas atividades em equipe e dentro de um espírito de cooperação mútua para que o objetivo comum seja alcançado. Classicamente, a Higiene do Trabalho costuma ser definida como a ciência e arte devotada ao reconhecimento, avaliação e controle dos riscos profissionais. Estes são os fatores ambientais ou inerentes às próprias atividades, que podem, eventualmente, ocasionar alterações na saúde, conforto ou eficiência do trabalhador. Como se percebe, o conceito vai além da saúde do trabalhador, incluindo aspectos de bem estar e produtividade que, embora comparativamente menos importantes, mas merecem destaque.

19 No que se refere à Higiene do Trabalho no seu sentido amplo, deverá o profissional de segurança do trabalho, estar apto a: - Reconhecer os riscos profissionais capazes de ocasionar alterações na saúde do trabalhador, ou afetar o seu conforto e eficiência. - Avaliar a magnitude desses riscos, através da experiência e treinamento, e com o auxílio de técnicas de avaliação quantitativa. - Prescrever medidas para eliminá-los ou reduzí-los a níveis aceitáveis. 4. ACIDENTES DE TRABALHO 4.1 Conceito de acidente Acidente é um evento indesejável, fortuito que, efetivamente, causa danos à integridade física e ou mental das pessoas, ao meio ambiente, à propriedade ou a mais de um desses elementos, simultaneamente (DUARTE, 2002) No conceito de propriedade, estão incluídas a imagem pública da empresa e a dos seus responsáveis diretos. Um acidente pode ser medido, em sua intensidade, através da quantificação de danos e perdas. O elemento selecionado para referenciar a intensidade do acidente varia, de acordo com o objetivo estabelecido para a investigação. Pode ser utilizada como referência, qualquer dos itens apresentados abaixo; da mesma forma, combinações entre eles.

20 Número de vítimas Área do meio ambiente atingida Grau de sensibilidade dos ecossistemas atingidos Danos ao patrimônio da empresa Danos ao patrimônio de terceiros Danos aos bens públicos 4.2 Causas Antigamente acreditava-se que os acidentes tivessem somente duas únicas causas: atos inseguros e condições inseguras. Hoje em dia, não usamos mais estes conceitos, porém, eles foram utilizados durante muitos anos. Práticas inseguras são ações executadas pelos trabalhadores, que ocorrem em nível abaixo do padrão de segurança necessário para a atividade, são atitudes dos empregados que representam desvios do comportamento esperado, como por exemplo, o uso de uma ferramenta improvisada durante a execução de uma tarefa. As condições ambientais de insegurança são fatores ligados às instalações, aos equipamentos e ao ambiente de trabalho, cujo desempenho é considerado abaixo do padrão de segurança necessário, também chamadas de anomalias. Exemplo: uso de cintas desgastadas ou não adequadas, usadas para suspender peças pesadas. Com a evolução do conhecimento, deixamos de usar os conceitos de atos e condições inseguras porque a análise dos acidentes tem demonstrado que eles decorrem de uma combinação de fatores ou causas que acontecem ao mesmo tempo, sob determinadas circunstâncias.

21 Estudando os acidentes observa-se que suas causas são decorrentes de quatro elementos que atuam em conjunto nas operações de trabalho. Esses elementos são: Pessoas - são os gestores da empresa, os supervisores, os trabalhadores, os contratados, os visitantes, os fornecedores, o público, enfim, o elemento humano, através de suas ações ou omissões, por exemplo: Deixar de usar o EPI; Usar ferramentas defeituosas ou improvisar; Improvisar ou dar jeitinhos para a realização da tarefa; Dar ordem ou determinação de serviço de forma incompleta; Faltar uma supervisão adequada. Equipamentos são ferramentas e máquinas com que as pessoas trabalham diretamente ou que se encontram ao seu redor,por exemplo: Equipamentos, veículos, ferramentas manuais; EPIs equipamentos de proteção individual inadequados ou insuficientes; Uniformes e outros. Materiais /Processos são as matérias-primas, os produtos químicos e outras substâncias que as empresas usam e processam. Em muitas empresas, as lesões causadas pelo manejo (processo) incorreto de materiais correspondem de 20% a 30% das lesões nas pessoas..do mesmo modo, grande parte dos danos às instalações se deve aos produtos que são derramados indevidamente nos ralos e com isso acabam contaminando o solo e a água, e ainda podem causar incêndios e explosões.

22 Ambiente de Trabalho são os elementos presentes no local onde está sendo realizado o serviço ou tarefa, por exemplo: As instalações físicas; Ordem e limpeza; A arrumação dos equipamentos e materiais; Os perigos químicos, como vapores, gases, fumaça, poeira; Os perigos físicos, como ruído, calor, frio. Todos estes quatro elementos devem se relacionar ou interagir adequadamente entre si, ou poderão produzir problemas que irão ocasionar os acidentes 4.3 Prevenção As atividades que envolvem não só a vida do trabalhador, mas o patrimônio e o meio ambiente, requerem aplicação de conhecimentos técnicos e disciplina operacional para se alcançar resultados satisfatórios. O conhecimento técnico, fruto de estudo e pesquisas, tem sido aperfeiçoado através da experiência acumulada ao longo de anos de trabalho, e visa o processo de melhoria continua no desempenho dos resultados. Através de constantes treinamentos o conhecimento técnico é transferido para os trabalhadores. No entanto, a base do sucesso é a disciplina operacional através da aplicação dos procedimentos de trabalho documentados, para garantir a sua execução dentro dos padrões internacionais de qualidade, segurança, saúde e meio ambiente. Uma das ferramentas importantes utilizadas no planejamento das operações é a inspeção prévia. As inspeções planejadas são uma forma de que os principais itens de controle serão observados e executados.

23 Existem várias maneiras de se realizar uma inspeção. A utilização de uma lista de verificação (check list) auxilia na observação dos itens e partes críticas que devemos ter cuidado para a execução da tarefa sem cometer desvios. Alguns itens de verificação importantes podem ser checados através de uma correta inspeção para a prevenção de acidentes, são eles: As condições de segurança para a realização de uma tarefa; O local onde será realizado o trabalho e a possibilidade de queda de pessoas e de materiais; O perigo de choque elétrico no manuseio de equipamentos energizados; A movimentação de cargas em áreas com a presença ou passagem de pessoas; Uso adequado dos EPIs; Seguir corretamente todos os padrões de operacionais; 4.4 CIPA A Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - é constituída de representantes do empregador e dos empregados, de acordo com o dimensionamento previsto na Norma Regulamentadora (NR) 5. A CIPA tem como objetivo a prevenção de acidentes e doenças decorrentes do trabalho, de modo a tornar compatível permanentemente o trabalho com a preservação da vida e a promoção da saúde do trabalhador. De acordo com a Norma Regulamentadora - 5: As empresas privadas e públicas e os órgãos governamentais que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT ficam obrigados a

24 organizar e manter em funcionamento, por estabelecimento, uma Comissão Interna de Prevenção de Acidentes CIPA A CIPA tem como objetivo observar e relatar condições de risco nos ambientes de trabalho e solicitar medidas para reduzir até eliminar os riscos existentes e ou neutralizar os mesmos, discutir os acidentes ocorridos, encaminhando aos Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho e ao empregador o resultado da discussão, solicitando medidas que previnam acidentes semelhantes e, ainda, orientar os demais trabalhadores quanto à prevenção de acidentes.( vrc /cipa/nr5.html) A CIPA será composta de representantes do empregador e dos empregados, de acordo com as proporções mínimas estabelecidas no Quadro I desta NR ou com aquelas estipuladas em outra NR. 5. QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO 5.1 Conceito de qualidade de vida no trabalho O conceito de Qualidade no Trabalho - é amplo e tem sido definido de diferentes formas, por diversos autores, ao longo do tempo. Contudo, é visível, em praticamente todas essas definições, o entendimento de que se trata de uma abordagem que se contrapõe aos valores organizacionais Tayloristas (considera o homem um irresponsável e negligente, o homem comparado à máquina) e Fordistas. Todas estas definições convergem para: valores que propiciam melhores condições de trabalho, uma maior humanização do trabalho, e aumento do bem estar dos trabalhadores, onde

25 se busca uma maior produtividade e eficiência das organizações. (FERNANDES, 1996,P.15) Conforme França (2003,p.22) [...] a base da discussão sobre o conceito de qualidade de vida encerra escolhas de bem-estar e a percepção do que pode ser feito para atender as perspectivas criadas,tanto por gestores como por usuários das ações de QVT,nas empresas Podemos ver que a abordagem do tema não é focada apenas nos aspectos psicossociais do indivíduo, mas também,enfoca aspectos ligados a gestão da organização,que estruturam o relacionamento dos trabalhadores e a organização. Conforme França (2003,p.80) "Qualidade de vida no trabalho (QVT) é o conjunto das ações de uma empresa partir do momento em que se olha a empresa e as pessoas como um todo, o que que envolve a implantação de melhorias e inovações gerenciais e tecnológicas no ambiente de trabalho. A construção da qualidade de vida no trabalho ocorre a chamamos de enfoque biopsicossocial. Segundo a mesma autora, o estudo do tema QVT se dá através de várias abordagens que podem ser grupadas em três escolas do pensamento: Escola Socioeconômica - A abordagem que melhor representa o conceito de QVT identifica os dilemas da sociedade moderna interpostos pela globalização, pelo individualismo, e, também, a constatação de que as posições políticas de esquerda e direita não fazem mais sentido. Neste cenário cresce a consciência sobre o desenvolvimento sustentável e o futuro das novas gerações.

26 Escola Organizacional - Nesta abordagem, a qualidade de vida no trabalho envolve uma dimensão, na qual as relações de trabalho acontecem. Assim, temas relativos a processos do controle da produção, tempos e movimentos, divisão do trabalho, produtividade, controle de qualidade, gerência e supervisão representam objeto de estudo. Escola Condição humana no trabalho - esta última parte-se do princípio de que: toda pessoa é um complexo biopsicossocial, ou seja, tem potencialidades biológicas, psicológicas e sociais que respondem, juntamente, às condições de vida. 5.2 O impacto para o trabalhador São muitos os benefícios da QVT. Vou citar alguns deles: atitude favorável ao trabalho, redução do absenteísmo, redução da rotatividade, redução/eliminação da fadiga, promoção da saúde e segurança, integração social, desenvolvimento das capacidades humanas e aumento da produtividade. A busca da produtividade e qualidade tem constituído no fator principal para as empresas proporcionarem a qualidade de vida dentro das organizações e não fora delas como mecanismos compensatórios, visto que ao promover a saúde e o bem estar de seus funcionários, observando tarefas, desempenhos, desenvolvimento, elementos que a Qualidade de vida no Trabalho gerencia, obtêm aumento da motivação, da satisfação e do desempenho dos trabalhadores. Se o trabalhador não tiver condições de trabalho adequadas, se estiver sofrendo processos de desmotivação, se estiver com sua saúde comprometida, as possibilidades de erros tornam-se muito grandes.

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL

SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL SAÚDE E SEGURANÇA QUALIDADE DE VIDA CIPA 5 S SUSTENTABILIDADE SMS RESPONSABILIDA DE SOCIAL Para REFLEXÃO Exemplo de aspectos ambientais significativos Descarga de efluentes líquidos Disposição de

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES

QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES 1 QUALIDADE DE VIDA NAS ORGANIZAÇÕES Alguns pesquisadores brasileiros que se destacaram por seus trabalhos sobre Qualidade de Vida no Trabalho (QVT) consideram que só recentemente a abordagem da Qualidade

Leia mais

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial

A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial 2 Alessandra Maróstica de Freitas A Prevenção de Doenças Ocupacionais na Gestão de Qualidade Empresarial ALESSANDRA MARÓSTICA DE FREITAS

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

Segurança do Trabalho

Segurança do Trabalho Segurança do Trabalho CEUNES / UFES Prof. Manuel Jarufe Introdução à Segurança do Trabalho O que é a função Segurança do Trabalho? Segurança do trabalho pode ser entendida como os conjuntos de medidas

Leia mais

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes.

SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S. Objetivo: Instruir quanto ao campo de aplicação das NR s e direitos e obrigações das partes. SÚMULA DAS NORMAS REGULAMENTADORAS NR S NR-1 DISPOSIÇÕES GERAIS O campo de aplicação de todas as Normas Regulamentadoras de segurança e medicina do trabalho urbano, bem como os direitos e obrigações do

Leia mais

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento

Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Higiene Ocupacional: importância, reconhecimento e desenvolvimento Importância Berenice I. F. Goelzer E-mail:berenice@goelzer.net As doenças ocupacionais, que constituem uma das grandes epidemias silenciosas,

Leia mais

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1.

LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA / SMED LAUDO PERICIAL DE INSALUBRIDADE E PERICULOSIDADE 1. PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE SMS GERÊNCIA DE SAÚDE DO SERVIDOR MUNICIPAL EQUIPE DE PERÍCIA TÉCNICA EPT LAUDO 007 / 2014 DELIMITAÇÃO DE ATIVIDADES AUXILIAR DE COZINHEIRA

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente

Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente Curso Técnico em Segurança do Trabalho Subsequente PERFIL PROFISSIONAL Profissional capaz de orientar e intervir na realidade do processo produtivo, promovendo mudanças em relação às aplicações tecnológicas

Leia mais

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho

Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Noções de Segurança e Higiene do Trabalho Sinópse Generalidades. Antecedentes Históricos. Conceitos Básicos: - Acidente do Trabalho; - Atividades e Operações Insalúbres; - Riscos Ocupacionais; - Equipamentos

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética

EQUIPOMAN. Sistema de Gestão Integrada. Código de Ética Sistema de Gestão Integrada Código de Ética CE-01/2012 Rev: 01 Data: 11/12/2012 1 Mensagem da Diretoria Prezados (as) Colaboradores (as), É com imensa satisfação que apresentamos o Código de Ética da EQUIPOMAN

Leia mais

CIPA GESTÃO 2013/2014

CIPA GESTÃO 2013/2014 HOSPITAL SÃO PAULO-SPDM Mapa de Risco da Empresa: Questionário auxiliar para elaboração do Mapa de Riscos Mapa de Risco é uma representação gráfica de um conjunto de fatores presentes nos locais de trabalho,

Leia mais

P Ú B L I C O I N T E R N O

P Ú B L I C O I N T E R N O Apresentação O Banrisul valoriza seus colaboradores por entender que estes são a essência do negócio. A promoção da qualidade de vida e da segurança dos funcionários é uma prática constante que comprova

Leia mais

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.

A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2. A Aon Global Risk Consulting (AGRC), líder mundial em consultoria de gestão de riscos, está presente em mais de 120 países. São mais de 2.000 consultores que se dedicam de forma integral à gestão de riscos

Leia mais

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação

Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação Capítulo 6 Resolução de problemas com sistemas de informação RESUMO DO CAPÍTULO Este capítulo trata do processo de resolução de problemas empresariais, pensamento crítico e etapas do processo de tomada

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL ABNT NBR ISO 14001 Prof. Eduardo Lucena Cavalcante de Amorim INTRODUÇÃO A norma ISO 14001 faz parte de um conjunto mais amplo de normas intitulado ISO série 14000. Este grupo

Leia mais

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES

A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES A GINÁSTICA LABORAL COMO FERRAMENTA PARA A MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA NO SETOR DE COZINHA EM RESTAURANTES Alexandre Crespo Coelho da Silva Pinto Fisioterapeuta Mestrando em Engenharia de Produção UFSC

Leia mais

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC

Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Correlação entre os requisitos do Sistema de Gestão do Programa Atuação Responsável e o Responsible Care Management System Requirements - ACC Sistema de Gestão do AR 2012 - ABIQUIM Responsible Care Management

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN

EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN EVOLUÇÃO DOS SISTEMAS DE GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA NAS ORGANIZAÇÕES O CASO MRN INTRODUÇÃO O objetivo deste estudo é mostrar a influência da qualidade da gestão comportamental no ambiente de trabalho

Leia mais

HIGIENE E SEGURANÇA NO TRABALHO Segundo a OMS, a verificação de condições de Higiene e Segurança consiste num estado de bem-estar estar físico, mental e social e não somente a ausência de doença e enfermidades.

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

COMPORTAMENTO SEGURO

COMPORTAMENTO SEGURO COMPORTAMENTO SEGURO A experiência demonstra que não é suficiente trabalhar somente com estratégias para se conseguir um ambiente de trabalho seguro. O ideal é que se estabeleça a combinação de estratégias

Leia mais

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS

MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS MEIO AMBIENTE COMO UMA QUESTÃO DE NEGÓCIOS OBJETIVOS Prover uma compreensão básica : do desenvolvimento da abordagem das empresas com relação às questões ambientais, dos benefícios provenientes de melhorias

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

A GESTÃO DA SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO R & W Engenharia Fundada em 19 de abril de 1991. Prestação de serviços em segurança do trabalho atendendo em especial as NRs6, 9, 13, 15, 16 e 17 com emissão de laudos técnicos. Treinamentos como: Cipa,

Leia mais

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA

PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA PAPEL DO GESTOR AMBIENTAL NA EMPRESA Copyright Proibida Reprodução. NECESSIDADE EMERGENTE - Apresentam-se hoje, em países desenvolvidos e em desenvolvimento, as preocupações com a sustentabilidade empresarial

Leia mais

Sistema de Gestão Ambiental

Sistema de Gestão Ambiental Objetivos da Aula Sistema de Gestão Ambiental 1. Sistemas de gestão ambiental em pequenas empresas Universidade Federal do Espírito Santo UFES Centro Tecnológico Curso de Especialização em Gestão Ambiental

Leia mais

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha

Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS. Prof. Léo Noronha Unidade IV PROCESSOS ORGANIZACIONAIS Prof. Léo Noronha As normas podem ser separadas em dois grandes grupos Normas de produtos ou serviços; Normas de sistemas de gestão. Estas definem os processos administrativos

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22

PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 22 QUESTÃO 31 Os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho, obedecendo ao Quadro II da NR- 4, subitem 4.4, com redação dada pela Portaria nº

Leia mais

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO

AULA 5 SUSTENTABILIDADE EMPRESARIAL. Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 Professor: ALAN Coordenador: Prof. LAÉRCIO 1 2 Reconheça o que está ao alcance dos seus olhos, e o que está oculto tornar-se-á claro para você. Jesus de Nazaré 2 3 1. Citar as principais contribuições

Leia mais

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS

A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS SEMANA AMBIENTAL NA BRASIMET 2006 CIDADANIA E EDUCAÇÃO PARA UM PLANETA MELHOR A POLÍTICA AMBIENTAL NAS EMPRESAS A atual conjuntura econômica e os novos cenários sócio-ambientais nacionais e internacionais

Leia mais

Qualidade de vida no Trabalho

Qualidade de vida no Trabalho Qualidade de Vida no Trabalho Introdução É quase consenso que as empresas estejam cada vez mais apostando em modelos de gestão voltados para as pessoas, tentando tornar-se as empresas mais humanizadas,

Leia mais

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM ESTAR NO TRABALHO Política da QUALIDADE A satisfação do cliente está na base das operações do Grupo Volvo. A Qualidade é um pré

Leia mais

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO

TREINAMENTO INTEGRAÇÃO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO 2 1 - CONCEITOS PERIGOS, RISCOS E MEDIDAS DE CONTROLE 2 CONCEITO DE SEGURANÇA DO TRABALHO 3 ACIDENTE DO TRABALHO 4 SITUAÇÕES ANORMAIS NO INTERIOR DA UO 1 - Conceito de Perigo, Risco É a fonte ou

Leia mais

Gerenciamento de Riscos

Gerenciamento de Riscos Gerenciamento de Riscos Introdução Crescimento industrial das últimas décadas Industrias maiores e mais complexas Acidentes industriais Investir na prevenção Histórico Engenharia de Confiabilidade - Análise

Leia mais

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE

BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE BIOINDICADORES E BIOMARCADORES DE AGROQUÍMICOS NO CONTEXTO DA RELAÇÃO SAÚDE-AMBIENTE Cláudio Martin Jonsson Vera Lúcia Castro Jaguariúna, outubro 2005. O modelo de agricultura utilizado atualmente visa

Leia mais

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa

Meio Ambiente PROJETOS CULTURAIS. 4 0 a O - fu dame tal. Cuidar da vida também é coisa de criança. Justificativa Meio Ambiente 4 0 a O - fu dame tal Cuidar da vida também é coisa de criança Justificativa PROJETOS CULTURAIS Na idade escolar, as crianças estão conhecendo o mundo (Freire, 1992), sentindo, observando,

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental

Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental Conteúdo Específico do curso de Gestão Ambiental 1.CURSOS COM ÊNFASE EM : Gestão Ambiental de Empresas 2. CONCEPÇÃO DOS CURSOS: O Brasil possui a maior reserva ecológica do planeta sendo o número um em

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO

POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO POLÍTICA DE SEGURANÇA POLÍTICA DA QUALIDADE POLÍTICA AMBIENTAL POLÍTICA DE SEGURANÇA, SAÚDE E BEM-ESTAR NO TRABALHO Política de SEGURANÇA Política de SEGURANÇA A visão do Grupo Volvo é tornar-se líder

Leia mais

Programa de Ginástica Laboral

Programa de Ginástica Laboral Programa de Ginástica Laboral 1. IDENTIFICAÇÃO Nome: Programa de Ginástica Laboral (PGL) Promoção e Organização: Centro de Educação Física, Esportes e Recreação Coordenadoria do Campus de Ribeirão Preto.

Leia mais

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010

METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 METALÚRGICA LTDA PROGRAMA DE ERGONOMIA RECIFE (PE) JULHO / 2010 PROERGO julho/2010 Pág. 1/7. I N D I C E 1. - APRESENTAÇÃO 2. - OBJETIVO 3. - INTRODUÇÃO 4. - EMPRESA BENEFICIADA 5. - CAMPO DE APLICAÇÃO

Leia mais

Curso de Desenvolvimento. sustentável.

Curso de Desenvolvimento. sustentável. 50 Série Aperfeiçoamento de Magistrados 17 Curso de Desenvolvimento Sustentável Juliana Andrade Barichello 1 O objetivo deste trabalho é discorrer sobre os principais pontos das palestras proferidas sobre

Leia mais

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09

PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCO AMBIENTAL - PPRA NR 09 Prof. Me. Vítor Hugo Magalhães Vono Engenheiro de Segurança do Trabalho Lei 6514 de 12/77 Capítulo V da CLT da Segurança e Medicina do Trabalho (art.

Leia mais

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa.

ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. ERGONOMIA, QUALIDADE e Segurança do Trabalho: Estratégia Competitiva para Produtividade da Empresa. 1. INTRODUÇÃO Prof. Carlos Maurício Duque dos Santos Mestre e Doutorando em Ergonomia pela Escola Politécnica

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM

SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001. Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Curso: Ciências Biológicas - UFAM SISTEMA DE GESTÃO AMBIENTAL: ISO 14001 Material Didático: IBB 254 Gestão Ambiental / 2015 Conceitos Gerais A gestão ambiental abrange uma vasta gama de questões, inclusive aquelas com implicações estratégicas

Leia mais

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio

NORMA ISO 14004. Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio NORMA ISO 14004 Sistemas de Gestão Ambiental, Diretrizes Gerais, Princípios, Sistema e Técnicas de Apoio São Paulo, 10 de Março de 2003 Índice 0 INTRODUÇÃO...4 0.1 ASPECTOS GERAIS...4 0.2 BENEFÍCIOS DE

Leia mais

Novartis Código para Fornecedores

Novartis Código para Fornecedores Novartis Código para Fornecedores Version 1.0 01-04-2013 Introdução Finalidade Considerações éticas permeiam todas as dimensões de nossos negócios nossos processos de pesquisa, desenvolvimento, produção,

Leia mais

Programa de qualidade 5s 5 Sensos

Programa de qualidade 5s 5 Sensos Programa de qualidade 5s 5 Sensos 5s no Brasil No Brasil foi lançado em1991.o Brasil é o país campeão mundial de desperdícios,estatísticas comprovam que o desperdício está incorporado na cultura nacional.

Leia mais

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS

NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS NR 9 PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS Transcrito pela Nutri Safety * O SECRETÁRIO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO no uso de suas atribuições legais, e CONSIDERANDO o disposto nos artigos 155

Leia mais

24 motivos. academia. para entrar na

24 motivos. academia. para entrar na para entrar na academia Mais um ano se inicia e com ele chegam novas perspectivas e objetivos. Uma das principais promessas feitas é deixar o sedentarismo de lado e entrar na academia! Nesta época é comum

Leia mais

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE

SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE SAM GERENCIAMENTO DE ATIVOS DE SOFTWARE Modelo de Otimização de SAM Controle, otimize, cresça Em um mercado internacional em constante mudança, as empresas buscam oportunidades de ganhar vantagem competitiva

Leia mais

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes

LeanFoxSoluções em Gestão e Processos Industriais Ltda. 25 de junho Mogi das Cruzes 25 de junho Mogi das Cruzes - Gestão Fabril: - Implantação de Melhorias e Sistemas de Gestão; - Estruturação e Desenvolvimento de Equipes; - Mentoring de Gestores para a Produtividade e Qualidade. - Otimização

Leia mais

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização

Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos Clientes Localização 1º FORUM LISTER DE SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO GESTÃO DE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Antônio Sampaio Diretor Técnico INTRODUÇÃO Institucional Serviços Especialidades Laboratórios Conveniados Treinamentos

Leia mais

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar

Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar Avaliação de Serviços de Higiene Hospitalar MANUAL DO AVALIADOR Parte I 1.1 Liderança Profissional habilitado ou com capacitação compatível. Organograma formalizado, atualizado e disponível. Planejamento

Leia mais

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas

Procedimento de Segurança e Medicina do Trabalho na execução de obras e serviços por empresas contratadas 1. Objetivo Este Procedimento tem como objetivo fixar os requisitos de segurança e medicina do trabalho para as atividades de empresas contratadas, que venham a executar obras e/ou serviços nas dependências

Leia mais

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse

SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO. Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SECRETARIA DE RESSOCIALIZAÇÃO Programa de Alívio e Relaxamento do Estresse SUMÁRIO JUSTIFICATIVA OBJETIVOS EXECUÇÃO CONDIÇÕES GERAIS JUSTIFICATIVA As facilidades e a agitação da vida moderna trouxeram

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL

A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL XXIX ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUÇÃO. A PARTICIPAÇÃO DOS ENGENHEIROS DE PRODUÇÃO NA GESTÃO AMBIENTAL EMPRESARIAL Júlio César de Almeida (FASA) julioc.almeida@hotmail.com Gisele Figueiredo Braz

Leia mais

Higiene e segurança no trabalho

Higiene e segurança no trabalho Higiene e segurança no trabalho Mourão Saldanha E-mail: veniciopaulo@gmail.com / Site: www.veniciopaulo.com O que é higiene no trabalho? Higiene do trabalho é um conjunto de normas e procedimentos que

Leia mais

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO

MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO 6 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM DIREITO AMBIENTAL INEAA MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO José Roberto Teixeira NOVEMBRO/2002 MEIO AMBIENTE, SAÚDE E

Leia mais

Sistema Gestão Ambiental

Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental Sistema Gestão Ambiental - ISO 14001 Agora você vai conhecer o Sistema de Gestão Ambiental da MJRE CONSTRUTORA que está integrado ao SGI, entender os principais problemas ambientais

Leia mais

Procedimento Institucional Gestão de EPI

Procedimento Institucional Gestão de EPI Tipo de Documento Procedimento Institucional Título do Documento Equipamento de Proteção Individual Elaborado por Paulo Sérgio Bigoni Área Relacionada Saúde e Segurança do Trabalhador Processo ESTRUTURAÇÃO

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO GESTAO AMBIENTAL LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Doverlandia 2014 LUCAS SAMUEL MACHADO RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Trabalho de Gestão Ambiental

Leia mais

Atestado de Conformidade NR 12

Atestado de Conformidade NR 12 TÜV Rheinland do Brasil TÜV Rheinland é um organismo de certificação, inspeção, gerenciamento de projetos e treinamento, que foi fundada na Alemanha em 1872 com o objetivo de proteger os trabalhadores

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6

ESCOPO DE FORNECIMENTO DOS DOCUMENTOS DO PROJETO 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 3RFOLLOWGOGREENER Pág. 1 de 6 Projeto N o Data de entrada: 3RFollowGoGreener-001-10-2010 Data de saída: Título do Projeto: Programa 3RFollowGoGreener - Sistema Follow é composto por Modelos de Documentos

Leia mais

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR

PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR PROGRAMA DE QUALIDADE DE VIDA DO TRABALHADOR Prof. Dr. Jones Alberto de Almeida Divisão de saúde ocupacional Barcas SA/ CCR ponte A necessidade de prover soluções para demandas de desenvolvimento, treinamento

Leia mais

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO INTEGRAÇÃO - EHS MEIO AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Sustentabilidade Para garantir um futuro próspero às próximas gerações, nós fomentamos a Sustentabilidade como um pilar fundamental para o

Leia mais

Aspectos e Impactos Ambientais

Aspectos e Impactos Ambientais PÁGINA: 1/18 1 OBJETIVO Estabelecer e garantir uma sistemática para identificar, avaliar e gerenciar os aspectos e impactos ambientais das atividades, produtos ou serviços, da empresa x que possam ser

Leia mais

VIGILÂNCIA AMBIENTAL

VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL VIGILÂNCIA AMBIENTAL Introdução Considera-se a vigilância ambiental como o processo contínuo de coleta de dados e análise de informação sobre saúde e ambiente, com o intuito de orientar

Leia mais

Ideal Qualificação Profissional

Ideal Qualificação Profissional 2 0 1 1 Finalista Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Vencedora Estadual - SP Categoria Serviços de Educação 2 0 1 2 Finalista Nacional Categoria Serviços de Educação Apresentação O desenvolvimento

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST

PROCEDIMENTO GERAL. Identificação e Avaliação de Perigos e Riscos de SST PÁG. 1/8 1. OBJETIVO Definir a sistemática para identificação contínua de perigos, avaliação de riscos de e determinação de medidas de controle para redução dos riscos de, seguindo a hierarquia: eliminação,

Leia mais

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho;

Aplicar os princípios de ergonomia na realização do trabalho; Curso: Técnico de Segurança do Trabalho Curso Reconhecido pelo MEC: PORTARIA N 959/2007 Apresentação: O curso de Técnico de Segurança do Trabalho da Conhecer Escola Técnica é reconhecido pela excelência

Leia mais

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem

Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação de Testagem ELETROBRAS TERMONUCLEAR S.A. Diretoria de Administração e Finanças DA Superintendência de Recursos Humanos SH.A Gerência de Desenvolvimento e Capacitação- GDC.A Como Ultrapassar as Barreiras para Implantação

Leia mais

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE

COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE COMPETÊNCIAS FUNCIONAIS QUALIDADE DESCRIÇÕES DOS NÍVEIS APRENDIZ SABER Aprende para adquirir conhecimento básico. É capaz de pôr este conhecimento em prática sob circunstâncias normais, buscando assistência

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES

GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES GESTÃO DE SST DESAFIOS E POSSÍVEIS SOLUÇÕES Nov.2014 Negócio CONTRIBUIR PARA O AUMENTO DA COMPETITIVIDADE Educação Qualidade de Vida Declaração Estratégica Missão Promover a qualidade de vida do trabalhador

Leia mais

SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA

SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA SMS NAS ATIVIDADES DE CAMPO DA ESTEIO PANORAMA INTRODUÇÃO SMS, para os menos habituados à sigla ou ao conceito, Segurança, Meio-ambiente e Saúde, ou o conjunto de procedimentos aplicados à produção que

Leia mais

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H.

PLANO DE ENSINO CURSO: ENGENHARIA ELÉTRICA- ANO LETIVO: 2003 - SÉRIE: 3º DISCIPLINA: ANUAL - HORAS/AULA SEMANAIS: 2 HORAS - C. HORÁRIA: 68 H. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL PRÓ-REITORIA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ESTRUTURAS E CONSTRUÇÃO CIVIL DIVISÃO DE APOIO

Leia mais

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE

Impactos humanos da PE CLIENTE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE. Impactos humanos da PE Menor Lead Time Estrutura do STP Just-In-Time Fluxo Contínuo Takt Time Produção Puxada Kanban Custo Mais Baixo CLIENTE Segurança Moral Jidoka Separação Homem/ Máquina Poka-Yoke Inspeção Fonte Ação Imediata

Leia mais

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO

ESTRESSE OCUPACIONAL SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO ESTRESSE SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHO Página 1 de 9 1. OBJETIVO... 3 2. ESCOPO... 3 3. DEFINIÇÕES... 4 4. ESTRESSE OCUPACIONAL: CARACTERIZAÇÃO... 4 4.1. Conceitos fundamentais... 4 4.2. Conseqüências

Leia mais

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL

AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL AS VARIAÇÕES DE EXERCÍCIOS FÍSICOS APLICADOS NAS SESSÕES DE GINÁSTICA LABORAL Junior, A. C. de J. Sebastião, J. S. Pimentel, E. S. Moreira, R. S. T.. RESUMO A área da ginástica laboral vem crescendo bastante

Leia mais

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO

PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas SEMINÁRIO PALESTRA Tecnologias e processos inovadores no abastecimento de água em comunidades isoladas Daniel Kuchida SEMINÁRIO Segurança da Água para Consumo Humano. Como moldar o futuro da água para as partes

Leia mais

Qualidade de Vida no Trabalho

Qualidade de Vida no Trabalho 1 Qualidade de Vida no Trabalho Alessandra Cristina Rubio¹ Thiago Silva Guimarães² Simone Cristina Fernandes Naves³ RESUMO O presente artigo tem como tema central a Qualidade de Vida no Trabalho, com um

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I

15 Introdução. Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I 15 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança no Trabalho de AA a I 16 Introdução Os 10 Pilares da Boa Prática de Segurança de AA a I PREVENIR ACIDENTES DO TRABALHO É FÁCIL? Não. É uma das atividades

Leia mais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais

CONCEITO DIVISÃO LABORAIS RISCOS CARACTERÍSTICA COR TIPOLOGIA DE RISCOS 16/03/2012. Riscos Operacionais. Riscos Ambientais RISCOS LABORAIS São agentes presentes nos ambientes de trabalho, decorrentes de precárias condições que, se não forem detectados e eliminados a tempo, provocam os Acidentes de Trabalho e as Doenças Ocupacionais.

Leia mais