Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1"

Transcrição

1 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Galhas de Insetos da Restinga de Arraial do Cabo, RJ, Brasil S. P. Carvalho-Fernandes 1 * & V. C. Maia 1 1 Departamento de Entomologia, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. * para correspondência: Introdução Galhas ou cecídias são estruturas ocorrentes em tecidos e órgãos vegetais induzidas por um organismo estranho. Mani (1964) relatou que as galhas podem ser induzidas por diversos organismos, tais como bactérias, vírus, fungos, ácaros e insetos. Porém, esse conceito vem sendo modificado, visto que o crescimento provocado por bactérias, fungos e vírus é considerado um tumor, já que as modificações celulares ocorrem mesmo com a retirada desses agentes. No conceito atual de galhas (Raman 2007), apenas ácaros e insetos são incluídos como agentes galhadores, pois com a retirada destes, as alterações celulares cessam. As galhas são formadas a partir do resultado da interação entre um inseto galhador e sua planta hospedeira e são consideradas umas das mais complexas associações existentes entre animais e plantas, pois cada espécie de inseto induz galhas que são fisiológica e morfologicamente diferentes das de outras espécies (Abrahamsonet al., 1998; Shorthouseet al., 2005), possuindo diferenciação celular não encontrada em tecidos vegetais não galhados (Stone &Schönrogge, 2003). Alguns estudos com enfoque na indução da galha já comprovaram que é o inseto que determina a morfologia das cecídias e, além disso, esses animais redirecionam a produção de tecidos nutritivos para seu próprio benefício (Wool, 1997; Cook &Gullan, 2008). A maioria dos levantamentos de galhas de insetos no Brasil está concentrada nas regiões sul e sudeste. Os principais ecossistemas estudados são Cerrado e Mata Atlântica, principalmente áreas de restinga (Maia & Fernandes, 2004;Fernandes & Negreiros, 2006; Mendonça, 2007; Coelho et al., 2009; Maia, 2013). Porém, na maioria desses estudos, a informação taxonômica dos galhadores é dada em categorias taxonômicas supraespecíficas. Inventários realizados em diversas restingas fluminenses mostraram a grande riqueza de galhas deste ecossistema (Maia,2013), sendo a maioria induzida por Cecidomyiidae 277

2 278 CARVALHO-FERNANDES & MAIA:GALHAS DE INSETOS DA RESTINGA DE ARRAIAL DO CABO (Diptera). Isso se deve principalmente à riqueza de plantas desta fitofisionomia, o que favorece a colonização por cecidomiídeosgalhadores. O presente estudo objetivou investigar a riqueza de insetos galhadores na restinga do município de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Material e Métodos O presente estudo foi realizado em áreas de restinga do município de Arraial do Cabo, localizado na região dos Lagos, Estado do Rio de Janeiro ( ' 54'' S, ' 13'' W). Essas áreas pertencem ao Parque Estadual Costa do Sol (PECS), criado em 2011 que abrange seis municípios, com uma área total de ha. Foram realizadas coletas bimensais, de junho de 2011 a maio de 2012, em 10 pontos distribuídos ao longo da restinga, a partir da aplicação da metodologia de caminhada. A vegetação de cada ponto foi vistoriada durante 45 minutos à procura de galhas de insetos. Foram coletados ramos das espécies vegetais galhadas para elaboração de exsicatas e posterior identificação. As galhas encontradas foram acondicionadas em sacos plásticos devidamente etiquetados após separação em morfoespécies, visto que cada espécie induz um morfotipo de galha diferente, seguindo a classificação proposta por Isaias et al. (2013). As galhas foram levadas ao laboratório de Diptera do Museu Nacional-UFRJ, onde uma parte foi utilizada para a obtenção dos adultos (indutores e fauna associada). Outra parte foi dissecada para a retirada das formas imaturas e observação do número de câmaras internas. Todas as galhas foram fotografadas para a posterior inserção em um banco de dados. As espécies vegetais herborizadas serão depositadas no herbário do Museu Nacional-UFRJ e os insetos na Coleção Entomológica da mesma instituição. Todos os insetos obtidos foram preservados em álcool 70% e depois identificados com auxílio de um microscópio estereoscópio até o nível taxonômico possível com auxílio de chaves taxonômicas. Os espécimes de Cecidomyiidae foram montados em lâminas segundo a metodologia de Gagné (1994), exceto pela substituição do creosoto por acetato de butila, e foram identificados com o auxílio de microscópio óptico e utilização de chaves para gêneros e descrições originais de espécies. Resultados e Discusssão Foram encontrados 55 morfotipos distintos de galhas distribuídos em 34 espécies vegetais e 18 famílias botânicas. Cinco órgãos vegetais foram atacados: folha (n=41), caule (n=6), gema (n=5), flor (n=2) e gavinha (n=1). Com relação à forma, a maioria das galhas

3 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA eralenticular (n=13), seguida de galhas fusiformes (n=10), globóides e cônicas (n=8). Na maioria dos levantamentos existentes, as folhas são o órgão com maior riqueza de galhas, provavelmente porque este seja o recurso mais disponível para os indutores (Mani, 1964). Myrtaceae foi a família hospedeira com maior número de morfotipos de galhas: 14 em cinco espécies vegetais. Fabaceae e Nyctaginaceae também se destacaram, com quatro morfotipos cada. Eugenia (Myrtaceae) foi o gênero com maior riqueza de galhas(n=9),seguido de Guapira (Nyctaginaceae) com quatro morfotipos. Em levantamentos de galhas em restingas, Myrtaceae se destaca como a família hospedeira com maior riqueza de galhas (Maia, 2013). Espécies de Fabaceae vem sendo relatadas como hospedeiras de galhas em diversos inventários no Brasil (Maia & Fernandes, 2004; Fernandes & Negreiros, 2006;Maia, 2013). Diptera (n=46), Hemiptera (n=4), Lepidoptera (n=2), Thysanoptera (n=2) e Coleoptera (n=1) foram as ordens indutoras de galhas encontradas nesse estudo. Todas as galhas de Diptera foram induzidas por espécies de Cecidomyiidae, e ocorreram em todos os órgãos vegetais citados anteriormente. Dentre os Hemiptera, todos induziram galhas foliares, e a única espécie determinada foi CalophyaterebinthifoliiBurckhardt&Basset, 2000 indutora de galhas lenticulares em folhas de SchinnusterebenthifoliusRaddi (Anacardiaceae). Hemiptera é a ordem com a segunda maior riqueza de galhas na região Neotropical, sendo representada por Psyllidae, Coccidae, Aphididae e Brachyscelidae (Maia, 2006). Todos os Lepidoptera e Coleoptera induziram galhas caulinares, já os Thysanoptera induziram o enrolamento da margem das folhas de suas espécies hospedeiras. Em levantamentos de galhas na Região Neotropical observa-se que galhas de Lepidoptera e Coleoptera ocorrem predominantemente em caules e gemas, e Thysanoptera induzem galhas foliares, a maioria delas formada pelo enrolamento da margem foliar (Maia, 2006). Dentre os Cecidomyiidae, 40 espécies distribuídas em 21 gêneros foram encontradas nesse estudo. Os gêneros com maior representatividade foram Dasineura (7 spp.), Lopesia (5 spp.), Bruggmannia (4 spp.), Clinodiplosis, Neolasioptera e Stephomyia, cada um com três espécies. Os demais gêneros foram representados por apenas uma espécie. A família Cecidomyiidae é composta por cerca de 6000 espécies distribuídas mundialmente, sendo a maioria delas pertencente à subfamília Cecidomyiinae, onde se encontram as espécies galhadoras (Gagné&Jaschhof, 2014). Os gêneros acima citados geralmente são os taxa com maior riqueza de espécies em áreas de restinga (Maia, 2013). 279

4 280 CARVALHO-FERNANDES & MAIA:GALHAS DE INSETOS DA RESTINGA DE ARRAIAL DO CABO Conclusão A riqueza de galhas encontrada nesse estudo está de acordocom o padrão existente em áreas de restinga. Esses ambientes vem sendo apontados por possuírem grande riqueza e peculiar composição de espécies indutoras de galhas. Agradecimentos Ao CNPq pela bolsa oferecida à primeira autora (Protaxa140344/2011-0). Ao INEA pela autorização da pesquisa no PECS. Literatura Citada Abrahamson, W. G.; Melika, G.; Scrafford, R.; Csóka, G Gall-inducing insects provide insights into plant systematic relationships. American Journal of Botany, 85(9): Cook, L. G. & Gullan, P. J Insect, not plant, determines gall morphology in the Apiomorpha pharetrata species-group (Hemiptera: Coccoidea). Australian Journal of Entomology, 47: Coelho, M. S.; Almada, E. D.; Fernandes, G. W.; Carneiro, M. A. A.; Santos, R. M.; Quintino, A. V.; Sanchez-Azofeifa, A Gall inducing arthropods from a seasonally dry tropical forest in Serra do Cipó, Brazil. Revista Brasileira de Entomologia, 53(3): Fernandes, G. W. & Negreiros, D A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil. Lundiana, 7: Gagné, R The Gall Midges of the Neotropical Region. Ithaca, Cornell University, Press, 352p. Gagné, R. J. & Jaschhof, M A Catalog of the Cecidomyiidae (Diptera) of the World. 3rd Edition. Digital version 2. Isaias, R. M. S.; Carneiro, R. G. S.; Oliveira, D. C. & Santos, J. C Illustrated and Annotated Checklist of Brazilian Gall Morphotypes. Neotropical Entomology, 42: Maia, V. C Galls of Hemiptera, Lepidoptera and Thysanoptera from Central and South America. Publicações Avulsas do Museu Nacional, 110:1-24. Maia, V. C Galhas de insetos em restingas da região sudeste do Brasil com novos registros. Biota Neotropica, 13(1):

5 III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA Maia, V. C. & Fernandes, G. W Insectgallsfrom Serra de São José (Tiradentes, MG, Brazil). Brazilian Journal of Biology, 64(3): Mani, M. S Ecology of Plant Galls.Junk, The Hague, 434 p. Mendonça, M. S. Jr Plant diversity and galling arthropod diversity searching for taxonomic patterns in an animal-plant interaction in the Neotropics. Boletín de Sociedad Argentina de Botânica, 42(3-4): Raman, A Insect-induced plant galls of India: unresolved questions. Current Science, 92(6): Shorthouse, J. D.; Wool, D. & Raman, A Gall-inducing insects Nature s most sophisticated herbivores. Basic and Applied Ecology, 6: Wool, D The shapes of Insect Galls: Insect Control, Plant Constraints, and Phylogeny, p In: Raman, A. (Eds). Ecology and Evolution of Plant- Feeding Insects in Natural and Man-Made Enviroments. National Institute of Ecology, New Delhi; Backhuys Publishers, Leiden, Netherlands. Stone, G. N. &Schönrogge, K The adaptive significance of insect gall morphology. Trends in Ecologyand Evolution, 18(10):

Galhas entomógenas de Miconia prasina (Sw.) DC (Melastomataceae) em remanescentes de Floresta Atlântica Nordestina 1

Galhas entomógenas de Miconia prasina (Sw.) DC (Melastomataceae) em remanescentes de Floresta Atlântica Nordestina 1 Lundiana 7(1):33-37, 2006 2005 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 Galhas entomógenas de Miconia prasina (Sw.) DC (Melastomataceae) em remanescentes de Floresta Atlântica Nordestina

Leia mais

INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG.

INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG. dos seus autores INFLUÊNCIA DO FOGO NO PADRÃO DE ATAQUE DE INSETOS GALHADORES EM CALYPTRANTHES CLUSIIFOLIA O. BERG. PAOLA FERREIRA SANTOS 1, POLYANNE APARECIDA COELHO 1, RUBENS MANOEL DOS SANTOS 2, WARLEY

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE

DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE 50 DISTRIBUIÇÃO GEOGRÁFICA DOS VETORES DE CHAGAS EM SERGIPE DIAS, Douglas de Matos 1 DANTAS, Lucineide Nascimento Almeida 2 DANTAS, José Oliveira 3 Resumo: Cerca de sete espécies de Triatominae são de

Leia mais

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS

O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS O SERVIÇO DE POLINIZADORES E A EFICÁCIA REPRODUTIVA DAS PLANTAS EM FRAGMENTOS VEGETAIS DE CERRADO NO MUNICÍPIO DE ANÁPOLIS, GOIÁS Giselle Lopes Moreira 1,2, Juliana Cristina de Sousa 1,3 e Mirley Luciene

Leia mais

A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil

A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil Lundiana 7(2):111-120, 2006 2006 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 A comunidade de insetos galhadores da RPPN Fazenda Bulcão, Aimorés, Minas Gerais, Brasil G. Wilson Fernandes & Daniel

Leia mais

POLINIZACÃO DE ACIANTHERA APHTOSA (LINDL.) PRIDGEON & M. W. CHASE (ORCHIDACEAE) POR OTITIDAE (DIPTERA)

POLINIZACÃO DE ACIANTHERA APHTOSA (LINDL.) PRIDGEON & M. W. CHASE (ORCHIDACEAE) POR OTITIDAE (DIPTERA) POLINIZACÃO DE ACIANTHERA APHTOSA (LINDL.) PRIDGEON & M. W. CHASE (ORCHIDACEAE) POR OTITIDAE (DIPTERA) POLLINATION OF ACIANTHERA APHTOSA (LINDL.) PRIDGEON & M. W. CHASE (ORCHIDACEAE) BY OTITIDAE (DIPTERA)

Leia mais

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II

ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II ESTUDANDO A MORFOLOGIA EXTERNA DOS INSETOS NAS AULAS PRÁTICAS DE LABORATÓRIO DE ZOOLOGIA II Autor(a): Maria Inêz da Silva Coautor(es): Rayssa Batista, Alex Maciel, Ingridry Silva, Andiara Bandeira Email:

Leia mais

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos*

Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Manual de procedimentos de conservação, armazenamento e montagem de insetos* Alessandra Carneiro - alecarneiro-bio@uol.com.br Carlos Eduardo Beserra Nobre cebnobre@gmail.com Rafael Vieira Nunes rafavnunes@gmail.com

Leia mais

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus.

Palavras-chave: campo rupestre, síndromes de dispersão, Serra dos Pireneus. 1 TIPOLOGIA DE FRUTOS E SÍNDROMES DE DISPERSÃO DE UMA COMUNIDADE DE CAMPO RUPESTRE NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DOS PIRENEUS, GOIÁS. Sabrina do Couto de Miranda 1,4 ; Marineide Abreu Batista 1,4 ; Jair

Leia mais

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES

ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES ABELHAS EUGLOSSINI EM FRAGMENTOS DE MATA ATLÂNTICA EM BURARAMA - ES Gava, M. (1) ; Souza, L. (2) mayla.gava@gmail.com (1) Graduanda de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB

Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE SÃO JOSÉ DOS CORDEIROS-PB Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 503 Eixo Temático ET-13-011 - Educação Ambiental A RPPN FAZENDA ALMAS NA ÓTICA DOS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO DE

Leia mais

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL

FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL FENOLOGIA REPRODUTIVA DE SCHINUS TEREBINTHIFOLIUS RADDI EM ÁREA DE RECUPERAÇÃO AMBIENTAL Azevedo, Cláudia P.M.F.; Ferreira, Paulo C.; Pasin, Liliana A.A.P. UNIVAP/Ciências Biológicas, claumariotto@hotmail.com

Leia mais

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009

Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos de Oliveira 2 Universidade Estadual de Mato Grosso Tangará da Serra MT, junho 2009 LEVANTAMENTO DA ARTROPODOFAUNA DE UM FRAGMENTO DE MATA E DE UMA PASTAGEM, LOCALIZADOS PRÓXIMO AO CAMPUS DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, TANGARÁ DA SERRA MT Cíntia Graciele da Silva 1 Simone Santos

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo

Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo Mudanças na estrutura diamétrica em uma comunidade no Cerrado de Itirapina, São Paulo ANA GABRIELA FARACO 1, EDER DASDORIANO PORFIRIO JUNIOR 2, TÂNIA MARIA DE MOURA 1, VANESSA PESSANHA TUNHOLI 3 & VIVIAN

Leia mais

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA

182 MACHADO & SOARES: COMUNIDADE MUSCOIDEA III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 181 Comunidade Muscoidea (Diptera, Insecta): Estudo do efeito de borda e bioindicadores na Reserva Natural Vale D. F. Machado¹* & E.D.G. Soares

Leia mais

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo:

O Capítulo III do SNUC define os seguintes objetivos e normas para as categorias de man ejo: 4.4 - Unidades de Conservação Segundo PEREIRA et al., (1999) Unidades de Conservação (UCs) Costeiras e Marinhas são aquelas situadas na faixa que se estende desde o limite interior dos ambientes com influência

Leia mais

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná

Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná Biodiversidade como bioindicadora da qualidade do solo no Paraná George G. Brown Lenita J. Oliveira Vanesca Korasaki Antônio A. dos Santos Macroprograma 2: Competitividade e Sustentabilidade Número do

Leia mais

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se:

01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: 01. (FUVEST) Dentre os vários aspectos que justificam a diversidade biológica da Mata Atlântica, encontram-se: I. Concentração nas baixas latitudes, associadas a elevadas precipitações. II. Distribuição

Leia mais

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot

BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos. Sam Elliot BAN 160 Entomologia Geral Desenvolvimento de Insetos Sam Elliot DIPTERA (Fonte: UNICAMP) O que está acontecendo? DESENVOLVIMENTO: Crescimento Padrões de Desenvolvimento Controle Hormonal Importância Evolutiva

Leia mais

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG

Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG Levantamento e caracterização das populações de Macacos Guariba (Alouatta sp.) ocorrentes no município de Bambuí-MG ¹Eriks T. VARGAS; ²Jéssyka M. PARREIRA; 2Leandro A. MORAES; ³Éverton B. SILVA; ³Tamires

Leia mais

CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSINHO POPULAR EVANDRO LINS E SILVA UFPI-PARNAÍBA SOBRE A CLASSE INSECTA E SUA IMPORTÂNCIA AMBIENTAL.

CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSINHO POPULAR EVANDRO LINS E SILVA UFPI-PARNAÍBA SOBRE A CLASSE INSECTA E SUA IMPORTÂNCIA AMBIENTAL. CONCEPÇÃO DOS ALUNOS DO CURSINHO POPULAR EVANDRO LINS E SILVA UFPI-PARNAÍBA SOBRE A CLASSE INSECTA E SUA IMPORTÂNCIA AMBIENTAL. Mayara Oliveira da Costa¹ Tuany Kelly Correia de Assis¹ Flávia Veras Marques

Leia mais

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO

DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO DESMATAMENTO DA MATA CILIAR DO RIO SANTO ESTEVÃO EM WANDERLÂNDIA-TO Trabalho de pesquisa em andamento Sidinei Esteves de Oliveira de Jesus Universidade Federal do Tocantins pissarra1@yahoo.com.br INTRODUÇÃO

Leia mais

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SNUC - SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Prof. Dr. Thiago Leite Engenheiro Florestal (UnB-DF) Mestrado em Ciências Ambientais e Florestais com ênfase em Educação Ambiental (UnB-DF) Doutorado em Ciências Florestais com ênfase em Agroecologia (UnB-DF)

Leia mais

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3

GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Módulo 09 GABARITO DE BIOLOGIA FRENTE 3 Quando ocorre o fechamento dos estômatos a condução de seiva bruta fica prejudicado bem como a entrada de gás carbônico para o processo fotossintético. 02. C O deslocamento

Leia mais

VESPAS VISITANTES FLORAIS DE DUAS ESPÉCIES DE Eryngium (APIACEAE) NO BIOMA PAMPA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL

VESPAS VISITANTES FLORAIS DE DUAS ESPÉCIES DE Eryngium (APIACEAE) NO BIOMA PAMPA, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL REVISTA DE CIÊNCIAS AMBIENTAIS - RCA (ISSN 1981-8858) http://www.revistas.unilasalle.edu.br/index.php/rbca Canoas, vol. 8, n. 1, 2014 VESPAS VISITANTES FLORAIS DE DUAS ESPÉCIES DE Eryngium (APIACEAE) NO

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00. 1. Conceitos Básicos UNIDADES DE CONSERVAÇÃO lei 9.985/00 1. Conceitos Básicos a) unidade de conservação: espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes,

Leia mais

1 A Floresta Amazônica é o maior bioma brasileiro, mas vem sofrendo. 2 Julie é uma garota americana que veio ao Brasil com sua família para conhecer

1 A Floresta Amazônica é o maior bioma brasileiro, mas vem sofrendo. 2 Julie é uma garota americana que veio ao Brasil com sua família para conhecer 1 A Floresta Amazônica é o maior bioma brasileiro, mas vem sofrendo com o desmatamento. No estado de Mato Grosso, por exemplo, grandes áreas da floresta estão sendo devastadas para o plantio de soja e

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA

COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA COMPOSIÇÃO DE ESPÉCIES DE FORMIGAS NO SOLO E DOSSEL NA SERRA DO TEIMOSO, BAHIA Breier, T.B.; 1, Andrade, M. A. R. 1 ;Valle, V. 2 ; & Silva, O. V. 3 RESUMO Investigamos a similaridade na composição de espécies

Leia mais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais

Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Os pontos cardeais, colaterais e subcolaterais Dois trópicos e dois círculos Polares Tipos de Escalas Gráfica Numérica 1 : 100.000 Principais projeções cartográficas Cilíndrica Cônica Azimutal ou Plana

Leia mais

CRIAÇÃO DO CADASTRO REGIONAL DE ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS DO SUDESTE DE MINAS GERAIS.

CRIAÇÃO DO CADASTRO REGIONAL DE ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS DO SUDESTE DE MINAS GERAIS. CRIAÇÃO DO CADASTRO REGIONAL DE ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS DO SUDESTE DE MINAS GERAIS. 1. Introdução Amanda Henrique Costa & Geraldo Majela Moraes Salvio gap.barbacena@ifsudestemg.edu.br O Sistema Nacional

Leia mais

Diego Galvão Pádua& Sônia Lúcia Modesto Zampieron

Diego Galvão Pádua& Sônia Lúcia Modesto Zampieron Publicação do Projeto Entomologistas do Brasil www.ebras.bio.br Distribuído através da Creative Commons Licence v3.0 (BY-NC-ND) Copyright EntomoBrasilis Inventário da Fauna de Hymenoptera Parasitóides

Leia mais

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS

ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS CLASSIFICAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS HUMANOS Classe 1 - ECOSSISTEMA NATURAL MADURO ( Floresta Amazônica ); Classe 2 - ECOSSISTEMA NATURAL CONTROLADO (SNUC); Classe 3 - ECOSSISTEMA

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL

PROJETO DE PESQUISA ESTUDO DOS COMPONENTES LENHOSOS NA COBERTURA VEGETAL DA ENCOSTA DA FACULDADE MACHADO SOBRINHO, JUIZ DE FORA, MINAS GERAIS, BRASIL PROJETO DE PESQUISA Professor Flávio José Soares Júnior Biólogo graduado pela Universidade Federal de Juiz de Fora; Mestre em Biologia Vegetal pela Universidade Federal de Viçosa; Doutorando em Botânica

Leia mais

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI)

12/06/2015. Erosão em voçoroca CONCENTRAÇÃO GLOBAL DE CO2 ATMOSFÉRICO TRATAMENTO DE ÁREAS DEGRADADAS NÍVEIS DE GÁS CARBÔNICO EM MAUNA LOA (HAWAI) DESMATAMENTO ECOLOGIA Unidade 5 MADEIRA CARVÃO PASTAGENS AGRICULTURA MINERAÇÃO LOTEAMENTOS DESMATAMENTO DESMATAMENTO RONDÔNIA RONDÔNIA EROSÃO - DESMATAMENTO - SOLO DESPROTEGIDO - CHUVAS - DESAGREGAÇÃO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo

A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS. Dr. Vlamir José Rocha Biólogo A IMPORTÂNCIA DA CONECTIVIDADE DAS ÁREAS NATURAIS NA CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE EM FLORESTAS PLANTADAS Dr. Vlamir José Rocha Biólogo 1 PERFIL DA COMPANHIA Empresa de base florestal focada em madeira,

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO

Nome: Nº: Turma: Geografia. 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO Nome: Nº: Turma: Geografia 1º ano Biomas Sílvia fev/08 INTRODUÇÃO São conjuntos de ecossistemas terrestres com vegetação característica e fisionomia típica em que predomina certo tipo de clima. São comunidades

Leia mais

ARTIGO. Galhas de insetos em uma área de cerrado sentido restrito na região semi-urbana de Caldas Novas (Goiás, Brasil)

ARTIGO. Galhas de insetos em uma área de cerrado sentido restrito na região semi-urbana de Caldas Novas (Goiás, Brasil) Revista Brasileira de Biociências Brazilian Journal of Biosciences Instituto de Biociências UFRGS ARTIGO ISSN 1980-4849 (on-line) / 1679-2343 (print) Galhas de insetos em uma área de cerrado sentido restrito

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

a) Classifique os animais listados na 2ª coluna de acordo com os grupos zoológicos numerados de 1 a 7, na 1ª coluna.

a) Classifique os animais listados na 2ª coluna de acordo com os grupos zoológicos numerados de 1 a 7, na 1ª coluna. Questão 1: O estado de conservação das espécies de invertebrados terrestres brasileiros foi recentemente publicado pelo Ministério do Meio Ambiente. Na lista oficial da fauna brasileira ameaçada de extinção,

Leia mais

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação...

ÍNDICE. 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4. 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 2324-00-EIA-RL-0001-01 UHE SANTO ANTÔNIO DO JARI ÍNDICE 8.2.3 - Unidades de Conservação e Áreas Prioritárias para Conservação... 1/4 8.2.3.1 - Áreas Prioritárias para Conservação... 3/4 agosto de 2009

Leia mais

Vista parcial da serra do Espinhaço (MG), uma das regiões com maior número de espécies endêmicas no cerrado. 32 ciênciahoje 330 VoL. 55.

Vista parcial da serra do Espinhaço (MG), uma das regiões com maior número de espécies endêmicas no cerrado. 32 ciênciahoje 330 VoL. 55. ECoLoGIA Foto MArCELE PINHEIro/ INStItuto biotrópicos o cerrado é considerado a savana mais rica do mundo, composta por um mosaico natural de formações vegetais que abrigam alta biodiversidade, com muitas

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A.

Biologia 1. 01 Alternativa E. 02 Alternativa D. 01 Alternativa D. 02 Alternativa E. 03 Alternativa E. 04 Alternativa A. Biologia 1 Aula 1 21 Aula 2 Aula 3 1 Aula 4 a) A "Chlamydia trachomatis" é uma bactéria, pois, como mostra a tabela, não apresenta núcleo celular organizado, porém possui DNA, RNA, membrana plasmática

Leia mais

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO

NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO NO RASTRO DE QUEM AINDA RESTA: EDUCAÇÃO AMBIENTAL E PRESERVAÇÃO DE MAMÍFEROS DO CERRADO José Neiva MESQUITA NETO 1 ; Francielle Pinto RIBEIRO 2 ; Frederico Gemesio LEMOS 3 ; Gleyce Alves MACHADO 4 1 Acadêmico

Leia mais

Exercício de Biologia - 3ª série

Exercício de Biologia - 3ª série Exercício de Biologia - 3ª série 1- A poluição atmosférica de Cubatão continua provocando efeitos negativos na vegetação da Serra do Mar, mesmo após a instalação de filtros nas indústrias na década de

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica

Desenvolvimento Sustentável Capítulo II. O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica Desenvolvimento Sustentável Capítulo II O Desenvolvimento Sustentável e suas Dimensões Social e Econômica A Dimensão Social do Desenvolvimento Sustentável: O caso da Energia Eólica Segundo Sachs (1993),

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO)

ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula de hoje: ECOLOGIA GERAL ECOLOGIA DE POPULAÇÕES (DINÂMICA POPULACIONAL E DISPERSÃO) Aula 07 Antes de iniciarmos os estudos sobre populações e seus componentes precisamos conhecer e conceituar as estruturas

Leia mais

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas

Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Banco de Dados Geográficos para Delineamento de Ecorregiões Aquáticas Leonardo de Carvalho Valentim da Silva Bolsista de Programa de Capacitação Interna, Geógrafo, M.Sc. Zuleica Carmen Castilhos Orientadora,

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA.

2.2 - SÃO PAULO, PARANÁ, ESPÍRITO SANTO, BAHIA E RONDÔNIA. 1 - INTRODUÇÃO No período de 01 a 14 de abril de 2007, os técnicos da CONAB e das instituições com as quais mantém parceria visitaram municípios produtores de café em Minas Gerais, Espírito Santo, São

Leia mais

Insetos galhadores. Introdução. Capítulo 15. G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro

Insetos galhadores. Introdução. Capítulo 15. G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro Capítulo 15 Insetos galhadores G. Wilson Fernandes Marco A. A. Carneiro Introdução Os primeiros registros de galhas remontam a Hipócrates (406 437 a.c.), Teofrasto (371 286 a.c.) e Plínio (23 79 d.c.).

Leia mais

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA

ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA ESTRUTURA FITOSSOCIOLÓGICA DO COMPONENTE ÁRBOREO DE UMA FLORESTA OMBRÓFILA EM PORTO VELHO, RONDÔNIA Priscilla Menezes Andrade Antônio Laffayete Pires da Silveira RESUMO: O presente estudo foi realizado

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PRO-REITORIA DE PESQUISA, POS-GRADUAÇÃO E INOVAÇÃO Título: DEFINIÇÃO DE METODOLOGIA PARA GESTÃO DO ORDENAMENTO DO USO PÚBLICO NO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DA TIRIRICA RJ

Leia mais

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente

7. o ANO FUNDAMENTAL. Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente 7. o ANO FUNDAMENTAL Prof. a Andreza Xavier Prof. o Walace Vinente CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Tempo, espaço, fontes históricas e representações cartográficas

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente.

Ecologia: definição. OIKOS Casa LOGOS Estudo. Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Profª Kamylla Ecologia: definição OIKOS Casa LOGOS Estudo Ciência que estuda as relações entre os seres vivos e desses com o ambiente. Componentes do Ecossistema Substâncias Abióticas; Componentes Bióticos:

Leia mais

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas.

Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. Aula 01 Introdução à Ecologia: níveis de organização ecológica; ecossistema; níveis tróficos do ecossistema; a energia nos ecossistemas. O que é? O que estuda? Qual a sua importância? HISTÓRICO Homem primitivo

Leia mais

DIFUSÃO DO GREENING DOS CITROS NA REGIÃO DE BROTAS.

DIFUSÃO DO GREENING DOS CITROS NA REGIÃO DE BROTAS. 1 DIFUSÃO DO GREENING DOS CITROS NA REGIÃO DE BROTAS. Antonio Tubelis * INTRODUÇÃO A doença Greening dos Citros, causada pela bactéria Candidatus Liberibacter spp, foi constatada no Estado de São Paulo

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D CADERNO DE EXERCÍCIOS 2D Ensino Fundamental Ciências da Natureza II Habilidade da Questão Conteúdo Matriz da EJA/FB 01 Fisiologia Vegetal (Transporte e absorção de H34, H40, H41, H63 substâncias); Fotossíntese

Leia mais

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ

REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 REPRESENTATIVIDADE DO BIOMA CAATINGA NAS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DO ESTADO DO PIAUÍ Verônica Maria Pinheiro Pimentel (*), Jéssica Camilla da Silva Vieira de Araújo, Nadya

Leia mais

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB

Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Tema Conservação da Biodiversidade Painel: Mercedes Maria da Cunha Bustamante, UnB Cerrado: Mudança Climática e Biodiversidade Prof. Mercedes Bustamante Departamento de Ecologia Universidade de Brasília

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Ecologia Centro de Ciências Biológicas Volume 1, 2008 Universidad Federal de Santa Catarina PPG Ecologia UFSC

Programa de Pós-Graduação em Ecologia Centro de Ciências Biológicas Volume 1, 2008 Universidad Federal de Santa Catarina PPG Ecologia UFSC Volume 1, 2008 PPG Ecologia UFSC Ecologia de Campo Organizadores: Natalia Hanazaki Bruna Borba Dias Mariana Beatriz Paz Otegui Mauricio Melo Petrucio ISSN 2175-5299 Ecologia de Campo Volume 1 (2008) Organizadores:

Leia mais

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS

MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS MACROFAUNA EDÁFICA DO SOLO E LÍQUENS COMO INDICADORES DE DEGRADAÇÃO EM REMANESCENTES FLORESTAIS URBANOS Gabriela Fernandes Zangirolami Faculdade de Engenharia Ambiental CEATEC gabifz@terra.com.br Resumo:

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

BIOLOGIA. Questões de 27 a 34. 27. Os esquemas abaixo mostram separações cromossômicas que ocorrem em anáfases de divisões celulares.

BIOLOGIA. Questões de 27 a 34. 27. Os esquemas abaixo mostram separações cromossômicas que ocorrem em anáfases de divisões celulares. BIO. 12 BIOLOGIA Questões de 27 a 34 27. Os esquemas abaixo mostram separações cromossômicas que ocorrem em anáfases de divisões celulares. A B Sobre essas separações cromossômicas, pode-se afirmar: A)

Leia mais

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano

Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Corte seletivo e fogo fazem Floresta Amazônica perder 54 milhões de toneladas de carbono por ano Perda equivale a 40% da produzida pelo desmatamento total. Pesquisa cruzou dados de satélites e de pesquisas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus, Amazonas, CEP 69.060-001

Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus, Amazonas, CEP 69.060-001 Maria Lúcia Absy 1 ; Isabella Dessaune Rodrigues 2 luciabsy@inpa.gov.br 1 Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA); 2 Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Av. André Araujo, 2936, Aleixo, Manaus,

Leia mais

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil

Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Concessão de Patentes na Área de Biotecnologia no Brasil Claudia Magioli Coordenadora Geral de Patentes II Área de Biotecnologia Workshop de Ciência, Tecnologia e Inovação 7 de novembro de 2013 Centro

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

GÊNESE DE SOLOS E MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO SÃO JOÃO, RJ, IDENTIFICADAS ATRAVÉS DO PROXY FITÓLITOS

GÊNESE DE SOLOS E MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO SÃO JOÃO, RJ, IDENTIFICADAS ATRAVÉS DO PROXY FITÓLITOS GÊNESE DE SOLOS E MUDANÇAS AMBIENTAIS NA BACIA DO RIO SÃO JOÃO, RJ, IDENTIFICADAS ATRAVÉS DO PROXY FITÓLITOS Heloisa Helena Gomes Coe 1, Karina F. Chueng 1, Margarita Osterrieth 2, Antonio Soares dos Santos

Leia mais

A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira

A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira BIP A exuberante e pouco conhecida fauna brasileira maio/2007 O Brasil é o país de maior biodiversidade do planeta. A fauna brasileira é imensamente rica, porém muitas espécies não são ainda conhecidas.

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

EDITAL nº 001/2014. Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP.

EDITAL nº 001/2014. Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP. EDITAL nº 001/2014 Convocação de Audiência Pública sobre A Situação Atual do Bioma da Mata Atlântica e o Papel do MP. O Presidente do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP), no exercício da competência

Leia mais

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato.

Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. III SIMPÓSIO SOBRE A BIODIVERSIDADE DA MATA ATLÂNTICA. 2014 115 Avaliação dos Parâmetros Morfológicos de Mudas de Eucalipto Utilizando Zeolita na Composição de Substrato. H. B. Totola 1,*, M. Zibell 2,

Leia mais

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal

MÓDULO 1 CLASSES GERAIS. Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal MÓDULO 1 ECOSSISTEMAS HUMANOS CLASSES GERAIS Professora: Andréa Carla Lima Rodrigues Monitora: Laís Leal ECOSSISTEMAS HUMANOS As necessidades e desejos da população humana em expansão têm requerido um

Leia mais

A fauna na recuperação das áreas degradadas

A fauna na recuperação das áreas degradadas A fauna na recuperação das áreas degradadas Wesley R. Silva Laboratório de Interações Vertebrados-Plantas Departamento de Biologia Animal, IB-UNICAMP XI Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio

Leia mais

O que é biodiversidade?

O que é biodiversidade? O que é biodiversidade? A diversidade se expressa nos mais diversos níveis de organização biológica. É a soma de toda a variabilidade biológica desde os genes até os ecossistemas Por que nos preocuparamos

Leia mais

RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS

RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS RESULTADO FINAL PAINÉIS CIENTÍFICOS Durante o período das apresentações de painéis membros da Comissão Científica passarão para registrar a presença dos autores. O requisito para a publicação do resumo

Leia mais

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF

José Eduardo do Couto Barbosa. Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF José Eduardo do Couto Barbosa Biólogo e Mestrando em Ecologia pela UFJF CONCEITO DE BIODIVERSIDADE Pode ser definida como a variedade e a variabilidade existente entre os organismos vivos e as complexidades

Leia mais

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque

1. Introdução. Emília Zoppas de Albuquerque Otimização do tempo de recrutamento máximo de operárias de Allomerus octoarticulatus (Hymenoptera: Formicidae) frente à herbivoria induzida em Hirtella mirmecophila (Chrysobalanaceae) Emília Zoppas de

Leia mais

PERCEPÇÃO DO ESTADO ATUAL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RELAÇÃO AOS TURISTAS DA CIDADE DE SANTOS/SP COM ÊNFASE EM MANGUEZAL.

PERCEPÇÃO DO ESTADO ATUAL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RELAÇÃO AOS TURISTAS DA CIDADE DE SANTOS/SP COM ÊNFASE EM MANGUEZAL. PERCEPÇÃO DO ESTADO ATUAL DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM RELAÇÃO AOS TURISTAS DA CIDADE DE SANTOS/SP COM ÊNFASE EM MANGUEZAL. SANTOS, Joyce Mello*; ANTONELLI, Talita Proquere*; SANTOS, João Alberto Paschoa**

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA

EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO SERIDÓ CERES DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA DGEO PROJETO EDUCAÇÃO AMBIENTAL, RESGATAR A IMPORTÂNCIA DO BIOMA CAATINGA Caicó/RN 2015 UNIVERSIDADE

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba

Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Comunidade de palmeiras em fragmentos florestais no Vale do Paraíba Gabriela da Cunha Souza Orientadora: Dra. Simey Thury Vieira Fisch http:// www.virtualvale.com.br/ http://upload.wikimedia.org/wikipedia/

Leia mais

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil.

Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Influência da estrutura arbórea na ocorrência de térmitas arborícolas na RPPN da Serra do Teimoso, Jussari, Bahia, Brasil. Antonio José Dias Vieira 1, Camila Righetto Cassano 2, Joice Rodrigues de Mendonça

Leia mais

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria

Zoologia e Botânica. Biologia Monitores: Julio Junior e Thamirys Moraes 16, 17, 18 e 20/12/2015. Material de Apoio para Monitoria Zoologia e Botânica 1. A doença de Chagas atinge milhões de brasileiros, que podem apresentar, como sintoma, problemas no miocárdio, que levam à insuficiência cardíaca. Por que, na doença de Chagas, ocorre

Leia mais

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP

P, Victor Hugo Dalla CostaP 4. Eliana R. SouzaP HTU UTH INFLUÊNCIA DAS FONTES DIFUSAS DE OLUIÇÃO HÍDRICA NO COMORTAMENTO DO H NAS ÁGUAS DA SUB-BACIA DO RIO OCOÍ, TRIBUTÁRIO DO RESERVATÓRIO DE ITAIU BACIA DO ARANÁ III atrícia C. Cervelin, Victor Hugo

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares VUNESP 2007 questões escritas www.planetabio.com

PlanetaBio Resolução de Vestibulares VUNESP 2007 questões escritas www.planetabio.com 1- O que divide os especialistas não é mais se o aquecimento global se abaterá sobre a natureza daqui a vinte ou trinta anos, mas como se pode escapar da armadilha que criamos para nós mesmos nesta esfera

Leia mais

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical

Palavras-chave: Artigos científicos, periódicos, região neotropical Revista de Biologia Neotropical: Oito anos divulgando a pesquisa científica (2004 2011)* GOMES-KEIN, Vera Lúcia 1 ; RODRIGUES, Walter Alvarenga 1 ; CHEN-CHEN, Lee 1 ; CARVALHO, Salvador de 1 ; LACERDA,

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia APORTE DE MATERIAL VEGETAL SOBRE O SOLO EM UMA FLORESTA SEMIDECIDUA AO NORTE DO ESTADO DE MATO GROSSO Ândrea Carla

Leia mais

Níveis de Organização

Níveis de Organização Níveis de Organização Indivíduo Átomos Moléculas Células Tecidos Órgãos Sistemas capazes de se cruzarem entre si, originando indivíduos férteis. Ex: Cachorro População: grupo de indivíduos da mesma espécie

Leia mais

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO

CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO CONCEPÇÕES SOBRE CERRADO 1 LEICHTWEIS, Kamila Souto 2 TIRADENTES, Cibele Pimenta 3 INTRODUÇÃO A educação ambiental envolve atividades educativas que visam informar sobre o meio ambiente e suas relações.

Leia mais