The Procedure Registral of Railways.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "The Procedure Registral of Railways."

Transcrição

1 O Procedimento Registral das Linhas Férreas The Procedure Registral of Railways. André Luis Fontanela 1 Resumo O presente artigo tem como objetivo fixar entendimento acerca do procedimento registral correto a ser aplicado às linhas férreas, embora sendo um tema escasso em materiais e subsídios para sua realização, foi possível identificar que ao aplicar qualquer princípio registrário específico, deve o Oficial Registrador ou outro profissional do direito sempre zelar pela segurança jurídica, que pode ser considerada o alicerce do Registro de Imóveis, pois sem ela, os atos por ele praticados não serão revestidos da certeza e presunção de veracidade necessárias. Os princípios registrários e a formalidade foram criados em benefício dos cidadãos e somente devem se sobrepor ao direito de propriedade, garantido pela Constituição Federal, quando a segurança jurídica estiver ameaçada. A redação do atual Código Civil, por meio de seu artigo 1.502, veio reafirmar o antigo preceito do Código de 1916, ou seja, as hipotecas sobre as estradas de ferro serão registradas no Município da estação inicial da respectiva linha. Mas o que vem a ser uma estrada de ferro? Haveria alguma diferença entre estrada de ferro e via férrea? Estrada de ferro ou via férrea seria apenas os trilhos por onde trafegam as locomotivas, ou também seriam constituídas por todo o patrimônio daquelas? Recentemente, ao promulgar a Lei /07, o executivo vetou os artigos 16 a 19 da referida lei, a qual regulamentaria o processo de venda dos imóveis da antiga Rede Ferroviária Federal. Palavras- Chave: Vias Férreas, Registro, Procedimento. 1 André Luis Fontanela, Professor no Curso de Direito da FACDO, Mestrando em Direito Notarial e Processual Civil e Advogado. 173

2 André Luis Fontanela Abstrat The present study aims to establish understanding of the procedure registration right to apply to railway lines, while being a theme in materials and allowances for its performance, it was possible to identify that there would apply any particular principle, should the Registrar or other Official legal practitioner always ensure the legal security that can be considered the foundation of the Registration of Real Estate, because without it the acts he committed are not clothed in the presumption of certainty and accuracy required. The principles and formality there would have been created for citizens only and should not override the property rights guaranteed by the Constitution when the legal security is threatened. The wording of the current Civil Code, by Article 1502, the area came to sign the old precept of the Code of 1916, the mortgages on the railroad will be recorded in the county of the initial station of the line. But what comes to be a railroad? Was there any difference between the railroad and rail? Railroad or railroad would only track that travels the locomotives, or they would be constituted by all the assets of those? Recently, when promulgating the Law /07, the executive vetoed sections 16 to 19 of the Act, which would regulate the process of selling real estate of the former Federal Railway. Key-words: Railways, Registration, Procedure. Introdução O presente artigo tem como objetivo lançar ao debate jurídico linhas essenciais acerca do procedimento registral correto a ser aplicado às linhas férreas. Dada a existência de regulamentação legal desatualizada atinente à matéria específica, e sua cumulação com o direito administrativo, no que se refere à desapropriação por utilidade pública, temos como fito investigar por qual procedimento se dará, vislumbrando a forma mais célere e segura quanto ao ato jurídico praticado, a fim de proporcionar publicidade a existência registral das linhas férreas. 174

3 O Procedimento Registral das Linhas Férreas Trata-se de um tema escasso, por isso a necessidade de conhecimento da matéria embora de forma superficial, embasando-se nos fatores determinantes no âmbito do direito administrativo e registral. Relevâncias afetas ao tema em comento florescem no estudo da Lei nº 6.015/73, tendo em vista que esta necessita ser atualizada com urgência, no seu todo, e em particular no tocante ao artigo 171, objeto deste estudo, para prevalecer adequar-se às disposições do Código Civil, ou seja, somente as hipotecas são registradas, exclusivamente, no Município da estação inicial da linha. Todos os demais atos deverão também respeitar as disposições do princípio da circunscrição. 1.1 Direito Notarial e Registral Sabedores de que, segundo o processo de registro, enunciado pela Lei dos Registros Públicos em seu art. 182 e seguintes, deverá ser levado aos livros da serventia imobiliária um título, ou seja, um documento jurídico, que em seu bojo contenha uma determinação registral. Nesta mesma linha de raciocínio se faz essencial explicitarmos, em limites eminentemente superficiais, as regras a que deverão se submeter tais documentos. No presente estudo, arraigado ao direito administrativo, mais especialmente à desapropriação por utilidade pública, entendemos por bem, pautarmos aos vetores do direito notarial. Este, por sua vez, pode ser conceituado conforme Larraud sendo o conjunto sistemático de normas que estabelecem o regime jurídico do notariado 2. Para Néri, o direito notarial pode definir-se como o conjunto de normas positivas e genéricas que governam e disciplinam as declarações humanas formuladas sob o signo da autenticidade pública 3. Leonardo Brandelli define o direito notarial como o aglomerado de normas jurídicas destinadas a regular a função notarial e o 2 LARRAUD, Rufino. Curso de derecho notarial. Buenos Aires:Depalma, 1996, p.83 3 NERI, Argentino I. Tratado Teórico y prático de Derecho Notarial. Buenos Aires: Depalma, V. 1, p

4 André Luis Fontanela notariado 4 A função notarial, na atualidade, tem demonstrado sua importância, principalmente como forma acautelatória de litígios, atuando preventivamente na busca da tutela dos direitos subjetivos. A utilização do ato notarial para a consecução da desapropriação materializa a supracitada função, vezes que o Estado, na figura de Expropriante, pactua com o particular, ora Expropriando, as peculiaridades do ato, tal como a indenização, dentre outros adjetivos. E este, por sua vez, servirá de instrumento translatício do domínio. O documento notarial é revestido de fé pública, ou seja, tem presunção relativa quanto a veracidade de seus conteúdos. Neste contexto, salvo alguma nulidade ou anulabilidade, não poderá ser revisto pelo Poder Judiciário quanto ao conteúdo fático-jurídico nele contido. A busca por uma justiça alternativa, que gere segurança nas relações jurídicas, encontra na instituição notarial um meio ágil e eficaz de perfectibilização do direito no âmbito da vontade das partes. 5 No caso em tela, o direito notarial tem íntima ligação com a instrumentalização jurídica e a situação fática que criará a linha férrea, ou seja, o documento que será levado a registro para tornar plena a transferência do domínio das áreas que constituirão a faixa de domínio. Este documento poderá ser representado por um ato notarial, que em seu bojo materializará o negócio jurídico, seja este uma compra e venda, desapropriação amigável ou mesmo apenas um instrumento que consolide o pagamento da indenização, sem outra razão, o instrumento notarial é agente certo, válido e eficaz para concretização de qualquer ato jurídico, desde que respeitados os limites legais. O Direito Registral, em que pese o caso em comento, ou seja, registro de imóveis tem quando do lançamento no fólio real a transferência efetiva do domínio de uma propriedade ou para outros direitos reais lançados, a oponibilidade. 4 BRANDELLI, Leonardo. Teoria Geral do Direito Notarial. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 1998, p BRASIL. Lei nº 8.935, de 18 de novembro de Lei dos Serviços Notariais e de Registro. Disponível em: 176

5 O Procedimento Registral das Linhas Férreas A norma que rege os registros públicos é a Lei nº 6.015/73, que orienta todo o processo de registro. Cumpre salientar que o registro é o meio hábil à comprovação do direito de propriedade, e também a forma pela qual é feita a transferência dos bens imóveis. 6 O Código Civil de 2002, em seu art menciona o registro como a forma de transferência dos bens imóveis: Art Transfere-se entre vivos a propriedade mediante o registro do título translativo no Registro de Imóveis. 1º Enquanto não se registrar o título translativo, o alienante continua a ser havido como dono do imóvel. 2º Enquanto não se promover, por meio de ação própria, a decretação de invalidade do registro, e o respectivo cancelamento, o adquirente continua a ser havido como dono do imóvel. O registro tem presunção de veracidade, não sendo, contudo, uma presunção absoluta (iuri et de iuri), mas relativa (iuris tantum) pois admite prova em contrário. Dessa forma, caberá àquele que deseja retificar ou anular determinado registro, provar suas alegações. Nesse sentido é claro o art do CC: Art Se o teor do registro não exprimir a verdade, poderá o interessado reclamar que se retifique ou anule. Parágrafo único. Cancelado o registro, poderá o proprietário reivindicar o imóvel, independentemente da boa-fé ou do título do terceiro adquirente. 1.2 Do Processo de Registro das Linhas Férreas O Código de 1916, em seu artigo nº 852, dispunha que As hipotecas sobre as estradas de ferro serão inscritas no município da estação inicial da respectiva linha. A Lei nº 6.015/73, por meio de seu artigo nº 171, interpretou extensivamente o preceito contido no antigo Código Civil, para dispor que Os atos relativos a vias férreas serão registrados no cartório correspondente à estação inicial da respectiva 6 CARVALHO, Afrânio de. Registro de Imóveis. Rio de Janeiro, Forense, 1976, p

6 André Luis Fontanela linha. O Código Civil de 1916 previa o registro apenas e tão-somente das hipotecas sobre as estradas de ferro, e não os atos relativos a vias férreas, tal como prevê a Lei 6.015/73. ( ARAÚJO, 2010) A redação do Novo Código Civil, por meio de seu artigo nº 1.502, veio a reafirmar o antigo preceito do Código de 1916, ou seja, as hipotecas sobre as estradas de ferro serão registradas no Município da estação inicial da respectiva linha. Mas o que vem a ser uma estrada de ferro? Haveria alguma diferença entre estrada de ferro e via férrea? Estrada de ferro ou via férrea seria apenas os trilhos por onde trafegam as locomotivas, ou também seriam constituídas por todo o patrimônio daquelas? Recentemente, ao promulgar a Lei nº /07, o executivo vetou os artigos nºs 16 a 19 7 da referida lei, a qual regulamentaria 7 Art. 16. Aos ocupantes de baixa renda dos imóveis não-operacionais residenciais da Rede Ferroviária Federal S.A. - em liquidação cuja ocupação seja comprovadamente anterior a 6 de abril de 2005 é assegurado o direito à aquisição por venda direta do imóvel, nas condições estabelecidas nos arts. 26 e 27 da Lei n 9.636, de 15 de maio de º Para a avaliação dos imóveis referidos no caput deste artigo, aplicar-se-á o método involutivo, deduzindo-se, para tanto, o valor correspondente às benfeitorias realizadas pelo ocupante. 2º Os ocupantes referidos no caput deste artigo deverão manifestar seu interesse pela compra direta no prazo de até 30 (trinta) dias a contar da notificação a ser realizada pelo órgão competente. 3º Para os fins do disposto neste artigo, considera-se ocupante de baixa renda aquele com renda familiar igual ou inferior ao valor estabelecido no 2º do art. 1o do Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981 Art. 17. Aos ocupantes dos imóveis não-operacionais residenciais da Rede Ferroviária Federal S.A. - em liquidação não alcançados pelo art. 16 desta Lei e cuja ocupação seja comprovadamente anterior a 6 de abril de 2005 é assegurado o direito de preferência na compra do imóvel, que será realizada na modalidade de leilão. Parágrafo único. Os ocupantes referidos no caput deste artigo poderão adquirir o imóvel pelo valor da proposta vencedora, deduzido o valor correspondente às benfeitorias comprovadamente por eles realizadas, desde que manifestem seu interesse no ato do leilão ou no prazo de até 15 (quinze) dias, contado da publicação do resultado do certame. Art. 18. Os imóveis não-operacionais da Rede Ferroviária Federal S.A. - em liquidação poderão ser alienados diretamente: I - desde que destinados a programas de regularização fundiária e provisão habitacional de interesse social, a programas de reabilitação de áreas urbanas centrais ou a sistemas de circulação e transporte: 178

7 O Procedimento Registral das Linhas Férreas o processo de venda dos imóveis da antiga Rede Ferroviária Federal. (ARAÚJO, 2010) O texto do artigo nº 19 da mencionada lei, aprovado pelo Congresso Nacional, previa que na alienação dos imóveis pertencentes à Rede Ferroviária Federal, o registro seria efetuado no cartório da localidade mais próxima de onde se situa o imóvel, não se aplicando o disposto no art. nº 171 da Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de 1973, ou seja, o cartório situado no Município da estação inicial da linha não teria competência para registrar atos relativos a todos os imóveis pertencentes à estrada de ferro. Não ocorresse o veto presidencial, teríamos que somente a via férrea (trilhos) seria registrada e/ou hipotecada no Município da estação inicial da linha, passando para o foro da situação do imóvel a competência para o registro dos demais atos, o que vai de encontro ao princípio da continuidade registral. (ARAÚJO, 2010) Tendo em vista o supra, percebemos que não é vontade do legislador inovar quanto às regras de registro aplicadas às linhas férreas, respeitando a unidade registral das linhas férreas, inteligência do art. nº 171 da Lei de Registros Públicos. a) aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios; b) a entidades públicas que tenha por objeto regularização fundiária e provisão habitacional, nos termos da Lei no , de 16 de junho de 2005; c) a Fundos de Investimentos Imobiliários, previstos na Lei no 8.668, de 25 de junho de 1993; II - aos beneficiários de programas de regularização fundiária e provisão habitacional de interesse social. Parágrafo único. Para a avaliação dos imóveis referidos no caput deste artigo, aplicar-se-á o método involutivo. Art. 19. Na alienação dos imóveis referidos nos arts. 16, 17 e 18 desta Lei, observar-se-á o seguinte: I - os contratos celebrados mediante instrumento particular terão força de escritura pública; II - quando não for possível comprovar a dominialidade de imóvel da Rede Ferroviária Federal S.A. - em liquidação, será permitida a cessão ou transferência da posse deste ao adquirente, para posterior regularização perante o cartório de registro de imóveis; III - o registro será efetuado no cartório da localidade mais próxima de onde se situa o imóvel, não se aplicando o disposto no art. 171 da Lei no 6.015, de 31 de dezembro de Parágrafo único. Os imóveis situados na faixa de domínio das ferrovias cuja ocupação coloque em risco a vida de pessoas ou comprometa a segurança e eficiência da operação ferroviária não poderão ser alienados. 179

8 André Luis Fontanela Aplicando de sobremaneira o Princípio da Territorialidade, o acesso às matrículas dos bens imóveis pertencentes à linha férrea seria temeroso, pois, considerando que para sua formação foram necessárias as fusões de diversos imóveis, instrumentalizadas por desapropriações ou outras aquisições de modo geral, o inventário da linha férrea seria um procedimento moroso com a busca de certidões imobiliárias em todas as Serventias Extrajudiciais Imobiliárias que tiveram suas circunscrições interceptadas pela ferrovia. Esta linha de entendimento, para efeitos práticos, viabilizaria uma melhor mobilidade comercial quanto aos pátios multimodais das ferrovias, visto que, estes, por sua vez, são objeto de concessão autônoma, diversa da concessão de uso aplicada para a linha férrea. O registro dos pátios em separado à linha férrea, nos quais o setor privado materializa seus empreendimentos e opera o transporte das cargas, desburocratizaria as transações comerciais, pois locariam apenas na circunscrição em que o mesmo está adstrito toda a documentação registral do mesmo. Todavia, ressalte-se que o procedimento legal neste caso não seria violado, pois os pátios multimodais, estações, etc., não fazem parte da linha férrea, pelo contrário são acessórios, que tem relação imediata com a mesma, mas também independência funcional. A Lei nº 6.015/73 necessita ser atualizada com urgência, no seu todo, e em particular no tocante ao artigo nº 171, e somar as disposições do Código Civil, ou seja, as linhas férreas e também hipotecas são registradas na Serventia Imobiliária do Município da estação inicial da linha. Não deixando de obedecer ao princípio da circunscrição através das remissões recíprocas, ou seja, os lançamentos feitos nas matrículas das Serventias imobiliárias que tiveram imóveis interceptados pela linha férrea deverão ser comunicadas à matrícula da linha férrea, a qual localizar-se-á na estação inicial da mesma; e vice-versa. Não faz nenhum sentido que um imóvel pertencente à Rede Ferroviária Federal, e localizado em Uberlândia, venha a ser registrado em Belo Horizonte, estação inicial da linha, sem qualquer espécie de informação à matrícula do imóvel interceptada por aquela. Sendo o Código Civil trinta anos mais recente que a Lei 180

9 O Procedimento Registral das Linhas Férreas 6.015/73, entendemos que, se encontra inadequado a aplicação pura do art. nº 171 da Lei Registral, todavia, entendemos que o mesmo não está ab-rogado e sim desatualizado quanto ao seu procedimento de aplicação, tendo em vista a promulgação da Lei nº /07, que teve seus artigos nºs 16 a 19 vetados, os quais se subordinavam ao princípio da circunscrição de forma pura. 2 - Da Existência Registral das Linhas Férreas e Suas Aplicações No Direito Administrativo Do Direito Registral A atuação registral visa garantir a publicidade, autenticidade, segurança e eficácia dos atos jurídicos, trazendo segurança jurídica e procedimentalizando situações fáticas lançadas em fólio real, e por assim ilidindo o apelo ao Poder Judiciário em enésimas demandas judiciais buscando restabelecer a ordem jurídica, atuando, portanto, como instrumento de pacificação social. Na concepção de Néri: o direito registral pode definir-se como o conjunto de normas positivas e genéricas que governam e disciplinam as declarações humanas formuladas sob o signo da autenticidade pública. O direito registral imobiliário, segundo Maria Helena Diniz, consiste num complexo de normas jurídico-positivas e de princípios atinentes ao registro de imóveis que regulam a organização e o funcionamento das serventias imobiliárias 8. Para o direito de forma geral é a divulgação oficial do ato para o conhecimento público que gera o início de seus efeitos. Todavia, vale ressaltar que a publicidade não é elemento formativo do ato, é requisito de eficácia, por isso mesmo, se convalidam com a publicação, nem os regulares a dispensam para sua exeqüibilidade, quando a lei ou regulamento exige procedimentos especiais, tal como o registro. Quanto aos atos advindos do direito público, o princípio da publicidade dos atos e contratos administrativos, além de assegurar 8 DINIZ, Maria Helena. Sistemas de Registros de Imóveis. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, p

10 André Luis Fontanela seus efeitos externos, visa propiciar seu conhecimento e controle pelos interessados diretos e pelo povo em geral; abrange toda a atuação estatal, não só sob o aspecto de divulgação oficial de seus atos como, também, de propiciação de conhecimento da conduta interna de seus agentes. Conforme explicitado o lançamento em fólio real de um instrumento prescinde a publicidade do ato, atribuindo apenas oponibilidade em face de terceiros. No entanto, segundo a inteligência do art. 1º da Lei de Registros Públicos, caso o instrumento levado a registro não tenha em seu bojo os efeitos da publicidade, tais como: ter sido lavrado em Serventia Extrajudicial, ter sido publicado nos veículos competentes ou ter sido emanado pelo judiciário; também alcançará os efeitos da publicidade através do registro. Segundo Ceneviva, o princípio da oponibilidade é característica típica de um direito real. A oponibilidade somente existe quando houver previsão legal, inclusive pela natureza do negócio jurídico. Muitos registros existem como elemento probatório, sem o condão de ser oponível. 9 Desta forma, deve-se buscar na summa divisio qual o negócio que é oponível, e qual o pressuposto para torná-lo eficaz contra terceiros (art. nº 1.228, do CC). No caso, a publicidade eficácia declarativa impõe-se para assegurar a continuidade do registro de transmissão e, assim, manter sempre atualizada a genealogia jurídica dos bens imóveis para oponibilidade frente a terceiros e, de modo especial, para permitir a disponibilidade desses bens, entendida esta como a faculdade de registrar alienações ou onerações futuras. 2.2 Do Direito Administrativo O direito administrativo tem ligação imediata com o detentor da delegação do serviço público de registros, ou seja, o registrador, 9 CENEVIVA, Walter. Lei dos Notários e dos Registradores Comentada. 4. ed. rev. ampl. e atual. até 10 de julho de São Paulo: Saraiva,

11 O Procedimento Registral das Linhas Férreas que recebe do Poder Executivo a delegação de presentar o Estado, compondo, administrando e zelando, em seu nome, os livros de registro da respectiva Serventia Extrajudicial. É entendimento jurisprudencial que os delegatários das Serventias Extrajudiciais são agentes públicos, vinculados ao Poder Executivo, exercendo função tipicamente administrativa, conforme preleciona o Ministro Celso de Melo: As Serventias Extrajudiciais constituem órgãos públicos titularizados por agente que se qualificam, na perspectiva das relações que mantém com o Estado, como típicos servidores públicos. (ADI n Rel. Celso Melo-J RTJ168/95) Da desapropriação Considerando que o Estado é detentor do monopólio quanto a construção e operação de ferrovias no Brasil, através da Lei nº /2008, e o lançamento no fólio real é ato primário para a constituição ou regularização fático-jurídica das mesmas, é de suma importância estudar o instrumento que o Estado se utiliza para adquirir o domínio das áreas nas quais subsistem os equipamento férreos. A desapropriação é prevista ao longo de vários dispositivos, quais sejam, arts. 5º, XXIV, 22, II, 182, 3º e 4º, e III, e 184, na legislação infraconstitucional temos o Decreto-Lei nº 3.365, de , que dispõe sobre desapropriação por utilidade pública; Sendo a questão principal da desapropriação, obter o equilíbrio entre a autoridade do Estado e liberdade individual, vem à colação o item LIV do Art. 5º da Constituição Federal. Não há grandes divergências sobre o conceito de desapropriação, a qual, diga-se desde logo, pode incidir sobre bens móveis e imóveis, todavia, o presente estudo, para efeitos didáticos, delimitar-se-á aos imóveis. Pontes de Miranda(p.43) nos dá excelente conceituação do que seja a desapropriação: ato de direito público mediante o qual o Estado transfere direito ou subtrai o direito de outrem, a favor de si mesmo, ou de outrem, por necessidade, ou utilidade pública, ou por interesse social, ou simplesmente o extingue. Carlos Ari Sundfeld(1990, p. 30), por sua vez, a define como: 183

12 André Luis Fontanela procedimento estatal destinado a substituir compulsoriamente um direito de propriedade pelo equivalente econômico, de modo a permitir sua afetação a um interesse público ou social. Surge quando a administração pública defronta situações de emergência que para serem resolvidas satisfatoriamente exigem a transferência urgente de bens de terceiros para o seu domínio e uso imediato. O ato jurídico-administrativo de desapropriação para que se torne perfeito, alcançando os efeitos de existência, validade e eficácia, no âmbito do direito administrativo e da legislação específica o Decreto-Lei nº 3.365/1941, dois fatores são de suma importância, a regularidade do Decreto Expropriatório com suas publicações de práxis e o pagamento da justa indenização pelas áreas expropriadas. Os efeitos da existência e da validade do ato administrativo são preenchidos com o Decreto, não sendo plausíveis questionamentos referentes utilidade pública da área objeto da expropriação (art. 9º do Decreto-Lei nº 3365/41), e com a regular publicação no Diário Oficial da União não mais é possível alegar o desconhecimento da desapropriação, ou seja, conforme pormenorizadamente descrito no Decreto de Utilidade Público já se faz sabido quais áreas estão desapropriadas. Para o ato jurídico-administrativo desapropriação tornar-se eficaz, resta apenas o pagamento da justa indenização, por conseguinte a desapropriação está perfeita e acabada, mesmo sem lançamento na matrícula do imóvel interceptado. Dos Efeitos Objetivados 3.1 Do Lançamento do Instrumento no Fólio Real Estabelece o art. nº 172, da Lei de Registros Públicos que no Registro Imobiliário serão feitos registros e averbações de títulos ou atos constitutivos, declaratórios, translativos e extintivos de direitos reais sobre imóveis, reconhecidos em Lei, uma vez que não podem ser criados pelas partes, inter vivos ou causa mortis, quer para sua constituição, transferência ou extinção, quer para sua validade em relação a terceiros, quer para sua disponibilidade. 184

13 O Procedimento Registral das Linhas Férreas A tendência da jurisprudência é de que a relação que se vê o artigo nº 167, tem caráter exaustivo e não exemplificativo, não se permitindo, desta forma, a extensão do que ali se vê. Assim, apresentado título para registro ou averbação sem que se amolde ao que temos no referido artigo e em seus respectivos incisos I e II, não deve ter ele acesso ao sistema registrário. Em nosso direito, tem o registro efeito juris tantun, acompanhando a eficácia atribuída ao modelo francês, ao contrário do germânico, que o tem como juris et de jure Do Registro (Da Segurança Jurídica e Razoabilidade) O direito imobiliário é um complexo de normas reguladoras do registro de imóveis e dos atos jurídicos a ele pertinentes. Ocupa papel de relevância no direito civil moderno, na medida em que sustenta condições de segurança e estabilidade ao mercado imobiliário, propiciando segurança jurídica e, consequentemente, desenvolvimento econômico. A regularização registral é de grande utilidade como nos afirma Raimundo Viana( 1980, p. 19): a finalidade desse registro é muito mais para documentar a saída do bem do domínio privado, do que a testificação da aquisição ou o momento da consumação desta. (...) apenas para evitar negócios irregulares envolvendo o bem, com possibilidade de sérios prejuízos para terceiros de boa-fé. Inquestionável a norma estabelecida pelo art. nº 171 da Lei Federal nº 6015/73. Que o registro imobiliário da linha férrea seja efetuado na estação inicial da respectiva linha. Esta determinação vem anterior ao Decreto-Lei nº 1000 de , referendado na Lei Federal nº 6.015/73 e observado no Código Civil de 2002, pois este dispõe no art. nº 1502 que a hipoteca 10 BUSSO, Sérgio. Qualificação registrária, procedimentos recursais e outros aspectos de interesse dos serviços de notas e de registro de imóveis. Jus Navigandi, Teresina, ano 9, n. 249, 13 mar Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/texto/4918>. Acesso em: 10 dez

14 André Luis Fontanela sobre estrada de ferro deverá ser registrada na Serventia Extrajudicial do Município da estação inicial da respectiva linha. Sendo que ao aplicar qualquer princípio registrário específico, deve o Oficial Registrador ou outro profissional do direito, que fizer as vezes, sempre zelar pela segurança jurídica, que deve ser considerada o alicerce do Registro de Imóveis, pois sem ela os atos por ele praticados não serão revestidos da certeza e presunção de veracidade necessários. Os princípios registrários e a formalidade foram criados em benefício dos cidadãos e somente devem se sobrepor ao direito de propriedade garantido pela Constituição Federal quando a segurança jurídica estiver ameaçada. Respeitados os princípios supra enunciados, é necessário considerar que para atribuir maior segurança jurídica às linhas férreas, além do lançamento no fólio real da Serventia Extrajudicial Imobiliária da estação inicial, é prudente, em observância ao princípio da territorialidade, que se façam remissões recíprocas às matrículas que são interceptadas pelo eixo da mesma. Estas remissões se dariam através de averbações, constando a informação de que naquela propriedade atravessa a linha férrea e em quais dimensões isso ocorre. Conclusão Concluímos com este estudo que o direito registral subordina- -se às normas aplicáveis do direito administrativo e os principais efeitos produzidos são os da segurança jurídica e oponibilidade, certas vezes travestido de publicidade. Quanto ao suporte registral das linhas férreas, vislumbramos que tem ligação imediata com as normas do direito administrativo, sejam nas desapropriações da faixa de domínio para sua instalação, que em sua maioria se dão por utilidade pública; seja na obrigatoriedade do registro a fim se atribuir oponibilidade erga omnes. Defendemos, ainda, a aplicabilidade do art. nº 171 da Lei nº 6.015/73, pois os atos relativos às vias férreas devem ser registrados no cartório correspondente à estação inicial da respectiva linha, to- 186

15 O Procedimento Registral das Linhas Férreas davia, a fim de respeitar o vetor de conhecimento da territorialidade, este dispositivo legal deveria ser paragrafado lançando a obrigatoriedade de remissões recíprocas nas matrículas interceptadas pelo eixo da linha férrea nas respectivas Serventias Extrajudiciais Imobiliárias. Referências Bibliográficas BRANDELLI, Leonardo. Teoria Geral do Direito Notarial. Porto Alegre: Livraria do Advogado, BRASIL. Lei nº 6.015, de 31 de dezembro de Lei de Registros Públicos. Disponível em: <http://www.senado.gov.br>. BRASIL. Lei nº , de 10 de janeiro de Código Civil Brasileiro. Disponível em: BRASIL. Lei nº 8.935, de 18 de novembro de Lei dos Serviços Notariais e de Registro. Disponível em: BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: BRASIL. Lei nº 3.071, de 5 de janeiro de Código Civil Brasileiro. Disponível em: (revogada). BRASIL. Lei nº , de 31 de maio de Disponível em: CRETELLA JÚNIOR, José, Curso de Direito Administrativo, 4. ed. Rio de Janeiro: Forense,1975. DINIZ, Maria Helena. Sistemas de Registros de Imóveis. 4ª ed. São Paulo: Saraiva, GASPARINI, Diógenes, Direito Administrativo. 18.ed. São Paulo: Saraiva,

16 André Luis Fontanela LARRAUD, Rufino. Curso de derecho notarial. Buenos Aires: Depalma, MARQUES, S. A.; Robles L.T. Reestruturação Financeira e Institucional do Subsetor Ferroviário. IPEA, MEIRELLES, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro. São Paulo: Revista dos Tribunais, MOREIRA NETO, Diogo de Figueiredo. Curso de Direito Administrativo. 3. ed. Rio de Janeiro: Forense MORAES, Alexandre. Direito Constitucional. São Paulo: Barros Fischer & Associação Ltda, NERI, Argentino I. Tratado Teórico y prático de Derecho Notarial. Buenos Aires: Depalma, V. 1. SILVA, Antonio de Moraes, Diccionario da Língua Portugueza. 7. ed., 2. v. SUNDFELD Carlos Ari. Desapropriação. São Paulo: Revista dos Tribunais, SUNDFELD, Carlos Ari. Fundamentos de Direito Público, 3. ed., São Paulo, Malheiros,

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL

DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL DA PROMESSA DE COMPRA E VENDA DE BEM IMÓVEL NA PERSPECTIVA DO REGISTRO DE IMÓVEIS: CLÁUSULAS SUSPENSIVA E RESOLUTIVA, EXTINÇÃO E PUBLICIADE REGISTRAL Professor Luiz Egon Richter 1. DA DISTINÇÃO ENTRE A

Leia mais

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total

DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS Curso de Técnico em Transações Imobiliárias Curso Total DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS DO CARTÓRIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS. FINALIDADE. DOS TÍTULOS REGISTRÁVEIS: ESCRITURA

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 496, DE 19 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre o limite de endividamento de Municípios em operações de crédito destinadas

Leia mais

USUCAPIÃO. CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE. QUALIFICAÇÃO REGISTRAL. REGISTRO DE VIAS FÉRREAS

USUCAPIÃO. CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE. QUALIFICAÇÃO REGISTRAL. REGISTRO DE VIAS FÉRREAS USUCAPIÃO. CLÁUSULA DE INALIENABILIDADE. QUALIFICAÇÃO REGISTRAL. REGISTRO DE VIAS FÉRREAS CARLOS ANTÔNIO DE ARAÚJO SUMÁRIO: 1. A cláusula de inalienabilidade, que impede o proprietário de livremente dispor

Leia mais

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008.

OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. OFÍCIO CIRCULAR N.º 205/2008-CGJ/DOF (Id. 076486/08) Favor mencionar este número Cuiabá, 25 de setembro de 2008. Senhor(a) Oficial(a) de Registro de Imóveis: De ordem do Excelentíssimo Senhor Desembargador

Leia mais

CONDOMÍNIO INDIVISÍVEL. DIREITO DE PREFERÊNCIA. ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CONDÔMINO PRETERIDO. VALIDADE DO NEGÓCIO JURÍDICO

CONDOMÍNIO INDIVISÍVEL. DIREITO DE PREFERÊNCIA. ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CONDÔMINO PRETERIDO. VALIDADE DO NEGÓCIO JURÍDICO CONDOMÍNIO INDIVISÍVEL. DIREITO DE PREFERÊNCIA. ESCRITURA PÚBLICA DE COMPRA E VENDA. CONDÔMINO PRETERIDO. VALIDADE DO NEGÓCIO JURÍDICO CARLOS ANTÔNIO DE ARAÚJO SUMÁRIO: Negócio jurídico nulo ou anulável?

Leia mais

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF.

1º A gestão do Programa cabe ao Ministério das Cidades e sua operacionalização à Caixa Econômica Federal CEF. LEI 10.188, DE 12 DE FEVEREIRO DE 2001 Cria o Programa de Arrendamento Residencial, institui o arrendamento residencial com opção de compra e dá outras providências. Faço saber que o Presidente da República

Leia mais

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO

REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO REGISTRO PÚBLICO DE IMÓVEIS: BASE SEGURA PARA O CRÉDITO IMOBILIÁRIO Seminário ABECIP 20/09/2012: dobrando a participação do crédito imobiliário no PIB Flaviano Galhardo Registrador de Imóveis 1 - FINS

Leia mais

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel;

PROJETO DE LEI. I - certidões atualizadas de domínio e de ônus reais do imóvel; PROJETO DE LEI Altera o Decreto-Lei n o 3.365, de 21 de junho de 1941, que dispõe sobre desapropriações por utilidade pública. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1 o Os arts. 15, 26 e 32 do Decreto-Lei

Leia mais

OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007

OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007 OS DIREITOS REAIS E A LEI 11.481/2007 Professor Mestre Washington Carlos de Almeida 1 Professor da Faculdade de Direito - UPM A sociedade, tal como a conhecemos atualmente sempre foi marcada por uma complexa

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO

TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO TRANSFERÊNCIA DE POSSE, SEM TRANSFERÊNCIA DE DOMÍNIO O presente estudo tem o intuito de analisar e diferenciar brevemente os institutos da cessão de uso, concessão de uso e concessão de direito real de

Leia mais

Direito das Coisas II

Direito das Coisas II 2.8 DO DIREITO DO PROMITENTE COMPRADOR Ao cabo do que já era reconhecido pela doutrina, o Código Civil de 2002, elevou o direito do promitente comprador ao status de direito real. Dantes, tão somente constava

Leia mais

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação

Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Capítulo I Quem pode desapropriar e quem pode executar a desapropriação Desapropriação é o termo jurídico que indica ato, emanado do poder público, do qual resulta a resolução do domínio do titular sobre

Leia mais

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS

NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS NOVO CPC INTRODUZ A USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL NO PAÍS João Pedro Lamana Paiva 1 O novo Código de Processo Civil (Lei nº 13.105, de 16.3.2015), sancionado em 16.3.2015, introduz na ordem jurídica brasileira,

Leia mais

O terreno de marinha, conforme se verá, é de propriedade da União por força da Constituição Federal de 1988 e de Leis infraconstitucionais.

O terreno de marinha, conforme se verá, é de propriedade da União por força da Constituição Federal de 1988 e de Leis infraconstitucionais. União pode dispor do domínio útil de terreno da marinha Por Rodrigo Passos Pinheiro Fonte: Consultor Jurídico 18/06/12 A questão apresentada envolve conhecimento específico da legislação sobre terrenos

Leia mais

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres.

A Constituição Federal, em seu art. 5º, LXXVI, confere a gratuidade do registro civil de nascimento aos reconhecidamente pobres. PROCEDIMENTO DE CONTROLE ADMINISTRATIVO CONVERTIDO EM PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS. REGISTRO DE NASCIMENTO. AVERBAÇÃO DE PATERNIDADE RECONHECIDA VOLUNTARIAMENTE. GRATUIDADE. AUSÊNCIA DE PREVISÃO LEGAL. A Constituição

Leia mais

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos

20/04/2005 TRIBUNAL PLENO V O T O. Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos 20/04/2005 TRIBUNAL PLENO MANDADO DE SEGURANÇA 25.295-2 DISTRITO FEDERAL V O T O O SENHOR MINISTRO CELSO DE MELLO: Ninguém ignora, Senhor Presidente, que a requisição de bens e/ou serviços, nos termos

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 342, DE 2015 Altera o Decreto-Lei nº 1.876, de 15 de julho de 1981, e o Decreto-Lei nº 2.398, de 21 de dezembro de 1987, para isentar da cobrança de laudêmio, foro e taxa de

Leia mais

LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008

LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008 LEI Nº 13.290, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2008 Dispõe sobre os emolumentos por atos praticados pelos serviços notariais e de registro, na forma que especifica O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber

Leia mais

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO

DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO DO REFINANCIAMENTO DA DÍVIDA IMOBILIÁRIA COM TRANSFERÊNCIA DE CREDOR SUB- ROGAÇÃO Inovações trazidas pela Lei Federal n.º 12.810 de 15 de maio de 2013. João Pedro Lamana Paiva* 1 Desde o advento da Lei

Leia mais

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL

REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL REFLEXOS NO REGISTRO DE IMÓVEIS DO NOVO CÓDIGO FLORESTAL Maria Aparecida Bianchin Pacheco Registradora de Imóveis de Poxoréu-MT Recentemente a Câmara Federal disponibilizou o texto contendo a redação final

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra)

PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 6.525, DE 2013 (Do Sr. Carlos Bezerra) Altera a Lei nº 9.514, de 20 de novembro de 1997, que "Dispõe sobre o Sistema de Financiamento Imobiliário, institui a alienação

Leia mais

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA

NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA NOTA TÉCNICA CONJUNTA PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA Associação dos Notários e Registradores do Brasil ANOREG/BR Instituto de Registro Imobiliário do Brasil IRIB Associação dos Registradores Imobiliários

Leia mais

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013

DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 CÂMARA DOS DEPUTADOS Centro de Documentação e Informação DECRETO Nº 7.929, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2013 Regulamenta a Lei nº 11.483, de 31 de maio de 2007, no que se refere à avaliação da vocação logística

Leia mais

1. O que é procuração?

1. O que é procuração? Procuração Pública Plano de aula: 1. O que é procuração? 2. Forma Pública 3. Identidade e Capacidade 4. Pessoas Jurídicas 5. Poderes Gerais x Especiais 6. Ad judicia x Ad negotia 7. Substabelecimento 8.

Leia mais

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis

TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARISP. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2014. Lei 11.331,

Leia mais

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL

DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL DO REGISTRO DA COMPRA E VENDA CONDICIONAL João Pedro Lamana Paiva 1 Resumo: este artigo faz uma abordagem acerca do registro do contrato de compra e venda de imóvel que contenha cláusula que condicione

Leia mais

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada

Gabinete do Conselheiro Antônio Carlos Andrada Fls. PROCESSO: 837554 NATUREZA: CONSULTA CONSULENTE: ITAMAR ANTÔNIO DINIZ (Diretor do Instituto de Previdência dos Servidores Municipais de Três Pontas/MG) PROCEDÊNCIA: INSTITUTO DE PREVIDÊNCIA DOS SERVIDORES

Leia mais

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL

OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL OS BENS PÚBLICOS NO NOVO CÓDIGO CIVIL JOSÉ DOS SANTOS CARVALHO FILHO Procurador de Justiça/RJ, Professor da UFF, da Universidade Estácio de Sá e da EMERJ 1. Não é difícil a nenhum intérprete jurídico admitir

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 11 10/02/2015 PRIMEIRA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 805.859 RIO DE JANEIRO RELATOR AGTE.(S) PROC.(A/S)(ES) AGDO.(A/S) ADV.(A/S)

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026.

Código de Processo Civil, encontramos regras nesse sentido nos artigos 1003 e seguintes, 1022 e seguintes, artigo 1026. Escritura pública de inventário e partilha Documentos Necessários A relação de documentos necessários para uma escritura pública de inventário e partilha, especialmente quando contemplam bens imóveis,

Leia mais

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito.

PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE. Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. PARCELAMENTO E USO DE SOLOS NO INSTITUTO DA POSSE Estefânia Prezutti Denardi Enga. Florestal, consultora ambiental, formanda em Direito. A Posse é um Instrumento Jurídico tratado no Código Civil Brasileiro

Leia mais

Se não houver direitos reais contraditórios ou que tenham preferência em relação ao ato pretendido, seria possível atender ao pedido?

Se não houver direitos reais contraditórios ou que tenham preferência em relação ao ato pretendido, seria possível atender ao pedido? O PROTOCOLO E O PRINCÍPIO DA PRIORIDADE Túlio Teixeira Campos Oficial de Registro de Imóveis, Títulos e Documentos e Civil de Pessoas Jurídicas de Santa Cruz das Palmeiras, São Paulo. 1. Introdução Tradicionalmente,

Leia mais

Tabela de Custas TABELA II Dos Ofícios de Registro de Imóveis Tabela elaborada sob responsabilidade da Associação dos Registradores Imobiliários de São Paulo ARI. Em vigor a partir de 8 de janeiro de 2015.

Leia mais

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO

4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO 302 4.9 PROJETO DE LEI DO DIREITO DE PREEMPÇÃO Regulamento o exercício do direito de preempção pelo Poder Público Municipal de acordo com a Lei de Revisão do Plano Diretor, e dá outras providências. A

Leia mais

Introdução ao Direito Notarial e Registral

Introdução ao Direito Notarial e Registral Introdução ao Direito Notarial e Registral Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=6765 Luciana Rodrigues Antunes Advogada, especializada em Direito Notarial e registral

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO

APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO APRESENTAÇÃO DO CURSO DE DIREITO ADMINISTRATIVO Salve salve mais uma vez meus amigos concurseiros! O Curso de Direito Administrativo que terá início na primeira semana de julho (08/07) voltará sua atenção

Leia mais

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel

As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel As implicações da Medida Provisória nº 656/2014 para o adquirente de imóvel Por Roberto Santos Silveiro* Com o propósito de dar maior segurança jurídica ao adquirente de imóvel, no dia 07 de novembro deste

Leia mais

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações,

No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, No Tabelionato de Notas são lavradas escrituras públicas em geral, como inventários, divórcios, declaratórias de união estável, procurações, testamentos, entre outras. Também são lavradas atas notariais,

Leia mais

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE

PRÁTICA CIVIL E PROCESSUAL LEGALE BEM IMOVEL Art. 79. São bens imóveis o solo e tudo quanto se lhe incorporar natural ou artificialmente. Art. 80. Consideram-se imóveis para os efeitos legais: I -os direitos reais sobre imóveis e as ações

Leia mais

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, Faço saber que a Câmara Legislativa do Distrito Federal decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO LEI COMPLEMENTAR Nº (Autoria do Projeto: Poder Executivo) Dispõe sobre loteamento fechado e alienação de lotes ou parcelas de terras públicas no território do Distrito Federal e dá outras providências.

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Após regular certame licitatório, vencido pelo consórcio Mundo Melhor, o Estado X celebrou contrato de obra pública, tendo por objeto a construção de uma rodovia

Leia mais

A proteção do adquirente na incorporação e no loteamento

A proteção do adquirente na incorporação e no loteamento Considerações ao Art. 55 da Lei nº 13.097/2015 A proteção do adquirente na incorporação e no loteamento Olivar Vitale SECOVI Maio/2015 Aquisição de Imóvel Princípio da boa-fé: regra de conduta e padrões

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 24, DE 2006 Altera a Medida Provisória nº 2.197-43, de 24 de agosto de 2001, para dispor sobre a cobertura securitária em financiamentos no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação

Leia mais

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares

Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS. Juliana Pereira Soares Lei 11.795/08 A NOVA LEI DE CONSÓRCIOS Art. 2º da Lei 11.795/08: Consórcio é a reunião de pessoas naturais e jurídicas em grupo, com prazo de duração e número de cotas previamente determinados, promovida

Leia mais

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda

Estabelecimento Empresarial. Profª. MSc. Maria Bernadete Miranda Estabelecimento Empresarial Estabelecimento Considera-se estabelecimento todo complexo de bens organizado, para o exercício da empresa, por empresário, ou sociedade empresária. Artigo 1.142 CC Estabelecimento

Leia mais

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada*

ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* ITBI - recepção parcial dos dispositivos do CTN Kiyoshi Harada* Como se sabe, em decorrência das disputas entre Estados e Municípios na partilha de impostos, o legislador constituinte de 1988 cindiu o

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO

PREFEITURA MUNICIPAL DE NEPOMUCENO Nepomuceno, 18 de agosto de 2014. MENSAGEM Nº 032/2014 Exmo. Sr. Francisco Ricardo Gattini DD. Presidente da Câmara Municipal de NEPOMUCENO MG Senhor Presidente, Com meus cordiais e respeitosos cumprimentos,

Leia mais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais

Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Documentação Necessária para Certificação e Registro de Imóveis Rurais Diferença entre Registro, Certidão e Matrícula Diferenças entre Averbar e Registrar Necessidade de Retificar um Registro ( retificação

Leia mais

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV,

O Prefeito Municipal de Resende, no exercício das atribuições, que lhe são conferidas pela Lei Orgânica do Município, em seu artigo 74, inciso XV, DECRETO Nº 5218 DE 09 DE NOVEMBRO DE 2011. EMENTA: Regulamenta os procedimentos de declaração, avaliação, emissão de guias de recolhimento, processo de arbitramento e a instauração do contencioso fiscal

Leia mais

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos.

AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO. Estado de São Paulo. O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. AÇÕES PARA REGULARIZAÇÃO DE IMÓVEIS NO Estado de São Paulo O que o Governo de São Paulo, o Ministério Público e a sua Prefeitura podem fazer juntos. Sumário Apresentação 5 Porque regularizar 6 Quando uma

Leia mais

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO

PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO PLANEJAMENTO PATRIMONIAL, FAMILIAR E SUCESSÓRIO CLIENT ALERT DEZEMBRO/2015 GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SANCIONA AS NOVAS REGRAS REFERENTES AO IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO CAUSA MORTIS E DOAÇÃO

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Reforma Agrária Marceloednilson Marins* CONCEITO Considera-se Reforma Agrária o conjunto de medidas que visem a promover, melhor distribuição da terra, mediante modificações do regime

Leia mais

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá)

Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Projeto de Lei nº DE 2011. (Do Sr. Arnaldo Faria de Sá) Disciplina a obrigatoriedade de manifestação e os efeitos da participação dos órgãos consultivos da advocacia pública em processos administrativos

Leia mais

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição

Contratos. Licitações & Contratos - 3ª Edição Contratos 245 Conceito A A Lei de Licitações considera contrato todo e qualquer ajuste celebrado entre órgãos ou entidades da Administração Pública e particulares, por meio do qual se estabelece acordo

Leia mais

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO

PROCEDIMENTO LICITATÓRIO PROCEDIMENTO LICITATÓRIO FERNANDA CURY DE FARIA 1 RESUMO O presente artigo tem por objetivo analisar os principais aspectos do procedimento licitatório. Iniciaremos com a abordagem do conceito de licitação,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.073, DE 3 DE JANEIRO DE 2002. Regulamenta a Lei n o 8.159, de 8 de janeiro de 1991, que dispõe sobre a política nacional

Leia mais

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS.

INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO INTERVIVOS E DIREITOS A ELES RELATIVOS. LEI Nº 1449/88 INSTITUI IMPOSTO SOBRE A TRANSMISSÃO "INTERVIVOS" E DIREITOS A ELES RELATIVOS. Eu, Paulo Alberto Duarte, Prefeito do Município de Lages, comunico a todos os habitantes deste Município, que

Leia mais

USUFRUTO. 1) Conceito:

USUFRUTO. 1) Conceito: USUFRUTO 1) Conceito: O usufruto é um dos chamados direitos reais sobre coisa alheia. Para Sílvio de Salvo Venosa 1 usufruto é um direito real transitório que concede a seu titular o poder de usar e gozar

Leia mais

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO

PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA RELATÓRIO PARECER DA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA Projeto de Lei nº 072 de 08 de maio de 2013 AUTOR: Poder Executivo PARECER: Favorável, sem apresentação de emendas EMENTA: Autoriza o Poder Executivo a doar

Leia mais

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação).

Direito de familia. Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). Direito de familia Separação judicial (?) e divórcio. Arts. 1.571 a 1.582, CC. Art. 226, 6º, CF (nova redação). 1 EC nº 66/2010: Nova redação do art. 226, 6º da CF: O casamento civil pode ser dissolvido

Leia mais

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello

Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES. Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Unidade I DIREITO NAS ORGANIZAÇÕES Prof. Luís Fernando Xavier Soares de Mello Direito nas organizações Promover uma visão jurídica global do Sistema Tributário Nacional, contribuindo para a formação do

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AO ILUSTRÍSSIMO SENHOR SÉRGIO FRANKLIN QUINTELLA VICE-PRESIDENTE DA FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS RECOMENDAÇÃO 1. Considerando que a Constituição Federal de 1988 atribui ao Ministério Público, nos termos do

Leia mais

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1

DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 DIREITOS REAIS SOBRE COISAS ALHEIAS 1 Amélia Rodrigues Machado ameliamachadoraa@itelefonica.com.br FAC São Roque - NPI: Núcleo de Pesquisa Interdisciplinar INTROUÇÃO São direitos reais aqueles que recaem

Leia mais

O Prefeito Municipal de vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, faço saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte lei:

O Prefeito Municipal de vitória, Capital do Estado do Espírito Santo, faço saber que a Câmara Municipal decretou e eu sanciono a seguinte lei: Lei nº 3.571/89 (com alterações das Leis 3.701/90, 4.165/94, 4.476/97e 4.735/98) Dispõe sobre o Imposto Sobre Transmissão de Bens Imóveis Inter-Vivos e sobre a Venda a Varejo de combustíveis Líquidos e

Leia mais

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário:

DIREITO IMOBILIÁRIO. Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Introdução. Terminologia. 1. Direito Imobiliário: Nas palavras de Hércules Aghiarian 1 o direito imobiliário é o direito da coisa em movimento. 1.1. Direito das Coisas ou Direitos Reais: Direito da Coisa

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAPÁ PROVIMENTO Nº 0060/97 O Desembargador GILBERTO DE PAULA PINHEIRO, Vice- Presidente/Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Amapá, no uso de suas atribuições legais, Considerando que a Lei Federal nº 6.766,

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

NORMATIZAÇÃO GERAL DAS NORMAS DA CORREGEDORIA DOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA NAS ATIVIDADES NOTARIAIS E REGISTRAIS DO BRASIL

NORMATIZAÇÃO GERAL DAS NORMAS DA CORREGEDORIA DOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA NAS ATIVIDADES NOTARIAIS E REGISTRAIS DO BRASIL NORMATIZAÇÃO GERAL DAS NORMAS DA CORREGEDORIA DOS TRIBUNAIS DE JUSTIÇA NAS ATIVIDADES NOTARIAIS E REGISTRAIS DO BRASIL Caio Marco Bartine Nascimento i Conforme disposto no art. 236 da Carta Constitucional,

Leia mais

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas.

Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte especial do código civil, dividido em duas temáticas. OAB - EXTENSIVO Disciplina: Direito Civil Prof. Brunno Giancolli Data: 19/10/2009 Aula nº. 05 TEMAS TRATADOS EM AULA Direito Reais Direito das coisas. O direito das coisas é tratado no livro III da parte

Leia mais

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e; Institui a Central de Informações do Registro Civil CRC e disciplina outras providências. O Corregedor-Geral da Justiça do Estado do Acre, Desembargador Pedro Ranzi, no uso de suas atribuições legais e;

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E CIDADANIA PROJETO DE LEI N o 5.423, DE 2009 Acrescenta dispositivo à Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, estabelecendo

Leia mais

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União;

a.1) em área desapropriada ou em desapropriação por Estado, por Município, pelo Distrito Federal ou pela União; INSTRUÇÃO NORMATIVA STN Nº 4, DE 17 DE MAIO DE 2007 DOU de 18.5.2007 _ Retificação _DOU de 21.5.2007 Altera dispositivos, que especifica, da Instrução Normativa nº 1, de 15 de janeiro de 1997, disciplinadora

Leia mais

Chave de Correção Registro de Imóveis Professora: Andréa Baêta

Chave de Correção Registro de Imóveis Professora: Andréa Baêta 1. O que é qualificação registral? Chave de Correção Registro de Imóveis Professora: Andréa Baêta A qualificação registral imobiliária é o juízo prudencial, positivo ou negativo, da potência de um título

Leia mais

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1.

3 O INSTRUMENTO PARTICULAR NO REGISTRO DE IMÓVEIS A PARTIR DO CÓDIGO CIVIL BRASILEIRO DE 1916... 85 3.1 Evolução histórica... 85 3.1. SUMÁRIO RESUMO... 13 PREFÁCIO... 15 INTRODUÇÃO... 19 1 CONTRATOS... 23 1.1 Noções gerais... 23 1.2 Conceito... 25 1.3 Elementos do contrato... 26 1.3.1 Elementos essenciais... 26 1.3.1.1 Agente capaz...

Leia mais

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário

ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário 1 ITBI - Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis Direito Tributário Posição histórica Também conhecido como sisa, até 1988 era da competência dos Estados. A partir da Constituição Federal de 1988, passou

Leia mais

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015

RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 RESUMO DA TABELA DE EMOLUMENTOS E TFJ DE 2015 EM VIGOR PARA ATOS PRATICADOS A PARTIR DE 1º DE JANEIRO DE 2015 1- ATOS DO REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS NATURAIS VALORES EM R$ ATO VALORES TOTAL BUSCA (POR PERÍODO

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 0011994-89.2012.8.26.0362 Tipo: Acórdão CSM/SP Data de Julgamento: 23/08/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação: Data não disponível Estado: São Paulo Cidade:

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011

FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 FACULDADE DE DIREITO DE SOROCABA FADI 2011 Disciplina: Direito Administrativo I Departamento IV Direito do Estado Docente Responsável: Prof. José Pedro Zaccariotto Carga Horária Anual: 100 horas/aula Tipo:

Leia mais

IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS: ITBI E ITCMD UM ESTUDO COMPARATIVO

IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO DE BENS: ITBI E ITCMD UM ESTUDO COMPARATIVO Artigo apresentado no I ENCONTRO DE ESTUDOS TRIBUTÁRIOS ENET promovido pelo Instituto de Direito Tributário de Londrina de 30/08 a 02/09/06 (Selecionado pela Comissão Organizadora). IMPOSTO SOBRE TRANSMISSÃO

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA

ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA ESTADO DO PIAUÍ PREFEITURA MUNICIPAL DE TERESINA DECRETO Nº 13.346, DE 24 DE JUNHO DE 2013. Regulamenta a Lei Complementar nº 4.403, de 5 de junho de 2013, que Estabelece obrigação de uso do sistema ITBI

Leia mais

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS

TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS TERMO DE ADESÃO PARA INTERCÂMBIO DE INFORMAÇÕES ELETRÔNICAS A ASSOCIAÇÃO DOS REGISTRADORES IMOBILIÁRIOS DE SÃO PAULO ARISP, CNPJ/MF nº 69.287.639/0001-04, entidade civil sem fins lucrativos, com sede na

Leia mais

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/forpgs/showinglaw.pl

http://www.leismunicipais.com.br/cgi-local/forpgs/showinglaw.pl Página 1 de 7 LEI Nº 9430, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2010. DISPÕE SOBRE ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA DO MUNICÍPIO, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Projeto de Lei nº 481/2010 - autoria do EXECUTIVO. A Câmara

Leia mais

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc.

O Desembargador Fernando Luiz Ximenes Rocha, Presidente do Tribunal de Justiça do Estado do Ceará, no exercício de suas atribuições legais, etc. ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA PROVIMENTO Nº.../2008 Dispõe sobre a implantação do controle dos selos de autenticidade pelo novo Sistema de Impressão de Guia Extrajudicial Online

Leia mais

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO

REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO REGISTRO DE LOTEAMENTO / DESMEMBRAMENTO (Lei 6.766/79 alterada pela Lei 9.785/99 e Lei Estadual 7.943/2004) Lei 6.766/1979 - Art. 2º.: 1º - Considera-se loteamento a subdivisão de gleba em lotes destinados

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM ECONÔMICA E FINANCEIRA CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS GERAIS DA ATIVIDADE ECONÔMICA Art. 170. A ordem econômica, fundada na valorização

Leia mais

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL

RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL RESPONSABILIDADE TRIBUTÁRIA NA CISÃO PARCIAL Gilberto de Castro Moreira Junior * O artigo 229 da Lei das Sociedades Anônimas (Lei nº 6.404/76) define a cisão como sendo a operação pela qual a companhia

Leia mais

O Princípio da Eficiência na Administração Pública

O Princípio da Eficiência na Administração Pública O Princípio da Eficiência na Administração Pública Cristiane Fortes Nunes Martins 1 1. Introdução A Administração Pública é regida por princípios que se encontram discriminados na Constituição Federal

Leia mais

Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário

Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário Mesa Temática: CADASTRO E ORDENAMENTO DA OCUPAÇÃO URBANA Diretrizes para o Cadastro Territorial Multifinalitário EGLAÍSA MICHELINE PONTES CUNHA Ministério das Cidades capacidades@cidades.gov.br Eqüidade

Leia mais

Procedência Interessado Número Data Ementa RELATÓRIO PARECER

Procedência Interessado Número Data Ementa RELATÓRIO PARECER Procedência: Junta Comercial do Estado de Minas Gerais - JUCEMG Interessado: Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico - SEDE Número: 14.595 Data: 31 de janeiro de 2006 Ementa: Junta Comercial

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE JOÃO PESSOA Assessoria Técnica SEPLAM Sobre a Lei nº. 12.145 de 08 de Setembro de 2011, que regulamentou o Instrumento: TRANSFERÊNCIA DO POTENCIAL CONSTRUTIVO

Leia mais

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013

EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 EDITAL DE ALIENAÇÃO DE BENS IMÓVEIS LEILÃO PÚBLICO N 01/2013 1. INTRODUÇÃO 1.1 A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL, SEÇÃO MINAS GERAIS, por seu Presidente, DR. LUÍS CLÁUDIO DA SILVA CHAVES, para conhecimento

Leia mais

Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste. dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul

Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste. dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul 1 Congresso Regional de Direito Notarial e de Registro do Centro Oeste dias 14, 15 e 16 de abril de 2011 Campo Grande Mato Grosso do Sul O Registro de Imóveis e o Desenvolvimento da Nação Colegas notários,

Leia mais

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL

ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL ANEXO I DECLARAÇÃO DE INEXISTÊNCIA DE AÇÃO JUDICIAL (razão social do devedor), com inscrição no CNPJ nº, devidamente representada por (nome e qualificação do representante), DECLARA, para os fins da RN

Leia mais

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011

Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 PMHIS Seminários Temáticos Instrumentos para oferta de moradias nas áreas centrais e consolidadas FERNANDA FURTADO Universidade Federal Fluminense Novembro de 2011 1 Bases e recortes da questão Terra,

Leia mais

SEPARAÇÃO CONSENSUAL DIVÓRCIO CONSENSUAL. Prof. Ms. Karol Araújo Durço karoldurco@gmail.com

SEPARAÇÃO CONSENSUAL DIVÓRCIO CONSENSUAL. Prof. Ms. Karol Araújo Durço karoldurco@gmail.com SEPARAÇÃO CONSENSUAL DIVÓRCIO CONSENSUAL Prof. Ms. Karol Araújo Durço karoldurco@gmail.com Com o advento da EC nº. 66 de 2010 o 6º, do art. 226 da CF passou a ter a seguinte redação: O casamento civil

Leia mais