DISCURSO DE UMA NÃO CONCLUSÃO: IDENTIDADE FEMININA, MÍDIA, TELENOVELA, LAÇOS DE FAMÍLIA... IMAGENS RECORRENTES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCURSO DE UMA NÃO CONCLUSÃO: IDENTIDADE FEMININA, MÍDIA, TELENOVELA, LAÇOS DE FAMÍLIA... IMAGENS RECORRENTES"

Transcrição

1 DISCURSO DE UMA NÃO CONCLUSÃO: IDENTIDADE FEMININA, MÍDIA, TELENOVELA, LAÇOS DE FAMÍLIA... IMAGENS RECORRENTES MS. ROSEMARY RAMOS RODRIGUES Professora de História das Faculdades Integradas de Patos FIP Você sabe? Incrível! Existe uma quantidade fantástica de mulheres dentro de você, Helena. Quando eu te vi pela primeira vez, no dia do acidente, eu conheci ali a primeira Helena. Algum tempo depois, durante a nossa viagem ao Japão, eu conheci uma outra e depois vieram outras Helenas: a mãe, a filha, a profissional. Hoje, no cinema, eu me deparei com uma outra Helena, outra e agora aqui, novamente, outra Helena, outra (Miguel, Cap. 82). A nossa cultura vive em prol do fechamento de corpos a certas identidades e a certos padrões comportamentais. A conclusão de que somos isso ou aquilo, a partir do nosso sexo, acaba por legitimar/construir o lugar das identidades enquanto campos fixos, imutáveis e homogêneos. Na maioria das novelas, apesar das suas novas e várias roupagens, os corpos dos e das personagens são aprisionados a modos de ser, viver, pensar, falar, amar, sonhar, desejar, etc., delimitando as identidades a esses campos e mostrando as e aos telespectadores modelos adequados e inadequados de identidade normal de homem e de mulher. Portanto, dos discursos, nada despretensiosos, das novelas emergem formas de disciplina e controle dos corpos masculinos e femininos. Pensar em identidades é nos remetermos a corpos fluídos, em movimento de ação e vida. No discurso de uma não conclusão proponho a contestação da conclusão de que, nós mulheres, somos isso ou aquilo e que nos jogos do dizer essa é a verdade na relação identitária. O que é uma conclusão? O fim de um percurso? A constatação de uma verdade? Um apanhado de idéias resumidas? O fechamento de uma pesquisa? O ponto final? Este trabalho não vem carregada de uma proposta de fim, de fechamento, de conclusão, de encontro com a verdade sobre isso ou aquilo. Trago uma proposta de transcorrer livremente sobre o que penso acerca da identidade feminina. A proposta de uma não conclusão surge da concepção de que há muito mais a perguntar, querer e buscar. Concluir é acabar por legitimar o conhecimento como o lugar da veracidade ou do engano, é afirmar que, na relação escritora/pesquisadora e leitor/leitora, detenho o poder de falar em nome do saber científico e dizer que o que escrevi foi posto à prova, portanto é verdadeiro e totalmente natural. Contra a naturalização e contra a aceitação de que as coisas, os pensamentos, as palavras e as práticas de vida estão numa ordem correta de acontecimento, neste momento, detenho-me no escrever aleatório. Mas me vem à memória a afirmação de Foucault (2004, p. 8-9) sobre o discurso: [...] em toda a sociedade a produção do discurso é ao mesmo tempo controlada, selecionada, organizada e redistribuída por um certo número de procedimentos que têm por função conjurar seus poderes e perigos, dominar seu acontecimento aleatório, esquivar sua pesada e temível materialidade. Logo, busco pensamentos. Êpa!! Mas o meu pensamento é fluido, mutável, inconstante. Amanhã recomeçarei a escrever essas páginas em branco, assim como novos

2 significados são (re)inscritos nos nossos corpos e nas nossas mentes. Dessas escrituras, monto um mapa ou os seus rabiscos de que somos corpos disciplinados, mas que vivemos a quebra cotidiana das normas. Em pleno horário nobre da televisão brasileira, passa uma cena de novela em que a menina rebelde agride e roga pragas a uma frágil grávida. O discurso moderno, apresentado pelo folhetim, afirma que esse corpo deve ser punido: desprezo, surra, perda trágica da mãe, etc. Depois o arrependimento: salvo um corpo anormal. Logo em seguida, uma mãe faz tudo pela felicidade da filha e esquece da sua própria felicidade. Depois, essa mesma mãe se desespera e luta pela vida da filha, mais uma vez é capaz de tudo por esse amor. Vem a recompensa: sua filha se cura e seu amor a perdoa. A felicidade plena. Nas subjetividades das telespectadoras e dos telespectadores circulam identidades normais e anormais. Depois de todo esse encaminhamento à normalidade, a novela cumpriu o seu projeto de disciplina e controle: ensinou o caminho de adequação à identidade essencial de ser mulher. Na construção das identidades entram em cena os vários interesses de ordem política e subjetiva. Pensar no eu e no outro é perceber interesses que emergem de discursos nada inocentes e de lugares sociais e culturais. Quando afirmo que o eu e o outro surgem da relação entre identidade e diferença, assumo um lugar construído historicamente a partir do jogo de poder e de saber. Classificar e nomear o outro é construir o meu lugar de superioridade diante da relação binária. Nesse jogo relacional, o eu e o outro se vêem a partir de um espelho invertido. Se sou rico, não sou pobre; se sou branco, não sou negro; se sou homem, não sou mulher; se sou mulher, não posso amar mulheres. Extrapolando esse sentido, se sou construída como um corpo fixo, não sou natural, sou um corpo marcado de significações, construções e nomeações. No discurso moderno, as identidades são construídas como um desenho rabiscado dia após dia, que se reveste de novos contornos e novas cores. Este desenho é reproduzido para os vários corpos, que se pretende que se fixem nessas molduras. Desta forma, para esse discurso, não há espaço para o diferente. Duschatzky e Skliar (2001, p. 124, grifos do autor) apontam: O outro diferente funciona como depósito de todos os males, como o portador das falhas sociais. Este tipo de pensamento supõe que a pobreza é do pobre; a violência, do violento; o problema de aprendizagem, do aluno; a deficiência, do deficiente; e a exclusão, do excluído. Sendo assim, o diferente agride, assusta e é justamente o que não queremos ser. Assim, desejamos o outro longe e controlado; num lugar reservado aos que não se enquadram ou que não podem ser incluídos no espaço dos que estão em concordância com o lugar da normalidade e do aceitável. Talvez seja até mais cômodo pensar que o meu eu é construído como um sujeito com caminhos prontos, em vez de uma identidade descentrada e em fluxo. Ficar na fronteira ou pular o muro do convencional causa mal-estar, pois na nossa sociedade o convencional é o normal. Ser o outro de um mundo que pretende enquadrar a todos é ser visto como o transgressor, o anormal, o imoral, etc. E ser um corpo feminino? Carregamos marcas, cicatrizes e pesos. Nos trilhos do pensamento ocidental e moderno, possuímos papéis bem definidos. Aos homens está reservado isso e às mulheres, aquilo. Entre o isso e o aquilo, as identidades são fixadas a lugares sociais e culturais. Aos homens não estão reservados apenas as glórias e uma liberdade plena. Estes também possuem seus papéis bem definidos: provedores, machos, viris, protetores,

3 trabalhadores, etc. Acho que também deve ser muito pesado para os homens ter que exercer seus papéis. Mas, a materialidade do discurso masculino é muito mais temível, pesado e sufocante para as mulheres: punição física e moral, adestramento contínuo, caminhos já bem definidos, etc. Quando nascemos, somos apenas corpos. A partir da constatação de que esse corpo é feminino ou masculino, constroem-se identidades distintas para cada sexo. São os nossos pais, os parentes, os vizinhos, ou seja, é a sociedade que vai nos moldando a partir do estigma de ter nascido com um pênis ou uma vagina. Afirma Louro (2004, p.20-21, grifos da autora): O argumento de que homens e mulheres são biologicamente distintos e que a relação entre ambos decorre dessa distinção, que é complementar e na qual cada um deve desempenhar um papel determinado secularmente, acaba por ter o caráter de argumento final, irrecorrível. Seja no âmbito do senso comum, seja revestido por uma linguagem científica, a distinção biológica, ou melhor, a distinção sexual, serve para compreender e justificar a desigualdade social. Porém, o tão aclamado e pretendido determinismo não é determinante na forma de viver, desejar, agir e sonhar. Esse se dá a partir do determinismo discursivo, ou seja, a partir da concepção de que menino é isso e menina é aquilo. As chamadas menina não brinca de carrinho e menino não brinca de boneca; menino não chora; lugar de menina é em casa; menino não usa rosa; etc. são mais aprisionantes do que se possa imaginar. Qual será o sentimento de uma menina ao se constatar que gosta de carrinhos e de um menino que gosta de bonecas? Nenhum, se não houvesse discursos e práticas que colocam gostos, sentimentos e atitudes no lugar da anormalidade e da marginalidade. Vamos crescendo e subjetivando que possuir um órgão sexual feminino ou masculino determina poderes e concessões. São muitas as exigências! Além de todas as cobranças e imposições de séculos, agora temos que nos adequar ao discurso da estética perfeita. O bombardeio de que devemos ser magras e jovens é constante e frustrante, pois cada corpo é uma anatomia. A mídia se encarrega muito bem de mostrar um padrão de beleza calcado na magreza, juventude, versatilidade, leveza, etc. Uma tripla jornada: casa, trabalho e academia. O ser feminino demanda muita disciplina!? Penso que a disciplina e o controle são molas-mestras na construção das identidades. Mas que essas não são únicas, totalizantes e homogêneas, pois possuímos uma pluralidade de identidades que se cruzam e até se chocam. As certezas de lugares bem definidos entre homens e mulheres são constantemente abaladas por outras formas de se vivenciar a sexualidade. Para essas certezas, as pessoas que gostam de pessoas do mesmo sexo concentram-se entre o ser e o não ser. Ficando na fronteira ou se deslocando do padrão, essas pessoas perturbam o que, para a maioria, está dado como natural. Essa é uma questão que daria uma nova pesquisa. Mas já tenho amigos Élson, Kyara e Walber, cada um com seu enfoque, que se encarregam dessa pesquisa. Os três se preocupam com os homens que gostam de homens. E as mulheres que gostam de mulheres? Vamos adiante! Chega a noite, a família se senta em torno da televisão e da Rede Globo: novela das cinco e meia, novela das seis, novela das sete e novela das nove momentos-auge de reunião

4 da família. Isso sem se falar nas minisséries de início de ano e nas novelas de outras emissoras. Às cinco e meia da tarde, um bando de adolescentes com hormônios em ebulição; as seis, mocinhas sonhadoras e príncipes encantados; às sete, muita confusão e a busca por dinheiro a qualquer custo; às nove, grandes dramas humanos esse horário tem que agradar gregos e troianos. Em todos os horários: paixões arrebatadoras, mocinhos e vilões, pessoas bonitas, ricas, talentosas e o seu oposto. Cada horário, um estilo de acordo com o perfil de seus telespectadores. Uma pergunta a vocês, leitores e leitoras: o que será que a novela tem que atrai e consegue capturar as pessoas? Pode até parecer exagero, mas muitas pessoas no dia-a-dia assistem a novelas, comentam os seus acontecimentos e até seguem determinados personagens. É um magnetismo surpreendente. Apenas argumentar que a televisão é a maior fonte de lazer não nos dá resposta alguma, pois há uma variação muito grande de programas na TV. Outras atrações poderiam ser eleitas a rainha da televisão brasileira. Para Douglas Kellner (2001, p. 303): As pessoas assistem com regularidade a certos programas e eventos; há fãs das várias séries e estrelas com um grau incrível de informação e conhecimento sobre o objeto de sua fascinação; as pessoas realmente modelam comportamentos, estilos e atitudes pelas imagens da televisão[...]. Talvez a paixão pela novela se concentre no espelho de identificação ou no sonho de viver as histórias. Logo, a novela ora se aproxima da realidade de cada um, ora se distancia. Mas esse distanciamento abre as portas para o imaginar e o sonhar. Uma pessoa pobre pode se imaginar no lugar de um personagem milionário, saudável, esbanjador e cheio de mulheres bonitas. Nesse exato momento, não há amarras ou barreiras para a imaginação. A ficcionalidade não apenas diverte o telespectador. Ela molda comportamentos e gostos. Quando estava passando Laços de Família, as mulheres passaram a usar brincos enormes e a pintar as unhas de cores escuras como a personagem Capitu. Os vários bordões das novelas são usados nas ruas, em casa, nas esquinas, na escola, etc. Tô certo ou tô errado? Roque Santeiro, Sinhozinho Malta, Não é brinquedo, não! O Clone, Dona Jura, Mistéeeeerio Tieta, Dona Milu, etc. foram alguns dos vários bordões repetidos por muita gente na época em que estavam passando as suas respectivas novelas. Um dos grandes problemas que encontramos é que a escola não acompanha o fluxo identitário nem o fluxo televisivo. Os alunos e as alunas vivem num mundo cercado de imagens e mensagens dos vários programas de TV, porém não encontram espaço na escola para problematizar os vários temas apresentados pela mídia. Segundo Corazza (2001, p. 90), a linguagem escolar é fechada e estável: [...] acredita que sua linguagem descreve a realidade, tal como a realidade realmente é ou numa variação religiosa, como o próprio Deus a conhece. Que ela mostra o mundo. Que ela é uma espécie de espelho, que revela o interior dos sujeitos, reproduzindo seus pensamentos e sentimentos; e que retrata suas condutas e relações, que se servem da linguagem para se objetivar e se transmitir. Portanto, o grande desafio na relação educação e televisão é pensar como trabalhar com uma gama variada de alunos e de alunas que estão constantemente sendo bombardeados pela mídia e as suas várias apelações discursivas. A escola moderna continua cerrada nos seus

5 próprios portões, projetos e concepções, impondo o que se deve discutir na escola e o que é bobagem, perda de tempo. A nossa escola continua trabalhando com um currículo que se apresenta multidisciplinar, mas não está atenta aos desejos e necessidades dos envolvidos no ensino e na aprendizagem. Nesse sentido, todo o conhecimento necessário para o encaminhamento intelectual e, futuramente, material das alunas e dos alunos obedece a uma lógica e uma ordem correta de acontecimento. O discurso da escola moderna contesta e problematiza os conteúdos, porém não historiciza o seu próprio conhecimento. Segundo o saber da mesma, o seu conhecimento já está numa ordem certa do discurso. Sendo assim, as subjetividades acerca das identidades são cada vez mais reforçadas e tidas como naturais. Para Corazza (2001), a linguagem da escola gagueja por não assumir outras linguagens, ou seja, está baseada em velhos cânones modernos, como sua crença na verdade. A linguagem binária, por excelência da escola moderna, subjetiva na mente dos seus alunos e das alunas as desigualdades e exclusões, sempre reforçando que há uma identidade superior e uma inferior. Com base numa suposta identidade única e homogênea, os corpos emoldurados por esse discurso vão se revestindo de ares contemporâneos, como no caso das identidades femininas de Laços de Família. O exemplo mais claro é o de Helena, uma mulher que é bem sucedida no emprego e vive várias paixões, mas está calcada no estereótipo da mãe exemplar. Porém, mesmo vendo que as identidades são construídas discursivamente no lastro das práticas sociais e culturais, vejo que estas são posicionais: vivem em fluxo. Fluxo é vida, é transgressão. A telenovela sendo produto e, ao mesmo tempo produtora cultural e social, reveste-se da sedução da sociedade de controle para propagar um discurso que se apresenta como emancipatório, mas que não libera e, sim, aprisiona. Entre o dito e o não dito das telenovelas, as teias da captura e da sedução vão se multiplicando e apresentando que as identidades são construídas no entrelaçamento da relação de poder/saber. Chego ao final deste capítulo da minha novela e não cumpro o que anunciei no quarto parágrafo desta não conclusão proferir um discurso aleatório. Mais uma vez afirmo: o discurso não parte de uma mera curiosidade, mas sim de intencionalidades. Sendo assim, na intenção de desvendar aquela velha resposta do meu professor de biologia da sexta série é porque é que escrevo este trabalho. Aquela resposta, que colocava as nossas práticas sociais e culturais num lugar de natural e essencial, trouxe-me inquietações de uma vida. O engraçado é que para os meus e as minhas colegas de classe, o inquietante e o imbecil eram a minha pergunta professor, por que o homem e não a mulher? Hoje a anormal da sala de aula responde: é porque foi construída. Referências Bibliográficas DUCHATZKY, Silvia; SKLIAR, Carlos. O nome dos outros. Narrando a alteridade na cultura e na educação. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos (org.). Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Tradução de Semínaris Gorini da Veiga. Belo Horizonte: Autêntica, p

6 CORAZZA, Sandra Mara. O que faz gaguejar a linguagem da escola. In: Linguagens, espaços e tempos no ensinar e aprender. Encontro Nacional de Prática de Ensino. 2 ed. Rio de Janeiro, p FOUCAULT, Michel. A Ordem do Discurso. Aula inaugural no Collége de France, pronunciada em 02 de Dezembro de Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. 10. ed. São Paulo: Loyola, KELLNER, Douglas. Televisão, propaganda e construção da identidade pós-moderna. In: A cultura da mídia estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Tradução de Ivone Castilho Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, Cap. 7, p LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Questões de gênero. Masculino e Feminino

Questões de gênero. Masculino e Feminino 36 Questões de gênero Masculino e Feminino Pepeu Gomes Composição: Baby Consuelo, Didi Gomes e Pepeu Gomes Ôu! Ôu! Ser um homem feminino Não fere o meu lado masculino Se Deus é menina e menino Sou Masculino

Leia mais

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade?

TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Maria de Fátima da Cunha. UEL/Londrina. Docente TEMAS TRANSVERSAIS DOS PCNs: o que ensinar sobre gênero e sexualidade? Para Tomaz Tadeu da Silva, as narrativas dos currículos podem, explícita ou implicitamente,

Leia mais

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006

Anais do VII Seminário Fazendo Gênero 28, 29 e 30 de 2006 Gênero e Sexualidade nas Práticas Escolares ST 07 Priscila Gomes Dornelles i PPGEdu/UFRGS Educação Física escolar - aulas separadas entre meninos e meninas - relações de gênero Distintos destinos : problematizando

Leia mais

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013

II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 II ENCONTRO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DA BAHIA A EDUCAÇÃO COMO MATRIZ DE TODAS AS RELAÇÕES HUMANAS E SOCIAIS SALVADOR, BA 2013 TEMÁTICA: EDUCAÇÃO, QUESTÃO DE GÊNERO E DIVERSIDADE EDUCAÇÃO

Leia mais

Entendendo o que é Gênero

Entendendo o que é Gênero Entendendo o que é Gênero Sandra Unbehaum 1 Vila de Nossa Senhora da Piedade, 03 de outubro de 2002 2. Cara Professora, Hoje acordei decidida a escrever-lhe esta carta, para pedir-lhe ajuda e trocar umas

Leia mais

Conversando com os pais

Conversando com os pais Conversando com os pais Motivos para falar sobre esse assunto, em casa, com os filhos 1. A criança mais informada, e de forma correta, terá mais chances de saber lidar com sua sexualidade e, no futuro,

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS

GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS GÊNERO E EDUCAÇÃO: DISCUTINDO A DOCILIZAÇÃO DOS CORPOS INFANTIS TAINARA GUIMARÃES ARAÚJO UNIVERSIDADE ESTADUAL DE SANTA CRUZ (UESC) Resumo A construção das identidades de gênero constitui todo um processo

Leia mais

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1

O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 O Valor Ideológico na Propaganda de Cerveja 1 Nathália Sene GARIERI/ Licenciada em História Aline Rafaela Portílio LEMES Aline Aparecida SILVA Samuel Douglas Farias COSTA RESUMO A propaganda ocupa um largo

Leia mais

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO

MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO MEMÓRIAS DE ADOLESCENTES: UM PROJETO DE ESCRITA COM ALUNOS DO 1º ANO DO ENSINO MÉDIO PATRÍCIA CAPPUCCIO DE RESENDE (FUNDAÇÃO DE ENSINO DE CONTAGEM), MARCELO GUIMARÃES BELGA (FUNEC - UNIDADE NOVO PROGRESSO),

Leia mais

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação

Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Mnemosine Vol.8, nº2, p. 331-336 (2012) Biografia Leituras rebeldes: a presença de Maria Helena Souza Patto na História da Psicologia e da Educação Marcelo de Abreu Maciel Roger Chartier é um historiador

Leia mais

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA

APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA APRENDENDO A SER MULHER COM A REVISTA NOVA ESCOLA Tatiana da Silva Silveira - IFSUL Angela Dillmann Nunes Bicca - IFSUL Resumo: Neste texto, desenvolvido sob a perspectiva dos Estudos Culturais de inspiração

Leia mais

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO?

EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? EDUCAÇÃO SEXUAL PARA PESSOAS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL LEVE: MEDO OU FALTA DE INFORMAÇÃO? Lilian Patricia de Oliveira Zanca lilianpatyoli@hotmail.com Regina Célia Pinheiro da Silva Orientadora UNITAU

Leia mais

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho

PROPOSTA PEDAGÓGICA. Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Elaborada por Ana Carolina Carvalho PROPOSTA PEDAGÓGICA Crianças do Brasil Suas histórias, seus brinquedos, seus sonhos elaborada por ANA CAROLINA CARVALHO livro de JOSÉ SANTOS ilustrações

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação.

PALAVRAS-CHAVE Gêneros discursivos. Gêneros sociais. Livro didático. Representação. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO (

Leia mais

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação.

Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO. Marlécio Maknamara. META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. Aula2 ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO META Conhecer aportes dos Estudos Culturais em sua conexão com a Educação. OBJETIVOS Ao fi nal desta aula, o aluno deverá: Reconhecer os Estudos Culturais como campo

Leia mais

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA

A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA A INCIVILIDADE EM SALA DE AULA Claudiane Lorini claudianelorini@hotmail.com Silvana Rodrigues da Silva madonalongati@hotmail.com Tânia Marli Peçanha de Brito taniam.brito@hotmail.com RESUMO: O ambiente

Leia mais

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres

O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Introdução O HOMEM DE VERDADE 1 : Olhando pelas lentes pelas quais vêem as mulheres Sonia de Alcantara IFRJ/UGB sonia.alcantara@ifrj.edu.br Letícia Mendes Pereira, Lohanna Giovanna Gonçalves da Silva,

Leia mais

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar

Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar Juliana Keller Nogueira, Delton Aparecido Felipe, Teresa Kazuko Teruya (UEM) Educação escolar, formação de

Leia mais

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993)

Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Homens eróticos em prova: representações masculinas na revista Veja (1992-1993) Jessica Caroline Zanella* 1 Luciana Rosar Fornazari Klanovicz** 2 Resumo: As telenovelas tem um importante papel na cultura

Leia mais

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO

SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO SEMANA 3 A CONTRIBUIÇAO DOS ESTUDOS DE GÊNERO Autor (unidade 1 e 2): Prof. Dr. Emerson Izidoro dos Santos Colaboração: Paula Teixeira Araujo, Bernardo Gonzalez Cepeda Alvarez, Lívia Sousa Anjos Objetivos:

Leia mais

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA

OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA OS PADRÕES NORMATIVOS DE GÊNERO E SEXUALIDADE: UMA ANÁLISE A PARTIR DO FILME A BELA E A FERA Geane Apolinário Oliveira UEPB Geane-cg@hotmail.com Introdução O presente artigo tem por objetivo enfatizar

Leia mais

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL

DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL DOS ESTUDOS DE GÊNERO ÀS TEORIAS QUEER: DESDOBRAMENTOS DO FEMINISMO E DO MOVIMENTO LGBT NA PSICOLOGIA SOCIAL Profª Drª Juliana Perucchi Universidade Federal de Juiz de Fora Desde os primeiros estudos que

Leia mais

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR

OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR OS RECURSOS AUDIOVISUAIS NO ESPAÇO ESCOLAR Fundação Universidade Federal do Tocantins Maria Jose de Pinho mjpgon@mail.uft.edu.br Professora orientadora do PIBIC pedagogia Edieide Rodrigues Araújo Acadêmica

Leia mais

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix

IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix IDENTIDADE Equipe docente da disciplina Ser Humano em relações Centro Universitário Metodista Izabela Hendrix Traduzir- se (FERREIRA GULLAR) é todo mundo: outra parte é ninguém: fundo sem fundo. é multidão:

Leia mais

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante?

Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? São Paulo, Ano II, n. 04, jan./abr. de 2015 Como o cinema nacional pode ser socialmente relevante e interessante? Sobre a representação multicultural de personagens em obras audiovisuais educativas Autor:

Leia mais

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea

Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade contemporânea Fazendo Gênero 8 - Corpo, Violência e Poder Florianópolis, de 25 a 28 de agosto de 2008 Porque o homem não muda. Evolui. Um estudo sobre a relação entre masculinidade, paternidade e publicidade na sociedade

Leia mais

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA

A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A REAÇÃO DO JOVEM MARINGAENSE FRENTE ÀS PROPAGANDAS QUE INCENTIVAM A PRÁTICA ESPORTIVA ATRAVÉS DA MÍDIA Ivania Skura 1, Julia Cristina Paixão 2, Joaquim

Leia mais

O Ato de Brincar e as Relações de Gênero Aspectos de um Projeto de Extensão

O Ato de Brincar e as Relações de Gênero Aspectos de um Projeto de Extensão O Ato de Brincar e as Relações de Gênero Aspectos de um Projeto de Extensão Marina Aparecida Marques Castanheira, 6 módulo Licenciatura em Química UFLA, marinacquimica@yahoo.com.br, Alessandro Garcia Paulino,

Leia mais

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente

Você Dona do Seu Tempo Editora Gente INTRODUÇÃO Basta ficar atento ao noticiário para ver que o assunto mais citado nos últimos tempos varia entre os temas de estresse, equilíbrio e falta de tempo. A Qualidade de Vida está em moda no mundo

Leia mais

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO.

UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. UNIDADE I OS PRIMEIROS PASSOS PARA O SURGIMENTO DO PENSAMENTO FILOSÓFICO. PARTE 1 O QUE É FILOSOFIA? não é possível aprender qualquer filosofia; só é possível aprender a filosofar. Kant Toda às vezes que

Leia mais

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior

Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior Exercícios para estabelecer o contato com a nossa criança interior C omo este é o mês das crianças, decidi propor para aqueles que estão em busca de autoconhecimento, alguns exercícios que ajudam a entrar

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar...

Pedagogia. No painel desta aula. Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos. Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Pedagogia Prof. Elizabete Cristina Costa Renders Cotidiano escolar: problemas pedagógicos contemporâneos Imagem 1 No painel desta aula Colocam-se, transversalmente, no cotidiano escolar... Complexidade

Leia mais

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO

O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO O IMPACTO DA MÍDIA TELEVISIVA NA CULTURA DO CONSUMO E NA FORMAÇÃO INTELECTUAL DO SER HUMANO JUSTINO, Yagda Aparecida de Campos Acadêmica do Curso de Psicologia da Faculdade de Ciências da Saúde FASU Garça/SP

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS.

É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS. É DE MENINO, DE MENINA OU DE QUEM QUISER? ARTE E DIÁLOGOS ENTRE CRIANÇAS. Poliane Lacerda Fonseca 1 Ainda hoje estudos sobre identidades de gênero na infância são escassos. Entretanto, se desde essa etapa

Leia mais

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE E NO COMPORTAMENTO DOS INDIVÍDUOS

A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE E NO COMPORTAMENTO DOS INDIVÍDUOS A INFLUÊNCIA DA COMUNICAÇÃO DE MASSA NO DESENVOLVIMENTO DA PERSONALIDADE E NO COMPORTAMENTO DOS INDIVÍDUOS Introdução O ser humano vive em processo de constante interação com os seus semelhantes e, nesse

Leia mais

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos

Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Dicas para você trabalhar o livro Menino brinca de boneca? com seus alunos Caro professor, Este link do site foi elaborado especialmente para você, com o objetivo de lhe dar dicas importantes para o seu

Leia mais

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com

5Passos fundamentais. Conseguir realizar todos os seus SONHOS. para. Autora: Ana Rosa. www.novavitacoaching.com 5Passos fundamentais para Conseguir realizar todos os seus SONHOS Autora: Ana Rosa www.novavitacoaching.com O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos! Eleanor Roosevelt CONSIDERA

Leia mais

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que

ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1. O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que 1 ANÁLISE LITERÁRIA: OS ESTEREÓTIPOS DE BELEZA EM SHREK 1 Luciara dos Santos (UFS) I. ENREDO O conto narra a estória de Shrek, um ogro que vive sozinho em um pântano, mas que logo tem sua tranqüilidade

Leia mais

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP

AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP AMOR É ASSUNTO DE MULHER : RELAÇÃO DE GÊNERO E EMOÇÕES EM LETRAS DE RAP Sandra Mara Pereira dos Santos soul_mara@yahoo.com.br PPGCSo-UNESP Doutoranda Analiso que na questão de gênero no rap nacional existe

Leia mais

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS...

REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS... REPRESENTAÇÕES CULTURAIS DE SEXUALIDADE: CONSTRUÇÃO, ESSÊNCIA, HETERONORMATIVIDADE, ATO SEXUAL, SENTIMENTOS... RIBEIRO,PAULA REGINA COSTA;SOARES,GUIOMAR FREITAS;SOARES,BRANCA ESLER DE SOUZA; SEVERO,DEISE

Leia mais

O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados.

O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. 1 O Dep. Pastor Frankembergen pronuncia o seguinte discurso: O poder da mídia Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. Hoje estou aqui para, mais uma vez, alertar sobre o mal que a televisão pode

Leia mais

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1

ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 ESTUDAR TUDO PARA QUÊ, SE OS PROFESSORES NÃO LEVAM TUDO EM CONSIDERAÇÃO? Cipriano Carlos Luckesi 1 Recentemente, na oportunidade de uma conferência na cidade do Rio de Janeiro, abordando o tema de uma

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

Autogestão Autonomia E Inclusão social

Autogestão Autonomia E Inclusão social Autogestão Autonomia E Inclusão social Moira Sampaio Rocha moyrahelmer@hotmail.com Terapeuta Ocupacional Especialista em Educação Especial Inclusiva Especializanda em Tecnologia Assistiva A pessoa com

Leia mais

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens

Referências. mudam e impactam a construção de valores para os jovens Referências FOTO: MARCELO VIRIDIANO mudam e impactam a construção de valores para os jovens DOCENTES DO INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS (ICH) DA UFJF RESSALTAM QUE DISCURSOS SOCIAIS TENDEM A ESTEREOTIPAR

Leia mais

Terra de Gigantes 1 APRESENTAÇÃO

Terra de Gigantes 1 APRESENTAÇÃO Terra de Gigantes Juliana de MOTA 1 Alexandre BORGES Carolina de STÉFANI Emilia PICINATO João Paulo OGAWA Luara PEIXOTO Marco Antônio ESCRIVÃO Murilo ALVES Natália MIGUEL Orientado pelos docentes: João

Leia mais

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO

A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO A MÍDIA E A ILUSÃO DO TÃO DESEJADO CORPO PERFEITO 2013 Sabrine Schmitt Psicóloga. Graduada na Universidade Católica de Petrópolis em 2010. Coordenadora do Espaço Liberté, atuando com atendimentos clínicos,

Leia mais

GÊNERO E EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA

GÊNERO E EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA GÊNERO E EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA Profa. Carolina Faria Alvarenga Departamento de Ciências Humanas Universidade Federal de Lavras MOVIMENTO FEMINISTA: UM POUCO DE HISTÓRIA Primeira onda: final

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX

O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX O USO DA IMAGEM NAS AULAS DE HISTÓRIA: AS PINTURAS DO SÉCULO XIX Ricardo Barros Aluno do curso de Pós graduação (mestrado) da Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo Sendo as coisas que pensamos

Leia mais

capítulo i Perfis...21 capítulo ii Da Rússia a Maceió e Recife... 27

capítulo i Perfis...21 capítulo ii Da Rússia a Maceió e Recife... 27 Sumário Agradecimentos...13 Nota...15 Apresentação........................................................19 capítulo i Perfis...21 capítulo ii Da Rússia a Maceió e Recife... 27 A família reunida Os caminhos

Leia mais

A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ

A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ A LEITURA DO MUNDO DE ANALICE UMA LEITURA AQUÉM E ALÉM DAS PALAVRAS Maria Clara da Gama Cabral Coutinho UERJ Brejo de Areias, Paraíba Com 7 anos de idade eu entrei a primeira vez na escola. A minha professora

Leia mais

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição)

Apropriação da Leitura e da Escrita. Elvira Souza Lima. (transcrição) Apropriação da Leitura e da Escrita Elvira Souza Lima (transcrição) Nós estamos num momento de estatísticas não muito boas sobre a alfabetização no Brasil. Mas nós temos que pensar historicamente. Um fato

Leia mais

A representação geométrica na relação entre matemática e arte: um estudo nas obras de pintores catarinenses

A representação geométrica na relação entre matemática e arte: um estudo nas obras de pintores catarinenses A representação geométrica na relação entre matemática e arte: um estudo nas obras de pintores catarinenses Hellen da Silva Zago 1 Orientadora: Profª. Drª. Claudia Regina Flores RESUMO O presente artigo

Leia mais

Relação da matemática e o exercício da cidadania

Relação da matemática e o exercício da cidadania Relação da matemática e o exercício da cidadania Mauro José dos Santos Flóra UNIGRANRIO: Mestrado Profissional em Ensino de Ciências e Matemática na Educação Básica Brasil mauroflora@gmail.com Jurema Rosa

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais)

Tempo para tudo. (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Tempo para tudo (há tempo para todas as coisas por isso eu preciso ouvir meus pais) Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da

Leia mais

PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1

PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1 PRÁTICA DOCENTE E TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO: A TV NA SALA DE AULA 1 Autora: Maria Thaís de Oliveira Batista Graduanda do Curso de Pedagogia Unidade Acadêmica de Educação/CFP/UFCG Email: taholiveira.thais@gmail.com

Leia mais

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências

Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências boletim Jovem de Futuro ed. 04-13 de dezembro de 2013 Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013: conexões e troca de experiências O Encontro Nacional Jovem de Futuro 2013 aconteceu de 26 a 28 de novembro.

Leia mais

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas?????

Onde você vai encontrar as suas futuras iniciadas????? Há 16 anos quando entrou na MK, a consagrada Diretora Nacional, Gloria Mayfield, não sabia como chegar ao topo, hoje ela dá o seguinte conselho. As lições que eu aprendi na Mary Kay para me tornar uma

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO

AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO AS CRIANÇAS E SUAS NARRATIVAS AUDIOVISUAIS: UMA PESQUISA EM PROCESSO Renata Gazé UNIRIO Resumo Hoje muitas crianças convivem com narrativas audiovisuais na tv, no cinema e na Internet. Como se relacionam

Leia mais

RPG E HISTÓRIA: EXPERIÊNCIAS E PROJETOS

RPG E HISTÓRIA: EXPERIÊNCIAS E PROJETOS RPG E HISTÓRIA: EXPERIÊNCIAS E PROJETOS Isamarc Gonçalves Lôbo i A educação brasileira vem sofrendo modificações significativas nesses últimos anos. A Nova Lei de Diretrizes e Base da Educação, junto com

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação

1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação 1 1ª. Apostila de Filosofia O que é Filosofia? Para que a Filosofia? A atitude filosófica. Apresentação O objetivo principal de Introdução Filosofia é despertar no aluno a percepção que a análise, reflexão

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2010

PROJETO DE LEI N o, DE 2010 PROJETO DE LEI N o, DE 2010 (Do Sr. Wladimir Costa) Obriga que imagens utilizadas em peças publicitárias ou publicadas em veículos de comunicação, que tenham sido modificadas com o intuito de alterar características

Leia mais

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR

RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR RELAÇÕES ÉTNICO/RACIAIS: PERCEPÇÕES DOCENTES SOBRE SUA (NÃO)PRESENÇA NO CURRÍCULO ESCOLAR Evelyn Santos Pereira Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Luterana do Brasil e Secretaria de Educação,

Leia mais

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com

PDF created with pdffactory Pro trial version www.pdffactory.com Tema:Humor Você vai ler a seguir um fragmento da peça teatral Lua nua, de Leilah Assunção, que foi encenada em várias cidades do país entre 1986 e 1989, sempre com grande sucesso de público e de crítica.

Leia mais

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE

COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE COMO AVALIAR O TEXTO LITERÁRIO CRITÉRIOS DE ANÁLISE Literatura Infantil aspectos a serem desenvolvidos A natureza da Literatura Infanto-Juvenil está na Literatura e esta é uma manifestação artística. Assim,

Leia mais

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1

Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Jogo, imagem e tecnologia possibilidades de ludicidade 1 Lynn Alves 2 A presença dos jogos na história da humanidade tem início com a própria evolução do homem, antes até de serem estabelecidas normas

Leia mais

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1

FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 FOTONOVELA E SUAS REPRESENTAÇÕES SOCIAIS 1 Francisco José da Silva ROCHA Filho 2 Nathalia Aparecida Aires da SILVA 3 Sebastião Faustino PEREIRA Filho 4 Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal,

Leia mais

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva

Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Comunicação Espiritual J. C. P. Novembro de 2009 Marlon (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma comunicação pessoal de um amigo do grupo

Leia mais

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para

No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado. alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para QUAL NEGÓCIO DEVO COMEÇAR? No E-book anterior 5 PASSOS PARA MUDAR SUA HISTÓRIA, foi passado alguns exercícios onde é realizada uma análise da sua situação atual para então definir seus objetivos e sonhos.

Leia mais

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA

OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA OFICINA DE MEMÓRIA: UMA INTERVENÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA Rita de Cássia Mendonça Psicóloga TRT 21ª Região Natal/RN A memória vincula-se às experiências e não a meros acontecimentos, tomando experiências

Leia mais

CINE TEXTOS DUAS MULHERES

CINE TEXTOS DUAS MULHERES 1 CINE TEXTOS ```````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````````` Informação reunida e trabalhada para apoio à exibição

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR

PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR PERFIL PROFISSIONAL DE PROFESSORAS DE EDUCAÇÃO INFANTIL ALUNAS DA PEDAGOGIA/PARFOR Tânia Aparecida Rodrigues de Oliveira Faculdade de Educação CCHSA tania.aro@puccampinas.edu.br Profa. Dra. Heloisa Helena

Leia mais

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS.

A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. A EDUCAÇÃO SEXUAL NA PRIMEIRA INFÂNCIA: FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE EDUCAÇÃO INFANTIL EM UMA PROPOSTA DE RESPEITO ÀS DIFERENÇAS. Michele Ignacio Pires Orientadora: Profª Drª Aura Helena Ramos

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar?

Como a educação integral vem sendo pensada nas escolas? Como ela está sendo feita? Por que é tão difícil consolidá-la no contexto da prática escolar? ORGANIZAÇÃO CURRICULAR E AS DIFERENÇAS NA ESCOLA NA PERSPECTIVA DA EDUCAÇÃO INTEGRAL Rosângela Machado Secretaria Municipal de Educação de Florianópolis A palestra intitulada Organização Curricular e as

Leia mais

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br

Palestra Virtual. Promovida pelo IRC-Espiritismo http://www.irc-espiritismo.org.br Palestra Virtual Promovida pelo http://www.irc-espiritismo.org.br Tema: Mediunidade (Consciência, Desenvolvimento e Educação) Palestrante: Vania de Sá Earp Rio de Janeiro 16/06/2000 Organizadores da palestra:

Leia mais

Na sala de aula com as crianças

Na sala de aula com as crianças O CD Rubem Alves Novas Estórias, volume 3, abre novas janelas de oportunidade para quem gosta da literatura. Através do audiolivro podemos apreciar encantadoras histórias e deixar fluir a imaginação. Rubem

Leia mais

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015

DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 DISCURSO PROFERIDO PELO NOBRE DEPUTADO HELIO DE SOUSA, EM CARÁTER EXCEPCIONAL, NO DIA 08 DE OUTUBRO DE 2015 Senhores Deputados, meu pronunciamento é em caráter excepcional. Eu tenho uma história de vida

Leia mais

Projeto Conto de Fadas

Projeto Conto de Fadas Projeto Conto de Fadas 1. Título: Tudo ao contrário 2. Dados de identificação: Nome da Escola: Escola Municipal Santo Antônio Diretora: Ceriana Dall Mollin Tesch Coordenadora do Projeto: Mônica Sirtoli

Leia mais

O SUJEITO EM FOUCAULT

O SUJEITO EM FOUCAULT O SUJEITO EM FOUCAULT Maria Fernanda Guita Murad Foucault é bastante contundente ao afirmar que é contrário à ideia de se fazer previamente uma teoria do sujeito, uma teoria a priori do sujeito, como se

Leia mais

RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL

RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL RELAÇÕES ENTRE GÊNERO E LETRAMENTO NOS CURSOS DE LICENCIATURA EM LETRAS E PEDAGOGIA: UMA PROBLEMATIZAÇÃO INICIAL Resumo Este texto apresenta parte das reflexões realizadas em uma pesquisa de mestrado em

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder

Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Os ritos de iniciação: Identidades femininas e masculinas e estruturas de poder Por Conceição Osório Este texto foi apresentado num encontro que teve lugar em Maputo, em 2015, com parceiros da CAFOD (agência

Leia mais

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero

A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero A discussão da igualdade nas relações de gênero pelo curso de serviço social através do projeto de extensão unigênero Michelle Rabelo de Souza * Mirella Cristina Xavier Gomes da Silva Lauschner Resumo:

Leia mais

Prática de Leitura e Escrita

Prática de Leitura e Escrita Prática de Leitura e Escrita Oficina de Fotonovela 1 (material do aluno) 7 a e 8 a séries do Ensino Fundamental Oficina de Fotonovela Todos nós gostamos de contar histórias: de narrar acontecimentos vividos

Leia mais

Subjetividade, afetividade, mídia 1

Subjetividade, afetividade, mídia 1 Subjetividade, afetividade, mídia 1 Edneuza Alves Universidade Católica de Brasília Nesta comunicação, analiso e discuto o relacionamento afetivo do homem moderno através da mídia, tomando como recorte

Leia mais

Poder: Jornal Fortuna

Poder: Jornal Fortuna Aqui você enriquece sua leitura Jornal Fortuna Volume 1, edição 1 Data do boletim informativo Nesta edição: Poder: Há vários tipos de poder, poder militar, poder da natureza, poder político, o poder da

Leia mais

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia

Mestranda em História pela Universidade Federal de Uberlândia Diversidade, ensino de História e as práticas educativas na Educação Básica: uma abordagem histórica. ROSYANE DE OLIVEIRA ABREU A escola pública brasileira enfrenta hoje grandes desafios. A começar pela

Leia mais

Quando for grande... QUERO SER PAI!

Quando for grande... QUERO SER PAI! Quando for grande... QUERO SER PAI! Ficha Técnica Autora Susana Teles Margarido Título Quando for grande...quero SER PAI! Ilustrações Joana Dias Paginação/Design Ana do Rego Oliveira Revisão Brites Araújo

Leia mais

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR

SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR SENTIDOS E POSSIBILIDADES DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR Rafaella Oliveira SILVA; Ananda Luiza Bezerra DESTRO; Cecilia Yade Nogueira ALVES; Marlini Dorneles de LIMA. FEF litlle_rafaella@hotmail.com Palavras-chaves:

Leia mais

ÍNDICE. Introdução...3. Como escolher sapatos infantis?...4. Como escolher sapatos femininos?...5. Como escolher sapatos masculinos?...

ÍNDICE. Introdução...3. Como escolher sapatos infantis?...4. Como escolher sapatos femininos?...5. Como escolher sapatos masculinos?... 1 ÍNDICE Introdução...3 Como escolher sapatos infantis?...4 Como escolher sapatos femininos?...5 Como escolher sapatos masculinos?...8 Conclusão... 10 Sobre a Agittus... 11 Introdução A vida corrida que

Leia mais