TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX"

Transcrição

1 TRABALHO SOBRE TIPOS DE ARQUIVOS PARA LINUX FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Devemos considerar que este trabalho aplica-se a todas as distribuições de Linux já que os tipos de arquivos são comuns a todos. Docente Responsável: André Luiz Silva de Moraes Aluno: Leonardo Pinto Martins Turma de 1º Semestre Noite do Curso Superior em Redes de Computadores

2 Sumário 1 Tipos de arquivos do Linux Características dos arquivos no Linux Arquivos Diretório A estrada ou caminho Estrutura Sistema de arquivos Linux Licenças em arquivos e diretórios Permissões de Arquivos Permissões de notação numérica Aquivos especiais Dispositivos de bloco Referencias Bibliográficas...15 Pag. 2

3 1 Tipos de arquivos do Linux Em sistemas Linux, encontramos diversos tipos de arquivos, geralmente identificados por suas terminações: Arquivos compactados com o programa compress.z Arquivos criados com o comando `tar' (tape archive).tar Arquivos compactados com o programa gzip.gz Arquivos criados com o comando `tar' e compactados com o programa `gzip'.tgz Arquivos texto.txt Arquivos html.html/.htm Arquivos PostScript.ps Arquivos de áudio.au/.wav Arquivos de imagens.xpm/.jpg/.gif/.png Arquivos de Distribuição de Software (Red Hat Package Manager).rpm Arquivos de configuração.conf Código fonte de programas C.c Arquivos de Cabeçalho.h Código Objeto.o Programas Perl.pl Programas TCL.tcl Código Compartilhado.so Esta é a convenção, que nem sempre é usada. Pode-se perfeitamente criar um arquivo texto que não tenha a terminação.txt. O comando `file' nos permite identificar a que categoria um arquivo pertence. Vejamos alguns exemplos: $ file /etc/passwd n* /etc/passwd: ASCII text networks: empty nscd.conf: ASCII text nsswitch.conf: English text ntp: directory ntp.conf: English text O comando `file' baseia suas decisões consultando o arquivo `/usr/share/magic', onde estão registradas as características dos principais tipos de arquivos do sistema. Pag. 3

4 2 Características dos arquivos no Linux 2.1 Arquivos Todas as informações, seja texto, imagens ou informações para a configuração do sistema é armazenado em "arquivos", que por sua vez, são guardadas em "listas". Os arquivos são a estrutura utilizada pelo sistema operacional para armazenar informações em um dispositivo físico, como um disco rígido, disquete, um CD-ROM. Com todas as ferramentas e programas podem acessar esses arquivos para ler ou modificar seu conteúdo. A base do sistema de arquivos Linux é, obviamente, o arquivo ou arquivos. Todos os arquivos do Linux tem um nome, que deve obedecer algumas regras: Um nome de arquivo pode ter entre 1 e 255 caracteres. Você pode usar qualquer caractere, exceto a barra (/). Não é aconselhável usar os seguintes caracteres: = \ ~ ^ '"' * -?] [[[Ovo]]! & ~ <>, Pois estes têm um significado especial em Linux. Nota: Para usar arquivos com esses caracteres ou espaços devem entrar no nome do arquivo entre aspas. Os números podem ser utilizados exclusivamente, se desejar. As letras maiúsculas e minúsculas são consideradas diferentes e, portanto, não é o mesmo que carta.txt carta.txt ou carta.txt. Você pode usar um critério de "extensão do tipo" () para marcar os diferentes tipos de arquivos utilizando uma variedade de personagens no final do nome do arquivo indicando o tipo de pergunta. Assim, arquivos de texto, HTML, PNG ou imagens JPEG têm a extensão. Txt. Htm (ou. HTML). Png e. Jpg (ou. Jpeg), respectivamente. Apesar desta Linux apenas distingue três tipos de arquivos: Ou ficheiros comuns: São aqueles mencionados acima. Diretórios (ou pastas): É um arquivo especial que inclui outros arquivos de uma forma estruturada. Arquivos especiais: Eles são a base sobre a qual se baseia o Linux, já que representam os dispositivos conectados a um computador, como uma impressora. Desta forma você insere informações no arquivo que é equivalente ao envio de informações para a impressora. Para os usuários desses dispositivos tem a mesma aparência e usar arquivos comuns. Pag. 4

5 2.2 Diretório. Um diretório é um conjunto de arquivos, que por sua vez pode conter outros diretórios. Diretórios também têm permissões e isso é muito importante para evitar que usuários inexperientes, excluir ou modificar algo que não deveria. A árvore de diretórios nos ajuda a saber onde um arquivo. Ao contrário dos sistemas MS-DOS/Windows, sistemas UNIX não dividir os diretórios entre diferentes unidades físicas (C:, D:, etc.) Pelo contrário, todos são arquivos e diretórios UNIX. Ele considerou um disco rígido ou uma unidade de disquete como diretórios. Portanto, não faz sentido escrever para o console "C:", mas vamos para o diretório associado à partição. Todos os arquivos e diretórios em um sistema UNIX pendurar um diretório chamado "root", que é representado como "/". O diretório raiz é a base para a árvore de diretórios, que é onde contém todos os diretórios do sistema. Quando o usuário entra em uma sessão, Linux "empurrado" para que seu diretório de trabalho, que é o seu diretório home (/ home / username). Quando o usuário tem total liberdade para fazer o que quiser com seus arquivos e pastas localizadas. Mas você não pode fazer tudo o que quiser no diretório de outro usuário, porque o Linux tem um sistema de licenciamento que concede ou restringe as liberdades de diretórios e arquivos no Linux. Embora exista um usuário root, que tem permissão para fazer qualquer coisa em Linux. 2.3 A estrada ou caminho Em qualquer estrutura moderna arquivo do sistema operacional é hierárquico e depende dos diretórios. Em geral, a estrutura do sistema de arquivos se assemelha a uma estrutura de árvore, cada nó sendo composto de um diretório ou pasta que contém arquivos ou outros diretórios. A estrada ou caminho de um arquivo ou diretório é a sequência de diretórios a ser feito para acessar um determinado arquivo, separados por /. Suponha que a estrutura do arquivo na figura a seguir: Pag. 5

6 Existem duas formas de caminho ou estrada: * O caminho absoluto que todo o caminho para um arquivo, / home / luis carta.txt /. * O caminho relativo a um diretório, por exemplo, se eles estão no diretório / home, o caminho relativo para o arquivo é carta.txt luis / carta.txt Para complicar ainda mais, cada pasta contém dois diretórios especiais: * O diretório atual, representado pelo ponto (.) * O diretório pai, representado por dois pontos (..) Enquanto no diretório / home / Pedro carta.txt podem ser acessados com / home / luis / carta.txt caminho (absoluto) ou.. / luis / carta.txt (caminho relativo). Em luis como. / Carta.txt ou simplesmente carta.txt 3 Estrutura 3.1 Sistema de arquivos Linux O sistema de arquivos é um conjunto de arquivos que são organizados em uma árvore, como observa na figura a seguir. Figura 3 Pag. 6

7 / Boot: Este diretório contém as informações necessárias para o nosso sistema para inicializar o GNU / Linux. Entre os outros arquivos, aqui estão os núcleos que podem ser iniciados (normalmente estes são os arquivos com um nome como vmlinuz-xyz). / Etc: Este diretório contém todos os arquivos de configuração do nosso sistema GNU / Linux (como o arquivo passwd que contém uma lista de nomes de usuário e senhas, ou o arquivo fstab, que contém uma lista de pontos que montadas as várias partições e sistemas de arquivos que eles usam). O arquivo / etc Esse diretório tem vários subdiretórios que são usados para a configuração de certos componentes de nosso sistema: / Etc / opt: Contém arquivos de configuração para o software instalado em / opt. Cada pacote de software terá seu subdiretório correspondente do arquivo / etc / opt. / Etc/X11: Contém arquivos de configuração do ambiente X Window gráfica. Entre outras coisas, contém gerenciadores de janelas e desktops início dos gráficos diferentes. Este diretório é opcional. / Etc / sgml: Contém arquivos de configuração para SGML e XML. Este diretório é opcional. / Etc / ske: arquivos de configuração básica são copiados para o diretório do usuário quando você cria um novo. / Etc / fstab: Contém informações sobre as partições de disco diferente ou dispositivos podem ser montados em qualquer momento. / Etc / passwd: Contém informações sobre usuários, como nome de login e outras informações que o administrador deseja adicionar. / Etc / shadow: Armazena a senha de forma criptografada e as datas de vencimento da mesma. / Etc / services: Quadro em que descrevem os serviços que os usuários tenham acesso e que as portas estão funcionando. / Etc / xinetd. D: Arquivo para configurar os demônios. / Etc / rc.d / init.d contém informações para inicializar os demônios. / Etc / Armazena informações hosts.deny para configurar as permissões sobre os serviços que ela oferece. / Etc / hosts.allow / informação também permite configurar os serviços que ela oferece. / Bin contém programas executáveis (também chamado de binário), que fazem parte do sistema operacional GNU / Linux. Estes comandos podem ser usados por qualquer usuário e são relativos ao console. / Sbin contém programas executáveis (também chamado binário) que fazem parte do sistema operacional GNU / Linux. Estes comandos são em sistemas de arquivos, partições e boot, e só pode ser usada pelo administrador. / Lib contém as bibliotecas (ou bibliotecas) do sistema que são necessárias durante o start-up. Essas bibliotecas são semelhantes aos arquivos DLL do Windows. Sua vantagem é que é necessário para integrar seu código em programas que usam, porque quando um programa precisa de algumas de suas funções, a biblioteca é carregada na memória e pode ser usado por qualquer outro programa que precisa, sem recarga na memória. A sub-directoria especial é / lib / modules, que contém os módulos do kernel (normalmente cerca de drivers de dispositivo) que são carregados apenas se terá de usar um dispositivo especial, que você não permanentemente ocupar memória. / Mnt Este diretório é típico da RedHat, mas não podem estar presentes em outras distribuições. Sua missão é reunir em um só lugar os pontos de montagem de várias partições externas, tais como: CD-ROM, DVD, disquetes, discos ZIP, partições MS-Windows e outros sistemas operacionais, etc Este diretório contém um subdiretório adicional para cada uma dessas partições (como / mnt / cdrom / mnt / win_c, / mnt / floppy ou / mnt / zip). Se concordar com estes subdiretórios que realmente acessar essas partições. Pag. 7

8 / Usr Seu nome vem de utilizador (usuário) e, como tal, contém uma réplica de outros diretórios em nosso sistema GNU / Linux orientada para o utilizador, em vez de o próprio sistema. Este diretório pode ser compartilhado em uma rede local, mas o seu conteúdo é estático. / Opt contém pacotes de software adicionais, como o KDE ou GNOME. Algumas distribuições não usá-lo. / Var Seu nome vem do variável, e essa é a natureza da informação contida em seus subdiretórios e arquivos, e filas de impressão (em / var / spool / lpd), que ainda não tenha sido recolhida (em / var / spool / mail) ou correio (em / var / spool / mqueue), ou arquivos de log criados por diferentes processos de nosso sistema (em / var / log). / Tmp Este diretório contém vários arquivos temporários que são usados por vários programas no nosso sistema. / Dev Contém arquivos de dispositivos que permitem a comunicação com os vários componentes de hardware que temos instalado no nosso sistema. Entre os vários dispositivos que podem encontrar aqui os discos rígidos (como o / dev / hda ou / dev / sda), as partições do disco rígido (como / dev/hda1 ou / dev/hda4), a CD -ROM drives (como / dev/scd0) e links para qualquer tipo de CD-ROM (como / dev / cdrom), unidades de disquete (como / dev/fd0), impressoras (como / dev/lp0) portas seriais (como / dev/ttys0 ou / dev/cua0), o PS / 2 (/ dev / psaux) e placas de som (como / dev / audio). Sistema de arquivos / proc contém os arquivos do processo. Eles não são arquivos real, mas uma maneira de acessar as propriedades dos vários processos que estão rodando no seu sistema. Para cada processo em vigor há um subdiretório / proc / proceso> <port com informações sobre ele. / Root Este é o diretório raiz do usuário ou do root. Ele contém basicamente as mesmas informações que os diretórios de usuários individuais do sistema, mas dirigido exclusivamente pela raiz. / Diretórios Home residir aqui a vários usuários do sistema, exceto a raiz, que está no diretório especial / root. Este diretório é opcional, apesar de presentes em quase todas as distribuições. Em GNU / Linux, cada usuário tem seu próprio diretório onde você pode salvar os documentos criados por ele com vários programas. Este diretório pode ser de acesso exclusivo para cada usuário, de modo que ninguém pode entrar e ver o conteúdo dos arquivos nela (embora isso depende do nível de segurança selecionado durante a instalação do sistema como padrão frequentemente do que os outros usuários podem entrar e visualizar o conteúdo de alguns arquivos e subpastas, mas não modificar). Os diretórios estão localizados em / home / <username>. O usuário root tem permissões suficientes para acessar os diretórios home de outros usuários. O diretório / usr Este diretório contém vários subdiretórios: / Usr / bin contém quase todos os comandos de um usuário pode precisar. / Usr / include contém os arquivos de cabeçalho usados por programas escritos em C. / Usr / lib contém as bibliotecas do usuário. / Usr / hierarquia / local contem usuário local com subdiretórios típica / bin, / include, / lib, / sbin, etc Depois de instalar um GNU / Linux, este diretório está vazio. / Usr / sbin contém os binários (executáveis) do sistema vital não utilizados pelo administrador. / Usr / share / contém arquivos de dados separados da arquitetura do sistema, tais como documentação, tutoriais, etc Aqui você encontra os subdiretórios / homem (que contém manuais de software) e / misc (que contém diversos dados independentes de arquitetura). Você também pode encontrar os subdiretórios / dict, / doc / jogos / info / locale / SGML, zoneinfo, etc Pag. 8

9 / Usr/X11R6 contém todos os programas que compõem o gráfico X Window (binários, bibliotecas e páginas de homem, assim que você vai encontrar diretórios como o / usr/x11r6/bin / usr/x11r6/lib e / usr/x11r6/man). Este diretório é opcional. / Usr / games contém os binários para muitos jogos e programas educativos. Este diretório é opcional. / Usr / src contém o código fonte do Linux / GNU núcleo. Este diretório é opcional. / Usr / local como em outros sistemas operacionais UNIX, GNU / Linux é projetado para uso em ambientes de rede, por isso é bastante comum que usr / não está no computador local, mas em um servidor. Portanto, o diretório / usr / local destinado a conter o software que é instalado localmente em cada computador, e contém subdiretórios semelhantes aos que podem ser encontrados sob / usr (como / usr / local / bin, / usr / local / sbin, / usr / local / lib, / usr / local / man, etc).. Além disso, vamos encontrar um diretório diretório / usr / local / etc com a mesma funcionalidade / etc Mesmo se você usa seu computador de forma isolada e não em um ambiente de rede, este é o diretório onde você deve instalar seus programas. O / var Este diretório também tem uma estrutura típica de diretórios: / Var / cache contém dados em cache de aplicativos, tais como arquivos do servidor web e páginas de manual. / Var / lib / variável contém informações de status. / Var / log contém registros criados por vários programas e do próprio sistema operacional. / Var / run / contém dados relevantes para alguns processos que estão em execução. / Var / spool contém dados enfileirados para várias aplicações, tais como spooling sistema. / Var / tmp contém dados temporários que devem ser preservados entre reinicializações do sistema. / Var / spool / mail mail arquivos de diferentes usuários. Outros diretórios Algumas distribuições de fazer uso de outros diretórios adicionais que são montadas no diretório raiz: / Media é um análogo padrão para o diretório / mnt, e contém os pontos de montagem para dispositivos removíveis. / Windows Algumas distribuições de criá-lo se ele detecta um sistema Microsoft Windows instalado em nossa equipe, criando subdiretórios dentro dele muitos têm como partições Windows (como / windows / windows C / D, etc).. Ele contém o ponto de montagem dessas partições. / Srv Isto é onde muitos diretórios usar diferentes servidores temos instalados, como o servidor web (em / srv / www) ou o servidor FTP (em / srv / ftp). Esses diretórios não são parte do padrão FHS, por isso devem ser evitados. Pag. 9

10 4 Licenças em arquivos e diretórios Em qualquer sistema multiusuário, é necessário que os métodos existentes para evitar que um usuário não autorizado a copiar, apagar, alterar qualquer arquivo em que não é permitido. Medidas de segurança são baseados em Linux cada arquivo tem um proprietário (normalmente aquele que criou o arquivo). Além disso, os usuários pertencem a um ou mais grupos, que são atribuídas pelo Administrador, dependendo da tarefa executada por cada usuário, quando um usuário cria um arquivo, ele também pertence a um grupo do usuário que o criou. Assim, um arquivo Linux pertence a um usuário ou grupo, cada um dos quais terá privilégios de acesso, ao arquivo. Além disso, você pode especificar que outros usuários têm direitos, ou seja, aqueles que não são o dono do arquivo ou pertencem ao dono do arquivo. Em cada categoria de permissões (usuário, grupo e outros) são os três tipos de acesso: leitura (Read), gravação (Write) e execução (executar), cujos significados variam conforme eles se aplicam a um arquivo ou diretório. No caso de arquivos, permissões R (Reading), que permite a ele próprio para ver o conteúdo do arquivo, enquanto o W (escrita) permite que você altere seu conteúdo. Permissão X (executar) se aplica aos programas e permitir a sua execução. Para diretórios, a permissão R permite listar o conteúdo (ou seja, "ler" o diretório, enquanto o W pode excluir ou criar novos arquivos dentro (ou seja, modificar ou "escrever" o diretório). A X licença dá permissão para passar, ou seja, a possibilidade de transformar o diretório em questão no diretório atual (veja o comando cd). Na listagem do diretório, as permissões são exibidos como uma sequência de nove caracteres, onde os três primeiros correspondem às permissões do usuário, os três seguintes para o grupo e os últimos, para aqueles de outros usuários. A presença de um ponto (r, wox) indica que a permissão é concedida, enquanto um traço (-) indica que a permissão é negada. id = "_x0000_i1025" <v:shape type="#_x0000_t75" style='width:441.75pt;height:73.5pt'> Pag. 10

11 5 Permissões de Arquivos Nós usamos o termo arquivo em seu sentido mais amplo. Essa é a questão das licenças é aplicável a diferentes tipos de arquivos com algumas qualificações que são discutidos mais tarde. Os arquivos tem muitos atributos além de seu nome. Para ver os mais importantes. $ Ls-l / Suponha que temos o seguinte arquivo chamado "kkkkk" Inglês usa o termo proprietario, o grupo, e outros para designar, respectivamente, o proprietário, grupo e qualquer usuário. Pag. 11

12 5.1 Permissões de notação numérica Lembre-se que também devemos considerar a possibilidade de que o meu amigo David costumava usar a enxada decide fazer este curso e tivemos o compromisso de explicar as coisas a partir do zero. As permissões de arquivo são armazenados em formato binário e pode ser referenciado em termos numéricos. Vimos que cada licença individual irá associar com um número de três dígitos constituído por dois zeros e um terceiro número que poderia ser apenas 1, 2 ou 4. Por exemplo, a permissão de escrita para qualquer usuário foi 002. Com estes números pode ser codificado permite a forma indicada no exemplo a seguir: rwx - - wx - r - x Isto é equivalente a uma autorização de ( , , = 7,3,5) Permite também pode ser representado como uma seqüência de bits. Um bit é um valor que só pode ser 0 ou 1. No caso acima poderia ser representado por , onde 1 indica que, se a licença não é 0 ea posição de cada 0 e cada um representa cada uma das licenças. Link Simbólico barragem]: ~ $ ln Olá saudação Se nós agora fazer uma lista mostrando a nodo barragem Shrek ~ $ ls-il total de r usuário shrek 64 abril :04 Olá user shrek r saudação 64 abril :04 Como você vê o número de nomes que os arquivos já é 2 vez que criamos um outro nome é um link para o conteúdo que tinha o arquivo no disco Hi. Isto pode ser visto como o primeiro número na lista, , é o número inode que começa o conteúdo da Olá. Embora pareça que o conteúdo é duplicado, isso não é verdade. Ambos os arquivos apontar para o mesmo lugar. Portanto, um arquivo não é excluído até que apagou o último de seus nomes. Assim, podemos dizer que um diretório é simplesmente um arquivo que contém informações sobre o link para o inode tradução. Também que cada diretório tem dois links duro nele:. (Um link apontando para si mesmo) e... (Um link apontando para o diretório pai). No diretório raiz / link.. sempre aponta para /. links links simbólicos ou simbólica Em contraste com o hard links, esses links apenas um outro nome para um arquivo, mas não fazer um link para o nível de inode. Você pode fazer uma comparação com os "atalhos" do Windows95. O comando ln-s Cria um link simbólico. barragem]: ~ $ ln-s Olá saudações barragem Shrek ~ $ ls-il total de r usuário shrek 64 abril :04 Olá Shrek lrwxrwxrwx usuário de maio 08:33 saudações -> Olá barragem Shrek ~ $ Pag. 12

13 Como mostrado, o link mostra que o arquivo está apontando. Existem diferenças entre estes tipos de ligações e movimentações, já não estão apontando para o mesmo nodo. Além disso, o bit de licenças são todos demitidos porque não são utilizados. As licenças são usados no arquivo que está apontando. Se olharmos atentamente para o início das autorizações veremos uma letra l. Isso indica que é um link simbólico. Outra característica é que você pode criar links simbólicos dos arquivos que não existem, mas o mesmo não é verdadeiro para links rígidos. Com links simbólicos podem saber qual arquivo estão apontando, mas não com as unidades. Os links simbólicos são amplamente utilizados por bibliotecas compartilhadas. Arquivos Especiais Em Unix tudo é tratado como um arquivo, e ambos os dispositivos como os diretórios não são excepção. Aqui estão alguns dos mais importantes: nome descrição. nome do diretório em que.. nome do diretório anterior ~ nome do diretório raiz Usuário / dev/nulo O dispositivo nulo /dev/dsp aparelho de som /dev/ * dispositivos do sistema /proc/ * Sistema de Informação Pag. 13

14 6 Aquivos especiais 6.1 Dispositivos de bloco Os "dispositivos de bloco" ou "arquivos especiais de blocos" são usados para representar dispositivos que servem para armazenar blocos de informações, como é o caso de discos rígidos, cd-rom, disquetes, etc. Ex: Entretando, diferentemente dos arquivos de caracteres, não podemos acessar os arquivos de blocos diretamente. Dentro de um dispositivo de armazenamento, pode haver várias partições, cada qual com um sistema de arquivos diferente. Cada partição de um disco também é representado por um arquivo diferente. A identificação dos discos pode ser feita da seguinte forma: /dev/hda1 Número que identifica o número da partição Letra que identifica o disco (a = primeiro, b = segundo,...) Sigla que identifica o tipo de disco (hd = ide, sd = SCSI) Abaixo algumas identificações de discos e partições em sistemas Linux: /dev/fd0 - Primeira unidade de disquetes. /dev/fd1 - Segunda unidade de disquetes. /dev/hda - Primeiro disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary master) /dev/hda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido IDE. /dev/hdb - Segundo disco rígido na primeira controladora IDE do micro (primary slave) /dev/hdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido IDE. /dev/sda - Primeiro disco rígido na primeira controladora SCSI. /dev/sda1 - Primeira partição do primeiro disco rígido SCSI. /dev/sdb - Segundo disco rígido na primeira controladora SCSI. /dev/sdb1 - Primeira partição do segundo disco rígido SCSI. /dev/sr0 - Primeiro CD-ROM SCSI. /dev/sr1 - Segundo CD-ROM SCSI. Obs: Unidade de armazenamento removíveis, como pen-drives, cameras digitais, são reconhecidos também como sd. Pag. 14

15 7 Referencias Bibliográficas Pag. 15

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos

Sistemas Operacionais. Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br. Gerência de Arquivos Andrique Amorim www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Gerência de Arquivos Gerência de Arquivos Um sistema operacional tem por finalidade permitir que o usuários do computador executem aplicações,

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03. Prof. Gabriel Silva FTIN Formação Técnica em Informática Módulo de Administração de Servidores de Rede AULA 03 Prof. Gabriel Silva Temas da Aula de Hoje: Servidores Linux. Conceitos Básicos do Linux. Instalando Servidor Linux.

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO O Linux se refere aos itens de hardware como dispositivos (devices), e os referencia como arquivos. Os arquivos de

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

Labgrad. Usúario: Senha: senha

Labgrad. Usúario: <matricula> Senha: senha Suporte A equipe do Suporte é responsável pela gerência da rede do Departamento de Informática, bem como da manutenção dos servidores da mesma, e também é responsável pela monitoria do LabGrad e do LAR.

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Assinale a alternativa que apresenta as fórmulas CORRETAS para calcular E4 e D6, respectivamente:

Assinale a alternativa que apresenta as fórmulas CORRETAS para calcular E4 e D6, respectivamente: ASSISTENTE EM ADMINISTRAÇÃO 6 INFORMÁTICA QUESTÕES DE 21 A 40 21. Dentre as alternativas abaixo, assinale a que apresenta CORRETAMENTE ferramentas existentes em softwares de escritório (BrOffice ou Microsoft

Leia mais

A linha de comando do Unix e GNU/Linux

A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux Michael Opdenacker Free Electrons http://free-electrons.com Traduzido por Klayson Sesana Bonatto Criado com OpenOffice.org

Leia mais

BC 1518 - Sistemas Operacionais

BC 1518 - Sistemas Operacionais BC 1518 - Sistemas Operacionais Sistema de Arquivos (aula 10 - Parte1) Prof. Marcelo Z. do Nascimento Prof. Marcelo Z. do Nascimento marcelo.nascimento@ufabc.edu.br 1 Introdução Arquivos Atributos de Arquivos

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br ,'*'F"&P'QKDRS'@

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000

Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 1 Gerenciamento de ES e Sistema de Arquivos do Windows 2000 Gerenciador de E/S Objetivo é fornecer uma estrutura de modo eficiente para lidar com a grande variedade de dispositivos Bastante relacionado

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico

Apontamentos do livro de AI Linux. 1.5 Modo texto e modo gráfico Apontamentos do livro de AI Linux 1.5 Modo texto e modo gráfico 1 Modo texto e modo gráfico O sistema operativo Linux possui duas formas de acesso: modo texto e modo gráfico No modo gráfico, o utilizador

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD. Resumo Versão 2.3

FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD. Resumo Versão 2.3 FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD Resumo Versão 2.3 Sumário 1 Introdução...3 1.1 Visão Geral da Estrutura Raiz...3 1.2 Visão Geral da Estrutura Padrão...3 2 Diretórios...3 2.1 /bin...3 2.2 /boot...4 2.3 /dev...4

Leia mais

AMBIENTE KDE. Ambiente de Trabalho

AMBIENTE KDE. Ambiente de Trabalho SISTEMA LINUX sozinho, ele enviou a seguinte mensagem para comp.os.minix: Introdução O Linux é um clone UNIX de distribuição livre para PCs baseados em processadores 386/486/Pentium. O Linux é uma implementação

Leia mais

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período

Sistemas de Informação. Sistemas Operacionais 4º Período Sistemas de Informação Sistemas Operacionais 4º Período SISTEMA DE ARQUIVOS SUMÁRIO 7. SISTEMA DE ARQUIVOS: 7.1 Introdução; 7.2 s; 7.3 Diretórios; 7.4 Gerência de Espaço Livre em Disco; 7.5 Gerência de

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais SISTEMAS DE ARQUIVOS MACHADO/MAIA: CAPÍTULO 11 Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional SISTEMAS DE ARQUIVOS - INTRODUÇÃO O armazenamento e a recuperação de informações é

Leia mais

Aula 2 Introdução ao Software Livre

Aula 2 Introdução ao Software Livre Aula 2 Introdução ao Software Livre Aprender a manipular o Painel de Controle no Linux e mostrar alguns softwares aplicativos. Ligando e desligando o computador através do sistema operacional Não é aconselhável

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional

Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Universidade Federal da Fronteira Sul Campus Chapecó Sistema Operacional Elaboração: Prof. Éverton Loreto everton@uffs.edu.br 2010 Objetivo Conhecer as características e recursos do Sistema Operacional

Leia mais

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux

AFRE. a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento, como o LILO ou o GRUB. a. ( ) Data Werehouse ; Internet ; Linux 1. De que forma é possível alterar a ordem dos dispositivos nos quais o computador procura, ao ser ligado, pelo sistema operacional para ser carregado? a. ( ) Instalando um programa gerenciador de carregamento,

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS

SISTEMAS DE ARQUIVOS SISTEMAS DE ARQUIVOS LINUX E WINDOWS Prof.: Bruno Pinheiro brunodop@gmail.com NING: http://timasters.ning.com/profile/brunodeoliveirapinheiro Mini CV Especialista em Regulação da ANTAQ e gerente de Estudos

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado

Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Sistema Operacional Unidade 4.2 - Instalando o Ubuntu Virtualizado Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 CRIAÇÃO DA MÁQUINA VIRTUAL... 3 Mas o que é virtualização?... 3 Instalando o VirtualBox...

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com

Entendendo o Sistema Operacinal. Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Entendendo o Sistema Operacinal Prof. Armando Martins de Souza E-mail: armandomartins.souza@gmail.com Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 2 Criando um Snapshot da Máquina Padrão Page 3 Criando um

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Conceitos Básicos Sistema Operacional: Um Sistema Operacional é um programa que atua como intermediário entre o usuário e o hardware de um computador. O Propósito do SO é fornecer

Leia mais

Adelman Wallyson de Sousa Benigno

Adelman Wallyson de Sousa Benigno Laboratory of Software Engineering and Computer Network Universidade Federal do Maranhão Curso de Engenharia Elétrica Engineering for a better life LINUX Trabalho apresentado ao Prof. Denivaldo Lopes Adelman

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso superior de Tecnologia em Redes De Computador UC: Introdução a Informática I Componentes: Everton Perleberg, Arthur Felippe Knapp Madruga, Maicon de Vargas Pereira Atividade 2: Documentação de recursos

Leia mais

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos

Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Capítulo 7 O Gerenciador de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar as características da interface do gerenciador de arquivos Konqueror. Através dele realizaremos as principais operações com arquivos

Leia mais

Pratique o seu conhecimento

Pratique o seu conhecimento Pratique o seu conhecimento QUESTÕES DO CAPÍTULO 1 (A HISTÓRIA ) 1) Explique com suas palavras qual a importância de Richard Stallman para o software livre e o que é o projeto GNU. R.: Richard Stallman

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e lá costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

Conhecendo o Sistema Operacional

Conhecendo o Sistema Operacional Prefeitura de Volta Redonda Secretaria Municipal de Educação NTM Núcleo de Tecnologia Educacional Municipal Projeto de Informática Aplicada à Educação de Volta Redonda - VRlivre Conhecendo o Sistema Operacional

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

Sistema Operacional GNU/Linux

Sistema Operacional GNU/Linux Sistema Operacional GNU/Linux Histórico: 1969 Bell Labs anuncia a primeira versão do Unix 1983 Criação do Projeto GNU 1987 Andrew Tenenbaum anuncia o Minux, versão do Unix para Desktops 1990 Microsoft

Leia mais

INTRODUÇÃO AO SISTEMA

INTRODUÇÃO AO SISTEMA MANUAL DE INSTALAÇÃO DE SOFTWARE PÚBLICO BRASILEIRO Nome do Software: Guarux Versão do Software: Guarux Educacional 4.0 INTRODUÇÃO AO SISTEMA O Guarux Educacional 4.0 é uma distribuição idealizada pela

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

SOFTWARE LIVRE é uma questão de liberdade, não de preço. Se refere à liberdade dos usuários. executarem, copiarem, distribuírem, estudarem,

SOFTWARE LIVRE é uma questão de liberdade, não de preço. Se refere à liberdade dos usuários. executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, SOFTWARE LIVRE SOFTWARE LIVRE é uma questão de liberdade, não de preço. Se refere à liberdade dos usuários executarem, copiarem, distribuírem, estudarem, modificarem e aperfeiçoarem o software. UM SOFTWARE

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

SIMULADO Windows 7 Parte V

SIMULADO Windows 7 Parte V SIMULADO Windows 7 Parte V 1. O espaço reservado para a Lixeira do Windows pode ser aumentado ou diminuído clicando: a) Duplamente no ícone lixeira e selecionando Editar propriedades b) Duplamente no ícone

Leia mais

Manual Sistema WEB 1

Manual Sistema WEB 1 Manual Sistema WEB 1 APRESENTAÇÃO Nosso site na internet é o www.tercred.com.br onde apresentamos um pouco da nossa história, nossos produtos, a rede credenciada e outros serviços. Para acessar o Sistema

Leia mais

Introdução ao Linux MICHELLE NERY

Introdução ao Linux MICHELLE NERY Introdução ao Linux MICHELLE NERY O que é preciso saber para conhecer o Linux? Entender os componentes de um computador. Conhecimentos básicos de sistemas operacionais. Referência: Sistemas Operacionais

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse?

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse? Simulado Linux 1 Qual dos diretórios abaixo é responsável pelos dados e serviços oferecidos pelo equipamento com o Linux rodando? A) srv B) sbin C) opt D) dev E) mnt 2 Posso considerar o diretório bin

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas O conteúdo deste documento tem como objetivos geral introduzir conceitos mínimos sobre sistemas operacionais e máquinas virtuais para posteriormente utilizar

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Escola Adalgisa de Barros

Escola Adalgisa de Barros Escola Adalgisa de Barros Sistemas Operacionais Ensino Médio Técnico 1º Ano 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador, controla o fluxo de informações

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09

SISTEMAS OPERACIONAIS. Sistemas de Arquivos Apostila 09 SISTEMAS OPERACIONAIS Sistemas de Arquivos Apostila 09 1.0 INTRODUÇÃO Sistema de Arquivos: conceito de arquivo, métodos de acesso, estrutura de diretório, estrutura do sistema de arquivos, métodos de alocação

Leia mais

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar

ÁREA DE TRABALHO. Área de Trabalho ou Desktop Na Área de trabalho encontramos os seguintes itens: Atalhos Barra de tarefas Botão iniciar WINDOWS XP Wagner de Oliveira ENTRANDO NO SISTEMA Quando um computador em que trabalham vários utilizadores é ligado, é necessário fazer login, mediante a escolha do nome de utilizador e a introdução da

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais

4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Introdução à Computação 5910157 4. Conceitos Básicos de Computação: Sistemas Operacionais Prof. Renato Tinós Local: Depto. de Física e Matemática (FFCLRP/USP) 1 Principais Tópicos 4.1. Introdução aos Sistemas

Leia mais

Sistemas de Arquivos NTFS

Sistemas de Arquivos NTFS Sistemas de Arquivos NTFS Apresentação Desenvolvido pela Microsoft na década de 80 para o Windows NT Baseado no HPFS da IBM Versões NTFS 1.1(ou 4) NTFS NTFS 5 Sistema de Arquivos NTFS Unidade fundamental

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

www.evangelhohoje.blogspot.com www.reginaldorochajr.blogspot.com reginaldorecife@gmail.com

www.evangelhohoje.blogspot.com www.reginaldorochajr.blogspot.com reginaldorecife@gmail.com CAPÍTULO 1 No princípio era o Kernel, e o Kernel estava com o Linux, e o Kernel era o Linux desenvolvido por Linus Torvalds. O KERNEL O Kernel é a peça fundamental do sistema, responsável por criar a infra-estrutura

Leia mais

Referencial do Módulo B

Referencial do Módulo B 1 Referencial do Módulo B Liga, desliga e reinicia correctamente o computador e periféricos, designadamente um scanner; Usa o rato: aponta, clica, duplo-clique, selecciona e arrasta; Reconhece os ícones

Leia mais