Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva"

Transcrição

1 Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux

2 Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo. Devido à sua modularização podemos trabalhar com ele para os mais diversos fins. É possível encontrar Linux em sistemas que vão desde um único disquete até supercomputadores..

3 Estrutura de um Sistema Linux O sistema operacional é formado por um conjunto de componentes que oferecem serviços aos usuários e suas aplicações, bem como as rotinas do próprio sistema. A sua estrutura, ou seja, a maneira como o código do sistema é organizado e o inter-relacionamento entre seus diversos componentes variam conforme a concepção do projeto. Em sua forma mais genérica, a estrutura de um sistema operacional pode ser visualizada em camadas hierárquicas, onde a camada mais interna correspondente ao hardware e suporta todas as outras camadas de software.

4 Visão Geral do Sistema O Kernel por si só não tem funcionalidade alguma; já que participa como uma parte de um sistema maior, que só num todo torna-se útil. Faz sentido então discutir o contexto do sistema inteiro. Se dividirmos um sistema completo, podemos claramente destacar quatro partes que o compõem, conforme figura a seguir. 3 Aplicativo de usuário 2 Utilitarios do sistema 1 Kernel 0 Hardware

5 Visão Geral do Sistema As partes que compõem o sistema são: Aplicativo do usuário: encontram-se nesta categoria todos os programas que usamos no nosso dia a dia, como: processador de texto, navegador de internet e cliente de . Utilitários do sistema: estes são os programas considerados tipicamente parte do sistema operacional. O interpretador de comandos, a interface gráfica, bibliotecas e compiladores são alguns exemplos. Kernel: por função o kernel livra-nos de um conhecimento mais aprofundado em relação ao hardware, sendo que ele é o responsável pelo gerenciamento de todo o computador.

6 Visão Geral do Sistema Hardware: este subsistema é compreendido por todos os dispositivos físicos possíveis; para o exemplo, o processador central, memória, os discos rígidos, placas, são todos membros deste subsistema, ou seja, o computador. Para o nosso estudo vamos nos concentrar apenas no nível 1 e 2, mais precisamente no kernel, sistemas de arquivos, bibliotecas e interpretador de comandos.

7 Kernel Visão Geral do Sistema O kernel apresenta uma relação virtual da máquina com os processos do usuário. Os processos são escritos sem a necessidade de conhecer qual dispositivo de hardware está instalado no computador; O kernel abstrai todo hardware em uma relação virtual consistente. Além disso, o kernel suporta a multitarefa de uma maneira que seja transparente aos processos do usuário: cada processo pode agir como se fosse o único processo no computador, com uso exclusivo da memória principal e dos outros recursos de hardware.

8 Kernel Visão Geral do Sistema O kernel funciona realmente com diversos processos simultaneamente, sendo também o responsável por mediar o acesso aos recursos de hardware, de modo que cada processo tenha o acesso justo enquanto a segurança de interprocessos é mantida. Na verdade, quando falamos das características do Linux, estamos descrevendo nada mais nada menos que as funcionalidades do kernel. Multitarefa, multiusuário, proteção na memória, suporte a sistemas de arquivos, etc. Tudo isso é o kernel!

9 Visão geral da estrutura do kernel Podemos afirmar que o kernel é composto de cinco subsistemas principais: Gerenciador de processos: um programa não faz nada até que suas instruções sejam executadas por uma CPU. Por isso podemos dizer que um processo é um programa em execução. O gerenciador de processo é responsável por controlar o acesso de processos na CPU. O gerenciador põe em vigor uma política que garante aos processos um acesso justo à CPU e aos outros componentes de hardware. Gerenciador de memória: permite que múltiplos processos compartilhem com segurança a memória principal do sistema. Além disso, o gerenciador de memória suporta a memória virtual (swap), característica que permite ao Linux suportar processos que usam mais memória do que avaliada em hardware.

10 Visão geral da estrutura do kernel Sistema de arquivo virtual (VFS): abstrai os detalhes de uma variedade de dispositivos de hardware, apresentando uma comum interface de arquivo para todos os dispositivos. O VFS introduz um modelo de arquivo comum, capaz de representar todos os sistemas de arquivos existentes, isto é, todos os detalhes do sistema de arquivo do Linux são traduzidos via software, por isso todos parecem iguais para o kernel e programas. Interface de rede: provê acessos a vários padrões de rede e a uma grande variedade de dispositivos de rede.

11 Visão geral da estrutura do kernel Comunicação Inter-Processo: subsistema que suporta vários mecanismos de comunicação entre processos num sistema Linux. KernelAnalysis-HOWTO The Linux Kernel HOWTO

12 Linux kernel Módulos

13 Linux kernel Módulos O sistema operacional Linux foi o primeiro sistema no mundo a introduzir o conceito de Módulos. Nenhum outro sistema tinha antes este conceito, mas com certeza vários o terão no futuro. O módulos são partes do kernel que não foram vinculados (linked) diretamente no kernel. Foram compilados separadamente e podem ser inseridos e removidos no kernel em tempo real, ou seja, enquanto o kernel está sendo executado. Isso nos dá a possibilidade de usarmos alguma característica do sistema ou, principalmente, drivers de dispositivos somente quando esse recurso é necessário. Podemos instalar e remover drives do sistema sem precisar reiniciar a máquina ou recompilar o kernel. Linux Loadable Kernel Module HOWTO

14 Linux kernel Módulos Bibliotecas do Sistema A linguagem de programação C na qual o kernel e outros aplicativos importantes são desenvolvidos não possui em seu padrão estruturas para desempenho de operações comuns como I/O, gerenciamento de memória, manipulação de strings e assim por diante. Deste modo, essas estruturas são definidas em uma biblioteca padrão, na qual você compila e vincula seus programas.

15 Linux kernel Módulos Bibliotecas do Sistema O pacote glibc contém os principais conjuntos de bibliotecas do Linux. As principais bibliotecas do pacote glibc são as bibliotecas padrão C e a biblioteca padrão de matemática. As bibliotecas padrão são usadas por múltiplos programas, e são parte obrigatória do sistema, caso contrário o Linux não funcionaria. Uma das razões para o uso da glibc é para salvar espaço em disco e memória, assim como facilitar atualizações.

16 Linux kernel Módulos Bibliotecas do Sistema O código comum do sistema é mantido em um lugar e compartilhado entre programas. São essas bibliotecas que fazem as system calls ou chamadas do sistema. Isso porque a todo instante funções do kernel são requeridas e, se todo programa tivesse acesso direto ao kernel, teríamos sérios problemas de segurança, desempenho, etc. para evitar isso foram criadas as chamadas do sistema. Assim, quando um programa necessitar de alguma função do kernel, o mesmo faz o pedido a uma system call e esta interage diretamente com o kernel.

17 Linux kernel Módulos Sistemas de Arquivos Um sistema de arquivos (filesystem) é o método e a estrutura de dados que o sistema operacional usa para manter registro de seus arquivos no disco. Para o usuário, o sistema de arquivos aparece como uma árvore de diretórios hierárquicos semelhantes à semântica do Unix. Internamente, o Linux utiliza uma camada de abstrações (VFS) para gerenciar múltiplos sistemas de arquivos diferentes.

18 Linux kernel Módulos Conceitos básicos de um sistema de arquivos Cada sistema de arquivos Linux implementa uma série comum de conceitos derivados do sistema operacional Unix, que serão vistos a seguir. Inodes: cada arquivo é representado por uma estrutura chamada inode. Cada inode contém uma lista de atributos e os endereços dos blocos (no disco) que formam o arquivo. Informações como quem é o dono dos arquivos, a quais grupos pertencem, data de última modificação, permissões de acesso, entre outras, fazem parte do inode. Diretórios: diretórios são estruturados em uma árvore hierárquica. Cada diretório pode conter arquivos e subdiretórios. Os diretórios são implementados com um tipo especial de arquivo. Na verdade, um diretório é um arquivo contendo uma lista de anotações. Cada anotação contém um inode e um nome de arquivo.

19 Linux kernel Módulos Links: os sistemas de arquivos usados no Unix implementam o conceito de link (vínculo). Vários nomes podem ser associados a um inode. O inode contém um campo no qual armazena um número associado com o arquivo. Arquivos de dispositivos: em sistemas operacionais tipo Unix, dispositivos de hardware podem ser acessados com um arquivo especial. Um arquivo de dispositivo não ocupa espaço no sistema de arquivos, já que ele apenas aponta para um driver. Existem dois tipos especiais de arquivos: dispositivos de caractere e de blocos. No primeiro caso a operação de E/S é feita via caracteres, enquanto no segundo caso os dados são escritos em modo de blocos através das funções de cache.

20 Linux kernel Módulos Interpretador de Comandos Podemos afirmar que shell é um simples processador de macro que executa comandos. No Linux o shell é tanto um interpretador de comandos no qual provê uma interface para o usuário utilizar os utilitários GNU como uma linguagem de programação, permitindo a combinação desses utilitários. Existem muitos tipos de shell. Cada um provendo de modo diferente a interface entre o usuário e o kernel. Os mais importantes shell foram originados do sistema operacional Unix, são eles: bash (bourne again shell), csh (c shell) e ksh (korn shell). O padrão dos sistemas operacionais Linux é o Bash. Bash Reference Manual

21 Padrões de um Sistema Linux

22 Padrões de um Sistema Linux Padrões de um Sistema Linux Tendo o Linux o caráter de livre distribuição que tem, é natural que várias entidades passem a distribuí-lo, proliferando-se assim as chamadas distribuições Linux, que podem ser construídas por qualquer pessoa ou empresa, sem nenhum tipo de restrição. É graças a essa liberdade que desta maneira chegamos às mais de 400 distribuições existentes ao redor do mundo.

23 Padrões de um Sistema Linux Padrões de um Sistema Linux Essa grande variedade pode levar ao caos e à incompatibilidade entre distribuições, conseqüentemente, a uma maior resistência ao Linux, caso não seja seguido um padrão preestabelecido nas suas construções. Perante esse problema nasceu o trabalho conjunto entre várias empresas e organizações para regulamentar as distribuições de Linux e criar um núcleo comum para evitar a tão temida incompatibilidade. Este esforço é chamado de LSB (Linux Standard Base) que visa criar a plataforma padrão de Linux a ser seguida por todos os distribuidores.

24 Padrões de um Sistema Linux A LSB (Linux Standard Base) padroniza as diferentes distribuições Linux, permitindo que softwares de aplicações funcionem em quaisquer distribuições Linux, sem torná-las idênticas. Além disso, a LSB coordenara esforços para estimular empresas de software a portarem e desenvolverem produtos para Linux. Tal iniciativa é uma garantia de que um número cada vez maior de aplicações estarão disponíveis para os usuários Linux em todo o mundo.

25 Padrões de um Sistema Linux Linux Standard Base O objetivo do LSB é desenvolver e promover um conjunto de padrões que aumentam a compatibilidade entre distribuições Linux e permitir que aplicações de softwares funcionem em qualquer sistema Linux. Certamente por esse motivo a LSB hoje é o foco das atenções quando o assunto é padrão em sistemas Linux. O LSB na verdade não é um padrão, e sim, uma família de Standards (padrões); contando mais ou menos uns 20 padrões. É da união de todos esses padrões que nasceu o LSB. Na verdade, o que definirá a compatibilidade entre as distribuições será o quanto do LSB os desenvolvedores ou as empresas adotarão para o seu sistema.

26 Padrões de um Sistema Linux A especificação do sistema define a chamada BAI (Binary Application Interface Interface Binária de Aplicação), que é o ambiente que toda aplicação desenvolvida, levando em conta o LSB, deverá esperar encontrar em qualquer distribuição de Linux, incluindo o nome e a localização dos arquivos, versão das bibliotecas e diversos outros fatores. A atual versão de especificação do LSB define itens tais como as bibliotecas do sistema, comandos disponíveis, a localização dos arquivos (definida pelo FHS), a inicialização e processos associados, a Shell, usuários e grupos, o gerenciamento de pacotes, formato dos arquivos executáveis e outros.

27 Padrões de um Sistema Linux Aprofundando-se um pouco mais nas especificações, descobre-se que a documentação do LSB é composta por duas partes. A primeira é uma especificação comum, a glsb que descreve as partes em comum para todas às arquiteturas e implementações do LSB. A segunda parte é referente às arquiteturas específicas, archlsb. Nesta etapa o documento descreve as partes que variam de arquitetura para arquitetura. Para completar tudo isso temos as ferramentas de testes cuja finalidade é revelar o quanto o seu sistema operacional está LSB compatível. São feitos simples testes de verificação para lhe dar em porcentagem o grau de compatibilidade com o padrão LSB. Quanto maior o resultado, mais compatível a sua distribuição está. Fontes:

28 Padrões de um Sistema Linux Filesystem Hierarchy Standard O FHS consiste em um conjunto de requerimentos e diretrizes para a localização de arquivos e diretórios sob sistema operacional tipo Unix. As diretrizes têm como pretensão suportar interoperabilidade de aplicações, ferramentas de administração de sistema, ferramentas de desenvolvimento e scripts, assim como maior uniformidade de documentação para esses sistemas. O que veremos a seguir é um resumo das normas do FHS versão 2.2, que fazem parte do padrão LSB.

29 Padrões de um Sistema Linux Para estar de acordo com o FHS, os seguintes diretórios, ou links simbólicos para os diretórios, devem existir: / _bin _boot _dev _etc _lib _mnt _opt _sbin _tmp _usr _var _home _lib _root

30 Padrões de um Sistema Linux Na seqüência analisaremos as funções de cada um dos diretórios listados. / O sistema de arquivos no Linux começa com /, o diretório root. Todos os demais diretórios são descendentes deste diretório. / bin O diretório / bin contém vários comandos úteis que são usados tanto pelo administrador do sistema como por usuários comuns. Esses programas são considerados essenciais e devem sempre estar disponíveis. De acordo com o FHS, não devem existir subdiretórios em / bin. / boot Este diretório contém tudo que é requerido para o processo de boot, exceto os arquivos de configuração. Isso inclui backups do MBR, arquivos de mapas do sistema, o kernel e outros arquivos.

31 Padrões de um Sistema Linux / dev Contém os arquivos de dispositivos, sendo o diretório que melhor ressalta um aspecto do sistema de arquivos do Linux tudo é um arquivo. Procurando através deste diretório você encontrará hda1, hda2 etc, representando as várias participações do primeiro disco rígido do sistema; cdrom e fd0 representando respectivamente o seu CD-ROM e o drive de disquete. A maioria dos dispositivos são de bloco ou de caractere; entretanto outros tipos de dispositivos existem e podem ser criados. No geral, dispositivos de bloco são os dispositivos que armazenam dados, dispositivos de caracteres podem ser pensados como dispositivos que transmitem dados. Para o exemplo, os drives de disquete, os discos rígidos e o drive do CD-ROM são todos dispositivos de bloco, enquanto as portas seriais, o mouse e as portas de impressora são todos dispositivos de caractere. Se for possível criar dispositivos manualmente em / dev, o mesmo deverá conter um arquivo chamado MAKEDEV, que será usado para a criação dos dispositivos.

32 Padrões de um Sistema Linux / lib O diretório / lib contém os módulos do kernel e bibliotecas compartilhadas necessárias para a execução do sistema. As bibliotecas são prontamente identificadas pela sua extensão do nome de arquivo *.so ou *.a. / mnt Este é um ponto genérico de montagem sob o qual você monta seus sistemas de arquivos ou dispositivos. Os pontos padrão da montagem são /mnt/cdrom e /mnt/floppy. / etc Este é o centro nervoso do sistema, e contém todos os arquivos relativos à configuração do sistema. Arquivos binários não devem se encontrar neste diretório. O subdiretório /opt, ou link simbólico para o diretório, é requerido em /etc. / root Este é o diretório home do administrador de sistema, root.

33 Padrões de um Sistema Linux / sbin Armazena os arquivos utilizados pelo sistema para administração e inicialização. Neste diretório somente o root tem acesso à execução dos programas. / usr É um dos diretórios mais importantes do sistema e com certeza o maior deles, já que contém praticamente quase todos os binários, bibliotecas, documentos e outros arquivos usados pelos usuários e o root. Os diretórios a seguir, ou links simbólicos para diretórios, são requeridos em /usr: / usr _bin _include _lib _local _sbin _share

34 Padrões de um Sistema Linux / var Contém arquivos de dados variáveis. Os diretórios a seguir, ou links simbólicos para diretórios, são requeridos em /var: / var _cache _lib _local _lock _log _opt _run _spool _tmp

35 Padrões de um Sistema Linux / tmp O diretório /tmp deve estar disponível para programas que requerem arquivos temporários. / home O Linux trabalha em um ambiente multiusuário; então, cada usuário tem o seu próprio diretório que é somente acessado por ele mesmo e pelo administrador de sistema. Esse diretório se localiza no /home.

36 Padrões de um Sistema Linux Extras Além dos diretórios mostrados, qualquer sistema Linux faz uso de mais dois diretórios. / proc Este é um diretório especial. Na verdade o proc é um diretório virtual, já que o mesmo não existe, sendo criado pelo kernel. Este diretório contém informação a respeito do estado do kernel em tempo real. / lost+found Aqui é onde o Linux mantém os arquivos restaurados após uma falha ou queda de energia. Linux Filesystem Hierarchy

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Projeto de extensão Linux no Campus

Projeto de extensão Linux no Campus Projeto de extensão Linux no Campus Universidade Federal de Santa Maria Acadêmico do Curso de Sistemas de Informação Evandro Bolzan Contatos: ebolzan@inf.ufsm.br, http://www.inf.ufsm.br/~ebolzan BUG BUG

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA

SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA SISTEMAS OPERACIONAIS DE ARQUITETURA ABERTA Prof. Ulisses Cotta Cavalca Belo Horizonte/MG 2015 1 SUMÁRIO 1. Histórico do sistema operacional 2. Licença de softwares 3. Aspectos

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais

Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura dos Sistemas Operacionais Arquitetura de um Sistema Operacional Basicamente dividido em shell é a interface entre o usuário e o sistema operacional é um interpretador de comandos possui embutido

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado).

Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Construindo um Linux Parte 1 - Disk Boot Objetivo: Entender que o Linux é como um LEGO (Pode ser montado). Os disquetes Linux são úteis em diversas situações, tais como: Testes de um novo kernel; Recuperação

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger

Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger Gerenciamento de Entrada e Saída Hélio Crestana Guardia e Hermes Senger O controle da entrada e saída (E/S ou I/O, input/output) de dados dos dispositivos é uma das funções principais de um sistema operacional.

Leia mais

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional

Curso de Linux Básico com o Linux Educacional Curso de Linux Básico com o Felipe Buarque de Queiroz felipe.buarque@gmail.com Unidade Gestora de Tecnologia da Informação - UGTI Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de Alagoas - FAPEAL Maio de 2009

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Sistemas Operacionais Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Estruturas de Sistemas Operacionais Um sistema operacional fornece o ambiente no qual os programas são executados. Internamente,

Leia mais

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc.

Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software. Prof. MSc. Sistemas Operacionais Arquitetura e organização de sistemas operacionais: Uma visão estrutural hardware & software Prof. MSc. Hugo Souza Continuando nossas aulas relativas ao Módulo 1, veremos a seguir

Leia mais

Introdução. Software (Parte I)

Introdução. Software (Parte I) Universidade Federal de Campina Grande Centro de Engenharia Elétrica e Informática Unidade Acadêmica de Sistemas e Computação Introdução à Computação Software (Parte I) Prof. a Joseana Macêdo Fechine Régis

Leia mais

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais.

Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Olá nobre concurseiro e futuro servidor público! Sou o professor Danilo Augusto, do TIParaConcursos.net, e costumo trabalhar temas relacionados a Redes de Computadores e Sistemas Operacionais. Essa lista

Leia mais

Minicurso de Introdução a GNU/Linux. Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla

Minicurso de Introdução a GNU/Linux. Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla Minicurso de Introdução a GNU/Linux Nicolas Katte Dornelles Raul José Chaves Róbson Tolfo Segalla Avisos Aulas disponíveis em http://www-usr.inf. ufsm. br/~rsegalla/minicurs os/intrognulinux/ Partes que

Leia mais

Sistema Operacional GNU Linux. Sistema de Arquivos Diretório /usr. Conceitos Básicos Pacotes Repositório Código Fonte. Ambiente Menus GConf

Sistema Operacional GNU Linux. Sistema de Arquivos Diretório /usr. Conceitos Básicos Pacotes Repositório Código Fonte. Ambiente Menus GConf Capacitação Linux Sumário 1 Introdução Sistema Operacional GNU Linux 2 Filesystem Hierarchy Standard Introdução Sistema de Arquivos Diretório /usr 3 Instalação de Programas Conceitos Básicos Pacotes Repositório

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

SISTEMAS DE ARQUIVOS E DIRETÓRIOS DO LINUX. Prof. Gleison Batista de Sousa

SISTEMAS DE ARQUIVOS E DIRETÓRIOS DO LINUX. Prof. Gleison Batista de Sousa SISTEMAS DE ARQUIVOS E DIRETÓRIOS DO LINUX Prof. Gleison Batista de Sousa Sistema de Arquivo É o método e a estrutura de dados que um sistema operacional utiliza para administrar arquivos em um disco ou

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires

Introdução à Sistemas Operacionais. Glauber Magalhães Pires Introdução à Sistemas Operacionais Glauber Magalhães Pires Agenda O que são sistemas operacionais? Histórico Primeira geração (1945-1955) Segunda geração (1955-1965) Terceira geração (1965-1980) Quarta

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes

Montagem e Manutenção. Luís Guilherme A. Pontes Montagem e Manutenção Luís Guilherme A. Pontes Introdução Qual é a importância da Montagem e Manutenção de Computadores? Sistema Binário Sistema Binário Existem duas maneiras de se trabalhar e armazenar

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007

SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 SISTEMAS OPERACIONAIS 2007 VISÃO GERAL Sumário Conceito Máquina de Níveis Conceituação de SO Componentes do SO Visões do SO Conceito de Sistemas O que se espera de um sistema de computação? Execução de

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação

Sistemas Operacionais. Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira. Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1. Cursos de Computação Cursos de Computação Sistemas Operacionais Prof. M.Sc. Sérgio Teixeira Aula 05 Estrutura e arquitetura do SO Parte 1 Referência: MACHADO, F.B. ; MAIA, L.P. Arquitetura de Sistemas Operacionais. 4.ed. LTC,

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition

Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos. Operating System Concepts 8 th Edition Capítulo 11: Implementação de Sistemas de Arquivos Silberschatz, Galvin and Gagne 2009 Sobre a apresentação (About the slides) Os slides e figuras dessa apresentação foram criados por Silberschatz, Galvin

Leia mais

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware)

Computador Digital Circuitos de um computador (Hardware) Computador Digital SIS17 - Arquitetura de Computadores (Parte I) Máquina que pode resolver problemas executando uma série de instruções que lhe são fornecidas. Executa Programas conjunto de instruções

Leia mais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais

Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Conceitos Básicos sobre Sistemas Operacionais Ivanovitch Medeiros Dantas da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação DCA0800 - Algoritmos e

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Sistemas de Informação Prof.: Maico Petry SISTEMAS OPERACIONAIS DISCIPLINA: Fundamentos de Informática DEFINIÇÃO É um programa de controle do computador.

Leia mais

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos

FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado. Memória Armazenamento Sistema de Arquivos FACENS Engenharia Mecatrônica Sistemas de Computação Professor Machado Memória Armazenamento Sistema de Arquivos 1 Hierarquia de Memórias 2 Partes físicas associadas à memória Memória RAM Memória ROM Cache

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle.

Computador E/S, Memória, Barramento do sistema e CPU Onde a CPU Registradores, ULA, Interconexão interna da CPU e Unidade de controle. Introdução Os principais elementos de um sistema de computação são a unidade central de processamento (central processing unit CPU), a memória principal, o subsistema de E/S (entrada e saída) e os mecanismos

Leia mais

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S

Um retrospecto da aula passada... Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Gerência de E/S Um retrospecto da aula passada... Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 2 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Romildo Martins (romildo@romildo.net)

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

5.1 Sistemas de Arquivos

5.1 Sistemas de Arquivos Capítulo 5 Os Sistemas de Arquivos 5.1 Sistemas de Arquivos Neste capítulo nós iremos examinar, a partir da visão do usuário, as estruturas que possibilitam o armazenamento persistente de informações no

Leia mais

http://introcomp.pet.inf.ufes.br

http://introcomp.pet.inf.ufes.br O SITE http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br http://introcomp.pet.inf.ufes.br O MOODLE http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle http://introcomp.pet.inf.ufes.br/moodle

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Bibliografia Base Capítulo I Sistemas Operacionais Modernos Andrew S. Tanenbaum Gabriel Pitágoras Silva e Brenner gabrielbrenner@gmail.com Um computador sem seu software nada mais

Leia mais

FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD. Resumo Versão 2.3

FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD. Resumo Versão 2.3 FILESYSTEM HIERARCHY STANDARD Resumo Versão 2.3 Sumário 1 Introdução...3 1.1 Visão Geral da Estrutura Raiz...3 1.2 Visão Geral da Estrutura Padrão...3 2 Diretórios...3 2.1 /bin...3 2.2 /boot...4 2.3 /dev...4

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira

Objetivos Instalação Gerência de Pacotes UNIX Shell. Curso UNIX. Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Curso UNIX Matheus Braun Magrin Felipe dos Santos Silveira Universidade Federal de Santa Catarina 25 de Setembro de 2010 CHAMADA Objetivos Instalação do sistema Ubuntu 10.04 Conhecer a origem do sistema

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO

CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO 4 CONCEITOS BÁSICOS DE UM SISTEMA OPERATIVO CONCEITOS BÁSICOS MS-DOS MICROSOFT DISK OPERATION SYSTEM INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE UM SISTEMA OPERATIVO LIGAÇÕES À INTERNET O que é um sistema operativo?

Leia mais

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos

Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul UEMS Curso de Licenciatura em Computação Sistemas Operacionais Gerência de Dispositivos Prof. José Gonçalves Dias Neto profneto_ti@hotmail.com Introdução A gerência

Leia mais

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com

Gerenciamento de Arquivos e Pastas. Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Gerenciamento de Arquivos e Pastas Professor: Jeferson Machado Cordini jmcordini@hotmail.com Arquivo Todo e qualquer software ou informação gravada em nosso computador será guardada em uma unidade de disco,

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux

Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Curso de extensão da Faculdade Ruy Barbosa Introdução a Administração de Sistemas GNU/Linux Dedicasse especial a Rogério Bastos e ao GRACO (Gestores da Rede Acadêmica de Computação) do DCC UFBA Paul Regnier

Leia mais

Martin Vincent Bloedorn. GNU/Linux

Martin Vincent Bloedorn. GNU/Linux Martin Vincent Bloedorn Índice Motivação o que é? Breve história SO e abstrações GNU Origens Liberdade e escolha GNU O começo GNU GPL Free Software Foundation Desenvolvimentos Algo faltando... Linus e

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

É a parte física de um computador, formada por peças e circuitos eletrônicos que ficam dentro do Gabinete (Torre). Existem diversos tipos de

É a parte física de um computador, formada por peças e circuitos eletrônicos que ficam dentro do Gabinete (Torre). Existem diversos tipos de É a parte física de um computador, formada por peças e circuitos eletrônicos que ficam dentro do Gabinete (Torre). Existem diversos tipos de HARDWARE, segue abaixo, alguns dos HARDWARES INTERNOS do computador:

Leia mais

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional

Figura 01 Kernel de um Sistema Operacional 01 INTRODUÇÃO 1.5 ESTRUTURA DOS SISTEMAS OPERACIONAIS O Sistema Operacional é formado por um Conjunto de rotinas (denominado de núcleo do sistema ou kernel) que oferece serviços aos usuários e suas aplicações

Leia mais

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº

Turno/Horário Noturno PROFESSOR : Salomão Dantas Soares AULA Apostila nº UNIDADE 1I: SISTEMA COMPITACIONAL Elementos hardware e periféricos Um sistema computacional consiste num conjunto de dispositivos eletrônicos (hardware) capazes de processar informações de acordo com um

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional

Sistemas Operacionais. Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional Sistemas Operacionais Prof. Pedro Luís Antonelli Anhanguera Educacional INTRODUÇÃO Sistema Operacional (S.O.) Aplicativos Formado por um conjunto de rotinas que oferecem serviços aos usuários, às aplicações

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

SISTEMAS OPERACIONAIS ABERTOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 2-1. PRINCÍPIOS DE SOFTWARE DE ENTRADA E SAÍDA (E/S) As metas gerais do software de entrada e saída é organizar o software como uma série de camadas, com as mais baixas preocupadas em esconder as

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia

BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO EaD UAB/UFSCar Sistemas de Informação - prof. Dr. Hélio Crestana Guardia O Sistema Operacional que você usa é multitasking? Por multitasking, entende-se a capacidade do SO de ter mais de um processos em execução ao mesmo tempo. É claro que, num dado instante, o número de processos

Leia mais

FundamentosemInformática

FundamentosemInformática FundamentosemInformática 04 Software Conteúdo Conceito de Software Classificação de Softwares Conceito de Sistema Operacional(S.O.) FunçõesBásicasdeumS.O. um Arquivos Atributos Diretórios 1 -Conceitos

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Arquitetura Sistemas Operacionais Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Plano de Aula Sistemas monolíticos Sistemas em camadas Sistemas micro-núcleo Modelo Cliente-Servidor Máquinas

Leia mais

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins

Organização de Computadores 1. Prof. Luiz Gustavo A. Martins Organização de Computadores 1 1 - INTRODUÇÃO Prof. Luiz Gustavo A. Martins Arquitetura Define os elementos que impactuam diretamente na execução lógica do programa. Corresponde aos atributos visíveis veis

Leia mais

Laboratório de Hardware

Laboratório de Hardware Laboratório de Hardware Prof. Marcel Santos Responsável por implementar em software um recurso que não existe no hardware. O hardware oferece simplesmente um grande conjunto de bytes contíguos, e a tarefa

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO)

CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) CONCEITOS BÁSICOS SOBRE PROGRAMAÇÃO Programação Orientada a Objetos (POO) Profa. Vania V. Estrela, Profa. Albany E. Herrmann 1. Programação Programação requer o uso de uma linguagem, cuja sintaxe geralmente

Leia mais

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução

Problema: Solução: Vantagens da estruturação em Níveis: Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES. Introdução INTRODUÇÃO À ARQUITETURA DE COMPUTADORES Curso Técnico de Informática Eduardo Amaral Introdução Computador: Máquina programável, de propósito geral, que processa informação. Programa: Seqüência de instruções

Leia mais

Introdução à Informática

Introdução à Informática Introdução à Informática Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/introinfo/ Aula 6-21/09/2007 1 Ementa Conceitos Básicos de Computação (Hardware, Software e Internet) Softwares Aplicativos Tutorial: Word Tutorial:

Leia mais

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos

Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos UNIVERSIDADE Computação Aula 03-04: Modelos de Sistemas Distribuídos 2o. Semestre / 2014 Prof. Jesus Principais questões no projeto de um sistema distribuído (SD) Questão de acesso (como sist. será acessado)

Leia mais

MF = (M1 * 0,4) + (M2 * 0,6) MF < 6 MF = (MF * 0,6) + (EXA * 0,4)

MF = (M1 * 0,4) + (M2 * 0,6) MF < 6 MF = (MF * 0,6) + (EXA * 0,4) Informática Aplicada Prof. Gilmar F. Aquino Filho São Vicente, SP 22/02/2016 EMENTA Fundamentos em Informática; O computador; História; Origem; Funcionamento; Componentes; Conceito de Hardware; Conceito

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Software Sistema de Entrada/Saída Princípios de Software Tratadores (Manipuladores) de Interrupções Acionadores de Dispositivos (Device Drivers)

Leia mais

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS Tópicos e Objetivos - 1.101 Hardware e Arquitetura - - 1.103 Comandos GNU e Unix - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS - 1.1.10 Sistema Xwindow 65 Questões em 90 minutos = 1m24s por

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Aula 01 - Introdução Edirlei Soares de Lima O que é um sistema operacional? Um computador moderno consiste em: Um ou mais processadores; Memória principal;

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr

Tecnologia da Informação. Prof Odilon Zappe Jr Tecnologia da Informação Prof Odilon Zappe Jr Compatibilidade O termo compatibilidade refere-se aos diferentes componentes do computador (hardware e software) que são convenientes para o emprego das funções

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS

SISTEMAS OPERACIONAIS SISTEMAS OPERACIONAIS Tópico 4 Estrutura do Sistema Operacional Prof. Rafael Gross prof.rafaelgross@fatec.sp.gov.br FUNÇÕES DO NUCLEO As principais funções do núcleo encontradas na maioria dos sistemas

Leia mais

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes

Apresentação. Rio de Janeiro, 19 de fevereiro de 2002 Waldemar Celes Apresentação A disciplina de Estruturas de Dados (ED) está sendo ministrada em sua nova versão desde o segundo semestre de 1998. Trata-se da segunda disciplina de informática oferecida no curso de Engenharia

Leia mais

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel

4 Estrutura do Sistema Operacional. 4.1 - Kernel 1 4 Estrutura do Sistema Operacional 4.1 - Kernel O kernel é o núcleo do sistema operacional, sendo responsável direto por controlar tudo ao seu redor. Desde os dispositivos usuais, como unidades de disco,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Prof. Ms. Márcio Andrey Teixeira A Caracterização dos Sistemas Funções do S.O Administração de Processos Administração da Memória Principal Administração do Armazenamento Secundário Administração

Leia mais

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa

Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1. Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Formação de Administradores de Redes Linux LPI level 1 Aula 2 SENAC TI Fernando Costa Agenda Introdução ao Shell Variáveis do shell Usando símbolos coringa Síntese Exercícios O shell Como todo computador

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II

Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II Virtualização Gerencia de Redes Redes de Computadores II *Créditos: baseado no material do Prof. Eduardo Zagari Virtualização - Introdução Introduzido nos anos 60 em Mainframes Em 1980 os microcomputadores

Leia mais

Professor: Gládston Duarte

Professor: Gládston Duarte Professor: Gládston Duarte INFRAESTRUTURA FÍSICA DE REDES DE COMPUTADORES Ø Computador Ø Instalação e configuração de Sistemas Operacionais Windows e Linux Ø Arquiteturas físicas e lógicas de redes de

Leia mais

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional

O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais. Visão geral de um sistema computacional O que veremos nesta aula? Principais Aspectos de Sistemas Operacionais Laboratório de Sistemas Operacionais Aula 1 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Tudo o que já vimos antes... Introdução

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto

Sistemas Operacionais. (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Sistemas Operacionais (Capítulo 3) INTRODUÇÃO À ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor: Rosalvo Ferreira de Oliveira Neto Estrutura 1. Definições 2. Classificações 3. CPU 4. Memória 5. Utilitários O que se

Leia mais

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos

Sistemas Operacionais Conceitos Básicos 1. Sistema Computacional: HARDWARE + SOFTWARE. Sistemas Operacionais Conceitos Básicos Hardware: Principais elementos de hardware de um Sistema Computacional: Processador Memória principal Dispositivos

Leia mais