FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL"

Transcrição

1 FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO DO CURSO DE GRADUAÇÃO BACHARELADO EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Cacoal,

2 FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL CURSO DE GRADUAÇÃO BACHARELADO CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Prof. Esp. Itamar Neri de Souza Larangeira Coordenador do Curso Cacoal,

3 ADMINISTRAÇÃO DA IES E DO CURSO Nelson Mangueira Rodrigues de Souza Presidente da FACIMED Sandra Maria Veloso Carrijo Marques Diretora Geral Geraldo Alencar Ribeiro Diretor Acadêmico Rosani Lenzi de Oliveira Diretora Administrativa Itamar Neri de Souza Larangeira Coordenador do Curso Rosana de Oliveira Nunes Coordenadora Pedagógica Núcleo Docente Estruturante Itamar Neri de Souza Larangeira Mansueto Dal Manso Elessandra Silvestro Janaína Casella Ana Paula de Melo 3

4 INDICE APRESENTAÇÃO... 7 DADOS PRELIMINARES DO CURSO Nome do Curso Nome da Mantida Nome da Mantenedora Endereço de Funcionamento do Curso Número de Vagas Pretendidas Turno de Funcionamento do Curso Carga Horária Total do Curso Tempo Mínimo e Máximo de Integralização Regime de Matrícula... 9 CONTEXTUALIZAÇÃO DA FACIMED DADOS INSTITUCIONAIS Mantenedora Mantida Perfil e Missão da FACIMED Dados Sócio-econômicos da Região Breve Histórico da IES DIMENSÃO 1 - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DO CURSO CONTEXTO EDUCACIONAL Dados e Pirâmide Populacional População do Ensino Médio Regional Quantidade de Vagas Ofertadas na Educação Superior Taxas Bruta e Líquida e Matriculados na Educação Superior Demanda pelo Curso Formas de Aceso ao Curso Implementação das Políticas Institucionais Constantes do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) no Âmbito do Curso Políticas de Ensino Políticas de Pesquisa Políticas de Extensão Programas Institucionais de Financiamento de Estudos Programas com investimento institucional Programa com investimento governamental Concepção do Curso Objetivos do Curso Objetivo Geral do Curso Objetivos Específicos do Curso Perfil do Formando, Competências e Habilidades Perfil do Egresso Competências e Habilidades Gerais Mercado de Trabalho Organização Curricular Conteúdos Curriculares do Curso de Graduação Coerência dos Conteúdos Curriculares com o Perfil Desejado do Egresso40 4

5 Coerência dos Conteúdos Curriculares Face às Diretrizes Curriculares Nacionais Matriz Curricular do Curso Ementário Disciplinas Optativas... Erro! Indicador não definido Política de Educação Ambiental Metodologia Estágio Curricular Supervisionado Objetivo Geral dos Estágios Objetivos Específicos dos Estágios Campos de Estágio Modalidades de Estágio Coordenação de Estágios Atividades Complementares Trabalho de Conclusão de Curso Apoio ao Discente Apoio às Ações Decorrentes do Processo Avaliativo do Curso Atendimento Extraclasse Atendimento Psicopedagógico Estratégias de Nivelamento Estratégias de Interdisciplinaridade Estímulos a Atividades Acadêmicas Avaliação do Processo de Ensino-aprendizagem do Curso Avaliação do Curso DIMENSÃO 2 - CORPO DOCENTE ADMINISTRAÇÃO ACADÊMICA Do Núcleo Docente Estruturante Composição do Núcleo Docente Estruturante Titulação e Formação Acadêmica do NDE Regime de Trabalho do NDE Composição e Funcionamento do Colegiado do Curso Do Coordenador do Curso Identificação do Coordenador do Curso Regime de Trabalho do Coordenador do Curso Titulação e Formação do Coordenador do Curso Atuação do Coordenador do Curso Organização do Controle Acadêmico Pessoal Técnico e Administrativo Perfil do Corpo docente Titulação do Corpo Docente Regime de Trabalho do Corpo Docente Experiência Profissional do Corpo Docente Experiência no Exercício da Docência e em Outras Atividades Profissionais Relação entre o Número de Docentes e o Número de Estudantes Produção Científica, Cultural, Artística ou Tecnológica do Corpo Docente 1844 DIMENSÃO 3 INSTALAÇÕES FÍSICAS INFRAESTRUTURA FÍSICA E ACADÊMICA

6 3.1.1 Gabinetes de Trabalho para Docentes em Tempo Integral Espaço de Trabalho para Coordenação de Curso e Serviços Acadêmicos Sala de Professores Sala de Reuniões e Núcleo Docente Estruturante (NDE) Salas de Aula Auditório e Salas de Conferência Instalações Sanitárias Condições de Acesso para Pessoas com Necessidades Especiais Infraestrutura de Segurança Área de Convivência Acesso a Equipamentos de Informática pelos Docentes Acesso a Equipamentos de Informática pelos Discentes Recursos Audiovisuais Biblioteca Livros da Bibliografia Básica Livros da Bibliografia Complementar Periódicos Especializados Laboratórios Didáticos e Especializados REFERÊNCIAS

7 APRESENTAÇÃO O Projeto Pedagógico é o conjunto de diretrizes e estratégias que expressam e orientam a prática pedagógica do curso. Trata-se da própria concepção do Curso que descreve um conjunto de capacidades a ser desenvolvidas em uma dada clientela, os referenciais a ela associados e a metodologia a ser adotada. Assim, o Projeto Pedagógico não é a mera organização curricular, mas um posicionamento institucional diante da realidade e do desenvolvimento da área de conhecimento, discutido pela comunidade acadêmica e que direciona a prática pedagógica da instituição. O objetivo do Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal - FACIMED é possibilitar a reflexão crítica sobre a prática pedagógica com vista à melhoria do ensino. Além disso, tem como objetivos específicos definir a identidade, a diferenciação e a originalidade do curso, trazer novas perspectivas ao curso, antecipar e promover as mudanças necessárias, reformular disciplinas, caracterizar o perfil docente, criar mecanismos de avaliação permanente a fim de atingir a excelência desejada na qualidade de ensino. O projeto pedagógico oferece à instituição a oportunidade de promover os seguintes questionamentos sobre o curso: qual é o perfil do profissional que estamos formando? Qual é o tipo de profissional que queremos formar? Que melhorias podemos implementar em sua estrutura e funcionamento que possam contribuir na formação de um profissional competente? Que recursos, capacidades e estratégias podem ser mobilizados para melhorar a qualidade do curso? Além disso, o projeto pedagógico define as características do profissional que o curso pretende oferecer ao mercado; articular a questão do ensino com o compromisso profissional e transformações sociais, na medida em que possibilita a formação de profissionais éticos que se antecipam aos problemas da realidade e que atendam às demandas do progresso científico, tecnológico e sócio econômico. 7

8 Este projeto será a referência que articula e integra todas as atividades de ensino, pesquisa e extensão no curso, evitando-se a fragmentação de disciplinas, principalmente para integrar professores e criar conteúdos mais consistentes. Permitirá também avançar na questão da interdisciplinaridade, pois os conteúdos do curso passam a refletir não a compartimentalização, mas sim o entendimento integrado, interdisciplinar e sistêmico. Por fim, a qualidade de ensino pressupõe a consciência clara do projeto educacional global da Instituição e a articulação do projeto pedagógico de cada curso que a Instituição oferece. Desta forma, o Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas da Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED, foi desenvolvido levando em consideração o seu Plano de Desenvolvimento Institucional. O Projeto Pedagógico do Curso de Bacharelado em Ciências Biológicas da FACIMED foi subdividido em quatro dimensões: Contexto Institucional, Organização Didático-Pedagógica, Corpo Docente e Instalações. A Dimensão 1 aborda a Organização Didático-Pedagógica do curso, tratando da administração acadêmica: a coordenação do curso, a organização acadêmicoadministrativa, o atendimento aos discentes; do projeto pedagógico do curso: concepção, currículo e sistema de avaliação; das atividades acadêmicas tais como: participação dos discentes nas atividades acadêmicas, iniciação científica, estágios supervisionados e trabalho de conclusão de curso. A Dimensão 2 diz respeito ao Corpo Docente, abordando a formação acadêmica e profissional, as condições de trabalho e a atuação e desempenho acadêmico e profissional. A Dimensão 3 do projeto descreve as Instalações Físicas e Laboratoriais específicas do curso. 8

9 DADOS PRELIMINARES DO CURSO 1 Nome do Curso Ciências Biológicas 2 Nome da Mantida Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal FACIMED 3 Nome da Mantenedora Sociedade Regional de Educação e Cultura 4 Endereço de Funcionamento do Curso Rua Rosilene Xavier Transpadine nº 2070 Bairro Jardim Clodoaldo 5 Número de Vagas Pretendidas 50 anuais 6 Turno de Funcionamento do Curso Noturno 7 Carga Horária Total do Curso O Curso terá carga horária igual a 3361 horas, distribuídas em: 2761 horas para as Disciplinas Curriculares;400 horas para o Estágio Curricular Supervisionado; 200 horas para as Atividades Complementares; 100 horas para o Trabalho de Conclusão de Curso. 8 Tempo Mínimo e Máximo de Integralização Mínimo: 4 anos Máxim o: 8 anos 9. Regime de Matrícula Semestral 10. Modalidade Bacharelado 9

10 CONTEXTUALIZAÇÃO DA FACIMED 1. DADOS INSTITUCIONAIS 1.1 Mantenedora NOME EMPRESARIAL SOCIEDADE REGIONAL DE EDUCACAO E CULTURA LTDA CNPJ / NATUREZA JURÍDICA Pessoa Jurídica de Direito Privado, com fins lucrativos (Sociedade Empresaria Limitada). ENDEREÇO Avenida Cuiabá, nº Bairro Jardim Clodoaldo CEP MUNICÍPIO Cacoal ESTADO Rondônia Contrato Social registrado na Junta Comercial do Estado REGISTRO NO de Rondônia JUCER, sob o número , CARTÓRIO em 26 de junho de TELEFONE (69) FAX (69) Mantida NOME FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL FACIMED ENDEREÇO Avenida Cuiabá, nº Bairro Jardim Clodoaldo CEP MUNICÍPIO Cacoal ESTADO Rondônia TELEFONE (69) FAX (69) E MAIL SITE Credenciada pela Portaria MEC nº , de 13 de ATOS LEGAIS dezembro de 2001, publicada no DOU de 17 de dezembro de 2001 DIREÇÃO GERAL Sandra Maria Veloso Carrijo Marques E MAIL DA DIREÇÃO DIREÇÃO ACADÊMICA Prof. Geraldo Alencar Ribeiro E.MAIL DA DIREÇÃO ACADÊMCIA 1.3 Perfil e Missão da FACIMED 10

11 A FACIMED tem como missão a atividade educacional formativa, desenvolvendo e preparando profissionais, cidadãos livres e conscientes, que busquem projetos de vida, participativos, responsáveis, críticos e criativos, construindo e aplicando o conhecimento para o aprimoramento contínuo da sociedade em que vivem e de futuras gerações. Tem como linhas de ação fundamentais: a integração de todas as atividades acadêmicas da Instituição, corporificada pelas ações sinérgicas dos diferentes órgãos e setores da Instituição, considerada pré requisito para o alcance dos patamares de qualidade pretendidos no ensino, na pesquisa e na extensão; o foco voltado para o ensino de bacharelados, cujos níveis de qualidade e maturidade constituem a sustentação para os cursos de pós graduação; sendo uma instituição aberta e crítica, canal de manifestação livre de todas as correntes do pensamento, em clima de liberdade, responsabilidade e respeito aos direitos individuais e coletivos, e contempla ainda: A promoção, pelo ensino, pesquisa e extensão, da procura do saber, nas áreas fundamentais do conhecimento humano e em áreas técnico profissionais, visando preservá lo, ampliá lo e transmiti lo; A qualificação de recursos humanos, em nível superior, nas diversas carreiras e profissões; A promoção, realização e incentivo à pesquisa nas diversas áreas, campos e domínios do saber, em suas múltiplas formas, como fator gerador de novos conhecimentos, aperfeiçoamento de novas tecnologias e como instrumento para melhoria da qualidade de ensino; A extensão, como instrumento de comunicação inteligente entre a FACIMED e a realidade circundante, pelo ensino e pesquisa, através de metodologias aplicativas, cursos, convênios, contratos e outros meios; A promoção e preservação da cultura como forma de fazer emergir a identidade regional, em seus valores éticos, artísticos, espirituais, sociais e econômicos, pelas manifestações e criações da comunidade; A promoção da integração e o intercâmbio com as instituições congêneres públicas ou privadas, nas diversas áreas de atividade. 11

12 Para tanto, pretende continuar suas atividades nas áreas da graduação e pós graduação (lato sensu), e vir atuar no ensino seqüencial, em programas de formação de professores e a distância e em programas stricto sensu, além de aprofundar as ações para a realização das práticas investigativas e a disseminação de novos saberes por meio da organização de projetos, programas, atividades culturais e prestação de serviços. Manterá também incentivos para publicações das produções científicas de seus alunos e professores. A FACIMED, respondendo aos anseios da sua comunidade acadêmica, atuará dentro dos princípios da busca permanente da qualidade, do trabalho em equipe, do compromisso com soluções concretas para os problemas da sua região e da atuação em parceria com outras instituições, sempre com o propósito de atingir sua missão institucional. Além disso, como característica distintiva, a FACIMED terá o compromisso de inovar sempre, como condição necessária para a sobrevivência e crescimento em um cenário educacional de intensa competição. 1.4 Dados Sócio-econômicos da Região A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal possui limite de atuação circunscrito ao Município de Cacoal, Estado de Rondônia. Localizado na parte oeste da Região Norte do Brasil, o Estado de Rondônia encontra-se em área abrangida pela Amazônia Ocidental. A maior parte do território do Estado de Rondônia encontra-se incluída no Planalto Sul-Amazônico, uma das parcelas do Planalto Central Brasileiro. Com uma população de habitantes em uma área de ,864 km 2 e 52 municípios (IBGE, 2010), Rondônia possui como Capital a cidade de Porto Velho. Distante 477 km da Capital, Cacoal pertence à Mesorregião Leste Rondoniense, Microrregião Cacoal. Com habitantes (IBGE, 2010), rica em Diamante e Ouro, a Microrregião Cacoal é uma das oito microrregiões do Estado de Rondônia, formada por nove municípios, a saber: Alta Floresta d'oeste; Alto Alegre dos Parecis; Castanheiras; 12

13 Cacoal; Espigão d'oeste; Ministro Andreazza; Novo Horizonte do Oeste; Rolim de Moura e Santa Luzia d'oeste. POPULAÇÃO DA MICRORREGIÃO DE CACOAL NOME DO MUNICÍPIO NÚMERO DE HABITANTES Alta Floresta d'oeste Alto Alegre dos Parecis Castanheiras Cacoal Espigão d'oeste Ministro Andreazza Novo Horizonte do Oeste Rolim de Moura Santa Luzia d'oeste TOTAL Fonte: IBGE, Seguem dados socioeconômicos estaduais, receitas municipais de Cacoal e receita per capita 1. RONDÔNIA - RECEITAS ESTADUAIS VALORES EM R$ RECEITAS VALOR (R$) Receitas totais ,72 Receitas tributárias ,34 Receitas patrimoniais ,19 Transferências correntes ,83 Outras transferências da união ,59 Deduções da receita corrente ,69 Despesas totais ,29 Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional. CACOAL - RECEITAS MUNICIPAIS VALORES EM R$ RECEITAS VALOR (R$) Receitas totais ,00 Receitas tributárias ,00 Receitas patrimoniais ,00 Transferências correntes ,00 Outras transferências da união ,00 Deduções da receita corrente ,00 1 Fonte: BRASIL. Ministério da Saúde. Sala de Situação em Saúde. Disponível em: 13

14 Despesas totais ,09 Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional. RECEITA PER CAPITA - VALORES EM R$ RECEITA PER CAPITA VALOR (R$) Receita per capita do município (2009) 1.177,45 Receita per capita do conjunto de municípios do estado (2009) 1.398,38 Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional. Com um PIB (Produto Interno Bruto) de R$ 753 milhões, as principais atividades econômicas de Cacoal estão ligadas à agropecuária, à indústria e ao comércio. Além disso, o Município tem se consolidado como um pólo no setor de serviços, principalmente de educação e saúde (Fonte: Prefeitura Municipal, 2011). DIVISÃO DO PIB DO MUNICÍPIO DE CACOAL SETOR VALOR (R$) Agropecuária 94 milhões Indústria 180 milhões Serviços 400 milhões Impostos 79 milhões TOTAL 753 milhões Fonte: IBGE, Cacoal possui um dos maiores rebanhos de Rondônia, são cerca de 400 mil cabeças de gado bovino e aparece como quarto maior em produção, no Estado. A pecuária com rebanho de corte e leiteiro é responsável pela instalação de frigoríficos e laticínios que oferecem emprego e renda para centenas de pessoas direta e indiretamente, fomentando, ainda, o setor de couro e artefatos com a instalação de curtumes. A base econômica da agricultura permanente é o café. Em 2008, a produção foi de cerca de sacas. No desenvolvimento de culturas temporárias, as mais importantes são o arroz, o feijão, a mandioca e o milho, com uma produção muito expressiva. A atividade comercial de Cacoal é diversificada, são cerca de quatro mil empresas ativas, e atrai consumidores de toda Mesorregião. É comum, pessoas virem de todo o Leste Rondoniense para adquirir produtos ofertados pelo mercado local. A diversidade e os preços são atrativos para esses consumidores. Os setores que mais 14

15 se destacam são os supermercados, as autopeças, as concessionárias de veículos, as confecções, os materiais de construção e um forte setor atacadista. Em 2000, o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal de Cacoal é 0,755. Segundo a classificação do PNUD, o município está entre as regiões consideradas de médio desenvolvimento humano (IDH entre 0,5 e 0,8). Em relação aos outros municípios do Brasil, Cacoal apresenta uma situação boa: ocupa a 1713ª posição, sendo que 1712 municípios (31,1%) estão em situação melhor e 3794 municípios (68,9%) estão em situação pior ou igual. Em relação aos outros municípios do Estado, Cacoal apresenta uma situação boa: ocupa a 3ª posição, sendo que 2 municípios (3,8%) estão em situação melhor e 49 municípios (96,2%) estão em situação pior ou igual. A seguir, estão descritas as taxas e os dados demográficos e territoriais do Estado de Rondônia e do Município de Cacoal 2. RONDÔNIA - DEMOGRÁFICO TAXAS ESTADUAIS Analfabetismo em maiores de 15 anos (2008) 9.17 Crescimento da população (2007) 2.05 Proporção da população acima de 15 anos com mais de 8 anos de estudo 44.9 (2007) Esperança de vida ao nascer (2008) Fecundidade total (2007) 2.1 Proporção de idosos na população (2008) 6.3 Razão de sexo - nº. de homens por 100 mulheres (2007) 104 Grau de urbanização (2007) 67.7 Natalidade (2007) 19.4 Mortalidade (2006) 6.67 Mortalidade infantil (2007) 19.9 Taxa de trabalho infantil (2007) 16,40 Fonte: IDB 2007 / RIPSA CACOAL - DEMOGRÁFICO TAXAS MUNICIPAIS Densidade demográfica (2000) 3.8 hab./km² Razão de sexo - nº. de homens por 100 mulheres (2005) 102 Esperança de vida ao nascer (2000) 69,70 2 Fonte: BRASIL. Ministério da Saúde. Sala de Situação em Saúde. Disponível em: 15

16 anos Crescimento populacional (2000) Fecundidade (2000) 2.34 Grau de urbanização (2005) 69.9 Proporção de idosos (2005) 5.9 Analfabetismo (2000) Índice de desenvolvimento humano - IDH (2000) 0,76 Índice de exclusão social (2000) 0,49 Fonte: IBGE. 1.5 Breve Histórico da IES A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal (FACIMED) é uma instituição particular de ensino superior, mantida pela Sociedade Regional de Educação e Cultura (SOREC), pessoa jurídica de direito privado, com sede e foro na cidade de Cacoal, Estado de Rondônia, situada na Avenida Cuiabá, nº , Jardim Clodoaldo, inscrita no cadastro geral de contribuintes do Ministério da Fazenda sob o nº / , inscrição Municipal nº , com contrato de constituição por Cotas de Responsabilidade Limitada, devidamente inscrita no Registro de Títulos e Documentos. A Sociedade Regional de Educação e Cultura (SOREC) é uma sociedade por quotas de responsabilidade limitada, de acordo com as Leis nº , de 10/01/1919 e 4.726, de 13/6/1965 e pelas demais disposições legais aplicáveis à espécie, tem por objetivo social o ramo de ensino superior, educação básica, educação média de formação técnica e profissional, educação continuada ou permanente, ensino a distância, cursos pré-vestibular, profissionalizantes e de pós-graduação, treinamentos, assessorias e consultorias. O prazo de duração da sociedade é indeterminado, tendo iniciado suas atividades em 1º de junho de 1998, conforme Contrato Social, devidamente registrado na Junta Comercial do Estado de Rondônia (JUCER), sob o número , em 26 de junho de O citado contrato social sofreu alterações contratuais, todas registradas na mesma JUCER. A FACIMED, como instituição de educação superior, destina-se a promover o ensino, a pesquisa e a extensão em nível superior. Ela desenvolve suas atividades acadêmicas em consonância com as demandas sociais e as necessidades do mercado de trabalho regional. 16

17 A FACIMED atua nas áreas de Ciências da Saúde, de Ciências Exatas e da Terra, de Ciências Biológicas, Formação de Professores, Formação Tecnológica, nos eixos tecnológicos Ambientes e Saúde, Gestão e Negócios e Recursos Naturais, mediante o oferecimento de cursos de graduação nas modalidades bacharelado, licenciaturas e cursos superiores de tecnologia. Os cursos ofertados estão em sintonia com as necessidades sociais da saúde,segundo dados e normas do Sistema Único de Saúde (SUS), com a intenção de formar profissionais para atuar no magistério da educação básica e com a dinâmica do setor produtivo e os requerimentos da sociedade regional. A FACIMED atua ainda na oferta de programas de pós-graduação lato sensu nas diversas áreas de sua atuação. A FACIMED foi credenciada mediante a Portaria MEC nº , de 13/12/2001, publicada no DOU de 17/12/2001 e, a partir de sua existência física e legal, passou a manter os cursos abaixo relacionados na forma da lei. Ano Curso Modalidade Autorização Reconhecimento 2001 Enfermagem Bacharelado Portaria MEC nº , de 13/12/2001, publicada no DOU de 17/12/ Ciências Biológicas 2002 Educação Física Licenciatura Bacharelado Portaria MEC nº , de 13/12/2001, publicada no DOU de 17/12/2001. Bacharelado Portaria MEC nº , de 17/04/2002, publicada no DOU de 18/04/ Farmácia Bacharelado Portaria MEC nº , de 08/08/2003, publicada no DOU de 11/08/ Fisioterapia Bacharelado Portaria MEC nº , de 18/11/2004, publicada no DOU de 19/11/ Medicina Veterinária Bacharelado Portaria MEC/SESu nº. 881, de 07/11/2006, publicada no DOU de Portaria MEC/SESu nº. 223 de 07/06/2006, publicada no DOU de 09/06/2006. Portaria MEC/SESu nº. 423, de 26/07/2006, publicada no DOU de 27/07/2006. Portaria MEC/SESu nº. 939, de 20/11/2006, publicada no DOU de 21/11/2006. Portaria MEC/SESu nº. 384 de 19/03/2009, publicada no DOU de 20/03/2009. Portaria MEC/SESu nº. 587 de 17/04/2009, publicada no DOU de 20/04/2009. Reconhecimento Protocolo e-mec nº

18 08/11/ Medicina Bacharelado Portaria MEC nº , de 09/11/2006, publicada no DOU de 10/11/ Matemática Licenciatura Portaria MEC/SESu nº , de 08/12/ Física Licenciatura Portaria MEC/SESu nº , de 08/12/2006, publicada no DOU de 11/12/ Psicologia Psicólogo Portaria MEC/SESu nº , de 28/12/2006, publicada no DOU de 29/12/ Química Licenciatura Portaria MEC/SESu nº , de 08/12/2006, publicada no DOU de 11/12/ Odontologia Bacharelado Portaria MEC/SESu nº. 88, de 31/01/2007, publicada no DOU de 01/02/ Gestão Ambiental Gestão de Recursos Humanos Tecnólogo Tecnólogo Portaria MEC/SETEC nº. 530, de 19/10/2007, publicada no DOU de 22/10/2007 Portaria MEC/SETEC nº. 530, de 19/10/2007, publicada no DOU de 22/10/2007 Agronegócio Tecnólogo Portaria MEC/SETEC nº. 620, de 19/12/2007, publicada no DOU de 21/12/2007 Gestão de Cooperativas 2009 Processos Gerenciais Tecnólogo Tecnólogo Portaria MEC/SETEC nº. 04, de 09/01/2008, publicada no DOU de 11/01/20 Portaria MEC/SETEC nº. 37, de 06/02/2009, publicada no DOU de Reconhecimento Protocolo e-mec nº Reconhecimento Protocolo e-mec nº Reconhecimento Protocolo e-mec nº Reconhecimento Protocolo e-mec nº Portaria MEC/SESu nº. 199, de 19/01/2011, publicada no DOU de 21/01/2011. Reconhecimento Protocolo e-mec nº Reconhecimento - processos e-mec e Reconhecimento - processos e-mec e Reconhecimento Protocolo e-mec nº Reconhecimento Protocolo e-mec nº

19 09/02/2009. Preocupada com o desenvolvimento regional e com a formação continuada, concomitante com o oferecimento dos cursos de graduação, anteriormente enumerados, a FACIMED oferta cursos de pós-graduação lato sensu nas áreas de conhecimento dos cursos de graduação mantidos por ela, a saber: Didática do Ensino Superior Saúde do Trabalhador Operacionalização do Ensino da Química, Física e Matemática Fisiologia do Exercício Físico: na Saúde e na Doença Libras - Língua Brasileira de Sinais Enfermagem em UTI Saúde da Família e Comunidade (PSF) Tópicos Avançados em Bovinocultura de Leite Ecologia e Conservação Avaliação e Prescrição em Musculação Fisioterapia Intensiva Gestão Hospitalar Ginecologia e Obstetrícia em Enfermagem Enfermagem no Trabalho Auditoria, Perícia e Gestão Ambiental Analises Clinicas Ensino da Matemática Fisioterapia em Ortopedia e Traumatologia Gestão Escolar - Administração, Supervisão e Orientação MBA - Marketing Psicologia Clínica MBA Executivo: Gestão Empresarial I Biodiversidade Métodos em Prospecção Biológica Química Industrial MBA Gestão de Pessoas 19

20 MBA Executivo Gestão Empresarial MBA - Gestão Estratégica em Agronegócios MBA Controladoria e Finanças Paralelamente ao ensino, a FACIMED desenvolve atividades de pesquisa e de extensão nas áreas de conhecimento relacionadas aos cursos por ela oferecidos. No decorrer de sua existência, a FACIMED consolidou-se como a mais importante Instituição de Ensino Superior da região em virtude de seu notório trabalho na formação de homens e mulheres preparados para o exercício da profissão e da cidadania plena. 20

21 DIMENSÃO 1 - ORGANIZAÇÃO DIDÁTICO-PEDAGÓGICA DO CURSO 1 CONTEXTO EDUCACIONAL 1.1 Dados e Pirâmide Populacional A Faculdade de Ciências Biomédicas de Cacoal possui limite de atuação circunscrito ao município de Cacoal, situado na Microrregião Cacoal, no Estado de Rondônia. Dados Populacionais (IBGE, 2010): Estado de Rondônia habitantes. Microrregião Cacoal habitantes. Município de Cacoal; habitantes. Por meio da pirâmide populacional do Município de Cacoal, observa-se um processo de diminuição do crescimento da população, provavelmente devido à queda da fecundidade. Entretanto, a população municipal ainda possui uma estrutura jovem, com uma pirâmide populacional de ápice estreito. MUNICÍPIO: CACOAL - RO POPULAÇÃO RESIDENTE POR FAIXA ETÁRIA E SEXO FAIXA ETÁRIA MASCULINO FEMININO TOTAL Menor a a a a a a a a a a e Ignorada Total Fonte: IBGE, Censos e Estimativas

22 1.2 População do Ensino Médio Regional A universalização progressiva do ensino médio constitui exigência da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. A necessária expansão deste nível de ensino foi claramente planejada nas metas do Plano Nacional de Educação (PNE), aprovado pela Lei nº /2001, sendo evidenciada na região de inserção da FACIMED. Em Cacoal, de acordo com os dados finais do Censo Escolar 2010 (INEP), publicados no Diário Oficial da União no dia 20 de dezembro de 2010, há 20 escolas de ensino médio e/ou educação profissional. Ainda de acordo com os Resultados Finais do Censo Escolar 2010, foram registradas, no município de Cacoal, matrículas iniciais no ensino médio, sendo no Ensino Médio Regular, 490 em Educação Profissional (Nível Técnico), em Educação de Jovens e Adultos (EJA) e 11 em Educação Especial (Alunos de Escolas Especiais, Classes Especiais e Incluídos), conforme se pode observar na tabela abaixo: DEPENDÊNCI A INEP - CENSO ESCOLAR 2010 MATRÍCULAS INICIAIS NO ENSINO MÉDIO 22

23 Ensino Médio Educaçã o Profissiona l (Técnico ) Educação de Jovens e Adultos (EJA) - Médio Presenci al Semi- Presenci al Educação Especial (Alunos de Escolas Especiais, Classes Especiais e Incluídos) Médio Educação Profissional (Técnico) Estadual Federal Municipal Privada TOTAL Fonte: INEP, EJA Médio Na Microrregião Cacoal, os dados do Censo Escolar de 2010 revelam que foram registradas matrículas iniciais, o que confirma a existência de demanda potencial por formação superior na localidade. Estando prevista a expansão do ensino médio, o aumento de vagas e a democratização do acesso à educação superior são algumas das metas estabelecidas pelo Plano Nacional de Educação - PNE. Tais metas estão associadas a programas governamentais como o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES) e o Programa Universidade para Todos (ProUni). A FACIMED está cadastrada no Ministério da Educação para que os seus alunos possam ser beneficiados com o Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior (FIES). Ademais, a FACIMED aderiu ao Programa Universidade para Todos (ProUni), viabilizando mais um mecanismo de inserção e manutenção de alunos de baixa renda sem diploma de nível superior. O Programa Universidade para Todos foi criado pela MP nº. 213/2004 e institucionalizado pela Lei nº /2005. Tem como finalidade a concessão de bolsas de estudos integrais e parciais a estudantes de baixa renda, em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições privadas de educação superior, oferecendo, em contrapartida, isenção de alguns tributos àquelas que aderirem ao programa. O ingresso na educação superior assume para o jovem da região um caráter de tarefa evolutiva em si mesma, continuidade natural a ser assumida por quem termina o ensino médio e uma alternativa disponível de inserção no mundo do trabalho. 23

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O presente

Leia mais

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOMÉDICAS DE CACOAL-FACIMED CURSO DE GRADUAÇÃO BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO CURSO DE GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA Autorizado conforme Portaria MEC nº

Leia mais

Autorização do Curso: Portaria MEC/SETEC N O 530 de 19/10/07 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS

Autorização do Curso: Portaria MEC/SETEC N O 530 de 19/10/07 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Autorização do Curso: Portaria MEC/SETEC N O 530 de 19/10/07 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS Cacoal/RO 2011 1 SUMÁRIO CONTEXTUALIZAÇÃO DA IES... 4 1 DADOS

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação Bacharelados, Licenciaturas e Cursos Superiores de Tecnologia (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Portaria nº 808, de 8 de junho de 00. Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES. O MINISTRO DE

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO

D I R E I T O SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES AUTORIZAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior Sesu Departamento de Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância)

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Direito (presencial e a distância) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010

MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 MINI STÉRIO DA EDUCAÇÃO GABINETE DO MINI STRO P ORTARIA Nº 808, DE 18 DE JUNHO DE 2010 Aprova o instrumento de avaliação para reconhecimento de Cursos Pedagogia, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação presencial e a distância MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior Daes Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES REGULAMENTO DE ESTÁGIO CURRICULAR NÃO OBRIGATÓRIO CURSO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS, BACHARELADO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO NÃO OBRIGATÓRIO Das Disposições Gerais O

Leia mais

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO

CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO CHECK-LIST PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Com a finalidade de otimizar o processo de elaboração e avaliação dos Projetos Pedagógicos do Cursos (PPC), sugere-se que os itens a seguir sejam

Leia mais

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR

SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR SALA TEMÁTICA: EDUCAÇÃO SUPERIOR Metas PNE - Meta 12 Elevar a taxa bruta de matrícula na Educação Superior para 50% (cinquenta por cento) e a taxa líquida para 33% (trinta e três por cento) da população

Leia mais

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina

Instrumento de Avaliação de Cursos de Graduação em Medicina MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Sinaes

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Associação Escola Superior de Propaganda e Marketing UF: SP ASSUNTO: Recredenciamento da Escola Superior de Propaganda

Leia mais

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida

CETEC EDUCACIONAL S.A. Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP. Mantida CETEC EDUCACIONAL S.A Mantenedora FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS - ETEP Mantida PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE TECNOLOGIA EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO SÃO JOSÉ DOS CAMPOS 1 SUMÁRIO

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Presidência da República Federativa do Brasil Ministério da Educação Secretaria Executiva Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação

Leia mais

Informações sobre o Curso de Administração

Informações sobre o Curso de Administração Objetivo Geral do Curso: Informações sobre o Curso de Administração Prover a sociedade de profissional dotado de senso crítico e comportamento ético-profissional qualificado. Um Administrador criativo,

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES

SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR SINAES MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior - Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA. Definição da Extensão e Finalidades CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Definição da Extensão e Finalidades A Resolução UNESP 102, de 29/11/2000, define Extensão Universitária, nos seguintes termos: Art.8º Entende-se

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira INEP Diretoria de Avaliação da Educação Superior - DAES SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015

AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 AVALIAÇÃO TRIMESTRAL DE METAS PDI- 2011/2015 METAS AÇÕES PRAZOS Expansão do número de vagas do curso de Engenharia de Produção. SITUAÇÃO MARÇO DE 2015 AVALIAÇÃO PROCEDIDA EM 12.03.2015 CPA E DIRETORIA

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. 1 CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO N 7, DE 31 DE MARÇO DE 2004. (*) (**) Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Educação Física,

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso

Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso AUTO-AVALIAÇAO INSTITUCIONAL DO CURSO DE PEDAGOGIA FACED-UFAM / Professores Dimensão 1 - Organização Didático-Pedagógica do Curso Objetivos do Curso 01 - Tenho conhecimento do Projeto Pedagógico do Curso.

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação a Distância SEED Departamento de Regulação e Supervisão da Educação a Distância - Dresead Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira

Leia mais

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI

ANEXO III. Cronograma detalhado do PROAVI ANEXO III Cronograma detalhado do PROAVI 65 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL DA PUC-CAMPINAS CRONOGRAMA COMPLEMENTAR DETALHANDO AS ATIVIDADES E AS AÇÕES DE DIVULGAÇÃO COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO

1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO DO CURSO O Curso de Secretariado Executivo das Faculdades Integradas de Ciências Exatas Administrativas e Sociais da UPIS, reconhecido pelo MEC desde 1993, pela Portaria 905, de 24.06,1993,

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo

4 Quando o número de vagas proposto corresponde adequadamente à dimensão do corpo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Superior SESu Diretoria de Regulação e Supervisão da Educação Superior - Desup Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. Portaria n 890, publicada no D.O.U. de 18/9/2009, Seção 1, Pág. 47. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais

Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Documento orientador de um curso que traduz as políticas acadêmicas institucionais Construção coletiva a partir das experiências, coordenada pelo Colegiado do Curso de Graduação (art. 34 do Regimento Geral

Leia mais

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019

PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 PLANO DE TRABALHO CAMPUS DE FRANCISCO BELTRÃO QUATRIÊNIO 2016-2019 Candidato Gilmar Ribeiro de Mello SLOGAN: AÇÃO COLETIVA Página 1 INTRODUÇÃO Considerando as discussões realizadas com a comunidade interna

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE NIVELAMENTO CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º. A Faculdade Moraes Júnior Mackenzie Rio FMJ Mackenzie Rio, proporcionará aulas de Nivelamento

Leia mais

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração

CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Concepção do Curso de Administração CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Concepção do Curso de Administração A organização curricular do curso oferece respostas às exigências impostas pela profissão do administrador, exigindo daqueles que integram a instituição

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA

POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ME FACULDADE INTEGRADA DE SANTA MARIA PRELIMINARES POLÍTICA DE ENSINO DA FISMA Santa Maria, RS Junho - 2010 1 SUMÁRIO 1. POLÍTICA DE ENSINO DE GRADUAÇÃO... 1 2. POLÍTICAS DE ENSINO

Leia mais

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007.

SIC 56/07. Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. SIC 56/07 Belo Horizonte, 8 de novembro de 2007. 1. DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO, PELO INEP, DOS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO PARA O CREDENCIAMENTO DE INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR E SEUS PÓLOS DE APOIO

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Comissão Nacional de Avaliação da Educação Superior- Conaes Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira Inep SISTEMA NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO Despacho do Ministro, publicado no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. Portaria n 816, publicada no D.O.U. de 24/8/2009, Seção 1, Pág. 16. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU CENTRO DE ESTUDO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROPOSTA DE CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU 2013 INTRODUÇÃO: O presente trabalho apresenta a relação de Cursos de Pós-Graduação Lato Sensu a serem reorganizados no

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER CNE/CES 1.301/2001 - HOMOLOGADO Despacho do Ministro em04/12/2001, publicado no Diário Oficial da União de 7/12/2001, Seção 1, p. 25. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO:

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares

CAPÍTULO I Das Disposições Preliminares C M E CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NATAL/RN RESOLUÇÃO Nº 003/2011 CME Estabelece normas sobre a Estrutura, Funcionamento e Organização do trabalho pedagógico da Educação de Jovens e Adultos nas unidades

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing

PROJETO PEDAGÓGICO. Curso de Graduação Tecnológica em Marketing PROJETO PEDAGÓGICO Curso de Graduação Tecnológica em Marketing Porto alegre, 2011 1 1. Objetivos do Curso O projeto do curso, através de sua estrutura curricular, está organizado em módulos, com certificações

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR

DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional DIRETRIZES CURRICULARES PARA OS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA UTFPR APROVADO PELA RESOLUÇÃO

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES

PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL UNIVERSIDADES ESTADUAIS PARANAENSES - 2012 a 2021 Instituição: ENSINO DE GRADUAÇÃO Programas/Projetos/Ações Ano Natureza Valores Fonte de Recursos Beneficiado Manutenção

Leia mais

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA

MANUAL DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO -BIOTECNOLOGIA 1. IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA Estágio Supervisionado Obrigatório (ESO) é uma disciplina curricular do curso de Biotecnologia. É composto do desenvolvimento das seguintes atividades: a) Elaboração de um

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

Ministério da Educação

Ministério da Educação Página 1 de 25 Ministério da Educação Nº 1229 - Segunda feira, 21 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 807, de 18 de junho de 2010 Gabinete do Ministro - Portaria nº 808, de 18 de junho

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação?

PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? PÓS-GRADUAÇÃO CAIRU O QUE VOCÊ PRECISA SABER: Por que fazer uma pós-graduação? O mercado do trabalho está cada vez mais exigente. Hoje em dia, um certificado de pós-graduação é imprescindível para garantia

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014

Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Tema 2 CONAE 2014 Diretrizes gerais para intervenção do PROIFES-Federação na CONAE 2014 Eixo I O plano Nacional de Educação e o Sistema Nacional de Educação: organização e regulação. Instituir, em cooperação

Leia mais

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA

CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM DESIGN DE MODA Nome IES: UNIVERSIDADE DE CUIABÁ - UNIC 1 Curso Superior em Tecnologia em Design de Moda Dados de identificação da Universidade de Cuiabá - UNIC Dirigente

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL

AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL 1. FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA OU QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL GLOSSÁRIO EDUCAÇÃO PROFISSIONAL SENAC DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL RIO DE JANEIRO NOVEMBRO/2009 AÇÕES DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL Ações educativas destinadas ao desenvolvimento de competências necessárias

Leia mais

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação

MODELO. Professor, UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Preenchimento do FORMULÁRIO ELETRÔNICO de avaliação Professor, Apresentamos um modelo do Formulário Eletrônico a ser preenchido pelo coordenador do curso durante o processo de autorização ou reconhecimento de cursos. Colocamos na última coluna sugestão

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Esperidião Amin Helou Filho PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO Esperidião Amin Helou Filho 1 PROJETO DE LEI Nº 8.035, DE 2010. Ementa: Aprova o Plano Nacional de Educação para o decênio 2011-2020 e dá outras providências. 2 PROJETO DE LEI

Leia mais

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI

CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI CRONOGRAMA DE IMPLEMENTAÇÃO DO PDI A implementação do Plano de Desenvolvimento Institucional, envolve além dos objetivos e metas já descritos, o estabelecimento de indicadores, como forma de se fazer o

Leia mais

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização.

Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor. Por uma EaD focada no aluno e na qualidade com inovação: crescer com justiça e humanização. PROGRAMA DE TRABALHO PARA O QUADRIÊNIO 2015-2019 DOS CANDIDATOS À DIREÇÃO DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS Ednei Nunes de Oliveira - Candidato a Diretor

Leia mais

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização

DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização DIMENSÃO 2: - Política para o ensino, pesquisa, pós-graduação e extensão - Respectivas normas de operacionalização 2.1 - GRADUAÇÃO 2.1.1. Descrição do Ensino de Graduação na UESC Cursos: 26 cursos regulares

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios

Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Ensino Superior e novas tecnologias: caminhos e desafios Henrique Paim Ministro de Estado da Educação Maceió, abril de 2014 Plano Nacional de Educação PNE balizador de todas as ações do MEC. Desafios:

Leia mais

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Instrumentos de avaliação para credenciamento

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online

EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online EDITAL DE SELEÇÃO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Modalidade Online MBA EM GESTÃO ESTRATÉGICA DE PESSOAS Regulamentação de Pós-Graduação Lato Sensu e Ato de Credenciamento Institucional para Oferta de Curso de

Leia mais

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão

SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO. Missão SÍNTESE PROJETO PEDAGÓGICO Curso: Gestão Ambiental campus Angra Missão O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental da Universidade Estácio de Sá tem por missão a formação de Gestores Ambientais

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica.

Nossa inserção na Graduação se dá por meio da Unidade Curricular Educação e Comunicação na Prática Médica. Ao longo desses 15 anos o CEDESS congrega atividades de ensino, pesquisa e extensão, nos níveis de graduação e pós-graduação lato e stricto sensu e tem por objeto de estudo o binômio Educação e Saúde.

Leia mais

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal

Mestrados Profissionais em Segurança Pública. Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal I- Introdução Mestrados Profissionais em Segurança Pública Documento do Workshop Mestrado Profissional em Segurança Pública e Justiça Criminal Este documento relata as apresentações, debates e conclusões

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO MONTESSORI DE IBIÚNA ESTÁCIO FMI SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: ADMINISTRAÇÃO - BACHARELADO MISSÃO DO CURSO Formar profissionais de elevado nível de consciência crítica, competência técnica empreendedora, engajamento

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Conselho Nacional de Educação/Câmara de Educação UF: DF Superior. ASSUNTO: Diretrizes para a elaboração, pelo INEP,

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

CONSELHO UNIVERSITÁRIO

CONSELHO UNIVERSITÁRIO P R O P O S T A D E P A R E C E R CONSELHO UNIVERSITÁRIO PROCESS0 Nº: 007/2014 ASSUNTO: Proposta de texto Construção de Políticas e Práticas de Educação a Distância a ser incluído no Plano de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor

Gestão 2013-2017. Plano de Trabalho. Colaboração, Renovação e Integração. Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Gestão 2013-2017 Plano de Trabalho Colaboração, Renovação e Integração Eduardo Simões de Albuquerque Diretor Goiânia, maio de 2013 Introdução Este documento tem por finalidade apresentar o Plano de Trabalho

Leia mais