ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO"

Transcrição

1

2 ESPERANÇA E SERVIÇO DA REALIDADE À REALIZAÇÃO

3 QUE REALIDADE É ESTA QUE SE DEPARA O PACIENTE QUE TEM UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL?

4 A MEDICINA MODERNA TEM MOSTRADO TENDÊNCIA A FOCALIZAR SUA ATENÇÃO APENAS NA PARTE DO CORPO QUE NECESSITA ALGUM REPARO.

5 MEDICINA MODERNA UM CUIDADO MULTIPROFISSIONAL O CIRURGIÃO REALIZA A OPERAÇÃO A ENFERMEIRA PROVÊ O CUIDADO O ASSISTENTE SOCIAL TRABALHA NA OBTENÇÃO DE BENEFÍCIOS PREVIDENCIÁRIOS A NUTRIÇÃO ADMINISTRA AS DIETAS O CAPELÃO CUIDA DE QUESTÕES ESPIRITUAIS

6 MEDICINA DE BEIRA DE LEITO -E A MEDICINA DO CUIDADO INTERPROFISSIONAL MEDICOS, ENFERMEIROS, NUTRICIONISTAS, PSICOLOGOS,ASSISTENTES SOCIAIS, VOLUNTARIOS,ASSISTENTES ESPIRITUAIS, TRABALHAM COMO UM TIME PARA O BEM ESTAR DO PACIENTE

7 A MEDICINA DO CUIDADO PALIATIVO O FOCO NÃO ESTÁ SOMENTE NA DOENÇA O FOCO ESTÁ NO SER HUMANO QUE ESTÁ COM UMA DOENÇA GRAVE E COM TUDO O QUE A DOENÇA TIRA DO SER HUMANO: SUA AUTONOMIA, SUA INDEPENDÊNCIA E SUA IDENTIDADE

8 O QUE SÃO CUIDADOS PALIATIVOS? O TERMO ''PALIATIVO'' VEM DO VERBO PALIAR (LATIM), PALLIUM, QUE ERA O NOME DADO AO MANTO QUE PROTEGIA OS CAVALEIROS DURANTE AS INTEMPÉRIES SIGNIFICA PROTEÇÃO, CUIDADO;

9 HISTÓRIA DOS CUIDADOS PALIATIVOS NO HOSPITAL ERASTO GAERTNER As discussões sobre a criação de um grupo que cuidasse dos pacientes fora das possibilidades curativas, restaurando sua dignidade, minimizando o sofrimento causado pelo câncer e pelo tratamento, levaram o médico Dr. Massazaku Kato, em 1993, a oficializar a criação do serviço de cuidados paliativos e tratamento da dor.

10 GRAÇAS AO APOIO DA REDE FEMININA FOI POSSÍVEL OFERECER ATENDIMENTO AMBULATORIAL HOSPITALAR E DOMICILIAR, COM A DOAÇÃO DE DUAS AMBULANCIAS EM 1995.

11 CUIDADO PALIATIVO UM CUIDADO HOLÍSTICO O PACIENTE VISTO COMO UM SER TOTAL O PACIENTE VALORIZADO PELA SUA MENTE, SUA ALMA E O CÍRCULO SOCIAL A QUE PERTENCE

12 DIANTE DE UM DIAGNÓSTICO DE UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL NÃO HÁ ENTÃO NADA MAIS A FAZER

13 HÁ MUITO A FAZER O CUIDADO PALIATIVO É A ABORDAGEM QUE VISA PROMOVER QUALIDADE DE VIDA DO PACIENTE E SEUS FAMILIARES, ATRAVÉS DE PREVENÇÃO E ALÍVIO DO SOFRIMENTO. REQUER A IDENTIFICAÇÃO PRECOCE, AVALIAÇÃO E TRATAMENTO IMPECÁVEL DA DOR E DE OUTROS PROBLEMAS DE NATUREZA FÍSICA, PSICOSSOCIAL E ESPIRITUAL OMS

14 PORQUE DOS CUIDADOS PALIATIVOS CRONICIDADE DAS DOENÇAS LONGEVIDADE DA POPULAÇÃO AUMENTO DE 2 % AO ANO DE IDOSOS(IBGE,2010) AUMENTO DA INCIDÊNCIA DA DOENÇA SEGUNDO O INCA, NOVOS CASOS DE CA DE MAMA EM 2014 E NOVOS CASOS DE CA DE PRÓSTATA

15 É NESSE CONTEXTO QUE SE ENCAIXAM OS CUIDADOS PALIATIVOS O PACIENTE RECEBE CUIDADOS EM TODAS ESSAS ÁREAS: MÉDICOS ENFERMEIROS NUTRICIONISTAS PSICÓLOGOS ASSISTENTES SOCIAIS VOLUNTÁRIOS ASSISTENTES ESPIRITUAIS

16 QUANDO UMA DOENÇA GRAVE E INCURÁVEL ENCONTRA UM SER HUMANO ELA PRODUZ UM SOFRIMENTO QUE É ÚNICO ESSE SOFRIMENTO APRESENTA QUATRO DIMENSÕES

17 1- DIMENSÃO DO SOFRIMENTO FÍSICO 2- DIMENSÃO DO SOFRIMENTO EMOCIONAL O SER HUMANO ESTÁ COM UMA DOENÇA, MAS ELE NÃO É A DOENÇA. A PERDA DA IDENTIDADE PODE SER ATÉ PIOR DO QUE A PRÓPRIA DOENÇA. UMA DOR QUE É RESISTENTE A MEDICAMENTOS ANALGÉSICOS, A CHAMADA DOR DA ALMA

18 3 - DIMENSÃO DO SOFRIMENTO ESPIRITUAL MOMENTO DE EXTREMA FRAGILIDADE, ONDE INÚMEROS E PROFUNDOS QUESTIONAMENTOS OCORREM: QUAL O SENTIDO DA MINHA VIDA? O QUE DEIXEI NA MINHA PASSAGEMPOR AQUI. QUAL O LEGADO? PARA ONDE EU ESTOU INDO? QUE PENDÊNCIAS? QUAIS RELACIONAMENTOS FICARAM MAL RESOLVIDOS? QUE AMIZADES FORAM INTERROMPIDAS? QUE CONTAS PRECISAM SER ACERTADAS?

19 4 - DIMENSÃO DO SOFRIMENTO SOCIAL O SER HUMANO NÃO FICA DOENTE SOZINHO, A FAMÍLIA TODA ADOECE ADOECEMOS NESTA FAMÍLIA QUANDO MORREMOS, DEIXAMOS UM VAZIO NESTA FAMÍLIA

20 DE QUE FORMA VOLUNTÁRIOS, ASSISTENTES ESPIRITUAIS, AGENTES DE SAÚDE PODEM SE ENVOLVER NESTE TRABALHO???

21 AUXILIANDO OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE, INTERMEDIANDO, PROPORCIONANDO UMA REFLEXÃO SOBRE AS QUESTÕES PENDENTES, QUESTÕES FAMILIARES, QUESTÕES DE FÉ, DESEJOS, FRUSTRAÇÕES, ESPERANÇAS E ALEGRIAS.

22 ASSISTÊNCIA ESPIRITUAL OFERECE UM CARÁTER IMPORTANTÍSSIMO, DANDO A CHANCE AO PACIENTE E SEUS FAMILIARES REFLETIREM SOBRE QUESTÕES DO SENTIDO DA VIDA E LEGADO, QUE MUITAS VEZES ENVOLVEM ANGÚSTIA, CULPA E PERDÃO.

23 O ASSISTENTE ESPIRITUAL POSSIBILITA QUE TANTO OS PACIENTES QUANTO SEUS FAMILIARES TENHAM A CHANCE DE SE RECONECTAR COM UMA FÉ PERDIDA PELO CAMINHO. ABORDAR AS QUESTÕES MAIS PROFUNDAS DO CORAÇÃO HUMANO, COLABORANDO PARA QUE TANTO O PACIENTE QUANTO SEUS FAMILIARES TENHAM PAZ, ESPERANÇA, SEGURANÇA E PERDÃO.

24 QUAL O PERFIL DO ASSISTENTE ESPIRITUAL? PODEM SER VOLUNTÁRIOS, AGENTES DA PASTORAL, LÍDERES RELIGIOSOS. OS PROFISSIONAIS NECESSITAM TER UMA VISÃO CLARA DE SUAS PRÓPRIAS CRENÇAS, VALORES E ATITUDES NECESSITAM RECEBER CAPACITAÇÃO TER UMA ESCUTA ATIVA E COMPASSIVA TER UM AUTODISTANCIAMENTO TER UMA COMUNICACÃO ASSERTIVA EMPATIA ENTENDER A TERAPIA DO PERDÃO

25 TERAPIA DO PERDÃO HÁ UMA RELAÇÃO MUITO ÍNTIMA ENTRE PERDÃO E SOFRIMENTO PERDOAR CESSAR UM RESSENTIMENTO ENVOLVE UMA ATITUDE DE DESAPEGO ENVOLVE UM SENTIMENTO DE TOTALIDADE ENVOLVE UMA ESCOLHA DE UM NOVO RECOMEÇO ENVOLVE UMA FRAQUEZA???????

26 GANHOS DO PERDÃO ALEGRIA DA RECONCILIAÇÃO ESPERANÇA DE LIBERDADE FÉ NA IMORTALIDADE DA ALMA CONQUISTA DA PAZ INTERIOR UM ESTADO DE GRAÇA

27 ACREDITAR QUE TUDO VALEU A PENA

28 ''TUDO O QUE APRENDI LEVOU-ME PASSO A PASSO,A UMA INABALÁVEL CONVICÇÃO SOBRE A EXISTÊNCIA DE DEUS'' (JUNG) JUNG FAZIA SEUS PACIENTES ENTENDEREM QUE TUDO O QUE ACONTECIA CONTRA A VONTADE DELES SERIA FRUTO DE UMA VONTADE SUPERIOR, DEUS, QUE NADA MAIS É DO QUE ESSA FORÇA SUPERIOR EM NOSSAS VIDAS.

29 "O PROFISSIONAL QUE ACOMPANHA OS ÚLTIMOS DIAS E CUIDA COM AMOR E COMPETÊNCIA DE DOENTES TERMINAIS, AJUDANDO-OS A TER UMA SOBREVIDA DIGNA PODE SER COMPARADO `À AQUELE AMIGO OU PARENTE QUE SE DESPEDE DO VIAJANTE NA PLATAFORMA DA ESTAÇÃO FERROVIÁRIA." (DEREK DOILE)

30 ''Nenhuma teoria ou ciência do mundo ajuda tanto uma pessoa quanto um outro ser humano'' ELIZABETH KUBLER ROSS

31

32

33

34

35

36

37 BIBLIOGRAFIA Os segredos da vida de Elizabeth Kubler Ross e David Kessler Bilhete de Plataforma de Derek Doyle Manual Cuidar na Essência da Academia Nacional de Cuidados Paliativos Dra. Ana Cláudia Arantes Agradecimento Especial à Dra. Clarice Nana Yamanouchi

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos

Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica Débora de Wylson F. G. Mattos Congresso Brasileiro de Nutrição Oncológica do INCA IV Jornada Internacional de Nutrição Oncológica III Jornada Luso-Brasileira em Nutrição Oncologica Bioética e Cuidados e Paliativos em Oncologia Pediátrica

Leia mais

Antonio Silvio da Costa Junior

Antonio Silvio da Costa Junior Antonio Silvio da Costa Junior Aprendemos muito da boa medicina sendo atentos à vida e à morte. A anatomia manifesta a potência do Criador no estudo da materia, a fisiologia penetra nas funções do maravilhoso

Leia mais

Cuidados Paliativos em Câncer

Cuidados Paliativos em Câncer Cuidados Paliativos em Câncer Temos assistido nas últimas décadas a um envelhecimento progressivo da população, assim como o aumento da prevalência do câncer. O avanço tecnológico alcançado, associado

Leia mais

Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico. Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA

Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico. Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA Integralidade do Cuidado: da Promoção ao Cuidado Paliativo. Cuidado Paliativo Oncológico Thiago Martins Técnico de Enfermagem HCIV - INCA Cuidados Paliativos 1 1 CONCEITO Cuidados Paliativos é uma abordagem

Leia mais

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP

Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Espiritualidade e Saúde: avaliação de uma proposta educacional para a graduação em Medicina e Enfermagem na UNIFESP Centro de História e Filosofia das Ciências da Saúde Valdir Reginato Espiritualidade

Leia mais

CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti

CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti CUIDADO PALIATIVO: INTERFACES SOBRE MORTE, MORRER E COMUNICAÇÃO. Sandra Regina Gonzaga Mazutti MORTE- ANTIGUIDADE DOMADA Evento público, Social Casa ao lado dos familiares e amigos Espaço para dor e sofrimento,

Leia mais

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos

Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Cuidados paliativos em uma Instituição de Longa Permanência para Idosos Fernanda Diniz de Sá 1, Leonildo Santos do Nascimento Júnior, Daniele Nascimento dos Santos, Magdalena Muryelle Silva Brilhante (UFRN

Leia mais

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos

Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro Cuidados Paliativos - construindo uma rede Agosto 2012 Modelos de Atuação em Cuidados Paliativos Cláudia Naylor

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO

EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO EJA 5ª FASE PROF. LUIS CLAÚDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES A INTERATIVIDADE Unidade I O ser humano e o fenômeno religioso. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES A INTERATIVIDADE Aula 3.2 Conteúdos Dimensões do ser humano

Leia mais

Cuidados Paliativos. Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA REVISÃO HISTÓRICA CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO

Cuidados Paliativos. Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA REVISÃO HISTÓRICA CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO Cuidados Paliativos Dra. Ana Paula Abranches Fernandes Peixoto* I- CONCEITO E IMPORTÂNCIA II- REVISÃO HISTÓRICA III- CUIDADOS PALIATIVOS NO MUNDO IV- CUIDADOS PALIATIVOS NO BRASIL V- CUIDADOS PALIATIVOS

Leia mais

TERMINALIDADE NORMA Nº 643

TERMINALIDADE NORMA Nº 643 Página: 1/7 1- OBJETIVO 1.1- Garantir os Direitos dos pacientes relacionados aos seus valores pessoais, preservando sua individualidade e sua dignidade humana, tais como: 1.2- Diminuir o sofrimento do

Leia mais

Doenças Graves Doenças Terminais

Doenças Graves Doenças Terminais MINISTÉRIO DA SAÚDE Comissão Nacional de Ética em Pesquisa - CONEP Universidade Federal de Minas Gerais Doenças Graves Doenças Terminais José Antonio Ferreira Membro da CONEP/ MS Depto de Microbiologia

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO NOS DIFERENTES CAMPOS DE ATUAÇÃO: ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO NOS DIFERENTES CAMPOS DE ATUAÇÃO: ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Simpósio de Cuidados Paliativos para os Institutos e Hospitais Federais do Rio de Janeiro ORGANIZAÇÃO DO CUIDADO NOS DIFERENTES CAMPOS DE ATUAÇÃO: ASSISTÊNCIA DOMICILIAR Júlio César Silva de Souza Enfermeiro

Leia mais

A DIMENSÃO ESPIRITUAL DA FAMILIA

A DIMENSÃO ESPIRITUAL DA FAMILIA A DIMENSÃO ESPIRITUAL DA FAMILIA Para onde vamos? A vida individual é inteiramente integrada e forma um todo com a vida cósmica. Domínio Existencial ou espiritual do cuidar 3 questões fundamentais da existência

Leia mais

Atendimento Domiciliar

Atendimento Domiciliar Atendimento Domiciliar Definição da Unimed Porto Alegre sobre Home Care O Home Care é um beneficio de prestação de serviço de assistência à saúde, a ser executado no domicilio do paciente com patologias

Leia mais

Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos

Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos Português RESUMO ESTENDIDO Experiências de quase morte (EQM) e saúde mental: aspectos clínicos Ms. CARUNCHIO, Beatriz Ferrara 1 São chamadas experiências de quase morte as vivências de algumas pessoas

Leia mais

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA

Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família. Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA Assistência na Fase Final da Vida e Luto: Assistência à Família Ana Paula M. Bragança dos Santos Assistente Social/INCA De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS) "Cuidados Paliativos consistem

Leia mais

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso

PADI. Programa de Atenção domiciliar ao Idoso PADI Programa de Atenção Objetivos do programa Apesar dos benefícios óbvios da internação quando necessária, o paciente idoso afastado da rotina de casa e da família apresenta maior dificuldade de recuperação,

Leia mais

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas

Acupuntura: a escuta das dores subjetivas 38 Acupuntura: a escuta das dores subjetivas Simone Spadafora A maior longevidade expõe os seres vivos por mais tempo aos fatores de risco, resultando em maior possibilidade de desencadeamento de doenças

Leia mais

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1

O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 O CUIDADO DA CRIANÇA COM CANCER FORA DE POSSIBILIDADES TERAPÊUTICAS: UM DESAFIO À ENFERMAGEM1 REIS, Thamiza Laureany da Rosa dos 2 ; BIN, Aline 3 1 Trabalho de Pesquisa 2 Curso de Graduação em Enfermagem

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1

A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 A ESPIRITUALIDADE DA FAMÍLIA AO TER UM FAMILIAR INTERNADO POR DOENÇA CRÔNICA: RELATO DE VIVÊNCIA 1 ROSSATO, Karine 2 ; GIRARDON-PERLINI, Nara Marilene Oliveira 3, MISTURA, Claudelí 4, CHEROBINI, Márcia

Leia mais

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA

A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA 1 A ILUSÃO NOS ADOECE E A REALIDADE NOS CURA. O ENIGMA DA DOENÇA E DA CURA José Fernando de Freitas RESUMO Os doentes têm uma relação especial com suas doenças. A mente diz que quer se curar, mas, na realidade,

Leia mais

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir)

REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) REQUERIMENTO N de de outubro de 2009 (Do Sr. Dr. Talmir) Requer o envio de indicação ao Exmo. Sr. Ministro de Estado da Saúde. Senhor Presidente Nos termos do art. 113, inciso I e 1º, do Regimento Interno

Leia mais

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN

MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN MÉDICO: ESSE REMÉDIO IGNORADO ABRAM EKSTERMAN Centro de Medicina Psicossomática Hospital Geral da Santa Casa da Misericórdia, RJ Perguntas aos Cavaleiros do Conselho Federal de Medicina Perguntas ingênuas:

Leia mais

Parentes de hoje: amigos ou inimigos do passado?

Parentes de hoje: amigos ou inimigos do passado? Parentes de hoje: amigos ou inimigos do passado? Apresentação disponível em www.searadomestre.com.br Adriana Pizzutti dos Santos Vamos considerar parentes: Família de orientação Família de procriação Colaterais

Leia mais

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade.

Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. APHILAV 10 ENCONTRO DE HIGIENIZAÇÃO E LAVANDERIA HOSPITALAR DA REGIÃO SUL Um caminho para cuidar daqueles que colaboram no cuidado de outros, com mais serenidade. Rejania Guido Dias rejania@terra.com.br

Leia mais

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas

I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas I Jornada sobre Prevenção De Comportamento De Risco Nas Escolas Paulistanas Colégio I.L.Peretz Setembro/2011 Qual o lugar da Família nesta reflexão? Profa. Dra. Elizabeth Polity Penso que vivemos um momento

Leia mais

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS

Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Área temática: Enfermagem CÂNCER NA ADOLESCÊNCIA: SENTIMENTOS DOS PORTADORES E PAPEIS DE FAMILIARES E ENFERMEIROS Graziela Silva do Nascimento Discente do curso de Enfermagem da UFPB. E-mail: graziela_nascimento_@hotmail.com

Leia mais

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação

Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação Módulo 4 Atenção em rede como condição para o tratamento integral Unidade 2 Identificação de recursos comunitários existentes e a sua articulação 109 Identificação de recursos comunitários existentes e

Leia mais

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS

A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO. Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS I SEMINÁRIO ESTADUAL SOBRE ENVELHECIMENTO ATIVO A ESPIRITUALIDADE: UM ALICERCE PARA O ENVELHECIMENTO ATIVO Profª Dra Leoni Zenevicz Universidade Federal da Fronteira Sul -UFFS ESTAÇÕES DA VIDA... PRIMAVERA..

Leia mais

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F.

Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. Revelação Diagnóstica do HIV A arte de comunicar más notícias Tânia Regina C. de Souza, Karina Wolffenbuttel, Márcia T. F. dos Santos A aids é ainda uma doença ameaçadora. Apesar de todos os avanços no

Leia mais

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br

Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO NO SERVIÇO ODONTOLÓGICO Profª Iris do Céu Clara Costa - UFRN iris_odontoufrn@yahoo.com.br É a proposta de uma nova relação entre usuário, os profissionais que o atendem e os serviços. Todos

Leia mais

10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública

10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública 10 ANOS DE TERAPIA COMUNITÁRIA INTEGRATIVA EM LONDRINA: avanços e desafios na Saúde Pública MARIA DA GRAÇA PEDRAZZI MARTINI Coordenadora e intervisora Márcia Santana Fonseca, auxiliar de enfermagem, 07/10/05

Leia mais

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano

Um outro objetivo ajudar os doentes a atingirem a aceitação da vida vivida e a aceitarem morte! Ter medo da morte é humano CUIDADOS PALIATIVOS A diversidade das necessidades da pessoa humana em sofrimento intenso e em fim de vida encerram, em si mesmo, uma complexidade de abordagens de cuidados de Saúde a que só uma equipa

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENFERMAGEM RELATÓRIO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO CURRICULAR III SERVIÇOS HOSPITALARES MARIÁ BARBALHO NARDI Orientadora: Prof.ª Drª Isabel Cristina Echer

Leia mais

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online

Portugal em Linha - a Comunidade Lusófona online Arte de Conviver Aprendi que conviver é uma difícil arte, que nos faz perceber que nem sempre temos por perto uma pessoa em quem podemos realmente confiar, mas a pessoa que está perto de nós sempre pode

Leia mais

Espiritualidade e Saúde

Espiritualidade e Saúde 21º Pesquisando em Enfermagem 17ª Jornada Nacional de História da Enfermagem 14º Encontro Nacional de Fundamentos do Cuidado de Enfermagem INTEGRALIDADE DO SER HUMANO: espiritualidade e práticas complementares

Leia mais

SEMINÁRIO: ATITUDE 434

SEMINÁRIO: ATITUDE 434 SEMINÁRIO: ATITUDE 434 1 2 DEFINIÇÃO Um movimento de PUREZA SEXUAL conforme a vontade de Deus nas Escrituras. 3 Movimento vs Evento 4 BASE BÍBLICA A vontade de Deus é que vocês sejam santificados: abstenham-se

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA CUIDADOS PALIATIVOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA EM PACIENTES TERMINAIS: UMA REVISÃO INTEGRATIVA Jéssyka Cibelly Minervina da Costa Silva (NEPB/UFPB) jessykacibelly@gmail.com Maria Andréa Fernandes

Leia mais

CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO

CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO CUIDADO DE ENFERMAGEM, ÉTICA E INOVAÇÃO Dra. Leila Brito Bergold Hospital Central do Exército Semana de Enfermagem do INCA 2011 Inovação x Ética - Abordagem acerca do Cuidado de Enfermagem através do CARITAS

Leia mais

EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO

EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO 1 EUTANÁSIA X DISTANÁSIA X CUIDADOS PALIATIVOS: DISCUSSÕES ÉTICAS, RELIGIOSAS E JURÍDICAS SOBRE UM CASO HIPOTÉTICO DE EUTANÁSIA ATIVA REALIZADA PELO ENFERMEIRO André Alves Catapreta Especialista em Enfermagem

Leia mais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais

GERENCIAMENTO de Casos Especiais GERENCIAMENTO de Casos Especiais Gerenciamento de Casos Especiais.indd 1 19/10/2015 15:32:28 Gerenciamento de Casos Especiais Objetivo: Facilitar o atendimento aos clientes que apresentam dificuldades

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SANTA CATARINA PARECER COREN/SC Nº 020/CT/2013 Assunto: Solicitação de parecer técnico sobre a solicitação de mamografia de rastreamento por Enfermeiro nas instituições de saúde. I - Do Fato Trata-se de expediente encaminhado

Leia mais

Visita Domiciliar e Qualidade de Vida

Visita Domiciliar e Qualidade de Vida Visita Domiciliar e Qualidade de Vida A importância do Nutricionista em Cuidados Paliativos Nut Edna Shibuya ednashibuya@yahoo.com.br Papel da Nutrição Preventivo NUTRIÇÃ ÇÃO Curativo Qualidade de Vida

Leia mais

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO

ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO ASPECTOS PSICOLÓGICOS RELATIVOS AO ENGAJAMENTO (ADERÊNCIA) DO PACIENTE CRÔNICO E SUA FAMÍLIA AO TRATAMENTO Nêmeton Centro de Estudos e Pesquisas em Psicologia e Saúde Ricardo Werner Sebastiani ricardo@nemeton.com.br

Leia mais

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL

CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL 1 CONSTELAÇÕES FAMILIARES E SEU EMPREGO EM PSICOTERAPIA CORPORAL Ernani Eduardo Trotta Juliana Lima Bezerra RESUMO A incorporação de novos recursos terapêuticos pode contribuir para a ampliação da eficácia

Leia mais

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA PACIENTES COM RISCO DE SUICÍDIO: A COMUNICAÇÃO ENTRE EQUIPE, PACIENTES E FAMILIARES NA UNIDADE DE EMERGÊNCIA Ferreira CLB¹ 1 *, Gabarra LM². Hospital Universitário Profº Polydoro Ernani de São Thiago,

Leia mais

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados.

E.I.E. Caminhos da Tradição - Todos os direitos reservados. Análise da Mandala Pessoal Pessoa Exemplo 19/06/2006 Cara XXX, A sua Mandala é uma Mandala Mista, isto quer dizer que ela contém vários itens que são característicos de diversas Mandalas chamadas por nós

Leia mais

MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO

MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO MORTE E ELABORAÇÃO DO LUTO NO PROCESSO DE ENVELHECIMENTO 1 Ana Beatriz Farias Moura 2 Maria Eliane Souza de Oliveira. 3 Regilene Gilmara de Santana 4 Orientador. Walfrido Nunes de Menezes Faculdade Estácio

Leia mais

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE

AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE WHOQOL-120 HIV AVALIAÇÃO DE QUALIDADE DE VIDA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE Genebra Versão em Português 1 Departamento de Saúde Mental e Dependência Química Organização Mundial da Saúde CH-1211 Genebra

Leia mais

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3.

A Educação Permanente na articulação de uma rede de cuidado integral à saúde: A experiência da Estratégia Saúde da Família na AP 3. Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Atenção Primária, Coordenação de Área Programática 3.2 Estratégia Saúde da Família na AP 3.2 Coordenadoria de Educação Permanente SPDM A Educação

Leia mais

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado!

Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Nesse E-Book você vai aprender a lidar com aquelas situações chatas da nossa vida como psicólogos iniciantes em que tudo parece dar errado! Aqueles primeiros momentos em que tudo que fazemos na clínica

Leia mais

Programação reencarnatória

Programação reencarnatória Programação reencarnatória UM ENFOQUE EM PACIENTE DIABÉTICO TIPO I Elaboração: www.searadomestre.com.br O LIVRO DOS ESPÍRITOS 258. No estado errante, e antes de começar nova existência corporal, o Espírito

Leia mais

11-05-2014 Mediunidade de Saúde ou da Harmonia.

11-05-2014 Mediunidade de Saúde ou da Harmonia. 11-05-2014 Mediunidade de Saúde ou da Harmonia. Pedro (Espírito) Psicofonia compilada por Maria José Gontijo Revisão Filipe Alex da Silva Resumo: Trata-se de uma contextualização sobre os médiuns curadores.

Leia mais

INTRODUÇÃO (WHO, 2007)

INTRODUÇÃO (WHO, 2007) INTRODUÇÃO No Brasil e no mundo estamos vivenciando transições demográfica e epidemiológica, com o crescente aumento da população idosa, resultando na elevação de morbidade e mortalidade por doenças crônicas.

Leia mais

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER

TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER TÍTULO: A VIVÊNCIA DO PSICÓLOGO HOSPITALAR DIANTE DA HOSPITALIZAÇÃO DA CRIANÇA COM CÂNCER CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PSICOLOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE RIBEIRÃO

Leia mais

15º CBCENF. Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem CUIDADO E PROTEÇÃO DA VIDA.

15º CBCENF. Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem CUIDADO E PROTEÇÃO DA VIDA. 15º CBCENF Congresso Brasileiro dos Conselhos de Enfermagem CUIDADO E PROTEÇÃO DA VIDA. TERMINALIDADE E CUIDADOS PALIATIVOS: produção científica no âmbito da saúde Jocerlania Maria Dias de Morais 1 Thaíza

Leia mais

Os Quatro Tipos de Solos - Coração

Os Quatro Tipos de Solos - Coração Os Quatro Tipos de Solos - Coração Craig Hill Marcos 4:2-8 Jesus usava parábolas para ensinar muitas coisas. Ele dizia: 3 Escutem! Certo homem saiu para semear. 4 E, quando estava espalhando as sementes,

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO.

CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. CUIDADOS PALIATIVOS:HISTÓRICO. PINOTTI, Elaine Cristina 1 GAZZOLA, Ms.Rangel Antonio 2 RESUMO O objetivo deste estudo é apresentar como os cuidados paliativos podem promover o bem estar e a qualidade de

Leia mais

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento

Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 2 Os sintomas como caminho para a transformação e o crescimento 33 Na relação social é contar com uma presença humana positiva que seja capaz de ver a força e a beleza dessa presença e manifestação do

Leia mais

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE

A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE A CONTINUIDADE DO CUIDADO À MULHER E AO RECÉM NASCIDO APÓS O PARTO E NASCIMENTO: PERSPECTIVAS PARA O CUIDADO INTEGRADOR E AUTOMIZANTE EXPERIÊNCIA DA ONG BEM NASCER O que eu venho falar aqui, não nasceu

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos

Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos National Community Education Initiative Fazer perguntas pode ajudar: Um auxílio para pessoas assistidas pela equipa de cuidados paliativos Asking Questions Can Help: An aid for people seeing the palliative

Leia mais

CURA ESPIRITUAL DA DEPRESSÃO

CURA ESPIRITUAL DA DEPRESSÃO CURA ESPIRITUAL DA DEPRESSÃO DEPRESSÃO E SUICÍDIO DEPRESSÃO E SUICÍDIO Há uma conexão direta entre a depressão e o suicídio. O suicídio é o auge do estado de rebeldia que a criatura pode se entregar.

Leia mais

Conheça suas opções:

Conheça suas opções: Conheça suas opções: Guia para pacientes com progressão de doenças graves Em Massachusetts, todos os pacientes com progressão de uma doença grave têm o direito legal de ser informados sobre o seu problema

Leia mais

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV

POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV POSSIBILIDADES E LIMITES DO TRATAMENTO PSÍQUICO NO SERVIÇO DE ASSISTÊNCIA DOMICILIAR UNIMED GV Camila de Souza Andrade 1 Resumo: A Assistência Domiciliar, na qual o paciente recebe os cuidados necessários

Leia mais

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA

CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA CUIDADOS PALIATIVOS DIRECIONADOS A PACIENTES ONCOLÓGICOS EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Júlio César Coelho do Nascimento (Enfermeiro Pós-graduando em Oncologia Clínica- Centro de Especialização em Enfermagem

Leia mais

Objetivos da SMAM 2013

Objetivos da SMAM 2013 Objetivos da SMAM 2013 1. Conscientizar da importância dos Grupos de Mães (ou do Aconselhamento em Amamentação) no apoio às mães para iniciarem e manterem a amamentação. 2. Informar ao público sobre os

Leia mais

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização

AMBIENTES DE TRATAMENTO. Hospitalização FONTE: Ferigolo, Maristela et al. Centros de Atendimento da Dependência Química - 2007- Maristela Ferigolo, Simone Fernandes, Denise C.M. Dantas, Helena M.T. Barros. Porto Alegre: Editora AAPEFATO. 2007,

Leia mais

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista.

A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. A Inclusão do Pedagogo no ambiente hospitalar - ainda uma conquista. Jacyara Coy Souza Evangelista 1 Faz algum tempo, que os cuidados com os pacientes, não se concentram mais entre os profissionais de

Leia mais

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

Dra Tatiana Caloi Cirurgiã Plástica CREMESP - 91347 TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO . TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO 1- EU,, portador (a) do CPF nº, por determinação explícita de minha vontade, reconheço DRA TATIANA MARTINS CALOI, médica inscrita no CREMESP sob o nº 91347 e CREMEPE

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO. TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar

PROJETO DE INTERVENÇÃO. TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar PROJETO DE INTERVENÇÃO ELABORAÇÃO: Equipe Multiprofissional TEMA: A transversalidade da Ética no processo de humanização hospitalar INTRODUÇÃO O projeto de humanização hospitalar HUmanizado, criado e implementado

Leia mais

CONHECENDO A PSICOTERAPIA

CONHECENDO A PSICOTERAPIA CONHECENDO A PSICOTERAPIA Psicólogo Emilson Lúcio da Silva CRP 12/11028 2015 INTRODUÇÃO Em algum momento da vida você já se sentiu incapaz de lidar com seus problemas? Se a resposta é sim, então você não

Leia mais

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO

FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO FÓRUM DE HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E VOLUNTARIADO A IMPORTÂNCIA DO VOLUNTARIADO NO PROCESSO DO HUMANIZAR FERNANDO BASTOS fernandobastosmoura@yahoo.com.br HUMANIZAÇÃO HOSPITALAR E PROFISSIONAIS DE SAÚDE DIAGNÓSTICO

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015

PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU. Ano: 2014/2015 PROJETO PEDAGÓGICO DE POS GRADUAÇÃO LATO SENSU Ano: 2014/2015 1 - JUSTIFICATIVA A hospitalização pode ser experienciada como um dos momentos mais delicados e difíceis do processo do adoecer. Isso porque

Leia mais

2015 - O MELHOR ANO DE SUA VIDA 21/12/2014 A ORGANIZAÇÃO BRAHMA KUMARIS

2015 - O MELHOR ANO DE SUA VIDA 21/12/2014 A ORGANIZAÇÃO BRAHMA KUMARIS A ORGANIZAÇÃO BRAHMA KUMARIS 2015 - O MELHOR ANO DE SUA VIDA 1 Fundada em 1937 por Prajapita Brahma Sede na cidade de Mount Abu, Índia Sede ocidental situada em Londres Conta com 9.000 escolas em mais

Leia mais

A Pedagogia Clínica Biográfica

A Pedagogia Clínica Biográfica A Pedagogia Clínica Biográfica Josef David Yaari Sim, é isso que devo fazer, é isso que eu sou! Ocorre a urgência! O mundo, as empresas, iniciativas e muitos empreendimentos precisam de gente. Há uma demanda

Leia mais

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR?

POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? POR QUE PERDOAR É MELHOR DO QUE VINGAR? Adilson Assis C. E. Estrada da Luz Março de 2013 TELENOVELAS FILMES LITERATURA A vingança no Judaísmo e no Cristianismo Código de Hamurabi (1780 a.c.), Babilônia:

Leia mais

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross

Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Prof. Msc. Carlos Roberto Fernandes. Kathyana Alves de Souza Kleber Ross Sofrimento Espiritual (NANDA) Definição Capacidade prejudicada de experimentar e integrar significado e objetivo a vida por meio

Leia mais

Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes

Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes Direitos e responsabilidades dos pacientes, familiares e acompanhantes Um relacionamento sólido e seguro está assegurado por uma comunicação transparente e eficaz. Com isso, destacamos abaixo os seus direitos

Leia mais

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL

O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL O ENFERMEIRO NO PROCESSO DE TRANSPLANTE RENAL RIBAS, Ana C. -UFPR-GEMSA anacarolinaribas@gmail.com Resumo Nos dias atuais, o papel do enfermeiro nas unidades hospitalares deixou de ser apenas assistencial.

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS A Lei Complementar nº 395, de 26 de dezembro de 1996, e alterações posteriores, é uma das mais importantes leis do nosso Município, por definir a forma com que o Executivo Municipal

Leia mais

Neste início de século observamos no mundo uma economia

Neste início de século observamos no mundo uma economia Nutrição, Prevenção e Qualidade de Vida DRA. CHRISTIANNE DE VASCONCELOS AFFONSO 1 INTRODUÇÃO Neste início de século observamos no mundo uma economia de interdependência, denominada globalização, caracterizada

Leia mais

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA?

COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? COMO ORGANIZAR A PASTORAL DA SAÚDE NA PARÓQUIA? Paróquia - Missão da Igreja na vida das pessoas - Libertar a pessoa da enfermidade - Ser presença solidária e cristã junto aos doentes Papel PS contribuir

Leia mais

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo.

Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. 1 Pregação proferida pelo pastor João em 03/02/2011. Próxima pregação - Efésios 4:1-16 - A unidade do corpo de Cristo. Amados Irmãos no nosso Senhor Jesus Cristo: É devido à atuação intima do Espírito

Leia mais

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO

SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO SABEDORIA E MAGIA DOS CELTAS PRINCÍPIOS DO DRUIDISMO ANA ELIZABETH CAVALCANTI DA COSTA 3 ÍNDICE Introdução... 13 1ª Parte - O Universo Mágico Os Ciclos

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION 1. Valores individuais 1. Dignidade 2. Respeito por si próprio 3. Respeito pela natureza e pelo meio ambiente 4. Respeito pelo próximo 5. Igualdade 6. Liberdade 7. Amor 8. Conexão com o próximo ou interdependência

Leia mais

Transmissão de más notícias

Transmissão de más notícias Transmissão de más notícias Capacitação PROVIMP - UFC Pedro Randal Pompeu Sidrim - 4º semestre Medicina - UFC 12/09/2012 O que é uma má notícia? É aquela que altera drástica e negativamente a perspectiva

Leia mais

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa)

Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Edson Saggese Almoço trinta gramas de brócolis (Anorexia Nervosa) Universidade Federal do Rio de Janeiro, Instituto de Psiquiatria. Doutor em Ciências da Saúde pelo IPUB/UFRJ, psiquiatra, psicanalista,

Leia mais

QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA

QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA www.pnl.med.br QUALIDADE DE VIDA UMA QUESTÃO DE ESCOLHA Jairo Mancilha M.D. Ph.D., Cardiologista, Trainer Internacional em Neurolingüística e Coaching, Diretor do INAp-Instituto de Neurolingüística Aplicada

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 PROJETO DE LEI Nº, DE 2009 (Do Srs. Dr. Talmir e Miguel Martini) Dispõe sobre cuidados devidos a pacientes que se encontrem em fase terminal de enfermidade. O Congresso Nacional decreta: Art. 1º Todo paciente,

Leia mais

UMC POS Gestão Equipes e Desenvolvimento de Pessoas GEDPB04 Maio / 2013 Professora: Maria Luísa Dias MATERIAL DE APOIO AULA 1. Equipes Dão Certo!

UMC POS Gestão Equipes e Desenvolvimento de Pessoas GEDPB04 Maio / 2013 Professora: Maria Luísa Dias MATERIAL DE APOIO AULA 1. Equipes Dão Certo! Equipes Dão Certo! Um grupo é um conjunto de pessoas que possuem o mesmo objetivo comum ou que compartilham alguma característica. Já uma equipe, é um conjunto de pessoas que se unem para alcançar o mesmo

Leia mais

Os Sete Centros de Energia Guia de Debate 4. TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87

Os Sete Centros de Energia Guia de Debate 4. TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87 TERCEIRO CENTRO DE ENERGIA: PLEXO SOLAR Páginas 60-87 Compartilhar: Tudo bem com vocês? Alguém teve alguma idéia ou inspiração que queira nos contar? 1. O chakra do plexo solar (pp. 60-62) De onde este

Leia mais

O Perdão. Cristiane Bicca

O Perdão. Cristiane Bicca O Perdão Cristiane Bicca Todos nós buscamos a felicidade. Mas que felicidade é essa que quanto mais se procura mais distante fica? Para que realmente a encontremos é necessário conhecermos a nós mesmos

Leia mais