Qualidade de Vida dos seniores:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Qualidade de Vida dos seniores:"

Transcrição

1 INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Joana Lopes Paiva Qualidade de Vida dos seniores: Estudo comparativo entre as três freguesias do concelho de Portimão Dissertação de Mestrado em Serviço Social Coimbra, 2008

2 INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Joana Lopes Paiva Qualidade de Vida dos seniores: Estudo comparativo entre as três freguesias do concelho de Portimão Dissertação de Mestrado em Serviço Social Apresentada ao I.S.M.T. e elaborada sob a orientação da Profª. Doutora Clara Cruz Santos Coimbra, 2008

3 Agradecimentos Desde sempre as questões relacionadas com a população sénior me despertaram interesse. A minha dissertação vai incidir sobre a avaliação da qualidade de vida dos seniores, pessoas com 65 ou mais anos que residem no concelho de Portimão, através do qual, se pretende realizar um estudo comparativo entre as três freguesias constituintes. Não obstante, a realização desta investigação criou-me alguns problemas devido à necessidade de aprofundar, com rigor, os temas desenvolvidos. Quero deixar os meus agradecimentos a todas as pessoas que permitiram a execução desta investigação. Na impossibilidade de as mencionar todas, não deixarei, no entanto, de citar as que mais contribuíram para a sua realização. Para a Professora Doutora Clara Cruz Santos, que na qualidade de orientadora, me acompanhou de forma crítica e precisa, um agradecimento muito especial. À Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, na pessoa da Professora Doutora Maria Cristina Canavarro, o meu muito obrigado pela colaboração relativa ao WHOQOL-Bref. Os meus agradecimentos vão ainda para as diversas entidades locais que permitiram a recolha de informação. Nomeadamente, à Câmara Municipal de Portimão, Centro de Convívio Sénior, Associação de Reformados do Pontal e Não Só, Centro Comunitário de Alvor e Instituto da Cultura de Portimão que representam uma parte considerável da amostra estudada, deixo o reconhecimento pelo trabalho desenvolvido e gratificação na disponibilidade. Também quero expressar os meus agradecimentos aos meus pais, irmã, namorado e amigos, expressando a minha gratidão, pelo incentivo, pela compreensão, pelo encorajamento e por estarem sempre presentes, criando as condições necessárias para que pudesse chegar ao fim desta importante etapa da minha vida académica.

4 Resumo O presente estudo tem como principal objectivo avaliar a Qualidade de Vida dos munícipes de Portimão. Consideramos Qualidade de Vida como a percepção do indivíduo da sua posição na vida no contexto da cultura e sistema de valores nos quais ele vive e em relação aos seus objectivos, expectativas, padrões e preocupações (WHOQOL Group, 1995). O estudo foi levado a cabo no concelho de Portimão e pretende-se desenvolver uma análise comparativa entre as três freguesias do Concelho de Portimão. Ser residente no concelho de Portimão, ter 65 ou mais e não se encontrar institucionalizado constituem-se nas condições da amostra. A amostra constituída por 155 habitantes corresponde a 2% da população total do concelho. Assim, em Portimão foram inquiridos 120 habitantes, 18 em Alvor e 17 na Mexilhoeira Grande. Pretende-se também, com este estudo, perceber até que ponto os munícipes de Portimão estão satisfeitos com os serviços da sua freguesia. Se participam e se estão satisfeitos com o que têm à sua disposição. Para a mensuração da Qualidade de Vida foi utilizado o Whoqol na sua versão abreviada (Whoqol-Bref). Este instrumento foi elaborado pela OMS, mais precisamente, pela sua equipa que trabalha com a saúde mental, entidade responsável pelo estudo da Qualidade de Vida. Foram avaliados os domínios físicos, psicológicos, relações sociais e meioambiente, enquanto indicadores de Qualidade de Vida. De um modo geral, a satisfação da população reinou. Podemos afirmar que em Portimão são experimentados os melhores índices de qualidade de vida, seguida de Alvor e, por fim, Mexilhoeira Grande. Verificamos, de igual modo, que a população está satisfeita com os serviços das respectivas freguesias e que falamos de pessoas muito activas que participam em inúmeras actividades. A prática do Serviço Social relaciona-se com o processo de envelhecimento, na medida em que se caracteriza por promover mudanças sociais. Muitas das vezes os seniores têm dificuldade em aceitar as alterações subjacentes ao conjunto de perdas e ganhos inerentes ao envelhecimento. Todo este processo de adaptação à nova etapa da vida requer do profissional a promoção da capacitação individual por via do empowerment, para que, eles próprios encontrem instrumentos para promoverem a sua própria mudança. Palavras-chave: Qualidade de Vida; Envelhecimento; Serviço Social.

5 Summary The present study has as its main objective (aim) the evaluation of the quality of life of the citizens of Portimão. Quality of life is employed in this context as individual perception of his position in life, within the cultural context and the system of values according to which he lives, and in relation to his goals, expectations, patterns and concerns (Whoqol, Group). This study was conducted in the council of Portimão and it comprises an analysis of Portimao three parishs. The sample conditions are the following: to be a resident in the council, to be 65 years or over and not to be institutionalized.the sample is constituted by 155 inhabitants, a number that represents 2% of the population of the council of Portimão. Taking all these factors into consideration 122 inhabitants were inquired in the parish of Portimão, 18 in the parish of Alvor and 17 in the parish of Mexilhoeira Grande. The scope of this study it is to understand to what extent the citizens of Portimão are satisfied - with the services provided by the parish. If they do participate in the initiatives developed by each parish and if they are satisfied to what is placed at their disposal. I have used Whoqol in its abbreviated format (Whoqol-Bref) for the measurement of Quality of Life. This model was developed by the team that deals specifically with mental health within the World Health Organisation (WHO). Physical and psychological domination, social relations and the environment were evaluated as indicators of Quality of Life. Overall, the population is satisfied with the current position. The best index of quality of life is experienced in the parish of Portimão, followed by Alvor and finally by Mexilhoeira Grande. It was verified in the same way that the population is satisfied with the services provided by the respective parish and that the people who were interviewed are active participants in various activities. The practice of Social Services is related to the ageing process in a way that promotes social change. Often, the elderly find it difficult to accept the underlying changes that are inherent to the ageing process. The adaptation to a new reality that is required of those in this position requires the Professional carer to promote individual capability via selfempowerment. It is expected that, in this way, the elderly may find the necessary means to promote their own change. Key-words: Quality of life; Ageing; Social Work.

6 Lista de Quadros Quadro 1 Confrontação dos estereótipos mais frequentes dirigidos aos seniores com a realidade vivida. Quadro 2 A evolução da atribuição de poderes e competências às autarquias locais no âmbito social. Quadro 3 Actividades do Centro de Envelhecimento Activo. Quadro 4 Domínios, questões respectivas facetas do Whoqol-Bref.

7 Lista de Tabelas Tabela 1 Distribuição do número de pessoas com que coabitam e número de filhos por freguesia. Tabela 2 Distribuição dos rendimentos mensais per capita e respectivas fontes por freguesia. Tabela 2a Distribuição dos rendimentos mensais per capita e respectivas fontes por freguesia. Tabela 3 Distribuição da participação em actividades promovidas pela Câmara Municipal de Portimão ou respectiva junta de freguesia por freguesia. Tabela 3a Distribuição da percentagem da participação nas actividades promovidas pela Câmara ou pelas respectivas juntas de freguesia. Tabela 3b Distribuição das actividades participadas por freguesia. Tabela 3c Distribuição do motivo da não participação nas actividades por freguesia. Tabela 4 Distribuição do sentimento de isolamento por freguesia. Tabela 4a Distribuição dos motivos do sentimento de isolamento por freguesia. Tabela 4b Distribuição dos motivos por não sentir isolamento por freguesia. Tabela 5 Distribuição da satisfação face às actividades e serviços disponíveis em cada freguesia. Tabela 5a Distribuição da satisfação face às actividades e serviços

8 disponíveis em cada freguesia. Tabela 5b Distribuição da não satisfação face às actividades e serviços disponíveis em cada freguesia. Tabela 6 Distribuição da frequência com que se deslocam a Portimão por freguesia. Tabela 7 Distribuição dos serviços mais procurados pela população de cada freguesia. Tabela 7a Distribuição dos serviços mais procurados pela população de cada freguesia não referidos na tabela anterior. Tabela 8 Distribuição do que a população opina que faça falta na sua freguesia. Tabela 9 Distribuição das idades dos inquiridos por freguesia. Tabela 9a Média das idades dos inquiridos por freguesia. Tabela 10 Distribuição por sexo dos inquiridos por freguesia. Tabela 11 Distribuição do grau de escolaridade dos inquiridos por freguesia. Tabela 12 Distribuição das profissões dos inquiridos por freguesia. Tabela 13 Distribuição do estado civil dos inquiridos por freguesia. Tabela 14 Confrontação do estado de saúde dos inquiridos por freguesia. Tabela 15 Distribuição do tipo de doença dos inquiridos por freguesia. Tabela 16 Relação do tipo de doença com o tempo com que sofre da mesma.

9 Tabela 17 Relação do tipo de doença com o tempo com que sofre da mesma e regime de tratamento aplicado. Tabela 18 Distribuição da forma de administração do questionário por freguesia. Tabela 19 Média ponderada dos resultados obtidos na relação dos domínios com as freguesias. Tabela 20 Estudo do Domínio Físico nas três freguesias do concelho de Portimão. Tabela 21 Estudo do Domínio Psicológico nas três freguesias do concelho de Portimão. Tabela 22 Estudo do Domínio das Relações Sociais nas três freguesias do concelho de Portimão. Tabela 23 Estudo do Domínio do Meio ambiente nas três freguesias do concelho de Portimão.

10 Lista de abreviaturas et al: Ibidem: n.º: pp: s/p: s/d: Expressão utilizada quando nos referimos a mais do que um autor. Quando nos referimos ao memo autor. Número Páginas Sem página Sem data

11 Sumário Introdução 1 Capítulo 1 Portugal envelhecido Evolução Demográfica As repercussões da evolução demográfica e as políticas sociais em Portugal 10 Capítulo 2 Questões ligadas ao processo de envelhecimento Um olhar sobre o envelhecimento Da historicidade à actualidade das perspectivas do envelhecimento Outras abordagens teóricas do processo de envelhecimento A integração social dos seniores Os seniores na sociedade contemporânea Da actividade profissional à reforma Os seniores e a família A institucionalização 75 Capítulo 3 A qualidade de vida no processo de envelhecimento O conceito de Qualidade de vida Precisões terminológicas e perspectiva histórica do conceito Qualidade 80 de Vida Dimensões, domínios e instrumentos de medição do conceito de 88 Qualidade de Vida 3.2 Envelhecer com qualidade de vida Viver mais e melhor: envelhecer bem é possível 99 Capítulo 4 A prática profissional do Assistente Social na promoção da 102

12 Qualidade de Vida dos seniores 4.1 Práticas profissionais A Relação Profissional-Utente Perspectiva territorial Serviço Social e Poder local: Pensar Global, Agir local Um município ao dispor da população sénior: políticas e respostas 128 sociais locais para os seniores Capítulo 5 Estudo Empírico de investigação 5.1 A presentação do objecto de estudo e do modelo de análise Estratégias e procedimentos metodológicos Apresentação e discussão dos resultados obtidos 145 Conclusão 176 Referências bibliográficas 190 Anexos 211 Anexo 1 Tabelas resultantes do tratamento estatístico (spss) 212 Anexo 2 Questionários: Whoqol-Bref e Sócio-demográfico 241 Anexo 3- Dados do INE Censos

13 Introdução O presente trabalho é parte integrante do Mestrado em Serviço Social, da Escola Superior de Altos Estudos (ESAE) do Instituto Superior Miguel Torga (ISMT). Com este trabalho pretende-se estudar a qualidade de vida das pessoas com 65 ou mais anos residentes no concelho de Portimão através de um estudo comparativo entre as três freguesias constituintes deste concelho. Abordar as questões relativas à Qualidade de Vida (QV) dos mais envelhecidos na nossa sociedade é indissociável do estudo aprofundado sobre a problemática do envelhecimento demográfico como resultado do progresso socio-económico. Portugal, tal como os demais países da Europa Ocidental, enfrenta um processo de envelhecimento demográfico acentuado. O envelhecimento da população é um fenómeno de grande dimensão com efeitos em todas as sociedades que tem tendência a acentuar-se não só no topo, com o aumento dos mais velhos mas também, na base com a redução dos mais novos. De facto observa-se uma verdadeira inversão na pirâmide etária que, inevitavelmente, parece conduzir a um desequilíbrio entre as gerações. Facto que encontra explicação no decréscimo da taxa de fecundidade, por um lado e, progressivo aumento na esperança de vida, por outro. Ambos resultantes do impacto do processo de desenvolvimento social e económico nos modos de vida, nas expectativas e nos valores, influenciando os comportamentos familiares. Numa sociedade que parece pautar-se por valores lucrativos e rentáveis, as pessoas mais velhas são votadas ao esquecimento e solidão e, muitas vezes à exclusão e/ou discriminação. Perante a obrigatoriedade do afastamento do mercado de trabalho e a consequente quebra na contribuição para a riqueza nacional, estes são postos de parte. Receia-se que, sociedades fortemente envelhecidas, se tornem em sociedades problemáticas, em risco de fractura de solidariedade e de aumento de situações de exclusão entre as quais se poderá incluir o facto de se ser velho. Colocam-se neste seguimento as seguintes questões como é que a sociedade terá condições para este aumento brusco de seniores? Que lugar ocuparão na sociedade?

14 A vida societária actual está de tal forma organizada que não parece promover a inclusão dos reformados. A partir do momento em que se entra na reforma, as pessoas são como que banidas do sistema de reprodução social, sendo muitas vezes vistas como os que absorvem o dinheiro dos sistemas da segurança social. O envelhecimento não conduz necessariamente ao isolamento, solidão ou discriminação, se existir um esforço, não só por parte da mudança de mentalidade da sociedade, mas Dissertação de Mestrado em Serviço Social 2

15 principal e primordialmente, da forma dos próprios encararem o seu processo de envelhecimento. Estamos perante um problema social que não encontra a sua origem na pessoa individual mas antes na sociedade, estrutura social e relações sociais. Não somos só objecto da sociedade, mas muito mais, devemos ser sujeitos participativos de modo a assumirmos um papel activo que conduza a uma mudança societária. O papel do Serviço Social é, neste contexto, importante através da promoção de mudanças sociais e individuais. A sua prática surge centrada na satisfação das necessidades humanas e no desenvolvimento do potencial das pessoas. Contudo, e dado ao esforço dos profissionais, felizmente, há já alguns seniores que começam a perceber que não podem viver mais como antigamente e assumem uma posição mais activa, de maior lucidez e mais participativa. Encaram o passar dos anos como momentos privilegiados para a sua realização pessoal e estão prontos para viver um dos momentos mais felizes das suas vidas. Já são alguns os que começam a se preocupar com a redefinição de novos papéis e a ocupar novos espaços, conseguindo acreditar que são eles próprios os responsáveis pela sua vida e felicidade. O Serviço Social surge aqui enquanto profissão cujo objectivo consiste em provocar mudanças sociais, tanto na sociedade em geral como nas suas formas individuais de desenvolvimento. Os profissionais intervêm em prol do bem-estar e da realização pessoal dos seres humanos para o desenvolvimento de recursos destinados a satisfazer as necessidades e aspirações individuais e colectivas, promovendo a justiça social. O Serviço Social caminha no sentido de considerar os Direitos Humanos como princípio orientador da sua prática profissional. Estes profissionais garantem e defendem os direitos dos utentes individuais ou colectivos, ao mesmo tempo que tentam satisfazer as suas necessidades. Fundamentalmente, o profissional terá o papel de promover a capacitação social, enquanto processo através do qual se pretende alcançar a autodeterminação interactiva, a plena efectivação dos direitos humanos entendidos como padrão de bem-estar, não só individual mas também colectivo e geral. Desenvolvendo nas pessoas a capacidade necessária para elas mesmas promoveram a sua própria mudança. O Serviço Social gerontológico deverá encarar, assim, a pessoa mais velha como personagem principal do seu percurso de vida, encarar cada pessoa de acordo com a sua individualidade enquanto indivíduo inserido numa família e comunidade, sujeito de direitos e deveres e, especificamente de promover o reforço da autonomia, da auto-estima e da cidadania. E, para isso, deverão ser estimuladas as alianças com os indivíduos envolvendo a comunidade local, a família e instituições para que sejam Dissertação de Mestrado em Serviço Social 3

16 identificados recursos e descoberta a oportunidade de utilizá-los. Em suma, o Serviço Social na gerontologia deverá desenvolver uma compreensão da identidade biopsicossocial de cada indivíduo. Face a este cenário, questionámo-nos sobre a qualidade de vida do cidadão idoso remetendo-nos para a importância de saber que condições favorecem envelhecer com qualidade. Até que ponto os mais velhos conseguem viver com qualidade de vida face à discriminação emanada pela nossa sociedade? Quais os indicadores que traduzem e avaliam a qualidade de vida? A reforma é bem-vinda? Reformados logo Velhos? Perguntas como estas (decorrentes da questão inicial já enunciada) pretendem encontrar resposta neste estudo. Nesta perspectiva, a análise das condições objectivas de existência a partir de indicadores/factores das condições de vida das pessoas mais velhas, traduz-se num instrumento valioso e objectivo para a identificação de desigualdades quer dentro deste grande grupo quer entre este e a sociedade. Para o trabalho empírico utilizámos o World Health Organization Quality of Life (WHOQOL) na sua versão abreviada. O Projecto WHOQOL nasceu no seio da Organização Mundial de Saúde (OMS), no início da década de 90, com o objectivo de debater e clarificar o conceito de Qualidade de Vida e, posteriormente, construir um instrumento para a sua avaliação. A investigação subjacente a este trabalho incide sobre a Qualidade de Vida da população com 65 ou mais anos, numa escala territorial, do Concelho de Portimão desenvolvendo uma análise comparativa dos padrões vividos nas três freguesias constituintes do concelho (Portimão, Alvor e Mexilhoeira Grande). Pretende-se desenvolver uma análise aos domínios físico, psicológico, meios ambiente e relações sociais enquanto indicadores de medição de Qualidade de Vida, através da avaliação da percepção dos munícipes com 65 ou mais anos, da sua posição na vida face ao sistema envolvente e sistema de valores nos quais eles vivem (WHOQOL Group, 1994). Ambicionamos, assim, verificar se existem diferenças entre o género, as expectativas, padrões e preocupações e analisar o grau de satisfação em relação à realização das necessidades da população residente em cada freguesia do concelho em estudo. Por outro lado, aspira-se estudar o impacto psicológico, social e ambiental, sobre os munícipes da referida faixa etária das condições sociais, económicas e políticas subjacentes à localização geográfica da sua área de residência, assim como, avaliar as redes de suporte e relações de vizinhança e predominância de sentimentos positivos ou negativos, auto-estima e factores associados. O estudo objectiva-se ainda, em apurar se, as diferentes freguesias do concelho, oferecem, de igual modo, Dissertação de Mestrado em Serviço Social 4

17 acesso a serviços, nomeadamente em áreas como a saúde, lazer, recreação e acesso à informação. De forma a atingir os objectivos de estudo e antecedendo a investigação propriamente dita, importa ressalvar as questões que norteiam este trabalho. Deste modo, as hipóteses a serem confirmadas ou refutadas após análise dos dados resultantes da investigação, concretizam-se nas seguintes: (i) A população com 65 ou mais anos residente na freguesia de Portimão tem melhor Qualidade de Vida em comparação com as restantes e, por sua vez, a freguesia de Alvor apresenta melhores padrões de Qualidade de Vida que a população residente na freguesia da Mexilhoeira Grande. Esta relação entre o conceito Qualidade de Vida e as três freguesias resulta dos padrões de vida visíveis a qualquer observador (os aspectos correlacionais presentes nas hipóteses de trabalho encontram-se explicitados no ponto 3.2 da presente dissertação de Mestrado). (ii) Pela ordem decrescente atrás referenciada, é na freguesia de Portimão que a população pode contar com um vasto leque de bens e serviços, melhor acessibilidade aos mesmos, sendo que é uma população muito mais activa e participativa. Perante o isolamento geográfico e social da freguesia da Mexilhoeira Grande, as restantes freguesias do concelho de Portimão têm melhor acessibilidade aos serviços. (iii) Em relação às expectativas e padrões é a população residente na freguesia de Portimão e Alvor que maiores índices de satisfação apresentam. Fenómenos explicados pelo facto das actividades relacionadas com o lazer e entretenimento estarem associadas às zonas mais urbanas e com maior densidade populacional, sendo destes que, se esperam uma democracia mais participativa. (iv) A população mexilhoeirense é a mais envelhecida e, consequentemente a que menor número de jovens tem, sendo igualmente a localidade mais isolada. A relação subjacente ao envelhecimento e isolamento directamente associados à freguesia da Mexilhoeira Grande une dois conceitos que geralmente se associam em zonas mais rurais e do interior do país. Fenómeno que encontra explicação no abandono da população jovem das zonas menos desenvolvidas e, cada vez mais desertificadas, para o litoral e zonas urbanas, carregando a esperança de uma vida melhor. Estas hipótese teóricas forneceram à investigação um fio condutor particularmente eficaz em que o seguimento do trabalho consistirá em testá-las Dissertação de Mestrado em Serviço Social 5

18 confrontando-as com os dados da observação. São estas hipóteses que encaminham o investigador para abordar os dados mais pertinentes que, por meio de um processo selectivo, facilitam a compreensão dos fenómenos observáveis. Este trabalho surge como um grande desafio. A população sénior em Portimão é já alvo de muita atenção dos seus dirigentes municipais, contudo o resultado deste trabalho irá demonstrar a satisfação ou não das práticas levadas a cabo pela autarquia. O estudo da população mais envelhecida não foi uma escolha casual, pelo contrário, muito pensada e reflectida pelo que, se pretendia trabalhar este escalão etário. Neste encadeamento, nada melhor que avaliar a sua qualidade de vida. Com grande empenhamento e a forte colaboração da autarquia e instituições similares, o trabalho foi ganhando importância e peso científico à medida da sua evolução. O presente trabalho é composto por cinco capítulos. No primeiro capítulo é realizada uma breve análise da situação demográfica vivida em Portugal, fruto do fenómeno do envelhecimento demográfico vivido nos países desenvolvidos, assim como, se analisam as políticas sociais face às suas repercussões. No capítulo segundo, serão abordadas as questões relacionadas com o processo de envelhecimento, entre elas, o estudo das abordagens teóricas pertinentes ao trabalho desenvolvido e a integração social dos seniores. No capítulo terceiro apela-se à compreensão da relação dos conceitos qualidade de vida e envelhecimento, onde será desconstruído o conceito de qualidade de vida e abordadas as questões relacionadas com envelhecer com qualidade de vida. A prática profissional do assistente social na promoção da qualidade de vida dos seniores dá nome ao quarto capítulo, onde será abordada a relação profissional-utente e as respectivas práticas profissionais a nível concelhio. Por fim, no capítulo quinto é relatado o estudo empírico de investigação e a respectiva apresentação e discussão dos resultados obtidos. Dissertação de Mestrado em Serviço Social 6

19 1. Portugal envelhecido Começaremos por abordar as questões relacionadas com o processo de envelhecimento em Portugal. Neste capítulo será trabalhado o conceito de envelhecimento demográfico, onde uma das nossas primeiras preocupações foi a de analisar as suas repercussões na sociedade. Reflectiremos então, sobre a realidade portuguesa face ao envelhecimento demográfico, característico em todos os países desenvolvidos. Portugal enfrenta um processo de envelhecimento demográfico acentuado. O envelhecimento da população é um fenómeno de dimensão ínfima tendencialmente durável, irreversível e com efeitos em todas as sociedades. As modificações dos comportamentos demográficos repercutem-se, impreterivelmente nas estruturas populacionais de forma irreversível. Os níveis de fecundidade atingidos profetizam desequilíbrios intergeracionais acentuados e irrecuperáveis com consequências nefastas no futuro. Esta posição não deixa, no entanto, de ter em conta o enquadramento demográfico de declínio de fecundidade que caracteriza os sistemas demográficos modernos, o que, invariavelmente coincide com o aumento populacional da população com 65 e mais anos. A definição de envelhecimento demográfico não é consensual. Pressat (1979:s.p.) define da forma mais comum, como o simples aumento da proporção de idosos, enquanto resultado da diminuição do peso dos jovens. Hugon (1971:s.p.) define este fenómeno como aumento contínuo da importância relativa do grupo dos idosos, ao mesmo tempo que diminui a importância relativa da população dos jovens. Podemos simplificar estas definições, entendendo o fenómeno do envelhecimento demográfico como aumento do número de idosos em relação ao crescimento da população total de um país. Quer-se-á dizer que, deparamo-nos com este quadro quando o número de idosos cresce a um ritmo mais acelerado quando comparados à população jovem. O aumento da longevidade e os aspectos a ela inerentes fazem do fenómeno de envelhecimento uma questão actual de estudo que merece reflexões aprofundadas sobre as suas diversas condicionantes. A conjunção destas condicionantes converge para mudanças significativas no contexto demográfico e começa a acarretar uma série de previsíveis consequências sociais, culturais e económicas que merecem, de facto uma reflexão aprofundada. Veremos, então, com a ajuda de dados estatisticamente apurados, como esta situação de faz sentir. Dissertação de Mestrado em Serviço Social 7

20 1.1 Evolução demográfica em Portugal Como não será demais referenciar, o envelhecimento demográfico é hoje uma característica dos países desenvolvidos, onde se enquadra Portugal e, assiste-se a uma tendência da sua proliferação a todas as sociedades. A população residente em Portugal envelheceu. Os progressos da ciência, da medicina curativa, reabilitadora e preventiva e da tecnologia tornaram os mais velhos menos dependentes e consequentemente mais aptos. Estas são razões que encontram fundamento no aumento da longevidade que, desta forma, corresponde a padrões de qualidade de vida cada vez mais positivos. Estatisticamente, o número de jovens baixou fortemente, ao passo, que as pessoas idosas registam os ritmos de crescimento mais acentuados. Este cenário é fruto da diminuição da taxa de fecundidade (número de filhos por mulher em idade fértil), e, por outro lado, do aumento da esperança média de vida 1. Assiste-se a uma inversão da pirâmide de idades, transformando o topo em base, ou seja, diminuem os números populacionais relacionados com infância e juventude que, desde sempre predominaram, para aumentar o número de idosos, permitindo assim, à pirâmide um redimensionamento estrutural. Podemos falar, deste modo, em dois tipos de envelhecimento, o da base (pela diminuição da percentagem de crianças e jovens) e do topo (pelo aumento significativo do numero de idosos) ou até mesmo em envelhecimento duplo. Barros de Oliveira (2005) aponta que, num século, nos países desenvolvidos, os jovens passaram de 45% para 15%, enquanto os idosos com mais de 65 anos passaram de 5% para quase 20% ultrapassando assim os jovens. Em 2006, segundo o INE, residiam em Portugal pessoas com 65 e mais anos, enquanto que os jovens até aos 14 anos expressavam-se em Se compararmos a faixa etária dos 15 aos 24 anos tínhamos habitantes residentes. Podemos perceber que, Portugal, de facto, é um país envelhecido. Para 2050 prevê-se um agravamento da questão, em todos os países da Europa, apontando para menos 15% de jovens e mais 25 % de idosos (Ibidem, 2005). Segundo a OMS a esperança de vida a nível mundial era de 66 anos em 2000 e passará para 73 em Quanto a Portugal, em 1960 a população de idosos significava cerca de 8% (destes, 33% tinham 75 ou mais anos); por 1975 andava à volta dos 12%; em 2000, segundo o último censo, a percentagem era de 16,4% (16% 1 A esperança média de vida é aqui vista como o número médio de anos que restam para viver a um indivíduo numa determinada idade, tomada como referência. Quando o ponto de referência é o nascimento diz-se esperança de vida à nascença. Dissertação de Mestrado em Serviço Social 8

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer?

15º Congresso Português. De Gerontologia Social. Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? 15º Congresso Português De Gerontologia Social Conferência: Portugal é um País bom para se envelhecer? Dia: 28/11/13 Envelhecimento em Portugal Portugal, de acordo com os Censos 2011, apresenta um quadro

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais

Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais Trabalhadores mais Velhos: políticas públicas e práticas empresariais PESTANA, Nuno Nóbrega (2003), Cadernos de Emprego e Relações de Trabalho n.º 1, MSST/DGERT, Lisboa, pp. 321. Susana Graça 1 A obra

Leia mais

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL

ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL ENVELHECIMENTO E A PROMOÇÃO DA SAÚDE MENTAL O processo de envelhecimento e a velhice devem ser considerados como parte integrante do ciclo de vida. Ao longo dos tempos, o conceito de envelhecimento e as

Leia mais

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações

Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre Gerações M ensagens que devem permanecer A pobreza não se combate apenas com caridade ou medidas de emergência. Queremos que a situação melhore

Leia mais

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo

Sr. Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores Sras. e Srs. Deputados Sra. e Srs. membros do Governo A mulher e o trabalho nos Piedade Lalanda Grupo Parlamentar do Partido Socialista A data de 8 de Março é sempre uma oportunidade para reflectir a realidade da mulher na sociedade, apesar de estes dias

Leia mais

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias

Carla Ribeirinho. Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Carla Ribeirinho Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias Lisboa, 10 de Maio de 2012 Desafios e oportunidades Crescimento em massa da população idosa. Adopção de medidas que visem minorar situações

Leia mais

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de

Programa da Rede Social CLAS Mesão Frio. Plano de Acção. O Plano de Acção do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de O do CLAS de Mesão Frio é a componente do Plano de Desenvolvimento Social, onde estão definidos alguns Projectos (com o desejo de uma projecção num futuro próximo), a serem desenvolvidos para se concretizarem

Leia mais

* DOCUMENTOS DE APOIO *

* DOCUMENTOS DE APOIO * E m A N Á L I S E * DOCUMENTOS DE APOIO * Nº 10 Dezembro 2006 Gabinete de Investigação e Projectos Reforma da Segurança Social Síntese Portugal dispõe de um Sistema Público de Segurança Social que se desenvolveu

Leia mais

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL

O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL 1 O DIREITO À SEGURANÇA SOCIAL A segurança social tem que ser entendida na dupla perspectiva de direito social dos cidadãos, que compete ao Estado garantir, e de princípio

Leia mais

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos?

Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Orçamento do Estado 2014 Saúde e Segurança Social Para Onde Vamos? Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa 18 de Novembro Maria Margarida Corrêa de Aguiar margaridacorreadeaguiar@gmail.com TÓPICOS DEFINIÇÕES

Leia mais

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE

1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE 1º CONTRIBUTO DA UGT O EMPREGO DOS JOVENS INICIATIVA OPORTUNIDADE PARA A JUVENTUDE I. Enquadramento A UGT regista o lançamento da Iniciativa Oportunidade para a Juventude em Dezembro de 2011 e, no âmbito

Leia mais

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios

Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios UNIVERSIDADE DE LISBOA FACULDADE DE LETRAS DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Capital Humano e Capital Social: Construir Capacidades para o Desenvolvimento dos Territórios Sandra Sofia Brito da Silva Dissertação

Leia mais

Seminário Final. 18 de Junho 2008

Seminário Final. 18 de Junho 2008 O impacto do (des)emprego na pobreza e exclusão social na sub-região Porto-Tâmega pistas de acção estratégicas Porto Rua Tomás Ribeiro, 412 2º 4450-295 Matosinhos tel.: 22 939 91 50 fax.: 22 909 91 59

Leia mais

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa

Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Lisboa Observatório Luta Contra a Pobreza na Cidade de Apresentação Plenário Comissão Social de Freguesia www.observatorio-lisboa.eapn.pt observatoriopobreza@eapn.pt Agenda I. Objectivos OLCPL e Principais Actividades/Produtos

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO

SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO SUMÁRIO EXECUTIVO DO PROJECTO A Associação de Paralisia Cerebral de Lisboa - APCL propõe-se desenvolver um projecto, designado CLEAN, que consiste na criação de um Centro de Limpeza Ecológica de Automóveis

Leia mais

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida

3.4. EDUCAÇÃO. Problemas Sociais Identificados. Problemas Sociais Priorizados. 3.4.1. Educação: Enquadramento: Alunos sem projecto de vida 3.4. EDUCAÇÃO Problemas Sociais Identificados Insucesso escolar Falta de expectativas socioprofissionais Alunos sem projecto de vida Expectativas inadequadas para famílias Problemas Sociais Priorizados

Leia mais

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal

Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal Sistemas de Protecção Social: experiência de Portugal José Luís Albuquerque Subdirector-Geral do Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Solidariedade Social (MTSS) VIII

Leia mais

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às

Introdução. 1 Direcção Geral da Administração Interna, Violência Doméstica 2010 Ocorrências Participadas às Câmara Municipal da Departamento de Educação e Desenvolvimento Sociocultural Divisão de Intervenção Social Plano Municipal contra a Violência Rede Integrada de Intervenção para a Violência na Outubro de

Leia mais

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil

Encontros do Observatório 2014 Pobreza Infantil º Uma iniciativa: Com apoio: 1 Encontros do Observatório, 23 Maio 2014 1. Contextualização O Observatório de Luta contra a Pobreza na Cidade de Lisboa definiu como prioridade temática para 2014 a, problema

Leia mais

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO

CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO CGTP-IN APRESENTA PETIÇÃO: PELO DIREITO AO EMPREGO E À PROTECÇÃO SOCIAL NO DESEMPREGO O direito ao trabalho e ao emprego com direitos é cada vez mais posto em causa no nosso país. As políticas seguidas

Leia mais

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde

As pensões sociais do regime não em Cabo Verde CENTR0 NACIONAL DE PENSÕES SOCIAIS, REPÚBLICA DE CABO VERDE As pensões sociais do regime não em Cabo Verde René Ferreira, Presidente do CNPS Breve contextualização do país Aspectos geogáficos; Dados demográficos;

Leia mais

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos

Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos Maria João Valente Rosa* Análise Social, vol. xxxiii (145), 1998 (1. ), 183-188 Notas sobre a população a propósito da evolução recente do número de nascimentos O número de nascimentos em Portugal tem

Leia mais

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL

REDE SOCIAL DIAGNÓSTICO SOCIAL REDE SOCIAL INQUÉRITOS POR QUESTIONÁRIO ASSOCIAÇÕES INQUÉRITO POR QUESTIONÁRIO ÁS ASSOCIAÇÕES DO CONCELHO DE A pobreza e a exclusão social embora não sendo fenómenos recentes, têm vindo a surgir nas nossas

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Políticas Activas para a Inclusão Educativa

Políticas Activas para a Inclusão Educativa Seminário Internacional Educação Inclusiva Impacto das Referências Internacionais nas Políticas, nas Práticas e na Formação Inovação e Justiça: Políticas Activas para a Inclusão Educativa Lisboa, 05 de

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES

DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA JUVENTUDE SOCIALISTA AÇORES 1. A Juventude Socialista Açores é a organização política dos jovens açorianos ou residentes na Região Autónoma dos Açores que nela militam, que

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011

Plano Gerontológico de Monchique Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Apresentação Pública 15 de Outubro de 2011 Trajectórias de envelhecimento Após os 65 anos de idade a estimulação cognitiva diminui significativamente. A diminuição da estimulação desencadeia/agrava o declínio

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes

12. Da discussão e dos seminários, surgiu um consenso sobre as ideias seguintes Conclusões «Inovação e sustentabilidade ambiental. A inovação e a tecnologia como motor do desenvolvimento sustentável e da coesão social. Uma perspectiva dos governos locais». 1. O Fórum irá estudar,

Leia mais

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada

Conciliação entre vida profissional, familiar e privada C 102 E/492 Jornal Oficial da União Europeia PT 28.4.2004 P5_TA(2004)0152 Conciliação entre vida profissional, familiar e privada Resolução do Parlamento Europeu sobre a conciliação entre vida profissional,

Leia mais

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA

SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA SISTEMA DE PROTECÇÃO SOCIAL EM ANGOLA I- CONTEXTO 1- A assistência social é uma abordagem que visa proteger os grupos mais vulneráveis tendo em conta critérios rigorosos para uma pessoa se habilitar a

Leia mais

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética

Reforçar a segurança social: uma necessidade política e uma exigência ética I Introdução Considerando que se aproxima um novo ciclo eleitoral e que o mesmo deve ser aproveitado para um sério e profundo debate político que confronte as propostas dos diferentes partidos relativamente

Leia mais

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos

As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos As mulheres constituem a maioria da população residente em Portugal e vivem até mais tarde do que os homens; adiam a maternidade, têm menos filhos Por ocasião do dia em que se comemorou o 32º aniversário

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008

MENSAGEM DE ANO NOVO. Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 MENSAGEM DE ANO NOVO Palácio de Belém, 1 de Janeiro de 2008 Portugueses No primeiro dia deste Novo Ano, quero dirigir a todos uma saudação amiga e votos de boa saúde e prosperidade. Penso especialmente

Leia mais

Medidas de Revitalização do Emprego

Medidas de Revitalização do Emprego Projeto de Resolução n.º 417/XII Medidas de Revitalização do Emprego A sociedade europeia em geral, e a portuguesa em particular, enfrentam uma crise social da maior gravidade. Economia em recessão e um

Leia mais

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO

3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO 3. ENVELHECIMENTO DEMOGRÁFICO Se o envelhecimento biológico é irreversível nos seres humanos, também o envelhecimento demográfico o é, num mundo em que a esperança de vida continua a aumentar e a taxa

Leia mais

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso

Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso Área de Intervenção IV: Qualidade de vida do idoso 64 ÁREA DE INTERVENÇÃO IV: QUALIDADE DE VIDA DO IDOSO 1 Síntese do Problemas Prioritários Antes de serem apresentadas as estratégias e objectivos para

Leia mais

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO

ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO ESCOLA SECUNDÁRIA DE CANEÇAS ECONOMIA C E ÁREA DE PROJECTO SEGURANÇA SOCIAL A DESPESA DA POBREZA Bruno Simões, nº 6 12º D David Figueira, nº 9-12º D Fábio Vilela, nº 13 12º D Professores: Ana Rita Castro

Leia mais

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall

REDE SOCIAL L DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Sociall REDE SOCIAL DO CONCELHO DE BRAGANÇA Parte III.7: Protecção Social e Acção Social Parte 3.7 protecção social E Acção social O artigo 63º da Constituição da República Portuguesa estabelece que ( ) incumbe

Leia mais

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)?

O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? O Que São os Serviços de Psicologia e Orientação (SPO)? São unidades especializadas de apoio educativo multidisciplinares que asseguram o acompanhamento do aluno, individualmente ou em grupo, ao longo

Leia mais

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA

Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Amares Anos 60 Festas de S. António Foto Kim Amares Amares na actualidade Arquivo BE ESA Meio século pode ser um tempo relativamente curto em termos históricos, mas é um tempo suficiente para provocar

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO

ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO ASSOCIAÇÃO DOS ALBERGUES NOCTURNOS DO PORTO ESBOÇO DE ENQUADRAMENTO TÉCNICO CENTRO DE ALOJAMENTO DE LONGA DURAÇÃO 1 Introdução A experiência da AANP, decorrente quer da intervenção e acompanhamento diários

Leia mais

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo

Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo nº3a Salvar a segurança social pública com um novo regime de financiamento de longo prazo Dados e factos 1. O financiamento actual da segurança social não é sustentável: há cerca de 5 milhões de trabalhadores

Leia mais

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde

ESCOLA DO SERVIÇO DE SAÚDE MILITAR NEWSLETTER. Junho de 2013 ARTIGO. Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde ARTIGO CAP Luís Pereira Sistemas de Saúde versus Serviço Nacional de Saúde Cada país da Europa desenvolveu, ao longo de décadas ou de séculos, um modelo de sistemas de saúde que assenta em características

Leia mais

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5

Índice. 1. Nota Introdutória... 1. 2. Actividades a desenvolver...2. 3. Notas Finais...5 Índice Pág. 1. Nota Introdutória... 1 2. Actividades a desenvolver...2 3. Notas Finais...5 1 1. Nota Introdutória O presente documento consiste no Plano de Acção para o ano de 2011 da Rede Social do concelho

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001

Comité da Protecção Social. Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social. Outubro de 2001 Comité da Protecção Social Comité da Protecção Social Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão social Outubro de 2001 Relatório sobre indicadores no domínio da pobreza e da exclusão

Leia mais

Projecto de Resolução n.º 471/X

Projecto de Resolução n.º 471/X Projecto de Resolução n.º 471/X Recomenda ao Governo a adopção de medidas de excepção de apoio aos alunos do ensino superior com dificuldades económicas, face ao momento de recessão económica que o País

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL

EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL Seminário NORTE 2015 O Desenvolvimento Regional no Novo Horizonte Europeu: O caso do Norte de Portugal 25.Maio.2005 EMPREGO E DESEMPREGO NO NORTE DE PORTUGAL JOSÉ M. VAREJÃO Enquadramento Trajectória desfavorável

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

"Retrato social" de Portugal na década de 90

Retrato social de Portugal na década de 90 "Retrato social" de Portugal na década de 9 Apresentam-se alguns tópicos da informação contida em cada um dos capítulos da publicação Portugal Social 1991-21, editada pelo INE em Setembro de 23. Capítulo

Leia mais

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento

IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento IX Colóquio Direitos Humanos na Ordem do Dia promovido pelo Grupo Parlamentar Português para a População e Desenvolvimento Lançamento do Relatório 2014 do UNFPA Painel: Jovens em Portugal Da Oportunidade

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL

POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL 1 POLÍTICAS SOCIAIS APOIO À NATALIDADE, À TERCEIRA IDADE, IGUALDADE E INCLUSÃO SOCIAL Senhora Presidente da Assembleia Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros

Leia mais

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE

10 ANOS DEPOIS: O CONTRIBUTO DOS PROGRAMAS SOCIAIS NA CONSTRUÇÃO DO ESTADO SOCIAL EM TIMOR-LESTE REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO DA REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA SESSÃO DE

Leia mais

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO A partir de meados do século xx a actividade de planeamento passou a estar intimamente relacionada com o modelo racional. Uma das propostas que distinguia este do anterior paradigma era a integração

Leia mais

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE

NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE NOTA ÀS PROPOSTAS CONJUNTAS APRESENTADAS PELO PSD E PELO CDS NO APOIO À FAMÍLIA, À CRIANÇA E À NATALIDADE A APFN assinala como muito positivo o reconhecimento de que só um conjunto de políticas de família

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE

Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE 2014 Compromisso para IPSS Amigas do Envelhecimento Ativo CONFEDERAÇÃO NACIONAL INSTITUIÇÕES DE SOLIDARIEDADE MANIFESTO E COMPROMISSO DA CNIS IPSS AMIGAS DO ENVELHECIMENTO ATIVO As modificações significativas

Leia mais

Síntese dos conteúdos mais relevantes

Síntese dos conteúdos mais relevantes Síntese dos conteúdos mais relevantes Nos últimos Censos de 2001, o Concelho da Lourinhã contabilizou 23 265 habitantes, reflectindo uma evolução de + 7,7% face a 1991. Em termos demográficos, no Concelho

Leia mais

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO

(Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO L 52/32 II (Actos cuja publicação não é uma condição da sua aplicabilidade) CONSELHO RECOMENDAÇÃO DO CONSELHO de 14 de Fevereiro de 2000 relativa à execução das políticas de emprego dos Estados-Membros

Leia mais

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM

NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS DE RESPONDER A UMA SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA. A UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIA FINANCEIRA, SOUBEMOS RESPONDER COM A CRIAÇÃO DE UM DISCURSO PROGRAMA DE GOVERNO 9.11.2015 MSESS PEDRO MOTA SOARES - SÓ FAZ FÉ VERSÃO EFECTIVAMENTE LIDA - SENHOR PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA SENHORAS E SENHORES DEPUTADOS NOS ÚLTIMOS 4 ANOS TIVEMOS

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS

Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Conselho Nacional de Saúde MS OPAS-OMS Seminário internacional: Inclusão dos cidadãos em políticas públicas de saúde A participação dos cidadãos no sistema de saúde português Mauro Serapioni Centro de

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Projecto de Lei nº 501/X

Projecto de Lei nº 501/X Grupo Parlamentar Projecto de Lei nº 501/X Altera a portaria n.º 1474/2004, de 21 de Dezembro, no que concerne ao escalão de comparticipação dos medicamentos destinados às pessoas que sofrem de Doença

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA MATRIZ 12º Ano de Escolaridade (Decreto-Lei n.º 74/2004) Curso Científico Humanístico PROVA 312/6Págs. Duração da prova: 90 minutos + 30 minutos de tolerância 2010 PROVA

Leia mais

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA

O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA PARECER SOBRE O ENVOLVIMENTO DOS TRABALHADORES NA ASSOCIAÇÃO EUROPEIA (Proposta de Regulamento sobre o Estatuto da AE e Proposta de Directiva que completa o estatuto da AE no que se refere ao papel dos

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE)

PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) PROGRAMA DE ACÇÃO COMUNITÁRIO RELATIVO À VIGILÂNCIA DA SAÚDE PROJECTO DE PROGRAMA DE TRABALHO 1998-1999 (Art. 5.2.b da Decisão Nº 1400/97/CE) 1. INTRODUÇÃO As actividades da União Europeia no domínio da

Leia mais

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO

PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO PROJECTO - FRANCHISING SOCIAL POTENCIADO PELO MARKETING SOCIAL DESENVOLVIDO PELA CÁRITAS EM PARCERIA COM A IPI CONSULTING NETWORK PORTUGAL As virtualidades da interação entre a economia social e o empreendedorismo

Leia mais

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016

Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Conferência o OE para 2016 CIDEEFF Faculdade de Direito de Lisboa 25 de fevereiro de 2016 Nazaré da Costa Cabral Professora Associada da Faculdade de Direito de Lisboa Boa tarde, antes de mais nada, os

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL

CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL CARACTERIZAÇÃO DA I&D EM PORTUGAL No ano de 2000, o Conselho Europeu, reunido em Lisboa, fixou o objectivo de na próxima década, tornar-se a economia baseada no conhecimento mais competitiva e dinâmica

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal

Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal 4/6 Modelling of Policies and Practices for Social Inclusion of People with Disabilities in Portugal Design of a governance model for the implementation of a National Disability Strategy in Portugal 27-28

Leia mais

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014

V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis. As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável. Montijo 14 de Novembro de 2014 V Fórum Rede Portuguesa de Cidades Saudáveis As Desigualdades em Saúde e o Planeamento Saudável Montijo 14 de Novembro de 2014 1. Saudação Exmo. Sr. Presidente da Câmara Municipal do Montijo Exmo. Sr.

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE

DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE DOCUMENTO DE POSICIONAMENTO DA IBIS SOBRE A JUVENTUDE A IBIS visa contribuir para o empoderamento dos jovens como cidadãos activos da sociedade, com igual usufruto de direitos, responsabilidades e participação

Leia mais

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011

Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 2011 Caraterização da Área de Reabilitação Urbana Edificado e População Fonte: Censos 211 Cristina Maria Magalhães Dinis Técnica Superior de Sociologia Julho de 213 Gabinete de Reabilitação Urbana Departamento

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

PARECER DA UMAR. V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não Discriminação. UMAR União de Mulheres Alternativa e Resposta

PARECER DA UMAR. V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não Discriminação. UMAR União de Mulheres Alternativa e Resposta PARECER DA UMAR V Plano Nacional para a Igualdade de Género, Cidadania e Não Discriminação UMAR União de Mulheres Alternativa e Resposta Contactos: e-mail: umar.sede@sapo.pt; T. 218873005 www.umarfeminismos.org

Leia mais

Esta esperança, este sonho e este legado aos vindouros também tem de ser concretizado no Cartaxo.

Esta esperança, este sonho e este legado aos vindouros também tem de ser concretizado no Cartaxo. Trinta e quatro anos depois do 25 de Abril de 1974, importa comemorar Abril e afirmar os valores da Democracia e da Liberdade. Nada pode motivar ou impedir o livre exercício dos direitos e deveres de cidadania.

Leia mais

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho

A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM. Sandra Maria Franco Carvalho CENTRO DE COMPETÊNCIAS DE CIÊNCIAS SOCIAIS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO A PARTICIPAÇÃO DOS SENIORES NUMA OFICINA DE MÚSICA E TEATRO: IMPACTOS NA AUTO-ESTIMA E AUTO-IMAGEM ESTUDO DE CASO NUMA UNIVERSIDADE

Leia mais

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA

POR UMA ESCOLA INCLUSIVA POR UMA ESCOLA INCLUSIVA Sílvia Ferreira * Resumo: A promoção de uma escola democrática, onde incluir se torne um sinónimo real de envolver, é um desafio com o qual os profissionais de Educação se deparam

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD"

6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD 6$Ó'(2&83$&,21$/ 4XHUHOHYkQFLD" 5LFDUGR3DLV Kofi Annan, Secretário Geral O.N.U.: " Saúde e Segurança dos trabalhadores é parte integrante da segurança humana. Como agência líder das Nações Unidas pela

Leia mais