EMPREGO DE REVESTIMENTO PARA PROTEÇÃO IN TERNA EM DUTOS. Marly Lachermacher PhD, Engenheira Química PETROBRAS/CENPES

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EMPREGO DE REVESTIMENTO PARA PROTEÇÃO IN TERNA EM DUTOS. Marly Lachermacher PhD, Engenheira Química PETROBRAS/CENPES"

Transcrição

1 EMPREGO DE REVESTIMENTO PARA PROTEÇÃO IN TERNA EM DUTOS Marly Lachermacher PhD, Engenheira Química PETROBRAS/CENPES Byron Gonçalves de Souza Filho MSc, Engenheiro Metalúrgico TRANSPETRO/Sede - Confiabilidade de Dutos Lásaro Moreira de Andrade Engenheiro Mecânico TRANSPETRO/Bahia Confiabilidade de Dutos 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Equipamentos 22 CONBRASCORR Congresso Brasileiro de Corrosão Salvador Bahia 19 a 21 de Agosto de 2002 As informações contidas neste trabalho são de exclusiva responsabilidade dos autores

2 SINÓPSE Este trabalho apresenta a prática de aplicação a nível internacional bem como os resultados da avaliação técnica e econômica de um serviço pioneiro em um duto de transporte de nafta na PETROBRAS realizado através de um processo de préqualificação internacional de empresas. Os seguintes benefícios econômicos: aumento da vida útil do duto em até 20 anos, redução dos danos ambientais decorrentes de vazamentos, redução no custo com inibidor de corrosão, redução nos custos de manutenção, redução no custo de limpeza do duto; ganhos indiretos com aumento de vazão, redução no consumo de energia devido à redução da rugosidade nas paredes internas e melhores qualidades dos produtos determinaram o uso do revestimento. Palavras chaves: dutos, corrosão, reabilitação, revestimento, processo in-situ, epoxi

3 1. INTRODUÇÃO Em virtude do envelhecimento natural dos dutos e, principalmente dos problemas operacionais inerentes à atividade, o controle da corrosão interna vem tomando sua importância nas empresas operadoras de dutos. De forma a buscar uma solução alternativa para os dutos em operação já afetados com corrosão, foi desenvolvida a técnica de aplicação de revestimento in-situ. Assim, torna-se possível a intervenção direta em um trecho da tubulação, sem que seja preciso desmobilizar toda a rede. Para consolidar o conhecimento técnico sobre essa tecnologia bem como elucidar os benefícios econômicos foi feita uma pesquisa junto aos fornecedores desse serviço e às empresas usuárias desse processo, bem como foi assistido um serviço semelhante na empresa Mexicana, PEMEX. Dentro do mercado internacional, a tecnologia de revestimento interno in-situ" é uma tecnologia consolidada no exterior, aplicada há mais de 30 anos e exaustivamente testada em cerca de 200 aplicações em diversas instalações em diferentes países e empresas, em dutos novos e dutos existentes de transporte de gás, petróleo e seus derivados, efluentes, etc. Em todas essas aplicações, o resultado final foi muito bom, conforme relato dos usuários. Esse processo agrega uma nova tecnologia de reabilitação de dutos, trazendo como benefícios o aumento da vida útil do duto, a redução dos custos de manutenção e dos danos ambientais decorrentes de vazamentos. Reconhecendo a importância de garantir a integridade dos dutos e a maior confiabilidade operacional e em consonância com a preocupação com segurança e meio ambiente foi feita um estudo de viabilidade técnica e econômica de aplicação do processo in-situ em duto da PETROBRAS. 2. SERVIÇO DE APLICAÇÃO DO PROCESSO IN-SITU De forma a comprovar os resultados reportados pelos usuários dessa aplicação bem conhecer o seu procedimento operacional, foi feito o acompanhamento da execução de um serviço semelhante no duto de transporte de óleo combustível na empresa mexicana, PEMEX no trecho de 5 Km de uma linha de 16 de diâmetro. Esse duto tem 11 Km e está em operação há um ano; transporta óleo combustível e opera a temperatura de 80 C. Ele passa por uma região mais elevada. O trecho de 6 Km foi revestido internamente anteriormente, pela mesma empresa. A separação do duto em dois trechos foi feita por conveniência operacional da PEMEX. O fator determinante para a execução desse serviço foi o problema ambiental, pois o duto passa por uma área habitacional, além de operar à temperatura elevada.

4 A primeira etapa do processo foi o preparo da superfície, sendo feitas as limpezas mecânica e química. Inicialmente, o lançador e o recebedor de pig foram adaptados no início e final da seção do duto, respectivamente como ilustra a figura 1. A seguir, o pig de espuma foi introduzido no lançador de pig e deslocado ao longo do duto para remover os produtos presentes no seu interior. Após várias passagens, o pig foi recolhido no recebedor de pig. Seguidamente, foi feita a remoção dos hidrocarbonetos com diesel, previamente armazenado no tanque e adicionado através de mangueira conectada ao duto, por pressão. A batelada de diesel situada entre dois pigs foi deslocada ao longo do duto numa velocidade controlada pela diferença de pressão entre o lançador e o recebedor de pig. O controle da limpeza foi feito determinando o teor de sólidos totais dissolvidos no diesel. Visando remover a parafina presente, foi feita a limpeza com querosene de aviação e posteriormente feita a passagem de pig escova para remover os produtos aderidos a parede interna. Nessa fase, a limpeza foi certificada pela ausência de sólidos na amostra de efluente presente no interior do duto. Em seguida, foi passado o pig de poliuretano e feita a lavagem com água. Foram utilizados detergente e água para a remoção total dos hidrocarbonetos, sucedendo a decapagem ácida com ácido clorídrico para retirar os óxidos. O acompanhamento do preparo da superfície foi feito por inspeção visual do carretel instalado na extremidade final do duto, assegurando um grau de preparação de uma superfície de metal quase-branco, estando de acordo com a Norma NACE 2 ou SSSPC SP 10. O último estágio do preparo consistiu na passivação do aço com ácido fosfórico para evitar o aparecimento de novas oxidações, seguida da lavagem com água e secagem do duto com ar comprimido. Após essa etapa, foi feita a aplicação do revestimento, como ilustra a figura 2. A tinta foi misturada em ta mbores e a batelada de tinta foi deslocada de forma semelhante a usada na etapa de limpeza e o pig foi recolhido no recebedor de pig. Várias bateladas de tinta epoxi são colocadas entre dois pigs, que são deslocados ao longo do duto com ar comprimido. A velocidade de deslocamento dos pigs, em torno de 2 m/s é controlada pela diferença de pressão de forma a assegurar a uniformidade da espessura do revestimento. O monitoramento dessa etapa também foi feito por inspeção visual do carretel. Foram aplicadas três camadas de revestimento, a secagem foi feita com ar comprimido, e um tempo de espera entre cada camada de 24 horas. Nos carretéis revestidos foram também realizados testes de campo para verificar a integridade, a aderência e a espessura do revestimento. 3. LEVANTAMENTO DAS EMPRESAS FORNECEDORAS DO SERVIÇO DE REVESTIMENTO IN-SITU No mercado internacional, as firmas Bateman Pipeline System da África do Sul (In- Situ Pipeline System, nos EUA), CRC Evans e Bredero Price / U.S.Pipe Technology dos Estados Unidos fornecem serviço de revestimento interno in-situ. A firma Bateman Pipeline System apresenta 28 anos de experiência no mercado, com aplicações em empresas congêneres a PETROBRAS, a citar Exxon, Shell,

5 Occidental, Marathon Oil, Tennesse, entre outras Essa firma já fez em torno de 140 operações, revestindo aproximadamente 1800 Km na América do Norte, com maior freqüência (36 %), seguida da Europa (27%), da África do Sul (20%) e da Ásia (17%) para linhas de água, gás, petróleo e, principalmente para dutos de derivados, mostrando sua aplicabilidade nos dutos onde a PETROBRAS luta com severos problemas de corrosão interna. A Bateman apresenta experiência tanto em linhas onshore como offshore. No primeiro caso, de dutos onshore, indústrias de petróleo como a Marathon Oil, a Exxon, Agip Petroleum e Shell utilizaram essa técnica em seus dutos de transporte de óleo em presença de agentes corrosivos. Para oleodutos offshore, foram realizadas várias aplicações pela Arco Indonesia, sendo as mais recentes, em 1998 para dutos de diâmetros de 12 e 16 e até 18 Km de comprimento. Ela tem trabalhos executados em dutos numa faixa ampla de diâmetros, desde 5 até 22 e de comprimentos, desde 5 Km até 90 Km, com maior ênfase para linhas com comprimento menores que 20 Km. A companhia Tennesse Gas Pipeline utiliza essa tecnologia em seus gasodutos desde 1972, apresentando vinte e cinco linhas revestidas em um total de 270 Km. O sistema de revestimento interno in-situ apresentado pela firma CRC Evans é semelhante ao da Bateman Pipeline System, que consiste na aplicação de três ou quatro camadas de revestimento a base de epoxi com o uso de pig, que se desloca ao longo do tubo formando uma camada uniforme e homogênea na parede interna. Da mesma forma, o aumento da vida útil e a redução dos custos de manutenção e operação também são os benefícios reportados por essa firma. O histórico de aplicação de revestimento in-situ da firma U. S. Pipe Technology em empresas, como Shell, Arco, Texaco, Dow Chemical data de Comparada às firmas Bateman e CRC Evans, essa companhia tem menos experiência no mercado. Ela patenteou a tecnologia de revestimento interno in-situ de revestimento sem solvente para proteção anticorrosiva. Segundo informações dessa firma, esse tipo de revestimento possui melhores propriedades de aderência do que os revestimentos epoxi a base de solvente, fundamental para essa aplicação. 4. EMPRESAS OPERADOR AS DE DUTOS Segundo relatos dos usuários dessa aplicação, os primeiros projetos de aplicação do processo in-situ iniciaram em 1975 pela empresa de Gás Tennesse (Tenneco) e foram concluídos em 1986 nas linhas offshore no Golfo do México. Foram reportados bons resultados, demonstrando pelo controle efetivo da corrosão nos sistemas de gás úmido contendo altor teor de CO2, H2S, em operação já afetados pela corrosão. Algumas linhas foram reabilitados e estão em operação há mais de 25 anos. Essa empresa já revestiu 25 dutos, total de 400 KM, com diâmetros de 8 a 20 e comprimento de 3 a 22 Km. Em virtude da redução da rugosidade da superfície metálica, as linhas revestidas com epoxi mostraram um aumento de 5-10 % na taxa

6 de escoamento, benefício este atribuído a redução da rugosidade da superfície interna do aço. A vantagem da técnica in-situ, é possibilitar o mesmo preparo de superfície nas juntas e nas paredes internas do duto, bem como a aplicação do revestimento epóxi ao longo de toda extensão do duto. A experiência da empresa Marathon Oil U.K data de 1981, quando instalou a sua primeira linha de óleo revestida internamente com epoxi, no Mar do Norte, com o objetivo de evitar corrosão interna decorrente da presença de CO2 e H2S. Minimizar o acúmulo de depósitos de parafina no interior do duto foi outro fator considerado para adotar essa prática. Após dois anos, o duto revestido foi inspecionado usando técnicas de monitoramento e vídeo, e os resultados mostraram que o revestimento interno apresenta-se em bom estado. Confirmou-se, portanto, o benefício desse processo, sendo posteriormente realizadas por essa indústria de petróleo várias outras aplicações em dutos de transporte de óleo cru com diâmetros entre 8 e 16 polegadas. São apresentados valores de até 80 % de redução do consumo de inibidor de corrosão. A empresa Arco Indonesia já utilizou essa tecnologia no revestimento de doze linhas offshore de óleo e gás, o que acarretou a redução de custos com reparos e troca de tubos e também a redução em 50% no uso de inibidor. A partir dessas experiências, outras aplicações semelhantes foram utilizadas pelas indústrias de Petróleo, como a Exxon e a Shell em suas linhas de óleo cru no Golfo do México e no Colorado, respectivamente. 5. APLICAÇÃO PIONEIR A DE REVESTIMENTO IN-SITU NO BRASIL Verificou-se que a tecnologia em comento vem sendo usada com sucesso na reabilitação de dutos de transporte de óleo e gás e em dutos novos por empresas operadoras de dutos. As situações identificadas para a utilização desta aplicação são nos gasodutos de transporte de gás natural em presença de agentes corrosivos, gasodutos de transporte de gás úmido, oleodutos de petróleo em presença de água salgada, polidutos de transporte de óleo combustível / outros derivados de petróleo. Em virtude da situação atual da malha de dutos da PETROBRAS se assemelhar a experiência apresentada mundialmente, indica que esse processo deverá ser uma solução alternativa para nossos problemas atuais de corrosão interna. 5.1 HISTÓRICO DO DUT O O serviço de revestimento in-situ foi realizado no duto de nafta de 14 polegadas de diâmetro e 36 Km de comprimento, localizado no Terminal de Madre de Deus,

7 Bahia. Os fatores decisivos para o uso do revestimento foram o elevado consumo de inibidor de corrosão e o custo de manutenção com reparos e trocas de tubos. Para tal, foi feita uma pré qualificação das empresas prestadoras desse serviço, seguida do processo de licitação das empresas pré-qualificadas. Participaram do processo de pré-qualificação as empresas: Bateman Pipeline System, CRC Evans e U.S.Pipe Technology. Foram requisitos da pré-qualific ação, apresentar a proposta técnica, detalhando o planejamento, a logística a tecnologia e a descrição do processo de revestimento interno in-situ, nas seguintes etapa: - Teste hidrostático para verificar a integridade estrutural do duto; limpeza e condicionamento da superfície interna da tubulação; aplicação de revestimento insitu de tinta epóxi. - Procedimento de preparo da superfície interna do duto: limpeza com uso de solventes ou desengraxantes através de passagem de PIG; Decapagem ácida com inibidor diluído em água; processo de apassivação para neutralizar ação corrosiva na superfície do aço; processo de secagem. - Especificação dos materiais de revestimento: apresentar formulação, empresa fabricante ou fornecedora e certificado de qualidade garant indo resistência à ação de derivados de petróleo(nafta). - Procedimento de aplicação do revestimento: Descrever o processo de aplicação insitu, número de camadas, espessura de película seca necessária, processo de secagem, entre outros aspectos. 6. CONCLUSÕES Os serviços foram iniciados em 01/05/2002, com prazo previsto para término em 23/06/2002. Até o momento desta apresentação, os serviços estão sendo executados dentro do cronograma previsto. Na fase de manutenção do duto, o estado crítico na parede interna do duto, com coleta e análise dos resíduos e produtos de corrosão, foram os fatores principais da reformulação do processo de limpeza química pela empresa CRC Evans de modo a garantir uma perfeita preparação de superfície para uma boa ancoragem do revestimento final. Numa etapa posterior a aplicação, a PETROBRAS vai avaliar os requisitos técnicos do revestimento e simulação de passagem de pigs em carretéis que foram montados como corpos de prova em trechos intermediários do duto. Está planejada a passagem de câmera visual para filmagem do interior do duto. A PETROBRAS está viabilizando a aplicação semelhante em outros dutos que transporte produtos corrosivos, com geração de resíduos e gás úmido.

8 FIGURAS Fig 1 Etapa de limpeza do Processo de Revestimento In-Situ no Duto na Empresa PEMEX Fig 2 Etapa de aplicação de revestimento do Processo de Revestimento In Situ no Duto na Empresa PEMEX

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006

FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 FATORES QUE PODEM IMPLICAR EM FALHAS PREMATURAS DE PINTURA INTERNA in situ DE DUTOS 2006 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES INTRODUÇÃO Vantagens do emprego de revestimentos

Leia mais

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil

1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil 1. Introdução 1.1. Histórico do crescimento da produção de petróleo no Brasil A Petrobrás alcançou em julho de 2005 a média de produção de 1,76 milhões de barris por dia, sendo destes 1,45 milhões só na

Leia mais

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO

VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO VÁLVULAS VÁLVULAS DE BLOQUEIO Gaveta Esfera VÁLVULAS DE REGULAGEM Globo Agulha Borboleta Diafragma VÁLVULAS QUE PERMITEM O FLUXO EM UM SÓ SENTIDO Retenção VÁLVULAS CONTROLE PRESSÃO DE MONTANTE Segurança

Leia mais

Tecnologia RFID na Gestão de Ativos

Tecnologia RFID na Gestão de Ativos Warehousing Transport Field Operations Maintenance & Inspection Tecnologia RFID na Gestão de Ativos DESAFIOS Existe uma solução de tecnologia viável e econômica disponível para gerir de forma eficaz e

Leia mais

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES

Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014. Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Pintura Como Aumentar a Confiabilidade na Eficiência? 2014 Joaquim Pereira Quintela PETROBRAS/CENPES Victor Solymossy PETROBRAS/CENPES Projeto de Pesquisa Petrobras 1996-2000 Hidrojateamento Qualidade,

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A.

CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. CONTRIBUIÇÃO DAS ÁGUAS NATURAIS PARA FALHA EM PERMUTADORES DE CALOR. Joelma Gonçalves Damasceno Mota Hermano Cezar Medaber Jambo PETROBRAS S.A. 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de Materiais 22 CONBRASCORR

Leia mais

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos

1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos 1º Seminário Sobre Gestão Ambiental Portuária Gerenciamento, Destinação e Tratamento de Resíduos Oleosos Transpetro Jorge Lopes Coordenador Corporativo de Processos Ambientais 1 A TRANSPETRO Subsidiária

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 159

Norma Técnica SABESP NTS 159 Norma Técnica SABESP NTS 159 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido pintados e em contato direto com esgoto Especificação São Paulo Rev. 1 - Outubro - 2001 NTS

Leia mais

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos

Teste Hidrostático. Projeto de Dutos Teste hidrostático Definição (NBR 12712) Teste (ensaio) de pressão com água, que demonstra que um tubo ou um sistema de tubulação possui resistência mecânica compatível com suas especificações ou suas

Leia mais

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS

GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET. Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS GERENCIAMENTO DA TAXA DE CORROSÃO POR CUPONS POR PERDA DE MASSA CUPONNET Elcione Simor PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS André Pereira Novais INFOTEC CONSULTORIA & PLANEJAMENTO 6 COTEQ Conferência sobre

Leia mais

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA

ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA Celesc Di Celesc Distribuição S.A. ANEXO IV ESPECIFICAÇÃO DE PINTURA PARA TRANSFORMADORES DE POTÊNCIA ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PARA PINTURA SISTEMAS DE PROTEÇÃO ANTICORROSIVA PARA APLICAÇÃO EM : TRANSFORMADORES

Leia mais

PROPOSTA DE UM PLANO DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE CORROSÃO PARA DUTOS DE TRANSPORTE

PROPOSTA DE UM PLANO DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE CORROSÃO PARA DUTOS DE TRANSPORTE PROPOSTA DE UM PLANO DE MONITORAMENTO E CONTROLE DE CORROSÃO PARA DUTOS DE TRANSPORTE Ana Cecília Vieira da Nóbrega (1) anacecilia@eol.com.br Djalma Ribeiro da Silva (1) djalma@ccet.ufrn.br Andréa Francisca

Leia mais

Norma Técnica SABESP NTS 144

Norma Técnica SABESP NTS 144 Norma Técnica SABESP NTS 144 Esquema de pintura para equipamentos e materiais em aço-carbono ou ferro fundido novos e sujeitos à umidade freqüente Especificação São Paulo Maio - 2001 NTS 144 : 2001 Norma

Leia mais

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER

MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER MANUAL PASSO A PASSO DE APLICAÇÃO: GS-SUPER 1. INTRODUÇÃO Este Manual de Aplicação do GS-Super demonstra passo a passo o procedimento correto para aplicação do material bem como os cuidados necessários

Leia mais

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL

PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 6 PROCEDIMENTO DE APLICAÇÃO MANUAL Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 6 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES... 03 3. APLICAÇÃO DO REVEST. POLIKOTE-100...

Leia mais

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso

MECANISMOS DA CORROSÃO. Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO Professor Ruy Alexandre Generoso MECANISMOS DA CORROSÃO De acordo com o meio corrosivo e o material, podem ser apresentados diferentes mecanismos. Os principais são: MECANISMO QUÍMICO

Leia mais

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR

TRATAMENTO DA ÁGUA PARA GERADORES DE VAPOR Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira MÁQUINAS TÉRMICAS AT-101 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br 1 INTRODUÇÃO: A água nunca está em estado puro, livre de

Leia mais

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados

Tubos cladeados. Tubos resistentes à corrosão. Tubos cladeados 1 Tubos cladeados Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para a instalação Tubulações pré-fabricadas e componentes soldados Vasos, tanques e torres Construção

Leia mais

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS

2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS 2 SISTEMAS DE DETECÇÃO DE VAZAMENTOS EM DUTOS Neste capítulo vamos apresentar um breve estudo de técnicas e sistemas de detecção de vazamentos mais utilizados atualmente. Nosso objetivo é demonstrar que

Leia mais

UC SYSTEM (PATENTEADO)

UC SYSTEM (PATENTEADO) UC SYSTEM (PATENTEADO) Solução única para a rápida e eficaz limpeza interna, a seco e em segundos de tubulações industriais. Desenvolvido para utilização em tubulações de indústrias farmacêuticas, químicas,

Leia mais

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades

Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Ambiental Liron Perfil e Resumo de Atividades Nossa Empresa A Ambiental Liron é uma empresa prestadora de serviços, voltada à limpeza de dutos de ar condicionado, limpeza de coifas, limpeza de sistemas

Leia mais

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B

Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Setembro, 2010. Orientações e Procedimentos para o Manuseio e Armazenagem de Óleo Diesel B Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13

Leia mais

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste.

Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Recobrimento metálico Um problema Já sabemos que o tratamento de superfície tem, principalmente, a finalidade de proteger peças ou materiais da corrosão e de outros tipos de desgaste. Essa proteção pode

Leia mais

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS

CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS CADASTRO DE POSTOS DE SERVIÇOS REQUERENTE SEÇÃO 1: DADOS DE IDENTIFICAÇÃO RAZÃO SOCIAL PRINCIPAL ATIVIDADE LOCAL DA ATIVIDADE BAIRRO CEP NOME DO REPRESENTANTE CARGO TEL. E RAMAL SEÇÃO 2: DADOS ADMINISTRATIVOS

Leia mais

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br

Quem Somos. +55 12 21269800 comercial@4pipe.com.br www.4pipe.com.br Quem Somos A 4Pipe Engenharia Industrial Ltda. é uma empresa que nasceu da experiência adquirida em campo, formada por pessoas que possuem vivência nos serviços do segmento de engenharia de dutos e ainda

Leia mais

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS

CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS CORROSÃO E PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES ENTERRADAS E TANQUES EM PLANTAS INDUSTRIAIS Eng o Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda LPgomes@iecengenharia.com.br 21 2159

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para a Indústria de Cimento Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes agressivos. São produtos com maior retenção de cor e brilho,

Leia mais

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS

OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS OS DEZ MANDAMENTOS PARA O PROJETO, A CONSTRUÇÃO E A OPERAÇÃO DE DUTOS SEGUROS Luiz Paulo Gomes Diretor da IEC-Instalações e Engenharia de Corrosão Ltda. LPgomes@iecengenharia.com.br www.iecengenharia.com.br

Leia mais

PIGS INSTRUMENTADOS PIGS INSTRUMENTADOS HISTÓRIA PRINCIPAIS FERRAMENTAS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS?

PIGS INSTRUMENTADOS PIGS INSTRUMENTADOS HISTÓRIA PRINCIPAIS FERRAMENTAS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS? PIGS INSTRUMENTADOS O QUE SÃO PIGS INSTRUMENTADOS? SÃO PIGS QUE REALIZAM MEDIDAS AO LONGO DO PERCURSO DO DUTO, REGISTRANDO AS INFORMAÇÕES. ESTAS INFORMAÇÕES NORMALMENTE SÃO UTILIZADAS PARA AVALIAR A INTEGRIDADE

Leia mais

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas.

Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. Elastron, membrana anticorrosiva e impermeabilizante. Fácil, a frio e sem juntas. SOMA DE VALORES A JR Tecnologia em Superfícies (nome fantasia) iniciou suas atividades em 1991 com o nome JR Gonçalves

Leia mais

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H.

Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Manual de Instruções Depósito Horizontal D.H. Atenção: é recomendável que este manual seja lido por todos que participarão direta ou indiretamente da utilização deste produto. CONHEÇA O NOSSO PRODUTO ASSUNTOS

Leia mais

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS

MANUSEIO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS MANUSEIO E ARMAZENAMENTO DE ÓLEO DIESEL B ORIENTAÇÕES E PROCEDIMENTOS Com a criação do Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel, em 2004, e a aprovação da Lei 11.097, de 13 de janeiro de 2005,

Leia mais

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos

hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Projeto Termo-hidr hidráulico de Trocadores de Calor Tipo Casco e Tubos Opções e decisões de projeto Trocadores do tipo casco e tubos sem mudança de fase Condições de projeto Dimensionamento da unidade

Leia mais

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia

Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa em Engenharia Pós-Graduação Stricto Sensu Pós-Graduação Lato Sensu Extensão Graduação Diagnósticos Tecnológicos Soluções de Problemas Empresariais

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE PINTURA

PROCEDIMENTOS DE PINTURA 1 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 2 PROCEDIMENTOS DE PINTURA 01.00 SISTEMA DE PINTURA PARA ACABAMENTO FINAL EM LATEX PVA 01.01 - PREPARAÇÃO DA SUPERFÍCIE 1. GESSO (PLACA/PASTA) - Aplicar fundo preparador de parede

Leia mais

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO

OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO OXY-PRIMER CONVERSOR DE FERRUGEM E PRIMER BOLETIM TÉCNICO O produto OXY-PRIMER é um tipo de tinta de cobertura cimentosa que não é composto de resinas normais, mas que adere como cimento. O cimento adere

Leia mais

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES

CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES CONHEÇA O AÇO INOX E SUAS PARTICULARIDADES Os produtos SODRAMAR em Aço Inox são fabricados utilizando matéria prima com alto padrão de qualidade, e como tal merecem cuidados. Preocupados em manter a beleza

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PINTURA Página 1 de 7 ÍNDICE DE REVISÕES REV. DESCRIÇÃO E/OU FOLHAS ATINGIDAS E PARA LICITAÇÃO ORIGINAL REV. A REV. B REV. C REV. D REV. E REV. F REV. G REV. H DATA 01.09.1999 10.07.2000 21.07.2004 09.03.09 05.05.09

Leia mais

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

APRESENTAÇÃO 2014 VISÃO CORPORATIVA PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS VISÃO CORPORATIVA APRESENTAÇÃO 2014 PETROENGE PETRÓLEO ENGENHARIA LTDA. - TODOS OS DIREITOS RESERVADOS EMPRESA Presente no mercado desde 1999, a PETROENGE é uma empresa de engenharia focada na maximização

Leia mais

Flexível. Tubulação Compósita

Flexível. Tubulação Compósita Flexível Tubulação Compósita Recursos do Produto e para o Serviço FLEXIBLE Comprovado Tubulação Compósita Compensa ser Flexível A Flexpipe Systems fabrica e distribui uma solução de tubulações compósitas,

Leia mais

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL

A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL COTEQ A REALIDADE PRÁTICA DO ENSAIO POR ONDAS GUIADAS NO BRASIL Hermann Schubert 1, Edvaldo H. K. Ide 2, Higor Gerbovic 3, Reginaldo Luz 4, Ronaldo K. Shiomi 5 Copyright 2011, ABENDI. Trabalho apresentado

Leia mais

INTERNAL PIPE PROTECTION INTERNAL PIPE PROTECTION

INTERNAL PIPE PROTECTION INTERNAL PIPE PROTECTION TM INTERNAL PIPE PROTECTION INTERNAL PIPE PROTECTION Fiberware/Duoline Technologies Sua solução de baixo custo para resolver os problemas altamente caros causados pela corrosão. O Sistema Duoline da Fiberware

Leia mais

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01

Arfox MANUAL DO USUÁRIO. Calibrador Eletrônico de Pneus. Manual ArFox Rev.01 Manual ArFox Rev.01 MANUAL DO USUÁRIO RUA DO POMAR, 95/97 - VILA DAS MERCÊS 04162-080 SÃO PAULO - SP FONE/FAX: (011) 2165-1221 Site: www.control-liq.com.br - e-mail: atendimento@control-liq.com.br Calibrador Eletrônico de

Leia mais

RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO

RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO FUNDAMENTOS DE MATERIAIS METALICOS II RECOBRIMENTOS PARA PROTEÇÃO CONTRA CORROSÃO ALUNOS: DANIEL F S PEREIRA ZAINE ALINE ALVES PROF. BRUNO B. MEDEIROS CONTEÚDO 1. INTRODUÇÃO 2. ASPECTOS METALURGICOS E

Leia mais

8ª Feira da Metalmecânica, Energia e Automação MEC SHOW 2015. Operações da Petrobras no ES: Oportunidades para o Mercado Local

8ª Feira da Metalmecânica, Energia e Automação MEC SHOW 2015. Operações da Petrobras no ES: Oportunidades para o Mercado Local 8ª Feira da Metalmecânica, Energia e Automação MEC SHOW 2015 Operações da Petrobras no ES: Oportunidades para o Mercado Local José Luiz Marcusso Vitória, 28 de Julho de 2015 PRINCIPAIS PROJETOS DE PRODUÇÃO

Leia mais

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO

CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO CAPÍTULO 4 ESCOAMENTO DA PRODUÇÃO ESCOAMENTO O escoamento das plataformas é feito através de dutos que podem ser denominados dutos rígidos ou dutos flexíveis, de acordo com o material de que são constituidos.

Leia mais

Impermeável Protector Resistente impermeabilizações objectivo - problema - solução objectivo 1 Prevenir a infiltração de água para os pavimentos e paredes das cozinhas, casas de banho, balneários e outros

Leia mais

de dutos em base terrestre e em alto mar (offshore), operações de perfuração e produção.

de dutos em base terrestre e em alto mar (offshore), operações de perfuração e produção. A solução para uma manutenção segura e confiável, serviços de restauração e construção de dutos em base terrestre e em alto mar (offshore), operações de perfuração e produção. SERVIÇOS Testes em BOP

Leia mais

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO AN Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT, foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Celulose & Papel Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Celulose & Papel Soluções para Celulose e Papel A WEG Tintas fornece tecnologia em tintas para diversos tipos de ambientes

Leia mais

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras

4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras 51 4. Acidentes Recentes em Dutos da Petrobras Neste capítulo serão apresentados os acidentes que ocorreram recentemente nos dutos da Petrobras e abalaram a imagem da empresa, o cenário nacional no momento

Leia mais

Para uma limpeza Segura e Eficiente VALVULAS ARGUS PARA LIMPEZA DE DUTOS

Para uma limpeza Segura e Eficiente VALVULAS ARGUS PARA LIMPEZA DE DUTOS Para uma limpeza Segura e Eficiente S ARGUS PARA LIMPEZA DE DUTOS ESPECIFICAÇÕES Spec. 6D 0225 Edmonton, AB, Canada Nós estamos comprometidos com a segurança e qualidade dos nossos productos. As válvulas

Leia mais

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia

Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia MEMORIAL DESCRITIVO Anexo I-A: Serviços de reforma no alojamento de menores da P. J. de Samambaia Sumário 1.Considerações gerais...1 2.Serviços

Leia mais

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor

Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor Recomendações para aumento da confiabilidade de junta de expansão de fole com purga de vapor 1. Junta de expansão de fole com purga de vapor d água Em juntas de expansão com purga da camisa interna, para

Leia mais

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO

PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO PLASTEEL CERÂMICO PINTÁVEL BRANCO é um revestimento cerâmico bicomponente, na cor branca, ideal para promover proteção pintável às superfícies contra corrosão, abrasão

Leia mais

SISTEMAS DE PISO EPOXI

SISTEMAS DE PISO EPOXI SISTEMAS DE PISO EPOXI PRODUTO DESCRIÇÃO VEC-601 TUBOFLOOR TEE-556 AUTONIVELANTE Selador epóxi de dois componentes de baixa viscosidade. Revestimento epóxi com adição de sílica para regularização de pisos.

Leia mais

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada

Tubos OmegaBond Tecnologia Avançada Aumento de produtividade em plantas de uréia através aumento de capacidade e melhoria de confiabilidade quanto a resistência a corrosão COMO A NOVA TECNOLOGIA AJUDA OS FABRICANTES A AUMENTAR A LUCRATIVIDADE

Leia mais

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS

PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS PINTURA DE PISOS INDUSTRIAIS MANUAL DE BOAS PRÁTICAS E DICAS PARA UMA PINTURA EFICIENTE DE PISO Sempre que desejamos fazer uma pintura de piso, Industrial ou não, devemos ter em mente quais são os objetivos

Leia mais

Jáder Bezerra Xavier (1) Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem (3)

Jáder Bezerra Xavier (1) Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem (3) DISPOSITIVO QUE PERMITE SOLDAGEM EM TUBULAÇÕES INDUSTRIAIS CONTAMINADAS COM FLUIDOS INFLAMÁVEIS, SEM O PROCESSO DE INERTIZAÇÃO CONVENCIONAL INERT INFLA Pedro Paulo Leite Alvarez (2) Alex Murteira Célem

Leia mais

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA

PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA XVI COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS. IBAPE/AM PERÍCIA DE ENGENHARIA ENVOLVENDO SOLUÇÃO COM APLICAÇÃO DE POLIURÉIA Resumo Trata-se da solução de um problema de infiltração

Leia mais

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES)

FAQ FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) FREQUENT ASKED QUESTION (PERGUNTAS FREQUENTES) PRINCIPAIS DÚVIDAS SOBRE O SISTEMA DE DETECÇÃO DE VAZAMENTO EM DUTOS. SUMÁRIO Introdução...4 1. Qual é a distância entre os sensores?...5 2. O RLDS/I-RLDS

Leia mais

Proteção de Alta Performance para Ambientes Agressivos

Proteção de Alta Performance para Ambientes Agressivos Proteção de Alta Performance para Ambientes Agressivos André Fernandes Gerente Técnico Comercial Setembro/2013 Companhia líder em ciência e tecnologia, com vendas anuais de US$ 55 bilhões Fundada em 1897

Leia mais

Conferência biodieselbr 2010

Conferência biodieselbr 2010 Conferência biodieselbr 2010 Construindo o caminho para o B10 Rubens Cerqueira FREITAS, M.Sc. Superintendente Adjunto de Abastecimento Superintendência de Abastecimento - SAB Sistema Nacional de Abastecimento

Leia mais

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS

EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS EFICIÊNCIA DE LEITOS CONVENCIONAIS DE ÂNODOS VERSUS LEITOS EM POÇO VERTICAL PROFUNDO PARA PROTEÇÃO CATÓDICA DE TUBULAÇÕES EM PLANTAS PETROQUÍMICAS UMA EXPERIÊNCIA PRÁTICA Luciano Pereira da Silva Francisco

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO

A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO A INFLUÊNCIA DO ELETROPOLIMENTO NA LIMPEZA E DESINFECÇÃO DE EQUIPAMENTOS DAS INDÚSTRIAS DE PROCESSO GRUPO HUMMA Eng Fawler Morellato Av. Fagundes Filho, 191 - Cj. 103D Depto. Engenharia e Desenvolvimento

Leia mais

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA

A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA A FORMAÇÃO DA CAMADA PROTETORA DE MAGNETITA EM CALDEIRA Antonio Sergio Barbosa Neves CONSUCAL -CONSULTORIA QUÍMICA PARA CALDEIRAS S/C LTDA asbneves@cwaynet.com.br 6 COTEQ Conferência sobre Tecnologia de

Leia mais

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas

Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional. Bicos Automação Análise Técnica. Sistemas Aperfeiçoando o desempenho da pulverização com Dinâmica de fluidos computacional Bicos Automação Análise Técnica Sistemas Dinâmica de fluidos computacional (DFC) DCF é uma ciência da previsão: Vazão do

Leia mais

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores.

Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção e lesões aos trabalhadores. 3M Proteção Passiva Contra Fogo Aplicações para Oil & Gas Permitir a Continuidade Operacional e Ajudar a Proteger Vidas Os efeitos de um incêndio em uma unidade petroquímica podem gerar perdas de produção

Leia mais

5. Programas Estratégicos para a Integridade de Dutos

5. Programas Estratégicos para a Integridade de Dutos 56 5. Programas Estratégicos para a Integridade de Dutos O acidente da Baía de Guanabara foi o motivador do Programa de Excelência em Gestão Ambiental e Segurança Operacional - PEGASO, com aproximadamente

Leia mais

ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630

ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630 ADEPOXI 2630 PRIMER TINTA EPOXI FOSFATO DE ZINCO ALTA ESPESSURA N - 2630 DESCRIÇÃO DO PRODUTO Revestimento epóxi poliamida de alta espessura e baixo teor de voláteis orgânicos, bi-componente, pigmentado

Leia mais

Carlos Henrique Francisco de Oliveira PETROBRAS S.A. Claudio Soligo Camerini PETROBRAS S.A.

Carlos Henrique Francisco de Oliveira PETROBRAS S.A. Claudio Soligo Camerini PETROBRAS S.A. PIG INSTRUMENTADO da PETROBRÁS RESULTADOS e PERSPECTIVAS Carlos Henrique Francisco de Oliveira PETROBRAS S.A. Claudio Soligo Camerini PETROBRAS S.A. Trabalho apresentado no XXI Congresso Nacional de Ensaios

Leia mais

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L)

EMBALAGENS: Componente A Lackpoxi N 2629 Balde (15 L) Componente B Lackpoxi N 2629 componente B 10003395 (5 L) LACKPOXI N 2629 DESCRIÇÃO DO PRODUTO: Epóxi poliamina bicomponente sem solvente. Tinta de acabamento de alta resistencia química a solventes e derivados de petróleo. Atende Norma Petrobras N 2629. Possui

Leia mais

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1

PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 PLATAFORMAS MARÍTIMAS Desenvolvimento das estruturas offshore Plataformas Fixas Parte 1 INTRODUÇÃO Com o declínio das reservas onshore e offshore em águas rasas, a exploração e produção em águas profundas

Leia mais

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira

Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Previsão de Vida Útil da Terceira Ponte de Vitória (ES) O estudo de determinação da vida útil das estruturas de concreto da Terceira Ponte de Vitória (ES) é um trabalho pioneiro no Brasil, principalmente

Leia mais

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias:

nome de Química do C1. De uma maneira geral é possível dividir estes produtos em três categorias: ,1752'8d 2 O gás natural é composto, principalmente, de metano (até 98%) e por alguns hidrocarbonetos de maior peso molecular (de C 2 a C 6 ) além dos diluentes N 2 e CO 2. Com o uso crescente de petróleo

Leia mais

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO

APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 1 de 11 APLICAÇÃO POLIKOTE 100 REVESTIMENTO EM SUBSTRATO DE CONCRETO Sistema da Qualidade Páginas: 2 de 11 SUMÁRIO Página 1. OBJETIVO... 03 2. PREPARAÇÃO DAS SUPERFÍCIES...

Leia mais

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS

COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS COBRE: TUBOS E OBRAS ARTESANAIS EMPRESA PARANAPANEMA JULHO - 2013 COBRE INTRODUÇÃO - Fundamental no desenvolvimento das primeiras civilizações, o cobre mantém-se como o melhor e mais indicado material

Leia mais

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA

PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA PLASTEEL MASSA 4:1 PLASTEEL MASSA 4:1 é um composto epóxi bi-componente com carga metálica, característica de massa na cor preta, pode ser aplicado com espátula, cura a frio, substituindo de maneira muito

Leia mais

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO -

CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - CAIXAS SEPARADORAS NUPI BRASIL - MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO - INTRODUÇÃO Conforme a Resolução CONAMA 273 de 2000, postos de revenda e de consumo de combustíveis devem ser dotados de sistema de drenagem

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA

ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA ESPECIFICAÇÃO DE DISTRIBUIÇÃO Título PINTURA EM FERRAGENS E EQUIPAMENTOS DESTINADOS À ORLA MARÍTIMA Código ETD-00.014 Data da emissão 27.11.1986 Data da última revisão 30.06.2006 Folha 1 SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO

POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO POLIMERO ADICIONADO À LAMA QUE DIMINUI O TEMPO DE PERFURAÇÃO Guillermo Ruperto Martín-Cortés 1,2 ; Fabio José Esper 1,3 ; Jofer Miziara Nogueira 1 ; Francisco Rolando Valenzuela-Díaz 1. 1 PMT-EPUSP - Departamento

Leia mais

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos

Manual de Instruções. Poços de Proteção. Exemplos Manual de Instruções oços de roteção Exemplos Manual de Instruções de oços de roteção ágina 3-11 2 Índice Índice 1. Instruções de segurança 4 2. Descrição 4 3. Condições de instalação e instalação 5 4.

Leia mais

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil

Aplicação do Software Proficy ifix como padrão de software supervisório nos 48 Terminais da TRANSPETRO existentes em todas as regiões do Brasil Testes Definidos por Software Saber Eletrônica 436 Software para testes de próteses de válvulas cardíacas Saber Eletrônica 433 Softwares de Supervisão www.mecatronicaatual.com. br/secoes/leitura/786 AutoCad

Leia mais

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza

Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Grupo 09 Centrais de testes e limpeza Fornecedor: Tipo Descrição Página CPR Central de teste para circuitos de refrigeração 01 Descrição 01-01 CPC Central de teste para circuitos de refrigeração 02 Descrição

Leia mais

Refinaria Duque de Caxias - REDUC

Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinaria Duque de Caxias - REDUC Refinarias no Brasil 239.000 *Considerando Processamento de GN e LGN, a carga passa a ser 267.300 bbl/dia. Refinaria Duque de Caxias - REDUC Localização : Duque de Caxias

Leia mais

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO

CONVITE SESC/MA 13/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO CONVITE SESC/MA 1/0001-CV ANEXO I ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS E PLANILHA DE SERVIÇO ORIENTATIVA ESPECIFICAÇÕES / DETALHAMENTO TÉCNICO 1. ESCOPO DOS SERVIÇOS 1.1 BOMBEAMENTO ESCALONADO INICIAL Deve ser feito

Leia mais

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA

Gerador de nitrogênio. Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Gerador de nitrogênio Sistemas de geração de gases, membranas e PSA Aplicações de nitrogênio Comidas e bebidas O nitrogênio é um gás ideal para armazenar (fumigação) e transportar alimentos e bebidas.

Leia mais

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa

II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO. 1. Justificativa II.7.6. PROJETO DE DESATIVAÇÃO 1. Justificativa A desativação de um campo de produção de petróleo contempla uma série de procedimentos que devem ser adotados, com vista à proteção e à manutenção da qualidade

Leia mais

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê

LUPATECH S.A Unidade Metalúrgica Ipê CAVITAÇÃO 1. Descrição: Para melhor entendimeto iremos descrever o fenomeno Cavitação Cavitação é o nome que se dá ao fenômeno de vaporização de um líquido pela redução da pressão, durante seu movimento.

Leia mais

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO

MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO Normas Aplicáveis MÓDULO 4 4.5 - PROCEDIMENTOS DE REPARO - NBR 15.979 Sistemas para Distribuição de Água e Esgoto sob pressão Tubos de polietileno PE 80 e PE 100 Procedimentos de Reparo - NBR 14.461 Sistemas

Leia mais

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido

Power Pipe Line. Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line Redes de Ar Comprimido Power Pipe Line - PPL - é um novo sistema de tubulação de encaixe rápido projetado para todo tipo de planta de ar comprimido, bem como para outros fluidos, gases

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT

DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT DESENVOLVIMENTO DE UMA FERRAMENTA COMPUTACIONAL PARA DIMENSIONAMENTO E PROJETO DE SISTEMAS OPERANDO POR GAS LIFT Rafael Soares da Silva 1 ; Hícaro Hita Souza Rocha 2 ; Gabriel Bessa de Freitas Fuezi Oliva

Leia mais

Soluções em Elastômeros de Alto Desempenho

Soluções em Elastômeros de Alto Desempenho Soluções em Elastômeros de Alto Desempenho Aumento da vida útil e redução de custos para a indústria de mineração Dow.com Elastomeros de Alta Performance - Um polímero viscoelástico (elástico) - Baixo

Leia mais

Melhorias da Infraestrutura

Melhorias da Infraestrutura Melhorias da Infraestrutura Refino Papel e Celulose Energia Fóssil Processos Químicos Processos Industriais Conversão De Resíduos Em Energia www.azz.com/wsi Fornecedora de soluções e serviços completos

Leia mais

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva

ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva ENDURIT PISO ARG Manual de Orientação para Manutenção Preventiva e Corretiva Prefácio O sistema de revestimento da linha ENDURIT foi desenvolvido com a mais nobre linha de resinas uretanas, levando assim

Leia mais

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO

PROTEÇÃO CATÓDICA PROGRAMAÇÃO PROTEÇÃO CATÓDICA EFETIVO COMBATE À CORROSÃO ELETROQUÍMICA PARTE 2: PROTEÇÃO CATÓDICA DE DUTOS TERRESTRES Este material contém informações classificadas como NP1 PROGRAMAÇÃO 1.Introdução: Projeto de dutos;

Leia mais

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS

MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS 1/5 MÉTODOS DE CONSERVAÇÃO DE ENERGIA EM CALDEIRAS Uma parcela considerálvel do custo de operação de caldeiras envolve o gasto com combustível. Independente do tipo utilizado (óleo combustível, gás natural,

Leia mais

Tubulações pré-fabricadas

Tubulações pré-fabricadas SPECIAL PIPES AND COMPONENTS READY FOR INSTALLATION 1 Tubulações pré-fabricadas Tubos resistentes à corrosão Tubos cladeados Tubos especiais e componentes prontos para instalação Tubulações e spools pré-fabricados

Leia mais

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO

14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO 14 ASPECTOS BÁSICOS PARA SELEÇÃO E ESPECIFICAÇÃO DE EQUIPAMENTOS DE PROCESSO Há certos parâmetros que são desejados em todos os tipos de equipamentos de processo, como: FUNCIONALIDADE EFICÁCIA CONFIABILIDADE

Leia mais