Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora. Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor. Prof. Carlos Antônio Alves Queirós Diretor DCET

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora. Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor. Prof. Carlos Antônio Alves Queirós Diretor DCET"

Transcrição

1 Universidade do estado da Bahia - UNEB Pró-Reitoria de Pesquisa e Ensino de Pós-Graduação Departamento de Ciências Exatas e da Terra - DCET Curso de Especialização em Design de Produto Pós-Graduação Lato Sensu Profª Ivete Alves do Sacramento Reitora Monsenhor Antonio Raimundo dos Anjos Vice-Reitor Prof. Manoelito Damasceno Pró-Reitor PPG Prof. Carlos Antônio Alves Queirós Diretor DCET Profª Suzi Mariño Pequini Coordenadora 1

2 Coordenadora: Suzi Mariño Pequini Ass. Administrativa: Taís Campos Pedrosa Ass. de Imprenssa: Candida Lemos Designers Gráfico: Amauri Passos Carina Silveira Marcus Vinícius Web Designer: Rodrigo Aranha Monitores: Cristian Machado Dinah Gonçalves Lorena Peixoto 2

3 MOVIMENTAÇÃO MANUAL DE MATERIAIS GRUPO Adeilson Sena Pereira Ângela Xavier de Souza Nolasco Carla Ceci Bello Wanderley Ediela Quinteiro Ribeiro Gustavo Barbosa Cruz Leonidio Vaz Filho Tenaflae da Silva Lordêlo Salvador /

4 Corpo Docente Anamaria de Moraes Antônio Ferreira Neto Carla Niemeyer Fábio Righetto Lucy Niemeyer Márcia Auriani Maurício Robbe de Almeida Milton Francisco Júnior Nilda de Oliveira Sydney Freitas Suzi Mariño Pequini Equipe Técnica Candida Lemos Franca Carina Santos Silveira Cristian Benedito Machado Dinah Pereira Gonçalves Lorena Torres Peixoto Marcus Vinícius Souza Santos Rodrigo Aranha Taís Moraes Campos Pedrosa 4

5 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO CARACTERIZAÇÃO E POSIÇÃO SERIAL DO SISTEMA ORDENAÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA EXPANSÃO DO SISTEMA MODELAGEM COMUNICACIONAL DO SISTEMA FLUXOGRAMA FUNCIONAL AÇÃO-DECISÃO TABELA DE FUNÇÃO INFORMAÇÃO AÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO DO SISTEMA HOMEM-TAREFA-MÁQUINA Observação Observação Observação LEVANTAMENTO DE DADOS ERGONÔMICOS LEVANTAMENTO DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS ANÁLISE DOS DADOS Tabela de Valores GxUxT LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE SIMILARES Carrinhos para condomínio Carrinho de compras com sistema três rodas Carrinho para lixo Carrinho para compras de pequeno porte Carrinho para compras em supermercados Carrinhos para ambientes comerciais Carrinhos para armazém Carrinho pneumático para feirante Carrinho para distribuidoras de bebidas Carrinho para escadas Carrinhos para uso geral Versátil carrinho para serviços gerais LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE MATERIAIS E PROCESSOS DE 38 FABRICAÇÃO Aços-carbono Alumínio e suas ligas (Al) Plástico DADOS DE MERCADO BRAINSTORMING SÍNTESE LISTA DE REQUISITOS PROJETUAIS Usabilidade Comunicacionais Arquiteturais Mercadológicos Materiais Tecnologia GERAÇÃO E SELEÇÃO DE ALTERNATIVAS

6 5.1 MATRIZ DECISÓRIA JUSTIFICATIVA DESENVOLVIMENTO PLANILHA DE PLANEJAMENTO PARA CONSTRUÇÃO E TESTES COM 47 MODELOS TESTES COM MODELO RÚSTICO NOVA SOLUÇÃO REFERÊNCIAS APÊNDICE

7 1 INTRODUÇÃO O homem sempre carregou consigo suas posses. Ao longo da experiência humana na terra, os processos, inerentes a essa peculiar experiência, contribuíram para o desenvolvimento das habilidades e não obstante trouxe uma complexa formação de bens, o que alguns poderiam chamar de progresso ou avanço tecnológico. Sem a pretensão de esgotar as discussões intrínsecas que estas reflexões podem desdobrar, este trabalho concentra-se no esforço físico e nas soluções apresentadas pelo homem frente aos obstáculos para movimentar suas posses, ou com um ar mais mercantilista, suas mercadorias. Este trabalho permeia a identificação dos prejuízos causados pela movimentação manual de mercadorias em escadas. Prejuízos estes que causam lesões, desconforto, dores e acidentes ao indivíduo. Desta forma, este trabalho se predispõe a buscar e apresentar uma solução para facilitar esta atividade e a minimização de seus impactos. Com observações e testes, somados com os conhecimentos acadêmicos, foi possível acompanhar e vislumbrar de forma mais adequada à execução da tarefa manual de movimentação de mercadoria, no perímetro da portaria ou garagem até o apartamento, em edifícios que não dispõem de elevadores para auxiliar na tarefa. O limite de volume para a construção da problematização, no perímetro estabelecido, foi de 30 kg por indivíduo a cada transporte. A partir disso, foram observados problemas: movimentacionais, interfaciais, acionais. Com os resultados das observações e testes, avançou-se para a construção de uma solução para a minimização dos problemas observados, a saber: movimentação manual de matérias em escadas de forma prejudicial aos indivíduos, causando desconforto, dores, cansaço e acidentes. Portanto, objetivou-se adequar os equipamentos de transportes de 7

8 compras/mercadorias para utilização em edifícios sem elevador, auxiliando no deslocamento no nível da portaria ou garagem até o apartamento, com o objetivo de reduzir os danos e o esforço físico às pessoas na realização da movimentação manual daqueles materiais. Esta adequação está sendo desenvolvida com o intuito de satisfazer as necessidades de transporte de mercadorias por indivíduos ou famílias, sendo o volume a ser transportado limitado a 30 kg por vez e por pessoa. Desta forma, o sistema deve atender às questões arquitetônicas de edifícios que não disponham de elevadores, locais estes onde a movimentação de mercadorias se realiza através de escadas. A adequação e solução desta questão devem estar dentro de critérios ergonômicos e de segurança, entre outros. Justifica-se a realização deste estudo devido ser, no Brasil, muito comum o uso de energia física para realização de tarefas diárias. Talvez isso esteja relacionado ao seu desenvolvimento, em que a realização de tarefas exige o emprego de baixas tecnologias e de custos reduzidos. Isso contribui para o uso da força humana, consolidando um grande contingente de trabalhadores cuja única habilidade é para o trabalho físico (COUTO, 1995, p. 29). A força humana é considerada como inadequada para realização de trabalhos de esforços físicos (COUTO, 1995) e este esforço pode causar lesões irreversíveis. Um indivíduo de 70 kg pode levantar com segurança apenas uma carga de 23 kg, o que equivale a aproximadamente 1/3 de seu próprio peso. Sendo assim, um primeiro dilema se apresenta: como fazer uso desta energia, que é farta no Brasil, de modo eficiente, transportando 30 kg com o esforço físico igual à movimentação de 23 kg? Uma primeira solução é conhecer de forma apropriada a máquina humana no sentido de ajustar a exigência de dispêndio energético da tarefa a esta capacidade (COUTO, 1995). Analisando de forma mais apropriada o funcionamento da máquina humana 1 e suas 1 O termo máquina humana é fruto de um artifício analítico introduzido por Galileu Galilei. Galileu propôs que todo fenômeno na natureza deveria ser quantificado através de medições, as quais seriam transformadas em formulações matemáticas para serem melhor compreendidas as leis que regulam a produção e as causas destes fenômenos. A fisiologia humana, obedecendo a este mesmo critério, começou a ser avaliada pela balança, o 8

9 possibilidades e limitações, não ficará distante uma reflexão acerca da viabilidade ergonômica do emprego da mesma na realização de atividades, envolvendo movimentação de materiais. Embora esta reflexão seja procedente, não se pode negar a constância do emprego desta energia em nosso país. O emprego desta energia vem se dando de forma descuidada e em muitos casos de forma prejudicial. Alguns especialistas como o Fisioterapeuta Clínico Gustavo Matos Queiroz, apontam que a prática inadequada da movimentação de materiais, como é o caso de transportar compras domésticas por escadas, pode provocar desgaste articular, artrose, desvio postural reversível ou irreversível. No caso dos dedos as alterações anatômicas são reversíveis devido ao intervalo de descanso dessas. Observando a aplicação da energia humana no ambiente doméstico e considerando a opinião de médicos no que diz respeito à movimentação manual de mercadorias, faz-se necessário gerar alternativas para tornar eficiente a aplicação desta energia no transporte de cargas e evitar a realização inadequada desta tarefa. Olhando cuidadosamente o momento em que os consumidores transportam as mercadorias do ponto de venda até suas residências, verificou-se um obstáculo que se apresenta a realização desta tarefa, é a escada, em particular nos edifícios em que este é o único meio de acesso até os apartamentos. A freqüência desta atividade, aliada ao peso, pode causar problemas de lesões e de distensões, conforme citado pelo Fisioterapeuta Gustavo Queiroz, o que pode ser agravado se o indivíduo que realiza esta atividade for idoso, porque pessoas idosas costumam ter as articulações mais desgastadas e com isso maiores problemas articulares e posturais ao subir escadas. Estes problemas podem piorar se o idoso for hipertenso, tiver alguma patologia inerente à idade, artrose e outros (Queiroz, 2004). Sendo assim, é pertinente o desenvolvimento de recursos técnico para a realização de forma mais produtiva e menos danosa a máquina humana, ou seja, aos indivíduos. microscópio e o termômetro que passaram a fazer parte da instrumentação médica. Assim como um relógio de cordas, o corpo humano viria a ser analisado em cada uma de suas partes para se identificar os mecanismos 9

10 2 PROBLEMATIZAÇÃO SISTEMATIZAÇÃO 2.1 CARACTERIZAÇÃO E POSIÇÃO SERIAL DO SISTEMA A caracterização do sistema demonstra a meta do sistema, como também os requisitos, restrições, entradas e saídas que ilustram o funcionamento do sistema. Figura 1: Caracterização e posição serial do sistema. íntimos que faziam esta máquina funcionar. 10

11 2.2 ORDENAÇÃO HIERÁRQUICA DO SISTEMA Posiciona o sistema-alvo de acordo com os níveis hierárquicos. Figura 2: Ordenação hierárquica do sistema. 2.3 EXPANSÃO DO SISTEMA Apresenta a ordem hierárquica e uma posição em série. Figura 3: Expansão do sistema. 11

12 2.4 MODELAGEM COMUNICACIONAL DO SISTEMA Apresenta a transmissão de informação dos diversos subsistemas humanos. Figura 4: Modelagem comunicacional do sistema. 2.5 FLUXOGRAMA FUNCIONAL AÇÃO-DECISÃO Demonstra de forma seqüencial as ações e decisões implicadas na tarefa. 12

13 13

14 2.6 TABELA DE FUNÇÃO INFORMAÇÃO AÇÃO Função 1.0 Chega em casa andando Informações Requeridas 1. Número do prédio. 2. Localização do portão/porta de entrada. Informação Fontes de Dificuldades Informação 1. Fachada do Pode não estar prédio. de fácil visualização. Ação (ões) 1. Dirige-se ao portão ou porta. 2. Põe as compras no chão. Ação Objetos da(s) Dificuldades ação(ões) 1. Chave Abrir o portão ou porta com a carga nas mãos. 2. Portão ou porta 2.0 Chega em casa de carro. 3. Localização da chave da porta ou interfone. 1. Número do prédio. 2. Bolsa, bolso ou carteira. 1. Fachada do prédio. 3. Abre o portão com a chave ou interfone. 1. Pára o carro na entrada da garagem. 3. Bolsa, roupa ou carteira. 1. Controle remoto. Descer do carro para abrir o portão. 2.1 Entra na garagem. 2. Localização da garagem ou estacionamento. 2. Portão da garagem ou guarita. Certifica-se que Portão o portão está garagem. aberto. da 2. Abre o portão da garagem com controle remoto ou chave. 2. Buzina. 3. Chave. 1. Avança com 1.Embreagem o carro e entra do carro. na garagem. 2.2 Estaciona o carro. Vaga garagem correspondente ao apartamento. da Número garagem. da Iluminação ambiente. 2. Acelerador do carro. 3. Volante do carro. 4. Freio do carro do Dirige o carro 1. Acelerador Espaço até a vaga da do carro. vaga. garagem. da 3.0 Dirige-se a escada. Localização escada. da Porta de entrada Iluminação do prédio.. ambiente. 3.1 Sobe as Degraus. Sentido da escadas. escada. 3.2 Chega ao Identificação do Sinalização ou Falta andar. andar. número dos sinalização apartamentos. pouca iluminação. 3.3 Abre a porta Localização da Porta do Iluminação do apartamento porta do apartamento e ambiente. ou toca a apartamento ou campanhia. campanhia. campanhia. 2. Volante do carro. 3. Freio do carro. do Andar até a 1. Hall de porta principal entrada ou entrada de serviço. 2. Porta principal. Subir os 1. Degraus da degraus. escada. de Dirige-se ao 1. Número de Iluminação do ou apartamento. identificação ambiente. do apartamento. do 1. Abrir a 1. Chave da porta. porta. 14

15 Função 3.6 Guarda as compras. Informação Informações Fontes de Requeridas Informação Localização dos 1. Armário 2. armários ou Dispensa. dispensa. Dificuldades Ação Objetos da(s) Ação (ões) ação(ões) 1. Abrir a porta 1. Porta do do armário ou armário ou dispensa. despensa. Dificuldades 4.0 Abre o porta-localizaçãmalas do carro. porta-malas. 4.1 Retira os sacos/sacolas. 4.2 Carrega os sacos/sacolas. do Fundo do carro. Verificação se o Porta-malas porta-malas está carro. aberto. Localização dos sacos/sacolas. Chão garagem. do da 2. Tira o 2. Sacos ou produto do sacolas. saco ou sacola. 3. Coloca o 3. Produtos. produto no armário ou despensa. 4. Fecha a porta do armário ou despensa. Abre o portamalas 1. Porta-malas do carro do carro. com a chave ou trava interna. 2. Chave do carro ou trava interna. 1. Retira os 1. Portamalas. Acesso ao casos/sacolas porta-malas do do portamalas. carro. 2. Coloca os 2.Sacos e sacos/sacolas sacolas. no chão. 1. Abaixa e Sacos ou 1. Alças dos pega os sacolas. sacos ou sacos/sacolas. sacolas. 2. Carrega os sacos/sacolas. 2. Peso dos produtos. 4.3 Dirige-se a escada. Localização escada. da Sinalização posição escada. ou da 4.4 Sobe as Degraus. Sentido da escadas. escada. 4.5 Chega ao Identificação do Sinalização ou Falta andar. andar. número dos sinalização apartamentos. pouca iluminação. 4.6 Abre a porta Localização da Porta do Iluminação do apartamento porta do apartamento e ambiente. ou toca a apartamento ou campanhia. campanhia. campanhia. Se desloca até a escada. 1. Piso da Iluminação escada. ambiente. 2. Escada Subir os Degraus da degraus. escada. de Dirige-se ao Número de Iluminação ou apartamento. identificação ambiente. do apartamento. do 1. Abrir a 1. Chave da porta. 2. Tocar porta. 2. a campanhia. Campanhia. do do 15

16 Função Informações Requeridas 4.8 Põe as Localização compras no espaço. chão 4.9 Desce as escadas 5.0 Guarda as compras. Informação Fontes de Informação do Piso do local. 1. Localização 1. Porta da área da porta da de serviço. 2. cozinha ou área Escada. de serviço. 2. Localização da escada. Localização dos 1. Armário 2. armários ou Dispensa. dispensa. Dificuldades Se o espaço for pequeno. Ação (ões) 1. Verifica onde por os sacos/sacolas. 2. Põe os sacos/sacolas no chão. Ação Objetos da(s) ação(ões) Sacos ou sacolas. 1. Dirige a 1. Porta. 2. porta da escada. cozinha ou área de serviço. 2. Abre a porta. 3. Dirige-se a escada. 4. Desce a escada. 1. Abrir a porta 1. Porta do do armário ou armário ou dispensa. 2. dispensa. 2. Tira o produto Sacos ou do saco ou sacolas. 3. sacola. 3. Produtos. Coloca o produto no armário ou dispensa. 4. Fecha a porta do armário ou dispensa. Dificuldades 16

17 2.7 PROBLEMATIZAÇÃO DO SISTEMA HOMEM-TAREFA-MÁQUINA Fase pela qual se faz a identificação do problema de forma a identificar claramente a situação e a delimitar a área de atuação Observação 01 Foto 1. Foto 2. Problema Movimentacional A intenção de transportar o maior número de sacos demonstra um excesso de peso em apenas um braço. 17

18 Problema Acional O formato inadequado e desconfortável das alças dos sacos causa bloqueio parcial na circulação sangüínea no local e aparecimento de calos. Foto 3. Foto 3. Problema Movimentacional Transporte de sacos demonstrando o excesso de peso. Foto 4. 18

19 Problema Acional Manual Dimensões, conformação e acabamento, que prejudicam a apreensão e acarretam pressões localizadas e calos Observação 02 Foto 5. 19

20 Problema Acional Dimensões, conformação e acabamento, que prejudicam a apreensão e acarretam pressões localizadas e calos. Foto 6. Problema Interfacial Postura prejudicial resultantes de inadequações do envoltório acional, com prejuízo para os sistemas musculares e esquelético. Foto 7. 20

21 Problema Movimentacional Excesso de peso, distância do curso da carga, freqüência de movimentação dos objetos a levantar e transportar Observação 03 Foto 8. 21

22 Problema Acional Dimensões, conformação e acabamento, que prejudicam a apreensão e acarretam pressões localizadas e calos. Foto 9. Problema Acional As alças dos sacos pressionam os dedos, prejudicando a circulação sangüínea e criando calos nos dedos. Foto

23 Problema Acional As alças dos sacos pressionam os dedos, prejudicando a circulação sangüínea e criando calos nos dedos. Foto

24 Problema Movimentacional Excesso de peso, distância do curso da carga, freqüência de movimentação dos objetos a levantar e transportar. Foto 12. Problema Interfacial Posturas prejudiciais resultantes de inadequações do envoltório acional, com prejuízo para os sistemas musculares e esqueléticos. 24

25 2.8 LEVANTAMENTO DE DADOS ERGONÔMICOS Na tarefa de movimentação manual de cargas em residências e/ou condomínios, levar mercadorias do carro ou do portão do prédio ao apartamento consiste em ações constantes de levantar/abaixar mercadorias e de descer/subir escadas. Quando as compras são transportadas do ponto de venda para a residência por meio de carro, na ação da retirada de mercadoria do porta-malas do carro observam-se posturas inadequadas da coluna cervical, dorsal e lombar além da elevação assimétrica das mercadorias que estão em sacolas plásticas de supermercados ou mercadinhos. Quando do deslocamento a pé de mercadorias compradas em supermercado ou mercadinho, observa-se que o fator deslocamento/distância é um problema que interfere bastante na tarefa. A depender do peso deslocado, da distribuição dos pesos nos braços isso tende a agravar quando o indivíduo entra no prédio, pois é exigido dele o deslocamento subindo ou descendo escadas além de ter que abaixar e levantar as compras do chão. O levantamento de carga de forma assimétrica, conforme análise biomecânica por McGrill (1992 ), indica que esta forma de levantamento cria uma carga assimétrica complexa sobre o dorso e gera forças de compressão sobre o disco L5/S1 relativamente altas. [...] McGril sugere que o braço de alavanca dos músculos do dorso seja muito menor (isto é, 3 a 4 cm) quando se flete o tronco lateralmente e levanta-se uma carga com uma única mão, se comparado com o levantamento com duas, no plano sagital (5 a 7 cm de braço de momento). (CHAFFIN, 2001, p 325) No caso de deslocamento de cargas por pisos irregulares e subindo escadas existem poucos estudos como o de Adams e Dolan (1996) que indicaram que, quando submetidos a forças de compressão contínuas, os dicos lombares cedem lentamente, o que diminui sua altura, resultando numa redução da capacidade intrínseca do momento de flexão (apud). Os discos intervertebrais que se localizam entre as vértebras da coluna vertebral e atuam como 25

26 absorventes dos choques são constituídos pelos: anel fibroso e núcleo pulposo. A hernição ou protusão do núcleo pulposo (mais conhecido como disco deslizado ) é uma causa bem conhecida de dor na parte inferior do dorso - lombalgias. Aproximadamente 95% das protusões do disco lombar ocorrem nos níveis de L4/L5 ou L5/S1 (MOORE; DALLEY, 2001). Os discos invertebrais nas pessoas jovens são resistentes e seu conteúdo de água de seus núcleos pulposos é de mais de 90%, o que lhe proporciona maior corpulência. À medida que as pessoas envelhecem, os núcleos pulposos tornam-se mais finos devido à desidratação, o que provoca a perda de altura nos indivíduos mais velhos, podendo causar compressão das raízes dos nervos espinhais (MOORE; DALLEY, 2001). Dessa forma, o lombago é provocado por uma protusão póstero-lateral de um disco invertebral lombar no nível L5/S1 que afeta o componente S1 do nervo isquiático provocando a dor ciática. Qualquer manobra que distenda o nervo isquiático, como um flexão da coxa com a perna estendida, pode produzir ou exacerbar a dor causada pela hernição de disco (MOORE; DALLEY, 2001, p. 398). 60 a 80% da população adulta acima dos 30 anos deverá se queixar de dores nas costas algum dia. A maior incidência é dos 35 aos 55 anos. Estes números podem apresentar alguma variação dependendo do tipo de estudo realizado (apud). Os fatores de risco para a dor nas costas estão associados em geral: a) ao tipo de trabalho como levantar, carregar ou empurrar peso exagerado e posturas erradas prolongadas nas posições sentada ou de pé; b) ao condicionamento físico e à saúde em geral como vida sedentária, falta de preparo físico, excesso de peso concentrado no abdômen, escorregões e quedas que produzem distensões e espasmos musculares, seqüela de fraturas da coluna e tabagismo (tossidor crônico); 26

27 c) à personalidade e ao estado do indivíduo na sociedade como stress psicológico, tensão emocional, insatisfação no trabalho, problemas econômicos e familiares, problemas psiquiátricos e abuso de drogas; d) fator genético parecendo haver alguma freqüência nas lombalgias, hérnias de disco e dor ciática, mas ainda merece estudo. Desses fatores acima relacionados os fatores psicossociais atualmente são aceitos como até determinantes de dores nas costas. A tensão emocional pode transformar a coluna em órgão de choque, no qual o indivíduo descarrega as suas ansiedades e frustrações. Analisando que as maiores causas de problemas nesses sistemas são o deslocamento, subir e descer escadas com peso, que 60 a 80% da população adulta acima dos 30 anos deverá se queixar de dores nas costas algum dia, e a maior incidência é dos 35 aos 55 anos, classe economicamente ativa, faz-se necessário o desenvolvimento de um sistema que auxilie o deslocamento das mercadorias compradas no supermercado ou mercadinho para o apartamento. 27

28 2.9 LEVANTAMENTO DE DADOS ANTROPOMÉTRICOS Figura 5: Ergonomia aplicada ao trabalho em 18 lições,

29 Tabela 1 Levantamento Antropométrico de População Trabalhadora de Escritório Feminino. Dados obtidos a partir de estudo de 100 trabalhadores de uma fábrica (em centímetros). Região do ABC São Paulo Medida Média Desvio padrão 5% Altura 158,83 6,13 149,0 Altura dos olhos 147,66 5,98 138,5 Altura dos ouvidos 144,99 5,63 136,0 Altura do mento 139,61 5,28 131,5 Altura dos ombros 130,98 5,45 122,0 Altura linha mamilar 113,78 5,57 106,0 Altura apêndice xifóide 107,97 5,50 99,5 Altura dos cotovelos 99,61 4,29 92,5 Altura umbigo 94,40 4,75 86,0 Altura do púbis 82,33 4,47 75,0 Altura dos punhos 78,28 3,86 72,0 Altura das mãos 61,86 3,31 56,5 Altura dos joelhos 45,04 2,53 40,5 Tamanho do braço 34,58 1,88 31,5 Tamanho do antebraço 25,96 1,35 23,5 Tamanho da mão 16,64 1,06 15,0 Largura do tronco 38,90 3,27 34,0 Largura do quadril 39,06 4,03 33,0 Fonte: MOLEIRO, T. R. S.; COUTO, H. A., Tabela 2 Levantamento Antropométrico de População Trabalhadora Operacional Masculino. Dados obtidos a partir de estudo de 400 trabalhadores (em centímetro). Região do ABC São Paulo Medida Média Desvio padrão 95% Altura 171,56 6,79 183,5 Altura dos olhos 160,0 6,61 172,0 Altura dos ouvidos 157,17 6,53 169,5 Altura do mento 150,38 6,35 161,5 Altura dos ombros 143,22 6,46 154,5 Altura linha mamilar 126,98 5,98 137,5 Altura apêndice xifóide 120,19 5,93 130,0 Altura dos cotovelos 109,14 5,31 118,0 Altura umbigo 102,95 7,08 111,0 Altura do púbis 90,69 5,32 99,0 Altura dos punhos 84,36 4,93 92,0 Altura das mãos 66,07 4,31 73,0 Altura dos joelhos 51,38 3,20 56,5 Tamanho do braço 36,59 2,54 49,5 Tamanho do antebraço 28,53 1,86 31,5 Tamanho da mão 18,19 1,17 20,0 Largura do tronco 42,85 4,70 49,0 Largura do quadril 35,46 3,63 42,0 Fonte: MOLEIRO, T. R. S.; COUTO, H. A.,

30 3 LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE DADOS 3.1 ANÁLISE DOS DADOS Para descobrir o grau de satisfação das pessoas ao carregarem sacolas cheias de compras até as suas casas, realizou-se um questionário (APÊNDICE A). Conseguiu-se aplicar o questionário a 59 pessoas das quais 37 (63%) são do sexo feminino, 48 (81%) são destras, 36 (61%) possuem de 25 a 42 anos de idade, 33 (56%) possuem massa muscular de 56 a 71 kg e 36 (61%) medem de 1,56 a 1,71 metros de altura, formando assim o perfil do nosso usuário. Dessa amostragem, 33 pessoas (56%) costumam fazer compras uma ou duas vezes por mês, 29 (49%) vão de carro próprio e que 33 (56%) moram em apartamento sem elevador. Isso mostra que a dificuldade maior está quando esses indivíduos chegam em casa, pois têm que subir escadas com o acréscimo do peso. TIPO DE MORADIA CASA APARTAMENTO SEM ELEVADOR CASA 7 APARTAMENTO COM ELEVADOR E SEM CARRINHO APARTAMENTO COM ELEVADOR E CARRINHO 30

31 Ao subirem escadas com as compras nas mãos, 34% (20) sentem dores nas pernas e 49% (29) ficam ofegantes, isso devido ao esforço extra que é aplicado. Então, deve ser por isso que 17% (10) afirmam que param na subida para descansar um pouco. REAÇÃO AO SUBIR ESCADA 13% SENTE DOR NA PERNA 29% PÁRA NA SUBIDA FICA OFEGANTE 43% 15% NENHUMA DAS ANTERIORES Normalmente, 87% (51) dos questionados sentem formigamento nas mãos e dores nos braços por causa do tempo que permanecem segurando as sacolas cheias de compras. As dores na coluna também são comuns em 66% (39) deles. Talvez isso seja causado pelo excesso de peso somado ao fato de que 48 (81%) dos indivíduos flexionam a coluna ao colocar as compras no chão quando precisam abrir e/ou fechar a porta e, também, quando estão retirando e/ou colocando as compras em seus carros. REGIÃO DA COLUNA ONDE SENTEM DORES AO CARREGAR MERCADORIAS 26% 53% LOMBAR DORSAL CERVICAL 21% 31

32 O peso das mercadorias seria o principal motivo dos desconfortos causados no seu transporte. Isso levou a 92% (54) dos questionados afirmarem ser pouco confortável e desconfortável o uso de sacolas plásticas fornecidas na maioria dos estabelecimentos comerciais, sejam eles lojas, supermercados ou outros, uma vez que as alças se afinam ainda mais com a carga aplicada e assim, muitas vezes, chegam até a ruptura. OPINIÃO SOBRE AS SACOLAS PLÁSTICAS USUAIS MUITO CONFORTÁVEL CONFORTÁVEL POUCO CONFORTÁVEL DESCONFORTÁVEL 0 QUANTIDADE Logo, tem-se o desafio de diminuir a ação do peso sobre o corpo dos usuários e também a ação dos obstáculos (escadas). Para tanto, 27 pessoas (46%) asseguram ser muito importante haver um produto que os ajude a carregar as suas compras, pois não estão satisfeitas com a situação atual. 32

33 3.1.2 Tabela de Valores GxUxT VALOR GRAVIDADE URGÊNCIA TENDÊNCIA G x U x T 5 Os prejuízos ou É necessária uma ação Se nada for feito, a dificuldades são imediata. situação irá piorar extremamente graves. rapidamente Muito graves. Com alguma urgência. Vai piorar em pouco tempo Graves. O mais cedo possível. Vai piorar a médio prazo Pouco graves. Pode esperar um pouco. Vai piorar a longo prazo. 8 1 Sem gravidade. Não tem pressa. Não vai piorar e pode até melhorar. 1 ASPECTO GRAV URG TEND GXUXT 1- Carregar excesso de peso toda vez que for fazer compras Sentir desconforto nas mãos devido ao peso carregado Sentir dores nas costas por conduzir sacolas pesadas Percorrer uma longa distância carregando sacolas pesadas Subir escadas conduzindo as sacolas pesadas Ficou-se com a seguinte prioridade: a) atividade 5; b) atividades 1 e 2; c) atividade 4; d) atividade LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE SIMILARES As observações e análise de similares foram feitas tendo com objetivo demonstrar o que o mercado disponibiliza para a tarefa, movimentação de matérias. Além de fazer uma análise destes objetos na realização da tarefa que esta monografia se destina, a movimentação de matérias que tenha que trafegar em obstáculos, escadas ou similares. 33

34 3.2.1 Carrinhos para condomínio Carrinho de compras com sistema três rodas Foto 13. Foto 14 - Detalhe das rodas triplas. O carrinho possui capacidade aproximada de 120 litros. Possui rodas triplas que facilitam a tarefa de subir escadas. É constituído de material resistente e isso o torna muito pesado, causando desconforto no deslocamento e instabilidade, podendo até provocar a queda do usuário na escada. 34

35 Carrinho para lixo Foto 15. Desenvolvido para remoção do lixo da garagem para calçada. Material resistente e pesado. Em superfície plana, este peso é bem distribuído. Não foi projetado para superar eventuais obstáculos no trajeto. Possui capacidade para 400 kg Carrinho para compras de pequeno porte Foto

36 Feito com o objetivo de ser manipulado com facilidade. Satisfatório para ambientes de espaço limitado e superfície plana. Estrutura leve com duas árias para transportar mercadorias. Possui capacidade para 140 l com grade inferior Carrinho para compras em supermercados Foto 17. Projetado para a movimentação de compras, principalmente em supermercados, este modelo virou padrão nos estabelecimentos citados. Material resistente e de peso aceitável, em superfície plana o peso das compras e distribuído de forma adequada. Não foi projetado para superar eventuais obstáculos no trajeto. Possui capacidade para 180 l. 36

37 3.2.2 Carrinhos para ambientes comerciais Carrinhos para armazém Foto 18. Foto 19. Desenvolvido para o transporte de caixas, fardos, engradados de bebidas, sacos, pacotes, latas e volumes em geral, possui estrutura em ferro tubular e rodas em borracha maciça ou pneu com câmara-de-ar. É adequado para superfície plana e pequenos obstáculos. Possui roda maciça para até 300 Kg e pneu com câmara-de-ar para até 400 Kg. 37

38 Carrinho pneumático para feirante Foto 20. Elaborado para o transporte de caixas, fardos, engradados de bebidas, sacos, pacotes, latas e volumes em geral. Chassi montado em ferro tubular. Adequado à superfície plana. Possui capacidade de carga para até 400 Kg. 38

CUIDADOS COM A COLUNA

CUIDADOS COM A COLUNA SENADO FEDERAL CUIDADOS COM A COLUNA SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Cuidados com a coluna 3 apresentação As dores na coluna vertebral são um grande transtorno na vida de muita gente, prejudicando os movimentos

Leia mais

Global Training. The finest automotive learning

Global Training. The finest automotive learning Global Training. The finest automotive learning Cuidar da saúde com PREFÁCIO O Manual de Ergonomia para o Motorista que você tem em agora em mãos, é parte de um programa da Mercedes-Benz do Brasil para

Leia mais

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano.

Biomecânica. A alavanca inter-resistente ou de 2º grau adequada para a realização de esforço físico, praticamente não existe no corpo humano. Biomecânica Parte do conhecimento da Ergonomia aplicada ao trabalho origina-se no estudo da máquina humana. Os ossos, os músculos, ligamentos e tendões são os elementos dessa máquina que possibilitam realizar

Leia mais

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura

Cuidando da Coluna e da Postura. Texto elaborado por Luciene Maria Bueno. Coluna e Postura Cuidando da Coluna e da Postura Texto elaborado por Luciene Maria Bueno Coluna e Postura A coluna vertebral possui algumas curvaturas que são normais, o aumento, acentuação ou diminuição destas curvaturas

Leia mais

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI

LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI LEVANTAMENTO E TRANSPORTE DE CARGAS Posição vertical: Dotar o posto de trabalho com regulagem de altura; Suporte para peças; Considerar dados antropométricos, na dúvida colocar

Leia mais

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia

Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Ergonomia Corpo com Saúde e Harmonia Dr. Leandro Gomes Pistori Fisioterapeuta CREFITO-3 / 47741-F Fone: (16) 3371-4121 Dr. Paulo Fernando C. Rossi Fisioterapeuta CREFITO-3 / 65294 F Fone: (16) 3307-6555

Leia mais

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações.

Postura. As posturas prolongadas podem prejudicar os músculos e as articulações. Postura A postura é, freqüentemente, determinada pela natureza da tarefa ou do posto de trabalho. Um porteiro de hotel tem uma postura estática, enquanto um carteiro passa a maior parte do tempo andando.

Leia mais

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial

Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Avaliação ergonômica dos postos de trabalho dos funcionários de uma lavanderia industrial área industrial Paolo Cinque Pequini (Faculdade Área 1) ppeqhini@cpunet.com.br Carlos Brasileiro (Faculdade Área

Leia mais

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013

Aula 03 Antropometria Prof. Mario S. Ferreira Junho, 2013 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Arquitetura e Urbanismo Curso de Especialização em Arquitetura da Habitação de Interesse Social ERGONOMIA E ACESSIBILIDADE Aplicada à

Leia mais

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS?

PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? Dores nas Costas PORQUÊ EU TENHO DORES NAS COSTAS? O QUE CAUSA DORS NAS COSTAS? Várias podem ser as causas de suas dores nas costas: - Posturas inadequadas - Esforço exagerado - Permanecer por muito tempo

Leia mais

LER/DORT. www.cpsol.com.br

LER/DORT. www.cpsol.com.br LER/DORT Prevenção através s da ergonomia DEFINIÇÃO LER: Lesões por Esforços Repetitivos; DORT: Doenças Osteomusculares Relacionadas ao Trabalho; São doenças provocadas pelo uso inadequado e excessivo

Leia mais

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc.

Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles, M.Sc. Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Engenharia Curso de Graduação em Engenharia de Produção ENG 1090 Introdução à Engenharia de Produção Prof. Gustavo Suriani de Campos Meireles,

Leia mais

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA

PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA PREVENÇÃO E TRATAMENTO DE HÉRNIA DE DISCO SEM CIRURGIA Dicas para uma vida sem dores na coluna A Hérnia de Disco A nossa coluna é composta de aproximadamente 32 vértebras, que são os ossos que formam

Leia mais

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.

Antropometria. A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano. Antropometria A antropometria estuda as dimensões físicas e proporções do corpo humano.. O conhecimento dessas medidas e como saber usá-las é muito importante na determinação dos diversos aspectos relacionados

Leia mais

A postura saudável para o digitador

A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador A postura saudável para o digitador 2 Muitas vezes nos perguntamos: Qual é a postura mais adequada para se trabalhar durante horas em frente a um computador? Após anos

Leia mais

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno.

GRUAS CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA. UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno. CENTRO DE EMPREGO E FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE ÉVORA UFCD 5811 Sistemas de transporte e elevação de carga Formador: David Inverno GRUAS 16 Valores (Formador David Inverno) Introdução Gruas No âmbito da UFCD

Leia mais

O Dimensionamento do Centro de Produção

O Dimensionamento do Centro de Produção O Dimensionamento do Centro de Produção (posto de trabalho) ANTROPOMETRIA estudo e sistematização das medidas físicas do corpo humano. ANTROPOMETRIA ESTÁTICA - refere-se a medidas gerais de segmentos corporais,

Leia mais

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa

Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa Entendendo suas opções de separação Guia para o processo de avaliação e seleção da solução de separação correta para a sua empresa automação 1 Entendendo que traz suas resultados opções de separação Entendendo

Leia mais

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação

ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação ERGONOMIA Notas de Aula - Graduação Análise Ergonômica do Trabalho - AET Ponto 02 Mario S. Ferreira Março, 2010 CONCEITUAÇÃO Análise Ergonômica do Trabalho Intervenção, no ambiente de trabalho, para estudo

Leia mais

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos

Ergonomia é o estudo do. relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e. particularmente a aplicação dos ERGONOMIA ERGONOMIA relacionamento entre o homem e o seu trabalho, equipamento e ambiente, e conhecimentos de anatomia, fisiologia e psicologia na solução dos problemas surgidos deste relacionamento. Em

Leia mais

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho

Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Análise de DORT na instalação de forros térmicos através da Análise Ergonômica do Trabalho Lizandra Garcia Lupi Vergara (UTESC) lizandra@eps.ufsc.br Lúcia Lunelli (UTESC) lucialunelli@ig.com.br Wagner

Leia mais

Acessibilidade, responsabilidade de todos

Acessibilidade, responsabilidade de todos Acessibilidade, responsabilidade de todos APRESENTAÇÃO Programa A Receita É Saúde Gerente Responsável Raul Alves Buarque Ação Cadeira Certa Rui Alberto Fank Edição Jornalista Adroaldo Corrêa Texto Técnico

Leia mais

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA!

DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! DE VOLTA ÀS AULAS... CUIDADOS COM A POSTURA E O PESO DA MOCHILA! SUA MOCHILA NÃO PODE PESAR MAIS QUE 10% DO SEU PESO CORPORAL. A influência de carregar a mochila com o material escolar nas costas, associado

Leia mais

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA

PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 PREVALÊNCIA DE LOMBALGIA EM ALUNOS DE FISIOTERAPIA E SUA RELAÇÃO COM A POSTURA SENTADA Juliana Camilla

Leia mais

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie

Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Instruções para Carrinho de Bebê Multifuncional Marie Carrinho Marie as ilustrações são apenas representações. o design e o estilo podem variar. Manual Carrinho Marie - Dardara - 2 Antes de usar o carrinho,

Leia mais

Simulador Abdominal Life Zone

Simulador Abdominal Life Zone Simulador Abdominal Life Zone ATENÇÃO! LEIA ANTES DE USAR O PRODUTO! Consulte seu médico antes de começar qualquer exercício com o Simulador Abdominal Life Zone. Antes de começar a usar o produto por favor,

Leia mais

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf

Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf Fonte: http://revistacontrarelogio.com.br/pdfs/tudoemcima_194.pdf ELÁSTICO OU BORRACHA Sugestão: 1 kit com 3 elásticos ou borrachas (com tensões diferentes: intensidade fraca, média e forte) Preço: de

Leia mais

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE

ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE ERGONOMIA CENTRO DE EDUCAÇÃO MÚLTIPLA PROFESSOR: RODRIGO ARAÚJO 3 MÓDULO NOITE A ERGONOMIA ESTUDA A SITUAÇÃO DE TRABALHO: Atividade Ambiente (iluminação, ruído e calor) Posto de trabalho Dimensões, formas

Leia mais

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS

TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS TRABALHADOR NA APLICAÇÃO DE AGROTÓXICOS CONSELHO DELIBERATIVO DO SENAR Presidente do Conselho Deliberativo João Martins da Silva Júnior Secretário Executivo Daniel Klüppel Carrara Chefe do Departamento

Leia mais

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais.

O modelo da foto pode conter equipamentos opcionais. Contate o seu concessionário Hyundai para mais informações. O equipamento apresentado pode variar de acordo com normas internacionais. Todas as medidas em libras e polegadas estão arredondadas. Novo Conceito

Leia mais

Problematização. Exemplos

Problematização. Exemplos Problematização Exemplos Trabalho 1 Estudo Ergonômico da Bilheteria de Vale- Transporte da Estação Dom Pedro II (Supervia) Monografia - Especialização em Ergonomia PUC-Rio (Dezembro, 2003) Autores: Angélica

Leia mais

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica

6 RESULTADOS OBTIDOS. 6.1 Sistematização do SHTM. 6.1.1 Modelagem sistêmica 182 6 RESULTADOS OBTIDOS 6.1 Sistematização do SHTM 6.1.1 Modelagem sistêmica A tarefa de se construir prédios depende de um sistema organizado que funcione. Para que um prédio seja erguido, é necessário,

Leia mais

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200

Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Mesa de TRAÇÃO CERVICAL E LOMBAR 1200 Manual do Usuário Índice: 03...Informações Gerais 03...Símbolos 04...Instalação e Conexão à Rede Elétrica 05...Controles 06-07...Operação da Mesa 07...Precauções 07-08...Indicações

Leia mais

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas

ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas ESCOLIOSE Lombar: Sintomas e dores nas costas O que é escoliose? É um desvio látero-lateral que acomete acoluna vertebral. Esta, quando olhada de frente, possui aparência reta em pessoas saudáveis. Ao

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC

MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC MANUAL DE INSTRUÇÕES MODELO ABC DESIGN 3 TEC Utilização 3 em 1 (sistema travel system) bebê conforto adaptável ao carrinho Altura regulável das alças para empurrar o carrinho 3 posições de regulagem de

Leia mais

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego

Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Transporte Vertical Normas Brasileiras e Cálculo de Tráfego Elevadores de Passageiros Conhecimentos iniciais: Normas da ABNT NORMA NBR - 5666 Elevadores Elétricos - Terminologia NORMA NBR - NM 207 Elevadores

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Exercícios preventivos para a Coluna Vertebral Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta Guia de Exercícios Dr Coluna 2012.indd 1

Leia mais

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17

LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 LAUDO ERGONÔMICO DE TRABALHO ERGONOMIA NR-17 1. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA Razão Social: Caixa Econômica Federal Endereço: Setor SBS Quadra 4 Bloco A Lote 3 e 4 Asa Sul Brasília/ DF CEP 70.092-900 CNPJ:

Leia mais

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente

Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente Lavadora de Pisos Lava e seca simultaneamente LST51 E LST51 B (Elétrica a cabo) (Bateria) A maior concentração de soluções técnicas de engenharia e de experts em limpeza, aplicadas a uma lavadora de piso

Leia mais

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias

Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Pare de maltratar seus joelhos. Fundamentais para qualquer atividade física, eles precisam estar fortes e saudáveis para agüentar você todos os dias Rodrigo Gerhardt Desde que você resolveu deixar de engatinhar

Leia mais

Seqüência completa de automassagem

Seqüência completa de automassagem Seqüência completa de automassagem Os exercícios descritos a seguir foram inspirados no livro Curso de Massagem Oriental, de Armando S. B. Austregésilo e podem ser feitos em casa, de manhã ou à tardinha.

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO

1 INTRODUÇÃO. Ergonomia aplicada ao Design de produtos: Um estudo de caso sobre o Design de bicicletas 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho foi elaborado com o objetivo mostrar ser viável o uso de bicicletas que proporcionem conforto e segurança e advertir para o surgimento de fisiopatologias nos usuários de bicicletas.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE BELAS ARTES DESENHO INDUSTRIAL REDESENHO DO BANCO CAVALINHO DA ESCOLA DE BELAS ARTES DA UFBA Discente: Pedro Coelho Barreiros Docente: Prof. Dr. Paulo Fernando de

Leia mais

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS

LISTA DE TABELAS LISTA DE QUADROS x LISTA DE TABELAS Tabela 1 Distribuição dos acidentes segundo o agente da lesão... 12 Tabela 2 Dispêndio segundo a importância da carga deslocada, erguida ou subida (kcal/min)... 166 Tabela 3 Avaliação

Leia mais

Polidora UHS. Ultra High Speed 1600 rpm (reais em contato com o piso)

Polidora UHS. Ultra High Speed 1600 rpm (reais em contato com o piso) Polidora UHS Ultra High Speed 1600 rpm (reais em contato com o piso) Alta produtividade, alto brilho, maior vida útil ao filme de cera (economia) Motor para UHS (Ultra High Speed) Motor de 3.200 rpm de

Leia mais

CARROS DE MÃO. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE.

CARROS DE MÃO. Compre Produtos Certificados. Na Equipleva todos os equipamentos cumprem com as diretivas da CE. Carros de Mão Carros Ligeiros com Plataforma Carros para Cargas Médias/Elevadas Carros Armário com e sem Prateleiras Carros com Banca de Trabalho Carros de Apoio à Industria Carros de Reboque Carros para

Leia mais

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos

A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos A importância da Ergonomia Voltada aos servidores Públicos Fisioterapeuta: Adriana Lopes de Oliveira CREFITO 3281-LTT-F GO Ergonomia ERGONOMIA - palavra de origem grega, onde: ERGO = trabalho e NOMOS

Leia mais

Laboratório de Controle de

Laboratório de Controle de Laboratório de Controle de Qualidade - LCQ SENAI/CETEMO Eng. Maria Ballestrin Bertarello NBR 15860/2010 Está dividida em duas partes Parte 1 Requisitos de segurança Parte 2 Métodos de ensaios Escopo berços

Leia mais

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO

DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO DIVISÃO DESENVOLVIMENTO SOCIAL GABINETE DE DESPORTO TÉCNICAS DE ANIMAÇÃO PARA IDOSOS Introdução Uma velhice tranquila é o somatório de tudo quanto é beneficio do organismo, como por exemplo, exercícios

Leia mais

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!!

Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Uso de salto alto pode encurtar músculos e tendões e até provocar varizes!!! Dores frequentes nos pés, calosidades e vermelhidão são os primeiros sinais de abuso do salto alto e bico fino. Bonitos, elegantes

Leia mais

Materiais têm personalidade?

Materiais têm personalidade? Materiais têm personalidade? Introdução O pior é que têm! Como? Pense um pouco. Por que o plástico é plástico? Por que o alumínio é mais leve que o ferro? Por que a borracha depois de esticada volta a

Leia mais

Fratura da Porção Distal do Úmero

Fratura da Porção Distal do Úmero Fratura da Porção Distal do Úmero Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo O cotovelo é composto de 3 ossos diferentes que podem quebrar-se diversas maneiras diferentes, e constituem

Leia mais

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE?

VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? VOCÊ JÁ PENSOU NA SUA POSTURA HOJE? Dicas Gerais para uma Boa Postura 1) Manter o topo da tela ao nível dos olhos e distante cerca de um comprimento de braço (45cm ~ 70cm); 2) Manter a cabeça e pescoço

Leia mais

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano.

Introdução. O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e. humano. Introdução O conforto e a Segurança abrangem aspectos físicos, psicossociais e espirituais e constituem necessidades básicas do ser humano. Movimentação do paciente Para que o paciente se sinta confortável

Leia mais

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07

NR 17 - ERGONOMIA. Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 NR 17 - ERGONOMIA Portaria 3.214, de 08 de junho de 1978 06/07 Esta Norma Regulamentadora visa a estabelecer parâmetros que permitam a adaptação das condições de trabalho às características psicofisiológicas

Leia mais

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA

RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 RELAÇÃO DA POSTURA ADOTADA PARA DORMIR E A QUEIXA DE LOMBALGIA Fernanda Cristina Pereira 1

Leia mais

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde.

FITNESSGRAM. O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Professora de Educação Física HelenaMiranda FITNESSGRAM O Fitnessgram é um programa de educação e avaliação da aptidão física relacionada com a saúde. Todos os elementos incluídos no Fitnessgram foram

Leia mais

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores

7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores 7. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS 281 7.1 Análise dos dados da entrevista com os trabalhadores De acordo com os dados coletados na pesquisa de campo, por meio de entrevista, a idade dominante dos trabalhadores

Leia mais

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC

ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC 1 ANÁLISE ERGONÔMICA DO TRABALHO EM UMA EMPRESA BENEFICIADORA DE ACRÍLICOS NA REGIÃO DE JOINVILLE-SC Thatiana Prado Brito* RESUMO Dentre as preocupações das empresas na melhoria da qualidade e competitividade

Leia mais

A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos:

A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos: Manual do usuário A Maxflex é a única empresa brasileira de Colchões e Sistemas de Dormir que possui certificação ISO 9001 nos escopos: Desenvolvimento, Produção e Comercialização. 3 1 Um sonho, um desejo

Leia mais

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior

Cuidados Posturais. Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Cuidados Posturais Prof Paulo Fernando Mesquita Junior Vídeo: Cuidados_posturais_Dr.MiguelMastropaulo A postura correta Considera-se uma boa postura aquela condição em que o alinhamento corporal proporciona

Leia mais

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio

Reformas. aula 10. www.casa.com.br/cursodedecoracao2012. Por Tania Eustáquio www.casa.com.br/cursodedecoracao2012 aula 10 Por Tania Eustáquio Reformas Para mostrar como é possível fazer interferências na arquitetura de um imóvel sem dor de cabeça com obras, prazos e orçamento,

Leia mais

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Sobre a Autora. Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato?

Índice Remissivo. Sobre o livro. Direitos Autorais. Sobre a Autora. Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato? Índice Remissivo Sobre o livro Direitos Autorais Sobre a Autora Capítulo 1Conhece-te a ti mesmo... Capítulo 2Como é o seu retrato? Capítulo 3Copiou? Capítulo 4Segredos do Consultório Epílogo 3 4 5 6 8

Leia mais

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO

INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO POSTURA INVOLUÇÃO X CONCLUSÃO *Antigamente : quadrúpede. *Atualmente: bípede *Principal marco da evolução das posturas em 350.000 anos. *Vantagens: cobrir grandes distâncias com o olhar, alargando seu

Leia mais

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890

Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Manual de Instruções Tupias TPA-740; TPA-890 Figura 1: VISTA DA TUPIAS (IMAGEM MERAMENTE ILUSTRATIVA) Advertência: Não execute nenhuma operação com o equipamento antes de ler atentamente este manual. Este

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/

National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ National Institute for Occupational Safety and Health (NIOSH) http://www.niosh. com.my/en/ LUCIANO JOSÉ PELOGIA FREZATTI ATIVIDADE FÍSICA O Homem consome energia enquanto parado; Quanto maior o trabalho

Leia mais

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA

DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA DISTÚRBIOS OSTEOMUSCULARES RELACIONADOS AO TRABALHO EM PROFISSIONAIS DA LIMPEZA ROSEMARA SANTOS DENIZ AMARILLA (1), BRUNO BORSATTO (2), RODRIGO EDUARDO CATAI (3) (1) Mestrado em Engenharia Civil / UTFPR

Leia mais

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia

Rampa Automatizada. Prêmio GLP - Inovação. Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014. Participantes da Ultragaz. Base Paulínia Rampa Automatizada Prêmio GLP - Inovação Categoria Saúde Ocupacional 11/08/2014 Participantes da Ultragaz Base Paulínia Joleandro Nelson de Sousa Ricardo Junior Oliveira Fabio Oliveira da Silva Samantha

Leia mais

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Ergonomia. Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé. Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Ergonomia Lombalgias, Manejo de cargas, Posição estática, Trabalho na posição sentada e em pé Prof.ª Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Postura Um dos caminhos para encontrar

Leia mais

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante.

Fazer as costelas de vários mini saltos, pular em uma e quando cair pular em outra e assim em diante. Concentração e Atenção são as palavras chaves para uma pilotagem segura. Embora tenham a moto adequada, muitos pilotos apresentam deficiências, especialmente de postura, na hora de frenagem e na escolha

Leia mais

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO

2. CARACTERÍSTICAS 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO O estabilizador portátil de câmera Tedi Cam é um equipamento de avançada tecnologia utilizado para filmagens de cenas onde há a necessidade de se obter imagens perfeitas em situações de movimento

Leia mais

: : Terapia de Inversão : : Coluna Melhor, Corpo Melhor : : www.terapiadeinversao.com www.terapiadeinversao.com.br

: : Terapia de Inversão : : Coluna Melhor, Corpo Melhor : : www.terapiadeinversao.com www.terapiadeinversao.com.br : : Terapia de Inversão : : Coluna Melhor, Corpo Melhor : : www.terapiadeinversao.com www.terapiadeinversao.com.br Mesa para Terapia de Inversão Modelo EP550 Características: * Ergonômia Flex-Technology:

Leia mais

Resolução de Provas 2009

Resolução de Provas 2009 Resolução de Provas 2009 01.No bebedouro doméstico representado na figura, a água do garrafão virado para baixo, de boca aberta, não vaza para o recipiente onde ele se apóia, devido à pressão atmosférica.

Leia mais

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3

OMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 Índice ÍNDICE...2 COMO NASCEU A PALAVRA ERGONOMIA?...3 O QUE É A ERGONOMIA?...3 ERGONOMIA NO TRABALHO....3 POSIÇÕES CORRECTAS A TER NO TRABALHO....4 O EQUIPAMENTO ERGONÓMICO...6 MONITOR...7 TECLADOS E

Leia mais

Portaria n.º 315, de 19 de junho de 2012.

Portaria n.º 315, de 19 de junho de 2012. Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 315, de 19 de junho de 2012. O PRESIDENTE

Leia mais

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS

O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS O que é ERGONOMIA? TERMOS GREGOS: ERGO = TRABALHO NOMIA (NOMOS)= REGRAS, LEIS NATURAIS...é um conjunto de conhecimentos relativos ao homem e necessários à concepção de instrumentos, máquinas e dispositivos

Leia mais

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10

DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS. www.doresnascostas.com.br. Página 1 / 10 DOR NAS COSTAS EXERCÍCIOS ESPECIALIZADOS PARA O TRATAMENTO DA DOR NAS COSTAS www.doresnascostas.com.br Página 1 / 10 CONHEÇA OS PRINCÍPIOS DO COLETE MUSCULAR ABDOMINAL Nos últimos anos os especialistas

Leia mais

Dicas para minimizar o. risco de quedas

Dicas para minimizar o. risco de quedas saúde Sinal Canal de Comunicação da Sistel para os Usuários de Saúde Ano I - Nº 1 - Março 2014 Dicas para minimizar o risco de quedas Adaptação dos ambientes e produtos específicos podem evitar quedas

Leia mais

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira

CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira CAPÍTULO 02- ERGONOMIA Prof. Mauro Ferreira NOÇÕES BÁSICAS DE ANATOMIA E FISIOLOGIA Identificação das Limitações do Organismo Humano Sabendo-se que a Ergonomia tem por objetivo adequar o trabalho às características

Leia mais

C. Guia de Treino ------------------------------------------------

C. Guia de Treino ------------------------------------------------ C. Guia de Treino ------------------------------------------------ A FORÇA / RESISTÊNCIA ( FUNÇÃO MOVIMENTO OSCILAÇÃO ) A01 Joelhos inclinados Com os pés afastados na plataforma, segure a barra de apoio

Leia mais

I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I

I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO I GUIA PARA UM DESCANSO PLENO A IMPORTÂNCIA DO DESCANSO NA NOSSA VIDA QUAL O COLCHÃO IDEAL? 1. COMO ESCOLHER A MELHOR SOLUÇÃO DE DESCANSO 2. MEDIDAS DE SUPERFÍCIE DE DESCANSO

Leia mais

Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente".

Uma Definição: Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente. ERGONOMIA: palavra de origem grega. ERGO = que significa trabalho NOMOS = que significa regras Uma Definição: "Estudo entre o homem e o seu trabalho, equipamentos e meio ambiente". Tríade básica da Ergonomia:

Leia mais

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia

Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia Dicas para manter a postura e não prejudicar a coluna no dia a dia No decorrer do dia, desempenhamos várias funções, desde agachar para pegar uma caneta do chão, a limpeza de sua casa e no trabalho. As

Leia mais

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de

Primeiramente podemos classificar três diferentes tipos estruturais de VITRINAS 1 INTRODUÇÃO Elegantes e essenciais, as vitrinas são elementos versáteis criados nas mais diversas versões e representam o ponto chave para apresentação do produto a ser vendido nos mais diferentes

Leia mais

7.ª e 8.ª SÉRIES/8.º e 9.º ANOS

7.ª e 8.ª SÉRIES/8.º e 9.º ANOS 7.ª e 8.ª SÉRIES/8.º e 9.º ANOS 1. A tecla da divisão da calculadora de Arnaldo parou de funcionar, mas nem por isso ele deixou de efetuar as divisões, pois a tecla de multiplicação funciona normalmente.

Leia mais

PL6 FOI SUBSTITUÍDA PELA PL7 PARA QUE CONTINUE ATENDENDO ÀS NOVAS NORMAS

PL6 FOI SUBSTITUÍDA PELA PL7 PARA QUE CONTINUE ATENDENDO ÀS NOVAS NORMAS APRESENTAÇÃO DE NOSSAS PLATAFORMAS ELEVATÓRIAS A DWA apresenta uma solução econômica para quem tem duplex, desníveis acentuados, acessos para pessoas que necessitam de auxílio na locomoção e outras soluções

Leia mais

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS

CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS 1 CHECK-LIST PARA AVALIAÇÃO DAS CONDIÇÕES ERGONÔMICAS EM POSTOS DE TRABALHO INFORMATIZADOS Versão fevereiro 2007 (UA: 30/06/10) Autor: Hudson Couto Colaborador: Dr. Edivaldo Sanábio e Remi Lópes Antonio

Leia mais

Dispositivo ergonômico para montagem de bases

Dispositivo ergonômico para montagem de bases Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM MECÃNICA Dispositivo ergonômico para montagem de bases Alexandre

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho

Segurança e Higiene no Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume VIII Movimentação Manual de Cargas um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído

Leia mais

Simulador de Caminhada

Simulador de Caminhada Simulador de Caminhada Como usar seu Simulador de Caminhada Instruções de montagem Retire seu Simulador de Caminhada Oceano Fitness da caixa. Procure instalar seu aparelho em local amplo, arejado e que

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707

MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX. cód. 5707 MANUAL DO PRODUTO SPA RELAX cód. 5707 1- LUCRATIVIDADE 1.1 Aumente os lucros do seu salão oferecendo relaxamento para seu cliente. Corpo e pés relaxados ao mesmo tempo. Esse é o propósito do Spa Relax,

Leia mais

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente

Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Gestão do valor: fundamentos de marketing e satisfação do cliente Carlos T. Formoso Professor e pesquisador do NORIE - UFRGS Conceito de marketing: visão ampla Identificação das necessidades dos clientes

Leia mais

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER

PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER Schoeller.indd 1 9/24/12 11:34 AM PALLET PLÁSTICO É SCHOELLER O Grupo Schoeller, referência de qualidade, está presente em mais de 50 países, em todo o mundo. O emprego da alta tecnologia e a adoção de

Leia mais

Manual de Instruções IMPORTANTE LER COM ATENÇÃO E GUARDAR PARA EVENTUAIS CONSULTAS. FUNNY - LS2057 CARRO BERÇO MÚLTIPLO COM ALÇA REVERSÍVEL

Manual de Instruções IMPORTANTE LER COM ATENÇÃO E GUARDAR PARA EVENTUAIS CONSULTAS. FUNNY - LS2057 CARRO BERÇO MÚLTIPLO COM ALÇA REVERSÍVEL FUNNY - LS2057 CARRO BERÇO MÚLTIPLO COM ALÇA REVERSÍVEL Manual de Instruções Para crianças do nascimento até 18 kg IMPORTANTE LER COM ATENÇÃO E GUARDAR PARA EVENTUAIS CONSULTAS. Conhecendo o produto capota

Leia mais

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna. Guia de Postura. Dr. Coluna. Helder Montenegro Fisioterapeuta

ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna. Guia de Postura. Dr. Coluna. Helder Montenegro Fisioterapeuta ABRCOLUNA Associação Brasileira de Reabilitação de Coluna Guia de Postura Dr. Coluna 01 Helder Montenegro Fisioterapeuta O Governo Federal e suas esferas estaduais e municipais, bem como os planos de saúde,

Leia mais

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino

ERGONOMIA. FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino FACCAMP Tecnologia em Segurança no Trabalho Profº Vitorino O que é ergonomia? (e não ergonometria e muito menos ergologia) Adaptação do trabalho ao ser humano: O trabalho tem todo um pano de fundo de sofrimento:

Leia mais

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil.

de Prevenção de Acidentes) para melhorar as condições de segurança e trabalho na construção Civil. FTST Formação Técnica em Segurança do Trabalho Módulo de Portuária e Construção Civil AULA 4 Prof.ª MarivaldoOliveira COMPETÊNCIAS QUE TRABALHAREMOS NESTE MÓDULO Lançar mão dos recursos e técnicas de prevenção

Leia mais

Vícios e Manias ao Volante

Vícios e Manias ao Volante Vícios e Manias ao Volante EMBREAGEM Muitos brasileiros deixam o pé apoiado sobre o pedal da embreagem quando dirigem. É um dos vícios mais comuns e difícil de ser superado. As alavancas desse sistema

Leia mais