MELHOR DO QUE ARDER : A REPRESENTAÇÃO DA FELICIDADE EM UM CONTO DE CLARICE LISPECTOR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MELHOR DO QUE ARDER : A REPRESENTAÇÃO DA FELICIDADE EM UM CONTO DE CLARICE LISPECTOR"

Transcrição

1 1 MELHOR DO QUE ARDER : A REPRESENTAÇÃO DA FELICIDADE EM UM CONTO DE CLARICE LISPECTOR Maria da Luz Duarte Leite Silva (UERN/PPGL) 1. INTRODUÇÃO Sabemos que o período de tanto na Literatura e nas demais Artes no Brasil foi marcado essencialmente por uma fase de denúncia social, atingindo elevado grau de tensão nas relações do eu com o mundo. E que só partir de 45, a prosa brasileira investe numa literatura intimista, de sondagem psicológica e introspectiva, com grande destaque para Clarice Lispector que, de forma sempre renovada utiliza a técnica do fluxo de consciência, como marca de sua narrativa. Vale ressaltar, no entanto, que a introspecção psicológica, já era praticada por outros escritores, como James Joyce e Wirginia Wolff, desde o realismo do século XIX. Clarice Lispector, nos anos 40, sugestivamente desnorteou a ficção brasileira, pois desromantizou o romance, além de revolucionar a configuração lógica do tempo, pois o tempo em Lispector é atomizado, o tempo confere o caráter de fluxo e reflexo que permeia as sensações, sintomas e impressões das personagens. O tempo difuso e confuso confere um caráter fragmentado e líquido no discurso narrativo, o que nos faz lembrar Bauman (1998) ao referir-se ao mundo líquido, ou seja, globalizado, em que o romance passa por diferentes processos desde quando era

2 2 feito para a burguesia, passando pelos modelos folhetins, quando aumentou o público leitor, até chegar ao modelo atual. Lispector é apontada como um dos principais nomes da geração de 45, considerada uma das mais importantes, expressões da ficção brasileira de todos os tempos. Um traço característico de sua literatura é a recorrência ao tema sobre a condição da mulher inserida em seu ambiente familiar, patriarcalista, em que a mulher é vista como a rainha do lar. Vemos em suas obras que a escritora extrapola os limites desse universo, uma vez que a autora apresenta a figura feminina como um sujeito de igual direito ao homem, e isso se dá geralmente a partir do processo reflexivo interiorizado pelas suas personagens. É, pois, seguindo esse viés temático que tomamos como objeto de análise o conto Melhor do que Arder, integrante de A Via Crucis do Corpo (1998), por observarmos nesta narrativa que valores como essência e aparência constituem um retrato da constituição da individuação da personagem central da história narrada. Este conto narra a história de uma mulher que é obrigada, por sua família, a ir para um convento de modo que a materializar o poder do sistema patriarcal. Além de toda a narrativa ser perpassada por cunho religioso, como forma, talvez, de apresentar a mulher como vítima dos percalços do dia-a-dia e do sentido do ser mulher. Neste estudo, pretendemos refletir sobre a representação da felicidade em Melhor do que Arder, de Clarice Lispector, destacando traços da felicidade na

3 3 protagonista e a dualidade vivida entre essência e aparência, observada no conteúdo narrado. A produção literária de Lispector nos permite, por meio de suas inovações poéticas, refletir sobre as relações entre o eu e o outro, a falsidade das relações humanas, a condição social da mulher no sistema patriarcalista e feminista, o esvaziamento das relações familiares, e, sobretudo, a própria linguagem, considerada pela autora como única forma de comunicação do mundo. Nesta perspectiva, para uma leitura do conto Melhor do que Arder, tomaremos como norte o conceito de felicidade formulado por Xavier (1998), Sá (1989), bem como os estudos de Macmahon (2006) sobre o patriarcalismo e o imaginário feminino. Tais como a realização de uma leitura teórico analítica do conto em questão, com o intuito de identificar como se apresenta a personagem feminina, protagonista da história narrada. 2. A BUSCA DA FELICIDADE EM MELHOR DO QUE ARDER, DE CLARICE LISPECTOR O conto Melhor do que Arder, de Clarice Lispector, narra a história de uma mulher de nome Clara, que foi obrigada por seus pais a ir para um convento. Só que, com o passar do tempo, essa mulher desperta para o desejo sexual, ou melhor, da carne. A vida de Clara torna-se uma tortura. Então, por conselho de um padre, resolve sair a procura de sua satisfação, que representa a sua felicidade. Esta se

4 4 resumia em casar e ter uma família. Tal como propõe Xavier (1991, p.15). A partir de Clarice, condição feminina, passa a ser problematizada, pondo em questão a ideologia dominante. Ou seja, podemos ver nas narrativas clariceana a mulher vivendo um conflito que faz parte do discurso do sistema patriarcal. Presenciamos, nitidamente, que o sonho de Clara está enrraigado ao modelo de felicidade patriarcalista, visto que ela, para ser feliz, precisava apenas casar e procriar. A personagem mostra-se uma mulher decidida e, sobretudo, uma pessoa que, mesmo ardendo de desejo sexual, teve o cuidado de só realizar-se quando atendido os preceitos da religião, principalmente a católica. Sugestivamente, o nome da protagonista nos remete a ideia de que, por significar pessoa brilhante, ilustre, Clara procura, da melhor forma encontrar a sua felicidade. Ela era uma moça charmosa, amável e expressiva, criativa e um tanto curiosa. Mas não aguentava mais conviver só com mulheres. Mulheres, mulheres, mulheres. (LISPECTOR, 1998, p.71). Nesse fragmento presenciamos a angustia da protagonista. É como se ela estivesse ardendo de verdade, precisava de homem. Uma amiga que escolheu como confidente lhe dera o conselho de mortificar o corpo. Mortifique o corpo. A personnagem seguiu o conselho da amiga, mas não conseguiu suportar tanto desejo. Clara não desistiu de encontrar sua felicidade, por isso resolveu contar tudo que sentia ao padre. Este propôs a ela que continuasse a mortificar o corpo, mas não resolvia. Essa moça continua a arder cada vez mais. O seu fervor sexual era tanto

5 5 que a protagonista não conseguia nem mais se aproximar do padre para receber a hóstia. Essa ideia encontra pertinência nas idéias de Lowen(1983,p.76), O anseio por alguém ou a necessidade de alguém deixa a pessoa vulnerável[...] É o que presenciamos nessa narrativa: Mas na hora em que o padre lhe tocava a boca para dar a hóstia tinha de se controlar para não morder a mão do padre. (LISPECTOR, 1998, p.71). Durante toda a narrativa, o que observamos a busca incessante da protagonista pela felicidade a partir do desejo sexual. Vale lembrar que, mesmo almejando a felicidade a partir do desejo carnal, Clara mostrou que os ensinamentos de seus patriarcas estavam bem enraigados em sua personalidade. É tanto que pedia, nas suas orações, a felicidade. Rezava muito para que alguma coisa boa lhe acontecesse. Em forma de homem. E aconteceu mesmo. (LISPECTOR, 1998, p.72). Nesse momento em que a protagonista está em oração, confirma mais ainda a forte presença dos preceitos religiosos na vida de Clara. Com já dito, toda a história é permeada por cunho religioso e pelos preceitos do sistema patriarcal. É tanto que a sua família não queria aceitar a decisão de Clara. A protagonista, por não encontrar uma saída imediata para sua realização começou a definhar-se. Um dia no almoço, começou a chorar. [...]. Apesar de comer pouco, engordava, mas tinha olheiras arroxeadas. (LISPECTOR, 1998, p.72). Vemos que Clara estava descentrada não sabia mais como proceder para encontrar a sua felicidade, pois existiam muitas barreiras. Sua família, a missão se ser freira, os preceitos da religião e do sistema patriarcalista, dentre outros. Mas a personagem

6 6 não desistiu de saciar sua fome. A felicidade para Clara era tudo, por isso não desistiu de sua busca. Mas madre Clara foi firme; queria sair do convento, queria achar um homem, queria casar-se. (LISPECTOR,1998, p.72). Então, ser feliz para a protagonista, significava como diz Olga de Sá (2004, p.197), Ser feliz é conseguir o quê? Para a protagonista está claro o que traria a felicidade: o desejo carnal. Apesar de Clara assumir os seus desejos e resolver deixar o convento, ela procura se conter na busca de seu homem. Levando-nos a entender que mesmo não estando confinada no convento essa mulher se conteve até o casamento. Casaram-se na igreja e no civil. Na igreja quem casou foi o padre que lhe dissera que era melhor casar do que arder. (LISPECTOR, 1998, p.73). Entendemos que a busca da felicidade por Clara se deu de maneira muito dolorosa, mas soube respeitar os ensinamentos recebidos no convento, por seus pais, seguindo os preceitos da felicidade que, segundo Aristóteles, equivale ao divino. Daí, observamos que a protagonista era uma pessoa, de certa forma, privilegiada, pois, além de servir a Jesus conseguiu realizar-se pessoalmente. Essa moça não é uma deusa, mas uma pessoa privilegiada, pois apesar de sofrer para encontrar o seu desejo foi feliz na sua procura, visto que, o seu amado era um sujeito carinhoso, atencioso e aparentemente abastardo. Sou rico, o botequim dá bastante dinheiro para nós nos casarmos. Queres? (LISPECTOR, 1998, p.73). A religiosidade de Clara está bastante nítida nesse conto, visto que, ao sair do convento, a madre continuou rezando e vivendo de modo simples, vestia-se

7 7 compostamente. Os vestidos de manga comprida, sem decote, abaixa do joelho. (LISPECTOR, 1998, p.72). Se Clara não fosse uma moça de personalidade poderia muito bem procurar, de imediato, ou sem pensar a busca da satisfação sexual de qualquer maneira, mas colocou-se como uma moça de respeito, uma vez que procurou atender aos preceitos religiosos. Acreditamos que as palavras do padre dirigidas a Clara estão norteadas pelas palavras de Paulo, escritas no livro de Coríntios. É melhor não casar. Mas é melhor do que arder. (LISPECTOR, 1998, p.72). Nesse fragmento, percebemos que, para o vigário, é preciso casar para se ter a felicidade (a satisfação sexual). Entendemos que só assim, o sujeito não estará pecando. Mesmo assim, presenciamos que Clara, mesmo atendendo aos conselhos dos mais experientes, vivia, mesmo inconscientemente, no pecado, pois chegou a não conseguir ver a imagem de Cristo nu. Não podia mais ver o corpo quase nu de Cristo. (LISPECTOR, 1998, p.71). A protagonista sofreu bastante até conseguir realizar-se, visto que via a princípio o desejo sexual como sendo algo que se devesse se envergonhar. Clara, assim como muitas pessoas no mundo repleto de preconceitos sofrem na constituição do si mesma, e de sua felicidade, pois não existe fórmula para a felicidade, esta depende de quem a procura. A busca da felicidade, para a personagem, está repleta de obstáculos, pois essa moça vivia em função de escolhas impostas, primeiramente por sua família e, posteriormente, pela religião. Por isso, vemos que a protagonista desse conto soube tomar decisões acertadas, visto que, ao

8 8 se deparar com uma outra realidade (o homem tão almejado), conteve-se e realizou o seu grande sonho, que era casar-se e deixar de arder. Ela voltou grávida, satisfeita, alegre. Tiveram quatro filhos, todos homens, todos cabeludos. ( LISPECTOR,1998, p.73). No nosso dia a dia, pessoas dizerem que são felizes, porque conseguem realizar-se pessoalmente e profissionalmente. Mas vale lembrar que não há receita para tal. Isso é presente nesse conto, pois para constituir-se em uma pessoa feliz, Clara passou por momentos variados de sofrimento. Essa moça ardia tanto de prazer sexual que acabava por ficar desnorteada, descentrada. Todas essas evidências vêm comprovar o poder da carne em relação ao espiritual. Nem a dedicação da protagonista aos preceitos da religião conseguiu fazer Clara deixar de arder. A superiora pediu-lhe que esperasse mais um ano. Respondeu que não podia, teria que ser já. (LISPECTOR, 1998, p.72). Ou seja, a sede de sexo era tanta que a personagem não conseguia mais suportar tanto desejo. O fogo e o calor do desejo que madre Clara sentia era exarcebado, pois fez várias tentativas para abrandá-lo, e não conseguiu, uma vez que foi vencida por ele. Mortificava o corpo. Passou a dormir na laje fria. E fustigava-se com silício. De nada adiantava. (LISPECTOR, 1998, p.71). Esse exemplo evidencia algumas das tentativas de Clara para superar aquela ardência sem tamanho. Vemos que a única saída de madre Clara foi sair do convento e se casar, e, enfim, saciar o seu desejo (o desejo carnal). Talvez, devido essa moça ter sido tão

9 9 religiosa, conheceu um belo homem, além de ter como nome Antônio. No dicionário eletrônico, o nome Antônio é de origem inglesa representa uma pessoa que está sempre pronto a se aventurar, é muito cheio de energia, além de possuir uma personalidade ativa e decidida. Gosta de uma vida de aventura. É considerado um líder por natureza, atrai as pessoas com seu entusiasmo. Hipoteticamente, todas essas características do cônjuge de Clara contribuíram para a aproximação de ambos, visto que essa moça apresentava ser uma pessoa sensata. Prova disso é que não se deixou levar por impulsos do sexo, mas teve a cautela de analisar a melhor saída para saciar o que tanto lhe ardia. Percebemos que Clara passou por momentos em que quase fraquejou, mas talvez tenha percebido que sexo é coisa boa, precisa ser feito com jeito, deve ser visto como algo parafraseando Foucault (1988), que serve de remédio para que se tenha vida longa, livrando-se assim, do aniquilamento do corpo/alma. É a partir do momento que o sujeito se sente feliz e satisfeito, distanciamos da morte. Foi o que percebemos em Clara, ela estava definhando-se, mas quando resolver buscar realizar-se iniciou o processo de constituição da sua identidade. A personagem não era uma madre, mas sim, uma mulher normal, que queria realizar-se, casar, ter filhos, ser dona de casa e, sobretudo, ser feliz. Por resolver procurar a sua felicidade lá fora: Pediu uma audiência com a superiora. A superiora repreendeu-a ferozmente. Mas Madre Clara foi firme; queria casar-se. A superiora pediu que esperasse mais um ano. Respondeu que não podia. Que tinha que ser já. Arrumou a bagagem e deu o fora. Foi morar num pensionato de moças. [...] A família não se conformava. Mas não podia deixá-la morrer de fome. (LISPECTOR,1998,p.72).

10 10 Clara, se não fosse uma moça precipitada, poderia morrer de dois tipos de fome a do sexo e a de falta de alimentação, pois os seus pais só resolveram continuar bancando sua filha sob pena da moça destruir-se por completo. Acreditamos que o dinheiro que seus pais mandavam não era muito, pois além de serem nordestinos, que, em sua grande maioria, são pessoas sofridas, o seu modo de vestir-se com simplicidade pode ser entendido por sua condição desfavorecida. Por outro lado, pode ser visto como costume adquirido no convento. Esse duplo entendimento é proporcionado pelo modo como o narrador desenvolve suas narrativa, visto que, o seu leitor precisa ser crítico, ativo, para poder decifrar o implícito, pois o que interessa na obra lariceana é o que se passa no interior das suas personagens. Daí a tão famosa introspecção psicológica usada na sua escritura. Enfim, a felicidade que Clara procurava estava no outro, no caso, o homem (sexo), levando-nos a entender que o ato sexual se reflete no corpo e na alma do sujeito, possibilitando o indivíduo transitar entre a essência e a aparência. Por isso, a protagonista conseguiu se transformar de uma pessoa infeliz para uma moça realizada, feliz.a personagem tal como propõe Lowen (1983, apud C AVALCANTI, 1992, p. 86), acreditou que o verdadeiro relacionamento requer a ultrapassagem das projeções e idealizações. Dizemos isso, devido a personagem ter buscado se livrar das amarras dos ditames do patriarcalismo.

11 3. CONSIDERAÇÕES FINAIS Anais Eletrônicos do IV Seminário Nacional Literatura e Cultura 11 O conto Melhor do que Arder traz, no próprio título, a essência da narrativa, pois a protagonista, desde o inicio da história, apresenta insatisfação e vontade de ser feliz, uma vez que, por muito tempo, só ardia. O que se observa, na verdade, são características de pessoas que são atreladas aos preceitos do sistema patriarcal, desenvolvendo laços familiares que revelam a desarmonia familiar e, sobretudo, da vida pessoal de algumas pessoas, como é o caso de Clara. Sugestivamente, as inovações trazidas por Lispector são epifânia, o fluxo de consciência, a introspecção psicológica, que, neste conto, são formas que a narradora encontrou para desvendar o universo mental da personagem, linearmente. É por meio do silêncio de Clara, bem como de suas tentativas de busca da felicidade através do outro que compreendemos a dificuldade da protagonista de se livrar das amarras da imposição da família e da igreja. Todos os mandos, ou melhor, ordens que os superiores davam a protagonista, a dificuldade que tem o sujeito moderno de construir sua identidade, uma vez que as pessoas mais velhas, neste conto, estão ainda enrraigadas pela sociedade patriarcal, revelando um imergir no próprio eu. Logo, podemos dizer que uma das principais questões destacadas por Clarice, no dilema apresentado por suas personagens femininas, é a resposta do Quem sou eu? É na resposta a esta pergunta que descobrimos a identidade feminina nas suas narrativas.

12 12 Dessa forma, compreendemos que a busca da felicidade da protagonista de Melhor do que Arder, se dá durante toda a narrativa, através dos discursos de Clara e demais personagens, e, sobretudo, da relação entre o eu e o outro. Assim sendo, percebemos que esta narrativa é construída com base no real, revelando uma ruptura do externo para o interno, possibilitando conhecermos a revelação da aparente vida de uma madre. Pois mesmo sendo considerada uma devota a Deus não se deixou levar pelos os impulsos do sexo, primeiro casou-se para provar do sabor da carne e ser feliz. Forma passar a ardente lua de mel em Lisboa. [...] E voltou grávida, satisfeita, alegre. (LISPECTOR, 1998, p.73). Portanto, o jogo da construção da felicidade, neste conto, se dá durante toda a narrativa, por meio dos recursos utilizados pela narradora, e as inovações de Lispector. 4. REFERENCIAS BIBLIOGRÁFICAS BAUMAN, Z. Identidade: Entrevista a Benedetto Vecchi / Zigmunt Bauman; tradução, Carlos Alberto Medeiros Rio de Janeiro: Jorge Zahar. Ed, CAVALCANTI, R. O mito de narciso: o herói da consciência. São Paulo: Cultrix, FACAULT, M. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Gaal HALL, S. A. Identidade Cultural na Pós-modernidade. 11 ed. Rio de Janeiro. D P &, LISPECTOR, C. A Via Crucis do Corpo. Rio de Janeiro: Rocco McMAHON, D. M. Felicidade: Uma história. Trad. Fernanda Ravaganani, Maria Silvia Mourão Netto.. São Paulo: Globo, 2006.

13 13 SÁ, O. de. A Marcha da Pantera: Clarice Lispector.Disponível em: Fatea.br/ângulo/ângulo-89/ângulo-/angulo89-artigos09.htm,1989.Acessado em:12/04/2012. XAVIER, E. Tudo no Feminino: a mulher e a narrativa brasileira contemporânea. Rio de Janeiro, Francisco Alves, Declínio do Patriarcado: a família no imaginário feminino. Rio de Janeiro: Rosa dos tempos, 1998.

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES

OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES OS DOZE TRABALHOS DE HÉRCULES Introdução ao tema A importância da mitologia grega para a civilização ocidental é tão grande que, mesmo depois de séculos, ela continua presente no nosso imaginário. Muitas

Leia mais

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot

f r a n c i s c o d e Viver com atenção c a m i n h o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot Viver com atenção O c a m i n h o d e f r a n c i s c o Herança espiritual da Congregação das Irmãs Franciscanas de Oirschot 2 Viver com atenção Conteúdo 1 O caminho de Francisco 9 2 O estabelecimento

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA

no. 49 O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA O NU FEMININO COMO IDEAL DE BELEZA por rose klabin Escrevo-te toda inteira e sinto um sabor em ser e o sabor-ati é abstrato como o instante. É também com o corpo todo que pinto os meus quadros e na tela

Leia mais

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA

HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA HOMOAFETIVIDADE FEMININA NO BRASIL: REFLEXÕES INTERDISCIPLINARES ENTRE O DIREITO E A LITERATURA Juliana Fabbron Marin Marin 1 Ana Maria Dietrich 2 Resumo: As transformações no cenário social que ocorreram

Leia mais

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições

Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições Como conseguir um Marido Cristão Em doze lições O. T. Brito Pág. 2 Dedicado a: Minha filha única Luciana, Meus três filhos Ricardo, Fernando, Gabriel e minha esposa Lúcia. Pág. 3 Índice 1 é o casamento

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

Realidade vs Virtualidade

Realidade vs Virtualidade Realidade vs Virtualidade Vivendo entre quem Somos e quem queremos Ser Necessidade de sermos felizes Necessidade de sermos aceitos Necessidades de Sermos A CONSTRUÇÃO DA NOSSA IDENTIDADE Vivendo entre

Leia mais

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento.

1. Você escolhe a pessoa errada porque você espera que ela mude após o casamento. 10 Maneiras de se Casar com a Pessoa Errada O amor cego não é uma forma de escolher um parceiro. Veja algumas ferramentas práticas para manter os seus olhos bem abertos. por Rabino Dov Heller, Mestre em

Leia mais

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO

2015 O ANO DE COLHER ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO ABRIL - 1 A RUA E O CAMINHO Texto: Apocalipse 22:1-2 Então o anjo me mostrou o rio da água da vida que, claro como cristal, fluía do trono de Deus e do Cordeiro, no meio da RUA principal da cidade. De

Leia mais

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido

1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido 1. O feminino e a publicidade: em busca de sentido No estudo da Comunicação, a publicidade deve figurar como um dos campos de maior interesse para pesquisadores e críticos das Ciências Sociais e Humanas.

Leia mais

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens

Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos. Quem sou eu? Dinâmica de Apresentação para Grupo de Jovens Disponível no site Esoterikha.com: http://bit.ly/dinamicas-para-jovens Dinâmicas para Jovens - Brincadeiras para Jovens Atividades para grupos As dinâmicas de grupo já fazem parte do cotidiano empresarial,

Leia mais

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS?

Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? Preces POR QUE NOSSAS PRECES NÃO SÃO ATENDIDAS? A grande maioria das pessoas só recorrem à oração quando estão com problemas de ordem material ou por motivo de doença. E sempre aguardando passivamente

Leia mais

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra!

Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à obra! ROTEIRO DE ESTUDOS DE LITERATURA PARA A 3ª ETAPA 2ª SÉRIE Finalmente, chegamos ao último Roteiro de Estudos do Segundo ano! Você já sabe como proceder! Organize seu material, revise o conteúdo e mãos à

Leia mais

O sexo e o casamento. Por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher, e os dois serão uma só carne Gen.2:24 e Efes.

O sexo e o casamento. Por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher, e os dois serão uma só carne Gen.2:24 e Efes. Por isso o homem deixará pai e mãe e se unirá a sua mulher, e os dois serão uma só carne Gen.2:24 e Efes.5:31 Se o sexo é tão bom por que Deus limita a atividade sexual exclusivamente ao Casamento? 1.

Leia mais

Desdobramentos: A mulher para além da mãe

Desdobramentos: A mulher para além da mãe Desdobramentos: A mulher para além da mãe Uma mulher que ama como mulher só pode se tornar mais profundamente mulher. Nietzsche Daniela Goulart Pestana Afirmar verdadeiramente eu sou homem ou eu sou mulher,

Leia mais

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com

HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com HERÓIS SEM ROSTOS - A Saga do Imigrante para os EUA Autor: Dirma Fontanezzi - dirma28@hotmail.com TRECHO: A VOLTA POR CIMA Após me formar aos vinte e seis anos de idade em engenharia civil, e já com uma

Leia mais

Como utilizar este caderno

Como utilizar este caderno INTRODUÇÃO O objetivo deste livreto é de ajudar os grupos da Pastoral de Jovens do Meio Popular da cidade e do campo a definir a sua identidade. A consciência de classe, ou seja, a consciência de "quem

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO

A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO A IMPORTÂNCIA DO LÚDICO NA APRENDIZAGEM DOS ALUNOS NOS ANOS INICIAIS RESUMO Marcelo Moura 1 Líbia Serpa Aquino 2 Este artigo tem por objetivo abordar a importância das atividades lúdicas como verdadeiras

Leia mais

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa

Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa Olhando as peças Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 2: A família de Deus cresce José perdoa História Bíblica: Gênesis 41-47:12 A história de José continua com ele saindo da prisão

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO

O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO O ERRO COMO ELEMENTO PARTICIPATIVO DO PROCESSO DO APRENDER: UM RECORTE DE ESTÁGIO BÁSICO Autora: Maria Carolina Santana de Castro*, *Acadêmica do Curso Bacharelado em Psicologia da Faculdade Santa Maria

Leia mais

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE

CINEMA E PÓS-MODERNIDADE CINEMA E PÓS-MODERNIDADE Clarissa Souza Palomequé Urbano 2010 www.lusosofia.net Covilhã, 2009 FICHA TÉCNICA Título: Cinema e Pós-modernidade: Brilho eterno de uma mente sem lembranças e os relacionamentos

Leia mais

Características de um casamento duradouro

Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Características de um casamento duradouro Introdução: Ainda é possível ver um casal já bem idoso de mãos dadas, e que mesmo depois de tantos anos ainda se olham

Leia mais

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final

Módulo Estratégia RPG: Trabalho Final Pontifícia Universidade Católica Departamento de Artes & Design Curso de Especialização O Lugar do Design na Leitura Nome: Giselle Rodrigues Leal Matrícula: 072.997.007 Data: 19/05/08 Módulo Estratégia

Leia mais

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein

Introdução. De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein Introdução De que adianta estudar filosofia se não para melhorar o seu pensamento sobre as questões importantes do dia a dia? Ludwig Wittgenstein O que a filosofia tem a ver com o dia a dia? Tudo! Na verdade,

Leia mais

O discurso de mídia em relação a mulher 1

O discurso de mídia em relação a mulher 1 O discurso de mídia em relação a mulher 1 GLÁUCIA PEREIRA DE SOUZA UNIVERSIDADE CATOLICA DE BRASILIA O objetivo desta comunicação é fazer uma primeira discussão sobre o discurso da mídia em relação à mulher,

Leia mais

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV).

*Doutora em Lingüística (UNICAMP), Professora da Universidade Federal de Viçosa (UFV). PRÁTICAS DE LEITURA EM SALA DE AULA: O USO DE FILMES E DEMAIS PRODUÇÕES CINEMATOGRÁFICAS EM AULAS DE LÍNGUA - PORTUGUESA 52 - Adriana da Silva* adria.silva@ufv.br Alex Caldas Simões** axbr1@yahoo.com.br

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil

Documento do MEJ Internacional. O coração do Movimento Eucarístico Juvenil Documento do MEJ Internacional Para que a minha alegria esteja em vós Por ocasião dos 100 anos do MEJ O coração do Movimento Eucarístico Juvenil A O coração do MEJ é a amizade com Jesus (Evangelho) B O

Leia mais

Transcriça o da Entrevista

Transcriça o da Entrevista Transcriça o da Entrevista Entrevistadora: Valéria de Assumpção Silva Entrevistada: Ex praticante Clarice Local: Núcleo de Arte Grécia Data: 08.10.2013 Horário: 14h Duração da entrevista: 1h COR PRETA

Leia mais

Desafio para a família

Desafio para a família Desafio para a família Família é ideia de Deus, geradora de personalidade, melhor lugar para a formação do caráter, da ética, da moral e da espiritualidade. O sonho de Deus para a família é que seja um

Leia mais

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/)

ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) ADOLESCÊNCIA NORMAL Tamara Santos de Souza (fonte: http://psicologiaereflexao.wordpress.com/) Arminda Aberastury foi pioneira no estudo da psicanálise de crianças e adolescentes na América Latina. A autora

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil.

Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. Rousseau e educação: fundamentos educacionais infantil. 1 Autora :Rosângela Azevedo- PIBID, UEPB. E-mail: rosangelauepb@gmail.com ²Orientador: Dr. Valmir pereira. UEPB E-mail: provalmir@mail.com Desde

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus

Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Mortificando a carne, Para refletir a gloria de Deus Romanos 8:13 Pois se vocês viverem de acordo com a carne, morrerão; mas, se pelo Espírito fizerem morrer os atos do corpo, viverão, Introdução: Cremos

Leia mais

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA HOMOFOBIA RELIGIOSA: DESAFIOS PARA UMA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Viviane Kate Pereira Ramos (Universidade Federal de Campina Grande) viviankate@gmail.com Dayanne Azevedo da Silva (Universidade Federal de Campina

Leia mais

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO

MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO MAL-ESTAR NA CIVILIZAÇÃO E O CONSUMISMO 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO Freud explica em seus textos

Leia mais

A tecnologia e a ética

A tecnologia e a ética Escola Secundária de Oliveira do Douro A tecnologia e a ética Eutanásia João Manuel Monteiro dos Santos Nº11 11ºC Trabalho para a disciplina de Filosofia Oliveira do Douro, 14 de Maio de 2007 Sumário B

Leia mais

Relatório de rpg. RPG capitães de areia 15/05/2008. Maria Tereza P. Bethlem

Relatório de rpg. RPG capitães de areia 15/05/2008. Maria Tereza P. Bethlem Relatório de rpg RPG capitães de areia 15/05/2008 Maria Tereza P. Bethlem Relatório. Personagem: Fátima RPG: capitães de areia. Questões: CONCEITO : 1. O que é a minha personagem? Malandra de rua e pratica

Leia mais

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS

RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS RELENDO A HISTÓRIA AO LER HISTÓRIAS BRASÍLIA ECHARDT VIEIRA (CENTRO DE ATIVIDADES COMUNITÁRIAS DE SÃO JOÃO DE MERITI - CAC). Resumo Na Baixada Fluminense, uma professora que não está atuando no magistério,

Leia mais

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral

COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral COLÉGIO INTERNATO DOS CARVALHOS Equipa de Animação Pastoral Advento 2014 (Campanha de Preparação para o Natal) A ALEGRIA E A BELEZA DE VIVER EM FAMÍLIA. O tempo do Advento, que devido ao calendário escolar

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA

A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA A CONTRIBUIÇÃO DOS CONTOS DE FADAS NA FORMAÇÃO HUMANA Maria Elizabete Nascimento de Oliveira 1 PPGE /IE UFMT m.elizabte@gmail.com RESUMO A pesquisa em foco refere-se à relevância dos contos de fadas na

Leia mais

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE

A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Aline Trindade A LIBERDADE COMO POSSÍVEL CAMINHO PARA A FELICIDADE Introdução Existem várias maneiras e formas de se dizer sobre a felicidade. De quando você nasce até cerca dos dois anos de idade, essa

Leia mais

Empreendedorismo na prática

Empreendedorismo na prática Empreendedorismo na prática Autor: José Carlos Assis Dornelas Aluno: Douglas Gonzaga; Diana Lorenzoni; Paul Vogt; Rubens Andreoli; Silvia Ribeiro. Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio

Leia mais

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA

UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA UMA POÉTICA DOS ESPELHOS: UM ESTUDO COMPARATIVO ENTRE OS CONTOS O ESPELHO, DE MACHADO DE ASSIS E GUIMARÃES ROSA Glenda Duarte 1 glenda_idilios@hotmail.com O principal objetivo deste ensaio é a realização

Leia mais

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS

AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 8 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: Texto para as questões de 1 a 7. AS TRÊS EXPERIÊNCIAS Há três coisas para

Leia mais

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE

O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE José Carlos Pezini Luis Alexandre Ribeiro Branco O CAMINHO PARA A ESPIRITUALIDADE Uma Espiritualidade Cristocêntrica 1 Revisão: Bruna Perrella Brito 2 Prefácio Introdução 1 Índice O Que é Espiritualidade

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. Tema 2012: Flora Brasileira Araucária HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR Marcha Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe me disse Que é

Leia mais

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES

CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES CONSTRUÇÃO DO EU LÍRICO E O RETRATO NA POETICA CECÍLIA MEIRELES Silvia Eula Muñoz¹ RESUMO Neste artigo pretendo compartilhar os diversos estudos e pesquisas que realizei com orientação do Prof. Me. Erion

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO.

ESCOLA ESTADUAL AUGUSTO AIRES DA MATA MACHADO. MATÉRIA: LÍNGUA PORTUGUESA. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ASSUNTO: PRODUÇÃO DE TEXTO. PROF.: MARCÉLIA ALVES RANULFO ALUNO: Victor Maykon Oliveira Silva TURMA: 6º ANO A ÁGUA A água é muito importante para nossa vida. Não devemos desperdiçar. Se você soubesse como ela é boa! Mata a sede de

Leia mais

estão em evidência hoje?

estão em evidência hoje? estão em evidência hoje? delas. Muito antes de entender quem eram e como pensavam as mulheres, percebemos que era fundamental identificar as diferenças comportamentais entre homens e mulheres. Afinal,

Leia mais

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA

COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA COMPRE AQUI E MORE BEM : A LINGUAGEM PUBLICITÁRIA E OS DISCURSOS DA PROPAGANDA IMOBILIÁRIA Maria Eliane Gomes Morais (PPGFP-UEPB) Linduarte Pereira Rodrigues (DLA/PPGFP-UEPB) Resumo: Os textos publicitários

Leia mais

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12

SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 SALVAÇÃO não basta conhecer o endereço Atos 4:12 A SALVAÇÃO É A PRÓPRIA PESSOA DE JESUS CRISTO! VOCÊ SABE QUAL É O ENDEREÇO DE JESUS! MAS ISSO É SUFICIENTE? Conhecer o endereço de Jesus, não lhe garantirá

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION

PCC PROFESSIONAL COACH CERTIFICATION 1. Valores individuais 1. Dignidade 2. Respeito por si próprio 3. Respeito pela natureza e pelo meio ambiente 4. Respeito pelo próximo 5. Igualdade 6. Liberdade 7. Amor 8. Conexão com o próximo ou interdependência

Leia mais

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS

A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS A Santa Sé ENCONTRO COM OS JOVENS DE ROMA E DO LÁCIO EM PREPARAÇÃO À JORNADA MUNDIAL DA JUVENTUDE DIÁLOGO DO PAPA BENTO XVI COM OS JOVENS Quinta-feira, 25 de Março de 2010 (Vídeo) P. Santo Padre, o jovem

Leia mais

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207

OLHAR GLOBAL. Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas. A poeira do. renascimento. Fotografe Melhor n o 207 OLHAR GLOBAL Inspirado no mito da Fênix, Olivier Valsecchi cria imagens com cinzas A poeira do renascimento 36 Fotografe Melhor n o 207 Olivier convida pessoas que encontra na rua ou na internet para posarem

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Rafael Marques. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Rafael Marques Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Minha idéia inicial de coaching era a de uma pessoa que me ajudaria a me organizar e me trazer idéias novas,

Leia mais

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO

ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO ROTEIRO: O LUGAR ONDE EU VIVO Ideia: Produção realizada a partir de um fato marcante e em algumas situações ocorre a mesclagem entre narrações e demonstrações de cenas. Personagens: A filha da doméstica

Leia mais

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE

VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE VIVER ALÉM DA RELIGIOSIDADE É Preciso saber Viver Interpretando A vida na perspectiva da Espiritualidade Cristã Quem espera que a vida seja feita de ilusão Pode até ficar maluco ou morrer na solidão É

Leia mais

Gtp+ PROGRAMAS E PROJETOS Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo (GTP+) Fundação em 2000, Recife-PE O Grupo de Trabalhos em Prevenção Posithivo é a única ONG da Região Nordeste do Brasil coordenada

Leia mais

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR

HINÁRIO O APURO. Francisco Grangeiro Filho. www.hinarios.org 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR HINÁRIO O APURO Tema 2012: Flora Brasileira Araucária Francisco Grangeiro Filho 1 www.hinarios.org 2 01 PRECISA SE TRABALHAR 02 JESUS CRISTO REDENTOR Precisa se trabalhar Para todos aprender A virgem mãe

Leia mais

Anna Catharinna 1 Ao contrário da palavra romântico, o termo realista vai nos lembrar alguém de espírito prático, voltado para a realidade, bem distante da fantasia da vida. Anna Catharinna 2 A arte parece

Leia mais

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970

CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Departamento de Comunicação Social CULTURA JOVEM E NARRATIVA PUBLICITÁRIA: UM ESTUDO SOBRE ANÚNCIOS DE CIGARRO DAS DÉCADAS DE 1960/1970 Aluno: Juliana Cintra Orientador: Everardo Rocha Introdução A publicidade

Leia mais

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia

Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia Judith Sonja Garbers, Psicóloga Jörg Garbers, Mestre de Teologia C.G.Jung: Espiritualidade Conforme Jung o ser humano desenvolve primeiro uma identidade pessoal, descobre quem é, o que gosta, qual é seu

Leia mais

Recomendação Inicial

Recomendação Inicial Recomendação Inicial Este estudo tem a ver com a primeira família da Terra, e que lições nós podemos tirar disto. Todos nós temos uma relação familiar, e todos pertencemos a uma família. E isto é o ponto

Leia mais

Sobre a intimidade na clínica contemporânea

Sobre a intimidade na clínica contemporânea Sobre a intimidade na clínica contemporânea Flávia R. B. M. Bertão * Francisco Hashimoto** Faculdade de Ciências e Letras de Assis, UNESP. Doutorado Psicologia frbmbertao@ibest.com.br Resumo: Buscou-se

Leia mais

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro

Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Informativo G3 Abril 2011 O início do brincar no teatro Professora Elisa Brincar, explorar, conhecer o corpo e ouvir histórias de montão são as palavras que traduzem o trabalho feito com o G3. Nesse semestre,

Leia mais

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 0 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 O PAPEL DA CONTAÇÃO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Renato da Guia Oliveira 2 FICHA CATALOGRÁFICA OLIVEIRA. Renato da Guia. O Papel da Contação

Leia mais

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36

FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 FILOSOFIA DE VIDA Atos 13.36 Tendo, pois, Davi servido ao propósito de Deus em sua geração, adormeceu, foi sepultado com os seus antepassados e seu corpo se decompôs. Não são todos que têm o privilégio

Leia mais

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente

Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Unidade I Direito, cidadania e movimentos sociais Unidade II Consumo e meio ambiente Aula Expositiva pelo IP.TV Dinâmica Local Interativa Interatividade via IP.TV e Chat público e privado Email e rede

Leia mais

A origem dos filósofos e suas filosofias

A origem dos filósofos e suas filosofias A Grécia e o nascimento da filosofia A origem dos filósofos e suas filosofias Você certamente já ouviu falar de algo chamado Filosofia. Talvez conheça alguém com fama de filósofo, ou quem sabe a expressão

Leia mais

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus

5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus 5. Autoconsciência e conhecimento humano de Jesus Através do estudo dos evangelhos é possível captar elementos importantes da psicologia de Jesus. É possível conjeturar como Jesus se autocompreendia. Especialmente

Leia mais

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves

Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão. Jorge Esteves Catequese nº 13 (4º Catecismo) Jesus presente no irmão Jorge Esteves Objectivos 1. Reconhecer que Jesus se identifica com os irmãos, sobretudo com os mais necessitados (interpretação e embora menos no

Leia mais

Histórico do livro Menino brinca de boneca?

Histórico do livro Menino brinca de boneca? Histórico do livro Menino brinca de boneca? Menino brinca de boneca? foi lançado em 1990, com grande aceitação de público e crítica, e vem sendo referência de trabalho para profissionais, universidades,

Leia mais

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros.

O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. O Antigo Testamento tem como seus primeiros livros a TORÀ, ou Livro das leis. É um conjunto de 5 livros. A Torá é o texto mais importante para o Judaísmo. Nele se encontram os Mandamentos, dados diretamente

Leia mais

VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO

VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO VIOLÊNCIA DE GÊNERO: A NECESSIDADE DO SEU RECONHECIMENTO Jézica Neres Fonseca Buniotti; Suellen Regina Vedovato. Maria Inez Barboza Marques (orientadora) marques@sercomtel.com.br (UNESPAR/Campus Paranavaí/PR)

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura

SEXO. espiritualidade, instinto e cultura SEXO espiritualidade, instinto e cultura AGEU HERINGER LISBOA SEXO espiritualidade, instinto e cultura Copyright 2001 by Ageu Heringer Lisboa Projeto Gráfico: Editora Ultimato 2ª edição Maio de 2006 Revisão:

Leia mais

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book)

Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) 251 Que Narciso é esse? (Henrique Figueiredo Carneiro henrique@unifor.br) Edição do Autor, 2007, 14 p. (DVD-book) Autor da resenha Thiago Costa Matos Carneiro da Cunha Psicanalista. Graduado em Psicologia

Leia mais

Lingerie para exercícios físicos

Lingerie para exercícios físicos Lingerie para exercícios físicos Em época de guerra declarada ao sedentarismo a preocupação com a alimentação saudável e a beleza física tem tomado conta das academias e parques. Se exercitar é preciso

Leia mais

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista

para um estúdio terceirizado (Variety Artworks), responsável por todo o trabalho de arte. É por isso que os títulos não trazem créditos de roteirista Clássicos adaptados em mangá Alexandre Boide* Com seus mais de cem títulos publicados, a coleção Manga de Dokuha (algo como Aprendendo em mangá ) é uma espécie de ponto fora da curva entre as coleções

Leia mais

6. Considerações finais

6. Considerações finais 84 6. Considerações finais Nesta dissertação, encontram-se registros de mudanças sociais que influenciaram as vidas de homens e mulheres a partir da chegada das novas tecnologias. Partiu-se da Revolução

Leia mais

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag

Autor: Rabbi Yehuda Ashlag Autor: Rabbi Yehuda Ashlag A Kabbalah ensina a correlação entre causa e efeito de nossas fontes espirituais. Estas fontes se interligam de acordo com regras perenes e absolutas objetivando gols maiores

Leia mais

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego.

A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser cego. Mensagem: O HOMEM QUE ABRIU OS OLHOS PARA DEUS Pastor: José Júnior Dia: 22/09/2012 sábado AMAZON JOVENS Texto-base: Lucas 18:35-43 A Bíblia nessa passagem a história de um homem que queria deixar de ser

Leia mais

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade

Trabalhando a convivência a partir da transversalidade PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Trabalhando a convivência a partir da transversalidade Cristina Satiê de Oliveira Pátaro 1 Ricardo Fernandes Pátaro 2 Já há alguns

Leia mais

THALES GUARACY. Liberdade para todos. Leitor iniciante. Leitor em processo. Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: AVELINO GUEDES

THALES GUARACY. Liberdade para todos. Leitor iniciante. Leitor em processo. Leitor fluente ILUSTRAÇÕES: AVELINO GUEDES Leitor iniciante Leitor em processo Leitor fluente THALES GUARACY Liberdade para todos ILUSTRAÇÕES: AVELINO GUEDES PROJETO DE LEITURA Maria José Nóbrega Rosane Pamplona Liberdade para todos THALES GUARACY

Leia mais

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível

Carnaval 2014. A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Carnaval 2014 A Sociedade Rosas de Ouro orgulhosamente apresenta o enredo: Inesquecível Nesta noite vamos fazer uma viagem! Vamos voltar a um tempo que nos fez e ainda nos faz feliz, porque afinal como

Leia mais