BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE. Relatório Anual 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE. Relatório Anual 2011"

Transcrição

1 1 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE Relatório Anual 2011

2 Relatório Anual 2011 Banque Privée Edmond de Rothschild Europe Sociedade Anónima 20, boulevard Emmanuel Servais L2535 Luxemburgo Caixa Postal B.P. 474 L2014 Luxemburgo Tel. : (+352) Fax : (+352) Swift PRIBLULL R.C. LUX B TVA LU

3

4 Índice 6 Banque Privée Edmond de Rothschild Europe 28 Demonstração financeira Mensagem do Presidente 12 Órgãos sociais Relatório dos Revisores Oficiais de Contas Balanço financeiro a 31 de Dezembro de Relatório de gestão Ambiente económico e bolsista em Extrapatrimonial a 31 de Dezembro de 2011 Conta de Lucros e Perdas para o exercício encerrado a 31 de Dezembro de A nossa evolução Comentários sobre as Contas Anuais Objectivos e estratégias em matéria de gestão de riscos Acontecimentos posteriores ao encerramento do exercício Anexo às contas anuais Anexo às contas anuais a 31 de Dezembro de Perspectivas 26 Aprovação das contas anuais e proposta de repartição do saldo disponível 62 Contactos 26 Nomeações estatutárias 26 Direcção e pessoal ÍNDICE 3

5 Uma filantropia assente no intercâmbio eis a nossa ambição. Uma filantropia que se ensina, se constrói e se transforma num desafio comum. Todos nós temos um papel a desempenhar na construção de um futuro para os nossos filhos. Graças às nossas raízes familiares, temos o enorme privilégio de ter herdado uma tradição filantrópica única que assenta na solidariedade, na responsabilidade social e na promoção do conhecimento. Ao favorecer a aparecimento de novos talentos, ao imaginar soluções inéditas para os desafios de hoje, as Fundações Edmond de Rothschild trabalham, dia após dia, para inovar e construir projectos duradouros no domínio da educação que abordam diversas áreas: Artes e Cultura, Empreendedorismo Social, Diálogo Intercultural, Saúde e Investigação. Devido à sua localização geográfica e aos seus projectos, as Fundações constituem uma rede dinâmica e multicultural: Genebra, Paris, Nova Iorque, Londres, Jerusalém, Barcelona, Bombaim, Cidade do Cabo, etc. Todas elas empenhadas em identificar iniciativas locais, acompanhar de perto a sua gestão e partilhar essa experiência a nível internacional. Através da aplicação de uma metodologia empresarial ao universo filantrópico, procuramos contribuir para a profissionalização do sector social. Valor para nós essencial, procuramos também fomentar o reconhecimento do pluralismo intrínseco a cada sociedade e o respeito pela multiplicidade de identidades dos seus cidadãos. Uma filantropia assente no intercâmbio eis a nossa ambição. Uma filantropia que se ensina, se constrói e se transforma num desafio comum, inspirada na partilha das diferenças e numa confiança infinita no ser humano. Ariane e Benjamin de Rothschild

6

7 Exemplos de acções patrocinadas: L Odéon Théâtre de l Europe Théâtre de la Colline La Fabrique du Macadam Le Café Culturel Programa de intervenção artística em ambiente escolar em SaintOuen BelasArtes de Paris Ribermúsica École Boulle Learning Through Art Program Museu Guggenheim de Nova Iorque Prémio Ariane de Rothschild Les Grands Ateliers de France Pregny 2001 Dialogue Productions Éditions Artulis Colecção Edmond de Rothschild Museu do Louvre Cercle Cressent Museu do Louvre Banque Privée Edmond de Rothschild Europe Fundación Jakober Jordi Savall e Monserrat Figueras Orquestra de Paris Ateliers du Funambule 9 Mensagem 12 do Presidente Órgãos sociais 6 RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

8 Artes e Cultura Desde longa data que as Fundações Edmond de Rothschild dão prioridade à divulgação das artes e da cultura. As gerações anteriores contribuíram para erigir uma estrutura filantrópica excepcional e o nosso mecenato actual continua a dar provas desse empenho. A missão crucial das Fundações tem por base a educação e a mediação cultural. O nosso papel é abrir portas e suscitar partilhas, entre bairros privilegiados e zonas desfavorecidas, entre escolas de prestígio e associações de proximidade, entre a cena teatral de renome e talentos amadores, entre grandes museus e artistas emergentes. Eis algumas das opções que tornamos possíveis.

9 L Odéon Théâtre de l Europe Oficinas de sensibilização teatral que permitem a crianças, adolescentes e adultos encontrar o seu próprio caminho e a adquirir autoconfiança na realização de actividades que vão da escrita dramática à prática teatral e da leitura em voz alta à interacção com comediantes profissionais. 4 Fundação Ribermúsica No coração de um bairro tão popular e mestiço como o da Ribera, em Barcelona, esta fundação promove o Diálogo Intercultural e permite que crianças e adolescentes descubram a música através da prática instrumental. 2 Museu Guggenheim, Nova Iorque O Learning Through Art Program é um programa de descoberta artística para crianças de bairros desfavorecidos realizado em dez escolas públicas de Nova Iorque. O programa permitelhes apreender as matérias tradicionais com um outro olhar e reencontrar o gosto de aprender. 5 Jordi Savall e Montserrat Figueras A abordagem destes concertistas e pedagogos eruditos ressuscita obras de arte que permaneceram desconhecidas durante muito tempo: a sua obra, sensível e inteligente, é um convite permanente à descoberta e à partilha. 3 Prémio Ariane de Rothschild Ao patrocinar a formação do laureado no seio de uma prestigiada escola de BelasArtes, este concurso demonstra o empenho das Fundações na educação e promoção de jovens artistas europeus. 6 Beauxarts de Paris Tendo como corolário uma inserção profissional para alunos diplomados em BelasArtes, este programa educativo inédito transforma a intervenção artística em ambiente escolar num verdadeiro acto social.

10 Mensagem do Presidente do Conselho de Administração Dizse que os banqueiros são os responsáveis por tudo o que de mal sucede: pelo abrandamento económico dos países desenvolvidos (como se o desenvolvimento espectacular de novas potências, milionárias em número de habitantes, em excedentes comerciais e em activos soberanos, não tivesse subvertido, em trinta anos, a divisão internacional do trabalho dos dois séculos anteriores); pela pobreza que se alastra pelos países ricos (como se os trabalhadores dos países emergentes não tivessem estabelecido uma Internacional socialista invertida, em que os proletários de todos os países, em vez de se unirem, se defrontam); pela falência dos Estados (como se as cigarras ocidentais não se tivessem afundado no deficit do seu Estado Providência); pela ganância dos mercados financeiros que exigem aos devedores o regresso à disciplina (como se o dinheiro emprestado pelos bancos não pertencesse a aforradores cujos interesses é necessário defender a qualquer preço), pela implosão de produtos sofisticados e considerados especulativos (como se fosse possível transformar poupança líquida e sem riscos em financiamentos a longo prazo e de risco sem nos armarmos em alquimistas e como se as crescentes exigências dos reguladores não obrigassem os intermediários a ser criativos para que as empresas e os particulares conseguissem financiar os seus projectos. É evidente que não se pode afirmar que o sistema bancário mundial, sobretudo o americano, não se desviou da sua rota. Mas o caso do subprime terá sido o resultado de uma cumplicidade colectiva entre todos os protagonistas públicos e privados nos Estados Unidos. Será injusto e perigoso, no futuro, acusar os bancos face à dolorosa desagregação do confortável equilíbrio mundial dos últimos vinte e cinco anos, em que alguns trabalhavam e poupavam enquanto outros consumiam e pediam emprestado. Será aliás caricato colocar todos os bancos ao mesmo nível. Muitos dos grandes bancos foram abalados no decurso desta grave crise. Resumidamente, os seus gestores foram muitas vezes afastados, os seus accionistas ficaram gravemente depauperados, mas os seus depositantes não foram minimamente afectados, graças aos sistemas colectivos de protecção implementados pelos bancos centrais e pelos Estados. Pelo contrário, o perfil de grupos como o nosso permitiu uma capacidade de resistência à crise relativamente boa, tanto para os accionistas como para os clientes, apesar de os desempenhos terem sido afectados. Em que é que a nossa Casa é diferente? Por um lado, temos uma dimensão humana sendo que a nossa especialidade reside na área da gestão, o que, por sua vez, permite um MENSAGEM DO PRESIDENTE 9

11 melhor controlo comparativamente à diversificação dos grandes grupos. A especialização na actividade de gestão por conta de terceiros previne, os conflitos de interesses, tão frequentes em muitos grupos, entre os lucros pretendidos pela banca comercial ou por conta própria e os desempenhos das contas de terceiros. Por outro lado, a nossa actividade de banco comercial está intimamente ligada ao nosso modelo de gestão de fortunas. Além disso vemos a robustez dos balancetes como um dogma: num mundo em que os perigos se escondem em todo o lado, não podemos ter ilusões de estar precavidos contra todos os efeitos secundários dos abalos externos, sendo que recusamos à partida actividades por conta própria e comportamentos de risco. Por fim e mais importante, empenhamos na nossa actividade não apenas os nossos capitais mas também o nome da nossa família, respeitado na banca há mais de 250 anos, o que confere ao nosso Grupo uma preocupação com a longo prazo, que inspira a nossa estratégia, a fidelização das nossas equipas e as nossas relações com os nossos clientes. Creio ainda que a estabilidade das equipas promove o respeito pelo cliente. O stop and go, aplicado aos colaboradores de determinados bancos de grande dimensão permite a prática de golpes, lucrativos para os empregados e sedutores para os clientes, que já não encontram o mesmo interlocutor na altura em que sofrem as respectivas consequências. Por conseguinte, o nosso Grupo antecipou em mais de dez anos a aplicação das fórmulas actualmente preconizadas pelas directivas europeias de incentivo à associação das equipas ao desempenho sustentável através da sua participação no capital. Por exemplo, foi já em 1999 que a nossa instituição francesa atribuiu stockoptions a todo o pessoal. Graças a esta estabilidade nas equipas, os nossos clientes enfrentaram as crises com os mesmos interlocutores que, juntos deram o seu melhor para sair da tempestade. Estou convencido de que a principal lição a retirar desta crise terrível é a de que o abuso de comportamentos a curto prazo encerra graves riscos, não só para qualquer empresa ou país mas também para o mundo inteiro. Uma vez que está na moda fazer com que os ricos paguem a crise, seria mais pertinente incentiválos a investir a longo prazo do que despojálos. Será que existe melhor meio para promover tais comportamentos saudáveis do que encorajar o capitalismo familiar? 10 RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

12 Esse capitalismo familiar só poude sobreviver através dos séculos aceitando alterarse em simultâneo com o mundo que o rodeia. É esse o tipo de mudança, prudente e progressiva, que decidi introduzir nos nossos bancos, com o precioso apoio activo de minha Mulher. Pareceume necessário que as várias instituições do nosso Grupo, que se desenvolveram, internacionalizaram e diversificaram de forma fantástica há quase quinze anos, prosseguissem nesse impulso de forma mais coordenada e sujeitandose ao reforço da governação empresarial pelos nossos accionistas. Estas alterações visam a excelência nos nossos serviços e uma segurança ainda maior nas nossas actividades. Nesta nova abordagem que reforça as estruturas do Grupo nada poderá por em causa os alicerces da qualidade das nossas casas e do vigor do capitalismo familiar: a capacidade de reacção, o espírito de iniciativa e a proximidade. De acordo com uma fórmula já famosa, temos de mudar para que nada mude. Benjamin de Rothschild MENSAGEM DO PRESIDENTE 11

13 Órgãos sociais Banque Privée Edmond de Rothschild Europe Conselho de Administração Presidente Barão Benjamin de Rothschild VicePresidente Baronesa Benjamin de Rothschild 2 Comissão Executiva do Conselho de Administração Comissão do Conselho Presidente Claude Messulam 1 Christophe de Backer 2 Administradores John Alexander 1 Luc Baatard Christophe de Backer 2 Didier Bottge Laurent Dassault Manuel Leuthold 2 Claude Messulam 1 Frédéric Otto Yves Repiquet E. Trevor Salathé Daniel Yves Trèves JoséLuis de Vasconcelos e Sousa Christian Varin Membros John Alexander 1 Luc Baatard Didier Bottge Manuel Leuthold 2 Frédéric Otto E. Trevor Salathé JoséLuis de Vasconcelos e Sousa Comissão de Auditoria Presidente Claude Messulam 1 Christophe de Backer 2 Membros John Alexander 1 Luc Baatard Didier Bottge Manuel Leuthold 2 Frédéric Otto E. Trevor Salathé JoséLuis de Vasconcelos e Sousa Comissão de Remunerações Presidente Claude Messulam 1 Christophe de Backer 2 Membros John Alexander 1 Frédéric Otto E. Trevor Salathé Auditor Interno Stéphanie Van Tieghem Auditores Independentes PricewaterhouseCoopers S.à.r.l. 1 até 24 de Abril desde 24 de Abril Directores aprovados junto das autoridades de supervisão 4 até 31 de Dezembro desde 1 de Janeiro desde 20 de Fevereiro RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

14 Comité Executivo 3 Presidente Frédéric Otto VicePresidentes Marc Ambroisien Marc Grabowski 5 JeanFrançois Lafond 4 Anne LevyPrévost 5 Geoffroy Linard Olivier Mortelmans 5 Rudy Paulet Claude Pech 6 Franck Sarrazin JeanMarc Thomas 5 PierreMarie Valenne Implantações no Estrangeiro Sucursais Bélgica / Bruxelas Directorgeral Marc Moles le Bailly Directorgeral Adjunto MarieClaire Keyzer Espanha / Madrid Directorgeral Antonio Salgado Baharona SecretárioGeral Luc Grégoire Directorgeral Adjunto Juan Verdaguer Itália / Milão Comité de Direcção Membros das Comissões de Direcção (não membros do Comité Executivo) Philippe Anstett Didier Bensadoun Serge Bruck Emile Cremmer Pascal Delle Raphael Delplanque David Diwan Aurélie Durand Pascal Gilles Geoffroy Glénisson Raymond Glodé Philippe Godard Luc Grégoire Eric Guerrier Dimitri Guillaume Eric Hyne Christoph Lanz Aurélie Lepagnez Robin Marc Denis de Montigny Sandrine Mury Franck Payrar Philippe Postal JeanMarc Robinet JeanCharles Schiltz Malika Sekkil Guy Verhoustraeten Philippe Wapler Directorgeral Roberto Colapinto Portugal / Lisboa Directorgeral JoséLuis de Vasconcelos e Sousa Directorgeral Adjunto Bruno de Carvalho Agências de representação Israel / Telavive Representante permanente Ariel Seidman Eslóvaquia / Bratislava Representante permanente Svetlana Dankovicova República Checa / Praga Representante permanente Svetlana Dankovicova ÓRGÃOS SOCIAIS 13

15 Exemplos de acções patrocinadas: Programa Scale Up RothschildAntropia (ESSEC) Ariane de Rothschild Fellowship Pavillon Plantamour La Libellule Fundação Peace Parks UnLtd India Fundo Acumen Joves Navegants As trame Association Môm artre Relatório de gestão 17 Ambiente económico e bolsista em Perspectivas Aprovação das contas anuais e A nossa evolução proposta de repartição do saldo disponível 23 Comentários sobre as Contas Anuais 26 Nomeações estatutárias Objectivos e estratégias em matéria de gestão de riscos 26 Acontecimentos posteriores ao encerramento do exercício Direcção e pessoal 14 RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

16 Empreendedorismo Social As tensões económicas e as carências sociais não param de crescer. As medidas estatais e a generosidade filantrópica não conseguem, por si só, fazerlhes face. Seja na Índia, nos Estados Unidos ou na França, as Fundações Edmond de Rothschild apoiam os empreendedores sociais, proporcionando, simultaneamente, acompanhamento nos planos financeiro, educacional e humano. O objectivo é fornecerlhes os instrumentos estratégicos e o rigor necessário que lhes permitirão aumentar o seu impacto e conferir sustentabilidade financeira à sua estrutura. Estamos especialmente interessados em iniciativas que, pela sua originalidade e pela sua tecnologia, associem uma utilização optimizada dos recursos naturais à melhoria das condições de vida das populações mais frágeis. Procurando interligar os nossos diferentes projectos, procuramos criar sinergias e desenvolver uma rede internacional de empreendedores sociais. Contribuímos, assim, para a profissionalização de um sector que se encontra actualmente em grande expansão à escala planetária.

17 Scale Up, em parceria com a ESSEC Proporcionando um acompanhamento estratégico e financeiro na mudança de escala económica e na obtenção de fundos, o Programa Scale Up permite consolidar e desenvolver empresas com forte impacto social. 4 Unltd India Ao concederem empréstimos avultados e oferecerem apoio humano, as Fundações Edmond de Rothschild permitem aos empreendedores sociais em fase de desenvolvimento a constituição de um historial de crédito, por forma a terem acesso aos mercados bancários clássicos a médio prazo. 2 Benjamin de Rothschild Ambassadors Program, em Israel É um programa de bolsas inovador que congrega uma comunidade de estudantes empenhados, quer em percursos académicos de excelência, quer em iniciativas de grande impacto social. 5 A Fundação As trame A Fundação suíça As trame oferece apoio psicossocial especializado e não medicado a qualquer pessoa afectada pela ruptura de laços familiares (luto, divórcio, doença). As Fundações Edmond de Rothschild proporcionam um acompanhamento da sua sustentabilidade financeira e da avaliação do seu impacto social. 3 Ariane de Rothschild Fellowship Ao criar uma rede de empreendedores sociais judaicos e muçulmanos, a Ariane de Rothschild Fellowship utiliza o Empreendedorismo Social como instrumento do Diálogo Intercultural. 6 Fundo Acumen Tratase de um fundo de investimento orientado para a promoção do benefício social, que investe em empreendedores sociais dos países em desenvolvimento (Quénia, Índia, Paquistão). Possui uma acentuada vertente formativa e representa uma oportunidade única para os participantes de integrar uma rede de empreendedores dotados da mesma vontade de mudar o mundo e de maximizar o seu impacto social.

18 Relatório de gestão do Conselho de Administração à assembleiageral de accionistas Ambiente económico e bolsista em 2011 O ano de 2011 tráznos sobretudo à memória, as alterações políticas nos países do Médio Oriente e da África do Norte, o sismo e a catástrofe nuclear no Japão e a intensificação da crise da dívida soberana na zona Euro, com um segundo plano de resgate à Grécia. Todos estes acontecimentos, a níveis diversos e em diferentes momentos do ano, influenciaram a economia real e os mercados financeiros. Após uma aceleração do crescimento económico mundial em 2010, este sofreu uma quebra nítida em 2011, continuando a apresentar ritmos de evolução muito diferentes entre os países e as regiões do mundo. Nos Estados Unidos, foi possível evitar o regresso à recessão, principalmente graças à política monetária flexível do Banco Central, a Reserva Federal (FED). Apesar da redução pela Standard & Poor s do rating soberano AAA dos Estados Unidos da América, no início de Agosto, que abalou a confiança dos investidores e alimentou os receios de abrandamento económico, e apesar de uma taxa de inflação a rondar os 4%, o FED não hesitou de facto em confirmar a sua política de juros zero e implementou novas medidas de política monetária não convencionais para restabelecer a confiança dos mercados. Lançou a operação twist (compra de obrigações do Estado a longo prazo através de financiamento por títulos do tesouro a prazos mais curtos), que permitiu abrandar a pressão sobre as taxas longas americanas e a retoma de confiança na economia, contribuindo simultaneamente para uma surpreendente melhoria no mercado de trabalho. O crescimento acabou por acelerar em fins de 2011, tornandose assim menos urgente um terceiro pacote de quantitative easing (expansão monetária). Na Europa, o crescimento foi diminuindo progressivamente e a zona Euro terminou o ano numa situação de quase estagnação. A intensificação da crise da dívida soberana, a austeridade orçamental e o agravamento das condições de acesso ao crédito afectaram profundamente o clima empresarial. A incerteza gradual quanto às perspectivas de crescimento económico e a rápida deterioração do mercado de trabalho acabaram por colocar em causa a confiança das empresas e das famílias. O principal receio relacionouse entretanto com o futuro da Grécia, em situação de ameaça de default (incumprimento, cessação de pagamentos). Uma série de cimeiras europeias acabou por dar origem, em concertação com o Banco Central Europeu (BCE), o Fundo Monetário Internacional (FMI) e a Comissão Europeia, aum novo plano de ajuda à Grécia de EUR 130 mil milhões, aum novo pacto fiscal que impõe novas regras orçamentais rígidas que têm de ser transcritas para as legislações nacionais e aum novo reforço dos fundos (FESF) e dos mecanismos (MES) de estabilização para estancar a crise. Na sequência da Grécia e da Irlanda, Portugal teve também de recorrer à ajuda externa, através de um programa financeiro da ordem dos EUR 78 mil milhões repartidos ao longo de 3 anos. O aparecimento de tensões no mercado interbancário e o agravamento das condições de atribuição de crédito pelos bancos levaram então o BCE a desistir da restrição monetária decidida no início de 2011, reduzindo as taxas de referência para 1% em Dezembro e lançando uma vasta operação de refinanciamento a longo prazo, através da injecção de EUR 489 mil milhões no sistema bancário europeu. RELATÓRIO DE GESTÃO 17

19 Taxas de juros a 10 anos 10 anos US 10 anos EURO 3,50 Fonte: Thomson Reuters Datastream 3,00 2,50 2,00 1, RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

20 No Japão, registouse nova contracção do PIB em 2011, após a forte retoma económica de O sismo e a catástrofe nuclear atingiram a produção industrial do país e levaram momentaneamente ao desaparecimento dos excedentes da balança comercial japonesa. Verificouse, no entanto, uma recuperação da referida produção industrial durante a segunda metade do ano, mas o PIB japonês terminou por contrair devido à nítida diminuição da procura externa oriunda dos países emergentes da Ásia. As finanças públicas japonesas deterioraramse devido às importantes despesas de reconstrução, colocando o rácio da dívida em relação ao PIB em mais de 200%, o nível de dívida pública mais elevado dos países membros da OCDE. Para apoiar o esforço de reconstrução, o Banco do Japão (BOJ) manteve a sua orientação complacente, com taxas de referência quase nulas e medidas não convencionais de compra de activos financeiros. Quanto aos países emergentes, observaramse diversos graus de sucesso na resistência ao abrandamento do crescimento económico no mundo desenvolvido, tendo sido ajudados pela manutenção das respectivas procuras internas. Contudo, estes países foram endurecendo a sua política monetária ao longo do ano para enfrentar o aumento da inflação, contendo as pressões inflacionistas à custa de um abrandamento económico. Apareceram sinais de retracção na actividade económica no final do ano, especialmente na China, onde os indicadores de actividade apontam para uma estabilização da economia, após se ter debelado o sobreaquecimento no sector imobiliário e contido o aumento dos preços no consumo graças ao endurecimento das políticas monetária e de crédito. Após um ano de 2010, já suficientemente movimentado em termos dos mercados financeiros, 2011 foi para quase todas as classes de activos, de novo, um ano de forte volatilidade. Quando os dirigentes da zona Euro decidiram, em Julho, lançar o segundo plano para salvar a economia grega com o apoio do sector privado e incitaram este a aceitar um corte no valor dos seus créditos sobre a Grécia o nervosismo agravouse nos mercados de acções e especialmente nos valores financeiros. Para permitir à Grécia a redução do seu endividamento, os credores privados (principalmente bancos, seguradoras e fundos de investimento) foram de facto convidados a aceitar uma troca de obrigações que tem como objectivo anular a dívida grega em cerca de EUR 100 mil milhões. Esta situação desencadeou a necessidade de se recapitalizar os bancos europeus detentores de títulos gregos e aumentou fortemente a volatilidade nas bolsas de valores mobiliários. Neste contexto de crise, a maioria dos mercados bolsistas terminaram o ano no vermelho. O CAC 40 francês perdeu mais de 18% e o índice Nikkei, com a economia japonesa afectada pelo sismo e pela catástrofe nuclear, regrediu 17%. Em contrapartida, a bolsa americana resistiu melhor, com os seus valores financeiros em situação menos frágil que os congéneres europeus, apesar da quebra do rating soberano AAA dos Estados Unidos e da crise política sobre o endividamento federal, que ultrapassou o valor record de USD mil milhões. Finalmente, as acções dos países emergentes não tiveram capacidade de se libertar de um certo efeito de arrastamento em baixa das bolsas ocidentais, e tiveram globalmente desempenhos inferiores às acções dos mercados desenvolvidos. RELATÓRIO DE GESTÃO 19

21 Ao nível dos mercados obrigacionistas, a situação foi marcada por mudanças radicais ao longo do ano. Os bilhetes do Tesouro americanos e os Bund alemães, valores que constituem um refúgio por excelência na crise da dívida, conheceram taxas de rendibilidade historicamente baixas. Inversamente, os prémios sobre as obrigações soberanas e os CDS soberanos dos países europeus em dificuldades atingiram níveis inimagináveis desde a criação da zona Euro e só quando o BCE decidiu a compra de títulos das dívidas soberanas italiana e espanhola no mercado secundário é que as taxas de rendibilidade inverteram para níveis mais suportáveis pelas finanças públicas desses países. Também as divisas sofreram fortes flutuações ao longo do ano, devido a estas tensões. Para além do dólar US, o iene japonês e o franco suíço foram os mais escolhidos pelos investidores como valores de refúgio. Foi assim que, em meados de Agosto, o Banco Nacional da Suíça foi obrigado a intervir directamente nos mercados para controlar uma apreciação de mais de 20% do franco suíço contra o euro, o qual atingiu níveis considerados prejudiciais para a competitividade da economia helvética. No final de 2011 o euro registava um recuo de apenas 3% face ao dólar, após um ano de forte volatilidade. Desempenhos das acções S&P 500 Composite Price Index Nikkei 225 Stock Average Price Index France CAC 40 Price Index MSCI EM USD Price Index Fonte: Thomson Reuters Datastream RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

22 Ao nível das matériasprimas, o preço do petróleo subiu no início do ano devido às incertezas relacionadas com os acontecimentos da Primavera Árabe. Os metais de base, à partida impulsionados pela esperança de retoma económica, quebraram no segundo semestre do ano, atingidos pela apreciação do dólar. Os activos refúgio clássicos foram assim confirmados em contexto de crise, com o preço do ouro a atingir o seu mais elevado nível histórico (USD por onça) no final do Verão, para depois baixar no final do ano devido à realização de lucros. O ano de 2012 continua a anunciarse difícil para os mercados. A zona Euro está às portas da recessão e ainda não saiu da crise da dívida soberana. As economias emergentes, a começar pela China, confrontamse nomeadamente com o enfraquecimento da procura na zona Euro e vão continuar a abrandar. O preço do petróleo, sensível ao reaparecimento de tensões geopolíticas, tem tendência a aumentar, o que poderá criar tensões inflacionistas. Finalmente, os Estados Unidos podem vir a criar surpresas positivas, com base em indicadores recentes e encorajadores de retoma económica. Euro / Dólar US Fonte: Thomson Reuters Datastream 1,45 1,40 1,35 1,30 1, RELATÓRIO DE GESTÃO 21

23 A nossa evolução Graças à forte estabilidade política do país e ao grande pragmatismo dos seus decisores na área regulamentar e fiscal, a praça financeira do Luxemburgo continua a desempenhar um papel precursor e matéria de veículos de investimento atractivos e afirmase como a primeira praça da zona Euro neste domínio. Goza, além disso, de todo o arsenal jurídico e fiscal europeu, nomeadamente quanto a livre prestação de serviços no seio da União Europeia. Embora principalmente localizadas no Luxemburgo, as nossas actividades têm naturalmente uma vocação internacional, nomeadamente através das nossas delegações no estrangeiro ou de iniciativas de livre prestação de serviços. No contexto económico e financeiro que o mundo atravessa há vários anos, numerosos clientes HNWI ou institucionais sofisticados confiam inteiramente nas nossas equipas. Eles esperam do seu banco um relacionamento assente numa escuta atenta, num diálogo permanente e numa apurada proactividade. Dedicamonos a proporcionarlhes um desenvolvimento estruturado, apresentandolhes propostas multisserviços inovadoras e específicas, sempre que necessário em colaboração com outras entidades do Grupo Edmond de Rothschild. Esta forma de funcionamento permitenos prestar os serviços e o valor acrescentado que são esperados de nós. Para apoiar esta relação pessoal com os nossos clientes, a nossa organização adaptase continuamente a fim de reunir todas as nossas forças, assumindo a pessoa encarregue da relação com o cliente o papel de interlocutor único para todas as questões relacionadas com as nossas três áreas de actividade (Private Banking, Asset Management e Institutional & Fund Services) e com as nossas estruturas de apoio. Neste momento, os clientes preferem a segurança à rendibilidade e afastamse dos activos tradicionais. A praça do Luxemburgo é vista nesta perspectiva como uma zona de estabilidade por uma clientela que atribui uma grande importância ao balanço e à política de gestão de riscos do seu banco, e constatamos que constitui seguramente um pólo de atracção para clientes que residem nos países em que as finanças públicas são mais frágeis. Preocupamonos constantemente em manter o Banco e dos seus clientes a recato dos riscos inerentes à profunda crise económica e financeira que atravessamos desde 2008, aproveitando simultaneamente as oportunidades de investimento e evitando quaisquer excessos. A nossa expansão internacional prossegue e as actividades das nossas sucursais (Bélgica, Espanha, Portugal e Itália) e dos nossos gabinetes de representação (Telavive, Bratislava, Praga e Varsóvia) continuam a evoluir de forma positiva. A nossa colaboração com parceiros asiáticos no domínio da gestão de activos evolui de forma muito positiva, e os nossos contactos actuais para o estabelecimento de parcerias semelhantes com instituições de primeira ordem instaladas em países em pleno desenvolvimento devem vir a ser concretizados pela assinatura de novos acordos. O crescimento da nossa custódia e do volume de activos geridos por conta dos nossos clientes (privados e institucionais), bem como da nossa actividade de depositários e de agentes administrativos de fundos de investimento comuns, e ainda o nível dos nossos resultados, comprovam a confiança dos nossos clientes e a qualidade dos nossos serviços. Foi neste contexto que as nossas actividades nos permitiram atingir um resultado líquido de EUR , em alta 6% relativamente ao exercício anterior. 22 RELATÓRIO ANUAL 2011 BANQUE PRIVÉE EDMOND DE ROTHSCHILD EUROPE

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008

PARVEST USA LS30. Prospecto simplificado Abril de 2008 PARVEST USA LS30 Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável O subfundo Parvest USA LS30 foi lançado a 30 de Outubro de 2007. Prospecto simplificado Abril de 2008 Este prospecto

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL 2014

RELATÓRIO ANUAL 2014 RELATÓRIO ANUAL 2014 EDMOND DE ROTHSCHILD (EUROPE) RELATÓRIO ANUAL 2014 Edmond de Rothschild (Europe) Sociedade Anónima 20, boulevard Emmanuel Servais L2535 Luxemburgo Caixa Postal B.P. 474 L2014 Luxemburgo

Leia mais

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt

Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt Soluções de seguro de créditos no apoio à exportação. COSEC - Estamos onde estiver o seu negócio. www.cosec.pt COSEC Companhia de Seguro de Créditos 2012 1 2 Sobre a COSEC O que é o Seguro de Créditos

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005

PROSPECTO SIMPLIFICADO JUNHO DE 2005 PARVEST Absolute Return Plus (Euro) Sub-fundo da PARVEST, Sociedade Luxemburguesa de Investimento de Capital Variável (a seguir designada por "SICAV") Constituída no dia 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO

Leia mais

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um

Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Chegamos ao final de mais um ano e, por isso, é oportuno, fazer-se um Sr. Vice-Governador do BNA; Srs. Membros do Conselho de Administração do BNA; Distintos Membros dos Órgãos Sociais da Banca Comercial; Sr Representante das Casas de Câmbios Srs. Directores e responsáveis

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração

no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do Orçamento Estado 2010 no Sistema Financeiro Carlos David Duarte de Almeida Vice-Presidente do Conselho de Administração As consequências do OE 2010 no Sistema Financeiro Indice 1. O

Leia mais

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT

PARVEST BOND EURO GOVERNMENT Subfundo da SICAV PARVEST, Sociedade de Investimento de Capital Variável Prospecto simplificado Setembro de 200 Este prospecto simplificado contém as informações gerais relativas ao subfundo e à PARVEST

Leia mais

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia

Boletim Mensal de Economia Portuguesa. N.º 11 Novembro 2014. Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia Boletim Mensal de Economia Portuguesa N.º 11 Novembro Gabinete de Estratégia e Estudos Ministério da Economia GPEARI Gabinete de Planeamento, Estratégia, Avaliação e Relações Internacionais Ministério

Leia mais

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014

Comunicado à imprensa. Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em 2014 Comunicado à imprensa Os investimentos e a gestão da Reserva Financeira em A Autoridade Monetária de Macau (AMCM) torna público os valores totais dos activos da Reserva Financeira da Região Administrativa

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008

CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 CAIXAGEST SELECÇÃO ORIENTE 2008 Fundo Especial de Investimento Fechado RELATÓRIO & CONTAS 1º Semestre 2008 ÍNDICE AMBIENTE MACRO ECONÓMICO E MERCADOS FINANCEIROS 2 A EVOLUÇÃO DO MERCADO DE FIM EM PORTUGAL

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 310 ÍNDICE Directriz de Revisão/Auditoria 310 CONHECIMENTO DO NEGÓCIO Outubro de 1999 ÍNDICE Parágrafos Introdução 1-7 Obtenção do Conhecimento 8-13 Uso do Conhecimento 14-18 Apêndice Matérias a Considerar no Conhecimento

Leia mais

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA

REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA Bruxelas, 7 de ovembro de 2008 REU IÃO I FORMAL DOS CHEFES DE ESTADO E DE GOVER O DE 7 DE OVEMBRO VERSÃO APROVADA 1. A unidade dos Chefes de Estado e de Governo da União Europeia para coordenar as respostas

Leia mais

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco

A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco IP/98/305 Bruxelas, 31 de Março de 1998 A Comissão promove os Mercados Europeus de Capital de Risco A Comissão Europeia lançou uma vasta iniciativa para promover o desenvolvimento de um importante mercado

Leia mais

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS

FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS FUNCIONAMENTO DA GESTÃO DA RESERVA FINANCEIRA DA REGIÃO ADMINISTRATIVA ESPECIAL DE MACAU E RESPECTIVOS DADOS 1. REGIME DA RESERVA FINANCEIRA A Lei n. o 8/2011 estabelece o regime jurídico da reserva financeira

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais

Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Exmo Senhor Presidente da Associação Angolana de Bancos Sr. Amílcar Silva Dignos Presidentes dos Conselhos de Administração e das Comissões Executivas dos bancos comerciais Estimados Bancários Minhas Senhoras

Leia mais

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão

Capítulo VI. Gestão Financeira e Patrimonial. Artigo 18.º. Princípios de Gestão Capítulo VI Gestão Financeira e Patrimonial Artigo 18.º Princípios de Gestão 1. A gestão deve articular-se com os objectivos prosseguidos pela Câmara Municipal de Viseu, visando a promoção do desenvolvimento

Leia mais

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003

COMUNICADO Resultados Consolidados do BCP no segundo trimestre de 2003 BANCO COMERCIAL PORTUGUÊS, S.A. Sociedade Aberta Sede: Praça D. João I, 28, Porto Mat. CRC do Porto: 40.043 NIPC: 501.525.882 Capital Social Registado: 3.257.400.827 Euros COMUNICADO Resultados Consolidados

Leia mais

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos

GUIA PARA INVESTIR. Rentabilizar os Investimentos www.facebook.com/santandertotta.pt http://twitter.com/santandertotta Onde deve investir? A escolha deve ter em conta diversos factores, tais como: quando é que pretende utilizar o montante que investiu?

Leia mais

01 _ Enquadramento macroeconómico

01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico 01 _ Enquadramento macroeconómico O agravamento da crise do crédito hipotecário subprime transformou-se numa crise generalizada de confiança com repercursões nos mercados

Leia mais

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com

É disponibilizada uma cópia electrónica deste aviso no sítio Web: www.jpmorganassetmanagement.com JPMorgan Funds Société d Investissement à Capital Variable (a "Sociedade") Registered Office: 6 route de Trèves, L-2633 Senningerberg, Grand Duchy of Luxembourg R.C.S. Luxembourg B 49 663 Telephone: +352

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond

Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond PROSPECTO SIMPLIFICADO DEZEMBRO 2006 Este prospecto simplificado contém informações sobre o Crédit Agricole Funds Euro Corporate Bond, um subfundo (doravante designado

Leia mais

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin

Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin Programa de trabalho da Presidência Portuguesa para o Conselho Ecofin A Presidência Portuguesa na área dos Assuntos Económicos e Financeiros irá centrar-se na prossecução de três grandes objectivos, definidos

Leia mais

ALVES RIBEIRO - INVESTIMENTOS FINANCEIROS, SGPS, S.A. ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS INDIVIDUAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 (Montantes em Euros, excepto quando expressamente indicado) 1. NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA

MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA MENSAGEM DE ANO NOVO DE SUA EXCELÊNCIA O PRESIDENTE DA REPÚBLICA --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00 HORAS DE 01.01.13 --- Palácio de Belém, 1 de janeiro de 2013 --- EMBARGO DE DIVULGAÇÃO ATÉ ÀS 21:00

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

Estatísticas de Seguros

Estatísticas de Seguros Estatísticas de Seguros 2009 Autoridade de Supervisão da Actividade Seguradora e de Fundos de Pensões Autorité de Contrôle des Assurances et des Fonds de Pensions du Portugal Portuguese Insurance and Pension

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação

RELATÓRIO & CONTAS Liquidação Fundo Especial de Investimento Aberto CAIXA FUNDO RENDIMENTO FIXO IV (em liquidação) RELATÓRIO & CONTAS Liquidação RELATÓRIO DE GESTÃO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS RELATÓRIO DO AUDITOR EXTERNO CAIXAGEST Técnicas

Leia mais

RELATORIO ANUAL 2013 ECOBANK SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SUMARIO

RELATORIO ANUAL 2013 ECOBANK SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SUMARIO RELATORIO ANUAL 2013 ECOBANK SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE SUMARIO REFERÊNCIAS INSTITUCIONAIS Sociedade mãe e filial Grupo Ecobank em África Perfil institucional ECOBANK SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Mensagem do Presidente

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio

INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio INSTRUTIVO N.º 07/2015 de 28 de Maio ASSUNTO: CASAS DE CÂMBIO - Regras Operacionais Considerando a necessidade de se adequar as regras operacionais das casas de câmbio, ao efectivo monitoramento do fluxo

Leia mais

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo

PROSPECTO INFORMATIVO Depósito Indexado - Produto Financeiro Complexo Designação Classificação Caixa China Invest 2015_PFC Produto Financeiro Complexo O Caixa China Invest 2015 é um depósito indexado não mobilizável antecipadamente, pelo prazo de 2 anos, denominado em Euros,

Leia mais

ABC da Gestão Financeira

ABC da Gestão Financeira ABC da Gestão Financeira As demonstrações financeiras são instrumentos contabilísticos que reflectem a situação económico-financeira da empresa, evidenciando quantitativamente os respectivos pontos fortes

Leia mais

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde

Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Page 1 of 5 Discurso proferido pelo Sr. Dr. Carlos de Burgo por ocasião da tomada de posse como Governador do Banco de Cabo Verde Senhor Ministro das Finanças e Planeamento, Senhores Representantes do

Leia mais

Finanças Internacionais

Finanças Internacionais Universidade dos Açores Departamento de Economia e Gestão Mestrado em Ciências Empresariais Finanças Internacionais Ponta Delgada, Abril de 2009 Fernando José Rangel da Silva Melo Sumário 1 Gestão Financeira

Leia mais

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES

RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES RESULTADOS DO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2015: A COFACE APRESENTA LUCRO DE 66 MILHÕES DE EUROS, APESAR DE UM AUMENTO DE SINISTROS EM PAÍSES EMERGENTES Crescimento de volume de negócios: + 5.1% a valores e taxas

Leia mais

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A.

BNI Banco de Negócios Internacional, S.A. Balanço Em 31 de Dezembro de 2006 ACTIVO Notas Caixa e disponibilidades no Banco Central 5 204 460 2 547 Disponibilidades sobre instituições de crédito 6 2 847 256 35 474 Créditos sobre clientes 7 75 154

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en)

CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) CONSELHO EUROPEU Bruxelas, 14 de março de 2013 (OR. en) EUCO 23/13 CO EUR 3 CONCL 2 NOTA DE ENVIO de: Secretariado-Geral do Conselho para: Delegações Assunto: CONSELHO EUROPEU 14/15 de março de 2013 CONCLUSÕES

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas

Situação Económico-Financeira Balanço e Contas II Situação Económico-Financeira Balanço e Contas Esta parte do Relatório respeita à situação económico-financeira da Instituição, através da publicação dos respectivos Balanço e Contas e do Relatório

Leia mais

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA

Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Dezembro de 2013 Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA Relatório Gestão Sumário Executivo 2 Síntese Financeira O Fundo de Pensões BESA OPÇÕES REFORMA apresenta em 31 de Dezembro de 2013, o valor de 402

Leia mais

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22

MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA. Programa Formação PME Manual de Formação para Empresários 1/22 MANUAL FORMAÇÃO PME GESTÃO FINANCEIRA 1/22 INTRODUÇÃO... 3 ANÁLISE DA ACTIVIDADE DA EMPRESA... 4 ESTRUTURA DE CUSTOS... 7 VALOR ACRESCENTADO BRUTO... 7 ANÁLISE DOS FLUXOS DE TESOURARIA... 9 ANÁLISE DOS

Leia mais

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira

Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA-BoS-15/107 PT Orientações relativas à comunicação de informação para efeitos de estabilidade financeira EIOPA Westhafen Tower, Westhafenplatz 1-60327 Frankfurt Germany - Tel. + 49 69-951119-20; Fax.

Leia mais

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL

PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006 DESCRIÇÃO GERAL PARVEST Europe Real Estate Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO SETEMBRO DE 2006

Leia mais

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução

Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Instrumentos e Mercados Financeiros A crise do Subprime no mercado Norte-Americano Introdução Noção do Subprime Causas da crise Consequências da crise A crise subprime em Portugal Previsões para as economias

Leia mais

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS

8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 8 - ANEXO AO BALANÇO E À DEMONSTRAÇÃO DOS RESULTADOS 1. Indicação e justificação das disposições do POC que, em casos excepcionais, tenham sido derrogadas e dos respectivos efeitos nas demonstrações financeiras,

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève

Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87 23. Suíça. Rue du Rhône 86 1204 Genève Lisboa Porto Suíça Sucursal em Portugal Av. da Liberdade, 131-4º 1250-140 Lisboa t. +351 21 325 4030 f. +351 21 346 5164 Av. da Boavista, 1837 15º 4100-133 Porto t. +351 22 606 86 08 f. +351 22 606 87

Leia mais

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros

Eurovida Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Data início de comercialização: 2007/05 por tempo indeterminado Empresa de Companhia de Seguros de Vida, S.A., sociedade anónima pertencente ao Grupo Banco Seguros Popular, com sede social na - 1099-090

Leia mais

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão

DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão DOCUMENTOS DE GESTÃO FINANCEIRA Realizado por GESTLUZ - Consultores de Gestão A Análise das Demonstrações Financeiras Este artigo pretende apoiar o jovem empreendedor, informando-o de como utilizar os

Leia mais

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS

O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS O ESCONDIDO VALOR ECONÓMICO DOS SEGUROS A economia mundial, em 2011, ficou marcada pela crise da dívida soberana de países da zona euro, pela desalavancagem do setor bancário devido a maiores exigências

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar Projecto de Lei n.º 47/ XII - 1.ª Cria uma nova taxa aplicável às transacções financeiras realizadas no mercado de valores mobiliários 1. Durante a crise financeira,

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

07/01/2009 OJE Economia contrai 0,8% este ano e terá entrado em recessão em 2008 A crise financeira e a recessão mundial vão provocar este ano uma contracção de 0,8% na economia nacional, penalizada pela

Leia mais

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011

Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 2011 Nota de Informação Estatística Lisboa, 21 de Abril de 211 Banco de Portugal divulga Contas Nacionais Financeiras para 21 O Banco de Portugal divulga hoje no Boletim Estatístico e no BPstat Estatísticas

Leia mais

Relatório de Gestão do Conselho de Administração Exercício de 2012 Conjuntura Económica e Financeira

Relatório de Gestão do Conselho de Administração Exercício de 2012 Conjuntura Económica e Financeira Relatório de Gestão do Conselho de Administração Exercício de 2012 Senhores Accionistas, De acordo com a Lei e os Estatutos, submetemos à Vossa apreciação, discussão e votação o Relatório, Balanço e Demonstração

Leia mais

C O N T A B I L I D A D E

C O N T A B I L I D A D E Licenciatura em Gestão de Recursos Humanos ISCSP (UTL), Lisboa C O N T A B I L I D A D E Pedro V Matos ISEG-UTL 1 Análise Financeira e Contabilidade 2 1 Função Financeira O que é a Função Financeira? Consiste

Leia mais

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português

Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.3.2010 C(2010)1733 final Assunto: Auxílio estatal N 80/2010 Portugal Prorrogação do regime de recapitalização português Excelência, I. ASPECTOS PROCESSUAIS 1. Em 20 de Maio

Leia mais

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada;

Tendo em conta objectivos de sistematização dos relatórios de controlo interno, em base individual e consolidada; Avisos do Banco de Portugal Aviso nº 3/2006 Considerando que todas as instituições de crédito e sociedades financeiras, bem como os grupos financeiros, devem possuir um sistema de controlo interno adaptado

Leia mais

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu

O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu O Novo Renascimento Relatório do «Comité de Sábios» Grupo de reflexão sobre a digitalização do património cultural europeu RESUMO Ao longo dos séculos, as bibliotecas, os arquivos e os museus em toda a

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício.

IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA. As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. Anexo à Instrução nº 4/96 IV - 2. LISTA E ÂMBITO DAS CONTAS CLASSE 8 PROVEITOS POR NATUREZA As contas desta classe registam os proveitos correntes do exercício. 80 - JUROS E PROVEITOS EQUIPARADOS Proveitos

Leia mais

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações

Enquadramento Page 1. Objectivo. Estrutura do documento. Observações. Limitações Objectivo No âmbito do processo de adopção plena das Normas Internacionais de Contabilidade e de Relato Financeiro ("IAS/IFRS") e de modo a apoiar as instituições financeiras bancárias ("instituições")

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A.

INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. INFORMAÇÃO SOBRE INSTRUMENTOS FINANCEIROS OFERECIDOS PELO BANCO POPULAR PORTUGAL, S.A. Versão: 1.0 Data inicial: 2010/08/20 Última alteração: 2010/09/10 Mod. 853P/2010 Banco Popular Portugal, S.A. 2/8

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

Instrumentos de Gestão Previsional

Instrumentos de Gestão Previsional Instrumentos de Gestão Previsional Ano 2012 Relatório 1.Introdução Dando cumprimento ao artigo 40º da Lei 53-F/2006 de 29 de Dezembro, a Empresa Municipal, TEGEC Trancoso Eventos, EEM, vem apresentar os

Leia mais

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO?

Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Ficha de informação 1 POR QUE RAZÃO NECESSITA A UE DE UM PLANO DE INVESTIMENTO? Desde a crise económica e financeira mundial, a UE sofre de um baixo nível de investimento. São necessários esforços coletivos

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2014

PLANO DE ACTIVIDADES 2014 PLANO DE ACTIVIDADES 2014 A - INTRODUÇÃO O ano de 2013 que agora termina, foi decisivo para a continuidade da Fundação do Desporto. O Governo, através do Sr. Ministro-Adjunto e dos Assuntos Parlamentares,

Leia mais

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990

PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PARVEST China Subfundo da PARVEST, sociedade luxemburguesa de investimento de capital variável (a seguir, a SICAV ) Estabelecida a 27 de Março de 1990 PROSPECTO SIMPLIFICADO FEVEREIRO DE 2006 Este prospecto

Leia mais

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I

ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I ESTATUTOS DE MOBITRAL EMPRESA MUNICIPAL MOBÍLIAS TRADICIONAIS ALENTEJANAS, E.M. CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Denominação personalidade e capacidade jurídica 1 - A empresa adopta a denominação

Leia mais

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO

Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Informações Fundamentais ao Investidor PRODUTO FINANCEIRO COMPLEXO Um investimento responsável exige que conheça as suas implicações e que esteja disposto a aceitá-las. Designação: VICTORIA PPR Acções

Leia mais

Para Crescer Sustentadamente

Para Crescer Sustentadamente Preparar a Reestruturação da Dívida Para Crescer Sustentadamente Nenhuma estratégia de combate à crise poderá ter êxito se não conciliar a resposta à questão da dívida com a efectivação de um robusto processo

Leia mais

Objectivos do Capítulo

Objectivos do Capítulo Objectivos do Capítulo Descrever a função de finanças da Multinacional e mostrar como se enquadra na estrutura organizacional das MNE s Mostrar como as empresas adquirem fundos externos para operações

Leia mais

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014

LAKE FUND SGPS, SA. Demonstrações Financeiras Individuais. Exercício 2014 Exercício 2014 Índice Demonstrações financeiras individuais para o exercício findo em Balanço Individual em 5 Demonstração dos Resultados Individuais em 6 Demonstração dos Fluxos de Caixa Individuais em...7

Leia mais

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo)

ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Instruções do Banco de Portugal Instrução nº 118/96 ASSUNTO: Plano de Contas (Caixa Central e Caixas de Crédito Agrícola Mútuo) Tendo presente as alterações introduzidas no Código do Mercado de Valores

Leia mais

Relatório de Gestão Relativo ao Exercício de 2000. Demonstração de Resultados a 31 de Dezembro de 2000

Relatório de Gestão Relativo ao Exercício de 2000. Demonstração de Resultados a 31 de Dezembro de 2000 Relatório e Contas 2 Relatório de Gestão Relativo ao Exercício de 2 4 Balanço Analítico a 31 de Dezembro de 2 11 Demonstração de Resultados a 31 de Dezembro de 2 13 Notas anexas às Demonstrações Financeiras

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas

Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Recomendações da CMVM sobre o Governo das Sociedades Cotadas Introdução O desenvolvimento dos mercados de valores mobiliários tem conduzido a uma intensa reflexão sobre a estrutura e o controlo das sociedades

Leia mais

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio

ACTIVOS POR IMPOSTOS DIFERIDOS. 2015 8 de Maio O QUE SÃO E PORQUE SURGEM NOS BALANÇOS DOS BANCOS? Os impostos diferidos têm origem, fundamentalmente, nas diferenças existentes entre o resultado contabilístico e o resultado apurado de acordo com as

Leia mais

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que:

Declaração ao país. António José Seguro. 19 de Julho de 2013. Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Declaração ao país António José Seguro 19 de Julho de 2013 Boa tarde. Durante esta semana batemo-nos para que: Não houvesse mais cortes nas reformas e nas pensões Não houvesse mais despedimentos na função

Leia mais

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes

O FUTURO DA ZONA EURO. José da Silva Lopes O FUTURO DA ZONA EURO José da Silva Lopes IDEFF, 29-11-2011 1 VIAS ALTERNATIVAS PARA FAZER FACE À CRISE DA ZONA EURO As propostas que têm vindo a ser apresentadas por economistas, comentadores e políticas

Leia mais

Encuentro Iberoamericano: El papel impulsor de la banca en la recuperación de las economías de Iberoamérica. 14 de Julho de 2009

Encuentro Iberoamericano: El papel impulsor de la banca en la recuperación de las economías de Iberoamérica. 14 de Julho de 2009 Encuentro Iberoamericano: El papel impulsor de la banca en la recuperación de las economías de Iberoamérica 14 de Julho de 2009 Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos

Leia mais

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1

A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 A Dívida Paga-se Sempre Teodora Cardoso A DÍVIDA PAGA-SE SEMPRE 1 Teodora Cardoso As Duas Faces da Dívida Usada com moderação e sentido do risco, a dívida é um factor de desenvolvimento e promove o bem-estar.

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PARTICULAR ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O PA R T I C U L A R ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico

Leia mais

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos

PARTIDO COMUNISTA PORTUGUÊS Grupo Parlamentar. Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª. Financiar o investimento para dever menos Projeto de Resolução n.º 684/XII/2.ª Financiar o investimento para dever menos Em Março de 2009 o do PCP apresentou o Projeto de Resolução nº 438/X Medidas de combate à crise económica e social que, entre

Leia mais

Documento de Divulgação. Introdução

Documento de Divulgação. Introdução Abbott Laboratórios, Lda. Estrada de Alf ragide, 67 Alf rapark Edif icio D 2610-008 Amadora Portugal Contribuinte nº 500 006 148 Reg. C.R.C. Amadora Capital Social: 3.396.850 Tel. (351) 214 727 100 Fax.

Leia mais

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA

FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA FUNDOS FECHADOS DE SUBSCRIÇÃO PÚBLICA ASPECTOS FUNDAMENTAIS 1 F U N D O S F E C H A D O S D E S U B S C R I Ç Ã O P Ú B L I C A ASPECTOS FUNDAMENTAIS RE GIM E JURÍDICO O enquadramento jurídico dos Fundos

Leia mais

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula:

Ou seja, na data de maturidade, o valor garantido por unidade de participação será aquele que resulta da aplicação da seguinte fórmula: 1.Tipo e Duração 2.Entidade Gestora 3.Consultores de Fundo de Capital Garantido Aberto, constituído em Portugal. A sua constituição foi autorizada pela Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, em 12/

Leia mais