Pecuária Sustentável na Prática (MS) Carne Sustentável do Pantanal. Urbano Gomes Pinto de Abreu Pesquisador A Embrapa Pantanal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Pecuária Sustentável na Prática (MS) Carne Sustentável do Pantanal. Urbano Gomes Pinto de Abreu Pesquisador A Embrapa Pantanal"

Transcrição

1

2 Pecuária Sustentável na Prática (MS) Carne Sustentável do Pantanal Urbano Gomes Pinto de Abreu Pesquisador A Embrapa Pantanal

3 ,00 reses Pecuária é relatada no Pantanal desde

4

5

6

7 Clique para editar o título mestre Pecuária de Corte - Embrapa Pantanal Sustentabilidade Clique para editar o texto mestre Segundo nível» Nas últimas décadas, diversos relatórios são publicados mundialmente abordando projeções de consumo e demanda de alimentos devido ao crescimento Terceiro econômico nível e da população global; Quarto nível» Triple Bottom Line (3 PL s People, Planet and Profit chamado em português como o tripé da sustentabilidade); Quinto nível» Diversos estudos multidisciplinares em busca desse equilíbrio nos mais diferentes setores produtivos;» Setor agrícola, conseguir transferir a teoria em prática;» Pecuária sustentável não é algo que deva deixar de usar as tecnologias devido a alguma razão ideológica; e» A pecuária deve utilizar tecnologias e práticas que melhorem a produtividade e não causem danos ao meio-ambiente, de forma a ser multifuncional no uso da terra e economicamente viável, sendo ajustada a cada situação específica. 7

8

9 Validação e transferência de tecnologia para a pecuária orgânica no Pantanal Projeto no início, mudança de coordenador. 2nd IFOAM / ISOFAR International Conference on Organic Animal Husbandry, Tackling the Future Challenges of Organic Animal Husbandry Hamburg, Germany, September 12-14, 2012 Production cost of organic beef cattle production system in Pantanal Brazil Urbano G. P. de Abreu1, Thiago B. de Carvalho2, Gabriela G. Ribeiro2, Sérgio De Zen2, André S. Moraes1, Ivens Domingos3» Aliança da Terra» IBD» WWF» ABPO

10

11 Clique para editar o título mestre Clique para editar o texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível Resultados 11

12 Água dos rios Humus Sedimentos Espécies migratórias Insumos $ Sol, vento, chuva Superfície terrestre Rios e lagoas biomassa biomassa Fauna local Fauna local turista Homem pantaneiro Gado Pesca do Pantanal Infraestrutura $ Instalações turísticas $ $ Visitantes $ Gado em pé $ Peixe Água filtrada biologicamente Pantanal

13 Clique para editar o título mestre Índices emergéticos Equações Transformidade (sej/j) Clique para editar o texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível Tr = Y/E=Emergia/Energia (2,31E4 sej/j) % Renovabilidade Ren = (100)*((R+Mr+Sr)/Y) (98,81%) Taxa de Investimento Emergético EIR = (Mn+Sn+IF+EMP)/(R + Mr +Sr +N) (0,012) Taxa de Intercâmbio Emergético EER = Y/((vendas) * (EmDolar) ) (12,77) Taxa de Carga Ambiental ELR = (N+Mn+Sn+IF+EMP)/(R+Mr+Sr) (0,012) R= fluxos agregados renováveis da natureza, N= fluxos agregados não renováveis da natureza; I= inputs naturais; M= materiais, Mr= materiais renováveis, Mn= materiais não renováveis; S= serviços, Sr= serviços renováveis, Sn= serviços não renováveis, IF= infraestrutura, EMP = empréstimos, EmDólar= relação emergia/dólar(sej/us$); e Y= emergia total utilizada. 13

14 Clique para editar o título mestre Avaliação de Impacto de Ciclo de Vida Clique para editar o texto mestre Categoria Segundo de nível Impacto Terceiro nível Quarto nível Ocupação de Terra Quinto nível Sistemas de Produção Unidade Nhecolândia Abobral Agrícola m2a 1.32E E+05 Mudanças climáticas kg CO2 eq 9.03E E+04 Formação de Oxidantes Fotoquímicos kg NMVOC 3.97E E+01 Acidificação Terrestre kg SO2 eq 6.27E E+01 14

15 Clique para editar o título mestre Clique para editar o texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível Fazenda Pantaneira Sustentável 15

16 Clique para editar o título mestre» Metodologia Fuzzy;» Indicadores Ambientais, Sociais e Econômico; e Clique para editar o texto mestre» Em fase de validação. Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível 16

17 Clique para editar o título mestre Clique para editar o texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível 17

18

19 Sistema de manejo de pastagens nativas rotação e vedação de pastagens. Tecnologia considerada isenta de licença, devendo, entretanto ser comunicada eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). Formação de pastagens exóticas. Tecnologia requer licença ambiental expedida pelo IMASUL, devendo projeto ser encaminhado ao mesmo.

20 Controle de invasoras nas pastagens. Tecnologia considerada isenta de licença, devendo, entretanto ser comunicada eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). Suplementação proteica-energética de matrizes no pré-parto e de animais em recria. Tecnologia considerada isenta de licença, devendo, entretanto ser comunicada eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). Suplementação mineral de matrizes. Tecnologia considerada isenta de licença, devendo, entretanto ser comunicada eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). 20

21 Clique para editar o título mestre Recuperação de pastagens exóticas e investimentos estruturais. Tecnologias e investimentos considerados isentos de licença, devendo, Clique entretanto para editar serem comunicados o texto mestre eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). Segundo nível Desmama Terceiro precoce nível (suplementação de bezerros e recria). Esta tecnologia Quarto por tratar-se nível de suplementação, é considerada isenta de licença, devendo, Quinto entretanto nível ser comunicada eletronicamente no IMASUL (Laudo de isenção de licença ambiental). Sistemas Agroflorestais Tecnologia em desenvolvimento. Guia de capacidade de suporte das pastagens. Critérios de redução de uso de queimadas. 21

22 Clique para editar o título mestre Clique para editar o texto mestre Segundo nível Terceiro nível Quarto nível Quinto nível 22

23 Muito Obrigado

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual

Harry Potter e a Engenharia. Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Harry Potter e a Engenharia Parte 3. Os campos de força no mundo real e no virtual Turmas em conflito num mundo virtual A outra realidade! Aqui também temos turmas em conflito! Como superar isso? A crise

Leia mais

Organizadores do Programa: Ezequiel R. do Valle e Urbano Gomes P. e Abreu

Organizadores do Programa: Ezequiel R. do Valle e Urbano Gomes P. e Abreu Produção Sustentável na Pecuária no Mato Grosso do Sul Visita de Campo GTPS Paralelo a 2014 GCSB do GRSB Campo Grande, de 28 de outubro a 01 de novembro de 2014 Organizadores do Programa: Ezequiel R. do

Leia mais

Pecuária Orgânica Certificada

Pecuária Orgânica Certificada Pecuária Orgânica Certificada O Pantanal Planície de inundação periódica, reconhecida internacionalmente como de relevante importância para a biodiversidade, o Pantanal está inserido na bacia hidrográfica

Leia mais

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM

A visão da Indústria de Insumos. FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM A visão da Indústria de Insumos FEICORTE 22 DE JULHO 2007 Sergio Carlo Franco Morgulis ASBRAM Objetivos Objetivos em comum para toda a cadeia Economicamente viável Socialmente responsável Ambientalmente

Leia mais

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot

Sistemas de produção e Índices zootécnicos. Profª.: Valdirene Zabot Sistemas de produção e Índices zootécnicos Profª.: Valdirene Zabot O que é uma CADEIA? É um conjunto de elos onde cada um depende dos demais. Na cadeia de produção da carne e do couro, o bovino é ó elo

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Moacyr Bernardino Dias-Filho Embrapa Amazônia Oriental www.diasfilho.com.br Importância das pastagens na pecuária brasileira A maioria (> 90%) do rebanho é criado a pasto Pastagem é a forma mais econômica

Leia mais

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE

O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE 1 O USO DO CREEP FEEDING NA PRODUÇÃO DE GADO DE CORTE Prof. Dr. Antonio Ferriani Branco PhD em Nutrição e Produção de Ruminantes afbranco@uem.br O SISTEMA VACA-BEZERRO Os fatores que afetam mais significativamente

Leia mais

+ Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça

+ Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça DESAFIOS GLOBAIS PARA A AGRICULTURA + Exemplo de aplicação da análise emergética on-line: a produção de maça Enrique Ortega, Fabio Takahashi. Laboratório de Engenharia Ecológica Faculdade de Engenharia

Leia mais

Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética.

Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética. Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética. Assessing sustainability

Leia mais

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE 1 VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE FERNANDES, E. N 1 ; NOGUEIRA, A. C. S 2 RESUMO: O presente trabalho discute o uso da Análise Emergética (AE) para avaliar a sustentabilidade de dois

Leia mais

INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. RESUMO

INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. RESUMO 55 INDICADORES EMERGÉTICOS PARA VALORAÇÃO ECONÔMICO-ECOLÓGICA DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE: estudo de caso. Ana Caroline Silva Nogueira Débora Costa Valentim Elizabeth Nogueira Fernandes RESUMO O presente

Leia mais

ESTUDO BRA 2015. Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal

ESTUDO BRA 2015. Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal ESTUDO BRA 2015 Estudo de Caso sobre os Projetos Pilotos de Boas Práticas Pecuárias no Cerrado e Pantanal Organização Fabio Ramos Coordenação editorial e entrevistas Fabio Ramos Revisão de textos Thaís

Leia mais

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização

III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA. EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização III CURSO DE GESTÃO AGROECONÔMICA EM PECUÁRIA DE CORTE: confinamento e terceirização RESULTADOS DO CONFINAMENTO DA COPLACANA EM 2.008 E PERSPECTIVAS PARA O FUTURO Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro

Leia mais

IMPACTOS AMBIENTAIS E SÓCIO- ECONÔMICOS NO RIO TAQUARI Campo Grande, MS 05/04/2013

IMPACTOS AMBIENTAIS E SÓCIO- ECONÔMICOS NO RIO TAQUARI Campo Grande, MS 05/04/2013 IMPACTOS AMBIENTAIS E SÓCIO- ECONÔMICOS NO RIO TAQUARI Campo Grande, MS 05/04/2013 EMIKO KAWAKAMI DE RESENDE CARLOS ROBERTO PADOVANI SÉRGIO GALDINO EMBRAPA PANTANAL INSTITUIÇÕES/EMPRESAS PARTICIPANTES

Leia mais

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia

BIOMAS BRASILEIROS. Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMAS BRASILEIROS Prof.ª Débora Lia Ciências/ Biologia BIOMA: É CONJUNTO DE ECOSSISTEMAS TERRESTRES, CLIMATICAMENTE CONTROLADOS, QUE SÃO CARACTERIZADOS POR UMA VEGETAÇÃO PRÓPRIA (RAVEN ET AL., 2001) LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Mudanças do clima, mudanças no campo

Mudanças do clima, mudanças no campo Mudanças do clima, mudanças no campo Sumário executivo do relatório escrito por Jessica Bellarby, Bente Foereid, Astley Hastings e Pete Smith, da Escola de Ciências Biológicas da Universidade de Aberdeen

Leia mais

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas

Unidade 8. Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Unidade 8 Ciclos Biogeoquímicos e Interferências Humanas Ciclos Biogeoquímicos Os elementos químicos constituem todas as substâncias encontradas em nosso planeta. Existem mais de 100 elementos químicos,

Leia mais

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP

Guilherme Leite da Silva Dias, FEA/USP Seminário Risco e Gestão do Seguro Rural no Brasil Mesa Redonda III Aquecimento global e impactos sobre o seguro agrícola Palestra: Aquecimento global e possíveis impactos econômicos sobre a agricultura

Leia mais

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia

Participação dos Setores Socioeconômicos nas Emissões Totais do Setor Energia INVENTÁRIO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO ESTADO DE MINAS GERAIS ANO BASE 2005 O Governo do Estado, por meio da Fundação Estadual de Meio Ambiente FEAM, entidade da Secretaria Estadual de Meio

Leia mais

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE)

PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) PECUÁRIA DE CORTE BRASILEIRA: IMPACTOS AMBIENTAIS E EMISSÕES DE GASES EFEITO ESTUFA (GEE) I EQUIPE DE TRABALHO Prof. Dr. Sergio De Zen Professor Doutor do Departamento de Economia, Administração e Sociologia

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Clima e mudanças climáticas na Amazônia

Clima e mudanças climáticas na Amazônia Diligência Pública ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO AMAZONAS Manaus-AM, 18 de maio de 2009 Comissão Mista de Mudanças Climáticas Clima e mudanças climáticas na Amazônia Antonio Ocimar Manzi manzi@inpa.gov.br

Leia mais

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Código Florestal. Pantanal. Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Código Florestal Pantanal Walfrido Moraes Tomas Pesquisador tomasw@cpap.embrapa.br Ministério da Agricultura, O Código Florestal atual apresenta sérias dificuldades para sua aplicação no Pantanal. A Embrapa

Leia mais

Visão integrada. da conservação

Visão integrada. da conservação para sempre Em busca do equilíbrio entre a produção econômica e a conservação do Pantanal, o WWF-Brasil atua na Bacia Hidrográfica do Alto Paraguai em uma perspectiva transfronteiriça e em articulação

Leia mais

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas.

Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. Carne sustentável, certificada orgânica e as alianças mercadológicas. VI Seminário do GTPS Pecuária Sustentável na Prática Luiz Carlos Demattê Filho Diretor Industrial Korin Agropecuária Ltda. Novembro/2013

Leia mais

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de

INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de d e b e z e r r o d e c o r t e INTRODUÇÃO A etapa de cria na cadeia produtiva da carne bovina é muito importante, e caracteriza-se como um período fundamental no processo de produção. As técnicas utilizadas

Leia mais

Diferimento de pastagens para animais desmamados

Diferimento de pastagens para animais desmamados Diferimento de pastagens para animais desmamados Marco Antonio Alvares Balsalobre Eng. Agrônomo doutor em Ciência Animal e Pastagens Diretor de Produto da Bellman Nutrição Animal LTDA Mirella Colombo Moscardini

Leia mais

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol

Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Subsídios técnicos para a agenda brasileira de bioetanol Oficina Sustentabilidade do Bioetanol 25 e 26 de fevereiro de 2010 Brasília Miguel Taube Netto UniSoma Luis Franco de Campos Pinto UniSoma Estudo

Leia mais

O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica

O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica Capítulo 12 O Conceito de Emergia e a Certificação Agroecológica com Visão Sistêmica Enrique Ortega Agroecologia: Princípios e Técnicas para uma Agricultura Orgânica Sustentável 258 O Conceito de Emergia

Leia mais

Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética.

Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética. Revista Brasileira de Agroecologia ISSN: 1980-9735 Avaliação da sustentabilidade da pecuária de corte extensiva tradicional do Pantanal Sul-Mato-Grossense através da metodologia emergética. Assessing sustainability

Leia mais

Elaboração e Análise de Projetos

Elaboração e Análise de Projetos Elaboração e Análise de Projetos Plano do Projeto: Diagnóstico (Planejamento) Estudo de Mercado Engenharia do Projeto Avaliação Planejamento Estratégico Tecnologia e tamanho do Investimento Projeto é:

Leia mais

Adequação dos sistemas de produção rumo à sustentabilidade ambiental

Adequação dos sistemas de produção rumo à sustentabilidade ambiental Adequação dos sistemas de produção rumo à sustentabilidade ambiental Carlos Clemente Cerri 14 de outubro de 2008 Agronegócio no Brasil ALIMENTO ~ 25 % do PIB R$ 500 bilhões BIOCOMBUSTÍVEL > 25 % do PIB

Leia mais

DE LEI DO SENADO Nº 750 DE 2011 SUBSTITUTIVO

DE LEI DO SENADO Nº 750 DE 2011 SUBSTITUTIVO WCS BRASIL (Associação para Conservação da Vida Silvestre) R. Spipe Calarge, 2355 Campo Grande, MS 79052-070 Fone 67 33886917 4 de abril de 2014 Recomendações de modificações e comentários da WCS BRASIL

Leia mais

Oportunidades da Agropecuária Brasileira

Oportunidades da Agropecuária Brasileira Oportunidades da Agropecuária Brasileira Carne sustentável para o mundo Buenos Aires, 28 de setembro de 2010 SANIDADE ANIMAL BEM ESTAR ANIMAL PRESERVAÇÃO AMBIENTAL RASTREABILIDADE 1 O governo brasileiro

Leia mais

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior

Ari José Fernandes Lacôrte Engenheiro Agrônomo MS Consultor Sênior BEZERROS: VENDER, RECRIAR OU ENGORDAR? Apesar de muitos pecuaristas não adotarem formalmente a estação de monta no Brasil há uma expressiva concentração do numero de animais desmamados no final do 1º semestre.

Leia mais

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca

Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Software $uplementa Certo: Benefício/Custo da Suplementação na Seca Campo Grande - MS 1 Resumo A aplicação $uplementa Certo é fruto da parceria EMBRAPA Gado Corte e Universidade Federal de Mato Grosso

Leia mais

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção

Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Alta do dólar reforça aumento dos custos de produção Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte Se, de um lado, a forte alta do dólar frente ao Real tem contribuído para elevar

Leia mais

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR

INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA. Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO, FORMAÇÃO DOS SOLOS E ÁGUA SUBTERRÂNEA Profa. Andrea Sell Dyminski UFPR INTEMPERISMO Def: É o conjunto de modificações de ordem física (desagregação) e química (decomposição) que as rochas

Leia mais

Comunicado Técnico 06

Comunicado Técnico 06 Comunicado Técnico 06 ISSN 2177-854X Agosto. 2010 Uberaba - MG Irrigação de Pastagens Instruções Técnicas Responsáveis: André Luis Teixeira Fernandes; E-mail: andre.fernandes@fazu.br Engenheiro Agrônomo;

Leia mais

São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003

São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003 RELATÓRIO DE REUNIÃO I CONFERÊNCIA DE MEIO AMBIENTE DA REGIÃO SF4 São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003 Índice Convite...3 Relatório de Viagem - elaborado por Barbara Johnsen (Secretaria

Leia mais

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP)

PROBLEMAS AMBIENTAIS INVERSÃO TÉRMICA INVERSÃO TÉRMICA 14/02/2014. Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) PROBLEMAS AMBIENTAIS Distribuição aproximada dos principais poluentes do ar de uma cidade (SP) Liga-se com a hemoglobina impedindo o O2 de ser conduzido INVERSÃO TÉRMICA *Inversão térmica é um fenômeno

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis

44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis 44201 - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Quadro Síntese Código / Especificação PLO. 2002 Lei+Créditos 2002 Empenhado 2002 PLO. 2003 Total 557.860.773 637.176.773

Leia mais

Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite

Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite Índices emergéticos para avaliação da sustentabilidade sistemas de produção de leite Emergy indexes to sustainability evaluation of milk production systems Fernandes, E. N 1 ; Müller, M. D. 1 ; Carvalho,

Leia mais

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades

O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global. Arnaldo José Raizer P&D - Variedades O Melhoramento de Plantas e o Aquecimento Global 1 Arnaldo José Raizer P&D - Variedades Roteiro Aquecimento Global Centro de Tecnologia Canavieira (CTC) O setor sucro-energético Melhoramento Genético e

Leia mais

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa

Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Projeto de lei - 1o15299h Estado de Mato Grosso Assembleia Legislativa Despacho NP: 1o15299h SECRETARIA DE SERVIÇOS LEGISLATIVOS 17/10/2013 Projeto de lei nº 372/2013 Protocolo nº 6443/2013 Processo nº

Leia mais

Estudo de Caso de Sistemas de Tratamento de Efluentes Domésticos com o Uso de Indicadores Ambientais

Estudo de Caso de Sistemas de Tratamento de Efluentes Domésticos com o Uso de Indicadores Ambientais Carlos C. Silva Cecília M. V. B. Almeida Silvia H. Bonilla Tópicos abordados nesta apresentação Descrição do sistema de Biodigestão Descrição do sistema de Lodo Ativado Comparação entre os sistemas utilizando

Leia mais

ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO

ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO ESTUDO DA SUSTENTABILIDADE ATRAVÉS DE ÍNDICES EMERGÉTICOS EM DOIS SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE TRIGO 1 WAURECK, A.; 2 EURICH, J.; 3 WEIRICH NETO, P.H.; 3 ROCHA, C.H. lama1@uepg.br INTRODUÇÃO O Brasil, considerado

Leia mais

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi.

Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. 0090_mar10 Linha completa de suplementos minerais e proteinados da Guabi. Campinas/SP - 19. 3729 4477 Sales Oliveira/SP - 16. 3852 0011 Pará de Minas/MG - 37. 3231 7300 Além Paraíba/MG - 32. 3466 5555

Leia mais

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos

Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura Ano Internacional dos solos Hélder Muteia Representante da FAO em Portugal/CPLP FAO-PT@fao.org www.fao.org/portugal 4 de dezembro de 2015

Leia mais

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON

A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON A PRODUÇÃO DE CARNE BOVINA EM CONFINAMENTO NO BRASIL BRUNO DE JESUS ANDRADE DIRETOR EXECUTIVO DA ASSOCON ASSOCON Associação Nacional dos Confinadores Entidade nacional com 85 membros 21% do volume confinado

Leia mais

ASPECTOS ECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA UTILIZAÇÃO DO AMENDOIM FORRAGEIRO PARA A RECRIA-ENGORDA DE BOVINOS DE CORTE NO ACRE

ASPECTOS ECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA UTILIZAÇÃO DO AMENDOIM FORRAGEIRO PARA A RECRIA-ENGORDA DE BOVINOS DE CORTE NO ACRE ASPECTOS ECONÔMICOS E AMBIENTAIS DA UTILIZAÇÃO DO AMENDOIM FORRAGEIRO PARA A RECRIA-ENGORDA DE BOVINOS DE CORTE NO ACRE CLAUDENOR PINHO DE SÁ; MARCIO MUNIZ ALBANO BAYMA; JOSÉ MARQUES CARNEIRO JUNIOR; EMBRAPA

Leia mais

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo

Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Análise Quantitativa e Qualitativa da Utilização dos Resíduos Rurais na Região Administrativa de Araçatuba, Estado de São Paulo Carlos C. Silva, Humberto A. P. Silva, José Aquiles B. Grimoni O século passado

Leia mais

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014

Florestas Energéticas. Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 Florestas Energéticas Alex Carneiro Leal Engenheiro Florestal 22 de maio de 2014 O IAPAR Vinculado à Secretaria da Agricultura e do Abastecimento (SEAB), é o órgão de pesquisa que da embasamento tecnológico

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil

Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Universidade de São S o Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Zootecnia Estado Atual e Perspectivas Técnicas T da Pecuária de Corte no Brasil Prof. Dr. Moacyr Corsi Eng Agro.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento

A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento A IMPORTÂNCIA DA AERAÇÃO NOS SISTEMAS DE PRODUÇÃO AQUÍCOLAS. Kátia Daniele do Nascimento Universidade Federal de Minas Gerais Limnologia Aplicada à Aquicultura Prof. Ricardo Motta Pinto-Coelho Aquacultura

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997 Pág. 1 de 8 MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo

Agropecuária Sustentável e Cooperativismo DEPARTAMENTO DE ASSOCIATIVISMO RURAL E COOPERATIVISMO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO/MAPA Agropecuária Sustentável e Cooperativismo IV SIMBRAS Porto Alegre, 1º de agosto de

Leia mais

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal

Enipec 2008. Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos. Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Enipec 2008 Desafios tecnológicos para a produção de carne de peixes nativos Jorge Antonio Ferreira de Lara Embrapa Pantanal Cuiabá, 29 de maio de 2008 O MUNDO MUDOU... A queda do muro de Berlim, o 11

Leia mais

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio

1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Programa úmero de Ações 8 1156 Pesquisa e Desenvolvimento para a Competitividade e Sustentabilidade do Agronegócio Objetivo Indicador(es) Incrementar a base de conhecimentos científicos e tecnológicos

Leia mais

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção

Sumário. 3. Sistema orgânico de produção animal. 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial de produção Angela Escosteguy Fiscal Federal Agropecuário, Méd. Veterinária Presidente do Instituto do Bem-Estar Porto Alegre,RS, Brasil E-mail: angela@ibembrasil.org Sumário 1. Contexto mundial 2. Modelo industrial

Leia mais

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13

artigos 92 Revista UFG / Dezembro 2012 / Ano XIII nº 13 artigos INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA-FLORESTA: ALTERNATIVA PARA INTENSIFICAÇÃO DO USO DA TERRA Lourival Vilela 1, Geraldo B. Martha Jr 2, Robélio Leandro Marchão 3 1. Pesquisador da Embrapa Cerrados. E-mail:

Leia mais

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento

AULA 4 FLORESTAS. O desmatamento AULA 4 FLORESTAS As florestas cobriam metade da superfície da Terra antes dos seres humanos começarem a plantar. Hoje, metade das florestas da época em que recebemos os visitantes do Planeta Uno não existem

Leia mais

ISSN 1981-7223 Junho, 2015 132. Recomendações para Operacionalização do Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Pantanal

ISSN 1981-7223 Junho, 2015 132. Recomendações para Operacionalização do Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Pantanal ISSN 1981-7223 Junho, 2015 132 Recomendações para Operacionalização do Plano de Agricultura de Baixo Carbono (ABC) no Pantanal ISSN 1981-7223 Junho, 2015 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa

Leia mais

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore

Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore Curva de Crescimento e Produtividade de Vacas Nelore THIAGO VINÍCIUS DE SOUZA GRADUANDO EM MEDICINA VETERINÁRIA UFMT/SINOP CONTATO: THIAGOV_SOUZA@HOTMAIL.COM Produtividade Cenário atual Nelore sistema

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

Cadeia produtiva do gado de corte: Revisão sobre o desenvolvimento e potencial do mercado brasileiro. Vanessa Taques Batista¹ e Isamara Godoi 1

Cadeia produtiva do gado de corte: Revisão sobre o desenvolvimento e potencial do mercado brasileiro. Vanessa Taques Batista¹ e Isamara Godoi 1 114 Cadeia produtiva do gado de corte: Revisão sobre o desenvolvimento e potencial do mercado brasileiro Vanessa Taques Batista¹ e Isamara Godoi 1 ¹Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE, Pós

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA

FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE ENGENHARIA Impactos ambientais das hidrelétricas na Amazônia Profa. Aline Sarmento Procópio Dep. Engenharia Sanitária e Ambiental Amazônia: alguns dados A Região Amazônica compreende a maior

Leia mais

Conceitos Básicos e Legislação

Conceitos Básicos e Legislação Conceitos Básicos e Legislação Classificação dos Animais REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA O Rei Filósofo Classifica Ordinária a Fama dos Generais Espartanos GÊNERO ESPÉCIE Conceitos Básicos FAUNA SILVESTRE

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1

Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Unidade IV Ser Humano e saúde. Aula 17.1 Conteúdo: O efeito estufa. Habilidade: Demonstrar uma postura crítica diante do uso do petróleo. REVISÃO Reações de aldeídos e cetonas. A redução de um composto

Leia mais

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE

ÍNDICE MITSUISAL A SUA NOVA OPÇÃO COM QUALIDADE ÍNDICE Suplementos minerais pronto para uso Mitsuisal 40 - Bovinos de corte Mitsuisal 60 - Bovinos de corte Mitsuisal 65 - Bovinos de corte Mitsuisal 80 - Bovinos de corte Mitsuisal 88 - Bovinos de corte

Leia mais

Avaliação do Ciclo de Vida ACV

Avaliação do Ciclo de Vida ACV Avaliação do Ciclo de Vida ACV Eloísa Garcia Sustentabilidade BFT 2020 Desenvolvimento Sustentável Desenvolvimento Sustentável é aquele que satisfaz as necessidades e aspirações da geração atual, sem comprometer

Leia mais

UHE JIRAU ANÁLISE DE VIABILIDADE DE ÁREA REMANESCENTE PROCESSO RJ-RU-D-279 JOSÉ FORTUNATO DE LIMA

UHE JIRAU ANÁLISE DE VIABILIDADE DE ÁREA REMANESCENTE PROCESSO RJ-RU-D-279 JOSÉ FORTUNATO DE LIMA UHE JIRAU ANÁLISE DE VIABILIDADE DE ÁREA REMANESCENTE PROCESSO RJ-RU-D-279 JOSÉ FORTUNATO DE LIMA ABRIL / 2013 1. OBJETO DE ESTUDO ANÁLISE DA CONTINUIDADE DOS NÍVEIS DE ATIVIDADE ECONÔMICA DA PROPRIEDADE

Leia mais

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena

Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Fazenda São Francisco São Francisco de Paula-RS Proprietário: José Lauri Moreira de Lucena Área total: 354 ha Área pastoril: 330 ha Sistema de produção: Cria de Bovinos Histórico 1982 Início da propriedade

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é

A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é A IMPORTÂNCIA DE UM BOM PROJETO NA PECUÁRIA DE CORTE. A idéia de projeto, em qualquer atividade econômica é bastante elástica. Em geral um projeto é resultado de um estudo minucioso do ambiente onde se

Leia mais

FAZENDA MULTIFUNCIONAL, OPORTUNIDADE DE USO DE RECURSOS GENÉTICOS LOCAIS Raquel Soares Juliano André Steffens Moraes Sandra Aparecida Santos

FAZENDA MULTIFUNCIONAL, OPORTUNIDADE DE USO DE RECURSOS GENÉTICOS LOCAIS Raquel Soares Juliano André Steffens Moraes Sandra Aparecida Santos FAZENDA MULTIFUNCIONAL, OPORTUNIDADE DE USO DE RECURSOS GENÉTICOS LOCAIS Raquel Soares Juliano André Steffens Moraes Sandra Aparecida Santos Embrapa Pantanal raquel.juliano@embrapa.br Agricultura Multifuncional

Leia mais

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar

Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Ecologia & Biodiversidade: uma abordagem transdisciplinar Francisco Soares Santos Filho Professor / Biólogo Conceitos fundamentais em Ecologia Espécie População Comunidade Biológica ou Biocenose Biótopo

Leia mais

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil

Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo - SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA Políticas Públicas para o Desenvolvimento Agropecuário no Brasil Reunião Regional

Leia mais

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br

Pedologia. Professor: Cláudio Custódio. www.espacogeografia.com.br Pedologia Professor: Cláudio Custódio Conceitos: Mineração: solo é um detrito que deve ser separado dos minerais explorados. Ecologia: é um sistema vivo composto por partículas minerais e orgânicas que

Leia mais

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL

1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA 1ª REUNIÃO GLOBAL SOBRE PECUÁRIA SUSTENTÁVEL Tema: Políticas Públicas no Brasil para o Desenvolvimento da Pecuária Sustentável Plano ABC Elvison

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

AGENDA DE AÇÃO GLOBAL PARA PECUÁRIA SUSTENTÁVEL FAO

AGENDA DE AÇÃO GLOBAL PARA PECUÁRIA SUSTENTÁVEL FAO FAO 33 Reunião Ordinária da Câmara Setorial da Cadeia P rodutiva de Carne Bovina Brasília, 04 de dezembro de 2012 ANDREA PARRILLA Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo SDC/MAPA OBJETIVO

Leia mais

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica

Cenários. Sistemas de Produção. para a Pecuária de Corte Amazônica Sistemas de Produção Cenários para a Pecuária de Corte Amazônica Centro de Sensoriamento Remoto e Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Aliança da terra Virginia Tech Woods Hole

Leia mais

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS

CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS CAPÍTULO 10 ENERGIAS RENOVÁVEIS FONTES ALTERNATIVAS. O Sol, o vento, os mares...fontes naturais de energia que não agridem o meio ambiente. Será viável utilizá-las? A Energia renovável é aquela que é obtida

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações

NOSSA ASPIRAÇÃO JUNHO/2015. Visão Somos uma coalizão formada por associações JUNHO/2015 NOSSA ASPIRAÇÃO Visão Somos uma coalizão formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados em contribuir para a promoção de uma nova economia

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS

CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS CURSO DE CAPACITAÇÃO EM MANEJO ECOLÓGICO DE SOLOS Paulo Sérgio Rabello de Oliveira Docente no Centro de Ciências Agrárias Marechal Cândido Rondon/PR Tópicos Capacidade de uso das terras Conceitos básicos

Leia mais