Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias"

Transcrição

1 Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho (61)

2 Normas Ambientais Art. 23 do Dec. 3179/99: É proibida a importação ou a exportação de quaisquer espécies aquáticas, em qualquer estágio de evolução, bem como a introdução de espécies nativas ou exóticas em águas jurisdicionais brasileiras, sem autorização do órgão ambiental competente Art. 61 da Lei 9605/98: Disseminar doença ou praga ou espécies que possam causar dano à agricultura, à pecuária, à fauna, à flora ou aos ecossistemas Art. 9 da Portaria IBAMA n 145-n/1998: a soltura de indivíduos em ambientes aquáticos externos às instalações de cultivo somente será permitida quando se tratarem de espécies autóctones, excetuando-se a soltura nos açudes da Região Nordeste hidrograficamente isolados

3 Construção da Minuta 2006 Elaboração da Minuta encaminhada aos Centros de Pesquisa do IBAMA: CEPTA/CEPSUL/CEPENE/CEPNOR; 2007 Workshop sobre soltura/repovoamento de ambientes aquáticos em ITAIPU, Foz do Iguaçu Contribuições do CFBio sobre a IN GT6 Recursos aquáticos ELETROBRÁS.

4 Avaliação preliminar Conhecimento dos estoques e formas de sua exploração (existência de sobrepesca: se está retirando peixe em excesso ); O reconhecimento das limitações ao crescimento dos estoques presentes (capacidade de suporte do ambiente, perda de habitats críticos para reprodução e desenvolvimento inicial ou falhas no recrutamento); Conhecimento básico da bioecologia das espécies.

5 Quando repovoar? Sobreexplotação Situação em que a atividade pesqueira de uma determinada espécie deixa de ser sustentável. Baixa variabilidade genética. Evento extraordinário Ocorrência não passíveis de previsão ou acidentais que causam o perecimento de espécimes da fauna aquática, em uma determinada bacia hidrográfica. Manutenção e recomposição de estoques.

6 Origem dos alevinos! Deverão ser produzidos em estação de aquicultura situada na mesma bacia hidrográfica objeto da ação de repovoamento. Com foco em variabilidade genética (heterogeneidade) e não em produção (aspectos zootécnicos seleção e simplificação genética). A avaliação da diversidade genética do plantel de reprodutores e do estoque deve ser monitorado antes e após o repovoamento. Qualidade sanitária das sementes e do meio de transporte deve ser motivo de controle absoluto.

7 Estações de Aquicultura Deverão estar licenciadas pelo Órgão Ambiental Estadual; Registro Geral da Pesca (MPA); Cadastro Técnico Federal (IBAMA); Apresentar ao IBAMA o Programa de controle genético Apresentar ao IBAMA o Programa de controle genético de seus plantéis bem como, o protocolo metodológico detalhado do Programa de monitoramento da efetividade do repovoamento, incluindo cronograma de amostragem e entrega de relatórios da avaliação.

8 Plantel ou bancos de germoplasma A reprodução deverá assegurar um grau de endogamia da espéciemenorouiguala5%em nomínimo 10gerações. Número mínimo de 50 casais ativos e efetivos no processo de reprodução, oriundos de ambiente natural. Máximo de 2% da prole/casal do n total autorizado para soltura/ano. As matrizes deverão estar marcadas e registradas. Solicitar ao IBAMA vistoria na estação de reprodução. Sem formação de plantel Solicitar autorização específica do IBAMA para a captura e manutenção das matrizes. Declaração de comprometimento (devolução das matrizes ao Meio Ambiente). Solicitar vistoria na estação de reprodução.

9 Onde repovoar? Os repovoamentos deverão ser realizados nas mesmas épocas e locais de ocorrência natural da espécie em relação aos habitats de reprodução, alimentação e crescimento. Nos casos de sobreexplotação O repovoamento deverá ser realizado no período de defeso e com espécies com elevada pressão de captura e comprovado efeito de depleção real do estoque.

10 Em grandes reservatórios (populações auto-sustentáveis) Pouco rentáveis e pouco produtivos; O repovoamento para fins de conservação;

11 Reservatórios médios e pequenos Onde são obtidos os melhores resultados de repovoamento. Repovoamento de rotina.

12 Obrigado! DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho (61)

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997

Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de 1997 Pág. 1 de 8 MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS Portaria nº 118-N / 97, de 15 de outubro de

Leia mais

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97

PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Página 1 PORTARIA N.º 118/97 de 15.10.97 Regulamenta a criação de animais da fauna silvestre brasileira com fins econômicos e industriais INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009 Altera e acrescenta dispositivos à Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009, dispondo sobre a aquicultura de espécies

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 0025933-82.2015.4.01.0000/DF (d)

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N. 0025933-82.2015.4.01.0000/DF (d) ! RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL JIRAIR ARAM MEGUERIAN AGRAVANTE : CONSELHO NACIONAL DE PESCA E AQUICULTURA E OUTROS(AS) ADVOGADO : ALICE BUNN FERRARI AGRAVADO : UNIAO FEDERAL PROCURADOR : JOSÉ ROBERTO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 11 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁ- VEIS - IBAMA, no uso das atribuições legais previstas no art.

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 146, DE 10 DE JANEIRO DE 2007 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS

Leia mais

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014

PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 PORTARIA MMA Nº 445, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 A MINISTRA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei nº 10.683, de 28 de maio de 2003, nos Decretos no 6.101,

Leia mais

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020

Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Proposta de 20 Metas Brasileiras de Biodiversidade para 2020 Propostas encaminhadas pela sociedade brasileira após consulta envolvendo cerca de 280 instituições dos setores: privado, ONGs, academia, governos

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEITO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 118-N DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE

Leia mais

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza.

Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. DECRETO Nº 5.746, DE 5 DE ABRIL DE 2006 Regulamenta o art. 21 da Lei no 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA,

Leia mais

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008.

Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Diário Oficial n 2.605 43, Ano XX - Estado do Tocantins, quinta-feira, 6 de março de 2008. INSTRUÇÃO NORMATIVA No 002, 04 de março de 2008. Dispõe sobre parâmetros de caracterização e uniformização dos

Leia mais

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII

Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII ANOTAÇÕES SOBRE A FAUNA Base legal: Constitucional: Art. 24, VI; 23,VII e Art. 225, VII Art. 24. Compete à União, aos Estados e ao Distrito Federal legislar concorrentemente sobre: VI - florestas, caça,

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado ODAIR CUNHA PT/MG PROGRAMAS ABERTOS MINISTÉRIO DA PESCA Código do Programa 5800020130061 Administração Pública Estadual ou do Distrito Federal Programa 20.122.2113.2000.0001.0001 - Adminstração da Unidade - Nacional A atividade

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA No-2, DE 19 DE FEVEREIRO DE 2014 Regulamenta o art. 4º da Instrução Normativa Interministerial n 14 de 26 de

Leia mais

Secretaria do Meio Ambiente

Secretaria do Meio Ambiente Secretaria do Meio Ambiente PORTARIA SEMA n 79 de 31 de outubro de 2013. Reconhece a Lista de Espécies Exóticas Invasoras do Estado do Rio Grande do Sul e demais classificações, estabelece normas de controle

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998

INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998 INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 102/98, DE 15 DE JULHO DE 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

Leia mais

Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS

Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 1: Congestas 2013 37 Eixo Temático 01-007 - Gestão Ambiental LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS AQUÍCOLAS Ronilson José

Leia mais

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow

Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO 120 anos Licenciamento Ambiental na CETESB IV Aquishow Pesquisadora Científica Dra. Daercy Mª M. de Rezende Ayroza Polo Regional Médio Paranapanema Regularização

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM.

GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. GOVERNO DO ESTADO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DO DESENVOLVIMENTO AMBIENTAL SEDAM. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 30 DE MAIO DE 2011 Normatiza a atividade de silvicultura econômica com espécies nativas

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

MATRIZ PONDERADA DE CRITÉRIOS PARA TOMADA DE DECISÃO SOBRE O USO DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUAS CONTINENTAIS PARA USO ORNAMENTAL OU DE AQUARIOFILIA.

MATRIZ PONDERADA DE CRITÉRIOS PARA TOMADA DE DECISÃO SOBRE O USO DE ESPÉCIES DE PEIXES DE ÁGUAS CONTINENTAIS PARA USO ORNAMENTAL OU DE AQUARIOFILIA. DIAGNÓSTICO GERAL DAS PRÁTICAS DE CONTROLE LIGADAS A EXPLORAÇÃO, CAPTURA, COMERCIALIZAÇÃO, EXPORTAÇÃO E USO DE PEIXES PARA FINS ORNAMENTAIS E DE AQUARIOFILIA UANEXO 4 MATRIZ PONDERADA DE CRITÉRIOS PARA

Leia mais

Leis, normas e incentivos para criar peixes

Leis, normas e incentivos para criar peixes Leis, normas e incentivos para criar peixes Cloves Vettorato Seder Fone: 0xx 65 613 6211 vettorato@terra.com. @terra.com.br Leis, normas e incentivos para criar peixes Posição estadual no Brasil - 2004

Leia mais

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais:

1.5.1 Por formulário de até 14 itens 37,00. 1.5.2 Por formulário adicional 6,00. 2.1 - Criadouro de espécimes da fauna exótica para fins comerciais: ANEXO VII (Anexo à Lei n o 6.938, de 31 de agosto de 1981) TABELA DE PREÇOS DOS SERVIÇOS E PRODUTOS COBRADOS PELO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS - IBAMA DESCRIÇÃO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE PRODUÇÃO SECRETARIA EXECUTIVA DE ESTADO DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE. CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE-COEMA Câmara Técnica Especial PROCESSO

Leia mais

Conceitos Básicos e Legislação

Conceitos Básicos e Legislação Conceitos Básicos e Legislação Classificação dos Animais REINO FILO CLASSE ORDEM FAMÍLIA O Rei Filósofo Classifica Ordinária a Fama dos Generais Espartanos GÊNERO ESPÉCIE Conceitos Básicos FAUNA SILVESTRE

Leia mais

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS

PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS PROJETO MAIS PEIXES EM NOSSAS ÁGUAS Promover o desenvolvimento socioambiental e econômico na região de influência do reservatório da EMPRESA por meio de ações de inclusão social e produtiva e melhoria

Leia mais

Grupo de Trabalho 5. Prevenção, análise de risco e detecção precoce

Grupo de Trabalho 5. Prevenção, análise de risco e detecção precoce Grupo de Trabalho 5 Prevenção, análise de risco e detecção precoce Diagnóstico da estrutura existente Diferentes níveis de estruturação para setores Sistemas produtivos (agricultura, pecuária, silvicultura)

Leia mais

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com

ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO. Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE RECUPERAÇÃO PRAD Prof. Dr. Israel Marinho Pereira imarinhopereira@gmail.com ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DO PRAD O Plano de Recuperação de Áreas Degradadas (PRAD), deverá

Leia mais

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Biólogos Regulamentação das Atividades

VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO. Biólogos Regulamentação das Atividades VERITAE TRABALHO PREVIDÊNCIA SOCIAL SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Biólogos Regulamentação das Atividades Orientador Empresarial RESOLUÇÃO CFBio nº 227/2010 DOU: 19.08.2010 Dispõe sobre a regulamentação

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS

TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS TERCER ENCUENTRO REGIONAL DE LA ROAVIS San José, Costa Rica 11 y 12 de diciembre del 2013 Vania Tuglio Fiscal Criminal SP, Brasil GECAP Grupo Especial de Combate aos Crimes Ambientais Lei 9.605\98 Art.

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01 DE 15 DE ABRIL DE 1999 (Renomeada para IN 003/99) O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015

PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015 PORTARIA SEMA Nº 177, de 30 de novembro de 2015 Estabelece as normas e procedimentos pertinentes à destinação de fauna silvestre apreendida, resgatada ou entregue voluntariamente no âmbito do Estado do

Leia mais

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA

SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA SANIDADE DE ANIMAIS AQUÁTICOS E AS NOVAS ATRIBUIÇÕES DO MINISTÉRIO DA PESCA E AQUICULTURA Henrique César Pereira Figueiredo Professor da Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais Coordenador-Geral

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado ABRASE Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes De Animais Silvestres e Exóticos

Leia mais

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155)

PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) PORTARIA N o 44, DE 4 DE OUTUBRO DE 2007. (publicada no DOU de 05/10/2007, seção I, página 155) A SECRETÁRIA DE ORÇAMENTO FEDERAL, tendo em vista a autorização constante do art. 62, inciso III, da Lei

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO,

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, ESTADO DE RONDÔNIA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA MENSAGEM N 183/2010. EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RONDÔNIA encaminha a Vossa Excelência para

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO SUBSTITUTIVO DO RELATOR AO PROJETO DE LEI Nº 4.490, DE 1.994 Altera os arts. 1º, 8º e 9º da Lei nº 5.197, de 3 de janeiro de 1967, que dispõe sobre a proteção

Leia mais

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC,

Leia mais

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS

GUIA DE ORIENTAÇÃO PARA A PESSOA JURÍDICA INTERESSADA NA COMERCIALIZAÇÃO ANIMAIS SILVESTRES BRASILEIROS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS CENTRO DE CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RÉPTEIS E ANFÍBIOS RAN GUIA DE ORIENTAÇÃO

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, 204, DE 22 DE OUTUBRO DE 2008 O PRESIDENTE DO INSTITUTO

Leia mais

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais;

Anexo I - Relatório Anual de Produção e Comercialização de Sementes de Espécies Florestais; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011

INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 ALTERADA PELA IN MPA Nº 16/2013 INSTRUÇÃO NORMATIVA MPA N 06, DE 19 DE MAIO DE 2011 Dispõe sobre o Registro e a Licença de Aquicultor, para o Registro Geral da Atividade Pesqueira - RGP. A MINISTRA DE

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 (Do Sr. Neri Geller) Susta os efeitos dos dispositivos que cita do Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, o qual dispõe sobre as infrações e sanções administrativas

Leia mais

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO

FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO 1 FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO FINAL DO ESTAGIÁRIO Este formulário de cunho confidencial, deve ser preenchido pelo supervisor de estágio e enviado, em envelope lacrado, ao SETOR DE ESTÁGIOS DA FEIS - FACULDADE

Leia mais

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT I Workshop de Avaliação da Rede de Sustentabilidade da Pesca no Pantanal I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT PARECER

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011

Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 Deliberação CONSEMA Normativa 2, de 9-11-2011 289ª Reunião Ordinária do Plenário do CONSEMA Dispõe sobre a elaboração e a atualização de lista de espécies exóticas com potencial de bioinvasão no Estado

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III

III Encontro Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica Paraná III O III Cultivando Água Boa/Porã/Agenda 21 da Bacia Hidrográfica do Paraná III, realizado em Foz do Iguaçu, Brasil, nos dias 30 de novembro e 1º de dezembro de 2006, com a presença de 2.300 participantes,

Leia mais

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA

MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA MANEJO DO PALMITEIRO Euterpe edulis NO ESTADO DE SANTA CATARINA IN-35 INSTRUÇÕES GERAIS: A Exploração do Palmiteiro (Euterpe edulis) no estado de Santa Catarina, deverá obedecer os critérios estabelecidos

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQURIOFILIA ABLA - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE LOJAS DE AQUARIOFILIA www.ablaquariofilia.com.br abla@ablaquariofilia.com.br Rua Brigadeiro Galvão,893 São Paulo -SP telefones:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.959, DE 29 DE JUNHO DE 2009. Mensagem de veto Vigência Dispõe sobre a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE

SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE SITUAÇÃO ATUAL DA LEGISLAÇÃO DE BATATA SEMENTE V SEMINÁRIO BRASILEIRO DA BATATA 21 DE OUTUBRO 2010 UBERLÂNDIA - MG SAMIRA OMAR MOHAMAD EL TASSA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS

Leia mais

PROJETO DE LEI N o, DE 2006

PROJETO DE LEI N o, DE 2006 PROJETO DE LEI N o, DE 2006 (Do Sr. Antônio Carlos Biffi) Altera dispositivos da Lei nº 5.197, de 03 de janeiro de 1967. O Congresso Nacional decreta: janeiro de 1967. Art. 1 o Fica revogado o art. 2º

Leia mais

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho

Pesca Sustentável e Responsável. Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho Pesca Sustentável e Responsável Antônio Olinto Ávila da Silva Pesquisador Científico Centro APTA Pescado Marinho O que é Sustentabilidade? Capacidade de persistir no longo prazo. Característica, p.ex.,

Leia mais

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012)

GUIA TÉCNICO LIFE 02. Versão 2.0 Internacional - Português. LIFE-BR-TG02-2.0-Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Versão Internacional - Português (DEZEMBRO/2012) LIFE-BR-TG02--Português Avaliação do Desempenho em Ações de Conservação da 20/12/2012 2 Instituto LIFE Direitos reservados pela

Leia mais

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A

RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A RENASES LISTA 2012 V I G I L Â N C I A S A N I T Á R I A Nota: A lista de critérios ou regramentos de acesso às ações e serviços constantes da RENASES está prevista no art. 7º da Portaria nº 842/GM/MS,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA N 5, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre os procedimentos metodológicos para restauração e recuperação das Áreas de Preservação Permanentes e da Reserva Legal instituídas pela Lei

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS. FAÇO SABER a todos os habitantes que a ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA decretou e eu sanciono a presente

O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS. FAÇO SABER a todos os habitantes que a ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA decretou e eu sanciono a presente LEI N.º 2.713, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2.001 Dispõe sobre a política de proteção à fauna aquática e de desenvolvimento da pesca e aquicultura sustentável no Estado do Amazonas. O GOVERNADOR DO ESTADO DO AMAZONAS

Leia mais

Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental

Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental Notas Técnicas sobre a base de dados do Comando de Polícia Ambiental e o Relatório Trimestral Ambiental A) Organização da base de dados Os dados digitados mensalmente pelas Unidades de Polícia Ambiental,

Leia mais

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL

II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL II.10.3 PROJETO DE COMUNICAÇÃO SOCIAL 1. Justificativa Este Projeto de Comunicação Social (PCS) refere-se à atividade de perfuração marítima no Bloco BS-4, empreendimento da Queiroz Galvão Exploração e

Leia mais

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS

I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM ATIVIDADES FISCALIZATÓRIAS CONCEITOS I CURSO DE MANEJO IMEDIATO DE ANIMAIS SILVESTRES EM CONCEITOS APREENSÃO ato de tomar, legalmente e sem compensação, animal mantido de forma ilegal ou sob maus tratos, como estratégia patrimonial de combate

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Peixe Vivo 5 anos. III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais

Peixe Vivo 5 anos. III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais Peixe Vivo 5 anos III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais Contexto Morte de 7 toneladas em turbina e vertedouro da UHE Três Marias em Março de 2007 Consequência: Multa e

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia

Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Biodiversidade, Agrobiodiversidade e Agroecologia Hoje, um grande desafio para a agropecuária, principalmente em relação à inovação tecnológica, é a harmonização do setor produtivo com os princípios da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br

AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES COM A FAUNA SILVESTRE. Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS E SUAS RELAÇÕES Elias Silva 1 COM A FAUNA SILVESTRE 1 Professor Associado do Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Viçosa, eshamir@ufv.br 1 1

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007

DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 DELIBERAÇÃO CECA/CN Nº 4.888, DE 02 DE OUTUBRO DE 2007 ESTABELECE PROCEDIMENTOS PARA GRADAÇÃO DE IMPACTO AMBIENTAL PARA FINS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL, DE QUE TRATA A LEI Nº 9.985, DE 18/07/2000. A Comissão

Leia mais

Lei nº 3.437 DE 09/09/2014

Lei nº 3.437 DE 09/09/2014 Lei nº 3.437 DE 09/09/2014 Norma Estadual - Rondônia Publicado no DOE em 09 set 2014 Dispõe sobre a Aquicultura no Estado de Rondônia e dá outras providências. O Governador do Estado de Rondônia: Faço

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS

CONSELHO ESTADUAL DE MEIO AMBIENTE DO AMAZONAS RESOLUÇÃO/CEMAAM/Nº01/08 Estabelece normas e procedimentos para regularização ambiental de TANQUES, VIVEIROS, BARRAGENS, PEQUENOS RESERVATÓRIOS, CANAIS DE IGARAPÉS E TANQUES REDE DESTINADOS PARA A AQÜICULTURA

Leia mais

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS

1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS 1. PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO E RECUPERAÇÃO DE ECOSSISTEMAS O Programa de Preservação e Recuperação de Ecossistemas visa o aumento da biodiversidade e a recuperação da paisagem. É composto por um conjunto

Leia mais

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007

LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 LEI Nº 7.055, DE 12 DE NOVEMBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 20.11.07. Dispõe sobre a Política Estadual para o Desenvolvimento e Expansão da Apicultura e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA

Leia mais

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA

A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA A AGRICULTURA EM MACHADINHO D OESTE & O CÓDIGO FLORESTAL EVARISTO DE MIRANDA Coordenador do Grupo de Inteligência Territorial Estratégica GITE da Embrapa TULIO BARBOSA Mineiro de Guidoval TULIO BARBOSA

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, DOS RECURSOS HÍDRICOS E DA AMAZÔNIA LEGAL INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS PORTARIA Nº 117 DE 15 DE OUTUBRO DE 1997 O PRESIDENTE DO

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE Procedência: 9ª Reunião do Grupo de Trabalho Data: 3 e 4 de setembro de 2014 Processo: 02000.000110/2011-68 Assunto: Utilização de produtos

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL AMBIENTAL SNUC - Sistema Nacional de Unidades de Conservação (Lei n 9.985, de 18 de julho de 2004) O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) é o conjunto de diretrizes e procedimentos oficiais

Leia mais

Monitoramento de Macrófitas Aquáticas no reservatório da UHE Santo Antônio

Monitoramento de Macrófitas Aquáticas no reservatório da UHE Santo Antônio RELATÓRIO DO ACOMPANHAMENTO DE MACRÓFITAS AQUÁTICAS NO RESERVATÓRIO DA UHE SANTO ANTÔNIO Março/2014 Porto Velho - RO Esse relatório apresenta o acompanhamento de macrófitas aquáticas realizado pela SAE

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 374, DE 12 DE JUNHO DE 2015 Publicado em: 03/07/2015 O CONSELHO FEDERAL DE BIOLOGIA CFBio, Autarquia Federal, com personalidade jurídica de direito público, criado pela Lei nº 6.684, de 03

Leia mais

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas

O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas O Estado da Biodiversidade Brasileira: Genes, Espécies e Biomas Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada IPEA Diretoria de Estudos e Políticas Regionais, Urbanas e Ambientais DIRUR Eixo Temático: Sustentabilidade

Leia mais

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.978, DE 09 DE SETEMBRO DE 2015.

RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.978, DE 09 DE SETEMBRO DE 2015. RIO GRANDE DO NORTE LEI Nº 9.978, DE 09 DE SETEMBRO DE 2015. Denomina Lei Governador Cortez Pereira, dispõe sobre desenvolvimento Sustentável da Carcinicultura no Estado do Rio Grande do Norte e dá outras

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS...

CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 CAPÍTULO 2 O PROCESSO DE LICENCIAMENTO... 17 CAPÍTULO 3 LICENÇAS AMBIENTAIS... S u m á r i o CAPÍTULO 1 O HOMEM E SUA RELAÇÃO COM O MEIO AMBIENTE...1 1.1. A percepção do problema e a busca das soluções...5 1.2. As normas de proteção dos recursos naturais...8 1.3. Os instrumentos

Leia mais

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL

LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL LEI DE CRIMES AMBIENTAIS: GUIA BÁSICO PARA O PRODUTOR RURAL Antonio Carlos da Silva Zanzini 1 Jésus José de Oliveira 2 1 INTRODUÇÃO Com a promulgação da Lei de Crimes Ambientais n o 9605, que entrou em

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014

Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Resolução SMA nº 70 DE 02/09/2014 Norma Estadual - São Paulo Publicado no DOE em 03 set 2014 Define a metodologia a ser adotada em caráter experimental para a conversão das obrigações de reposição florestal

Leia mais

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSO NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA O PAPEL DO DO IBAMA NA NA PRESERVAÇÃO E E CONSERVAÇÃO

Leia mais

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev.

ÍNDICE. 12.2.2 - Programa de Coleta de Germoplasma e Resgate de Epífitas... 1/10. 2619-00-EIA-RL-0001-00 Outubro de 2013 Rev. 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS ÍNDICE... 1/10 Índice 1/1 2619-00-EIA-RL-0001-00 LT 500 KV MIRACEMA - SAPEAÇU E SUBESTAÇÕES ASSOCIADAS O Programa de Coleta

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais