Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação"

Transcrição

1 Peixes migradores do rio Uruguai: Monitoramento, ações de manejo e conservação Prof. Evoy Zaniboni Filho, Dr. Departamento de Aqüicultura / CCA Universidade Federal de Santa Catarina Florianópolis, SC, Brasil

2 Bacias Hidrográficas Brasileiras

3 Bacia do rio Uruguai

4

5

6 Foz do rio Uruguai início do rio da Prata

7 Usos e impactos históricos Desmatamento Indústria de papel e celulose Efluente urbano sem tratamento Indústria de couro (metal pesado) Produção intensiva de aves e suinos Pior período anos 80 pesca Quase não existiam peixes migradores

8 Participação (%) das 10 espécies mais abundantes nos anos 90 e sua participação nos anos 80 Fonte: (Zaniboni-Filho & Schulz, 2003) Salminus maxillosus Hoplias lacerdae Hypostomus commersonii Schizodon nasutum Oligosarcus jenynsii Iheringichthys labrosus Pimelodus maculatus Steindachnerina brevipinna Rhamdia quelen Hypostomus isbrueckeri biomass (%)

9 Dourado - Salminus brasiliensis

10 Início das barragens no alto e médio rio Uruguai (1999)

11 Previsão de aproveitamento hidrelétrico do rio Uruguai

12 Estudos do Lapad/UFSC Iniciados em julho/1995 fase rio Amostragens contínuas e adaptadas OBJETIVOS GERAIS: Conservação dos estoques genéticos Manutenção da produção pesqueira

13 Monitoramento e Manejo da ictiofauna OBRA RIO RESERVATÓRIO REPRODUÇÃO ALIMENTAÇÃO CICLO DE VIDA PERMANÊNCIA DESAPARECIMENTO ABUNDÂNCIA DAS SPP Manejo de ambiente... Estocagem

14 Fase rio e lago OBJETIVOS ESPECÍFICOS: Continua havendo desova na área? Onde? Existem áreas de criação das formas jovens? Onde? Há recrutamento?

15 Distribuição sazonal das FO% dos estádios de maturação gonadal e relação gonadossomática de Salminus brasiliensis no alto rio Uruguai (Machado, 2003)

16 Distribuição das FO% dos estádios de maturação gonadal Salminus brasiliensis em cada ponto amostral no alto rio Uruguai (Machado, 2003)

17 Fase rio e lago Há maturação gonadal e desova do dourado (idem para algumas outras espécies) Dificuldades e dúvidas: Baixa coleta de ovos e larvas no ictioplâncton Ausência de juvenis nas capturas

18 Fase rio e lago Estratégia adotada: - Diversificação das armadilhas de ovos e larvas - Aumento do esforço de captura

19

20 Entre 2001 e 2010 Período reprodutivo: Outubro a Fevereiro Total: 9 períodos reprodutivos Ex.: 2001/2002; 2002/2003; 2009/ diaspormês boat plankton net ichthyoplankton

21 Fase rio e lago Estratégia adotada: - Diversificação das armadilhas de ovos e larvas - Aumento do esforço de captura - Avaliação de novos habitats

22 Qual uso deste novo habitat pela comunidade de peixes?

23 Alguns resultados

24 Evolução da produção pesqueira na área de influência do reservatório de Itá (kg ou No./100m 2 /12h) (Zaniboni Filho et al., 2008)

25 Variação da abundância em biomassa das 16 espécies mais representativas da ictiofauna da região sob influência da UHE Itá {ANTES: DEPOIS: }(Zaniboni Filho et al., 2008)

26 Número total de ovos e larvas de peixes/ano (A), vazão média mensal (m 3 /s) e temperatura ( C) (B) Flow (m 3 /s) Temperature ( C) No. of Eggs No. of Larvae (Reynalte-Tataje et al., 2008)

27 Relação entre o número de táxons das larva de peixe encontradas e a temperatura da água ( C) Temperatura ( C) (Reynalte-Tataje et al., 2008)

28

29 Bancos de macrófitas Principalmente espécies de pequeno porte e juvenis Gymnotus carapo Astyanax bimaculatus Eigenmannia virescens Astyanax fasciatus Moenkhausia sp. Leporinus obtusidens Serrasalmus maculatus

30

31

32 Temperatura ( C) O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F Ligeiro Uruguai

33 Temperatura (superfície da água no Oceano Pacífico) El Niño vs. La Niña 2 1,5 1 0,5 0-0,5-1 -1,5-2 O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F

34 Vazão (m 3 /s) Ligeiro O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J F

35 Vazão (m 3 /s) Rio Uruguai O N D J F O N D J F O N D J F O N D F N D J F O N D J F O N D J F O N D J F O N D J

36

37

38

39 Convenções de Biodiversidade e de Mudanças climáticas (Estocolmo, 1972; Rio, 1992; Kyoto,1997; Johanesburgo, 2002; Haia, 2002; Copenhagen, 2009) Quais as estratégias recomendadas para conservação da biodiversidade?

40 Convenções de Biodiversidade e de Mudanças climáticas (Estocolmo, 1972; Rio, 1992; Kyoto,1997; Johanesburgo, 2002; Haia, 2002; Copenhagen, 2009) Conservação in situ reservas e parques Conservação ex situ - in vivo zoológicos, tanques de piscicultura - in vitro banco de sementes, sêmen e embriões

41 Parque Estadual do Turvo (Derrubadas, RS) e Reserva da Biosfera de Yaboti (Argentina)

42 Paraná Argentina Área de estudo Santa Catarina Rio Grande do Sul

43

44 Convenções de Biodiversidade e de Mudanças climáticas (Estocolmo, 1972; Rio, 1992; Kyoto, 1997; Johanesburgo, 2002; Haia, 2002; Copenhagen, 2009) Conservação in situ reservas e parques Conservação ex situ - in vivo zoológicos, tanques de piscicultura - in vitro banco de sementes, sêmen e embriões

45 Banco genético in vivo Dourado (Salminus brasiliensis) Suruvi (Steindachneridion scriptum) Curimatã (Prochilodus lineatus) Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Piava (Leporinus obtusidens) Pintado (Pimelodus maculatus) Surubim (Pseudoplatystoma corruscans)

46 Banco in vitro Dourado (Salminus brasiliensis) Curimatã (Prochilodus lineatus) Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Piava (Leporinus obtusidens) Surubim-pintado (Pseudoplatystoma corruscans) 46

47 Reprodução induzida Dourado (Salminus brasiliensis) Curimatã (Prochilodus lineatus) Pintado (Pimelodus maculatus) Suruvi (Steindachneridion scriptum) Bagre-sapo (Pseudopimelodus zungaro) Piracanjuba (Brycon orbignyanus) Surubim-pintado (Pseudoplatystoma corruscans) Piava(Leporinus obtusidens)

48 Ação comumente utilizada Repovoamento ou estocagem

49 Quais cuidados genéticos? Repovoamento ou estocagem

50 Piracanjuba Brycon orbignyanus

51

52 Reservatório de Machadinho

53 PRINCIPAIS IMPACTOS Mudanças na legislação pesqueira Manejo de áreas de reprodução e de criação

54 Para ajudar a proteger sua privacidade, o PowerPoint impediu o download automático desta imagem externa. Para baixar e exibir esta imagem, clique em Opções na Barra de Mensagens e clique em Habilitar conteúdo externo. Apoio financeiro:

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 42 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON

PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON PROGRAMA DE MONITORAMENTO DE ICTIOPLÂNCTON CONSÓRCIO AMBIENTAL ELETROSUL - IJUÍ ENERGIA 2º RELATÓRIO PARCIAL NOV-14/ABR-15 Rua Santos Dumont, 1515 - CEP: 38400-062 Bairro Lídice Uberlândia - MG Programa

Leia mais

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE

PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE PORTARIA IAP Nº 211 DE 19 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece normas e define os locais, formas e quantidades de captura de peixes oriundos da pesca amadora e profissional nas bacias hidrográficas dos Rios Paraná,

Leia mais

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil:

Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: Gargalos e Rumos da Radiotelemetria no Brasil: dificuldades e necessidades do usuário Alexandre Godinho Centro de Transposição de Peixes (CTPeixes) UFMG agodinho@ufmg.br Sumário da Apresentação Espécies

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 45 2013 COORDENAÇÃO

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS

Licenciamento Ambiental para o Projeto de Duplicação Rodovia BR 163/MS Foto 01: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 02: Estação de coleta P01 localizada no rio Iguatemi no eixo Foto 03: Estação de coleta P02 localizada no rio Itaquiraí no eixo Foto

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA ITÁ

USINA HIDRELÉTRICA ITÁ USINA HIDRELÉTRICA ITÁ RELATÓRIO ANUAL 1 SETEMBRO / 2006 a AGOSTO / 2007 1 Este Relatório abrange as atividades de Monitoramento das Condições do Aqüífero Basáltico, cuja periodicidade é semestral, conforme

Leia mais

Classificação: Público. Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013

Classificação: Público. Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013 Classificação: Público Relatório Geral Programa Peixe Vivo 2012 2013 Março/2014 Equipe: Superintendente de Gestão Ambiental da Geração e Transmissão: Enio Marcus Brandão Fonseca Superintendente de Sustentabilidade

Leia mais

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT

GOVERNO DE MATO GROSSO Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT Atividade Conjunta Fundação Estadual do Meio Ambiente FEMA-MT e Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis IBAMA-MT de: Monitoramento da Atividade Reprodutiva dos Peixes Migradores

Leia mais

UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS UFTM UNIVERSIDADE FEDERAL DO TRIÂNGULO MINEIRO INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS, NATURAIS E EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Prof. Dr. CARMINO HAYASHI Professor Visitante Nacional Sênior

Leia mais

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015 Elevador, escada de peixes, levantamentos limnológicos e ictiológicos no reservatório da UHE Engenheiro Sérgio Motta (Porto Primavera). PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO 2014-2015 Relatório GA/259/2015 PRINCÍPIOS

Leia mais

TABELA DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA ENVOLVENDO A ICTIOFAUNA

TABELA DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA ENVOLVENDO A ICTIOFAUNA ANEXO 04 TABELA DOS REGISTROS DE OCORRÊNCIA ENVOLVENDO A ICTIOFAUNA QUADRO 1 REGISTRO DE OCORRÊNCIAS ENVOLVENDO A ICTIOFAUNA Data 16/1/2009 Comutação / Carpa 28/1/2009 Rede de pesca Suruvi Steindachneridion

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL Levantamento da ictiofauna e caracterização da pesca comercial na área do reservatório e a jusante da Usina Hidrelétrica de São Simão Vista de jusante da barragem da UHE São Simão rio Paranaíba (MG/GO)

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA RELATÓRIO 2007 USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO Água e Terra Planejamento Ambiental Ltda. PATOS DE MINAS, MARÇO DE 2008. 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA Água e Terra Planejamento Ambiental

Leia mais

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002

PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 PROGRAMA DE MANEJO PESQUEIRO PLANO DE TRABALHO 2001-2002 POLÍTICA DE MEIO AMBIENTE DA CESP Princípios: 1. Planejar, projetar e desenvolver suas atividades levando em consideração todas as implicações ambientais.

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS

RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS RELATÓRIO FINAL DO MONITORAMENTO DE ICTIOFAUNA E ICTIOPLÂNCTON NA UHE SÃO DOMINGOS - MS Janeiro de 2015. SUMÁRIO 1 EQUIPE TÉCNICA... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 Ictiofauna... 5 Ictioplâncton... 6 2.1. OBJETIVO

Leia mais

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO

LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO LEVANTAMENTO HISTÓRICO AVALIATIVO DA BACIA DO RIO URUGUAI MÉDIO Bolina, V. A. (1) ; Pessano, E. F. C. (1) ; Gralha, T. S. (1) ; Querol, M. V. (1) viniciusbolina@aol.com (1) Universidade Federal do Pampa

Leia mais

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO

PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO DA ICTIOFAUNA USINA HIDRELÉTRICA SÃO SIMÃO CONTRATO Nº 4570010988/510 ÁGUA E TERRA PLANEJAMENTO AMBIENTAL JULHO/2011 1 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO...

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA 27 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA ESTUDO ICTIOFAUNÍSTICO PARA

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL

ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL ESTRUTURA E COMPOSIÇÃO DA ICTIOFAUNA DO MÉDIO RIO CASCA, BACIA DO (ALTO) RIO DOCE, MINAS GERAIS, BRASIL Siqueira, R.C.; Oliveira Júnior, P.R.; Silveira, V.C; Melo, R S.; Teixeira, T.M.; Guedes, E.A; Sousa,

Leia mais

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA

MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA MONITORAMETO DE ICTIOFAUNA NO RESERVATÓRIO E A JUSANTE DA UHE DE SÃO SIMÃO, RIO PARANAÍBA, BACIA DO PARANÁ RELATÓRIO ANUAL OUTUBRO / 2006 1 RESPONSABILIDADE TÉCNICA TECNEVES

Leia mais

Peixe Vivo 5 anos. III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais

Peixe Vivo 5 anos. III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais Peixe Vivo 5 anos III Seminário - Estratégias para conservação de peixes em Minas Gerais Contexto Morte de 7 toneladas em turbina e vertedouro da UHE Três Marias em Março de 2007 Consequência: Multa e

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE BIOCIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ZOOLOGIA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO MODELO ESTATÍSTICO DE DISTRIBUIÇÃO PRESUMIDA DE PEIXES MIGRADORES

Leia mais

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011

Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna. Dezembro de 2011 Gestão de Riscos e oportunidades relacionadas à Ictiofauna Dezembro de 2011 Consultas realizadas pelo Programa Peixe Vivo Foram realizadas várias consultas, no 2º semestre de 2007, à comunidade científica,

Leia mais

Invasões Biológicas em Águas

Invasões Biológicas em Águas Invasões Biológicas em Águas Odete Rocha Laboratório rio de Limnologia Departamento de Ecologia e Biologia Evolutiva, Universidade Federal de São Carlos Biodiversidade em Águas Doces e a Invasão Biológica

Leia mais

Foto: Luciana Aparecida Magalhães Relatório de Biodiversidade 2014 Companhia Energética de Minas Gerais Cemig

Foto: Luciana Aparecida Magalhães Relatório de Biodiversidade 2014 Companhia Energética de Minas Gerais Cemig Foto: Luciana Aparecida Magalhães Relatório de Biodiversidade 2014 Companhia Energética de Minas Gerais Cemig 1 Sumário 1. Biodiversidade... 8 2. Introdução... 10 3. Políticas de Biodiversidade e Ambiental

Leia mais

Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00

Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00 Inventário dos Ecossistemas Aquáticos do Baixo São Francisco Reservatórios do Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso (Moxotó, PA I, II, III e IV) CT-I 92.2007.3540.00 1º. Relatório Anual Dezembro/07 a Novembro/08

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS

DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS DISTRIBUIÇÃO DO ICTIOPLÂNCTON NO MÉDIO RIO URUGUAI: INFLUÊNCIA DE VARIÁVEIS REGIONAIS E LOCAIS ÍSIS TAMARA DE VLIEGER 1,2, DAVID AUGUSTO REYNALTE TATAJE 1,2 1 Universidade Federal da Fronteira Sul, campus

Leia mais

coleta noturna (22:00 horas) durante os meses de março, junho e setembro de 2006. Nestas estações foram utilizadas redes de plâncton, as quais foram

coleta noturna (22:00 horas) durante os meses de março, junho e setembro de 2006. Nestas estações foram utilizadas redes de plâncton, as quais foram 164 Ovos e larvas de peixes Resumo O objetivo deste trabalho foi monitorar o ictioplâncton na planície do alto rio Paraná, bem como verificar a utilização da sub-bacia do rio Ivinheima (MS) como área de

Leia mais

UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015

UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015 UHE SÃO DOMINGOS Março de 2015 5º RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS Florianópolis, março de 2015. USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS INFORMAÇÕES GERAIS EMPREENDEDOR Nome:

Leia mais

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL

COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL COMPOSIÇÃO ICTIOFAUNÍSTICA DO RIO DAS CINZAS BACIA DO RIO PARANAPANEMA, SÃO PAULO, BRASIL Tiago Debona 1, Evelini Arsego 1, Vinicius Valiente dos Santos 1, Daniele Zaneratto Damasceno 2, Norberto Castro

Leia mais

Odonthestes bonariensis/ Atherinella brasiliensis. Instrução Normativa IBAMA nº83/2006, área de abrangência: Canavieiras/ Bahia

Odonthestes bonariensis/ Atherinella brasiliensis. Instrução Normativa IBAMA nº83/2006, área de abrangência: Canavieiras/ Bahia mínimo de captura O tamanho mínimo de captura refere-se ao tamanho a partir do qual é autorizada a pesca de uma determinada espécie, baseado no tamanho da 1º maturação sexual da espécie e é implantado

Leia mais

DHONATAN OLIVEIRA DOS SANTOS

DHONATAN OLIVEIRA DOS SANTOS UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CONSERVAÇÃO E MANEJO DE RECURSOS NATURAIS NÍVEL MESTRADO DHONATAN OLIVEIRA DOS

Leia mais

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco

Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Conservação da Ictiofauna na Bacia do Rio São Francisco Carlos Bernardo Mascarenhas Alves Projeto Manuelzão - UFMG Roteiro da apresentação Aspectos gerais Plano Diretor de Recursos Hídricos Ictiofauna

Leia mais

DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA NOS RESERVATÓRIOS DE SALTO SANTIAGO E SALTO OSÓRIO, RIO IGUAÇU- PR

DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA NOS RESERVATÓRIOS DE SALTO SANTIAGO E SALTO OSÓRIO, RIO IGUAÇU- PR SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GIA - 27 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XI GRUPO DE ESTUDO DE IMPACTOS AMBIENTAIS GIA DINÂMICA POPULACIONAL DA ICTIOFAUNA

Leia mais

Tecnologia de Reprodução de Peixes em Sistemas de Cultivo Indução hormonal através do extrato hipofisário da Palometa

Tecnologia de Reprodução de Peixes em Sistemas de Cultivo Indução hormonal através do extrato hipofisário da Palometa Tecnologia de Reprodução de Peixes em Sistemas de Cultivo Indução hormonal através do extrato hipofisário da Palometa ISBN 978-85-63337-30-6 Marcus Vinicius Morini Querol Edward Frederico Castro Pessano

Leia mais

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE

ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE ESTUDOS ICTIOLÓGICOS E PESQUEIROS EM ÁGUAS INTERIORES DO RIO GRANDE DO NORTE Dr. Rodrigo Silva da Costa (rdgcosta@ufersa.edu.br) Dr. José Luís Costa Novaes (novaes@ufersa.edu.br) Universidade Federal Rural

Leia mais

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil.

Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Fish, Sorocaba river sub-basin, state of São Paulo, Brazil. Welber Senteio Smith 1 Miguel Petrere Jr. 2 Valter Barrella 3 1 Instituto Manchester Paulista de Ensino Superior (IMAPES) / Universidade Paulista

Leia mais

POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL.

POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL. POTENCIALIDADE DA PESCA E DA AQÜICULTURA NO MUNICÍPIO DE BARRA, REGIÃO DO MÉDIO SÃO FRANCISCO, BAHIA, BRASIL. 1-Ricardo Castelo Branco ALBINATI 2-Gisele Baiana SANTOS 1-Professor Associado I - Medicina

Leia mais

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG.

Projeto de apoio à revitalização do Rio dos Cochos, Januária MG. Estudo da Fauna de Peixes do Rio dos Cochos e da Relação com a Comunidade em seu Entorno. Deborah Mattos Guimarães Apgaua¹; Paulo dos Santos Pompeu²; Áureo Eduardo Magalhães Ribeiro³ ¹Estudante de graduação

Leia mais

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s

ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES. Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s ABINEE TEC MINAS 2008 - SINAEES Seminário Vendas para Áreas de Petróleo e Gás, Inovação, Qualidade, Aspectos Ambientais e Controle PCH s SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES EM BARRAGENS DE RIOS CASO DA

Leia mais

Maringá, Brasil, abril de 2004

Maringá, Brasil, abril de 2004 PROPOSTA DO TESE PADRÕES DE MIGRAÇÃO DE PEIXES NO ALTO RIO URUGUAI E CAPACIDADE DE TRANSPOSIÇÃO DE OBSTÁCULOS Maringá, Brasil, abril de 2004 Lisiane Hahn Universidade Estadual de Maringá 1 Universidade

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA-

Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Daniel Latorraca Ferreira Gestor de projetos do IMEA- Índice Sobre o diagnóstico Aspectos sociais e produtivos Aspectos econômicos e mercadológicos Mercado consumidor Análise estratégica Sobre o diagnóstico

Leia mais

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010

MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS. São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 MUDANÇAS DO CLIMA E OS RECURSOS HÍDRICOS São Carlos, 25 de fevereiro de 2010 A BACIA HIDROGRÁFICA COMO UNIDADE DE PLANEJAMENTO OCUPAÇÃO DA BACIA HIDROGRÁFICA O DESMATAMENTO DAS BACIAS OCUPAÇÃO DA BACIA

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES DA CEMIG

GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES DA CEMIG Versão 1.0 XXX.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO: XI GRUPO DE ESTUDOS DE IMPACTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O PLANEJAMENTO, IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE SISTEMAS DE TRANSPOSIÇÃO DE PEIXES

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente

Ministério do Meio Ambiente Subsecretaria de Planejamento, Orçamento e Administração Departamento de Gestão Estratégica Departamento de Articulação de Ações na Amazônia Departamento de Economia e Departamento de Fomento ao Desenvolvimento

Leia mais

Gestão de Programa de P&D de Geração

Gestão de Programa de P&D de Geração Gestão de Programa de P&D de Geração Projetos de P&D São Paulo, 20 de julho de 2011 Desenvolvimento de metodologia para detecção precoce de danos no isolamento de unidades hidrogeradoras através de análise

Leia mais

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu

As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu As Cabeceiras de um Rio que ainda não Morreu Considerado morto dentro dos limites da cidade de São Paulo, o rio Tietê abriga a menos de 80 km do centro da capital espécies de peixes não descritas pela

Leia mais

INDUÇÃO À OVULAÇÃO DE CURIMBA (Prochilodus lineatus) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE EXTRATO BRUTO HIPOFISÁRIO DE FRANGO (Gallus gallus)

INDUÇÃO À OVULAÇÃO DE CURIMBA (Prochilodus lineatus) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE EXTRATO BRUTO HIPOFISÁRIO DE FRANGO (Gallus gallus) INDUÇÃO À OVULAÇÃO DE CURIMBA (Prochilodus lineatus) ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE EXTRATO BRUTO HIPOFISÁRIO DE FRANGO (Gallus gallus) Fernanda de Fátima Souza Teixeira 1, Sarah Jane Laira 2, Wallace Ribeiro

Leia mais

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO

ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. RESUMO ICTIOFAUNA PRESENTE NO RESERVATÓRIO DE CHAVANTES, MUNICÍPIO DE RIBEIRÃO CLARO PR. Dyego Leonardo Ferraz Caetano (PG UEL GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Estevão Gottlieb Gatzke (G GEPRHEA CCHE UENP/CJ) Luís Carlos

Leia mais

RECOMENDAÇÃO nº 003/2011. Ao Ministério do Meio Ambiente,

RECOMENDAÇÃO nº 003/2011. Ao Ministério do Meio Ambiente, Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul Procuradoria da República em Mato Grosso MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL RECOMENDAÇÃO nº 003/2011 Ao Ministério do Meio Ambiente, O MINISTÉRIO

Leia mais

ICHTHYOLOGY Consultoria Ambiental LTDA. Curriculum vitae

ICHTHYOLOGY Consultoria Ambiental LTDA. Curriculum vitae Curriculum vitae ICHTHYOLOGY Consultoria Ambiental LTDA. BERNARDO DO VALE BEIRÃO Sócio da empresa ICHTHYOLOGY Consultoria Ambiental LTDA. Data de nascimento: 23 de dezembro de 1980 Naturalidade: Belo Horizonte

Leia mais

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco

A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco A Construção de um Programa de Revitalização na Bacia do rio São Francisco Antônio Thomaz Gonzaga da Matta Machado Projeto Manuelzão/UFMG Conceito de Revitalização Caráter técnico-científico Legislação

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

PIRACEMA. Contra a corrente

PIRACEMA. Contra a corrente PIRACEMA A piracema é um fenômeno que ocorre com diversas espécies de peixes ao redor do mundo. A palavra vem do tupi e significa subida do peixe. A piracema é o período em que os peixes sobem para a cabeceira

Leia mais

UTILIZANDO SÊMEN FRESCO E CONGELADO DURANTE O PROCESSO DE REPRODUÇÃO INDUZIDA

UTILIZANDO SÊMEN FRESCO E CONGELADO DURANTE O PROCESSO DE REPRODUÇÃO INDUZIDA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AQÜICULTURA CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AQÜICULTURA APERFEIÇOAMENTO DAS TÉCNICAS DE FERTILIZAÇÃO DE OVÓCITOS DE DOURADO,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL. Sumário. EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO... vi. RESGATE DE ICTIOFAUNA E COMPOSIÇÃO DO RELATÓRIO... vi

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL. Sumário. EQUIPE TÉCNICA RESPONSÁVEL PELO... vi. RESGATE DE ICTIOFAUNA E COMPOSIÇÃO DO RELATÓRIO... vi PROGRAMA AMBIENTAL DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DA PCH SALTO MAUÁ - KLABIN NO RIO TIBAGI - RELATÓRIO TÉCNICO FINAL - Dezembro / 2013 PROGRAMA AMBIENTAL DE RESGATE DE ICTIOFAUNA DA PCH SALTO MAUÁ - KLABIN,

Leia mais

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015

Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 Deputado Estadual Neodi Saretta Julho de 2015 O País é banhado por uma costa marítima de 8,5 mil quilômetros e possui 12% da água doce do planeta; O pescado é a proteína animal mais saudável e consumida

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009

PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009 COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE LEI Nº 5.989, DE 2009 Altera e acrescenta dispositivos à Lei nº 11.959, de 29 de junho de 2009, dispondo sobre a aquicultura de espécies

Leia mais

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS

INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS INSTITUTO ESTADUAL DE FLORESTAS MG DIRETORIA DE BIODIVERSIDADE GERÊNCIA DE PROJETOS E PESQUISAS MG.BIOTA Belo Horizonte v.2, n.6 fev./mar. 2010 SUMÁRIO Editorial... 3 Apresentação... 4 A ictiofauna da

Leia mais

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e

DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 84, inciso IV, da Constituição, e DECRETO Nº 4.895, DE 25 DE NOVEMBRO DE 2003 Dispõe sobre a autorização de uso de espaços físicos de corpos d água de domínio da União para fins de aquicultura, e dá outras providências. O PRESIDENTE DA

Leia mais

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL

A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL A PESCA ARTESANAL NO AMBIENTE DO RIO SÃO FRANCISCO, BRASIL Dannilo Carneiro Lima Depto. de Ciências Geográficas, UFPE. Bolsista/Pibic/CNPq/ Fundaj-BRA dannilolips@hotmail.com Lígia Albuquerque de Melo

Leia mais

Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp.

Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp. 208 Ovos e larvas de peixes de água doce... 32) Hoplias sp. Nome comum: Trairão. Distribuição geográfica: Bacia do alto rio Paraná (Oyakawa, 1990). Auto-ecologia: A primeira maturação sexual ocorre com

Leia mais

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO

RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO RELATÓRIO DO MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA DAS PCHS BOM JESUS DO GALHO E SUMIDOURO CEMIG GERAÇÃO E TRANSMISSÃO S.A. DATAS DAS COLETAS: 29 de agosto de 2011 e 28 de fevereiro de 2012 DATA DA EMISSÃO DO RELATÓRIO:

Leia mais

A vida de uma enguia

A vida de uma enguia Escola Superior Agrária Instituto Politécnico de Castelo Branco A vida de uma enguia Texto de apoio Piscicultura António Moitinho Rodrigues Castelo Branco 2002 Introdução Além dos peixes como o salmão

Leia mais

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998

PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 PORTARIA nº 145/98, de 29 de outubro de 1998 O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das atribuições previstas posto no Art. 35 do Decreto

Leia mais

REPRODUÇÃO INDUZIDA, ONTOGENIA INICIAL, ETOLOGIA LARVAL E ALEVINAGEM DA PIABANHA (Brycon insignis, STEINDACHNER, 1877) GUILHERME DE SOUZA

REPRODUÇÃO INDUZIDA, ONTOGENIA INICIAL, ETOLOGIA LARVAL E ALEVINAGEM DA PIABANHA (Brycon insignis, STEINDACHNER, 1877) GUILHERME DE SOUZA REPRODUÇÃO INDUZIDA, ONTOGENIA INICIAL, ETOLOGIA LARVAL E ALEVINAGEM DA PIABANHA (Brycon insignis, STEINDACHNER, 1877) GUILHERME DE SOUZA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO NORTE FLUMINENSE - UENF CAMPOS DOS GOYTACAZES

Leia mais

Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil

Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil Composição ictiofaunística do Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brasil Ichthyofaunistic composition of the Rio Turvo, Pilar do Sul, São Paulo, Brazil Vitor Loreno de Almeida Cerqueira 1, Welber Senteio

Leia mais

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes

A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Lundiana 6(supplement):77-87, 2005 2005 Instituto de Ciências Biológicas - UFMG ISSN 1676-6180 A ictiofauna do Parque Nacional da Serra do Cipó (Minas Gerais, Brasil) e áreas adjacentes Fábio Vieira 1,

Leia mais

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO

Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Recursos Hídricos GEOGRAFIA DAVI PAULINO Bacia Hidrográfica Área drenada por um conjunto de rios que, juntos, formam uma rede hidrográfica, que se forma de acordo com elementos fundamentais como o clima

Leia mais

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen)

DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen) DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO E CRESCIMENTO INICIAL DO JUNDIÁ CINZA (Rhamdia quelen) Marcelo Augusto Moreira JUBINI 1 (Bolsista interno IFC-Campus Rio do sul); Marlon Guilherme Von PARASKI 2 (IFC/Rio do

Leia mais

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002.

PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. PORTARIA IBAMA N 132, DE 7 DE OUTUBRO DE 2002. O Presidente do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA, nomeado por Decreto de 13 de maio de 2002, publicado no

Leia mais

RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG

RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO DOS PEIXES NA REGIÃO DA FOZ DO RIO ABAETÉ, ALTO SÃO FRANCISCO, MG LAVRAS MG 2014 RUANNY CASARIM CORRÊA PRADO DINÂMICA DA MIGRAÇÃO E REPRODUÇÃO

Leia mais

Plano Emergencial de Repovoamento para a Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul PROPOSTA DE PARCERIA INSTITUCIONAL Nº 01/09

Plano Emergencial de Repovoamento para a Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul PROPOSTA DE PARCERIA INSTITUCIONAL Nº 01/09 Plano Emergencial de Repovoamento para a Bacia Hidrográfica do rio Paraíba do Sul PROPOSTA DE PARCERIA INSTITUCIONAL Nº 01/09 Março de 2009 1 1. Apresentação Esta proposta objetiva estabelecer a prestação

Leia mais

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação?

Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Em quais LINHAS ESTRATÉGICAS atuar para a conservação da biodiversidade? Como garantir a EFETIVIDADE DOS RECURSOS aplicados em conservação? Como escolher uma AÇÃO EFETIVA para a conservação da biodiversidade?

Leia mais

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES

MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES MANEJO ALIMENTAR DE PEIXES Paula Adriane Perez Ribeiro 1 Juliana Sampaio Guedes Gomiero 2 Priscila Vieira Rosa Logato 3 1 Introdução Dentre os diversos aspectos relacionados à piscicultura, aqueles envolvidos

Leia mais

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão

Aquicultura. Breves Notas e uma Sugestão Aquicultura Breves Notas e uma Sugestão Âmbito da Apresentação Aquicultura em Portugal Moluscicultura (Cultivo Ameijoas e Ostras) Piscicultura Marinha (Cultivo Peixes - Robalo, Dourada, Rodovalho) Piscicultura

Leia mais

Estudo dos vestígios de peixes dos sítios arqueológicos da área de influência da Usina Hidrelétrica Machadinho, Rio Grande do Sul, Brasil

Estudo dos vestígios de peixes dos sítios arqueológicos da área de influência da Usina Hidrelétrica Machadinho, Rio Grande do Sul, Brasil doi: 10.1590/S1984-46702009005000003 Estudo dos vestígios de peixes dos sítios arqueológicos da área de influência da Usina Hidrelétrica Machadinho, Rio Grande do Sul, Brasil Cláudio Ricken 1 & Luiz Roberto

Leia mais

Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais InGá

Instituto Gaúcho de Estudos Ambientais InGá À Ministra do Meio Ambiente, Exma. Dra. Izabella Teixeira Ao Presidente do Ibama, Dr. Volney Zanardi Jr. Porto Alegre, 13 de fevereiro de 2014 Ao Superintendente do Ibama no Rio Grande do Sul, Dr. João

Leia mais

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL

PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL PREVISÃO CLIMÁTICA TRIMESTRAL JULHO/AGOSTO/SETEMBRO - 2015 Cooperativa de Energia Elétrica e Desenvolvimento Rural JUNHO/2015 Previsão trimestral Os modelos de previsão climática indicam que o inverno

Leia mais

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO

USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO USINA HIDRELÉTRICA PASSO SÃO JOÃO RELATÓRIO DE ANDAMENTO DAS ATIVIDADES AMBIENTAIS TRIMESTRE OUTUBRO DEZEMBRO DE 2014 Eletrosul Centrais Elétricas S/A DEZEMBRO de 2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 MONITORAMENTO

Leia mais

FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS

FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS FORMAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS RESPONSÁVEIS: DR KESHYIU NAKATANI Resumo O curso de Pós-graduação em Ecologia de Ambientes Aquáticos Continentais, os de Graduação em Ciências Biológicas e de áreas correlatas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IBAMA N 194, DE 2 DE OUTUBRO DE 2008. O PRESIDENTE DO INSTITUTO BRASILEIRO DO MEIO AMBIENTE E DOS RECURSOS NATURAIS RENOVÁVEIS IBAMA, no uso das suas atribuições legais previstas no

Leia mais

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT

I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT I Workshop de Avaliação da Rede de Sustentabilidade da Pesca no Pantanal I WORKSHOP DE AVALIAÇÃO DA REDE DE SUSTENTABILIDADE DA PESCA NO PANTANAL local: POUSADA PENHASCO - CHAPADA DOS GUIMARÃES IMT PARECER

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

UHE SÃO DOMINGOS Setembro de 2014

UHE SÃO DOMINGOS Setembro de 2014 UHE SÃO DOMINGOS Setembro de 2014 4º RELATÓRIO SEMESTRAL DE ANDAMENTO DOS USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS Florianópolis, setembro de 2014. USINA HIDRELÉTRICA SÃO DOMINGOS INFORMAÇÕES GERAIS EMPREENDEDOR

Leia mais

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout

CRÉDITOS. Foto Capa: Ascom/ Arout Peixes 2013 CRÉDITOS Foto Capa: Ascom/ Arout Edição e Texto: - Diego de Oliveira Tavares - James Blanco Nunes - Kauana Peixoto Mariano - Tatiane Santiago Lopes - Marina Alberti Macedo - Laryssa Lorrany

Leia mais

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1

Ana Cecília Hoffmann 1, Mario L. Orsi 2 & Oscar A. Shibatta 1 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie... 319 Diversidade de peixes do reservatório da UHE Escola Engenharia Mackenzie (Capivara), Rio Paranapanema, bacia do alto rio

Leia mais

Belo Horizonte 29 de janeiro.

Belo Horizonte 29 de janeiro. Classificação: Reservado RELATÓRIO ANUAL DO PROGRAMA PEIXE VIVO ANO BASE Belo Horizonte 29 de janeiro. Equipe: Superintendente de Gestão Ambiental da Geração e Transmissão: Ênio Marcus Brandão Fonseca

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

Programa Peixe Vivo. Cidadania e cultura para comunidades ribeirinhas. Enio Marcus Brandão Fonseca. Newton José Schmidt Prado

Programa Peixe Vivo. Cidadania e cultura para comunidades ribeirinhas. Enio Marcus Brandão Fonseca. Newton José Schmidt Prado Resumo Programa Peixe Vivo Cidadania e cultura para comunidades ribeirinhas Enio Marcus Brandão Fonseca Newton José Schmidt Prado Andréa Cássia Pinto Pires de Almeida João de Magalhães Lopes Marcelo Micherif

Leia mais

IDADE E CRESCIMENTO DE Iheringichthys labrosos NO RIO URUGUAI - RS

IDADE E CRESCIMENTO DE Iheringichthys labrosos NO RIO URUGUAI - RS IDADE E CRESCIMENTO DE Iheringichthys labrosos NO RIO URUGUAI - RS Soares, H. J (1) ; Gralha, T. S. (2) ; Pessano, E. F. C. (3) ; Querol, M. V. M. (2) henrique_js90@hotmail.com (1) Universidade Federal

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS 5.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No domínio da Água, o ar, as rochas e o solo - materiais terrestres, o aluno deve ser capaz de: Compreender a Terra como um planeta especial

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP.

CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. CARACTERIZAÇÃO DA ICTIOFAUNA E AVALIAÇÃO DOS ATRIBUTOS AMBIENTAIS DE DUAS SUB-BACIAS DO BAIXO SOROCABA, SP. Cruz, B. B. 1 ; Teshima, F. A. 1 ; Cetra, M. 1 ¹ Universidade federal de São Carlos, Campus Sorocaba.

Leia mais

CLASSE OSTEICHTHYES Sub-classe ACTINOPTERYGII Ordem CHARACIFORMES Sub-ordem CHARACOIDEI

CLASSE OSTEICHTHYES Sub-classe ACTINOPTERYGII Ordem CHARACIFORMES Sub-ordem CHARACOIDEI ANEXOS 404 Anexo 1. Lista comentada das espécies de peixes registradas nos distintos ambientes da bacia hidrográfica do rio Ivaí, dentro da área de influência do PEVRES. CLASSE OSTEICHTHYES Sub-classe

Leia mais