MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA"

Transcrição

1 MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980, no Estado de São Paulo. Nestes dezoito anos de história, a Aids foi se tornando uma das principais causas de morte da população, incidindo principalmente nas idades jovens adultas e com maior intensidade no sexo masculino. A obrigatoriedade da notificação dos casos de Aids no Brasil passou a vigorar em 1986, mas esse dado ainda hoje não representa a totalidade dos casos existentes da doença. Como observa Buchalla (1990), do Centro Brasileiro de Classificação de Doenças, a declaração de óbito pode ser particularmente importante no caso da Aids, podendo prover informações sobre a grande maioria dos casos. As estatísticas de mortalidade podem ser utilizadas como indicadores da magnitude da doença e da localização de seus principais focos, permitindo avaliar a evolução dos casos fatais de Aids e seu alastramento nas diversas áreas geográficas do Estado de São Paulo e do país. A Fundação Seade é a instituição, no Estado de São Paulo, responsável pela produção das estatísticas de óbitos e de nascimentos. Recebe, mensalmente, dos Cartórios de Registro Civil de todos os municípios paulistas, as declarações de óbitos e de nascimentos correspondentes aos eventos ocorridos e registrados no Estado. Através de um processo de produção que consiste na codificação, digitação e 1 Analistas de Projetos da Gerência de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação Seade. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2131

2 consistência desses documentos, são elaboradas as estatísticas vitais paulistas que alimentam os sistemas estaduais e nacionais de mortalidade e natalidade. Desta forma, é possível avaliar a evolução da Aids desde os primeiros casos fatais registrados até o presente, assim como a sua distribuição em todo o território paulista. O detalhamento das informações contidas nas declarações de óbito, como o sexo, a idade, as causas associadas, dentre outras, serve de instrumento para o monitoramento da mortalidade e para o planejamento de ações na área de saúde para minimizar esta questão. O objetivo deste trabalho é apresentar a evolução dos óbitos por Aids no Estado de São Paulo, considerando os diferenciais por sexo e idade. O território paulista será dividido em Capital e Interior e o período temporal explorado nesta análise será 1988/1997, período no qual a Aids passa a assumir uma maior representatividade dentre as causa de morte da população paulista. 2 PANORAMA DA EVOLUÇÃO DOS ÓBITOS POR AIDS NO ESTADO A tendência atual da Aids como uma das principais causas de morte da população paulista parece, finalmente, iniciar uma reversão, delineando um cenário mais otimista para este final de século, ao contrário do que se vislumbrava no início dos anos 90. Após um crescimento contínuo durante dezesseis anos, o número de óbitos por Aids começa a diminuir em 1996 e A redução observada no Estado de São Paulo nestes dois anos foi de 28,5% no número total de óbitos por Aids. A população do sexo masculino apresentou redução maior que a população feminina, cujo número de óbitos por Aids só passou a diminuir no último ano, 1997, após uma constância entre 1995 e A Tabela 1 e o Gráfico 1 descrevem bem a tendência dos óbitos por Aids para ambos os sexos. É importante observar que o volume dos óbitos masculinos é bem maior que o correspondente feminino, apesar de gradativamente a razão entre os sexos se reduzir. Em 1988, ocorriam 6,8 óbitos masculinos para cada caso fatal feminino e no último ano analisado, 1997, esta razão passa a 2, XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

3 Tabela 1 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ÓBITOS POR AIDS E RAZÃO DE SEXO ESTADO DE SÃO PAULO 1988/1997 Anos Sexo Razão Total Homens Mulheres de sexo , , , , , , , , , , Gráfico 1 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ÓBITOS POR AIDS, SEGUNDO O SEXO ESTADO DE SÃO PAULO 1988/1997 Número de óbitos Anos Homens Mulheres Total XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2133

4 Comportamento semelhante ao verificado em relação aos óbitos por Aids pode ser constatado quanto ao número de casos notificados. Dados do Centro de Referência e Treinamento DST/AIDS (Boletim Epidemiológico março 1998) revelam uma redução, nos dois últimos anos, dos casos notificados de Aids na população paulista. O Município de São Paulo é o campeão dos casos de Aids no Brasil, mas vai reduzindo, pouco a pouco, o seu peso relativo. Em 1988, 60% dos casos fatais da doença, no Estado de São Paulo, correspondiam à população residente na Capital. Neste ano, a população paulistana representava 31,5% da população total do Estado. Em 1997, o Interior do Estado já responde por 63% do óbitos por Aids e por 71,5% da população. A queda da participação dos óbitos por Aids na Capital paulista, observada no Gráfico 2, não configura uma melhora e sim um agravamento do panorama da Aids no Estado. O que houve foi uma interiorização da doença com um extraordinário crescimento do número de casos no Interior. Dos óbitos por Aids ocorridos e registrados no Estado de São Paulo, em 1997, correspondem à população residente na Capital e à residente no Interior. Gráfico 2 CONCENTRAÇÃO ESPACIAL DOS ÓBITOS POR AIDS CAPITAL E INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO 1988/ % 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% Anos Capital Inte rior 2134 XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

5 Na Tabela 2 é possível verificar a evolução dos casos fatias da doença, para os dois sexos separadamente, ocorridos na Capital e no Interior do Estado de São Paulo. A razão de sexo encontrada na Capital foi superior à observada no Interior durante todo o período considerado, com exceção do último ano, É interessante observar, também, que o comportamento registrado pelos dois sexos é distinto segundo a área geográfica considerada. Para os homens residentes na Capital, a tendência de aumento foi interrompida já em 1995 e para a mulheres a partir de No Interior, a reversão da tendência aparece com um ano de defasagem: 1996 para os homens e 1997 para as mulheres. Note-se que em todos os casos ocorre um momento de constância que antecede à maior queda registrada. Tabela 2 EVOLUÇÃO DO NÚMERO DE ÓBITOS POR AIDS E RAZÃO DE SEXO CAPITAL E INTERIOR DO ESTADO DE SÃO PAULO 1988/1997 Anos Capital Razão Interior Razão Homens Mulheres de sexo Homens Mulheres de sexo , , , , , , , , , , , , , , , , , , , ,63 3 A MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO A análise do risco de morte por Aids na população paulista, a partir da relação entre o número de casos fatais e a população exposta ao risco, contribui para reforçar o cenário mais otimista de continuidade de queda da mortalidade por Aids, observada nos últimos anos. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2135

6 As taxas de mortalidade por Aids para a Capital são sistematicamente superiores às do Interior, tanto para os homens quanto para as mulheres. Em 1988, a mortalidade masculina na Capital representava 3,5 vezes a correspondente ao Interior, enquanto a feminina representava o dobro. Em 1997, a relação entre estas taxas de mortalidade se reduz, chegando a 1,5 vezes a razão entre a Capital e o Interior, tanto para o sexo masculino quanto para o feminino. O Gráfico 3 apresenta a evolução das taxas de mortalidade por Aids, para cada sexo separadamente e para as duas áreas geográficas contempladas neste estudo: Capital e Interior do Estado de São Paulo. Depois de um crescimento continuando até a primeira metade da década de 90, as taxas de mortalidade por Aids passam a diminuir em momentos distintos, para cada categoria avaliada. Gráfico 3 TAXAS DE MORTALIDADE POR AIDS, SEGUNDO SEXO ESTADO DE SÃO PAULO, CAPITAL E INTERIOR 1988/ ,0 50,0 ESP H 40,0 ESP M 30,0 Capital H 20,0 Capital M Interior H 10,0 Interior M 0, Anos 2136 XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

7 No ano de pico da mortalidade masculina por Aids na Capital, 1994, o volume de óbitos por esta causa chegou a representar 6% do total de óbitos ocorridos na população. No Interior, em 1995, esta proporção alcança 3,7%. No caso feminino, a concentração dos óbitos por Aids chega a 2,6% e a 1,9%, respectivamente para a Capital e o Interior, em 1995: ano de maior taxa de mortalidade por esta causa de morte. O Gráfico 4 permite avaliar o peso dos óbitos por Aids e o quanto esta causa de morte interferiu na tendência geral da mortalidade paulista, incidindo mais intensamente na população masculina e na população residente na Capital. A redução gradativa do peso desta causa na mortalidade paulista depende, também, do comportamento das demais causas de morte ocorridas no Estado. Entretanto, acompanhando a importante redução registrada no número de óbitos por Aids nos últimos anos, é possível vislumbrar, com expectativa positiva, uma evolução mais favorável desta doença no futuro próximo. Para que isto ocorra é preciso que haja continuidade nos programas de prevenção e de tratamento da Aids desenvolvidos no Estado de São Paulo e no país como um todo. 4 A MORTALIDADE DIFERENCIAL POR IDADE A Aids incide de forma bastante diferenciada nas diversas faixas etárias da população. Durante os dez anos destacados neste estudo, é possível observar uma concentração gradativa nas idades jovens adultas, para os casos fatais e para as taxas de mortalidade devidas à Aids. O pico de idade para a mortalidade da população masculina ocorre entre 30 e 34 anos e para a população feminina entre 25 e 29 anos. Os Gráficos 5 e 6 apresentam a evolução das curvas de taxas de mortalidade por Aids segundo a idade, para o Estado de São Paulo, entre 1988 a Foram selecionados 5 momentos deste período temporal para melhor visualizar o comportamento destas taxas. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2137

8 Gráfico 4 PROPORÇÃO DE ÓBITOS POR AIDS NO TOTAL DE ÓBITOS ESTADO DE SÃO PAULO, MUNICÍPIO E INTERIOR 1988/1997 Homens Proporção Ano Estado Município Interior 7,0 Mulheres 6,0 5,0 Proporção 4,0 3,0 2,0 1,0 0, Ano Estado Município Interior 2138 XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

9 Gráfico 5 TAXAS DE MORTALIDADE MASCULINA POR AIDS, SEGUNDO GRUPOS DE IDADE ESTADO DE SÃO PAULO 1988/ ,00 100,00 Taxas (por Hab) 80,00 60,00 40,00 20,00 0, e Gráfico 6 TAXAS DE MORTALIDADE FEMININA POR AIDS, SEGUNDO GRUPOS DE IDADE ESTADO DE SÃO PAULO 1988/ ,00 25,00 20,00 Taxas (por Hab.) 15,00 10,00 5,00 0, e XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2139

10 Observa-se que a maior concentração da mortalidade por Aids ocorre na população entre 20 e 54 anos. Mais uma vez, é possível constatar que as taxas de mortalidade masculinas são bem superiores às femininas. Por esta razão, os dois gráficos não puderam ser elaborados na mesma escala, uma vez que a mortalidade feminina apresentada em escala semelhante à masculina não permitiria avaliar as diferenças existentes entre os anos e entre as idades. É interessante constatar que para a população masculina, a curva da mortalidade por idade, em 1997, regrediu ao nível registrado em 1992, apesar de ainda representar a segunda causa de morte para a população jovem adulta. Esse fato representa um importante ganho para a sobrevivência da população paulista. A tendência crescente da mortalidade por Aids, que se projetava anteriormente, acentuava o cenário já preocupante da sobrevivência da população no Estado de São Paulo. O comportamento recente da mortalidade por esta doença abre uma nova perspectiva neste cenário. Por outro lado, o agravante para a população feminina é o fato de a Aids representar a primeira causa de morte da população entre 20 e 44 anos. Ressalta-se que essa faixa corresponde, justamente, à idade reprodutiva e agrega grande parcela da população econonicamente ativa. A mortalidade desse contigente populacional seria cerca de 15% menor se a Aids não tivesse surgido no conjunto de causas de morte e apresentado um crescimento tão acelerado. O peso da Aids no conjunto das causas de morte, nas diversas faixas etárias da população, também atinge de forma distinta os dois sexos. No ano em que no Estado de São Paulo o número de casos fatais de Aids, para o sexo masculino, atingiu seu máximo, 1995, a maior taxa de mortalidade foi verificada na faixa etária entre 30 e 34 anos, alcançando 100 óbitos por cem mil habitantes. O peso da Aids no total das causas de morte chegou a 20%, o que significa que a cada cinco homens deste segmento populacional que morreram, um foi vítima da Aids. Para a população feminina, o pico da mortalidade por Aids ocorreu também em 1995, atingindo a população entre 25 e 29 anos, com uma taxa de 28 óbitos por cem mil habitantes. Neste caso, a Aids representa 23,5% do total das causas de morte, uma razão de quase uma vítima da Aids em cada quatro mulheres mortas neste ano XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

11 5 A CONTRIBUIÇÃO DAS IDADES NA TENDÊNCIA DAS MORTES POR AIDS Para melhor compreender a tendência geral da mortalidade por Aids e o panorama recentemente observado de queda nos casos fatais desta doença, serão avaliadas as tendências distintas de cada faixa etária da população, considerando-se cada sexo separadamente. Os Gráficos 7 e 8 apresentam a evolução, entre 1988 e 1997, dos óbitos por Aids, segundo a faixa etária e o sexo. Desde o início da série, a população masculina apresenta a maior ocorrência de óbitos por Aids correspondente à faixa etária entre 30 e 34 anos. Até 1993, a faixa entre 25 e 29 anos praticamente coincidia com a faixa etária posterior, descrevendo um comportamento distinto a partir de 1994, quando passa a diminuir e a se distanciar da idade 30 a 34 anos. A terceira faixa corresponde às idades 35 a 39 anos. Estas três faixas concentram quase 40% dos óbitos por Aids, em A população masculina entre 20 e 24 anos foi a primeira faixa etária significativa a registrar redução nos casos fatais de Aids, revertendo seu crescimento já em Os homens paulistas, com idades entre 40 a 44 e 45 a 49 anos representam a quarta e a quinta posições, em As demais idades têm pouca representatividade na tendência observada pelos casos fatais de Aids, apenas 13,6% desse total, neste último ano. Para a população feminina paulista, durante o período analisado, a faixa etária de maior concentração dos casos fatais de Aids corresponde às idades entre 25 e 29 anos, com exceção do ano de 1996, quando perde este lugar para a segunda posição ocupada pela faixa etária de 30 a 34 anos. Também para as mulheres entre 20 e 24 anos, a tendência dos casos fatais de Aids se distingue das demais faixas etárias. A partir de 1993, o comportamento inicia uma reversão, alcançando em 1997 a quinta posição, precedida das idades entre 35 e 44 anos. As demais idades concentram apenas 13,1% dos óbitos por Aids, na população feminina. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2141

12 Gráfico 7 ÓBITOS MASCULINOS POR AIDS, SEGUNDO GRUPOS DE IDADE ESTADO DE SÃO PAULO 1988/ Número de óbitos e + Gráfico 8 ÓBITOS FEMININOS POR AIDS, SEGUNDO GRUPOS DE IDADE ESTADO DE SÃO PAULO 1988/ Número de óbitos e XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

13 6 CONSIDERAÇÕES FINAIS Embora ainda hoje a Aids represente uma das principais causas de morte da população jovem adulta residente no Estado de São Paulo, constata-se uma queda relevante no número de mortes provocadas por esta causa, assim como no número de casos notificados da doença, nos últimos anos. Mesmo considerando que as notificações apresentam certo grau de sub-registro, não correspondendo ao total de casos infectados, é possível afirmar que a diminuição verificada nos últimos anos seja real. Isto decorreria da associação entre a maior sobrevida dos doentes de Aids com a menor incidência da doença na população. O aumento da sobrevida amplia a chance de recuperação dos doentes de Aids, uma vez que os avanços da ciência nesta área têm sido animadores. No futuro, novos medicamentos mais eficientes poderão minimizar, ainda mais, os efeitos negativos da doença e melhorar a qualidade de vida dos indivíduos infectados pelo vírus HIV. Ao incidir predominantemente na população em idade reprodutiva e economicamente ativa, a Aids tem assumido um papel de desestabilidador dos níveis de mortalidade da população. Entretanto, a análise do comportamento recente das taxas de mortalidade por Aids permite acreditar na continuidade desta queda. A reversão dos níveis de mortalidade, com maior intensidade para a população masculina, mas também com uma reação posterior da população feminina, abrem uma nova perspectiva, mais otimista e positiva, para o futuro da sobrevivência da população paulista. O acompanhamento detalhado da ocorrência dos casos fatais de Aids, nas diversas faixas etárias da população, representam um indicador sensível da situação mais geral desta doença. A reversão apresentada no comportamento dos óbitos por Aids é um fato novo que merece ser aprofundado. Por si só não significa que a epidemia da Aids esteja controlada. Ainda se está distante do controle desta doença. As primeiras notícias que chegaram do Congresso Mundial ocorrido em Genebra, em julho de 1998, substituem a grande esperança de manter o vírus sob controle no organismo, anunciada no Congresso anterior de Vancouver (1996), por uma maior cautela quanto aos resultados do coquetel anti-aids. A eliminação do vírus HIV foi postergada para um futuro ainda sem data. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2143

14 Por ora, não se pode descartar a hipótese de que os números voltem a crescer no futuro próximo. O monitoramento das mortes por Aids é uma vigilância que se faz necessária hoje e, quem sabe, sempre. O mapeamento das áreas mais críticas, dentro do estado e do país, constitui instrumento de planejamento das ações de saúde de iniciativa pública e privada. Toda a sociedade deve estar envolvida neste controle. Prevenir ainda é o melhor remédio, diz a campanha. Este alerta deve fazer parte da rotina de toda a população, para que o cenário mais promissor, que parece se delinear hoje, se torne real amanhã XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP

15 7 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BASTOS, F. I., BARCELLOS, C. Geografia social da Aids no Brasil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.29 n.1, fev BUCHALLA, C. M. et al. A AIDS/SIDA: as estatísticas de mortalidade como fonte de informação. São Paulo: Centro Brasileiro de Classificação de Doença, (Série Divulgação, 6). FERREIRA, C. E. C., CASTIÑEIRAS, L. L. O rápido aumento da mortalidade dos jovens adultos em São Paulo: uma trágica tendência. Revista São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 10 n. 2, abr./jun FUNDAÇÃO SEADE. Sistema de Mortalidade por Aids. São Paulo, 1988/1997 (versão eletrônica). MATIDA, L. H. Aids e a transmissão materno-infantil. Boletim Epidemiológico, São Paulo, CVE, n. 1, mar (CRT-DST/AIDS). MERCHÁN-HAMANN, E. Grau de informação, atitudes e representações sobre o risco e a prevenção de Aids em adolescentes pobres do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 11, n. 3, jul./set (Ministério da Saúde. Fundação Osvaldo Cruz). NOVELINO, M.S.F. Disseminação de informação sobre a epidemia de HIV/Aids para mulheres. Ciência da Informação, Brasília, v. 22 n. 3, set./dez (MCT, CNPq, IBICT). SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE. CRT DST/AIDS. CVE. Boletim Epidemiológico, São Paulo, v. 16, n. 1, mar SOUZA, M.R. As novas realidades da Aids no Brasil. Conjuntura Demográfica, São Paulo, n. 27/28, abr./set WALDVOGEL GIRALDELLI, B. Os números da Aids: São Paulo surpreende. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 6, n. 4, out./dez WALDVOGEL, B. Monitoramento das mortes por Aids: uma vigilância necessária. Conjuntura Demográfica, São Paulo, v. 27/28, abr./set Aids: principal causa de morte na idade reprodutiva. Mulheres em Dados, São Paulo, n. 9, nov XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais da ABEP 2145

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 13 Novembro 2004 Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 A quantificação dos óbitos por Aids revela que, no Estado de

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas

Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Cenário Epidemiológico do Estado de Alagoas Situação epidemiológica da AIDS em Alagoas 1 Registro de caso Total de casos Nº de óbitos Até 06.2010 1986 3842 949 (fonte MS/SVS/Departamento de DST/Aids e

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil

Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Epidemiologia da Transmissão Vertical do HIV no Brasil Letícia Legay Vermelho*, Luíza de Paiva Silva* e Antonio José Leal Costa** Introdução A transmissão vertical, também denominada materno-infantil,

Leia mais

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública

AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública AIDS e envelhecimento: repercussões na saúde pública Por Guilherme Wendt, Equipe SIS.Saúde INTRODUÇÃO Devido aos avanços técnico-científicos observados no mundo, consequentes transformações foram percebidas,

Leia mais

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids

Sumário. Aids: a magnitude do problema. A epidemia no Brasil. Característica do Programa brasileiro de aids Sumário Aids: a magnitude do problema A epidemia no Brasil Característica do Programa brasileiro de aids Resultados de 20 anos de luta contra a epidemia no Brasil Tratamento Prevenção Direitos humanos

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

A situação do câncer no Brasil 1

A situação do câncer no Brasil 1 A situação do câncer no Brasil 1 Fisiopatologia do câncer 23 Introdução O câncer é responsável por cerca de 13% de todas as causas de óbito no mundo: mais de 7 milhões de pessoas morrem anualmente da

Leia mais

A evolução e distribuição social da doença no Brasil

A evolução e distribuição social da doença no Brasil A evolução e distribuição social da doença no Brasil Por Ana Maria de Brito Qualquer epidemia é o resultado de uma construção social, conseqüência do aparecimento de uma doença com características biomédicas,

Leia mais

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro

CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL Estatística e Demógrafa, Gerente de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação

Leia mais

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB

PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB PERFIL SOCIOECONÔMICO DOS USUÁRIOS DA REDE NACIONAL DE PESSOAS VIVENDO E CONVIVENDO COM HIV/AIDS NÚCLEO DE CAMPINA GRANDE- PB Elizângela Samara da Silva 1, Anna Marly Barbosa de Paiva 2, Adália de Sá Costa

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS

Campanha DST 1. Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS Campanha DST 1 Enzo Maymone COUTO 2 Eduardo Perotto BIAGI 3 Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS RESUMO: Este trabalho foi realizado na disciplina de Criação II do curso de Comunicação Social

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007

O EMPREGO DOMÉSTICO. Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Região Metropolitana de São Paulo. Abril 2007 O EMPREGO DOMÉSTICO Boletim especial sobre o mercado de trabalho feminino na Abril 2007 Perfil de um emprego que responde por 17,7% do total da ocupação feminina e tem 95,9% de seus postos de trabalho

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

Redução de Homicídios no Brasil

Redução de Homicídios no Brasil Ministério da Saúde MS Secretaria de Vigilância em Saúde - SVS Redução de Homicídios no Brasil SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 METODOLOGIA DE ANÁLISE... 1 RESULTADOS... 2 Homicídios no Brasil... 2 Óbitos por Arma

Leia mais

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO

ISSN 1519-9568. INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número 20 Março de 2002 APRESENTAÇÃO ISSN 119-968 INFORMATIVO MENSAL Ano 1 Número Março de APRESENTAÇÃO O Boletim apresenta uma síntese do documento Panorama Social de América Latina -1, uma publicação da Comissão Especial para a América

Leia mais

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO

ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO ANO 4 NÚMERO 25 MARÇO DE 2014 PROFESSORES RESPONSÁVEIS: FLÁVIO RIANI & RICARDO RABELO 1 - CONSIDERAÇÕES INICIAIS Em geral as estatísticas sobre a economia brasileira nesse início de ano não têm sido animadoras

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Perfil Educacional SEADE 72

Perfil Educacional SEADE 72 Perfil Educacional A análise da situação educacional do Estado de Santa Catarina fundamentase nos indicadores de instrução da população (taxa de analfabetismo para 1991), de escolarização (taxa líquida

Leia mais

MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 2012

MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 2012 č Ï Č ł Ÿ Ï ŸÁČŸˇł ł ş ï ł ÁÏ ı ï Ÿˇł ş ï Ï ï ş ş ÁÏ ï ˆ ï ş ł ČÏ ÙČ ł ş ï ÁÏ ï ĞşČČ ł şïï ČÁÏ XII nº 2/214 MORBIMORTALIDADE POR ACIDENTE DE TRABALHO EM SANTA CATARINA: A EVOLUÇÃO DE 1996 A 212 EDITORIAL

Leia mais

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1

I n f o r m e E p i d e m i o l ó g i c o D S T - A I D S 1 1 2 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO SECRETÁRIO DE ESTADO DE SAÚDE José Leôncio de Andrade Feitosa SUPERINTENDENTE DE SAÚDE Angela Cristina Aranda SUPERINTENDENTE

Leia mais

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil

Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil O Mapa do Encarceramento: os jovens do Brasil é mais uma publicação do Plano Juventude Viva, que reúne ações de prevenção para reduzir a vulnerabilidade de jovens

Leia mais

PED ABC Novembro 2015

PED ABC Novembro 2015 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO DO ABC 1 Novembro 2015 OS NEGROS NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO DO ABC Diferenciais de inserção de negros e não negros no mercado de trabalho em 2013-2014 Dia

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO

São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO São Paulo, 14 de julho de 2004. COMÉRCIO VAREJISTA DE MATERIAL DE CONSTRUÇÃO E OS TRABALHADORES Pulverizado, com uma grande concentração de empresas de pequeno porte - mais de 60% dos trabalhadores estão

Leia mais

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE

AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE AIDS EM IDOSOS: PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM PERIÓDICOS ONLINE NO ÂMBITO DA SAÚDE Monica Ferreira de Vasconcelos. NEPB/UFPB. vaskoncelos.vaskoncelos@hotmai.com Rebecca Buriti Matias. FACENE. rebecca_buriti_@hotmail.com

Leia mais

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS

POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais POLÍTICA BRASILEIRA DE ENFRENTAMENTO DA AIDS RESULTADOS, AVANÇOS E PERSPECTIVAS A Epidemia Prevenção Diagnóstico Assistência e Tratamento Sustentabilidade e

Leia mais

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA

CENSO ESCOLAR EDUCACENSO O ITEM COR/RAÇA NO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO BÁSICA CENSO ESCOLAR

Leia mais

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante

Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante 22 Entrevista Número de casos de aids em pessoas acima de 60 anos é extremamente preocupante Texto: Guilherme Salgado Rocha Fotos: Denise Vida O psicólogo Nilo Martinez Fernandes, pesquisador da Fundação

Leia mais

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes

TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA. 1.1. As Transformações Recentes TEXTO 1 1. CONJUNTURA BRASILEIRA 1.1. As Transformações Recentes O Brasil, do ponto de vista econômico e social, vem sofrendo uma constante mutação em seus principais indicadores básicos como: população;

Leia mais

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO

A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO A AIDS NA TERCEIRA IDADE: O CONHECIMENTO DOS IDOSOS DE UMA CASA DE APOIO NO INTERIOR DE MATO GROSSO SATO, Camila Massae 1 Palavras-chave: Idoso, AIDS, conhecimento Introdução A população idosa brasileira

Leia mais

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO

UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO UMA ATIVIDADE DE MODELAGEM, PARA ALÉM DE UMA PRIMEIRA INVESTIGAÇÃO Izabel Cristina Fagundes Universidade Tecnológica Federal do Paraná - câmpus Cornélio Procópio Iza_cristina92@outlook.com Angélica Langner

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

A MUDANÇA NA ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: O CASO DA REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ

A MUDANÇA NA ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: O CASO DA REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ A MUDANÇA NA ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO BRASILEIRA: O CASO DA REGIÃO COSTA OESTE DO PARANÁ Adriana Eliane Casagrande Edson Belo Clemente de Souza RESUMO O presente trabalho tem por objetivo analisar

Leia mais

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução

Mercado de Trabalho. O idoso brasileiro no. NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* 1- Introdução NOTA TÉCNICA Ana Amélia Camarano* O idoso brasileiro no Mercado de Trabalho 30 1- Introdução A análise da participação do idoso nas atividades econômicas tem um caráter diferente das análises tradicionais

Leia mais

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas

Temas especiais: análise de séries. temporais de. causas de morte. selecionadas 5 Temas especiais: análise de séries temporais de causas de morte selecionadas SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE TENDÊNCIA DO RISCO DE MORTE POR ALGUMAS DOENÇAS NÃO TRANSMISSÍVEIS NAS

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA

CONCEITOS BÁSICOS EM EPIDEMIOLOGIA CONCEITOS BÁSICOS EM Jussara Rafael Angelo São José dos Campos 30 de Junho de 2011 CONCEITOS BÁSICOS EM Concepção do processo saúde doença Tipos de estudo Intervenção Seccional Coorte Caso-controle Ecológico

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes.

Mostra de Projetos 2011. Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra de Projetos 2011 Ações para enfrentamento da AIDS nos jovens e adolescentes. Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: I - Projetos em implantação, com resultados parciais. Nome da Instituição/Empresa:

Leia mais

Papiloma Vírus Humano - HPV

Papiloma Vírus Humano - HPV VACINAÇÃO HPV 2015 Papiloma Vírus Humano - HPV O vírus HPV é altamente contagioso, sendo possível contaminar-se com uma única exposição. A sua transmissão se dá por contato direto com a pele ou mucosa

Leia mais

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR

ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR 8 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA /COR Secretaria de Vigilância em Saúde/MS 435 ANÁLISE DA MORTE VIOLENTA SEGUNDO RAÇA/COR MORTALIDADE POR CAUSAS EXTERNAS Evolução da mortalidade por causas externas

Leia mais

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase

Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Análise: Pesquisa Qualidade de Vida 2013 1º fase Resumo: A pesquisa de Qualidade de Vida é organizada pela ACIRP e pela Fundace. Teve início em 2009, inspirada em outros projetos já desenvolvidos em grandes

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR

V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio. Marcelo Neri SAE/PR V Relatório Nacional de Acompanhamento dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Marcelo Neri SAE/PR Objetivos do Milênio 1. Acabar com a fome e a miséria ODM 1 META A Global: Até 2015, reduzir a pobreza

Leia mais

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 1 Março 212 Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI As estatísticas demográficas

Leia mais

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS

DEMOGRAFIA, ECONOMIA E MERCADOS FINANCEIROS 9 de setembro de 2011 Página 1 de 21 De Olho Na Bolsa "A relação entre economia e demografia não é, efetivamente, muito percebida pela maior parte dos economistas, haja vista que poucos são os cursos que

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social

Artigo. nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Artigo nos últimos 15 anos Acesso ao ensino superior no Brasil: equidade e desigualdade social Por Cibele Yahn de Andrade Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Políticas Públicas (NEPP) da Unicamp. Doutoranda

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Inclusão, Diversidades e EJA Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário

Leia mais

Aumenta a taxa de desemprego

Aumenta a taxa de desemprego PED JANEIRO DE 2012 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO DIVULGAÇÃO N o 326 Aumenta a taxa de desemprego Diminui o nível de ocupação na Indústria e no Comércio Pequeno crescimento

Leia mais

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes

Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sumário PNAD/SIMPOC 2001 Pontos importantes Sistema de pesquisas domiciliares existe no Brasil desde 1967, com a criação da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios PNAD; Trata-se de um sistema de pesquisas

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS

REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS REGIÃO METROPOLITANA DE SALVADOR SETEMBRO DE 2008 E TAXA DE DESEMPREGO MANTÉM DECLÍNIO NA RMS m setembro, a Pesquisa de Emprego e Desemprego, realizada na Região Metropolitana de Salvador (RMS), apresentou

Leia mais

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC

TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS DO CURSO DE FISIOTERAPIA DA UNIABC Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ESTUDO SOBRE PREVENÇÃO E CONHECIMENTO DE DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS ENTRE ACADÊMICOS

Leia mais

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo

O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual. Resumo O espaço dos jovens e dos idosos no mercado de trabalho atual Amilton Moretto Palavras-chave:,, Ocupação, Mercado de trabalho. Resumo O artigo analisa o espaço que jovens e as pessoas idosas têm ocupado

Leia mais

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade

VERSÃO PRELIMINAR. Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade Notas sobre Redes de Proteção Social e Desigualdade 1) Nos últimos dez anos a renda media dos brasileiros que caiu a taxa de 0.6% ao ano, enquanto o dos pobres cresceu 0.7%, já descontados o crescimento

Leia mais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais

Documento apresentado para discussão. II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Documento apresentado para discussão II Encontro Nacional de Produtores e Usuários de Informações Sociais, Econômicas e Territoriais Rio de Janeiro, 21 a 25 de agosto de 2006 Vinculando Bancos para Recuperação

Leia mais

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida

SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida SAúDE e PReVENÇãO NaS ESCoLAS Atitude pra curtir a vida UNAIDS/ONUSIDA Relatório para o Dia Mundial de Luta contra AIDS/SIDA 2011 Principais Dados Epidemiológicos Pedro Chequer, Diretor do UNAIDS no Brasil

Leia mais

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1

Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI 1 MONTALI, L.; LIMA, T.. Família, trabalho e renda: mudanças na primeira década do século XXI. Artigo aprovado para ser publicado como capítulo de livro sobre a Região Metropolitana de São Paulo que integra

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense

Nº 23 Março 2012. Perfil da Raça da População Cearense Nº 23 Março 2012 Perfil da Raça da População Cearense Análise a partir dos dados do Censo Demográfico 2010 GOVERNO DO ESTADO DO CEARÁ Cid Ferreira Gomes Governador Domingos Gomes de Aguiar Filho Vice Governador

Leia mais

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros

CRESCIMENTO POPULACIONAL. Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros CRESCIMENTO POPULACIONAL Estágio-Docência: Camila Macêdo Medeiros O que é Crescimento Populacional? O crescimento populacional é a mudança positiva do número de indivíduos de uma população dividida por

Leia mais

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil

Sumário executivo. ActionAid Brasil Rua Morais e Vale, 111 5º andar 20021-260 Rio de Janeiro - RJ Brasil Sumário executivo Mais de um bilhão de pessoas sofre com as consequências da inanição é mais que a população dos Estados Unidos, Canadá e União Européia juntas. Em julho desse ano, a reunião de cúpula

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho

Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de trabalho RIO DE JANEIRO: TRABALHO E SOCIEDADE -Ano 1-Nº 1 JOVENS NO MERCADO DE TRABALHO DO RIO DE JANEIRO* 1. Introdução DANIELLE CARUSI MACHADO** Ao longo dos anos 90, ocorreram diversas mudanças no mercado de

Leia mais

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades

Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho não elimina desigualdades A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DE PORTO ALEGRE NOS ANOS 2000 Boletim Especial: Dia Internacional das Mulheres MARÇO/2010 Melhora nos indicadores da presença feminina no mercado de trabalho

Leia mais

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP

CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP CRT DST/Aids Coordenação Estadual DST/Aids SP 2012 6º Objetivo de Desenvolvimento do Milênio COMBATER O HIV/AIDS, A MALÁRIA E OUTRAS DOENÇAS A inclusão do combate ao HIV/Aids nas Metas do Milênio, foi

Leia mais

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br.

Mestre em Economia/UFMT e Gestor Governamental (SEPLAN/MT). Email: edmarvieira@seplan.mt.gov.br. Governo do Estado de Mato Grosso Secretaria de Estado de Planejamento e Coordenação Geral Superintendência de Planejamento Coordenadoria de Avaliação ET CAV/SP/SEPLAN nº 10/2013 Educação: o desafio da

Leia mais

Formalização das relações de trabalho

Formalização das relações de trabalho PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO MAIO DE 2015 Formalização das relações de trabalho SÚMARIO EXECUTIVO O aumento da proporção de ocupações com relações de trabalho formalizadas,

Leia mais

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade.

Palavras-chave: HIV/AIDS; Velhice; Crenças; Vulnerabilidade. AIDS É UMA DOENÇA DE JOVENS : VULNERABILIDADE AO HIV/AIDS EM PESSOAS NA MATURIDADE E VELHICE Josevânia da Silva; Katharine Silva Fontes; Ana Alayde Werba Saldanha Universidade Federal da Paraíba, João

Leia mais

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006

Comentários sobre os Indicadores de Morbidade e Fatores de Risco até 2006 D.2.1 Taxa de incidência de aids 1. Conceituação Número de casos novos confirmados de síndrome de imunodeficiência adquirida (aids códigos B20-B24 da CID-10), por 100 mil habitantes, na população residente

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação

Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação Política de cotas para mulheres na política tem 75% de aprovação População conhece pouco a atual lei de cotas, mas acha que os partidos que não cumprem a lei deveriam ser punidos A maioria da população

Leia mais

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho

Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho Outubro de 2009 Julho de 2012 Índice de Confiança da Indústria Pernambucana mantém-se em queda em julho O Índice de Confiança da Indústria de Transformação de Pernambuco (ICI-PE) volta a recuar em julho

Leia mais

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO.

AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE CAMISINHA É A ÚNICA PROTEÇÃO. ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA GERÊNCIA DE VIGILÂNCIA DAS DST/HIV/AIDS E HEPATITES VIRAIS CARNAVAL 2011 AIDS NÃO TEM CARA. A DOENÇA ESTÁ SEMPRE

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB

TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB TAXA DE EVASÃO NOS CURSOS DE LICENCIATURA A DISTÂNCIA DA UFPB Antonio Marcos Moreira DE/CCEN/UFPB-marcos@de.ufpb.br Renata P. L. Jeronymo M. Pinto DE/CCEN/UFPB-renata@de.ufpb.br Jodavid de Araujo Ferreira

Leia mais

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS

AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS AS DISCIPLINAS DE DIDÁTICA NOS CURSOS DE LICENCIATURAS VIEIRA, Débora Cristina de Oliveira PUCPR mmdvieira@hotmail.com MARTINS, Pura Lúcia Oliver - PUCPR Pura.oliver@pucpr.br Eixo Temático: Didática: Teorias,

Leia mais

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014

A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO NA REGIÃO METROPOLITANA DE SÃO PAULO Março de 2015 A presença feminina no mercado de trabalho na Região Metropolitana de São Paulo 2014 Em 2014, a presença de

Leia mais

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010

Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 Curitiba, 25 de agosto de 2010. SUBSÍDIOS À CAMPANHA SALARIAL COPEL 2010 DATA BASE OUTUBRO 2010 1) Conjuntura Econômica Em função dos impactos da crise econômica financeira mundial, inciada no setor imobiliário

Leia mais

POPULAÇÃO BRASILEIRA

POPULAÇÃO BRASILEIRA POPULAÇÃO BRASILEIRA É importante conhecer as características da população brasileira para o seu vestibular. Inicialmente vamos conhecer dois conceitos básicos para esse estudo: *População absoluta refere-se

Leia mais

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO

JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JUVENTUDE E TRABALHO: DESAFIOS PARA AS POLITICAS PÚBLICAS NO MARANHÃO JONATHAN ROCHA GUIMARÃES Avaliar a Política de Trabalho e juventude torna-se de extrema importância na medida em que representa um

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais