CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro"

Transcrição

1 SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA dos anos 90 ao futuro BERNADETTE CUNHA WALDVOGEL Estatística e Demógrafa, Gerente de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação Seade ROSANA CAPASSI Matemática, Analista da Fundação Seade O crescimento da população residente no Estado de São Paulo já não mantém o ritmo observado até 1980, quando superava aquele cor- respondente ao total do país com taxas superiores a 3,2% ao ano. No qüinqüênio , a população paulista cresceu apenas 1,6% ao ano, atingindo mil habitantes em Considerando-se o Estado de São Paulo dividido em duas áreas Região Metropolitana e interior, observase que, apesar de a redução nas taxas de crescimento ter ocorrido em ambas as regiões, o ritmo de desaceleração foi distinto entre elas. A Região Metropolitana de São Paulo, que tradicionalmente representava uma das áreas de maior atração populacional do Brasil, diminuiu seu ritmo anual de crescimento de 4,5% para 1,5% entre a década de 70 e o qüinqüênio Já o interior, que registrava taxas menores entre 1970 e 1980 (2,6%), supera o crescimento da Região Metropolitana no período final, com uma taxa de 1,7% ao ano. A dinâmica demográfica no interior da Região Metropolitana também é distinta. O município de São Paulo apresentou, sempre, taxas de crescimento inferiores ao conjunto formado pelos demais municípios que compõem a RMSP. Na década de 70, enquanto a população da capital crescia a 3,7% ao ano, aquela residente nos demais municípios da RMSP aumentava a uma taxa de 6,4%. No qüinqüênio , estas taxas foram, respectivamente, 0,5% e 3,2%, indicando que o poder de atração populacional da Região Metropolitana diminui em decorrência do comportamento específico da capi- tal, enquanto o dinamismo dos demais municípios permanece importante, registrando a maior taxa regional do Estado. Através da Tabela 1, observa-se que as taxas de crescimento populacional correspondentes ao Estado de São Paulo foram superiores àquelas da população brasileira em todos os períodos. Por outro lado, o aumento populacional da Região Metropolitana ultrapassou aquele registrado para o Estado até 1980, passando então a um patamar inferior, sendo que a população residente no interior do Estado de São Paulo, que crescia a taxas menores que a RMSP até 1980, passa a superá-la a partir deste ano. ANÁLISE DOS COMPONENTES DO CRESCIMENTO POPULACIONAL: MIGRAÇÃO, FECUNDIDADE E MORTALIDADE Para entender o novo padrão demográfico paulista, é fundamental considerá-lo resultante do comportamento dos componentes da dinâmica populacional: migração, fecundidade e mortalidade. As alterações registradas no ritmo de crescimento populacional do Estado de São Paulo podem ser explicadas, em parte, pela análise dos componentes vegetativo e migratório. Na década de 70, o componente migratório era responsável por 42,4% do crescimento total paulista, reduzindo-se a 9,5% entre 1980 e No qüinqüênio , recuperou um pouco sua participação, respondendo por 11,8%. No interior do Estado, a participação do componente migratório não variou muito neste 186

2 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA: DOS ANOS 90 AO FUTURO TABELA 1 Evolução da População e das Taxas Anuais de Crescimento Brasil, Estado de São Paulo, Região Metropolitana, Interior, Capital e Demais Municípios da Região Metropolitana (1) População e Taxas Brasil Estado Interior Região Metropolitana de São Paulo de São Paulo de São Paulo Total Capital Demais Municípios População Taxas de Crescimento (%) 1970/1980 2,48 3,51 2,60 4,50 3,71 6, /1991 1,96 2,12 2,38 1,86 1,15 3, /1996 1,36 1,62 1,74 1,51 0,46 3,15 Fonte: Fundação Seade/Fundação IBGE. (1) Refere-se a 1 o de julho. período, sendo de aproximadamente 28%, em , e 24%, em Até 1980, o peso do componente migratório no crescimento populacional da RMSP superava o componente vegetativo, com um saldo migratório anual superior a 200 mil pessoas. No período seguinte, os papéis inverteramse e o componente migratório passou a ter uma contribuição negativa no crescimento total. Contrariando a evolução histórica, a RMSP inverteu a tendência de área de atração e passou a expulsar um volume de migrantes maior do que conseguia reter, de modo que os saldos migratórios registrados entre 1980 e 1996 foram negativos. Este comportamento foi de difícil previsão, apesar da expectativa existente, naquela ocasião, de que os níveis observados pela migração não se manteriam em um patamar tão elevado por muito mais tempo. Esta expectativa baseava-se nas mudanças importantes que vinham ocorrendo no Brasil e no Estado de São Paulo, como a interiorização do desenvolvimento, a abertura de novas frentes de trabalho em outras regiões do país e o surgimento de novos pólos de atração populacional (Perillo e Aranha, 1994). No período , a composição no crescimento populacional alterou-se bastante. No município de São Paulo, ocorreu a maior mudança, registrando um saldo migratório anual de menos pessoas. Isto resulta em uma participação negativa importante do componente migratório e em uma forte redução das taxas de crescimento populacional. Este comportamento repetiu-se no período , aumentando o saldo migratório anual para menos pessoas. É interessante observar que, com exceção do município de São Paulo que intensifica a perda populacional no último qüinqüênio considerado, só apresentando crescimento populacional devido à participação do componente vegetativo, o conjunto formado pelos demais municípios da RMSP recuperou a participação do componente migratório no total do crescimento, que passou de 28,4%, entre 1980 e 1991, para 46,8%, no período O Gráfico 1 descreve a evolução dos saldos migratórios anuais para o Estado de São Paulo, Região Metropolitana e interior do Estado, de 1970 a Vale lembrar que os saldos migratórios foram estimados pelo Método das Estatísticas Vitais. Este procedimento parte da decomposição do crescimento populacional observado em saldos migratório e vegetativo. Para tanto, são necessários dois recenseamentos da população e o saldo vegetativo calculado com os nascimentos e os óbitos ocorridos no período considerado. O saldo migratório é calculado subtraindo-se o saldo vegetativo do crescimento populacional observado, e representa a diferença entre as entradas e as saídas de migrantes, da área selecionada. Para as estimativas dos saldos vegetativos para o Estado de São 187

3 SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 GRÁFICO 1 Saldos Migratórios Anuais Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior GRÁFICO 2 Taxas Específicas de Fecundidade, por Idade Estado de São Paulo Por mulheres Paulo, consideraram-se os nascimentos e os óbitos anualmente processados pela Fundação Seade, a partir dos dados coletados junto aos Cartórios de Registro Civil de todos os municípios paulistas. Outro componente demográfico decisivo na desaceleração do ritmo de crescimento populacional paulista foi a fecundidade, cujos níveis e tendências podem ser sistematicamente avaliados por intermédio das estatísticas de nascimentos existentes no Sistema de Estatísticas Vitais, da Fundação Seade. Em 1970, o número médio de filhos por mulher, no Estado de São Paulo, era 4,20 filhos, passando a 3,43 filhos, em 1980, a 2,33 filhos, em 1991, e a 2,26 filhos, em A maior queda ocorreu entre 1980 e 1991, quando a redução foi de mais de um filho por mulher paulista (Yazaki e Morell, 1997). Aliada a esta queda, houve uma alteração importante no padrão etário da fecundidade, com uma concentração gradativa nas idades mais jovens. O grupo etário de maior fecundidade situava-se entre 25 e 29 anos, em 1970, passando para 20 a 24 anos, em Outro fato que merece ser destacado refere-se à redução das taxas específicas de fecundidade em todo o período reprodutivo, com exceção das idades mais jovens, entre 15 e 19 anos, que registraram um aumento de cerca de 27% no período analisado. O Gráfico 2 permite visualizar melhor as mudanças ocorridas nos níveis e padrões da fecundidade paulista, entre 1970 e As taxas de fecundidade total foram maiores no interior do Estado do que na Região Metropolitana até 1991, invertendo esta posição em 1996, quando a fecundidade na RMSP apresentou um pequeno aumento. Por outro lado, a fecundidade no interior rejuvenesceu mais cedo: já em 1980, a maior taxa específica foi registrada nas idades de TABELA 2 Taxas de Fecundidade Total (1) Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior Anos Estado Região Metropolitana Interior ,20 3,64 4,75 Idades ,43 3,38 3, ,33 2,29 2, ,26 2,35 2,17 (1) Número de filhos por mulher. 188

4 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA: DOS ANOS 90 AO FUTURO GRÁFICO 3 Evolução do Número de Nascidos Vivos Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior N os Absolutos 20 a 24 anos, enquanto na Região Metropolitana isto só ocorreu em A queda da fecundidade na década de 80 foi tão intensa que reduziu o número absoluto de nascimentos observados no Estado de São Paulo, que era crescente até 1982, quando passou a diminuir gradativamente. A despeito do aumento registrado a partir de 1993, após 15 anos o volume anual de nascimentos ainda não atingiu o pico anterior. Comportamento semelhante foi verificado no interior e na Região Metropolitana (Gráfico 3). O terceiro componente responsável pela dinâmica demográfica é a mortalidade, que apresentou um comportamento muito singular entre 1980 e Se, por um lado, as taxas de mortalidade infantil sofreram redução gradativa neste período, por outro, a mortalidade da população jovem adulta registrou um significativo aumento. Estas duas tendências divergentes resultaram na redução ou manutenção da esperança de vida ao nascer da população paulista do sexo masculino, no último ano avaliado, e num pequeno incremento para a população feminina (Ferreira e Castiñeiras, 1998). Para as mulheres residentes no Estado de São Paulo, houve um aumento de 3,22 anos na esperança de vida ao nascer, entre 1980 e 1991, passando de 70,0 anos para 73,2 anos neste período. No qüinqüênio seguinte, o incremento ficou reduzido a quase meio ano e a esperança de vida foi de 73,8 anos. Verifica-se um comportamento semelhante tanto para a RMSP quanto para o interior. Já para a população masculina, o incremento observado, entre 1980 e 1991, foi de apenas 1,6 ano, sendo que a TABELA 3 Esperança de Vida ao Nascer, segundo Sexo Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior Em anos Esperança de Vida ao Nascer Incremento Sexo / /96 Homens Anos Estado de São Paulo 63,30 64,87 64,98 1,57 0,11 Região Metropolitana 62,65 63,51 63,76 0,86 0,25 Interior 64,17 66,18 66,12 2,01-0,06 Movimento do Registro Civil. Mulheres Estado de São Paulo 70,02 73,24 73,81 3,22 0,57 Região Metropolitana 69,85 72,89 73,48 3,04 0,58 Interior 70,73 73,59 74,13 2,86 0,54 Ferreira e Castiñeiras (1998). GRÁFICO 4 Evolução das Taxas de Mortalidade Infantil Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior Por mil nascidos vivos Movimento do Registro Civil. Anos 189

5 SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 esperança de vida passou de 63,3 anos para 64,9 anos neste período, quase não se alterando entre 1991 e Como conseqüência, amplia-se o diferencial existente entre as esperanças de vida masculina e feminina de 6,3 anos para 8,8 anos, entre 1980 e Também neste caso foram observados comportamentos semelhantes na capital e no interior (Tabela 3). A mortalidade infantil apresentou uma importante queda no período considerado, passando de 84,3 óbitos de menores de um ano por mil nascidos vivos, em 1970, para 51,2, em 1980, e para 18,7, em Durante todo o período observado, as taxas de mortalidade infantil na Região Metropolitana superaram as do interior, aproximando-se muito no último ano avaliado (1998), como se observa no Gráfico 4. Nas faixas etárias acima de 15 anos, a situação é muito heterogênea e apresenta avanços e retrocessos em relação às condições observadas em Para a população feminina, os dados revelam diminuição da mortalidade em todas as idades, embora a intensidade desta queda, no último qüinqüênio, tenha-se reduzido muito. Quanto à população masculina, observa-se um aumento significativo dos riscos de morte nas idades entre 15 e 39 anos, retrocedendo aos níveis registrados 40 anos atrás (Ferreira e Castiñeiras, 1998). O impacto da violência urbana na sobrevivência da população masculina residente no Estado de São Paulo, principalmente nas idades economicamente ativas, é cada vez maior e representa a primeira causa de morte deste contingente populacional, bem à frente das demais causas. A este fator, acrescenta-se a Aids, responsável por um relevante percentual da mortalidade também nesta faixa etária. Este comportamento explica, em grande parte, o aumento das diferenças de esperança de vida entre os sexos, como foi mencionado anteriormente. TRANSFORMAÇÕES NA ESTRUTURA ETÁRIA DA POPULAÇÃO O novo padrão demográfico, revelado pelos últimos Censos Demográficos e pela série histórica das Estatísticas Vitais, resultou em uma importante transformação na estrutura etária da população residente no Estado de São Paulo. As pirâmides etárias da população, que apresentam a distribuição proporcional de cada faixa etária qüinqüenal GRÁFICO 5 Pirâmide Etária da População Residente, segundo Sexo Estado de São Paulo Homens 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 Homens 8,00 6,00 4,00 2,00 0,00 Fonte: Fundação Seade; Fundação IBGE Mulheres 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 0,00 2,00 4,00 6,00 8,00 e sexo, permitem avaliar com bastante detalhe as mudanças ocorridas no perfil populacional, entre 1970 e Em 1970, cerca de 12% da população paulista tinha entre 0 e 4 anos de idade, passando para pouco mais de 8%, em A diminuição na base da pirâmide populacional, representada por estas crianças, é conseqüência direta da forte queda da fecundidade registrada neste período. Comparando-se a estrutura etária de 1970 com a de 1996, apresentadas no Gráfico 5, observa-se claramente o envelhecimento populacional, processo que se intensificou mais nos últimos anos. A população em 1996 é marcadamente adulta, perdendo a forma piramidal observada em Considerando-se três grandes grupos etários tradicionalmente analisados os jovens (menores de 15 anos), % Mulheres % 190

6 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA: DOS ANOS 90 AO FUTURO os adultos e potencialmente ativos (entre 15 e 65 anos) e os idosos (maiores de 65 anos), encontram-se significativas mudanças na composição da população no período analisado e alguns diferenciais entre as duas áreas do Estado de São Paulo. TABELA 4 População e Participação Relativa, segundo Grupos de Idade Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior 1996 (1) Grupos de Idade Estado de São Paulo Região Metropolitana Interior População Menores de 15 Anos Entre 15 e 64 Anos Maiores de 64 Anos Participação Relativa (%) 100,00 48,61 51,39 Menores de 15 Anos 100,00 48,25 51,75 Entre 15 e 64 Anos 100,00 49,18 50,82 Maiores de 64 Anos 100,00 43,50 56,50 Fonte: Fundação Seade; Fundação IBGE. (1) Refere-se a 1 o de julho. Em 1996, 27,8% da população paulista era jovem, 66,6% era adulta e 5,6% era idosa. Comparando-se as duas áreas do Estado, as diferenças são pequenas. No interior do Estado, encontra-se uma maior proporção de idosos (6,1%) e de jovens (28,0%), em comparação com a Região Metropolitana (5,0% e 27,6%, respectivamente). Conseqüentemente, a maior proporção de adultos é registrada na capital, 67,4% contra 65,9% no interior. Em 1970, os jovens no Estado representavam 36,9% da população total, os idosos correspondiam a 3,4% e os adultos a 59,7%. Também neste ano, as diferenças entre as áreas do Estado eram pequenas, permanecendo o comportamento registrado em As diferentes estruturas etárias da população, nas duas áreas do Estado de São Paulo, conformam uma distribuição espacial dos três grandes grupos etários. As populações jovem e adulta apresentam distribuição espacial semelhante à população total, em 1996, ou seja, 48,6% são residentes na Região Metropolitana e 51,4% no interior. Por outro lado, a população idosa encontrase mais concentrada no interior, com 56,5% deste contingente populacional (Tabela 4). PERSPECTIVAS FUTURAS ESPERADAS PARA OS COMPONENTES DEMOGRÁFICOS 1 A partir da análise aqui contemplada, é possível superar, definitivamente, o mito de que a população paulista continua crescendo a altas e crescentes taxas de incremento populacional. Dificilmente este panorama se repetirá no futuro próximo, uma vez que se têm indícios concretos de continuidade do processo de mudanças na dinâmica populacional. Quanto ao componente demográfico fecundidade, observa-se que sua queda, que se intensificou nos anos 80, tem-se mostrado efetiva nos anos recentes. É pouco provável que ocorra uma total inversão de tendência nos próximos anos. As alterações ocorridas no padrão etário da fecundidade devem permanecer no futuro devido, principalmente, à tendência de concentração nas idades mais jovens e à interrupção do período fértil em decorrência da intensa utilização de métodos anticoncepcionais, sobressaindo a esterilização como método definitivo. Outro fator que contribui de forma significativa na tendência de queda da fecundidade corresponde aos meios de comunicação, vinculando padrões de famílias menores. A melhora no nível de escolarização da população feminina e sua entrada crescente na população economicamente ativa atuam, também, no sentido de baixar a fecundidade. Desta forma, são esperadas a continuidade da queda nos níveis da fecundidade no Estado de São Paulo, nos próximos anos, e uma tendência gradativa de convergência dos níveis diferenciados de fecundidade nas regiões que compõem o Estado. A hipótese considerada para a projeção da fecundidade foi uma redução lenta e gradativa, alcançando, em 2015/ 2020, um número médio esperado de 2,03 filhos por mulher, abaixo do nível de reposição. Espera-se, também, a continuidade na tendência de concentração da fecundidade nas idades mais jovens. Para o componente demográfico mortalidade, observase que ainda persiste o comportamento singular verificado nos últimos 16 anos, quando a população infantil apresentou maiores progressos em termos de redução dos níveis da mortalidade, enquanto o impacto da violência urbana, acrescido da incidência da Aids, aumentou os riscos de morte da população jovem-adulta no Estado de São Paulo. Apesar do comportamento sem precedentes na história paulista, de diminuição da esperança de vida masculina, espera-se que os fatores incidindo negativamente nos 191

7 SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 riscos de morte sejam minimizados no futuro próximo, de modo a reverter a tendência recente e evoluir novamente de forma favorável. Um ponto importante, que torna este cenário um pouco mais promissor, é a redução que vem ocorrendo com os casos fatais de Aids. A partir de 1996, a tendência da mortalidade por Aids reverteu e passou a diminuir significativamente seu peso na mortalidade da população jovem-adulta. Este comportamento deve continuar no futuro, em decorrência dos novos tratamentos e medicamentos mais eficazes no controle desta epidemia (Waldvogel e Morais, 1998). Os acidentes de transporte também apresentaram diminuição no último ano, como reflexo do novo código de trânsito que foi implantado e que já começa a ter resultados positivos (Fundação Seade, 1999b). Na direção oposta, aparecem os homicídios, que continuam crescendo. Por outro lado, a mortalidade infantil deve permanecer diminuindo, mas com ganhos futuros cada vez menores, pois os níveis alcançados já estão em um patamar baixo e a composição da mortalidade infantil agora é predominantemente neonatal, em que as doenças perinatais são mais difíceis de serem reduzidas. A hipótese elaborada para o futuro é de diminuição lenta dos níveis da mortalidade, considerando-se que uma proporção considerável dos óbitos, que ocorrem no Estado, é evitável através de maior controle médico e preventivo, além da expectativa positiva de que sejam implantadas medidas eficazes de redução da violência urbana. O modelo utilizado de projeção da mortalidade baseiase na evolução das probabilidades de morte observadas em uma grande quantidade de países, resultando em ganhos qüinqüenais de esperança de vida de acordo com o nível inicial considerado. Desta forma, espera-se que a esperança de vida ao nascer no Estado de São Paulo, no período 2015/2020, alcance 72,3 anos para os homens e 80,9 anos para as mulheres. Para as regiões que compõem o Estado, considera-se uma evolução semelhante, mantendo-se os diferenciais de níveis da mortalidade registrados no período de base para a projeção. No que se refere ao terceiro componente da dinâmica demográfica, a migração, considerou-se a evolução recente observada no Estado de São Paulo para elaborar as tendência futuras, uma vez que, apesar de no passado mais distante a migração ter desempenhado um papel decisivo no crescimento populacional, no presente reduziu seu peso no ritmo de incremento populacional paulista. Considerando-se o novo padrão migratório, com o processo de interiorização do desenvolvimento no território paulista e a diminuição da capacidade da Região Metropolitana de reter a população migrante, acredita-se que este comportamento não deva se alterar drasticamente no futuro, podendo o Estado apresentar uma recuperação lenta do volume migratório no período de projeção. Acredita-se que as altas taxas de migração, registradas até os anos 70, não mais ocorram nas próximas décadas. A expectativa é de que as taxas anuais líquidas de migração passem de 1,9%o, entre 1996/2000, para 1,7%o, em 2015/2020. Quanto às duas áreas que compõem o Estado de São Paulo, espera-se a continuidade da tendência registrada nos últimos anos. A capital deverá permanecer como um pólo que atrai, mas que também expulsa muito migrante para os demais municípios da Região Metropolitana e para as outras regiões do Estado de São Paulo. Assim, as taxas de migração devem permanecer negativas. O conjunto formado pelos municípios paulistas, excluindo-se a capital, deverá manter o dinamismo de atração populacional, mas desacelerando lentamente até o final do período a ser projetado. CENÁRIOS FUTUROS PARA A POPULAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO 2 O modelo adotado pela Fundação Seade para realizar as projeções populacionais, para as regiões e municípios do Estado de São Paulo, constitui-se no método dos com- GRÁFICO 6 Projeção da Pirâmide Etária da População Residente, segundo Sexo Estado de São Paulo 2020 Homens 6,00 4,00 2,00 0,00 70 e Mulheres % 0-4 % 0,00 2,00 4,00 6,00 192

8 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA: DOS ANOS 90 AO FUTURO ponentes demográficos, o qual considera a interação dos três componentes demográficos fecundidade, mortalidade e migração, na simulação dos possíveis cenários futuros. Para o Estado de São Paulo, a interação das tendências esperadas para os componentes da dinâmica demográfica deverá resultar na desaceleração, ainda maior, do ritmo de crescimento futuro, com alterações significativas na estrutura etária da população. A população paulista deverá alcançar a cifra de mil habitantes, no ano Seu ritmo de crescimento se reduzirá, gradativamente, passando de 1,5% ao ano, entre 1996/2000, para 0,9%, no último qüinqüênio considerado (2015/2020). Uma importante conseqüência das tendências esperadas para os componentes demográficos, no futuro, é a expressiva modificação do perfil populacional do Estado de São Paulo nos próximos 24 anos. As pirâmides etárias, relativas às populações projetadas para o próximo século, apresentam uma população marcadamente adulta. No ano 2021, a população resultante deverá ser constiuída por contingentes, em cada faixa etária até 50 anos, numericamente muito semelhantes, GRÁFICO 7 Taxas Anuais de Crescimento das Populações Projetadas, segundo Grupos de Idade Estado de São Paulo / / /2020 Em porcentagem Jovens Adultos Idosos (menores de (entre 15 e (maiores de 15 anos) 65 anos) 65 anos) TABELA 5 População Projetada, por Grandes Grupos de Idade Estado de São Paulo, Região Metropolitana e Interior (1) Anos Menores de Entre 15 e Maiores de 15 Anos 64 Anos 65 Anos Total 2000 Estado de São Paulo Região Metropolitana Interior Estado de São Paulo Região Metropolitana Interior Estado de São Paulo Região Metropolitana Interior (1) Refere-se a 1 o de julho. sendo que a população com 70 anos e mais deverá ser bastante expressiva (Gráfico 6). Os idosos representam a parcela da população que mais crescerá nos próximos anos, beneficiados, em parte, pelo aumento esperado na esperança de vida ao nascer, principalmente para o sexo feminino. Desta forma, em 2020 deverão representar 12,3% da população paulista. A população menor de 15 anos, em 2020, deverá ser menor do que a atual. As taxas anuais de crescimento da população jovem poderá aumentar um pouco entre 2000/ 2010, como conseqüência da interação entre a tendência decrescente lenta dos níveis da fecundidade e o rejuvenescimento do padrão etário da fecundidade, com o aumento do contingente populacional feminino em idade fértil. No decênio seguinte (2010/2020), deverá ocorrer uma reversão nas taxas de crescimento da população jovem, passando a registrar taxas negativas. A população adulta deverá continuar crescendo, resultando em uma população em idade ativa, residente no Estado de São Paulo, mais volumosa em 2020 do que a atual, embora com taxas anuais de crescimento decrescentes a cada período de projeção. O Gráfico 7 permite uma melhor visualização do comportamento diferenciando 193

9 SÃO PAULO EM PERSPECTIVA, 13(1-2) 1999 dos ritmos de crescimento da população paulista, esperados para o próximo século. Considerando-se o Estado dividido em Região Metropolitana e interior, observa-se que o comportamento descrito para o total do Estado se repete nestas áreas. A Tabela 5 apresenta os totais populacionais projetados para os três grandes grupos de idade. É interessante observar que a distribuição percentual destes grupos aproxima-se bastante em 2020, nas duas áreas do Estado de São Paulo, reduzindo também os diferenciais de ritmos de crescimento anteriormente verificados. CONSIDERAÇÕES FINAIS A constatação de que os três grupos etários populacionais considerados apresentam distintas taxas de crescimento evidencia que a taxa global de crescimento demográfico não reflete o que realmente está ocorrendo no interior da população. Não é possível, portanto, aplicar uma única taxa de crescimento para projetar a população por idade no futuro, nem considerar constante a estrutura etária observada no passado, pois a mesma estaria longe de expressar as mudanças que se processam na dinâmica populacional, como se constatou na avaliação das diferentes pirâmides etárias da população paulista. A simulação dos possíveis cenários futuros deve levar em consideração as tendências diferenciadas de comportamento dos componentes demográficos no crescimento populacional. Uma rápida reflexão sobre os resultados aqui apresentados permite visualizar alterações profundas em todas as esferas da vida social. Uma proporção menor de crianças (ou mesmo uma redução no número absoluto), uma maior população em idade ativa e uma proporção crescente de idosos implicam mudanças nas demandas por educação, saúde, emprego, previdência, etc. Na área de saúde, o processo de envelhecimento da população acarreta modificações do perfil das doenças e das demandas específicas por serviços médicos. Passa-se a conviver com problemas de sociedades economicamente mais avançadas, ao mesmo tempo em que persistem características epidemiológicas do passado, reproduzindo acentuados diferenciais sociais e regionais, como ressalta Ferreira (1991). É preciso ter presente que a dinâmica da população, nos próximos anos, modificará muito o perfil atual do Estado de São Paulo. Uma visão mais realista da composição futura da população permitirá orientar o planejamento para as questões mais emergentes e minimizar os problemas e dificuldades a serem enfrentados. Por outro lado, não se pode esquecer que os resultados de uma projeção de população representam uma combinação de supostos elaborados sobre as tendências futuras do comportamento populacional. Eles indicam um cenário para a população no futuro, caso se confirmem as tendências assumidas por ocasião da realização das projeções. Os resultados das projeções populacionais, ao desenharem um cenário futuro, podem também desempenhar um papel de modificador das tendências esperadas, devendo, portanto, ser consideradas um sinalizador do dimensionamento e da composição da população, passíveis de revisões sempre que novas informações estejam disponíveis e indiquem uma alteração na tendência de crescimento. NOTAS das autoras: e 1. As hipóteses aqui analisadas foram elaboradas pela equipe técnica da Gerência de Indicadores e Estudos Populacionais, da Fundação Seade. 2. As projeções populacionais até o ano 2021, aqui analisadas, foram elaboradas pela Gerência de Indicadores e Estudos Populacionais da Fundação Seade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BERQUÓ, E. Brasil, um caso exemplar: anticoncepção e parto cirúrgico à espera de uma ação exemplar. A atuação da mulher e o desenvolvimento. Campinas, Nepo/Unicamp, CAMARGO, A.B.C. Estimativas dos saldos migratórios através das estatísticas vitais: uma aplicação para o Estado de São Paulo. Informe Demográfico. São Paulo, Fundação Seade, n.6, CARVALHO, J.A.M. de. Crescimento populacional e estrutura demográfica no Brasil. Belo Horizonte, Cedeplar/UFMG, CAMPANÁRIO, P. e GODINHO, R. Projeções de fecundidade: modelo relacional entre nível e estrutura. X Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Anais... Belo Horizonte, Abep, FERREIRA, C.E. de C. Mortalidade e desenvolvimento: a persistência das diferenças regionais. Conjuntura Demográfica. São Paulo, Fundação Seade, n.14/15, jan./jul FERREIRA, C.E. de C. e CASTIÑEIRAS, L.L. Está diminuindo a esperança de vida paulista?. XI Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais... Caxambu, Abep, FERREIRA, C.E. de C. e WALDVOGEL, B. Os novos cenários da população paulista. Conjuntura Demográfica. São Paulo, Fundação Seade, jan./mar FUNDAÇÃO IBGE Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censos Demográficos do Estado de São Paulo de 1970, 1980 e 1991 e Contagem Geral da População de Rio de Janeiro. FUNDAÇÃO SEADE Sistema Estadual de Análise de Dados. Movimento do Registro Civil de São Paulo de 1980 a Sistema de Indicadores Demográficos (Produto Eletrônico). São Paulo, 1999a.. Perspectivas da população para o Estado de São Paulo e suas regiões administrativas ( ). Informe Demográfico. São Paulo, n.18, O Novo Retrato de São Paulo. São Paulo, 1992 (coordenação: Bernadette Waldvogel). 194

10 CENÁRIOS DA POPULAÇÃO PAULISTA: DOS ANOS 90 AO FUTURO. A fecundidade da mulher paulista. Informe Demográfico. São Paulo, n.25, 1994a.. Mortalidade e sobrevivência no Estado de São Paulo. Informe Demográfico. São Paulo, n.26, 1994b.. Onde estão e aonde vão os paulistas. Como está São Paulo. São Paulo, Secretaria de Planejamento e Gestão, Coordenadoria de Planejamento Regional, A mortalidade por acidente de transporte em São Paulo. Jornal Seade. São Paulo, 6(38), mar. 1999b. PERILLO, S.R. e ARANHA, V. J. Novos padrões de reorganização espacial da população paulista. Conjuntura Demográfica. São Paulo, Fundação Seade, n.26, jan./mar WALDVOGEL, B.C. O que muda na composição e no volume da população paulista até o final do século XX? São Paulo em Perspectiva. São Paulo, Fundação Seade, v.3, n.3, jul./set Projeção populacional para São Paulo: um método analítico como alternativa. São Paulo em Perspectiva. São Paulo, Fundação, Seade, v.10, n.2, abr./jun WALDVOGEL, B.C. e MORAIS, L.C.C. Mortalidade por Aids em São Paulo: dezoito anos de história. Boletim Epidemiológico. CRT-DST/Aids, CVE, n.2, jun YAZAKI, L. e MORELL, M.G.G. Fecundidade caiu e maternidade é mais precoce. Mulheres em Dados. São Paulo, Fundação Seade, n.6, ago

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA

MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA MORTALIDADE POR AIDS EM SÃO PAULO: DEZOITO ANOS DE HISTÓRIA Bernadette Waldvogel 1 Lilian Cristina Correia Morais 1 1 INTRODUÇÃO O primeiro caso brasileiro conhecido de morte por Aids ocorreu em 1980,

Leia mais

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo

A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo A agenda demográfica e de políticas públicas do Estado de São Paulo Projeções da Fundação Seade para a trajetória até 2050 indicam que o grupo populacional com mais de 60 anos será triplicado e o com mais

Leia mais

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores

Capítulo 3. Fichas de Qualificação de Indicadores Capítulo 3 Fichas de Qualificação de Indicadores A Demográficos População total A.1................................... 58 Razão de sexos A.2................................... 60 Taxa de crescimento da

Leia mais

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Diminui a mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Em 2012, ocorreram 2.767 óbitos por Aids no Estado de São Paulo, o que representa importante queda em relação ao pico observado em 1995 (7.739). A

Leia mais

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo *

Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Mudanças no Padrão da Mortalidade por Aids no Estado de São Paulo * Bernadette Cunha Waldvogel Fundação Seade Lilian Cristina Correia Morais Fundação Seade Palavras-chave: mortalidade, Aids, distribuição

Leia mais

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos

Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos POPULAÇÃO BRASILEIRA Estrutura Populacional e Indicadores socioeconômicos Desde a colonização do Brasil o povoamento se concentrou no litoral do país. No início do século XXI, a população brasileira ainda

Leia mais

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução

Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística. 1 - Introdução Evolução da população do Rio Grande do Sul. Maria de Lourdes Teixeira Jardim Fundação de Economia e Estatística Área Temática: Emprego e Mercado de Trabalho, Demografia Econômica. 1 - Introdução Este texto

Leia mais

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens

Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens Um país de idosos Quase 10% dos brasileiros têm mais de 70 anos. Segundo o IBGE, em 40 anos o número de idosos deverá superar o de jovens A expectativa de vida do brasileiro aumentou mais de 20 anos em

Leia mais

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década

Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década 1 FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO PROFESSOR BAHIA TEXTO DE CULTURA GERAL FONTE: UOL COTIDIANO 24/09/2008 Expectativa de vida do brasileiro cresce mais de três anos na última década Fabiana Uchinaka Do UOL Notícias

Leia mais

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS

2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS 2 ASPECTOS DEMOGRÁFICOS Neste capítulo se pretende avaliar os movimentos demográficos no município de Ijuí, ao longo do tempo. Os dados que fomentam a análise são dos censos demográficos, no período 1920-2000,

Leia mais

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero

As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero As tendências da população mundial: rumo ao crescimento zero Fausto Brito José Alberto Magno de Carvalho Cássio Maldonato Turra Bernardo Lanza Queiroz Nas três primeiras décadas da segunda metade do século

Leia mais

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação

Nome: n o : Geografia. Exercícios de recuperação Nome: n o : Ensino: Fundamental Ano: 7 o Turma: Data: Professor(a): Maria Silvia Geografia Exercícios de recuperação 1) Para a geografia, qual é o conceito de região? 2) Entre os aspectos utilizados para

Leia mais

na região metropolitana do Rio de Janeiro

na região metropolitana do Rio de Janeiro O PERFIL DOS JOVENS EMPREENDEDORES na região metropolitana do Rio de Janeiro NOTA CONJUNTURAL MARÇO DE 2013 Nº21 PANORAMA GERAL Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD/IBGE) de 2011,

Leia mais

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica

População jovem no Brasil: a dimensão demográfica População jovem no Brasil: a dimensão demográfica Introdução O conhecimento detalhado dos aspectos demográficos, sociais, culturais, econômicos, de saúde, entre tantos outros, que dizem respeito a segmentos

Leia mais

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar.

VOLUME 3. Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. VOLUME 3 Projeção Demográfica; Projeção de Matrículas, Taxas de Atendimento e Taxas de Transição; Indicadores do Censo Escolar. 69 PARTE I PROJEÇÃO DEMOGRÁFICA 70 1 Introdução A atualização de projeções

Leia mais

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo

Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo Pela primeira vez na história demográfica recente, Portugal registou em 2007 um saldo natural negativo De acordo com os indicadores demográficos disponíveis relativos a 2007, a população residente em Portugal

Leia mais

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer

Saúde. reprodutiva: gravidez, assistência. pré-natal, parto. e baixo peso. ao nascer 2 Saúde reprodutiva: gravidez, assistência pré-natal, parto e baixo peso ao nascer SAÚDE BRASIL 2004 UMA ANÁLISE DA SITUAÇÃO DE SAÚDE INTRODUÇÃO No Brasil, as questões relativas à saúde reprodutiva têm

Leia mais

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo

Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 10 nº 2 Março 2010 Acidentes de transportes passam a ser a principal causa de morte não natural do Estado de São Paulo Hoje, os acidentes de transporte

Leia mais

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA

PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA PERFIL DOS TRABALHADORES NA CONSTRUÇÃO CIVIL NO ESTADO DA BAHIA SETEMBRO /2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO 3 1. Dimensão e características da ocupação no setor da construção civil no Brasil e na Bahia (2000 e 2010)...

Leia mais

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014

7ºano 2º período vespertino 25 de abril de 2014 GEOGRAFIA QUESTÃO 1 A Demografia é a ciência que estuda as características das populações humanas e exprime-se geralmente através de valores estatísticos. As características da população estudadas pela

Leia mais

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO

CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO CAUSAS DE MORTE NO ESTADO DE SÃO PAULO Morrem mais brancos por causa naturais e negros por motivos externos. A s estatísticas de morbidade e mortalidade têm sido utilizadas por epidemiologistas, demógrafos

Leia mais

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3

Brasil é 2º em ranking de redução de mortalidade infantil 3 Publicação Científica do Curso de Bacharelado em Enfermagem do CEUT. Ano 2011(3). Edição 38 Aline da Silva Oliveira 1 Cristiana Maria de Sousa Macedo 1 Mércia da Silva Sousa 1 Márcia Andrea Lial Sertão

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego - PME

Pesquisa Mensal de Emprego - PME Pesquisa Mensal de Emprego - PME Dia Internacional da Mulher 08 de março de 2012 M U L H E R N O M E R C A D O D E T R A B A L H O: P E R G U N T A S E R E S P O S T A S A Pesquisa Mensal de Emprego PME,

Leia mais

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996

Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 5 nº 13 Novembro 2004 Mortalidade por Aids no Estado: redução contínua desde 1996 A quantificação dos óbitos por Aids revela que, no Estado de

Leia mais

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI

Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 1 Março 212 Estatísticas Vitais Mostram Mudanças na Dinâmica Demográfica Paulista na Primeira Década do Século XXI As estatísticas demográficas

Leia mais

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária *

Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Rio Grande do Sul: modificações na sua estrutura etária * Olga Collinet Heredia UNISINOS Palavras chaves: estrutura etária, população ativa, envelhecimento. INTRODUÇÃO Modificações na dinâmica demográfica

Leia mais

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo

Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 4 Maio 2011 Acidentes fatais com motocicleta param de crescer no Estado de São Paulo O número de mortes por acidentes de motocicleta manteve-se

Leia mais

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia

Envelhecimento da população residente em Portugal e na União Europeia Dia Mundial da População 11 julho de 15 1 de julho de 15 Envelhecimento da população residente em e na União Europeia Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto Nacional de Estatística

Leia mais

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo

Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 7 Novembro 2011 Tendências Recentes da Migração nas Regiões Administrativas do Estado de São Paulo Esta edição do SP Demográfico, que complementa

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina Secretaria da Saúde do Estado de Santa Catarina Diretoria de Planejamento e Coordenação Gerência de Estatística e Informática Setor de Mortalidadade Indicadores e Dados Básicos: situando Santa Catarina

Leia mais

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas

Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas Resenha de Estatísticas Vitais do Ano 8 nº 3 Novembro 2007 Tendência da mortalidade da população paulista por neoplasias malignas O século XX se caracterizou, sob o ponto de vista da saúde, pela transição

Leia mais

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO?

O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? O QUE ESTÃO FAZENDO OS JOVENS QUE NÃO ESTUDAM, NÃO TRABALHAM E NÃO PROCURAM TRABALHO? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** 1 INTRODUÇÃO As fases da vida são marcadas tanto por eventos biológicos, como

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 7º Disciplina: Geografia. Pré Universitário Uni-Anhanguera Pré Universitário Uni-Anhanguera Questão 01) A distribuição da população pela superfície do planeta é desigual, orientada por fatores históricos, econômicos ou naturais. No caso do Brasil, conclui-se que

Leia mais

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 *

A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * A Evolução da Morbidade e Mortalidade por Câncer de Mama entre a População Feminina de Minas Gerais 1995 a 2001 * Andréa Branco Simão UFMG/Cedeplar Luiza de Marilac de Souza UFMG/Cedeplar Palavras Chave:

Leia mais

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008

Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 Mudanças demográficas e saúde no Brasil Dados disponíveis em 2008 José Cechin Superintendente Executivo Carina Martins Francine Leite Nos últimos meses, vários relatórios publicados por diferentes instituições

Leia mais

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS A POPULAÇÃO IDOSA NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE SETEMBRO - 2008 PESQUISA DE EMPREGO E DESEMPREGO NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE PED-RMPA INFORME ESPECIAL IDOSOS

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS

3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 3. POPULAÇÃO E INDICADORES DEMOGRÁFICOS 37 38 3.1. Introdução Para a interpretação dos dados de saúde, quer de morbilidade quer de mortalidade, e nomeadamente para, com base nesses dados, se fazer o planeamento

Leia mais

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA

ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 01 DEMOGRAFIA BRASILEIRA ACESSO EDUCAÇÃO PRÉ-VESTIBULAR AULA 02 DEMOGRAFIA MUNDIAL (MACK) O Brasil em 2020 Será, é claro, um Brasil

Leia mais

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991

Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S Nota técnica sobre as tabelas abreviadas de sobrevivência no Rio de Janeiro - 1980 e 1991 Nº 20010504 Maio - 2001 Kaizô Beltrão - IBGE PREFEITURA

Leia mais

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo

Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 12 nº 2 Maio 2012 Panorama de 25 anos da mortalidade por Aids no Estado de São Paulo As estatísticas de mortalidade produzidas pela Fundação Seade,

Leia mais

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles

Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 11 nº 3 Abril 2011 Informações recentes revelam redução da migração no Estado de São Paulo e em suas metrópoles O objetivo deste número do SP Demográfico

Leia mais

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013

Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013. Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Tábua completa de mortalidade para o Brasil 2013 Breve análise da mortalidade nos períodos 2012 2013 e 1980 2013 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão Miriam

Leia mais

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br

Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Docente: Willen Ferreira Lobato willenlobato@yahoo.com.br Natal 29/02/2012 1 Considerações Gerais; Principais conceitos demográficos; Gráficos de indicadores sociais; Estrutura das populações mundiais:

Leia mais

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio

Relatório Estadual de Acompanhamento - 2008. Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio Relatório Estadual de Acompanhamento 2008 Objetivos de Desenvolvimento do Milênio 1- Erradicar a extrema pobreza e a fome Meta 1: Reduzir pela metade, entre 1990 e 2015, a proporção da população com renda

Leia mais

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO

EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO NOTA TÉCNICA EFEITOS DA POPULAÇÃO ECONOMICAMENTE ATIVA SOBRE A TAXA DE DESEMPREGO Maria Andréia Parente Lameiras* 1 INTRODUÇÃO Ao longo da última década, o mercado de trabalho no Brasil vem apresentando

Leia mais

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007

Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 Brasil: O consumo de carnes passado a limpo! Contagem da população brasileira pelo IBGE em 2007 revela um número menor de habitantes do que se esperava e mostra um maior consumo per capita de carnes. Luciano

Leia mais

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015

População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Resenha de Estatísticas Vitais do Estado de São Paulo Ano 15 n o 3 Maio 2015 População do Estado de São Paulo atingirá 43 milhões de residentes em maio de 2015 Monica La Porte Teixeira Mestre em Saúde

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Peruíbe, SP 30/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 323,17 km² IDHM 2010 0,749 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 59773 hab. Densidade

Leia mais

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde

LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado. EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador. CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LUIZ HENRIQUE DA SILVEIRA Governador do Estado EDUARDO PINHO MOREIRA Vice-Governador CARMEM EMÍLIA BONFÁ ZANOTTO Secretária de Estado da Saúde LESTER PEREIRA Diretor Geral WINSTON LUIZ ZOMKOWSKI Superintendente

Leia mais

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030

PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DO BRASIL POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2060 PROJEÇÃO DA POPULAÇÃO DAS UNIDADES DA FEDERAÇÃO POR SEXO E IDADE PARA O PERÍODO 2000/2030 Agosto de 2013 1 Presidenta da República

Leia mais

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS

TEMA: POPULAÇÃO JOVEM DE 16 A 24 ANOS Em 5 de agosto de 2013 foi sancionado o Estatuto da Juventude que dispõe sobre os direitos da população jovem (a Cidadania, a Participação Social e Política e a Representação Juvenil, a Educação, a Profissionalização,

Leia mais

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra

Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra Censo Demográfico 2010 Resultados gerais da amostra Rio de Janeiro, 27 de abril de 2012 População e distribuição relativa População e distribuição relativa (%) para o Brasil e as Grandes Regiões 2000/2010

Leia mais

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva

Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL. Debora Barbosa da Silva Aula5 POPULAÇÃO E DEMOGRAFIA NO BRASIL META Refletir sobre as características da população brasileira como fundamento para a compreensão da organização do território e das políticas de planejamento e desenvolvimento

Leia mais

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo

Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições. Maria Cecília de Souza Minayo Especificidades das mortes violentas no Brasil e suas lições Maria Cecília de Souza Minayo 1ª. característica: elevadas e crescentes taxas de homicídios nos últimos 25 anos Persistência das causas externas

Leia mais

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es).

Trabalho apresentado no III Congresso Ibero-americano de Psicogerontologia, sendo de total responsabilidade de seu(s) autor(es). A QUALIDADE DE VIDA SOB A ÓTICA DAS DINÂMICAS DE MORADIA: A IDADE ENQUANTO UM FATOR DE ACÚMULO DE ATIVOS E CAPITAL PESSOAL DIFERENCIADO PARA O IDOSO TRADUZIDO NAS CONDIÇÕES DE MORADIA E MOBILIDADE SOCIAL

Leia mais

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006.

* Trabalho Apresentado no XV Encontro Nacional de Estudos populacionais, ABEP, realizado em Caxambu MG Brasil, de 18 a 22 de setembro de 2006. DEMOGRAFIA E EDUCAÇÃO NO BRASIL: AS DESIGUALDADES REGIONAIS* FERNANDA R. BECKER UERJ Resumo: A População brasileira está se transformando, passando por mudanças significativas nas últimas décadas. Estas

Leia mais

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31

CORREÇÃO TAREFAS. Aulas 1 4 Pág. 24-31 CORREÇÃO TAREFAS Aulas 1 4 Pág. 24-31 Paginas 24 e 25 1. a) População absoluta é a população total de um determinado local. b) População relativa é a densidade demográfica, ou seja, média de habitantes

Leia mais

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento

População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Dia Mundial da População 11 julho de 214 1 de julho de 214 População residente em Portugal com tendência para diminuição e envelhecimento Para assinalar o Dia Mundial da População (11 de julho), o Instituto

Leia mais

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004

I - A inserção dos trabalhadores negros nos mercados de trabalho metropolitanos entre 1998 e 2004 DESIGUALDADE RACIAL EM MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS (ROTEIRO DE DIVULGAÇÃO) Embora a segregação racial esteja presente em várias manifestações e estruturas da sociedade brasileira, o mercado de

Leia mais

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos

Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007. Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Ano 3 Nº 37 Novembro de 2007 Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho metropolitanos Escolaridade e Trabalho: desafios para a população negra nos mercados de trabalho

Leia mais

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro?

Como está a situação da população mundial e que expectativa razoável podemos ter para o futuro? População mundial Leia as manchetes abaixo: População mundial superará 9,2 bilhões em 2050, estima ONU BBC Brasil Casais ricos burlam lei do filho único na China BBC Brasil A população mundial atingiu

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Novo Mundo, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5826,18 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 7332 hab. Densidade

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Vera, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 2962,4 km² IDHM 2010 0,680 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10235 hab. Densidade demográfica

Leia mais

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht

mhtml:file://e:\economia\ibge Síntese de Indicadores Sociais 2010.mht Page 1 of 7 Comunicação Social 17 de setembro de 2010 Síntese de Indicadores Sociais 2010 SIS 2010: Mulheres mais escolarizadas são mães mais tarde e têm menos filhos Embora abaixo do nível de reposição

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de São José do Rio Claro, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 5074,56 km² IDHM 2010 0,682 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 17124 hab.

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Porto Alegre do Norte, MT 02/08/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 3994,51 km² IDHM 2010 0,673 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 10748 hab.

Leia mais

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS

A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS 1 A URBANIZAÇÃO RECENTE NO BRASIL E AS AGLOMERAÇÕES METROPOLITANAS Fausto Brito Cláudia Júlia Guimarães Horta Ernesto Friedrich de Lima Amaral O grande ciclo de expansão da urbanização no Brasil é relativamente

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Cabo Verde, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 368,15 km² IDHM 2010 0,674 Faixa do IDHM Médio (IDHM entre 0,6 e 0,699) (Censo 2010) 13823 hab. Densidade

Leia mais

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL

LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL LEVANTAMENTO DEMOGRÁFICO E ESTUDO DA QUALIDADE DE VIDA COMO SUBSIDIO A GESTÃO TERRITORIAL EM FRANCISCO BELTRÃO ESTADO DO PARANÁ BRASIL José Francisco de Gois 1 Vera Lúcia dos Santos 2 A presente pesquisa

Leia mais

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL

MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL MORTALIDADE POR TRÊS GRANDES GRUPOS DE CAUSA NO BRASIL Roberto Passos Nogueira 1 Introdução Os estudos sobre mortalidade comumente têm por base a Classificação Internacional das Doenças (CID), que é elaborada

Leia mais

Caracterização do território

Caracterização do território Perfil do Município de Guaranésia, MG 29/07/2013 - Pág 1 de 14 Caracterização do território Área 294,28 km² IDHM 2010 0,701 Faixa do IDHM Alto (IDHM entre 0,700 e 0,799) (Censo 2010) 18714 hab. Densidade

Leia mais

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE?

SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? SAÍDA DO MERCADO DE TRABALHO: QUAL É A IDADE? Ana Amélia Camarano* Solange Kanso** Daniele Fernandes** 1 INTRODUÇÃO Assume-se que idade avançada e invalidez resultam em perda da capacidade laboral, o que

Leia mais

Analfabetismo no Brasil

Analfabetismo no Brasil Analfabetismo no Brasil Ricardo Paes de Barros (IPEA) Mirela de Carvalho (IETS) Samuel Franco (IETS) Parte 1: Magnitude e evolução do analfabetismo no Brasil Magnitude Segundo estimativas obtidas com base

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 3ª Ano Tema da aula: Crescimento populacional: tendências e dilemas Objetivo da aula: contextualizar

Leia mais

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde

Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Envelhecimento populacional e a composição etária de beneficiários de planos de saúde Luiz Augusto Carneiro Superintendente Executivo Francine Leite Apresentação Este trabalho introduz o tema Envelhecimento

Leia mais

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal

As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal ISSN 1984-7203 C O L E Ç Ã O E S T U D O S C A R I O C A S As estimativas recentes para a população infantil no município do Rio de Janeiro e o atendimento na rede escolar municipal Nº 20080701 Julho -

Leia mais

História da Habitação em Florianópolis

História da Habitação em Florianópolis História da Habitação em Florianópolis CARACTERIZAÇÃO DAS FAVELAS EM FLORIANÓPOLIS No início do século XX temos as favelas mais antigas, sendo que as primeiras se instalaram em torno da região central,

Leia mais

Estatísticas do Registro Civil 2013

Estatísticas do Registro Civil 2013 Diretoria de Pesquisas Coordenação de População e Indicadores Sociais Gerência de Estatísticas Vitais e Estimativas Populacionais Estatísticas do Registro Civil 2013 Dezembro de 2014 Estatísticas do Registro

Leia mais

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos

ipea 45 NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano anos ipea 45 anos NOTA TÉCNICA Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Rio de Janeiro, maio de 2009 1 Pobreza e crise econômica: o que há de novo no Brasil metropolitano Marcio Pochmann

Leia mais

José Eustáquio Diniz Alves 1

José Eustáquio Diniz Alves 1 China e Índia: população, economia e desenvolvimento humano José Eustáquio Diniz Alves 1 A Chína e a Índia são os dois países mais populosos do mundo e que também já foram, antes de 182, os dois países

Leia mais

Taxa de analfabetismo

Taxa de analfabetismo B Taxa de analfabetismo B.1................................ 92 Níveis de escolaridade B.2................................ 94 Produto Interno Bruto (PIB) per capita B.3....................... 96 Razão de

Leia mais

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL

CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL CARACTERÍSTICAS SOCIODEMOGRÁFICAS DE IDOSAS. UM OLHAR PARA VIÇOSA, MINAS GERAIS, BRASIL Nubia C. Freitas - UFV nubia.freitas@ufv.br Estela S. Fonseca UFV estela.fonseca@ufv.br Alessandra V. Almeida UFV

Leia mais

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS

PORTO ALEGRE E DEMAIS CAPITAIS BRASILEIRAS Equipe de Vigilância de Eventos Vitais, Doenças e Agravos não Transmissíveis Coordenadoria Geral de Vigilância em Saúde Secretaria Municipal da Saúde da Prefeitura Municipal de Porto Alegre PORTO ALEGRE

Leia mais

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013

Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 Boletim PNAD Resultados da PNAD 2011 Educação Junho de 2013 RESULTADOS DA PNAD 2011 EDUCAÇÃO Apresentação 2 Governo do Estado da Bahia Jaques Wagner Secretaria do Planejamento (Seplan) José Sergio Gabrielli

Leia mais

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste

Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Dinamismo do mercado de trabalho eleva a formalização das relações de trabalho de homens e mulheres, mas a desigualdade persiste Introdução De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais

BOLETIM. Produto Interno Bruto paulista continua no patamar de um trilhão de reais patamar de um trilhão Em ano atípico, o PIB do Estado de São apresentou redução real em 2009, mas ampliou sua participação no PIB brasileiro. Em 2009, o PIB, calculado pela Fundação Seade em parceria com

Leia mais

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE

1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE 1. OUTROS INDICADORES DEMOGRÁFICOS E DE SAÚDE INDICADORES DE DESNUTRIÇÃO Peso e altura são duas das principais características antropométricas sensíveis às condições de vida e nutrição de crianças e adolescentes

Leia mais

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS

A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS OS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS NOVEMBRO DE 2013 A INSERÇÃO DOS NEGROS NOS MERCADOS DE TRABALHO METROPOLITANOS A sociedade brasileira comemora, no próximo dia 20 de novembro, o Dia da

Leia mais

Fundação Seade. www.seade.gov.br

Fundação Seade. www.seade.gov.br Maio de N o Diminui a migração no Estado de São Paulo A divulgou mais um número do SP Demográfico, o terceiro de. Dessa vez, são apresentadas estimativas inéditas dos saldos migratórios e das taxas de

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego

Pesquisa Mensal de Emprego Pesquisa Mensal de Emprego EVOLUÇÃO DO EMPREGO COM CARTEIRA DE TRABALHO ASSINADA 2003-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE 2 Pesquisa Mensal de Emprego - PME I - Introdução A Pesquisa

Leia mais

Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos

Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos Uma visão demográfica do Estado do Rio Grande do Sul no contexto brasileiro: análise dos principais indicadores demográficos Marilene Dias Bandeira * De acordo com Hauser e Duncan (apud Patarra, 1980,

Leia mais

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013

ANÁLISE CONJUNTURAL DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO CATARINENSE: 2012-2013 GOVERNO DO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA ASSISTÊNCIA SOCIAL, TRABALHO E HABITAÇÃO SST DIRETORIA DE TRABALHO E EMPREGO DITE COORDENAÇÃO ESTADUAL DO SISTEMA NACIONAL DE EMPREGO SINE SETOR

Leia mais

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção

Manutenção das desigualdades nas condições de inserção A INSERÇÃO DA MULHER NO MERCADO DE TRABALHO DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELO HORIZONTE MARÇO 2014 Manutenção das desigualdades nas condições de inserção De maneira geral, as mulheres enfrentam grandes dificuldades

Leia mais

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005

PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 PIB DO ESTADO DE SÃO PAULO 2005 A Fundação Seade, em parceria com o IBGE, divulga os resultados do PIB do Estado de São Paulo, em 2005. Simultaneamente, os órgãos de estatística das demais Unidades da

Leia mais

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS

SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS SITUAÇÃO DOS ODM NOS MUNICÍPIOS O presente levantamento mostra a situação dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) nos municípios brasileiros. Para realizar a comparação de forma mais precisa,

Leia mais

Goiás e seu reflexo na sociedade

Goiás e seu reflexo na sociedade Os dados do Censo Escolar da Educação Básica de 2013, divulgado recentemente, apontaram a diminuição do número de matrículas em Goiás tendo como referência o ano de 2010. Notadamente, os decréscimos ocorreram

Leia mais