Contextualização. Primeira Parte

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Contextualização. Primeira Parte"

Transcrição

1 Primeira Parte Contextualização e principais tópicos Como já mencionado, o SFH se apresenta como uma verdadeira colcha de retalhos legislativa. Demais disso, a jurisprudência é farta e abundante. Contudo, uma análise mais detalhada das decisões do Superior Tribunal de Justiça possibilita que se relacionem os principais assuntos que envolvem a aplicação da legislação do SFH e as dificuldades em torno de sua interpretação. Feita essa identificação, é possível traçar o pano de fundo histórico por trás das previsões legislativas, assim como identificar as dificuldades que foram surgindo e, assim, compreender a razão de ser do entendimento jurisprudencial que foi se consolidando ao longo do tempo. Por outro lado, embora a maior parte da discussão esteja centrada em institutos de direito material, é importante perceber que o microssistema do SFH se entrelaça, ainda, com institutos de direito processual no plano da tutela jurisdicional de direitos individuais, notadamente com discussões conectadas com legitimidade ad causam, tutelas de urgência, consignação em pagamento, ações revisionais e execução hipotecária, além de dar ensejo, em razão da massividade da litigiosidade que encerra, à aplicação do microssistema da tutela coletiva. No entanto, trilhar esse caminho implica, antes de qualquer coisa, dialogar com as noções mais singelas que estão na base do sistema. Na verdade, além de lançar as bases para a compreensão das principais questões que envolvem o SFH, ao longo da exposição serão, naturalmente, considerados os assuntos mais recorrentes na jurisprudência e com maior índice de questionamento em concursos públicos. 1. Contrato de mútuo habitacional: A base do Sistema Financeiro da Habitação está na ideia do contrato de mútuo habitacional. Alguém, para aquisição de sua moradia (mutuário), toma dinheiro emprestado de um agente financeiro (mutuante). Adquire o imóvel, e, ao 21

2 Carlos Eduardo Rangel Xavier longo de um período de tempo normalmente bastante dilatado, devolve o dinheiro ao mutuante. CONTRATO DE MÚTUO HABITACIONAL Agente financeiro (Mutuante) $$$ Mutuário Há que se ter presente que o contrato de mútuo habitacional, que está nas bases do SFH, tem um nítido caráter social. Vale dizer, seu objetivo é propiciar ao mutuário, normalmente pessoa de baixa renda, a aquisição da casa própria. 2. Aplicação do CDC aos contratos celebrados no âmbito do SFH: Por se tratar, em essência, de um contrato bancário, o mútuo habitacional celebrado no âmbito do SFH atrai a incidência do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Exceção à regra geral de incidência do CDC no âmbito do SFH diz respeito aos contratos com cobertura do FCVS, questão a ser abordada em tópico próprio, logo adiante. Jurisprudência do STJ: O Código de Defesa do Consumidor é aplicável às instituições financeiras. (Súmula 297, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 12/05/2004, DJ 09/09/2004 p. 149) (...) 1. A jurisprudência deste STJ é unânime em admitir a incidência do Código de Defesa do Consumidor aos contratos firmados no âmbito do Sistema Financeiro da Habitação. Entretanto, há que se comprovar a existência de abusividade nas cláusulas contratuais, o que não se verificou na espécie. (EDcl no REsp /PR, Rel. Ministro CARLOS FERNANDO MATHIAS (JUIZ FEDERAL CONVOCADO DO TRF 1ª REGIÃO), QUARTA TURMA, julgado em 18/12/2008, DJe 02/02/2009) 22

3 Contextualização e principais tópicos Aplicação em Concurso: TRF2 (2009) Juiz Federal (adaptadas) O contrato de mútuo entre o agente financeiro do SFH e o mutuário não é abrangido pelo CDC. A alternativa está incorreta. A aplicação do CDC nos financiamentos do SFH não é admitida pela jurisprudência recente do STJ, já que não há, na hipótese, verdadeira relação de consumo, mas intermediação econômica do agente financeiro para viabilizar a aquisição do imóvel. A alternativa está incorreta. OBSERVAÇÃO: Já se mencionou que, como regra geral, o CDC é aplicável ao contrato de mútuo habitacional, por se tratar de relação jurídica travada entre uma instituição financeira e o mutuário, sendo aquela considerada como fornecedor pela Súmula n. 297 do STJ. A única exceção à aplicação do CDC está nos contratos de mútuo habitacional com cláusula de garantia pelo FCVS. Contudo, nenhuma das assertivas faz essa ressalva estando, portanto, equivocadas. Há que se perceber, contudo, que a muito comum em petições iniciais de ações de revisão contratual invocação genérica do CDC em nada aproveita ao mutuário. Há que ser demonstrada, nesse contexto, de forma individualizada, a abusividade das cláusulas contratuais, a fim de que a legislação protetiva tenha incidência específica. Exemplo da parcimônia jurisprudencial na aplicação do CDC aos contratos de mútuo habitacional celebrados no âmbito do SFH é a questão da repetição de indébito: os valores cobrados indevidamente somente serão restituídos em dobro ao mutuário (art. 42, par. único, do CDC) se este comprovar, judicialmente, a má-fé da instituição financeira. Jurisprudência do STJ: (...) 5. Não incide a sanção do art. 42, parágrafo único, do CDC, quando o encargo considerado indevido for objeto de controvérsia jurisprudencial e não estiver configurada a má-fé do credor. (..) (REsp /RS, Rel. Ministra DENISE ARRUDA, PRIMEIRA TURMA, julgado em 02/12/2008, DJe 11/02/2009) Ainda como exemplo dessa mesma cautela pretoriana, tem-se a orientação jurisprudencial segundo a qual o Poder Judiciário não pode proceder à revisão, de ofício, das cláusulas contratuais que não tenham sido objeto de expressa impugnação pelo mutuário. 23

4 Carlos Eduardo Rangel Xavier Jurisprudência do STJ: (...) 1. Não cabe ao Tribunal de origem revisar de ofício cláusulas contratuais tidas por abusivas em face do Código de Defesa do Consumidor. (...) (AgRg no Ag /SC, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, QUARTA TURMA, julgado em 16/06/2011, DJe 30/06/2011) Como consequência da aplicação do CDC ao SFH e da relevância social da matéria, tem-se a legitimidade do Ministério Público para ajuizamento de ação coletiva em defesa dos direitos dos mutuários, o mesmo valendo para associações constituídas para promoção dos interesses destes. Jurisprudência do STJ: ADMINISTRATIVO AÇÃO CIVIL PÚBLICA INTERESSES INDIVIDUAIS DOS MUTUÁRIOS DO SFH RELEVANTE INTERESSE SOCIAL MINISTÉ- RIO PÚBLICO LEGITIMIDADE. A jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça já firmou seu entendimento no sentido da legitimidade ad causam do Ministério Público Federal para propor ação civil pública em defesa de direito individual homogêneo de mutuários do SFH, visto que presente o relevante interesse social da matéria. Agravo regimental improvido. (AgRg no REsp /CE, Rel. Ministro HUM- BERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 06/04/2010, DJe 23/04/2010) PROCESSUAL CIVIL. AGRAVO REGIMENTAL NO RECURSO ESPECIAL. AÇÃO CIVIL PÚBLICA. LEGITIMIDADE ATIVA DO MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL. SFH.1. O Ministério Público Federal, em razão do relevante interesse social da matéria, tem legitimidade para propor ação civil pública em defesa de direito individual homogêneo de mutuários do SFH. 2. Agravo regimental desprovido. (AgRg no REsp /SP, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUARTA TURMA, julgado em 05/11/2009, DJe 16/11/2009) ADMINISTRATIVO SISTEMA FINANCEIRO DE HABITAÇÃO AÇÃO CIVIL PÚBLICA ASSOCIAÇÃO LEGITIMIDADE ATIVA CONFIGURADA INA- PLICABILIDADE DAS LEIS 8.004/90 E 8.100/90 AOS CONTRATOS CELE- BRADOS ANTES DE SUAS EDIÇÕES. 1. As associações civis tem legitimidade para propor ação civil pública na defesa de interesses individuais homogêneos relativos aos contratos de mútuo vinculados ao Sistema Financeiro de Habitação (art. 81, III, do CDC). (...) (REsp /PR, Rel. Ministra ELIANA CALMON, SEGUNDA TURMA, julgado em 05/05/2009, DJe 17/06/2009) 24

5 Contextualização e principais tópicos Aplicação em Concurso: TRF2 (2009) Juiz Federal (adaptada) O STJ entende que o MP tem legitimidade para ajuizar ação civil pública na defesa de mutuários do SFH. A alternativa está correta. 3. Subsídio Estatal: Em razão do acentuado caráter social do sistema (que objetiva, reitera-se, a aquisição de moradia), há, em sua base, uma decisão política estatal de subsídio aos contratos de mútuo habitacional celebrados no âmbito do SFH. Esse é o desiderato da Lei n /64 e para essa finalidade foi criado o (hoje extinto) Banco Nacional da Habitação (BNH). Com a extinção do BNH, o papel de agente centralizador do sistema foi conferido à Caixa Econômica Federal (CEF). Caráter social do SFH Subsídio Estatal BNH/CEF Sensível traço desse caráter de subsídio estatal ao SFH é percebido na pactuação de cobertura pelo FCVS, logo a seguir considerada FCVS (art. 2º do DL n /88): Claro exemplo de subsídio estatal encontrado no âmbito do SFH é o FCVS (Fundo de Compensação de Variação Salarial), gerenciado pela Caixa Econômica Federal (CEF). Seu objetivo é a quitação do saldo devedor porventura existente ao final do contrato regularmente adimplido, quando este saldo seja decorrente da inflação (chamado de saldo devedor residual). 25

6 Carlos Eduardo Rangel Xavier Levando-se em conta que, historicamente, é percebida em relação aos contratos do SFH verdadeira discrepância de critérios para o reajuste do saldo devedor e para o cálculo da prestação mensalmente devida pelo mutuário (vejam-se as explicações contidas nos tópicos que seguem), o FCVS surge como importante mecanismo para quitação do saldo devedor residual e encerramento do contrato. Reforça-se, contudo, que a utilização de recursos do FCVS para a quitação do saldo devedor pressupõe que este (o saldo devedor) seja apurado após adimplemento regular do contrato pelo mutuário, sendo decorrência, como mencionado, do fenômeno inflacionário. Destaca-se, por fim, que a utilização do FCVS pressupõe a expressa previsão contratual e celebração do contrato até 31/12/1987 (cf. art. 2º, 3º, da Lei n /2000). Jurisprudência do STJ: PROCESSUAL CIVIL. EMBARGOS DE DECLARAÇÃO. ART. 535 DO CPC. OMISSÃO CONFIGURADA. ADMINISTRATIVO. SISTEMA FINANCEIRO DA HABITAÇÃO SFH. FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÃO SALARIAL FCVS. LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA. REQUISITOS. MP N.º , DE ART. 2º, 3º DA LEI /00. PARCELAS EM ATRASO. CO- BERTURA DO SALDO DEVEDOR PELO FCVS. (...) 3. A quitação antecipada do saldo devedor com cobertura pelo Fundo de Compensação de Variação Salarial FCVS, nos moldes do art. 2º, 3º, da Lei n.º /2000, reclama: (1) previsão de cobertura do referido Fundo; e (2) celebração do contrato até 31 de dezembro de (Precedentes: AgRg no REsp /RS, Rel. Ministro Mauro Campbell Marques, Segunda Turma, julgado em 06/10/2009, DJe 15/10/2009; AgRg no REsp / RS, Rel. Ministro Benedito Gonçalves, Primeira Turma, julgado em 05/03/2009, DJe 19/03/2009; REsp /RS, Rel. Ministro José Delgado, Primeira Turma, julgado em 16/10/2007, DJ 25/10/2007, p. 143). 4. Outrossim, consoante assentado no aresto embargado, o saldo devedor ao encargo do FCVS necessita do pagamento de todas as parcelas do débito para cumprir sua finalidade de quitação das obrigações. As benesses da Lei /00, no tocante à novação do montante de 100%, refere-se ao saldo devedor, não incluídas aí, as parcelas inadimplidas. (REsp /SC, Rel. Ministra Eliana Calmon, Segunda Turma, julgado em 05/05/2009, DJe 21/05/2009) No mesmo sentido: AgRg no REsp /RS, Rel. Ministro Castro Meira, Segunda Turma, julgado em 16/09/2008, DJe 07/11/ Consectariamente, a Medida Provisória n.º , de 27 de setembro de 2000, foi a primeira norma jurídica a conceder o desconto de 100% (cem por cento) do saldo devedor, de 26

7 Contextualização e principais tópicos sorte que cumpre ao mutuário inadimplente o pagamento das parcelas em atraso até setembro/2000 para fazer jus à liquidação antecipada com anistia integral do saldo devedor, a ser suportado pelo Fundo de Compensação de Variação Salarial FCVS, a teor do disposto no 3º, do art. 2º, da Lei n.º / Embargos de declaração acolhidos, para esclarecer que a liquidação antecipada com o desconto de 100% (cem por cento) do saldo devedor depende do pagamento das parcelas em atraso até setembro/2000, corrigidas conforme disposição contratual, mantida a sucumbência fixada no acórdão da Corte a quo. (EDcl no REsp /RS, Rel. Ministro LUIZ FUX, PRIMEIRA TURMA, julgado em 16/12/2010, DJe 21/02/2011) ADMINISTRATIVO. SFH. FCVS. LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA. REQUISITOS. 1. Nos termos do art. 2º, 3º, da Lei /2000, o direito do mutuário à liquidação antecipada da dívida depende, apenas, de o contrato ter cobertura do FCVS e ter sido celebrado até Precedentes do STJ. 2. Agravo Regimental não provido. (AgRg no REsp / SC, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 19/02/2009, DJe 19/03/2009) ADMINISTRATIVO RECURSO ESPECIAL SFH FCVS ART. 2º, 3º, LEI N /2000 LIQUIDAÇÃO ANTECIPADA DO SALDO DEVEDOR REQUISITOS LEGAIS CONTRATO ANTERIOR A É direito do mutuário a manutenção da cobertura do FCVS e, por consequência, a liquidação antecipada do saldo devedor, com desconto de 100% pelo Fundo, desde que o contrato tenha sido celebrado até 31 de dezembro de 1987 (art. 2º, 3º, da Lei n /00) REsp /PR, Rel. Min. Franciulli Netto, 2ª Turma, DJ Atendidos os requisitos legais no caso concreto, com assinatura do contrato antes de , deve ser conservado o acórdão. Recurso especial improvido. (REsp / RS, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, julgado em 09/12/2008, DJe 03/02/2009) Por outro lado, inexistindo cláusula contratual de garantia pelo FCVS, o saldo devedor residual, ainda que decorrente de fenômeno inflacionário, será suportado pelo mutuário. Jurisprudência do STJ: RECURSO ESPECIAL SISTEMA FINANCEIRO HABITACIONAL (SFH) CONTRATO DE FINANCIAMENTO SEM COBERTURA DO FUNDO DE COM- PENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS (FCVS) PAGAMENTO DO SALDO DEVEDOR RESIDUAL PELO MUTUÁRIO CABIMENTO RECURSO ESPE- CIAL PROVIDO. 1. Nos contratos de financiamento celebrados no âmbito do SFH, sem cláusula de garantia de cobertura do FCVS, o saldo devedor residual deverá ser suportado pelo mutuário. 2. Tal entendimento não 27

8 Carlos Eduardo Rangel Xavier se limita aos contratos firmados após a Lei n /93, mas se espraia para qualquer contrato de financiamento habitacional em que não se tenha pactuado expressamente a cobertura do FCVS. 3. Recurso especial provido. (REsp /PE, Rel. Ministro MASSAMI UYEDA, TERCEIRA TURMA, julgado em 25/11/2008, DJe 16/12/2008) Para encerrar o tópico, deve-se registrar que a garantia da quitação do saldo devedor residual pelo FCVS, por consubstanciar matéria de ordem pública que induz a interveniência do Governo Federal sobre o contrato de mútuo habitacional afasta a aplicação do Código de Defesa do Consumidor (CDC). Ou seja, a disciplina especial e protetiva do CDC é inerente a todos os contratos de financiamento celebrados no âmbito do SFH, exceto àqueles com cláusula de garantia pelo FCVS. Jurisprudência do STJ: (...) 4. A Primeira Seção do STJ firmou entendimento quanto à inaplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor aos contratos de mútuo habitacional firmados no âmbito do SFH com cobertura do Fundo de Compensação de Variações Salariais FCVS, uma vez que a garantia ofertada pelo Governo Federal, de quitar o saldo residual do contrato com recursos do mencionado Fundo, caracteriza cláusula protetiva do mutuário e do SFH. (...) (AgRg no REsp /RS, Rel. Ministro HERMAN BENJAMIN, SEGUNDA TURMA, julgado em 23/02/2010, DJe 04/03/2010) Aplicação em Concurso: TRF1 (2011) Juiz Federal (adaptada) Segundo o STJ, nos contratos do Sistema Financeiro da Habitação com cobertura do fundo de compensação de variações salariais, não se aplicam as regras do CDC. A alternativa está correta. EXPLICAÇÃO: como visto, a previsão de cobertura pelo FCVS, dada a garantia dada pelo Governo Federal à quitação do contrato, é hipótese excepcional que afasta o contrato da possibilidade de incidência do CDC. TRF5 (2009) Juiz Federal (adaptada) Nos contratos de financiamento do SFH vinculados ao Fundo de Compensação de Variação Salarial, aplica-se o CDC quando a legislação própria e protetiva do mutuário e do próprio SFH colide com o CDC. A alternativa está incorreta. EXPLICAÇÃO: estando o contrato vinculado ao FCVS, não há hipótese de aplicação do CDC. Portanto, não faz sentido a ressalva contida na assertiva. 28

9 Contextualização e principais tópicos 4. Seguro habitacional obrigatório: Também por conta do baixo poder aquisitivo da maioria dos mutuários, a inadimplência é uma realidade com a qual o sistema convive. Na verdade, fatores complexos e desencontrados de cálculo das prestações e de reajuste do saldo devedor, adiante considerados, apenas potencializam essa tendência à inadimplência que já seria, por si só, inerente ao sistema. Bem por isso, a celebração do mútuo habitacional pode está atrelada a um seguro, a fim de garantir ao agente financeiro o retorno do valor dado emprestado ao mutuário. Trata-se do assim chamado seguro habitacional obrigatório. A contratação de seguros habitacionais privados, no âmbito do SFH, somente passou a ser admitida com a MPv n /98 (art. 2º): Art. 2º Os agentes financeiros do SFH poderão contratar financiamentos onde a cobertura securitária dar-se-á em apólice diferente do Seguro Habitacional do Sistema Financeiro da Habitação, desde que a operação preveja, obrigatoriamente, no mínimo, a cobertura relativa aos riscos de morte e invalidez permanente. Muito embora seja necessária a contratação do seguro habitacional obrigatório, não há necessidade de que este seja contrato pelo mutuário diretamente com o agente financeiro ou com seguradora por este indicada. Esta prática, segundo o STJ, configura venda casada, vedada pelo art. 39, I, do CDC. Jurisprudência do STJ: O mutuário do SFH não pode ser compelido a contratar o seguro habitacional obrigatório com a instituição financeira mutuante ou com a seguradora por ela indicada. (Súmula 473, CORTE ESPECIAL, julgado em 13/06/2012, DJe 19/06/2012) 5. O mutuário do SFH não está obrigado a contratar a apólice de seguro com o mutuante ou seguradora por ele indicada. (...) (AgRg no REsp /MS, Rel. Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, QUARTA TUR- MA, julgado em 25/05/2010, DJe 08/06/2010) (...)1. Para os efeitos do art. 543-C do CPC: (...) 1.2. É necessária a contratação do seguro habitacional, no âmbito do SFH. Contudo, não há obrigatoriedade de que o mutuário contrate o referido seguro diretamente com o agente financeiro, ou por seguradora indicada por este, exigência esta que configura venda casada, vedada pelo art. 39, inciso I, do CDC. (...) (REsp /MG, Rel. Ministro LUIS FELIPE SALOMÃO, SEGUNDA SEÇÃO, julgado em 09/12/2009, DJe 15/12/2009) 29

10 Carlos Eduardo Rangel Xavier 5. Planos de reajuste das prestações do contrato de financiamento habitacional: Ainda como consequência do caráter social do contrato de mútuo habitacional, foram estabelecidas, ao longo do tempo, formas de reajuste que se atrelaram à própria evolução salarial do mutuário. Têm-se, nesse contexto: A) o Plano de Equivalência Salarial (PES), segundo o qual o reajuste das prestações mensais deve observar a variação salarial da categoria profissional do mutuário, o que pode dar ensejo, se previsto no contrato, à incidência do Coeficiente de Equiparação Salarial (CES); B) o Plano de Comprometimento de Renda (PCR), segundo o qual no máximo 30% (trinta por cento) da renda bruta do mutuário será destinada ao pagamento dos encargos mensais; e C) o Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS), estruturado para permitir a quitação do financiamento quando, ao final do tempo pactuado, o reajustamento das prestações mensais de acordo com a variação salarial do mutuário tenha implicado a existência de saldo devedor residual. Para ajudar a fixação desde já: 5.1. Plano de Equivalência Salarial (PES) = o reajuste das prestações mensais deve observar a variação salarial da categoria profissional do mutuário; 5.2. Coeficiente de Equiparação Salarial (CES) = mecanismo contratual de harmonização do PES; 5.3. Plano de Comprometimento de Renda (PCR) = no máximo 30% (trinta por cento) da renda bruta do mutuário será destinada ao pagamento dos encargos mensais; 5.4. Fundo de Compensação de Variações Salariais (FCVS) = para quitação do financiamento quando, ao final do tempo pactuado, o reajustamento das prestações mensais de acordo com a variação salarial do mutuário tenha implicado a existência de saldo devedor. O PES, contudo, incide apenas sobre o reajuste das prestações, não podendo ser utilizado para a atualização do saldo devedor. Na Terceira Parte, serão retomados, por sua importância, o PES, o CES, o PCR e o FCVS. 30

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.237.894 - MT (2011/0026945-1) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI RECORRENTE : BANCO DO BRASIL S/A ADVOGADO : NAGIB KRUGER E OUTRO(S) RECORRIDO : SUSSUMO SATO E OUTRO ADVOGADO : GILMAR

Leia mais

SEGUNDA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEGUNDA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Processo nº 200870510053441 Recorrente: Fernando dos Santos Lima Recorrido: Caixa Econômica Federal Relatora: Juíza Federal Ivanise Corrêa Rodrigues Perotoni V O T O I Relatório Trata-se de ação em que

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.284.145 - RS (2011/0227462-5) RELATORA : MINISTRA DIVA MALERBI (DESEMBARGADORA CONVOCADA TRF 3a. REGIÃO) RECORRENTE : JAIME ODACI HEMMING ADVOGADO : DANIEL FERNANDO NARDÃO E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.111.189 - SP (2009/0030752-0) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : THEREZA SANTOS GALO E OUTROS ADVOGADO : LEONARDO ARRUDA MUNHOZ E OUTRO(S) RECORRIDO : INSTITUTO

Leia mais

GUILHERME COUTO DE CASTRO

GUILHERME COUTO DE CASTRO RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL GUILHERME COUTO DE CASTRO APELANTE : CAIXA ECONOMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : ANDRE LUIS CARDOSO E OUTROS APELADO : HUMBERTO PACHECO DE ANDRADE E CONJUGE ADVOGADO : DENIZE

Leia mais

Ação Revisional Bancária

Ação Revisional Bancária Ação Revisional Bancária Em relação as taxas de juros a jurisprudência do STJ fixou que a limitação dos juros a 12% a.a prevista na Lei da Usura não se aplica as instituições financeiras. No entanto aquela

Leia mais

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP.

Av. Tabajaras, 1.411, Centro, CEP: 17600-360, Fone: (14) 3491-5540, Tupã/SP. REVISÃO NO CONTRATO DE CONSUMO. EQUILIBRIO CONTRATUAL E A POSIÇÃO DO STJ. No atual cenário econômico brasileiro, aonde a oferta pelos bens de consumo alcança cada vez mais todas as classes, as instituições

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 719.474 - SP (2015/0125771-3) RELATOR AGRAVANTE PROCURADOR AGRAVADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : MUNICIPIO DE GUARULHOS : ANA PAULA HYROMI YOSHITOMI : CECÍLIA CRISTINA

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AÇÃO CÍVEL ORIGINÁRIA 2.475 RIO GRANDE DO SUL RELATOR AUTOR(A/S)(ES) PROC.(A/S)(ES) RÉU(É)(S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. ROBERTO BARROSO :MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL :PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA :MINISTÉRIO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS APELAÇÃO CÍVEL Nº 450834/RN (2008.84.00.001559-4) APTE : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL E OUTRO ADV/PROC : MARCELO NEVES DE ALMEIDA E OUTROS APDO : ALDO DE MOURA ROLIM ADV/PROC : SAMUEL MEDEIROS DA CUNHA

Leia mais

I N F O R M A T I V O - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. - DECLARAÇÃO DE CAPITAIS BRASILEIRO NO EXTERIOR -

I N F O R M A T I V O - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. - DECLARAÇÃO DE CAPITAIS BRASILEIRO NO EXTERIOR - I N F O R M A T I V O L E G A L N.º 007/2011-21/02 ASSUNTOS GERAIS: - ATENÇÃO: SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA EXPEDIENTE NO CARNAVAL. De acordo com a Portaria n. 67, de 9 de fevereiro de 2011, não haverá

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO JUIZ FRANCISCO CAVALCANTI APELAÇÃO CÍVEL Nº 452892 CE (2000.81.00.033993-0) APTE : CEF - CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADV/PROC : DHEYNE MARQUES VIDAL LIRA E OUTROS APDO : MARIA JOSE MAIA DE OLIVEIRA ADV/PROC : YARA MORENO PINTO ORIGEM

Leia mais

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO

COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR. PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. I RELATÓRIO COMISSÃO DE DEFESA DO CONSUMIDOR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR N o 76, DE 2011. Veda a utilização do sistema francês de amortização, ou tabela Price, nos empréstimos e financiamentos de qualquer natureza.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 89.695 - RS (2011/0212549-1) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES EMENTA PROCESSUAL CIVIL. TRIBUTÁRIO. ISS. BASE DE CÁLCULO. SERVIÇO DE TRANSPORTE COLETIVO MUNICIPAL.

Leia mais

E M E N T A A C Ó R D Ã O

E M E N T A A C Ó R D Ã O PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL N. 0002466-70.2013.4.01.3807/MG RELATOR : DESEMBARGADOR FEDERAL DANIEL PAES RIBEIRO APELANTE : MARCOS JUNIO CORDEIRO PRIMO ADVOGADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.267.905 - PR (2011/0172938-4) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : ORLANDO FERREIRA PAZ NETO E OUTROS ADVOGADO : PÉRICLES LANDGRAF ARAÚJO DE OLIVEIRA E OUTRO(S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.353.891 - RJ (2012/0109074-7) RELATORA : MINISTRA NANCY ANDRIGHI RECORRENTE : FUNDAÇÃO REDE FERROVIÁRIA DE SEGURIDADE SOCIAL - REFER ADVOGADO : ANDRÉA PICCOLO BRANDÃO E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA

Instituição essencial à Justiça EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 1ª VARA DA FAZENDA PÚBLICA DA COMARCA DE ITABUNA/BA DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DA BAHIA, por seu órgão de execução, no exercício de suas atribuições funcionais,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2013.0000172403 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0021434-36.2009.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI PROCURADORES : CLAUDIO XAVIER SEEFELDER FILHO DEYSI CRISTINA DA 'ROLT E OUTRO(S) EMENTA TRIBUTÁRIO. EXECUÇÃO FISCAL. DECLARAÇÃO DO DÉBITO PELO CONTRIBUINTE (DCTF).

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.188.840 - MT (2010/0059977-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO ADVOGADOS RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : BANCO BRADESCO S/A : LINO ALBERTO DE CASTRO : MATILDE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : ONDREPSB LIMPEZA E SERVIÇOS ESPECIAIS LTDA ADVOGADO : IVAR LUIZ NUNES PIAZZETA E OUTRO(S) AGRAVADO : FAZENDA NACIONAL PROCURADORES : ANGELA T GOBBI ESTRELLA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS RELATÓRIO O Excelentíssimo Senhor Desembargador Federal FRANCISCO BARROS DIAS (Relator): Trata-se de recurso de apelação interposto por JOSÉ PINTO DA NÓBREGA contra a sentença que, em sede de mandado de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 112.956 - MS (2010/0125033-8) AGRAVANTE : APARECIDA CALVIS AGRAVADO : CAIXA ECONÔMICA FEDERAL - CEF ADVOGADO : CLEONICE JOSÉ DA SILVA HERCULANO E OUTRO(S) SUSCITANTE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.717

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PROCURADORIA-GERAL DO ESTADO PARECER Nº 14.717 PARECER Nº 14.717 SECRETARIA DA FAZENDA. LIBERAÇÃO DE HIPOTECA PARA MUTUÁRIOS DA EXTINTA CAIXA ECONÔMICA ESTADUAL. COBERTURA DO FUNDO DE COMPENSAÇÃO DE VARIAÇÕES SALARIAIS. MULTIPLICIDADE. 1. Viabilidade

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.246.396 - RS (2011/0066530-4) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO PAULO DE TARSO SANSEVERINO : LIBERTY PAULISTA SEGUROS S/A : ANGELINO LUIZ RAMALHO TAGLIARI E OUTRO(S) :

Leia mais

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES

PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO Nº 85735/2011 - CLASSE CNJ - 198 - COMARCA CAPITAL APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. DIRCE MARIA NONATO DE MORAES APELAÇÃO Nº 85735/2011 CLASSE CNJ 198 COMARCA CAPITAL Fls. APELANTE: BANCO VOLKSWAGEN S. A. APELADA: DIRCE MARIA NONATO DE MORAES Número do Protocolo: 85735/2011 Data de Julgamento: 1812012 EMENTA APELAÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.424 - PE (2013/0315610-5) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : SANTANDER LEASING S/A ARRENDAMENTO MERCANTIL ADVOGADO : ANTÔNIO BRAZ DA SILVA E OUTRO(S) RECLAMADO : SEXTA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL LUIZ ALBERTO GURGEL DE FARIA AGTR Nº 74178 - PB (2007.05.00.005494-7) AGRAVANTE(S) : CEF CAIXA ECONÔMICA FEDERAL ADVOGADO(S) : ISAAC MARQUES CATÃO e outros AGRAVADO(S) : ANA PATRÍCIA SAMPAIO DE ALMEIDA e cônjuge ADVOGADO(S) : JAIRO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg nos EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO Nº 1.095.369 - SP (2010/0052887-7) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS AGRAVANTE : BANCO ITABANCO S/A ADVOGADO : LUIZ EDUARDO DE CASTILHO GIROTTO E OUTRO(S) AGRAVADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.376.550 - RS (2012/0256822-0) RELATOR : MINISTRO MOURA RIBEIRO RECORRENTE : COMPANHIA DE SEGUROS ALIANÇA DO BRASIL ADVOGADOS : CANDIDO RANGEL DINAMARCO E OUTRO(S) MAURO FITERMAN E

Leia mais

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES

AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES AULA 2: DIREITOS REAIS: GENERALIDADES EMENTÁRIO DE TEMAS: Direitos Reais: direitos reais x direitos pessoais; obrigações propter rem LEITURA OBRIGATÓRIA CHAVES, Cristiano. Direitos Reais. Cristiano Chaves

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00.

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00. PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0019449-65.2013.4.03.0000/SP 2013.03.00.019449-2/SP RELATÓRIO Trata-se de agravo de instrumento em face de decisão (fls.

Leia mais

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta

Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Desembaraço aduaneiro, fraude praticada por terceiros e pena de perdimento, análise de uma situação concreta Por Tácio Lacerda Gama Doutor em Direito pela PUC/SP Um caso concreto A União Federal move ação

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 860.442 - PE (2006/0125468-1) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : FERNANDA LAPA DE BARROS CORREIA E OUTROS RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM RESP Nº 816.829 - RJ (2008/0224966-4) RELATOR EMBARGANTE ADVOGADO EMBARGADO REPR. POR : MINISTRO CASTRO MEIRA : BANCO BRADESCO S/A : OSMAR MENDES PAIXÃO CÔRTES E OUTRO(S) : INSTITUTO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 919.527 - SP (2007/0014498-9) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL REPDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS AGRAVADO : TRANS-TERRALHEIRO

Leia mais

A data inicial de contagem da prescrição do IPTU

A data inicial de contagem da prescrição do IPTU A data inicial de contagem da prescrição do IPTU O tempo que a Prefeitura tem para executar judicialmente débitos de IPTU dura cinco anos, contados a partir da constituição definitiva do lançamento, devidamente

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO EM MANDADO DE SEGURANÇA Nº 36.293 - RS (2011/0252417-2) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES RECORRENTE : MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL PROCURADOR : LARISSA RAYMUNDI E OUTRO(S) RECORRIDO : ESTADO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.291.738 - RS (2011/0116562-4) RECORRENTE RECORRIDO : JORGE FERNANDES FLOR : ANDRÉ FERNANDES ESTEVEZ E OUTRO(S) : BRASIL TELECOM S/A : CAROLINA DUARTE VENDRUSCOLO E OUTRO(S) RELATÓRIO

Leia mais

2013.2 Apostila 05. 1. Transmissão das Obrigações. 2. Cessão de Crédito MATERIAL DE APOIO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES

2013.2 Apostila 05. 1. Transmissão das Obrigações. 2. Cessão de Crédito MATERIAL DE APOIO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES 2013.2 Apostila 05 MATERIAL DE APOIO DIREITO DAS OBRIGAÇÕES Prof. Pablo Stolze Gagliano Temas: Transmissão das Obrigações 1 1. Transmissão das Obrigações A relação obrigacional não é estática, é dinâmica.

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 868.088 - SP (2006/0154899-0) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : NITTELA DISTRIBUIDORA DE BEBIDAS LTDA ADVOGADO : JOSÉ RODRIGO LINS DE ARAÚJO RECORRIDO : FAZENDA

Leia mais

Consumidor - JUROS ABUSIVOS: Vale a pena fazer recálculo de empréstimos?

Consumidor - JUROS ABUSIVOS: Vale a pena fazer recálculo de empréstimos? Quer SABER MAIS SOBRE O ASSUNTO? Reserve um exemplar do livro Manual do Consumidor Moderno - Perguntas e Respostas sobre Financiamentos Bancários, escrito pela advogada Patricia Garrote, a ser lançado

Leia mais

Honorários advocatícios

Honorários advocatícios Honorários advocatícios Os honorários advocatícios são balizados pelo Código de Processo Civil brasileiro (Lei de n. 5.869/73) em seu artigo 20, que assim dispõe: Art. 20. A sentença condenará o vencido

Leia mais

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD

14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 14. TRIBUTOS EM ESPÉCIE Impostos sobre a Transmissão ITBI e ITCMD 1 - Imposto sobre transmissão causa mortis e doação, de quaisquer bens ou direitos (ITCMD) Compete privativamente aos Estados a instituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 361.758 - SP (2001/0116921-9) RELATOR : MINISTRO HUMBERTO MARTINS RECORRENTE : FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO PROCURADOR : CLÁUDIA BOCARDI ALLEGRETTI E OUTRO(S) RECORRIDO : ANELCORP

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.154.988 - MT (2009/0168081-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : BANCO DO BRASIL S/A : FRADEMIR VICENTI DE OLIVEIRA E OUTRO(S) : FRANCISCO XAVIER

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 14.696 - RJ (2013/0339925-1) RELATORA : MINISTRA MARIA ISABEL GALLOTTI RECLAMANTE : BANCO BRADESCO FINANCIAMENTOS S/A ADVOGADO : JOSÉ ANTÔNIO MARTINS E OUTRO(S) RECLAMADO : TERCEIRA TURMA

Leia mais

Procuradoria Federal junto à ANEEL

Procuradoria Federal junto à ANEEL Procuradoria Federal junto à ANEEL Jurisprudência dos Tribunais De setembro a dezembro de 2012 Apresentamos os julgados dos Tribunais Federais que constam de uma pesquisa feita pela PF/ANEEL com os termos

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador ANTONIO CARLOS JÚNIOR I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE ASSUNTOS ECONÔMICOS, sobre o Projeto de Lei da Câmara nº 57, de 2007 (PL 4760, de 2005, na origem), que altera o art. 3º da Lei nº 8.100, de 5 de dezembro de 1990, para

Leia mais

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN

A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 1 A não incidência do IPI na revenda de produtos importados: aspectos processuais e reflexos do art. 166 do CTN 2 Fundamentos Legais Constituição Federal Art. 153. Compete à União instituir impostos sobre:

Leia mais

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO. 1. Depósito do montante integral

CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO. 1. Depósito do montante integral CRÉDITO TRIBUTÁRIO. SUSPENSÃO. EXTINÇÃO. EXCLUSÃO 1. Depósito do montante integral REsp 1157786 Relator: Ministro LUIZ FUX Órgão Julgador: T1 - PRIMEIRA TURMA Data do Julgamento: 19/10/2010 Ementa PROCESSUAL

Leia mais

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL

A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL A EFETIVIDADE DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA NA PROTEÇÃO AMBIENTAL FERNANDO REVERENDO VIDAL AKAOUI XIV Congresso Brasileiro do Ministério Público de Meio Ambiente - ABRAMPA RESPONSABILIDADE DO ESTADO PELA PROTEÇÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 97.253 - MT (2011/0227337-3) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE : MUNICÍPIO DE CUIABÁ PROCURADOR : JOSÉ ADELAR DAL PISSOL E OUTRO(S) AGRAVADO : VEGA CONTABILIDADE

Leia mais

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça

Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Responsabilidade das instituições financeiras em mútuos concedidos no âmbito do SFH segundo a hermenêutica do Superior Tribunal de Justiça Por Fabio Caprio Leite de Castro Uma questão jurídica que tem

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.054.847 - RJ (2008/0099222-6) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO REPR. POR RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO LUIZ FUX : TEREZINHA FUNKLER : LÍDIA MARIA SCHIMMELS E OUTRO(S) : BANCO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS APELAÇÃO CÍVEL Nº 428188/PE (2006.83.00.010757-0) APTE : COMPANHIA INDUSTRIAL DE VIDROS - CIV ADV/PROC : MARCUS COSTA DE AZEVEDO APTE : FAZENDA NACIONAL APDO : OS MESMOS REMTE : JUÍZO DA 3ª VARA FEDERAL

Leia mais

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo

CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo 1 CIRCULAR Nº 1.278 Às Caixas Econômicas, Sociedades de Crédito Imobiliário e Associações de Poupança e Empréstimo Comunicamos que a Diretoria do Banco Central, tendo em vista o disposto no i- tem XXIII

Leia mais

1. Os herdeiros de mutuaria são partes legítimas para aforar ação envolvendo o bem imóvel objeto do mútuo.

1. Os herdeiros de mutuaria são partes legítimas para aforar ação envolvendo o bem imóvel objeto do mútuo. PROCESSO Nº: 0801924-39.2013.4.05.8000 - APELAÇÃO APELANTE: CAIXA SEGURADORA S/A ADVOGADO: THIAGO DE SOUZA MENDES APELADO: VANUZIA AVILA ALMEIDA ADVOGADO: LAMARX MENDES COSTA RELATOR(A): DESEMBARGADORA

Leia mais

JUROS NA INCORPORAÇÃO

JUROS NA INCORPORAÇÃO IMOBILIÁRIA JUROS NA INCORPORAÇÃO Inicialmente, é importante esclarecer de forma bastante sintética, que os juros na incorporação imobiliária, consistem na remuneração do capital que os incorporadores

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA PREFEITURA MUNICIPAL DE MACEIÓ SECRETARIA MUNICIPAL DE FINANÇAS DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DESPACHO INTERESSADO : CONTRIBUINTES E SUBSTITUTOS TRIBUTÁRIOS DESPACHO ISSQN-WEB GM-008A/2015 ASSUNTO:

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Registro: 2015.0000853162 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1012384-11.2014.8.26.0576, da Comarca de São José do Rio Preto, em que é apelante ALEX VOLTOLINI, é apelado MOLISE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.380.635 - RS (2013/0127200-1) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO RECORRENTE : BV FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO ADVOGADOS : EDUARDO MARIOTTI BRUNA GONÇALVES

Leia mais

Notas a respeito da capitalização diária de juros, a antecipação dos efeitos da tutela e a. Cédula de Crédito Bancário.

Notas a respeito da capitalização diária de juros, a antecipação dos efeitos da tutela e a. Cédula de Crédito Bancário. Notas a respeito da capitalização diária de juros, a antecipação dos efeitos da tutela e a Cédula de Crédito Bancário. Pós Ph.D Desembargador J. S. Fagundes Cunha Para enfrentar a matéria a ser debatida

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 957.757 - SC (2007/0127539-7) RELATORA RECORRENTE : MINISTRA NANCY ANDRIGHI : MARIA DO CARMO MARTINS ANGELO : JOÃO JANNIS JUNIOR E OUTRO(S) : CAIXA SEGURADORA S/A : VALTER FISCHBORN

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EDcl no RECURSO ESPECIAL Nº 1.119.300 - RS (2009/0013327-2) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO EMBARGANTE : LUIZ CARLOS CASSIANO RODRIGUES (ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA) : PAULA CAMUNELLO SOARES EMBARGADO

Leia mais

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br

Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br JUROS E CORREÇÃO MONETÁRIA DECORRENTES DE SENTENÇA Novély Vilanova da Silva Reis. Juiz Federal em Brasília. novely@df.trf1.gov.br Qualquer débito decorrente de decisão judicial, incide juros ainda que

Leia mais

ESPÉCIES DE CONTRATOS - sistema financeiro da habitação

ESPÉCIES DE CONTRATOS - sistema financeiro da habitação ESPÉCIES DE CONTRATOS - sistema financeiro da habitação Direito Civil Banco do Conhecimento /Jurisprudência /Informativos de Jurisprudência dos Tribunais Superiores S T J ÍNDICE 1. Competência. Consumidor

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 814.808 - DF (2015/0292510-8) RELATOR AGRAVANTE ADVOGADO AGRAVADO AGRAVADO ADVOGADOS : MINISTRO MOURA RIBEIRO : BOULEVARD EMPREENDIMENTOS IMOBILIARIOS LTDA : LUCIANO ANDRADE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.171.486 - SP (2009/0239644-0) RELATOR AGRAVANTE AGRAVADO : MINISTRO MARCO BUZZI EMENTA AGRAVO REGIMENTAL - AÇÃO DE COBRANÇA - ASSOCIAÇÃO DE MORADORES - PAGAMENTO DE TAXA DE

Leia mais

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV:

Tal matéria é expressa pela Constituição Federal em seu art. 8º, IV: Parecer sobre Imposto Sindical A contribuição sindical, também denominada imposto sindical, é espécie de contribuição compulsória devida aos sindicatos, federações e confederações para sustentação econômica

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 3ª REGIÃO APELAÇÃO CÍVEL Nº 0014098 32.2013.4.03.6105/SP 2013.61.05.014098 6/SP RELATORA APELADO(A) No. ORIG. : Desembargadora Federal MARLI FERREIRA : ACESSO

Leia mais

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO

PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO PARCELAMENTO TRIBUTÁRIO Depósitos Judiciais (REsp. 1.251.513/PR) e a conversão do depósito pela Fazenda Pública José Umberto Braccini Bastos umberto.bastos@bvc.com.br CTN ART. 151 o depósito é uma das

Leia mais

Caixa Econômica Federal - DIJUR. Alienação Fiduciária de Imóvel

Caixa Econômica Federal - DIJUR. Alienação Fiduciária de Imóvel Caixa Econômica Federal - DIJUR Alienação Fiduciária de Imóvel Alguns aspectos relativos à recuperação do crédito Setembro/2012 1 Expectativa de prazo da cobrança judicial Fazenda quer acelerar cobrança

Leia mais

AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA com pedido de liminar

AÇÃO CIVIL PÚBLICA CONSUMERISTA com pedido de liminar Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da Empresarial da Comarca da Capital Vara Banco Bradesco Cartão de crédito Cobrança dos juros de mora duas vezes, em patamares superiores ao limite legal O MINISTÉRIO PÚBLICO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 1.185.481 - DF (2009/0083709-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : INSTITUTO EURO-AMERICANO DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA ADVOGADOS : MURILO DE

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.279.961 - MT (2011/0171600-5) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO SIDNEI BENETI : RODOBENS ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA : FLÁVIO LOPES FERRAZ E OUTRO(S)

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000163294 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2022175-32.2015.8.26.0000, da Comarca de Praia Grande, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14

ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 ICMS FRACIONAMENTO DA BASE DE CÁLCULO EM ELEMENTOS AUTÔNOMOS JOSÉ EDUARDO SOARES DE MELO FESDT/GRAMADO 23.10.14 I. TELECOMUNICAÇÕES Incidência: Prestação de serviços de comunicação, por qualquer meio,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça EMBARGOS DE DIVERGÊNCIA EM AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 342.463 - SC (2014/0101370-3) RELATOR EMBARGANTE EMBARGADO : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : IPB CORRETORA DE SEGUROS LTDA : RAPHAEL DOS SANTOS BIGATON

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 668.042 - PR (2015/0042833-7) RELATOR : MINISTRO LUIS FELIPE SALOMÃO AGRAVANTE : JOSE VIOLADA FONTES ADVOGADO : JAIR APARECIDO ZANIN AGRAVADO : ITAU UNIBANCO S.A ADVOGADOS

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.093.501 - MS (2008/0208968-4) RELATOR : MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA RECORRENTE : BV FINANCEIRA S/A CRÉDITO FINANCIAMENTO E INVESTIMENTO ADVOGADO : MARIANA DE CÁSSIA GOMES GOULART

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 746.101 - MT (2005/0070444-9) RECORRENTE : RENATO GOMES NERIY E OUTRO ADVOGADO : RENATO GOMES NERY (EM CAUSA PRÓPRIA) E OUTRO RECORRENTE : BANCO DA AMAZÔNIA S/A - BASA ADVOGADOS : NILTON

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 972.075 - SC (2007/0178356-6) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI ADVOGADO : DANTE AGUIAR AREND E OUTRO(S) EMENTA PROCESSUAL CIVIL E TRIBUTÁRIO. RECURSO ESPECIAL. VIOLAÇÃO AO ART.

Leia mais

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA

AGRAVO Nº 831. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA DESIGNADA : JUÍZA SUBST. 2º G. DENISE KRÜGER PEREIRA AGRAVO Nº 831.160-0/01, DE MEDIANEIRA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : COMPANHIA EXCELSIOR DE SEGUROS AGRAVADOS : DORIVAL ASSIS DE SOUZA E OUTROS RELATOR ORIGINÁRIO : DES. JOÃO DOMINGOS KUSTER PUPPI RELATORA

Leia mais

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT)

VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) VOTO Nº : 13821 APEL.Nº : 991.08.054479-8 COMARCA : SÃO JOSÉ DO RIO PRETO APTE. APDO. : BANCO FININVEST S/A : HILDA SOUZA LOPES (JUST GRAT) CRÉDITO - Legalidade da cobrança de juros que englobem o custo

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECLAMAÇÃO Nº 4.982 - SP (2010/0203994-7) RELATOR RECLAMANTE ADVOGADO RECLAMADO INTERES. : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES : TELECOMUNICAÇÕES DE SÃO PAULO S/A TELESP : ANALI PENTEADO BURATIN E OUTRO(S) : TERCEIRA

Leia mais

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação:

RESOLUÇÃO N 2519. Art. 1º Alterar o art. 11 do Regulamento anexo à Resolução nº 1.980, de 30.04.93, que passa a vigorar com a seguinte redação: RESOLUÇÃO N 2519 Documento normativo revogado pela Resolução 3.005, de 30/07/2002. Dispõe sobre o direcionamento dos recursos captados em depósitos de poupança pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro

Leia mais

ISS: FIXO OU VARIÁVEL?

ISS: FIXO OU VARIÁVEL? ISS: FIXO OU VARIÁVEL? DECRETO-LEI 406/68 Art. 9º A base de cálculo do impôsto é o preço do serviço. 1º Quando se tratar de prestação de serviços sob a forma de trabalho pessoal do próprio contribuinte,

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.087.601 - GO (2008/0199580-8) RELATOR : MINISTRO MASSAMI UYEDA RECORRENTE : RANDON ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA ADVOGADO : ROBERTA BASSO CANALE E OUTRO(S) RECORRIDO : ARNO BRUNO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATOR : MINISTRO CASTRO MEIRA AGRAVANTE : INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA INTERES. : MARIA DE HOLANDA E SILVA E OUTROS EMENTA ADMINISTRATIVO. AGRAVO REGIMENTAL. DESAPROPRIAÇÃO.

Leia mais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais

Turma Nacional de Uniformização dos Juizados Especiais Federais Pedido de Uniformização de Interpretação de Lei Federal Processo nº: 2006.72.95.000841-0 Origem: Seção Judiciária de Santa Catarina Requerente: Paulo Luiz Kleinert e Outros Advogado: Edson Flavio Cardoso

Leia mais

As hipóteses de extinção do crédito tributário estão no art. 156 do CTN. A forma mais comum de extinção é o pagamento.

As hipóteses de extinção do crédito tributário estão no art. 156 do CTN. A forma mais comum de extinção é o pagamento. RESUMO CONTINUAÇÃO DA AULA ANTERIOR DE PRESCRIÇÃO Prescrição aplicável ao contribuinte (ao sujeito passivo) Prazo que o contribuinte possui para pleitear a devolução de tributos 05 anos contados da extinção

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U:

RESOLUÇÃO Nº 1980 R E S O L V E U: RESOLUÇÃO Nº 1980 Aprova regulamento que disciplina direcionamento dos recursos captados pelas entidades integrantes do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstismo (SBPE) e as operações de financiamento

Leia mais

É devido o IPI na importação?

É devido o IPI na importação? É devido o IPI na importação? Kiyoshi Harada* Sumário: 1 Introdução. 2 O exame do fato gerador do IPI. 3 Interpretação do fato gerador do IPI a partir da matriz constitucional do imposto 1 Introdução Grassa

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL

PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL \d \w1215 \h1110 FINCLUDEPICTURE "brasoes\\15.bmp" MERGEFORMAT PODER JUDICIÁRIO DO RIO GRANDE DO NORTE 10ª VARA CÍVEL DA COMARCA DE NATAL Processo n. 001.08.020297-8 Ação: Ação Civil Pública Autor: Ministério

Leia mais

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987

até 31.08.87 100% até 30.09.87 95% até 30.10.87 90% até 30.11.87 85% até 31.12.87 80% Circular n 1214, de 4 de agosto de 1987 1 06/01/1988. CIRCULAR Nº 1.214 Documento normativo revogado pela Circular 1278, de 05/01/1988, a partir de Às Sociedades de Crédito Imobiliário, Associações de Poupança e Empréstimo e Caixas Econômicas

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA PRIMEIRA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0038505-77.2008.8.19.0001 APELANTE: OFC CONSULTORES ASSOCIADOS LTDA APELADO: MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO

Nº 70020131579 COMARCA DE PORTO ALEGRE BANCO DO BRASIL S/A MARINA HELENA ALENCASTRO AÇÃO DE INDENIZAÇÃO. LITISCONSÓRCIO PASSIVO. SENTENÇA DE PARCIAL PROCEDENCIA, CONDENANDO APENAS UMA DAS PARTES DEMANDADAS. NÃO INCIDÊNCIA DO ART. 191, DO CDC. SÚMULA 641, DO STF. PRAZO SIMPLES PARA RECORRER.

Leia mais