LIVROS ESCOLARES: ICONOGRAFIA E DISCURSO NACIONALISTA NO ESTADO NOVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "LIVROS ESCOLARES: ICONOGRAFIA E DISCURSO NACIONALISTA NO ESTADO NOVO"

Transcrição

1 LIVROS ESCOLARES: ICONOGRAFIA E DISCURSO NACIONALISTA NO ESTADO NOVO Verônica Albano Viana Costa FAE/UFMG Mestranda Palavras-chave: livros escolares; Representações; Nacionalismo Varguista. INTRODUÇÃO Este trabalho inscreve-se na temática da História da educação investigada a partir das relações entre educação e Nacionalismo no período de 1937 a Nesse contexto, o Estado Novo utilizou diversos elementos culturais como estratégia de socialização da cultura política nacionalista 1. Embora o esforço de difusão e legitimação desse ideário tenha se manifestado em diferentes dimensões da vida social, foi relevante o papel atribuído à educação, sobretudo a escolarizada, como instrumento privilegiado para conformar as novas gerações, moral e civicamente, por meio de saberes e de práticas de natureza lúdica, esportiva e patriótica. Nessa perspectiva, o Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP), órgão diretamente ligado à presidência da República, cujas atribuições estavam voltadas para o controle da informação e para a divulgação do projeto político do Estado Novo, organizou uma diversificada e elaborada produção editorial destinada a diferentes segmentos sociais. Dentre essas publicações, estão os livros escolares destinados ao público infanto-juvenil e a revista Cultura Política 2. Tais publicações compõem um repertório de práticas políticas (...) que fazem da propaganda e a educação instrumentos de adaptação do homem à nova realidade social (OLIVEIRA, 1982, p. 10). Todo regime político carrega consigo uma dimensão simbólica, visto que não é deduzido de um principio universal necessita criar suas bases de legitimidade. Para isso, cerca-se de um universo simbólico que o envolve e constitui suas relações. Nos regimes autoritários, o Estado conjuga o monopólio da força física e do simbólico, intensificado pelo controle dos meios de comunicação de massa. Dessa forma, acrescenta-se às relações de força que o poder comporta as relações de sentido que encontram lugar nos imaginários (BACZKO, 1985). A manipulação dos imaginários por meio da propaganda política possibilita operar modos de classificação do mundo, modelos de comportamentos e lugares sociais e, portanto, permite a elaboração de representações do poder, do Estado, do líder, do povo e da nação, importantes elementos para garantir o consentimento e a legitimação de um regime político frente à população. A propaganda política ao mobilizar símbolos, imagens, mitos e utopias, partes constitutivas dos imaginários, busca assegurar consentimento e apoio da população ao poder instituído. Idéias, crenças e valores são veiculados pela propaganda política em linguagem simples, de modo a agir sobre os sentimentos individuais e modelar comportamentos coletivos (CAPELATO, 1988). A partir dessas noções acerca das relações entre poder e imaginários, pretende-se refletir sobre a contribuição das imagens impressas, ou seja, das iconografias veiculadas nos livros escolares para a disseminação de representações estratégicas para o projeto e as práticas políticas do Estado Novo. Utiliza-se como fonte privilegiada dois livros escolares produzidos pelo DIP, são eles: Getulio Vargas para crianças 3 e O Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira 4.

2 Na abordagem do discurso iconográfico procura-se delinear questões relativas aos sentidos e significados construídos e veiculados nos livros escolares acerca do projeto varguista, por meio da análise de narrativa discursiva, e estabelecer uma relação com os elementos recorrentes no discurso veiculado na revista Cultura Política. Acredita-se que para a compreensão da narrativa visual é necessário levar em conta os dispositivos que regem sua organização em um dado suporte: Por um lado, a leitura é pratica criadora, atividade produtora de sentidos singulares, de significações de modo nenhum redutíveis às intenções dos autores de textos e fazedores de livros (...). Por outro lado, o leitor é, sempre, pensado pelo autor, pelo comentador, pelo editor como devendo ficar sujeito a um sentido único, a uma compreensão correta, a uma leitura autorizada. (CHARTIER, 1991, p. 123) Não obstante a dimensão criadora da leitura, definida pelas possíveis formas de apropriações realizadas pelos leitores, a produção de sentidos faz parte do processo de produção de um texto. Essa tensão, considerada pelo autor como central na História da leitura, sustenta uma abordagem que leva em consideração, além dos conteúdos, as particularidades formais dos livros escolares, entendidas como estratégias de organização da leitura. No que diz respeito às imagens 5, parte-se da concepção de que são expressões das formas de apreensão do real matizadas por traços culturais. Portanto, revelam os sentidos e os significados construídos historicamente sobre uma determinada realidade. Como representações, as imagens são poderosos instrumentos pedagógicos, pois, permitem usos e criam práticas culturais. Embora o eixo das reflexões seja a iconografia, a análise do discurso visual será realizada em interação com o discurso escrito, uma vez que ambos compõem um conjunto articulado para construção de sentidos. LIVROS ESCOLARES: DISCUSSÕES SOBRE O SUPORTE As edições didáticas têm recebido a atenção de vários pesquisadores nas últimas décadas, interessados na compreensão dos usos e das práticas desenvolvidas no interior da escola ou mesmo no seu entorno. Conforme Batista e Galvão (2003), embora os livros escolares, sejam desprestigiados socialmente, esses artefatos culturais, são componentes de um fenômeno mais amplo, os textos e impressos destinados à instrução. Esses objetos, ao longo do processo de escolarização, apresentam múltiplas formas e estabelecem complexas relações com o mundo da cultura. No interior da escola desempenham uma multiplicidade de funções, tais como: a definição dos saberes; dos conhecimentos; das habilidades e dos métodos de aprendizagem. São ainda, importantes instrumentos na conformação de valores e de práticas dos sujeitos envolvidos no processo de ensino-aprendizagem. No processo de monopolização da educação escolarizada pelo Estado e a conseqüente transformação da escola em lócus privilegiado para a educação das novas gerações, os livros escolares transformaram-se em objetos para a formação moral e cívica de crianças e jovens. Portanto, abordá-los no que se refere à sua materialidade e por meio do conceito de representação oferecem pistas para uma melhor compreensão (...) dos modos de conceber, pelo Estado, a formação ideológica da criança, bem como dos processos pelos quais a escola constrói sua cultura, seus saberes, suas práticas (BATISTA & GALVÃO. 2003, p.166) Se por um lado um novo olhar sobre esse artefato revela sua importância, seja como fonte e/ou objeto de pesquisa, por outro lado sua complexidade sugere um maior rigor metodológico em sua abordagem. Choppin (2004) indica a existência de um variado repertório para denominar as múltiplas formas pelas quais esses objetos apresentam-se ao longo do processo de escolarização e nem sempre são explicitadas suas respectivas definições. Conforme o autor, a literatura escolar conforma-se na confluência entre três gêneros, que participam cada um do seu lugar, do processo educativo: o religioso, o didático e o de lazer, que se interpenetram e engendram uma literatura abundante e complexa.

3 Batista, Galvão e Klinke (2002), ao analisarem as formas assumidas pelos livros escolares de leitura em Minas Gerais e em Pernambuco entre o final do século XIX até meados do século XX, fornecem indicadores de sua morfologia para uma melhor apreensão da utilização desse objeto. Primeiramente indicam dois grandes tipos de livros: as séries graduadas e os livros isolados. Apontam também quatro grandes gêneros de livros: os compêndios, as antologias, as narrativas e o caderno de leitura. Por fim, cinco grandes modelos de livro: leitura manuscrita, instrutivo, formativo, retórico literário e autônomo. Essas categorias de classificação das edições escolares são tomadas para identificar as publicações produzidas pelo DIP destinadas ao público escolar, embora se reconheça as dificuldades em categorizar esse artefato. Inicialmente, quanto ao tipo, as duas obras ora analisadas podem ser compreendidas como livros isolados, pois são aqueles (...) que menos claramente apresentam suas funções escolares. Embora elementos do título e da organização permitam inferir uma destinação escolar, ela não é claramente explicitada por indicações de nível ou série (BATISTA, GALVÃO & KLINKE, 2002, p.35). Elementos da materialidade dos dois livros permitem supor que eram destinados às bibliotecas das escolas oficiais, seja no título ou nas características tipográficas. A obra Getúlio Vargas para crianças apresenta o formato de 11,5 x 13 cm e 112 páginas, das quais 51 são compostas por desenhos impressos em preto e branco. Quanto ao livro O Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira, publicação mais elaborada se comparada à primeira, tem formato de 23x 15,5cm e das 101 páginas que totalizam a obra, 93 são compostas por desenhos impressos coloridos. As duas obras trazem uma seqüência de conteúdos visuais e textuais que se apresenta sob o gênero narrativo. As iconografias ocupam a maior parte das páginas e constroem uma história através de uma narrativa que lhe é própria, articulando figuras e símbolos e transformando o espaço de visibilidade em espaço de legibilidade 6. Em Getúlio Vargas para crianças os discursos iconográfico e textual são explorados de forma equilibrada. Textos e imagens são ordenamentos em páginas duplas seguindo um padrão. De um lado o texto e, de outro, a iconografia acompanhada da reprodução de um pequeno trecho do texto que sugestiona a leitura da ilustração. Essa estratégia produz um efeito de iconização do texto escrito e textualização da disposição figurativa, criando uma trilha de leitura que se configura como um importante recurso na construção de sentidos. Em O Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira a estratégia narrativa prioriza as iconografias. Cada desenho recebe uma moldura no formato de fita nas cores verde e amarela. O dispositivo da moldura delimita o espaço do visível, traçando um percurso para o olhar e criando um sistema fechado de visibilidade, no qual a imagem impressa é predominante. O texto escrito é circunscrito em legendas com letras diminutas, e o dispositivo das cores contribui para dar maior centralidade aos elementos figurativos. Nas duas obras, o Estado Novo, entendido como o enunciador, constrói uma narrativa em que os elementos visuais articulados com os textuais são estratégicos para a produção de um discurso que informa acerca de uma dada realidade e sobre uma concepção de mundo, uma vez que constrói crenças, valores e conceitos sobre essa realidade e sobre os sujeitos e as instituições que conformam a sua dinâmica seguindo um modelo formativo. O conteúdo das duas publicações está assim distribuído:

4 QUADRO 1 Distribuição dos capítulos no livro Getúlio Vargas para crianças. Capítulos Títulos Páginas Nº de ilustrações 1 Infância e estudos 6 a Vida militar 17 a De ministro a presidente 29 a Revolução de outubro 39 a Reconstrução nacional 49 a O Estado Novo 83 a Força e trabalho 93 a O homem simples e bom 109 a112 2 QUADRO 2 Distribuição das partes no livro O Brasil Novo: Getulio Vargas e sua vida para a criança brasileira. Partes Título Páginas subtítulos Nº de ilustrações Parte 1 Getulio Vargas nasceu a 19 5 a de abril de Parte 2 A 3 de novembro de 1930 o 64 a 66 2 Sr Getúlio se empossou na chefia do governo provisório da República. Parte 3 O Brasil novo e seu desenvolvimento geral. 67 a O Brasil novo e o trabalhador - O Brasil novo e a criança. - O Brasil novo e as forças armadas. 34 A temática dos dois livros gira em torno da vida e da obra política de Getúlio Vargas, percebe-se que sua divisão em capítulos ou partes destacados por títulos, apresenta uma realidade de forma fragmentada. Esse dispositivo revela a intenção de enfatizar determinados momentos da vida e da obra do protagonista. O ordenamento dos fragmentos cria uma seqüência que conduz à identificação entre Vargas e um Estado forte, presente em todos os setores da vida social. LIVROS ESCOLARES: UM DIÁLOGO COM A REVISTA CULTURA POLITICA. O livro Getúlio Vargas para crianças inicia-se com uma mensagem assinada por Getúlio para o público infantil na qual se lê: Crianças! Aprendendo, no lar e nas escolas o culto da Pátria, trareis para a vida prática todas as probabilidades de êxito. Só o amor constrói e, amando o Brasil, forçosamente o conduzireis aos mais altos destinos entre as Nações, realizando os desejos de engrandecimento aninhados em cada coração brasileiro. Getúlio Vargas (BARROSO, p.5). O vocativo crianças cria logo no início da leitura uma relação de proximidade entre o leitor e o autor da mensagem, concretizada pela objetividade do chamamento direto. A reprodução da assinatura de próprio punho reforça o conteúdo de ordem emocional e enfatiza uma relação

5 direta entre o Presidente/Estado que chama o povo/criança a conduzir o país aos mais altos destinos entre as nações em sua futura vida prática, leia-se no trabalho, e assim, realizar os desejos de engrandecimento que já existiam no coração dos brasileiros. A aparente simplicidade desse chamamento apresenta aspectos relevantes do discurso estado-novista que ao longo da obra vão ganhando contornos mais precisos. Tanto em Getúlio Vargas para crianças quanto em O Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira há um grande espaço dedicado à biografia de Vargas, de sua infância até a Revolução de Os textos escritos constroem uma representação de Vargas portadora dos atributos de um grande líder e uma conduta em consonância com as exigências da nova realidade. Entre os atributos técnicos que evidenciam sua capacidade de liderança, é recorrente uma representação portadora de um senso sociológico, que segundo Almir de Andrade, diretor da revista Cultura Politica é a missão do estadista, ou seja, a atitude de:...colocar-se diante dos fatos, numa atitude de realismo sadio.(...) Libertar-se das precipitações ideológicas e manter-se identificado com o ritmo natural da evolução humana, compreender a natureza da sociedade e do homem...(andrade, 1941c, p 164) A construção visual dessa representação em Getúlio Vargas para crianças faz-se por meio de uma imagem que se tornou emblemática no conjunto da obra propagandista varguista; o protagonista sentado à mesa e cercado de símbolos de erudição, muitos livros, documentos e pose de pensador. Essa cena se repete ao longo da obra com algumas variações, entre elas: a presença de outros personagens sob a liderança de Vargas; o mapa do Brasil demarcando o espaço de interesse; ou mesmo um relógio indicando suas horas de dedicação ao trabalho e ao estudo. O discurso textual que acompanha as imagens organiza-se em uma seqüência narrativa que intensifica a cada capítulo o senso sociológico do futuro presidente. O primeiro capítulo termina com a frase: o jovem conhecia a terra e os livros, os homens e a ciência (BARROSO, p.16). No quinto capítulo, já como presidente do Governo Provisório, a cena se repete, mas traz alguns elementos fundamentais para a construção de sentidos: a lua, indicando uma cena noturna e um relógio que indica vinte e quatro horas e treze minutos (FIG. 1). Acompanha a cena a reprodução da frase, (...) em certas ocasiões trabalha dezesseis horas por dia, sem demonstrar cansaço... (BARROSO, p.55). FIGURA 1- Fragmento do livro escolar Getúlio Vargas para Crianças. p Fonte: CPDOC/FGV- RJ.

6 Nesse sentido, o regime é provido de base social, pois nasceu das aspirações nacionais sabiamente interpretadas pelo presidente devido ao seu realismo esclarecido e seu senso de justiça mobilizado para atingir o bem público. O sentido realista e nacional do Estado Novo recorrente nos artigos da revista Cultura Política sustenta essa representação do regime. O Estado Novo foi um golpe de força, mas não de violência, é autoritário, mas não é autocrático, pois comunga com a índole brasileira, portanto, é (...) a afirmação positiva da realidade brasileira (MORAIS, 1941, p. 26). Vargas é celebrado como aquele interpreta e realiza as justas aspirações das massas, que se fundam na promoção do bem comum. A promoção do bem comum, entendida como o princípio diretor da atividade do Estado, agrega um outro sentido ao Estado Novo, o caráter humanístico. Paulo Augusto de Figueiredo é enfático ao afirmar que os fins do Estado são humanos, e que (...) deverá visar ao estabelecimento de uma situação existencial em que possam os homens realizar plenamente o seu destino de pessoas. Mas, conforme o autor, o humanismo só é verdadeiramente autêntico quando inspirado nas fontes cristãs de vida, em uma concepção de sociedade orgânica, na qual o homem e o Estado não se colocam em campos adversos. A dimensão espiritual atribuída ao Estado e ao individuo, os transforma em um todo homogêneo, solidário e harmonioso, (...) o indivíduo pelo Estado se construindo, e o Estado no indivíduo se edificando. Assim, Estado é identificado com a Nação, que por sua vez é compreendida com uma pessoa coletiva nacional (FIGUEIREDO, 1943, p.23). Nessa perspectiva, a política praticada pelo Estado Novo consagra uma ordem social marcada pela concórdia, pelo espírito de paz e de tolerância, portanto, livre de conflitos políticos. A metáfora de sociedade orgânica é explorada iconicamente na segunda parte da obra Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira de forma explícita. A narrativa textual sintetiza as realizações do primeiro decênio do governo Vargas: O Brasil atravessou um decênio de prosperidade e nacionalização. Todas as forças foram mobilizadas para uma reconstrução nação. (DUARTE, p 68). A ilustração traz o mapa do Brasil, mimetizando um corpo humano empunhando a bandeira nacional e realizando um grande salto entre as datas de 1930 e A representação da Nação em movimento, rumo ao seu destino, completa-se na sutileza da última cena de grande poder simbólico: o presidente lidera a caminhada do povo/trabalhador brasileiro em direção ao futuro de grandeza e progresso. A legenda, impressa em caixa alta anuncia: Certos de que nada nos deterá em nossa marcha triunfante pela grandeza e pelo progresso do Brasil (DUARTE, p. 101). A sociedade brasileira é representada como uma totalidade orgânica, como um corpo uno e harmonioso, composto por trabalhadores disciplinados tendo à frente o governante, a cabeça dirigente e firme na sua condução. Chama a atenção uma composição que exibe o mapa do Brasil, em seu centro a bandeira nacional e o rosto de Vargas na esfera azul (FIG. 2). A legenda que a acompanha destaca a frase: Fortes e unidos, os brasileiros do Estado Novo são guiados pela grande Trindade Nacional: Nossa Pátria, Nossa Bandeira, Nosso Chefe... (DUARTE, p. 100). A utilização exaustiva do acervo simbólico cristão para forjar uma imagem sacralizada da política 7, confere inteligibilidade e possibilidade de difusão do discurso político, pois, a eficácia das representações implica a existência de uma comunidade de imaginação (BACZKO, 1985). A apropriação do imaginário cristão, profundamente assentado na cultura brasileira, possibilita ao Estado manipular símbolos, mito e utopias partilhados pelos indivíduos e pelos grupos sociais e, construir representações sobre o poder e sobre o mundo que contam mais que os próprios fenômenos que lhes dão origem. Assim, os símbolos mais explorados pelos livros escolares, o mapa do Brasil, a bandeira nacional e a figura de Vargas, em constante diálogo com o acervo simbólico cristão, são revestidos de uma carga simbólica capaz de intervir na memória coletiva e difundir valores e comportamentos associados ao ideário nacionalista varguista.

7 FIGURA 2 - Ilustração do livro escolar Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para criança brasileira. p. 100 Fonte: Nosso Século, v.3, p As diretrizes educacionais 8 prescritas pelo Estado Novo para a educação das novas gerações são sistematizadas na representação de Vargas. Da infância à vida adulta, os requisitos de uma educação adequada aos preceitos do regime fazem parte de sua conduta. O culto da nacionalidade, um dos princípios básicos do Estado Novo, é iconicamente apresentado nas cenas em que Vargas integra o Exército ou cultua os antepassados, pratica os (...) exercícios da inteligência, feitos nos livros, (...) os exercícios do corpo, feitos na vida campestre (DUARTE, p 8), revelando assim sua natureza forte, sadia e obediente. O Culto da disciplina se manifesta na obediência consciente e também na consciência da responsabilidade. O culto do trabalho, que na sua infância já se manifestava, é explorado em uma cena que (...) visando alguma coisa de prático, o menino Getúlio iniciara uma criação de bicho da seda (...) (BARROSO, p.15). O culto da moral, tanto pessoal, relacionada às exigências do dever e da responsabilidade, como social, ligada à solidariedade humana, aparece nas cenas em que o protagonista é representado trabalhando como advogado ou político. No Estado Novo o trabalho é concebido como primeiro dever social e denominador comum de todas as atividades úteis (FIGUEIREDO, 1943, p.29) Cada cena representa um episódio que explica e exibe idéias a respeito de sua personalidade em consonância com os princípios doutrinários do regime. Mesmo na juventude, Vargas é apresentado com roupas e atitudes de adulto, reforçando a mística de um líder nato e de um homem excepcional predestinado ao poder. Em seu crescimento cronológico, a iconografia agrega à essa natureza mítica a representação de homem comum, pois enfatiza sua representação como freqüentador de festas e jogos de bilhar, praticante de hábitos simples. Essa lógica discursiva explora a natureza humana e transitória de Vargas e, ao mesmo tempo, associa-lhe uma natureza mística. Nessa perspectiva, o discurso do poder penetra e caminha por dentro do conjunto de símbolos, imagens e personagens familiares ao imaginário cristão (LENHARO, 1986, P. 194). Na conformação do discurso político estadonovista, são empregadas linguagens que desvelam um intenso intercâmbio entre o imaginário político e o imaginário religioso. Em Getúlio Vargas para crianças, a construção discursiva destaca o caráter revolucionário do Estado Novo que conferiu ao ideal de democracia um novo sentido, nomeado de democracia social e econômica. O início desse processo de redescobrimento do Brasil é situado na Revolução de 1930 e a sua culminância com a implantação do Estado Nacional ou Estado Novo. A construção de sentido para a democracia social e econômica se faz por meio da constante crítica a experiência liberal da Primeira República e pela representação do Governo Vargas como (...)

8 expressão inequívoca da vontade nacional (AMARAL, 1941, p.137). A Revolução de 1930 é representada por uma cena de aclamação popular (FIG. 3). A seqüência de cenas reforça a idéia de aprovação popular ao regime. As imagens impressas buscam produzir um efeito de realidade que funciona como um dispositivo discursivo para expressar estados de aceitação, contentamento e satisfação. Ao fazer cotidiano do Estado são agregados sentidos de consentimento popular, paz e justiça sociais e prosperidade econômica. Cenas exibem os revolucionários de 30 se confraternizam com os derrotados (BARROSO, p.51), Homens e máquinas interagem harmoniosamente na construção de nossa riqueza industrial (BARROSO, p. 61), operários, em contado direto com o presidente, demonstram contentamento com o novo regime. (BARROSO, p.89), Crianças saúdam o presidente (FIG. 4). FIGURA 3 Ilustração do livro escolar Getúlio Vargas para crianças. p. 45. Fonte: CPDOC/FGV RJ FIGURA 4 - Ilustração do livro escolar Getúlio Vargas para crianças. p. 99. Fonte: CPDOC/FGV - RJ A presença de um Estado moderno, construtor e unificador da Nação, expressa uma concepção de ordem social que é o cerne do discurso estado-novista, pois legitima sua prática política centralizada do exercício do poder (VELLOSO, 1982). Nomeada de cultura política, tal concepção afirma a unificação entre as ordens política e social. Política é a organização de forças sociais. É direção de tendências para a realização do bem comum. É cristalização de tudo aquilo que um povo produza para si mesmo de tudo que representa cultura. (ANDRADE, 1941b, p.5) Nessa perspectiva, a cultura abrange todas as atividades humanas em sociedade e se organizar sob a tutela do Estado. É a ação política do Estado que conduz ao espetáculo extraordinário de renascimento do Brasil novo, revelando-se como verdadeira força diretora da ordem social. Os articulistas do Estado Novo argumentam que cada povo é portador de uma cultura constituída por elementos peculiares e, portanto, deve conceber as instituições sociais e políticas de acordo com o seu gênio nacional. Nesse sentido, há um projeto político implícito na realidade brasileira, definido pela personalidade nacional. A grande originalidade do Estado Novo foi recuperar e dar concretude a esse projeto. O Estado Nacional e o estadista que assumiu a responsabilidade de sua criação, não foram um fato gratuito na história do nosso país, muito pelo contrário, representam uma dádiva do passado feita ao presente do Brasil (PEIXOTO, 1941, p.176). Essa noção é enfaticamente reafirmada em vários artigos da revista paralelamente à

9 desqualificação da experiência liberal da Primeira República, acusada de estar completamente afastada do conceito de primado da idéia nacional. Na terceira parte do livro Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira, intitulada o Brasil novo e seu desenvolvimento geral, o projeto nacionalista varguista é apresentado como uma grande inovação. Imagens exibem temas 9 relacionados à Produção (6 cenas), à Educação e Saúde (6 cenas), ao Trabalho (4 cenas), ao Exército (3 cenas), à Marinha (2 cenas), à Aviação (2 cenas), ao Comunicação (1 cenas) e ao Comércio (1 cenas) e ao mesmo tempo constroem noções a serem atribuídas a essas obras. Vale observar a ausência da figura de Vargas nessas cenas. O Estado e, portanto o próprio Vargas, se faz presente na narrativa visual por meio de sua obra, apresentando-se como o grande construtor. A presença do Estado materializa-se na monumentalidade de suas realizações, (...) ele é apresentado como Estado-obra, e obra de um homem (...) (LACERDA, 1994, p. 256) As cenas articulam espaços e objetos (hospitais, escolas, fábricas, prédios públicos, maquinaria, aviões e navios) e ações (desfiles, exercícios de artilharia, trabalho na fábrica ou no campo, práticas escolares) explorando a ação modernizadora empreendida pelo Estado. Os personagens são apresentados sempre como categorias institucionais, (estudantes, trabalhadores, militares), trabalhadores ou futuros trabalhadores, no caso das crianças. Essa representação remete à concepção construída acerca do trabalho e do trabalhador no projeto estadonovista. O trabalho comporta as dimensões privada e pública do homem, pois é o meio de realização de sua natureza humano, de servir a nação e elemento definidor da cidadania. (...) É pelo trabalho que se conquista o progresso econômico, intelectual, o respeito e a proteção do Estado (ANDRADE, 1941a, p.6). Dessa forma, sendo o trabalho o meio de alcançar a grandeza e a prosperidade nacional, a ordem política destina-se a amparar o trabalho humano e influir na sua organização fazendo-o produzir a riqueza e o progresso (ANDRADE, 1941c). Essa concepção de trabalho permite compreender a ausência de trabalhadores negros nas duas obras. Conforme Silva Filho (2005), entre o final do século XIX e início do século XX, as representações sobre o negro remetiam à escravidão. A historiografia e o ensino da História foram significativos para construção desse sentido, pois, fundavam-se num discurso histórico que focava no escravismo o papel do negro na sociedade brasileira. Embora o discurso oficial do Estado Novo fosse desprovido de viés racista, as representações circulantes sobre o trabalhador negro não eram compatíveis com a nova concepção de trabalho e de nação brasileira. É também pelo trabalho que a coletividade, entidade abstrata e anônima transforma-se em povo, ou seja, (...) agrupamentos orientados e dirigidos por quem de direito, as organizações corporativas (MORAIS, 1941, p. 27). No discurso oficial, a idéia de povo é definida pela inserção no mundo do trabalho e pela organização em corporações. O sistema corporativo é compreendido como autêntico órgão de expressão da vontade popular, visto que se baseia na solidariedade humana e se destina ao bem público tornando desnecessária a existência de intermediários entre o líder e o povo. Assim as corporações apresentam-se como um legítimo mecanismo de organização da vida política e econômica. Entre as realizações do Estado Novo é estabelecida uma hierarquização dos temas. Cabe destacar alguns sentidos construídos acercas dos temas mais explorados pela propaganda política. A Produção exibe atividades produtivas na indústria, agropecuária e mineração. As composições evidenciam a maquinaria e recursos naturais. Nessas cenas, o trabalhador ocupa um papel secundário e apresenta-se perfeitamente integrado ao trabalho numa alusão às relações harmoniosas no setor produtivo. Os Prédios (hospitais e escolas), as crianças disciplinadamente organizadas no ambiente escolar ou na euforia de desfiles cívicos são os elementos explorados no tema Educação e Saúde. Ao apresentar sua obra, o Estado simultaneamente circunscreve os modos de comportamento e os possíveis espaços de vivência coletiva, em especial para a criança brasileira. No tema relacionado ao Trabalho, o discurso focaliza a obra social do Estado de amparo ao trabalhador apresentando-a como demonstrações de carinho e interesse do Governo (DUARTE, p. 82). Essa dimensão do discurso varguista remete às bases do Trabalhismo. Conforme Gomes (1988) a ideologia trabalhista

10 é fruto de um pacto entre dois atores, o Estado e os trabalhadores, no qual se criam dois atores que se conhecem e reconhecem numa dupla lógica. Por um lado, os benefícios materiais, sobretudo as leis trabalhistas, asseguram a adesão dos trabalhadores ao projeto do Estado. Por outro, uma lógica simbólica, pela qual o Estado relia e re-significava tradições, valores e demandas dos trabalhadores relacionadas ao valor do trabalho e à dignidade dos trabalhadores (FIG. 5 e 6). O atendimento dessas demandas, apresentadas como doação do Estado colocava em contrapartida a reciprocidade dos trabalhadores ao regime. FIGURA 5 - Ilustração do livro Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira. p. 82 Fonte: Nosso Século, v.3, p. 286 FIGURA 6 Ilustração do livro Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira. p. 81 Fonte: Nosso Século, v.3 p.286 O Estado, ao mostrar a imponência e relevância de sua obra, revela o ideal de unidade em torno do conceito de nação brasileira. A diversidade da população brasileira, seja de natureza étnica, religiosa ou regional não se faz presente nas obras. A unidade é representada por categorias institucionais, trabalhadores e estudantes, disciplinados e ordeiros, de aparência branca, saudável e robusta. CONSIDERAÇÕES FINAIS A análise dos livros escolares desvela as estratégias utilizadas pelo Estado Novo para difundir para um público escolar um elaborado discurso produzido no interior do órgão doutrinário do regime, a revista Cultura Política. Noções abstratas acerca das concepções de ordem social, de trabalho e de povo, sobre as quais se assenta o ideal de Nação e de desenvolvimento da coletividade, premissas fundamentais para o ideário nacionalista varguista, são veiculados por meio de um processo discursivo que articula a linguagem visual e a verbal. Para melhor compreender as potencialidades do discurso iconográfico, cabe ressaltar sua dupla natureza. A imagem imprensa é em parte uma analogia natural e em parte cultural, que em interação não reproduzem a realidade, mas estabelecem mediações que possibilitam a reconstrução da realidade acrescida de sentidos. O ordenamento dos elementos da iconografia articula símbolos reconhecíveis, um acervo arraigado na cultura. Por um lado, essa estratégia auxilia a legibilidade visual, por outro, naturaliza o discurso icônico. Noções e conceitos sobre o lugar dos indivíduos e das instituições políticas na hierarquia social são veiculados como aspectos naturais do real. Conclui-se que o trabalho político das representações consiste em fazer crer, fazer ver e, estabelecer a legitimidade do poder instituído. Embora se reconheça a natureza criativa da leitura,

11 definida pelas múltiplas possibilidades de apropriação de um discurso, cabe ressaltar a relevância da mobilização dos bens simbólicos de uma coletividade pela propaganda política no sentido de garantir o exercício do poder político. REFERÊNCIAS AMARAL, Azevedo. A revolução brasileira. Cultura Política. n. 5, p , julho de ANDRADE, Almir, A evolução política e social do Brasil. Cultura Política. n.1, p.5-8, março de 1941a. ANDRADE, Almir de. Política e cultura. Cultura Política, n. 2, p. 5-8,abril de 1941b. ANDRADE, Almir. Democracia social e econômica. Cultura política. n 6, p , Agosto de 1941c. BARROSO, Alfredo. Brasil Novo: Getúlio Vargas e sua vida para a criança brasileira. Rio de Janeiro: Ed. Grande Consorcio Suplementos nacionais, p. Coleção Biblioteca Pátria. Volume especial. BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. In: Enciclopédia Einaudi. Vol.5, Vila dos Maia p BATISTA, Antonio A. G.e GALVÃO, Ana M. O. Manuais escolares e pesquisa em História. In: FONSECA, Thais N. de L. e GREIVE, Cynthia G. História e Historiografia da Educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, p BATISTA, Antonio B. G; GALVÃO, Ana M. O. e KLINKE, Karina. Livros escolares de leitura: uma morfologia ( ). In: Revista Brasileira de Educação. n. 20, p , mai/jun/jul,ago, BERSTEIN, Serge, A cultura política. In: ROUX, Jean; FRANCOIS, Jean ( orgs) Para uma História cultural. Lisboa: Editorial Estampa, CAPELATO, Maria H. R.Multidões em cena: Propaganda política no varguismo e no peronismo. Campinas, SP: Papirus, CAPRETTINI, G. P. Imagem. In: Enciclopédia Einaudi. Volume 31. Lisboa: Imprensa nacional- Cassa da Moeda, 1994.p CHARTIER, Roger. Textos, impressos, leituras. In: A história cultural entre práticas e representações. Lisboa: Difel cap. 4, p À beira da falesia: a história entre incertezas e inquietudes. Porto Alegre: Ed. Universidade. UFRGS, CHOPPIN, Alain. História dos livros e das edições didáticas: sobre o estado da arte. Revista Educação e Pesquisa, São Paulo,v.3, p , set./dez., 2004.

12 DUARTE, Bandeira. Getúlio Vargas para crianças. São Paulo: Lithográfica Ypiranga, p. GOMES. Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo. São Paulo: Vértice, Ed. Revista dos tribunais; Rio de Janeiro: IUPRJ, O redescobrimento do Brasil. In: Oliveira, Lucia Lippi et al. Estado Novo: Ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar editores, p FIGUEIREDO. Paulo Augusto. A pessoa humana no Estado Nacional. Cultura Política. n. 34, p.19-34, Novembro de LACERDA, Aline Lopes de. A Obra Getuliana ou como as imagens comemoram o regime. Revista Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol.7, p , Disponível em: < >. Acesso em: 25 de maio 2008., Aline Lopes de. Fotografia e propaganda política. In: GOMES, Ângela Castro (org) Capanema: o ministro e seu ministério. RJ: Ed. FGV, p LENHARO, Alcir. Sacralização da política. Campinas.SP:Papirus, MORAIS. Deodato, Educação e Estado Novo. Cultura Política. n. 9, p , novembro de MARIN, Loius. Ler um quadro: uma carta de Poussin em In: CHARTIER. Roger (org.). Práticas de leituras. São Paulo: Estação Liberdade, NOSSO SECULO ( ). São Paulo: Abril Cultural, v. 3, p. PAIVA, Eduardo França. História & Imagens. Belo Horizonte: Autentica, p.118. PEIXOTO, Silvio. Tradição política como princípio da unidade nacional. Cultura Política. N. 3, p , maio de SCHWARCZ, Lilia Moritz. O espetáculo das raças: cientistas instituições e questão racial no Brasil São Paulo: Companhia das letras, SILVA FILHO, João Bernardo. Os discursos verbais e iconográficos sobre negros em livros didáticos de História f. ( Mestrado em Educação e Linguagem)- Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, SMITH, Anthony D. Nacionalismo Teoria, ideologia, história. Lisboa: Teorema, VELLOSO, Mônica Pimenta. Cultura e poder político: Uma configuração do campo intelectual. In: Oliveira, Lucia Lippi et al. Estado Novo: Ideologia e poder. Rio de Janeiro: Zahar editores, p O conceito de cultura política é entendido aqui como um sistema de representações relativo aos fenômenos políticos, portanto, parte do patrimônio cultural interiorizados pelos sujeitos e partilhados pelo grupo. Ver BERSTEIN (1998). Já o nacionalismo é entendido aqui como uma das múltiplas culturas políticas, cujos objetivos genéricos giram em torno da autodeterminação, unificação territorial e identidade nacional, matizados por questões religiosos, seculares, conservadoras, etc. Ver SMITH (2001).

13 2 A revista Cultura Política pode ser entendida como uma publicação doutrinária do Estado Novo. Editada pelo DIP entre março de 1941 e novembro de 1945, a revista de publicação mensal era bem divulgada, sobretudo em São Paulo e no Rio de Janeiro. Entre seus colaboradores figuravam intelectuais que partilhavam de preocupações presentes desde a década de 20 entre a intelectualidade brasileira, ou seja, diagnosticar e propor alternativas para os males brasileiros. Guardadas as especificidades existentes entre o pensamento desses intelectuais, suas idéias compunham um universo de temas permeados por ideários elitistas, autoritárias e nacionalistas, comuns tanto ao pensamento da época quanto à tradição brasileira. 3 Obra escrita por Barroso (1942) e ilustrada por Fernando dias da Silva. Encontra-se disponível nos arquivos do CPDOC/FGV- RJ. 4 Obra ilustrada por Romero Filho e escrita por Duarte (1941) sobre o texto de CARRAZZONI, André. Getulio Vargas. 2 ed. Rio de Janeiro: Editora J. Olympio, p.( coleção particular) 5 Parte-se da concepção de que as imagens têm presença nas mais diversas culturas e constituem-se nas mais variadas formas, seja no âmbito da expressão, da comunicação, da imaginação, da percepção e da visão. Sua base, seja qual for o âmbito, é uma analogia em parte natural e em parte cultural, que estabelecem entre si uma relação dialética. Ver CAPRETTINI ( 1994). 6 Sobre a leitura de imagens, seja de um desenho, um quadro ou um afresco, Marin ( 1996) aponta três modalidades da contemplação, todas elas ancoradas na relação entre visibilidade e legibilidade. A primeira no tempo, considerada a mais importante, refere-se ao percurso, com olhar sobre a imagem, ordenado pela dispositivo da moldura e do prospectivo, criando um espaço de visibilidade. A segunda modalidade caracteriza-se pela constituição da imagem em um texto legível, na qual o olhar procura reconhecer as figuras a partir de um repertório próprio. Por último, os percursos de visão e de leitura conjugam-se, transformando o percurso do olhar em contemplador e leitor. 7 Sobre a relação entre o imaginário religioso e a política durante o governo Vargas ver LENHARO (1986). 8 A formação do cidadão e da família segundo os ideais nacional e humanista, defendidos pelo Estado Novo, prescreve a obrigatoriedade da cultura física, do ensino cívico e dos trabalhos manuais como expressões concretas da nova estrutura politica. Ver MORAIS, 1941, p LACERDA (2000) ao analisar o Obra Getuliana, descreve seu layout classificando o conteúdo das imagens em em doze temas: Produção, Educação e Saúde, Exercito, comunicação Trabalho, Marinha, Aviação, Comércio, Turismo, Justiça Departamento /Administrativo do Serviço Público e Urbanismo. Essa classificação foi aqui tomada como referencial para analisar os dois livros escolares no que se refere às imagens sobre as realizações do Estado Novo.

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA

NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO EM PERNAMBUCO: 13 ANOS DE HISTÓRIA Margarete Maria da Silva meghamburgo@yahoo.com.br Graduanda em Pedagogia e membro do NEPHEPE Universidade Federal de

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1

PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade. Democracia na escola Ana Maria Klein 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Democracia na escola Ana Maria Klein 1 A escola, instituição social destinada à educação das novas gerações, em seus compromissos

Leia mais

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO

VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO VER PARA COMPREENDER: A SELEÇÃO DE IMAGENS NOS LIVROS DIDÁTICOS DE HISTÓRIA DURANTE O REGIME MILITAR BRASILEIRO Juliana Ponqueli Contó (PIBIC/Fundação Araucária - UENP), Jean Carlos Moreno (Orientador),

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização

Palavras-chave: Formação de professores; Justificativas biológicas; Dificuldades de escolarização OS MECANISMOS DE ATUALIZAÇÃO DAS EXPLICAÇÕES BIOLÓGICAS PARA JUSTIFICAR AS DIFICULDADES NO PROCESSO DE ESCOLARIZAÇÃO: ANÁLISE DO PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO LETRA E VIDA Cristiane Monteiro da Silva 1 ; Aline

Leia mais

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Claudia Maria da Cruz Consultora Educacional FEVEREIRO/2015 CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A ênfase na operacionalização escrita dos documentos curriculares municipais é

Leia mais

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes

As crianças, a cultura. Lisandra Ogg Gomes As crianças, a cultura lúdica e a matemática Lisandra Ogg Gomes Aprendizagens significativas: Como as crianças pensam o cotidiano e buscam compreendê-lo? (Caderno de Apresentação, 2014, p. 33). O que as

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com

ENTREVISTA. COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com Entrevista ENTREVISTA 146 COM o Dr. Rildo Cosson. POR Begma Tavares Barbosa* begma@acessa.com * Dra. em Letras pela PUC/RJ e professora do Colégio de Aplicação João XXIII/UFJF. Rildo Cosson Mestre em Teoria

Leia mais

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental

Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental Diretrizes Pedagógicas e Programa Municipal de Educação Ambiental GOVERNO DO ESTADO DE SÃO APULO SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE COORDENADORIA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL DIRETRIZES PEDAGÓGICAS O que se espera

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1

O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 O MUSEU E SUA FUNÇÃO SOCIAL PELO MAPEAMENTO DAS REDES SOCIAIS DOS MUSEUS Weidson Leles GOMES 1 Resumo: O presente Artigo busca abordar a pretensão dos museus de cumprir uma função social e a emergência

Leia mais

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009

Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA: Passar do Discurso para a Ação Philippe Perrenoud Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação Universidade de Genebra 2009 1º Fórum de Ideias - Cambridge University Press

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4

VERSÃO APROVADA Tradução de cortesia ANEXO 4 ANEXO 4 RELATÓRIO PRELIMINAR DO CEED AO CONSELHO DE DEFESA SUL- AMERICANO SOBRE OS TERMOS DE REFERÊNCIA PARA OS CONCEITOS DE SEGURANÇA E DEFESA NA REGIÃO SUL- AMERICANA O é uma instância de conhecimento

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault

Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Formação de Professores: um diálogo com Rousseau e Foucault Eixo temático 2: Formação de Professores e Cultura Digital Vicentina Oliveira Santos Lima 1 A grande importância do pensamento de Rousseau na

Leia mais

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores

Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Áfricas no Brasil: aprendendo sobre os sons, as cores, as imagens e os sabores Rosália Diogo 1 Consideramos que os estudos relacionados a processos identitários e ensino, que serão abordados nesse Seminário,

Leia mais

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.

ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS. Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais. Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail. ACERVOS FOTOGRÁFICOS HISTÓRICOS Organização, Pesquisa e Usos de Documentos Visuais Aline Lopes de Lacerda alopeslacerda@gmail.com Parte I - Fotografia e valor documentário Parte II - A fotografia nos arquivos:

Leia mais

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4

Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Guia do Educador CARO EDUCADOR ORIENTADOR Sumário 1. CARO EDUCADOR ORIENTADOR 3 2. PARCEIROS VOLUNTÁRIOS 3 3. TRIBOS NAS TRILHAS DA CIDADANIA 4 Objetivo GERAL 5 METODOLOGIA 5 A QUEM SE DESTINA? 6 O QUE

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III

Colégio Cor Jesu Brasília DF. Plano de Curso 2011. Educação Infantil III Colégio Cor Jesu Brasília DF Plano de Curso 2011 Educação Infantil III Área de conhecimento: Linguagem Série: Infantil III Educação Infantil Competências Habilidades a serem desenvolvidas Eixo/Conteúdos

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano

Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL. Ensino Médio. Etec. Etec: Professor Massuyuki Kawano Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio Etec Etec: Professor Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Área de conhecimento: Ciências Humanas e Suas Tecnologias Componente Curricular:

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio

Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio Currículo Referência em Artes Visuais Ensino Médio 1º ANO - ENSINO MÉDIO Objetivos Conteúdos Expectativas - Conhecer a área de abrangência profissional da arte e suas características; - Reconhecer e valorizar

Leia mais

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas

11 a 14 de dezembro de 2012 Campus de Palmas ESTUDO DO TERMO ONOMA E SUA RELAÇÃO COM A INTERDISCIPLINARIDADE NOS PARÂMETROS CURRICULARES DO ENSINO FUNDAMENTAL DA GEOGRAFIA NA PERSPECTIVA DA ONOMÁSTICA/TOPONÍMIA Verônica Ramalho Nunes 1 ; Karylleila

Leia mais

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX).

Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Assim nas páginas como nas margens. Marcas do ler em livros escolares do acervo do Museu da Escola Catarinense (décadas de 20 a 70 do século XX). Maria Teresa Santos Cunha / PPGE/Mestrado/UDESC/SC Comunicação

Leia mais

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição.

A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO. Ser Humano um ser social por condição. A FAMÍLIA E ESCOLA Profa.Dra.Claudia Dechichi Instituto de Psicologia Universidade Federal de Uberlândia Contatos: (34) 9123-3090 (34)9679-9601 cdechichi@umnuarama.ufu.br A CONSTRUÇÃO SOCIAL DO SUJEITO

Leia mais

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS

EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Círculo de Cultura: Eixo 1 - A educação que emancipa frente às injustiças, desigualdades e vulnerabilidades. EXPERIÊNCIAS COLETIVAS POPULARES: PRÁTICAS SOCIAIS NASCIDAS NAS PERIFERIAS Cezar Luiz De Mari

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO

JUSTIFICATIVA OBJETIVOS GERAIS DO CURSO FATEA Faculdades Integradas Teresa D Ávila Plano de Ensino Curso: Pedagogia Disciplina: Fundamentos Teoricos Metodologicos para o Ensino de Arte Carga Horária: 36h Período: 2º ano Ano: 2011 Turno: noturno

Leia mais

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima.

Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público. Alexia Melo. Clebin Quirino. Michel Brasil. Gracielle Fonseca. Rafaela Lima. Rede Jovem de Cidadania, programa de TV de Acesso público Alexia Melo Clebin Quirino Michel Brasil Gracielle Fonseca Rafaela Lima Satiro Saone O projeto Rede Jovem de Cidadania é uma iniciativa da Associação

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES

EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO INTEGRAL DA CRIANÇA NA PRIMEIRA INFÂNCIA: O CAMPO DAS RESPONSABILIDADES Ao longo de muitos séculos, a educação de crianças pequenas foi entendida como atividade de responsabilidade

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO

ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO ARTES VISUAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL RESUMO CAMILA SONALY QUEIROZ TITO¹ MAÍSE RODRIGUES LÚCIO² O presente artigo tem por objetivo levar educadores da Educação Infantil a repensar sobre as concepções e metodologias

Leia mais

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL.

LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. LINGUAGENS ARTÍSTICAS E LÚDICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL. ANA PAULA CORDEIRO ARTE ARTE? O QUE É? QUAL SUA NECESSIDADE? QUAL SUA FUNÇÃO? ARTE: O QUE É? ARTE Uma forma de criação de linguagens- a linguagem visual,

Leia mais

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO

FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO FONTES PRIMÁRIAS SOBRE A HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO NO BRASIL: BOLETINS E CIRCULARES DO APOSTOLADO POSITIVISTA (1881-1927) APRESENTAÇÃO João Carlos da Silva 1 A produção da IPB reúne uma farta publicação de

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador

Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Padrões de Competências para o Cargo de Professor Alfabetizador Alfabetização de Crianças O Professor Alfabetizador é o profissional responsável por planejar e implementar ações pedagógicas que propiciem,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles:

Considerando esse documento, a política da educação deve alcançar dois objetivos. São eles: 8 PROVADECONHECIMENTOSPEDAGÓGICOS Cargos89a99 QUESTÃO 11 O relatório Delors considera que a educação é um bem coletivo que deve ser acessível a todos e não pode ser objeto de uma simples regulação do mercado.

Leia mais

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012

BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 BOLETIM DO LEGISLATIVO Nº 11, DE 2012 Educação e Sustentabilidade Tatiana Feitosa de Britto A Conferência das Nações Unidas sobre o Desenvolvimento Sustentável (Rio+20) tem como tema o futuro que queremos,

Leia mais

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO

CULTURA ESCOLAR DICIONÁRIO CULTURA ESCOLAR Forma como são representados e articulados pelos sujeitos escolares os modos e as categorias escolares de classificação sociais, as dimensões espaço-temporais do fenômeno educativo escolar,

Leia mais

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação.

Palavras chave: texto, gêneros textuais, ensino, PCN, educação. Karen Alves de Andrade 1 RESUMO A inserção dos gêneros textuais no ensino vem mudando a dinâmica da educação em língua portuguesa em nosso país. A importância de se trabalhar a língua em uso, através de

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO

TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO TÍTULO: O INGRESSO DA CRIANÇA AOS SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL DE NOVE ANOS DILEMA OU SOLUÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DO GRANDE

Leia mais

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 RELEVÂNCIA DA LITERATURA INFANTIL NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Catharine Prata Seixas (PIBIC/UFS) Aline Grazielle Santos Soares Pereira (PIBIX/UFS) INTRODUÇÃO Vygotsky (1991), diz que o pensamento e a linguagem

Leia mais

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental

Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental Reverência pela Vida: Atitude Transdisciplinar na Educação Ambiental RESUMO Rosa Maria Viana (Universidade Salgado Oliveira/rosamviana@yahoo.com.br) Sandra de Fátima Oliveira (Universidade Federal de Goiá/sanfaoli@iesa.ufg.br)

Leia mais

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1

O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 O PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO NO CONTEXTO DA GESTÃO ESCOLAR 1 Janete Maria Lins de Azevedo 2 Falar sobre o projeto pedagógico (PP) da escola, considerando a realidade educacional do Brasil de hoje, necessariamente

Leia mais

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009)

(Publicada no D.O.U em 30/07/2009) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DE RECURSOS HÍDRICOS RESOLUÇÃO N o 98, DE 26 DE MARÇO DE 2009 (Publicada no D.O.U em 30/07/2009) Estabelece princípios, fundamentos e diretrizes para a educação,

Leia mais

Leitura e Literatura

Leitura e Literatura MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO BÁSICAB Diretoria de Políticas de Formação, Materiais Didáticos e de Tecnologias para Educação BásicaB Leitura e Literatura Dia e Semana Nacional da Leitura

Leia mais

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II

A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II 1 A ABORDAGEM DA GEOMETRIA COM CRIANÇAS NA PRÉ-ESCOLA: NÍVEL II Donizeth Henrique Aleluia Vieira 1 Paula Rodrigues de Souza 2 Suely Miranda Cavalcante Bastos 3 Resumo: Juntamente com o campo dos Números

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA

O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA O EMPREENDEDORISMO NA EDUCAÇÃO BÁSICA PÚBLICA Genilson José da Silva Universidade Federal da Paraíba genilsonjos27@gmail.com Maria das Graças de Almeida Baptista Universidade Federal da Paraíba - mgabaptista2@yahoo.com.br

Leia mais

A Companhia dos amigos na floresta das emoções

A Companhia dos amigos na floresta das emoções A Companhia dos amigos na floresta das emoções Promoção de competências sócio-emocionais de crianças pré-escolares Caderno Divulgação 2015 Associação A Companhia dos amigos na floresta das emoções Propomos

Leia mais

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE

I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE I SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO SUPERIOR NA COMUNIDADE DE PAÍSES DE LÍNGUA PORTUGUESA CPLP CARTA DE PORTO ALEGRE O I Seminário Internacional de Educação Superior na Comunidade de Países de Língua

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA

A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A ESCOLA CATÓLICA, UMA INSTITUIÇAO DE ENSINO COM MÍSTICA EVANGELIZADORA A escola católica será uma instituiçao com mística evangelizadora UMA ESCOLA A SERVIÇO DA PESSOA E ABERTA A TODOS UMA ESCOLA COM

Leia mais

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor.

A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A divulgação desta apresentação por Cd-Rom e no Web site do programa Educação do Instituto do Banco Mundial e feita com a autorização do autor. A ESCOLA PRECISA SER VISTA COMO UMA UNIDADE FUNDAMENTAL PARA

Leia mais

Ministério do Esporte

Ministério do Esporte A CULTURA CORPORAL DO MOVIMENTO HUMANO E O ESPORTE EDUCACIONAL Ministério do Esporte OBJETIVOS: 1. Reivindicar e demarcar as fronteiras da cultura corporal do movimento humano (CCMH) como um espaço próprio

Leia mais

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT

A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT A UNIVERSIDADE E OS PROJETOS SOCIAIS: PROJETO RONDON COOPERAÇÃO ENTRE A UNIVERSIDADE E COMUNIDADES DO ESTADO DO MATO GROSSO / MT Myrian Lucia Ruiz Castilho André Luiz Castilho ** A educação é um direito

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local

RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local RESPONSABILIDADE SOCIAL: a solidariedade humana para o desenvolvimento local 1 Por: Evandro Prestes Guerreiro 1 A questão da Responsabilidade Social se tornou o ponto de partida para o estabelecimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS

UNIVERSIDADE ABERTA AOS MOVIMENTOS SOCIAIS 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA UNIVERSIDADE

Leia mais

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA

EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA EVASÃO ESCOLAR DE ALUNOS TRABALHADORES NA EJA OLIVEIRA, Paula Cristina Silva de Faculdade de Educação/UFMG EITERER, Carmem Lúcia. (Orientadora) Faculdade de Educação/UFMG RESUMO: Este é um trabalho de

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Campanha Nacional de Escolas da Comunidade CNEC Regulamento de Projeto Integrador dos Cursos Superiores de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Segurança da Informação e Sistemas para Internet

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas

Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Projeto Político-Pedagógico Estudo técnico de seus pressupostos, paradigma e propostas Introdução A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional afirma que cabe aos estabelecimentos de ensino definir

Leia mais

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental

Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Carta da Terra: Consciência e cidadania socioambiental Luciana Vieira Professora efetiva rede estadual de ensino de Santa Catarina e doutoranda em Ensino de Geografia/UFRGS lucianageografia1996@gmail.com

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski

Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa. Prof. Juliana Pinto Viecheneski Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa Prof. Juliana Pinto Viecheneski LIVRO DIDÁTICO ONTEM E HOJE A escola tem um papel fundamental para garantir o contato com livros desde a primeira infância:

Leia mais

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL

DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL DESMISTIFICANDO A EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL Lisandra Marisa Príncepe Faculdade Sumaré lisandra.marisa@sumare.edu.br Juliana Diamente Faculdade Sumaré juliana.diamente@sumare.edu.br RESUMO: Neste texto, discutem-se

Leia mais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais

Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Sociais Metodologia I nvestigativa Escolha de uma situação inicial: Adequado ao plano de trabalho geral; Caráter produtivo (questionamentos); Recursos (materiais/

Leia mais

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA

A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA A ARTE NA FORMAÇÃO CONTÍNUA DE PROFESSORES DO ENSINO FUNDAMENTAL: EM BUSCA DE UMA PRAXE TRANSFORMADORA Sumaya Mattar Moraes Mestranda na Área de Linguagem e Educação da FEUSP Esta pesquisa coloca em pauta

Leia mais

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo)

Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Artigo: Educação e Inclusão: Projeto Moral ou Ético. Autora: Sandra Dias ( Buscar na internet o texto completo) Os ideais e a ética que nortearam o campo da educação Comenius: A educação na escola deve

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados

Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Não Era uma Vez... Contos clássicos recontados escrito por Vários autores Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios práticos

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA A PRÁTICA PEDAGOGICA DOS PROFESSORES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Jadson Gilliardy Barbosa de Souza¹; Maria Aparecida Alves Sobreira Carvalho 2 ; Valmiza da Costa Rodrigues Durand 3. Instituto Federal da Paraíba-

Leia mais

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz

AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO. Projeto do. CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DE FRAGOSO Projeto do CLUBE É-TE=igual? Equipa Dinamizadora: Elisa Neiva Cruz Uma ação educativa de abertura para a comunidade Ano letivo 2014/2015 Índice 1. Introdução

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação

4 EIXOS ORGANIZADORES DOS CONTEÚDOS HISTÓRIA GEOGRAFIA ENSINO RELIGIOSO. Informações, Comunicação e Interação 1 TÍTULO DO PROJETO Bíblia Sagrada Livro de Provérbios. 2 SÉRIE/CICLO 3ª Série 1ª Etapa do 2º Ciclo 3 AUTORA Rosângela Cristina Novaes Balthazar Curso: Pedagogia 6º Período Noite E-mail: rocryss@yahoo.com.br

Leia mais

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade

Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Resumo Aula-tema 01: A literatura infantil: abertura para a formação de uma nova mentalidade Pensar na realidade é pensar em transformações sociais. Atualmente, temos observado os avanços com relação à

Leia mais

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades.

principalmente na UFES (três), na UFSCar (dois) e a UERJ (dois). Em 2005 a produção tem ápice com doze estudos em diferentes universidades. A PRODUÇÃO CIENTÍFICA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL/INCLUSÃO ESCOLAR NA PERSPECTIVA DA PESQUISA-AÇÃO: REFLEXÕES A PARTIR DE SEUS CONTEXTOS Mariangela Lima de Almeida UFES Agência Financiadora: FAPES Num contexto

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE

PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE PORTARIA Nº 123 DE 28 DE JULHO DE 2006. O Presidente, Substituto, do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira - INEP, no uso de suas atribuições, tendo em vista a Lei nº 10.861,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS

UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS UTILIZAÇÃO DE MAQUETES COMO RECURSO DE ENSINO EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL NOS ANOS 6º ANOS Resumo Regiane Aparecida Kusman 1 - TUIUTI-PR Grupo de Trabalho - Educação e Meio Ambiente Agência Financiadora: não

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais