Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS"

Transcrição

1 MPLS Paulo Aguiar

2 Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens de magnitude menor do que em roteadores típicos; Na década de 90, operadoras vinham usando redes NBMA no backbone Eficiência, versatilidade e economia de escala para oferta de múltiplos serviços; Linhas de padronização: uso de rede IP como overlay IETF: IP-Clássico ATM Forum: LANE; MPOA (multiple protocol over ATM)

3 Antecedentes Vantagens potenciais das propostas Baixo atraso em comutação e QoS Desvantagens das propostas Não exploram adequadamente QoS Protocolos e mecanismos de sinalização aumentam a complexidade da configuração, manutenção e operação das redes overlay Não implementam engenharia de tráfego ao nível do IP

4 Evolução do MPLS Várias propostas de comutação IP em 1996 Ipsilon IP-Switching Cisco Tag-Switching (Cisco) IBM ARIS (Aggregate Route IP Switching) Toshiba CSR (Cell Switch Router) Problema: soluções proprietárias

5 Evolução do MPLS Grupo de trabalho MPLS do IETF Encontro inicial BOF MIT, novembro de ª Reunião do IETF, dezembro de 1996 Criação de grupo de trabalho 38 ª Reunião do IETF, abril de 1997 Primeira versão da arquitetura e ambiente 39 ª Reunião do IETF, agosto de 1997

6 MPLS: Idéia Básica Internet LSR de ingresso LSR LSP LSR de egresso Internet Adiciona rótulo ao tráfego entrante MPLS Comuta baseado no rótulo Remove rótulo do tráfego sainte e encaminha pacote IP Criar uma nuvem MPLS no backbone da rede Dentro da nuvem, pacotes seguem caminhos chaveados por rótulo chamados LSP (label switched path) Uso de LSR (label switch router) Alocação, associação e distribuição de rótulos

7 MPLS: Idéia Básica Para pacote entrante, identificar fluxo e associá-lo a uma classe FEC (Forwarding Equivalence Class) FEC: grupo de pacotes encaminhados da mesma maneira, pelo mesmo LSP e com mesmo tratamento A cada hop da LSP, usar o rótulo apropriado Rótulo associado a FEC tem significado local Rótulos são pequenos (20 bits) e de tamanho fixo Dentro da nuvem MPLS, somente podem trafegar pacotes rotulados

8 MPLS: Idéia Básica Comutar tráfego, baseando-se no rótulo Facilidade pelo uso de rótulos de tamanho curto e fixo Funções simples tais como procurar em tabela, trocar rótulos e possivelmente decrementar e checar um TTL (time to live) Rótulo tem que ter significado para o próximo LSR no sentido do fluxo ( ou seja, downstream), ou seja, foi de fato atribuído pelo LSR downstream Atribuir e distribuir rótulos dentro da nuvem MPLS

9 Seleção de Rota: Paradigmas Roteamento hop-by-hop Na montagem do LSP, LSR escolhe o próximo hop de forma independente Decisão de alterar o próximo hop é local Recuperação de uma falha de roteamento é local Roteamento explícito Manual: engenharia de tráfego (RSVP-TE) Dinâmico: usa os protocolos de roteamento conhecidos como OSPF, BGP, PNNI se enlace é ATM, etc, e LSP é montada pelo encaminhamento definido por esses protocolos

10 Atribuição de rótulo Envolve a alocação e a associação de um rótulo a uma rota Formas de atribuição Dirigida à topologia (Topology-driven) Dirigida à requisição (Request-driven) Dirigida ao tráfego (Traffic-driven)

11 Atribuição de Rótulo Dirigida à Topologia Rótulos atribuídos em resposta ao processamento normal do tráfego de controle do protocolo de roteamento (como OSPF ou BGP). LSR, ao alterar ou adicionar entradas para redes de destino nas tabelas de roteamento em resposta às atualizações de OSPF ou BGP, pode atribuir rótulos a essas entradas Propriedades Carga computacional (atribuição e distribuição) e a banda utilizada (distribuição) são associadas ao tamanho da rede Rótulos são em geral pré-atribuídos Quando pacote chega ao MPLS, ele já encontra o rótulo definido e a adição de rótulo e encaminhamento ocorre sem latência adicional Rótulos podem ser atribuídos sem serem nunca usados

12 Atribuição de Rótulo Dirigida à Requisição Rótulos atribuídos em resposta a requisições baseadas em tráfego de controle (como RSVP) Um LSR, ao processar mensagens RSVP (solicita reserva antecipada de recurso para um determinado tráfego IP), pode atribuir rótulos ao FEC correspondente Propriedades Carga computacional associada à intensidade do tráfego de controle (processamento de vários fluxos RSVP) Rótulos são em geral pré-atribuídos Pode requerer grande número de rótulos, se comparado com o modelo orientado à topologia

13 Atribuição de Rótulo Dirigida ao Tráfego de Dados Chegada de dados a LSR gera atribuição de rótulo Custo (atribuição e distribuição) é função do tráfego Se quantidade de rótulos é limitada, o overhead devido à atribuição e distribuição de rótulos cresce em função do número e persistência dos fluxos Fluxos de curta duração causam muito overhead, requerendo alta performance em todas as operações (classificação de pacotes, atribuição e distribuição de rótulos) Propriedades Latência associada à aparição de fluxo e atribuição de rótulo Reduz o consumo de rótulos

14 Distribuição e Encaminhamento: Questões Essenciais A informação de roteamento hop-by-hop é utilizada para atribuir e distribuir rótulos aos pares LSR Em geral, LSR usa rótulo definido pelo LSR que é o próximo hop relativamente a um fluxo (dowstream) Por sua vez, o LSR aloca e distribui rótulos para LSRs acima no fluxo (upstream) O conjunto de rótulos concatenados define um LSP LSR A Y LSR B X LSR C fluxo rótulo Y rótulo X

15 Atribuição de Rótulos Independente Um LSR, ao notar que ele reconheceu um FEC em particular, toma a decisão de associar um rótulo a este FEC de forma isolada e independente Ordenada LSR apenas associa rótulo a um FEC específico, se ele é o LSR de egresso para este FEC, ou se ele já recebeu uma associação de rótulo para o FEC vinda de LSR downstream LSR é nó de egresso relativo a um fluxo, se o próximo nó não for um LSR, ou se estiver fora do limite de roteamento Y LSR B X fluxo LSR de ingresso LSR de egresso

16 Distribuição de Rótulos Downstream não solicitada Downstream sob demanda

17 Distribuição de Rótulos Downstream não solicitada Permite que LSR distribua a associação para o LSR upstream, sem que tenha havido uma requisição explícita LSR B LSR de ingresso rótulo Y para FEC LSR de egresso fluxo LSR B pode ter conhecido um novo FEC (a partir, por exemplo, de uma nova entrada na tabela de roteamento) e decide repassar o rótulo para o LSR upstream sem consulta ou solicitação prévia

18 Distribuição de Rótulos Downstream sob demanda LSR requisita explicitamente ao próximo LSR downstream a atribuição de um rótulo para um determinado FEC LSR B aloque rótulo para FEC fluxo LSR de ingresso rótulo X LSR de egresso

19 Granularidade do FEC FEC pode corresponder a múltiplos fluxos Tipos de granularidade Prefixo IP (qq tamanho entre 0 e 32 bits - IPv4) Problema de escalabilidade para LSRs com espaço de rótulo limitado Roteador de saída (32 bits - IPv4) Todos os destinos IP que compartilham um roteador de egresso comum seguem o mesmo LSP, a partir do LSR de ingresso Baseada na aplicação Granularidade mais fina Adequada para rede de campus, mas inadequada para uso em backbone de grande capacidade pela falta de escalabilidade

20 FEC e LSP Internet LSR de ingresso LSP1 LSR de egresso Internet Fluxo associado a um único FEC LSP2 FEC associado a dois LSPs FEC pode estar associado a diferentes LSPs, representados por rótulos diferentes Permite escolha de rota alternativa

21 FEC e LSP Internet LSR de ingresso LSP LSR de egresso Internet Fluxos associados a diferentes FECs FECs associados a um mesmo LSP LSP (e rótulo correspondente) pode estar associado a diferentes FECs

22 Exemplo (em sala) Tunelamento IP através de operadora IP Tunelamento IP através de operadora MPLS Tunelamento MPLS através de operadora IP

23 Pilha de rótulos Uma pilha de rótulos pode ser formada como uma seqüência de entradas de 4 octetos (32 bits) Rótulo - 20 bits CoS (Classe de Serviço) - 3 bits Uso experimental TTL (Tempo de Vida) - 8 bits; B - Fim da pilha (bottom of stack) - 1 bit Indica se o rótulo é o último no caso de uma pilha de rótulos Permite a existência de múltiplos rótulos entre os cabeçalhos de enlace e o cabeçalho IP rótulo CoS B TTL

24 Hierarquia de LSPs E F G C D H I A B J K Caminho Físico do Pacote P: ABCDEFGHIJK 3 LSPs: ABJK; BCDHIJ & DEFGH ABJK BCDHIJ DEFGH

25 LSP ABJK E F G C D H I A B J K pacote

26 LSP ABJK E F G C D H I A B J K rótulo B A pacote

27 LSP BCDHIJ E F G C D H I A B J K rótulo C B rótulo B A J B pacote

28 LSP BCDHIJ E F G C D H I A B J K rótulo C B D C rótulo B A J B pacote

29 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo E D rótulo H D D C rótulo J B pacote

30 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo E D F E rótulo H D rótulo J B pacote

31 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo G F F E rótulo H D rótulo J B pacote

32 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo H G G F rótulo H D rótulo J B pacote

33 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo H D I H rótulo J B pacote

34 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo I H J I rótulo J B pacote

35 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K rótulo K J J B pacote

36 LSP DEFGH E F G C D H I A B J K pacote

37 Empilhamento de rótulos & Roteamento Hierárquico Empilhamento de rótulos oferece versatilidade do tunelamento IP-IP (loose source routing) Mantém a identidade dos vários fluxos quando eles são agregados em um único LSP Permite pontos de desagregação de fluxos de pacotes Analogia com o ATM no caso do tunelamento baseado em VP Diferença: enquanto o ATM possui somente uma hierarquia em 2 níveis (VPI e VCI), o MPLS fornece uma hierarquia multinível

38 Empilhamento de rótulos & Roteamento Hierárquico (cont.) Dois LSRs, A e B, adjacentes em um LSP para o pacote P, podem ser separados por um outro LSP, caso A faça o push de um novo rótulo (tunelamento) Decisões de encaminhamento Baseadas somente no topo da pilha Independente da profundidade da pilha

39 Protocolo LDP Conjunto de procedimentos e mensagens usados para estabelecer caminhos chaveados por rótulo LSR e equipamentos de borda da nuvem MPLS têm que suportar LDP

40 Operação LDP Espaços de Rótulos (rótulo Spaces) Espaço por interface Para interfaces que utilizam recursos próprios para rótulos; Ex.: ATM utiliza VPI/VCI e Frame Relay utiliza DLCI, para as conexões virtuais Espaço por plataforma Para interfaces que podem compartilhar os mesmos rótulos

41 Operação LDP NHLFE (Next Hop Label Forwarding Entry) Usado quando repassando um pacote com rótulo Informações no NHLFE Próximo nó do pacote, encapsulamento a ser usado e forma de codificar a pilha de rótulos na retransmissão do pacote Operações a serem realizadas na pilha de rótulos Substituir rótulo no topo da pilha por um novo rótulo Remover a pilha de rótulos Substituir rótulo no topo da pilha com um novo rótulo, e então acrescentar um ou mais rótulos a esta pilha

42 Operação LDP ILM (Incoming Label Map) ILM mapeia cada rótulo de chegada a um conjunto de NHLFEs Permite identificar rotas alternativas Usado quando repassando pacote que chega com rótulo

43 Operação LDP FTN (FEC - to - NHLFE Map) Mapeia cada FEC a um conjunto de NHLFEs Usado quando encaminhando pacotes que chegam sem rótulo, os quais devem ser associados a um rótulo antes de serem encaminhados

44 Mensagens LDP Existem 4 categorias de mensagens Discovery Messages Usadas para anunciar e manter a presença de um LSR na rede Session Messages Usadas para estabelecer, manter e terminar sessões entre nós LDP Advertisement Messages Usadas para criar, mudar e apagar o mapeamento de labels para FECs Notification Messages Usadas para fornecer informações e para sinalizar situações de erro

45 Descoberta LDP Procedimento básico permite que um LSR descubra nós LDP em potencial em LSRs vizinhos conectados diretamente no enlace Procedimento Msgs HELLO periódicas em pacote UDP para porta LDP de descoberta do end multicast de todos os roteadores da subrede HELLO carrega o identificador LDP para o espaço de rótulos pretendido para a interface e possivelmente informação adicional Recebimento de HELLO identifica uma adjacência com um nó LDP alcançado no nível de enlace, bem como o espaço de rótulo pretendido para aquela interface

46 Descoberta LDP Mecanismo de descoberta estendido permite descobrir LSR que não está diretamente conectado Procedimento Envio periódico de msgs HELLO direcionadas para um endereço IP específico, enviadas como pacotes UDP endereçados para uma porta LDP de descoberta de um endereço específico Este mecanismo é assimétrico, enquanto o básico é simétrico

47 Encapsulamento MPLS Encapsulamento Genérico (MPLS-SHIM) Usado em interfaces PPP e interfaces LAN Codifica uma pilha de labels como um SHIM (camada extra) entre os cabeçalhos de enlace de dados e de rede O cabeçalho do enlace de dados deve ter um código de protocolo o qual identifica o quadro como contendo um pacote MPLS

48 Encapsulamento MPLS MPLS-MAC Codifica o topo da pilha de rótulos diretamente no cabeçalho MAC, ou seja, o campo DA (Destination Address) deve ser redefinido da seguinte forma: OUI PREFIX LABEL COS S OUI PREFIX (24 bits) - usado para indicar a presença de um rótulo MPLS, ao invés de um endereço MAC no campo DA LABEL rótulo de 20 bits COS - Reservado para uso experimental (3 bits) Bottom of Stack (S) em 1 para a última entrada da pilha e em 0 para todas as outras

49 Comparação de MPLS-SHIM e MPLS-MAC MPLS-SHIM preserva campos SA e DA Não afeta o aprendizado pelo endereço fonte Não afeta ferramentas de monitoração atuando nestes campos MPLS-MAC altera o uso normal dos campos DA e SA Deve prever algum procedimento para evitar que pontes inundem a rede com quadros contendo DA como rótulo DA não seria um MAC previamente conhecido em campo SA Problemas com campo SA sobrescrito Incompatibilidade com ferramentas de monitoração existentes Se o campo SA é sobrescrito nos quadros de controle, um overhead adicional é necessário

50 Solução para MPLS-MAC SENTIDO DO FLUXO LSR1 PONTE LSR2 Aloca rótulo a FEC UPSTREAM DOWNSTREAM LSR2 deve enviar, periodicamente, msg LDP com SA = rótulo e DA = MAC LSR1 Para todos os FECs LSR tem que ter driver Ethernet especial para reconhecer os diferentes rótulos MPLS-MAC e comutar o pacote adequadamente

51 MPLS - Questões Encaminhamento (forwarding) baseado em rótulo é mais rápido do que o encaminhamento baseado no prefixo mais longo? Roteadores atuais de alta performance encaminham pacotes com throughput e latência semelhantes à comutação IP Argumentação mais adequada MPLS oferece um mecanismo mais simples que pode melhorar a relação preço/desempenho

52 MPLS - Questões Outro aspecto importante: desacoplamento entre o encaminhamento e o roteamento dos pacotes Possibilidade de realizar funções variadas de roteamento sem necessitar de mudanças no encaminhamento Prevenção e deteção de loop: muitos argumentam que se trata de um problema do roteamento Consenso é utilizar esquemas para deteção/prevenção de loops

53 MPLS - Questões Distribuição independente x ordenada Independente Possível que nós MPLS realizem decisões inconsistentes do ponto de vista da granularidade dos fluxos Ordenada Atraso no estabelecimento da conexão Facilidades para oferecer classes de serviço Possibilita policiamento e prevenção/deteção de loop

54 MPLS - Questões Dirigido por controle x dirigido por tráfego? Dirigido por controle: setup do caminho iniciado por protocolos de controle do nível 3 Quando? Na atualização de roteamento e/ou requisição de reserva de recursos Como o setup é desacoplado dos pacotes de dados, não existe atraso relativamente ao uso do caminho comutado Problema de escalabilidade: pré-setup de todos os possíveis caminhos Define caminho comutado por domínio

55 MPLS - Questões Dirigido por tráfego Possibilidade de definir um caminho comutado fim a fim Atraso no estabelecimento do caminho comutado Necessidade de refresh periódico devido às alterações no roteamento

56 Vantagens do MPLS Permite LSRs mais simples dentro da nuvem Só capacidade de comutar e executar LDP Sem capacidade para classificar pacotes sem rótulos no conjunto de FECs Pode usar informação variada para associar FEC à rota no LSR de ingresso Cabeçalho IP e de maior nível, porta de entrada, roteador de ingresso na nuvem MPLS, etc Roteamento convencional só usa informação presente no pacote

57 MPLS e QoS Rota Explícita Em datagrama normal rota explícita é proibitiva MPLS torna a rota explícita possível no momento em que o LSP é estabelecido Importante para a engenharia de tráfego Integração com RSVP Possível uso de msgs PATH/RESV estendidas para distribuição de rótulo MPLS Permite sincronizar atribuição de rótulo ao estabelecimento de QoS Compatível com LDP downstream Em RSVP, reserva é definida pelo destino Suporta rota explícita

58 MPLS - Contexto Atual Constraint Based Routing é o processo que corresponde ao encontro de rotas sujeitas a alguma restrição como requisitos de banda e atraso MPLS & Constraint Based Routing são utilizados para controlar como o tráfego flui através de uma rede de modo a contornar o congestionamento Engenharia de Tráfego

59 Objetivos da Engenharia de Tráfego Facilitar uma operação eficiente e confiável dos recursos da rede Função indispensável em sistemas autônomos de grandes proporções Natureza competitiva e comercial da Internet Necessidade de operar com máxima eficiência Objetivos de desempenho na Engenharia de Tráfego Orientado ao tráfego Orientado ao recurso

60 Engenharia de Tráfego Orientado ao Tráfego Inclui os aspectos que melhoram a QoS dos fluxos Supondo uma única classe de serviço (melhor esforço) Minimização da perda de pacotes Minimização do atraso Maximização da vazão Orientado ao Recurso Otimização na utilização dos recursos Evita que partes da rede fiquem congestionadas e outras subutilizadas

61 Engenharia de Tráfego Função Central Minimização do congestionamento Banda passante ainda é o recurso mais escasso Congestionamento manifesta-se em 2 cenários Cenário 1: os recursos da rede são insuficientes ou inadequados com relação à carga oferecida Cenário 2: os fluxos de tráfego são mapeados insuficientemente nos recursos disponíveis Utilização excessiva de recursos em partes da rede e subutilização em outras partes

62 Engenharia de Tráfego O cenário 1 é solucionado através de: Expansão da capacidade Técnicas de congestionamento clássicas que regulam a demanda Limitação da taxa de acesso, janela de controle de fluxo Gerenciamento das filas dos roteadores Técnicas de escalonamento, modelagem de tráfego O cenário 2 resulta de alocação insuficiente Técnica básica: políticas de balanceamento de carga

63 Engenharia de Tráfego Limitações dos IGPs (Interior Gateway Protocols) atuais: protocolos dirigidos pela topologia As características de tráfego e disponibilidade de banda não são levadas em conta no momento do roteamento O congestionamento neste caso ocorre quando os caminhos mais curtos de vários fluxos convergem para enlaces específicos ou interfaces de roteadores Esta situação ocorre mesmo quando existem caminhos alternativos com excesso de capacidade

64 Eng. de Tráfego - Controle Baseado em Métrica 1 B 1 C 1 A 4 D Caso A envie grande quantidade de tráfego para C e D os links A-B e B-C vão ficar congestionados porque os tráfego A->C e A->D vão fluir nestes mesmos links Se a métrica de A-D for alterada para 3 o fluxo A->D será movido para o enlace A-D e o fluxo A->C continuará em A-B-C

65 O MPLS e a Eng. de Tráfego O MPLS pode, potencialmente, dirigir o tráfego para longe da parte congestionada da rede A Arquitetura de Serviços Integrados e os Serviços Diferenciados do IETF não têm esta capacidade Nas redes atuais, as rotas entre 2 roteadores são determinadas pelos protocolos de roteamento Administradores não possuem qualquer controle neste caso O MPLS provê mecanismo que permite à fonte definir rotas explícitas para o destino Caso o caminho mais curto entre 2 nós encontre-se congestionado, os administradores de rede podem definir uma rota explícita de modo a deslocar o tráfego

66 O MPLS e a Eng. de Tráfego A possibilidade de definir rotas explícitas é uma das características mais úteis do MPLS Um LSP pode ser considerado como um túnel Quando um pacote entra no ponto de início, o caminho é completamente determinado Muito mais eficiente do ponto de vista do overhead de cabeçalho do que os outros mecanismos de tunelamento Através de uma arquitetura de serviços diferenciados e MPLS, os gigarouters poderão oferecer QoS e engenharia de tráfego

67 Referências sobre MPLS IETF working groups ( MPLS: Leitura Básica BGP/MPLS VPNs, RFC 2547 A Framework for IP Based Virtual Private Networks, RFC-2764 Requirements for Traffic Engineering Over MPLS, RFC 2702 (1999) MPLS Multiprotocol Label Switching Architecture, RFC 3031 (2001) Use of Label Switching on Frame Relay Networks Specification, RFC-3034 RSVP-TE: Extensions to RSVP for LSP Tunnels, RFC 3209 (2001) Multi-Protocol Label Switching (MPLS) Support of Differentiated Services, RFC-3270 Overview and Principles of Internet Traffic Engineering, RFC 3272 Overview of IP Multicast in a Multi-Protocol Label Switching (MPLS) Environment, RFC-3353 (2002) Applicability Statement for Traffic Engineering with MPLS, RFC (2002)

68 Referências sobre MPLS Leitura mais atual A Per-Domain Path Computation Method for Establishing Inter-Domain Traffic Engineering (TE) Label Switched Paths (LSPs), RFC 5152 (08) Inter-Domain MPLS and GMPLS Traffic Engineering -- Resource Reservation Protocol-Traffic Engineering (RSVP- TE) Extensions, RFC 5151 (08) Framework for MPLS-TE to GMPLS Migration, RFC 5145 (08) A Framework for Inter-Domain Multiprotocol Label Switching Traffic Engineering, RFC 4726 (06) Livro A Internet e Seus Protocolos, Adrian Ferrel, Editora Campus (2005)

69 MPLS extras Paulo Aguiar

70 Interconectividade Túneis ponto a ponto de nível 2 (L2VPN) 2 MPLS VPNs L2TPv3 (layer 2 tunneling protocol version 3) Alternativa a MPLS para encapsular protocolos de nível2 sobre IP: Martini draft, RFC 3931 Serviço n-para-n Virtual Private Lan Service (VPLS) Túneis ponto a ponto de nível 3 (L3VPN)

71 VPLS Provedor emula funcionalmente uma switch ou ponte para criar um domínio Ethernet comutado sobre uma rede IP/MPLS Faz uso de pseudo-wires Tecnologias: MPLS, L2TPv3, GRE RFCs 4761 e 4762

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA SALVADOR Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA Ana Júlia Freitas Pinheiro 1 e-mail: anajulia@ufba.br Claudio Guido S. Cardoso 1 e-mail: claudioc@ufba.br Gustavo Bittencourt Figueiredo 12 e-mail:

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL)

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Morvan Daniel Müller UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) Dissertação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

Redes de computadores. Redes para Internet

Redes de computadores. Redes para Internet Redes de computadores Redes para Internet Milhões de elementos de computação interligados: hospedeiros = sistemas finais Executando aplicações distribuídas Enlaces de comunicação fibra, cobre, rádio, satélite

Leia mais

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Msc. Adilson Eduardo Guelfi Msc. Frank Meylan Prof. Dr. Sérgio Takeo Kofuji Comunicação entre Sub-redes IP Comunicação CLIP Servidor ARP Mapeamento de endereços

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

MPLS Multiprotocol Label Switching

MPLS Multiprotocol Label Switching MPLS Multiprotocol Label Switching FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela MPLS Multiprotocol Label Switching O IETF desenvolveu uma arquitectura designada Multiprotocol Label Switching (MPLS), que se encontra

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Universidade Santa Cecícila Prof. Hugo Santana Introdução requisitos mínimos de largura de banda, engenharia de tráfego e QoS. convergência das tecnologias (voz e vídeo

Leia mais

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Universidade Católica de Brasília Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Projeto Final I Monografia MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Alunos: Geovani Sorrentino 97/5602-7 Igor

Leia mais

MPLS- Multiprotocol Label Switching

MPLS- Multiprotocol Label Switching MPLS- Multiprotocol Label Switching Trabalho realizado por: João Pinto nº 56 798 Justimiano Alves nº 57548 Instituto Superior Técnico Redes Telecomunicações 200/2010 Rede MPLS Introdução. Definição. Motivação.

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT

Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Protocolo IPv4, cálculo de sub-rede, Classless InterDomain Routing- CIDR e Endereçamento Network Address Translation-NAT Apresentar os conceitos da camada de rede e seus principais protocolos. Camada de

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes

Projeto de Redes de Computadores. Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Projeto do Esquema de Endereçamento e de Nomes Lembrar a estrutura organizacional do cliente ajuda a planejar a atribuição de endereços e nomes O mapa topológico também ajuda, pois indica onde há hierarquia

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS

Leia mais

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito IP sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Razões para ter-se IP sobre ATM O IP é o padrão predominante nas redes de dados. O ATM oferece qualidade de serviço e permite a implementação de comutadores de

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY SÃO PAULO 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Gabriel

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES

Rot. #1. Metro Eth. Rot. #3 Rede. IP over SDH. GigaEth. Rot. #2. Rot. #4 LAN Eth. LAN Eth. Sw1 LAN. GigaEth INTERCONEXÃO DE REDES DE COMPUTADORES INTERCONEXÃO DE REDES LOCAIS COM ROTEADORES POR QUE NÃO SÓ PONTES? LANs podem ser conectadas entre si com pontes (bridges) Por que não usar sempre pontes para construir redes grandes? Pontes não fazem

Leia mais

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation

A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação. NAT Network Address Translation A importância de uma NAT e de uma VPN para a segurança da informação NAT Network Address Translation A funcionalidade de NAT consiste no procedimento de translado de endereços de uma rede para a outra.

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Aula 7 Protocolos de roteamento:

Aula 7 Protocolos de roteamento: Aula 7 Protocolos de roteamento: Roteamento Estático; Roteamento dinâmico. Camada de rede A camada de rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. Para que se chegue ao destino,

Leia mais

Aplicação de QoS sobre MPLS em equipamentos Cisco

Aplicação de QoS sobre MPLS em equipamentos Cisco UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS, GERÊNCIA E SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES ROGER FONSECA NOGUEIRA Aplicação de QoS sobre MPLS

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

TRANSMISSÃO DE DADOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 3-1. A CAMADA DE REDE (Parte 1) A camada de Rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. No entanto, chegar ao destino pode envolver vários saltos em roteadores intermediários.

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

Roteamento na Internet

Roteamento na Internet Roteamento na Internet IntraAS RIP OSPF InterAS BGP RIP Protocolo de informação de roteamento (Routing Information Protocol) Definido nas RFCs 1058 (versão 1) e 2453 (versão 2) RIPng IPv6 Protocolo de

Leia mais

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Filipe M. S. Serpa Brandão 1, Sergio C. Oliveira 2 1 FITec Fundações para Inovações Tecnológicas Universidade de Pernambuco (UPE) Recife, Brasil 2 Universidade

Leia mais

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FHILIPE GUIMARÃES DE LINHARES OUTRAS APOSTILAS EM: www.projetoderedes.com.br Avaliação de desempenho de

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Coexistência sem suporte de QoS (Qualidade de Serviço) LAN Emulation (LANE) Classical IP over ATM (CLIP) Coexistência com suporte de

Leia mais

TRANSMISSÃO DE DADOS

TRANSMISSÃO DE DADOS TRANSMISSÃO DE DADOS Aula 5: Comutação Notas de aula do livro: FOROUZAN, B. A., Comunicação de Dados e Redes de Computadores, MCGraw Hill, 4ª edição Prof. Ulisses Cotta Cavalca

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Marcelo Gonçalves Rubinstein Programa de Pós-Graduação em Engenharia Eletrônica Faculdade de Engenharia Universidade do Estado do Rio de Janeiro Ementa Introdução a Redes de

Leia mais

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins

Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Redes de Computadores Prof. Sergio Estrela Martins Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA

Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA Luciano Martins *, Adelmo Alves Avancini, Atílio Eduardo Reggiani, Rege Romeu Scarabucci A rede experimental do Projeto GIGA

Leia mais

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador

A camada de rede. A camada de rede. A camada de rede. 4.1 Introdução. 4.2 O que há dentro de um roteador Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo A camada de rede.1 Introdução.2 O que há dentro de um roteador.3 IP: Protocolo da Internet Endereçamento IPv. Roteamento.5 Roteamento na Internet (Algoritmos

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS

Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Uma Proposta de Implementação de um Módulo de Reroteamento Dinâmico de Túneis LSPs para a Ferramenta de Simulação GLASS Klenilmar L. Dias 1,2, Klissiomara L. Dias 2, Antônio J. G. Abelém 1, Kelvin L. Dias

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Departamento de Informática UFPE Redes de Computadores Nível de Redes - Exemplos jamel@cin.ufpe.br Nível de Rede na Internet - Datagramas IP Não orientado a conexão, roteamento melhor esforço Não confiável,

Leia mais

Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT

Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade. Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Redes Multiple Protocol Label Switching (MPLS) Redes de Longa Distância e Alta Velocidade Prof. Dr. Ruy de Oliveira IFMT Multi Protocol Label Switching - MPLS Mecanismo eficiente de encapsulamento Pacotes

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Adelmo Avancini Luciano Martins 08 de dezembro de 2006 www.cpqd.com.br Agenda Projeto GIGA Topologia da rede GIGA VPLS no mercado

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Características Roteamento Professor Rene - UNIP 1 Roteamento Dinâmico Perspectiva e histórico Os protocolos de roteamento dinâmico são usados

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Roteamento IP Redes de Computadores Objetivo Conhecer o modelo de roteamento da arquitetura TCP/IP Entender os conceitos básicos de algoritmo, métrica, tabela e protocolos de roteamento

Leia mais

Estudo de QoS IP sobre redes ATM

Estudo de QoS IP sobre redes ATM Estudo de QoS IP sobre redes ATM Projeto REMAV-Salvador Universidade Federal da Bahia Av. Adhemar de Barros, s/n, 40170-110 Salvador-BA Gustavo Bittencourt Figueiredo 1 guto@ufba.br Daniel Macêdo Batista

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. O que é IP O objetivo deste tutorial é fazer com que você conheça os conceitos básicos sobre IP, sendo abordados tópicos como endereço IP, rede IP, roteador e TCP/IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE

Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Modelo para Análise e Otimização de Backbone para Tráfego IPv6 utilizando MPLS-TE Roberto J. L. Mendonça 1, Alessandra B. S. Almeida 2 1 Superintendência de Operações Serviço Federal de Processamento de

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais