Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching."

Transcrição

1 MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias mais utilizadas para criação de circuitos virtuais. Sua principal aplicação é a venda de caminhos, com garantias de qualidade de serviço, para clientes corporativos. A configuração de um caminho MPLS pode ser feito de maneira manual ou automática. A configuração automática é feita através de protocolos de sinalização especializados para o MPLS denominados "Protocolos de Distribuição de LABELs". Nesse módulo serão vistos os principais conceitos do MPLS, incluindo os principais protocolos de distribuição de LABELs.

2 MPLS X Roteamento Tadicional (Hop by Hop) Nova demanda 50 Mbps para /5 Melhor caminho: Para /4: - -3 Para /4: Mbps para /5 Cliente 50 Mbps para /4 Gbps [900] 00Mbps [50] 4 00Mbps [0] Gbs [900] 00Mbps [00] 00Mbps [00] 00Mbps [50] / / /5 5 00Mbps [50] /4 O MPLS: Multiprotocol LABEL Switching foi originalmente proposto pelo IETF em 997, como uma solução para acelerar o processo de roteamento na Internet. A idéia principal por trás do MPLS era introduzir uma técnica de comutação por rótulos, similar a existente nas tecnologias Frame-Relay e ATM. A técnica de comutação por rótulos (LABEL Switching) é considerada mais eficiente que a técnica Hop by Hop usada pelo protocolo IP. No protocolo IP, o endereço de destino de um pacote pode estar contido em múltiplas rotas de destino ao mesmo tempo. Por exemplo, o endereço pode estar nas rotas /4, /6, /8 e até mesmo /0. Dessa forma, um roteador precisa localizar a melhor rota para encaminhar um pacote. No MPLS, por outro lado, o próprio quadro traz um código que identifica a rota de destino de maneira única. Além disso, a técnica de comutação por rótulos permite definir múltiplos caminhos para um mesmo destino. Essa característica tornou o MPLS um instrumento primordial para engenharia de tráfego, pois ele permite uma melhor distribuição do tráfego pelas rotas alternativas que uma rede WAN oferece. Antes de discutir esse aspecto do MPLS, convém ilustrar porque o roteamento Hop-by-Hop é considerado inadequado para engenharia de tráfego. Considere o exemplo ilustrado na figura. Suponha que uma operadora de telecomunicações vendeu para um cliente um canal de 00 Mbps para a subrede /5 e 50 Mbps para a subrede /4. No roteamento hop-by-hop os pacotes são sempre roteados pelo caminho de menor custo. Considerando as velocidades dos enlaces, o caminho de menor custo para a rede /5 é --3 e para rede /4 é Suponha agora que a operadora deseja vender mais um canal de 50 Mbps para a rede /5. Considerando a velocidade dos enlaces, o melhor caminho para essa rede também é --3. Como o enlace -3 já está exaurido, o novo canal não pode ser vendido. Contudo, observando a rede, ainda seria possível alocar o canal usando o trajeto

3 Roteamento MPLS 3 LFIB LABEL Forwarding Information Base SE LABEL de entrada for ENTÃO enviar para com LABEL 00 Mbps para /5 com LABEL 0 Cliente if0 if / / /5 LSP: LABEL Switch Path /4 O MPLS utiliza uma técnica de roteamento denominada "comutação de rótulos" (LABEL switching), que é muito utilizada pelas tecnologias que permitem criar "circuitos virtuais", como o ATM e o Frame Relay. No MPLS, o termo LSP (LABEL Switch Path) é utilizado ao invés de circuito virtual, todavia seu significa é muito similar. Um LSP é um caminho fixo entre dois pontos da rede, definido como uma seqüência de enlaces de roteadores. Cada enlace de roteador usado por um caminho específico é identificado por um LABEL, de forma que um LSP é definido por uma seqüência de LABELs. Um LABEL é um número inteiro (de bits), contido no cabeçalho MPLS. O cabeçalho MPLS é colocado entre os cabeçalhos de enlace (camada ) e rede (camada 3) de cada pacote. Por essa razão o MPLS é classificado com sendo pertencente a camada.5 do modelo OSI. A figura ilustra o conceito de LSP e comutação por LABELs. Primeiramente, considere o caminho do cliente para a rede /5 (indicado em vermelho na figura). Esse LSP é definido como sendo a seqüência de LABELs Do ponto de vista do cliente, contudo, o caminho é identificado apenas como sendo LABEL 0. Para o cliente usar o caminho ele simplesmente configura a regra: "marcar com LABEL todos os pacotes direcionados para a rede /5). Cada roteador possui uma tabela que indica como encaminhar pacotes marcados com LABELs. Essa tabela denomina-se LFIB (LABEL Forwarding Information Base). A LFIB indica duas informações básicas: para onde enviar o pacote e com que valor de LABEL. O LABEL precisa ser trocado pelo roteador a fim de que não seja necessário ter um sistema centralizado para evitar o uso de LABELs repetidos. Usando a estratégia de comutação por LABELs, o valor dos LABELS tem significado apenas local ao enlace, isto é, os valores de LABEL podem ser repetidos em enlaces distintos, mesmo que pertençam ao mesmo caminho.

4 Roteamento MPLS 4 SE LABEL de entrada for ENTÃO enviar para com LABEL SE LABEL de entrada for ENTÃO enviar para com LABEL SE LABEL de entrada for 3 ENTÃO enviar para 4 com LABEL SE LABEL de entrada for ENTÃO enviar para 4 com LABEL SE LABEL de entrada for ENTÃO enviar para 3 com LABEL Cliente / / /5 LSP: LABEL Switch Path /4 A figura ilustra como ficaria o cenário considerando os três caminhos simultaneamente. Um caminho (LSP - LABEL Switched Path) é criado preenchendo-se as tabelas de encaminhamento de LABELs (LFIB) de todos os roteadores da rede. Essa tabela pode ser preenchida manualmente pelo administrador da rede quando o LSP é criado, ou automaticamente, utilizando protocolos de sinalização criados para o MPLS, como o RSVP-TE e o CR-LDP. Caso a tabela seja preenchida manualmente, caberá ao administrador a escolha dos valores dos LABELs. Os valores podem ser usados livremente, desde que não se use LABELS repetidos para caminhos distintos no mesmo enlace. Por exemplo, se o caminho vermelho for o primeiro a ser criado, poder-se-ia usar o mesmo valor de LABEL para todos os enlaces (LABEL=). Contudo, o LABEL= não pode ser mais usado para identificar o caminho verde no enlace de entrada do roteador. Dessa forma, foram escolhidos os LABELs e 3 para identificar os caminhos verde e azul. Observe que na saída do roteador, o caminho vermelho continua com LABEL= e o caminho verde continua com LABEL=. Contudo, o caminho azul foi comutador para LABEL=. Apesar do caminho azul e vermelho usarem o mesmo valor de LABEL, não existe conflito, pois se tratam de enlaces distintos. Quando as tabelas são preenchidas através de um protocolo de sinalização, a escolha do LABEL é feita pelo próprio roteador, simplesmente escolhendo um valor de LABEL aleatório que não tenha sido ainda usado em seu enlace. O roteador pode escolher esse LABEL sem necessidade de conhecer os outros LABELs usados na rede, o que justifica a estratégia de LABEL switching.

5 LSR x LER 5 Se destino REDE A então inserir LABEL e enviar para B Se destino REDE B então inserir LABEL e enviar para B pacotes sem rótulo pacotes com rótulo C LER de Egresso rede A A B E F G LER de Ingresso LSR pacotes com rótulo rede B pacotes sem rótulo Se chegar pacote LABEL, remover o LABEL e encaminhar para REDE A Se chegar pacote LABEL, remover o LABEL e encaminhar para REDE B Como sabemos, o roteamento puramente IP já estava bastante difundido quando o MPLS foi introduzido. Dessa forma, quando o MPLS é adotado por uma operadora de telecomunicações em seu backbone, é necessário criar mecanismos de conversão entre os pacotes puramente IP vindos dos clientes e os pacotes marcados com MPLS usados no backbone. Isto é, quando um cliente puramente IP injeta um pacote na rede o LABEL (ou rótulo) deve ser inserido, e quando o pacote deixa o domínio da operadora o LABEL deve ser removido para que os roteadores que não suportam MPLS possam interpretar o pacote. Dessa forma, podemos definir que em uma rede MPLS existem dois tipos de roteadores os LER (LABEL Edge Routers) e os LSR (LABEL Switch Routers). Roteadores LER ficam nas bordas de um domínio MPLS. Sua função é inserir ou remover o cabeçalho MPLS que contém os LABELs, fazendo o mapeamento entre o mundo IP e o MPLS. Já os roteadores LSR realizam operações de encaminhamento de pacotes usando unicamente as informações de LABEL. A figura ilustra esse conceito. Observe que os roteadores A e G são roteadores do tipo LER e os roteadores B, C, E e F são do tipo LSR. Um roteador do tipo LER possui uma tabela especial, que associa a cada rota possível de destino um LABEL. Devemos lembrar que os caminhos LSPs são sempre unidirecionais, sendo que os pacotes são sempre transmitidos de um nó de ingresso para um nó de egresso. Para se ter um caminho bidirecional entre os roteadores A e G é necessário criar dois LSPs distintos. Os roteadores LER podem ser de dois tipos: LER de ingresso (que faz a inserção do LABEL) e LER de egresso (que faz a remoção do LABEL). Observe que essa denominação é feita por caminho, isto é, um roteador LER pode se comportar como ingresso para um dado caminho, e como egresso para outro.

6 Forwarding Equivalence Class (FEC) 6 FEC /4 LSR LSR3 LER /4 LER LSR 3 FEC LSR4 LER /4 BE Se FEC inserir LABEL e enviar para LSR Se FEC inserir LABEL e enviar para LSR Se FEC3 inserir LABEL 3 e enviar para LSR FEC /4 EF Em uma tabela de roteamento IP, o destino é sempre uma sub-rede (isto é, um endereço de base e uma máscara de sub-rede). No MPLS, os destinos recebem uma denominação mais genérica denominada FEC (Forward Equivalence Class). Uma FEC é definida como um ou mais destinos para os quais os pacotes são encaminhados da mesma forma, isto é, seguindo sempre o mesmo LSP (LABEL Switch Path). O conceito de FEC permite a agregação de vários endereços, mesmo descontínuos, e a diferenciação de caminhos para um mesmo destino, mas para aplicações ou níveis de serviços distintos. A figura ilustra esse conceito. No exemplo, a FEC agrupa as sub-redes /4 e 55..0/4. Isto significa, que os pacotes enviados para qualquer uma dessas duas sub-redes seguirão sempre o mesmo caminho, pelo menos na parte da rede que está estrutura em MPLS. Após o LER de egresso, os pacotes podem seguir caminhos distintos, pois o roteamento passa a ser puramente IP. As FECs e 3 referem-se a mesma sub-rede /4. Contudo, a FEC representa o tráfego do tipo Best Effort e a FEC3 do tipo Expedited Forwarding. Usando duas FECs distintas permite que o tráfego EF siga um caminho com enlaces exclusivos, garantindo que os pacotes com esse tipo de marcação sofram pouco atraso. O roteador LER de ingresso (LER) possui uma tabela que relaciona cada uma das FEC a um LSP específico. O LER de ingresso é responsável por determinar por qual caminho cada pacote irá percorrer. As regras de mapeamento de LABELs nas FECs podem levar em conta diversos campos do pacote, como IP de origem, IP de destino, Tipo de Protocolo, byte DS (DSCP) ou, até mesmo, as portas do protocolo de transporte.

7 Cabeçalho MPLS e Empilhamento de LABELs 7 LABEL do topo LABEL empilhado Cabeçalho L 3 Cabeçalho L3 LABEL Exp 0 TTL LABEL Exp 0 TTL LABEL 3 Exp TTL O valor do campo S do último rótulo é 0 A estrutura do cabeçalho MPLS é mostrada na figura. Observe que o cabeçalho MPLS está situado entre os cabeçalhos das camada e 3. Por exemplo, o cabeçalho MPLS pode estar entre o cabeçalho Ethernet e o IP. Por essa razão, muitos autores situam o MPLS como um protocolo da camada.5. Um cabeçalho MPLS pode aparecer múltiplas vezes em um mesmo pacote, criando uma pilha de LABELs. Um roteador MPLS analisa sempre o LABEL que está no topo da pilha (isto é, o que está no cabeçalho mais externo), a fim de tomar sua decisão de encaminhamento. Os demais LABELs são considerados apenas quando o cabeçalho do topo é removido. Como veremos, o empilhamento de LABELs é utilizado para criar túneis MPLS, que permite evitar conflitos entre os LABELs adotados por uma operadora de serviços de comunicação e seus clientes privados. Um cabeçalho MPLS possui 3 bits, e contém apenas quatro campos: LABEL (0 bits): contém o valor do LABEL MPLS. Note que é possível definir mais de milhão de valores de LABELs distintos por enlace. Exp (3 bits): bits reservados para uso experimental. Atualmente, sua maior aplicação é o mapeamento de uma marcação similar ao DiffServ ao nível do cabeçalho MPLS. Se mais do que um LSP atravessar o mesmo roteador, os pacotes de cada LSP poderão ser alocados em filas distintas, e com um PHB específico, de acordo com o valor marcado nesses bits. S ( bit): base da pilha. Conforme ilustrado na figura, uma cabeçalho MPLS pode ser empilhado. O valor indica que o rótulo é a base da pilha, isto é, que ele é o último cabeçalho empilhado; TTL (8 bits): Time to Live = determina a quantidade máxima de saltos que o pacote poderá percorrer. Quando o cabeçalho MPLS é inserido pelo LER, esse campo é copiado do TTL do IP.

8 Posição do LABEL MPLS 8 Conforme seu nome diz, o MPLS foi definido para trabalhar com múltiplos protocolos, tanto de enlace quanto de rede. Apesar do IPv4 ser o protocolo mais usado com o MPLS, ele pode ser usado com outros protocolos de camada 3, como o IPv4, IPv6, IPX, e o AppleTalk. O MPLS pode ser também encapsulado em múltiplas tecnologias de enlace, como o Etherenet, o ATM e o Frame-Relay. Em tecnologias como o Ethernet II e o IEEE 80.3 (com a sub-camada LLC), o rótulo MPLS pode ser inserido integralmente, pois não existe informação equivalente nesses protocolos. Para as tecnologias como Frame-Relay e ATM, contudo, já existe um campo reservado para LABEL, de maneira que é possível mapear o LABEL MPLS nesses campos. Para rótulos simples, isto é, não empilhados, o LABEL MPLS pode ser transportado através dos LABELs do Frame-Relay e do ATM sem necessidade de inserir novos cabeçalhos. Caso exista empilhamento de LABELs MPLS, apenas o LABEL do topo pode ser mapeado, sendo que os demais LABELs da pilha precisam ser inseridos no cabeçalho. Caso os campos EXP do MPLS precisem ser utilizados, nem mesmo o LABEL de topo poderá ser mapeado, sendo necessário incluí-lo integralmente no cabeçalho MPLS. A figura ilustra as diferentes situações de mapeamento. A primeira figura é o caso genérico, em que toda a pilha de LABELs (MPLS Label Stack) é inserida entre os cabeçalhos e 3 do pacote. O segundo caso ilustra como ocorre a inserção da pilha de LABELs no caso do IEEE 80.3 com a sub-camada LLC. A terceira figura ilustra a inserção da pilha de LABELs para o caso do ATM. Os pacotes MPLS são transportados no formato AAL5 do ATM. Observe que o LABEL MPLS de topo é mapeado nos campos VPI/VCI, e os demais LABELs são inseridos antes do cabeçalho IP. De forma similar, o LABEL de topo do MPLS é mapeado no campo DLCI do Frame-Relay, e os demais LABELs da pilha são inseridos antes do cabeçalho IP.

9 LABEL Switching com Tunelamento 9 Site A Site B A G C D E F B H A G C D E F B H Conforme dito anteriormente, o empilhamento de LABELs é utilizado para criar túneis MPLS, onde os LABELs de uma operadora não entram em conflito com os LABELs utilizados por seus clientes privados. A figura ilustra esse conceito. Considere que uma organização privada deseja interligar dois sites remotos utilizando a tecnologia MPLS. Suponha que esses sites precisam ter dois LSPs distintos (indicados nas cores vermelha e azul na figura). Um desses LSPs poderia estar sendo usado para transportar dados e outro para tráfego VoIP. A figura mostra a seqüência de LABELs para cada um dos LSPs conforme configurado pelos administradores da organização privada. Suponha que a organização não possua o enlace necessário para conectar os roteadores C e F dos dois sites. Ela então precisará contratar um circuito virtual junto a uma operadora. Suponha que a rede da operadora responsável por conectar os dois sites é formada pelos roteadores D e E, mostrados na parte inferior da figura. Como a operadora também utiliza a tecnologia MPLS para criar os circuitos virtuais, é necessário criar algum mecanismo para evitar que os LABELs usados pelas organizações privadas sejam comutados pela rede da operadora. Na situação ideal, os pacotes que chegarem ao roteador F precisam ter exatamente os mesmos valores de LABEL que teriam caso o enlace entre os roteadores C e F fosse físico. Para esconder os LABELs de seus clientes, a operadora utiliza o empilhamento de LABELs. Um novo LABEL de topo é inserido assim que o pacote do cliente entra na rede da operadora. Durante o trajeto dentro da operadora, apenas o LABEL de topo é alterado. Quando o pacote é entregue ao site remoto, o LABEL da operadora é removido, e o roteador F recebe os pacotes em situação idêntica ao de um enlace físico. O trecho da rede onde os pacotes são transportados com empilhamento de LABELs é usualmente denominado túnel. É preciso ter cuidado, contudo, pois alguns autores utilizam a palavra túnel de maneira indiscriminada, como um sinônimo de LSP, mesmo quando o empilhamento não é utilizado.

10 Configuração do MPLS 0 No LER origem FTN FEC (destino) FEC FEC No LSR ILM FEC (destino) LABEL X if LABEL X if Ação X Next Hop Push LABEL Next-Hop ip LSR Change LABEL to LABEL Next-Hop LER Pop LABEL Next-Hop SELF NHLFE No LER destino ILM FEC (destino) LABEL X if LABEL 3 X if LABEL LABEL Sem LABEL LER LSR LER FEC if if if if if A configuração de um LSP em uma rede MPLS consiste no preenchimento de um conjunto de tabelas. Diferente do que acontece com o protocolo IP, onde o formato das tabelas de roteamento é o mesmo em todos os roteadores da rede, no MPLS o tipo de tabela pode mudar bastante de acordo com o papel que o roteador desempenha na rede: LER de ingresso, LSR ou LER de egresso. A tabela mais importante do MPLS, que está presente em todos os roteadores, é denominada The Next Hop LABEL Forwarding Entry (NHLFE). Essa tabela define um conjunto de ações que segue genericamente o seguinte formato: [Ação sobre o LABEL] X [Ação de Encaminhamento]. As ações sobre um LABEL podem ser: Remover (Pop), Inserir (Push) ou Trocar (Change). A ação de encaminhamento indica qual o próximo salto do pacote (Next Hop). O próximo salto pode se outro roteador, ou o próprio roteador (SELF). O modo SELF é usado quando o roteador remove o LABEL de topo. Nesse caso, o pacote é re-enviado para pilha IP para que seja roteador utilizando o endereço IP de destino do pacote. Além da NHLFE, um roteador LER de ingresso (origem), é configurado através de uma tabela denominada FEC-to-NHLFE Map (FTN). Essa tabela redireciona pacotes ainda sem LABELs para uma entrada específica do NHLFE, baseado na FEC. Ao invés da FTN, um roteador LSR utiliza uma tabela denominada Incoming LABEL Map (ILM). Essa tabela indica o que fazer com pacotes já com LABELs, que chegam a uma interface específica do roteador, apontando para a NHLFE. A tabela ILM também é utilizada no roteador LER de egresso. Para ilustrar o uso das tabelas, observe o cenário mostrado na parte inferior da figura, onde um roteador LER de ingresso (LER) envia pacotes para a FEC através do roteador LSR e do roteador LER de egresso (LER). A figura mostra também como as tabelas dos roteadores são configuradas nesse cenário. Observe que o LER possui uma FTN e uma NHLFE e o LSR e o LER3 possuem uma ILM e uma NHLFE.

11 Distribuição de LABELs Não Solicitado 0./6 LABEL 0 0./6 LABEL 0 R R 0./6 LABEL 0 R3 R4 Rede 0./6 Rede 0./6 FEC FEC anúncio 0./6 LABEL 0 solicitação Solicitado FEC 0./6 R 0./6 LABEL 0 R R3 R4 3 0./6 LABEL 0 anúncio Rede 0./6 Rede 0./6 FEC FEC A configuração das tabelas do MPLS pode ser feita de duas formas: manual ou através de um protocolo de distribuição de LABELs (protocolo de sinalização). A configuração manual implica em que cada roteador seja acessado individualmente, e pode ser trabalhosa, principalmente quando ocorrem alterações freqüentes nos LSPs. Os protocolos de distribuição de LABELs, por sua vez, simplificam muito essa tarefa pois eles permitem que a configuração de caminhos seja feita de forma automática ou semiautomática. Em uma rede MPLS, a distribuição de LABELs pode ser feita de duas formas: por demanda ou não-solicitada. No modo não solicitado, os roteadores de LER de egresso alocam um LABEL para cada rota (FEC) em sua tabela. Ele anuncia ambos, a rota e o LABEL para todos os roteadores vizinhos. Quando um roteador vizinho recebe o anúncio, ele repassa adiante, alterando o valor do LABEL, conforme indicado na parte superior da figura. No modo solicitado, um roteador LER de ingresso envia uma solicitação para obter um LABEL para uma determinada FEC. Esse pedido irá se propagar pela rede até chegar a um roteador LER de egresso que conheça a FEC. A partir desse ponto, é feito o anúncio para a FEC solicitada, conforme indicado na parte inferior da figura. Os protocolos de distribuição de LABELs podem operar com ou sem restrições. No modo sem restrições, não existe diferenciação entre rotas. Geralmente, a rota escolhida para FEC coincide com a rota de melhor custo determinada pelo protocolo de roteamento. No modo sem restrições, é possível solicitar uma FEC, mas impondo restrições para o caminho (como só aceitar enlaces que ainda tenham uma certa quantidade de banda disponível). Os protocolos de distribuição de LABELs que já foram definidos para o MPLS são os seguintes: Sem restrições: LDP (LABEL Discovery Protocol) Com restrições: CR-LDP (Constraint-Based Routed LABEL Distributed Protocol) RSVP-TE (Resource Reservation Protocol-Traffic Engineering)

12 LDP - LABEL Distribution Protocol ID do LSR PDU/LDP header PDU msg LDP header TLV TLV sub TLV sub TLV msg LDP header TLV TLV Tipos TLV opcionais 00 Fec 0 Address List 03 Hop Count 04 Path Vector 00 Generic Label 0 ATM Label 0 Frame Relay Label 300 Status 30 Extended Status 30 Returned PDU 303 Returned Message 400 Common Hello Parameters. 40 Transport Address 40 Configuration Sequence Number 500 Common Session Parameters 50 ATM Session Parameters 50 Frame Relay Session Parameters 600 Label Request Message ID O LDP (Label Distribution Protocol) foi o primeiro protocolo de distribuição de LABELs definido pelo IETF (Janeiro de 00). A estrutura de uma mensagem LDP é definida conforme a figura. Assim como muitos protocolos modernos, o LDP é formado por várias mensagens distintas, todas elas, com um cabeçalho fixo e uma quantidade de campos variável. Os campos do LDP carregam uma série de opções (tipos), definidas através do formato TLV (Tipo -Tamanho - Valor). O LDP define quatro tipos de mensagens:. Discovery messages: HELLO (UDP Multicast) Anuncia e mantem a presença de um LSR na rede;. Session messages: Inicialização de Sessão (TCP) Estabelece, mantem e termina sessões entre roteadores vizinhos; 3. Advertisement messages: Anúncio de Endereço e Rótulo (TCP) Cria, muda e termina mapeamentos 4. Notification messages: Notificação de Erro (TCP) Consulta e sinaliza erros. O LDP suporta dois métodos de distribuição de rótulos: Downstream por Demanda e Downstream não Solicitado. O método é escolhido durante a fase de Inicialização de Sessão (IS) do LDP. Nessa fase, cada roteador informa ao seu vinzinho qual o método desejado. Em caso de desacordo, a RFC 3036 define que o método será escolhido conforme a tecnologia do enlace que liga os roteadores, da seguinte forma: ATM e Frame-Relay: Por Demanda Outras Tecnologias: Não Solicitado Os dois modos podem ser combinados em diferentes enlaces de uma nuvem MPLS

13 Tipos de Mensagem LDP 3 LSR Ativo (maior ID) Hello (UDP) LSR Passivo (menor ID) Conexão TCP Inicialização de Sessão (IS) (IS) ou notificação de erro Keep Alive (KA) tempo de KA tamanho max PDU Anúncio de Endereços de Interface Solicitação de LABEL (LABEL Request) Anúncio de LABEL (LABEL Mapping) Remoção de LABEL (LABEL Withdraw) Liberação de LABEL (LABEL Release)_ Indica todos os endereços do LSR Utilizado apenas na distribuição de rótulos sob demanda Controla o mapeamento de FECs em LABELs A figura ilustra uma seqüência típica de estabelecimento de negociação LDP. A descoberta de nós vizinhos, isto é roteadores LSR com suporte ao MPLS, é feita através de mensagens HELLO. Uma vez que um vizinho tenha sido descoberto, o LSR ativo (aquele com o menor ID recebido na mensagem de HELLO) estabelece uma conexão TCP com seu vizinho passivo. Após essa fase, os roteadores trocam mensagens de inicialização, que definem qual o modo de propagação de LABELs desejado (Não Solicitado ou Sob Demanda), a periodicidade das mensagens Keep Alive e o MTU do enlace. A mensagem de anúncio de endereços permitem que um roteador conheça os endereços de toda as interfaces de seu vizinho. A mensagem de solicitação de LABEL é enviada apenas no modo Sob Demanda. O LDP define as seguintes mensagens de controle de LABEL: Anúncio de LABEL: oferece ao vizinho um caminho associado a um FEC Remoção de LABEL: remove a oferta de LABEL para uma FEC previamente anunciada Liberação de LABEL: informa ao vizinho que um LABEL previamente solicitado para uma FEC não é mais necessário. A mensagem de notificação é utilizada quando ocorrem erros ou eventos adicionais durante a troca de mensagens entre os LSRs. Exemplos de mensagens de notificação são: TVL desconhecida para LSRs que não suportam CR-LDP, recursos insuficientes, etc.

14 Downstream Não-solicitado 4 Downstream LABELS LSP p/ FEC 64. LER LSR LSR3 Oferta para p/ FEC 64. com label #50 Oferta para FEC 64. com label #00 LABEL de entrada = #0 FEC = 64. LABEL de saída = #50 Próx. vizinho = LSR LABEL de entrada = #50 FEC = 64. Rótulo de saída = #00 Próx. vizinho = LSR3 LABEL de entrada = #00 FEC = 64. LABEL de saída = #34 Próx. vizinho = LSR4 DADOS Upstream A figura ilustra o funcionamento de uma distribuição de LABELs no modo Downstream Não Solicitado. O termo "Downstream" indica transmissão no sentido do LER de ingresso e "Upstream" no sentido do LER de egresso. Observe que os dados são sempre transmitidos no sentido Upstream e os LABELs se propagam no sentido Downstream. No modo não solicitado, os roteadores fazem ofertas de caminho para todas as FEC que conhecem para todos os seus vizinhos. Observe que um roteador pode conhecer a rota para uma FEC em duas situações: ) Porque está conectado diretamente a ela ) Porque recebeu uma oferta de um roteador vizinho O modo não solicitado não é útil para aplicações de engenharia de tráfego (isto é, quando se deseja distribuir a carga por vários caminhos alternativos na rede). Sua função principal é substituir o método de roteamento baseado puramente no endereço IP de destino pelo roteamento baseado em LABELs, considerado mais eficiente. Com a criação dos protocolos de suporte distribuição de LABELs com restrições, esse método tornou-se pouco utilizado.

15 Downstream Sob Demanda 5 Downstream LABELS LSP p/ FEC 64. Requisição de atribuição para 64. Requisição de atribuição para 64. LER LSR LSR3 Atribuição de label #50 p/ FEC 64. Atribuição de label #00 p/ FEC 64. LABEL de entrada = #0 FEC = 64. LABEL de saída = #50 Próx. vizinho = LSR LABEL de entrada = #50 FEC = 64. LABEL de saída = #00 Próx. vizinho = LSR3 LABEL de entrada = #00 FEC = 64. LABEL de saída = #34 Próx. vizinho = LSR4 DADOS Upstream A figura ilustra o funcionamento de uma distribuição de LABELs no modo Downstream Sob Demanda. No modo sob demanda, um roteador LER de ingresso faz a solicitação de um LABEL para uma determinada FEC enviando uma mensagem de solicitação de LABEL para o(s) seu(s) vizinho(s), no sentido Upstream. Quando um LSR recebe a solicitação, se ele conhecer a FEC, ele responde imediatamente. Caso contrário, ele repassa a solicitação a seus vizinho. Quando a solicitação encontra um roteador que conhece a FEC, um anúncio de LABEL é feito no sentido Downstream, apenas para o roteador que fez a solicitação. O anúncio se propaga até atingir o LABEL de ingresso.

16 Combinando formas de Distribuição 6 LER Solicitação de LABEL para FEC Anúncio Solicitado LABEL 4 para FEC LSR Solicitação de LABEL para FEC Anúncio Solicitado LABEL 3 para FEC LSR3 Anúncio não solicitado LABEL FEC LSP p/ FEC LSR5 Anúncio não solicitado LABEL LSR4 Os métodos de distribuição de LABELS não solicitado e por demanda podem ser combinados em uma mesma rede, pois a escolha do método é feita para roteadores vizinhos. Dessa forma, um roteador pode ter um acordo de distribuição de LABELs pelo método não solicitado com um vizinho, e com outro vizinho um acordo de distribuição de LABELs sob demanda. A figura ilustra esse conceito. Observe que há um acordo de anúncio não solicitado entre os roteadores LSR5 e LSR4, assim como entre os roteadores LSR4 e LSR4. Entre os roteadores LSR3 e LSR o acordo é no modo solicitado, assim como entre os roteadores LSR e o LER. Em uma situação inicial, o roteador LSR5 fará o anúncio de sua FEC conhecida para seu vizinho LSR4 que, por sua vez, propagara esse anúncio para o LSR3. Contudo o LSR3 não propagará o anúncio adiante. Quando o LER desejar obter um LABEL, ele fará a solicitação ao LSR, que por não conhecer a FEC solicitada, repassará o pedido para o LSR3. Como o LSR3 já conhece a FEC, ele responde ao LSR sem repassar o pedido aos demais roteadores.

17 CR-LDP - Constraint-Based LDP 7 ID do LSR PDU/LDP header PDU msg LDP header TLV TLV sub TLV sub TLV msg LDP header TLV TLV Tipos TLV adicionais 8 LSPID 8 ResCls 503 Optical Session Parameters 800 Explicit Route ER-Hop TLVS 80 Traffic Parameters 80 Preemption 83 Route Pinning 90 Optical Interface Type 90 Optical Trail Desc 930 Optical Label 940 Lambada Set O LDP foi o primeiro protocolo de distribuição de LABELs para o MPLS e não suporta restrições. Quando o MPLS passou a ser visto como uma solução de engenharia de tráfego (TE), e não apenas um método para acelerar o roteamento, novos protocolos com suporte a restrições precisaram ser desenvolvidos. O IETF definiu que a fim de suportar a engenharia de tráfego, esses novos protocolos deveriam ser capazes de: a) Definir um LSP distinto do sugerido pelo OSPF b) Fazer reserva dinâmica de recursos junto com o estabelecimento do LSP c) Distribuir o tráfego por LSPs paralelos d) Criar e Remover dinamicamente LSPs conforme as necessidades da rede e) Tratar falhas pela migração de tráfego entre LSPs altenativos e criação de LSPs backups ou de espera. f) Suportar rotas explícitas g) Fazer controle de admissão para solicitação (a criação do LSP é negada caso não haja recursos suficientes) h) Fazer priorização de LSPs e preempção Um desses protocolos foi denominado foi denominado CR-LDP, definido pela RFC 3 de janeiro de 00. O CR-LDP é baseado na adição de TLVs nas mensagens LDP existentes. As principais características do CR_LDP são as seguintes: a) Criação de LSPs fim-a-fim sob restrições, utilizando o modo Downstream por demanda. As restrições são impostas pelo LSR de ingresso, e os LABELs são distribuídos a partir do LSR de egresso. b) Prioridades podem ser atribuídas para as LSPs para suportar o esquema de preempção. c) Re-roteamento ou não em caso de falha. d) Suporte a duas classes de restrições: Rotas Explícitas e Parâmetros de Tráfego

18 Restrição por Roteamento Explícito 8 Requisição de LABEL com Rota Explicita:, 3, 5 Requisição de LABEL com Rota Explícita: 3, 5 LER LSR LSR3 Anuncia o LABEL 30 Anuncia o LABEL 0 Anuncia o LABEL 0 Requisição de LABEL com Rota Explícita: 5 LSR4 LSR5 * (estrito) + (flexível) A*:B*:D*:E*:G* A*:F+:G* A B C D E F G LSP Quando um LER de ingresso faz a solicitação de um LABEL para uma determinada FEC ele pode escolher de forma parcial ou absoluta o caminho até a FEC de destino utilizando as restrições do tipo Rota Explícita. O CR-LDP permite que a rota seja explicitada por endereços IPv4, IPv6, SAs ou identificadores de LSR. Uma rota explícita é definida como uma seqüência de nós abstratos, onde um nó abstrato é formado por um ou mais LSRs. A rota deve passar por pelo menos um LSR do nó abstrato. São definidos dois tipos de nós abstratos: Estrito: Nenhum nó não especificado pode ser inserido entre o nó estrito e o nó anterior. Flexível: A passagem pelo nó é obrigatória, mas ela pode ser feita inserindo-se nós não especificados entre o nó flexível e o nós precedentes da rota.

19 Restrição por Parâmetros de Tráfego 9 Requisição de LABEL com Tráfego Prometido e Serviço Desejado Requisição de LABEL com Tráfego Prometido e Serviço Desejado LER LSR LSR3 Anuncia o LABEL 30 Anuncia o LABEL 0 Anuncia o LABEL 0 Requisição de LABEL com Tráfego Prometido e Serviço Desejado LSR4 LSR5 LSP O segundo tipo de restrição suportado pelo CR-LDP é baseado em parâmetros de tráfego. Nesse tipo de restrição, quando o LER faz a solicitação de um LABEL para uma data FEC ele inclui dois conjuntos de informações: Trafego Prometido e Serviço Desejado. O tráfego transmitido é uma descrição daquilo que será enviado através do LSP. O Tráfego Prometido é descrito na forma de dois parâmetros: PDR (Peak Data Rate): taxa de pico de transmissão de dados (bytes por segundo) PBS (Peak Burst Size): tamanho da rajada na taxa de pico (em bytes) O Serviço Desejado é definido por três parâmetros: CDR (Commited Data Rate): taxa média solicitada (bytes por segundo) EBS (Commited Burst Size): tamanho da rajada garantida (bytes) EBS (Excess Burst Size): tamanho da rajada permitida em momentos de pouco congestionamento, mas não garantida em outros momentos (bytes). A mensagem de requisição de LABEL inclui ainda as seguintes informações complementares: Freqüência de Amostragem: Quando se solicita uma garantida de taxa média (CDR), é necessário especificar sobre qual período a taxa média será amostrada. Os valores possíveis são: Muito freqüente: CDR garantido para quaisquer pacotes Freqüente: CDR garantido para uma média de poucos pacotes pequenos Não Especificado: Uso de uma intervalo razoável (i.e., segundo) Peso: Indica a capacidade do LSR de utilizar recursos disponíveis de outros LSRs para transporte de tráfego excedente. O LSR com maior peso tem prioridade sobre os LSRs de menor peso: Valor de a 55 Flag de Negociação: A TLV de parâmetros de tráfego define um campo flag ( byte), para indicar quais itens do pedido podem ser re-negociados, caso não haja recursos na rede para atender ao pedido inicial: bit 0: reservado; bit : reservado; bit : PDR; bit 3: PBS; bit 4: CDR; bit 5: CBS; bit 6: EBS; bit 7: Peso

20 Fluxo de Mensagens: CR-LDP 0 A B C D LABEL Request [Trafego] [Flag Neg.] LABEL Request [Reduzido] 3 LABEL Request [Reduzido] Notification * Notification 3* LABEL Mapping [Mínimo] 6 LABEL Mapping [Mínimo] 5 LABEL Mapping [Mínimo] 4 7 LABEL Release 8 LABEL Release 9 LABEL Release A figura ilustra uma seqüência típica de mensagens trocadas segundo o protocolo CR-LDP. ) O LSR A (ingresso) envia a mensagem de LABEL Request com a TLV de parâmetros de tráfego, indicando os itens negociáveis. ) Se houver recursos suficientes, o LSR B efetua a reserva e repassa a mensagem adiante. Se não houver recursos suficientes, mas houverem parâmetros negociáveis, o LSR B faz uma reserva menor e repassa o pedido alterado para frente. *) Se o LSR B não tiver recursos e não houver itens renegociáveis, ele notifica a falha para o LSR A 3) O LSR C executa o mesmo procedimento que o LSR B, podendo novamente, encaminhar uma mensagem de LABEL Request modificada, com menos recursos que os recebidos do LSR B. 3*) Caso o LSR C não tenha recursos para efetuar a reserva, ele encaminha uma mensagem de notificação para B, fazendo com que ele libere os recursos previamente alocados. 4) O LSR D (egresso) envia uma mensagem de LABEL Mapping, que ecoa os parâmetros de tráfego (que são os menores ao longo do caminho). 5) O LSR C ao receber a mensagem atualiza sua reserva, e repassa a mensagem ao LSR B alterando apenas o valor do LABEL. 6) O LSR B também atualiza sua reserva e repassa a mensagem de LABEL Mapping ao nó de ingresso. 7) Ao receber a mensagem de LABEL Mapping, o nó de ingresso decide se os parâmetros alocados são suficientes. Se não forem, ele envia uma mensagem de LABEL Release, que irá se propagar até o nó de egresso.

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

04.03 Quality of Service (QoS)

04.03 Quality of Service (QoS) 04.03 Quality of Service (QoS) Redes de Serviços e Comunicações Multimédia RSCM/ISEL-DEETC-SRC/2004 1 Necessidade de QoS Uma medida colectiva da qualidade de serviço Para uma aplicação Critérios: Disponibilidade

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

UNIVERSIDADE SALVADOR UNIFACS NÚCLEO DE PESQUISA INTERDEPARTAMENTAL EM REDES DE COMPUTADORES (NUPERC) MESTRADO EM REDES DE COMPUTADORES

UNIVERSIDADE SALVADOR UNIFACS NÚCLEO DE PESQUISA INTERDEPARTAMENTAL EM REDES DE COMPUTADORES (NUPERC) MESTRADO EM REDES DE COMPUTADORES UNIVERSIDADE SALVADOR UNIFACS NÚCLEO DE PESQUISA INTERDEPARTAMENTAL EM REDES DE COMPUTADORES (NUPERC) MESTRADO EM REDES DE COMPUTADORES MARCOS PORTNOI CR-LDP: ASPECTOS E FUNCIONAMENTO Salvador BA 2005

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de

Qualidade de serviço. Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Qualidade de serviço Determina o grau de satisfação do usuário em relação a um serviço específico Capacidade da rede de atender a requisitos de Vazão Atraso Variação do atraso Erros Outros Qualidade de

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores 1 Elmano R. Cavalcanti Redes de Computadores Camada de Rede elmano@gmail.com facisa-redes@googlegroups.com http://sites.google.com/site/elmano Esta apresentação contém slides fornecidos pela Editora Pearson

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL)

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Morvan Daniel Müller UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) Dissertação

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Capitulo Capítulo 4 A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho) Escalabilidade

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Universidade Católica de Brasília Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Projeto Final I Monografia MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Alunos: Geovani Sorrentino 97/5602-7 Igor

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY SÃO PAULO 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Gabriel

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

Qualidade de Serviços em Redes IP

Qualidade de Serviços em Redes IP Qualidade de Serviços em Redes IP Nesse módulo, veremos como a qualidade de serviço (QoS) pode ser implementada em redes IP. A implementação do QoS envolve dois aspectos: mecanismos de controle de tráfego

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

1.1 Transmissão multimídia em redes

1.1 Transmissão multimídia em redes 1.1 Transmissão multimídia em redes Pode-se dividir a parte de transmissão multimídia em redes de computadores como mostra a figura 1, ou seja, a parte de conferência (que requer interatividade) e a parte

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio

REDES DE COMPUTADORES. Camada de Rede. Prof.: Agostinho S. Riofrio REDES DE COMPUTADORES Camada de Rede Prof.: Agostinho S. Riofrio Agenda 1. Introdução 2. Funções 3. Serviços oferecidos às Camadas superiores 4. Redes de Datagramas 5. Redes de Circuitos Virtuais 6. Comparação

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Aula 6/2006 UEM/DIN/Elvio/1023-1224 1 Camada de Rede É a camada mais baixa que trata da comunicação fim-a-fim Função de encaminhar os pacotes da fonte até o destino

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento

AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento Qualidade de Serviço Pedroso 4 de março de 2009 1 Introdução AImplantação de qualidade de serviço (QoS, Quality of Service) na rede é essencial para o funcionamento apropriado de diversas aplicações, como

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes (Continuação) 2 Camada de Rede 3 NAT: Network Address Translation restante da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha

Redes WAN Conceitos Iniciais. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour

Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet. Edgard Jamhour Modelo em Camadas Arquitetura TCP/IP/Ethernet Edgard Jamhour Ethernet não-comutada (CSMA-CD) A Ethernet não-comutada baseia-se no princípio de comunicação com broadcast físico. a b TIPO DADOS (até 1500

Leia mais

PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS

PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS i PAULO ROBERTO DA CUNHA ESTANTE PROPOSTA DE MÉTODO DE ENGENHARIA DE TRÁFEGO COM PROTEÇÃO DE CAMINHOS PARA REDES MPLS Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Informática Aplicada da Pontifícia

Leia mais

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6

Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Qualidade de serviço. Protocolo IPv6 Apresentar a nova forma de endereçamento lógico, o endereço IP versão 6 (IPv6). No começo da década de 1990, a IETF começou o estudo para desenvolver o sucessor do

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - QoS e Engenharia de Tráfego www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução Em oposição ao paradigma best-effort (melhor esforço) da Internet, está crescendo

Leia mais

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN Frame-Relay Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Desdobramento da ISDN Alta Velocidade Taxas entre 64 Kbps e 2 Mbps Roteamento na Camada de Enlace Usada p/ interligar: WAN, SNA, Internet

Leia mais

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr.

Redes de Computadores Aula 3. Aleardo Manacero Jr. Redes de Computadores Aula 3 Aleardo Manacero Jr. O protocolo RM OSI 1 Camada de Rede Forma de ligação Endereçamento de máquinas Controle de rotas Controle de tráfego Forma de ligação Circuito Virtual

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

Visão geral da arquitetura do roteador

Visão geral da arquitetura do roteador Visão geral da arquitetura do roteador Duas funções-chave do roteador: Executar algoritmos/protocolos (RIP, OSPF, BGP) Comutar os datagramas do link de entrada para o link de saída 1 Funções da porta de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Introdução Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Circuitos virtuais, frame relay,tm e MPLS (redes WN) ula 4! Comunicação entre dois dispositivos exige um meio Enlaces ponto-a-ponto ou

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO

Prof. Luís Rodolfo. Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Prof. Luís Rodolfo Unidade III REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÃO Redes de computadores e telecomunicação Objetivos da Unidade III Apresentar as camadas de Transporte (Nível 4) e Rede (Nível 3) do

Leia mais

1 Redes de comunicação de dados

1 Redes de comunicação de dados 1 Redes de comunicação de dados Nos anos 70 e 80 ocorreu uma fusão dos campos de ciência da computação e comunicação de dados. Isto produziu vários fatos relevantes: Não há diferenças fundamentais entre

Leia mais

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast

de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Infra-estrutura Infra-estrutura de Telecomunicações Serviço Multicast Departamento de Engenharia de Telecomunicações - UFF Infra-estrutura de Telecomunicações Comunicação Multicast Infra-estrutura de Telecomunicações para Aplicações Multimídia Distribuídas Profa. Débora

Leia mais

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito

PNNI. Prof. José Marcos C. Brito PNNI Prof. José Marcos C. Brito 1 Introdução O PNNI compreende um protocolo de roteamento e um protocolo de sinalização. O PNNI se aplica na interface entre dois switches ou na interface entre duas redes.

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução Tecnologia MPLS/VPN Pedro Henrique Braga e Silva Curso de Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, 1 de março de 2010. Introdução O objetivo deste

Leia mais

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA SALVADOR Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA Ana Júlia Freitas Pinheiro 1 e-mail: anajulia@ufba.br Claudio Guido S. Cardoso 1 e-mail: claudioc@ufba.br Gustavo Bittencourt Figueiredo 12 e-mail:

Leia mais

QoS em roteadores Cisco

QoS em roteadores Cisco QoS em roteadores Cisco Alberto S. Matties 1, André Moraes 2 1 Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Rua Gonçalves Chaves 602 96.015-000 Pelotas RS Brasil 2 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito IP sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Razões para ter-se IP sobre ATM O IP é o padrão predominante nas redes de dados. O ATM oferece qualidade de serviço e permite a implementação de comutadores de

Leia mais

MPLS Multiprotocol Label Switching

MPLS Multiprotocol Label Switching MPLS Multiprotocol Label Switching FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela MPLS Multiprotocol Label Switching O IETF desenvolveu uma arquitectura designada Multiprotocol Label Switching (MPLS), que se encontra

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Prof. Macêdo Firmino Camada de Redes Macêdo Firmino (IFRN) Redes de Computadores Junho 2012 1 / 68 Pilha TCP/IP A B M 1 Aplicação Aplicação M 1 Cab M T 1 Transporte Transporte Cab

Leia mais

Além do melhor esforço

Além do melhor esforço Além do melhor esforço Redes Multimídia Prof. Emerson Ribeiro de Mello Instituto Federal de Santa Catarina IFSC campus São José mello@ifsc.edu.br 25 de agosto de 2011 1 / 42 Sumário 1 Além do melhor esforço

Leia mais

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP

Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Aula 6 Modelo de Divisão em Camadas TCP/IP Camada Conceitual APLICATIVO TRANSPORTE INTER-REDE INTERFACE DE REDE FÍSICA Unidade de Dados do Protocolo - PDU Mensagem Segmento Datagrama /Pacote Quadro 01010101010100000011110

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Rede. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Rede Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Internet Protocol IP; Fragmentação do Datagrama IP; Endereço IP; Sub-Redes; CIDR Classes Interdomain Routing NAT Network Address Translation

Leia mais

Redes WAN. Prof. Walter Cunha

Redes WAN. Prof. Walter Cunha Redes WAN Conceitos Iniciais Prof. Walter Cunha Comutação por Circuito Todos os recursos necessários em todos os subsistemas de telecomunicação que conectam origem e destino, são reservados durante todo

Leia mais

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP

MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP MODELOS DE QUALIDADE DE SERVIÇO - APLICAÇÕES EM IP Nilton Alves Júnior naj@cbpf.br Kelly Soyan Pires Dominguez kelly@cbpf.br Resumo Este trabalho tem como função explicitar o conceito de Qualidade de Serviço

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Camada de Rede Roteamento IP RIP OSPF e BGP Slide 1 Roteamento Determinar o melhor caminho a ser tomado da origem até o destino. Se utiliza do endereço de destino para determinar

Leia mais

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br

Protocolo OSPF UNIP. Renê Furtado Felix. rffelix70@yahoo.com.br UNIP rffelix70@yahoo.com.br Introdução Protocolo OSPF O protocolo OSPF é um protocolo de roteamento link-state (estado de enlace). A idéia por trás de roteamento link-state é simples e pode ser apresentada

Leia mais

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2.

A) 3; B) 1, 2 e 3; C) 1; D) 2; E) 1e2. 21. A empresa ALPHA possui uma classe C para endereçamento de rede IP e usa como máscara o valor 255.255.255.224, para definir suas sub-redes. A quantidade máxima de equipamentos que podem estar conectados

Leia mais

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes TCP/IP. Prof. M.Sc. Alexandre Fraga de Araújo. alexandref@ifes.edu.br. INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes TCP/IP alexandref@ifes.edu.br Camada de Redes 2 O que acontece na camada de rede Transporta segmentos do hospedeiro transmissor para o receptor Roteador examina campos de cabeçalho em todos os datagramas

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores CAMADA DE REDE DHCP NAT IPv6 Slide 1 Protocolo DHCP Protocolo de Configuração Dinâmica de Hospedeiros (Dynamic Host Configuration Protocol DHCP), RFC 2131; Obtenção de endereço de

Leia mais

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br

Fernando Albuquerque - fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN. Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br REDES LAN - WAN Fernando Albuquerque (061) 273-3589 fernando@cic.unb.br Tópicos Modelos Protocolos OSI e TCP/IP Tipos de redes Redes locais Redes grande abrangência Redes metropolitanas Componentes Repetidores

Leia mais

Redes de Computadores II

Redes de Computadores II Redes de Computadores II Prof. Celio Trois portal.redes.ufsm.br/~trois/redes2 Roteamento Dinâmico Os protocolos de roteamento utilizados em redes pertencem a duas categorias: IGP (Interior Gateway Protocol)

Leia mais

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza

Aplicando políticas de QoS. MUM Brasil São Paulo Outubro/2008. Sérgio Souza Aplicando políticas de QoS MUM Brasil São Paulo Outubro/2008 Sérgio Souza Nome: País: Sergio Souza Brasil Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários anos em implementação,

Leia mais

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS

Francisco Tesifom Munhoz X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS X.25 FRAME RELAY VPN IP MPLS Redes remotas Prof.Francisco Munhoz X.25 Linha de serviços de comunicação de dados, baseada em plataforma de rede, que atende necessidades de baixo ou médio volume de tráfego.

Leia mais

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano

Redes de Dados. Aula 1. Introdução. Eytan Mediano Redes de Dados Aula 1 Introdução Eytan Mediano 1 6.263: Redes de Dados Aspectos fundamentais do projeto de redes e análise: Arquitetura Camadas Projeto da Topologia Protocolos Pt - a Pt (Pt= Ponto) Acesso

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Nível de Rede Redes de Computadores 2 1 Nível de Rede Internet Nível de Rede na Internet O ambiente inter-redes: hosts conectados a redes redes interligam-se

Leia mais

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos

MÓDULO 7 Modelo OSI. 7.1 Serviços Versus Protocolos MÓDULO 7 Modelo OSI A maioria das redes são organizadas como pilhas ou níveis de camadas, umas sobre as outras, sendo feito com o intuito de reduzir a complexidade do projeto da rede. O objetivo de cada

Leia mais