MPLS MultiProtocol Label Switching

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MPLS MultiProtocol Label Switching"

Transcrição

1 MPLS MultiProtocol Label Switching Universidade Santa Cecícila Prof. Hugo Santana Introdução requisitos mínimos de largura de banda, engenharia de tráfego e QoS. convergência das tecnologias (voz e vídeo sobre IP).

2 Introdução Encaminhamento de pacotes na Internet Algumas características: Não orientado à conexão Encaminhamento hop by hop Consulta ao cabeçalho do pacote Consumo de tempo (processamento / consulta à tab. de rot.) Introdução MPLS - Multiprotocol Label Switching Mecanismo que permite que a decisão do envio de pacotes seja realizada utilizando um rótulo de tamanho fixo, dinamizando este processo. Vantagens: melhor desempenho no encaminhamento de pacotes; criação de caminhos entre os roteadores; e possibilidade de associar requisitos de QoS, baseados nos rótulos carregados pelos pacotes.

3 MPLS Solução para os problemas identificados nas redes atuais velocidade, escalabilidade, gerenciamento de QoS e engenharia de tráfego utilização no núcleo de backbones IP, sobre ATM ou frame-relay. MPLS - Redes de infra-estrutura suportados Frame Relay ATM Multiprotocol ao nível superior IPv4 IPv6 IPX Etc. Etc. Label Switching PPP Packet Over Sonet/SDH Ethernet Ethernet ATM Frame Relay PPP Etc. Token Ring, FDDI Comutação ótica (MPλS) Multiprotocol ao nível inferior Combinação de Abordagens precedentes

4 MPLS - Não é um protocolo L2 Application Presentation Session Transport Network Data Link Funciona sobre várias tecnologias da camada 2: ATM SONET Ethernet PPP Physical MPLS - Não é um protocolo L3 Application Presentation Session Transport Não tem endereçamento nem funções de encaminhamento per si: Faz uso do endereçamento IP e o routing IP (com extensões) Network Data Link Physical

5 Não é uma camada no Modelo OSI Application Presentation Session Transport Network Data Link Não existe um formato único para transportar os dados de uma camada superior: shim - SONET VPI/VCI - ATM lambda - OXC etc... Physical MPLS - Histórico Cell Switching Router (CSR) Toshiba Tag Switching da Cisco Não é baseado nos fluxos Suporta outros protocolos do nível 2 além de ATM ARIS da IBM (Aggregate Route-based IP Switching) Não é baseado nos fluxos IP Navegator da Ascend/Lucent Fast IP da 3Com

6 Representação Nuvem MPLS Funções de MPLS mecanismos para o tratamento de fluxos de dados entre hardware, ou mesmo aplicações, distintos independência em relação aos protocolos das camadas 2 (enlace) e 3 (rede)

7 Funções de MPLS (cont) mapeamento entre os endereços IP e labels, para envio de pacotes interfaces com protocolos de roteamento, como OSPF suporta IP, ATM e frame-relay Terminologia MPLS LSR (Label Switch Router) é o nome genérico dos comutadores/routers MPLS Um LER (Label Edge Router) é um LSR (Ingress LSR ou Egress LSR) na fronteira do domínio MPLS Utiliza os protocolos existentes (OSPF, BGP, PIM, ) para criar os LSPs (Label Switched Path) entre extremos (fronteiras) do domínio MPLS por onde envia os pacotes com atributos pré-definidos Cada caminho (LSP) é representado por uma etiqueta (label) Cada pacote é etiquetado com uma etiqueta MPLS, por um LER à entrada do domínio MPLS, conforme os seus atributos antes de ser reenviado por um LSP Os LSRs seguintes reenviam o pacote de acordo com a etiqueta As etiquetas podem ir sendo alteradas pelos LSR ao longo do LSP O LER de saída retira a etiqueta e envia o pacote para o seu destino

8 Terminologia MPLS LDP: Label Distribution Protocol Usado em conjunto com protocolos de encaminhamento da camada de rede para distribuir informação das etiquetas entre os dispositivos numa rede de comutação por etiquetas LSP: Label Switched Path Caminho definido através do MPLS FEC: Forwarding Equivalence Class Conjunto de pacotes a que é atribuído uma etiqueta e que são processados da mesma forma pelos routers ou comutadores LSR: Label Switching Router Router que utiliza MPLS LER: Label Edge Router (termo útil que não faz parte das normas) / edge LSR LSR operando na fronteira da rede e usado para inserir/remover etiquetas Elementos de hardware LSR Label Switch Router roteador de alta velocidade, no núcleo da rede MPLS estabelecimento dos LSPs (Label Switched Path)(caminhos) e na comutação de dados em alta velocidade, com base nos caminhos estabelecidos.

9 Elementos de hardware LER Label Edge Router atua na fronteira entre uma rede de acesso e a rede MPLS suporta a existência de múltiplas portas conectadas a redes distintas encaminha tráfego para a rede MPLS na entrada e redistribuindo o tráfego na saída papel fundamental na atribuição e remoção das etiquetas. Elementos de software - FEC FEC - Forward Equivalence Class - agrupamento de pacotes MPLS em função de características comuns (destino, tipo de serviço, etc) Organizadas pelos LSR e armazenadas em LIB (Label Information Base)

10 Aplicações - Engenharia de tráfego seleção de um caminho de rede (netowork path), para encaminhamento de pacotes de dados utilização balanceada dos canais de comunicação. algoritmos de roteamento padrão, tais como IGP podem selecionar caminhos de rede que resultem em utilização desequilibrada de recursos

11 MPLS - Arquitetura Princípios e componentes Adicionar mecanismos orientados à conexão Identificar caminhos pré-definidos na rede entre 2 pontos extremos Um label é associado a cada caminho Um caminho é chamado de LSP Temos um Label Edge Router em cada ponto de entrada da rede O LER de entrada adiciona um header MPLS antes do pacote Os roteadores interiores ao domínio enviam o pacote de acordo com o label e definem um novo label O LER de saída (Egress LER) retira o label e envia o pacote ao seu destino de acordo com a tecnologia IP tradicional

12 Resumo Ingress Egress LER LSR LSR LER Prefixo IP -> LSP /24 Próximo salto Etiqueta 17 Alterar etiqueta 17 -> 5 Alterar etiqueta 5 -> 21 Tirar etiqueta Nível 2 Nível 2 Nível 2 Nível 2 Nível 2 Nível 2 Nível 2 Nível MPLS - Arquitetura FEC

13 MPLS - Arquitetura Princípios e componentes: a FEC (Forwarding Equivalent Class) Definição Um conjunto de pacotes a ser tratados da mesma forma Eles são todos enviados ao mesmo próximo salto Uma FEC é identificada por um Label Exemplos Pacotes unicast cujo endereço destinatário tem o mesmo prefixo Pacotes unicast cujo endereço destinatário tem o mesmo prefixo e o mesmo campo TOS (ou DS) Pacotes unicast sujeitos à uma decisão de Engenharia de Tráfego Pacotes unicast/multicast que pertencem à uma mesma VPN Pacotes multicast de mesma origem e mesmos destinatários MPLS - Arquitetura Princípios e componentes: a FEC - Cont...

14 MPLS - Arquitetura Rótulos MPLS - Arquitetura Princípios e componentes: Rótulos

15 MPLS - Arquitetura Princípios e componentes: Rótulos MPLS - Arquitetura Princípios e componentes: Rótulos Label: número de 20 bits (valores de 0 a 16 reservados) B serve para gerar os labels hierarquizados (Stack) Marcar o último label antes do header IP

16 MPLS - Caracterização Formato do label: Label EXP S TTL Cabeçalho = 4 octetos (32 bits) Label = valor da label a atribuir ao pacote (20 bits ) EXP = bits experimentais, utilizados para QoS (3 bits) S = indicador do fim da pilha (1 bit) TTL = time to live (8 bits) MPLS - Caracterização Formato do label: Label EXP S TTL Colocado entre o cabeçalho da camada 2 (Data Link) e o cabeçalho da camada 3 (Network), do Modelo Referencial OSI.

17 MPLS - Arquitetura LIB MPLS - Arquitetura Tabela para encaminhamento: Label Information Base LIB O tratamento do encaminhamento é unificado Para o tráfego unicast, o tráfego com QoS e o tráfego multicast Duas opções possíveis 1. Uma tabela global no LSR (um espaço de label por plataforma) 2. Uma tabela por interface, como ATM (um espaço de label por interf.) Um LSP é por natureza unidirecional O tráfego de retorno necessita de outro LSP

18 MPLS - Arquitetura LSP MPLS - Arquitetura Funções a serem implementadas na criação de um LSP

19 MPLS - Arquitetura LDP MPLS - Arquitetura LDP - Label Distribution Protocol

20 MPLS - Arquitetura Funcionamento do LDP Descrição do mecanismo de encaminhamento MPLS - Principais Características Encaminhamento na Internet (hop-by-hop) MPLS permite a construção de caminhos (LSPs) entre roteadores de entrada e saída em um domínio Insere um rótulo de 20 bits entre os cabeçalhos de camadas 2 e 3 Pacotes são encaminhados pelos roteadores (LSRs) sem consultar a tabela de roteamento Embora seja multi-protocolo, estão sendo criados padrões apenas para o protocolo IP

21 Descrição do mecanismo de encaminhamento Fatores positivos quanto ao encaminhamento via MPLS A associação de um determinado pacote a uma FEC específica é feita um única vez, assim que o pacote entra no domínio MPLS O rótulo possui um tamanho fixo e consideravelmente pequeno O rótulo serve como índice, indicando qual o próximo hop a ser alcançado Descrição do mecanismo de encaminhamento Vantagens do encaminhamento via rótulos Existem alguns switches que são capazes de realizar a avaliação e substituição de rótulos, como é o caso dos switches ATM No momento da entrada de um pacote na rede, o LER irá associá-lo a uma FEC, sendo que este poderá utilizar informações que estão fora do cabeçalho da camada de rede

22 Descrição do mecanismo de encaminhamento Mais vantagens... Pacotes idênticos podem entrar na rede através de roteadores distintos e serem rotulados de forma diferente, sendo que decisões de encaminhamento dependerão do roteador de entrada, fato que não acontece no método convencional, pois a identidade do roteador de entrada não trafega juntamente com o pacote. Descrição do mecanismo de encaminhamento Mais vantagens... Algumas vezes, se deseja forçar um pacote a seguir uma determinada rota, sem o uso dos protocolos de roteamento dinâmicos. Isto é possível utilizando-se de políticas de engenharia de tráfego

23

24

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores

REDES DE COMPUTADORES. Infraestrutura de Redes de Computadores MPLS Multiprotocol Label Switching (MPLS) ou Comutação de etiquetas de múltiplos protocolos Quem usa Praticamente todas as operadoras de Telecom e provedores tem em operação o protocolo MPLS em sua rede.

Leia mais

Redes de Computadores MPLS. Multiprotocol Label Switching. Gustavo Henrique Martin G. Miassi

Redes de Computadores MPLS. Multiprotocol Label Switching. Gustavo Henrique Martin G. Miassi I n t e r c o n e x ã o e Tr a n s p o r t e d e Redes de Computadores MPLS Multiprotocol Label Switching Gustavo Henrique Martin G. Miassi História do MPLS Entre meados e o final de 1996, os artigos de

Leia mais

Protocolo MPLS: Multiprotocol Label Switching

Protocolo MPLS: Multiprotocol Label Switching Protocolo MPLS: Multiprotocol Label Switching O MPLS é um protocolo de roteamento baseado em pacotes rotulados, onde cada rótulo representa um índice na tabela de roteamento do próximo roteador. Pacotes

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

Este material sobre MPLS pretende ser um guia introdutório a esta tecnologia que está em constante desenvolvimento.

Este material sobre MPLS pretende ser um guia introdutório a esta tecnologia que está em constante desenvolvimento. 8. Redes MPLS 8. 1 - Introdução Este material sobre MPLS pretende ser um guia introdutório a esta tecnologia que está em constante desenvolvimento. O MPLS surgiu no final dos anos 90 do século passado

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT

SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT SIMULAÇÃO DE REDE MPLS UTILIZANDO O NETKIT Estágio supervisionado em sistemas de informação - 2010/1 Acadêmico: Thiago Santos de Amorim Orientador: M. Sc. Ricardo Marx Costa Soares de Jesus Agenda Cenário

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

MPLS. Multiprotocol Label Switching

MPLS. Multiprotocol Label Switching MPLS Multiprotocol Label Switching MPLS MPLS - Multiprotocol Label Switching é um tipo de técnica direcionamento de dados em redes de datagramas na qual os pacotes são direcionadas de acordo com os rótulos

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Redes de Longa Distância (WAN) www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Topologias de Redes WAN Há várias tecnologias para comunicação de longa distância (WAN)

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço

Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço Configurar OSPFv3 como o protocolo PE-CE com técnicas de prevenção do laço Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Informações de Apoio Configurar Diagrama de Rede Configuração

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Redes IP Ópticas. Optical IP Networks FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Na literatura de língua Inglesa este tema é referido com várias designações

Redes IP Ópticas. Optical IP Networks FEUP/DEEC/RBL 2005/06. José Ruela. Na literatura de língua Inglesa este tema é referido com várias designações Redes Ópticas Optical Networks FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela Redes Ópticas Na literatura de língua Inglesa este tema é referido com várias designações» over Optical Networks» over (D)» Optical Data

Leia mais

3º Semestre. Aula 02 Introdução Roteamento

3º Semestre. Aula 02 Introdução Roteamento Disciplina: Dispositivos de Redes I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 02 Introdução Roteamento 2014/1 Roteiro de Aula O que é Roteamento? IP X Protocolos de Roteamento Roteamento Direto

Leia mais

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer

CCNA 1 Roteamento e Sub-redes. Kraemer CCNA 1 Roteamento e Sub-redes Roteamento e Sub-redes Introdução Protocolo roteado Visão geral de roteamento Endereçamento de sub-redes Introdução IP é o principal protocolo roteado da Internet IP permite

Leia mais

Formação para Sistemas Autônomos OSPF. Formação para Sistemas Autônomos

Formação para Sistemas Autônomos OSPF. Formação para Sistemas Autônomos OSPF Licença de uso do material Esta apresentação está disponível sob a licença Creative Commons Atribuição Não a Obras Derivadas (by-nd) http://creativecommons.org/licenses/by-nd/3.0/br/legalcode Você

Leia mais

Para obter mais informações sobre convenções de documento, consulte as Convenções de dicas técnicas Cisco.

Para obter mais informações sobre convenções de documento, consulte as Convenções de dicas técnicas Cisco. Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Bridging Bridging Transparente Exemplos de configuração Exemplo 1: Transparent Bridging Simples Exemplo 2: Transparent

Leia mais

MPLS FUNDAMENTOS E APLICAÇÕES

MPLS FUNDAMENTOS E APLICAÇÕES MPLS FUNDAMENTOS E APLICAÇÕES Universidade Federal do Rio de Janeiro Disciplina: Redes de Computadores Aluno: Gabriel Epsztejn 2º semestre/2002 Professor: Otto - ÍNDICE: 1- INTRODUÇÃO 1.1 Motivação e necessidades

Leia mais

TCP/IP Protocolos e Arquiteturas

TCP/IP Protocolos e Arquiteturas TCP/IP Protocolos e Arquiteturas Prof. Airton Ribeiro de Sousa 2016 Introdução ao TCP/IP Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si, é necessário que todos adotem as mesmas

Leia mais

IPv6 FEUP MPR. » Espaço de endereçamento pequeno» Usado de forma descontínua» Algumas alterações para resolver estes problemas

IPv6 FEUP MPR. » Espaço de endereçamento pequeno» Usado de forma descontínua» Algumas alterações para resolver estes problemas IPv6 1 IPv6 FEUP MPR IPv6 2 A Necessidade de um Novo IP IPv4» Espaço de endereçamento pequeno» Usado de forma descontínua» Algumas alterações para resolver estes problemas subredes e superredes (CDIR)»

Leia mais

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA

CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA 1. A arquitetura TCP/IP possui diferentes protocolos organizados em uma estrutura hierárquica. Nessa arquitetura, exemplos de protocolos das camadas de Rede, Transporte e Aplicação, são, respectivamente,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11

REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 REDES DE COMPUTADORES E TELECOMUNICAÇÕES MÓDULO 11 Índice 1. ROTEAMENTO...3 1.1 Introdução... 3 1.2 O roteamento e seus componentes... 3 1.3 Tabelas de roteamento... 3 1.4 Protocolos de roteamento... 3

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. Roteiro de Estudos Redes IP Conceitos Básicos IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais

Leia mais

Tecnologias e Componentes de Redes

Tecnologias e Componentes de Redes Tecnologias e Componentes de Redes Material de apoio Protocolo IP e Algorítmos de Roteamento Cap.9 19/01/2012 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina e não substitui a leitura

Leia mais

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes

Prof. Antonio P. Nascimento Filho. Tecnologias de rede. Ethernet e IEEE Token ring ATM FDDI Frame relay. Uni Sant Anna Teleprocessamento e Redes Tecnologias de rede Ethernet e IEEE 802.3 Token ring ATM FDDI Frame relay Ethernet A Ethernet é uma tecnologia de broadcast de meios compartilhados. Entretanto, nem todos os dispositivos da rede processam

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Como funciona o balanceamento de carga em caminhos de custos desiguais (variância) no IGRP e no EIGRP?

Como funciona o balanceamento de carga em caminhos de custos desiguais (variância) no IGRP e no EIGRP? Como funciona o balanceamento de carga em caminhos de custos desiguais (variância) no IGRP e no EIGRP? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Balanceamento de carga

Leia mais

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Msc. Adilson Eduardo Guelfi Msc. Frank Meylan Prof. Dr. Sérgio Takeo Kofuji Comunicação entre Sub-redes IP Comunicação CLIP Servidor ARP Mapeamento de endereços

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi fabianotaguchi@gmail.com http://fabianotaguchi.wordpress.com BENEFÍCIOS MODELO OSI Menor complexidade; Interfaces padronizadas; Interoperabilidade entre

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade

Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade Gerenciamento x Gestão de Provedores com Alta Disponibilidade Vitor Horita - Engenheiro de Telecom, Computação e Segurança do Trabalho; - Pós Graduado em Redes e Comunicação de Dados; - Pós Graduado em

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 slide 2 Questões de projeto da camada de rede Comutação de pacote: store-and-forward Serviços fornecidos à camada de transporte Implementação do serviço não

Leia mais

Como o roteador trabalha?

Como o roteador trabalha? Roteamento IPv6 Como o roteador trabalha? Ex.: 1.O roteador recebe um quadro Ethernet; 2.Verifica a informação do Ethertype que indica que o protocolo da camada superior transportado é IPv6; 3.O cabeçalho

Leia mais

Expert Series Webcast

Expert Series Webcast Cisco Support Community Expert Series Webcast Desvendando o MPLS Leonardo Furtado Setembro 21, 2016 Expert Series Webcast ao vivo Desvendando o MPLS Leonardo Furtado é Instrutor e Facilitador do High Touch

Leia mais

Configurando uma VPN MPLS Básica

Configurando uma VPN MPLS Básica Configurando uma VPN MPLS Básica Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Produtos Relacionados Convenções Configurar Diagrama de Rede Procedimentos de Configuração Configurações

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF)

Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre Aula 13 Roteamento Dinâmico com Protocolos Link-State (Protocolo OSPF) 2014/1 Roteiro de Aula Introdução Funcionamento

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

Redes de Computadores e a Internet

Redes de Computadores e a Internet Redes de Computadores e a Internet Magnos Martinello Universidade Federal do Espírito Santo - UFES Departamento de Informática - DI Laboratório de Pesquisas em Redes Multimidia - LPRM 2010 Capítulo 4:

Leia mais

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP

Camada de Rede. Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Endereçamento de Rede Protocolo IP Camada de Rede Protocolo mais importante: IP IPv4 (mais utilizada) IPv6 (atender ao crescimento das redes e a necessidade de novos endereços). PDU: Pacote

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Prof. Gustavo Wagner. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Prof. Gustavo Wagner. A camada de rede Redes de computadores e a Internet Prof. Gustavo Wagner Capitulo Capítulo 4 A camada de rede NAT: Network Address Translation resta da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24

Leia mais

Weighted Fair Queuing. Comparação dos métodos de filas

Weighted Fair Queuing. Comparação dos métodos de filas Weighted Fair Queuing Comparação dos métodos de filas Esquema de seleção de filas Controle de congestionamento RED: Random Early Detection É um mecanismo de prevenção e inibição de congestionamento, atuando

Leia mais

Capítulo 4: Camada de rede

Capítulo 4: Camada de rede Capítulo 4: Camada de Objetivos do capítulo: entender os princípios por trás dos serviços da camada de : modelos de serviço da camada de repasse versus roteamento como funciona um roteador roteamento (seleção

Leia mais

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF

RIP OSPF. Características do OSPF. Características do OSPF. Funcionamento do OSPF. Funcionamento do OSPF OSPF & mospf Visão Geral do Protocolo Escopo da Apresentação Introdução - Protocolos de roteamento - Tipos de protocolos - Histórico do protocolos de roteamento (RIP e suas características) OSPF MOSPF

Leia mais

RT 1. Routers IP. Manuel P. Ricardo. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

RT 1. Routers IP. Manuel P. Ricardo. Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto RT 1 Routers IP Manuel P. Ricardo Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto RT 2 Bibliografia» Aula preparada com base seguinte bibliografia S. Keshav, An Engineering Approach to Computer Networking,

Leia mais

Parte 3: Camada de Rede

Parte 3: Camada de Rede Parte 3: Camada de Rede Objetivos: Visão Geral: Entender os princípios dos serviços da Camada de Rede: Roteamento (seleção de caminho). Implementação na Internet. Serviços da Camada de Rede. Princípios

Leia mais

Roteamento Prof. Pedro Filho

Roteamento Prof. Pedro Filho Roteamento Prof. Pedro Filho Definição Dispositivo intermediário de rede projetado para realizar switching e roteamento de pacotes O roteador atua apenas na camada 3 (rede) Dentre as tecnologias que podem

Leia mais

Gestão de Sistemas e Redes

Gestão de Sistemas e Redes Gestão de Sistemas e Redes Comutação em Redes Locais Paulo Coelho 005 Versão.0 Comutação em LANs Sumário Comutadores Store-and-Forward Comutação de circuitos vs Datagramas Bridges e segmentação de LANs

Leia mais

Redes de Computadores Nível de Rede

Redes de Computadores Nível de Rede Comunicação de Dados por Fernando Luís Dotti fldotti@inf.pucrs.br Redes de Computadores Nível de Rede Fontes Fontes principais: principais: Redes Redes de de Computadores Computadores -- das das LANs,

Leia mais

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte.

Camadas do TCP/IP. Camada de Rede Protocolo IP. Encapsulamento dos Dados. O Protocolo IP. IP visto da camada de Transporte. Camadas do TCP/IP Camada de Protocolo IP TE090 s de Computadores UFPR Prof. Eduardo Parente Ribeiro Aplicação Transporte ou Serviço Roteamento ou Inter-rede Enlace ou Interface de FTP, TELNET, SMTP, BOOTP,

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 4.7 Roteamento de broadcast e multicast Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Tipos de tráfego unicast: pacote enviado a um único destino. broadcast: pacote enviado a

Leia mais

Open Shortest Path First (OSPF)

Open Shortest Path First (OSPF) Open Shortest Path First (OSPF) Carlos Gustavo A. da Rocha Introdução Protocolo de roteamento baseado em estado de enlace, padronizado na RFC 2328 Criado para solucionar as deficiências do RIP Roteadores

Leia mais

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão

FUNDAMENTOS DE REDES DE COMPUTADORES Unidade IV Camada de Rede. Luiz Leão Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo Programático 4.1 Protocolo IP 4.2 Endereçamento IP 4.3 Princípios de Roteamento Introdução O papel da camada de rede é transportar pacotes

Leia mais

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP

Redes de Computadores e Aplicações. Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do N Campus Currais Novos Redes de Computadores e Aplicações Aula 37 Roteamento IP Unicast Dinâmico RIP Prof. Diego Pereira

Leia mais

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7

Ferramentas para Coexistência e Transição IPv4 e IPv6. Módulo 7 Ferramentas para Coexistência e Transição IP e IPv6 Módulo 7 ftp://ftp.registro.br/pub/stats/delegated-ipv6-nicbr-latest 250 200 150 100 50 0 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Coexistência

Leia mais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais

Integração IP/ATM. Características das redes atuais Integração IP/ Msc. Marcelo Zanoni Santos Msc. Adilson Guelfi Msc. Frank Meylan Características das redes atuais Ethernet, Fast Ethernet, Token Ring, FDDI etc Não orientadas a conexão Unidade de transmissão

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21

Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Capítulo 2 Redes de Computadores... 21 Sumário Capítulo 1 Introdução à Certificação Cisco... 1 Por que Ser um Profissional Certificado... 2 CCNA 4... 3 A Carreira de Certificação Cisco... 4 Profissional de Suporte... 6 Engenheiro de Projeto...

Leia mais

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP:

Aula 4. Pilha de Protocolos TCP/IP: Aula 4 Pilha de Protocolos TCP/IP: Comutação: por circuito / por pacotes Pilha de Protocolos TCP/IP; Endereçamento lógico; Encapsulamento; Camada Internet; Roteamento; Protocolo IP; Classes de endereços

Leia mais

Problemas e soluções reais em prover Alta Disponibilidade com OSPF, MPLS, BGP e VRF. Professor: Lacier Dias

Problemas e soluções reais em prover Alta Disponibilidade com OSPF, MPLS, BGP e VRF. Professor: Lacier Dias Problemas e soluções reais em prover Alta Disponibilidade com OSPF, MPLS, BGP e VRF. Professor: Lacier Dias 1 Profº. Lacier Dias Formado em Segurança da Informação Pós-Graduado em Segurança de Rede de

Leia mais

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP)

Protocolo PPP. Principais Componentes: Método para encapsular datagramas em enlaces seriais (Substitui o SLIP). Link Control Protocol (LCP) Protocolo PPP 1 Protocolo PPP Substitui o protocolo SLIP Em Enlaces Seriais Conexões Síncronas e Assíncronas Controle da configuração de enlace Permite endereços IP dinâmicos Multiplexação de protocolos

Leia mais

1. MPLS (Multiprotocol Label Switching)

1. MPLS (Multiprotocol Label Switching) 1. MPLS (Multiprotocol Label Switching) O MPLS (Multiprotocol Label Switching) é é uma técnica de encaminhamento de pacotes baseado em label, padronizado pelo IETF em http://www.ietf.org/html.charters/mplscharter.html.

Leia mais

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP

AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP Disciplina: Dispositivos de Rede I Professor: Jéferson Mendonça de Limas 3º Semestre AULA 07 Roteamento Dinâmico com Protocolo RIP 2014/1 Roteiro de Aula Introdução a Conceitos de Roteamento Dinâmico Problemas

Leia mais

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft

Roteamento IPv4 básico com OSPF. Por Patrick Brandão TMSoft Roteamento IPv4 básico com OSPF Por Patrick Brandão TMSoft www.tmsoft.com.br Pré-requisitos Conhecimento técnico de IPv4 Laboratório com roteadores OSPF Cisco MyAuth3 Mikrotik RouterOs Conceitos básicos

Leia mais

Parte 05. Camada 1 - Repetidores e domínios de colisão

Parte 05. Camada 1 - Repetidores e domínios de colisão INTERCONEXÃO Parte 05 Camada 1 - Repetidores e domínios de colisão Dispositivos de Interconexão NIC Hub/Repeater Bridge/Switch Router Gateways NIC (Network Interface Card) Depende do tipo de tecnologia

Leia mais

Faculdade de Engenharia da Computação

Faculdade de Engenharia da Computação Faculdade de Engenharia da Computação Disciplina Redes de Computadores - II Protocolo de Comunicação de Dados (Parte-I) Prof. Wagner dos Santos C. de Jesus www1.univap.br/wagner/ec.html 1 Conceito de transmissão

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Comunicação de Dados II Aula 10 Camada de Enlace de Dados Prof: Jéferson Mendonça de Limas Introdução Função das Camadas Anteriores: Aplicação: fornece a interface com o usuário;

Leia mais

Utilização do GNS-3 como alternativa prática no estudo de redes MPLS

Utilização do GNS-3 como alternativa prática no estudo de redes MPLS Utilização do GNS-3 como alternativa prática no estudo de redes MPLS David Fernandes Magalhães [1], Policarpo Souza Neto [2], Edson Silva Almeida [3] david.fernandes22@yahoo.com [1], policarponet.pn@gmail.com

Leia mais

Jéfer Benedett Dörr

Jéfer Benedett Dörr Redes de Computadores Jéfer Benedett Dörr prof.jefer@gmail.com Conteúdo Camada de Rede Kurose Capítulo 4 Tanenbaum Capítulo 5 Camada de Rede terceira camada A camada de rede é usada para identifcar os

Leia mais

Redes de Computadores I

Redes de Computadores I UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Redes de Computadores I Nível de Rede (IP) Prof. Helcio Wagner da Silva. p.1/36 Introdução

Leia mais

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel

Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes. VPN-Virtual Private Network. Anderson Gabriel Redes de Computadores I Seminário Novas Tecnologias em Redes VPN-Virtual Private Network Anderson Gabriel Introdução Crescimento tecnológico, necessidade de segurança VPNs - Virtual Private Network (Redes

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 2 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 O cabeçalho O CABEÇALHO Os campos 4 Conceitos Gerais Clássico Classe A Classe B Classe C Classe

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Engenharia de Tráfego, Proteção e GMPLS. Edgard Jamhour

Engenharia de Tráfego, Proteção e GMPLS. Edgard Jamhour Engenharia de Tráfego, Proteção e GMPLS Edgard Jamhour Engenharia de Tráfego no Roteamento Tradicional Todos os pacotes seguem rota única até o destino (menor custo) Quando existe múltiplas rotas com custos

Leia mais

O que é a distância administrativa?

O que é a distância administrativa? O que é a distância administrativa? Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Usados Convenções Selecione o Melhor Caminho Tabela de Valor de Distância Padrão Outras Aplicações da Distância

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL)

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Morvan Daniel Müller UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) Dissertação

Leia mais

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim

Redes. DIEGO BARCELOS RODRIGUES Ifes - Campus Cachoeiro de Itapemirim Redes DIEGO BARCELOS RODRIGUES dbarcelos@ifes.edu.br 1 Agenda Correção do Trabalho de Casa Exercício Ponto Extra Roteamento o Estático o Dinâmico 2 Exercício Valendo Ponto Extra Utilize VLSM para distribuir

Leia mais

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns:

também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: Roteamento intra-as também conhecido como Interior Gateway Protocols (IGP) protocolos de roteamento intra-as mais comuns: RIP: Routing Information Protocol OSPF: Open Shortest Path First IGRP: Interior

Leia mais

rsf.a03 Bridging e Switching PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO

rsf.a03 Bridging e Switching PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO rsf.a03 Bridging e Switching PROFº RICARDO JOSÉ BATALHONE FILHO Bridges e Switches Bridges e Switches são dispositivos de comunicação de rede que operam principalmente na camada 2 do Modelo de Referência

Leia mais