Roteamento e Comutação

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteamento e Comutação"

Transcrição

1 Roteamento e Comutação

2 Spanning Tree Protocol O STP é executado em bridges e switches compatíveis com 802.1D. O STP foi projetado para contornar os problemas de bridging em redes redundantes. O objetivo do STP é evitar e eliminar loops na rede, negociando um caminho livre de loops através de uma bridge raiz. Quando implementado em rede de switching a bridge raiz é chamada de switch raiz. Ele faz isso determinando onde estão os loops na rede e bloqueando os enlaces redundantes. Desta forma tem-se a certeza de que haverá apenas um caminho para qualquer destino, evitando, assim, uma formação de loop. No caso de falha no enlace, o comutador conhecerá um enlace redundante, anteriormente desativado, e o ativará. Segmento A Isso significa que algumas portas precisarão ser desativadas ou colocadas em um modo de nãoencaminhamento. Essas portas podem ser ativadas no caso de uma falha no enlace que está encaminhando os dados. Segmento B

3 Spanning Tree Protocol O Protocolo Spanning Tree executa um algoritmo chamado STA (Spanning Tree Algorithm). Para encontrar os enlaces redundantes, o STA escolhe um ponto de referência na rede, que chamados de bridge raiz (switch raiz) e, depois, determinar quais os caminhos disponíveis para aquele ponto de referência. Se encontrar caminho redundante, ele optará pelo menor caminho para o encaminhamento e bloqueará todos os outros caminhos. Para fornecer a redundância de caminhos, o STP definirá uma árvore que incluirá todos os switches em uma sub-rede. O STP obrigará determinados caminhos de dados redundantes a entrarem em estado de espera (bloqueado). Segmento A Segmento B

4 Loop Nenhum mecanismo definido na Ethernet marca o frame para ser jogado foram do mesmo modo que um roteador IP usa o TTL (tempo de vida). O frame enviado pelo computador segue por broadcast tentando identificar o destinatário em uma tabela MAC e se ele não existir será encaminhado à todas as portas, se nessas portas existem outros switches o processo continuará e formará um loop.

5 Bridge Protocol Data Unit Todos os switches em uma LAN estendida que participa do STP recolhem informações sobre os outros switches através de uma troca de mensagens de dados. Essas mensagem são conhecidas como BPDUs. As BPDUs são enviadas a cada dois segundos em todas as portas para que seja garantida uma topologia estável e livre de loops. Campos da BPDU: Informações da raiz: as informações da raiz são formadas pela prioridade da raiz e o ID da raiz. A combinação destas informações indica se o dispositivo foi ou não escolhido para ser a bridge raiz. Custo do caminho: indica o quão longe da bridge raiz está a BPDU. E usado para determinar quais portas encaminharão quadros e quais portas serão bloqueadas. Informações da bridge: são as informações sobre a bridge que enviou a BPDU, além da bridge que foi designada para acessar a bridge raiz. Informações da porta: prioridade e ID da porta. Elas exibem informações sobre a porta que transmitiu a BPDU. Isto é usado para ajudar a determinar as portas que encaminharão os dados e as que serão bloqueadas. Timers: usado para indicar quanto tempo o spanning tree levará para realizar suas funções.

6 Bridge Protocol Data Unit A troca de mensagens BPDU resultará em: Escolha de um switch raiz (bridge raiz) para a topologia. Escolha de um switch para cada segmento de switches. Escolha de root ports (portas raiz). Remoção de loops na rede, através da colocação de portas em estado bloqueado. Esse bloqueio apenas é aplicado às portas conectadas a outras pontes ou switches. O STP não afeta portas que se conectam a estações de trabalho. Essas portas continuam encaminhando dados.

7 Elegendo uma bridge raiz A primeira etapa na criação de uma árvore spanning tree livre de loops é escolher uma bridge raiz. A bridge raiz será o ponto de referência que todos os switches usarão para determinar se existem loops na rede. Na inicialização o switch parte do pressuposto que ele é a bridge raiz e define seu ID de bridge como sendo o ID da raiz: ID da raiz = O número padrão para prioridade nos switches Cisco é ou 0x o MAC do switch. A combinação destes dois números determinará quem será a bridge raiz. Quanto menor o número, mais provável será que este switch venha ser a raiz. A combinação do ID deverá parecer-se com o seguinte: c A seleção do bridge/switch-raiz é muito importante. Você pode escolher ou pode deixar que os switches decidam. Melhor será se você fizer a escolha.

8 Associação com a bridge raiz Depois que a bridge raiz tiver sido eleita, cada switch deverá formar uma associação com a bridge raiz. Isto é feito escutando-se as BPDUs assim que elas chegam em todas as portas. A recepção de BPDUs em várias portas indica a existência de um caminho redundante para a bridge raiz. Para escolher quais portas encaminharão dados e quais irão bloqueá-los, o switch procura três componentes BPDU: Custo do caminho Informações da bridge Informações da porta Inicialmente, o switch verifica o custo do caminha para determinar qual porta está recebendo o caminho de menor custo. Este custo é calculado com base na velocidade do enlace e no número de enlaces que a BPDU atravessou desde a raiz. A porta que tiver o menor custo será colocada no modo encaminhamento. Todas as outras que tiverem recebendo BPDUs serão colocadas no modo bloqueio.

9 Ao final do processo O resultado da troca de BPDUs é o seguinte: Um switch é escolhido para ser o switch raiz. A menor distância para o switch raiz é calculada em cada um dos switches. Para cada switch, uma porta raiz é selecionada. Esta porta é aquela que fornece o melhor caminho entre o switch e o switch raiz. As portas que não realizarão encaminhamentos serão colocadas em um estado bloqueado.

10 Estados da porta no spanning tree O spanning tree obriga cada porta a passar por vários estados diferentes: Bloqueado (Blocked): todas as portas são iniciadas no modo bloqueado a fim de evitar a criação de um loop. A porta permanecerá no estado bloqueado se o spanning tree determinar que há um caminho melhor para a bridge raiz. Escuta (Listen): a porta passa do estado bloqueado para o estado escuta. Ela usa este tempo para tentar aprender se existem outros caminhos para a bridge raiz. Durante este estado, a porta poderá escutar quadros, mas não poderá enviar ou receber. Aprendizado (Learn): é muito parecido com o estado de escuta, exceto pelo fato de que a porta pode acrescentar as informações que aprendeu à sua tabela de endereços. Ainda não lhe é permitido enviar ou receber dados. Encaminhamento (Forward): este estado significa que a porta pode enviar e receber dados. Uma porta somente será colocada em um estado de encaminhamento se não existirem enlaces redundantes, ou se ela for escolhida como o melhor caminho para a raiz. Inativa (Disabled): O switch pode desativar uma porta por várias razões. Entre elas estão problemas por falha de hardware, a exclusão de VLAN nativa da porta e desativação administrativa.

11 Verificar o spanning tree STP

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts

PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR. 48 Hosts Link C 6 Hosts CTRA C U R S O SUPERIOR EM REDES E AMBIENTES OPERACIONAIS CAR Componentes Ativos de Rede Prof.: Roberto J.L. Mendonça PRIMEIRA LISTA DE EXERCÍCIOS CAR 1. De acordo com a figura abaixo determine os endereços

Leia mais

Comutação de pacotes: LANs Comutadas. Prof. Dr. S. Motoyama

Comutação de pacotes: LANs Comutadas. Prof. Dr. S. Motoyama omutação de pacotes: LNs omutadas Prof. Dr. S. Motoyama 1 Pontes e LNs estendidas LNs possuem limitações físicas (por exemplo, 2500m) Problema: omo conectar efetivamente múltiplos segmentos de LNs? Uma

Leia mais

Interconexão redes locais (LANs)

Interconexão redes locais (LANs) Interconexão redes locais (LANs) Descrever o método de funcionamento dos dispositivos bridge e switch, desenvolver os conceitos básicos de LANs intermediárias, do uso do protocolo STP e VLANs. Com o método

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Objetivos Explicar a função da redundância

Leia mais

Acesso Ethernet com Hubs

Acesso Ethernet com Hubs Acesso Ethernet com Hubs O dado é enviado de um por vez Cada nó trafega a 10 Mbps Acesso Ethernet com Bridges Bridges são mais inteligentes que os hubs Bridges reuni os quadros entre dois segmentos de

Leia mais

Spanning Tree Protocol: Evoluções

Spanning Tree Protocol: Evoluções Spanning Tree Protocol: Evoluções Fast Switching PVST Per VLAN Spanning Tree (Cisco) PVST+ Per VLAN Spanning Tree plus (Cisco) MSTP Multiple Spanning Tree Protocol - IEEE 802.1s RSTP Rapid Spanning Tree

Leia mais

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede

Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Laboratório de Redes de Computadores 2 8 o experimento Objetivos: i) Verificar o impacto de loops em redes locais ii) Configurar o protocolo STP para remover loops da rede Introdução A interligação de

Leia mais

Redes e Conectividade

Redes e Conectividade Redes e Conectividade Camada de enlace: domínio de colisão e domínio de broadcast, segmentação, modos de switching para encaminhamento de quadros Versão 1.0 Março de 2016 Prof. Jairo jairo@uninove.br professor@jairo.pro.br

Leia mais

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers

Universidade do Sul de Santa Catarina. Tecnologia e Comutação Ethernet. Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Universidade do Sul de Santa Catarina Tecnologia e Comutação Ethernet Conceitos de Ethernet Nos anos 80 foi publicado o primeiro padrão Ethernet por um consórcio entre a Digital Equipment Company, a Intel,

Leia mais

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página

Capítulo 8 - Comutação Ethernet. Associação dos Instrutores NetAcademy - agosto de 2007 - Página Capítulo 8 - Comutação Ethernet 1 Bridging da Camada 2 CCNA1_8_1_1_pt[1].swf Ao acrescentarmos mais hosts em um segmento, aumentamos o domínio de colisão e o número de retransmissões. Uma solução é dividir

Leia mais

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos

Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour. Nome dos Alunos Exercícios de Revisão Redes de Computadores Edgard Jamhour Nome dos Alunos Cenário 1: Considere a seguinte topologia de rede IPB 210.0.0.1/24 IPA 10.0.0.5/30 220.0.0.1\24 4 5 3 1 IPC 10.0.0.9/30 REDE B

Leia mais

Equipamentos de Interconexão

Equipamentos de Interconexão Equipamentos de Interconexão Hubs, Pontes e Switches Prof. José Gonçalves Departamento de Informática UFES zegonc@inf.ufes.br Interconexão de Redes Repetidor Um repetidor ( repeater ) é um dispositivo

Leia mais

Módulo 8 Ethernet Switching

Módulo 8 Ethernet Switching CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 8 Ethernet Switching Comutação Ethernet 2 Segmentação de Redes Numa Ethernet o meio de transmissão é compartilhado Só um nó pode transmitir de cada vez. O aumento

Leia mais

Guia Básico para Configuração de Switches

Guia Básico para Configuração de Switches RD Press Guia Básico para Configuração de Switches Alta Disponibilidade Switches 3Com, H3C e HPN Serie-A Diego Dias R D PR E S S Guia Básico para Configuração de Switches Alta Disponibilidade RD Press

Leia mais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais

Fundamentos de Redes de Computadores. Elementos de Redes Locais Fundamentos de Redes de Computadores Elementos de Redes Locais Contexto Implementação física de uma rede de computadores é feita com o auxílio de equipamentos de interconexão (repetidores, hubs, pontos

Leia mais

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5

Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Tecnologia de Redes de Computadores - aula 5 Prof. Celso Rabelo Centro Universitário da Cidade 1 Objetivo 2 3 4 IGPxEGP Vetor de Distância Estado de Enlace Objetivo Objetivo Apresentar o conceito de. Conceito

Leia mais

Curso de extensão em Administração de Redes

Curso de extensão em Administração de Redes Curso de extensão em Administração de Redes Italo Valcy da Silva Brito1,2 1 Gestores da Rede Acadêmica de Computação Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal da Bahia 2 Ponto de Presença

Leia mais

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br

Interconexão de Redes. Aula 03 - Roteamento IP. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Interconexão de Redes Aula 03 - Roteamento IP Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Repetidor Transceiver Hub Bridge Switch Roteador Domínio de Colisão Domínio de Broadcast

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Aula 7 Protocolos de roteamento:

Aula 7 Protocolos de roteamento: Aula 7 Protocolos de roteamento: Roteamento Estático; Roteamento dinâmico. Camada de rede A camada de rede está relacionada à transferência de pacotes da origem para o destino. Para que se chegue ao destino,

Leia mais

Cisco Networking Academy Program. Spanning Tree Protocol

Cisco Networking Academy Program. Spanning Tree Protocol Caminhos redundantes e nenhum Spanning Tree. Então, qual é o problema? Portas 10BaseT (12) Hub Portas 10BaseT (12) 0 0-9 0-2 7-7 6-5 D - F E 0 0-9 0-2 7-7 6-9 6-9 3 Host PC2 SW_A Host PC1 SW_B Portas 100BaseT

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Capítulo 5.6 e 5.7 Interconexões e PPP Prof. Jó Ueyama Maio/2011 SSC0641-2011 1 Elementos de Interconexão SSC0641-2011 2 Interconexão com Hubs Dispositivo de camada física. Backbone:

Leia mais

4 Equipamentos de interligação de redes

4 Equipamentos de interligação de redes Capítulo 4 4 Equipamentos de interligação de redes 1 Equipamentos Equipamentos passivos: cabos, conectores, distribuidores, Equipamentos informáticos: PC s e servidores Equipamentos activos: repetidores,

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006

ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES. Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol UALG/FCT/DEEI 2005/2006 ADMINISTRAÇÃO DE REDES DE COMPUTADORES Elementos da rede (Repetidor, hub, bridge, switch, router) Spanning Tree Protocol Engª de Sistemas e Informática Licenciatura em Informática UALG/FCT/DEEI 2005/2006

Leia mais

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches

Aula 03 Regras de Segmentação e Switches Disciplina: Dispositivos de Rede II Professor: Jéferson Mendonça de Limas 4º Semestre Aula 03 Regras de Segmentação e Switches 2014/1 19/08/14 1 2de 38 Domínio de Colisão Os domínios de colisão são os

Leia mais

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância

CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento. Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância CCNA 2 Conceitos Básicos de Roteadores e Roteamento Capítulo 7 - Protocolo de Roteamento de Vetor de Distância 1 Objetivos do Capítulo Entender o funcionamento dos protocolos de roteamento de vetor de

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Uma estação é considerada parte de uma LAN se pertencer fisicamente a ela. O critério de participação é geográfico. Quando precisamos de uma conexão virtual entre duas estações que

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

Desenvolvimento do Protocolo RSTP Rapid Spanning Tree Protocol

Desenvolvimento do Protocolo RSTP Rapid Spanning Tree Protocol PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE ENGENHARIA FACULDADE DE INFORMÁTICA CURSO DE ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Desenvolvimento do Protocolo RSTP Rapid Spanning Tree Protocol IGOR

Leia mais

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul

Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Faculdade Anhanguera de São Caetano do Sul Redes Locais Curso: Tecnologia em Redes de Computadores Prof:Eduardo M. de Araujo Site-http://professoreduardoaraujo.com Modelo de Rede Hierárquico Camada de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais

2 Tecnologias de redes locais

2 Tecnologias de redes locais 2 Redes locais 2 Tecnologias de redes locais 1/81 Tecnologias de redes Locais 2.7 Segmentação da rede 2.7 Segmentação da rede Bridges e Switches Ethernet 2/81 Segmentação da rede Motivações Motivações

Leia mais

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa

Centro Tecnológico de Eletroeletrônica César Rodrigues. Atividade Avaliativa 1ª Exercícios - REDES LAN/WAN INSTRUTOR: MODALIDADE: TÉCNICO APRENDIZAGEM DATA: Turma: VALOR (em pontos): NOTA: ALUNO (A): 1. Utilize 1 para assinalar os protocolos que são da CAMADA DE REDE e 2 para os

Leia mais

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio

BACKBONE e LANS VIRTUAIS. Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio BACKBONE e LANS VIRTUAIS Bruna Luyse Soares Joel Jacy Inácio Redes Backbone Um backbone permite que diversas LANs possam se conectar. Em uma backbone de rede, não há estações diretamente conectadas ao

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs

Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Protocolo Ethernet e Dispositivos de Interconexão de LANs Prof. Rafael Guimarães Redes de Alta Velocidade Tópico 4 - Aula 1 Tópico 4 - Aula 1 Rafael Guimarães 1 / 31 Sumário Sumário 1 Motivação 2 Objetivos

Leia mais

Capítulo 4. Subcamada de controle de acesso ao meio

Capítulo 4. Subcamada de controle de acesso ao meio slide 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice Hall, 2011 Capítulo 4 Subcamada de

Leia mais

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs

Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 3: Implementar a segurança por meio de VLANs Roteamento e Switching Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers Presentation_ID

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

Wireless WDS Mesh com MIKROTIK

Wireless WDS Mesh com MIKROTIK Wireless WDS Mesh com MIKROTIK Rede em WDS Mesh: A topologia de rede em formato Mesh possui comunicação bidirecional entre seus nós. Dessa forma, todos os nós na rede (Access Point) podem acessar outra(s)

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral

Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Link Aggregation IEEE 802.3ad Uma Visão Geral Marcelo Fernandes Systems Engineer Dezembro, 2013 Introdução Link Aggregation (LA): Combinação de múltiplos enlaces físicos funcionando como um único enlace

Leia mais

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial)

VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) VLANs e Redes IP (segundo trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Virtual LANs (VLANs) No primeiro trabalho laboratorial foi configurada uma única

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais

Equipamentos de Redes de Computadores

Equipamentos de Redes de Computadores Equipamentos de Redes de Computadores Romildo Martins da Silva Bezerra IFBA Estruturas Computacionais Equipamentos de Redes de Computadores... 1 Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)...

Leia mais

switches LAN (rede de comunicação local)

switches LAN (rede de comunicação local) O funcionamento básico de uma rede depende de: nós (computadores) um meio de conexão (com ou sem fios) equipamento de rede especializado, como roteadores ou hubs. Todas estas peças trabalham conjuntamente

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP

PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP PROCESSO REQUISIÇÃO PROTOCOLO DHCP Sequencia lógica resumida: cliente investiga a rede 1- o servidor se oferece 2- cliente requisita 3- servidor fornece Resumo: 1- Todo trafego da rede é gerenciado pelo

Leia mais

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1)

O modelo ISO/OSI (Tanenbaum,, 1.4.1) Cenário das redes no final da década de 70 e início da década de 80: Grande aumento na quantidade e no tamanho das redes Redes criadas através de implementações diferentes de hardware e de software Incompatibilidade

Leia mais

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas

Packet Tracer 4.0: Overview Session. Conceitos e práticas Packet Tracer 4.0: Overview Session Conceitos e práticas Processo de Flooding ou Inundação envia informações por todas as portas, exceto aquela em que as informações foram recebidas; Cada roteador link-state

Leia mais

Redes de Computadores IEEE 802.3

Redes de Computadores IEEE 802.3 Redes de Computadores Ano 2002 Profª. Vívian Bastos Dias Aula 8 IEEE 802.3 Ethernet Half-Duplex e Full-Duplex Full-duplex é um modo de operação opcional, permitindo a comunicação nos dois sentidos simultaneamente

Leia mais

Configuração de VLANS em ambientes CISCO

Configuração de VLANS em ambientes CISCO Configuração de VLANS em ambientes CISCO Vanderlei Lemke Kruger, André Moraes 1 Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas (FATEC - Senac) Rua Gonçalves Chaves, 602 Centro Curso Superior de Tecnologia em Redes

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 14 Agenda : Pontes entre LANs 802.x e 802.y Interligação de redes locais Pontes de árvores

Leia mais

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet:

Há dois tipos de configurações bidirecionais usados na comunicação em uma rede Ethernet: Comunicação em uma rede Ethernet A comunicação em uma rede local comutada ocorre de três formas: unicast, broadcast e multicast: -Unicast: Comunicação na qual um quadro é enviado de um host e endereçado

Leia mais

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte II)

Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte II) Arquitetura de Redes: Camadas de Protocolos (Parte II) Outline Tarefa: Camadas do modelo OSI e Multiplexação Encapsulamento de dados Comunicação ponto a ponto Fluxo de pacotes nas camadas 1, 2 e 3 Discussões

Leia mais

Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs)

Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs) Instalação de Equipamentos de Rede 3a Lista de exercícios LANs e padrão IEEE 802.3 (VLANs) 1. Qual a MTU mínima e máxima em uma rede Ethernet? 2. Por que se faz necessário um protocolo de acesso ao meio

Leia mais

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL

VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VTP VLAN TRUNKING PROTOCOL VLAN Trunking Protocol O VLAN Trunking Protocol (VTP) foi criado pela Cisco (proprietário) para resolver problemas operacionais em uma rede comutada com VLANs. Só deve ser utilizado

Leia mais

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch

Application Notes: VRRP. Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Application Notes: VRRP Aplicabilidade do Virtual Router Redundancy Protocol no DmSwitch Parecer Introdução Desenvolvimento inicial Setup básico Setup com roteamento dinâmico Explorando possibilidades

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT. Professor: José Valdemir dos Reis Junior. Disciplina: Redes de Computadores II UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUI UFPI Colégio Técnico de Teresina CTT Professor: José Valdemir dos Reis Junior Disciplina: Redes de Computadores II 2 3 Dispositivo que opera apenas na camada física recebendo

Leia mais

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso

Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso Redes locais comutadas, visão geral da camada de acesso A construção de uma rede local que satisfaça às exigências de organizações de médio e grande porte terá mais probabilidade de sucesso se for utilizado

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede

Interconexão de redes locais. Repetidores. Pontes (Bridges) Hubs. Pontes (Bridges) Pontes (Bridges) Existência de diferentes padrões de rede Interconexão de redes locais Existência de diferentes padrões de rede necessidade de conectá-los Interconexão pode ocorrer em diferentes âmbitos LAN-LAN LAN: gerente de um determinado setor de uma empresa

Leia mais

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4

Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch de Acesso Fast Ethernet Modelo de Referência - Cisco SRW224G4 Switch Fast Ethernet com as seguintes configurações mínimas: capacidade de operação em camada 2 do modelo OSI; 24 (vinte e quatro) portas

Leia mais

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS

Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Unisul Sistemas de Informação Redes de Computadores Capítulo 5: Roteamento Inter-VLANS Roteamento e Comutação Academia Local Cisco UNISUL Instrutora Ana Lúcia Rodrigues Wiggers 1 Capítulo 5 5.1 Configuração

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia

ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL. Thiago de Almeida Correia ADDRESS RESOLUTION PROTOCOL Thiago de Almeida Correia São Paulo 2011 1. Visão Geral Em uma rede de computadores local, os hosts se enxergam através de dois endereços, sendo um deles o endereço Internet

Leia mais

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces

Comutação de pacotes. Não há um estabelecimento de um caminho dedicado. Não há reserva de recursos. Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há um estabelecimento de um caminho dedicado Compartilhamento de enlaces ou partes de enlaces Não há reserva de recursos Não guarda informação de estado Informações a serem enviadas são quebradas em

Leia mais

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento

BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento BC-0506: Comunicação e Redes Aula 04: Roteamento Santo André, Q011 1 Roteamento Princípios de Roteamento O que é... Sistemas Autônomos Roteamento Interno e Externo Principais Tipos de Algoritmos Distance-Vector

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Lembrando...desempenho de redes ethernet Instituto de Informátic ca - UFRGS Redes de Computadores Equipamentos de Interconexão de redes Aula 12! Ethernet emprega meio compartilhado para transmitir dados

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES

Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES Prof. Marcelo de Sá Barbosa REDE DE COMPUTADORES MODELO TCP/IP DE 5 CAMADAS MODELO OSI MODELO TCP IP NUMERO DA CAMADA CAMADA NUMERO DA CAMADA CAMADA 7 APLICAÇÃO 6 APRESENTAÇÃO 5 APLICAÇÃO 5 SESSÃO 4 TRANSPORTE

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

CCNA 1 Comutação Ethernet. Kraemer

CCNA 1 Comutação Ethernet. Kraemer CCNA 1 Comutação Ethernet Comutação Ethernet Introdução a comutação Protocolo STP Domínios de colisão Domínios de broadcast Introdução a comutação Quando o número de dispositivos que tentam acessar a rede

Leia mais

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br

Segurança de Redes de Computadores. Ricardo José Cabeça de Souza www.ricardojcsouza.com.br ricardo.souza@ifpa.edu.br Segurança de Redes de Computadores Ricardo José Cabeça de Souza Arquitetura Redes COMUNICAÇÃO EM CAMADAS Para reduzir a complexidade do projeto a maior parte das redes são organizadas em uma série de camadas

Leia mais

Voltar. Placas de rede

Voltar. Placas de rede Voltar Placas de rede A placa de rede é o dispositivo de hardware responsável por envio e recebimento de pacotes de dados e pela comunicação do computador com a rede. Existem placas de rede on-board(que

Leia mais

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme

09/06/2011. Profª: Luciana Balieiro Cosme Profª: Luciana Balieiro Cosme Revisão dos conceitos gerais Classificação de redes de computadores Visão geral sobre topologias Topologias Barramento Anel Estrela Hibridas Árvore Introdução aos protocolos

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Ficha de trabalho Redes locais

Ficha de trabalho Redes locais Ficha de trabalho Redes locais 1.Arquitectura Ethernet, necessidade de um dispositivo concentrador, um switch para ligar os computadores. 2.Funciona como concentrador de tomadas, nao possui circuito electronico,

Leia mais

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes

Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes Apostila do Material da Cisco Gerenciamento de Redes 7.1.1 Com o que se parece uma rede? A visualização de uma rede é importante. Uma rede é um conjunto de dispositivos que interagem entre si para fornecer

Leia mais

Segmentação de Redes com VLAN. Leonardo Haffermann. Pós Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Segmentação de Redes com VLAN. Leonardo Haffermann. Pós Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Segmentação de Redes com VLAN Leonardo Haffermann Pós Graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Novembro de 2009 Resumo Este artigo foi desenvolvido

Leia mais

Spanning Tree Protocol Root Guard Enhancement

Spanning Tree Protocol Root Guard Enhancement Spanning Tree Protocol Root Guard Enhancement Índice Introdução Pré-requisitos Requisitos Componentes Utilizados Convenções Descrição do recurso Disponibilidade Configuração Configuração de CatOS Configuração

Leia mais

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade

Funcionalidade Escalabilidade Adaptabilidade Gerenciabilidade Projeto de Redes Requisitos Funcionalidade -- A rede precisa funcionar. A rede precisa permitir que os usuários desempenhem os seus deveres profissionais. A rede precisa oferecer conectividade de usuário-para-usuário

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Antes de começar a configurar o seu switch, você deve estabelecer suas conexões. Existem dois tipos de conexões: através da porta de console e através da porta Ethernet. A porta

Leia mais

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador

Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Sistemas Distribuídos: Conceitos e Projeto Eleição de Coordenador Francisco José da Silva e Silva Laboratório de Sistemas Distribuídos (LSD) Departamento de Informática / UFMA http://www.lsd.deinf.ufma.br

Leia mais

CST em Redes de Computadores

CST em Redes de Computadores CST em Redes de Computadores Dispositivos de Rede I Aula 11 Continuação OSPF Prof: Jéferson Mendonça de Limas Continuação OSPF Atividade aula anterior, configuração básica Encapsulamento de Mensagens OSPF

Leia mais

VLANs Ethernet. Edgard Jamhour

VLANs Ethernet. Edgard Jamhour VLANs Ethernet O objetivo deste módulo é apresentar o conceito de VLANs (Redes LANs Virtuais) e sua aplicação tanto com o objetivo de melhorar o desempenho quanto a segurança de uma rede IP. A fim de facilitar

Leia mais

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário

Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Estudo de Caso Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Cisco Networking Academy Program CCNA 3: Conceitos Básicos de Switching e Roteamento Intermediário Visão geral e objetivos O seguinte

Leia mais

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos

Ao escolher os protocolos nesta fase do projeto, você terá subsídio para listar as características funcionais dos dispositivos a ser adquiridos Seleção de Protocolos de Switching e Roteamento Protocolos de switching/roteamento diferem quanto a: Características de tráfego gerado Uso de CPU, memória e banda passante O número máximo de roteadores

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Rede de Computadores II

Rede de Computadores II Slide 1 Técnicas para se alcançar boa qualidade de serviço Reserva de recursos A capacidade de regular a forma do tráfego oferecido é um bom início para garantir a qualidade de serviço. Mas Dispersar os

Leia mais

Comunicação de Dados

Comunicação de Dados UNISUL 2013 / 1 Universidade do Sul de Santa Catarina Engenharia Elétrica - Telemática 1 Comunicação de Dados Aula 6 Agenda Projeto da camada de enlace de dados Detecção e correção de erros Protocolos

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Faculdade de Engenharia Departamento de Informática 90 minutos * 24.05.2013 =VERSÃO A= 1 1. Esta teste serve como avaliação de frequência às aulas teóricas. 2. Leia as perguntas com atenção antes de responder. São 70 perguntas de escolha múltipla. 3. Escreva

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

Balanceamento de Carga da VLAN entre Troncos Usando a Prioridade de Portas do Protocolo Spanning-Tree

Balanceamento de Carga da VLAN entre Troncos Usando a Prioridade de Portas do Protocolo Spanning-Tree Balanceamento de Carga da VLAN entre Troncos Usando a Prioridade de Portas do Protocolo Spanning-Tree Índice Introdução Antes de Começar Convenções Pré-requisitos Componentes Utilizados Introdução ao balanceamento

Leia mais

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Camada de Enlace de Dados - Apêndice. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Camada de Enlace de Dados - Apêndice Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Endereço MAC; ARP Address Resolution Protocol; DHCP Dynamic Host Configuration Protocol; Ethernet Estrutura do quadro Ethernet;

Leia mais