9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS)"

Transcrição

1 9. MULTIPROTOCOL LABEL SWITCHING (MPLS) 9.1 INTRODUÇÃO Representa a convergência de duas técnicas usadas em redes de dados: datagrama e circuito virtual. IP: o envio de datagramas é feito através de caminhos determinados por um algoritmo de encaminhamento. ATM e Frame Relay são baseados em circuitos virtuais permanentes ou estabelecidos por sinalização. O método clássico de correr IP sobre ATM tem problemas de integração dos dois protocolos (endereços e controlo diferentes) e problemas de escalabilidade. A solução consiste em utilizar comutação de etiquetas (label switching). 1

2 Em comutação de etiquetas é usada uma etiqueta de tamanho fixo e com poucos bits inserida no cabeçalho do pacote. Um Label Switched Router (LSR) usa essa etiqueta como um apontador para o próximo LSR e a correspondente nova etiqueta. O caminho percorrido pelo pacote chama-se Label Switched Path (LSP). O LSP é direccional. O primeiro LSR num LSP é o LSR de entrada (ingress) e o último LSR é o de saída (egress). Como o mapeamento entre etiquetas é fixo em cada LSR, um LSP é determinado pelo valor inicial da etiqueta no primeiro LSR. ATM e Frame Relay usam comutação de etiquetas, mas num modo independente de IP. 2

3 MPLS não só resolve o problema de integração de IP sobre ATM, mas permite também realizar engenharia de tráfego e Virtual Private Networks (VPN) em redes IP. MPLS foi precedido pelas tecnologias IP Switching (Ipsilon), Aggregate Route-based IP Switching (IBM), Tag Switching (Cisco) e Cell Switching Router (Toshiba). As primeiras soluções juntaram o elevado desempenho dos comutadores ATM com o controlo feito através dos protocolos de encaminhamento IP. MPLS foi normalizado no IETF. 3

4 9.2 MOTIVAÇÃO IP sobre ATM: MODELO CLÁSSICO Este modelo foi criado no IETF. Adopta um modelo overlay: ATM é considerado como um protocolo da camada 2. IP corre sobre a infra-estrutura ATM sem modificações nos routers e nos sistemas terminais. Encaminhamento/ Endereçamento IP e ATM são independentes. IP permite a conectividade entre redes com diferentes protocolos na camada 2. RFC 1483 indica como encapsular pacotes IP numa ligação ATM. RFC 1577 define a arquitectura do modelo clássico e o modo de resolução de endereços. 4

5 A estrutura clássica das redes IP é preservada. Uma LIS (Logical IP Subnet) consiste num conjunto de sistemas terminais IP e de routers que partilham um mesmo endereço de rede e sub-rede IP. Qualquer pacote IP destinado para fora da sub-rede original, passa por um router mesmo que haja um VC ATM directo para comunicação. Muitas vezes não é possível fazer corresponder uma rede ATM a uma única LIS por razões administrativas. 5

6 C A ( ) E ( ) LIS LIS Router Comutador ATM 6

7 Resolução de Endereços (RFC 1577) É preciso um mecanismo para converter endereços IP em endereços ATM. Cada LIS contém um único Servidor ATM ARP (Address Resolution Protocol). Cliente B Cliente A Servidor ATM ARP 7

8 Encapsulamento dos pacotes IP (RFC 1483) Os pacotes IP são encapsulados numa PDU AAL5 (Encapsulamento LLC/SNAP). Pacote IP 0xAA-AA-03 0x x08-00 Pacote Encapsulado (LLC) (OUI) (PID) AAL5 SDU 8

9 9.2.2 Problemas de escalabilidade em IP sobre ATM Existem problemas de escalabilidade no modelo clássico de IP sobre ATM. Comutador. ATM Router ATM C. físico C. virtual 9

10 Existem VCs ATM a interligar todos os routers entre si. O número total de VCs é de n(n-1)/2. Neste caso, o número de adjacências de cada router é igual a (n-1). Demonstra-se que no caso de uma mudança de topologia na rede, a quantidade de informação que circula na rede relacionada com o algoritmo de encaminhamento cresce na ordem de n 4. Para grandes valores de n, o volume total da informação de encaminhamento causa sobrecarga nos routers, afectando o desempenho da rede. A comutação de etiquetas permite resolver este problema. 10

11 MPLS substitui o plano de controlo ATM por um plano de controlo IP que corre uma instância de IGP. Deste modo todos os comutadores ATM passam a ser um IGP peer com os seus vizinhos (comutadores ATM, routers IP). Introduzindo um protocolo para distribuição de etiquetas (Label Distribution Protocol - LDP), cada comutador ATM torna-se um Label Switch Router (LSR) de núcleo. Cada um dos routers IP transforma-se num LSR de fronteira. A carga exigida a IGP diminui substancialmente, pois cada nó passa a ter um número de peers correspondente ao número de nós vizinhos. 11

12 LSR Router 12

13 9.2.3 Engenharia de Tráfego A comutação de etiquetas facilita a criação de novas técnicas de encaminhamento para além do encaminhamento tradicional baseado no caminho mais curto. O método de longest prefix match é substituído por outro mais simples. É possível especificar um dado caminho para um pacote entre origem e destino através da atribuição adequada do valor da etiqueta em cada pacote (engenharia de tráfego). A engenharia de tráfego permite aos operadores optimizar a distribuição dos diversos tipos de tráfego pela rede. Engenharia de tráfego era tradicionalmente feita em redes FR e ATM. Usando MPLS pode também ser feita ao nível do encaminhamento IP. 13

14 9.3 ARQUITECTURA MPLS Princípios Básicos MPLS pode contribuir para as características de PHBs de um modo similar ao dos modelos IntServ e DiffServ, para além de permitir realizar engenharia de tráfego. As primeiras soluções juntaram o elevado desempenho de comutadores ATM com controlo feito através dos protocolos de encaminhamento IP. MPLS também simplifica o processamento de pacotes nos routers de núcleo, introduzindo etiquetas nos pacotes e substituindo em consequência o método de longest prefix match por outro mais simples. MPLS pode enviar pacotes por quaisquer caminhos na rede, e não necessariamente pelos caminhos mais curtos. Pode também emular túneis entre domínios não-mpls. Engenharia de tráfego permite aos operadores optimizar a distribuição dos diversos tipos de tráfego pela rede. 14

15 A etiqueta em cada nó reflecte um dado contexto de processamento no nó. Redes MPLS exclusivamente baseadas em pacotes são uma generalização das redes MPLS baseadas em ATM. Os LSR de núcleo baseados em ATM são substituídos por LSR de núcleo baseados em routers IP e são introduzidas novas tecnologias ao nível 2 para transportar os pacotes. 15

16 Cliente 1 Cliente 3 Cliente 2 Cliente 4 Cliente 7 Cliente 8 Fronteira MPLS Núcleo MPLS Fronteira MPLS Cliente 45 Cliente 6 Um campo com um pequeno número de bits é usado para transportar a etiqueta, pois o número total de etiquetas requerido num link é pequeno. Num LSP, o router a montante chama-se upstream router e o router a jusante downstream router. 16

17 Etiqueta A etiqueta é curta, com comprimento fixo e só tem significado local. Existem vários modos para codificar uma etiqueta num pacote. Foi normalizada uma codificação para a etiqueta que aparece antes do cabeçalho IP num pacote. No caso do LSR ser um comutador ATM, o campo VPI/VCI é usado como etiqueta. Como a etiqueta é o único identificador usado para enviar um pacote, um LSR tem que ser capaz de associar uma etiqueta na entrada com um determinado LSP. Cada etiqueta está associada com um FEC (Forward Equivalency Class). Um FEC define um grupo de pacotes IP que são enviados sobre um mesmo LSP e que têm o mesmo tipo de processamento nos routers. A ligação entre uma etiqueta e um FEC é biunívoca. 17

18 Stack de Etiquetas MPLS permite que mais do que uma etiqueta seja codificada num pacote. As etiquetas têm uma organização tipo stack no pacote. O stack de etiquetas suporta a introdução de túneis numa rede MPLS. Tabela de Comutação de Etiquetas (Label Switching Table) Esta tabela é também conhecida por Incoming Label Map (ILM). Contém o mapeamento entre uma etiqueta de entrada e a respectiva etiqueta e interface de saída. A etiqueta de entrada aponta para uma entrada na tabela chamada Next Hop Label-Forwarding Entry (NHLFE). 18

19 Cada etiqueta de entrada tipicamente aponta para um NHLFE. No caso de partilha de carga, pode apontar para mais do que um NHLFE. O NHLFE pode também conter informação adicional relativa ao estado do LSP (e.g. protocolo a usar na camada 2, contagem de saltos). NHLFE Etiqueta de Entrada Etiqueta de Saída Endereço do próximo router Estado 19

20 Protocolo para distribuição de etiquetas A distribuição de etiquetas pelas tabelas dos LSRs é feita através de um protocolo. Este protocolo consiste num conjunto de procedimentos pelos quais dois LSRs descobrem as características MPLS de cada um deles e trocam informação relativa ao mapeamento das etiquetas. Estes protocolos são conhecidos como protocolos de sinalização MPLS. A norma não impõe um protocolo de sinalização específico. Podem-se usar diferentes protocolos em cenários distintos. LDP é o protocolo normalmente usado para distribuição de etiquetas baseada em informação de encaminhamento. Para LSPs com encaminhamento explícito e que requeiram garantias de QoS (Constraint-based Routing) usa-se o CR-LDP ou o RSVP-TE (RSVP-Traffic Engineering). 20

21 Atribuição de etiquetas A atribuição de uma etiqueta é sempre feita pelo LSR downstream em relação ao fluxo de pacotes. Em seguida o LSR downstream informa o LSR upstream sobre esta atribuição. O tráfego de dados e o tráfego de controlo fluem em direcções opostas. Isto facilita o acesso à tabela de comutação no LSR downstream, pois pode escolher a gama de etiquetas mais conveniente. A atribuição de etiquetas pode ser: Downstream on demand (a pedido) ou Unsolicited Downstream (automática). Um LSR pode realizar a operação de label merging se necessário. Esta operação permite diminuir o nº total de etiquetas utilizadas localmente. 21

22 LSPs e Processamento nos Nós Um LSP não tem que seguir necessariamente o caminho-maiscurto entre dois LSR de fronteira. Algoritmos de encaminhamento podem ser usados para determinar novos caminhos para LSPs, que resultem numa melhor distribuição de carga numa rede. A etiqueta MPLS identifica o contexto (possivelmente em conjunto com a identificação da interface de entrada) para determinar o próximo nó e as características associadas para medição, policiamento/marcação, formatação, filas de espera e calendarização. Se todo o caminho para o LSP for especificado no LSR de entrada ou de saída estamos em presença de strictly explicit routing. Se só parte do caminho for especificado será um loosely explicit routing. 22

23 Tabela de comutação Policiamento/ Marcação Comutador FIFO e calendarização... Interfaces de saida Interfaces de entrada... Etiqueta MPLS Contexto MPLS Pacote IP Processamento de uma etiqueta MPLS num LSR 23

24 9.3.2 Forward Equivalency Classes Forward Equivalency Class (FEC) é um conjunto de pacotes que são tratados do mesmo modo no processo de envio. Existe um conjunto de regras de classificação que determina se um pacote pertence a uma FEC. Por exemplo, um conjunto de pacotes com o mesmo endereço IP destino constitui uma FEC para encaminhamento IP clássico, pois todos os pacotes recebem o mesmo tratamento quando enviados dos routers. Redes IP não suportam muitos tipos diferentes de FEC. MPLS não tem qualquer dificuldade em suportar muitos tipos diferentes de FEC. Em MPLS a classificação dos pacotes é feita no plano de controlo em vez de ser feita no plano de dados. 24

25 Uma vez estabelecido o LSP, só o router de entrada precisa de classificar o pacote num FEC. A utilização de FECs está ligada à granularidade desejada para o envio de pacotes. Uma granularidade grosseira é adequada para efeitos de escalabilidade, enquanto que uma granularidade fina permite um grande controlo sobre a circulação dos pacotes na rede. MPLS permite a existência de níveis múltiplos de granularidade sobre o mesmo LSP. Os tipos mais comuns de FEC suportados em MPLS são: - Prefixo IP - Router de saída - Fluxo aplicacional. 25

26 9.3.3 Hierarquia das Etiquetas MPLS permite que múltiplas etiquetas possam ser codificadas num pacote para formar um stack. O stack de etiquetas é usado para formar LSPs encadeados. Os LSPs encadeados permitem criar uma hierarquia com múltiplos níveis em que vários LSPs podem ser agregados num único túnel de um modo semelhante a túneis IP. No exemplo da figura existe uma rede núcleo que liga várias outras redes. O núcleo pode ser definido como um túnel LSP. 26

27 A C B E F G H Túnel LSP D Suponhamos que LSR A e LSR B pretendem estabelecer dois LSPs para LSR C e LSR D, respectivamente. Pode-se estabelecer os LSPs A-E-F-G-H-C e B-E-F-G-H-D, mas com o stack podemos primeiro criar o túnel E-F-G-H e então os LSPs A-E-H-C e B-E-H-D. 27

28 Quando um pacote vai de A para E o stack tem uma profundidade de 1. Baseado na etiqueta de entrada LSR E determina que o pacote deve entrar no túnel. Substitui a etiqueta de entrada por uma outra acordada com LSR H e coloca uma nova etiqueta no nível acima do stack (nível 2). Esta etiqueta de nível 2 é usada para comutação de etiquetas dentro do túnel. Quando LSR H recebe o pacote sabe que é o final do túnel. Retira a etiqueta do topo do stack e desce um nível (nível 1). Comuta então o pacote para LSR C. 28

29 9.3.4 Codificação das Etiquetas Trama MPLS genérica: bits Etiqueta Exp. S TTL Pacote Campo Exp (experimental): indica tipos adicionais de calendarização e de gestão de filas de espera para suporte de QoS. Nome alterado para "Traffic Class" em RFC S: quando igual a 1 indica que é o nível mais baixo (nível 1) no stack. Campo TTL: detecta e elimina tramas MPLS a circular indefinidamente na rede. Codificação MPLS para links PPP: Cabeçalho PPP/HDLC Trama MPLS Cauda HDLC 29

30 Codificação MPLS para links ATM Trama MPLS PDU AAL5 Cauda AAL5 O campo VPI/VCI é usado como etiqueta MPLS. Em Frame Relay, o campo DLCI pode ser usado como etiqueta MPLS. 30

31 9.3.5 Engenharia de Tráfego MPLS pode ser combinado com os PHBs para implementar uma rede capaz de suportar níveis específicos de serviço edge-toedge. A engenharia de tráfego permite uma definição explícita dos caminhos que cada LSP ocupa na rede de modo a optimizar as cargas média e de pico nos vários caminhos que podem existir entre dois LSRs de fronteira. Usando MPLS é simples instalar LSPs que não seguem encaminhamento pelo caminho-mais-curto. Isso não é possível em redes sem conexão. Constraint Routed LSP (CR-LSP): LSP que resulta de engenharia de tráfego. 31

32 Acesso 1 R 1 R 6 Acesso 3 Acesso 2 R 3 R 2 R 4 R 5 Cliente (Acesso 1 cliente) (Acesso 2 cliente) Dois esquemas de sinalização podem ser usados: - Derivado de RSVP (RSVP-TE). - Funcionalidade adicional em LDP (CR-LDP). 32

33 Ambos permitem a um LSR de fronteira: - Estabelecer um LSP com um LSR de fronteira remoto. - Especificar o caminho para o LSP. - Especificar parâmetros para as filas de espera e calendarização para todos os nós associados com o LSP. 33

34 9.3.6 Virtual Private LAN Service (VPLS) MPLS é frequentemente utilizado para interligação de diferentes LANs geograficamente dispersas, como se fosse uma única LAN. LAN 1 CE PE PE CE LAN 2 PE Núcleo MPLS CE LAN 3 CE Customer Edge device; PE Provider Edge device Muitas variantes Geralmente ligações ponto a ponto (PW Pseudo Wire) de todos para todos: malha completa (full mesh) Problemas de escalabilidade. Possíveis soluções: hierarquia 34

35 Na camada 2, funciona como uma bridge sobre as ligações PW (RFC 4762): Broadcast e aprendizagem de endereços MAC tal como nas LANs. Mais do que um caminho resulta em ciclos: O spanning tree protocol (STP) evita-os, mas desliga alguns caminhos, o que não é eficiente. Split horizon: melhor solução, pois um PE não encaminha tráfego de um PW por outro PW da mesma malha VPLS. Na camada 3, o BGP pode descobrir os outros nós PE que fazem parte da mesma VPLS e contribuir para o estabelecimento de uma malha completa de PW (RFC 4761). Falhas em links no núcleo do operador são recuperadas muito rapidamente para links alternativos, pelo que uma VPLS é melhor que linhas alugadas. 35

36 Bibliografia Zheng Wang, Internet QoS, Morgan Kaufmann Publishers, J.Heinanen, Multiprotocol Encapsulation over AAL 5, IETF, RFC 1483, M.Laubach, Classical IP and ARP over ATM, IETF, RFC 1577, D.Awduche et al, Requirements for Traffic Engineering over MPLS, IETF, RFC 2702, E. Rosen et al, Multiprotocol Label Switching Architecture, IETF, RFC 3031, R. Rosen et al, MPLS Label Stack Encoding, IETF, RFC 3032,

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002

MPLS MultiProtocol Label Switching. Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 01/2002 MPLS MultiProtocol Label Switching Trabalho de Redes de Computadores I Autor: Fabricio Couto Inácio Período: 0/2002 Por que MPLS? Fatores Motivadores O crescimento rápido da Internet e a difusão de redes

Leia mais

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores

Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Faculdade Integrada do Ceará FIC Graduação em Redes de Computadores Disciplina Redes de Banda Larga Prof. Andrey Halysson Lima Barbosa Aula 5 Multiprotocol Label Switching (MPLS) Sumário Definição; Histórico;

Leia mais

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico

Multiprotocol Label Switching. Protocolos em Redes de Dados- Aula 08 -MPLS p.4. Motivação: desempenho. Enquadramento histórico Multiprotocol Label Switching Protocolos em Redes de Dados - Aula 08 - MPLS Luís Rodrigues ler@di.fc.ul.pt DI/FCUL Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de.

Protocolos em Redes de Dados. Enquadramento histórico. Modo de funcionamento FEC. Antecedentes IP Switching Tag Switching. Exemplo de. Multiprotocol Label Switching Aula 07 FCUL 2005-20056 Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS.

Aula 08 MPLS 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. Enquadramento. Modo de funcionamento. Antecedentes MPLS. Aula 08 FCUL 2004-2005 Multiprotocol Label Switching Objectivo: Conciliar as tecnologias baseadas em comutação (switching) com o encaminhamento IP. Aplicações: Aumentar o desempenho. Engenharia de tráfego.

Leia mais

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

Redes WAN MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes WAN MPLS Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento Principalmente

Leia mais

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha

MPLS. Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Redes de Longa Distância Prof. Walter Cunha Vantagens do Multiprotocol Label Switching (MPLS) em relação às redes IP puras: Possibilitar a utilização de switches no roteamento principalmente em backbones

Leia mais

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda.

REDES MPLS. Roteiro. Protocolos anteriores ao MPLS. Demanda crescente por largura de banda. REDES MPLS PARTE 1 PROFESSOR: MARCOS A. A. GONDIM Roteiro Protocolos anteriores ao MPLS. Motivações para o uso de Redes MPLS. O Cabeçalho MPLS. Label Switch Router (LSR). Switched Path (LSP). Forwarding

Leia mais

MPLS MultiProtocol Label Switching

MPLS MultiProtocol Label Switching MPLS MultiProtocol Label Switching Cenário Atual As novas aplicações que necessitam de recurso da rede são cada vez mais comuns Transmissão de TV na Internet Videoconferências Jogos on-line A popularização

Leia mais

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br

PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br PROJETO DE REDES www.projetoderedes.com.br CENTRO UNIVERSITÁRIO DE VOLTA REDONDA UniFOA Curso Tecnológico de Redes de Computadores Disciplina: Redes Convergentes II Professor: José Maurício S. Pinheiro

Leia mais

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em

Redes e Telecomunicações. 2º Pacote. Formação em 2º Pacote Formação em Redes de Computadores Formação em Redes de Computadores Exposição dos conteúdos por um docente do ISEL do grupo de redes de comunicações Formação adequada a vários níveis de experiência

Leia mais

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS

Antecedentes. Vantagens potenciais das propostas. Desvantagens das propostas. Baixo atraso em comutação e QoS MPLS Paulo Aguiar Antecedentes Redes NBMA (acesso múltiplo sem difusão): ATM e Frame-Relay Baseiam-se em comutação Usam VPI/VCI (ATM) ou DLCI (Frame Relay) Operação de comutação com atraso duas ordens

Leia mais

MPLS Multi-Protocol Label Switching

MPLS Multi-Protocol Label Switching MPLS Multi-Protocol Label Switching Adilson Eduardo Guelfi Volnys Borges Bernal Luis Gustavo G. Kiatake Agenda Introdução Arquitetura de Rede Conceitos MPLS Conclusões Introdução MPLS is the enabling technology

Leia mais

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom

Introdução ao MPLS. Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Introdução ao MPLS Tiago Carrijo Setti Algar Telecom Algar Telecom 60 anos de atuação Mais de 1,5 mil associados Mais de 1 milhão de clientes Companhia de capital aberto* Backbone 13 mil km de rede óptica

Leia mais

MPLS Multiprotocol Label Switching

MPLS Multiprotocol Label Switching MPLS Multiprotocol Label Switching FEUP/DEEC/RBL 2005/06 José Ruela MPLS Multiprotocol Label Switching O IETF desenvolveu uma arquitectura designada Multiprotocol Label Switching (MPLS), que se encontra

Leia mais

MPLS. Multi Protocol Label Switching

MPLS. Multi Protocol Label Switching MPLS Multi Protocol Label Switching Nome: Edson X. Veloso Júnior Engenheiro em Eletrônica Provedor de Internet desde 2002 Integrante da equipe de instrutores da MikrotikBrasil desde 2007 Certificado Mikrotik:

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS

A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS 2015 1 A rede Multiserviços da AcessoLINE Introdução ao MPLS Marcelo Balbinot marcelo@alt.net.br Acessoline Telecom Agenda 2 Apresentação. A Empresa. Evolução do backbone. A tecnologia MPLS. Os serviços

Leia mais

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito

IP sobre ATM. Prof. José Marcos C. Brito IP sobre ATM Prof. José Marcos C. Brito 1 Razões para ter-se IP sobre ATM O IP é o padrão predominante nas redes de dados. O ATM oferece qualidade de serviço e permite a implementação de comutadores de

Leia mais

Configuração de Roteadores e Switches CISCO

Configuração de Roteadores e Switches CISCO Configuração de Roteadores e Switches CISCO Introdução ao CISCO IOS Protocolo MPLS Módulo - VI Professor do Curso de CISCO Prof. Robson Vaamonde, consultor de Infraestrutura de Redes de Computadores há

Leia mais

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral

UNIDADE II. Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral UNIDADE II Aula 6 LPCD, Redes IP/MPLS, VPN e Frame Relay Fonte: SGC Estácio e João Bosco M. Sobral MPLS significa Multi Protocol Label Switching. OMPLSé um mecanismo eficiente i de encapsulamento em hardware

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. Renato Cesconetto dos Santos UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO Renato Cesconetto dos Santos Um estudo do Uso da Tecnologia MPLS em Backbones no Brasil Dissertação submetida

Leia mais

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.

PROTOCOLO MPLS. Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br. Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br. Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf. PROTOCOLO MPLS Alexandre Urtado de Assis aua@cbpf.br Tatiana Lopes Ferraz ferraz@cbpf.br Marcelo Portes Alburqueque marcelo@cbpf.br Márcio Portes Albuquerque mpa@cbpf.br Nilton Alves Jr. naj@cbpf.br RESUMO

Leia mais

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas

Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Serviços Diferenciados Baseado na Tecnologia MPLS em Redes Heterogêneas Roberto Alexandre Dias Gerência de Tecnologia de Informações - Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina Av. Mauro

Leia mais

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS. Prof. Dr. S. Motoyama Aula-19 NAT, IP Móvel e MPLS Prof. Dr. S. Motoyama 1 NAT Network address translation Resto da Internet 138.76.29.7 10.0.0.4 Rede local (ex.: rede doméstica) 10.0.0/24 10.0.0.1 10.0.0.2 10.0.0.3 Todos os

Leia mais

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito

Capítulo IV - QoS em redes IP. Prof. José Marcos C. Brito Capítulo IV - QoS em redes IP Prof. José Marcos C. Brito Mecanismos básicos Classificação Priorização Policiamento e conformação Gerenciamento de congestionamento Fragmentação Dejjiter buffer Reserva de

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores Redes de Computadores 2 1 Coexistência sem suporte de QoS (Qualidade de Serviço) LAN Emulation (LANE) Classical IP over ATM (CLIP) Coexistência com suporte de

Leia mais

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL)

UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Morvan Daniel Müller UMA SOLUÇÃO DE AUTENTICAÇÃO FIM A FIM PARA O LDP (LABEL DISTRIBUTION PROTOCOL) Dissertação

Leia mais

MultiProtocol Label Switching - MPLS

MultiProtocol Label Switching - MPLS MultiProtocol Label Switching - MPLS Prof. S. Motoyama Rede IP Tradicional ROT - roteador ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT ROT uvem IP ROT ROT 2 Encaminhamento de pacote na rede tradicional Prefixo Enderereço

Leia mais

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA

Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA SALVADOR Um Estudo do MPLS e sua Importância para o REMA Ana Júlia Freitas Pinheiro 1 e-mail: anajulia@ufba.br Claudio Guido S. Cardoso 1 e-mail: claudioc@ufba.br Gustavo Bittencourt Figueiredo 12 e-mail:

Leia mais

Redes IP e tecnologias de nível 2

Redes IP e tecnologias de nível 2 1 Redes IP e tecnologias de nível 2 Arquitecturas / MPLS FEUP/DEEC Redes de Computadores MIEEC 2010/11 José Ruela 2 Evolução X.25, Frame Relay e ATM A aprovação, em 1976, da primeira versão (draft) da

Leia mais

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs

Apostila 05. MPLS - Definição. MPLS - Definição. MPLS - RFCs Apostila 05 Multiprotocol t l Label Switching (MPLS) MPLS - Definição O MPLS ou Multiprotocol Label Switching É uma arquitetura t de rede, que tem como principal i característica a utilização de labels

Leia mais

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM

Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Redes de Computadores I ENLACE: PPP ATM Enlace Ponto-a-Ponto Um emissor, um receptor, um enlace: Sem controle de acesso ao meio; Sem necessidade de uso de endereços MAC; X.25, dialup link, ISDN. Protocolos

Leia mais

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching.

Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. MPLS Multi-Protocol LABEL Switching Nesse módulo será vista a estratégia de roteamento e engenharia de tráfego denominada MPLS: Multi-Protocol LABEL Switching. O MPLS é, atualmente, uma das tecnologias

Leia mais

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9

9. Redes Locais ATM. Redes com Integração de Serviços Redes ATM Prof. Augusto Casaca. 1 Capitulo 9 9. Redes Locais ATM 1 2 Desafios ATM é caracterizado por um serviço do tipo CO (Connection Oriented). Nos níveis superiores, os serviços mais utilizados são do tipo CL (Connectionless) 3 9.1 Suporte de

Leia mais

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy

Roteamento IP & MPLS. Prof. Marcos Argachoy REDES DE LONGA DISTANCIA Roteamento IP & MPLS Prof. Marcos Argachoy Perfil desse tema O Roteador Roteamento IP Protocolos de Roteamento MPLS Roteador Roteamento IP & MPLS Hardware (ou software) destinado

Leia mais

Metro-LANs Ligação ao Backbone

Metro-LANs Ligação ao Backbone Metro-LANs Ligação ao Backbone Conhecimentos assumidos na apresentação Tecnologias LAN / VLAN / L2 Switching MPLS / RSVP Protocolos IGP BGP / LDP Conceitos Rede de operador (Service Provider Network) VPNs

Leia mais

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede

Redes de computadores e a Internet. Capitulo 4. Capítulo. A camada de rede Redes de computadores e a Internet 4 Capitulo 4 Capítulo A camada de rede A camada de rede Objetivos do capítulo: Entender os princípios dos serviços da camada de rede: Roteamento (seleção de caminho)

Leia mais

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA

Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Implantação de HVPLS (Hierarchical Virtual Private LAN Services) na rede GIGA Adelmo Avancini Luciano Martins 08 de dezembro de 2006 www.cpqd.com.br Agenda Projeto GIGA Topologia da rede GIGA VPLS no mercado

Leia mais

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página

Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Julho de 2007 - Página Capítulo 10 - Conceitos Básicos de Roteamento e de Sub-redes 1 Protocolos Roteáveis e Roteados Protocolo roteado: permite que o roteador encaminhe dados entre nós de diferentes redes. Endereço de rede:

Leia mais

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP

Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Comunicação entre Diferentes Sub-redes IP Msc. Adilson Eduardo Guelfi Msc. Frank Meylan Prof. Dr. Sérgio Takeo Kofuji Comunicação entre Sub-redes IP Comunicação CLIP Servidor ARP Mapeamento de endereços

Leia mais

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores

Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Redes de Computadores Grupo de Redes de Computadores Interligações de LANs: Equipamentos Elementos de interligação de redes Aplicação Apresentação Sessão Transporte Rede Ligação Física LLC MAC Gateways

Leia mais

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FHILIPE GUIMARÃES DE LINHARES OUTRAS APOSTILAS EM: www.projetoderedes.com.br Avaliação de desempenho de

Leia mais

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações

Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS Através de Simulações UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS CAMPUS CATALÃO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Bacharelado em Ciência da Computação Projeto Final de Curso Avaliação de Desempenho da Engenharia de Tráfego com MPLS

Leia mais

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay

10/10/2014. Interligação de redes remotas. Introdução. Introdução. Projeto Lógico da rede. WAN do Frame Relay. Flexibilidade do Frame Relay Interligação de redes remotas Introdução Frame Relay é um protocolo WAN de alto desempenho que funciona nas camadas física e de enlace do modelo OSI. Serviços Comutados por pacote Frame Relay / X.25 Prof.

Leia mais

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS

Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Modelagem e Análise de Desempenho de Uma Rede Baseada em Tecnologia MPLS Aujor Tadeu Cavalca Andrade Tadeu@lrg.ufsc.br Carlos Becker Westphall Westphall@lrg.ufsc.br Laboratório de Redes e Gerência LRG

Leia mais

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati

Redes de Computadores. Mauro Henrique Mulati Redes de Computadores Mauro Henrique Mulati Roteiro Roteamento na Internet OSPF BGP IPv6 Revisão MPLS Roteamento na Internet IGP: Interior Gateway Protocol (Protocolo de Gateway Interior) Algoritmo de

Leia mais

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR

Aula 10 2004-2005 FCUL. Protocolos em Redes de Dados. Luís Rodrigues. redes. Engenharia de tráfego. Redundância. Regras de bom senso QBR, PBR, CBR Aula 10 e FCUL 2004-2005 .. Assegurando a conectividade É necessário assegurar a redundância na topologia. Deve ter-se como ponto de partida uma análise de custos da inacessibilidade. Definir quais os

Leia mais

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN

V3PN Voice, Video and Integrated Data IP. Palestra V3PN V3PN Voice, Video and Integrated Data IP V3PN Voice, Video and Integrated Data Palestrante André Gustavo Lomônaco Diretor de Tecnologia da IPPLUS Tecnologia Mestre em Engenharia Elétrica Certificado Cisco

Leia mais

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso

Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Aplicação de Seamless MPLS nas Redes de Acesso Filipe M. S. Serpa Brandão 1, Sergio C. Oliveira 2 1 FITec Fundações para Inovações Tecnológicas Universidade de Pernambuco (UPE) Recife, Brasil 2 Universidade

Leia mais

TRABALHO DE FINAL DE CURSO ARQUITETURA MPLS PARA FORMAÇÃO DE VPN

TRABALHO DE FINAL DE CURSO ARQUITETURA MPLS PARA FORMAÇÃO DE VPN UNIÃO EDUCACIONAL MINAS GERAIS S/C LTDA FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS DE MINAS Autorizada pela Portaria nº 577/2000 MEC, de 03/05/2000 BACHARELADO EM SISTEMAS DE INFORMAÇÃO TRABALHO DE FINAL DE CURSO

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Switch na Camada 2: Comutação www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Introdução A conexão entre duas portas de entrada e saída, bem como a transferência de

Leia mais

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS

RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA ENGENHARIA DE TRÁFEGO EM REDES MPLS UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETRÔNICA PÓS-GRADUAÇÃO EM TELEINFORMÁTICA E REDES DE COMPUTADORES RODRIGO CORREA BASSIL GARANTINDO QUALIDADE DE SERVIÇO ATRAVÉS DA

Leia mais

10. GENERALIZED MPLS (GMPLS)

10. GENERALIZED MPLS (GMPLS) 10. GENERALIZED MPLS (GMPLS) 10.1 INTRODUÇÃO GMPLS é baseado nos conceitos desenvolvidos para MPLS e, em particular, nos aspectos relativos ao plano de controlo de MPLS. GMPLS pretende disponibilizar um

Leia mais

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento

Serviços de Comunicações. Serviços de Comunicações. Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP. condições de rede existentes em cada momento Módulo 7 Qualidade de Serviço em redes IP 7.1. O porquê da Qualidade de Serviço 7.2. Mecanismos para QoS 7.3. Modelo de Serviços Integrados - IntServ 7.4. Modelo de Serviços Diferenciados - DiffServ 1

Leia mais

Aplicação de QoS sobre MPLS em equipamentos Cisco

Aplicação de QoS sobre MPLS em equipamentos Cisco UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIAS, GERÊNCIA E SEGURANÇA DE REDES DE COMPUTADORES ROGER FONSECA NOGUEIRA Aplicação de QoS sobre MPLS

Leia mais

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP.

IV. Em uma rede Frame Relay o roteamento dos quadros é de responsabilidade do protocolo IP da família de protocolos TCP/IP. Exercícios: Redes WAN Prof. Walter Cunha http://www.waltercunha.com/blog http://twitter.com/timasters http://br.groups.yahoo.com/group/timasters/ Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é

Leia mais

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento

Encaminhamento IP. Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Entrega Directa e Indirecta de Datagramas Tabela de Encaminhamento Encaminhamento IP Características Baseado em tabelas de encaminhamento (routing) Efectuado pelos routers e pelas máquinas

Leia mais

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco.

Assumiu em 2002 um novo desafio profissional como empreendedor e Presidente do Teleco. VPN: Redes Privadas Virtuais O objetivo deste tutorial é apresentar os tipos básicos de Redes Privadas Virtuais (VPN's) esclarecendo os significados variados que tem sido atribuído a este termo. Eduardo

Leia mais

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações

QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações QoS em Redes IP: Arquitetura e Aplicações Mário Meireles Teixeira mario@deinf.ufma.br Motivação Atualmente, funcionam sobre as redes IP aplicações cujos requisitos elas não foram projetadas para atender

Leia mais

Interconexão de Redes

Interconexão de Redes Interconexão de Redes Romildo Martins Bezerra CEFET/BA Redes de Computadores II Introdução... 2 Repetidor... 2 Hub... 2 Bridges (pontes)... 3 Switches (camada 2)... 3 Conceito de VLANs... 3 Switches (camada

Leia mais

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde

MUM Brasil 2013. Autenticação através de MPLS/VPLS. Eduardo Braum. Fernando Klabunde Eduardo Braum Fernando Klabunde Índice da apresentação * A estrutura da empresa * Problemas vividos * Soluções estudadas e adotadas * MPLS * VPLS * Estudos de caso * Implementação * Considerações finais

Leia mais

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS

MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Universidade Católica de Brasília Curso de Bacharelado em Ciências da Computação Projeto Final I Monografia MPLS Uma abordagem de QoS utilizando roteadores MPLS Alunos: Geovani Sorrentino 97/5602-7 Igor

Leia mais

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin

Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom. Joelson Tadeu Vendramin Tecnologias da Rede Multiserviços da Copel Telecom Joelson Tadeu Vendramin Agenda Evolução da rede óptica da Copel Backbone: (Synchronous Digital Hierarchy) e DWDM (Dense Wavelength Division Multiplexing)

Leia mais

Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA

Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA Implantação de Hierarchical Virtual Private LAN Services (HVPLS) na Rede GIGA Luciano Martins *, Adelmo Alves Avancini, Atílio Eduardo Reggiani, Rege Romeu Scarabucci A rede experimental do Projeto GIGA

Leia mais

VLAN - Virtual LAN. Objectivo

VLAN - Virtual LAN. Objectivo Virtual LAN (VLAN) VLAN - Virtual LAN Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos activos Vários domínios de broadcast num (ou mais) switch

Leia mais

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados

1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados 1. Virtual LANs (VLANs) ISEL/DEETC Secção de Redes de Comunicação de Dados VLANS - Virtual LANs Objectivo Criação de redes locais virtuais sobre uma rede local física composta por um ou mais equipamentos

Leia mais

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama

Aula 11 Comutação de pacotes. Prof. Dr. S. Motoyama Aula Comutação de pacotes Prof. Dr. S. Motoyama O Problema Como dois hosts que não estão diretamente conectados poderão se comunicar entre si? Algum dispositivo inteligente deve ser colocado entre os hosts

Leia mais

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2?

Consulte a exposição. Qual declaração descreve corretamente como R1 irá determinar o melhor caminho para R2? 1. Que duas declarações descrevem corretamente os conceitos de distância administrativa e métrica? (Escolha duas.) a) Distância administrativa refere-se a confiabilidade de uma determinada rota. b) Um

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE UM DOMÍNIO IP

IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE UM DOMÍNIO IP FATEC FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS FATEC PROFESSOR JESSEN VIDAL INFORMÁTICA ÊNFASE EM REDES DE COMPUTADORES GUILHERME PRADO DE SOUZA LIMA IMPLEMENTAÇÃO E ANÁLISE DA TECNOLOGIA MPLS SOBRE

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Roteamento www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Roteamento Roteamento é a técnica que define por meio de um conjunto de regras como os dados originados em

Leia mais

Interligação de Redes

Interligação de Redes REDES II HETEROGENEO E CONVERGENTE Interligação de Redes rffelix70@yahoo.com.br Conceito Redes de ComputadoresII Interligação de Redes Quando estações de origem e destino encontram-se em redes diferentes,

Leia mais

Redes e Serviços em Banda Larga

Redes e Serviços em Banda Larga Redes e Serviços em Banda Larga Redes Locais de Alta Velocidade Paulo Coelho 2002 /2003 1 Introdução Fast Ethernet Gigabit Ethernet ATM LANs 2 Características de algumas LANs de alta velocidade Fast Ethernet

Leia mais

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial)

Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) Protocolos básicos de LANs IP (primeiro trabalho laboratorial) FEUP/DEEC Redes de Banda Larga MIEEC 2009/10 José Ruela Bancada de trabalho Bancada de trabalho equipamento Existem seis bancadas no laboratório

Leia mais

Serviços Diferenciados na Internet

Serviços Diferenciados na Internet Serviços Diferenciados na Internet FEUP/DEEC/RBL 2002/03 José Ruela Serviços Diferenciados na Internet O IETF desenvolveu um modelo de Serviços Diferenciados - Differentiated Services (DiffServ) - que

Leia mais

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas.

Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Engenharia de Tráfego em Redes IP sobre Tecnologia MPLS: Otimização Baseada em Heurísticas. Tese submetida à Universidade Federal de Sanat Catarina como parte dos requisitos para a obtenção do grau de

Leia mais

Capítulo 5. A camada de rede

Capítulo 5. A camada de rede Capítulo 5 A camada de rede slide slide 1 1 2011 Pearson Prentice Hall. Todos os direitos reservados. Computer Networks, Fifth Edition by Andrew Tanenbaum and David Wetherall, Pearson Education-Prentice

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO GABRIEL LUCIANI PASCOAL MULTI PROTOCOL LABEL SWITCHING MPLS ANÁLISE COMPARATIVA COM REDES ATM E FRAME-RELAY SÃO PAULO 2012 FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Gabriel

Leia mais

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes

Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento rede Memorização pacotes Qualidade de Serviço Requisitos das aplicações Técnicas para obter boa qualidade de serviço Sobredimensionamento da rede Memorização de pacotes Suavização do tráfego (Traffic shaping) O algoritmo Leaky

Leia mais

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC

Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Qualidade de Serviço em Redes IP NURCAD/INE/UFSC Slide 1 de 99 Índice Motivação Qualidade de Serviço em redes Qualidade de Serviço na Internet Abordagens para QoS na Internet A Internet2, RNP2 e QoS Projeto

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Redes Locais Virtuais - VLANs Paulo Coelho 005 Versão 1.0 1 Segmentação de LANs As redes são normalmente segmentadas de modo a reflectir a estrutura administrativa da empresa aumentar

Leia mais

DISPOSITIVOS DE INTERCONEXÃO

DISPOSITIVOS DE INTERCONEXÃO DISPOSITIVOS DE INTERCONEXÃO Dispositivos { de interconexão compreendem: CONCENTRADORES REPETIDORES PONTES SWITCHES ROTEADORES GATEWAYS 1 1. CONCENTRADORES (HUBS): Neste dispositivo só existem sinais do

Leia mais

Protocolos em Redes de Dados. redes Redundância. Regras de bom senso. Engenharia de tráfego. QBR, PBR, CBR. CBR e MPLS Exemplo: cisco. redes.

Protocolos em Redes de Dados. redes Redundância. Regras de bom senso. Engenharia de tráfego. QBR, PBR, CBR. CBR e MPLS Exemplo: cisco. redes. Aula 09 e.. FCUL 2005-2006 Assegurando a conectividade Aumentando a redundância É necessário assegurar a redundância na topologia. Deve ter-se como ponto de partida uma análise de custos da inacessibilidade.

Leia mais

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN

Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Walter Cunha Tecnologia da Informação Redes WAN Frame-Relay 1. (FCC/Pref. Santos 2005) O frame-relay é uma tecnologia de transmissão de dados que (A) opera no nível 3 do modelo OSI. (B) tem velocidade

Leia mais

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux

Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE INFORMÁTICA CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO FHILIPE GUIMARÃES DE LINHARES Avaliação de desempenho de VPNs sobre redes MPLS-Linux Trabalho de Graduação.

Leia mais

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006

Pontes. Aula 14. VLANs. Pontes (bridges) Virtual LANs (VLANs) 2005-2006 Aula 14 (bridges) Virtual LANs () FCUL 2005-2006 Nível 1/2 vs nível 3 A interligação de redes é, de acordo com os modelos OSI ou TCP/IP, feita no nível 3. Vantagens da interligação nível 3 Genérica, pois

Leia mais

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes

Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Módulo 10 Fundamentos de Routing e de Sub-redes Protocolos Roteados (Routed Protocols) 2 Protocolos Roteáveis e Roteados Routable and Routed Protocols Um protocolo roteado

Leia mais

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A

Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores 1 o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Número: Nome: Redes de Computadores I Licenciatura em Eng. Informática e de Computadores o Semestre, 27 de Janeiro de 2006 Exame de 2ª Época A Duração: 2,5 horas A prova é sem consulta A prova deve ser

Leia mais

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL

ARP. Tabela ARP construída automaticamente. Contém endereço IP, endereço MAC e TTL ARP Protocolo de resolução de endereços (Address Resolution Protocol) Descrito na RFC 826 Faz a tradução de endereços IP para endereços MAC da maioria das redes IEEE 802 Executado dentro da sub-rede Cada

Leia mais

Visão geral sobre encaminhamento

Visão geral sobre encaminhamento Encaminhamento IP Resumo Algoritmos Escalabilidade 1 Visão geral sobre encaminhamento Forwarding vs Routing forwarding: processo de seleccionar uma porta de saída baseado no endereço de destino e na tabela

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO

ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO PROJECTO E INSTALAÇÃO DE REDES LOCAIS DE COMPUTADORES O Modelo TCP/IP: Camada Internet Discentes: Ricardo Alexandre Revez Costa, nº5963 Manuel José Terlica Revés,

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Encaminhamento IPv4 Encaminhamento estático e encaminhamento dinâmico. Protocolos de encaminhamento: RIP, RIPv2, EIGRP e OSPF. Sistemas autónomos e redistribuição

Leia mais

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES

AGENTE PROFISSIONAL - ANALISTA DE REDES Página 1 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 01. Suponha um usuário acessando a Internet por meio de um enlace de 256K bps. O tempo mínimo necessário para transferir um arquivo de 1M byte é da ordem de A) 4 segundos.

Leia mais

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução

Tecnologia MPLS/VPN. Introdução Tecnologia MPLS/VPN Pedro Henrique Braga e Silva Curso de Pós-graduação em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, 1 de março de 2010. Introdução O objetivo deste

Leia mais

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR

Introdução Introduç ão Rede Rede TCP/IP Roteame Rotea nto nto CIDR Introdução as Redes TCP/IP Roteamento com CIDR LAN = Redes de Alcance Local Exemplo: Ethernet II não Comutada Barramento = Broadcast Físico Transmitindo ESCUTANDO ESCUTANDO A quadro B C B A. DADOS CRC

Leia mais

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta

Protocolo OSPF. O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t. E s pec i a li s ta Ebook Exclusivo Protocolo OSPF O p e n S h o r t e s t P at h F i r s t E s pec i a li s ta em S e rv i ços G e r e n c i a do s Segurança de de Perímetro Sumário Introdução P.3 Ententendendo o Protocolo

Leia mais

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99

Introdução ao Frame Relay. Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Introdução ao Frame Relay Prof. José Marcos Câmara Brito Inatel - 05/99 Objetivo Prover o usuário com uma rede privativa virtual (VPN) capaz de suportar aplicações que requeiram altas taxas de transmissão

Leia mais

Laboratório de Redes

Laboratório de Redes Laboratório de Redes Rui Prior 2012 Introdução às VLAN Este documento pretende dar uma breve introdução às Virtual LAN (VLAN), um conceito fundamental nas redes locais da actualidade. Conceito Por razões

Leia mais

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito

Interconexão ATM x Frame relay. Prof. José Marcos C. Brito Interconexão x Frame relay Prof. José Marcos C. Brito 1 Formas de interconexão Interoperação direta entre redes distintas Possível quando os protocolos possuem semânticas semelhantes Acesso a um protocolo

Leia mais

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.

Arquitetura do Protocolo da Internet. Aula 05 - Protocolos de Roteamento. Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu. Arquitetura do Protocolo da Internet Aula 05 - Protocolos de Roteamento Prof. Esp. Camilo Brotas Ribeiro cribeiro@catolica-es.edu.br Revisão Roteamento; Gateway; Tabelas de Roteamento; Slide 2 de 82 Rotas?!

Leia mais