Cap Sistema de Alimentação e Combustível

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cap. 04 - Sistema de Alimentação e Combustível"

Transcrição

1 Cap Sistema de Alimentação e Combustível SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO O Sistema de Alimentação, como o nome já diz, se destina a fornecer a mistura ar-combustível ao motor, na pressão e temperatura apropriada. O Sistema de Alimentação completo é constituído de três partes: O Sistema de Indução, o de Superalimentação e o de Formação de Mistura. SISTEMA DE INDUÇÃO O sistema de indução é o conjunto que admite o ar que irá formar a mistura ar-combustível. BOCAL DE ADMISSÃO Bocal de admissão é o dispositivo destinado a fazer a captação do ar.

2 FILTRO DE AR O filtro de ar tem a finalidade de reter as impurezas do ar. AQUECEDOR DE AR O aquecedor de ar, do sistema de indução, tem a finalidade de aquecer o ar que está sendo admitido, utilizando o calor que provém dos gases de escapamento. VÁLVULA DE AR QUENTE A válvula de ar quente, tem a finalidade de permitir ou interromper a circulação de ar quente, através de um caminho que envolve o tubo de admissão, por onde passa o ar que está sendo admitido. Ela é necessária, porque nem sempre se deseja o aquecimento dos gases de admissão, como por exemplo na decolagem, que nunca se faz com o ar quente ligado. COLETOR DE ADMISSÃO motor. Coletor de admissão, é o componente que distribui a mistura ar-combustível, para cada cilindro do

3 SISTEMA DE SUPERALIMENTAÇÃO O sistema de superalimentação é um compressor que aspira o ar através de uma ventoinha e o envia sob pressão para os cilindros do motor, aumentando a pressão de admissão além da pressão atmosférica. Com ele, o motor não perde potência em altitudes maiores, onde o ar diminui de densidade e se torna rarefeito. MOTOR NÃO SUPERALIMENTADO No motor comum, não superalimentado, o pistão succiona a mistura ar-combustível, durante a fase de admissão, o que torna a pressão no tubo de admissão menor que a atmosférica. A medida que a aeronave sobe, o ar se torna rarefeito e começa a faltar ar para o motor, provocando a sua perda de potência. MOTOR SUPERALIMENTADO No motor superalimentado a falta de ar decorrente da rarefação é suprida pela ação do compressor fornecendo a quantidade de ar que o motor necessita, fazendo com que ele só vá começar a perder potência em altitudes bem maiores, quando faltará ar também para o compressor. As aeronaves de pequeno porte não utilizam motores superalimentados.

4 COMPRESSORES A maioria dos compressores de superalimentação são do tipo centrífugo. A ventoinha gira em velocidades altíssimas, conseguindo captar bastante ar, que são fornecidos sob pressão ao motor. ACIONAMENTO DOS COMPRESSORES Os compressores podem ser acionados pelo eixo de manivelas, que através de dispositivos de engrenagens fazem aumentar ainda mais a sua rotação. Não podemos deixar de comentar, que existem outros tipos de compressores que aproveitam os gases soprados pelo escapamento para o seu acionamento. Sua performance é muito boa atingindo altíssimas rotações, eles são também conhecidos como turbo-compressor ou turbo-ventoinha. CUIDADOS E PRECAUÇÕES O motor superalimentado é exigido e operado ao seu limite, portanto se algum deles for ultrapassado, muitos problemas podem afetar o motor, tais como superaquecimento, pré-ignição, detonação, desgaste prematuro, entre outros danos. Devido a isso, o piloto tem que estar atento às limitações do motor.

5 SISTEMA DE FORMAÇÃO DE MISTURA O sistema de formação de mistura é quem faz a mistura ar-combustível. Basicamente são três os sistemas de formação de mistura: Carburação, Injeção Direta e Injeção Indireta. CARBURAÇÃO O carburador é o dispositivo mais comum de sistema de formação de mistura. Existem os carburadores de sucção ou de pressão diferencial, onde a gasolina é succionada pelo fluxo de ar, formado pela rarefação provocada pelo cilindro, na fase de admissão do motor. Há também, os carburadores de injeção onde o combustível é injetado sob pressão e pulverizado no fluxo de ar. INJEÇÃO INDIRETA

6 No sistema de injeção indireta, o combustível passa inicialmente por uma unidade controladora, que efetua a dosagem de combustível e o distribui para cada bico injetor, que o pulveriza no fluxo de ar que será admitido no cilindro. Portanto o cilindro recebe a mistura ar-combustível já formada. Alguns desses sistemas, não possuem a válvula distribuidora, pois o combustível é injetado e pulverizado no fluxo de ar do tubo de admissão, antes da ramificação para cada cilindro. INJEÇÃO DIRETA No sistema de injeção direta, os cilindros do motor succionam apenas ar, sendo a gasolina injetada e pulverizada diretamente no cilindro. Portanto a mistura ar-combustível se forma dentro do cilindro. A bomba de combustível trabalha sincronizada com a fase de admissão do motor.

7 CARBURADOR O carburador serve para controlar a quantidade de ar e dosar a gasolina que irá compor a mistura arcombustível. Na formação dessa mistura, há que ser considerado o regime de funcionamento do motor, ou seja, marcha lenta, decolagem ou cruzeiro, conforme o desejo do piloto. A falta ou excesso de gasolina pode provocar a parada do motor, conforme já vimos anteriormente. Em que pese a sua popularidade, o carburador apresenta algumas restrições, tais como: distribuição desigual da mistura ar-combustível a cada cilindro e o risco da formação de gelo no tubo de venturi. PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Basicamente, o ar ao passar pelo estrangulamento do tubo de venturi, aumenta a sua velocidade, diminuindo a pressão estática. Esta depressão, succiona a gasolina através do pulverizador, misturando-se com o ar, formando a mistura ar-combustível. Portanto, o carburador funciona baseado na diferença de pressão existente na cuba de nível constante de gasolina (que está submetida à pressão atmosférica) e a pressão no tubo de venturi, menor é claro que a da cuba, devido a depressão, formada pelo deslocamento do ar no estrangulamento do tubo. A cuba de gasolina, é uma espécie de caixa de água do carburador, (semelhante a que temos em casa), onde também uma bóia mantém o nível de gasolina constante.

8 CONTROLE DE POTÊNCIA A borboleta, é a responsável pelo controle de potência, quando está toda aberta, o motor aspira a máxima quantidade de ar e ao se fechar, diminui esse fluxo. A borboleta está ligada a manete de aceleração, onde o piloto comanda a potência desejada no motor. O mecanismo de borboleta é utilizado em todos os sistemas de formação de mistura, para controlar o fluxo de ar de admissão, tanto na carburação, quanto na injeção direta ou indireta, variando somente o controle de combustível, conforme o sistema. GIGLÊ É uma peça que contém um orifício calibrado, que se destina a dosar a quantidade de combustível que vai para o pulverizador principal. A bitola deste orifício é estabelecida pelo fabricante do motor. Se diminuir o orifício a mistura torna-se pobre.

9 MARCHA LENTA Quando a borboleta está quase fechada, ou seja, na posição de marcha lenta, o fluxo de ar no tubo de venturi cai muito e a gasolina não consegue mais ser succionada pelo pulverizador principal. É ai que entra em ação o pulverizador de marcha lenta, valendo-se da sucção formada pela pequena abertura deixada entre a borboleta, que não chegou a se fechar totalmente, e o tubo. A ajustagem do ponto máximo de fechamento da borboleta e do orifício de dosagem de combustível de marcha lenta podem ser feitos pelo mecânico durante a regulagem do motor. ACELERAÇÃO Quando a borboleta se abre e o motor é acelerado o fluxo de ar aumenta consideravelmente, mas a gasolina demora um pouco até chegar a subir pelo pulverizador. Neste momento, para compensar o atraso, a bomba de aceleração ou válvula de aceleração rápida, injeta uma quantidade adicional de gasolina, a medida que a borboleta está sendo aberta.

10 VÁVULA ECONOMIZADORA A válvula economizadora está sempre fechada, ou seja, proporcionando ao motor uma mistura pobre (16 por 1). A medida que se deseja enriquecer a mistura, ela vai se abrindo, até atingir o ponto de mistura rica (10 por 1). Com a válvula totalmente aberta, se o piloto acionar a manete e abrir toda a borboleta, o motor disponibilizará potência máxima. Alguns carburadores não tem dispositivo de ajuste da mistura, ficando a abertura da válvula economizadora por conta de controle automático. INFLUÊNCIA ATMOSFÉRICA Quando ocorre a diminuição da densidade do ar, a mistura, que permanece com a mesma quantidade de combustível, vai se tornando cada vez mais rica. Os fatores que influenciam na diminuição da densidade do ar são: - Diminuição da pressão atmosférica, decorrentes do aumento de altitude, ou por variações atmosféricas da natureza; - Aumento da temperatura do ar, que o torna mais rarefeito; e ar. - Aumento da umidade do ar, que também o torna mais rarefeito, pois começa a ter água no lugar do

11 CORRETOR ALTIMÉTRICO O corretor altimétrico é uma válvula acionada pela manete de mistura, cuja finalidade é corrigir a mistura ar-combustível para o motor. Ela diminui a quantidade de combustível, a medida que a altitude aumenta, a fim de evitar que a mistura vá se tornando muito rica.. Alguns motores são equipados com corretores altimétricos automáticos, que dispensam a intervenção do piloto. RESTRIÇÕES DO CARBURADOR Os carburadores, apesar de simples, apresentam alguns inconvenientes indesejáveis, alguns contornáveis, com o emprego de artifícios, outros não. Distribuição da mistura A gasolina sai do carburador e percorre caminhos mais longos para chegar aos cilindros extremos, privilegiando assim os cilindros mais próximos, o que resulta numa distribuição desigual da mistura destinada a cada cilindro. Em casos extremos, a gasolina pode até retornar ao estado líquido no interior do coletor, empobrecendo demasiadamente a mistura. O balanço da aeronave se transmite à gasolina existente na cuba, podendo provocar uma mistura pouco uniforme, daí a restrição de vôo em determinadas atitudes, como de dorso, por exemplo, quando esses carburadores simples equipam o motor. Formação de gelo A vaporização da gasolina, que ocorre no tubo de venturi, resfria o ar, podendo provocar a condensação e o congelamento da água constante no ar úmido, provocando os seguintes sintomas: - Queda de rotação do motor, pois o gelo impede a passagem da mistura; - Queda da pressão de admissão, que pode ser constatado através do manômetro de admissão; e - Funcionamento irregular do motor.

12 Além da causada por baixa temperatura, a formação de gelo, pode ocorrer quando a aeronave efetua uma descida com o motor funcionando, por muito tempo em marcha lenta, daí a necessidade de acelerar o motor, de vez em quando, para limpar o carburador, ou ligar o aquecimento de ar para desfazê-la. CARBURADOR - IMPORTANTE Faremos agora algumas considerações sobre os carburadores a injeção. O Carburador de Injeção funciona em conjunto com uma bomba que fornece a ele o combustível sob pressão. Cabe a ele, apenas a função de dosar o combustível na proporção correta com o ar admitido ao motor. As seguintes vantagens podem ser apontadas, em relação ao carburador convencional: - Não propicia formação de gelo no tubo venturi e tampouco na borboleta, porque o combustível é injetado depois dela. A eventual formação de finíssimas partículas de gelo são aspiradas pelos cilindros e se vaporizam; - Funciona em qualquer posição da aeronave, inclusive em vôo de dorso, pois não há espaços vazios onde o combustível possa balançar. - Vaporização mais perfeita do combustível porque no ato da pulverização, a pressão aplicada desmembra as gotas de combustível em partículas menores. - Dosa com mais precisão o combustível. Todas estas vantagens se aplicam aos sistemas de injeção direta e indireta de formação de mistura.

13 SISTEMA DE COMBUSTÍVEL O Sistema de Combustível se destina a armazenar o combustível e fornecê-lo ao motor. Os mais utilizados, são o de alimentação por gravidade e por pressão. ALIMENTAÇÃO POR GRAVIDADE No sistema de alimentação por gravidade, os tanques de combustível estão localizados em posição mais elevada que o motor, para possibilitar o escoamento do combustível até ele, sem o emprego de bombas. Para que não se forme vácuo no interior do tanque, ele tem um orifício de ventilação, que possibilita e entrada de ar em seu interior. A válvula seletora, permite ao piloto selecionar o tanque a ser utilizado e também serve como válvula de corte, para interromper o fluxo de combustível ao motor. ALIMENTAÇÃO POR PRESSÃO No sistema de alimentação por pressão, o combustível é bombeado até o motor. É comum se utilizar duas bombas: a bomba principal, que é acionada pelo próprio motor, e a bomba auxiliar, que normalmente é elétrica. A auxiliar é utilizada para a partida do motor, a decolagem, e o pouso, e em algumas aeronaves, nos vôos de grande altitude. Ela é capaz de suprir combustível para o motor, no caso de falha da bomba principal, e geralmente está localizada no fundo do tanque.

14 COMPONENTES DO SISTEMA DE COMBUSTÍVEL Vamos agora conhecer alguns componentes do Sistema de Combustível. INJETOR DE PARTIDA (PRIMER) É uma pequena bomba, manual ou elétrica, destinada a injetar um pouco de combustível no tubo de admissão, a fim de facilitar a partida do motor. Ela também é conhecida como bomba de escórva. Algumas aeronaves não têm "primer", mas a injeção de combustível pode ser feita através da bomba de aceleração do carburador, bastando acionar algumas vezes a manete de aceleração do motor, antes da partida. VÁLVULA DE CORTE E SELETORA A válvula de corte e seletora, permite ao piloto selecionar o tanque a ser utilizado, além de cortar o combustível para o motor. Num avião, que tem um tanque em cada asa, o piloto pode, por meio desta válvula, selecionar o tanque esquerdo, direito ou ambos, além da posição desligado, o que normalmente ocorre, após a parada do motor, para impedir qualquer saída de combustível dos tanques. A posição esquerdo ou direito é selecionada, quando aquele lado da aeronave está mais pesado, visto que, com o consumo do combustível, se estabelece o equilíbrio. Há uma seletora para cada motor da aeronave e se pode fazer a alimentação cruzada conhecida como "cross feed", ou seja, alimentar o motor direito com o tanque esquerdo e vice-versa, conforme desejado.

15 FILTRO O filtro serve para reter impurezas do combustível, normalmente através de finas telas ou outro elemento filtrante. Alguns filtros são transparentes, para se verificar a existência de impurezas ou água. Eles normalmente estão localizados em pontos de fácil acesso, abaixo do motor e permitem a retirada de combustível para verificação. PROTEÇÃO CONTRA ÁGUA Com os tanques incompletos, pode haver condensação de umidade em seu interior, originando água no fundo do mesmo, por isso, eles possuem dispositivos de drenagem nos pontos mais baixos, para a remoção de qualquer resíduo de água. Além disso, durante o abastecimento, em aeródromos sem bombas adequadas, deve-se utilizar um funil com péle de camurça curtida, que tem a propriedade de reter a água, deixando passar a gasolina. Drenar os tanques antes da partida do motor, em especial no primeiro vôo do dia, é indispensável para a segurança do vôo. LIQUIDÔMETRO (Indicador de Quantidade de Combustível) O liquidômetro indica a quantidade de combustível existente nos tanques. Há vários tipos, alguns bem simples, com a bóia do tanque acoplada a uma haste visível externamente, e outros mais elaborados, geralmente elétricos, que transmitem sinais indicativos do nível de combustível no tanque, até um instrumento localizado no painel.

16 COMBUSTÍVEL O combustível é essencial para o funcionamento dos motores. Normalmente, a gasolina é empregada nos motores a pistão e a querosene nos motores a reação, havendo contudo, algumas exceções, pois há motores a pistão que utilizam combustíveis vegetais, como por exemplo o álcool. A seguir, veremos as propriedades da gasolina e como são obtidos os combustíveis minerais derivados do petróleo. OBTENÇÃO Os combustíveis de aviação, são obtidos através da destilação. Na destilação, o petróleo é aquecido, liberando vapores, que se condensam, devido ao resfriamento, tornado-se líquidos. Inicialmente surgem os mais voláteis, como o éter, a gasolina de aviação e a gasolina comum; e posteriormente os menos voláteis, como o querosene o óleo diesel, os óleos lubrificantes e outros subprodutos. PROPRIDADES DA GASOLINA Poder calorífico Poder calorífico, é a quantidade de calor liberada pela queima de uma determinada massa de combustível, geralmente usa-se um quilograma ou uma libra. Dos combustíveis líquidos, conhecidos, a gasolina é um dos que possui maior poder calorífico. Volatilidade Volatilidade é a propriedade de um líquido se gaseificar. A gasolina é mistura composta, rica em hidrocarbonetos, cadeia orgânica constituída de carbono e hidrogênio, alguns deles altamente voláteis, o que facilita a partida do motor, mesmo a baixas temperaturas.

17 Poder antidetonante Poder antidetonante é a propriedade da gasolina de resistir a detonação, ou seja de não explodir de uma só vez, instantaneamente, como uma bomba. TIPOS DE QUEIMA DE COMBUSTÍVEL No motor a pistão, a queima da gasolina pode ocorrer em três situações distintas, uma desejável e duas não. Combustão Normal Na combustão normal, a centelha da vela dá início a queima da mistura, que se propaga dentro do cilindro, de maneira rápida e uniforme. Para que haja um maior aproveitamento, da energia impulsiva da queima dos gases, a ignição deve ocorrer no momento apropriado. Pré-ignição Na pré-ignição, como o próprio nome sugere, a ignição ocorre prematuramente, embora a combustão seja normal. Isso acontece, devido a existência de um ponto quente no interior do cilindro, que pode ser a própria vela superaquecida, ou uma carbonização, que é uma espécie de borra de carvão incandescente, acumulada na cabeça do pistão ou na câmara de combustão. Com a combustão fora de sincronismo com o pistão, a energia impulsiva acaba por prejudicar o funcionamento do motor que superaquece e tem queda de rendimento.

18 Detonação Na detonação, a combustão não ocorre de forma gradual e progressiva, mas sim instantaneamente, como uma explosão, liberando muita energia térmica em detrimento da potência mecânica. As causas que a provocam, são: gasolina com baixo poder antidetonante, mistura excessivamente pobre, temperatura do cilindro elevada, e taxa de compressão elevada. Em decorrência desses efeitos, o motor produz um ruído característico, chamado batida de pino, podendo ocorrer danos nas válvulas, no pistão e seus anéis, provocando perda de potência e superaquecimento, chegando até o ponto da queima do óleo lubrificante, ocasião em que o motor é inutilizado, ou seja, se funde. OCTANAGEM DO COMBUSTÍVEL O heptano ou normal-heptano é um hidrocarboneto existente na gasolina, ele é extremamente detonável. Por convenção, atribuiu-se a ele o índice de octano igual a zero. O octano, é outro hidrocarboneto existente na gasolina, só que muito resistente a detonação. Atribuiuse a ele o índice de octano igual a 100. A composição de 80 % de isoctano e 20 % de heptano, resulta numa mistura, com índice de octano igual a 80. Dai, qualquer gasolina que se comporte de forma similar a esta mistura no motor, será igualmente designada, com índice de octano igual a 80. Teoricamente, o máximo índice de octano de uma gasolina seria 100, mas com a utilização do aditivo chumbo tetraetila, obtém-se índices octânicos superiores a 100.

19 COMBUSTÍVEL - Classificação da Gasolina de Aviação Desta tabela podemos extrair inúmeras informações muito importantes, a respeito da gasolina de aviação. Primeiro, a gasolina de aviação é classificada segundo a sua octanagem, como por exemplo: gasolina 80/87 octanas, ou simplesmente gasolina 80. Ela também pode ser identificada pela sua coloração, que é obtida pela adição de um corante, tornando-a vermelha, azul, verde ou púrpura, conforme o seu tipo. Os dois índices, 100/130, por exemplo, nos dão outra informação muito útil, o menor, indica o poder antidetonante da gasolina, sob o efeito de mistura pobre e o maior, o seu poder antidetonante, com mistura rica. O motor nunca deve usar gasolina com octanagem abaixo da prevista pelo fabricante, pois ficará sujeito a detonação, superaquecimento e outros efeitos indesejáveis, contudo, pode usar, numa situação de emergência, octanagem acima da especificada. Se o uso for muito prolongado ou freqüente, haverá acúmulo de chumbo nas velas e falha na ignição, bem como corrosão em algumas peças do motor.

20 FASES OPERACIONAIS DO MOTOR LEITURA IMPORTANTE Fases operacionais do motor são as condições em que ele funciona durante a sua operação. Cuidado para não confundir as fases operacionais com as seis fases de funcionamento, que são: admissão, compressão, ignição, combustão, expansão e escapamento. MARCHA LENTA Na fase operacional de marcha lenta, o motor funciona sem solicitação de esforço algum, com uma rotação suficiente apenas para não parar. A manete de potência deve estar totalmente puxada para trás e a da mistura totalmente a frente, ou seja, a mistura deve ser rica, pois parte da gasolina se mistura com os gases queimados e é perdida pelo tubo de escapamento, devido ao cruzamento de válvulas do motor. O ajuste da mistura de marcha lenta deve ser feita por um mecânico, com a aeronave no solo. DECOLAGEM Na fase operacional de decolagem é que se exige a máxima potência do motor. A manete de potência é levada toda a frente (manete a pleno) e a da mistura também, pois se decola com mistura rica. Nestas condições, o motor é alimentado com a máxima quantidade de ar e com gasolina em excesso, com a mistura na proporção 10:1. A temperatura do motor poderá aumentar rapidamente, contudo, essa fase dura pouco, pois logo a aeronave atinge altura suficiente para que o piloto reduza a potência, evitando assim qualquer dano ao motor. SUBIDA Na fase operacional de subida o piloto reduz a rotação do motor ajustando-a para potência máxima contínua, ou seja, a máxima que o motor pode suportar sem limite de tempo. A mistura ideal para subida é a moderadamente rica (12:1). Em alguns aviões de baixa performance é desnecessário reduzir a rotação, visto que o motor não tem torque a ponto de girar a hélice em rotação excessiva durante a subida. À medida que se for ganhando altura, o ar fica rarefeito, tornando a mistura excessivamente rica, deve-se então empobrecê-la, puxando aos poucos a manete da mistura. Haverá assim um ligeiro aumento de rotação e o motor funciona mais suavemente. Quando a rotação começar a cair novamente, o piloto deve voltar a manete um pouco mais e aí deixá-la, pois está concluída a correção altimétrica da mistura. CRUZEIRO Na fase operacional de cruzeiro, depois da subida, que é normalmente a mais longa de todo o vôo usa-se uma potência reduzida e a mistura pobre de 16:1 para economizar combustível. A manete deve ser ajustada para a rotação recomendada pelo fabricante para esta fase do vôo. Durante o cruzeiro, olho no tacômetro, para monitorar a rotação.

21 ACELERAÇÃO A fase operacional de aceleração, consiste em uma aceleração rápida, efetuada em caso de emergência, que exija uma arremetida quando a aeronave se aproxima para o pouso. O motor possui um sistema de aceleração rápida, que injeta gasolina adicional ao ar admitido, tornando a mistura rica. Este sistema é acionado automaticamente, sempre que a manete é levada totalmente a frente. PARADA Na fase operacional de parada do motor, a manete da mistura é acionada totalmente para trás, provocando o corte da mistura, ou seja, interrompendo o fluxo de gasolina que alimenta o motor, fazendo-o parar. Nos automóveis o motor é desligado pela chave de ignição, cujo procedimento faz com que uma pequena quantidade de combustível fique nos cilindros, por não terem sido queimados, causando diluição do óleo lubrificante, o que é indesejável nas aeronaves. Agora sabemos que o componente responsável pela seleção das fases operacionais do motor é o carburador, ou o sistema formador de mistura, e elas são acionadas através das manetes de aceleração e da mistura.

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 8 - SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO (MOTORES OTTO) CARBURAÇÃO INJEÇÃO INTRODUÇÃO Requisitos de mistura. Em geral, a ótima razão ar/combustível com determinada velocidade do motor consiste naquela em que

Leia mais

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO

MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO MÁQUINAS AGRÍCOLAS PROF. ELISEU FIGUEIREDO NETO COLHEITA NA AUSTRALIA Hoje nós temos que preocupar não só em aprimorar as MÁQUINAS, mas também os OPERADORES que com elas trabalham. PARTES CONSTITUINTES

Leia mais

Universidade Paulista Unip

Universidade Paulista Unip Elementos de Produção de Ar Comprimido Compressores Definição Universidade Paulista Unip Compressores são máquinas destinadas a elevar a pressão de um certo volume de ar, admitido nas condições atmosféricas,

Leia mais

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL).

Operação: Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Máquinas Térmicas I Prof. Eduardo Loureiro Motores de combustão por compressão (DIESEL). Operação: Nos motores de ignição por compressão, apenas ar é induzido para dentro do cilindro no tempo de admissão.

Leia mais

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal.

Período de injeção. Período que decorre do início da pulverização no cilindro e o final do escoamento do bocal. CAPÍTULO 9 - MOTORES DIESEL COMBUSTÃO EM MOTORES DIESEL Embora as reações químicas, durante a combustão, sejam indubitavelmente muito semelhantes nos motores de ignição por centelha e nos motores Diesel,

Leia mais

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES

SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES SISTEMAS AUXILIARES DOS MOTORES 1. SISTEMA DE VÁLVULAS 2. SISTEMA DE ALIMENTAÇÃO 3. SISTEMA DE ARREFECIMENTO 4. SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO 5. SISTEMA ELÉTRICO SISTEMA DE VÁLVULAS Responsável pelo fechamento

Leia mais

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic

Material de Apoio INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH. Programa Especial - Injeção Eletrônica LE-Jetronic INJEÇÃO ELETRÔNICA DE COMBUSTÍVEL BOSCH A necessidade de se reduzir o consumo de combustível dos automóveis, bem como de se manter a emissão de poluentes pelos gases de escape dentro de limites, colocou

Leia mais

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado

CAPÍTULO 16 - Filtro de Particulado CAPÍTULO 16-16 Este dispositivo, utilizado no sistema de pós-tratamento diesel, tem por objetivo a eliminação ou redução do material particulado presente nos gases de escape. Em operação, as partículas

Leia mais

O sistema de alimentação dos motores de ciclo Otto utilizados nos equipamentos agrícolas.

O sistema de alimentação dos motores de ciclo Otto utilizados nos equipamentos agrícolas. O sistema de alimentação dos motores de ciclo Otto utilizados nos equipamentos agrícolas. 1992 Índice 2 1- Introdução... 3 2- Considerações gerais sobre carburação... 3 3- Descrição e funcionamento de

Leia mais

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056

BOMBA DE VACUO MANUAL KA-056 Certificado de Garantia. Modelo Controle Kitest Equipamentos Automotivos KA-056 Nº Manual do Usuário A Kitest Equipamentos Automotivos garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação

Leia mais

Manual de instruções. Meghi Power Náutico 7,0CV Meghi Power Náutico Partida Elétrica 7,0CV

Manual de instruções. Meghi Power Náutico 7,0CV Meghi Power Náutico Partida Elétrica 7,0CV Meghi Power Náutico 7,0CV Meghi Power Náutico Partida Elétrica 7,0CV Manual de instruções Antes de utilizar a seu Motor Meghi Power, leia atentamente as instruções contidas neste manual. É com grande

Leia mais

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo

Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo Cap. 06 - Instrumentos de Bordo e Proteção contra Fogo INSTRUMENTOS Os instrumentos servem para controlar o vôo, o funcionamento do motor e demais sistemas da aeronave. Eles são classificados em 4 grupos

Leia mais

Máquinas Térmicas Τ = Q Q 1 2 T

Máquinas Térmicas Τ = Q Q 1 2 T Máquinas Térmicas T Τ = Q Q 1 2 O Refrigerador Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão Ciclo Otto Motor à combustão 1- Admissão 2- Compressão 3- Explosão

Leia mais

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO

COMPRESSOR DE AR COMPRIMIDO Definição: Os compressores podem ser definidos como estruturas mecânicas industriais destinadas a elevar a energia utilizável de ar pelo aumento de sua pressão. Necessita de cuidados para manter sua plena

Leia mais

Introdução à pneumática

Introdução à pneumática Introdução à pneumática Introdução: A palavra pneumática tem origem grega Pneuma que significa respiração, sopro e é definido como a parte da física que se ocupa dos fenômenos relacionados com os gases

Leia mais

Uno Mille Electronic/ELX

Uno Mille Electronic/ELX Uno Mille Electronic/ELX Controle das Emissões Resumo Neste artigo é analisado o funcionamneto do sistema eletropneumático de controle de emissões do veículo UNO Mille. Em parte, tal sistema é controlado

Leia mais

Motor de combustão interna

Motor de combustão interna 38 4 Motor de combustão interna 4.1 Considerações gerais Os motores de combustão interna são máquinas térmicas alternativas, destinadas ao suprimento de energia mecânica ou força motriz de acionamento.

Leia mais

Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor)

Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor) Flavio Xavier www.flaviocursos.com.br Técnico em injeção eletronica Sensores de detonação Página Sensores de detonação (KS ou Knock Sensor) Flavio Xavier www.flaviocursos.com.br Técnico em injeção eletronica

Leia mais

Princípios de Funcionamento do Filtro de do Combustível

Princípios de Funcionamento do Filtro de do Combustível 10 Princípios Princípios de Funcionamento do Sistema de Filtração de Combustível O sistema de alimentação de combustível tem a finalidade de conduzir o combustível, do tanque até a camara de combustão,

Leia mais

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS

SISTEMA HIDRÁULICO. Cilindros hidráulicos Válvulas direcionais Bombas Filtros Reservatórios Circuitos hidráulicos básicos CILINDROS HIDRÁULICOS SISTEMA HIDRÁULICO A unidade hidráulica é destinada ao acionamento dos pistões de aperto do abafador à base, composta de duas bombas (sendo uma de reserva), e dos respectivos acessórios de supervisão,

Leia mais

11. Simbologia dos Componentes

11. Simbologia dos Componentes Nº Denominação Aplicação Símbolo 1.0 Geral 1.1. Símbolos Básicos 1.1.1. Linhas.1 Contínua 11. Simbologia dos Componentes.2 Interrompida Longa Linhas de fluxo..3 Interrompida Curta.4 Dupla Interligações

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO

MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO MANUAL DE OPERAÇÃO MÁQUINA DE LAVAR LOUÇA LAVA RÁPIDO 1 1. AVISOS Leia este manual cuidadosamente antes de instalar e operar o equipamento. A operação da máquina deve estar de acordo com as instruções

Leia mais

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO

FIGURA 101 - ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO 126 10 ACESSÓRIOS DO CICLO DE REFRIGERAÇÃO É um item ou dispositivo que aumenta a utilidade ou efetividade do sistema, porém não é essencial. A (fig. 101) ilustra a aplicação de muitos acessórios do equipamento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES.

MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. MANUAL DO USUÁRIO MOTOBOMBA A GASOLINA VULCAN VMB552 / VMB552H / VMB653 ATENÇÃO ANTES DE UTILIZAR O EQUIPAMENTO LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES. ÍNDICE 1. Aplicações...3 2. Instalações hidráulicas...4

Leia mais

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda

Manual Do Usuário BVM - 8000. Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Modelo Controle BVM-8000 Nº Manual Do Usuário A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período

Leia mais

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR

MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR MOVIMENTADOR PARA PORTAS DE ENROLAR www.mastertec.ind.br 1 ÍNDICE 1. Recursos:... 3 2. Condições de funcionamento:... 3 3. Características técnicas:... 3 4. Características construtivas:... 3 5. Diagrama

Leia mais

Sistemas de vaporização artificial

Sistemas de vaporização artificial GRUPO ULTRA Sistemas de vaporização artificial Categoria PROJETO DE INSTALAÇÕES Douglas Xavier de Souza Instalação Industrial Ultragaz Josué Diniz de Alencar Instalação Industrial Ultragaz Fernando Angelo

Leia mais

POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA?

POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA? POR QUE UM PROBLEMA EM MEU MOTOR MUITAS VEZES AFETA O FUNCIONAMENTO DA MINHA TRANSMISSÃO AUTOMÁTICA? De repente, minha transmissão não está mais funcionando direito... E eu acabei de revisá-la estes dias!

Leia mais

Apostila Didática Nº 2. Motores de Combustão Interna. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva

Apostila Didática Nº 2. Motores de Combustão Interna. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Apostila Didática Nº 2 Motores de Combustão Interna Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani Prof. Dr. Rouverson Pereira da Silva Jaboticabal SP 2006 1 INDICE 1. Introdução..............................................................

Leia mais

2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA

2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA MANUAL DE INSTRUÇÕES COMPRESSOR DE AR ÍNDICE 1. PREPARAÇÃO 2. ORIENTAÇÕES DE SEGURANÇA 3. PRECAUÇÕES 4. DESCRIÇÃO BREVE 5. VISÃO GERAL E COMPONENTES PRINCIPAIS 6. PRINCIPAIS PARÂMETROS TÉCNICOS 7. VISÃO

Leia mais

Motores de Combustão Interna

Motores de Combustão Interna 1. Introdução Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada Prof. Ricardo Ferreira

Leia mais

Acumuladores hidráulicos

Acumuladores hidráulicos Tipos de acumuladores Compressão isotérmica e adiabática Aplicações de acumuladores no circuito Volume útil Pré-carga em acumuladores Instalação Segurança Manutenção Acumuladores Hidráulicos de sistemas

Leia mais

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento.

ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2. Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. ALISADOR DE CONCRETO MANUAL DO USUÁRIO NAC2 Por favor, leia este Manual com atenção pára uso do equipamento. Aviso Importante Certifique-se de verificar o nível de óleo como é descrito a seguir: 1. Nível

Leia mais

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático

Figura 2.1 Localização de uma APU em aeronave e seu sistema pneumático 1 Capítulo 2 - Seleção do local para a APU Os passos que devem ser dados desde a concepção de uma aeronave são: 1) No Planejamento: Admitir que a seleção e a instalação da APU são tão importantes quanto

Leia mais

Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação

Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação Condicionador para Sensor Lambda Banda Larga (Wide Band) Manual de Instalação e Operação Sumário 1. Apresentação... 4 1.1 Características... 4 2. Aviso Termo de Garantia... 5 3. Sonda Lambda de Banda Larga...

Leia mais

Revisão bibliográfica

Revisão bibliográfica 17 2 Revisão bibliográfica Miranda e Moura (2000) apresentaram o resultado de um experimento feito cujo objetivo era analisar o comportamento de um motor Diesel após ter o óleo vegetal de dendê in natura

Leia mais

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS

COMPRESSOR MANUAL DO PROPRIETÁRIO DENTAL/MEDICAL OIL-FREE WWW.SCHUSTER.IND.BR PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS COMPRESSOR S45 DENTAL/MEDICAL OIL-FREE MANUAL DO PROPRIETÁRIO COMPRESSOR S45 110V PERIFÉRICOS ODONTOLÓGICOS WWW.SCHUSTER.IND.BR 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO... 3 3. TERMOS DE GARANTIA... 3 4. ESPECIFICAÇÕES

Leia mais

Manual de Operação setembro / 2010

Manual de Operação setembro / 2010 Hid atec Manual de Operação setembro / 2010 Anotações Assistência Técnica 02 Anotações Assistência Técnica Índice PARTIDA 1. Material necessário 2. Descrição das atividades 3. Ações no caso de anormalidade

Leia mais

UNIP Universidade Paulista

UNIP Universidade Paulista UNIP Universidade Paulista DETERMINAÇÃO DO PONTO DE FULGOR E DE COMBUSTÃO DO ÓLEO DIESEL E ANÁLISE DO TEOR DE ÁLCOOL NA GASOLINA Alunos:... RA:...... RA:...... RA:...... RA:...... RA:... 2 o Semestre 2010

Leia mais

Caracteristicas NGK:

Caracteristicas NGK: Caracteristicas NGK: Características BOSCH: Notem que o número central nas velas, que indica valor térmico ou índice de temperatura, é crescente na Bosch e decrescente na NGK. Sobre o tipo de eletrôdo,

Leia mais

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por:

Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES. Desenvolvido por: Manual de instruções RECICLADOR AUTOMOTIVO RECIGASES Desenvolvido por: Índice 1. INTRODUÇÃO... 3 2. FUNÇÕES BÁSICAS... 4 3. PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS... 5 4. CONDIÇÕES DE SEGURANÇA... 7 5. COMPONENTES

Leia mais

lubrificantes e combustíveis

lubrificantes e combustíveis lubrificantes e combustíveis Lubrificantes A lubrificação é um dos principais itens de manutenção de máquinas agrícolas e deve ser entendida e praticada para aumento da vida útil das mesmas,devido se tornarem

Leia mais

5Manutenções no Sistema de

5Manutenções no Sistema de Manutenção Preventiva dos Filtros do Ar A manutenção adequada deve incluir, também, uma inspeção completa dos sistemas. Todas as conexões, as tubulações ou dutos entre o filtro e o motor devem ser mantidos

Leia mais

Lubrificação IV. Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança. Sistema selado

Lubrificação IV. Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança. Sistema selado A U A UL LA Lubrificação IV Introdução Notou-se excessivo ruído no sistema de mudança da caixa de câmbio de um automóvel. Um mecânico verificou que a caixa de câmbio estava com problemas por falta de óleo.

Leia mais

1. A Função da Vela de Ignição

1. A Função da Vela de Ignição 1. A Função da Vela de Ignição A função da vela de ignição é conduzir a alta voltagem elétrica para o interior da câmara de combustão, convertendo-a em faísca para inflamar a mistura ar/combustível. Apesar

Leia mais

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações.

hardwarecar.com.br 1 Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. Tecla para acionamento do freio de largada e Reset dos cronômetros e Mapas. 4 Teclas para navegação e programações. A saída do chicote esta localizada na parte traseira ou inferior do. hardwarecar.com.br

Leia mais

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia.

Manual Do Usuário. Monogás Tester. MonoGás Nº. PLANATC Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda Certificado de Garantia. Certificado de Garantia. Modelo Controle MonoGás Nº A Planatc Tecnologia Eletrônica Automotiva Ltda garante o equipamento adquirido contra possíveis defeitos de fabricação pelo período de 6 meses, a partir

Leia mais

Veneno no Carburador

Veneno no Carburador Veneno no Carburador Hoje em dia com a toda a tecnologia e eletrônica embarcada nos carros, reduziu-se drasticamente a gama de opções de preparação. Entretanto, para aqueles que ainda possuem um carro

Leia mais

Instruções para uso do peso de bater automático

Instruções para uso do peso de bater automático Este equipamento foi desenvolvido com as finalidades de: 1) Agilizar e otimizar o tempo necessário para os testes de penetração de solo; 2) Melhorar a ergonomia do procedimento, evitando esforços físicos

Leia mais

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo?

Qual gráfico expressa as intensidades das forças que a Terra exerce sobre cada satélite em função do tempo? 1. (Enem 2013) A Lei da Gravitação Universal, de Isaac Newton, estabelece a intensidade da força de atração entre duas massas. Ela é representada pela expressão: F G mm d 1 2 2 onde m1 e m2 correspondem

Leia mais

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS

PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS PULVERIZADOR MOTORIZADO PARA TRANSPORTAR NAS COSTAS Manual do Operador COMPONENTES e ACESSÓRIOS Tampa do tanque de produtos químicos Bocal Lança Tanque de produtos químicos Vela de ignição Acionador de

Leia mais

M a n u a l d o M e c â n i c o

M a n u a l d o M e c â n i c o M a n u a l d o M e c â n i c o folder2.indd 1 20/11/2009 14 12 35 Manual do Mecânico GNV GÁS NATURAL VEICULAR Entenda o GNV e saiba quais os cuidados necessários para a manutenção de veículos que utilizam

Leia mais

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO

CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS MANUAL DE INSTALAÇÃO CASA DE MÁQUINAS Item essencial para qualquer tipo de piscina. É nela que ficam acondicionados o Sistema Filtrante (Filtro e Bomba) registros, válvulas, fios e acionadores.

Leia mais

Utilização do óleo vegetal em motores diesel

Utilização do óleo vegetal em motores diesel 30 3 Utilização do óleo vegetal em motores diesel O óleo vegetal é uma alternativa de combustível para a substituição do óleo diesel na utilização de motores veiculares e também estacionários. Como é um

Leia mais

Boletim da Engenharia

Boletim da Engenharia Boletim da Engenharia 28 Compressores Octagon Aplicação Sub Crítica com Dióxido de Carbono CO 2 09/08 Nesse boletim vamos abordar as instruções de operação dos compressores Octagon aplicados com o Dióxido

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Nível II Módulo II Aula 05 1. Introdução A mecânica dos gases é a parte da Mecânica que estuda as propriedades dos gases. Na Física existem três estados da matéria

Leia mais

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P

APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P CAPITULO 64 APLICATIVOS GM BOSCH MOTRONIC M1.5.4 P VECTRA 2.0-8V - 97 VECTRA 2.0-16V - 97 KADETT 2.0-97 S10 2.2 VECTRA 2.2 COMO FUNCIONA O SISTEMA. Este sistema de injeção eletrônica é um sistema digital

Leia mais

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO

REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO REFERÊNCIA RÁPIDA PARA MANUTENÇÃO AERONAVE EMB-202A IPANEMA Principais Cuidados com a Aeronave ASSISTÊNCIA TÉCNICA 2009 EMBRAER / NEIVA ATENÇÃO ESTE GUIA NÃO É UMA PUBLICAÇÃO TÉCNICA E, PORTANTO, NÃO CONSTITUI

Leia mais

MANUTENÇÃO EM MANCAIS E ROLAMENTOS Atrito É o contato existente entre duas superfícies sólidas que executam movimentos relativos. O atrito provoca calor e desgaste entre as partes móveis. O atrito depende

Leia mais

9.356-019.0 09/02 Ind. c

9.356-019.0 09/02 Ind. c 9.356-019.0 09/02 Ind. c 1. Esquema da máquina 13 2. Elementos de comando 1 - Mangueira de alta pressão 2 - Pistola 3 - Tubeira 4 - Bicos 5 - Trava de Segurança 6 - Gatilho 7 - Saída de alta pressão 8

Leia mais

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS

PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 INFORMATIVO TÉCNICO PRINCIPAIS DEFICIÊNCIAS EM CIRCUITOS HIDRÁULICOS QUE OCASIONAM FALHAS EM BOMBAS HIDRÁULICAS 1/21 INFORMATIVO TÉCNICO N 019/09 O PRINCIPAL COMPONENTE DE

Leia mais

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA

ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA ATENÇÃO INFORMAÇÕES SOBRE A GARANTIA Motor vertical 2 tempos LER O MANUAL DO PROPRIETÁRIO. TRABALHE SEMPRE COM ROTAÇÃO CONSTANTE, NO MÁXIMO 3.600 RPM EVITE ACELERAR E DESACELERAR O EQUIPAMENTO. NÃO TRABALHE

Leia mais

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão

Pulverizadores costais manuais. Prof.: Brandão Pulverizadores costais manuais Prof.: Brandão PULVERIZADORES COSTAIS Operação Manutenção Regulagem da pulverização PJH O QUE É UM PULVERIZADOR COSTAL MANUAL? - Os pulverizadores Costais Manuais são equipamentos

Leia mais

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores

Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna. Sistemas auxiliares dos motores Sistema de Lubrificação dos Motores de Combustão Interna Sistemas auxiliares dos motores SISTEMA DE LUBRIFICAÇÃO O sistema de lubrificação tem como função distribuir o óleo lubrificante entre partes móveis

Leia mais

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5

APLICATIVOS RENAULT. Siemens/Fênix 5 CAPÍTULO 11 APLICATIVOS RENAULT Siemens/Fênix 5 MEGANE 2.0 F3R 750/751 1996 em diante LAGUNA 1.8 F3P B670/S724 1996 em diante LAGUNA 2.0 F3R 722/723 1996 em diante LAGUNA 2.0 16V N7Q 700 1996 em diante

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas

Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico. Cayo César Lopes Pisa Pinto. Usinas Termelétricas Centro Federal de Educação Tecnológica do Espírito Santo Curso Técnico em Eletrotécnico Cayo César Lopes Pisa Pinto Usinas Termelétricas Vitória 2008 Usinas Termelétricas Trabalho Apresentado à disciplina

Leia mais

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750

Patio Heater. Aquecedor de Ambiente Externo. Premium PH-2750 Patio Heater Aquecedor de Ambiente Externo Premium PH-2750 Rua João Álvares Soares, 1530 Campo Belo, São Paulo SP, Cep 04609-004, Brasil. Telefax: (011) 5044-1683 Site: www.generalheater.com.br / E-mail:

Leia mais

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama.

ÍNDICE INTRODUÇÃO. Obrigado por adquirir produtos Toyama. INTRODUÇÃO ÍNDICE Obrigado por adquirir produtos Toyama. As aplicações das motobombas Toyama são diversas: Agricultura, indústrias, minas, empresas, construções, comunicação, cabeamento subterrâneo, manutenção

Leia mais

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V

BOSCH MOTRONIC M2.8-16V CAPITULO 56 BOSCH MOTRONIC M2.8-16V APLICATIVOS GM VECTRA GSI CALIBRA 2.0 16V COMO FUNCIONA O SISTEMA MOTRONIC 2.8 DO VECTRA GSI 2.0 E CALIBRA 2.0 16V Como funciona injeção eletrónica de combustível MOTRONIC

Leia mais

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS

MULTISPRAY 2000 RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS RECOMENDAÇÕES CUIDADOS NO MANUSEIO DE PRODUTOS QUÍMICOS Os defensivos agrícolas são classificados de acordo com a sua classe toxicológica. Para cada uma das classes existe uma recomendação especial em

Leia mais

Abastecimento do líquido de arrefecimento

Abastecimento do líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Condições para abastecer líquido de arrefecimento Trabalho no sistema de arrefecimento do veículo ADVERTÊNCIA! Use equipamento de proteção ao trabalhar

Leia mais

CARVE MOTOR. 50cc V.05

CARVE MOTOR. 50cc V.05 CARVE MOTOR 50cc V.05 Leia atentamente as instruções deste manual. O usuário deve seguir rigorosamente todos os procedimentos descritos, bem como estar ciente dos riscos inerentes à prática de esportes

Leia mais

Manual de Uso Equipamentos

Manual de Uso Equipamentos COMPACTADOR DE SOLOS Preservar o equipamento e tomar os devidos cuidados na hora de carregar e descarregar o equipamento do veículo. Se feito de forma incorreta ou imprudente podem ocorrer diversas avarias

Leia mais

Serviço. Instruções de manutenção

Serviço. Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Serviço Instruções de manutenção Notas de assistência Edição 1 Esta publicação não está sujeita a nenhum serviço de alterações. Novas versões podem ser encontradas em

Leia mais

Combustão e Emissões. CAPÍTULO 3 - Combustão e Emissões PROCESSO DE COMBUSTÃO. 12 Humberto José Manavella - HM Autotrônica.

Combustão e Emissões. CAPÍTULO 3 - Combustão e Emissões PROCESSO DE COMBUSTÃO. 12 Humberto José Manavella - HM Autotrônica. Combustão e Emissões 3 través do processo de combustão, a energia contida no combustível é liberada e transformada em trabalho mecânico ou potência. Para que a energia disponível não seja desperdiçada,

Leia mais

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor.

Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Objetivos Descrever o princípio de funcionamento dos motores Ciclo Otto Identificar os componentes básicos do motor. Descrição Neste módulo são abordados os princípios de funcionamento do motor Ciclo Otto,

Leia mais

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial

Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Desenho e Projeto de Tubulação Industrial Módulo IV Aula 01 Bombas São máquinas acionadas que recebem energia mecânica de uma fonte motora (máquina acionadora) e a transformam em energia cinética (movimento),

Leia mais

Velas & Cabos. Conhecendo

Velas & Cabos. Conhecendo Velas & Cabos Conhecendo Aconteceu conosco e aqui repassamos as experiências vivenciadas recorrendo a Internet como fonte de pesquisa para ampliar os conhecimentos a serem empregados no nosso dia a dia

Leia mais

Conversor flex para 4 injetores + sistema de partida a frio

Conversor flex para 4 injetores + sistema de partida a frio Tflex4 APRESENTAÇÃO E CARACTERÍSTICAS Os Conversores Flex TFLEX4full, TFLEX4full + e TFLEX4full ++ são módulos eletrônicos desenvolvidos para serem aplicados em veículos com injeção eletrônica de combustível

Leia mais

Motores de Combustão Interna MCI

Motores de Combustão Interna MCI Motores de Combustão Interna MCI Aula 3 - Estudo da Combustão Componentes Básicos dos MCI Combustão Combustão ou queima é uma reação química exotérmica entre um substância (combustível) e um gás (comburente),

Leia mais

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL

Fundamentos de Automação. Pneumática 01/06/2015. Pneumática. Pneumática. Pneumática. Considerações Iniciais CURSO DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Considerações Iniciais "PNEUMÁTICA

Leia mais

MOTORES ESTACIONÁRIOS GX 120/160/200

MOTORES ESTACIONÁRIOS GX 120/160/200 MOTORES ESTACIONÁRIOS GX 120/160/200 MANUAL DO PROPRIETÁRIO INTRODUÇÃO GX 120/160/200 MANUAL DO PROPRIETÁRIO 1 Aproveitamos a oportunidade para agradecê-lo pela escolha do Motor Estacionário Honda. Desejamos

Leia mais

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR

SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR SISTEMA DE PRESSURIZAÇÃO DANCOR Manual do Proprietário Utilização e Instalação S A Desd e1 94 6 BO MB AS EF ILTR OS - Consumidores - Representantes - Revendedores Serviço de Atendimento ao Consumidor Tel.:

Leia mais

GERADOR A DIESEL MONOFÁSICO COM PARTIDA MANUAL MANUAL DO USUÁRIO

GERADOR A DIESEL MONOFÁSICO COM PARTIDA MANUAL MANUAL DO USUÁRIO GERADOR A DIESEL MONOFÁSICO COM PARTIDA MANUAL MANUAL DO USUÁRIO Por favor, leia este manual com atenção para uso do equipamento. Obrigado por adquirir os produtos NAGANO. Os geradores Nagano possuem as

Leia mais

Instruções para o Motorista

Instruções para o Motorista Eaton Fuller Heavy Duty Transmissions Instruções para o Motorista Fuller Heavy Duty Transmissions FTS- XX108LL Abril 2009 CUIDADOS Leia completamente as instruções para o motorista antes de operar a transmissão.

Leia mais

Localização dos Componentes

Localização dos Componentes 1 of 40 21/07/2014 18:54 CAPÍTULO 15 AUDI A4 1.8 ADR 1995 em diante AUDI A4 1.8 TURBO AEB 1995 em diante COMO FUNCIONA ESTE SISTEMA Este sistema é multiponto seqüencial, com 4 válvulas injetoras que possui

Leia mais

Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão"

Deterioração dos Grãos Armazenados Os Ganhos da Exaustão Deterioração dos Grãos Armazenados "Os Ganhos da Exaustão" Reduzir as perdas qualitativas e quantitativas é um desafio constante dos Armazenadores e, para isso, investem continuamente em tecnologias que

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Aula 17 Combustíveis e inflamáveis Núcleo

Leia mais

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido

4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 4ª aula Compressores (complemento) e Sistemas de Tratamento do Ar Comprimido 3ª Aula - complemento - Como especificar um compressor corretamente Ao se estabelecer o tamanho e nº de compressores, deve se

Leia mais

Estrada do Engenho D água 1330, Box 32, Anil. Rio de Janeiro, RJ, Cep: 22765-240. Contato via telefone:

Estrada do Engenho D água 1330, Box 32, Anil. Rio de Janeiro, RJ, Cep: 22765-240. Contato via telefone: Estrada do Engenho D água 1330, Box 32, Anil. Rio de Janeiro, RJ, Cep: 22765-240 Contato via telefone: Rio de Janeiro: (21) 3072-3333 São Paulo: (11) 3522-4773 Vitória: (27) 4062-8307 Belo Horizonte: (31)

Leia mais

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano

Motores Térmicos. 9º Semestre 5º ano Motores Térmicos 9º Semestre 5º ano 19 Sistema de Refrigeração - Tópicos Introdução Meios refrigerantes Tipos de Sistemas de Refrigeração Sistema de refrigeração a ar Sistema de refrigeração a água Anticongelantes

Leia mais

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte

Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT. DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Confederação Nacional do Transporte - CNT Diretoria Executiva da CNT DESPOLUIR Programa Ambiental do Transporte Promoção SEST / SENAT Conteúdo Técnico ESCOLA DO TRANSPORTE JULHO/2007 Aquecimento Global

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO / INSTALAÇÃO

MANUAL DO USUÁRIO / INSTALAÇÃO EXPERIENCE OUR INNOVATION BOMBA COM TANQUE DE EXPANSÃO MODELOS: RBSP033 (1/3 CV) RBSP053 (1/2 CV) MANUAL DO USUÁRIO / INSTALAÇÃO SUMÁRIO 1 INFORMAÇÃO AO USUÁRIO... 3 1.1 Líquidos bombeados... 3 1.2 Recomendações

Leia mais

Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição

Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição Cap. 05 - Sistema Elétrico e de Ignição NOÇÕES BÁSICAS DE ELETRICIDADE Muitos são os empregos da eletricidade numa aeronave, desde a iluminação, a ignição, o acionamento de motores elétricos em geral,

Leia mais

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL

SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL SIENA / GRAND SIENA TETRAFUEL Página 1 FIAT CHRYSLER AUTOMOBILES 13/08/2015 DESCRIÇÃO DO SISTEMA GNV COMPONENTES DO SISTEMA GNV 1. Cilindro GNV 2. Suporte do Cilindro de GNV 3. Linha de Alta Pressão: Tubo

Leia mais

Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc,

Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc, Fornos 1 Fornos são equipamentos destinados ao aquecimento de materiais, com vários objetivos: cozimento, fusão, calcinação, tratamento térmico, secagem, etc, A função principal do forno qualquer que seja

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO. 2.1 Localização do equipamento

1. INTRODUÇÃO 2. INSTALAÇÃO. 2.1 Localização do equipamento 1. INTRODUÇÃO A sua bomba de calor OUROTHERM é extremamente eficiente e econômica desenvolvida especificamente para aquecimento de piscinas. O seu projeto e operação são similares ao de um condicionador

Leia mais

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor.

V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7. Noções Básicas sobre o uso da Potência e do Torque do Motor. V.7.1. Torque Quando você faz força para desrosquear uma tampa de um vidro de conservas com a mão, se está aplicando torque. O torque é

Leia mais

MANUAL ALIMENTADORES INDIVIDUAIS TRIFÁSICOS 1 - DESCRIÇÃO 2 - INSTALAÇÃO 3 OPERAÇÃO 4 MANUTENÇÃO 5 - GARANTIA

MANUAL ALIMENTADORES INDIVIDUAIS TRIFÁSICOS 1 - DESCRIÇÃO 2 - INSTALAÇÃO 3 OPERAÇÃO 4 MANUTENÇÃO 5 - GARANTIA MANUAL ALIMENTADORES INDIVIDUAIS TRIFÁSICOS 1 - DESCRIÇÃO 2 - INSTALAÇÃO 3 OPERAÇÃO 4 MANUTENÇÃO 5 - GARANTIA 1 1 - DESCRIÇÃO DO EQUIPAMENTO Os Alimentadores Individuais básicos trabalham por meio de vácuo.

Leia mais