Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público. Introdução ao Orçamento Público (PPA, LDO e LOA): limites e desafios

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público. Introdução ao Orçamento Público (PPA, LDO e LOA): limites e desafios"

Transcrição

1 Tendências Contemporâneas na Gestão do Orçamento Público Introdução ao Orçamento Público (PPA, LDO e LOA): limites e desafios Monica Pinhanez, PhD Desenvolvimento Econômico e Políticas Públicas

2 Apresentação da Matéria Os contornos mais amplos do estudo do orçamento: Finanças Públicas

3 Pensando Finanças Públicas /4/2012 Fin anç as Pú blic as Mo

4 $ Para quê? $ $ O objeto precípuo das finanças públicas é o $ estudo da atividade $ fiscal, ou $ $ seja, aquela desempenhada pelos poderes públicos com o propósito de obter e aplicar Para recursos para o custeio dos serviços onde? públicos. Por quê? O orçamento, depois da Constituição, apresenta-se como o ato mais importante da vida de qualquer nação. $ $ Políticas Públicas! J.M. Pereira. 4 12/4/2012

5 Para manter o aparato governamental /4/2012 Fin anç as Pú blic as Mo

6 Para manter o equilíbrio financeiro /4/2012

7 Para promover o desenvolvimento /4/2012

8 é parte de um processo de ação cooperativa no qual compromissos para contribuir com recursos unem-se aos compromissos para seu uso. Representa um acordo antecipado sobre gastos, que tem duas vantagens: evita a contínua negociação sobre cada despesa e permite a cada membro do grupo planejar atividades com a segurança de que os outros irão cooperar. (Wildavski, 1992: 3)

9

10 O orçamento é uma instituição inviolável e soberana, havendo a necessidade urgente de fazer dessa lei das leis uma força da nação. Rui Barbosa, 1891

11 o poder legislativo e o processo orçamentário no contexto brasileiro regras constitucionais 1824 ( Imperial\) ( Outorgada) ( Decretada) (Outorgada) 1988

12 "UM ATO CONTENDO A PRÉVIA APROVAÇÃO DAS RECEITAS E DAS DESPESAS PÚBLICAS". RENÉ STOURM "O ORÇAMENTO É, ANTES DE TUDO, UM PLANO POLÍTICO. É O PLANO DE AÇÃO GOVERNAMENTAL PARA UM PERÍODO PORVINDOURO. É UM PROGRAMA DE GOVERNO, PROPOSTO PELO EXECUTIVO À APROVAÇÃO DO LEGISLATIVO. GASTON JÉSE "O ORÇAMENTO DEVE CLARAMENTE APRESENTAR OS PROPÓSITOS E OBJETIVOS PARA OS QUAIS SE SOLICITAM AS DOTAÇÕES, OS CUSTOS DOS PROGRAMAS PROPOSTOS PARA ALCANÇAR ESTES OBJETIVOS, E OS DADOS QUANTITATIVOS QUE PERMITAM MEDIR AS REALIZAÇÕES E O TRABALHO DE CADA PROGRAMA". JESSE BURKHEAD

13 Os orçamentos documentam expressivamente a vida financeira de um país...de uma circunscrição política em determinação do tempo, geralmente de uma ano, porque contém o cálculo das receitas e despesas autorizadas para a funcionamento dos serviços públicos ou para outros fins projetados pelo governo. Giacomoni Nos Estados democráticos, o orçamento é considerado o ato pelo qual o poder legislativo prevê e autoriza o poder Executivo, por certo período em pormenor, as despesas destinadas ao funcionamento dos serviços públicos e outros fins adotados pela política econômica ou geral do país, assim como a arrecadação das receitas já criadas em lei. Baleeiro

14 Um milênio de finanças... Séc. XI Séc. XII Séc. XIII Séc. XIV Séc. XV Séc. XVI Cruzadas, 1096 e 1270 : moedas, seguros, contrato de câmbio Inglaterra, 1215: Carta Magna, João sem Terra Proibição da usura carimbos Itália, 1355: estudos econômicos (relaciona metais preciosos a moeda circulante) Falência do Banco Peruzzi Itália, Florença, 1403: juros; China, 1448: hiperinflação Novo Mundo: mercado de câmbio e de capitais Itália, 1494: Pacioli publica o Tractatus Particular is de Computus et Scripture: contabilidade Alemanha, 1518: origem do dólar Revolução de preços Inflação, explosão populacional achatament economico China, 1023: papel moeda 14 12/4/2012

15 e transformações... Séc. XX Séc. XIX Séc. XVII Séc. XVIII EUA, 1619: commodiities Holanda, : Mania da Tulipa Inglaterra, 1659: 1º. Cheque Fundado Banco da Inglaterra para financiar a guerra com a França Compra e venda de seguros Inglaterra,1707: moeda única Prússia 1765: origem do Banco Central Adam Smith, 1776: riqueza das nações e força de mercado Rússia: bancos centrais 1792: NY, Bolsa França, 1795: hiperinflação, Napoleão 1789, Inglatera: IR Ricardo 1817: salários Cia. Das Indías, 1835: rúpias Marl Marx, 1867: O Capital Novo estado Alemão: marco 1890: Marshall, teorias da oferta e da demanda, utilidad e marginal, custos de produção EUA, 1901: JPMorgan CarneigieSteel: trusts Aço, petróleo, bancos e ferrovias : 1ª. Guerra Dívida pública americana cresce 25x 1919: Keynes Alemanha, 1923: hiperinflação 1929: Crise da Bolsa : 2ª. WW /4/2012

16 Gestão pública contemporânea e o caráter multifacetado do OP Estado e a governança

17 Estudar falhas de mercado e falhas de governo Economia do setor público influencia políticas públicas Facilitar ação de agentes de políticas públicas Garantir as funções precípuas do Estado 17 12/4/2012

18 globais Brasil Mudanças incerteza complexidade perplexidade EMPRESAS DO Setor público turbulência aprender = sobreviver

19 Implicações para a gestão pública? poderes da república níveis de governo EXECUTIVO LEGISLATIVO JUDICIÁRIO união estados municípios

20 Impactos sobre a gestão pública desenvolver capacidade de dar respostas às demandas diminuição dos custos na provisão dos serviços combate ao desperdício efetividade na formulação e implementação das políticas públicas a dimensão ética do desempenho

21 Administração Burocrática Administração Gerencial Governança Pública

22 A dimensão econômica do orçamento público

23 conceitos / idéias críticas finanças públicas política fiscal receitas / despesas déficit / superávit disciplina orçamental custos econômicos equilíbrio rigidez orçamentária federalismo fiscal alocação as funções econômicas do OP redistribuição estabilização

24 O que é rigidez orçamentária?

25 questões conceituais e a atualidade brasileira situam- As decisões orçamentais - receitas e despesas se na fronteira entre a economia e a política. Ao se buscar a redução do déficit público (R<D), devem ser levados em consideração os custos econômicos para se obter mais receitas e para se diminuir despesas.

26 questões conceituais e a atualidade brasileira Modernamente, a política fiscal foi redirecionada para se dar mais importância ao equilíbrio da economia do que ao equilíbrio do orçamento. Maior intervenção direta do Estado na produção implica em maior transferência de recursos financeiros do setor privado para o setor público.

27 questões conceituais e a atualidade brasileira Impostos são pagamentos compulsórios, sem contrapartida. Taxas de utilização são pagamentos em troca de bens e serviços. Em princípio, os critérios para escolhas entre taxas e impostos são precisos.

28 Orçamento Público a perspectiva macro na atualidade brasileira rigidez orçamentária responsabilidade fiscal tendência incremental

29 - rigidez orçamentária compromissos financeiros acumulados no passado direitos assegurados em lei a grupos sociais mais bem organizados regras que estabelecem os mecanismos de transferência de recursos fiscais na Federação garantias instituídas com respeito ao financiamento de determinados programas governamentais -vinculações de receitas

30 - a Constituição de 1988 a devolução das atribuições do PL em relação ao processo orçamentário o PL vota as 3 leis: PPA LDO - LOA comissão mista permanente de senadores e deputados e comissão específica do órgão legislativo demais níveis de governo limitações ao poder de emenda o exercício do controle externo

31 fortalecimento da Federação Maior poder político e administrativo aos entes federados Implicações para a gestão do orçamento público?

32 o envolvimento direto dos cidadãos - orçamento participativo - as experiências pioneiras desde os anos 1980 grau de organização da sociedade civil as relações Estado/sociedade: no varejo e no atacado o papel do poder legislativo no processo o alcance da participação o método para promover interatividade perspectivas?

33 Orçamento Público - uma ótica abrangente -

34 O orçamento é fenômeno multifacetado, componente central da política de gestão pública Aspectos críticos associados com as fases do ciclo orçamentário: elaboração, aprovação, execução e controle

35 três perspectivas para uma adequada compreensão do orçamento público expressão legal e de relações de poder processo de escolhas instrumento de gestão nas organizações governamentais

36 o orçamento como expressão legal e de relações de poder Expressão constitucional As bases legais existentes e as necessárias A responsabilidade por dinheiro público O papel do poder legislativo O federalismo fiscal no contexto brasileiro

37 o orçamento como processo de escolhas Como as escolhas são feitas? Quem escolhe? Margem de escolhas orçamentárias: grau de rigidez do OP Interdependências no setor público e entre o setor público e o setor privado

38 o orçamento como instrumento de gestão nas organizações governamentais Transformar propósitos e objetivos em ações concretas O alcance da missão organizacional Congruência organizacional Capacidade de antecipação Avaliação do desempenho: organizacional setores gestores Conexão entre a organização e o sistema maior

39 Alavanca crítica para os esforços de reforma da gestão pública no contexto brasileiro qualidade do gasto o potencial do orçamento para o alcance da missão das organizações governamentais

40 qualidade do gasto: o conceito realidade a ser construída em diferentes jurisdições Tem a ver com Decisões substantivas métodos e processos de implementação medidas estruturais no setor público fragilidades institucionais e organizacionais profissionalização RESULTADOS

41 Os Princípios Orçamentários visam a estabelecer regras norteadoras básicas, a fim de conferir racionalidade, eficiência e transparência para os processos de elaboração, execução e controle do Orçamento Público.

42 APLICABILIDADE Válidos para os Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário de todos os entes federativos União, Estados, Distrito Federal e Municípios são estabelecidos e disciplinados tanto por normas constitucionais e infraconstitucionais, quanto pela doutrina.

43 4.320/64 Unidade Universalidade Anualidade

44 O texto constitucional vigente concebeu feição mais moderna ao princípio da unidade orçamentária. O processo de integração planejamento-orçamento acabou por tornar o orçamento necessariamente MULTI- DOCUMENTAL, em virtude da aprovação, por leis diferentes, de vários documentos (Plano Plurianual - PPA, Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO e Lei Orçamentária Anual - LOA).

45 UNIVERSALIDADE ORÇAMENTO BRUTO

46 ANUALIDADE OU PERIODICIDADE

47 EXCLUSIVIDADE

48 ESPECIFICAÇÃO DISCRIMINAÇÃO ESPECIALIZAÇÃO

49 PUBLICIDADE

50 NÃO-VINCULAÇÃO Está previsto no art. 167, IV, da CF/88: São vedados: IV a vinculação de receita de IMPOSTOS a órgão, fundo ou despesa, RESSALVADAS a repartição do produto da arrecadação dos IMPOSTOS...

51 EQUILÍBRIO RECEITA = DESPESA

52 ANTERIORIDADE ORÇAMENTÁRIA PRECEDÊNCIA

53 LEGALIDADE

54 RESERVA LEGAL A iniciativa para propor as leis do PPA, LDO e LOA é exclusiva do Poder Executivo. Essa exclusividade de matéria orçamentária é denominada de reserva legal.

55 PROIBIÇÃO DO ESTORNO DE VERBAS Art. 167, VI - a transposição, o remanejamento ou a transferência de recursos de uma categoria de programação para outra ou de um órgão para outro, sem prévia autorização legislativa;

56 PROGRAMAÇÃO A evolução havida nas funções do orçamento público gerou, pelo menos, um novo princípio: o da programação.

57 UNIDADE DE CAIXA

58 o ciclo orçamentário nas organizações governamentais

59 a dinâmica orçamentária nas organizações governamentais Hemisfério imaginativo elaboração Hemisfério ativo aprovação controle execução

60 Aliomar Baleeiro em sua obra Uma introdução à ciência das finanças assevera que a Atividade Financeira do Estado consiste em: OBTER recursos: Receitas Públicas; CRIAR o crédito público: Endividamento Público; GERIR E PLANEJAR a aplicação dos recursos: Orçamento Público; DESPENDER recursos: Despesa Pública

61 ciclo orçamentário - idéias introdutórias - ciclo de decisões tempo de cada ciclo nível macro e nível micro a natureza de cada fase: elaboração = visão aprovação = chancela execução = realização controle = avaliação

62 NECESSIDADES PÚBLICAS MEIOS PARA MANUTENÇÃO DO ESTADO ATIVIDADE FINANCEIRA DO ESTADO - AFE OBTER RECEITAS CRIAR O CRÉDITO GERIR E PLANEJAR DESPENDER

63 Fases do Ciclo Orçamentário Executivo 1. Formulação do PPA 2. Proposição de metas e prioridades para a administração e da política de alocação de recursos - LDO 3. Elaboração da LOA 4. Execução dos orçamentos aprovados 5. [Avaliação da execução e julgamento das contas] Legislativo 1. Apreciação e adequação do PPA 2. Apreciação e adequação da LDO 3. Apreciação, adequação e autorização legislativa da proposta de LOA. 4. Avaliação da execução e julgamento das contas

64 Plano Plurianual - PPA Trata da previsão de despesas com obras e serviços dela decorrentes e programas que duram mais de um ano. Deve ser feito a partir de um diagnóstico global do município e da discussão com a Câmara e a sociedade civil para a sua aprovação. Desse Plano é que saem as metas para cada ano de gestão. Cada governante eleito deve propor, no seu primeiro ano de governo, as diretrizes, objetivos e metas que depois de aprovadas têm vigência nos três anos seguintes de sua gestão e no primeiro da gestão que se seguir. Deve ser enviada ao Legislativo até 30 de agosto do primeiro ano de governo. Marilda Angioni

65 Lei de Diretrizes Orçamentárias - LDO Tem vigência anual, definindo as metas e prioridades para o ano seguinte, a partir do que foi estabelecido pelo PPA. Estabelece orientações de como elaborar o Orçamento anual e define regras sobre mudanças nas leis de impostos, finanças e pessoal. O projeto da LDO deve ser encaminhado à Câmara, todo ano, até 15 de abril, devendo ser votado até 30 de junho. Marilda Angioni

66 Lei Orçamentária Anual -LOA É a previsão de todas as receitas e a autorização das despesas públicas. Define as fontes de receitas e detalha as despesas por órgãos de governo e por função, expressas em valores monetários. Contém os programas, subprogramas, projetos e atividades que devem contemplar as metas e prioridades estabelecidas na LDO com os recursos necessários ao seu cumprimento. Deve ser encaminhado à Câmara até 30 de agosto de cada ano. Deve ser discutida e aprovada até final de dezembro.

67 Planejamento Orçamentário Processo de Planejamento Orçamentário: 1. PPA: 4 anos; agosto. 2. LDO: anual; abril/junho. 3. LO: anual; outubro/dezembro. PPA 1º ANO 2º ANO 3º ANO 4º ANO LDO LO

68 PPA LDO LOA

69 PLANO DE AÇÃO PPA Instrumentos de Planejamento LDO LOA Planejar Orientar Executar Políticas Públicas e Programas de Governo 69

70 PPA :

71

72

73 PPA :

74

75

76

77 PPA :

78

79

80 PRINCÍPIOS BÁSICOS DO PPA

81 Identificação dos objetivos e das prioridades do Governo; Integração do planejamento e do orçamento; Promoção da gestão empreendedora;

82 Garantia da transparência; Estímulo às parcerias; Gestão Orientada para resultados; e Organização das ações de Governo em programas.

83 Classificação Funcional-Programática Função: é cada uma das atribuições que o governo deve realizar em prol dos cidadãos ou relacionadas com essas atribuições Programa:é um dos desdobramentos da Função e é a base da composição do Orçamento-programa. Subprograma:subdivisão do Programa quando este contém mais de um objetivo ou quando é executado em áreas geográficas diferentes, tornando mais fácil sua administração. Mar ilda An

84 METODOLOGIA DO PPA

85 PROGRAMAS PPA LDO LOA PROGRAMAS

86 PROGRAMAS PORTARIA Nº 42, DE 14 DE ABRIL DE 1999 (Publicada no D.O.U. de ) Art. 2 Para os efeitos da presente Portaria, entendem-se por: a) Programa, o instrumento de organização da ação governamental visando à concretização dos objetivos pretendidos, sendo mensurado por indicadores estabelecidos no plano plurianual;

87 A organização das ações do governo sob a forma de programas visa proporcionar maior racionalidade e eficiência na administração pública e ampliar a visibilidade dos resultados e benefícios gerados para a sociedade, bem como elevar a transparência na aplicação dos recursos públicos.

88 O Nº DE PROGRAMAS DEPENDE DA AMPLITUDE DA MISSÃO DO ÓRGÃO SUB-PROGRAMA A 1 PROJETO PROJETO ATIVIDADE ATIVIDADE SUB-PROJETO SUB-PROJETO SUB-PROJETO PROGRAMA A SUB-PROGRAMA A 2 ATIVIDADE ATIVIDADE SUB-ATIVIDADE SUB-ATIVIDADE SUB-PROGRAMA A 3 SUB-PROGRAMA A 4 PROGRAMA N SUB-PROGRAMA N 1 ATIVIDADE SUB-PROGRAMA N 2 PROJETO SUB-PROGRAMA N 4 nível de agregação maior dos propósitos do órgão SUB-PROGRAMA N 3 nível mais desagregado dos propósitos do órgão

89 LRF 101/00

90 Lei de Responsabilidade Fiscal uma das mudanças institucionais recentes voltadas para a sustentação da estabilidade macroeconômica e a construção de bases sólidas para a retomada do crescimento da economia brasileira As novas regras para sanear as contas públicas e restringir o endividamento, com a fixação de metas fiscais para o controle de receitas e despesas, nos três níveis de governo e no âmbito dos três poderes da República

91 contingenciamento instrumento de cautela na gestão orçamentária O contingenciamento equivale a por de lado uma parcela das receitas estimadas para o exercício fiscal para ver se ao longo do ano essas estimativas correspondem à realidade quanto maior for o irrealismo das previsões de receitas maior necessidade de contingenciamento maiores s problemas para a gestão das políticas públicas

92 contingenciamento instrumento de cautela na gestão orçamentária Na perspectiva macroeconômica: é indispensável para a preservação das metas fiscais. Na perspectiva microeconômica: gera dificuldades para a eficiente e eficaz gestão das políticas públicas. A conciliação dessas duas perspectivas depende, portanto, do grau de realismo adotado na realização das previsões de receitas orçamentárias para reduzir ao mínimo o tamanho do contingenciamento. Quanto mais incertas forem as previsões maior será o tamanho do contingenciamento e maiores serão, portanto, seus efeitos colaterais.

93 Referências:

94 Q&A OBRIGADA!

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra

Francisco Paulo Pimenta Maria Tereza de Araújo Serra TEXTO: FINANCIAMENTO (MECANISMOS E INSTRUMENTOS) Diretrizes Orçamentárias, Plano Integrado e Orçamento Público da União, Estados, Distrito Federal e Municípios: conhecer para exigir, exigir para incluir,

Leia mais

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A)

TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) TESTE RÁPIDO ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA (A) ADMINISTRAÇÃO FINANCEEIRA E ORÇAMENTÁRIA (AFO) 1) (CESPE - Analista Administrativo Administrador - ANP 2013) De acordo com o princípio da especialização,

Leia mais

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão

Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2. Fernando Brandão Gestão Financeira da Assistência Social Aula # 1 e 2 Fernando Brandão Apresentação do Curso Objetivos da aprendizagem; Introdução ao planejamento público (Aulas # 1 e # 2) História do orçamento público;

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA Prof. Marcio José Assumpção EDITAL ESAF N. 94, DE 07 DE OUTUBRO DE 2009 CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE ANALISTA-TRIBUTÁRIO DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL

Leia mais

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal

Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora e ciclo do Governo Federal Gestão pública empreendedora Gustavo Justino de Oliveira* Consoante documento 1 elaborado pela Secretaria de Gestão do Ministério do Planejamento,

Leia mais

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT

Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Professor: Ednei Isidoro de Almeida Lei Orçamentária Anual LOA 4 EMESTRE DE CENCIAS CONTABEIS UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO-UNEMAT Prezados Acadêmicos Iremos abordar os aspectos mais relevantes

Leia mais

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG

Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG Prof. Marcus Tomasi UDESC/ESAG O QUE É... É a síntese do contrato firmado entre o governo e a sociedade, onde as contribuições da sociedade (receitas) são transformadas em ações do governo (despesas) para

Leia mais

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL

ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL ECONOMIA E GESTÃO DO SETOR PÚBLICO MÓDULO 16 A LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Índice 1. A lei de responsabilidade fiscal...3 2. A integração entre o planejamento e o orçamento...3 3. Execução orçamentária

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

Professor Fernando Aprato. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011.

Professor Fernando Aprato. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011. Esse material foi compilado pelo Prof: Fernando Aprato para a turma de Técnico do TRT_4 concurso de 2011. USO EXCLUSIVO DOS ALUNOS MATRICULADOS TCM_CE/Analista _ Controle _ Externo Inspeção _ Governamental/FCC/2010

Leia mais

Gestão de Finanças Públicas

Gestão de Finanças Públicas APRESENTAÇÃO Desde a primeira edição deste livro mencionamos como os avanços no arcabouço institucional e instrumental de gestão financeira foram relevantes para que o governo brasileiro, efetivamente,

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA Legislação

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA Legislação GESTÃO ORÇAMENTÁRIA Legislação Prefeitura Municipal de Curitiba Instituto Municipal de Administração Pública IMAP Área: Planejamento Programação e Finanças Públicas 1 2 Luciano Ducci Prefeito Municipal

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2014 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

ORÇAMENTO PÚBLICO ORÇAMENTO PÚBLICO É O BALANÇO PRÉVIO DOS ELEMENTOS ATIVOS E PASSIVOS DA GESTÃO FINANCEIRA, EM FORMA DE LEI DIDIMO DA VEIGA

ORÇAMENTO PÚBLICO ORÇAMENTO PÚBLICO É O BALANÇO PRÉVIO DOS ELEMENTOS ATIVOS E PASSIVOS DA GESTÃO FINANCEIRA, EM FORMA DE LEI DIDIMO DA VEIGA ORÇAMENTO PÚBLICO CONCEITOS ETMOLOGICAMENTE, ORÇAR SIGNIFICA DAR RUMO, PLANEJAR NA BUSCA DE SE CAMINHAR COM EFICIÊNCIA PARA SE ATINGIR A EFICÁCIA DA GESTÃO FISCAL. MUITOS SÃO OS DESDOBRAMENTOS DO CONCEITO

Leia mais

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias

PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA. Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias PLANEJAMENTO E GESTÃO PÚBLICA Auditor Substituto de Conselheiro Omar P. Dias A ARTE DE GOVERNAR (segundo Matus) PROJETO DE GOVERNO SABER ARTICULAR GOVERNABILIDADE GOVERNANÇA Plano de Governo: Base do Planejamento

Leia mais

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011.

A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. A IMPORTANCIA DOS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTARIO PÚBLICO DO MUNICIPIO DE JACIARA-MT PARA A PARA A POPULAÇÃO NA GESTÃO 2009, 2010 E 2011. RESUMO José Antônio Faustino da Costa Acadêmico de Ciências

Leia mais

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS

ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS ESCOLA DE GOVERNO ORÇAMENTO E FINANÇAS PÚBLICAS 13/10/2015 Natalina Ribeiro ORÇAMENTO PÚBLICO O Orçamento Público é um dos principais instrumentos de planejamento das políticas de governo. Histórico do

Leia mais

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I.

AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. AULA Nº 01: PLANEJAMENTO DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PARTE I. Caros colegas! Iniciaremos, hoje, o estudo dos principais pontos relativos aos instrumentos de planejamento da administração pública, previstos

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

Daniele Regina dos Santos/2014 2

Daniele Regina dos Santos/2014 2 Daniele Regina dos Santos/2014 2 O ORÇAMENTO Em 1215, a Magna Carta outorgada pelo Rei João Sem- Terra, pôs fim à instituição e cobrança indiscriminadas de impostos na Inglaterra, bem como à destinação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA CLASSIFICAÇÃO DAS DESPESAS Atualizado em 14/10/2015 CLASSIFICAÇÕES DA DESPESA ESFERA ORÇAMENTÁRIA A classificação por esfera orçamentária tem por finalidade identificar

Leia mais

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos)

Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Administração Financeira e Orçamentária (Prof. Paulo Bijos) Aula 11 2010 Exercícios Funções de Governo (alocativa, distributiva e estabilizadora) CESPE ACE-TCU 2008. (E) A teoria de finanças públicas consagra

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS

PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS PROCESSO ORÇAMENTÁRIO CONCEITOS E PROCEDIMENTOS Novembro/2009 Secretaria de Orçamento Federal Novembro/2009 Instituição Ministério do Planejamento, Secretaria de Orçamento Federal DEPT. PROGR. INFRAESTRUT.

Leia mais

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil

Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Observações sobre o Reequilíbrio Fiscal no Brasil Nelson Barbosa Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 1º de junho de 2015 Cenário Macroeconômico e Reequilíbrio Fiscal O governo está elevando

Leia mais

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO

JUIZ FEDERAL TRF 1ª REGIÃO DIREITO FINANCEIRO I. Finanças Públicas na Constituição Federal... 02 II. Orçamento... 04 III. Despesa Pública... 39 IV. Receita Pública... 76 V. Dívida Ativa da União de Natureza Tributária e não-tributária...

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 12.593, DE 18 DE JANEIRO DE 2012. Mensagem de veto Institui o Plano Plurianual da União para o período de 2012 a 2015. A PRESIDENTA

Leia mais

CURSO EM PDF Administração Financeira e Orçamentária Agente Administrativo - PF Prof. Alexandre Teshima

CURSO EM PDF Administração Financeira e Orçamentária Agente Administrativo - PF Prof. Alexandre Teshima AULA DEMONSTRATIVA APRESENTAÇÃO Saudações queridos alunos, eu sou o e estou aqui para ajudá-los com a disciplina Administração Financeira e Orçamentária para o concurso de Agente Administrativo da Policia

Leia mais

Noções de Administração. Módulo III

Noções de Administração. Módulo III Rede de Ensino LFG Curso Preparatório para Agente da Polícia Federal - Noções de Administração 1 Noções de Administração Módulo III 5. Administração Financeira e Orçamentária 5.1. Orçamento Público O Orçamento

Leia mais

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE

FUNDO E ORÇAMENTO NA POLÍTICA DE ATENDIMENTO A CRIANÇA E AO ADOLESCENTE FUNDO E ORÇAMENTO NA EFETIVAÇÃO DA POLÍTICA DE ATENDIMENTO À CRIANÇA E AO ADOLESCENTE Eugênia Aparecida Cesconeto 1 Política Social e Serviço Social INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes

Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF. Selene Peres Peres Nunes Sistema de Gestão de Custos: Cumprindo a LRF Selene Peres Peres Nunes 03/8/2015 Por que avaliação de custos no setor público? possível realocação orçamentária (uso no orçamento) onde podem ser realizados

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade

Metas Fiscais e Riscos Fiscais. de Contabilidade Metas Fiscais e Riscos Fiscais Secretaria do Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2012 Curso Multiplicadores 2012 Programa do Módulo 2 Metas Fiscais e Riscos Fiscais CH: 04 h Conteúdo: 1.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO

TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO TRAMITAÇÃO DO PROJETO DE LEI DA LEI ORÇAMENTÁRIA ANUAL LOA: AUMENTO DA DESPESA TOTAL FIXADA PELO EXECUTIVO Prezados amigos concursandos! Desejo a todos que estão se preparando para o concurso do TCU um

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

Orçamento público. orcamento_publico_para_concursos.indb 9 18/3/2011 16:03:01

Orçamento público. orcamento_publico_para_concursos.indb 9 18/3/2011 16:03:01 Orçamento público é uma das disciplinas mais interessantes que estudamos para o ingresso em uma carreira pública. Ciência multidisciplinar, o orçamento público promove a interface entre três outros ramos

Leia mais

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos

Antes de saber o que é Administração Pública e de falar sobre a estrutura da Administração Pública brasileira, é importante que sejam dados conceitos DIREITO FINANCEIRO E TRIBUTÁRIO Prof.ª Kênia Rodrigues de Oliveira Prof. Genival Santos Oliveira GESTÃO PÚBLICA Necessidades Captação COLETIVAS de Recursos: e do ESTADO Próprios Transferências GESTÃO

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL (LRF) Atualizado até 13/10/2015 LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL A Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) tem como base alguns princípios,

Leia mais

Lei de Responsabilidade Fiscal

Lei de Responsabilidade Fiscal AOF Lei de Responsabilidade Fiscal PLANEJAMENTO Lei de Diretrizes Orçamentárias Lei Orçamentária Anual Execução Orçamentária e do Cumprimento das Metas RECEITA PÚBLICA Previsão e da Arrecadação Renúncia

Leia mais

Expositor: Simão Cirineu Dias

Expositor: Simão Cirineu Dias Expositor: Simão Cirineu Dias Lei Orçamentária Anual; Execução Orçamentária; Fundos, Divida Ativa e Dívida Pública; Contabilidade Pública; Controle e Avaliação Controle Interno, Externo e Social e Avaliação

Leia mais

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos.

Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Olá caros acadêmicos segue um resumo básico de alguns conceitos estabelecidos na LDO, retirado do site ponto dos concursos. Vamos ao nosso assunto de hoje! Lei de Diretrizes Orçamentárias LDO: A LDO é

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS

NOTA TÉCNICA 34 2013. Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS NOTA TÉCNICA 34 2013 Diretrizes para o processo de planejamento e gestão no âmbito do SUS Brasília, 24 de agosto de 2013 I NTRODUÇÃO NOTA TÉCNICA 34 2013 Nesta Nota Técnica vamos analisar a proposta do

Leia mais

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL

PROJETO DE LEI CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL PROJETO DE LEI Institui o Plano Plurianual da União para o período 2012-2015. O CONGRESSO NACIONAL decreta: CAPÍTULO I DO PLANEJAMENTO GOVERNAMENTAL E DO PLANO PLURIANUAL Art.1 o Esta lei institui o Plano

Leia mais

Transposição, Remanejamento e Transferência Orçamentária. Possibilidade de autorização na lei de diretrizes orçamentárias (LDO)

Transposição, Remanejamento e Transferência Orçamentária. Possibilidade de autorização na lei de diretrizes orçamentárias (LDO) Transposição, Remanejamento e Transferência Orçamentária. Possibilidade de autorização na lei de diretrizes orçamentárias (LDO) * Flavio Corrêa de Toledo Jr. Acentuada controvérsia vem provocando os recentes

Leia mais

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão

Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Projeto de Lei de Diretrizes Orçamentárias 2016 e Programação Orçamentária 2015 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão 2015 1 Cenário Macroeconômico Revisto 2015 2016 2017 2018 PIB (crescimento

Leia mais

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS

ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Tribunal de Contas dos Municípios do Estado de Goiás TCE/GO Auditor de Controle Externo Área Controle Externo ÍNDICE Volume 1 CONHECIMENTOS GERAIS Língua Portuguesa Ortografia oficial... 01 Acentuação

Leia mais

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA

NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA NOÇÕES DE GESTÃO PÚBLICA Resolução de exercícios Prof. Marcelo Adriano EDITAL 1. Planejamento estratégico no Judiciário Brasileiro: Resolução nº 70/2009 do Conselho Nacional de Justiça. 2. Orçamento Público:

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.272, DE 25 DE AGOSTO DE 2010. Regulamenta a Lei n o 11.346, de 15 de setembro de 2006, que cria o Sistema Nacional de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ

ADMINISTRAÇÃO LIBERDADE PARA TODOS PREFEITURA MUNICIPAL DE GUARAMIRANGA - CEARÁ Lei nº. 210/2010 Dispões sobre as Diretrizes para elaboração da Lei Orçamentária para o exercício financeiro de 2011 e dá outras providências. Luís Eduardo Viana Vieira, Prefeito Municipal de Guaramiranga,

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº. 140, DE 2004. Dispõe sobre as instituições de mercado de capitais, e dá outras providências. AUTOR: Deputado EDUARDO VALVERDE RELATOR:

Leia mais

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO COM APARATO LEGAL PARA GESTÃO PÚBLICA

LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO COM APARATO LEGAL PARA GESTÃO PÚBLICA LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS COMO INSTRUMENTO DE PLANEJAMENTO ORÇAMENTÁRIO COM APARATO LEGAL PARA GESTÃO PÚBLICA Ledionete Barbosa Cavichioli 1 Natália Gervázio Quintanilha 2 Resumo Buscando resultado

Leia mais

40 questões sobre princípios orçamentários Material compilado pelo Prof: Fernando Aprato para o concurso do TCE-RS 2011.

40 questões sobre princípios orçamentários Material compilado pelo Prof: Fernando Aprato para o concurso do TCE-RS 2011. 1 40 questões sobre princípios orçamentários Material compilado pelo Prof: Fernando Aprato para o concurso do TCE-RS 2011. TRT_22/Técnico_Judiciário_Administrativa/FCC/2010 - E05 9 1. A exclusividade concedida

Leia mais

Planejamento Governamental. Sistema e instrumentos

Planejamento Governamental. Sistema e instrumentos Planejamento Governamental Sistema e instrumentos Cuiabá, dezembro de 2008 É necessário planejar na Administração Pública? Há muitas demandas / problemas decorrentes das condições de desenvolvimento e

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte LEI N o 10.933, DE 11 DE AGOSTO DE 2004. Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2004/2007. Lei: O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Art.

Leia mais

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS

SIOPS. Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde. Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS SIOPS Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde Orçamento e Contabilidade aplicável ao SIOPS Departamento de Economia da Saúde e Desenvolvimento Secretaria Executiva / Ministério da Saúde

Leia mais

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo

O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo O Controle Interno no Âmbito do Poder Executivo Contextualização Sumário - O Controle na Administração Pública - O Controle Externo - O Controle Interno O Controle Interno do Poder Executivo do Estado

Leia mais

Apostilas OBJETIVA - Concurso Público 2015 MTE Ministério do Trabalho e Emprego Cargo: Agente Administrativo. Índice

Apostilas OBJETIVA - Concurso Público 2015 MTE Ministério do Trabalho e Emprego Cargo: Agente Administrativo. Índice Índice - Orçamento Público Conceito - Técnicas Orçamentárias - Princípios Orçamentários - Ciclo Orçamentário... 02 - Programação e Execução Orçamentária e Financeira Descentralização orçamentária e financeira

Leia mais

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS CARTILHA DO ORÇAMENTO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Sumário - Apresentação... 3 -As três leis básicas... 3 - Como é elaborado o orçamento da União?... 3 Prazos... 4 Esferas... 4 - Quem é responsável pela elaboração

Leia mais

Noções de Orçamento Público

Noções de Orçamento Público Noções de Orçamento Público Noções de Orçamento Público Resumo Orçamento Público: conceito e finalidades PPA - Plano Plurianual LDO - Lei de Diretrizes Orçamentárias O Ciclo Orçamentário LOA (Lei Orçamentária

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011.

LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011. LEI MUNICIPAL Nº. 3.257/2011 DE 22 DE AGOSTO DE 2011. DISPÕE SOBRE AS DIRETRIZES PARA A ELABORAÇÃO DA LEI ORÇAMENTÁRIA PARA O EXERCÍCIO FINANCEIRO DE 2.012 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS A Câmara Municipal de

Leia mais

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01

MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01 MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública ZMBAPOG*09/01 CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU ESPECIALIZAÇÃO MBA em Planejamento, Orçamento e Gestão Pública Coordenação Acadêmica: Prof. Luiz Antonio

Leia mais

O controle de renúncia de receitas

O controle de renúncia de receitas Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul Escola Superior de Controle Externo O controle de renúncia de receitas Apresentação J.R. Caldas Furtado Junho2015 1 O controle externo na Constituição

Leia mais

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual

20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual 20 Diretrizes Priorizadas pela Etapa Estadual Paulista da CONSOCIAL Prioridades Texto Diretriz Eixo Pontos 1 2 Regulamentação e padronização de normas técnicas para a elaboração dos Planos de Governo apresentados

Leia mais

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Pública. Conteúdo Programático. Administração Geral / 100h Administração Geral / 100h O CONTEÚDO PROGRAMÁTICO BÁSICO DESTA DISCIPLINA CONTEMPLA... Administração, conceitos e aplicações organizações níveis organizacionais responsabilidades Escola Clássica história

Leia mais

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA TÉCNICO JUDICIÁRIO STM/2011 III PARTE

QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA TÉCNICO JUDICIÁRIO STM/2011 III PARTE QUESTÕES DE AFO E CONTABILIDADE PÚBLICA TÉCNICO JUDICIÁRIO STM/2011 III PARTE Prezado estudante! Para aqueles que desejam se preparar para o próximo concurso da CGU estou ministrando um curso de contabilidade

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO PÚBLICO Atualizado em 16/10/2015 ORÇAMENTO PÚBLICO O orçamento anual da União é composto pelos orçamentos: Fiscal, da Seguridade Social e de Investimento

Leia mais

AULA 1 DEMONSTRATIVA

AULA 1 DEMONSTRATIVA AULA 1 DEMONSTRATIVA Saudações queridos alunos, eu sou o PROF. ALEXANDRE TESHIMA e estou aqui para ajudá-los com a disciplina ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA para o concurso de AUDITOR MUNICIPAL

Leia mais

AULA 10 Sociedade Anônima:

AULA 10 Sociedade Anônima: AULA 10 Sociedade Anônima: Conceito; características; nome empresarial; constituição; capital social; classificação. Capital aberto e capital fechado. Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e Bolsa de Valores.

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL REGLAS FISCALES Y MECANISMOS DE RELACIÓN INTERGUBERNAMENTAL FEDERAÇÃO BRASILEIRA: ASPECTOS DESTACADOS

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.653, DE 7 ABRIL DE 2008. Mensagem de veto Dispõe sobre o Plano Plurianual para o período 2008/2011. seguinte Lei: O PRESIDENTE

Leia mais

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005

15 de julho de 2002. Projeções das Metas Fiscais para 2003-2005 15 de julho de 2002 O Congresso Nacional (CN) aprovou recentemente seu Projeto Substitutivo para a proposta original do Poder Executivo para a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2003, que estabelece

Leia mais

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008

ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 ANÁLISE DO ORÇAMENTO MUNICIPAL: EQUILÍBRIO ENTRE DESPESA E RECEITAS DA PREFEITURA DE TERESINA NOS ANOS DE 2004 A 2008 Erinalda de Sousa Lima UESPI 1 Ana Claudia Duarte de Almeida - UESPI 2 Daniel Barroso

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D 4.11 Elaboração e Programação Orçamentária e Financeira (40h) (Aula 5: Orçamento das Empresas Estatais Federais) Professor: Luiz Guilherme

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS

O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS O CONTROLE EXTERNO E INTERNO NOS MUNICÍPIOS Assim dispõe a Constituição Federal: Art. 31 - A fiscalização do Município sera exercida pelo Poder Legislativo Municipal, mediante controle externo, e pelos

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Orçamento e Administração das Finanças Públicas ADM 081. 68h.

EMENTA / PROGRAMA DE DISCIPLINA. ANO / SEMESTRE LETIVO Administração 2015.2. Orçamento e Administração das Finanças Públicas ADM 081. 68h. Faculdade Anísio Teixeira de Feira de Santana Autorizada pela Portaria Ministerial nº 552 de 22 de março de 2001 e publicada no Diário Oficial da União de 26 de março de 2001. Endereço: Rua Juracy Magalhães,

Leia mais

O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E O FORTALECIMENTO DA DEMOCRACIA: UMA LÓGICA DE TRANSPARÊNCIA PARA A GESTÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS

O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E O FORTALECIMENTO DA DEMOCRACIA: UMA LÓGICA DE TRANSPARÊNCIA PARA A GESTÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS CÂMARA DOS DEPUTADOS DIRETORIA DE RECURSOS HUMANOS CENTRO DE FORMAÇÃO, TREINAMENTO E APERFEIÇOAMENTO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO O ORÇAMENTO PARTICIPATIVO E O FORTALECIMENTO DA DEMOCRACIA: UMA LÓGICA DE

Leia mais

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008

PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 PORTARIA MPS Nº 403, DE 10 DE DEZEMBRO DE 2008 DOU 11/12/2008 Dispõe sobre as normas aplicáveis às avaliações e reavaliações atuariais dos Regimes Próprios de Previdência Social - RPPS da União, dos Estados,

Leia mais

Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal

Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal DOCENTES Luiz Antônio da Silva e Marcos José de Castro Professores e técnicos do Cepam, contadores e especialistas em Gestão Pública Municipal Coordenadoria de Gestão de Políticas Públicas - Cogepp DEFINIÇÃO

Leia mais

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04

Ciências Contábeis. Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 01 - ADMINISTRAÇÃO Fase: II Carga Horária: 60h/a Créditos: 04 Introdução à Administração. Antecedentes históricos da Administração. Escolas de Administração. Administração e suas perspectivas. Variáveis

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

Av. Pau-Brasil, 5577, Centro, Ministro Andreazza/RO Fones: (69) 3448-2361/2484

Av. Pau-Brasil, 5577, Centro, Ministro Andreazza/RO Fones: (69) 3448-2361/2484 OFICIO Nº. 289/GAB/PMMA/2.013. Ministro Andreazza/RO., 27 de agosto de 2.013. À Sua Excelência Ver. ROMILSON PEREIRA PRESIDENTE DA CÂMARA DOS VEREADORES Ministro Andreazza-RO. ASSUNTO: PROJETO DE LEI-

Leia mais

A EVOLUÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO E SEUS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO. Palavras-chave: Orçamento Público. Lei de Responsabilidade Fiscal. Planejamento.

A EVOLUÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO E SEUS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO. Palavras-chave: Orçamento Público. Lei de Responsabilidade Fiscal. Planejamento. A EVOLUÇÃO DO ORÇAMENTO PÚBLICO E SEUS INSTRUMENTOS DE PLANEJAMENTO SEBASTIÃO REGIS DIAS XEREZ 1 RESUMO O presente artigo é resultado de um estudo de natureza descritiva e bibliográfica, que teve como

Leia mais

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016

ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 ANEXO II RELAÇÃO DAS INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES AO PROJETO DE LEI ORÇAMENTÁRIA DE 2016 I - Critérios utilizados para a discriminação, na programação de trabalho, do código identificador de resultado primário

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS,

PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS Estado de Goiás LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, LEI N. 1.233, DE 28 DE DEZEMBRO DE 1.993. Institui o Fundo Municipal de Saúde e da outras providencias.. O PREFEITO MUNICIPAL DE MORRINHOS, Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu, Prefeito Municipal,

Leia mais

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL

CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL SISTEMA DE INFORMAÇÃO DE CUSTO: DIRETRIZES PARA INTEGRAÇÃO AO ORÇAMENTO PÚBLICO P E À CONTABILIDADE GOVERNAMENTAL Nelson Machado Sec Executivo do MF Brasília, Outubro de 2008 DIVERSIDADE DE PONTOS DE VISTA

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 01/13 PLANO MUNICIPAL DE SAÚDE ORIENTAÇÕES GERAIS 2014/2017 Introdução: O planejamento em saúde configura-se como responsabilidade dos entes públicos, assegurada pela Constituição Federal

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ARTICULAÇÃO COM OS SISTEMAS DE ENSINO Monitoramento e Avaliação dos Planos Municipais de Educação Caderno de Orientações (Versão Preliminar) Apresentação Um grande

Leia mais

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008

Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 Estatuto da Caixa Econômica Federal Decreto n 0. 6.473, de 05/06/2008 IF sob a forma de empresa pública, criada nos termos do Decreto-Lei n o 759, de 12 de agosto de 1969, vinculada ao Ministério da Fazenda.

Leia mais

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano

Descrição da Ação Criada, Expandida ou Aperfeiçoada Despesa Aumentada 1º ano 2º ano 3º ano ADEQUAÇÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Art. 16, Inciso I e 4º, inciso I, da LC 101/2000 Estudo da adequação orçamentária e financeira para a finalidade de Reposição Salarial com Aumento Real, em cumprimento

Leia mais

Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas

Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas Administração Financeira Orçamentária- prof. Daniel Dantas 1 - O atendimento ao princípio orçamentário da universalidade é condição necessária para que o ente governamental possa realizar operações de

Leia mais

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL

PARTICIPAÇÃO SOCIAL NO PLANO PLURIANUAL APRESENTAÇÃO O Plano Plurianual - PPA 2014 / 2017, intitulado BELÉM 400 ANOS, Reconstrução da Cidade rumo ao Desenvolvimento Sustentável, foi concebido tendo como balizador 04 (quatro) Dimensões Estratégicas:

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) CIÊNCIAS CONTÁBEIS CIÊNCIAS CONTÁBEIS COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO A leitura como vínculo leitor/texto, através da subjetividade contextual, de atividades

Leia mais