PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO"

Transcrição

1 Ciências da Natureza - Biologia PROCESSOS ENERGÉTICOS RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO 1. Introdução ao Metabolismo Energético 2. Mitocôndria 3. Respiração Celular 4. Fermentação 1. INTRODUÇÃO AO METABOLISMO ENERGÉTICO Mesmo que você não seja muito bom na disciplina de física, tenho certeza que já ouviu falar no termo ENERGIA e imagina que, para estarmos vivos, estamos consumindo energia o tempo todo. Qualquer tarefa que realizamos gasta energia, inclusive até quando estamos dormindo! Nosso cérebro, coração, pulmões, entre outros órgãos, estão ativos o tempo todo. Aliás, qualquer célula de nosso corpo, enquanto estiver viva, necessita de energia para realizar qualquer tipo de trabalho, como a síntese proteica e replicação do DNA, por exemplo. A pergunta que eu te faço é: como obtemos esta energia para nos mantermos vivos? Primeiro, vamos conhecer a fonte da energia e depois entender como a nossa célula extrai energia dessa fonte. De forma indireta, essa fonte é o sol: sua energia é captada por seres fotossintetizantes e convertida em energia química, a qual é armazenada em moléculas orgânicas. A principal molécula orgânica que contém energia e que é usada para estudos de nós vestibulandos nos processos de metabolismo energético é a glicose! Aquele monossacarídeo pertencente ao grupo dos carboidratos ou glicídios, lembra? Bem, ela que representa o principal alimento, o principal combustível do qual nossa célula extrai energia necessária ao seu metabolismo. Sendo assim, usaremos a glicose como nosso exemplo. Não esqueça que, segundo a física, a energia não pode ser criada nem destruída; ela apenas é convertida, passando de um tipo para outro. Ex: no processo de fotossíntese, há uma conversão da energia luminosa em energia química, a qual fica armazenada em moléculas orgânicas, como a glicose. Quando um ser extrai a energia da glicose, pode converter a energia química que estava armazenada na molécula em energia térmica (calor) ou cinética (de movimento). Um vagalume pode até converter essa energia química em luminosa! :) A energia vem da glicose. E a glicose, de onde vem? Os vegetais produzem a glicose, mas nós seres humanos obtemos esse monossacarídeo ao fazermos gordices, comendo um bolinho, macarrão, batata, fruta, etc. Na verdade, somos seres heterótrofos, ou seja, não produzimos nosso alimento e devemos adquiri-lo do meio. Sendo assim, podemos dividir os seres vivos basicamente em dois grupos quanto a obtenção de alimentos: Autótrofos (ou autotróficos) são seres que possuem a capacidade de produzir o próprio alimento, ou seja, não se alimentam de outros seres e produzem a própria matéria orgânica! A planta, por exemplo, produz o próprio alimento na fotossíntese (ou quimiossíntese) usando moléculas inorgânicas simples (como gás carbônico e água): 6CO 2+ 6H 2O C 6H 12O 6 (glicose) + 6O 2 (equação simplificada da fotossíntese) Heterótrofos (ou heterotróficos) como já vimos, é um grupo ao qual nós pertencemos junto a todos os outros seres vivos que não possuem a capacidade de produzir o próprio alimento. 1

2 Nós já entendemos como os seres vivos podem conseguir glicose. Depois de adquirida, a célula deve extrair energia desta molécula para se manter viva. Antes de estudarmos os processos realizados para retirar a energia da glicose, vamos estudar uma outra molécula energética: o ATP!!! - TRIFOSFATO DE ADENOSINA (ATP) Quando você quer cantar alguém na festa, na boate, ou até em que está sentado do seu lado no busão, você analisa primeiro a pessoa fisicamente, e depois vai conhecer a pessoa, descobrir o que ela faz da vida, etc. vida: Faremos o mesmo para o ATP: vamos conhece-lo fisicamente (ou estruturalmente) e depois vamos ver o que ele faz da (molécula do ATP simplificada) (molécula do ATP detalhada quimicamente) * O ATP é formado por uma adenina + uma ribose e + 3 fosfatos; * O grupo adenina + ribose é chamado de adenosina. Daí o seu nome trifosfato de adenosina. Vamos agora entender o papel do ATP: Ele funciona para nossa célula de uma maneira parecida com que uma bateria funciona para nosso celular. A glicose funciona como fonte de energia direta para a célula. A verdade é que a energia desta molécula é transmitida à uma outra: o nosso querido ATP! O ATP fica carregado, e quando a célula precisa de energia para realizar trabalho, o ATP a fornece! A glicose serve para recarregar o ATP. Daí a analogia do ATP com a bateria de um celular: 2

3 A energia fica armazenada nas ligações entre os fosfatos. Quando a célula precisa realizar algum trabalho, o um fosfato se solta liberando a energia de sua ligação. Como resultado da retirada de energia do ATP temos um íon de fosfato inorgânico liberado (P i) e um ADP (difosfato de adenosina). Pi. O ADP ainda pode fornecer mais energia ainda à célula, virando AMP (monofosfato de adenosina) e liberando mais um íon O processo de recarga do AMP/ADP (adição de um íon fosfato) é chamado de fosforilação. A fosforilação pode ser de dois tipos: Fotofosforilação: quando a energia para recarga vem da luz. Isto acontece no processo de fotossíntese. Fosforilação Oxidativa: quando a energia vem da oxidação de moléculas orgânicas (oxidação da glicose, por exemplo). Muito bem! Agora que sabemos tudo de ATP, vamos ver como a energia da glicose é extraída para sintetizar tal molécula. Primeiro, veremos um processo mais complexo, onde a glicose é totalmente desmontada (e gera mais ATP): a respiração celular. Depois, veremos um processo mais simples em que a glicose é parcialmente desmontada (e que gera menos ATP): a fermentação. Mas antes de tudo isso, vamos ver uma organela onde o processo de respiração celular é consumado: A MITOCÔNDRIA! 3

4 2. MITOCÔNDRIA Ela possui uma dupla membrana: a membrana externa e a membrana interna, a qual apresenta várias cristas (dobras). Observe: A membrana interna possui enzimas que participam da cadeia transportadora de elétrons última etapa da respiração celular, sendo a etapa de maior produção de ATP. A vantagem de a membrana interna possuir várias dobras que assim ela pode ter um aumento de superfície e alojar um maior número de enzimas, otimizando o processo de produção de ATP. Células com grande número de mitocôndrias ou com mitocôndrias que tem muitas cristas é uma evidência de que estamos analisando uma célula metabolicamente muito ativa. Como temos duas membranas, formamos dois compartimentos: um mais interno, chamado matriz mitocondrial, onde encontramos o DNA e os ribossomos dessa organela; mais externamente, entre a membrana interna e externa, há o chamado de espaço intermembranoso. Segundo a teoria da endossimbiose, a mitocôndria deriva de uma célula procariota primitiva (seria uma bactéria primitiva). Uma outra coisa importante a ser mencionada é que a mitocôndria é passada apenas de mãe para filho, seguindo uma linhagem matrilinear: Os espermatozoides não transmitem as mitocôndrias do pai no processo de fecundação. 3. RESPIRAÇÃO CELULAR A equação resumida deste processo é a seguinte: C 6H 12O 6 + 6O 2 6CO 2 + 6H 2O + Energia (armazenada no ATP) (equação simplificada da respiração celular) Esta equação é um resumo de todas as etapas da extração da energia da glicose. Na verdade, a equação é uma mentirinha, pois mostra a energia sendo retirada de uma só vez, o que NÃO acontece na prática. A verdade é que temos várias etapas intermediarias até que a glicose e o oxigênio possam produzir gás carbônico, água e ATP. A energia é retirada da glicose gradativamente em várias etapas intermediárias. Se a energia fosse retirada toda de uma só vez, seria fatal para a célula: A extração em uma única etapa, em apenas uma única reação conforme foi mostrado, a energia liberada seria muito grande como vimos, um processo de combustão, que significa produção de fogo! Na verdade a equação simplificada da respiração celular mostra uma reação de combustão (queima) da glicose, onde a energia é liberada de uma única só vez. 4

5 A retirada de energia da glicose acontece em 3 etapas: 1- Glicólise (que ocorre no hialoplasma). 2- Ciclo de Krebs (que ocorre na matriz mitocondrial lá no espaço dentro da membrana interna da mitocôndria) 3 - Cadeia Respiratória (que ocorre nas cristas mitocondriais quer dizer, nas dobras da membrana interna). Esta aula irá abordar as etapas da respiração celular de forma resumida, dando um foco maior para a glicólise, etapa compartilhado pelo processo de fermentação. 1- Glicólise Esta etapa ocorre no hialoplasma e não necessita de gás oxigênio. Aqui a glicose é quebrada em duas moléculas de ácido pirúvico (C 3H 4O 3) e sobram 4 hidrogênios. Por que sobram 4? A glicose tem 12 hidrogênios 8 estão nas duas moléculas de ácido pirúvico e restam 4 da quebra. Os hidrogênios são recebidos (temporariamente) pelo NAD (Nicotinamida Adenina Dinucleotídeo). Este NAD vira então NADH 2 e vai entrar lá na etapa 3 (cadeia respiratória). Dizemos que o NAD é um aceptor temporário de hidrogênios. Para realizar a glicólise, são gastos 2 ATP, porém são produzidos 4. Logo, a célula tem um saldo positivo de 2 ATP na glicólise. 2- Ciclo de Krebs Antes de começar esta etapa, que ocorre na matriz mitocondrial, o ácido pirúvico que entra na mitocôndria reage com uma substância chamada coenzima A (CoA) e libera CO 2 e dois hidrogênios (captados por mais um NAD, que vira NADH 2). O resultado é a formação de uma substância chamada Acetil Coenzima A (Acetil CoA). Este NADH 2 que foi formado também entrará na última etapa, a cadeia respiratória. Após a formação de Acetil CoA, ele entra em um ciclo de reações o ciclo de Krebs que começa com a reação do Acetil CoA com o ácido oxalacético, (substância que já se encontra na matriz da mitocôndria) formando o ácido cítrico. Este passa por uma sequência de reações terminando de ser desmontado e um dos produtos finais é uma nova molécula de ácido oxalacético, que vai reagir com outro Acetil CoA proveniente da quebra de outra glicose. Veja que formou-se um ciclo de reações: 5

6 Não se assuste com a quantidade de reações que temos aqui! O mais importante é sabermos que os resíduos da molécula de glicose (moléculas de acetil CoA) acabam de ser desmontados, liberando os carbonos que eram da glicose na forma de CO 2 e os hidrogênios mais uma vez são captados pelo NAD e desta vez também são por uma molécula similar: O FAD (Flavina Adenina Dinucleotídeo), que também é um aceptor intermediário de hidrogênios. Tanto o NAD quanto o FAD que ganham hidrogênios e são convertidos em NADH 2 e FADH 2 participam da última etapa: a cadeia respiratória! No ciclo de Krebs também há produção de ATP, que não foi representado no esquema. 3- Cadeia Respiratória Esta é a última etapa, onde Todos os NADH 2 e FADH 2 são utilizados. Os hidrogênios cedem elétrons para um complexo de proteínas chamadas citocromos. Nos citocromos, a energia dos elétrons é extraída para produção de mais ATP. Os hidrogênios que perderam tais elétrons e viraram íons H + se juntam com um átomo de oxigênio o qual recebe os elétrons dos hidrogênios após passarem pelos citocromos. Resumindo: no final das contas, os íons H +, junto com seus elétrons, são recebidos pelo átomo de oxigênio formando H 2O. Tal átomo de oxigênio é proveniente do gás O 2 que captamos da atmosfera. Veja que no final, ao termos a captura de dois íons H + e dois elétrons por um átomo de oxigênio (que vem do gás oxigênio - O 2) haverá produção de água! Dizemos que a função do oxigênio na respiração celular é ser o ACEPTOR FINAL DE HIDROGÊNIOS! O NAD e o FAD são aceptores temporários! - TEORIA DA QUIMIOSMOSE Vimos que a energia dos elétrons que passam pelos citocromos é utilizada para a síntese de ATP. Êêêê!!!! Que legaal, já aprendemos tudo sobre cadeia respiratória!!!! Só que não. Nosso conhecimento deve ir além. Nós temos que saber que esse fluxo de 6

7 elétrons pelos citocromos é o que permite um bombeamento de prótons (íons H + ) da matriz mitocondrial para o espaço intermembranoso: O espaço intermembranoso fica com alta concentração de prótons, e estes tendem a voltar para a matriz. O que acontece é que quando esse retorno se dá por uma enzima chamada ATP sintase, e a energia cinética proveniente do movimento de retorno dos prótons à matriz gira uma turbina molecular na ATP sintase. Esse movimento da turbina permite a geração de ATP pela proteína, assim como o girar de uma turbina de usina hidrelétrica permite a produção de energia elétrica a partir da conversão da energia cinética da queda da água. Mas nem todos os prótons retornam à matriz pela ATP sintase. Muitos deles retornam pela proteína termogina (ou termogenina) a qual serve de canal para a passagem direta, sem girar nenhuma turbina. A passagem de prótons pela termogina gera calor, o que contribui para a homeotermia (temperatura constante) e homeostase (harmonia) dos organismos. * Desacopladores São substâncias que aumentam a permeabilidade da membrana interna, permitindo uma maior passagem de prótons em direção à matriz o que acarreta em uma maior produção de calor pela célula, em detrimento da produção de ATP. 7

8 * Inibidores São substâncias que se ligam aos citocromos na cadeia transportadora de elétrons e impedem o fluxo dos mesmos. Com isso, não há bombeamento de íons H+ para o espaço intermembranoso nem geração de ATP e calor pela célula. Um inibidor muito famoso é o cianeto! 4. FERMENTAÇÃO Em alguns casos, a célula pode obter energia só com a etapa da glicólise, sem passar pelas outras etapas que utilizam O 2. Este é o processo de fermentação. Neste caso, a glicose é apenas parcialmente quebrada (não termina de ser quebrada com a utilização do oxigênio no ciclo de krebs e na cadeia respiratória). O produto da Fermentação não é o ácido pirúvico em si, produzido na glicólise. Após a produção do ácido pirúvico nesta etapa, ele pode ser transformado em outras substâncias, dependendo do tipo de fermentação: *Fermentação láctica Aqui as duas moléculas de ácido pirúvico (C 3H 4O 3) provenientes da glicólise recebem os 4 hidrogênios que estão nos dois NADH 2 (cada molécula de ácido pirúvico recebe dois hidrogênios de um dos NAD s). Com isso temos a produção do ácido lático (C 3H 6O 3). A fermentação láctica pode ser realizada pelos nossas células musculares, quando precisamos produzir muita energia e não temos oxigênio o suficiente para reagir com todas as moléculas de glicose que sofrem glicólise (situação de atividade física intensa). As moléculas de ácido pirúvico que não podem terminar de ser quebradas pela falta de O 2 sofrem este tipo de fermentação. A fermentação láctica também é realizada por bactérias que utilizamos na produção de iogurte e coalhada, por exemplo. *Fermentação alcoólica Nela, antes duas moléculas de ácido pirúvico (C 3H 4O 3) receberem 2 hidrogênios cada, há uma perda de CO 2 Por cada uma delas. Como resultado da fermentação alcoólica, é formado além do CO 2, o Etanol ou álcool etílico (C 2H 5OH). Esta fermentação é realizada leveduras (fungos), e o homem tira benefício deste processo na produção de cerveja (neste caso o álcool é aproveitado) ou de fermentos biológicos (neste caso, o CO 2 é aproveitado, pois quando liberado, faz criar bolhas em massas; com as bolhinhas de CO 2 a massa cresce e fica fofa, podendo resultar em uma pizza bem gostosa com muito queijo, orégano e calabresa em cima). Atenção!!!! Para a produção de álcool pelos fungos, eles não podem entrar em contato com o oxigênio. Caso tenha O 2 disponível ele vai fazer a respiração celular, processo que tem maior rendimento energético e que não produz o álcool! Logo, se deixarmos o fungo com a cevada em tonéis destampados, não produziremos cerveja! OBS: imagina se as nossas células musculares realizassem fermentação alcóolica ao invés de láctica! Quando a gente fizesse um exercício intenso, o álcool produzido pela fermentação nas células do músculo iria deixar a gente doidão! :D Resumindo: 8

9 Questão 1 EXERCÍCIOS Após algum tempo, professor Astrogildo chamou a turma de volta ao ônibus, pois ainda iriam visitar uma fábrica de cerveja que ficava no caminho. Na fábrica, um funcionário explicou todo o processo de produção da cerveja, ressaltando que, para isso, se utilizava o fungo anaeróbio facultativo. Professor Astrogildo apontou dois barris que estavam no galpão da fábrica, reproduzidos no esquema a seguir. Considerando que ambos contêm todos os ingredientes para a produção de cerveja, a formação de álcool ocorre no barril a) II, onde a glicose não é totalmente oxidada. b) I, onde há um maior consumo de oxigênio. c) II, onde a pressão do oxigênio é maior. d) I, onde a glicose será degradada a ácido pirúvico. Questão 2 A produção de álcool combustível a partir do açúcar da cana está diretamente relacionada a qual dos processos metabólicos de microrganismos a seguir relacionados? a) Respiração. b) Fermentação. c) Digestão. d) Fixação de N 2. e) Quimiossíntese. Questão 3 Existem muitas espécies de leveduras (fermentos) usadas na fabricação de bebidas, pães, bolos etc. Na produção da cerveja, utilizamse duas espécies: Saccharomyces cerevisae, para a cerveja de maior teor alcoólico, e Saccharomyces carlsbergensis, para a cerveja com baixo teor alcoólico. O processo biológico referido no texto caracteriza-se por: a) Ocorrer no interior das mitocôndrias dos fermentos produzindo teores variados de álcool etílico. b) Utilizar o oxigênio como aceptor final de hidrogênio. c) Ocorrer no citosol (hialoplasma) dos fungos Saccharomyces quando o teor de oxigênio no meio ambiente é insuficiente para a respiração aeróbica. d) Realizar-se nas células de fungos, bactérias e protozoários quando a quantidade de glicose é insuficiente para a respiração aeróbica. e) Ocorrer apenas nas células de procariontes e produzir um baixo rendimento energético. Questão 4 9

10 Na fabricação de pão caseiro, costuma-se colocar uma bolinha de massa ainda crua num copo com água. Essa bolinha, inicialmente, vai ao fundo do copo. Enquanto ela fica na água, os pães descansam e o fermento biológico utilizado na massa promove a liberação de CO2. Em relação a esse processo, é correto afirmar: a) Com a produção de CO2, ocorre a formação de pequenas bolhas no interior da massa, diminuindo sua densidade. b) Com a liberação do CO2 na bolinha, o empuxo diminui fazendo com que ela suba para a superfície. c) A bolinha desce devido à diferença de pressão entre a boca e o fundo do copo. d) A bolinha vai ao fundo pois a densidade dela é menor que a da água. Questão 5 Com relação aos processos de respiração e fermentação nos organismos vivos, pode-se afirmar que: a) Através dos dois processos ocorre produção de glicose. b) Em ambos os processos ocorre formação de ácido pirúvico. c) Na respiração anaeróbica não ocorre produção de ATP. d) A respiração aeróbica produz menos ATP do que a fermentação. e) Na respiração aeróbica não ocorre produção de ATP. Questão 6 Uma célula, com o auxílio de enzimas, degrada moléculas orgânicas ricas em energia em produtos mais simples que contêm menos energia. Existem diferentes caminhos pelos quais uma célula pode obter essa energia. Um dos processos mais simples utilizados pelos seres vivos é a fermentação, na qual um dos possíveis produtos é o álcool etílico (etanol). Assinale a alternativa que contém a equação que representa a fermentação etílica e um organismo que realiza este processo. a) C 6H 12O 6 2 C 2H 5OH + CO 2 + energia ; leveduras. b) C 6H 12O 6 2 C 2H 5OH + CO 2 + energia ; algas. c) 12H 2O + 6CO 2 + luz C 6H 12O 6 + 6O 2 + 6H 2O; bactérias e fungos. d) 12H 2O + 6CO 2 + luz C 6H 12O 6 + 6O 2 + 6H2O; vegetais e algas. e) C 6H 12O 6 + 6O 2 6CO 2 + 6H 2O + energia; bactérias e fungos. Questão 7 No gráfico a seguir, observa-se a produção de CO2 e ácido lático no músculo de um atleta que está realizando atividade física. Sobre a variação da produção de CO2 e ácido lático em A e B, analise as seguintes afirmativas. I. A partir de T1 o suprimento de O2 no músculo é insuficiente para as células musculares realizarem respiração aeróbica. II. O CO2 produzido em A é um dos produtos da respiração aeróbica, durante o processo de produção de ATP pelas células musculares. III. Em A, as células musculares estão realizando respiração aeróbica e, em B, um tipo de fermentação. IV. A partir de T1, a produção de ATP pelas células musculares deverá aumentar. Das afirmativas anteriores, estão corretas: a) Apenas I e II. 10

11 b) Apenas III e IV. c) Apenas I, II e III. d) Apenas I, II e IV. e) Apenas II, III e IV. Questão 8 Enquanto os organismos superiores utilizam a respiração aeróbia para obter energia, algumas bactérias e fungos utilizam a fermentação. Esses processos compreendem um conjunto de reações enzimáticas, nos quais compostos orgânicos são degradados em moléculas mais simples. As afirmativas a seguir estão relacionadas a esses processos. I. A glicólise é o processo inicial da respiração e fermentação. II. As leveduras quando fermentam açúcares produzem álcool etílico, CO 2 e ATP. III. A fermentação é mais eficiente em rendimento energético do que a respiração. Com relação às afirmativas, assinale a alternativa correta. a) I e II são verdadeiras. b) II e III são verdadeiras. c) I, II e III são verdadeiras. d) I e III são verdadeiras. e) Apenas a II é verdadeira. Questão 9 Há milhares de anos o homem faz uso da biotecnologia para a produção de alimentos como pães, cervejas e vinhos. Na fabricação de pães, por exemplo, são usados fungos unicelulares, chamados de leveduras, que são comercializados como fermento biológico. Eles são usados para promover o crescimento da massa, deixando-a leve e macia. O crescimento da massa do pão pelo processo citado é resultante da a) liberação de gás carbônico. b) formação de ácido lático. c) formação de água. d) produção de ATP. e) liberação de calor Questão 10 A fabricação de vinho e pão depende dos produtos liberados pelas leveduras durante sua atividade fermentativa. Quais os produtos que interessam mais diretamente à fabricação do vinho e do pão, respectivamente? a) Álcool etílico, gás carbônico. b) Gás carbônico, ácido lático. c) Ácido acético, ácido lático. d) Álcool etílico, ácido acético. e) Ácido lático, álcool etílico. 1) a 2) b 3) c 4) a 5) b 6) a 7) c GABARITO 11

12 8) a 9) a 10) a 12

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação

Biologia-Prof.Barão. Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Biologia-Prof.Barão Metabolismo Energético: Respiração Celular e Fermentação Metabolismo Energético I Conceitos básicos: 1-Metabolismo 2-Reações Exergônicas e Endergônicas 3-Reação de Redox(Oxidação-Redução)

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE

METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO CELULAR FERMENTAÇÃO FOTOSSÍNTESE QUIMIOSSÍNTESE RESPIRAÇÃO CELULAR Processo de produção de energia a partir da degradação completa de compostos orgânicos energéticos (ex.:

Leia mais

Profº André Montillo www.montillo.com.br

Profº André Montillo www.montillo.com.br Profº André Montillo www.montillo.com.br Definição: É a soma de todas as reações químicas envolvidas na manutenção do estado dinâmico das células, onde milhares de reações ocorrem ao mesmo tempo, determinando

Leia mais

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca ONDA que apenas transportam energia.

Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara Profº Roberto Fonseca  ONDA que apenas transportam energia. Aulão: 20/06/2015 Conteúdo: Metabolismo Energético Profº Davi Vergara O Sol é o principal responsável pela existência de vida na Terra. A energia luminosa captada por algas e plantas é utilizada na produção

Leia mais

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO

EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO Componente Curricular: Biologia Professor: Leonardo Francisco Stahnke Aluno(a): Turma: Data: / /2015 EXERCÍCIOS DE REVISÃO CITOPLASMA E METABOLISMO 1. A respeito da equação ao lado, que representa uma

Leia mais

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre

Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre Bolsa limitada por duas membranas semelhantes à membrana plasmática. A interna forma uma série de dobras ou septos, as cristas mitocondriais, entre as quais há uma solução gelatinosa, a matriz mitocondrial.

Leia mais

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs

METABOLISMO CELULAR. Professor Felipe Abs METABOLISMO CELULAR Professor Felipe Abs O que é ENERGIA??? Físicos energia é a capacidade de realizar trabalhos; Biólogos energia é a capacidade de provocar mudanças; É indispensável para os seres vivos;

Leia mais

Energia para a célula Fermentação Desnitrificação. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com

Energia para a célula Fermentação Desnitrificação. Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Energia para a célula Fermentação Desnitrificação Natália A. Paludetto nataliaapaludetto@gmail.com Respiração anaeróbia Processo em que energia é gerada a partir de quebra de uma molécula, porém sem a

Leia mais

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ==============================================================================================

BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== PROFESSOR: Leonardo Mariscal BANCO DE QUESTÕES - BIOLOGIA - 1ª SÉRIE - ENSINO MÉDIO ============================================================================================== Assunto: Organelas citoplasmáticas

Leia mais

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari

Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Biologia Fascículo 04 Lara Regina Parra de Lazzari Índice Fotossíntese e Respiração... 1 Fotossíntese... 1 Respiração... 4 Exercícios... 5 Gabarito... 8 Fotossíntese e Respiração Fotossíntese Definição

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO

METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO CELULAR E FERMENTAÇÃO Mitocôndria - Organela em forma de grão ou bastonete. É formada por duas membranas: a mais interna forma uma série de dobras ou septos chamados

Leia mais

Resoluções de Atividades

Resoluções de Atividades Resoluções de Atividades Sumário Aula 16 Citoplasma I... 1 Aula 17 Citoplasma II... 2 Aula 18 Metabolismo energético Respiração... 3 Aula 19 Metabolismo energético Respiração e fermentação... 4 01 C 02

Leia mais

Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia

Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia Todas as manifestações de vida requerem um abastecimento de energia Em todos os seres vivos, dos mais simples unicelulares até aos seres vivos multicelulares, as manifestações de vida resultam de numerosas

Leia mais

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA

AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA Caderno N0901 AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA 2 BIMESTRE Ciências 9 ano do Ensino Fundamental Nome do Aluno(a): Orientações Você está recebendo um caderno com 27 questões. Você dispõe de 2 horas para responder a

Leia mais

Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV. Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula!

Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV. Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula! Aula: 12 Temática: Metabolismo das principais biomoléculas parte IV Na aula de hoje iremos estudar a fermentação. Boa aula! Fermentação O Piruvato, produto da glicólise, pode continuar sendo processado

Leia mais

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF.

- TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. - TERCEIRÃO 2012. COLÉGIO CEC CENTRO EDUCACIONAL CIANORTE ED. INFANTIL, ENS. FUNDAMENTAL E MÉDIO - SISTEMA ANGLO DE ENSINO. PROF. NANNI 01) (UFPE) O esquema abaixo representa o elo entre os processos de

Leia mais

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares;

(2) converter as moléculas dos nutrientes em unidades fundamentais precursoras das macromoléculas celulares; INTRODUÇÃO AO METABOLISMO Metabolismo é o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. O metabolismo tem quatro

Leia mais

Fisiologia e Crescimento Bacteriano

Fisiologia e Crescimento Bacteriano UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA DEPARTAMENTO DE PARASITOLOGIA, MICROBIOLOGIA E IMUNOLOGIA Fisiologia e Crescimento Bacteriano Disciplina: Biologia de Microrganismos Professora: Alessandra Machado

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br A glicólise é provavelmente a via bioquímica mais bem compreendida. Desempenha uma função central no metabolismo energético, fornecendo uma porção

Leia mais

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular

RESPIRAÇÃO CELULAR. Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular Disciplina: Biologia Série: 2ª série EM - 1º TRIM Professora: Ivone Azevedo da Fonseca Assunto: Respiração Celular RESPIRAÇÃO CELULAR A MAIS QUÍMICA DAS REAÇÕES BIOLÓGICAS Questão certa em vestibulares

Leia mais

Superlista Bioenergética

Superlista Bioenergética Superlista Bioenergética 1. (Uerj) O ciclo dos ácidos tricarboxílicos, ou ciclo de Krebs, é realizado na matriz mitocondrial. Nesse ciclo, a acetilcoenzima A, proveniente do catabolismo de carboidratos,

Leia mais

Biologia. Fotossíntese. Respiração Celular. Professor Otaviano Netto 12/03/2013. Aluno (a):

Biologia. Fotossíntese. Respiração Celular. Professor Otaviano Netto 12/03/2013. Aluno (a): Biologia 04 Professor taviano Netto Aluno (a): 12/03/2013 Fotossíntese 1-Conceito: É a síntese de carboidrato a partir de água (H 2 ) e dióxido de carbono (C 2 ) utilizando como fonte a energia luminosa,

Leia mais

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo

Experimento 10: Fermentação. Docente Sala (lab) Grupo Experimento 10: Fermentação Docente Sala (lab) Grupo 1 Experimento 10: Fermentação Introdução A glicose é uma importante molécula utilizada no metabolismo de diversos organismos para gerar energia. Em

Leia mais

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE

CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE CLOROPLASTOS E FOTOSSÍNTESE Cloroplastos Plastos ou plastídeos com pigmentos coloridos (cromoplastos), sendo o pigmento predominante a clorofila, responsável pela absorção de energia luminosa. Nos vegetais

Leia mais

Exercícios de Aprofundamento Biologia Membrana Plasmática e Fisiologia Celular

Exercícios de Aprofundamento Biologia Membrana Plasmática e Fisiologia Celular 1. (Fuvest 2015) Nas figuras abaixo, estão esquematizadas células animais imersas em soluções salinas de concentrações diferentes. O sentido das setas indica o movimento de água para dentro ou para fora

Leia mais

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula

MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR. Mito: filamento Chondrion: partícula MITOCÔNDRIA E RESPIRAÇÃO CELULAR Mito: filamento Chondrion: partícula QUALQUER TRABALHO NA CÉLULA REQUER ENERGIA: -Movimento celular, secreção de substâncias, transmissão dos impulsos nervosos, contração

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 17 MITOCÔNDRIAS E RESPIRAÇÃO CELULAR Retículo endoplasmático Invólucro nuclear Núcleo Mitocôndria Procarionte fotossintético Cloroplasto Procarionte ancestral Eucariote ancestral

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO CURSO TÉCNICO INTEGRADO DE INFORMÁTICA E ELETROMECÂNICA - 2º ANO DICIPLINA: BIOLOGIA METABOLISMO ENERGÉTICO RESPIRAÇÃO E FERMENTAÇÃO Prof.ª Carla Pereira Nascimento METABOLISMO ENERGÉTICO Todo ser vivo

Leia mais

ENEM. Biologia Aula 03. Profº Marcelo TESTES

ENEM. Biologia Aula 03. Profº Marcelo TESTES TESTES (ENEM 98) João ficou intrigado com a grande quantidade de notícias envolvendo DNA: clonagem da ovelha Dolly, terapia gênica, testes de paternidade, engenharia genética, etc. Para conseguir entender

Leia mais

1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS

1ª PARTE: QUESTÕES OBJETIVAS COLÉGIO PEDRO II CAMPUS TIJUCA II DEPARTAMENTO DE BIOLOGIA E CIÊNCIAS COORD.: PROFa. CRISTIANA LIMONGI 1º TURNO 1ª SÉRIE / ENSINO MÉDIO REGULAR ANO LETIVO 2015 PROFESSOR: FRED EXERCÍCIOS DE REVISÃO 04

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br A conversão do fluxo de elétrons em trabalho biológico requer transdutores moleculares (circuito microscópico), análogos aos motores elétricos que

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. Sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo Sgrillo.ita@ftc.br E da onde vem esta energia?? E o que é Bioenergética? Para manterem-se vivos e desempenharem diversas funções biológicas os organismos necessitam continuamente

Leia mais

Metabolismo Energético das Células. Processos Exergônicos: Respiração Celular Fermentação

Metabolismo Energético das Células. Processos Exergônicos: Respiração Celular Fermentação Metabolismo Energético das Células Processos Exergônicos: Respiração Celular Fermentação Introdução Processos endergônicos - Característica: Precisam receber energia. - Ex.: Fotossíntese e quimiossíntese.

Leia mais

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012

Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Metabolismo de Carboidratos. Profa.Dra. Leticia Labriola Abril 2012 Oxidação Completa da Glicose C 6 H 12 O 6 + 6O 2 + 36-38ADP + 36-38 P i 6CO 2 + 6H 2 O + 36-38ATP Via glicolítica gastou: 1 glicose,

Leia mais

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS

FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS FISIOLOGIA DO EXERCÍCIO I BIOENERGÉTICA: CICLO DE KREBS Ciclo de Krebs Considerações Gerais Esta denominação decorre da homenagem ao bioquímico Hans Krebs, a qual lhe valeu o Prémio Nobel de Fisiologia

Leia mais

Objectivos pedagógicos

Objectivos pedagógicos Programa de Ciências da Natureza 6º Ano Tema: Ambiente de Vida Capítulo II- Agressões do meio e integridade do organismo 1) Os Micróbios O capítulo 1.2, Micróbios Inofensivos, chama a atenção para o facto

Leia mais

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais.

Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. Obtenção de matéria pelos seres autotróficos Os seres autotróficos produzem matéria orgânica a partir de compostos minerais. A autotrofia pode envolver dois processos: Fotossíntese - realizada por organismos

Leia mais

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos.

TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Ufc) Na(s) questão(ões) a seguir escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. Respiração e Fermentação 1. (Fuvest) O fungo 'Saccharomyces cerevisiae' (fermento de padaria) é um anaeróbico facultativo. Quando cresce na ausência de oxigênio, consome muito mais glicose do que quando

Leia mais

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos

Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos FUNDAÇÃO PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - FUPAC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE UBERLÂNDIA Biologia Celular: Transformação e armazenamento de energia: Mitocôndrias e Cloroplastos Prof. MSc Ana Paula

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE FISIOTERAPIA CIÊNCIAS MORFOLÓGICAS II Respiração Celular 1º estágio: GLICÓLISE 2º estágio: CK Ciclo de Krebs 3º estágio:

Leia mais

21/11/2016. Destinos do Piruvato na Célula. Respiração Celular X Combustão. Respiração Celular

21/11/2016. Destinos do Piruvato na Célula. Respiração Celular X Combustão. Respiração Celular Universidade de São Paulo Escola de Engenharia de Lorena Departamento de Biotecnologia Destinos do Piruvato na Célula Curso Engenharia Química Disciplina Bioquimica Metabolismo de Carboidratos Ciclo do

Leia mais

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal

Biologia 2ª Série Resumo Fisiologia Vegetal A fisiologia vegetal estuda os fenômenos vitais relacionados com as plantas. Isto inclui o metabolismo vegetal; o desenvolvimento vegetal; os movimentos vegetais e a reprodução. Raiz e Absorção As plantas

Leia mais

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula.

Metabolismo celular. É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. FERMENTAÇÃO Metabolismo celular 3 É o conjunto de todas as reacções químicas que ocorrem numa célula. Metabolismo celular 4 Anabolismo reacções de síntese de moléculas complexas a partir de moléculas simples.

Leia mais

METABOLISMO DE LIPÍDEOS

METABOLISMO DE LIPÍDEOS METABOLISMO DE LIPÍDEOS 1. Β-oxidação de ácidos graxos - Síntese de acetil-coa - ciclo de Krebs - Cadeia transportadora de elétrons e fosforilação oxidativa 2. Síntese de corpos cetônicos 3. Síntese de

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Citoplasma organelas energéticas

Citoplasma organelas energéticas Citoplasma organelas energéticas luz cloroplasto CO2 + H2O C6H12O6 + O2 mitocôndria ENERGIA (ATP) ATP a moeda energética das células Respiração Dicas... A primeira etapa da respiração (glicólise) é anaeróbica

Leia mais

Influência da Variação da Concentração de Etanol na Fermentação Alcoólica em Leveduras

Influência da Variação da Concentração de Etanol na Fermentação Alcoólica em Leveduras Relatório de um trabalho prático da disciplina de Biologia Celular 2011/12 Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Influência da Variação da Concentração de Etanol na Fermentação Alcoólica em Leveduras

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico e denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Ciclo do Ácido Cítrico O ciclo do ácido cítrico, também denominado Ciclo de Krebs ou ciclo do Ácido Tricarboxílico (TCA) realiza a oxidação

Leia mais

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos

Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos Sequência de Aulas - Ciclos Biogeoquímicos 1. Nível de Ensino: Ensino Médio 2. Conteúdo Estruturante: Biogeoquímica 2.1 Conteúdo Básico: Matéria, Composição dos elementos químicos. 2.2 Conteúdo Específico:

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO SILVIA ALIX, MAJ VÂNIA E TEN LUCIANA ARAÚJO METABOLISMO ENERGÉTICO 1. Metabolismo: Anabolismo e Catabolismo. 2. ATP Adenosina trifosfato. 3. Respiração celular: Glicólise, Ciclo de Krebs e Transporte de

Leia mais

Semana 12 Respiração Celular

Semana 12 Respiração Celular Semana 12 Respiração Celular Prof. Saul Carvalho Respiração Celular Extração de energia química de substâncias orgânicas (carboidratos e lipídios) Principalmente quebra da Glicose Gera energia celular

Leia mais

4. Os anestésicos, largamente usados pela medicina, tornam regiões ou todo o organismo insensível à dor porque atuam:

4. Os anestésicos, largamente usados pela medicina, tornam regiões ou todo o organismo insensível à dor porque atuam: MATÉRIA: Biologia PROFESSOR: Warley SÉRIE: 3º ano TIPO: Atividade de Recuperação - 2ª etapa 1. Quais os tipos de músculos encontrados no corpo humano? 2. As células do tecido muscular cardíaco apresentam

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015

PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015 PROVA ESPECÍFICA DE BIOLOGIA M23-2015 Nome: Data: / / Curso pretendido: ASSINALAR A RESPOSTA CORRETA NA FOLHA DE RESPOSTA 1. Os centríolos exercem importantes funções no processo de: a) Transporte intracelular.

Leia mais

Organelas Produtoras de energia

Organelas Produtoras de energia Professora Priscila F Binatto Citologia - Maio/2015 CAP. 9 METABOLISMO ENERGÉTICO: RESPIRAÇÃO AERÓBIA E FERMENTAÇÃO Organelas Produtoras de energia Mitocôndrias Organização Morfológica Função Respiração

Leia mais

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Bioquímica GLICÓLISE AERÓBICA. Ciclo de Krebs e Fosforilação Oxidativa. Profa.

Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Bioquímica GLICÓLISE AERÓBICA. Ciclo de Krebs e Fosforilação Oxidativa. Profa. Universidade Federal do Pampa Campus Itaqui Bioquímica GLICÓLISE AERÓBICA Ciclo de Krebs e Fosforilação Oxidativa Profa. Marina Prigol 1 Glicólise Anaeróbica RESPIRAÇÃO CELULAR ou GLICÓLISE AERÓBICA:

Leia mais

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV.

O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. 1 PROVA DE BIOLOGIA I QUESTÃO 31 O esquema representa uma provável filogenia dos Deuterostomados. Assinale a opção que apresenta CORRETAMENTE as características I, II, III e IV. I II III IV a) Coluna vertebral

Leia mais

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net

Lista de Exercícios RESPIRAÇÃO CELULAR. Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net Lista de Exercícios RESPIRAÇÃ CELULAR Profº Fernando Teixeira fernando@biovestiba.net 01 - (FGV/2013) cianeto é uma toxina que atua bloqueando a última das três etapas do processo respiratório aeróbico,

Leia mais

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal)

BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) BIOLOGIA CELULAR Células Procariontes Eucariontes (animal e vegetal) Thiago Campos Monteiro UFMS / CPCS Créditos: Prof a Elisângela de Souza Loureiro Tamanho das células Existem células de vários tamanhos.

Leia mais

Uma receita de iogurte

Uma receita de iogurte A U A UL LA Uma receita de iogurte O iogurte, um alimento comum em vários países do mundo, é produzido a partir do leite. Na industrialização desse produto empregam-se técnicas diversas para dar a consistência,

Leia mais

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração

muito gás carbônico, gás de enxofre e monóxido de carbono. extremamente perigoso, pois ocupa o lugar do oxigênio no corpo. Conforme a concentração A UU L AL A Respiração A poluição do ar é um dos problemas ambientais que mais preocupam os governos de vários países e a população em geral. A queima intensiva de combustíveis gasolina, óleo e carvão,

Leia mais

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2.

d) Ao contrário da fermentação alcoólica, a fermentação lática não produz CO 2. Lista de exercícios - Bioenergética 01 - (UDESC SC) Assinale a alternativa correta quanto à respiração celular. a) Uma das etapas da respiração celular aeróbia é a glicólise, ocorre na matriz mitocondrial

Leia mais

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro;

M.O. coloração verde JANUS oxidação do corante citocromos; M.E.T. ultra estrutura; Células eucariontes; Tamanho 0,2 a 1 µm de diâmetro; Apoptose Produção de energia Mitocôndria Introdução As mitocôndrias (mitos, filamento e condria, partícula) são organelas citoplasmáticas de forma arredondada ou alongada, existentes em praticamente todos

Leia mais

COMENTÁRIO GERAL (EQUIPE DE BIOLOGIA)

COMENTÁRIO GERAL (EQUIPE DE BIOLOGIA) COMENTÁRIO GERAL (EQUIPE DE BIOLOGIA) A prova de Biologia ENEM 2010 apresentou como eixo central questões envolvendo meio ambiente e ecologia geral. Desta forma houve um desequilíbrio na distribuição de

Leia mais

Bioquímica. Glicólise e fermentação

Bioquímica. Glicólise e fermentação Bioquímica Glicólise e fermentação Glicogênio, Amido e sacarose armazenamento Glicose Oxidação pela Via das pentoses fosfato Ribose 5-fosfato Oxidação via glicólise Piruvato Esquema geral Visão geral Coenzimas

Leia mais

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR

SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR SECRETARIA DE SEGURANÇA PÚBLICA/SECRETARIA DE EDUCAÇÃO POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS COMANDO DE ENSINO POLICIAL MILITAR COLÉGIO DA POLÍCIA MILITAR SARGENTO NADER ALVES DOS SANTOS SÉRIE/ANO: 3ª TURMA(S):

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 18 RESPIRAÇÃO CELULAR AERÓBIA

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 18 RESPIRAÇÃO CELULAR AERÓBIA BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 18 RESPIRAÇÃO CELULAR AERÓBIA glicose 2NAD 2(ADP + P) 2NAD 2 2 ATP ácido pirúvico (3C) ácido pirúvico (3C) Como pode cair no enem? (UFF) Mediu-se, em diferentes instantes

Leia mais

Obtenção de nutrientes pelos seres vivos

Obtenção de nutrientes pelos seres vivos Professora Priscila F Binatto Setembro/ 2016 ENERGIA Obtenção de nutrientes pelos seres vivos Autótrofos Realização de fotossíntese Heterótrofos Obtenção da glicose pronta a partir de outra fonte RESPIRAÇÃO

Leia mais

METABOLISMO ENERGÉTICO

METABOLISMO ENERGÉTICO METABOLISMO ENERGÉTICO TRIFOSFATO DE ADENOSINA Este composto armazena, em suas ligações fosfato, parte da energia desprendida pelas reações exotérmicas e tem a capacidade de liberar, por hidrólise, essa

Leia mais

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício

Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício Prof. Paulo Fonseca Bioenergética do exercício O exercício é uma atividade ativa, portanto, demanda muita energia. Durante o exercício, a demanda energética do muculo esquelético aumenta consumindo uma

Leia mais

Biologia Prof. Edgard Manfrim

Biologia Prof. Edgard Manfrim Metabolismo Celular conjunto de reações químicas que ocorrem no organismo. Energia Reagentes Produtos Metabolismo Celular A energia necessária para a realização de reações químicas do organismo vem da

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012

PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROVA DE BIOLOGIA 2 o BIMESTRE 2012 PROFª. VERA NOME N o 1 a SÉRIE A compreensão do enunciado faz parte da questão. Não faça perguntas ao examinador. A prova deve ser feita com caneta azul ou preta. É

Leia mais

Oficina Bactérias e Fungos

Oficina Bactérias e Fungos Oficina Bactérias e Fungos Leia todo a material antes de iniciar as atividades. Aproveite esse momento para explorar seus conhecimentos e ter uma aprendizagem significativa. Socialize suas dúvidas e conhecimentos

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota

Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Matéria: Biologia Assunto: Respiração celular Prof. Enrico blota Biologia 1. Moléculas, células e tecidos - Fotossíntese e respiração - Respiração celular Fermentação Organismos que só vivem na presença

Leia mais

Ciclo do Ácido Cítrico

Ciclo do Ácido Cítrico Ciclo do Ácido Cítrico Estágio final do metabolismo dos carboidratos, lipídeos e aminoácidos Ciclo Oxidativo - requer O2 Também conhecido como ciclo de Krebs Homenagem a Hans Krebs quem primeiro o descreveu

Leia mais

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO

M E T B O L I S M O CATABOLISMO ANABOLISMO METABOLISMO É o conjunto das reações químicas que ocorrem num organismo vivo com o fim de promover a satisfação de necessidades estruturais e energéticas. ...metabolismo Do ponto de vista físico-químico,

Leia mais

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA

ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA ENERGIA PARA ATIVIDADE CELULAR BIOENERGÉTICA Fontes Energéticas Bioenergética Fontes de Energia A energia define-se como a capacidade de realizar trabalho. Neste sentido, assumimos o conceito de trabalho

Leia mais

Gabarito: GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO. Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D]

Gabarito: GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO. Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D] GABARITO- 2ª CHAMADA- 1º ANO QUIMICA- EDUARDO Gabarito: Resposta da questão 1: [B] Resposta da questão 2: [D] Resposta da questão 3: [D] Resposta da questão 4: [A] Resposta da questão 5: [B] Resposta da

Leia mais

Biotecnologia. Fermentação láctica. Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani

Biotecnologia. Fermentação láctica. Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani Biotecnologia Fermentação láctica Prof.ª Valdirene O P Valdo ETEC Benedito Storani 1- Introdução A fermentação láctica consiste na oxidação anaeróbica, parcial de hidratos de carbono (mais especificamente

Leia mais

Maria do Carmo de C. D. Costa

Maria do Carmo de C. D. Costa RESPIRAÇÃO INTRODUÇÃO Respiração é o processo de obtenção de energia através da degradação de um substrato. Essa degradação pode ocorrer na presença de oxigênio ou não. No primeiro caso falamos de respiração

Leia mais

Princípios de Bioenergética

Princípios de Bioenergética Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Departamento de Bioquímica e Biologia Molecular Disciplina de Introdução a Bioquímica Princípios de Bioenergética 1. Conceitos Básicos 1.1. Conceito de

Leia mais

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS

CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS CONTROLE DE POLUIÇÃO DE ÁGUAS NOÇÕES DE ECOLOGIA. A ÁGUA NO MEIO A ÁGUA É UM DOS FATORES MAIS IMPORTANTES PARA OS SERES VIVOS, POR ISSO É MUITO IMPORTANTE SABER DE QUE MANEIRA ELA SE ENCONTRA NO MEIO,

Leia mais

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm

A biodiversidade em diferentes ambientes. http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm A biodiversidade em diferentes ambientes http://www.prof2000.pt/users/ccaf/exercicios/ecossistemas/biomas.htm Unidade básica da vida a célula Quem foi Robert Hooke? Por volta de 1667, o cientista inglês

Leia mais

Profª Eleonora Slide de aula. Sistemas de transporte da membrana

Profª Eleonora Slide de aula. Sistemas de transporte da membrana Sistemas de transporte da membrana Sistemas de transporte da membrana interna da mitocôndria A membrana interna da mitocôndria, ao contrário da membrana externa, é impermeável a compostos com carga elétrica

Leia mais

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool.

Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Uso de Microorganismos na Produção de Álcool. Microorganismos são fontes ricas de produtos naturais, podem ser usadas como combustíveis, produtos químicos: polímeros e drogas. A habilidade de manipular

Leia mais

Atividade de Biologia 1 série

Atividade de Biologia 1 série Atividade de Biologia 1 série Nome: 1. (Fuvest 2013) Louis Pasteur realizou experimentos pioneiros em Microbiologia. Para tornar estéril um meio de cultura, o qual poderia estar contaminado com agentes

Leia mais

AS LEVEDURAS E A PANIFICAÇÃO: MONTAGEM EXPERIMENTAL E EXPERIMENTAÇÃO

AS LEVEDURAS E A PANIFICAÇÃO: MONTAGEM EXPERIMENTAL E EXPERIMENTAÇÃO Dra. MARIA ANTONIA MALAJOVICH - MariaAntonia@ort.org.br COORDENADORA DE BIOTECNOLOGIA INSTITUTO DE TECNOLOGIA ORT DO RIO DE JANEIRO AS LEVEDURAS E A PANIFICAÇÃO: MONTAGEM EXPERIMENTAL E EXPERIMENTAÇÃO

Leia mais

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS

BIOLOGIA ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS BIOLOGIA Prof. Fred ECOLOGIA - CONCEITOS ECOLÓGICOS Ecologia: definição e importância Ecologia é o estudo das relações entre os seres vivos e entre estes e o ambiente em que vivem. Envolve aspectos do

Leia mais

Professor Antônio Ruas

Professor Antônio Ruas Universidade Estadual do Rio Grande do Sul Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental Componente curricular: BIOLOGIA APLICADA Aula 3 Professor Antônio Ruas 1. Assuntos: Introdução à história geológica

Leia mais

CARBOIDRATOS. INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal

CARBOIDRATOS. INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal INTRODUÇÃO -Biomoléculas mais abundantes -Base da nutrição animal CARBOIDRATOS *Os animais não são capazes de sintetizar carboidratos a partir de substratos simples não energéticos, precisando obtê-los

Leia mais

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum

8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum UNIDADE 8 - INTERRELAÇÕES METABÓLICAS 8.1 - Ciclo Jejum-alimentação 8.2 - Mecanismos envolvidos na alteração do metabolismo hepático entre os estado bem alimentado e o estado de jejum 8.3 - Inter-relações

Leia mais

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros

NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS. Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros NECESSIDADE BÁSICAS DOS SERES VIVOS Estágio docência: Camila Macêdo Medeiros Necessidades básicas O planeta oferece meios que satisfaçam as necessidades básicas dos seres vivos. Necessidades básicas dos

Leia mais

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS

7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 7. OXIDAÇÕES BIOLÓGICAS 2 O que é a oxidação? É o processo pelo qual a matéria viva transforma em diferentes formas de energia atual a energia químico-potencial contida nas estruturas moleculares dos alimentos.

Leia mais

Regulação do metabolismo do glicogênio

Regulação do metabolismo do glicogênio Regulação do metabolismo do glicogênio A U L A 27 objetivos Ao final desta aula, você deverá ser capaz de: Aprender sobre as vias de regulação do metabolismo de glicogênio. Reforçar os conceitos adquiridos

Leia mais

QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP

QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP QUESTÕES INTERDISCIPLINARES (Biologia/Química) PUCSP 1. (2012) A prática de esportes promove modificações orgânicas significativas no corpo dos atletas, o que leva à necessidade de ajustes metabólicos

Leia mais

A energética celular:

A energética celular: A energética celular: o papel das mitocôndrias e cloroplastos Capitulo 13 (p 427 a 444) e Capitulo 14 Fundamentos da Biologia Celular- Alberts- 2ª edição A energética celular Como já vimos anteriormente

Leia mais

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS

CITOPLASMA. Características gerais 21/03/2015. Algumas considerações importantes: 1. O CITOPLASMA DAS CÉLULAS PROCARIÓTICAS CITOPLASMA Algumas considerações importantes: Apesar da diversidade, algumas células compartilham ao menos três características: Biologia e Histologia São dotadas de membrana plasmática; Contêm citoplasma

Leia mais

Química 2. Módulo 9: Termoquímica ATIVIDADE III

Química 2. Módulo 9: Termoquímica ATIVIDADE III Química Módulo 9: Termoquímica 1. (UNESP/010) A tabela apresenta informações sobre as composições químicas e as entalpias de combustão para três diferentes combustíveis que podem ser utilizados em motores

Leia mais

Profa Alessandra Barone.

Profa Alessandra Barone. Profa Alessandra Barone www.profbio.com.br Bioenergética Parte da bioquímica que trata do estudo dos fenômenos energéticos nos seres vivos, bem como sua forma de obtenção, armazenamento, mobilização e

Leia mais

Sugestões de links para leituras e pesquisas

Sugestões de links para leituras e pesquisas Projeto Embuá Unidade de Aprendizagem: ENERGIA Sugestões de links para leituras e pesquisas A Energia e a Química(artigo) - Renato José de Oliveira - Joana Mara Santos http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc08/conceito.pdf

Leia mais