Frente contra as guerras e intervenções imperialistas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Frente contra as guerras e intervenções imperialistas"

Transcrição

1 Pelo Socialismo Questões político-ideológicas com atualidade Publicado em: Tradução do inglês de MF Colocado em linha em: 2011/06/06 Frente contra as guerras e intervenções imperialistas Entrevista publicada em Rizospastis 1, em 30 de abril de 2011 Entrevista com Elisseos Vagenas, membro do CC e responsável pela Secção de Relações Internacionais do CC do KKE, sobre os desenvolvimentos da situação na Síria e na região em geral. Conversámos com Elisseos Vagenas, membro do CC do KKE e responsável pela sua Secção de Relações Internacionais, sobre os velozes acontecimentos que ocorrem na Síria e na região em geral e a avaliação que o Partido faz. - Recentemente, no dia 20 de Março, o CC do KKE publicou a sua Resolução sobre os desenvolvimentos na nossa região. Contudo, os acontecimentos desenvolvem-se com grande rapidez. O que mudou nestas semanas? - Claro que os acontecimentos se desenvolvem rapidamente! No entanto, as conclusões básicas do CC do KKE continuam válidas. Na nossa região (Balcãs, Mediterrâneo Oriental, Médio Oriente, Norte de África, Cáucaso) estão a desenvolver-se acontecimentos graves e perigosos, que se caracterizam pela intensidade das contradições entre as potências imperialistas, numa região que tem grandes recursos energéticos e constitui um ponto de passagem de matérias-primas da Ásia Central, do Mar Cáspio e do Médio Oriente, tanto para o Ocidente como para as potências da Ásia (China, Índia, etc.), que emergem com rapidez. Os mais poderosos monopólios, as uniões imperialistas e as potências imperialistas emergentes envolveram-se numa rede de luta e contradições. No quadro do sistema imperialista, as classes burguesas da região procuram eixos de alianças e procedem a alianças e compromissos de modo a beneficiar da luta pelos recursos naturais e pela partilha dos mercados. Ao mesmo tempo, vemos que a ONU, a NATO, os corpos policiais e militares da UE, as bases militares e as frotas navais são usados nessa luta, sob vários pretextos. Desde que se publicou a Resolução do CC do nosso Partido verificaram-se vários acontecimentos, dos quais os mais importantes foram a aberta intervenção imperialista na Líbia, com a decisão do Conselho de Segurança da ONU, e a direta intervenção militar imperialista das forças na ONU e da França na Costa do Marfim, assim como os acontecimentos sangrentos no Iémen e na Síria. Os acontecimentos desenvolvem-se rapidamente, assumindo aspectos diferentes em muitos países e 1

2 regiões. Mas colocam continuamente, de uma forma cada vez mais persistente, a questão da relação entre o capitalismo, a crise e a guerra. O que temos registado teoricamente e com base na experiência histórica está a ser confirmado pelos recentes acontecimentos. As manifestações na Síria têm as suas raízes no próprio país. Nos problemas económicos, sociais e políticos que a classe operária e os outros estratos populares estão a viver. Todavia, é óbvio que estão a ser usados pelas forças burguesas e os centros imperialistas. - Os meios de comunicação gregos e internacionais apresentaram os acontecimentos na Síria como outro levantamento popular, com reivindicações democráticas, afogado em sangue pelas autoridades. Que posição tem o KKE face a estas mobilizações, sobretudo tendo em conta a solidariedade que manifestou para com as manifestações no Egipto e na Tunísia? - Seguimos com grande atenção os desenvolvimentos na região e não a partir de uma fonte apenas. O KKE está acostumado a tomar posições públicas de forma responsável e a informar cuidadosamente os trabalhadores do nosso país sobre os desenvolvimentos a nível nacional e internacional. Examinamos as mobilizações em que participam forças populares a partir dos objectivos que são colocados pelas forças sociais e políticas que actuam no país, assim como pelas forças externas implicadas nesta mobilização. As consignas utilizadas nem sempre deixam isso claro. Cabe lembrar que no passado recente tivemos a experiência de manifestações operárias e populares que, em nome da democracia e da liberdade, assumiram uma posição reaccionária e contrarrevolucionária por exemplo, na Polónia, no período do Solidariedade. Isso é ainda mais verdade hoje, na medida em que há muitos factos que mostram a distorção de acontecimentos, em larga escala, por parte dos meios de comunicação burgueses internacionais, orquestrados pelo famoso canal Al Jazeera, com sede no Qatar e que se está a tornar o cavalo de Tróia electrónico da classe burguesa daquela região, que apoia a modernização burguesa, a nível político e económico, nos países do Norte de África e do Médio Oriente, assim como os planos imperialistas para o Grande Médio Oriente. - Que plano é este? Que objectivos serve? - Como a Resolução do CC assinalou, os principais objectivos dos imperialistas e não os pretextos (como a democracia e a não proliferação das armas nucleares ), promovidos por esses planos, são: A modernização burguesa dos regimes na região, tanto na base económica como na superstrutura jurídico-política para garantir, na medida do possível, uma base estável para a expansão dos grupos monopolistas nos mercados da região e o reforço do seu papel a nível internacional. A garantia do seu acesso aos recursos de energia da região e a novas jazidas no Mediterrâneo oriental. O controlo de uma grande área que é um ponto de passagem de comércio e transportes. É óbvio que cada potência imperialista tem os seus objectivos individuais. Por isso, os esforços dos EUA encontram, sem dúvida, e continuarão a encontrar a oposição de 2

3 potências rivais (sobretudo dos principais países da UE, da China e da Rússia). Desde que ponham em perigo os seus planos de penetração na região, para que os seus monopólios daí saquem idênticos benefícios. É no quadro destes antagonismos que devemos compreender a partilha do Sudão, que está a avançar, assim como a intervenção estrangeira na Costa do Marfim, a intervenção militar imperialista na Líbia e o plano para a sua possível partilha. Estes desenvolvimentos podem levar a um cenário geral de desestabilização de uma grande região, que criará problemas de fornecimento de energia à UE rival dos Estados Unidos, assim como de penetração de capitais e mercadorias chinesas na UE e África. O imperialismo, como fase superior do capitalismo, torna-se mais perigoso nas condições de crise capitalista. Além disso, pode servir-se da situação criada para mitigar as consequências da crise capitalista global e canalizar capital para guerras na região. Os desenvolvimentos na Síria estão ligados a estes planos. O que transparece das declarações e posições oficiais das potências imperialistas, dos EUA e da UE, assim como do envolvimento de potências regionais, como a Turquia e o Irão. - Quer dizer que os acontecimentos na Síria são fabricados de fora do país? Que são um instrumento para o derrube do governo e do Presidente Assad? - É claro que os acontecimentos que se desenvolvem na Síria têm as suas raízes no interior do país, nos problemas económicos, sociais e políticos que a classe operária e os outros sectores populares sofrem. Estes problemas têm vindo a agudizar-se nos últimos anos, devido às políticas de privatizações, de corte de direitos e rendimentos dos operários e das camadas populares, políticas promovidas a favor da burguesia nacional. O KKE apoia as mobilizações populares que lutam pela resolução dos problemas do povo e o direito dos povos a lutar, como a longa história do nosso partido demonstra. Neste sentido, o nosso Partido procura estudar a fundo os desenvolvimentos complexos como são os de hoje. Portanto, é preciso assinalar que hoje em dia muitos elementos indiciam que se está a pretender fazer uma intervenção imperialista nos assuntos internos da Síria a partir do estrangeiro, assim como a manipulação dos trabalhadores dos outros países, com informação falsa sobre os acontecimentos na Síria. Por exemplo, muitos dos assim chamados vídeos/documentários que nos mostram são filmados noutros países ou noutras situações. Esta linha de manipulação da opinião pública levou, recentemente, a demissões de jornalistas da Al Jazeera. Todos os dias surgem dados que revelam intervenções de países vizinhos (Arábia Saudita, Turquia); dados que mostram o esforço de agudização e exploração de conflitos religiosos e que falam de grupos que se armam e se treinam no estrangeiro. Há que ter tudo isto em conta. Claro que os EUA, a UE e Israel estão interessados na desestabilização e no enfraquecimento de um regime burguês que faz alusões anti-imperialistas e é aliado de forças anti-imperialistas na Palestina, no Líbano, etc. É preciso não esquecer que hoje em dia territórios da Síria estão sob ocupação estrangeira (israelita). O enfraquecimento deste regime, ou mesmo o seu derrube, pode abrir o apetite dos planos imperialistas de ataque ao Irão, utilizando como pretexto o seu programa nuclear. Pode mesmo levar a uma nova desintegração de estados na região e a um efeito dominó de desestabilização e matanças, algo que trará novas guerras e intervenções imperialistas. 3

4 - No passado, a União Soviética manteve relações estreitas com a Síria e o partido governamental Baaz. Como avalia esta posição e como tal facto influencia a actual posição do KKE face à Síria? - Depois da II Guerra Mundial, graças à influência da URSS, devido à sua contribuição na vitória Antifascista, à superioridade do socialismo na reconstrução do país, à formação de democracias populares na Europa de Leste e ao colapso do colonialismo, houve desenvolvimentos positivos que contribuíram para mudança da correlação de forças, a nível mundial. Naturalmente, o sistema imperialista internacional continuou poderoso, apesar do fortalecimento indubitável das forças do socialismo. Justamente depois do fim da guerra, o imperialismo, sob a hegemonia dos EUA, começou a Guerra-Fria e elaborou uma estratégia para minar o sistema socialista e o reagrupamento das suas forças. Desenvolveu-se uma rivalidade entre os dois sistemas, a nível mundial. Naquele período, numa série de países, como a Síria, a questão da independência nacional e a união em torno deste objetivo eram as questões cruciais. Sem dúvida que a aquisição da independência nacional por parte das colónias constituiu uma primeira e básica condição para a superação do atraso no desenvolvimento, que predominava em todos os setores da vida social. A URSS e os restantes estados socialistas elaboraram uma política de cooperação, económica e de outras formas, e de apoio a novos regimes de entre outros, ao da Síria, para que não fossem assimilados pelo mercado capitalista internacional e pelas uniões imperialistas, e também para fortalecer, nas frentes governamentais, as forças que estavam a favor de uma orientação socialista. Este esforço da União Soviética para desenvolver relações económicas e até alianças com alguns estados capitalistas, contra as mais poderosas potências imperialistas, foi desejável e compreensível, já que debilitava a frente unida dos imperialistas, dispersava-lhes forças ainda que temporariamente e utilizava as contradições no campo imperialista. O problema é que esta política conjuntural (estatal) da URSS, que em certos países se expressava a um nível económico, diplomático, ou outro, foi elevada a princípio e transformou-se numa teoria que se apresentava e da qual se falava como a via não capitalista de desenvolvimento, o que criou confusão no movimento revolucionário internacional. Não existe, como a prática provou, uma terceira via para o socialismo. É claro que o nosso Partido procura tirar conclusões da história do movimento comunista internacional. Assim, a posição actual do KKE por exemplo, contra a guerra imperialista na Líbia, não significa, seja em que caso for, aprovação do regime de Khadafi, com o qual, de resto, nunca teve quaisquer relações. Tampouco a nossa oposição à possível intervenção imperialista na Síria, ou ao possível ataque imperialista contra o Irão, significa que renunciemos à posição crítica que o nosso Partido mantém para com os regimes burgueses destes países. Com esta orientação, os comunistas, centram a sua atenção no principal, que é, neste momento, a guerra imperialista e intervenções similares na região, com a participação do nosso país. - Em que medida a participação dos partidos comunistas sírios na Frente Patriótica do partido governamental Baaz influencia a posição do KKE? - O KKE tem em linha de conta as posições e as apreciações dos partidos comunistas nos outros países. Apreciamos a posição anti-imperialista firme dos comunistas na Síria, assim como a sua contribuição no esforço de reconstrução do movimento 4

5 comunista internacional. Recentemente, pouco antes de rebentarem estes específicos acontecimentos, Amar Bagdash, Secretário-geral do CC do PC sírio, tinha visitado o nosso país, a convite do KKE. Então, tivemos oportunidade de trocar pontos de vista sobre os desenvolvimentos na nossa região. Conhecemos e apreciamos a acção dos comunistas na Síria contra a deterioração das relações de trabalho, a liberalização dos despedimentos, pelo estabelecimento do direito à greve, contra os planos de privatização da terra e contra a lei para a privatização das instituições de utilidade pública e, em geral, contra a integração da Síria nas organizações imperialistas. Temos, naturalmente, em consideração as suas posições. Contudo, o KKE procura sempre efectuar a sua avaliação sobre os acontecimentos, tendo também em conta a sua própria experiência e apreciações. Por exemplo, a experiência histórica do nosso partido e do movimento comunista internacional levou-nos a considerar que é um erro dividir a burguesia em especuladora e patriótica e procurar alianças com a segunda. Além disso, esclarecemos que o poder ou está nas mãos da classe burguesa ou nas mãos da classe operária. Não pode haver um poder intermédio! Assim, procedemos à abordagem do regime burguês do Baaz (Partido Socialista Árabe), na Síria que, pelas suas próprias razões teve um duro e longo conflito armado com o estado imperialista de Israel e, portanto, com os EUA, assim como de outros projectos imperialistas na região, com base na análise de classe e sem idealizações. Apoiamos a exigência da retirada imediata de Israel dos territórios sírios e de todos os territórios árabes ocupados pelo exército israelita, com o apoio dos EUA e de outras forças imperialistas. Além disso, apoiamos plenamente o direito de cada povo, e desde logo do povo sírio, a determinar o seu próprio futuro sem intervenções imperialistas estrangeiras, sejam de carácter militar, económico, ou de manipulação ideológica e política. - Qual é a proposta do KKE para o povo grego e povos da região? - O KKE dirige-se à classe operária e aos povos da região e sublinha que os seus interesses se identificam com a luta conjunta anti-imperialista e antimonopolista, pela desvinculação das organizações imperialistas, a abolição das bases militares e das armas nucleares estrangeiras, o regresso de forças militares das missões imperialistas e a integração desta luta na luta pelo poder. Com base nisto, os povos podem viver em paz, criativamente e utilizar os recursos naturais, que virão a pertencer ao povo, para seu próprio benefício, para satisfação das suas próprias necessidades. Condenamos as guerras imperialistas, injustas, e lutamos para que o nosso país se desvincule delas! Contudo, sabemos que as guerras que são a continuação da política por meios violentos são inevitáveis enquanto a sociedade estiver dividida em classes, enquanto existir a exploração do homem pelo homem, enquanto prevalecer o imperialismo. A substituição da guerra pela paz, a favor dos povos, não é possível sem a substituição do capitalismo pelo socialismo, porque a paz imperialista prepara novas guerras imperialistas. 1 Jornal do Partido Comunista da Grécia - sigla, em grego: KKE. 5

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série

Roteiro de Estudos. 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Roteiro de Estudos 2 trimestre - 2015 Disciplina: Geografia 2ª série Professor: Eduardo O que devo saber: Globalização, comércio mundial e blocos econômicos. O Comércio Global. O protecionismo. O comércio

Leia mais

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz

Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Carta Aberta do Conselho da Paz dos EUA Para Todos Os Nossos Amigos e Camaradas Do Movimento Pela Paz Caros Amigos e Camaradas da Paz, Como é do vosso conhecimento, o nosso mundo encontra-se numa conjuntura

Leia mais

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA

EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA 2012/08/26 EGIPTO. DA PRIMAVERA ÁRABE PARA A PRIMAVERA ISLÂMICA O processo de transição egípcio para uma democracia, tal como preparado pelo Conselho Supremo das Forças Armadas (CSFA), nunca seguiu o trajeto

Leia mais

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas

Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Extraordinária da Assembleia Municipal de Odivelas Sessão Solene Comemorativa da Implantação da República 05.10.2010 A Revolução Republicana de 1910 Ao assinalarmos cem anos sobre a Revolução Republicana

Leia mais

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR

OS CONFLITOS E OS EQUILÍBRIOS NO MUNDO BIPOLAR OBJECTIVOS: Descrever a situação da Europa após a II Guerra Mundial Justificar a afirmação dos EUA e da URSS Explicar os objectivos do Plano Marshall Explicar o papel do Kominform Justificar o estado de

Leia mais

«O capitalismo não é reformável»*

«O capitalismo não é reformável»* «O capitalismo não é reformável»* António Vilarigues A frase que dá o título a este artigo faz parte do léxico dos comunistas. É repetida amiúde em intervenções do camarada Jerónimo de Sousa e de outros

Leia mais

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta

O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DEBATE O Golfo em debate com Mohamed Benbouta DUARTE CALVÃO A guerra do Golfo eclodiu há cerca de um ano. Nessa altura esteve em Lisboa o professor Mohamed Benbouta, economista, cientista político, docente

Leia mais

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático

China e Japão e a Segurança no Leste Asiático China e Japão e a Segurança no Leste Asiático Geraldo Lesbat Cavagnari Filho Texto disponível em www.iea.usp.br/artigos As opiniões aqui expressas são de inteira responsabilidade do autor, não refletindo

Leia mais

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016

P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 P L A N I F I C A Ç Ã 0 3 º C I C L O 2015-2016 DISCIPLINA / ANO: História - 9º MANUAL ADOTADO: Missão História! - 9.º Ano, Porto Editora, Cláudia Amaral, Bárbara Alves, Tiago Tadeu GESTÃO DO TEMPO 1º

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º Ano de Escolaridade Prova 623/1.ª Fase 7 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Apresentação Intercultura. Introdução Missão História da Organização Estrutura da Organização Programas da Intercultura

Apresentação Intercultura. Introdução Missão História da Organização Estrutura da Organização Programas da Intercultura Apresentação Intercultura Introdução Missão História da Organização Estrutura da Organização Programas da Intercultura Introdução A Intercultura é uma Associação de Juventude e de Voluntariado; É uma organização

Leia mais

País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica

País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica p o l í t i c a e x t e r n a p o r t u g u e s a Breve ensaio sobre a política externa portuguesa Nuno Severiano Teixeira País europeu, Portugal é também um país atlântico. Pequena potência, semiperiférica

Leia mais

Equipe de Geografia GEOGRAFIA. A União Soviética foi um Estado Socialista que existiu na Eurásia (parte na Europa, parte na Ásia), entre 1922 e 1991.

Equipe de Geografia GEOGRAFIA. A União Soviética foi um Estado Socialista que existiu na Eurásia (parte na Europa, parte na Ásia), entre 1922 e 1991. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 14R Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA A União Soviética foi um Estado Socialista que existiu na Eurásia (parte na Europa, parte na Ásia), entre 1922

Leia mais

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL

DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL DECLARAÇÃO DE SUNDSVALL PROMOÇÃO DA SAÚDE E AMBIENTES FAVORÁVEIS À SAÚDE 3ª Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde Sundsvall, Suécia, 9 15 de Junho de 1991 Esta conferência sobre Promoção da

Leia mais

Exercícios sobre Revolução Chinesa

Exercícios sobre Revolução Chinesa Exercícios sobre Revolução Chinesa Material de apoio do Extensivo 1. Leia atentamente as afirmações abaixo, sobre a Guerra do Ópio, e assinale a alternativa correta. I. O estopim da Guerra do Ópio (1839)

Leia mais

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO

REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR-LESTE GABINETE DO PRIMEIRO-MINISTRO ALOCUÇÃO DE SUA EXCELÊNCIA O PRIMEIRO-MINISTRO, MINISTRO DA DEFESA E SEGURANÇA KAY RALA XANANA GUSMÃO POR OCASIÃO DA VISITA À ACADEMIA

Leia mais

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das

(O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das (O senhor Simplício Mário PT/PI pronuncia o seguinte discurso) Senhor presidente, senhoras e senhores deputados: O resultado deste ano no desfile das escolas de samba do Carnaval Carioca tem um significado

Leia mais

Uma Primavera dos Povos Árabes?

Uma Primavera dos Povos Árabes? Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine 18 de Junho de 2011 Uma Primavera dos Povos Árabes? Documento de Trabalho Oriente Médio e Magreb Danny Zahreddine

Leia mais

Os BRICS no capitalismo transnacional

Os BRICS no capitalismo transnacional Os BRICS no capitalismo transnacional William Robinson O s BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) são países considerados, pelos sistemas mundiais e por vários analistas, como estados ou

Leia mais

EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1

EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1 EUA e Grã-Bretanha preparam plano de intervenção militar na Líbia 1 Ann Talbot Os Estados Unidos e Grã-Bretanha deram um passo para a intervenção militar direta contra a Líbia, terça-feira (08-03), quando

Leia mais

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS

IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS 2008/02/07 IRAQUE: UM ATOLEIRO DE PROBLEMAS Atualmente a força de ocupação dos Estados Unidos no Iraque registra a presença de 162 mil homens. Até Julho de 2008, está prevista a retirada de três brigadas

Leia mais

Região de conflitos 1) Irã x Iraque: 2) Guerra do Golfo ou Iraque x Kuwait 3) Guerra no Afeganistão: 4) Guerra no Iraque ou Iraque x EUA:

Região de conflitos 1) Irã x Iraque: 2) Guerra do Golfo ou Iraque x Kuwait 3) Guerra no Afeganistão: 4) Guerra no Iraque ou Iraque x EUA: AVALIAÇÃO MENSAL DE GEOGRAFIA 1º Bim./2012 GABARITO Professor(a): Marcelo Duílio / Mônica Moraes Curso: Fund. II 9º ano Data: 08 / 03 / 2012 Tarde versão 2 Nome: BOA PROVA!!! Nº.: Instruções gerais Para

Leia mais

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações

MESOPOTÂMIA ORIENTE MÉDIO FENÍCIA ISRAEL EGITO PÉRSIA. ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações MESOPOTÂMIA FENÍCIA ISRAEL EGITO ORIENTE MÉDIO PÉRSIA ORIENTE MÉDIO origem das primeiras civilizações CIVILIZAÇÕES DA ANTIGUIDADE ORIENTAL Mesopotâmia - Iraque Egito Hebreus Israel Fenícios Líbano Pérsia

Leia mais

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA

AULA: 17 Assíncrona. TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais DINÂMICA LOCAL INTERATIVA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES HISTÓRIA CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA AULA: 17 Assíncrona TEMA: Cidadania e Movimentos Sociais 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Conteúdos: China: dominação

Leia mais

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO

O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO O REGIME REPUBLICANO EM PORTUGAL PARLAMENTARISMO Republicanismo português As raízes ideológicas remontavam à Revolução Francesa: liberdade, igualdade e fraternidade. Liberdade de pensamento, igualdade

Leia mais

Glossário da crise financeira

Glossário da crise financeira Glossário da crise financeira Focus A crise financeira que teve início em 2008 com a falência do banco de investimento norte-americano Lehman Brothers alastrou-se a todo o mundo e transformou-se na pior

Leia mais

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países.

Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. 21/10/2014 Em resumo: Geopolítica é o estudo das relações entre os Estados na disputa pelo controle do poder e a capacidade de exercê-lo sobre os demais países. O NASCIMENTO DA DISCIPLINA: Ratzel, no contexto

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 21 A 27 DE JULHO SEMANA 21 A 27 DE JULHO. Material: Raquel Basilone

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 21 A 27 DE JULHO SEMANA 21 A 27 DE JULHO. Material: Raquel Basilone Ofensiva do Planalto incomoda tribunal (pedaladas fiscais) ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ Material: Raquel Basilone ONU critica prisão de opositores e violência policial na Venezuela Ofensiva do Planalto

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009

DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em Malmö em 24 abril 2009 2 24 os ESTADOS GERAIS DO CONSELHO DOS MUNICÍPIOS E REGIÕES DA EUROPA «PRONTOS PARA O FUTURO? COMO É QUE SE PREPARAM OS PODERES LOCAIS E REGIONAIS DECLARAÇÃO FINAL Adotado pela 24 os Estados Gerais em

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012

Reunião Transfonteiriça Espanha Portugal SUMÁRIO. Boletim Informativo n.º 25. Balanço do 25.º Aniversário da Adesão à UE e Desafios para 2012 Boletim Informativo n.º 25 SUMÁRIO REUNIÃO TRANSFONTEIRIÇA ESPANHA- PORTUGAL Pág. 1 MECANISMO INTERLIGAR EUROPA GALILEO SATELITE EUROPEU Pág. 2 FRONTEIRAS INTELIGENTES Pág. 3 LUTA CONTRA AS NOVAS DROGAS

Leia mais

CONFERÊNCIA ENERGIA NUCLEAR O debate necessário. Lisboa, 22 de Fevereiro de 2006. Senhor Director Geral Responsável pela Energia Nuclear da UE

CONFERÊNCIA ENERGIA NUCLEAR O debate necessário. Lisboa, 22 de Fevereiro de 2006. Senhor Director Geral Responsável pela Energia Nuclear da UE CONFERÊNCIA ENERGIA NUCLEAR O debate necessário Lisboa, 22 de Fevereiro de 2006 Senhor Director Geral Responsável pela Energia Nuclear da UE Caros Colegas Co-organizadores desta Conferencia Minhas Senhoras

Leia mais

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766

CURSINHO PRÓ-ENEM 2015. E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 CURSINHO PRÓ-ENEM 2015 E-mail: lucianojunior06@hotmail.com Telefone: 9250-8766 Origens A história grega pode ser dividida em quatro grandes períodos: Homérico (séculos XII a VIII a.c.), Arcaico (séculos

Leia mais

Gabarito 7º Simulado Humanas

Gabarito 7º Simulado Humanas GEOGRAFIA QUESTÃO 01 a) Alguns fatores físico-naturais são: relevo, área de encosta de forte declividade; clima, elevada precipitação pluviométrica e infiltrações em áreas desflorestadas, levando a deslizamentos

Leia mais

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS

CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS CONFLITO EM GAZA: ENTENDA A GUERRA ENTRE ISRAEL E OS PALESTINOS Um assunto que volta e meia ocupa as manchetes de jornais do mundo inteiro há décadas é a questão sobre o conflito entre israelenses e palestinos

Leia mais

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano

Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano Brasil planeja envio de soldados para Força da ONU no Líbano O Brasil planeja o envio de tropas do Exército para serem incorporadas à missão de paz das Nações Unidas no sul do Líbano, junto à fronteira

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA FUNDAMENTAL 5 CEEJA MAX DADÁ GALLIZZI PRAIA GRANDE - SP ROTEIRO DA UNIDADE 05 FINALIDADE: Com esta UE você terminará de estudar

Leia mais

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO

INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO ADMINISTRAÇÃO EM SEGURANÇA DO TRABALHO IMPORTÂNCIA INTRODUÇÃO A ADMINISTRAÇÃO Quando do início de um empreendimento, de um negócio ou qualquer atividade; As expectativas e desejos de início são grandes:

Leia mais

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC

ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC ESTRATÉGIAS CORPORATIVAS COMPARADAS CMI-CEIC 1 Sumário Executivo 1 - A China em África 1.1 - Comércio China África 2 - A China em Angola 2.1 - Financiamentos 2.2 - Relações Comerciais 3 - Características

Leia mais

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito.

Século XXI. Sobre a cultura islâmica após os atentados de 11 de setembro. Palavras amáveis não custam nada e conseguem muito. Século XXI Oficialmente, o século XXI, inicia-se cronologicamente no final do ano 2000. Historicamente podemos destacar que os eventos que aconteceram um ano após a entrada do novo milênio marcam a chegada

Leia mais

INTERVENÇÃO CERIMÓNIA DE ABERTURA

INTERVENÇÃO CERIMÓNIA DE ABERTURA INTERVENÇÃO DO SUBSECRETÁRIO REGIONAL DOS ASSUNTOS EUROPEUS E COOPERAÇÃO EXTERNA, EM REPRESENTAÇÃO DO PRESIDENTE DO GOVERNO DOS AÇORES CERIMÓNIA DE ABERTURA 2.ª EDIÇÃO DO CURSO INTENSIVO DE SEGURANÇA E

Leia mais

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento

Violência aumenta no Afeganistão. Resenha Segurança / Desenvolvimento Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier 26 de maio de 2006 Violência aumenta no Afeganistão Resenha Segurança / Desenvolvimento Tiago Cerqueira Lazier

Leia mais

As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES. Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1

As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES. Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1 As ordens mundiais GEOGRAFIA GEOGRAFIA A PRODUÇÃO DO ESPAÇO E SEUS CONTRASTES Capítulo 13 O espaço geográfico 8.1 NOVA ORDEM MUNDIAL E O SUBDESENVOLVIMENTO A antiga ordem A nova ordem Socialismo x Capitalismo

Leia mais

GEOGRAFIA. Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta:

GEOGRAFIA. Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta: GEOGRAFIA Sobre as conseqüências das transformações em curso no Leste Europeu, assinale a opção correta: (A) A maior preocupação com os problemas econômico-sociais tem feito praticamente desaparecer os

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA

ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO DE AMORA 9º Ano História Planficação a Médio e Longo Prazo Ano Letivo 2014/2015 I - AVALIAÇÃO: 1. Domínios de avaliação, parâmetros e ponderações I Domínio dos Conhecimentos

Leia mais

CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS INFORMATIVO ESTRATÉGICO Nº 07/2015 OS ATENTADOS TERRORISTAS OCORRIDOS EM PARIS: EXTRATO DE NOTÍCIAS E DE PALESTRA

CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS INFORMATIVO ESTRATÉGICO Nº 07/2015 OS ATENTADOS TERRORISTAS OCORRIDOS EM PARIS: EXTRATO DE NOTÍCIAS E DE PALESTRA CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS INFORMATIVO ESTRATÉGICO Nº 07/2015 OS ATENTADOS TERRORISTAS OCORRIDOS EM PARIS: EXTRATO DE NOTÍCIAS E DE PALESTRA NOVEMBRO 2015 2 CENTRO DE ESTUDOS ESTRATÉGICOS DO EXÉRCITO

Leia mais

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 3º Disciplina: Geografia Data da prova: 21/02/14. Pré Universitário Uni-Anhanguera

Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 3º Disciplina: Geografia Data da prova: 21/02/14. Pré Universitário Uni-Anhanguera Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Anderson José Soares Série: 3º Disciplina: Geografia Data da prova: 21/02/14 Questão 01) A partir dos anos de 1990, o fim do

Leia mais

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il

EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il EMBAIXADA DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTADO DE ISRAEL GABINETE DO EMBAIXADOR www.angolaembassy.org.il DISCURSO PROFERIDO POR SUA EXCELÊNCIA O SR. ALMIRANTE FELICIANO ANTÓNIO DOS SANTOS, EMBAIXADOR DA REPÚBLICA

Leia mais

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4

Professora Erlani. Capítulo 3 Apostila 4 Capítulo 3 Apostila 4 Aspectos cruciais para a compreensão do Oriente Médio e de suas relações internacionais petróleo e terrorismo. Petróleo indispensável como fonte de energia. Terrorismo desencadeia

Leia mais

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo.

O Cebrapaz é uma expressão organizada do sentimento da sociedade brasileira contra as guerras e em solidariedade aos povos em luta no mundo. O Centro Brasileiro de Solidariedade aos Povos e Luta pela Paz (Cebrapaz) aprovou na Assembleia Nacional encerrada sábado (9), uma Declaração em que renova as convicções dos ativistas brasileiros pela

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas.

GLOBALIZAÇÃO. O tema da redução da jornada de trabalho é, ainda hoje, uma questão envolta em polêmicas. LISTA: 01 1ª série Ensino Médio Professor(a): B - Negão Turma: A ( ) / B ( ) Aluno(a): Segmento temático: GLOBALIZAÇÃO DIA: MÊS: 01 2016 QUESTÃO 01 03 (PUC-RIO-2012-1) O tema da redução da jornada de trabalho

Leia mais

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro

Quadro 1 Dimensão do controlo da EDP e da GALP por capital estrangeiro RESUMO DESTE ESTUDO O sector da energia é estratégico em qualquer país, em termos de desenvolvimento e de independência nacional. Os governos, desde que tenham um mínimo de dignidade nacional e se preocupem

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO E POLÍTICA INTERNACIONAL. Professora Luísa Pieniz

GLOBALIZAÇÃO E POLÍTICA INTERNACIONAL. Professora Luísa Pieniz GLOBALIZAÇÃO E POLÍTICA INTERNACIONAL Professora Luísa Pieniz Leornardo Boff Globalização: processo mundial de homogeneização do modo de produção capitalista, de globalização dos mercados e das transações

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

Tema: Salvaguardas ao Irã

Tema: Salvaguardas ao Irã Tema: Salvaguardas ao Irã Comitê: Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) País: República Bolivariana da Venezuela Não queremos guerra, mas alertamos sobre as consequências nefastas que uma agressão

Leia mais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais

UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais UMA ANÁLISE DAS TENDÊNCIAS GLOBAIS PARA 2025: As Perspectivas de Novas Potências Econômicas Internacionais Arielli Xavier de Lima 1, Vilma da Silva Santos 2, Paulo Cesar Ribeiro Quintairos 3, Edson Aparecida

Leia mais

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO

ATUALIDADES. Top Atualidades Semanal DESTAQUE PROFESSOR MARCOS JOSÉ SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO SEMANA 25 A 31 DE AGOSTO ONG registra aumento no desmatamento Guatemala pede saída de presidente às vésperas de pleito ATUALIDADES PROFESSOR MARCOS JOSÉ Tropeço da China eleva apostas de que EUA adiarão aumento nos juros ONG registra

Leia mais

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos)

PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos) PLANIFICAÇÃO A LONGO PRAZO (sujeita a reajustamentos) História A 12º Ano Ano Lectivo - 2012/2013 Prof. Armando Sousa Pereira Prof.ª Maria Amélia de Andrade e Pinto de Almeida Vasconcelos 1º PERÍODO MÓDULO

Leia mais

Portadores de Deficiência: pauta de discussão Marta Rovery de Souza Alguns dados são significativos para expressar a magnitude da situação das pessoas com deficiência. Segundo a Organização Mundial de

Leia mais

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA

TIGRES ASIÁTICOS e CHINA TIGRES ASIÁTICOS e CHINA China Muito importante economicamente para o Brasil e para o mundo. Em muitos produtos vimos escrito: Made In China. O que os produtos chineses podem acarretar à produção dos mesmos

Leia mais

O debate continua. Pontos de Vista Guerra Rússia - Geórgia. Marxismo Vivo - Nº 20-2009

O debate continua. Pontos de Vista Guerra Rússia - Geórgia. Marxismo Vivo - Nº 20-2009 Pontos de Vista Guerra Rússia - Geórgia O debate continua A guerra entre a Rússia e a Geórgia, que aconteceu no segundo semestre do ano passado, originou uma série de polêmicas na esquerda. O mesmo ocorreu

Leia mais

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA

João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA João Novaes: China avança na Ásia e provoca contra-ataque dos EUA Portal Vermelho - SP - MUNDO - 20/01/2012 Impulsionada por um crescimento econômico elevado e constante na última década, a China busca

Leia mais

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo*

Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Capitalismo na China é negócio de Estado e no Brasil é negócio de governo* Carlos Sidnei Coutinho** Cenário Mundial na primeira década do século XXI Os Estados soberanos se destacam como garantidores,

Leia mais

Ano de 5000 a.c. em várias localidades do território chinês, já havia grupos humanos dedicados a caça, a coleta, a pecuária e a agricultura.

Ano de 5000 a.c. em várias localidades do território chinês, já havia grupos humanos dedicados a caça, a coleta, a pecuária e a agricultura. China Ano de 5000 a.c. em várias localidades do território chinês, já havia grupos humanos dedicados a caça, a coleta, a pecuária e a agricultura. O vale do rio Amarelo (ou rio Huang-Ho), foi o berço da

Leia mais

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com

Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Portugal entre a Europa e o Atlântico Ricardo Cabral Fernandes rcabralfernandes@gmail.com Lusíada. Política Internacional e Segurança, n.º 10 (2014) 55 Portugal entre a Europa e o Atlântico, pp. 55-62

Leia mais

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL

Intervenção de Sua Excelência. o Presidente da República Portuguesa. na Comissão Económica para a América. Latina e Caraíbas - CEPAL Intervenção de Sua Excelência o Presidente da República Portuguesa na Comissão Económica para a América Latina e Caraíbas - CEPAL Santiago do Chile, 7 de Novembro de 2007 Senhor Secretário Executivo da

Leia mais

"Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA"

Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA "Brasil é um tipo de país menos centrado nos EUA" Neill Lochery, pesquisador britânico, no seu livro Brasil: os Frutos da Guerra mostrou os resultados da sua investigação histórica de um dos períodos mais

Leia mais

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá)

INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) INDICAÇÃO Nº DE 2005 (Do Srº Babá) Sugere ao Poder Executivo, a imediata retirada das tropas brasileiras do Haiti, e indica a necessidade de revogar o Decreto Legislativo nº 207, de 19 de maio de 2004,

Leia mais

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016

Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Trabalhos prioritários do ensino não superior e dos assuntos juvenis do ano lectivo de 2015/2016 Para que o início das aulas do novo ano lectivo se realize com facilidade, a Direcção dos Serviços de Educação

Leia mais

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo

CAPITULO 10. Relações económicas com o resto do mundo CAPITULO 10 Relações económicas com o resto do mundo A necessidade e a diversidade das relações com o resto do mundo O registo das alterações com o resto do mundo As politicas comerciais e a organização

Leia mais

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura

SÉRIE 9ª ETAPA 3ª. ENSINO Fundamental. Marta Moura Revisão História SÉRIE 9ª ENSINO Fundamental ETAPA 3ª Marta Moura 1. A geração explosiva dos anos 60, conhecidos como anos rebeldes, protestava contra as guerras, a corrida armamentista, o racismo, o poder

Leia mais

Recenseamento Geral da População e Habitação 2014

Recenseamento Geral da População e Habitação 2014 Census 2014 Angola Informação Geral:- Recenseamento Geral da População e Habitação 2014 A República de Angola vai efectuar, de 16 a 31 de Maio de 2014, o Recenseamento Geral da População e Habitação, aquela

Leia mais

Encontro ANDHEP Direitos Humanos, Sustentabilidade, Circulação Global e Povos Indígenas. Grupo de Trabalho: Migrações e Direitos Humanos

Encontro ANDHEP Direitos Humanos, Sustentabilidade, Circulação Global e Povos Indígenas. Grupo de Trabalho: Migrações e Direitos Humanos Encontro ANDHEP Direitos Humanos, Sustentabilidade, Circulação Global e Povos Indígenas Grupo de Trabalho: Migrações e Direitos Humanos Luana Carolina Domingues Barbedo Os Refugiados Sírios no Brasil Universidade

Leia mais

TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO

TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO TER NOÇÃO DA CONSTRUÇÃO DE UMA NAÇÃO Por: Edson Incopté * 18.05.2008 Como se pode desejar o desenvolvimento sem termos a real noção do que de facto aconteceu, acontece e o que realmente queremos?!

Leia mais

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008?

ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? 2008/05/04 ISRAEL E SÍRIA: DO ATAQUE AÉREO DE 2007 A UM ACORDO DE PAZ EM 2008? Quando a 6 de Setembro de 2007, os israelitas bombardearam uma infraestrutura no norte da Síria, perto da fronteira com a

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 31/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15558

Leia mais

Assim, a dívida externa bruta é hoje já superior a 200% do PIB!

Assim, a dívida externa bruta é hoje já superior a 200% do PIB! INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NO SEMINÁRIO «COMO EXPORTAR NO CENÁRIO GLOBAL» NO AUDITÓRIO DA BIBLIOTECA DA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA MARIA

Leia mais

PROVA BIMESTRAL História

PROVA BIMESTRAL História 9 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL História Escola: Nome: Turma: n o : Sobre a Revolução Russa de 1917, leia o texto a seguir e responda às questões 1 e 2. A reivindicação básica dos pobres da cidade

Leia mais

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra

DIPLOMACIA E CHANCELARIA CONCURSOS DA. 2 a EDIÇÃO COMENTADAS. 1 a FASE 1.200 QUESTÕES NOS. Renan Flumian Coordenador da obra 2 a EDIÇÃO Renan Flumian Coordenador da obra NOS CONCURSOS DA DIPLOMACIA E CHANCELARIA 1 a FASE 1.200 QUESTÕES COMENTADAS Wander Garcia coordenador da coleção SUMÁRIO SUMÁRIO COMO USAR O LIVRO? 15 01.

Leia mais

Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia

Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia Algumas dominações imperialistas na África e na Ásia 1) Ásia: as potências exerceram controles efetivos na Índia e na China. O Japão, apesar de originalmente dominado, inverteu essa situação. Esses países,

Leia mais

Cuba rejeita categoricamente qualquer tentativa de explorar a situação dramática criada para ocupar o país e controlar o petróleo.

Cuba rejeita categoricamente qualquer tentativa de explorar a situação dramática criada para ocupar o país e controlar o petróleo. Leia abaixo a íntegra do discurso do Ministro das Relações Exteriores de Cuba, Bruno Rodríguez, no Conselho de Dereitos Humanos da ONU, na última terça-feira (1º/3), em Genebra: A consciência humana rejeita

Leia mais

O tempo da guerra fria

O tempo da guerra fria O tempo da guerra fria Um novo quadro geopolítico Fig.1 Conceito de Guerra Fria A expressão Guerra Fria era utilizada para descrever o estado de forte tensão político-militar entre o bloco Ocidental liderado

Leia mais

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país

A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do país Análise Oriente Médio e Magreb Pedro Casas 14 de Março de 2011 A atual situação do Egito e as perspectivas para a reconstrução do

Leia mais

A política externa da China, Índia, África do Sul e seus reflexos no cenário internacional

A política externa da China, Índia, África do Sul e seus reflexos no cenário internacional A política externa da China, Índia, África do Sul e seus reflexos no cenário internacional 16 de maio de 2011 Prof. Oliver Stuenkel Centro de Relações Internacionais Escola de Ciências Sociais e História

Leia mais

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS

Associação Catarinense das Fundações Educacionais ACAFE PARECER DOS RECURSOS 11) China, Japão e Índia são três dos principais países asiáticos. Sobre sua História, cultura e relações com o Ocidente, analise as afirmações a seguir. l A China passou por um forte processo de modernização

Leia mais

Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll

Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll Para entender o que acontece entre Cuba e Estados Unidos Roberto Moll Tão perto dos demônios e tão longe dos deuses. Dizem que é possível ver as luzes de Miami dos pontos mais altos da ilha de Cuba. No

Leia mais

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal

Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal Há cabo-verdianos a participar na vida política portuguesa - Nuno Sarmento Morais, ex-ministro da Presidência de Portugal À margem do Fórum promovido pela Associação Mais Portugal Cabo Verde, que o trouxe

Leia mais

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional

Policy Brief. Os BRICS e a Segurança Internacional Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional e Agenda Multilateral BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS Policy Brief Outubro de 2011 Núcleo de Política Internacional

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO

A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO A CONSTRUÇÃO DO MODELO SOVIÉTICO E O SEU IMPACTO NO MUNDO Império russo (início do século a 1917) Território * Governo Maior império da Europa, estendendo-se da Ásia ao pacífico * Monarquia absoluta e

Leia mais

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia

Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Comissão apresenta estratégia europeia para a energia Numa época em que se assiste a importantes reestruturações empresariais no sector energético a nível europeu, a Comissão Europeia estabeleceu as bases

Leia mais

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal?

Boletim digital do FMI: Quais são os objectivos principais do pacote de políticas acordado com Portugal? Boletim do FMI ENTREVISTA SOBRE PORTUGAL FMI delineia plano conjunto de apoio com UE para Portugal Boletim digital do FMI 6 de Maio de 2011 Café no Bairro Alto, em Lisboa. A criação de novos empregos,

Leia mais

Prova Escrita de História A

Prova Escrita de História A EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de História A 12.º ano de Escolaridade Prova 623/2.ª Fase 8 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

«A presença do Banco Nacional Ultramarino no

«A presença do Banco Nacional Ultramarino no «A presença do Banco Nacional Ultramarino no Brasil» Na Ata da sessão do Conselho Geral do Banco Nacional Ultramarino de 18 de Dezembro de 1912, ficava registado o seguinte desígnio: Tendo-se também desenvolvido

Leia mais

Sessenta anos de Israel

Sessenta anos de Israel Sessenta anos de Israel Resen AnSegurançaCar Resenha Segurança Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 03 de junho de 2008 Sessenta anos de Israel Resenha Segurança Diego Cristóvão Alves de Souza Paes 03 de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO

O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO O PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DO CAPITALISMO MODO DE PRODUÇÃO: Pode ser entendido com a estrutura econômica de uma sociedade. Incluem-se nessa noção a maneira como essa sociedade produz, distribui, consome

Leia mais

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE

VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS NO PERÍODO DA DITADURA NO BRASIL: E A COMISSÃO DA VERDADE Roberto de Paula Alvarenga RANGEL 1 Claudio José Palma SANCHEZ 2 RESUMO: O presente trabalho busca abordar um breve

Leia mais

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data:

Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: Professor: MARCOS ROBERTO Disciplina: HISTÓRIA Aluno(a): Série: 9º ano - REGULAR Turno: MANHÃ Turma: Data: REVISÃO FINAL PARA O SIMULADO 1ª Avaliação: Imperialismo na Ásia e na África 01. Podemos sempre

Leia mais