Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul"

Transcrição

1 Sistema de Disaster Recovery do Centro de Operação da Enersul Aluísio de Barros Leite Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL Brasil Gustavo Castilho Merighi Empresa Energética do Mato Grosso do Sul - ENERSUL RESUMO O referido artigo expõe a arquitetura sistema SCADA do Centro de Operação da Enersul, com a sua topologia preparada para uma contingência, alternando o local de operação para um edifício distinto, ainda assim interligado ao principal, entretanto com a possibilidade de operação totalmente independente um do outro, caracterizando assim o Sistema de Disaster Recovery. O trabalho ainda explica toda a dualidade de software, hardware e da rede de comunicação, desde o sistema SCADA (Scatex/EFACEC), com o site principal e o backup até a interligação com as Subestações e suas unidades terminais remotas, sempre com a idéia de redundância. PALAVRAS CHAVE Centro de Operação do Sistema, Disaster Recovery, Sistema de Supervisão e Controle, SCADA. Aluísio de Barros Leite -

2 Introdução A Enersul é uma empresa estratégica para o desenvolvimento e integração do Estado do Mato Grosso do Sul e distribui GWh com um total de 710 mil clientes. Sua área de concessão corresponde a 92% do território sul-mato-grossense, ou seja, km², atendendo 73 municípios do total de 78 municípios do estado do MS, abrangendo uma população de 2,14 milhões. A ENERSUL vem desde o início da década de 90 adotando como ferramenta primordial na operação em tempo real a utilização de um Sistema de Supervisão e Controle (SSC) permitindo o telecontrole de suas instalações. A privatização da empresa no final de 1997 impulsionou os investimentos no intuito de ampliar a atuação do SSC, atualizar hardware e software, bem como adotar tecnologia mais atual. Novos investimentos também aconteceram na ampliação do parque de UTR s, e substituição das antigas, por melhores e digitalizadas. Hoje das 90 Subestações da área de concessão da Enersul, apenas 1, que é uma Subestação de Compensação em 34,5kV, não é telecomandada. Ainda há 2 Subestações Móveis e mais de 300 Religadores de Distribuição telecomandados. Em face do atual nível de dependência da supervisão que a empresa se encontra, onde as subestações são quase que integralmente desassistidas, torna-se necessário uma alta disponibilidade do sistema para a operação. Frente a isto se desenvolveu o sistema de Disaster Recovery da Enersul para eliminar ao máximo a falta de operabilidade do Sistema Elétrico da Enersul. 1. Disaster Recovery O termo Disaster Recovery significa a recuperação em caso de desastre. Devido a dependência das empresas cada vez mais pela tecnologia, esta se tornou fundamental para o controle, a produção, a manutenção da qualidade de serviços e produtos. Assim são montados grandes Centros de Processamentos de dados. Caso estes venham a ter as suas atividades interrompidas, por causa de um desastre natural e ou pane de infra-estrutura, esta interrupção vai provocar grandes perdas financeiras, paralisações de serviços públicos essenciais. Apesar do risco, a maioria das empresas não investe neste serviço, contudo as perdas financeiras provenientes de uma paralisação por mais de 24 horas dos serviços de uma empresa que dependem da área de tecnologia, será extremamente comprometedor. 2. Arquitetura do Sistema SCADA/Scatex Sendo o SCATEX um sistema que assenta numa arquitetura modular e escalável, permite uma elevada performance e flexibilidade. A modularidade da arquitetura do SCATEX EMS é efetiva, não só ao nível de hardware como, também ao nível de software. Assim, é possível definir a atribuição das funções que devem executar em cada máquina. A arquitetura do sistema é baseada em redundância dos equipamentos essenciais a supervisão, e do próprio site de operação, atingindo um nível mais amplo de redundância. Com isso foi planejado a utilização de dois sites de operação: o Site Principal e o Site de Contingência Site Principal O site principal está localizado no Centro Operacional da Sede Administrativa da Enersul. É neste local onde se encontra o COS e COD da Enersul e os equipamentos do sistema SCADA. Além dos despachantes, toda a área de Operação é dependente do sistema de supervisão e controle, seja para consultar ocorrências do sistema, fazer análises gráficas e realizar estudos sobre o sistema elétrico. 2

3 Os servidores do sistema levam a cabo as principais tarefas de processamento de dados. Estes atuam como fontes de referência de informações para todo o sistema. O sistema operacional utilizado é o HP True64 UNIX, com a base de dados Oracle 9i. Possuem configuração duplicada do tipo hot-standby. O tempo de comutação entre os servidores é de poucos segundos. O servidor principal é quem disponibiliza as janelas de acesso para os postos de operação do COD e COS. Além dos servidores existem os Front-Ends de comunicação, que são um conjunto de software e hardware responsáveis pelas interfaces dos links de comunicação com as UTR s, através de porta RS-232 ou porta Ethernet (protocolo UDP). Os Front-ends de comunicação tem como base plataformas do tipo PC industrial com sistema operativo Windows XP. Cada Front-end é uma unidade independente e versátil, com capacidade para gerir até 64 canais distintos, suportando diversos meios de comunicação e múltiplos protocolos. Os protocolos utilizados pela Enersul são o IEC e DNP 3.0. Para garantir um elevado grau de adaptabilidade às infra-estruturas de comunicação existentes, o sistema permite ainda a sua instalação remota. São capazes de gerir canais duplicados, para além de ser possível definir configurações redundantes ao nível de cada unidade, também na filosofia do tipo hotstandby. A interface de utilizador, também designada por Interface Humana Máquina (IHM), oferecida pelo sistema, é completamente gráfica, multi-janelas e amigável. Esta interface é suportada por postos de operação baseados em Workstations e/ou computadores do tipo PC. Cada posto suporta a utilização de múltiplos monitores até um máximo de 3. Numa configuração base, os postos de operação realizam apenas as funções associadas ao processamento gráfico, residindo toda a informação nos servidores do sistema. Figura 1: Arquitetura SCADA do Site Principal Além dos servidores, postos de operação e front-ends, pode-se ver na figura acima, o Watchdog do sistema, que complementa as funções de auto-supervisão, próprias de cada elemento do sistema, monitorando seus estados funcionais. O servidor de arquivos históricos SAH, responsável pelo armazenamento das ocorrências e medições do sistema. E o link da rede externa através de Firewall para acesso aos dados armazenados no SAH, onde a área de operação pode consultar tudo o que for registrado pelo sistema de 3

4 supervisão. Tais elementos são fundamentais para o funcionamento do sistema SCADA, porém neste artigo tem o seu conteúdo dispensável a um maior aprofundamento. Através da Figura 1, observar-se que os equipamentos essenciais ao sistema possuem conexão com duas redes LAN dos switches em paralelo, para que haja a duplicidade em sua topologia. Ambas as redes possuem categoria 6 e velocidade de 1Gbps Site de Contingência Um plano de contingência tem a finalidade de descrever as ações e medidas a serem tomadas por uma empresa para que seus processos vitais não sejam interrompidos por eventuais desastres que possam vir a ocorrer. Os incidentes mais comuns são enchentes, incêndios, rebeliões, greves, energia, vírus, atentados terroristas, acidentes e erros humanos. Em caso de uma contingência deve-se reestabelecer o pleno funcionamento das atividades, ou um estado mínimo aceitável a continuidade dos serviços, o mais rápido possível. Para isto a Enersul criou o seu site de contingência, que foi instalado em uma subestação localizada a dezesseis quilômetros do site principal, interligados através de fibra óptica redundante, atualizado constantemente e automaticamente, e com a mesma estrutura do site principal, a fim de assumir todas as suas atividades em caso de uma contingência, recuperando a operacionalidade do sistema elétrico. A arquitetura do site de contingência é praticamente a mesma do site principal, conforme a figura abaixo. Contém dois servidores com o mesmo sistema hot-standby. Os Front-ends de comunicação estão configurados como standby dos alocados no site principal. Estão disponíveis quatro postos de operação, sendo 2 para o COS e os outros 2 para o COD. Figura 2: Arquitetura SCADA do Site de Contingência Quando da necessidade de transferir a operação para o site de contingência, é preciso realizar algumas configurações manuais nos servidores, para que eles possam assumir o trabalho primordial a supervisão. Isto deve ser alterado, devido ao fato de no dia a dia o site de contingência trabalhar como sendo um posto distribuído, ou seja, um posto de operação avançado que possui base de dados e telas atualizados em tempo real, e permite o lançamento de novas janelas de operação a outros postos com processamento local. Este 4

5 serviço manual pode ser realizado em pouco tempo o que não prejudica o restabelecimento do sistema SCADA Unidade Terminal Remota A unidade terminal remota (UTR) é responsável por realizar funções de aquisição de dados e controle remoto, concentrando as informações oriundas de relés de proteção, sensores de campo, CLP s, etc. É com a UTR que o sistema SCADA troca informações e executa comandos através dos protocolos de comunicação. O restabelecimento do link entre os front-ends e as UTR s, acontece através da rede Ethernet com encapsulamento em UDP. Como a Enersul possui diferentes fornecedores de UTR s, há casos em que o equipamento não possui conexão Ethernet e para isso, é utilizado um conversor serial (RS-232) para Ethernet (RJ-45). Ethernet Ethernet Serial Front-End Rede de comunicação Conversor UTR Relés s de Proteção Figura 3: Arquitetura UTR O conversor serial/ethernet é configurado para responder a dois front-ends, o principal e o standby localizado no site de contingência. Com esta filosofia podemos tornar redundante também a rede de comunicação (item 3), e desta maneira aumentar ao máximo a disponibilidade do sistema de supervisão e controle. 5

6 3. Arquitetura da rede de comunicação Inicialmente, a rede de dados foi concebida para fornecer alta disponibilidade e redundância entre o site principal (Bloco 12 no Centro Operacional) e o site de contingência (Subestação), conforme diagrama abaixo: Figura 4: Interligação dos sites A comunicação entre o site principal e o de contingência é feita através de fibra óptica com a velocidade de 1 Gbps, conectada diretamente aos switches. Se essa conexão principal falhar o protocolo Spanning Tree fará a convergência para o link de 2 Mbps via SDH. Essa comunicação redundante possui dois caminhos alternativos, um através de fibra óptica e outro através de rádio. Com a viabilidade do encapsulamento do protocolo IEC/DNP no pacote UDP do TCP/IP, foi possível disponibilizar a conectividade entre os equipamentos com saída serial e ethernet em todas as subestações, de acordo com o exemplo abaixo: A comunicação entre o site principal e o de contingência é feita através de fibra óptica com a velocidade de 1 Gbps, conectada diretamente aos switches. Se essa conexão principal falhar o protocolo Spanning Tree fará a convergência para o link de 2 Mbps via SDH. Essa comunicação redundante possui dois caminhos alternativos, um através de fibra óptica e outro através de rádio. Com a viabilidade do encapsulamento do protocolo IEC/DNP no pacote UDP/IP, foi possível disponibilizar a conectividade entre os equipamentos com saída serial e ethernet em todas as subestações, de acordo com o exemplo abaixo: Figura 5: Encapsulamento em UDP 6

7 A segunda etapa do projeto contemplou a implementação da redundância (alta disponibilidade) entre os sites principal/contingência com as regiões sul e norte, como mostra o diagrama exposto: Figura 6: Rotas de Comunicação Os roteadores dos sites principal e de contingência respondem por um único endereço IP (lógico) através do protocolo HSRP. Na falha de um, o outro assume imediatamente, pois estão na mesma sub-rede dos computadores. A conexão desses sites com os das regiões sul e norte são feitas através de rádio e fibra, sempre com caminhos alternados para fornecer alta disponibilidade com redundância. Os canais da rede WAN são de 2 Mbps, utilizando o protocolo PPP. Quando um site ficar inacessível o protocolo de roteamento altera a direção do tráfego das informações automaticamente sem haver a necessidade de intervenção humana. O próximo passo será em disponibilizar redundância entre as regiões sul e norte com as subestações remanescentes/locais. 7

8 4. Contingênciamento O sistema de supervisão e controle está disponível 24 horas por dia, 365 dias por ano, portanto não se pode programar paradas, nem deixar que as eventuais aconteçam. Isto significa que não deve haver falhas, que seja de software ou hardware. Então o sistema é redundante em toda a sua topologia, e está apto a suportar contingências em vários níveis do seu processo. 4.1 Falha do servidor principal; Em caso de falha no servidor principal, o servidor em standby assume suas funções em uma comutação automática, onde as janelas de logins do servidor principal nos postos de operação são fechadas e as novas janelas são abertas. Também as comunicações com as UTR s são reinicializadas, devido ao redirecionamento para o novo servidor mestre. Assim que o watchdog detecta a falha do servidor, a comutação é instantânea. 4.2 Falha no Front-End de comunicação; Na falha do Front-End principal, o reserva também tomará frente da comunicação com as UTR s. O watchdog também realiza esta comutação automaticamente, onde para o operador será interrompido a supervisão apenas das UTR s configuradas naquele Front- End, e ainda assim em um tempo não superior a 30 segundos. Vale lembrar que na arquitetura, os Front-Ends reservas estão alocados no Site de Contingência que está interligado com o principal. 4.3 Falha de uma das redes LAN; Como visto na arquitetura de ambos os sites, os equipamentos essências do sistema de supervisão estão conectados por duas placas LANs em dois switches diferentes. Portanto no caso de defeito em um dos switches, todo o tráfego de dados é alternado para o segundo switch. Esta ação é automática e imperceptível aos operadores. 4.4 Falha no roteamento da comunicação com as UTR s; Segundo o item 3, pode-se observar que as rotas com as UTR s são redundantes, com isso o sistema de supervisão pode alternar a comunicação com as mesmas de acordo com a topologia da rede de comunicação, devido a seus roteadores e seus switches. É possível interrogar as remotas tanto pelos Front-Ends do Site Principal quanto de Contingência, alternando entre as rotas da Região Norte e da Região Sul, conforme visto na figura 6. O tempo de comutação das rotas não é superior a 30 segundos. 4.5 Falha total do site principal. Finalizando o último estágio de contingenciamento, este leva em consideração uma avaria gravíssima no Site Principal, onde o restabelecimento seja demorado ou até impossível. Para este caso toda a operação é deslocada para o Site de Contingência, onde já foi visto anteriormente que o mesmo possui a mesma estrutura que torna possível a sua operação independentemente do Site Principal, porém mantendo as suas características operacionais. Neste procedimento é necessária a intervenção manual para habilitar o Site de Contingência como Principal. Este tempo é estimado em 10 minutos. 8

9 5. Conclusão Neste informe dispusemos de toda a arquitetura do sistema de supervisão e controle da Enersul, e das maneiras de sobrepor às falhas que possam ocorrer e assim atrapalhar o processo de operação das subestações. Portanto com essa característica do sistema, tornase o processo de supervisão das subestações da área de concessão da Enersul, com um alto nível de disponibilidade para a área de operação, trazendo um máximo de tempo possível sem haver interrupção e uma grande confiabilidade na operação do sistema elétrico. BIBLIOGRAFIA [1] Ricardo Lobão, "Disaster Recovery Sua Segurança em caso de Desastre", [2] EFACEC Sistemas de Eletrônica, S.A., "SCATEX EMS Descrição Técnica", 2006, pp [3] Wikipédia, "Plano de Contingência",

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 02 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO

SK, SÉRGIO KIMURA. ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO SK, SÉRGIO KIMURA ELEKTRO Eletricidade e Serviços SA BRASIL RESUMO O trabalho tem a finalidade de compartilhar a experiência da ELEKTRO com a utilização da norma IEC61850 implantada atualmente em 18(dezoito)

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002.

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-35 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002. COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona.

1. Explicando Roteamento um exemplo prático. Através da análise de uns exemplos simples será possível compreender como o roteamento funciona. Aula 14 Redes de Computadores 24/10/07 Universidade do Contestado UnC/Mafra Sistemas de Informação Prof. Carlos Guerber ROTEAMENTO EM UMA REDE DE COMPUTADORES A máscara de sub-rede é utilizada para determinar

Leia mais

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN

II JORNADAS TÉCNICAS DE OPERACIÓN Y MANTENIMIENTO DE SISTEMAS DE TRANSMISIÓN IMPLANTAÇÃO DO SAGE - SISTEMA ABERTO DE GERENCIAMENTO DE ENERGIA NA TRANSMISSÃO PAULISTA ANTÔNIO CARLOS CAMPOS EMANUEL VENDRAMIN FABIO MARQUES DE SOUZA CTEEP -Transmissão Paulista Divisão de Tempo Real

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF.

REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. 1 REDES DE COMPUTADORES - I UNI-ANHANGUERA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE GOIÁS CURSO DE ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROF. MARCIO BALIAN E L A B O R A Ç Ã O : M Á R C I O B A L I A N / T I A G O M A

Leia mais

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MODERNIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL

X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MODERNIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL X EDAO ENCONTRO PARA DEBATES DE ASSUNTOS DE OPERAÇÃO MODERNIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO E PADRONIZAÇÃO DOS CENTROS DE OPERAÇÃO DO GRUPO ENERGIAS DO BRASIL Adelson Vivaldi Alexandre L. J. Oliveira Elias Freire de

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Equipamentos de Redes Prof. Eduardo Cabos de redes O cabo de rede é composto de 8 pares de fios de cobre separados por cores e é responsável por fazer a comunicação entre os computadores

Leia mais

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1

Equipamentos de Rede. Prof. Sérgio Furgeri 1 Equipamentos de Rede Repetidor (Regenerador do sinal transmitido)* Mais usados nas topologias estrela e barramento Permite aumentar a extensão do cabo Atua na camada física da rede (modelo OSI) Não desempenha

Leia mais

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA

PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA PLANEJAMENTO DE IMPLANTAÇÃO PARA UM SISTEMA DIGITAL DE AQUISIÇÃO E CONTROLE PARA APLICAÇÃO EM TRATAMENTO DE ÁGUA Selma Capanema de Barros (1) Engenheira Eletricista PUC-MG e especialista em Análise de

Leia mais

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC

Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC ARTIGO Implantação de plano de contingência no caso de perda do CCO da EFC Cassio Miranda¹, Eggo Pinheiro¹, Francinaldo Santos¹, Joel Saraiva², Theo Laguna³ 1 Departamento de Automação e Telecomunicações,

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS

REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS REDES DE COMPUTADORES HISTÓRICO E CONCEITOS BREVE HISTÓRICO A década de 60 Surgiram os primeiros terminais interativos, e os usuários podiam acessar o computador central através de linhas de comunicação.

Leia mais

SERVIDORES REDES E SR1

SERVIDORES REDES E SR1 SERVIDORES REDES E SR1 Rio de Janeiro - RJ HARDWARE Você pode instalar um sistema operacional para servidores em qualquer computador, ao menos na teoria tudo irá funcionar sem grandes dificuldades. Só

Leia mais

REDES COMPONENTES DE UMA REDE

REDES COMPONENTES DE UMA REDE REDES TIPOS DE REDE LAN (local area network) é uma rede que une os micros de um escritório, prédio, ou mesmo um conjunto de prédios próximos, usando cabos ou ondas de rádio. WAN (wide area network) interliga

Leia mais

Pacote (Datagrama) IP

Pacote (Datagrama) IP Roteamento Estático Roteamento O termo roteamento refere-se ao processo de escolher um caminho sobre o qual pacotes serão enviados. O termo roteador refere-se à máquina que toma tal decisão. Na arquitetura

Leia mais

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello

Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS. Prof. Roberto Marcello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Prof. Roberto Marcello SI - Tecnologia da informação SI - Tecnologia da informação Com a evolução tecnológica surgiram vários setores onde se tem informatização,

Leia mais

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch.

Experiência 05: CONFIGURAÇÃO BÁSICA DE UMA REDE. Objetivo Geral Criar uma rede ponto-a-ponto com crossover e utiizando switch. ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT

NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA DA NORMAS PARA O USO DE SISTEMA DE PROTEÇÃO FIREWALL DE PERÍMETRO NO ÂMBITO DA REDE INFOVIA-MT 1/10 CONSELHO SUPERIOR DO SISTEMA ESTADUAL DE E TECNOLOGIA

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados

Estrutura de um Rede de Comunicações. Redes de comunicação. de Dados. Network) Area. PAN (Personal( Redes de. de dados Fundamentos de Estrutura de um Rede de Comunicações Profa.. Cristina Moreira Nunes Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

REDES DE COMPUTADORES Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula Complementar - EQUIPAMENTOS DE REDE 1. Repetidor (Regenerador do sinal transmitido) É mais usado nas topologias estrela e barramento. Permite aumentar a extensão do cabo e atua na camada física

Leia mais

PIM. Tecnologia em Redes de Computadores. Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO

PIM. Tecnologia em Redes de Computadores. Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO UNIVERSIDADE PAULISTA CURSO Tecnologia em Redes de Computadores PIM Projeto Integrado Multidisciplinar 2009/02 2º SEM PIM - PROJETO INTEGRADO MULTIDISCIPLINAR 1. Produto: A partir das informações fornecidas

Leia mais

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito

Prof. Samuel Henrique Bucke Brito - Dispositivos de Interconexão www.labcisco.com.br ::: shbbrito@labcisco.com.br Prof. Samuel Henrique Bucke Brito Componentes de Rede Diversos são os componentes de uma rede de computadores e entendê-los

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DIRETORIA DE OPERAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE OPERAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO DOP TERMO DE REFERÊNCIA 011/2010 - DOP PROJETO DE AUTOMAÇÃO DAS SUBESTAÇÕES ARIQUEMES, JARU, JI-PARNÁ I, CACOAL, PIMENTA BUENO, ESPIGÃO

Leia mais

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão.

INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES. Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. INTRODUÇÃO À REDES DE COMPUTADORES O que é uma Rede? Dois ou mais computadores conectados um ao outro por um meio de transmissão. Uma Rede de Computadores é constituída por vários computadores conectados

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET

REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES TECNOLOGIA ETHERNET Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com ARQUITETURA ISDN (Integrated Services Digital Network)

Leia mais

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br

Equipamentos de rede. Repetidores. Repetidores. Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br 1 Equipamentos de rede Prof. Leandro Pykosz Leandro@sulbbs.com.br Repetidores É o dispositivo responsável por ampliar o tamanho máximo do cabeamento de rede; Como o nome sugere, ele repete as informações

Leia mais

Estrutura de um Rede de Comunicações

Estrutura de um Rede de Comunicações Fundamentos de Profa.. Cristina Moreira Nunes Estrutura de um Rede de Comunicações Tarefas realizadas pelo sistema de comunicação Utilização do sistema de transmissão Geração de sinal Sincronização Formatação

Leia mais

Watchdog CTS2111. Manual de Instalação

Watchdog CTS2111. Manual de Instalação Watchdog CTS2111 Manual de Instalação e Operação Capítulo 1 - Apresentação do Watchdog CTS2111. O Watchdog CTS2111 foi desenvolvido com a finalidade de monitorar equipamentos de rede que demandem maior

Leia mais

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013

Disciplina: Redes de Comunicação. Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. Setembro 2013 Disciplina: Redes de Comunicação Curso Profissional Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos. João Oliveira Turma: 10º 13ª Setembro 2013 INTRODUÇÃO Este trabalho apresenta os principais

Leia mais

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO

SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO SOLUÇÕES DA ELIPSE CONFEREM AGILIDADE À OPERAÇÃO E TOMADA DE DECISÕES NO COD DA ELEKTRO Elipse Power e Elipse Plant Manager auxiliam uma das maiores distribuidoras de energia do Brasil a atender, de forma

Leia mais

Depois, seguem as respostas, com meus comentários. A ênfase na avaliação serão os assuntos lecionados nas três primeiras apresentações.

Depois, seguem as respostas, com meus comentários. A ênfase na avaliação serão os assuntos lecionados nas três primeiras apresentações. Home Expert Redes e Novas Tecnologias Instrutor: Julio Cohen Simulado da Avaliação Final, 4 o módulo novembro de 2011 Caros(as) amigos(as), Elaborei vinte questões que mostram qual será a linha utilizada

Leia mais

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET

ICORLI INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET INSTALAÇÃO, CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO EM REDES LOCAIS E INTERNET 2010/2011 1 Introdução às redes e telecomunicações O que é uma rede? Uma rede de computadores é um sistema de comunicação de dados constituído

Leia mais

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN)

UFF-Fundamentos de Sistemas Multimídia. Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) Objetivos da Apresentação Apresentar as arquiteturas de Redes de Distribuição de Conteúdo (CDN) com a ilustração de aplicações em ambientes corporativos e residenciais.

Leia mais

Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes

Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes Network Top: Uma Ferramenta Automatizada para Análise e Gerenciamento de Redes Adriano K. Maron, Anderson B. Pinheiro 1 Universidade Católica de Pelotas (UCPEL) Caixa Postal 96010-000 Pelotas RS Brazil

Leia mais

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0

CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 CATÁLOGO DE SERVIÇOS DIRETORIA DE SUPORTE COMPUTACIONAL VERSÃO 1.0 2011 1 1. APRESENTAÇÃO No momento de sua concepção não haviam informações detalhadas e organizadas sobre os serviços de Tecnologia da

Leia mais

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS

REPLICACÃO DE BASE DE DADOS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E NEGÓCIOS DE SERGIPE FANESE NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - NPGE REPLICACÃO DE BASE DE DADOS BRUNO VIEIRA DE MENEZES ARACAJU Março, 2011 2 FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO E

Leia mais

Sistemas Operacionais Suportados Agentes

Sistemas Operacionais Suportados Agentes Sistemas Operacionais Suportados Agentes O agente do ADOTI foi desenvolvido para execução sobre os seguintes sistemas operacionais*: - Windows 2000 com Service Pack 2. O Service Pack 4 com Update Rollup

Leia mais

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil

Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil Francisco M. Pires Neto Gestor de Sistemas de Controle EDP BANDEIRANTE Brasil 28 a 30 de Setembro de 2010 Centro de Convenções Frei Caneca São Paulo BRASIL Premissas básicas de projetos Foram desenhados

Leia mais

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas

Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas Permite a coleta de dados em tempo real dos processos de produção, possuindo, também, interfaces para a transferência dos dados para os sistemas administrativos da empresa. Nessa configuração, o PC é a

Leia mais

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior.

O que se tem, na prática, é a utilização do protocolo TCP/IP na esmagadora maioria das redes. Sendo a sua adoção cada vez maior. Introdução ao TCP/IP(TCP (Transmission Control Protocol) e IP(InternetProtocol) ) Objetivo Para que os computadores de uma rede possam trocar informações entre si é necessário que todos os computadores

Leia mais

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL

Manual de utilização do módulo NSE METH 3E4RL INSTALAÇÃO 1 - Baixe o arquivo Software Configurador Ethernet disponível para download em www.nse.com.br/downloads-manuais e descompacte-o em qualquer pasta de sua preferência. 2 - Conecte a fonte 12Vcc/1A

Leia mais

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5

Rede PROFIBUS DP Redundante com Remota Ponto PO5063V5 Nota de Aplicação Rede PROFIBUS DP Redundante com Sistema S7-400H e Remota Ponto PO5063V5 Altus Sistemas de Informática S.A. Página: 1 Sumário 1 Descrição... 3 2 Introdução... 3 3 Definição da Arquitetura

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA GPC SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GPC 01 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO V GRUPO DE ESTUDO DE PROTEÇÃO, MEDIÇÃO E CONTROLE EM SISTEMAS DE POTÊNCIA

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil

Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul. Brasil Aplicação de SNMP no Centro de Controle da Automação da Eletrosul Pablo Humeres Flores Eletrosul Brasil Diogo Vargas Marcos Eletrosul RESUMO O trabalho apresenta uma aplicação do protocolo SNMP na gerência

Leia mais

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR

APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR APLICAÇÃO DO SOFTWARE ELIPSE POWER NA CEMAR Este case apresenta a aplicação da solução Elipse Power para automatizar a distribuição de energia elétrica realizada por um total de 35 subestações da Companhia

Leia mais

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito

Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Diagrama lógico da rede da empresa Fácil Credito Tabela de endereçamento da rede IP da rede: Mascara Broadcast 192.168.1.0 255.255.255.192 192.168.1.63 Distribuição de IP S na rede Hosts IP Configuração

Leia mais

Roteamento Estático (1 ( )

Roteamento Estático (1 ( ) Roteamento Estático (1) Pacote (Datagrama) IP Roteamento O termo roteamento refere-se ao processo de escolher um caminho sobre o qual pacotes serão enviados. O termo roteador refere-se à máquina que toma

Leia mais

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente)

Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Curso: Redes II (Heterogênea e Convergente) Tema da Aula: Redes Heterogênea e Convergente Professor Rene - UNIP 1 Redes heterogêneas Redes Heterogêneas Todo ambiente de rede precisa armazenar informações

Leia mais

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede

FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Rede FACSENAC Banco de questões Documento de Projeto Lógico de Versão: 1.3 Data: 20 de novembro de 2012 Identificador do documento: GTI Soluções Versão do Template Utilizada na Confecção: 1.0 Localização: www.gestaotisolucoes.com.br

Leia mais

VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná. Gustavo Kochan Nunes dos Santos. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas

VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná. Gustavo Kochan Nunes dos Santos. Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas 1 VPN entre Unimed Federação do Paraná e Singulares do Paraná Gustavo Kochan Nunes dos Santos Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba,

Leia mais

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2

Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt. Ulbra Canoas - 2012-2 Comunicação Dados: Conceitos e Evolução Prof. Valderi Leithardt www.inf.ufrgs.br/~vrqleithardt Ulbra Canoas - 2012-2 Apresentação Professor: Dissertação de Mestrado: Uma Plataforma para Integrar Dispositivos

Leia mais

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto

Topologia de rede Ligação Ponto-a-Ponto TIPOS DE REDE Tipos de Redes Locais (LAN - Local Area Network), Redes Metropolitanas (MAN - Metropolitan Area Network) e Redes Remotas (WAN - Wide Area Network). Redes que ocupam um pequeno espaço geográfico

Leia mais

Arquitetura de Rede de Computadores

Arquitetura de Rede de Computadores TCP/IP Roteamento Arquitetura de Rede de Prof. Pedro Neto Aracaju Sergipe - 2011 Ementa da Disciplina 4. Roteamento i. Máscara de Rede ii. Sub-Redes iii. Números Binários e Máscara de Sub-Rede iv. O Roteador

Leia mais

NECESSIDADE SOLUÇÃO. OPC Client para se comunicar com o PLC do Serviço Auxiliar (OPC Server Kepware);

NECESSIDADE SOLUÇÃO. OPC Client para se comunicar com o PLC do Serviço Auxiliar (OPC Server Kepware); ELIPSE E3 OTIMIZA O CONTROLE DA SUBESTAÇÃO PARAÍSO DA CHESF, REPASSANDO AS INFORMAÇÕES AO CENTRO REMOTO DE OPERAÇÃO LESTE (CROL) E DESTE PARA O OPERADOR NACIONAL DO SISTEMA (ONS) EM MILISSEGUNDOS Augusto

Leia mais

REDES DE COMPUTADORES

REDES DE COMPUTADORES REDES DE COMPUTADORES Prof. Esp. Fabiano Taguchi http://fabianotaguchi.wordpress.com fabianotaguchi@gmail.com RESUMO 1 COMUTAÇÃO DE CIRCUITOS Reservados fim-a-fim; Recursos são dedicados; Estabelecimento

Leia mais

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica

Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Catálogo de Produtos - Gestão Gráfica Flexibilidade, confiabilidade e segurança na detecção de incêndios. Sistemas Endereçáveis Analógicos Módulos e Cartões de Comunicação Dispositivo de Análise de Laço

Leia mais

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores

Conceitos Básicos de Rede. Um manual para empresas com até 75 computadores Conceitos Básicos de Rede Um manual para empresas com até 75 computadores 1 Conceitos Básicos de Rede Conceitos Básicos de Rede... 1 A Função de Uma Rede... 1 Introdução às Redes... 2 Mais Conceitos Básicos

Leia mais

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED

Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Controle Supervisório e Aquisição de Dados (SCADA) Sistema de Execução da Manufatura MES Sistemas a Eventos Discretos (SED Yuri Kaszubowski Lopes Roberto Silvio Ubertino Rosso Jr. UDESC 24 de Abril de

Leia mais

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML

Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML Manual de instalação, configuração e utilização do Enviador XML 1. Conceitos e termos importantes XML Empresarial: é um sistema web (roda em um servidor remoto) de armazenamento e distribuição de documentos

Leia mais

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére

Planejamento e Projeto de Redes de Computadores. Eduardo Barrére Planejamento e Projeto de Redes de Computadores Eduardo Barrére Aula Presencial Projeto Lógico Eduardo Barrére eduardo.barrere@ice.ufjf.br O projeto deve conter Topologia da Rede Modelo de nomenclatura

Leia mais

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50)

Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D. (Firmware 1.50) Guia para atualização de Firmware dos racks RIO1608-D & RIO3224-D (Firmware 1.50) PRECAUÇÕES 1. O usuário assume total responsabilidade pela atualização. 2. Atualize o Firmware de uma unidade por vez.

Leia mais

Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. manual do usuário Placa Ethernet Intelbras Modelo Impacta 16/68/140/220 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Ethernet Impacta é um acessório que poderá

Leia mais

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo.

Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Vigilância IP Axis. Infinitas possibilidades para a vigilância por vídeo. Desafios da vigilância por vídeo hoje O mercado de vigilância por vídeo está crescendo, impulsionado por preocupações de segurança

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Anexo IV PLANILHA DESCRITIVA DE ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Requisito Descrição 6.1 - Produtos de Hardware 6.1.1. GRUPO 1 - IMPRESSORA TIPO I (MONOCROMÁTICA 20PPM - A4) 6.1.1.1. TECNOLOGIA DE IMPRESSÃO 6.1.1.1.1.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE

ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE ADMINISTRAÇÃO E SERVIÇOS DE REDE Introdução O administrador de redes geovanegriesang@ifsul.edu.br www.geovanegriesang.com Gerenciamento de redes Gerenciamento de rede é o ato de iniciar, monitorar e modificar

Leia mais

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com /

Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / Campus Capivari Análise e Desenvolvimento de Sistemas (ADS) Prof. André Luís Belini E-mail: prof.andre.luis.belini@gmail.com / andre.belini@ifsp.edu.br MATÉRIA: SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Aula N : 15 Tema:

Leia mais

Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA

Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA Implantação do Sistema de Controle de Tempos Nas Agências de Atendimento - TMA Projeto Nº 318 Tema: Atendimento a Clientes José César do Nascimento CELPE Sistema de Controle do Tempo Médio de Atendimento

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Topologias Tipos de Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 REDES LOCAIS LAN -

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação A camada de enlace, cujo protocolo é utilizado para transportar um datagrama por um enlace individual, define o formato dos pacotes trocados entre os nós nas extremidades, bem como

Leia mais

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza

Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Sistemas de Informações Gerenciais Introdução as redes de comunicação e redes de computadores Prof. MSc Hugo Vieira L. Souza Este documento está sujeito a copyright. Todos os direitos estão reservados

Leia mais

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS INSTITUTO EDUCACIONAL DO ESTADO DE SÃO PAULO FACULDADE DE BAURU PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS BAURU 2014 PLANO DE ATUALIZAÇÃO E MANUTENÇÃO DOS EQUIPAMENTOS. 1. INTRODUÇÃO A Faculdade

Leia mais

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO

Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Apresentação de REDES DE COMUNICAÇÃO Curso Profissional de Técnico de Gestão e Programação de Sistemas Informáticos MÓDULO VI Programação de Sistemas de Comunicação Duração: 30 tempos Conteúdos 2 Construção

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Catálogo de Serviços Tecnologia da Informação

Catálogo de Serviços Tecnologia da Informação Catálogo de Serviços Tecnologia da Informação Marcio Mario Correa da Silva TRT 14ª REGIÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TRT-14ª Região 2013 Sumário 1. Descrição: Acesso à Internet... 3 2. Descrição: Acesso

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Atendimento Sempre Ligado XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Atendimento Sempre Ligado Sidnei Dimas Bortolotti Alex Pitrie Braz Marcos Artur Rolim

Leia mais

LIGANDO MICROS EM REDE

LIGANDO MICROS EM REDE LAÉRCIO VASCONCELOS MARCELO VASCONCELOS LIGANDO MICROS EM REDE Rio de Janeiro 2007 ÍNDICE Capítulo 1: Iniciando em redes Redes domésticas...3 Redes corporativas...5 Servidor...5 Cliente...6 Estação de

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways

Equipamentos de Redes. Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Equipamentos de Redes Placas de Rede, Repetidores, Hubs, Pontes,, Switches, Roteadores, Gateways Placas de Rede Placas de Rede Preparação dos quadros para que possam ser enviados pelos cabos. A placa de

Leia mais

Fundamentos em Informática

Fundamentos em Informática Fundamentos em Informática Aula 06 Redes de Computadores francielsamorim@yahoo.com.br 1- Introdução As redes de computadores atualmente constituem uma infraestrutura de comunicação indispensável. Estão

Leia mais

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing

INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing INFORMÁTICA PARA GESTÃO I Curso Superior de Gestão de Marketing Docente (Teóricas): Eng.º Vitor M. N. Fernandes E-mail: vmnf@yahoo.com Web: http://www.vmnf.net/ipam Aula 13 Sumário Comunicação de Dados,

Leia mais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais

ITIL. Conteúdo. 1. Introdução. 2. Suporte de Serviços. 3. Entrega de Serviços. 4. CobIT X ITIL. 5. Considerações Finais ITIL Conteúdo 1. Introdução 2. Suporte de Serviços 3. Entrega de Serviços 4. CobIT X ITIL 5. Considerações Finais Introdução Introdução Information Technology Infrastructure Library O ITIL foi desenvolvido,

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA CENTRAIS ELÉTRICAS BRASILEIRAS S.A. ELETROBRAS AVISO DE ESCLARECIMENTO Nº 04 EDITAL DE PREGÃO ELETRÔNICO DAC Nº 26/2015 A Centrais Elétricas Brasileiras S.A. ELETROBRAS, por

Leia mais

Roteamento e Comutação

Roteamento e Comutação Roteamento e Comutação Design de Rede Local Design Hierárquico Este design envolve a divisão da rede em camadas discretas. Cada camada fornece funções específicas que definem sua função dentro da rede

Leia mais

REDE DE COMPUTADORES

REDE DE COMPUTADORES SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL REDE DE COMPUTADORES Tecnologias de Rede Arquitetura Prof. Airton Ribeiro de Sousa E-mail: airton.ribeiros@gmail.com 1 A arquitetura de redes tem como função

Leia mais

Solicitação de Propostas. Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais

Solicitação de Propostas. Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais Solicitação de Propostas Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais RNP/DIV/0085 SDP 01/2002 Solicitação de Propostas Apoio à Conexão de Unidades de Ensino e Pesquisa a Redes Estaduais

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA

PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA PREGÃO PRESENCIAL Nº 27/15. ANEXO I TERMO DE REFERÊNCIA Constitui objeto da presente licitação o registro de preços para implantação de sistema de telefonia digital (PABX) baseado em servidor IP, com fornecimento

Leia mais

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães

EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães EA080- Laboratório de Redes de Computadores Laboratório 2 Virtualização (Relatório Individual) Prof. Responsável: Mauricio Ferreira Magalhães A virtualização de processadores é uma tecnologia que foi inicialmente

Leia mais

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL

CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL CAPÍTULO 6 COMUNICAÇÃO SERIAL DEIXADO INTENCIONALMENTE EM BRANCO ÌNDICE 1 COMUNICAÇÃO SERIAL... 5 1.1 - Enviar um arquivo do Proteo... 6 1.2 - Receber um arquivo No Proteo... 9 1.3 - Verificando resultados

Leia mais

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção.

Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. Estrutura de servidor e banco de dados para multijogadores massivos Marcelo Henrique dos Santos marcelosantos@outlook.com Desculpe, mas este serviço (jogo) encontra se em manutenção. São Paulo SP, Fevereiro/2013

Leia mais

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com

DISASTER RECOVERY PLAN. Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com DISASTER RECOVERY PLAN Eduardo Mayer Fagundes e-mail: eduardo@efagundes.com 1. Introdução O principal objetivo de um plano de continuidade de negócios (BCP Business Continuity Plan) é garantir a operação

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES

DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES DESCRITIVO TÉCNICO INSTALAÇÃO E MANUTENÇÃO DE REDES 39 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com o Estatuto e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750

Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Roteador Load-Balance / Mikrotik RB750 Equipamento compacto e de alto poder de processamento, ideal para ser utilizado em provedores de Internet ou pequenas empresas no gerenciamento de redes e/ou no balanceamento

Leia mais

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850

AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 AUTOMAÇÃO DE SUBESTAÇÕES E USINAS ESTADO DA ARTE E TENDÊNCIAS UTILIZANDO A NORMA IEC 61850 Allan Cascaes Pereira*; David Cáceres Jorge Miguel O. Filho; R. Pellizzoni José Roberto G. Correia Brasil EUA

Leia mais

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas.

CES-0545. Conversor Ethernet-Serial. 2011 Safesoft Ltda. Ver. 1.0.0. Sistema de Gestão da Qualidade. Certificado por Bureau Veritas. .. CES-0545 Conversor Ethernet-Serial Sistema de Gestão da Qualidade Certificado por Bureau Veritas. ----------ISO 9001:2008------------ Conversor Ethernet-Serial Descrição geral O CES-0545 oferece uma

Leia mais

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98

Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 Guia DIE-100 para ADSL e sistema operacional Windows 98 O Express First Net Internet Kit da D-Link permitirá que você conecte seu escritório com o mundo, compartilhe o acesso à Internet com grande velocidade

Leia mais

Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16

Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16 Guia de Atualização Release FoccoERP 3.16 04/05/2016 Índice ÍNDICE... 2 INTRODUÇÃO... 3 FIQUE LIGADO... 3 PROCESSO DE ATUALIZAÇÃO... 4 PRÉ-REQUISITOS PARA ATUALIZAÇÃO DO MENU WEB... 10 Página 2 de 12 Introdução

Leia mais