CONTESTAÇÃO O PEDIDO, OS FATOS E A DECISÃO QUE NEGOU A REINTEGRAÇÃO LIMINAR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONTESTAÇÃO O PEDIDO, OS FATOS E A DECISÃO QUE NEGOU A REINTEGRAÇÃO LIMINAR"

Transcrição

1 Exmo. Sr. Dr. Juiz de Direito da 4ª Vara Cível de Goiânia Prot Autos 351/97 XXX, já devidamente qualificadas nos autos da AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE, em que figuram como requerentes XXX E OUTROS, vêm, via do procurador que a esta subscreve, com escritório no endereço abaixo impresso, apresentar no prazo legal CONTESTAÇÃO ao pedido da dita ação, o que faz com amparo nos inclusos documentos e nos já apresentados antes da audiência de Justificação Prévia e bem assim, nas disposições do artigo 300 do diploma processual civil, pelos fatos e fundamentos a seguir expostos. O PEDIDO, OS FATOS E A DECISÃO QUE NEGOU A REINTEGRAÇÃO LIMINAR Os autores, em 20 de agosto de 1996, ingressaram nesse douto Juízo com a presente Ação de Reintegração de Posse, em desfavor dos requeridos, ora contestantes, expondo que são proprietários a justo título de um imóvel constituído de uma casa e um barracão, situado na Rua 39 - B, Qd. 172, Lote 29, Setor Bueno e que dito lote foi adquirido da Imobiliária Coimbra Bueno em 29 de setembro de 1975 pelo falecido esposo e pai dos requerentes CARLOS DE MELO, e para justificar o

2 pedido cizem que quando o dito Carlos de Melo, (esposo e pai dos autores) casou -se deixou a companhia dos pais e irmãs, ou seja, as atuais contestantes e foi morar em companhia da 1ª requerente, permanecendo suas irmãs no dito imóvel. Salientam os suplicantes com o falecimento de Carlos de Melo deixou a sogra (mãe das requerida.s e elas próprias), a residirem no imóvel gratuitamente até mudarem para cidade de Jataí em dezembro de 1.981, e após sete meses regressaram, sendo que pediram o imóvel para residência gratuita, sendo que em 1989, passou a ser locado para a cunhada e tias da requerente e por faltarem com o pagamento, foram propostas duas ações de despejo, sendo que ambas ações chegaram até o Tribunal de Justiça, que as julgaram improcedentes por falta de prova de relação locatícia e para completar, sem explicar, alegam que permaneceu a existência de um contrato verbal de comodato, por prazo indeterminado, porém, esse comodato foi denúnciado, via de Notificação, e, não perfazendo ano e dia, desse distrato requerem, reintegração de posse, com concessão de medida liminar, após a competente justificação judicial. As requeridas habilitaram no feito, e efetivaram juntar a de documentos, e fizeram um relatório da verdade fatos, para melhor análise da decisão a ser proferida em liminar. Em decorrência dos autores terem dado à causa o valor de cem reais, e entender o digno magistrado dirigente do feito que não reflete o valor real do imóvel, foi determinado que emendasse a inicial e recolhesse as custas, sendo certo que desse ato foi interposto agravo de instrumento, que não foi acolhido, e, após paralisação por anos, via da cota de fls.167, foi pedido prosseguimento do feito, com dispensa da atualiazação das custas, que serão recolhidas a final da contenda, sendo o pedido deferido e marcado dia e hora para a Justificação Prévia.

3 A Justificação realizou -se com inquirição de três testemunhas do rol dos autores e presença das partes requeridas, e por decisão de fls.198/199, foi denegada a liminar por mostrar ser inapta para ser agassalhada ( fls.198/199) O PEDIDO INICIAL É INEPTO, TENDO EM VISTA QUE OS AUTORES NUNCA TIVERAM POSSE NO IMÓVEL EM QUESTÃO, E A DAÍ A IMPOSSIBILIDADE DA PERDA DA POSSE E DO ESBULHO. De fato, para que, os autores possam beneficiar do pedido de reintegração, é indispensável por disposição expressa do artigo 927 do Código de Processo Civil, comprovar: A posse, o esbulho, a data do esbulho, a perda da posse, porém, a verdade dos fatos está a mostrar até pelas testemunhas que arrolaram e com grau de parentesco próximo, que nunca tiveram posse do imóvel em questão, e, faltando esse requisito, impossível a ocorrência do direito pretendido, uma vez que, o esbulho, e, a perda da posse, exige como complemento a existência da posse.. Por mais esforço que fizeram as testemunhas que prestaram depoimentos, o que ficou consolidado, é que CARLOS DE MELO, quando casou - se deixou o móvel onde morava com os pais e irmãs, e foi residir em outro local, juntamente com a primeira requerente, sendo certo que nenhuma testemunha ouvida, afirmou que as requeridas deixaram o dito imóvel, mas, apenas que o barracão, que está no imóvel, porém, com separação por muros, encontra na posse das requerentes, dado que exercem locação sobre o mesmo. A primeira testemunha Roselene Moreira Braz Barbosa (fls.186) apenas, relata que foi locatária da primeira autora no barracão, apenas informando que por ouvir dizer as rés pagaram aluguel da casa a Maria de Lourdes, e que ambas as partes a afirmaram que são proprietárias do imóvel. Nada, absolutamente nada, foi dito em relação á posse dos autores, ou seja, que moraram no local em pendência, sendo certo que por

4 outro depoimento essa testemunha nunca morou na casa, mas, unicamente no barracão. A segunda testemunha, SIBÉRIA PRATEADO, (FLS. 188 faltando com a verdade, mas, em contradição com as duas outras testemunhas, disse que foi inquilina da autora de 1.985, a 1.988, e que dela só saiu para D. Vitória e irmãs entrarem na casa, porém, veja bem, a terceira testemunha (fls. 190) JOSÉ ROBERTO BARBOSA, que inclusive declarou primo da 1 a autora, de forma bem clara explicou que a mãe de CARLOS DE MELO,que é também mãe das rés, morou na casa por um período bem longo e de forma séria disse "A AUTORA E SEU ESPOSO NÃO MOROU NESSE IMÓVEL... QUE NO CONHECIMENTO DO DEPOENTE OS PARENTES DE XXX (RÉS) PASSARAM A MORAR NO IMÓVEL _ESDE O 1970 QUE O DEPOENTE LEMBRA QUE PODE SER ATÉ ANTES,"( O grifo e sublinhado são nossos) Por conseguinte, o problema de as rés pagarem locação, é sem relevância, ainda que de fato tenha ocorrido, pois, na verdade, não ocorreu e esse fato, já constitui coisa julgada em dois processos de despejos, conforme constam dos autos, uma vez o que é mais importante, já está comprovado os autores nunca residiram no imóvel que pedem reintegração e a falta de posse, descaracteriza por completo a ação de reintegração de posse que tem como suporte básico, a posse anterior e a perda da posse por esbulho, dado que ninguém pode sofrer esbulho se nunca manteve a posse. A existência do precário título de domínio, não é fator para pedir reintegração de posse, pois, pelo disposto no artigo 505 do Código Civil, não obsta a manutenção ou reintegração, a alegação de domínio. Eis, alguns julgados de nossos Tribunais, que não permite reintegração de posse, sem comprovação de posse anterior:

5 Número do Acórdão: Número do Processo: AGI Órgão do Processo: 3ª Turma Civel Espécie do Processo: AGRAVO REGIMENTAL NO AGI Relator do Processo: JERONYMO DE SOUZA Data de Julgamento: 13/11/2000 Data de Publicação: 21/02/2001 Página de Publicação: 45 Unidade da Federação: DF Ementa: AGRAVO REGIMENTAL. REINTEGRAÇÃO DE POSSE. DEFERIMENTO APÓS AUDIÊNCIA DE JUSTIFICAÇÃO. POSSE VELHA NÃO CARACTERIZADA. LIMINAR NÃO CONCEDIDA. SUSPENSÃO DA REINTEGRAÇÃO DE POSSE. REQUISITOS AUSENTES DO ART. 558 DO CPC. AUSENTES OS REQUISITOS ESSENCIAIS ESTAMPADOS NO ART. 558 DO CPC. CORRETA A DECISÃO AGRAVADA QUE INDEFERE A LIMINAR POSTULADA, DIANTE DA INVIABILIDADE DA SUSPENSÃO DA REINTEGRAÇÃO DE POSSE DEFERIDA, PORQUANTO OS DEPOIMENTOS COLHIDOS NA AUDIÊNCIA DE JUSTIFICAÇÃO COMPROVARAM SATISFATORIAMENTE A POSSE, O ESBULHO, DATA DO ESBULHO E A PERDA DA POSSE POR PARTE DOS AGRAVADOS, NÃO ESTANDO DEMONSTRADO O TRANSCURSO DO LAPSO TEMPORAL CARACTERIZADOR DA POSSE VELHA.AGRAVO REGIMENTAL IMPROVIDO. Número do Processo: Data da Leitura: 08/05/2001 Desembargador: JOSE EDUARDO GRANDI RIBEIRO Tipo do Recurso: APELAÇÃO CIVEL Comarca de Origem: COMARCA DE PINHEIRO

6 Autor: JALCIRENE SEBASTIANA NICO DAHER CARLOS HENRIQUE DAHER Parte Interessada Autor: JALCIRENE SEBASTIANA NICO DAHER CARLOS HENRIQUE DAHER Réu: JONAS ANTONIO NICO ELIZABETH TARANTO CUNHA NICO Ementa: APELAÇÃO CÍVEL - AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE AUSÊNCIA DE COMPROVAÇÃO DO EXERCÍCIO DA POSSE NO :\10MENTO DO ESBULHO ABANDONO DA PROPRIEDADE RURAL - PERDA DA POSSE - CONCESSÃO DO INTERDITO POSSESSÓRIO - IMPOSSIBILIDADE - AUSÊNCIA DOS REQUISITOS ESTABELECIDOS PELO ART. 927, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL RECURSO IMPROVIDO. 1 - PARA A OBTENÇÃO DO PEDIDO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE, NECESSÁRIO QUE O AUTOR PROVE A SUA POSSE, O ESBULHO PRATICADO E A SUA CONSEQUENTE PERDA. A AUSÊNCIA DE DEMONSTRAÇÃO DE QUALQUER DESSES REQUISITOS, ESTABELECIDOS PELO ART. 927, DO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL, IMPOE A IMPROCEDÊNCIA DA AÇÃO. 2 - RECURSO IMPROV1DO Doc id: TJ TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Órgão Julgador: TJGO Segunda Câmara Cível. Recurso: Apelação Cível Comarca: Anápolis Número: Data: 03/09/96 Publicação: DJ Página: 7 Data de Publicação: 18/09/96 Ementa: " Ação de reintegração de posse. Requisitos. Ausência. Sem a prova dos pressupostos elencados pelo artigo 927 da Lei Processual civil, não

7 enseja a proteção possessória. Apelação conhecida e improvida, à unanimidade de votos". Relator: Des Fenelon Teodoro Reis TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Órgão Julgador: TJGO Terceira Câmara Cível. Recurso: Agravo de Instrumento Comarca: Goiânia, Número: Data: 28/05/96 Publicação: DJ Página: 10 Data de Publicação: 05/07/96 Ementa: "LIMINAR EM POSSESSÓRIA. REQUISITOS. Para a concessão de liminar em reintegração de posse indispensável aprova da posse preexistente do autor e a sua perda em conseqüência do esbulho. PROVIDO POR UNANIMIDADE". Relator: Des Jam: 1 Pereira de Macedo TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Órgão Julgador: TJGO Segunda Câmara Cível. Recurso: Apelação Cível Comarca: Ipameri Número: Data: 14/03/96 Publicação: DJ Página: 11 Data de Publicação: 11/04/96 Ementa: "CIVIL E PROCESSUAL CIVIL - AÇÃO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE AUTOR QUE NUNCA TEVE POSSE - CARÊNCIA DA AÇÃO. É carecedor da ação possessória o autor que não prova os requisitos do artigo 927 do Código de Processo Civil. Apelo conhecido.

8 Relator: Des. Jalles Ferreira da Costa A VERDADE DOS AUTOS MOSTRA QUE AS REQUERIDAS, E OUTROS PARENTES, QUANDO EM VIDA, O SEU IRMÃO CARLOS DE MELO, EFETIVARAM UMA PERMUTA VERBAL DO IMÓVEL QUE ESTAVA EM NOME DO MESMO, EM TROCA DE OUTRO NO MESMO SETOR, TENDO INCLUSIVE DADO AUTORIZACÃO PARA QUE OS SEUS GENITORES EFETIVASSEM VENDA DO IMÓVEL QUE TINHA ADQUIRIDO PARA ESSE FIM, TENDO O DITO FALECIDO MANDADO QUE ESSE PROPRIETÁRIO DE FATO, OUTORGASSE ESCRITURA A UM TERCEIRO QUE MANDOU, SENDO CERTO QUE RECEBEU O VALOR DA VENDA, E SÓ NÃO OUTORGOU ESCRITURA AOS GENITORES E IRMÃS, DEVIDO TER FALECIDO REPENTINAMENTE, O QUE ROBUSTECE A COMPROVAÇÃO DE QUE OS REQUERENTES NUNCA TIVERAM POSSE DO IMÓVEL. A documentos apresentados pelas requeridas,objeto de fls.95/ 150, de forma clara, comprovam que as contestantes estão no imóvel há mais de 40 anos, pois, à época das ações de despejo, julgadas improcedentes, já haviam completado 35 anos, sendo certo que estão no imóvel em questão não como comodatárias e nem locatárias, sendo certo que às fls. 96 dos autos, foi explicada de forma correta, a razão que ocupam o imóvel, ou seja, como titulares de fato. Eis, a propósito, o que realmente passou em relação ao imóvel e que foi descrito às fls. 96: De começo, es-clarecem que as requeridas, que estão no imóvel em questão, bem antes do alegado na dita peça inicial, e, foram elas juntamente com seus falecidos genitores que efetivaram as duas construções no imóvel, bem antes do falecido Carlos de Meio, ( esposo e pai dos requerentes)terem condição própria de sustento, e o que é mais principal no caso em questão, ainda quando em vida os pais

9 das requeridas e Carlos de Meio, efetivaram um negócio, em que ele recebia um outro lote no Setor Bueno, diretamente do proprietário e, em troca efetivaria a venda do lote, ora reclamado aos pais, porém, devido ter perdido a vida, prematuramente, não teve condições de escriturar o imóvel, sendo certo que esse ato, ficou cristalinamente comprovado em dois processos de Ação de Despejo, sendo que na última ação, em certa parte da sentença, o magistrado assim decidiu: "A verdade que a discussão traçada, nesta ação, tem suporte mais profundo no direito de propriedade, não se cuidando de uma simples questão locatícia." Reportando a sentença, observa -se existiu uma permuta entre as pessoas relacionadas com o bem imóvel em questão e não cumprido por uma das partes, porque o falecimento sobreveio e impediu sua concretização, ficando assim às rés muito prejudicadas." Ora. assim, verifica -se que a pretendida existência de locação e agora, como tábua de salvação, nunca existiram, mas, apenas, posse justa, com "animus domíni", a título de propriedade. A parte atualmente ocupada do lote em questão, é representada pela casa residencial, onde moram quatro mulheres, todas idosas com mais de 65 anos de idade, sendo que uma delas, absolutamente incapaz, para o trabalho, decorrente de derrame que sofreu. Os requerentes não fazem jus a liminar pretendida, via da Justificação Judicial, já marcada para esse fim, isto porque, a inicial está repleta de inverdades, pois, as peticionarias ocupam o imóvel, decorrente de compra de fato que efetivaram, juntamente com

10 os pais, e já, tendo cedido em acordo a metade do lote com um barracão que construíram, presentemente fazem jus ao USUCAPIÃO ESPECIAL, DADO QUE O IMÓVEL QUE OCUPAM É DE ÁREA INFERIOR A 250 METROS QUADRADOS, e o prazo de aquisição e É DE 05 ANOS, MAS, NO CASO, ATÉ O USUCAPIÃO ORDINÁRIO, JÁ EXISTE TEMPO PARA ESSE FIM.. A FIGURA DO COMODATO, para fundamentar o pedido de Reintegração de Posse, que na verdade, nunca existiu, dado que as peticionarias nunca deixaram o imóvel, salvo uma ou outra para pequenos passeios. Os requerentes da ação, e filhos, sempre moraram, em local separado dos pais, ou, mais precisamente desde quando Carlos de Meio, casou -se, visto que nessa ocasião deixaram o lar dos genitores, e só esse ato, já são passados mais de 30 anos.. Ainda, que por mera hipótese coubesse a reintegração pedida, o direito de retenção está garantido no artigo 515 do Código Civil e mesmo artigo 26 da Lei do Inquilinato" Ás fls. 139, vê-se a Escritura de Compra e Venda, referente ao lote em que os pais das requeridas efetivaram venda a SEBASTIÃO JOSÉ JACOB, a mando do filho Carlos de Meio, sendo; certo que esse lote descrito no dito documento, o esposo da autora recebeu o valor, e pôr contrato verbal se obrigou a escritura o lote, ora em questão, dado que todas as benteitorias nele levantadas foram efetivas pelas requeridas e os genitores. A prova cristalina de que houve a permuta entre os genitores das requeridas e Carlos de MeIo, é sem dúvida o depoimento de SEBASTIÃO JOSÉ JACOB, (FLS. 231), que confessa que adquiriu um lote dos genitores da requerida e fez pagamento direto a CARLOS DE MELO, e

11 esse o confessou que passaria aos seus pais e irmãs o imóvel, ora em questão. AS CONTESTANTES POR MERA SEGURANÇA LEVANTAM ARGÜIÇÃO DA EXISTÊNCIA DE BENFEITORIAS NECESSÁRIAS E ÚTEIS CONSTRUÍDAS DE BOA FÉ, PARA ASSEGURAR DIREITO DE RETENÇÃO NA HIPÓTESE DE PROCEDÊNCIA DO PEDIDO DE REINTEGRAÇÃO DE POSSE. Na oportunidade, expõem que o imóvel que residem há mais de 40 anos foram por elas e seus genitores levantadas e compreende, todo o imóvel, constante de uma casa com três quartos, sala, cozinha, banheiros, área de serviços, quintal murado separando de um barracão, sendo certo que esse imóvel é avaliado hoje, em mais de 60 mil reais e esse direito é levantado para ser reconhecido, para oposição em forma de embargos, apenas para mera ressalva de direitos. De fato, o artigo 416 do Código Civil, dispõe: O possuidor de boa fé tem direito, a indenização de benfeitorias necessária, e úteis, bem como as voluntuárias, se não lhes forem pagas, ao levanta - lãs quando puder sem detrimento da coisa. Pelo valor das benfeitorias necessárias e úteis, poderá se exercer o direito de retenção. Portanto, fica desde já o pedido, na hipótese do pedido de reintegração ser julgado procedente, ser reconhecido o direito de permanecerem no imóvel até o pagamento integral do valor das benfeitorias que vierem na forma legal serem apuradas, tudo na conformidade da legislação mencionada. No caso, as requerentes incorporam a presente contestação o decisório proferido pelo Juiz de Direito da 33 Vara Cível. (fis. 114/129) em que reconheceu as requeridas, ora contestantes, o direito de retenção do imóvel pelas benfeitorias realizadas. que com muita acuidade.

12 entendeu que a primeira autora, quando casou -se com Carlos de Melo, o imóvel em questão, já encontrava na posse de Joaquim de Melo, o qual construiu as benfeitorias existentes, sem qualquer ajuda de Carlos de Melo (seu filho) à época menor de idade, sendo certo que para conceder o direito de retenção de benfeitorias, assim decidiu. na parte conclusiva, após mostrar que o imóvel sempre foi ocupado para rés e seus genitores, e que foram eles que edificaram todas as benfeitorias. (fls.123/124) Eis. a propósito essa parte conclusiva da sentença "...Desse modo. deve -se garantir o direito de retenção, pelas referidas benfeitorias, como medida de justiça, já que as rés estão sendo penalizadas pela não entrega da escritura devida. face ao falecimento de seu irmão- Carlos de Melo." O direito de retenção está garantido nas disposições do artigo 516 do Código Civil e artigo 26 da Lei do Inquilinato que regia o procedimento quando da propositura desta ação ( Lei 6.649/9) Trata-se de quatro irmãs solteiras, com idade avançada, sem, meios integrais de sobrevivência, as quais ficarão a mercê das dificuldades inerentes à ausência de um teto onde as mesmas possam abrigar. Reconhecer o direito de retenção pelas benfeitorias nada mais é do que fazer justiça, in casu, tendo em vista a particularidade apontada e referente a não outorga da escritura por parte de Carlos de Melo, o que beneficiaria as suplicantes, pois sempre agiram de boa fé. Repugna o senso de justiça de agir de outro modo, inquestionavelmente.

13 Desta forma julgo procedente a ação de despejo, entretanto deixo de decretar o despejo das suplicadas, até que sejam indenizadas pelas benfeitorias a quem tem direito, em liquidação de sentença uma vez que são as sucessoras. No mesmo sentido da douta sentença mencionada é o parecer da representante do Ministério Público que participou do feito, quando às fls. 147, assim expressou: "Entretanto, estas testemunhas trouxeram a convicção sobre a afirmação das rés que as berleitorias edificadas no imóvel da Rua T- 39, agora de propriedade dos sucessores de Carlos de Meio, o foram por Joaquim de Melo pai dele e das rés e que houve de fato um acordo para permutarem este lote com á Av. T2, sem chegarem a fazer a devida escritura." "Por isso, há de se reconhecer a pretensão das rés de serem indenizadas pelas benfeitorias construídas no lote da T -39 por seu pai desconhecer tal direito é permitir que o espólio do autor se locuplete com bens devidos também as rés" Além disso, compor a lide por essa forma, significa atenuar a injustiça que se vê no caso presente de, por falta de previdência e cuidados do casal Joaquim de Meio e Vitória Vernizzi de Melo, as rés serem espoliadas, perdendo totalmente para o espólio do autor o lote que deveria pertencei" a todos irmãos" É de esclarecer que devido reforma da sentença de primeiro grau, em grau de recurso, o decisório, deixoil de prevalecer, porém, os seus fundamentos permanecem para qualquer eventualidade de perda de posse do imóvel, ora em discussão.

14 Por conseguinte, o direito de retenção das benfeitorias, continua prevalecendo, porém, com a ressalva ce que a improcedência do pedido é o mérito primeiro que pedem as rés. O IMÓVEL RECLAMADO NO SEU TODO POSSUI 359 METROS QUADRADOS, PORÉM, EM DECORRÊNCIA DE TEREM CEDIDO A PRIMEIRA AUTORA UMA PARTE DA ÁREA DO MESMO QUE CONTÉM UM BARRACÃO, ENCONTRA -SE COM 249,90 METROS QUADRADOS, PORTANTO, COMPORTÁVEL O PEDIDO DE RECONHECIMENTO DA CONTESTAÇÃO DA PRESCRIÇÃO AQUISITIVA, ASSEGURADO A TODOS QUE DETENHAM A POSSE DE IMOVEL URBANO NO LIMITE ASSEGURADO PELA LEI E PELA CONSTITUIÇÃO FEDERAL. Urbano Especial: EIS, o que reza a Lei que institui o Usucapião REGULAMENTA OS ARTS. 182 E 183 DA CONSTITUIÇÃO FEDERAL, ESTABELECE DIRETRIZES GERAIS DA POLÍTICA URBANA. Lei Ordinária n 10257, de 10 de julho de 2001 Promulgação em 1 J/07/2001 Publicação no DOJ de 11/07/2001 CAPÍTULO II - Dos Instrumentos da Política Urbana - Artigos 4 a 38. Seção V - Da usuc;,pião especial de imóvel urbano - Arts. 9 à 14. Art. 9. Aquele que possuir como sua área ou edificação urbana de até duzentos e cinqüenta metros quadrados,por cinco anos, ininterruptamente e sem oposição, utilizando-a para sua moradia ou de sua família, adquirir-lhe-á o domínio, desde que não seja proprietário de outro imóvel urbano ou rural.

15 1º O título de domínio será conferido ao homem ou à mulher, ou a ambos, independentemente do estado civil. 2 O direito de que trata este artigo não será reconhecido ao mesmo possuidor mais de uma vez. 3 Para os efeitos deste artigo, o herdeiro legítimo continua, de pleno direito, a posse de seu antecessor, desde que já resida no imóvel por ocasião da abertura da sucessão. A citada legislação, aplica -se as contestantes, uma vez que desde a morte dos genitores há mais de 30 continuaram no imóvel, sendo certo que esse prazo é de apenas 05 anos para aquisição. Pelo mapa em anexo, as divisas da área ocupada em que está sendo invocado o reconhecimento da prescrição aquisitiva, contém os seguintes limites: Pela.Rua T- 39 B, 17,40 metros, pelos 12,50 metros e pelo Lote 28, 16 metros e com Barracão dos requerentes 6,00. e 4,50 e 10,00 metros,respectivamente., conforme planta em anexo. Em tempo oportuno e forma legal as requeridas apresentarão comprovação de que não são proprietárias de qualquer outro imóvel em Goiânia. O usucapião especial urbano pode ser invocado e reconhecido como matéria de defesa em qualquer ação que seja intentada para obter posse do ocupante do imóvel, inclusive nas ações reivindicatórias, e nas de reintegração de posse,conforme preleciona o artigo 13 da citada lei, senão vejamos:

16 Art. 13. A usucapião especial de imóvel urbano poderá ser invocada como matéria de defesa, valendo a sentença que a reconhecer como título para registro no cartório de registro de imóveis. A jurisprudência de nossos Tribunais, é pacifica a esse respeito, conforme se verifica dos acórdãos, abaixo transcritos: Documento: 5545 Tipo do Documento: ACÓRDÃO Número do Registro: : Sigla da Classe: RESP Classe do Processo: RECURSO ESPECIAL Número do Processo: UF do Processo: PR Data de Decisão: 22/08/2000 Código do Órgão Julgador: T 4 Nome do Órgão Julgador: QUARTA TURMA Ementa: CERCEAMENTO DE DEFESA. Julgamento antecipado. Reivindicatória. Usucapião. Alegada a prescrição aquisitiva pela ré, que há mais de 30 anos ;'eside no imóvel objeto da ação reivindicatória, deve ser oportunizada a produção da sua prova sobre a posse e sobre a alegada nulidade do negócio em que se fundamenta o direito do au,or da ação. Recurso conhecido e provido. Relator: RUY ROSADO DE AGUIAR Indexação:. DESCABIMENTO, JULGAMENTO ANTECIPADO DA LIDE, AÇÃO REIVINDICATORIA, IMOVEL URBANO, HIPOTESE, FALTA, OPORTUNIDADE, REU, COMPROVAÇÃO, REQUISITO, AQUISIÇÃO DA

17 PROPRIEDADE IMOVEL, USUCAPIÃO, AMBITO, INSTRUÇÃO PROCESSUAL, CARACTERIZAÇÃO, CERCEAMENTO DE DEFESA. Acórdão: AC 5146/96 Registro: Código: Comarca: Capital Câmara: 103 C.Cív. Relator: Des. Afranio Sayao Data de Julgamento: J. 06/03/1997 Ementa: USUCAPIÃO ESPECIAL - IMÓVEL URBANO - ART. 183 CONSTITUIÇÃO FEDERAL DE ADMISSIBILIDADE - RECURSO PROVIDO USUCAPIÃO URBANO ESPECIAL - APARTAMENTO CONSTRUÍDO EM ÁREA URBANA - Entendimento de que essa modalidade aquisitiva da propriedade só se aplica ao terreno. Provimento do apelo. Admissibilidade do processamento. A Constituição da República admite a aquisição através de USUCAPIÃO urbano da área de terra não excedente a duzentos e cinquenta metros quadrados, por quem a possuir como sua, ininterruptamente e sem oposição por cinco anos, mas condiciona a sua finalidade a que seja utilizada como moradia própria ou da Família do possuidor. Fica evidente, assim, o intuito do legislador constituinte em possibilitar a aquisição da propriedade através dessa modalidade especial de USUCAPIÃO não só do terreno, mas, principalmente, do imóvel construído, desde que o seja em área urbana em terreno que não exceda as dimensões previstas, atendidos os demais requisitos. Tal conclusão se impõe diante da finalidade tracada no texto constitucional, porque para que haja uma moradia é necessário que exista uma construção no terreno. Provimento que se dá ao apelo, para cassar a sentença extintiva do processo e determinar o seu prosseguimento, a fim de possibilitar a demonstração de estarem presentes os demais requisitos legais. (TJRJ - AC 5146/96 - Reg Cód Capital- 103 c.cív. - ReI. Des. Afranio Sayao - J )

18 DocId: TJ Fonte: DJ DATA:25/C9/2000 PG:OOI07 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE GOIÁS Órgão Julgador: TJGO Terceira Câmara Cível. Recurso: Apelação Cível Comarca: Acreúna Número: Data: 21/11/95 Publicação: DJ Página 4 Data de Publicação: 03/01/96 Ementa: "Ação reivindicatória Usucapião como defesa. I) Tendo os réus argüido, a posse ad usucapionem como matéria de defesa, com seu reconhecimento pela sentença, nega-se provimento a agravo retido com escopo de que fosse admitida a reconvenção intentida pelos mesmos, e repelida no saneador, para o mesmo objetivo. Em regra, "não cabe reconvenção quando a matéria possa ser alegada com idêntico efeito prático em contestação". II) Comprovado nos autos que a área reivindicanda manteve-se na posse dos réus ininterruptamente e sem oposição por mais de vinte anos, tida e havida como integrante de sua propriedade, inclusive sempre respeitada pelo reivindicante, correta a sentença que deu pela improcedência da ação reivindicatória em face do reconhecimento da- prescrição aquisitiva consumada em favor dos possuidores, argüida em defesa". Relator: Des Charife Oscar Abrão Órgão Julgador: TJGO Segunda Câmara Cível. Diário da Justiça: 117_i3 de 7/4/1994 pág. 5 Recurso: Apelação Cí re} n /188 Ementa:

19 " Usucapião., urbano especial. Prescrição aquisjtiva qüinqüenal. Fluência. "Na usucapião urbano de preceito constitucional, o prazo da prescrição aquisitiva somente se conta a partir da promulgação da atual Constituição da República, Apelação conhecida e improvida ". Data do Acórdão: 17/03/1994 Relator: Des Fenelon Teodoro Reis Decisão: Conhecido e improvido, à unanimidade Comarca: Catalão "Órgão Julgador: TJGO Primeira Câmara Cível. Diário da Justiça: de 16/1/1995 pág. 4 Recurso: Apelação Cível n /188 Ementa: "Reivindicatória. Usucapião como defesa. Retenção por benfeitorias. 1- Tanto a doutrina como a jurisprudência admitem o usucapião como matéria de defesa, desde que não existam causas que impeçam, suspendam ou interrompam a prescrição aquisitiva. Porém, quando o usucapião referente ao imóvel já foi objeto de decisão judicial, trânsita em julgado, não há como acolhê-lo como defesa. 2- Se a indenização por benfeitorias não foi agitada como matéria de defesa primeiro grau, não pode ser arguída em sede de recurso, por não ter sido questionada e decidida naquela instância. Apelação conhecida e improvida." Data do Acórdão: 20/12/1994 Relator: Des Castro Filho Decisão: Conhecido e improvido Comarca: Abadiânia Face ao exposto, espera a improcedência do pedido inicial, e, também do direito de retenção de benfeitorias, na hipótese de procedência da ação, e finalmente o reconhecimento da aquisição prescritiva, via do usucapião especial, ou extraordinário, uma vez que o tempo de posse é suficiente para obtenção de um ou outro usucapião e com direito da transcrição da sentença no Registro de Imóveis, via de Carta de sentença e bem assim, a

20 condenação dos requeridos nas custas do processo e honorários advocatícios por ser de direito e de justiça, Com a presente contestação são apresentadas dezenas de documentos de compra efetivadas nos anos da década de 60,70 e 80, pelas contestantes, e um irmão que já morou no imóvel, e ainda, outros documentos, para demonstração de forma cabal que sempre ocuparam o imóvel em questão, tendo em vista que esses documentos indicam o endereço do imóvel onde residem e sempre residiram Finalmente protestam as requeridas por produção de prova testemunhal em audiência, cujo rol será apresentado em tempo oportuno e forma legal. Nestes termos. Pede deferimento.

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu

DECISÃO MONOCRÁTICA. Lei n. 12.016/2009, tirado contra a autoridade coatora, ilibado. desembargador Melo Colombi, haja vista que ao ser julgado seu fls. 73 Registro: 2014.0000596141 VOTO Nº 12525 Mandado de Segurança nº 2164775-13.2014.8.26.0000 Relator(a): Carlos Abrão Comarca: São Paulo (1ª Vara Cível - Foro Regional de Pinheiros) Impetrante: Silvy

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima

VISTOS, relatados e discutidos, os autos acima ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Gen ésio Gomes Pereira Filho ACÓRDÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 001.2011.015750-81001 RELATOR : Dr. Aluízio Bezerra Filho, Juiz Convocado para

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM

PODER JUDICIÁRIO. Gabinete Desembargador Walter Carlos Lemes AC n. 158325-97 DM APELAÇÃO CÍVEL N. 158325-97.2012.8.09.0011 (201291583254) COMARCA DE APARECIDA DE GOIÂNIA APELANTE : ADÃO MARTINS DE ALMEIDA E OUTRO(S) APELADA : VERA CRUZ S/A 1º INTERES.: MUNICÍPIO DE APARECIDA DE GOIÂNIA

Leia mais

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO

2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2. Prof. Darlan Barroso - GABARITO Citação 2 FASE DIREITO CIVIL ESTUDO DIRIGIDO DE PROCESSO CIVIL 2 Prof. Darlan Barroso - GABARITO 1) Quais as diferenças na elaboração da petição inicial do rito sumário e do rito ordinário? Ordinário Réu

Leia mais

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO

DO CONCEITO DE USUCAPIÃO DO CONCEITO DE USUCAPIÃO Conceito: Usucapião é modo de aquisição da propriedade (ou outro direito real), que se dá pela posse continuada, durante lapso temporal, atendidos os requisitos de lei. LOCALIZAÇÃO

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA RELATÓRIO Trata-se de apelação interposta pelo INSS (fls. 83/90), em face da sentença (fls. 79/80), que julgou procedente o pedido de aposentadoria

Leia mais

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP

PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA VARA DE REGISTROS PÚBLICOS DA COMARCA DE SÃO PAULO / SP..., associação sem fins lucrativos, regularmente registrada no 4º Cartório de Registro de Títulos e Documentos,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA

PODER JUDICIÁRIO. Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA 1 de 5 17/03/2015 11:04 PODER JUDICIÁRIO INFORMACÕES SOBRE ESTE DOCUMENTO NUM. 27 Imprimir Nr. do Processo 0517812-51.2014.4.05.8400S Autor ADELMO RIBEIRO DE LIMA Data da Inclusão 12/03/201518:44:13 Réu

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO. 30 a Câmara DO ESTADO DE SAO PAULO - SEÇÃO DE DIREITO PRIVADO 30 a Câmara AGRAVO DE INSTRUMENTO No.1204235-0/4 Comarca cie SÃO CAETANO DO SUL Processo 2789/08 3.V.CÍVEL DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A)

Leia mais

1 I SABE LA GAMA DE MAGALHÃES Relatora

1 I SABE LA GAMA DE MAGALHÃES Relatora PODER ^JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01849269* Vistos, relatados e ciscutidos estes autos de APELAÇÃO

Leia mais

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6

Apelação Cível e Remessa Ex-Officio nº 1-92169-6 Órgão : 2ª TURMA CÍVEL Classe : APELAÇÃO CÍVEL E REMESSA EX-OFFICIO N. Processo : 2000 01 1 092169 6 Apelante : DISTRITO FEDERAL Apelados : FRANCISCO MASCARENHAS MENDES, SANDRA MARIA REIS MENDES Relatora

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0024.05.707278-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 27/04/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:13/05/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Belo Horizonte

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO Registro: 2013.0000209289 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0017770-14.2003.8.26.0224, da Comarca de Guarulhos, em que é apelante/apelado HSBC SEGUROS ( BRASIL ) S/A, são

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE

AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE AÇÃO DE USUCAPIÃO - AUSÊNCIA DE REQUISITOS - UNIÃO DE POSSES - IMPOSSIBILIDADE - Compete ao autor, na ação de usucapião extraordinária, preencher os requisitos legais previstos no art. 1.238 do Código

Leia mais

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO

Ações Possessórias. Grace Mussalem Calil 1 INTRODUÇÃO Ações Possessórias 131 INTRODUÇÃO Conceito: Grace Mussalem Calil 1 Há duas principais teorias sobre a posse: a Subjetiva de Savigny e a Objetiva de Ihering. Para Savigny, a posse é o poder físico sobre

Leia mais

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica

ACÓRDÃO. Salles Rossi RELATOR Assinatura Eletrônica fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2012.0000382774 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0001561-08.2012.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante PLANO DE SAÚDE ANA COSTA LTDA, é apelado

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0024.14.148142-4/001 Númeração 0807534- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Mariângela Meyer Des.(a) Mariângela Meyer 24/02/2015 06/03/2015 EMENTA:

Leia mais

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 28345/2003 - CLASSE II - 23 - COMARCA CAPITAL

TERCEIRA CÂMARA CÍVEL RECURSO DE APELAÇÃO CÍVEL Nº 28345/2003 - CLASSE II - 23 - COMARCA CAPITAL APELANTE(S): APELADA(S): INFOWORLD TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA LTDA. DATEX COMÉRCIO E SERVIÇOS LTDA. - ME Número do Protocolo: 28345/2003 Data de Julgamento: 12-11-2003 EMENTA EMBARGOS À EXECUÇÃO - CHEQUE

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº Registro: 2013.0000605821 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0002348-73.2011.8.26.0238, da Comarca de Ibiúna, em que é apelante ASSOCIAÇAO DOS PROPRIETARIOS DO LOTEAMENTO

Leia mais

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO)

AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) AÇÃO CRIMINAL Nº 231-PE (89.05.03003-3) APTE: JUSTIÇA PÚBLICA APDO: ANCILON GOMES FILHO RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ÉLIO SIQUEIRA (CONVOCADO) RELATÓRIO O EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR FEDERAL

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 70043903145 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 15/09/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:22/09/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Santana do Livramento

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DECISAUW ^ N0 ACÓRDÃO \\ll\w "»"»'" lo3046968* Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento n 990.10.048613-6, da Comarca de São Paulo, em

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc.

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides. Vistos, etc. ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Saulo Henriques de Sá e Benevides APELAÇÃO CÍVEL n 2 073.2003.012900-8/001 Comarca de Cabedelo RELATOR: João Benedito da Silva Juiz Convocado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado ACÓRDÃO Registro: 2014.0000726618 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1007380-59.2014.8.26.0554, da Comarca de Santo André, em que é apelante JOSÉ RIBEIRO, é apelado KOPLENO PRODUTOS

Leia mais

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual.

PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. PRESSUPOSTOS SUBJETIVOS DE ADMISSIBILIDADE RECURSAL: - Legitimidade - art. 499 CPC: - Possui legitimidade para recorrer quem for parte na relação jurídica processual. Preposto é parte? Pode recorrer? NÃO.

Leia mais

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE...

EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... EXCELENTISSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ FEDERAL DO JUIZADO ESPECIAL FEDERAL DA COMARCA DE... Excelência, INTERPOR..., vem por intermédio de sua advogada infra-assinada, à presença de Vossa AÇÃO DE CONCESSÃO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO

DIREITO ADMINISTRATIVO DIREITO ADMINISTRATIVO PEÇA PROFISSIONAL A administração pública local desencadeou procedimento licitatório, na modalidade de tomada de preços, tendo por objeto a construção de uma ponte de 28 metros.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul

Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul FL. 637 7 de março de 2013 5ª Câmara Cível Apelação - Nº - Campo Grande Relator Exmo. Sr. Des. Vladimir Abreu da Silva Apelante : Claudia Rudge Ramos Villela de Souza Advogado : Alvaro de Barros Guerra

Leia mais

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625.

KAROLINE PEREIRA DE OLIVEIRA Relator. Desembargador JOÃO EGMONT Revisor. Desembargador LUCIANO MOREIRA VASCONCELLOS Acórdão Nº 625. Poder Judiciário da União Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios Órgão 5ª Turma Cível Processo N. Apelação Cível 20100110194817APC Apelante(s) TERRACAP - COMPANHIA IMOBILIARIA DE BRASILIA

Leia mais

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator

TURMA RECURSAL ÚNICA J. S. Fagundes Cunha Presidente Relator RECURSO INOMINADO nº 2006.0003375-3/0, DO JUIZADO ESPECIAL CÍVEL DA COMARCA DE APUCARANA Recorrente...: ROVIGO INDUSTRIA E COMERCIO DE CONFECÇÕES LTDA Recorrida...: FINASA LEASING ARRENDAMENTO MERCANTIL

Leia mais

Direito Processual Civil II - Turma A

Direito Processual Civil II - Turma A Direito Processual Civil II - Turma A Regência: Professor Doutor Miguel Teixeira de Sousa 4 de Junho de 2015 Duração: 2h A intentou contra B e C uma ação, na secção cível do Tribunal da comarca do Porto.

Leia mais

Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho

Gabinete do Desembargador Federal Vladimir Souza Carvalho AGTR 138063/PB (0004514-29.2014.4.05.0000) AGRTE : UNIÃO AGRDO : TAIS KUBIK MARTINS REP DO MOVIMENTO TERRA LIVRE REPTE : DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO PART INT : HOTEL TROPICANA S/A ADV/PROC : THELIO QUEIROZ

Leia mais

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma

PROCESSO: 0000108-40.2010.5.01.0482 - RTOrd A C Ó R D Ã O 4ª Turma Multa de 40% do FGTS A multa em questão apenas é devida, nos termos da Constituição e da Lei nº 8.036/90, no caso de dispensa imotivada, e não em qualquer outro caso de extinção do contrato de trabalho,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS SENTENÇA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA PRIMEIRA REGIÃO SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE GOIÁS SENTENÇA Sentença tipo A Impetrante: ISABELA FONTES DE ARAÚJO Impetrado: REITOR DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS SENTENÇA Tratam os autos de mandado de segurança, com pedido de liminar, impetrado por ISABELA FONTES

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei:

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso da atribuição que lhe confere o art. 62 da Constituição, adota a seguinte Medida Provisória, com força de lei: 1 - MP2220/2001 CNDU - http://www.code4557687196.bio.br MEDIDA PROVISÓRIA No 2.220, DE 4 DE SETEMBRO DE 2001. CNDU Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES.

APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. APELAÇÃO CÍVEL Nº 110200-7/188 (200701442380) COMARCA GOIÂNIA APELANTE BANCO ITAÚ S/A APELADA BLANCHE DANIELLA BARBOSA BAILÃO RELATOR DES. LUIZ EDUARDO DE SOUSA EMENTA: APELAÇÃO CÍVEL. BUSCA E APREENSÃO.

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0071.07.034954-4/001 Númeração 0349544- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Bitencourt Marcondes Des.(a) Bitencourt Marcondes 25/03/2009 30/04/2009

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA OITAVA CÂMARA CÍVEL Agravo de Instrumento nº 0005243-32.2014.8.19.0000 5ª Vara de Fazenda Pública da Comarca da Capital Agravante: Fundo Único de

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº Dados Básicos Fonte: 70039973367 Tipo: Acórdão TJRS Data de Julgamento: 08/06/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:14/06/2011 Estado: Rio Grande do Sul Cidade: Porto Alegre Relator:

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados.

VISTOS, relatados e discutidos os autos acima referenciados. 4* 'L, Á `4'INI ~nu Pd Estado da Paraíba Poder Judiciário Tribunal de Justiça Gabinete do Des. Marcos Antônio Souto Maior ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 001.2008.001148-7/001 - CAMPINA GRANDE RELATOR : Juiz

Leia mais

Dados Básicos. Verbetação. Ementa

Dados Básicos. Verbetação. Ementa Dados Básicos Fonte: 1.0456.06.040472-4/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 24/02/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:15/03/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Oliveira

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA.

PODER JUDICIÁRIO. O julgamento teve a participação dos Desembargadores ANTÔNIO CARLOS MALHEIROS (Presidente) e LEONEL COSTA. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N í um! mil mu um mu um um mu m m *03417005* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença.

D E C I S Ã O. Contra-razões ofertadas as fls. 176/184 em total prestígio a. sentença. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA QUARTA CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL Nº 0168239-18.2007.8.19.0001 APELANTE: BRADESCO VIDA E PREVIDÊNCIA S/A APELADO: CATIA MARIA DA SILVA COUTO RELATOR:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL X EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Em ação de indenização, em que determinada empresa fora condenada a pagar danos materiais e morais a Tício Romano, o Juiz, na fase de cumprimento de sentença, autorizou

Leia mais

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO

AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO AÇÃO DE CONSIGNAÇÃO EM PAGAMENTO 1 1) O DIREITO MATERIAL DE PAGAMENTO POR CONSIGNAÇÃO a) Significado da palavra consignação b) A consignação como forma de extinção da obrigação c) A mora accipiendi 2 c)

Leia mais

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO

PODER JUDICIáRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO EMBTE : INSS-INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE EMBGDO : RIVADALVI BORBA DA SILVA ADV/PROC : FÁBIO CORREA RIBEIRO E OUTROS REMTE RELATOR : JUÍZO DA 3ª

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 399.339-4/8-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 399.339-4/8-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÀO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SAO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 399.339-4/8-00,

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO Registro: 2013.0000227069 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0051818-40.2013.8.26.0000, da Comarca de Barueri, em que é agravante ITAU UNIBANCO S/A, são agravados

Leia mais

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC)

2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online. EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) 2ª FASE OAB CIVIL Direito Processual Civil Prof. Renato Montans Aula online EMBARGOS INFRINGENTES (Art. 530 534 do CPC) Cabe de acórdão não unânime por 2x1 3 modalidades: a) Julgamento da apelação b) Julgamento

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 781.703 - RS (2005/0152790-8) RELATOR RECORRENTE RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO ARNALDO ESTEVES LIMA : UNIÃO : MARCOS ROBERTO SILVA DE ALMEIDA E OUTROS : WALDEMAR MARQUES E OUTRO EMENTA

Leia mais

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves

PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Civil Parte Geral e Contratos Professor: Marcu Antonio Gonçalves QUESTÃO 01 Partindo-se da premissa da instrumentalidade do processo, há diferença ontológica entre a jurisdição

Leia mais

&Síff !:SIP\ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 271 ACÓRDÃO

&Síff !:SIP\ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 271 ACÓRDÃO Vv &Síff!:SIP\ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 271 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 994.06.034116-3, da Comarca de São Paulo, em que são apelantes DORCA

Leia mais

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano

Poder Judiciário TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Federal Geraldo Apoliano RELATÓRIO O DESEMBARGADOR FEDERAL GERALDO APOLIANO (RELATOR): À conta de Remessa Oficial, examina-se a sentença proferida pelo MM. Juiz Federal da 2ª Vara da Seção Judiciária do Ceará, que, nos autos da

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2015.0000941456 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 4001661-41.2013.8.26.0114, da Comarca de Campinas, em que é apelante

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2015.0000770986 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Mandado de Segurança nº 2097361-61.2015.8.26.0000, da Comarca de, em que é impetrante GABRIELA DA SILVA PINTO, é impetrado

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO DE SÃO PAULO DE SÃO PA) li o ACORDAO/DECISÃO MONOCRÁÍCA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO llllll Illll lllll lllll lllll llin um um,.., Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação n 0138629-96.2010.8.26.0100,

Leia mais

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo

Usucapião. Usucapião de Móveis. Usucapião de outros direitos reais Processo. Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Usucapião Usucapião de Imóveis Usucapião de Móveis M Usucapião de outros direitos reais Processo Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo Departamento de Direito Civil Professor Doutor Antonio

Leia mais

149 º 0384698-38.2012.8.19.0001

149 º 0384698-38.2012.8.19.0001 CONSELHO DA MAGISTRATURA Processo nº 0384698-38.2012.8.19.0001 Interessado: VILMA PUGLIESE SEIXAS Suscitante: CARTÓRIO DO 5 OFICIO DE REGISTRO DE IMÓVEIS RELATORA: DES. MARIA SANDRA KAYAT DIREITO Reexame

Leia mais

Usucapião Especial Urbano e Lei Municipal

Usucapião Especial Urbano e Lei Municipal 29 Usucapião Especial Urbano e Lei Municipal Andréia Magalhães Araújo Juíza de Direito da 2ª Vara de Família de Madureira Há alguns dias, passaram por minhas mãos autos de ação de usucapião em que o Município

Leia mais

ACÓRDÃO. t: +, g+ f-/-, Poder Judiciário Estado da Paraíba Tribunal de Justiça

ACÓRDÃO. t: +, g+ f-/-, Poder Judiciário Estado da Paraíba Tribunal de Justiça t: + g+ f-/- Poder Judiciário Estado da Paraíba Tribunal de Justiça ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL N 200.2006.040340-5/001 CAPITAL RELATOR : Miguel de Britto Lyra Filho - Juiz de Direito convocado 1 APELANTE :

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 37ª Câmara de Direito Privado fls. 310 Registro: 2015.0000070592 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 1001737-51.2014.8.26.0577, da Comarca de São José dos Campos, em que são apelantes DEFENSORIA PÚBLICA

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 2010.011119-1 Tipo: Acórdão TJSC Data de Julgamento: 18/04/2013 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:26/04/2013 Estado: Santa Catarina Cidade: Braço do Norte Relator:

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 437.853 - DF (2002/0068509-3) RELATOR : MINISTRO TEORI ALBINO ZAVASCKI RECORRENTE : FAZENDA NACIONAL PROCURADOR : DANIEL AZEREDO ALVARENGA E OUTROS RECORRIDO : ADVOCACIA BETTIOL S/C

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DESEMB - WILLIAM COUTO GONÇALVES 9 de outubro de 2012 APELAÇÃO CIVEL Nº 0020860-15.2004.8.08.0024 (024040208605) - VITÓRIA - VARA ESPECIALIZADA

Leia mais

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis?

2 - Qualquer pessoa pode reclamar seu direito nos Juizados Especiais Cíveis? Tribunal de Justiça do Estado de Goiás Juizados Especias Perguntas mais freqüentes e suas respostas 1 - O que são os Juizados Especiais Cíveis? Os Juizados Especiais Cíveis são órgãos da Justiça (Poder

Leia mais

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi

i iiiiii um mu um um um um mu mi mi PODER JUDICIÁRIO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N i iiiiii um mu um um um um mu mi mi Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento

Leia mais

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO

SEGUNDA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 - CLASSE CNJ - 202 - COMARCA DE RONDONÓPOLIS ANIVALDO CORREIA DE MELLO AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 32721/2011 CLASSE CNJ 202 COMARCA DE Fls. AGRAVANTE: AGRAVADO: ANIVALDO CORREIA DE MELLO LUIZ CARLOS FANELLI Número do Protocolo: 32721/2011 Data de Julgamento: 2262011 EMENTA

Leia mais

Dados Básicos. Legislação. Verbetação. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Legislação. Verbetação. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0145.08.491031-7/001(1) Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 08/02/2011 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:11/03/2011 Estado: Minas Gerais Cidade: Juiz de

Leia mais

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC.

DESENVOLVIMENTO VÁLIDO E REGULAR DO PROCESSO - QUESTÃO DE ORDEM PÚBLICA - EXTINÇÃO DO FEITO SEM JULGAMENTO DO MÉRITO - ART. 557, DO CPC. AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 929977-6, DO FORO REGIONAL DE FAZENDA RIO GRANDE DA COMARCA DA REGIÃO METROPOLITANA DE CURITIBA - VARA CÍVEL E ANEXOS AGRAVANTE : ROBERTO GOMES DA SILVA AGRAVADO : BANCO SANTANDER

Leia mais

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser

SUMÁRIO. - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código. de Processo Civil, o pedido de apensação só pode ser Processo nº 646/2014 (Autos de recurso civil) Data: 14/Maio/2015 Assuntos: Apensação de acções SUMÁRIO - Ao abrigo do disposto no artigo 219º do Código de Processo Civil, o pedido de apensação só pode

Leia mais

Dados Básicos. Ementa. Íntegra

Dados Básicos. Ementa. Íntegra Dados Básicos Fonte: 1.0694.10.000510-7/001 Tipo: Acórdão TJMG Data de Julgamento: 08/03/2012 Data de Aprovação Data não disponível Data de Publicação:21/03/2012 Estado: Minas Gerais Cidade: Três Pontas

Leia mais

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos.

ACÓRDÃO. VISTOS, relatados e discutidos estes autos. AC no 200.2010.014.406-8/001 1 jn:idá-j Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO APELAÇÃO CÍVEL No 200.2010.014.406-8/001

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Embargos Infringentes nº 0003778-19.2011.8.26.0575/50000, da Comarca de São José do Rio Pardo, em que é embargante

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo,

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR ACÓRDÃO. Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, Registro: 2012.0000257965 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0099725-45.2012.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FAZENDA DO ESTADO DE SÃO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON EMENTA TRIBUTÁRIO IMPOSTO DE RENDA SOBRE VERBAS INDENIZATÓRIAS TRÂNSITO EM JULGADO FAVORÁVEL AO CONTRIBUINTE LEVANTAMENTO DE DEPÓSITO POSSIBILIDADE. 1. Reconhecida, por

Leia mais

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 685.350-1 DA COMARCA DE DOIS VIZINHOS VARA CÍVEL E ANEXOS

7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 685.350-1 DA COMARCA DE DOIS VIZINHOS VARA CÍVEL E ANEXOS 7ª CÂMARA CÍVEL APELAÇÃO CÍVEL N.º 685.350-1 DA COMARCA DE DOIS VIZINHOS VARA CÍVEL E ANEXOS Apelante: FREDY NARCI DA SILVA MATIEVICZ Apelado: AVELINO ANDREATTA SANTOLIN Relator: Des. GUILHERME LUIZ GOMES

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG 1 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 4ª CÂMARA CÍVEL Relator: Desembargador SIDNEY HARTUNG APELAÇÃO N.º 0011056-51.2002.8.19.0003 Apelantes (réus): GEORGINA MARIA PEREIRA e seu marido MANOEL

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 157.303-4/9-00, da Comarca de TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *024022V:* Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO

Leia mais

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da

Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da . Recurso jurisdicional em matéria cível. Recorrentes: A e B. Recorrido: Ministério Público. Assunto: Enfiteuse. Domínio útil. Aforamento pelo Território de Macau. Artigo 7.º da Lei Básica. Data do Acórdão:

Leia mais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais

Tribunal de Justiça de Minas Gerais Número do 1.0105.13.026868-0/001 Númeração 0268680- Relator: Relator do Acordão: Data do Julgamento: Data da Publicação: Des.(a) Heloisa Combat Des.(a) Heloisa Combat 11/06/2014 16/06/2014 EMENTA: APELAÇÃO

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA o. TRIBUNAL DE JUSTIÇA DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO ALVES DA SILVA DECISÃO MONOCRÁTICA AGRAVO DE INSTRUMENTO NQ 001.2010.006903-6/001 RELATOR : Desembargador João Alves da Silva AGRAVANTE

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa

ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete do Des. José Di Lorenzo Serpa Agravo de Instrumento n 2 073.2012.001287-4 /001 Relator: Des. José Di Lorenzo Serpa Agravante: Marina Jacaré Clube Advogado:

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente) e CLAUDIO GODOY. fls. 133 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000597809 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2120157-80.2014.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante EMPRESA FOLHA DA

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELAÇÃO CÍVEL Nº 142728-6/188 (200901473469) DE TRINDADE APELANTES J.B. D.S. e OUTRA APELADO J. F. A. S. RELATOR DESEMBARGADOR CARLOS ESCHER CÂMARA 4ª CÍVEL RELATÓRIO J. B. D. S. e sua esposa, qualificados

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO APELAÇÃO CÍVEL (AC) Nº 296203/AL (2000.80.00.003296-1) APTE : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL ADV/PROC : NATHALIE PAIVA TEIXEIRA CAMBUY SODRE VALENTIM E OUTROS APTE : PREVI - CAIXA PREVIDENCIARIA

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2014.0000104277 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9000088-33.2009.8.26.0562, da Comarca de Santos, em que é apelante

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO SÃO PAULO APELAÇÃO SEM REVISÃO N º 590.556-0/9 - SÃO VICENTE Apelante: Elisabetta Maiorano (ou Elisabetta Maiorano Errico) Apelada : Manayara de Azambuja Luz AÇÃO DE DESPEJO. NOTIFICAÇÃO. Art. 47, inc. V, da Lei

Leia mais

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de

ACÓRDÃO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de. APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de ACÓRDÃO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REG,ST^.?^.!!I I1.. 1 Vistos, relatados e discutidos estes autos de APELAÇÃO CÍVEL COM REVISÃO n 566.553-5/0-00, da Comarca de SÃO JOSÉ DO RIO PRETO, em que são apelantes

Leia mais

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde.

LABORATÓRIO 3. VI EXAME DE ORDEM UNIFICADO 2ª FASE DIREITO DO TRABALHO LABORATÓRIO 3 PROFA. Maria Eugênia Conde @mageconde. Caso Prático Emerson Lima propôs reclamação trabalhista, pelo rito ordinário, em face de Rancho dos Quitutes, alegando que trabalhava como atendente em uma loja de conveniência localizada em um posto de

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34ª Câmara de Direito Privado

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO 34ª Câmara de Direito Privado TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO 34 a Câmara Seção de Direito Privado Julgamento sem segredo de justiça: 1 o de março de 2010, v.u. Relator: Desembargador Irineu Pedrotti. Apelação Cível nº 992.05.099051-8

Leia mais

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA

ESTADO DO CEARÁ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA GABINETE DO DESEMBARGADOR CLÉCIO AGUIAR DE MAGALHÃES PROCESSO Nº 390-98.2006.8.06.0039/1 REEXAME NECESSÁRIO CÍVEL. Remetente: Juiz de Direito da Comarca de Aratuba. Autor: Município de Aratuba. Réu: João

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA HABITACIONAL

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA HABITACIONAL TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO AC REG.STRADO(A)SOBN Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO n e 682.409-5/0-00, da Comarca de RIBEIRÃO PRETO, em que é agravante COMPANHIA

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5ª REGIÃO GABINETE DO DESEMBARGADOR FEDERAL FRANCISCO BARROS DIAS PROCESSO: EMBARGOS DE DECLARAÇÃO EM APELAÇÃO CÍVEL Nº 183923/RN (99.05.45463-2) APTE : POTY REFRIGERANTES LTDA ADV/PROC : MANUEL LUÍS DA ROCHA NETO E OUTROS APDO : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL

Leia mais

Tribunal Administrativo da Região Administrativa Especial de Macau Processo de Suspensão de Eficácia n.º 91/14-SE SENTENÇA

Tribunal Administrativo da Região Administrativa Especial de Macau Processo de Suspensão de Eficácia n.º 91/14-SE SENTENÇA Tribunal Administrativo da Região Administrativa Especial de Macau Processo de Suspensão de Eficácia n.º 91/14-SE Processo n.º:91/14-se SENTENÇA A, ora requerente, melhor identificada nos autos, vem intentar

Leia mais

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL

O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL O NOVO DIVÓRCIO À LUZ DA PROBLEMÁTICA PROCESSUAL Vinícius Paulo Mesquita 1) Notas Introdutórias Com a promulgação da E.C. 66/10, a chamada PEC do Divórcio, a doutrina pátria passou a sustentar em sua grande

Leia mais