Orçamento do Estado Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2013.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orçamento do Estado 2013. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2013."

Transcrição

1 Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado Audit Tax Advisory Consulting

2 Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares 3 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas 6 Estatuto dos Benefícios Fiscais 7 Autorizações legislativas em sede de Incentivos Fiscais 8 Imposto sobre o Valor Acrescentado 8 Regime de Bens em Circulação 10 Regime do Ouro para Investimento 10 Regime de renúncia à isenção no Sector Imobiliário 10 Imposto do Selo 11 Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 11 Imposto Municipal sobre Imóveis 11 Segurança Social 12 Audit Tax Advisory Consulting 2

3 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Deputados ao Parlamento Europeu Na sequência da legitimidade concedida aos vários Estados membros da UE (Decisão 2005/684/CEE que aprova o Estatuto dos Deputados ao Parlamento Europeu ) para tributar os rendimentos auferidos pelos deputados europeus de cada um daqueles estados, é estabelecido: Considerar residentes em Portugal, para efeitos fiscais, os cidadãos de nacionalidade portuguesa no exercício daquelas funções; e Passar a integrar no conceito de rendimentos do trabalho dependente as remunerações decorrentes do exercício das mesmas. Ajudas de custo São reduzidos os valores atribuíveis aos funcionários públicos a título de ajudas de custo no estrangeiro, daí resultando a subsequente redução dos limites dos montantes atribuídos a este título a partir dos quais há lugar a tributação em sede de IRS, conforme evidenciado na tabela comparativa seguinte: Valores em euros Membros do Governo 133,66 100,24 Remuneração superior ao nível ,13 89,35 Remuneração entre o nível 18 e 9 111,81 85,50 Outros 95,10 72,72 Relativamente às ajudas de custo no território nacional, pretende-se igualmente limitar a sua atribuição pelo aumento da distância-limite, entre o domicílio e o destino da deslocação, a partir da qual são atribuíveis as referidas compensações: Nas deslocações diárias a referida distâncialimite passa de 5km para 20Km; Nas deslocações por dias sucessivos aquela passa de 20Km para 50Km. Dedução específica aos rendimentos do trabalho dependente É eliminada a dedução específica relativa às despesas de formação profissional. Rendimentos empresariais e profissionais Regime simplificado É agravado o rendimento líquido tributável dos prestadores de serviços enquadrados no regime simplificado, passando o coeficiente a aplicar a ser de 75% em detrimento do aplicado anteriormente (70%). Sem prejuízo, é concedida àqueles sujeitos passivos a faculdade de livremente optarem, até 30 de janeiro de 2013, pelo regime de contabilidade organizada. Nova dedução aos rendimentos prediais De acordo com a lei retificativa do OE2012, os imóveis de valor superior passaram a estar sujeitos a uma tributação anual em sede de Imposto do Selo (1%). Em sintonia, os encargos suportados pelos proprietários daqueles imóveis com o referido imposto, podem ser alvo de dedução para efeitos de determinação, em caso de englobamento, dos rendimentos prediais líquidos em sede de IRS. Taxas gerais do imposto Reduzem-se, de 8 para 5, os escalões constantes da tabela das taxas gerais do IRS, verificando-se que, comparativamente com 2012, uma fatia significativamente superior do rendimento tributável passa a estar integrada no último escalão, logo, sujeita à taxa máxima de IRS (em 2012 só a parte do rendimento superior a integrava o último escalão, sendo que, em 2013, integram o mesmo escalão a parte do rendimento que exceda ). Adicionalmente, assiste-se aos aumentos das taxas marginais mínima (de 11,5% para 14,5%) e máxima (de 46,5% para 48%). Nova tabela das taxas gerais do IRS Rendimento coletável (em euros) Taxas (em percentagem) Normal (A) Média (B) Até ,50 14,500 De mais de até ,50 23,600 De mais de até De mais de até Superior a ,00 37,00 30,300 45,00 37,650 Tabela das taxas gerais do IRS em vigor até Rendimento coletável (em euros) Taxas (em percentagem) Normal (A) Média (B) Até ,50 11,500 De mais de até ,00 12,3480 De mais de até ,50 19,5990 De mais de até ,50 28,5860 De mais de até ,00 31,5040 De mais de até ,50 32,2310 De mais de até ,50 38,6450 Superior a ,50 - Audit Tax Advisory Consulting 3

4 Aumento médio das taxas do IRS Escalões Até A partir de Aumento (2012/2013) até ,25% 14,50% 18,36% até ,11% 23,60% 11,81% até ,30% 30,30% 7,05% até ,25% 37,65% 9,93% até ,67% 42,60% 10,15% > tende para 46,5% tende para 48% Taxa adicional de solidariedade 3,23% A taxa adicional de solidariedade de 2,5% passa a incidir sobre o quantitativo do rendimento coletável superior a (em 2012, aquela taxa incidia apenas sobre a parte do rendimento superior a ). Acresce ainda que a presente taxa será de 5% para a parte do rendimento tributável superior a Taxas liberatórias Quanto aos rendimentos de capitais É aumentada, de 26,5% para 28%, a taxa liberatória incidente sobre a generalidade dos rendimentos de capitais, quando obtidos em território português, a saber: Juros de depósitos à ordem ou a prazo; Os rendimentos de títulos de dívida, de operações de reporte ou de outras operações similares; Os juros e outras formas de remuneração de suprimentos, abonos ou adiantamentos de capital feitos pelos sócios à sociedade; Os juros e outras formas de remuneração devidos pelo facto de os sócios não levantarem os lucros ou remunerações colocados à sua disposição; Lucros / Dividendos; Valor atribuído aos associados em resultado da partilha (na parte considerada rendimentos de capital), bem como o valor atribuído aos associados na amortização de partes sociais sem redução de capital; Os ganhos decorrentes de operações de swaps; Rendimentos de capitais relativos a seguros e operações do ramo Vida ; Rendimentos de capitais auferidos por não residentes em Portugal quando não expressamente tributados a taxa diferente. Quanto aos rendimentos de valores mobiliários É igualmente aumentada, de 26,5% para 28%, a taxa liberatória incidente sobre os rendimentos de valores mobiliários cujos titulares sejam residentes, quando devidos por entidades sem domicílio no nosso território. Quanto aos rendimentos obtidos por não residentes É aumentada, de 21,5% para 25%, a taxa liberatória incidente sobre: Rendimentos do trabalho dependente e pensões; Rendimentos empresariais e profissionais; e Royalties. Taxas especiais Não residentes É aumentada, para 28%, a taxa especial de IRS incidente sobre os rendimentos de mais-valias (25% em 2012) e rendimentos prediais (16,5% em 2012) obtidos por não residentes. Residentes É aumentada, para 28%, a taxa especial de IRS incidente sobre os rendimentos de mais-valias mobiliárias e dos rendimentos de capitais, devidos por entidades não residentes, quando não sujeitos a retenção na fonte (26,5% em 2012). É instituída uma taxa especial de 28% para os rendimentos prediais, sem prejuízo de poder ser exercida a opção pelo respetivo englobamento. Deduções à coleta Em sintonia com a redução de escalões das taxas gerais do imposto supra mencionadas, procede-se à sua adaptação quanto à tabela de deduções à coleta, procedendo-se também a uma maior limitação do valor das deduções à coleta permitidas nas despesas de saúde, educação e formação, pensões de alimentos, encargos com lares e com imóveis: Até Rendimento coletável (em euros) Limite (em euros) Sem limite De mais de até De mais de até De mais de até Superior a Apenas o 2º, 3º e 4º escalão beneficiam agora do benefício da majoração em 10% por cada dependente ou afilhado civil. Apresenta-se seguidamente quadro-resumo com as alterações (reduções) ao limite dos encargos dedutíveis à coleta do IRS: Deduções relativas a: cada sujeito passivo 261,25 ou 380 no caso de famílias monoparentais 213,75 ou 332,50 no caso de famílias monoparentais Audit Tax Advisory Consulting 4

5 Deduções relativas a: por dependente 190 encargos na aquisição imóveis adquiridos até imóveis arrendados destinados à habitação Rendas devidas em leasings "imóveis habitação" celebrados até Prestações devidas na aquisição de imóveis no "regime de compras em grupo" / cooperativas ocorridas até Benefícios fiscais 213,75 ou 237,5 no caso de agregados com > 2 dependentes É igualmente alterada, em sintonia com a redução dos escalões do IRS, a tabela identificativa dos limites globais de benefícios fiscais para as deduções à coleta do IRS previstas no EBF (PPR, donativos, prémios para seguros de saúde e contribuições para o regime público de capitalização): Até Rendimento coletável (em euros) Limite (em euros) Sem limite De mais de até De mais de até De mais de até Superior a Retenções na fonte com caráter de pagamento por conta Aumenta-se, de 21,5% para 25%, a taxa de retenção na fonte de IRS a aplicar aos rendimentos empresariais e profissionais obtidos por sujeitos passivos residentes. É também aumentada a taxa de retenção na fonte aplicável aos rendimentos prediais, de 16,5% para 25%. Obrigações declarativas No âmbito do presente Orçamento é alterada a letra da lei no sentido de clarificar que os rendimentos devidos a pessoas / entidades não residentes devem ser declarados (através do formulário Modelo 30 ) até ao fim do 2º mês seguinte àquele em que ocorre o ato do pagamento, do vencimento, da sua liquidação ou do apuramento do respetivo quantitativo, consoante os casos. Reduz-se igualmente o prazo definido para a entrega do formulário Modelo 13 (destinado a declarar as operações efetuadas relativamente a valores mobiliários, warrants autónomos e instrumentos financeiros derivados), a qual deverá ocorrer até ao final do mês de março de cada ano (em 2012 esse prazo terminava no final do mês de junho de cada ano). De acordo com o presente Orçamento, quando do preenchimento do formulário Modelo 10, os sujeitos passivos deverão passar a declarar todos os rendimentos pagos, inclusivamente aqueles não sujeitos a tributação. As entidades que paguem ou coloquem à disposição de sujeitos passivos residentes rendimentos sujeitos a retenção na fonte a título definitivo, passam a estar obrigadas a emitir declaração relativa àqueles rendimentos aos respetivos beneficiários. As entidades devedoras de rendimentos do trabalho dependente passam a ter que declarar, até ao dia 10 do mês seguinte ao do pagamento ou colocação à disposição daqueles rendimentos, o respetivo montante (ainda que isento ou não sujeito), retenções na fonte, contribuições para regimes de proteção social e quotizações sindicais (Declaração Mensal de Remunerações (AT)). Sobretaxa À semelhança do ocorrido em 2011, fixa-se uma sobretaxa de IRS de 3,5%. Esta sobretaxa incidirá sobre o rendimento coletável que resulte de englobamento, acrescido dos seguintes rendimentos sujeitos a taxas especiais: rendimentos das categorias A e B auferidos por residentes não habituais, incrementos patrimoniais não justificados e rendimentos de capitais devidos por entidades domiciliadas em territórios com regimes fiscais mais favoráveis não sujeitos a retenção na fonte em Portugal. Esta sobretaxa só será aplicável à parte do rendimento coletável que exceda o valor anual da retribuição mensal mínima garantida ( 6.790, em 2012), por sujeito passivo. À sobretaxa será deduzido 2,5% do valor da retribuição mínima mensal garantida por cada dependente ou afilhado civil que não seja sujeito passivo de IRS. Os sujeitos passivos que aufiram rendimentos do trabalho dependente e de pensões, serão sujeitos a uma retenção na fonte mensal adicional por conta daquela sobretaxa. O quantitativo daquela retenção na fonte adicional corresponderá a 3,5% da parte do valor do rendimento que, depois de deduzidas as retenções para regimes de proteção social e para subsistemas legais de saúde, exceda o valor da retribuição mínima mensal garantida. Sujeitos passivos com deficiência De acordo com o presente Orçamento, os rendimentos brutos de cada uma das categorias A, B e H auferidos por sujeitos passivos com deficiência são considerados, para efeitos de IRS, apenas por Audit Tax Advisory Consulting 5

6 90% em Não obstante, a parte do rendimento excluída de tributação não pode exceder, por categoria de rendimentos, Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas Limite à dedutibilidade de gastos de financiamento É revogada a limitação à dedutibilidade dos juros suportados em sede de subcapitalização por um novo regime denominado limitação à dedutibilidade de gastos de financiamento. De acordo com este novo regime, os gastos de financiamento líquidos serão dedutíveis apenas até à concorrência do maior dos seguintes limites: a) ; ou b) 30%* do resultado antes de depreciações, gastos de financiamento líquidos e impostos. *De forma a suavizar o impacto deste novo regime, é previsto um regime transitório em que esta percentagem de dedutibilidade irá decrescendo gradualmente, sendo de 70% em 2013, 60% em 2014, 50% em 2015, 40% em 2016 e de 30% em Mecanismos de reporte dos gastos de financiamento líquidos não deduzidos Os gastos de financiamento líquidos não deduzidos num determinado período por ultrapassarem os limites supra evidenciados, poderão, ser deduzidos ao lucro tributável de um ou mais dos cinco períodos de tributação seguintes, adicionando-se aos gastos financeiros desses mesmos períodos, observando-se no entanto as referidas limitações. Sempre que o montante dos gastos de financiamento deduzidos seja inferior às supra referidas percentagens-limite do resultado antes de depreciações, gastos de financiamento líquidos e impostos, a parte não utilizada deste limite acresce ao montante máximo dedutível, em cada um dos cinco períodos de tributação seguintes, até à sua integral utilização. No caso das entidades que estejam abrangidas pelo regime especial de tributação de grupos de sociedades, estas regras e consequente limitação será aplicável individualmente a cada uma das sociedades do grupo. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) A aplicação deste benefício fiscal é prolongada até 31 de dezembro de 2013, sem prejuízo da autorização legislativa concedida ao Governo para prolongar, ainda mais, a sua aplicação, conforme mais adiante evidenciado. Taxas Rendimentos auferidos por entidades não residentes São agravadas para 25% (15% em 2012), as taxas de IRC incidentes sobre os seguintes rendimentos quando auferidos por entidades não residentes: Rendimentos provenientes da propriedade intelectual ou industrial, da prestação de informações respeitantes a uma experiência adquirida e da prestação de assistência técnica; Rendimentos derivados do uso ou da concessão do uso de equipamento; Rendimentos provenientes de comissões; e Rendimentos prediais. Derrama estadual Reduz-se para ( em 2012) o limite mínimo de lucro tributável a partir do qual incide a taxa máxima de 5% da derrama estadual. Sendo que, a parte do lucro tributável situada entre e aquele novo limite mínimo de continuará a estar sujeita à taxa de derrama estadual de 3%. Cumpre referir que o referido limite mínimo apenas será aplicável aos lucros tributáveis referentes aos períodos de tributação que se iniciem após 1 de janeiro de Pagamentos por conta De acordo com o presente Orçamento, é aumentado o valor dos pagamentos por conta, passando aquele a corresponder: No caso de sujeitos passivos cujo volume de negócios no período de tributação anterior seja igual ou inferior a , aqueles corresponderão a 80% (70% em 2012) do imposto liquidado no período de tributação anterior; No caso de sujeitos passivos cujo volume de negócios no período de tributação anterior seja superior a , aqueles corresponderão a 95% (90% em 2012) do imposto liquidado no período de tributação anterior. O referido limite de resulta do arredondamento, igualmente constante do Orçamento, do limite em vigor em 2012 ( ,90). Audit Tax Advisory Consulting 6

7 Limitação aos pagamentos por conta Em 2012, os sujeitos passivos que verificassem, pelos elementos que dispunham, que o montante do pagamento por conta já efetuado seria igual ou superior ao imposto que seria devido com base na matéria coletável do período de tributação, podiam deixar de efetuar o segundo e terceiro pagamentos por conta. De acordo com a presente Lei do OE 2013, tal dispensa apenas será admissível para o terceiro pagamento por conta. Pagamentos adicionais por conta As regras dos pagamentos adicionais por conta (pagamentos por conta da derrama estadual ) são ajustadas em conformidade com as do cálculo da derrama estadual, fixando-se o limite mínimo do segundo escalão em ( em 2012). Os limites referidos, apenas se aplicarão aos lucros tributáveis referentes ao período de tributação que se inicie após 1 de janeiro de 2013 (portanto, apenas afetará os pagamentos adicionais por conta a efetivar durante o período de tributação de Pagamentos especiais por conta (RETGS) Para efeitos do cálculo dos respetivos pagamentos especiais por conta, as sociedades abrangidas pelo regime especial de tributação de grupos de sociedades deverão considerar os pagamentos por conta que por si seriam devidos caso essas sociedades fossem individualmente tributadas. De salientar que, para este efeito, deverão aquelas sociedades declarar, nas suas Modelos 22 individuais, o montante dos pagamentos por conta que, ainda que não realizados, seriam devidos caso aquelas fossem individualmente tributadas (ou seja, caso o RETGS não fosse aplicável). Despesas com equipamentos e software de faturação eletrónica As desvalorizações excecionais decorrentes do abate, em 2013, de programas e equipamentos informáticos de faturação que sejam substituídos por programas de faturação eletrónica, são considerados perdas por imparidade, ficando o sujeito passivo dispensado de obter a autorização por parte da Autoridade Tributária e Aduaneira. Estas mesmas despesas, incorridas em 2013, podem ser consideradas como gasto fiscal no período de tributação em que sejam suportadas. Autorização legislativa no âmbito da transferência de residência de sociedade para o estrangeiro e cessação de atividade de entidades não residentes O governo fica autorizado a estabelecer um regime fiscal de pagamento (imediato ou em frações anuais) do imposto incidente sobre a diferença positiva entre os valores de mercado e os valores fiscalmente relevantes dos elementos patrimoniais das sociedades que transferem a sua residência para outro Estado membro da UE ou do EEE e de estabelecimentos estáveis que cessem a sua atividade no nosso território. Estatuto dos Benefícios Fiscais Fundos de investimento mobiliário e fundos de investimento imobiliário A diferença positiva entre as mais-valias e as menosvalias obtidas por fundos de investimento mobiliário, passa a ser tributada à taxa autónoma de 25% (21,5% em 2012). Também os rendimentos prediais que não sejam relativos à habitação social sujeita a regimes legais de custos controlados, passam agora a ser tributados autonomamente à taxa de 25% (20% em 2012). É revogada a isenção do saldo positivo entre as mais e as menos valias decorrentes da alienação, por parte de fundos de investimento abertos, de ações detidas por mais de 12 meses, obrigações e outros títulos da dívida. Isenção de IMI sobre prédios de reduzido valor patrimonial de sujeitos passivos com baixos rendimentos Esclarece-se que esta isenção de IMI, é reconhecida anualmente pelo chefe de serviço de finanças da área da situação dos prédios mediante requerimento devidamente fundamentado, que deverá ser apresentado até 30 de junho do ano para o qual se requer a isenção ou, no prazo de 60 dias, mas nunca depois de 31 de dezembro desse mesmo ano, a contar da data da aquisição dos prédios ou da data da verificação dos respetivos pressupostos, caso estes sejam posteriores a 30 de junho. Os rendimentos a considerar para efeitos desta isenção, serão os rendimentos do agregado familiar do ano anterior àquele a que respeita a isenção. Caso, no ano de pedido de isenção, o sujeito passivo já não integre o agregado familiar, o rendimento referido será determinado individualmente. Isenção de IMT e IMI aplicável a prédios situados nas áreas de localização empresarial Estas isenções são aplicáveis, nas condições previstas legalmente, a imóveis adquiridos ou concluídos até 31 de dezembro de Audit Tax Advisory Consulting 7

8 Incentivos à reabilitação urbana Fundos de investimento imobiliário constituídos durante 2013 poderão beneficiar dos incentivos fiscais à reabilitação urbana. Propriedade intelectual A exclusão de 50% no englobamento, para efeitos de IRS, existente para os rendimentos provenientes da propriedade literária, artística e científica, obtidos por autores residentes em território português, não pode agora exceder os ( em 2012). Dedução em sede de IRS de IVA suportado em fatura Para efeitos do apuramento do benefício fiscal em sede de IRS relativo ao IVA suportado (em aquisições de serviços de manutenção e reparação de automóveis e motociclos, alojamento, restauração e cabeleireiros), o prazo concedido aos adquirentes destes bens/serviços, para comunicar à Autoridade Tributária as aquisições realizadas é alargado até 15 de fevereiro do ano seguinte ao da emissão das faturas. Da mesma forma também o prazo para a Autoridade Tributária disponibilizar no Portal das Finanças o montante do incentivo atribuído, é alargado até ao final do mês de fevereiro do ano seguinte ao da emissão das faturas. Pequenos investidores É revogada a isenção de IRS aplicável ao saldo positivo, não superior a 500, entre as mais-valias e menos-valias resultante da alienação de ações, de obrigações e de outros títulos de dívida, obtido por residentes em território português. Autorizações legislativas em sede de Incentivos Fiscais O Governo fica autorizado a legislar tendo em vista a consolidação das condições de competitividade da economia portuguesa, através da manutenção de um contexto fiscal favorável que propicie o investimento, o incentivo ao reforço dos capitais próprios das empresas e a criação de emprego através de empresas recém-constituídas, nomeadamente através de: Prorrogação do RFAI até 31 de Dezembro de 2017 e introdução de alterações a este regime com vista a potenciar os supra aludidos objetivos; Criação de uma dedução até à concorrência da coleta de IRS/IRC, correspondente a uma percentagem que poderá ascender a um máximo de 20% das entradas de capital efetuadas nos primeiros 3 exercícios de atividade de empresas recém-constituídas, com um limite até ; Rever o âmbito da aplicação do artigo 92º do Código do IRC ( Resultado da liquidação ) no sentido de excluir deduções à coleta de IRC aí previstas; Alterar o SIFIDE II, nomeadamente através da introdução de uma majoração do incentivo aplicável a micro, pequenas e médias empresas. Imposto sobre o Valor Acrescentado Direitos de autor É reposta a isenção de IVA aos autores que sejam pessoas coletivas, aquando da transmissão de direitos de autor e da autorização para utilização da obra intelectual, ambas definidas no Código de Direito de Autor. Atividades de produção agrícola É revogada a isenção de imposto nas transmissões de bens / prestações de serviços efetuadas no âmbito de atividades de produção agrícola, quando efetuadas com caráter acessório por um produtor agrícola que utilize os seus próprios recursos de mão-de-obra e equipamento normal na respetiva atividade agrícola e silvícola. Esta revogação apenas produz efeitos a partir de 1 de abril de 2013, passando estas atividades a estar sujeitas à taxa reduzida de IVA (novas verbas 4.2 e 5 da Lista I anexa ao Código do IVA). Transmissões de bens a título gratuito ao Estado É alargada a isenção de IVA às transmissões de bens efetuadas a título gratuito ao Estado, para posterior distribuição a pessoas carenciadas. Direito à dedução no âmbito do mecanismo do reverse charge Esclarece-se que, nos casos em que a obrigação de liquidação e pagamento do imposto compete ao Audit Tax Advisory Consulting 8

9 adquirente dos bens e serviços (mecanismo do reverse-charge ), apenas confere o direito a dedução o imposto que for liquidado por força dessa obrigação. Direito à dedução do imposto suportado na aquisição de combustíveis É alargado o direito à dedução da totalidade do IVA suportado nas despesas incorridas com gasóleo, GPL, gás natural ou biocombustíveis, que sejam consumidos por máquinas matriculadas pelas entidades competentes (desde que não sejam veículos matriculados). Produção de efeitos das declarações de alteração e cessação de atividade Relativamente às operações relativas a transações intracomunitárias de bens e aquisições de serviços junto de sujeitos passivos não registados no nosso território, as declarações de alteração e cessação de atividade produzem efeitos a partir da data da sua apresentação. Alteração oficiosa dos elementos relativos à atividade A AT pode, notificando para tanto o sujeito passivo, alterar oficiosamente os elementos relativos à atividade quando se verifique a falsidade dos elementos declarados, existência de fundados indícios de fraude, não apresentação das declarações periódicas e recapitulativas pelo período mínimo de um ano, ou apresentação de declarações que não evidenciem qualquer atividade por igual período. Recuperação do imposto relativo a créditos incobráveis / créditos de cobrança duvidosa Imposto referente a créditos de cobrança duvidosa Os sujeitos passivos podem deduzir o imposto respeitante aos créditos considerados de cobrança duvidosa, evidenciados como tal na contabilidade, considerando-se como tal: Créditos que estejam em mora há mais de 24 meses e quanto aos quais existam provas objetivas de imparidade e de terem sido efetuadas diligências para o seu recebimento e o ativo tenha sido desconsiderado contabilisticamente, sendo que, a dedução do respetivo imposto carece de pedido de autorização prévia. O referido pedido prévio deverá ser submetido à AT por via eletrónica, nos termos a definir em futura portaria, nos 6 meses seguintes ao momento em que os créditos foram considerados de cobrança duvidosa (o que resultará na notificação eletrónica ao adquirente, pela AT, para que aquele retifique, a favor do Estado, a dedução inicialmente realizada). O pedido deve ser apreciado pela AT no prazo de 8 meses, findo o qual se considera o pedido como indeferido, exceto quanto às faturas de valor inferior a (IVA incluído), caso em que o pedido se considera deferido. Créditos que estejam em mora há mais de 6 meses, o valor do mesmo não seja superior a 750, IVA incluído, e o devedor seja particular ou sujeito passivo que realiza exclusivamente operações isentas que não confiram à dedução. Imposto referente a créditos incobráveis Sempre que o facto relevante para a consideração do crédito como incobrável ocorra em momento anterior àquele previsto para efeitos da consideração do crédito como de cobrança duvidosa, os sujeitos passivos podem deduzir o respetivo imposto, o que se poderá verificar quando da ocorrência dos factos seguintes: Em processo de insolvência, quando a mesma for decretada de caráter limitado ou após a homologação da deliberação da assembleia de credores de apreciação do relatório do administrador de insolvência; Em processo especial de revitalização, após homologação do plano de recuperação pelo juiz, previsto no Código de Insolvência e da Recuperação de Empresas; e Nos termos previstos no Sistema de Recuperação de Empresas por Via Extrajudicial (SIREVE), após celebração do acordo previsto no artigo 12º do DL nº 178/2012, de 3 de agosto (elimina-se a referência ao antigo procedimento extrajudicial de conciliação). Os sujeitos passivos devem documentar devidamente, para cada fatura, os pressupostos que conduziram o crédito à condição de cobrança duvidosa / incobrável e garantir certificação por revisor oficial de contas. Não são considerados créditos de cobrança duvidosa / créditos incobráveis: Créditos cobertos por seguro, exceto na parte da % de descoberto obrigatório; Créditos sobre pessoas singulares ou coletivas com as quais existam relações especiais ; Créditos sobre o Estado, regiões autónomas e autarquias locais ou aqueles em que estas entidades tenham prestado aval; Créditos em que, no momento da realização da operação, o adquirente ou destinatário conste da lista de acesso público de execuções extintas com pagamento parcial ou por não terem sido encontrados bens penhoráveis e, bem assim, sempre que o adquirente ou destinatário tenha sido declarado falido ou insolvente em processo judicial anterior. Os sujeitos passivos perdem o direito à dedução do imposto respeitante a créditos considerados de cobrança duvidosa, nos termos referidos anteriormente, sempre que ocorra a transmissão da titularidade do crédito subjacente. Estas alterações só produzem efeitos relativamente aos créditos vencidos a partir de 1 de janeiro de Audit Tax Advisory Consulting 9

10 Ineficácia da liquidação oficiosa em caso de não apresentação de declaração periódica Esclarece-se que a liquidação oficiosa emitida na sequência da não apresentação de declaração periódica fica sem efeito nos casos em que tenha ocorrido a cessação oficiosa de atividade por iniciativa da AT, sempre que a aludida liquidação respeite a período decorrido após o momento em que a cessação deveria ter ocorrido. Ato isolado É revogada a obrigação de entrega da declaração de ato isolado, sendo agora apenas necessário a emissão do recibo por via eletrónica. Comunicação dos elementos das faturas (Decreto-Lei 198/2012) É alterado o prazo limite da comunicação à Autoridade Tributária dos elementos das faturas emitidas, passando a comunicação a ter de ser efetuada, até ao dia 25 do mês seguinte ao da sua emissão (inicialmente até dia 8). Autorizações legislativas no âmbito do IVA Fica o Governo autorizado a aplicar o mecanismo do reverse-charge nas transmissões onerosas de certas matérias-primas dos setores agrícolas e silvícolas. Fica o Governo igualmente autorizado a implementar um regime simplificado e facultativo de contabilidade segundo o regime de caixa, aplicável às pequenas empresas (V.N. < ) que não beneficiem de isenção, segundo o qual nas operações por estas realizadas o imposto se torna exigível no momento do recebimento e a dedução do IVA é exercida no momento do pagamento. Regime de Bens em Circulação Os documentos de transporte, quando o destinatário não seja conhecido na altura da saída dos bens, e os documentos de transporte adicionais decorrentes de alterações ao local de destino ocorridas durante o transporte ou da não aceitação imediata e total dos bens transportados são comunicados, por inscrição no Portal das Finanças, até ao 5º dia útil seguinte ao do transporte. Os sujeitos passivos devem proceder à comunicação dos documentos de transporte à AT através de serviço telefónico disponibilizado para o efeito nos casos em que os documentos de transporte sejam emitidos em papel ou nos casos de inoperacionalidade do sistema informático da comunicação. Nos casos em que a fatura sirva também de documento de transporte e seja emitida pelos sistemas informáticos, fica dispensada a obrigação de comunicação à AT, devendo a circulação de bens ser acompanhada da respetiva fatura emitida. Nos casos em que os adquirentes de documentos de transporte não se encontrem registados na AT para o exercício de uma atividade empresarial, a AT emite, em tempo real, no Portal das Finanças, um alerta seguido de notificação, advertindo a tipografia de que não pode proceder à impressão dos documentos, sob pena de ser cancelada a autorização de impressão. As alterações introduzidas pelo Decreto-Lei n.º 198/2012, de 24 de agosto ao Decreto-Lei n.º 147/2003, de 11 de julho (diploma que estabelece o regime dos bens em circulação ), apenas entram em vigor no dia 1 de maio de Regime do Ouro para Investimento No âmbito do regime do ouro para investimento, é reduzido para (atualmente ), o limite a partir do qual, os sujeitos passivos adquirentes são obrigados a possuir um registo com a identificação de cada cliente. Regime de renúncia à isenção no Sector Imobiliário É alargado, de 2 para 3 anos, o prazo previsto para a regularização de IVA a favor do Estado, relativamente a imóveis que não estejam a ser efetivamente utilizados em fins da empresa. Audit Tax Advisory Consulting 10

11 Imposto do Selo Prémios de jogos sociais Os prémios provenientes de jogos sociais do Estado (Euromilhões, Lotaria Nacional, Lotaria Instantânea, Totobola, Totogolo, Totoloto e Joker), passam a estar sujeitos, na parte que exceder os 5.000, a tributação em sede de imposto do selo à taxa de 20%. Doação do direito de propriedade O prazo alargado de 8 anos concedido à AT para exercer o direito à liquidação do imposto do selo passa a abranger o imposto relativo à aquisição, por doação, de bens imóveis previsto na verba 1.1 da respetiva tabela geral (TGIS) (a aplicação daquele prazo só contemplava a aquisição onerosa de imóveis e as transmissões gratuitas previstas na verba 1.2 da TGIS). Isenção na constituição de garantias a favor do Estado É prolongada a isenção de imposto do selo incidente sobre as garantias constituídas em 2013 a favor do Estado e das Instituições da Segurança Social no âmbito de processos de execução fiscal e em processos especiais de regularização de dívidas fiscais e à segurança social. Isenção no âmbito da recuperação de empresas Os atos sujeitos a este imposto, realizados no âmbito da recuperação de empresas, passam, de acordo com as alterações introduzidas no Código da Insolvência e da Recuperação de Empresas, a beneficiar de isenção. Autorização legislativa O Governo fica autorizado a tributar, em sede de Imposto do Selo, a generalidade das transações financeiras que tenham lugar em mercado secundário. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis Fundos de investimento imobiliário fechados de subscrição particular É alargada a base de incidência do IMT às seguintes operações: Adjudicação de bens imóveis como reembolso em espécie de unidades de participação decorrente da liquidação de fundos de investimento imobiliário fechados de subscrição particular; e Transmissões de bens imóveis por fusão de fundos de investimento imobiliário fechados de subscrição particular. Imposto Municipal sobre Imóveis Atualização das matrizes É revogada, por desnecessária face à avaliação geral ocorrida em 2012, a obrigação de apresentação de declaração de atualização da matriz predial nos casos de mudança de proprietário por transmissão onerosa ou gratuita de um prédio ou parte de prédio ainda não avaliado nos termos do CIMI. Prazo de pagamento São alterados os prazos de pagamento do IMI, passando o imposto a dever ser pago: a) Em uma prestação, no mês de abril, quando o seu montante seja igual ou inferior a 250; b) Em duas prestações, nos meses de abril e novembro, quando o seu montante seja superior a 250 e igual ou inferior a 500; c) Em três prestações, nos meses de abril, julho e novembro, quando o seu montante seja superior a 500. Audit Tax Advisory Consulting 11

12 Segurança Social Suspensão do valor do IAS É suspenso durante o ano de 2013, o regime de atualização anual do valor do indexante dos apoios sociais, das pensões sociais e outras prestações sociais, mantendo-se em vigor o valor de 419,22. Redução remuneratória Mantém-se em 2013 a redução das remunerações totais ilíquidas mensais das pessoas titulares de determinados cargos públicos, de valor superior a 1500, quer estejam em exercício de funções naquela data quer iniciem tal exercício, a qualquer título, depois dela, nos seguintes termos: a) 3,5% sobre o valor total das remunerações superiores a 1500 e inferiores a 2.000; b) 3,5% sobre o valor de acrescido de 16% sobre o valor da remuneração total que exceda os 2.000, perfazendo uma taxa global que varia entre 3,5% e 10%, no caso das remunerações iguais ou superiores a 2000 até 4.165; c) 10% sobre o valor total das remunerações superiores a Suspensão do pagamento do subsídio de férias Durante a vigência do PAEF, como medida excecional de estabilidade orçamental é suspenso o pagamento do subsídio de férias ou quaisquer prestações correspondentes ao 14.º mês às pessoas titulares de determinados cargos públicos cuja remuneração base mensal seja superior a Quando a remuneração base mensal seja igual ou superior a 600 e não exceda o valor de 1100 ficam sujeitas a uma redução no subsídio de férias ou nas prestações correspondentes ao 14.º mês, auferindo o montante calculado nos seguintes termos: Subsídio/prestações = ,2 remuneração base mensal. Ficam abrangidas todas as prestações, independentemente da sua designação formal, que, direta ou indiretamente, se reconduzam ao pagamento do subsídio de férias a que se referem aqueles números, designadamente a título de adicionais à remuneração mensal. Pagamento do subsídio de Natal Durante a vigência do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF), o subsídio de Natal ou quaisquer prestações correspondentes ao 13.º mês a que tenham direito, pessoas titulares de determinados cargos públicos, nos termos legais, é pago mensalmente, por duodécimos. Membros de órgãos estatutários (MOE) Os membros dos órgãos estatutários das pessoas coletivas que exerçam funções de gerência ou de administração passam agora a usufruir do direito à proteção na eventualidade de desemprego, nos termos de legislação própria. Sendo, consequentemente, aumentada, de 29,6% para 34,75%, a correspondente taxa contributiva (23,75% a cargo das entidades empregadoras e 11% a cargo dos MOEs nestas condições). Proteção social em caso de desemprego dos empresários em nome individual e titulares de EIRLs Passam a estar obrigatoriamente abrangidos pelo regime de trabalhadores independentes: Os empresários em nome individual com rendimentos decorrentes do exercício de qualquer atividade comercial, industrial, agrícola, silvícola ou pecuária nos termos do Código do IRS, e Os titulares de Estabelecimento Individual de Responsabilidade Limitada (EIRL), bem como os respetivos cônjuges que com eles exerçam efetiva atividade profissional com caráter de regularidade e de permanência. Os trabalhadores abrangidos por este regime ficam igualmente a ter direito à proteção na eventualidade de desemprego. É fixada em 34,75% a taxa contributiva a cargo dos empresários em nome individual e dos titulares de EIRLs. Juros de mora O não pagamento de contribuições e quotizações nos prazos legais implica a sujeição a juros de mora de todas as entidades devedoras, passando esta cobrança a abranger, nomeadamente, o Estado e outras pessoas coletivas públicas, sobrepondo-se esta norma, constante do Código Contributivo, a quaisquer outras normas que disponham em sentido diverso. Trabalhadores que exercem funções em organismos públicos sem finalidade lucrativa Os trabalhadores ao serviço de entidades estatais deixam de estar abrangidos pelo regime dos trabalhadores ao serviço de entidades empregadoras sem fins lucrativos, enquadrando-se agora na nova seção Trabalhadores que exercem funções públicas introduzida pela presente Lei do OE 2013 no Código Contributivo, destinada, exclusivamente, aos trabalhadores no exercício de funções públicas, de acordo com a qual, a taxa contributiva aplicável é de 34,75 %, sendo, respetivamente, 23,75 % encargo das entidades empregadoras e 11% encargo dos trabalhadores (antes 33,3%. sendo, respetivamente, 22,3% encargo das entidades empregadoras e 11% encargo dos trabalhadores. Audit Tax Advisory Consulting 12

13 Sujeição a contribuições para a segurança social das prestações de doença e de desemprego As prestações do sistema previdencial concedidas no âmbito das eventualidades de doença e desemprego, ficam sujeitas a uma contribuição nos seguintes termos: a) 5% sobre o montante de subsídios concedidos no âmbito da eventualidade de doença; b) 6% sobre o montante dos subsídios de natureza previdencial concedidos no âmbito da eventualidade de desemprego. Majoração do montante do subsídio de desemprego O montante diário do subsídio de desemprego é passível de majoração, em 10% (por beneficiário), nas seguintes situações: a) Quando, no mesmo agregado familiar, ambos os cônjuges ou pessoas que vivam em união de facto sejam titulares do subsídio de desemprego e tenham filhos ou equiparados a cargo; b) Quando no agregado monoparental o parente único seja titular do subsídio de desemprego e não aufira pensão de alimentos decretada ou homologada pelo tribunal. Audit Tax Advisory Consulting 13 Crowe Horwath Portugal is a member of Crowe Horwath International, a Swiss verein (Crowe Horwath). Each member firm of Crowe Horwath is a separate and independent legal entity. Crowe Horwath Portugal and its affiliates are not responsible or liable for any acts or omissions of Crowe Horwath or any other member of Crowe Horwath and specifically disclaim any and all responsibility or liability for acts or omissions of Crowe Horwath or any other Crowe Horwath member.

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014.

Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 (versão aprovada na AR) Orçamento do Estado para 2013 O Orçamento do Estado para 2013 já aprovado na Assembleia da República integra um conjunto de medidas fiscais que a seguir

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12

Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12 Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12 Síntese das Principais Medidas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Subsídio de Refeição A exclusão de tributação aplicável ao

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado.

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice A. Principais medidas no âmbito da Simplificação 3 B. Principais

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016

Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Abono de Família para Crianças e Jovens Atualizado em: 09-06-2016 Esta informação destina-se a que cidadãos SEGURANÇA SOCIAL Criança ou jovem O que é e quais as condições para ter direito O que é Prestação

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS

REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS REGULAMENTO DE APOIO A PROJETOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE BARCELOS Nota Justificativa Os Municípios enquanto Autarquias Locais têm por objetivo

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO

CÓDIGO DO IMPOSTO SOBRE O VALOR ACRESCENTADO Artigo 77.º Serviço de finanças competente 1 - Para efeitos do cumprimento das obrigações do presente diploma, considera-se serviço de finanças competente o da área fiscal onde o sujeito passivo tiver

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos Os rendimentos prediais em sede de IRS e os recibos de renda eletrónicos A reforma do IRS, aprovada pela Lei n.º 82-E/2014, de 31 de dezembro, instituiu no artigo 115.º do Código do IRS a obrigatoriedade

Leia mais

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 DL n.º 71/2013, de 30 de maio Teoria / Aplicações práticas Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel.

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO

ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO AOS ESTUDANTES DO ENSINO SUPERIOR PÚBLICO REGRAS E PROCEDIMENTOS TÉCNICOS PARA O CÁLCULO DE BOLSAS DE ESTUDO I. Atento o nº 1 do artigo 10º, o Rendimento anual do agregado

Leia mais

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 1.º - Resumo da necessidade de emissão de faturas: A ASSOCIAÇÃO: Pratica exclusivamente operações isentas de

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro

Fórum Reforma Tributária. Construir o Futuro Construir o Futuro 18 de Fevereiro de 2015 Agenda A Administração Geral Tributária Procedimento de inspecção fiscal e contencioso O Grande Contribuinte Imposto Industrial Imposto sobre os Rendimentos do

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA

FREGUESIA DESANTOANTÓNIO PROJETO DE REGULAMENTO DE BOLSAS DE ESTUDO REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA REGULAMENTO DE APOIO AO ALUNO DO ENSINO SUPERIOR NOTA JUSTIFICATIVA Considerando o quadro legal de competências e atribuições das autarquias locais estabelecido pela Lei n.º 169/99, de 18 de setembro,

Leia mais

NEWS TCC SROC Julho 2014

NEWS TCC SROC Julho 2014 Novidades Portal das Finanças - Certificação de Software Foi divulgado pelo despacho n.º 247/2014 de 30 Junho de 2014, a prorrogação para 1 de outubro de 2014 a obrigação de certificação de software de

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais

Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais Alterações ao regime das ações preferenciais e das obrigações no Código das Sociedades Comerciais SECÇÃO V Ações preferenciais sem direito de voto Artigo 341º Emissão e direitos dos acionistas 1 O contrato

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014

Smile. it`s a tax guide. Guia do IRS 2013. Fevereiro de 2014 Smile it`s a tax guide Guia do IRS 2013 Fevereiro de 2014 Índice Guia do IRS 2013 Smile it s a tax guide 3 Principais alterações em 2013 Residentes Não Habituais O ano de 2013 foi marcado pelo maior aumento

Leia mais

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA

PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA Município de Idanha-a-Nova Contribuinte 501 121 030 PROJETO de REGULAMENTO DE APOIOS SOCIAIS DO MUNICÍPIO DE IDANHA-A-NOVA A Câmara Municipal de Idanha-a-Nova, pretende implementar medidas de apoio social

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS

ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS PARTE I - Princípios gerais Artigo 1 - Âmbito de aplicação As disposições da parte I do presente Estatuto aplicam-se aos benefícios fiscais nele previstos, sendo extensivas

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais

Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais N.º 01 07 de Janeiro 2015 Lei do Orçamento do Estado para 2015 Principais medidas fiscais Na sequência da publicação da Lei do Orçamento do Estado para 2015 (OE 2015), preparámos um resumo das principais

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012

Fiscalidade em Tempo de Crise. Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Fiscalidade em Tempo de Crise Partilhamos a Experiência. Inovamos nas Soluções. Lisboa, 6 de Março de 2012 Síntese das alterações fiscais contidas na Lei do Orçamento do Estado para 2012 Fiscalidade em

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500

CONDIÇÕES GERAIS LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 LEVE PPR - 2.ª SÉRIE - G763500 ARTIGO PRELIMINAR Entre a Fidelidade - Companhia de Seguros, S.A., adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se

Leia mais

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa

NEWSLETTER Dezembro 2013. Dedutibilidade do imposto de. créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa NEWSLETTER Dezembro 2013 Dedutibilidade do imposto de créditos considerados incobráveis e dedutibilidade do imposto de créditos de cobrança duvidosa 2 Dedutibilidade imposto de créditos de cobrança duvidosa

Leia mais

Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Regulamento Geral de Taxas e Licenças Regulamento Geral de Taxas e Licenças União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) Janeiro/ 2014 Junta de Freguesia da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2012 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2012 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

NOVOS PRAZOS. Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura

NOVOS PRAZOS. Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura NOVOS PRAZOS Prazo para confirmação e comunicação pelo consumidor final de faturas no e-fatura Disponibilização pela AT do valor das despesas e encargos no Portal das Finanças Prazo de reclamação prévia

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros.

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros. N.º 02 8 de Janeiro 2014 Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais Na sequência da divulgação, no passado mês de Outubro, da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2014, foi

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS. Proposta de Lei n.º 175/XII. Exposição de Motivos Proposta de Lei n.º 175/XII Exposição de Motivos A reforma do Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Coletivas (IRC) é uma prioridade do Governo desde o início da legislatura. Esta reforma consta, desde

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013

OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 WORKSHOP NOVAS REGRAS DE FACTURAÇÃO OBRIGAÇÕES PARA DIA 1 DE JANEIRO DE 2013 Marco Rodrigues Servicontabil Serviços de Contabilidade e Informática, Lda Ricardo Rodrigues Espaço Digital Informática e Serviços,

Leia mais

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO

SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXPLICADO 3.ª EDIÇÃO SISTEMA DE NORMALIZAÇÃO CONTABILÍSTICA EXLICADO 3.ª EDIÇÃO ATUALIZAÇÃO III Decreto-Lei n.º 64/2013, de 13 de maio O Decreto-Lei n.º 64/2013, de 13 de maio procede à segunda alteração ao Decreto-Lei n.º

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Com as alterações introduzidas aos n.ºs 6 e 7 do art. 117 do CIRC 1, as obrigações

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash

16 Janeiro 2014. Reforma do IRC Especial Tax News Flash 16 Janeiro 2014 Reforma do IRC Especial Tax News Flash 2 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas (IRC) - Lei da Reforma do IRC Foi publicada a Lei n.º 2/2014, de 16 de Janeiro, que aprova a Reforma

Leia mais

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011 1 de 6 30-11-2010 12:02 Caso não consiga visualizar este email correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt

CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 2015. www.moneris.pt CALENDÁRIO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS 20 www.moneris.pt O grupo Moneris Como já é habitual, o grupo Moneris tem o prazer de lhe disponibilizar um completo Calendário Fiscal para o corrente ano, de fácil consulta,

Leia mais

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro

LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012. Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro LEI DO ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2012 Lei n.º 64-B/2011, de 30 de Dezembro Principais normas aplicáveis aos Municípios Este é um documento de trabalho que pretende agregar as principais normas aplicáveis

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

Seguro Social Voluntário

Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição de Regimes Editor: DGSS Conceção Gráfica: DGSS / Direção de Serviços de Instrumentos de Aplicação

Leia mais

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4

NEWSLETTER I FISCAL. NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014. I Legislação Nacional 2. II Instruções Administrativas 3. III Jurisprudência Europeia 4 NEWSLETTER I FISCAL NEWSLETTER FISCAL I Setembro, 2014 I Legislação Nacional 2 II Instruções Administrativas 3 III Jurisprudência Europeia 4 IV Jurisprudência Nacional 5 V Outras informações 6 NEWSLETTER

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA

Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Regime de Contabilidade de Caixa em Sede de IVA Legislação: Decreto-Lei n.º 71/2013 de 30 de Maio Data de entrada em vigência: 1 de Outubro de 2013 Aplicação: o regime de IVA de caixa aplica-se a todas

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

IVA transmissão de estabelecimento

IVA transmissão de estabelecimento IVA transmissão de estabelecimento É possível, ao abrigo do artigo 3.º, n.º 4 do CIVA transmitir um estabelecimento (isto é, todo o seu activo) de uma sociedade para um empresário em nome individual no

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013

Demonstrações Financeiras & Anexo. 31 Dezembro 2013 Demonstrações Financeiras & Anexo 31 Dezembro 2013 1 I. Demonstrações Financeiras individuais a) Balanço em 31 de Dezembro de 2013 e 2012 2 b) Demonstração dos resultados por naturezas dos exercícios findos

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade

DOCUMENTAÇÃO. Acção de Formação Fiscalidade DOCUMENTAÇÃO Acção de Formação Fiscalidade Painel Fiscalidade ENQUADRAMENTO FISCAL IRS IVA EBF IRC INCIDÊNCIA BASE DO IMPOSTO RENDIMENTOS ISENTOS DETERMINAÇÃO DA MATÉRIA COLECTÁVEL DETERMINAÇÃO DO RENDIMENTO

Leia mais

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO

PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PORTO SOLIDÁRIO FUNDO MUNICIPAL DE EMERGÊNCIA SOCIAL MUNICÍPIO DO PORTO REGULAMENTO PREÂMBULO Os vários serviços com intervenção na área social do universo da Câmara Municipal do Porto (de ora em diante

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social. Seguro Social Voluntário Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Seguro Social Voluntário Ficha Técnica Autor: (DGSS) - Divisão dos Instrumentos Informativos - Direção de Serviços da Definição

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016

Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Cálculo das contribuições Atualizado em: 12-02-2016 Esta informação destina-se a SEGURANÇA SOCIAL Empresa Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado: Em geral, pela aplicação de

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para aquisição, construção e obras para habitação própria, secundária ou arrendamento, crédito sinal, transferências; multisoluções com a

Leia mais

Sobretaxa extraordinária

Sobretaxa extraordinária Sobretaxa extraordinária Por Elsa Marvanejo da Costa Departamento de Consultoria da OTOC Atualizado em 30 11 2011 Nota: Agradece-se que coloque qualquer dúvida ou sugestão através da sua Pasta TOC ou para

Leia mais

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares

INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares BANCO DE PORTUGAL E U R O S I S T E M A INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção e regularização do incumprimento por clientes bancários particulares INCUMPRIMENTO DE CONTRATOS DE CRÉDITO Prevenção

Leia mais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais

As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais COELHO RIBEIRO E ASSOCIADOS SOCIEDADE CIVIL DE ADVOGADOS As alterações do OE 2015 e da Lei 82-E/2014 com impacto nas relações laborais CRA Coelho Ribeiro e Associados, SCARL Portugal Janeiro 2015 No passado

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime)

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime) Classificação: 020.01.10 Segurança: Processo: 2013 004333 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA DO IVA - GABINETE DO Of.Circulado N.º: 30150/2013 2013-08-30 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024)

Fundo de Investimento Imobiliário Aberto. ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão ES LOGISTICA Fundo de Investimento Imobiliário Aberto Fundo de Investimento Imobiliário Aberto ES LOGISTICA (CMVM nº 1024) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais