Orçamento do Estado Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Orçamento do Estado 2014. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2014."

Transcrição

1 Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado Audit Tax Advisory Consulting

2 Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares 3 Estatuto dos Benefícios Fiscais 4 Código Fiscal do Investimento 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado 5 Regime de Bens em Circulação 5 Imposto do Selo 6 Imposto Municipal sobre Imóveis 6 Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis 7 Segurança Social 7 Audit Tax Advisory Consulting 2

3 Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares Seguros de saúde em benefício dos colaboradores e seus familiares Deixam de ser tributáveis os seguros de saúde atribuídos pelas entidades patronais em favor da generalidade dos seus colaboradores e respetivos familiares. Resultado de partilha O montante dos resultados positivos distribuídos aos sócios em partilha passa a qualificar-se, em exclusivo, como rendimento de mais-valias, deixando de se verificar a eventual qualificação bipartida daquele montante entre rendimentos de aplicação de capitais e de mais-valias. Alocação dos dependentes ao agregado familiar dos progenitores nos casos de divórcio, separação judicial de pessoas e bens, declaração de nulidade ou anulação do casamento, quando as responsabilidades parentais são exercidas em comum É clarificado que os dependentes nestas circunstâncias integrarão o agregado do progenitor a que corresponder a residência definida na regulação de responsabilidades parentais, ou, se tal regulação for omissa quanto a este aspeto, o agregado do progenitor com o qual tenham identidade de domicílio fiscal no último dia do ano. Regime opcional de tributação para residentes noutros estados membros da UE ou do EEE Ampliação da aplicabilidade deste regime opcional de tributação a todas as categorias de rendimentos (antes abrangia apenas rendimentos das Categorias A, B e H). Clarificam-se as eventuais dúvidas existentes quanto ao conceito de taxa média constante da redação anterior deste artigo, considerando-se que a mesma corresponde à aplicação das taxas de IRS previstas no artigo 68º do CIRS de acordo com as regras previstas neste mesmo artigo. Prejuízos fiscais no âmbito da Categoria B Período de reporte de prejuízos fiscais no âmbito da Categoria B alargado para 12 anos ( novo período de reporte aplicável a prejuízos fiscais apurados em períodos de tributação iniciados em ou após 1 de janeiro de 2014). Regime simplificado de tributação Aumento, de para , do limiar de rendimentos anuais até ao qual é aplicável o denominado regime simplificado de tributação. Verifica-se a alteração dos coeficientes aplicáveis na determinação do rendimento tributável: Atividade 2014 Vendas 0,15 Prestação de serviços no âmbito da hotelaria, restauração e bebidas 0,15 Atividades profissionais artigo 151º CIRS 0,75 Rendimentos de capitais, prediais e incrementos patrimoniais imputáveis a atividades empresariais ou profissionais 0,95 Subsídios não destinados à exploração 0,30 Subsídios à exploração e restantes rendimentos da categoria B Tributações autónomas 0,10 Agravamento das taxas de tributação autónoma incidentes sobre os encargos com viaturas ligeiras de passageiros suportados por sujeitos passivos com contabilidade organizada da seguinte forma: Extinção da taxa reduzida de tributação autónoma de 5% incidente sobre os encargos relativos às denominadas viaturas ecológicas ; Encargos relativos a viaturas ligeiras de passageiros cujo custo de aquisição é superior a passam a estar sujeitos a tributação autónoma à taxa de 20% (antes 10%). Sobretaxa extraordinária Mantêm-se a aplicação em 2014 da sobretaxa extraordinária de IRS (3,5%). Certificação de formulários de modelo oficial para efeitos de acionamento de CDT e outros acordos internacionais É simplificado o acionamento de CDT s e outros acordos internacionais que permitem a redução da tributação em Portugal (redução total ou parcial das taxas de retenção na fonte aplicáveis) de rendimentos obtidos por sujeitos passivos não residentes. Na realidade, a certificação dos modelos oficiais pelas autoridades fiscais do país de residência do beneficiário dos rendimentos torna-se facultativa, bastando que os mesmos (desde que adequadamente preenchidos) sejam acompanhados por documento emitido pelas referidas autoridades a atestar a residência para efeitos fiscais do beneficiário e a sua sujeição a imposto no seu país de residência. Esta simplificação visa contemplar as dificuldades até aqui sentidas em obter a certificação dos aludidos formulários de modelo oficial por parte das autoridades fiscais de alguns países. Opção por taxa de retenção na fonte superior à aplicável quanto a rendimentos das Categorias A e H A aplicação de taxa de retenção na fonte superior à aplicável não pode exceder 45% (antes 40%). Audit Tax Advisory Consulting 3

4 Estatuto dos Benefícios Fiscais Regime Especial da Zona Franca da Madeira São abrangidas por este regime especial as entidades que se licenciem até 30 de junho de 2014 para o exercício das atividades previstas no presente regime especial. De referir que esta norma depende de aprovação pela Comissão Europeia. Prédios urbanos destinados à habitação Nos casos em que o pedido de isenção ocorrer fora do prazo ou se a afetação a residência própria e permanente ocorrer após o prazo legal, a isenção passa a iniciar-se a partir do ano da comunicação. Antes a isenção iniciava-se a partir do ano seguinte ao da verificação dos pressupostos. Fundos de investimento imobiliário, fundos de pensões e fundos de poupança-reforma É revogada a isenção de IMI e IMT aplicável aos prédios integrados nos fundos em apreço, passando o benefício a consistir na redução para metade das taxas de imposto aplicáveis. Reorganização de empresas em resultado de reestruturações Para a aplicação dos benefícios fiscais constantes deste regime nas operações de incorporação por uma sociedade de ramo(s) de atividade de outra sociedade deixa de ser necessário que a contrapartida sejam partes de capital da primeira e que as sociedades envolvidas desenvolvam a mesma atividade. É estabelecido que o requerimento a submeter à Autoridade Tributária pelos sujeitos passivos interessados na usufruição dos benefícios fiscais constantes do presente regime deve ser apresentado até à data de apresentação a registo dos atos necessários às operações de reestruturação ou dos acordos de cooperação ou, no caso de não haver lugar a registo, até à produção dos respetivos efeitos jurídicos. O reembolso dos impostos, nos casos em que as operações de reestruturação precedem o despacho do membro do governo responsável pela área das finanças, deve ser solicitado no prazo de 3 meses a contar da data da notificação do referido despacho. Antes o prazo para solicitar o reembolso era de 1 ano a contar do registo dos atos necessários às operações de reestruturação ou dos acordos de cooperação ou, no caso de não haver lugar a registo, até à produção dos respetivos efeitos jurídicos. Prédios situados nas áreas de localização empresarial (ALE) A isenção de IMT e IMI aplicável a imóveis situados nas ALE estende-se aos imóveis adquiridos / concluídos até 31 de dezembro de Benefício ao reinvestimento de lucros e reservar Este novo benefício fiscal ao investimento, aplicável às pequenas e médias empresas, consiste numa dedução, até 25% da coleta, de 10% do lucro retido reinvestido nos denominados ativos elegíveis, ou seja, ativos adquiridos em estado de novo que não sejam: Terrenos, salvo se destinados à exploração mineral, pedreiras, barreiros e areeiros em projetos de indústria extrativa; Edifícios não afetos à atividade produtiva / administrativa; Viaturas ligeiras de passageiros ou mistas, barcos de recreio e aeronaves de turismo; Artigos de conforto e decoração; Ativos afetos a atividades no âmbito de acordos de concessão ou de parceria público-privada celebrados com entidades do setor público. Autorização legislativa para revisão do regime fiscal dos organismos de investimento coletivo Fica o Governo autorizado a alterar o presente regime fiscal, previsto nos artigos 22º e seguintes do EBF, tendo em vista a sua modernização e maior competitividade internacional. Código Fiscal do Investimento SIFIDE II A aplicação deste benefício é prorrogada até O período de reporte das despesas que, por insuficiência de coleta, não possam ser deduzidas no exercício em que foram realizadas é prolongado por mais 2 anos (o período de reporte passa de 6 para 8 anos). Audit Tax Advisory Consulting 4

5 Imposto sobre o Valor Acrescentado Isenções incompletas Passam a estar isentas de IVA as prestações de serviços que consistam em proporcionar visitas a bibliotecas e arquivos. Clarifica-se que, para além da transmissão dos direitos de autor, também a transmissão dos direitos conexos está isenta deste imposto. Taxas As operações consideradas localizadas na Região Autónoma dos Açores passam a estar sujeitas às taxas de 5%, 10% e 18% (antes 4%, 9% e 16%). Dispensa da obrigação de emissão de fatura É dispensada a emissão de faturas a sujeitos passivos registados noutros estados membros da UE relativamente a serviços de natureza financeira e seguros). Prazo para a regularização de IVA em créditos em mora e incobráveis É estipulado um prazo especial de 2 anos para o exercício do direito à dedução de IVA liquidado quando o respetivo crédito esteja em mora (há mais de 6 meses e cujo valor não exceda 750 quando o devedor seja particular ou sujeito passivo isento sem direito à dedução) ou se considere incobrável. Dedução do imposto no âmbito do Regime de IVA de Caixa Estabelece, com caráter interpretativo, que o direito à dedução do IVA suportado por sujeitos passivos não abrangidos por este regime relativamente à aquisição de bens e serviços junto de sujeitos passivos por ele abrangidos nasce na data da emissão da respetiva fatura. Isenção nas vendas a exportadores nacionais Clarifica que a referida isenção abrange as vendas para todos os exportadores que sejam sujeitos passivos registados para efeitos de IVA em Portugal, ainda que sejam sujeitos passivos não residentes. Regime da renúncia à isenção em operações imobiliárias A possibilidade de renúncia à isenção de IVA na primeira transmissão / locação de imóveis após a realização de grandes obras de transformação tornase possível se destas resultar um incremento superior a 50% do respetivo valor patrimonial tributário (antes o incremento tinha que ser superior a 30%). Passa a considerar-se que os imóveis são afetos a uma atividade não tributada quando não sejam efetivamente utilizados na realização de operações tributadas por um período igual ou superior a 5 anos consecutivos (antes este prazo era superior ou igual a 3 anos). Autorização legislativa no âmbito da localização das prestações de serviços de telecomunicações, serviços de radiodifusão ou televisão e serviços por via eletrónica O Governo fica autorizado a transpor para a lei interna, com vista à sua entrada em vigor em 1 de janeiro de 2015, o teor do artigo 5º da Diretiva nº 2008/8/CE, do Conselho, de 12 de Fevereiro, estabelecendo o seguinte: Os serviços em apreço prestados a não sujeitos passivos localizam-se no lugar onde estes últimos estão estabelecidos, domiciliados ou têm residência habitual; Não tributar os serviços desta natureza prestados a pessoas nacionais se a utilização / exploração efetiva ocorrer fora da UE; Tributar os serviços desta natureza prestados a pessoas sem residência na UE quando a sua utilização / exploração efetiva ocorra no nosso território. Autorização legislativa relativa à aprovação de sorteio para faturas emitidas e comunicadas à AT O Governo fica autorizado a aprovar um regime que institua e regulamente a elaboração de um sorteio específico para a atribuição de um prémio às pessoas singulares com um NIF associado a uma fatura comunicada à AT. Regime de Bens em Circulação Alargamento do âmbito dos bens excluídos da aplicação do RBC Passam a estar excluídos deste regime: Bens de produtores de aquicultura e os bens que manifestamente se destinem à produção agrícola, apícula, silvícola, aquacultura e pecuária; Bens legalmente equiparados a resíduos sólidos urbanos; Resíduos hospitalares; Bens destinados aos utentes das IPSS ou outras entidades no âmbito de acordos com a Segurança Social; Audit Tax Advisory Consulting 5

6 Bens recolhidos em campanhas solidárias por entidades não lucrativas; Bens relacionados com a atividade empresarial local ou do Estado no âmbito da gestão de sistemas de abastecimento de água, saneamento ou resíduos urbanos. Processamento global de documentos de transporte Passam a ser processados globalmente os documentos de transporte relativos a bens cujo destino não seja conhecido na altura do início do transporte. Passa a prever-se que as folhas de obra relativas ao consumo de bens incorporados em serviços prestados devem ser processadas nos mesmos termos previstos no RBC para os documentos de transporte. Processamento de documentos de transporte por terceiros agindo em nome do remetente dos bens Esta possibilidade passa a estar prevista, desde que exista acordo prévio entre as partes antes da entrada em circulação dos bens. Os documentos de transporte passam também a poder ser processados por sujeitos passivos prestadores de serviço cujo objeto sejam os bens transportados. Imposto do Selo Isenção nos financiamentos de curto prazo A Isenção de Imposto do Selo nos financiamentos de curto prazo ( para cobrir carências de tesouraria ) que até aqui beneficiava o caso particular dos financiamentos entre SGPS e as suas participadas, torna-se aplicável aos financiamentos da mesma natureza concedidos pela generalidade das sociedades em favor das suas participadas desde que a percentagem de participação seja no mínimo 10% ou cujo custo de aquisição não seja inferior a Os financiamentos desta natureza contratados entre sociedades que se encontrem numa relação de domínio ou de grupo passam igualmente a beneficiar desta isenção. Operações de financiamento em que intervêm sociedades residentes em território com regime fiscal privilegiado A isenção de Imposto do Selo aplicável às operações financeiras realizadas nas condições previstas no artigo 7º deixa de abranger aquelas operações em que intervêm entidades sedeadas em territórios com regime fiscal privilegiado. Até aqui esta limitação estava prevista apenas para os financiamentos com caraterísticas de suprimentos em que o sócio era entidade residente em território com regime fiscal privilegiado. Declaração de operações e atos isentos de Imposto do Selo Passam a dever ser anualmente declaradas pelos sujeitos passivos as operações ou atos isentos deste imposto, tal como já acontecia com o Imposto de Selo liquidado. Imposto do Selo em imóveis com VPT superior a Esta verba passa a abranger, para além dos prédios habitacionais, os terrenos para construção cuja edificação, autorizada ou prevista, seja para habitação. Incentivos fiscais ao financiamento Isenção de Imposto do Selo nas garantias a favor do Estado constituídas em 2014 no âmbito dos processos de regularização de dívidas fiscais. Autorização legislativa no âmbito do Imposto do Selo O Governo fica autorizado a criar um imposto sobre a generalidade das transações financeiras que tenham lugar em mercado secundário. Imposto Municipal sobre Imóveis Prédios rústicos O conceito de prédio rústico passa a abranger os edifícios diretamente afetos à produção de rendimentos agropecuários (antes estavam previstos rendimentos agrícolas). Entidades públicas isentas Estabelece-se que dos serviços, estabelecimentos e organismos do Estado que tenham caráter empresarial, apenas beneficiam de isenção de IMI os hospitais, unidades hospitalares e unidades de saúde Audit Tax Advisory Consulting 6

7 constituídos em entidades públicas empresariais e apenas quanto aos imóveis nos quais sejam prestados serviços de saúde. Taxas São revogadas as taxas de IMI (0,5% a 0,8%) relativas a prédios urbanos não avaliados nos termos do Código do IMI. Reclamação de matrizes A contagem do prazo de três anos para a formulação da reclamação de VPT considerado desatualizado passa a iniciar-se com a data do pedido, da promoção oficiosa da inscrição ou da atualização do prédio na matriz. Antes essa contagem iniciava-se na data de encerramento da matriz. Imposto Municipal sobre as Transmissões Onerosas de Imóveis Pedido de liquidação nos casos de caducidade de isenção O pedido de liquidação do IMT, no caso de caducidade da isenção ou da redução de taxas, passa a ser entregue no serviço de finanças onde foi apresentada a declaração Modelo 1 de IMT ou, na ausência desta declaração, no serviço de finanças da área de localização do imóvel. Segurança Social Conceito de regularidade O conceito de regularizada passa a estar associado a um fator temporal objetivo, ou seja, passa a considerar-se regular a concessão de uma remuneração de determinada natureza com frequência igual ou inferior a cinco anos. Base de incidência contributiva dos MOE É revogado o teto máximo da base de incidência contributiva dos MOE até aqui existente (o qual ascendia a 12 vezes o valor do IAS). Por sua vez, o limite mínimo (de 1 vez o valor do IAS) nos casos em que o MOE seja pensionista e o valor da base de incidência considerado para efeitos do outro regime de proteção social ou pensão seja, no mínimo, igual àquele limite. Trabalhadores excluídos do Regime dos trabalhadores independentes Os titulares de direitos sobre explorações agrícolas cuja produção se destine predominantemente ao consumo próprio apenas ficam excluídas do presente regime se os rendimentos não ultrapassem anualmente o montante de 4 vezes o valor do IAS. Por sua vez, os agricultores que recebam subsídios ou subvenções no âmbito da PAC de montante anual inferior ao supra aludido montante anual e não aufiram quaisquer outros rendimentos enquadráveis no conceito de trabalho independente ficam excluídos deste regime. Igualmente excluídos são os titulares de rendimentos da Categoria B derivados da produção de eletricidade através de unidades de microprodução quando os mesmos sejam excluídos de tributação em sede de IRS. Conceito de Entidade contratante A qualidade de entidade contratante é relevante apenas para os trabalhadores independentes sujeitos a contribuição e aufiram um rendimento anual no mínimo igual a 6 vezes o IAS. Isenção da obrigação de contribuir por trabalhadores independentes Tornam-se isentos os contribuintes relativamente aos quais se tenha verificado a obrigação de pagamento de contribuições pelo período de um ano resultante de rendimento relevante igual ou inferior a 6 vezes o valor do IAS. Escolha da base de incidência contributiva por trabalhadores independentes Para efeitos da determinação da sua base de incidência, os trabalhadores independentes passam a poder requerer a aplicação de um dos dois escalões imediatamente inferiores ou superiores àquele em que sejam enquadrados. Os pedidos de alteração da base de incidência aplicada poderão ser realizados em fevereiro e junho de cada ano e produzem efeitos a partir do mês seguinte. Audit Tax Advisory Consulting Crowe Horwath Portugal is a member of Crowe Horwath International, a Swiss verein (Crowe Horwath). Each member firm of Crowe Horwath is a separate and independent legal entity. Crowe Horwath Portugal and its affiliates are not responsible or liable for any acts or omissions of Crowe Horwath or any other member of Crowe Horwath and specifically disclaim any and all responsibility or liability for acts or omissions of Crowe Horwath or any other Crowe Horwath member. 7

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado.

Anteprojeto da Reforma do IRS. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Conheça as principais propostas do Anteprojeto da Reforma do IRS recentemente publicado. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice A. Principais medidas no âmbito da Simplificação 3 B. Principais

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014. Lei do Orçamento de Estado para 2014

NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014. Lei do Orçamento de Estado para 2014 NEWSLETTER FISCAL LOE Janeiro 2014 Lei do Orçamento de Estado para 2014 1. Introdução No dia 31 de Dezembro de 2013, foi publicada a Lei nº 83-C/2013, que aprova o Orçamento de Estado para 2014. Neste

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Orçamento do Estado 2013. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2013.

Orçamento do Estado 2013. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2013. Conheça as principais alterações de natureza fiscal introduzidas pela Lei do Orçamento do Estado 2013. Audit Tax Advisory Consulting www.crowehorwath.pt Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS

CONTALIVRE CONTABILIDADE, AUDITORIA E GESTÃO DE EMPRESAS,LDA CIRCULAR Nº 1/2014 IRS CIRCULAR Nº 1/2014 Com a aprovação do orçamento do estado para o ano de 2014 publicado pela lei nº 83-C/2013 de 31/12, o governo introduziu várias alterações legislativas significativas em matérias fiscais

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros.

Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais. estabelecimento estável neste território, entre outros. N.º 02 8 de Janeiro 2014 Lei do Orçamento do Estado para 2014 Principais medidas fiscais Na sequência da divulgação, no passado mês de Outubro, da Proposta de Lei do Orçamento do Estado para 2014, foi

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 )

Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Associação Portuguesa dos Comerciantes de Materiais de Construção Lei 83-C/2013 ( OE 2014 ) Notas sobre alterações ocorridas ao nível do: Imposto SELO IUC, IMI e IMT LGT, CPPT e RGIT Porto 25 março 2014

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash

31 Dezembro 2013. OE 2014 Especial Tax News Flash 31 Dezembro 2013 OE 2014 Especial Tax News Flash Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 7 Imposto do Selo 9 Impostos Especiais de Consumo

Leia mais

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013

Proposta de Orçamento do Estado 2014. Proposta de Reforma em sede de IRC. Novembro de 2013 Proposta de Orçamento do Estado 2014 e Proposta de Reforma em sede de IRC Novembro de 2013 ORÇAMENTO ESTADO 2013 Proposta de Lei ÍNDICE Imposto sobre o Rendimentos das Pessoas Singulares IRS 4 Segurança

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC.

É um sistema específico de incentivos fiscais ao investimento realizado pelo sujeito passivo de IRC. O presente resumo não dispensa a consulta dos respectivos diplomas legais, referentes a cada um dos programas. A sua leitura e análise é essencial para o devido enquadramento de cada caso específico. RFAI

Leia mais

Contributos para compreender e utilizar a. Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR)

Contributos para compreender e utilizar a. Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR) Contributos para compreender e utilizar a Dedução por Lucros Retidos e Reinvestidos (DLRR) A Lei n.º 83-C/2013, de 31 de dezembro (Orçamento do Estado para 2014), aprovou um novo benefício fiscal ao reinvestimento

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015

NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 NEWSLETTER FISCAL Janeiro 2015 Lei do Orçamento de Estado para 2015, Reforma da Tributação das Pessoas Singulares, Reforma da Fiscalidade Verde e Outras Alterações Legislativas Relevantes 1. Introdução

Leia mais

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS

INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DA DECLARAÇÃO MODELO 10 RENDIMENTOS E RETENÇÕES DE SUJEITOS PASSIVOS RESIDENTES INDICAÇÕES GERAIS A declaração modelo 10 destina-se a declarar os rendimentos sujeitos a imposto,

Leia mais

Novo Código Contributivo da Segurança Social

Novo Código Contributivo da Segurança Social Novo Código Contributivo da Segurança Social O Código Contributivo para a Segurança Social, aprovado através da Lei n.º 110/2009, de 16 de Setembro tem a sua entrada em vigor agendada para 1 de Janeiro

Leia mais

Benefícios Fiscais. Mariana Gouveia de Oliveira

Benefícios Fiscais. Mariana Gouveia de Oliveira Benefícios Fiscais Mariana Gouveia de Oliveira Índice Código Fiscal do Investimento Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo RFAI -Regime fiscal de apoio ao investimento SIFIDE II - Sistema

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença

30 Novembro 2012. Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença 30 Novembro 2012 Especial Tax News Flash - OE 2013 Medidas que fazem diferença Índice Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares (IRS) 4 Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) 5 Imposto do selo

Leia mais

Impostos & Contribuições

Impostos & Contribuições Impostos & Contribuições Principais alterações que resultam da aprovação do Orçamento de Estado para 2014: 1. IRS (Imposto sobre Rendimento das Pessoas Singulares) 1.1 Seguros de saúde ou de doença Caso

Leia mais

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos

Os rendimentos prediais em sede de IRS e. os recibos de renda eletrónicos Os rendimentos prediais em sede de IRS e os recibos de renda eletrónicos A reforma do IRS, aprovada pela Lei n.º 82-E/2014, de 31 de dezembro, instituiu no artigo 115.º do Código do IRS a obrigatoriedade

Leia mais

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa

Novas medidas e benefícios fiscais para 2014. Abílio Sousa Novas medidas e benefícios fiscais para 2014 Abílio Sousa Programa Vetores essenciais das medidas de natureza fiscal constantes da lei do OE 2014 DLRR um novo benefício fiscal para PME A reforma do IRC

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

N OVO C Ó D IGO FISCAL DO INVESTIMENTO

N OVO C Ó D IGO FISCAL DO INVESTIMENTO N OVO C Ó D IGO FISCAL DO INVESTIMENTO AUDITORIA IMPOS T O S CONSULTORIA O Decreto-Lei nº 162/2014, de 31.10, aprovou um novo Código Fiscal do Investimento (CFI) e revogou o Decreto-Lei n.º 249/2009, de

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO

PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 02 ÁREA DA SEDE, DIREÇÃO EFETIVA OU ESTAB. ESTÁVEL IDENTIFICAÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DO SUJEITO PASSIVO TIPO DE SUJEITO PASSIVO MODELO EM VIGOR A PARTIR DE JANEIRO DE 2014 03 1 DESIGNAÇÃO R. P. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS AUTORIDADE TRIBUTÁRIA E ADUANEIRA DECLARAÇÃO D E RENDIMENTOS 01 PERÍODO DE TRIBUTAÇÃO 1 2 De / / a / / 02 ÁREA

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

Nota introdutória. Glossário

Nota introdutória. Glossário Nota introdutória Este documento propõe-se ser uma ferramenta com instruções e informação, que permitam aos beneficiários, conhecer os encargos que foram apurados para a declaração de IRS, no seguimento

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS

Tribunal de Contas ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS ANEXO II LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS LEGISLAÇÃO SOBRE BENEFÍCIOS FISCAIS I COM IMPLICAÇÕES NA RECEITA ESTADUAL A) No âmbito dos impostos directos a. 1) Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P GUIA PRÁTICO INSCRIÇÃO/ALTERAÇÃO MEMBROS ÓRGÃOS ESTATUTÁRIOS INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P FICHA TÈCNICA TÍTULO Guia Prático - Inscrição/Alteração Membros dos Órgãos Estatutários (MOE) (1008 V5.13)

Leia mais

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo

Benefícios Fiscais. Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo Benefícios Fiscais Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Condições de Acesso dos Beneficiários... 2 3 Condições de

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social

Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social Código dos Regimes Contributivos do Sistema Previdencial de Segurança Social 2012 3ª Edição Actualização nº 1 CÓDIGO DOS REGIMES CONTRIBUTIVOS DO SISTEMA PREVIDENCIAL DE SEGURANÇA SOCIAL Actualização nº

Leia mais

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE

ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE 1 Óscar Veloso Janeiro 2015 2 ORÇAMENTO DE ESTADO PARA 2015 FISCALIDADE VERDE 1 3 Ao nível do IRS, mantém-se a sobretaxa do IRS em 3,5%. No entanto é criado no entanto

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 23º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 23º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 23º Pessoa coletiva de utilidade pública, sem fins lucrativos - Métodos de dedução relativa a bens de utilização mista Processo: nº 2975, despacho do SDG

Leia mais

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 1.º - Resumo da necessidade de emissão de faturas: A ASSOCIAÇÃO: Pratica exclusivamente operações isentas de

Leia mais

PSZ CONSULTING Dez 2014

PSZ CONSULTING Dez 2014 Incentivos Fiscais PSZ CONSULTING Dez 2014 Índice Índice... 1 1 Introdução... 3 2 RFAI... 3 2.1 O Que é?... 3 2.2 Beneficiários... 3 2.3 Condições de Acesso... 4 2.4 Despesas Elegíveis... 4 2.5 Taxas de

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 16º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 16º Subsídios e subvenções Processo: nº 3141, despacho do SDG dos Impostos, substituto legal do Director - Geral, em 2012-05-28. Conteúdo: Tendo por referência

Leia mais

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas

INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013. Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas INFORMAÇÃO TÉCNICA N.º 28/2013 Retenções na fonte a rendimentos obtidos por não residentes Lei n.º 55/2013, de 08.08, e obrigações declarativas A presente informação técnica substitui a informação 27/2008,

Leia mais

Reforma do IRC e OE 2014

Reforma do IRC e OE 2014 Fevereiro 2014 Audit Tax Outsourcing Consulting Corporate Finance Information Systems An independent member of Baker Tilly International Payroll IRS e Segurança Social Ameaças Conceito de regularidade

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos

OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos OTOC - Exame de Avaliação Profissional Conteúdos Programáticos Contabilidade Geral 1. Fundamentos da Contabilidade Financeira 1.1. A contabilidade financeira 1.1.1. Objeto e divisões da Contabilidade 1.1.2.

Leia mais

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015

NEWSLETTER FISCAL Nº 58 Novembro 2015 Nº 58 Novembro 2015 IRC Informação Vinculativa Despacho de 17 de abril 1 Processo 750/2015 Tributação autónoma dos encargos com viaturas ligeiras de mercadorias referidas na alínea b) do n.º 1 do artigo

Leia mais

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014

Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares. Seminário Inovações Fiscais 2014 Estatuto dos Benefícios Fiscais Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IMI Prédios para habitação própria e permanente Momento da contagem do período de isenção. Quando o pedido é apresentado

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013

Orçamento do Estado para 2013 Orçamento do Estado para 2013 (versão aprovada na AR) Orçamento do Estado para 2013 O Orçamento do Estado para 2013 já aprovado na Assembleia da República integra um conjunto de medidas fiscais que a seguir

Leia mais

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento

RFAI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento RFAI Regime Fiscal de Apoio ao Investimento PORTAL DOS INCENTIVOS Dez 2014 Índice Índice... 1 1 O Que é?... 2 2 Beneficiários... 2 3 Condições de Acesso... 2 4 Despesas Elegíveis... 3 5 Taxas de Apoio...

Leia mais

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6

ÍNDICE. IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares... 6 Principais Medidas Fiscais Com Incidência na Actividade Empresarial Lei nº 32-B/32, de 30 de Dezembro de 2002 ÍNDICE IRC - Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas... 3. IRS - Imposto sobre o

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011

Fwd: Principais Medidas da Proposta para o OE 2011 1 de 6 30-11-2010 12:02 Caso não consiga visualizar este email correctamente, por favor clique aqui Nota semanal dos diplomas legais e outros documentos publicados com implicações na área da fiscalidade

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da

g ~ autoridade tributária e aduaneira A Portaria n 421/2012, de 21 de dezembro, aprovou os novos modelos de impressos da Classificação: 000.05.02 Seg.: Pública Proc.: 20 12/9664 Of.Circulado N.' : 20 163 2013-01-30 Entrada Geral: N.' ldentificação Fiscal (NIF): Sua Ref.-: Técnico: MGN Exmos. Senhores Subdiretores-Gerais

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS

Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Comentários da AIP-CCI ao Anteprojeto da Reforma do IRS Globalmente, a Associação Industrial Portuguesa Câmara de Comércio e Indústria (AIP-CCI) considera positivo o Anteprojeto de Reforma do IRS efetuado

Leia mais

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS. novembro de 2013 Nº8/2013

BOLETIM FISCAL 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS. novembro de 2013 Nº8/2013 ÍNDICE 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 2. TEMAS COMUNITÁRIOS 3. TEMAS DE DIREITO 1. LEGISLAÇÃO NACIONAL 1.1 Aviso n.º 102/2013, de 1 de novembro Torna público terem sido cumpridas as formalidades constitucionais

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12

Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12 Orçamento do Estado para 2013 Lei n.º 66-B/2012, de 31/12 Síntese das Principais Medidas Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Singulares IRS Subsídio de Refeição A exclusão de tributação aplicável ao

Leia mais

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International

SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 2011 Crowe Horwath International SEMINÁRIO CROWE HORWATH ORÇAMENTO DO ESTADO PARA 2011 (IRC) 1 IRC 2 Eliminação da Dupla Tributação Económica dos Lucros Distribuídos Na sociedade detentora Eliminação da Dupla Tributação nos Lucros auferidos

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO

TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO Antas da Cunha LAW FIRM TRATAMENTO FISCAL DE PARTILHA POR DIVÓRCIO I) MAIS-VALIAS A mais-valia consiste na diferença entre o valor de aquisição (que pode ser gratuita ou onerosa) e o valor de realização

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO A INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL E DEMAIS ORGANIZAÇÕES SEM FINS LUCRATIVOS DO CONCELHO DE PINHEL Junho 2013 PREÂMBULO Considerando o quadro legal de atribuições

Leia mais

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro

Nota informativa. Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo. Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Nota informativa Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de Janeiro Novo Regime Fiscal dos Organismos de Investimento Colectivo Decreto-Lei n.º 7/2015,

Leia mais

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio

Versão Consolidada. Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio Portaria n.º 482/2009, de 6 de Maio O Regulamento (CE) n.º 1698/2005, do Conselho, de 20 de Setembro, relativo ao apoio ao desenvolvimento rural pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural (FEADER),

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas

AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS. Reforçar a Competitividade das Empresas AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DE OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE OUTUBRO 2015 Dia 12: IVA: Envio da declaração mensal referente ao mês de agosto 2015 e anexos. IVA: Pagamento do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA), a

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º.

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: RITI - CIVA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. Operações Triangulares Falsas Triangulares Localização de operações Aquisições Intracomunitárias

Leia mais

Regulamento e Tabela de Taxas

Regulamento e Tabela de Taxas 2011 Regulamento e Tabela de Taxas C O L A R E S Junta de Freguesia 22-11-2011 Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças da Junta de Freguesia de Colares Nota Justificativa Com a publicação da Lei

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Novembro de 2015 DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 02 IUC Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC), relativo aos veículos cujo aniversário da

Leia mais

NOVIDADES E LEMBRANÇAS

NOVIDADES E LEMBRANÇAS NOVIDADES E LEMBRANÇAS Síntese de diversas matérias fiscais de maior relevo ocorridas na 1.ª quinzena de Novembro de 2013 1 2 1 - Regime de renovação extraordinária dos contratos de trabalho: - Lei n.º

Leia mais

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar

Fiscalidade em Portugal. Um primeiro olhar Fiscalidade em Portugal Um primeiro olhar ÍNDICE 01 IMPOSTOS PORTUGUESES A perspectiva global 02 TRIBUTAÇÃO DO RENDIMENTO Principais regras e taxas 03 TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO Principais regras e taxas

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado

Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Relatório de Gestão AS ALTA VISTA - Fundo de Investimento Imobiliário Fechado Fundo de Investimento Imobiliário Fechado ES ALTA VISTA (CMVM nº 912) Relatório de Gestão Dezembro de 2008 ESAF Fundos de Investimento

Leia mais

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013

Regime de IVA de caixa DL n.º 71/2013, de 30 de maio. Teoria / Aplicações práticas. Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 DL n.º 71/2013, de 30 de maio Teoria / Aplicações práticas Formação: Departamento técnico Carcavelos,11 de setembro de 2013 SEDE AVª General Eduardo Galhardo, Edificio Nucase, 115 2775-564 Carcavelos tel.

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Regulamento Geral de Taxas e Licenças Regulamento Geral de Taxas e Licenças União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) Janeiro/ 2014 Junta de Freguesia da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC

ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC ADAPTAÇÃO DAS REGRAS DO IRC ÀS NIC V Conferência Internacional OTOC/IDEFF/Direcção - Geral dos Impostos 8 e 9 de Outubro de 2010 Apresentado por: José Vieira dos Reis 1 1. Normalização Contabilística 2.

Leia mais

Que percentagem de IVA?

Que percentagem de IVA? TOC 100 - Julho 2008 Que percentagem de IVA? Tendo três facturas de Março de 2008 sido anuladas por nota de crédito (erro de facturação da unidade, estando o valor correcto) e, substituídas por nota de

Leia mais

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER:

Norma de Pagamentos. A presente norma de pagamentos aplica-se aos projetos aprovados ao abrigo dos seguintes Subsistemas do SIDER: Norma de Pagamentos Nos termos do previsto nos Contratos de Concessão de Incentivos estabelece-se a norma de pagamentos aplicável ao Sistema de Incentivos para o Desenvolvimento Regional dos Açores (SIDER):

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13

JORNAL OFICIAL. Sumário REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA. Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016. Série. Número 13 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA JORNAL OFICIAL Quarta-feira, 20 de janeiro de 2016 Série Sumário PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Decreto Regulamentar Regional n.º 1-A/2016/M Regula a atribuição de um subsídio

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto

TEXTO ATUALIZADO. Artigo 1.º Objeto Diploma: Portaria n.º 204-B/2013, de 18 de junho Sumário: Cria a medida Estágios Emprego Alterações: Portaria n.º 375/2013, de 27 de dezembro, altera o artigo 3.º e as alíneas a), b) e c) do n.º 1 do artigo

Leia mais