IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica"

Transcrição

1 IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica

2 Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património cultural e os imóveis classificados de interesse público ou municipal. Prédios objeto de reabilitação urbanística definido como tal definidas no Regime jurídico da Urbanização e Edificação sendo a reabilitação seja certificada pelo IHRH (Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana) ou pela Câmara Municipal. Prédios construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título oneroso, cujo valor não exceda , destinados a arrendamento para habitação. Tem carácter automático, operando mediante comunicação da classificação Concedida pelo chefe do serviço de finanças com o reconhecimento da Câmara Municipal após a conclusão das obras e a emissão da certificação urbanística e da certificação energética Concedida pelo chefe do serviço de finanças mediante requerimento a apresentar pelo sujeito passivo nos 60 dias seguintes à aquisição conclusão da construção ou das obras Permanente 3 anos a contar da emissão da licença camarária 3 anos a contar da data da celebração do primeiro contrato de arrendamento

3 Imóveis situados nas áreas de localização empresarial (ALE), adquiridos ou construídos pelas sociedades gestoras e pelas empresas que neles se instalarem. A isenção está dependente do reconhecimento de interesse municipal pelo órgão competente; Aplicável apenas aos imóveis adquiridos ou construídos em Aquisição de prédio integrado em empreendimento a que tenha sido atribuída a utilidade turística Prédios afetos ao turismo de habitação Prédios urbanos afetos exclusivamente a parques de estacionamento subterrâneos públicos de utilidade municipal Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área da situação dos prédios mediante apresentação de requerimento apresentado 90 dias contados da aquisição ou conclusão das obras, acompanhado do reconhecimento e, se necessário, da autorização Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área do prédio, mediante apresentação de requerimento pelo sujeito passivo no prazo de 60 dias contados da publicação do despacho de atribuição de utilidade turística pela entidade competente Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área do prédio, mediante apresentação de requerimento pelo sujeito passivo no prazo de 60 dias contados do termo das obras Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área da situação do prédio mediante apresentação de requerimento no prazo de 90 dias a contar da data de conclusão das obras 10 anos 7 anos a partir dotermo das respetivas obras 7 anos a contar do termo das obras 25 anos As entidades licenciadas para operar nas zonas francas da Madeira e Santa Maria, exceto quando exerçam atividades de intermediação financeira, de seguros, auxiliares destas atividades, e do tipo de «serviços intragrupo». Reconhecimento pelo DiretorGeral da Autoridade Tributária e Aduaneira Permanente (%) Prédios utilizados no âmbito de um projeto de investimento em unidade produtiva realizado até 31 de Dezembro de 2020, de montante igual ou superior a ,00 EUR, relevante para o desenvolvimento de sectores considerados de interesse estratégico para a economia nacional e para a redução das assimetrias regionais, que induzam à criação de postos de trabalho e que contribuam para impulsionar a inovação tecnológica e a investigação científica podem beneficiar de Isenção ou redução de IMI. Regime Fiscal de Apoio ao Investimento (RFAI) Reconhecidos no contrato Variável mas com período de vigência máxima de 10 anos Os prédios para arrendamento para habitação permanente integrados na carteira de fundos de investimento imobiliário para arrendamento habitacional Os estabelecimentos de ensino particular integrados no sistema educativo, quanto aos prédios e parte de prédios destinados diretamente à realização dos seus fins Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área da situação do prédio mediante apresentação de requerimento no prazo de 60 dias Reconhecimento pelo chefe do serviço de finanças da área da situação do prédio mediante apresentação de requerimento no prazo de 60 dias Permanente Permanente

4 A partir de quando se tem de pagar IMI Avaliação de Imóveis

5 Aa + 0,3 Ab Caj 100 1,00 > ,90 > ,85 > ,80 Aa + 0,3 Ab Caj 400 1,00 > ,90 > ,85 > ,80 Aa + 0,3 Ab Caj 100 1,00 > ,90 > ,85 > ,80

6 Utilização Coeficientes Comércio 1,20 Serviços 1,10 Habitação 1,00 Habitação social sujeita a regime de custos controlados 0,70 Armazéns e atividade industrial 0,60 Comércio e serviços em construção tipo industrial 0,80 Estacionamento coberto e fechado 0,40 Estacionamento coberto e não fechado 0,15 Estacionamento não coberto 0,08 Prédios não licenciados, em condições muito deficientes de habitabilidade 0,45 Arrecadações e arrumos 0,35

7 Utilização Coeficientes de vetustez Menos de 2 1 De 2 a 8 0,90 De 9 a 15 0,85 De 16 a 25 0,80 De 26 a 40 0,75 De 41 a 50 0,65 De 51 a 60 0,55 Mais de 60 0,40

8

9 Atualização dos prédios Taxas Prédio Taxa Prédios rústicos 0,8% Prédios urbanos 0,3% a 0,5% Prédios com parte rústica e urbana Aplica-se a respetiva taxa ao VPT correspondente a cada parte Prédios rústicos e prédios urbanos que se encontrem devolutos há mais de 1 ano As taxas são elevadas ao triplo Prédio de pessoa coletiva que tenha domicílio fiscal em país, território ou região sujeita a regime fiscal claramente mais favorável, constante da lista aprovada pelo Governo 7,5% Reclamações das Matrizes

10 Liquidação e Pagamento Incide sobre que situações? IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE TRANSAÇÕES DE IMÓVEIS O que é

11 Quem tem de pagar? Isenções Isenções Aquisições de prédios individualmente classificados como de interesse nacional, público ou municipal As constantes de acordo celebrado entre o Estado e pessoas de direito público ou privado Aquisição de prédios para revenda desde que se encontre coletado para essa atividade em IRS, mediante certidão emitida pelo serviço de finanças, devendo constar da certidão se, no ano anterior, foi adquirido para revenda ou revendido algum prédio adquirido para esse fim. A aquisição de prédios urbanos destinados a reabilitação urbanística, desde que o adquirente inicie as obras no prazo de 3anos contados da aquisição. Tipo de isenção Reconhecimento automático competindo a sua verificação ao serviço de finanças onde for apresentada declaração Mod 1 - IMT. Reconhecimento no acordo Reconhecimento automáticocompetindo a sua verificação ao serviço de finanças onde for apresentada declaração Mod 1 - IMT. Reconhecimento pelo Serviço de Finanças após o reconhecimento pela câmara municipal da área da situação do prédio uma vez concluídas as obras e a emissão da certificação urbanística e da certificação energética

12 Aquisição de imóveis por instituições de crédito ou por sociedadescomerciais cujo capital seja direta ou indiretamente poraqueles dominado, em processo de execução movido por estasinstituições ou por outro credor, bem como as efetuadas emprocesso de falência ou insolvência e ainda as que derivem deatos de dação em cumprimento, desde que, em qualquer doscasos, se destinem à realização de créditos resultantes de empréstimosfeitos ou de fianças prestadas. A isenção também seaplica às aquisições de prédios que derivem de atos de dação emcumprimento, sendo que não se tratando de prédios urbanosexclusivamentedestinados a habitação terá que ter decorrido maisde 1 ano entre a primeira falta de pagamento e o recurso à daçãoem cumprimento e o credor e devedor não podem ser entidades Reconhecimento prévio, por despacho do Ministro das Finanças sobre informação e parecer da Autoridade Tributária e Aduaneira, desde que o valor que serviria de base à liquidação do IMT, caso este fosse devido, seja superior a Relacionadas. Já nas aquisições por sociedades dominadas, só haveráisenção quando as aquisições resultem da cessão do crédito ouda fiança efetuada pelas instituições de crédito àquelas sociedades,bem como que estas sociedades sejam qualificadas comoinstituições de crédito ou como sociedades financeiras. Aquisições de prédio urbano ou de fração autónoma de prédiourbano, destinado exclusivamente à habitação própria e permanente,em que o valor que serviria de base à liquidação não sejasuperior a Deixa de se beneficiar da referida isenção,bem como das taxas reduzidas,se ao imóvel vier a ser dado um destino diferente, no prazo de 6anos a contar da aquisição, salvo no caso de venda, ou se o imóvelnão for afeto à habitação própria e permanente no prazo de6 meses a contar da data da aquisição. Aquisição de imóveis no âmbito de um projeto de investimento em unidade produtiva relevante para o desenvolvimento de setores considerados de interesse estratégico para a economia nacional e para a redução das assimetrias regionais, que induzam à criação de postos de trabalho e que contribuam para impulsionar a inovação tecnológica e a investigação científica. As transmissões em atos de fusão, incorporação, cisão ou cooperação nos termos definidos no Código do IRC, de imóveis que não sejam destinados a habitação e que sejam necessários à operação de reestruturação. Reconhecimento automático Reconhecimento no contrato Reconhecimento prévio pelo Ministro das Finanças, precedido de informação da Autoridade Tributária e Aduaneira. O requerimento das partes deve ser enviado, preferencialmente, via eletrónica até à data do registo do projeto de fusão.

13 Valor tributável Contrato promessa com cláusula de cessão de posição contratual e efetivação da cessão Permutas Arrendamentos e sublocações por longo prazo Dação em pagamento Alienação por quinhoeiro ou comproprietário Aquisição de partes sociais em sociedades com imóveis O IMT incide sobre a parte do preço paga pelo promitente adquirente ou cessionário, sendo que a taxa é a que corresponde à totalidade do preço Diferença entre os valores declarados ou diferença entre VPT s consoante o que for maior VPT do prédio ou a renda ou 20 vezes a renda anual, se igual ou superior. Se arrendatário vier a adquirir imóvel o IMT incide sobre a diferença entre o VPT à data do arrendamento e a data da venda, ou sobre o valor declarado se superior. VPT dos bens ou montante da dívida que for paga com os imóveis se superior VPT que responder ao quinhão ou quota-parte ou valor do ato ou contrato, consoante o que for maior VPT dos imóveis correspondente à parte social, ou o resultante do valor do balanço, se superior

14 Entradas dos sócios com bens imóveis para a realização do capital das sociedades comerciais ou civis sob a forma comercial Fusão e cisão de sociedades ou de FII fechados de subscrição particular VPT dos imóveis ou valor pelo qual entraram para o ativo da sociedade, se superior O VPT ou sobre o valor pelo qual os imóveis entraram para a sociedade ou fundo, se superior Pelo VPT corresponde à parte social adquirida ou pelo valor total dos bens, preferindo o valor do balanço, se superior Aquisição de partes sociais em SQ, SNC e Scmdt ficando adquirente a deter 75% do capital social ou o número de sócios fique reduzido a 2 sendo marido e mulher casados no regime de comunhão de adquiridos Locação venda Transmissão da propriedade de raiz separada do usufruto, uso ou habitação temporários No caso de transmissões sucessivas o valor será determinado sobre a diferença de valores determinados anteriormente Se a sociedade de dissolver e os imóveis ficarem a pertencer a um dos sócios que já tiverem sido tributados, o imposto incidirá sobre a diferença entre o valor dos bens agora adquiridos e o valor pelo qual o imposto foi anteriormente liquidado O valor dos imóveis ou do direito de superfície no termo da vigência da locação financeira corresponderá ao valor residual determinado ou determinável nos termos do respetivo contrato Valor da nua propriedade ou do contrato ou ato consoante o que for maior. O valor da nua propriedade corresponde ao valor da propriedade plena deduzido de 10% por cada período indivisível de 5 anos Primeira transmissão de imóveis ao abrigo de apoios financeiros à habitação O preço fixado pelo Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana Bens adquiridos ao Estado, regiões autónomas ou autarquias locais em arrematação judicial ou administrativa Preço constante no ato ou no contrato Bens expropriados por utilidade pública Montante da indemnização. Se houver acordo é a importância acordada ou o VPT se superior. Transmissão da propriedade do solo separadamente do direito de superfície perpétuo VPT da propriedade do solo, ou o valor constante do ato ou do contrato, se superior. O VPT da propriedade do solo de prédio urbano é de 20% do valor do terreno No caso de prédio rústico é o correspondente a 20% do seu VPT Constituição e transmissão do direito de superfície perpétuo VPT do direito de superfície perpétuo ou o valor do ato ou contrato, se superior. O VPT do direito de superfície perpétuo corresponde ao valor da propriedade plena do imóvel deduzido do valor da propriedade do solo do prédio, calculado nos termos da linha precedente

15 Transmissão da propriedade do solo separadamente do direito de superfície temporário quando este já estivesse constituído à data em que as obras foram terminadas ou ultimada a plantação Transmissão da propriedade do solo separadamente do direito de superfície temporário quando ao tempo da sua constituição ainda não estivesse terminada a obra nem ultimada a plantação O valor atual da propriedade do solo é o VPT ou valor do ato ou do contrato se superior. o VPT corresponde ao valor da propriedade plena será deduzido 10% por cada período indivisível de 5 anos, não podendo a dedução exceder 80% da propriedade plena. Constituição ou transmissão do direito de superfície separadamente da propriedade do solo quando a constituição do direito de superfície temporário quando esta ocorre em momento anterior à conclusão das obras ou ultimação da plantação Valor atual do direito de superfície ou o valor constante do ato ou do contrato consoante o que for maior. O Valor do direito de superfície corresponde ao valor da propriedade plena deduzido do valor da propriedade do solo. O valor da propriedade da propriedade do solo acha-se deduzindo ao valor da propriedade plena 10% por cada período indivisível de 5 anos, não podendo a dedução exceder 80% da propriedade plena Valor tributário provisório

16 Valor sobre que incide o IMT (em euros) Taxa marginal Aplicar % Parcela a abater (em euros) Até Entre e ,07 Entre e ,16 Entre e ,12 Entre e ,25 Superior a Taxa única de 6% Outras aquisições Taxa Aquisição de prédios rústicos 5% Aquisição de outros prédios urbanos e outras aquisições onerosas 6,5% Adquirentes pessoas coletivas com sede em país, território ou região sujeito a um regime fiscal claramente mais favorável 10% Liquidação

17 Pagamento

18

19

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica

IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS. O que é. A que tipo de prédios se aplica IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS O que é A que tipo de prédios se aplica Quem tem de pagar IMI Prédios isentos Reconhecimento Tipo de isenção Prédios classificados como monumentos nacionais ou património

Leia mais

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009

Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 PRÁTICA FISCAL II Alterações introduzidas com o Orçamento Geral do Estado para 2009 IMI 1. Os prédios urbanos em ruínas passam a ser equiparados a terrenos de construção para efeitos de avaliação. 2. As

Leia mais

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas

n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Lei n.º 82-B/2014, de 31 de dezembro (OE 2015) CIRC Artigo 87.º - Taxas n.º 1 A taxa de 23% passou para 21% Mantêm-se sem alteração as restantes taxas Artigo 6.º - Sociedades de Profissionais n.º 4, alínea

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O INTRODUÇÃO O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património imobiliário

Leia mais

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010

Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 Impostos & Contribuição Social 4º trimestre 2010 As principais novidades/ alterações recentes, em matéria fiscal e contributiva, resultam da aprovação do Plano de Estabilidade e Crescimento para 2010 2013

Leia mais

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O

P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O i P O R T U G A L - G U I A F I S C A L D O I M O B I L I Á R I O I N T R O D U Ç Ã O O presente documento tem como objectivo salientar as principais características do regime fiscal aplicável ao património

Leia mais

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social

Enquadramento Fiscal dos Advogados em. sede de IRS, IVA e segurança social Enquadramento Fiscal dos Advogados em sede de IRS, IVA e segurança social Fiscalidade IVA / IRS / Segurança social Março 2015 1 IAE -Instituto dos Advogados de Empresa da Ordem dos Advogados 1 Formas de

Leia mais

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria

Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria ESTATUTO DOS BENEFÍCIOS FISCAIS CAPÍTULO IV Benefícios fiscais às zonas francas Artigo 33.º * Zona Franca da Madeira e Zona Franca da ilha de Santa Maria 1- (Revogado pela Lei 64-B/2011, de 30 de Dezembro)

Leia mais

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António

Regulamento de Taxas da Freguesia de Santo António PREÂMBULO As taxas das autarquias locais, nos termos do artigo 3.º da Lei n.º 53 -E/2006, de 29 de dezembro, são tributos que assentam na prestação concreta de um serviço público local, na utilização privada

Leia mais

Enquadramento Fiscal

Enquadramento Fiscal Organizações Sem Fins Lucrativos Enquadramento Fiscal Ponte da Barca, 14 de Maio de 2013 Organizações Sem Fins Lucrativos Os principais tipos de entidades sem fins lucrativos em Portugal são as associações,

Leia mais

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias;

Constituem receitas das freguesias o produto da cobrança de taxas, nomeadamente provenientes da prestação de serviços pelas freguesias; Considerando que: Se torna necessário aprovar um novo Regulamento das Taxas a aplicar pela Junta de Freguesia pela prestação de serviços administrativos, em ordem à sua harmonização com a recente produção

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa

Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada. Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à reabilitação urbana e legislação relacionada Tatiana Cardoso Dia 18 de Setembro de 2013 Lisboa Incentivos fiscais à Reabilitação Urbana e Nova Lei das Rendas Introdução Como instrumento

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Nota Justificativa Regulamento de Concessão de Incentivos ao Investimento REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Nota Justificativa A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Advocacia e Cidadania

Advocacia e Cidadania REGRA GERAL: SUJEIÇÃO TRIBUTÁRIA (Art. 3.º e 48.º CIRC) IPSS não exercem a título principal uma actividade de natureza comercial, industrial ou agrícola Tributadas pelo rendimento global, o qual corresponde

Leia mais

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral

Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Crédito Habitação BPI - Ficha de Informação Geral Mutuante Banco BPI, S.A. Sede: Rua Tenente Valadim, 284 4100-476 PORTO Sociedade Aberta, Capital Social 1.293.063.324,98, matriculada na CRCP sob o número

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo

PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO. Preâmbulo PROJETO DE REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Preâmbulo A elaboração do presente Regulamento tem como objetivo criar um conjunto de regras e princípios que permitam dotar o Município

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Avaliação geral de prédios urbanos

Avaliação geral de prédios urbanos Avaliação geral de prédios urbanos Foi publicada a Lei n 60-A/2011, de 30/11, que aditou os artigos 15 o -A a 15 -P ao Decreto-Lei n 287/2003, de 12/11, que regulamentam o regime da Avaliação Geral de

Leia mais

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B

IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES DEDUÇÃO DE PERDAS NA CATEGORIA B ORÇAMENTO DO ESTADO OE2016 O QUE MUDA? parlamento Proposta de Orçamento do Estado para 2016 - Proposta de Lei no. 12/XIII. Apresentamos aqui as principais medidas de natureza fiscal propostas neste diploma.

Leia mais

Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM

Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM Projeto de REGULAMENTO DA TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM Pagina 1 de 15 Projeto de REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CEDOVIM PREÂMBULO Conforme o disposto nas

Leia mais

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016

OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 OBRIGAÇÕES DECLARATIVAS 2016 Última atualização: janeiro 2016 IRS ATÉ AO DIA 11 Entrega da Declaração Mensal de Remunerações, por transmissão eletrónica de dados, pelas entidades devedoras de rendimentos

Leia mais

CÓDIGO DO IMT. Elementos estruturantes. Incidência objectiva

CÓDIGO DO IMT. Elementos estruturantes. Incidência objectiva CÓDIGO DO IMT 1 Elementos estruturantes Tributação do património utilizado na aquisição de imóveis; Paradigma de sujeição Os efeitos do contrato de compra e venda (a transmissão da propriedade) Sujeição

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CASTELO - SESIMBRA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei

Leia mais

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015

Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 Preenchimento da Declaração Modelo 3 de IRS de 2015 O NOVO BANCO vem prestar alguns esclarecimentos que considera úteis para o preenchimento da declaração Modelo 3 de IRS, tomando por base a informação

Leia mais

Regulamento e Tabela de Taxas

Regulamento e Tabela de Taxas 2011 Regulamento e Tabela de Taxas C O L A R E S Junta de Freguesia 22-11-2011 Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças da Junta de Freguesia de Colares Nota Justificativa Com a publicação da Lei

Leia mais

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo.

A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. Impostos A aquisição de qualquer imóvel pressupõe o pagamento de IMT, IMI e imposto de selo. IMT (Imposto sobre Transmissões Onerosas de Imóveis) Imposto sobre as transmissões onerosas do direito de propriedade

Leia mais

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014

Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 Informação n.º 2/2014 06/novembro/2014 REGIMES DE BENEFÍCIOS AO INVESTIMENTO E À CAPITALIZAÇÃO No dia 31 de outubro foi publicado o Decreto-Lei n.º 162/2014, que tem como objetivo promover a revisão global

Leia mais

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático

Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático www.finaccount.com Investimento Imobiliário em Angola Guia Prático Prestação de Serviços de Consultoria Empresarial e Formação Aquisição de bens imóveis O processo de aquisição de bens imóveis em Angola

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CANIÇAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CANIÇAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMETO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DO CAIÇAL Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos

CAPÍTULO I Incidência Artigo 1.º Artigo 1.º Pressuposto do imposto Pressuposto do imposto Artigo 2.º Artigo 2.º Sujeitos passivos Sujeitos passivos Anterior Código IRC Artigo 1.º Pressuposto do imposto O imposto sobre o rendimento das pessoas coletivas (IRC) incide sobre os rendimentos obtidos, mesmo quando provenientes de atos ilícitos, no período

Leia mais

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013

Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 Novas Regras de Faturação Esclarecimento de dúvidas da sessão do dia 7 de Fevereiro de 2013 1.º - Resumo da necessidade de emissão de faturas: A ASSOCIAÇÃO: Pratica exclusivamente operações isentas de

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA

JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA JUNTA DE FREGUESIA DE ANOBRA (CONDEIXA-A-NOVA) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Índice CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS... 3 Artigo 1.º (Objeto)... 3 Artigo 2.º (Sujeitos)... 3 Artigo 3.º (Isenções)...

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS

TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS DIRECÇÃO DE FINANÇAS DE COIMBRA TRIBUTAÇÃO DO PATRIMÓNIO ASPECTOS FUNDAMENTAIS Local: CD Ordem dos Advogados Data: 27 Maio de 2011 Duração: 6 Horas Apresentação: António Santos Rocha Nelson das Neves Figueira

Leia mais

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário

O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário O Orçamento de Estado para 2014 e as alterações fiscais em sede de tributação estática do património imobiliário Orador: Victor Duarte 1.ª Conferência O Informador Fiscal/Lexit A Fiscalidade e o Orçamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (CIMI) (Substitui o Código da Contribuição Autárquica) (Aprovado pelo Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro) Nota: A contribuição autárquica considera-se

Leia mais

União das Freguesias DE Belver e Mogo de Malta

União das Freguesias DE Belver e Mogo de Malta REGULAMENTO E TABELA GERAL TAXAS Preâmbulo 1) A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquia Locais. 2) Assim, considerando o exercício do poder tributário da Freguesia

Leia mais

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS

FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS PROJECTO DE REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE CANAVIAIS Ao abrigo do disposto no artigo 241º da Constituição da Republica Portuguesas, e dos artigos 114º a 119º do Código do Procedimento

Leia mais

UNIÃO DE FREGUESIAS DE VILA COVA E FEITOS

UNIÃO DE FREGUESIAS DE VILA COVA E FEITOS UNIÃO DE FREGUESIAS DE VILA COVA E FEITOS Regulamento e Tabela Geral de Taxas e Licenças 1 / 10 Preâmbulo O presente regulamento tem por objeto definir a tabela de taxas da União de Freguesias de Vila

Leia mais

Tudo o que precisa de saber

Tudo o que precisa de saber Pág. 1 de 10 Com a publicação, no passado mês de Agosto, dos Decretos-Lei n. os 197/2012 e 198/2012, várias e (bastante) substanciais foram as alterações introduzidas em matéria de regras a observar ao

Leia mais

Benefícios Fiscais. Mariana Gouveia de Oliveira

Benefícios Fiscais. Mariana Gouveia de Oliveira Benefícios Fiscais Mariana Gouveia de Oliveira Índice Código Fiscal do Investimento Benefícios Fiscais Contratuais ao Investimento Produtivo RFAI -Regime fiscal de apoio ao investimento SIFIDE II - Sistema

Leia mais

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares.

A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. A empresa Branco & Lima Contabilidade e Consultoria, Lda presta serviços de contabilidade, fiscalidade, consultoria, gestão e serviços complementares. Estamos à sua disposição para o aconselhar em questões

Leia mais

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386.

Legislação. Publicação: Diário da República n.º 8/2015, Série I, de 13/01, Páginas 380-386. Classificação: 060.01.01 Segurança: P ú b l i c a Processo: Direção de Serviços de Comunicação e Apoio ao Contribuinte Legislação Diploma Decreto-Lei n.º 7/2015, de 13 de janeiro Estado: vigente. Resumo:

Leia mais

O Orçamento de Estado 2011

O Orçamento de Estado 2011 O Orçamento de Estado 2011 Resumo dos aspectos essenciais da Lei do Orçamento de Estado de 2011, Lei n.º 55-A/2010. Imposto sobre o Rendimento das Pessoas Colectivas Dupla tributação económica Eliminada

Leia mais

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015

Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 SEGURANÇA SOCIAL Trabalhadores Independentes Atualizado em: 30-04-2015 Esta informação destina-se a que cidadãos Trabalhadores independentes Cálculo das contribuições O montante das contribuições é calculado,

Leia mais

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO

CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO CONVENÇÃO ENTRE O JAPÃO E A REPÚBLICA PORTUGUESA PARA EVITAR A DUPLA TRIBUTAÇÃO E PREVENIR A EVASÃO FISCAL EM MATÉRIA DE IMPOSTOS SOBRE O RENDIMENTO O Japão e a República Portuguesa, Desejando celebrar

Leia mais

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90)

Descarregue gratuitamente atualizações online em www.portoeditora.pt/direito Condomínio Col. Legislação (06702.90) orquê as atualizações aos livros da COL. LEGISLAÇÃO? O panorama legislativo nacional é bastante mutável, sendo constante a publicação de novos diplomas. Ao disponibilizar novas atualizações, a ORTO EDITORA

Leia mais

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE Galegos REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Dezembro de 2015 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE GALEGOS Em conformidade com o disposto na alínea d) do n.º 1 do artigo 9.º, conjugada

Leia mais

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013

Tributação da reabilitação urbana. Raquel Franco 08.03.2013 Raquel Franco 08.03.2013 Benefícios à reabilitação urbana Artigo 45.º EBF prédios urbanos objeto de reabilitação Artigo 46.º EBF - prédios urbanos construídos, ampliados, melhorados ou adquiridos a título

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO

PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO PORTUGAL - SISTEMA FISCAL SOBRE O PATRIMÓNIO IMOBILIÁRIO 1 OS IMPOSTOS SOBRE O PATRIMÓNIO - IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (IMI) - O IMI é um imposto que incide sobre o valor patrimonial tributário dos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das Taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que conter, sob pena de nulidade, os seguintes

Leia mais

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO

Portaria n.º 92-A/2011, de 28 de Fevereiro - 41 SÉRIE I, 1º SUPLEMENTO Define os elementos que integram o dossier fiscal, aprova novos mapas de modelo oficial e revoga a Portaria n.º 359/2000, de 20 de Junho A Nos termos do artigo 129.º do Código do Imposto sobre o Rendimento

Leia mais

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas

Assembleia de Freguesia de Rebordões Souto Regulamento e Tabela Geral de Taxas PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais, estabelecendo no Artigo 17.º: «As taxas para as autarquias locais actualmente existentes são revogadas

Leia mais

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa

Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Regulamento do Programa de Apoio à Economia e Emprego Nota Justificativa Considerando que, Os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento; Que para a execução das referidas

Leia mais

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS

REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS REGIME FISCAL DOS RENDIMENTOS OBTIDOS PELOS ÁRBITROS 1. Qual é a natureza das importâncias atribuídas aos árbitros pela Federação Portuguesa de Futebol? As importâncias em causa são consideradas rendimentos

Leia mais

IVA - Renúncia à isenção

IVA - Renúncia à isenção IVA - Renúncia à isenção Determinada empresa tem como objecto social, conforme consta na sua declaração de início de actividade, o CAE 70 120 - Compra, construção e arrendamento, administração e gestão

Leia mais

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

Legislação MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diploma Decreto-Lei n.º 62/2005 11/03 Estado: Vigente Legislação Resumo: Transpõe para a ordem jurídica interna a Directiva n.º 2003/48/CE, do Conselho, de 3 de Junho, relativa à tributação dos rendimentos

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA alínea c) do n.º 1 do artigo 18.º Operações imobiliárias - Aplicação do modelo contratual de "Office Centre" Processo: nº 3778, despacho do SDG dos Impostos,

Leia mais

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012

PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE. Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 PROGRAMAS OPERACIONAIS REGIONAIS DO CONTINENTE Deliberações CMC POR: 18/06/2010, 25/11/2010, 4/04/2011, 30/01/2012, 20/03/2012 e 8/08/2012 ECONOMIA DIGITAL E SOCIEDADE DO CONHECIMENTO - ENTRADA EM VIGOR

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto:

FICHA DOUTRINÁRIA. Diploma: CIVA. Artigo: 9º. Assunto: FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: CIVA 9º. Enquadramento - Concessão do Direito de Construção, Gestão e Exploração Comercial, em Regime de Serviço Público, da Plataforma Logística. Processo:

Leia mais

Junta de Freguesia de Arrifana. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º. Objeto. Artigo 2.º. Sujeitos. Artigo 3.º. Isenções

Junta de Freguesia de Arrifana. Capítulo I. Disposições Gerais. Artigo 1.º. Objeto. Artigo 2.º. Sujeitos. Artigo 3.º. Isenções Capítulo I Disposições Gerais 1 Artigo 1.º Objeto 1. O presente Regulamento e Tabelas Anexas têm por finalidade fixar os quantitativos a cobrar por todas as atividades da Junta de Freguesia no que se refere

Leia mais

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião)

União das Freguesias de Gouveia (S. Pedro e S. Julião) REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA UNIÃO DE FREGUESIAS DE GOUVEIA (S. PEDRO E S. JULIÃO) PREÂMBULO A Lei nº 73/2013, de 3 de Setembro, veio estabelecer o regime financeiro das Autarquias Locais e das

Leia mais

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES)

2. OPERAÇÕES DE CRÉDITO (PARTICULARES) 2.1. Crédito à habitação e contratos conexos Crédito Habitação Para aquisição, construção e obras para habitação própria, secundária ou arrendamento, crédito sinal, transferências; multisoluções com a

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º.

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: RITI - CIVA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. Operações Triangulares Falsas Triangulares Localização de operações Aquisições Intracomunitárias

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE NEIVA Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais Anexo

Leia mais

Junta de Freguesia de Lanhelas CONCELHO DE CAMINHA

Junta de Freguesia de Lanhelas CONCELHO DE CAMINHA Junta de Freguesia de Lanhelas CONCELHO DE CAMINHA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do nº 2 do artigo 17, conjugada com a alínea b) do nº 5 do artigo

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO

DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO ANEXO 1 DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS E ANEXO DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS (EM EUROS) 2 3 4 5 6 ÍNDICE DO ANEXO ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 1. Nota introdutória 2. Referencial contabilístico de preparação das

Leia mais

Artigo 7.º Fiscalização

Artigo 7.º Fiscalização Artigo 7.º Fiscalização 1 - Todas as pessoas, singulares ou coletivas, de direito público ou de direito privado, a quem sejam concedidos benefícios fiscais, automáticos ou dependentes de reconhecimento,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE VILARINHO

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE VILARINHO REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE VILARINHO Í N D I C E Preâmbulo Regulamento Capítulo I Disposições Gerais Capítulo II Taxas Capítulo III Liquidação Capítulo IV - Disposições Gerais

Leia mais

Regulamento Geral de Taxas e Licenças

Regulamento Geral de Taxas e Licenças Regulamento Geral de Taxas e Licenças União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro e São João do Souto) Janeiro/ 2014 Junta de Freguesia da União das Freguesias de Braga (São José de São Lázaro

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE

ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE TÉCNICOS DE CONTABILIDADE MAPA DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS E PARAFISCAIS DE MARÇO 2015 Dia 2: IUC: Liquidação, por transmissão eletrónica de dados, e pagamento do Imposto Único de Circulação - IUC, relativo aos veículos cujo aniversário

Leia mais

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS

PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS PROCEDIMENTO POR NEGOCIAÇÃO, COM PUBLICAÇÃO PRÉVIA DE ANÚNCIO, PARA ARRENDAMENTO PARA A ACTIVIDADE DE RESTAURAÇÃO CADERNO DE ENCARGOS CAPITULO I DISPOSIÇÕES GERAIS ARTIGO 1º Objeto O presente Procedimento

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CALVOS PÓVOA DE LANHOSO

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CALVOS PÓVOA DE LANHOSO REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE CALVOS PÓVOA DE LANHOSO Conforme o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugado com a alínea b) do n.º 5 do art.º 34.º da Lei

Leia mais

1 Freguesia de Seixas CONCELHO DE CAMINHA

1 Freguesia de Seixas CONCELHO DE CAMINHA 1 Freguesia de Seixas 2 Freguesia de Seixas REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do nº 2 do artigo 17, conjugada com a alínea b) do nº 5 do artigo nº 34

Leia mais

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário

Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário Conselho da CIP para a Construção e o Imobiliário 12.outubro.2012 Tributação em Sede de Imposto Municipal sobre Imóveis Proposta de Lei n.º 96/XII/2.ª cria uma nova taxa em sede de Imposto do Selo incidente

Leia mais

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS

REGULAMENTO TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS FREGUESIA DE PRISCOS REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS E LICENÇAS DA FREGUESIA DE PRISCOS Página 1 de 8 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE PRISCOS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

VALE EMPREENDEDORISMO

VALE EMPREENDEDORISMO V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Page 1 VALE EMPREENDEDORISMO (PROJETOS SIMPLIFICADOS DE EMPREENDEDORISMO) Março 2015 V A L E E M P R E E N D E D O R I S M O Pag. 2 ÍNDICE 1. Enquadramento... 3

Leia mais

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES

BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES MODELO EM VIGOR PARA OS ANOS DE 2001 A 2014 A PARTIR DE JANEIRO DE 2016 3 4 CÓDIGO RENDIMENTO 5 MODELO 3 Anexo H Sujeito passivo A BENEFÍCIOS FISCAIS E DEDUÇÕES ANO DOS RENDIMENTOS RENDIMENTOS DA PROPRIEDADE

Leia mais

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1

Fiscalidade e o Proprietário MAXGER - CONSULTORES DE GESTÃO, LDA 1 Fiscalidade e o Proprietário 1 Sumário: 1. Recibo Eletrónico 2. Contratos de Arrendamento Comunicação AT 3. IMI 4. IRS Rendimentos Prediais 2014/2015 2 Recibos 3 1- Recibos Eletrónicos 4 Recibo eletrónico

Leia mais

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA)

A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Informação n.º 2/2013_Revista 22/novembro/2013 CRÉDITOS INCOBRÁVEIS E EM MORA IVA e IRC A. Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (CIVA) Regularização do IVA 1. Créditos vencidos até 31/12/2012 e

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL

MUNICÍPIO DE SETÚBAL CÂMARA MUNICIPAL REUNIÃO Nº : PROPOSTA Nº : 29/DAF/2012 Realizada em: DELIBERAÇÃO Nº : ASSUNTO: Imposto Municipal sobre Imóveis para o ano de 2013 Desde 2009 que o Município de Setúbal tendo aplicado na zona delimitada

Leia mais

Na sequência dos compromissos

Na sequência dos compromissos Regime especial de exigibilidade do IVA dos serviços de transporte rodoviário nacional de mercadorias P o r R u i R i b e i r o G r i l o Foi publicada no «Diário da República», em 1 de último, a Lei 15/2009,

Leia mais

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I

EXAME PARA CONTABILISTA CERTIFICADO DELIBERAÇÃO Nº 001/CTEC/2013 - ÉPOCA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2013 FISCALIDADE CABO-VERDIANA GRUPO I GRUPO I Admita que a empresa Locagem, que se dedica Locação de imóveis e venda de motos, determinou no ano anterior um pro rata de 60%, e que durante o mês de Dezembro de 2013 efectuou as seguintes operações:

Leia mais

PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS

PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Aprovado em reunião de Junta de Freguesia de 10/12/2009 Aprovado em reunião Assembleia de Freguesia de / / O PRESIDENTE DA ASSEMBLEIA, PROPOSTA REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS Em conformidade com o

Leia mais

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal

Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal Obrigações declarativas das entidades que não exercem a título principal atividades comerciais, industriais ou agrícolas Com as alterações introduzidas aos n.ºs 6 e 7 do art. 117 do CIRC 1, as obrigações

Leia mais

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência

Condições Gerais de Acesso Forma de Cedência Regulamento Municipal de Atribuição de Lotes para Instalação de Atividades Económicas, publicado pelo Aviso n.º 8063/2008, de 14 de março, com as alterações introduzidas pelo Regulamento n.º 492/2011,

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA MONÇÃO TROVISCOSO

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA MONÇÃO TROVISCOSO União das Freguesias de Monção e Troviscoso Concelho de Monção REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE MONÇÃO TROVISCOSO 1 REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE MONÇÃO TROVISCOSO

Leia mais

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º

ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Redacção anterior Nova redação DL 64/2012 Artigo 9.º ALTERAÇÕES AO REGIME DO DESEMPREGO (comparação artigo a artigo) Artigo 9.º Artigo 9.º Desemprego involuntário Desemprego involuntário 1 - O desemprego considera-se involuntário sempre que a cessação do

Leia mais

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA 7254 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A N. o 288 15 de Dezembro de 2000 ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA Resolução da Assembleia da República n. o 84/2000 Aprova, para ratificação, a Convenção entre a República Portuguesa

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3.

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objecto. Artigo 2.º Sujeitos. Artigo 3. REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS FREGUESIA DE PALHAÇA Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e j) do n.º 2 do artigo 17.º, conjugada com a alínea b) do n.º 5 do artigo 34.º da Lei das Autarquias

Leia mais

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015

CALENDÁRIO FISCAL Outubro de 2015 CALENDÁRIO FISCAL DATA DE CUMPRIMENTO DAS OBRIGAÇÕES FISCAIS Até ao dia 12 Envio da Declaração Periódica, por transmissão eletrónica de dados, acompanhada dos anexos que se mostrem devidos, pelos sujeitos

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime)

I - Regime de contabilidade de caixa. 1. Âmbito de aplicação. (artigo 1º do regime) Classificação: 020.01.10 Segurança: Processo: 2013 004333 ÁREA DE GESTÃO TRIBUTÁRIA DO IVA - GABINETE DO Of.Circulado N.º: 30150/2013 2013-08-30 Entrada Geral: N.º Identificação Fiscal (NIF): 770 004 407

Leia mais

FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena

FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Município de Ribeira de Pena REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS 2011 FREGUESIA DE RIBEIRA DE PENA SALVADOR Fl. 1 INDÍCE PREÂMBULO...Pág.3 CAPÍTULO I Disposições Gerais

Leia mais