OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº E DA LEI Nº /15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº 4.560 E DA LEI Nº 13.165/15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA"

Transcrição

1 OS EFEITOS DA DECISÃO DO STF NA ADI Nº E DA LEI Nº /15 NAS REPRESENTAÇÕES POR EXCESSO DE DOAÇÃO POR PESSOA JURÍDICA 1. Introdução Edson de Resende Castro* Promotor de Justiça Coordenador Eleitoral do MP-MG A recente decisão do STF que reconheceu a inconstitucionalidade das doações de pessoas jurídicas para partidos políticos e para as campanhas eleitorais (ADI nº 4.560) e a posterior Lei n /2015 (mini reforma eleitoral), que revogou o art. 81, da Lei das Eleições (Lei n /97) que autorizava a doação de pessoas jurídicas dentro de um limite percentual e fixava sanções para o descumprimento da regra trazem questionamentos sobre possíveis reflexos nas Representações em curso na Justiça Eleitoral por excesso de doação praticado na eleição de 2014, em face de pessoas jurídicas. 2. A ADI 4560 A Ação Direta de Inconstitucionalidade, proposta pelo Conselho Federal da OAB, submeteu à apreciação do Supremo Tribunal Federal a autorização legislativa, contida no art. 81, da Lei das Eleições, de financiamento empresarial de campanhas eleitorais. A Suprema Corte, por ampla maioria, considerou a participação das pessoas jurídicas em campanhas eleitorais e em atividades partidárias incompatível com o regime constitucional vigente, pronunciando-se, por conseguinte, pela inconstitucionalidade do caput e do 1º do dito art. 81 e de outros dispositivos, inclusive da Lei n /95 (lei orgânica dos partidos políticos), que de alguma forma permitiam doações desta espécie. Mas o Tribunal cuidou de esclarecer, no voto condutor e nos debates, respectivamente, que a inconstitucionalidade proclamada (1) limita-se à questionada autorização legal para a doação e ao critério de imposição de teto por percentual do faturamento da doadora, constantes do caput e do 1º, do art. 81, e (2) não atinge as eleições pretéritas, produzindo efeitos apenas ex nunc, preservando em nome da segurança

2 jurídica, porque seria inconcebível ter como ilegítimas todas as eleições realizadas no Brasil desde 1997 as relações havidas até então: legalidade das doações que se comportaram dentro dos 2% do faturamento e caracterização de infração para os que os extrapolaram. Há equívoco, portanto, dos que se apressam em concluir que o julgamento da mencionada ADI fulmina as Representações por excesso de doação empresarial em curso. E o equívoco decorre da simples circunstância de que o STF, no voto do Relator, Min. Luiz Fux, deixa claro que a inconstitucionalidade é apenas do caput (permissão da doação) e do 1º (limite percentual sobre o faturamento), do art. 81, nada falando de incompatibilidade do 2º (no qual descrita a conduta e previstas as sanções). Daí que o Supremo, ao mesmo tempo que reconhece a constitucionalidade do tipo infracional, preserva-o para aplicação futura. E a pretensão de se conferir à decisão do STF efeito ex tunc, hipótese em que a inconstitucionalidade atingiria o dispositivo na sua origem, traria, ao contrário do que imaginado, acentuado agravamento da situação das empresas que doaram para campanhas eleitorais em É que, deixando de existir como existiu nos dezoito anos de sua vigência - o espaço de conformação da conduta com a legalidade (que para os caput e 1º do art. 81 era exatamente os 2% sobre o faturamento), qualquer valor doado teria que ser tido como ilícito, daí resultando que a multa de cinco a dez vezes o valor do excesso incidiria sobre o total da doação, não apenas sobre o que ultrapassasse aquele percentual. Conclusão semelhante à que aplicável por entendimento pacificado no TSE às pessoas jurídicas que, com faturamento zero, insistem em fazer doações, porque 2% de ZERO é igualmente ZERO. A tese, portanto, advoga em desfavor das empresas doadoras. 3. A Lei n /2015 O Congresso Nacional, ao projetar (PL n. 5735/2015) inovações para o tema doações empresariais, pretendeu reposicionar o dispositivo que as permitia, repetindo no art. 24-B a mesma redação do art. 81, e, naturalmente, revogando este último. Até então, nenhuma alteração no regime jurídico dessa espécie de doação e na disciplina das consequências para o descumprimento do limite, porque, como dito, o tema havia sido apenas deslocado do art. 81 para o art. 24-B. A deliberação legislativa substancial, pois, reafirma a permissão, o limite e as consequências para o seu descumprimento.

3 A Lei n /2015, em que se converteu o dito PL n. 5735/2015, entretanto, trouxe o art. 24-B vetado pela Presidência da República, ao argumento de que o STF no interregno entre a votação final do Congresso e a sanção já se pronunciara sobre a inconstitucionalidade da matéria. O resultado desse confuso processo legislativo é que a literalidade da Lei n /97, com as alterações da Lei n /2015, traz o art. 81 revogado e o art. 24-B vetado, passando a impressão, numa primeira leitura, de que insubsistente a disciplina do excesso de doação por pessoas jurídicas Todavia, necessário considerar que o legislador em momento algum pretendeu retirar do excesso de doação a censura legal. Ao contrário, a reafirmou, com o mesmo rigor, ao repetir, na redação final ao PL n. 5735/2015 que foi à sanção Presidencial, que a conduta continua sujeitando o infrator à multa e à proibição de contratar com o poder público. Percebe-se, por conseguinte, que o desvalor social da conduta que levou à sua tipificação em persiste na percepção e na vontade do legislador ordinário, não se podendo falar, então, em abolitio criminis extrapenal, a fulminar as Representações em curso, pois ausente o pressuposto desta, ou seja, repita-se, a evolução do sentimento social em relação à conduta, para não mais considerá-la censurável. Na verdade, e ao fim, o que houve foi um agravamento da censura, pois a doação da pessoa jurídica, que antes era permitida dentro de um certo limite, agora é totalmente proibida, por inconstitucional. Interpretação histórica do processo legislativo conduz à inarredavel conclusão de que o conteúdo do art. 81 não foi revogado, ao contrário, reafirmado pelo legislador no art. 24-B. A literalidade, portanto, é resultado apenas de uma tramitação desencontrada e desatenta do PL n. 5735/2015, especialmente no momento da sanção, e da superveniência do julgamento da ADI 4560, que influenciou o veto ao art. 24-B De outro lado, ainda que se queira optar pela mera leitura do que agora contido na Lei n /97, abdicando-se da interpretação do que reformado, inevitável a inconstitucionalidade da imaginada revogação. Se o legislador tivesse apenas revogado o art. 81 sem deslocá-lo, como o fez, para o art. 24-B em franca intenção de retirar a censura ao excesso de doação por pessoa jurídica, restaria a inaceitável conclusão de que a lei ordinária eliminaria um importante instrumento de garantia da normalidade e

4 legitimidade das eleições, deixando escancaradas as portas do abuso de poder econômico. Não se deve perder de vista que as regras que impõem limites à atuação do poder econômico nas eleições como a que agora nos ocupa têm na Constituição Federal, especialmente no seu art. 14, 9º, a sua matriz. De fato, o constituinte, ao eleger a normalidade e legitimidade do pleito como valor constitucional a ser protegido contra a influência do abuso de poder, inclusive para recomendar inelegibilidade para o agente, acabou fixando limites ao poder de legislar. A Constituição Federal não deixou ao legislador ordinário ampla liberdade para inovar em matéria eleitoral. Ao contrário, ao recomendar a edição de normas para PROTEGER a lisura do pleito, fixou a necessidade de constante evolução dos mecanismos de frenação do abuso. Não há, por conseguinte, autorização constitucional para o retrocesso em sede de proteção à normalidade e legitimidade das disputas. Edição de normas que faltem ou se distanciem desta finalidade ou cuja aplicação possa retirar ou diminuir a esperada eficácia dos insrtrumentos de proteção já consagrados na legislação colocam-se em linha de colisão frontal com a norma programática do art. 14, 9º, da CF. Implicam, em outras palavras, em retrocesso legislativo inconstitucional. 3.3 De resto, importante observar que uma eventual revogação se assim se concluísse - do dito art. 81, levada a efeito por uma lei de 2015, não poderia aplicar-se às doações ilegais ocorridas em 2014, ou seja, retroativamente, nem mesmo para beneficiar o infrator. Isto porque, como se sabe, o processo eleitoral se desenvolve segundo as regras vigentes ao seu tempo. É que, como dito, a norma inscrita no art. 81 visa à PROTEÇÃO da normalidade e legitimidade das eleições, valor constitucional estruturante de todo o processo eleitoral e do próprio regime democrático, na medida em que impõe limite ao uso do poder econômico das empresas do processo eleitoral, fixa sanções para a hipótese de sua inobservância e garante como fim central - um mínimo de igualdade de oportunidades entre os candidatos. A natureza da norma, frise-se, é de proteção da lisura do pleitos, o que equivale dizer que o fim primariamente visado pelo legislador é de proteção do interesse público e do regime democrático. A previsão de sanção para o agente do ilícito não tem o condão de transformá-la em norma de natureza sancionatória e, com isso, atrair a incidência da regra mais benéfica. A punição ao excesso de doação tem caráter meramente secundário e aparece na lei apenas para conferir concretude e eficácia ao fim

5 visado, ou seja, como consequência da necessidade de efetiva proteção da normalidade das eleições. Tal como se dá com o regime da inelegibilidades (e nesse sentido decidiu o STF na ADC n. 029), que impõe impedimentos às candidaturas não para punir o agente e sim para preservar o interesse público de lisura das disputas. Então, nem mesmo se pode invocar a aplicação retroativa de regra mais benéfica, à consideração de que o benefício, em matéria de proteção à normalidade do pleito, deve coincidir com o interesse do regime democrático, ainda que em detrimento do interesse individual do infrator. Consigna-se que o TRE-RS, manifestando-se sobre a aplicação retroativa das inovações da Lei n /2015, inclusive quanto a dispositivos de natureza secundariamente sancionatória, assim se firmou: Recurso. Prestação de contas. Partido político. Arts. 4º, caput e 14, inc. II, n, da Resolução TSE n /04. Exercício financeiro de A abertura de conta bancária é obrigatória, independentemente de ter havido movimentação financeira no período. Falha de natureza grave que impede a apresentação de extratos bancários correlatos, os quais são imprescindíveis para demonstrar a origem e a destinação dada aos recursos financeiros, bem como para comprovar a alegada ausência de movimentação financeira. Irregularidade insuperável, a comprometer, modo substancial, a fiscalização exercida pela Justiça Eleitoral. As alterações introduzidas pela Lei n /2015, que deram nova redação ao art. 37 da Lei n /95, suprimindo a sanção de suspensão de novas contas do Fundo Partidário, não têm aplicação retroativa aos fatos ocorridos antes da sua vigência. (...) Provimento negado. (RE , julgado em 08 de outubro de 2015) Prestação de contas de candidato. Arrecadação e dispêndio de recursos de campanha. Resolução TSE n /14. Eleições (...)

6 Conjunto de falhas que comprometem a transparência e a regularidade da contabilidade apresentada. Entendimento deste Tribunal, no sentido da não retroatividade das novas regras estabelecidas pela Lei n /2015, permanecendo hígida a eficácia dos dispositivos da Resolução TSE n /2014. A ausência de discriminação do doador originário impossibilita a fiscalização das reais fontes de financiamento da campanha eleitoral, devendo o recurso de origem não identificada ser transferido ao Tesouro Nacional. Desaprovação. (PC , julgado em 20 de outubro de 2015) 4. Conclusão Conclui-se, então: a) Que a inconstitucionalidade proclamada pelo STF na ADI n. 4560, em nome da indispensável segurança jurídica, tem efeito ex nunc e preserva a previsão de sanções para os excessos de doação praticados até então, não produzindo qualquer efeito sobre as Representações em curso. DELIBERAÇÃO LEGISLATIVA b) Que o conteúdo normativo do art. 81 da Lei n /97 não foi revogado pela Lei n /2015. Ao contrário, foi reproduzido e reafirmado no art. 24-B, daí que a manifesta e substancial deliberação legislativa não pode ceder à mera literalidade da redação final alcançada. c) Que a revogação do art. 81 da Lei n /97, resultante apenas da literalidade da Lei n /2015, é inconstitucional, por extrapolação dos limites traçados pela CF à produção legislativa ordinária e por impor indevido retrocesso aos mecanismos de proteção da normalidade e legitimidade dos pleitos, distanciando-se da recomendação constitucional. d) Que a eventual admissão da constitucionalidade da revogação do art. 81 não impacta as Representações por excesso de doação em curso, face ao princípio da irretroatividade das leis, mormente as que se chocam com a finalidade primária

7 da norma e diminuem ou eliminam os instrumentos de efetiva proteção da lisura dos pleitos. *Autor do Curso de Direito Eleitoral, Ed. Del Rey, 7ª edição, 2014

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário

Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Doação irregular de campanha, Ministério Público e ativismo judiciário Por: Carina Barbosa Gouvêa O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu a repercussão geral, através do plenário virtual, do tema debatido

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL ACÓRDÃO PROCESSO: RE 13-17.2013.6.21.0077 PROCEDÊNCIA: OSÓRIO RECORRENTE: MINISTÉRIO PÚBLICO ELITORAL RECORRIDA: ANDREA SOUZA TEIXEIRA GONÇALVES Eleições 2012. Recurso Eleitoral. Representação. Doação acima do

Leia mais

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida

Direito Constitucional Dra. Vânia Hack de Ameida 1 Controle da Constitucionalidade 1. Sobre o sistema brasileiro de controle de constitucionalidade, é correto afirmar que: a) compete a qualquer juiz ou tribunal, no primeiro caso desde que inexista pronunciamento

Leia mais

Direito Constitucional Peças e Práticas

Direito Constitucional Peças e Práticas PETIÇÃO INICIAL RECLAMAÇÃO CONSTITUCIONAL ASPECTOS JURÍDICOS E PROCESSUAIS DA RECLAMAÇÃO Trata-se de verdadeira AÇÃO CONSTITUCIONAL, a despeito da jurisprudência do STF a classificar como direito de petição

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 684.952 SANTA CATARINA RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :ADMINISTRADORA DE BENS PORTOGALLO LTDA E OUTRO(A/S) : DANIELA GUEDES DE BASSI E OUTRO(A/S)

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f TRESC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina f ACÓRDÃO N. 310 9 9 Fl. _J03 Relator: Juiz Hélio David Vieira Figueira dos Santos Recorrente: Maxiaço Distribuidor de Material de Construção LTDA. Recorrido:

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XVII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Partido Político "Z", que possui apenas três representantes na Câmara dos Deputados, por entender presente a violação de regras da CRFB, o procura para que, na

Leia mais

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO

HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO HISTÓRICO DE REFORMAS A QUE SE REFERE A EXPRESSÃO REFORMA POLÍTICA NAS DISCUSSÕES EM CURSO NO CONGRESSO NACIONAL MÁRCIO NUNO RABAT Consultor Legislativo da Área XIX Ciência Política, Sociologia Política,

Leia mais

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010

Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 Inelegibilidade: A Questão das Doações de Campanha nas Eleições 2010 27 André Fernandes Arruda 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho pretende abordar o tema da aplicação da pena de inelegibilidade nas representações

Leia mais

Financiamento de campanhas e prestação de contas

Financiamento de campanhas e prestação de contas Financiamento de campanhas e prestação de contas Crescimento do gasto declarado com campanhas (total nacional) ANO TOTAL DE GASTOS (R$ milhões) ELEITORADO (milhões) CANDIDATOS (unidades) GASTO POR ELEITOR

Leia mais

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO

Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Vedação de transferência voluntária em ano eleitoral INTRODUÇÃO Como se sabe, a legislação vigente prevê uma série de limitações referentes à realização de despesas em ano eleitoral, as quais serão a seguir

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004

APELAÇÃO CÍVEL Nº 460.698-6 - 26.08.2004 -1- EMENTA: ANULATÓRIA ADMINISTRADORAS DE CARTÃO DE CRÉDITO NÃO INTEGRAÇÃO AO SISTEMA FINANCEIRO NACIONAL ENCARGOS LIMITAÇÃO CLÁUSULA MANDATO VALIDADE APORTE FINANCEIRO OBTIDO NECESSIDADE DE COMPROVAÇÃO.

Leia mais

O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso

O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso O Aumento por Faixa Etária após o Estatuto do Idoso 367 Marisa Simões Mattos Passos 1 A atividade explorada pelas operadoras de planos ou seguros privados de assistência saúde tem enorme repercussão social,

Leia mais

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral:

Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: PRESTAÇÃO DE CONTAS Prestação de contas do Juízo comum e da Justiça Eleitoral: Conceitos: Nós juízes, em especial os que atuam na área cível, somos acostumados com a obrigação de prestação de contas de

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Quinto constitucional Antonio Pessoa Cardoso* Quinto constitucional é o mecanismo que confere vinte por cento dos assentos existentes nos tribunais aos advogados e promotores; portanto,

Leia mais

Gilmar Mendes perde e STF veta doação de empresas Sex, 18 de Setembro de 2015 11:13

Gilmar Mendes perde e STF veta doação de empresas Sex, 18 de Setembro de 2015 11:13 Até Maradona coraria. Teve a mão de Deus, disse o ministro Gilmar Mendes na quarta 16 ao defender seu longo pedido de vista, de um ano e cinco meses, no julgamento do Supremo Tribunal Federal que analisa

Leia mais

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral

Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral Princípio da anualidade e mudança de jurisprudência em matéria eleitoral As eleições são resguardadas pelo princípio da anualidade, insculpido no art. 16 da Constituição Federal. Esse princípio constitucional,

Leia mais

Reclamação 17.383-SP-Eletrônico Celso de Mello

Reclamação 17.383-SP-Eletrônico Celso de Mello Nº 2.791 PGR-RJMB -Eletrônico Relator: Ministro Celso de Mello Reclamante: Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos Reclamado: Tribunal Superior do Trabalho RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL E ADMINIS- TRATIVO.

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça Autos: PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS - 0006845-87.2014.2.00.0000 Requerente: ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS BRASILEIROS - AMB Requerido: CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA - CNJ Ementa: PEDIDO

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO Registro: 2016.0000028181 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos de Agravo de Instrumento nº 2231820-97.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante FACEBOOK SERVIÇOS ONLINE

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

<CABBCCABADDACABCCBBACAABDCDAABCBACBAA DDADAAAD> EMENTA: TRIBUTÁRIO ANULAÇÃO DE AUTO DE INFRAÇÃO FISCAL ITCD DOAÇÃO DE COTAS SOCIAIS TRANSAÇÃO REALIZADA ENTRE PARTICULARES SEM QUALQUER PUBLICIDADE INOCORRÊNCIA

Leia mais

Tratamento jornalístico das candidaturas

Tratamento jornalístico das candidaturas Tratamento jornalístico das candidaturas Disposições aplicáveis: - Artigo 113º nº 3 alínea b) da Constituição da República Portuguesa; - Artigos 59º, 67º, 71º e 74º da Lei Orgânica n.º 1/2006, de 13 de

Leia mais

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br

São Paulo, 15 de fevereiro de 2012. www.prattein.com.br As mudanças no funcionamento do Fundo da Criança e do Adolescente trazidas pela lei nº 12.594 de 18 de janeiro de 2012, que institui o SINASE, e as implicações para diferentes atores do Sistema de Garantia

Leia mais

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM

WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM WPOS CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO ELEITORAL DISPLINA: PRINCÍPIOS DE DIREITO ELEITORAL ALUNO: MARCO ANTÔNIO SILVA DE MENDONÇA ATIVIDADE 3: FÓRUM TEMA: Princípio da presunção de inocência versus princípio

Leia mais

Ação Ordinária nº 200.81.00.006

Ação Ordinária nº 200.81.00.006 Ação Ordinária nº 200.81.00.006 Nos autos da Ação Ordinária n 2000.81.00.006046-9, ajuizada por servidores da Justiça Federal no Ceará contra a União Federal, e que tramita na 2ª Vara da Justiça Federal,

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 2072-78.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: IVAR PAVAN, CARGO DEPUTADO FEDERAL Nº: 1330 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais:

Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Pontos da Res. TSE nº 23.376/12 diretamente relacionados à internet: I A Arrecadação dos Recursos a emissão dos Recibos Eleitorais: Art. 4º Toda e qualquer arrecadação de recursos para a campanha eleitoral,

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal MEDIDA CAUTELAR NA RECLAMAÇÃO 17.446 RIO GRANDE DO NORTE RELATORA RECLTE.(S) ADV.(A/S) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :MUNICÍPIO DE LUCRÉCIA :AMARO BANDEIRA DE ARAÚJO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 730.228 MATO GROSSO DO SUL RELATORA ADV.(A/S) RECTE.(S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :RENATA GONÇALVES PIMENTEL :ITAMAR JOSÉ POTYGUARA PRATA DE PINHO E OUTRO(A/S)

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 919.527 - SP (2007/0014498-9) RELATOR : MINISTRO BENEDITO GONÇALVES AGRAVANTE : FAZENDA NACIONAL REPDO : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS AGRAVADO : TRANS-TERRALHEIRO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 16/04/2013 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 667.692 SÃO PAULO RELATOR : MIN. RICARDO LEWANDOWSKI AGTE.(S) :SUDARCY SANSAO

Leia mais

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68.

Embora regularmente notificada, fl.67, a reclamada não apresentou contrarrazões, conforme certificado à fl. 68. A C Ó R D Ã O 10ª TURMA PODER JUDICIÁRIO FEDERAL JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 1ª REGIÃO Gabinete do Desembargador Marcelo Antero de Carvalho Av. Presidente Antonio Carlos, 251 6º

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 118-06.2013.6.21.0170 PROCEDÊNCIA: CANOAS RECORRENTE: FRANCIELE CARRETOS STEFFEN RECORRIDA: JUSTIÇA LEITORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS

CÂMARA DOS DEPUTADOS CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI Nº, DE 2004 (Da Comissão de Legislação Participativa) SUG nº 84/2004 Regulamenta o art. 14 da Constituição Federal, em matéria de plebiscito, referendo e iniciativa

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: PC 1523-68.2014.6.21.0000 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE INTERESSADO: KEVIN CHAVES KRIEGER, CARGO DEPUTADO ESTADUAL Nº 11011 -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

1 64-1-010/2013/598823 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010) COMARCA DE CAXIAS DO SUL 2ª VARA CÍVEL ESPECIALIZADA EM FAZENDA PÚBLICA Rua Dr. Montaury, 2107, 5º andar Processo nº: Natureza: Impetrante: Impetrado: 010/1.13.0024550-6 (CNJ:.0044480-23.2013.8.21.0010)

Leia mais

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS.

NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. NA IMPORTAÇÃO POR NÃO CONTRIBUINTE DO IMPOSTO ESTADUAL APÓS A EMENDA CONSTITUCIONAL N. 33 DE 11.12.01, CONTINUA NÃO INCIDINDO O ICMS. Elaborado em 07/2008 Gerson Tarosso Advogado. Sócio fundador do escritório

Leia mais

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá.

REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. REGIME PRISIONAL FECHADO NO DELITO DE TRÁFICO DE ENTORPECENTES. Autor: Fábio Soares Valera. Promotor de Justiça. Comarca de Araxá. Em sede do julgamento do habeas corpus n. 97.256/RS, o Supremo Tribunal

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 5.735, DE 2013

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 5.735, DE 2013 COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA PROJETO DE LEI N.º 5.735, DE 2013 Altera dispositivos da Lei nº 4.737, de 15 de julho de 1965 (Código Eleitoral), da Lei nº 9.096, de 19 de setembro

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A relativização da propaganda no YouTube nas eleições municipais Alisson Taveira Rocha Leal * Em sede de propaganda eleitoral na internet, alguns Tribunais Regionais Eleitorais vêm

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça Conselho Nacional de Justiça PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS N. 200810000017819 RELATOR : CONSELHEIRO JOSÉ ADONIS CALLOU DE ARAÚJO SÁ REQUERENTE : MINISTÉRIO PÚBLICO JUNTO AO TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE GOIÁS

Leia mais

JURISPRUDÊNCIA DO TJPR É FIRMADA PELA ATITUDE DA APRA-PR E ADVOGADOS PARCEIROS. VERBA TRANSITÓRIA DE ENSINO. PARABÉNS!!!

JURISPRUDÊNCIA DO TJPR É FIRMADA PELA ATITUDE DA APRA-PR E ADVOGADOS PARCEIROS. VERBA TRANSITÓRIA DE ENSINO. PARABÉNS!!! 1 JURISPRUDÊNCIA DO TJPR É FIRMADA PELA ATITUDE DA APRA-PR E ADVOGADOS PARCEIROS. VERBA TRANSITÓRIA DE ENSINO. PARABÉNS!!! A APRA/PR vem respeitosamente apresentar aos Policiais e Bombeiros militares do

Leia mais

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes:

5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: Recorrentes: 5Recurso Eleitoral n. 153-81.2012.6.13.0021 Zona Eleitoral: 21ª, de Bambuí Recorrentes: Ministério Público Eleitoral Coligação Todos Juntos por Bambuí Recorrido: Lelis Jorge da Silva Relatora: Juíza Alice

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Inteiro Teor do Acórdão - Página 92 de 215 18/06/2014 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 4.947 DISTRITO FEDERAL DEBATE O SENHOR MINISTRO LUÍS ROBERTO BARROSO - Presidente, eu fiquei com uma

Leia mais

PROVA DISCURSIVA P 4

PROVA DISCURSIVA P 4 PROVA DISCURSIVA P 4 Nesta prova, faça o que se pede, usando, caso queira, os espaços para rascunho indicados no presente caderno. Em seguida, transcreva os textos para o CADERNO DE TEXTOS DEFINITIVOS

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 728.071 GOIÁS RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :BANCO ITAÚ S/A : WANDERLI FERNANDES DE SOUSA E OUTRO(A/S) :REAL DISTRIBUIÇÃO LTDA

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo

Tribunal Regional Eleitoral do Espírito Santo SESSÃO ORDINÁRIA 27-01-2014 PROCESSO Nº 129-48.2013.6.08.0024 - CLASSE 30 NOTAS TAQUIGRÁFICAS Fls. 1/6 RELATÓRIO O Sr. JURISTA GUSTAVO CÉSAR DE MELLO CALMON HOLLIDAY (RELATOR):- Senhor Presidente: Trata-se

Leia mais

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte:

DECISÃO. Relatório. 2. A decisão impugnada tem o teor seguinte: DECISÃO RECLAMAÇÃO. CONSTITUCIONAL. ALEGADO DESCUMPRIMENTO DA SÚMULA VINCULANTE N. 10 DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL. RECLAMAÇÃO PROCEDENTE. Relatório 1. Reclamação, com pedido de antecipação de tutela, ajuizada

Leia mais

IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII

IV, VII, VIII, IX, XII, XIII, XV, XVI, XVII, XVIII, XIX, XX, XXII Parecer Coletivo Prefeito. Agente Político. Férias. Direito. Exercício. Impossibilidade de Gozo. Indenização. TCE. Entendimento. Reversão. Legalidade no Pagamento. A presente orientação aos agentes políticos

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL

JUSTIÇA ELEITORAL TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO RIO GRANDE DO SUL PROCESSO: RE 177-64.2012.6.21.0158 PROCEDÊNCIA: PORTO ALEGRE RECORRENTE: COMITÊ FINANCEIRO MUNICIPAL DE VEREADOR DO PARTIDO SOCIAL CRISTÃO - PSC DE PORTO ALEGRE RECORRIDA: JUSTIÇA ELEITORAL -----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97)

Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) REPRESENTAÇÃ ÇÃO O POR CAPTAÇÃ ÇÃO O E GASTOS ILÍCITOS DE RECURSOS (Art( Art.. 30-A, Lei nº n 9.504/97) 1. CAIXA DOIS Recursos não contabilizados de campanha eleitoral, que não transitam em conta bancária

Leia mais

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR):

RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): PROCESSO Nº: 0806690-65.2014.4.05.8400 - APELAÇÃO RELATÓRIO O SR. DESEMBARGADOR FEDERAL PAULO ROBERTO DE OLIVEIRA LIMA (RELATOR): Trata-se de apelação interposta pelo Conselho Regional de Corretores de

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 1.190.426 - SP (2010/0068750-3) RELATOR RECORRENTE ADVOGADO RECORRENTE ADVOGADO RECORRIDO ADVOGADO : MINISTRO HUMBERTO MARTINS : MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA BOA VISTA : JOÃO FERNANDO ALVES

Leia mais

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA:

O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: O JUDICIÁRIO BRASILEIRO E A FIDELIDADE PARTIDÁRIA: RETORNO À EMENDA N 1/69? Por Francisco de Guimaraens 1 Introdução O presente ensaio tem por finalidade analisar criticamente os principais aspectos jurídicos

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal AGRAVO DE INSTRUMENTO 822.386 SÃO PAULO RELATOR : MIN. LUIZ FUX AGTE.(S) :CONSLADEL - CONSTRUTORA E LAÇOS DETETORES E ELETRÔNICA LTDA E OUTRO(A/S) ADV.(A/S) :LEONARDO GUERZONI FURTADO DE OLIVEIRA E OUTRO(A/S)

Leia mais

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016

ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 ORIENTAÇÕES AOS AGENTES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO DE FLORIANÓPOLIS NO ANO ELEITORAL 2016 Apresentação: As Eleições Municipais ocorrerão no dia 02/10/2016, primeiro domingo do mês de outubro. Escolheremos o

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 VOTO EM SEPARADO DO DEPUTADO REGIS DE OLIVEIRA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 5.054 DE 2005 Torna obrigatório o exame de ordem para todos os que quiserem inscrever-se como advogado. Autor: Deputado Almir Moura Relator:

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 825.215 RIO DE JANEIRO RELATORA RECTE.(S) ADV.(A/S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA : TATIANA DO ESPIRITO SANTO E OUTRO(A/S) :LEONARDO ORSINI DE CASTRO AMARANTE E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S)

Leia mais

APELAÇÃO CÍVEL nº 442358/RN (2007.84.00.006636-6)

APELAÇÃO CÍVEL nº 442358/RN (2007.84.00.006636-6) APTE REPTE APDO ADV/PROC ORIGEM RELATORA : INSS - INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL : PROCURADORIA REPRESENTANTE DA ENTIDADE : ALLIETE BEZERRA DE MEDEIROS ARAUJO e outro : ASTÉRIO ALVES DE ARAÚJO FILHO

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores RUBENS RIHL (Presidente) e JARBAS GOMES. São Paulo, 18 de setembro de 2013.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores RUBENS RIHL (Presidente) e JARBAS GOMES. São Paulo, 18 de setembro de 2013. ACÓRDÃO Registro: 2013.0000562802 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0000555-80.2010.8.26.0482, da Comarca de Presidente Prudente, em que é apelante PREFEITURA MUNICIPAL DE PRESIDENTE

Leia mais

RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO

RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO RENOVAÇÃO DO REGISTRO DE ARMA DE FOGO Antonio Carlos de Vasconcellos Coelho Barreto Campello Procurador da República Professor de direito Penal da Escola Superior da Magistratura de Pernambuco Com a proximidade

Leia mais

A requerente sustenta, mais, em síntese:

A requerente sustenta, mais, em síntese: A Agência Nacional de Transportes Terrestres - ANTT, com fundamento no art. 4º da Lei 4.348/64, requer a suspensão da execução da medida liminar concedida pelo relator do Mandado de Segurança nº 2006.01.00.043354-2

Leia mais

A Semana no Congresso Nacional

A Semana no Congresso Nacional A Semana no Congresso Nacional Brasília, 10/08/2015 CÂMARA Câmara instalará seis comissões mistas para analisar MPs Relator da CPI do BNDES apresentará plano de trabalho Comissão de Finanças e Tributação

Leia mais

PROC. Nº TST-CSJT-208/2006-000-90-00.1. A C Ó R D Ã O CSJT RB/cgr/ras

PROC. Nº TST-CSJT-208/2006-000-90-00.1. A C Ó R D Ã O CSJT RB/cgr/ras PROC. Nº TST-CSJT-208/2006-000-90-00.1 A C Ó R D Ã O CSJT RB/cgr/ras 1 - CONSELHO SUPERIOR DA JUSTIÇA DO TRABALHO. CONCURSO PÚBLICO. DEFICIÊNCIA AUDITIVA. INCIDÊNCIA DE NORMA EXPEDIDA EM DATA POSTERIROR

Leia mais

Advogados: Drs. Sérgio Sahione Fadel e outros e Letácio Jansen e outro EMENTA: - SAÚDE - DEFESA E PROTEÇÃO - COMPETÊNCIA PARA LEGISLAR.

Advogados: Drs. Sérgio Sahione Fadel e outros e Letácio Jansen e outro EMENTA: - SAÚDE - DEFESA E PROTEÇÃO - COMPETÊNCIA PARA LEGISLAR. SAÚDE - DEFESA E PROTEÇÃO - COMPETÊNCIA PARA LEGISLAR. O Estado do Rio de Janeiro ao editar o Decreto-lei nº 134/75 e seu regulamento, Decreto nº 1.632/75, usou sua competência concorrente para legislar

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS JUÍZO DA 37ª ZONA ELEITORAL SENTENÇA

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DO AMAZONAS JUÍZO DA 37ª ZONA ELEITORAL SENTENÇA Protocolo 15488/2011 Ação Representação Autos 220-95.2011.6.04.0000 Classe XLII Representante: Ministério Público Representado: Wellington Lins de Albuquerque Junior Patrona do Maria Benigno OAB/AM A 619

Leia mais

Faço uma síntese da legislação previdenciária e das ações que dela decorreram. 1. A LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA

Faço uma síntese da legislação previdenciária e das ações que dela decorreram. 1. A LEGISLAÇÃO PREVIDENCIÁRIA DECISÃO: O INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL-INSS ajuíza suspensão de segurança em face de decisão da 1ª Turma Recursal do Juizado Especial Federal Cível de São Paulo que antecipou 21.416 (vinte e um

Leia mais

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO

O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO O MENSALÃO E A PERDA DE MANDATO ELETIVO José Afonso da Silva 1. A controvérsia 1. A condenação, pelo Supremo Tribunal Federal, na Ação Penal 470, de alguns deputados federais tem suscitado dúvidas relativamente

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR LUIZ FUX DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR LUIZ FUX DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO RELATOR LUIZ FUX DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL REPERCUSSÃO GERAL RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 870.947-SE RECORRENTE: INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS RECORRIDO: DERIVALDO

Leia mais

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO

OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO OS PRINCÍPIOS CONSTITUCIONAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E A DEFESA DOS INTERESSES DA UNIÃO Artigo jurídico apresentado por MARCELO THIMOTI DA SILVA, professor, especialista em Direito Administrativo, Constitucional

Leia mais

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO

Em revisão 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO 15/05/2013 PLENÁRIO AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE 3.609 ACRE VOTO O EXMO. SR. MINISTRO DIAS TOFFOLI: Ação direta de inconstitucionalidade ajuizada pelo Procurador-Geral da República em face da Emenda

Leia mais

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ

ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ I TRIBUNAL SUPERIOR ELE.ITORAL ACÓRDÃO AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO DE INSTRUMENTO N 12.165 (39513-54.2009.6.00.0000) - CLASSE 6 - BITURUNA - PARANÁ Relator: Ministro Arnaldo Versiani Agravantes: Lauro

Leia mais

ALERT. Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção

ALERT. Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção 19 de março de 2015 ALERT Governo Federal publica Decreto que regulamenta a Lei Anticorrupção A equipe de Compliance do Aidar SBZ Advogados permanece à disposição para esclarecimentos adicionais. Contatos:

Leia mais

CONTROLE CONCENTRADO

CONTROLE CONCENTRADO Turma e Ano: Direito Público I (2013) Matéria / Aula: Direito Constitucional / Aula 11 Professor: Marcelo L. Tavares Monitora: Carolina Meireles CONTROLE CONCENTRADO Ação Direta de Inconstitucionalidade

Leia mais

JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 2014

JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 2014 JUSTIÇA ELEITORAL PRESTAÇÃO DE CONTAS - ELEIÇÕES 2014 PROCESSO Nº: 2276-69.2014 PROTOCOLO Nº 47.962/2014 ASSUNTO: PRESTAÇÃO DE CONTAS RELATIVA À ARRECADAÇÃO E APLICAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS NA CAMPANHA

Leia mais

DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL DIVISOR MÍNIMO PARA CÁLCULO DO SALÁRIO-DE-BENEFÍCIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL RENATA BAARS Consultora Legislativa da Área XXI Previdência e Direito Previdenciário FEVEREIRO/2010 Renata Baars 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...3

Leia mais

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR

LUIZ ANTONIO SOARES DESEMBARGADOR FEDERAL RELATOR Apelação Cível - Turma Espec. II - Tributário Nº CNJ : 0100686-34.2014.4.02.5006 (2014.50.06.100686-0) RELATOR : LUIZ ANTONIO SOARES APELANTE : PARANÁ GRANITOS LTDA ADVOGADO : EDGAR LENZI E OUTROS APELADO

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA.

AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA. A C Ó R D Ã O (3ª Turma) GMMGD/rfs/mjr/ef AGRAVO DE INSTRUMENTO. RECURSO DE REVISTA. VALE-TRANSPORTE. PAGAMENTO EM PECÚNIA. PRETENSÃO DE INTEGRAÇÃO AO SALÁRIO. NATUREZA INDENIZATÓRIA. Demonstrado no agravo

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO COM AGRAVO 821.162 RIO DE JANEIRO RELATOR RECTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. LUIZ FUX :MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO :PROCURADOR-GERAL DO MUNICÍPIO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL

RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL RESOLUÇÃO Nº INSTRUÇÃO Nº 539-35.2015.6.00.0000 CLASSE 19 BRASÍLIA DISTRITO FEDERAL Relator: Ministro Gilmar Mendes Interessado: Tribunal Superior Eleitoral Dispõe sobre pesquisas eleitorais para o pleito

Leia mais

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador PAULO PAIM

PARECER Nº, DE 2010. RELATOR: Senador PAULO PAIM PARECER Nº, DE 2010 Da COMISSÃO DE DIREITOS HUMANOS E LEGISLAÇÃO PARTICIPATIVA, sobre a Sugestão nº 4, de 2009, a qual propõe a apresentação de projeto de lei que modifica a redação do único do art. 38

Leia mais

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2

Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 Ano 2015, Número 242 Brasília, quarta-feira, 23 de dezembro de 2015 Página 2 PRESIDÊNCIA (NÃO HÁ PUBLICAÇÕES NESTA DATA) SECRETARIA JUDICIÁRIA Coordenadoria de Acórdãos e Resoluções Resolução PUBLICAÇÃO

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECURSO EXTRAORDINÁRIO 732.226 BAHIA RELATORA RECTE.(S) : MIN. CÁRMEN LÚCIA :UNIMED DE SALVADOR - COOPERATIVA DE TRABALHO MÉDICO ADV.(A/S) : BETANIA ROCHA RODRIGUES E OUTRO(A/S) RECDO.(A/S) :JACQUELENE

Leia mais

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Fundamentos. Solução de Consulta Interna nº 20 Cosit Data 13 de setembro de 2012 Origem

CÓPIA. Coordenação Geral de Tributação. Relatório. Fundamentos. Solução de Consulta Interna nº 20 Cosit Data 13 de setembro de 2012 Origem Fl. 11 Fls. 1 Coordenação Geral de Tributação Solução de Consulta Interna nº 20 Data 13 de setembro de 2012 Origem COORDENAÇÃO GERAL DE ACOMPANHAMENTO ADMINISTRATIVO E JUDICIAL (COCAJ) Assunto: Normas

Leia mais

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11.

A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. A REVOGAÇÃO TÁCITA DOS ARTIGOS 30 E 31 DA LEI DO COLARINHO BRANCO EM RAZÃO DA ALTERAÇÃO LEGISLATIVA PROMOVIDA PELA LEI 12.403/11. Ricardo Henrique Araújo Pinheiro Recentemente publicamos um artigo no qual

Leia mais

Informativo TSE. Brasília, janeiro de 2013 Série especial Ano I n 1 vol. II. LEI DA FICHA LIMPA Demais alíneas. sumário

Informativo TSE. Brasília, janeiro de 2013 Série especial Ano I n 1 vol. II. LEI DA FICHA LIMPA Demais alíneas. sumário Informativo TSE Assessoria Especial (Asesp) Brasília, janeiro de 2013 Série especial Ano I n 1 vol. II LEI DA FICHA LIMPA Demais alíneas O informativo contém resumos não oficiais de decisões do Tribunal

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL XIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Presidente da República editou o Decreto nº 5555, estabelecendo a obrigatoriedade, como exigência à obtenção do diploma de graduação em engenharia, de um elevado

Leia mais

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS

SEMINÁRIO - O PODER JUDICIÁRIO E O NOVO CÓDIGO DE PROCESSO CIVIL ENUNCIADOS APROVADOS 1) Entende-se por fundamento referido no art. 10 do CPC/2015 o substrato fático que orienta o pedido, e não o enquadramento jurídico atribuído pelas partes. 2) Não ofende a regra do contraditório do art.

Leia mais

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS

NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS ESTUDO NATUREZA JURÍDICA DAS ENTIDADES GESTORAS DO REGIME DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR PARA OS SERVIDORES PÚBLICOS FEDERAIS Leonardo Costa Schüler Consultor Legislativo da Área VIII Administração Pública

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça RECURSO ESPECIAL Nº 956.110 - SP (2007/0123248-2) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO RECORRENTE : INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS PROCURADOR : KEILA NASCIMENTO SOARES E OUTRO(S) RECORRIDO

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 750.290 - MG (2015/0180435-4) RELATOR : MINISTRO MAURO CAMPBELL MARQUES AGRAVANTE : LÍDER TÁXI AÉREO S/A - AIR BRASIL ADVOGADOS : ANDRÉIA SANGLARD ANDRADE RESENDE

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal Decisão sobre Repercussão Geral DJe 11/12/2012 Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 16 15/11/2012 PLENÁRIO REPERCUSSÃO GERAL NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 639.856 RIO GRANDE DO SUL RELATOR RECTE.(S) ADV.(A/S)

Leia mais

Instituições do Direito Público e Privado

Instituições do Direito Público e Privado Instituições do Direito Público e Privado Professora conteudista: Cristiane Nagai Sumário Instituições do Direito Público e Privado Unidade I 1 INTRODUÇÃO AO DIREITO...1 1.1 Conceitos gerais de direito...2

Leia mais

12/05/2015 SEGUNDA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA

12/05/2015 SEGUNDA TURMA : MIN. DIAS TOFFOLI EMENTA Ementa e Acórdão Inteiro Teor do Acórdão - Página 1 de 10 12/05/2015 SEGUNDA TURMA AG.REG. NO RECURSO EXTRAORDINÁRIO 784.025 PARANÁ RELATOR AGTE.(S) ADV.(A/S) AGDO.(A/S) PROC.(A/S)(ES) : MIN. DIAS TOFFOLI

Leia mais

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux:

Outrossim, ficou assim formatado o dispositivo do voto do Mn. Fux: QUESTÃO DE ORDEM Nos termos do art. 131 e seguintes do Regimento do Congresso Nacional, venho propor a presente QUESTÃO DE ORDEM, consoante fatos e fundamentos a seguir expostos: O Congresso Nacional (CN)

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO 9ª REGIÃO 301 1 Opoente: Opostos: SINDICATO DOS SERVIDORES MUNICIPAIS DE FOZ DO IGUAÇU SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE DE FOZ DO IGUAÇU E REGIÃO, FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE SAÚDE DE

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO PUBLICAÇÕES JUDICIAIS I - INTERIOR SP E MS SUBSEÇÃO JUDICIÁRIA DE SAO CARLOS 2ª VARA DE SÃO CARLOS Processo nº 0001312-86.2014.403.6115 RCO IND., COM., EXPORT. E

Leia mais

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL

AULA 10 CONTROLE DE CONSTITUCIONALIDADE NO BRASIL Faculdade do Vale do Ipojuca - FAVIP Bacharelado em Direito Autorizado pela Portaria nº 4.018 de 23.12.2003 publicada no D.O.U. no dia 24.12.2003 Curso reconhecido pela Portaria Normativa do MEC nº 40,

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete do Desembargador Federal Marcelo Navarro RELATÓRIO O Senhor DESEMBARGADOR FEDERAL MARCELO NAVARRO: Cuida-se de apelação criminal interposta por Alfredo de Oliveira Santos contra sentença (fls. 455/471) da lavra do MM. Juízo da 13ª Vara Federal

Leia mais