PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF Ana Rosa dos Santos Anderclébio de Lima Macedo RESUMO Relata a experiência da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense no desenvolvimento de um Planejamento da Preservação e Conservação do Acervo. Esse Planejamento deu origem aos Programas de Conservação e Preservação. Destaca-se a Oficina de Pequenos Reparos, que desenvolve o trabalho de conservação. Apresenta os Programas de capacitação do pessoal e dos usuários/clientes criados de forma a contribuir com a preservação. Conclui que o Planejamento permitiu o estabelecimento de uma estratégia para uma ação coordenada de preservação e conservação do acervo, e garantiu maior e melhor acesso a informação, fazendo com que a biblioteca cumpra assim suas funções. PALAVRAS-CHAVE: Gestão em serviços de informação. Conservação e preservação de documentos. 1 INTRODUÇÃO Este trabalho relata a experiência da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense no desenvolvimento de um Planejamento de Preservação e Conservação de Acervo. A Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia (BNO) tem como missão apoiar às atividades de ensino, pesquisa e extensão das Faculdades de Nutrição e Odontologia, proporcionando o acesso aos recursos informacionais e dando assessoria técnica, por meio de redes e sistemas, facilitando o acesso à informação; atendendo a comunidade universitária, e a comunidade em geral, também. Esta Biblioteca está subordinada ao Núcleo de Documentação (NDC), Sistema de Bibliotecas e Arquivos.

2 Nosso acervo está em torno de trinta mil exemplares, entre livros, periódicos, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses. Seu acesso era restrito; depois da reforma realizada em 2003, foi implantado o livre acesso. Já era notada a deterioração das coleções, principalmente de livros, que pela política dos últimos governos, a muito não são adquiridos. Com o livre acesso, a tendência seria que esse estado se agravasse, ainda mais, era preciso que fosse tomada uma providência, surgiu então a idéia do planejamento para a preservação e conservação do acervo. Primeiro foi desenvolvido um pequeno projeto, apresentado a Universidade, que garantiu um bolsista para o desempenho do trabalho de conservação, que há algum tempo vem sendo desenvolvido, em nosso Sistema de Bibliotecas e Arquivos, através das Oficinas de Pequenos Reparos, coordenadas pelo Laboratório de Conservação e Restauração (LACORD). A reforma da biblioteca nos proporcionou também uma pequena oficina. Tendo o bolsista e a oficina, começamos estabelecer os Programas de Preservação e Conservação. Era importante também capacitar o staff e os usuários/clientes para que esses pudessem contribuir. Precisaríamos determinar algumas das políticas e procedimentos para reencadernação e restauração de itens que não se encaixassem no Programa de Conservação, enfim, todo um planejamento que nos permitisse o desenvolvimento de ações coordenadas de preservação e conservação de nosso acervo. Apresentaremos a seguir uma síntese desse planejamento, que garantiu maior e melhor acesso a informação, fazendo com que a biblioteca cumpra assim suas funções, garantindo a preservação, sem maiores prejuízos da acessibilidade. 2 PLANEJAMENTO DE PRESERVAÇAO E CONSERVAÇÃO DE ACERVOS Após a inauguração, começamos o levantamento das atuais condições do acervo. Com a reforma ficou evidenciada a má situação das coleções, e tendo

3 em vista a continuidade das políticas de aquisição dos últimos governos, que não garantiu a renovação do acervo, teríamos que tomar uma providência a fim de melhorar essas condições. A coleção de livros estava mais prejudicada, e decidimos iniciar o Planejamento de Preservação e Conservação, usando essa coleção como base, para o planejamento das outras coleções. Nesse planejamento usamos as seguintes definições, de Sá Apud Sarmento, 2003: - PRESERVAÇÃO: é uma consciência, mentalidade, política (individual ou coletiva, particular ou institucional) com o objetivo de proteger e salvaguardar o Patrimônio. Resguardar o bem cultural, prevenindo possíveis malefícios e proporcionando a este condições adequadas de saúde. É o controle ambiental, composto por técnicas preventivas que envolvam o manuseio, acondicionamento, transporte e exposição; - CONSERVAÇÃO: É o conjunto de intervenções diretas, realizadas na própria estrutura física do bem cultural, com a finalidade de tratamento, impedindo, retardando ou inibindo a ação nefasta ocasionada pela ausência de uma preservação. É composta por tratamentos curativos, mecânicos e/ou químicos, tais como: higienização ou desinfestação de insetos ou microorganismos, seguidos ou não de pequenos reparos; - RESTAURAÇÃO: É um tratamento bem mais complexo e profundo, constituído de intervenções mecânicas e químicas, estruturais e/ou estéticas, com a finalidade de revitalizar um bem cultural, resgatando seus valores históricos e artísticos. Respeitando-se, ao máximo, a integridade e as características históricas, estéticas e formais do bem cultural, deve ser feito por especialistas. Foram estabelecidas algumas políticas: - Os livros da bibliografia básica eram os mais danificados, teriam que ser a nossa prioridade, mas não poderiam ser retirados de circulação por muito tempo devido a sua demanda. Por isso seriam reparados em nossa oficina, só em casos críticos seriam retirados para uma operação de conservação, ou reencadernação no LACORD. - Os outros livros de uso corrente, deveriam sofrer intervenções de acordo com seu estado, mas seria observada também a sua procura naquele momento.

4 Para avaliar essa demanda se usaria o controle de empréstimo, e a lista de reserva. - Os itens históricos e/ou raros deveriam ser restaurados, para tal seriam enviados para o LACORD. - A encadernação comercial seria utilizada como uma opção, em caso de materiais que apresentassem boas condições internas, com danos apenas na capa e nas junções das folhas. Este tipo de dano pode ser melhor resolvido com essa encadernação, que nesse caso tem menor custo e prazo. As outras coleções, como periódicos, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses, seguiriam esses princípios gerais, indicados aos livros, observando suas particularidades. Como nosso acervo tem o papel como suporte principal, precisávamos saber os fatores de degradação desse material; segundo Luccas (1995), eles se subdividem em: - Fatores internos estão ligados a composição, tipos de colagem, tipo de fibras, resíduos químicos, partículas metálicas. Nossa interferência em relação aos fatores internos é limitada. - Fatores externos são agentes físicos e agentes biológicos, como radiação ultravioleta, temperatura, umidade, poluição atmosférica, microorganismos, insetos, roedores, manuseio e o acondicionamento indevido. Podemos tomar algumas medidas, que minorizem a ação desses fatores: Agentes físicos: - A luz solar e as lâmpadas fluorescentes, quando diretas, são prejudiciais, recomenda-se medidas que bloqueiem ou minimizem esse tipo de ação. - Quanto à temperatura, pesquisa e experiência indicam que quanto menor, melhor para o papel. Quando o ambiente é dividido com pessoas, deve girar em torno de 18 o a 22 o C. - Em relação à umidade, a ideal seria entre 45 e 55%.

5 Agentes biológicos: - Para o problema dos fungos é preciso cuidar da umidade, usando desumidificadores e sílica gel. - Quanto aos insetos, como baratas, traças, piolho de livro, cupins, brocas, precisamos manter a limpeza, e dedetização cuidadosa, e fumigação. - Em relação à poluição atmosférica, pode-se usar os filtros próprios para ar condicionado. Ação do homem O manuseio e o acondicionamento indevido são fatores externos de grande impacto. Por exemplo, não devemos: - colocar clips, ou fazer orelhas para marcar página; - molhar o dedo com saliva para virar páginas; fazer anotações; - folhear livros com as mãos sujas; - usar fitas adesivas para consertar rasgos; - colocar livros nas estantes sem o uso de bibliocantos. Seguindo indicações de Gomes e Motta (1997, p. 103) devemos também Evitar deixar livros inclinados ou colocados de borco, apoiados no corte da frente. Estantes muito cheias fazem com que se retire o livro puxando-se pela cabeça da lombada, o que irá fragilizá-la rapidamente, além de impedir a circulação de ar entre os livros e facilitar a ação dos insetos. Com o Planejamento da Preservação e Conservação do Acervo da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia, estabelecemos os Programas de Preservação, de Conservação, e o de Capacitação do Pessoal e

6 dos Usuários/clientes, tendo como diretriz maior preservação, sem prejuízo da acessibilidade. 3 PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO Este programa foi desenvolvido com o objetivo de criar e manter ações preservativas de modo a resguardar o todo nosso acervo, prevenindo possíveis danos. Nele estão previstas medidas de controle ambiental, e preventivas que envolvem o manuseio, acondicionamento, transporte, limpeza, e etc. Como exemplo dessas ações, destacamos: a manutenção das janelas e brises fechados na área do acervo; a limpeza periódica do ambiente; e a seleção dos materiais com danos, de acordo com as prescrições do planejamento. Na reforma foi instalado um portal eletrônico semelhante aos das lojas de departamento; o acervo foi protegido com etiquetas eletromagnéticas, que emitem um som quando se ultrapassa o portal. Foram colocadas também câmeras monitorando os ambientes da biblioteca. Com o livre acesso a probabiblidade de vandalismo, e outros delitos aumenta. Acreditamos que toda essa preocupação com a segurança possa contribuir com o nosso Programa de Preservação de nossas coleções. Esse programa só poderia ter êxito com a cooperação de todos, daí surgiu a idéia de um programa de conscientização do pessoal e dos usuários/clientes. 3.1 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL E DOS USUÁRIOS/CLIENTES: PRESERVANDO O Programa de Capacitação do Pessoal e dos Usuários/clientes tem como objetivo a conscientização de todos a partir da necessidade de preservação das coleções.

7 O staff foi orientado, estando apto a selecionar os itens danificados, e encaminhá-los para a nossa Oficina de pequenos reparos. Bem como agir de maneira preservativa, e incentivar aos usuários/clientes essa prática. Implementamos uma ação educativa, estimulando a participação nos Programas. Por estarmos com um staff muito reduzido, não pudemos incentivar a participação nos cursos oferecidos pelo LACORD. Dessa forma toda ação pedagógica foi desenvolvida em nossa biblioteca. Como a chefia já havia sido qualificada pelo LACORD, podia então, transmitir alguns ensinamentos recebidos. Nosso bolsista trouxe as contribuições que recebeu do pessoal do LACORD, e contamos também com um dos membros de nossa equipe que já havia trabalhado nesse mesmo Laboratório. O maior desafio era conseguir que práticas costumeiras, como uso de durex, clips, e erros no manuseio perdessem seu uso. Mas todos se mostraram bastante solícitos, e com o conhecimento das técnicas de preservação e conservação pode-se substituir velhas ações, e assim todos vêm contribuindo para o sucesso dos Programas de Preservação e Conservação de nosso acervo. Os nossos usuários/clientes, maiores interessados, também se mostraram prontos a colaborar. Estamos desenvolvendo uma estratégia de marketing, a fim de incentivar essa colaboração. Cartazes, marcadores de livros, com mensagens esclarecedoras, e estimuladoras da preservação são algumas das idéias traçadas para implementação desta estratégia. 4 PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO Este programa objetiva realizar trabalho de conservação, que há algum tempo vem sendo desenvolvido, em nosso Sistema de Bibliotecas e Arquivos (NDC), através das Oficinas de Pequenos Reparos, coordenadas pelo Laboratório de Conservação e Restauração (LACORD). Com a reforma, ocorrida em 2003, ganhamos uma pequena oficina, onde são realizados os pequenos reparos, como folhas soltas, e outros pequenos trabalhos de conservação. Os

8 trabalhos mais complexos são efetuados no LACORD, que possui toda a estrutura, para tal. Os pequenos reparos são efetuados pelo bolsista sob orientação do pessoal do LACORD. Contamos também com a colaboração de uma de nossas funcionárias que já havia trabalhado nesse Laboratório, que pôde assim contribuir com sua experiência para o nosso Programa. Toda seleção dos itens, como já foi dita é efetuada pelos funcionários do balcão que fazem a triagem desse material, direcionando-os para o devido procedimento de conservação ou restauração, de acordo com as políticas definidas. O êxito desse Programa trouxe melhores condições de uso do nosso acervo, garantindo melhor acesso à informação. Com a nossa Oficina de pequenos reparos os itens podem ser reparados logo nos primeiros momentos, evitando que o dano seja agravado. Infelizmente nossa coleção já estava muito deteriorada, pois não tínhamos nem a oficina, nem uma pessoa dedicada ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelo LACORD. Com o Planejamento da Preservação e da Conservação pode-se melhor cumprir os papeis da biblioteca de preservar e disseminar a informação. 5 CONCLUSÃO A Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia pôde estabelecer ações coordenadas de preservação e conservação de suas coleções com o Planejamento da Preservação e Conservação de Acervo, através dos Programas de Preservação e de Conservação, assim como o de Capacitação do Pessoal e dos Usuários/Clientes, minorizando assim o efeito das políticas, ou melhor, da falta de política de aquisição dos últimos governos, que precarizou nossas coleções. Por meio dessas ações podemos desenvolver melhor a função de preservação e guarda da informação, o futuro; buscando menor prejuízo ao

9 acesso, o presente. Podemos perceber que essas funções podem ser complementares, que podem ser exercidas concomitantemente. Com o Planejamento garantimos a preservação sem maiores prejuízos do acesso. Os sucessos dos Programas criados nesse Planejamento só poderiam ser obtidos com a colaboração de todos. E essa deve ser buscada sempre, a fim de continuar garantir esse bom trabalho. ABSTRACTS The experience of the Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense in the development of a Planning of Preservation and Conservation of the collections,. Of this Planning it was born the Programs of Preservation and Conservation. It is distinguished Oficina de Pequenos Reparos, that develops the work of conservation. It presents the Programs of capacitation of the staff and the users bred of form to contribute with preservation. It concludes that the Planning it established a strategies for one action coordinated of preservation and conservation, and guaranteed greater and better access information, making with that the library fulfills to thus its functions. KEYWORDS: Library planning. preservation. REFERÊNCIAS GOMES, Sônia de Conti; MOTTA, Rosemary Tofani. Técnicas alternativas de conservação: recuperação de livros, revistas, folhetos e mapas. 2 ed. Minas Gerais: UFMG, LUCCAS, Lucy; SERIPIERRI, Dione. Conservar para não restaurar. Brasília: Thesaurus, SARMENTO, Adriana Godoy da Silveira. Preservar para não restaurar. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, INFORMAÇÃO E ÉTICA, , Florianópolis. Anais eletrônico. Florianópolis: Associação Catarinense de Bibliotecários, Disponível em: Acesso em: 05 mar

10 CASSARES, Norma Cianflone. Como Fazer Conservação Preventiva em Arquivos e Bibliotecas. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial, p. HAZEN, Dan, et al. Planejamento de preservação e gerenciamento de programas. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, MERRILL-OLDHAM, Jan, SCOTT, Jutta Reed. Programa de planejamento de preservação. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos : Arquivo Nacional, p. MILEVSKI, Robert J. Manual de pequenos reparos em livros. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos : Arquivo Nacional, p OGDEN, Sherelyn (Ed.). Armazenagem e manuseio. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn (Ed.). Meio ambiente. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn (Ed.). Procedimento de conservação. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn; GARLICK, Karin. Planejamento e prioridades. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, POLÍTICA de preservação de acervos institucionais. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia, p. REILLY, James M.; NISHIMURA, Douglas W., ZINN, Edward. Novas ferramentas para preservação. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos: Arquivo Nacional, p. TRIKLEY, Michael. Considerações sobre a preservação na construção de bibliotecas. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos: Arquivo Nacional, p. WEBER, Harmut. Preservação de acervos arquivísticos e materiais raros de bibliotecas. In: A INFORMAÇÃO: tendências para o novo milênio. Brasília: IBICT, 1999.

11 Bibliotecária chefe. Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia. Núcleo de Documentação.Universidade Federal Fluminense Rua São Paulo, 30, 5ºandar Niterói Rio de Janeiro Brasil Bolsista de Treinamento UFF. Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia. Núcleo de Documentação. Universidade Federal Fluminense Rua São Paulo, 30, 5ºandar Niterói Rio de Janeiro Brasil

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING.

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING. PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING. Ana Rosa dos Santos Graduada em Biblioteconomia e Documentação Bibliotecário/documentalista Universidade Federal Fluminense ndcars@uff.br Anderclébio de Lima

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

Preservação Documental

Preservação Documental Preservação Documental O acesso e a preservação são duas funções vitais dos Centros de Documentação, mas muitas vezes são antagônicas. A primeira, entendida aqui como a possibilidade de consulta, como

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução 94% da informação escrita pelo Homem está em papel. Principal motivo para a má qualidade do papel, foi a introdução de produtos químicos para branquear e aumentar a produção.

Leia mais

Monitoramento de Conservação

Monitoramento de Conservação TÓPICOS DE GERENCIAMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOGRÁFICAS ESPECIAIS Monitoramento de Conservação Ministrantes: Prof. Ms. Fabiano Cataldo de Azevedo Universidade do Estado do Rio de Janeiro Diná Araújo Universidade

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 META 1: MELHORIA DOS SERVIÇOS E PRODUTOS... 4 META 2 : EDUCAÇÃO

Leia mais

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE ACERVOS BIBLIOGRÁFICOS Iuri Rocio Franco Rizzi Professor Assistente Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Alagoas Alfenas-MG 5 jun. 2013 PLANO DA OFICINA: Parte I:

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação de Acervos Documentais

Leia mais

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional.

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional. POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO PFDA DA BIBLIOTECA DO INSTITUO J. ANDRADE 1. Objetivo Para que o acervo da biblioteca esteja em conformidade com as necessidades e os objetivos da Instituição

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

CHECK - LIST - ISO 9001:2000

CHECK - LIST - ISO 9001:2000 REQUISITOS ISO 9001: 2000 SIM NÃO 1.2 APLICAÇÃO A organização identificou as exclusões de itens da norma no seu manual da qualidade? As exclusões são relacionadas somente aos requisitos da sessão 7 da

Leia mais

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS 10º Congresso Brasileiro de Enfermagem en Centro Cirúrgico, Recuperação Anestésica e Centro de Material e ESterilização- 2011 A SEGURANÇA DA ASSISTÊNCIA DO PACIENTE CIRÚRGICO: FLUXO DE OPME NORMAS E CONDUTAS

Leia mais

PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS

PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS Lúcia Maria Oliveira da Silva Doris Day Eliano França Francisco Leandro Castro Lopes

Leia mais

MMX - Controladas e Coligadas

MMX - Controladas e Coligadas POLITICA CORPORATIVA PC. 1.16.01 Política de Meio Ambiente Emissão: 02/10/06 1 Objetivo: Estabelecer diretrizes visando proteger os recursos naturais e o meio ambiente em todas das unidades operacionais.

Leia mais

ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções

ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções Tatyana Marques de Macedo Cardoso Mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima

A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima Temática 3: Políticas de Informação, Multiculturalidade e Identidade Cultural A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima Carlos Wellington Martins

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física BIBLIOTECA CENTRAL A missão da Biblioteca Central Prof. Eurico Back - UNESC é promover com qualidade a recuperação de informações bibliográficas, com enfoque no desenvolvimento das atividades de ensino,

Leia mais

Reportagem Gestão de Resíduos

Reportagem Gestão de Resíduos 22 Reportagem Gestão de Resíduos Conexão 32 Setembro/Outubro 2010 23 Enfermagem na gestão de resíduos Uma das etapas mais complexas da segurança e da limpeza hospitalar está relacionada à gestão dos Resíduos

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Chefe de Serviço de Diretor do Departamento de Diretor da Diretoria-Geral de Catalogação, Classificação e Gestão e Disseminação do Comunicação e de Difusão do

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL

CURSO: GESTÃO AMBIENTAL CURSO: GESTÃO AMBIENTAL OBJETIVOS DO CURSO Objetivos Gerais O Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental tem por objetivo formar profissionais capazes de propor, planejar, gerenciar e executar ações

Leia mais

Instruções para o Acervo... 05

Instruções para o Acervo... 05 Sumário Apresentação... 03 Instruções gerais... 04 Instruções para o Acervo... 05 Política de Troca... 06 2 Apresentação Ao compreender as mudanças que o livro e a leitura podem fazer na vida de nossos

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ

REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ REGIMENTO INTERNO DO ARQUIVO PÚBLICO MUNICIPAL DE BAGÉ Art. 1 - O Arquivo Público Municipal de Bagé, criado pela lei nº 3.399/97, de julho/97 alterado e complementado pelas leis 3.817/2001 e 3.935/2002,

Leia mais

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001

DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 DELIBERAÇÃO CONSUNI Nº 028/2001 Dispõe sobre a criação do Sistema Integrado de Bibliotecas SIBi e aprovação do seu regulamento. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO, na conformidade do Processo nº PREX- 1785/2001,

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo

BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014. São Paulo BIBLIOTECA PROF. JOSÉ ROBERTO SECURATO RELATÓRIO DE GESTÃO 2014 São Paulo 2015 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. REALIZAÇÕES... 3 2.1 Acervo... 3 2.2 Plano de atualização e expansão do acervo... 3 2.3 Divulgação...

Leia mais

Título I. Das Finalidades

Título I. Das Finalidades REGIMENTO INTERNO DA BIBLIOTECA VISCONDE DE SÃO LEOPOLDO Título I Das Finalidades Art. 1º - A biblioteca foi criada em 13 de maio de 1961. A missão é contribuir para a melhoria do ensino, da pesquisa e

Leia mais

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa

Manual do Sistema de Gestão Ambiental - Instant Solutions. Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Manual do Sistema de Gestão Ambiental da empresa Data da Criação: 09/11/2012 Dara de revisão: 18/12/2012 1 - Sumário - 1. A Instant Solutions... 3 1.1. Perfil da empresa... 3 1.2. Responsabilidade ambiental...

Leia mais

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO

Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial Departamento Regional de São Paulo Programa SENAI Programa Estadual de Qualificação (Contrato SENAI SERT) PLANO DE CURSO Área Profissional: INDÚSTRIA Qualificação

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO XIV ENCONTRO DE BIBLIOTECÁRIOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO Eduardo Maciel Engenheiro de Segurança do Trabalho Assessor e Consultor

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 1 MUSEU UNIVERSITÁRIO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 13 de julho de 2010 1 2 1. APRESENTAÇÃO Este documento contém o resultado do trabalho efetuado durante o encontro Museu Universitário, realizado no dia 5

Leia mais

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet

III. Norma Geral de Segurança da Informação para Uso da Internet O B J E CT I V O Estabelecer critérios para acesso à Internet utilizando recursos do Projecto Portal do Governo de Angola. Orientar os Utilizadores sobre as competências, o uso e responsabilidades associadas

Leia mais

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias

Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Mesa Redonda Novas agendas de atuação e os perfis profissionais em bibliotecas universitárias Profa. Dra. Lillian Maria Araújo de Rezende Alvares Coordenadora-Geral de Pesquisa e Manutenção de Produtos

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem

Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem Shopping Iguatemi Campinas Reciclagem 1) COMO FUNCIONA? O PROBLEMA OU SITUAÇÃO ANTERIOR Anteriormente, todos os resíduos recicláveis ou não (com exceção do papelão), ou seja, papel, plásticos, vidros,

Leia mais

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas.

SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SAÚDE E EDUCAÇÃO INFANTIL Uma análise sobre as práticas pedagógicas nas escolas. SANTOS, Silvana Salviano silvanasalviano@hotmail.com UNEMAT Campus de Juara JESUS, Lori Hack de lorihj@hotmail.com UNEMAT

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis

IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1. Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis IMPLANTAÇÃO DA BIBLIOTECA VIRTUAL DO INSTITUTO CEPA: RELATO DA EXPERIÊNCIA 1 Ilmar Borchardt Amélia Silva de Oliveira Danilo Pereira Édina Nami Regis Resumo Descreve a implantação da Biblioteca Virtual

Leia mais

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS

PDI 2014/2017. Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS PDI 2014/2017 Sistema de Bibliotecas do IFRS - SiBIFRS O Sistema de Bibliotecas do IFRS (SiBIFRS) está em fase de estruturação. Atualmente ele é composto Grupos de Trabalho (GTs) pelas doze Bibliotecas

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado

Coleções FIOCRUZ. Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou. Sistema de Gestão Unificado Coleções FIOCRUZ Coleção de Malacologia Médica Centro de Pesquisas René Rachou Sistema de Gestão Unificado Cristiane Lafetá Pesquisas financiadas com recursos públicos são bens públicos e que informações

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA

BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA BIBLIOTECA DIGITAL DE TESES E DISSERTAÇÕES E OS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO: UMA INTERAÇÃO NECESSÁRIA Cláudia Oliveira de Moura Bueno 1, Odete Jacomini da Silva 1 Liliane Juvência Azevedo Ferreira 1 Bibliotecárias,

Leia mais

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015

Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 Mediadora: Marta Pião Florianópolis, SC junho 2015 ORGANOGRAMA DA EDUCAÇÃO PROCESSOS NA EDUCAÇÃO SUPERIOR PARA QUE AS INSTITUIÇÕES DE ENSINO TENHAM SEUS CURSOS APROVADOS E REGULAMENTADOS, É NECESSÁRIO

Leia mais

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS

DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES DOS CARGOS DENOMINAÇÃO DO CARGO: AUXILIAR DE BIBLIOTECA NÍVEL DE CLASSIFICAÇÃO: C DESCRIÇÃO DE ATIVIDADES TÍPICAS DO CARGO: Organizar, manter e disponibilizar os acervos bibliográficos para docentes, técnicos e alunos;

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA Cássia Regina Batista Clarissa Kellermann de Moraes Ivan Mário da Silveira Márcia Dietrich Santiago Proposta

Leia mais

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são:

O IDEC é uma organização não governamental de defesa do consumidor e sua missão e visão são: 24/2010 1. Identificação do Contratante Nº termo de referência: TdR nº 24/2010 Plano de aquisições: Linha 173 Título: consultor para desenvolvimento e venda de produtos e serviços Convênio: ATN/ME-10541-BR

Leia mais

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO

PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO PROJETO DIDÁTICO: O LIXO QUE VIROU LUXO Maria do Socorro dos Santos EEEFM José Soares de Carvalho socorrosantosgba@gmail.com Paula Priscila Gomes do Nascimento Pina EEEFM José Soares de Carvalho paulapgnascimento@yahoo.com.br

Leia mais

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011

ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 ANEXO XI ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS REFERENTE AO EDITAL DE PREGÃO PARA REGISTRO DE PREÇOS Nº 008/2011 OBJETO Prestação de serviços de organização arquivística, guarda física, digitalização e gerenciamento

Leia mais

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH

Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Política de desenvolvimento do acervo DA BIBLIOTECA DA FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS DE BELO HORIZONTE - FACISABH Belo Horizonte 2014 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA: o desafio do profissional da informação 1

PRESERVAÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA: o desafio do profissional da informação 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008

Regimento da Biblioteca Rev.: 01 Data: 07/07/2008 COMPLEXO DE ENSINO SUPERIOR DE SANTA CATARINA - CESUSC FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS DE FLORIANÓPOLIS - FCSF Credenciada pela Portaria MEC n. 109, de 10 de fevereiro de 2000 (DOU 11.02.2000) BIBLIOTECA

Leia mais

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009

Gestão da Qualidade Políticas. Elementos chaves da Qualidade 19/04/2009 Gestão da Qualidade Políticas Manutenção (corretiva, preventiva, preditiva). Elementos chaves da Qualidade Total satisfação do cliente Priorizar a qualidade Melhoria contínua Participação e comprometimento

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO

REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO OBIGATÓRIO CURRICULAR NA BIBLIOTECA SETORIAL DA FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO, ATUÁRIAS, CONTÁBEIS E SECRETARIADO XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 REALIZAÇÃO DE ESTÁGIO

Leia mais

Programa Gestão Viva

Programa Gestão Viva Programa Gestão Viva Subprograma: Gestão de Gente Título: Gestão de Pessoas Objetivo: Proporcionar alternativas que levem os profissionais a atingirem o ápice de seu desempenho profissional, visando, que

Leia mais

NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE RESUMO

NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE RESUMO NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Ana Rosa dos Santos RESUMO Relata a experiência de gestão de projetos para informatização

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO DEPARTAMENTO DE ARTES E LIBRAS NORMATIVA TEMPORÁRIA PARA UTILIZAÇÃO DOS SERVIÇOS DE ILUMINAÇÃO Servidor Técnico Administrativo em

Leia mais

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O

BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO R E G I M E N T O I N T E R N O Porto Alegre, 2013 TITULO I DA NATUREZA E SEUS FINS Art. 1 A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo, criada em 1962, registrada sob o nº.

Leia mais

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares

FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares FACEMA SUSTENTÁVEL: Incorporação de educação ambiental na IES: Pedro Augusto da Silva Soares Faculdade de ciências e tecnologia do maranhão-facema Caxias/MA pedroftb@hotmail.com.br/coor.educacaoambiental@facema.edu.br

Leia mais

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP

POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1. POLÍTICA DE EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DO ACERVO DA BIBLIOTECA DA FAIP 1.1. Objetivos Nas últimas décadas as bibliotecas passaram por mudanças

Leia mais

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA. Reforma dos Painéis Didáticos de Comando da Oficina Elétrica

TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA. Reforma dos Painéis Didáticos de Comando da Oficina Elétrica Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Etec JORGE STREET TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO TÉCNICO EM ELETROELETRÔNICA Reforma dos Painéis Didáticos de Comando

Leia mais

Coleção Livro de Artista

Coleção Livro de Artista Fundação Biblioteca Nacional PLANOR XI ENAR Encontro Nacional de Acervo Raro Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais Diná Araújo Magna Lúcia dos Santos Livro de Artista FBN PLANOR

Leia mais

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação

Universidade de Brasília. Departamento de Ciência da Informação e Documentação Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Profa.: Lillian Alvares Aspectos Gerais O uso da tecnologia digital traz grandes perspectivas de trabalho para os arquivos

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 10 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 10 de Outubro de 2013. Revisão aula anterior Documento de Requisitos Estrutura Padrões Template Descoberta

Leia mais

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002

feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 Página 1 feema - Fundação Estadual de Engenharia do Meio Ambiente Curso de Legislação e Normas para o Licenciamento Ambiental Junho de 2002 DZ 056 - Diretriz para Realização de Auditoria Ambiental capa

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014 Recepção de Calouros Lavras-MG 2º semestre/2014 Contatos: (35) 3829-1174/1181 HORÁRIOS DE ATENDIMENTO De segunda a sexta-feira 07h15 às 21h45. Aos sábados 07h15 às 12h45. Qualquer alteração no horário

Leia mais

Biblioteca 9. BIBLIOTECA

Biblioteca 9. BIBLIOTECA BIBLIOTECA Biblioteca 9. BIBLIOTECA Desde seu início, em dezembro de 1999, o Sistema de Bibliotecas da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia, composto pelas bibliotecas dos Campi de Vitória da Conquista,

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. Wladimir de Rezende Pinto Missão: Promover o desenvolvimento humano e social através da difusão de conhecimento, da formação ética, da competência

Leia mais

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha

Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados. Iza Saldanha Centros de documentação e informação para área de ENGENHARIA: como implantar e resultados esperados Iza Saldanha Abordagem Conceitos Procedimentos/Ferramentas Benefícios esperados Estudo de caso Planave

Leia mais

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS

PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS PRESERVAÇÃO DA MEMÓRIA E ORGANIZAÇÃO DO ACERVO DO PATRONATO AGRÍCOLA VIDAL DE NEGREIROS DA CIDADE DE BANANEIRAS BATISTA¹, Paloma Priscila Bispo, Centro de Ciências Humanas, Sociais e Agrárias-PROBEX 2013

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA GERENCIAMENTO DE REDES Segurança Lógica e Física de Redes 2 Semestre de 2012 SEGURANÇA FÍSICA Introdução Recomendações para o controle do acesso físico Política de segurança

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH)

REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) 1 REGIMENTO INTERNO DO MUSEU DE ARQUEOLOGIA E ETNOLOGIA PROFESSOR OSWALDO RODRIGUES CABRAL/ UFSC (PROPOSTA APROVADA NO CONSELHO DO CFH) I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este Regimento dispõe sobre

Leia mais

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.

A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004. Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos. A gestão de resíduos na UNISINOS atendendo aos requisitos da ISO 14.001:2004 Palestrante: Dra. Luciana Paulo Gomes, UNISINOS lugomes@unisinos.br 1 LIVRO: Gestão de Resíduos em Universidades 1. Como foi

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR FIQUENE POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO São Luís 2000 FACULDADE ATENAS MARANHENSE - FAMA BIBLIOTECA GOVERNADOR RIBAMAR

Leia mais

21/04/2013. O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas:

21/04/2013. O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas: um processo em construção na Superintendência de Documentação UFF O uso de um software de gerenciamento de serviços de bibliotecas produz, no dia a dia, ocorrências das mais variadas naturezas: Questões

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO

TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE CONSULTOR PESSOA FÍSICA MODALIDADE PRODUTO Número e Título do Projeto Função no Projeto: Resultado: Atividades: Antecedentes: (breve histórico justificando a contratação)

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM UM AMBIENTE UNIVERSITÁRIO: ESTUDO DE CASO DO CESUMAR, MARINGÁ - PR angélica da silva de oliveira 1 ;Adriana dos Santos Maulais 1 ; Rosilene Luciana Delariva

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br

A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI. Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br A Biblioteca: Gerenciamento de Serviços de TI Instrutor : Cláudio Magalhães E-mail: cacmagalhaes@io2.com.br 2 A Biblioteca ITIL: Information Technology Infrastructure Library v2 Fornece um conjunto amplo,

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

Mapeamento de Processos das Unidades Gerenciais Básicas GRUPO DE ESTUDOS GESTÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS COM ÊNFASE EM QUALIDADE

Mapeamento de Processos das Unidades Gerenciais Básicas GRUPO DE ESTUDOS GESTÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS COM ÊNFASE EM QUALIDADE Mapeamento de Processos das Unidades Gerenciais Básicas GRUPO DE ESTUDOS GESTÃO DE BIBLIOTECAS PÚBLICAS COM ÊNFASE EM QUALIDADE UGB Ação Cultural Promover a literatura, a leitura e inclusão sócio-cultural

Leia mais

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA

COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA COMISSÃO PRÓPRIA DE AVALIAÇÃO DA FACULDADE ARAGUAIA RELATÓRIO FINAL DE AUTO-AVALIAÇÃO DO CURSO DE PEDAGOGIADA CPA DA FACULDADE ARAGUAIA 2013/01 a 2013/02 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 3 1. Diagnóstico geral

Leia mais