PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF"

Transcrição

1 PLANEJAMENTO DA PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE ACERVO: O CASO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UFF Ana Rosa dos Santos Anderclébio de Lima Macedo RESUMO Relata a experiência da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense no desenvolvimento de um Planejamento da Preservação e Conservação do Acervo. Esse Planejamento deu origem aos Programas de Conservação e Preservação. Destaca-se a Oficina de Pequenos Reparos, que desenvolve o trabalho de conservação. Apresenta os Programas de capacitação do pessoal e dos usuários/clientes criados de forma a contribuir com a preservação. Conclui que o Planejamento permitiu o estabelecimento de uma estratégia para uma ação coordenada de preservação e conservação do acervo, e garantiu maior e melhor acesso a informação, fazendo com que a biblioteca cumpra assim suas funções. PALAVRAS-CHAVE: Gestão em serviços de informação. Conservação e preservação de documentos. 1 INTRODUÇÃO Este trabalho relata a experiência da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense no desenvolvimento de um Planejamento de Preservação e Conservação de Acervo. A Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia (BNO) tem como missão apoiar às atividades de ensino, pesquisa e extensão das Faculdades de Nutrição e Odontologia, proporcionando o acesso aos recursos informacionais e dando assessoria técnica, por meio de redes e sistemas, facilitando o acesso à informação; atendendo a comunidade universitária, e a comunidade em geral, também. Esta Biblioteca está subordinada ao Núcleo de Documentação (NDC), Sistema de Bibliotecas e Arquivos.

2 Nosso acervo está em torno de trinta mil exemplares, entre livros, periódicos, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses. Seu acesso era restrito; depois da reforma realizada em 2003, foi implantado o livre acesso. Já era notada a deterioração das coleções, principalmente de livros, que pela política dos últimos governos, a muito não são adquiridos. Com o livre acesso, a tendência seria que esse estado se agravasse, ainda mais, era preciso que fosse tomada uma providência, surgiu então a idéia do planejamento para a preservação e conservação do acervo. Primeiro foi desenvolvido um pequeno projeto, apresentado a Universidade, que garantiu um bolsista para o desempenho do trabalho de conservação, que há algum tempo vem sendo desenvolvido, em nosso Sistema de Bibliotecas e Arquivos, através das Oficinas de Pequenos Reparos, coordenadas pelo Laboratório de Conservação e Restauração (LACORD). A reforma da biblioteca nos proporcionou também uma pequena oficina. Tendo o bolsista e a oficina, começamos estabelecer os Programas de Preservação e Conservação. Era importante também capacitar o staff e os usuários/clientes para que esses pudessem contribuir. Precisaríamos determinar algumas das políticas e procedimentos para reencadernação e restauração de itens que não se encaixassem no Programa de Conservação, enfim, todo um planejamento que nos permitisse o desenvolvimento de ações coordenadas de preservação e conservação de nosso acervo. Apresentaremos a seguir uma síntese desse planejamento, que garantiu maior e melhor acesso a informação, fazendo com que a biblioteca cumpra assim suas funções, garantindo a preservação, sem maiores prejuízos da acessibilidade. 2 PLANEJAMENTO DE PRESERVAÇAO E CONSERVAÇÃO DE ACERVOS Após a inauguração, começamos o levantamento das atuais condições do acervo. Com a reforma ficou evidenciada a má situação das coleções, e tendo

3 em vista a continuidade das políticas de aquisição dos últimos governos, que não garantiu a renovação do acervo, teríamos que tomar uma providência a fim de melhorar essas condições. A coleção de livros estava mais prejudicada, e decidimos iniciar o Planejamento de Preservação e Conservação, usando essa coleção como base, para o planejamento das outras coleções. Nesse planejamento usamos as seguintes definições, de Sá Apud Sarmento, 2003: - PRESERVAÇÃO: é uma consciência, mentalidade, política (individual ou coletiva, particular ou institucional) com o objetivo de proteger e salvaguardar o Patrimônio. Resguardar o bem cultural, prevenindo possíveis malefícios e proporcionando a este condições adequadas de saúde. É o controle ambiental, composto por técnicas preventivas que envolvam o manuseio, acondicionamento, transporte e exposição; - CONSERVAÇÃO: É o conjunto de intervenções diretas, realizadas na própria estrutura física do bem cultural, com a finalidade de tratamento, impedindo, retardando ou inibindo a ação nefasta ocasionada pela ausência de uma preservação. É composta por tratamentos curativos, mecânicos e/ou químicos, tais como: higienização ou desinfestação de insetos ou microorganismos, seguidos ou não de pequenos reparos; - RESTAURAÇÃO: É um tratamento bem mais complexo e profundo, constituído de intervenções mecânicas e químicas, estruturais e/ou estéticas, com a finalidade de revitalizar um bem cultural, resgatando seus valores históricos e artísticos. Respeitando-se, ao máximo, a integridade e as características históricas, estéticas e formais do bem cultural, deve ser feito por especialistas. Foram estabelecidas algumas políticas: - Os livros da bibliografia básica eram os mais danificados, teriam que ser a nossa prioridade, mas não poderiam ser retirados de circulação por muito tempo devido a sua demanda. Por isso seriam reparados em nossa oficina, só em casos críticos seriam retirados para uma operação de conservação, ou reencadernação no LACORD. - Os outros livros de uso corrente, deveriam sofrer intervenções de acordo com seu estado, mas seria observada também a sua procura naquele momento.

4 Para avaliar essa demanda se usaria o controle de empréstimo, e a lista de reserva. - Os itens históricos e/ou raros deveriam ser restaurados, para tal seriam enviados para o LACORD. - A encadernação comercial seria utilizada como uma opção, em caso de materiais que apresentassem boas condições internas, com danos apenas na capa e nas junções das folhas. Este tipo de dano pode ser melhor resolvido com essa encadernação, que nesse caso tem menor custo e prazo. As outras coleções, como periódicos, trabalhos de conclusão de curso, dissertações e teses, seguiriam esses princípios gerais, indicados aos livros, observando suas particularidades. Como nosso acervo tem o papel como suporte principal, precisávamos saber os fatores de degradação desse material; segundo Luccas (1995), eles se subdividem em: - Fatores internos estão ligados a composição, tipos de colagem, tipo de fibras, resíduos químicos, partículas metálicas. Nossa interferência em relação aos fatores internos é limitada. - Fatores externos são agentes físicos e agentes biológicos, como radiação ultravioleta, temperatura, umidade, poluição atmosférica, microorganismos, insetos, roedores, manuseio e o acondicionamento indevido. Podemos tomar algumas medidas, que minorizem a ação desses fatores: Agentes físicos: - A luz solar e as lâmpadas fluorescentes, quando diretas, são prejudiciais, recomenda-se medidas que bloqueiem ou minimizem esse tipo de ação. - Quanto à temperatura, pesquisa e experiência indicam que quanto menor, melhor para o papel. Quando o ambiente é dividido com pessoas, deve girar em torno de 18 o a 22 o C. - Em relação à umidade, a ideal seria entre 45 e 55%.

5 Agentes biológicos: - Para o problema dos fungos é preciso cuidar da umidade, usando desumidificadores e sílica gel. - Quanto aos insetos, como baratas, traças, piolho de livro, cupins, brocas, precisamos manter a limpeza, e dedetização cuidadosa, e fumigação. - Em relação à poluição atmosférica, pode-se usar os filtros próprios para ar condicionado. Ação do homem O manuseio e o acondicionamento indevido são fatores externos de grande impacto. Por exemplo, não devemos: - colocar clips, ou fazer orelhas para marcar página; - molhar o dedo com saliva para virar páginas; fazer anotações; - folhear livros com as mãos sujas; - usar fitas adesivas para consertar rasgos; - colocar livros nas estantes sem o uso de bibliocantos. Seguindo indicações de Gomes e Motta (1997, p. 103) devemos também Evitar deixar livros inclinados ou colocados de borco, apoiados no corte da frente. Estantes muito cheias fazem com que se retire o livro puxando-se pela cabeça da lombada, o que irá fragilizá-la rapidamente, além de impedir a circulação de ar entre os livros e facilitar a ação dos insetos. Com o Planejamento da Preservação e Conservação do Acervo da Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia, estabelecemos os Programas de Preservação, de Conservação, e o de Capacitação do Pessoal e

6 dos Usuários/clientes, tendo como diretriz maior preservação, sem prejuízo da acessibilidade. 3 PROGRAMA DE PRESERVAÇÃO Este programa foi desenvolvido com o objetivo de criar e manter ações preservativas de modo a resguardar o todo nosso acervo, prevenindo possíveis danos. Nele estão previstas medidas de controle ambiental, e preventivas que envolvem o manuseio, acondicionamento, transporte, limpeza, e etc. Como exemplo dessas ações, destacamos: a manutenção das janelas e brises fechados na área do acervo; a limpeza periódica do ambiente; e a seleção dos materiais com danos, de acordo com as prescrições do planejamento. Na reforma foi instalado um portal eletrônico semelhante aos das lojas de departamento; o acervo foi protegido com etiquetas eletromagnéticas, que emitem um som quando se ultrapassa o portal. Foram colocadas também câmeras monitorando os ambientes da biblioteca. Com o livre acesso a probabiblidade de vandalismo, e outros delitos aumenta. Acreditamos que toda essa preocupação com a segurança possa contribuir com o nosso Programa de Preservação de nossas coleções. Esse programa só poderia ter êxito com a cooperação de todos, daí surgiu a idéia de um programa de conscientização do pessoal e dos usuários/clientes. 3.1 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DO PESSOAL E DOS USUÁRIOS/CLIENTES: PRESERVANDO O Programa de Capacitação do Pessoal e dos Usuários/clientes tem como objetivo a conscientização de todos a partir da necessidade de preservação das coleções.

7 O staff foi orientado, estando apto a selecionar os itens danificados, e encaminhá-los para a nossa Oficina de pequenos reparos. Bem como agir de maneira preservativa, e incentivar aos usuários/clientes essa prática. Implementamos uma ação educativa, estimulando a participação nos Programas. Por estarmos com um staff muito reduzido, não pudemos incentivar a participação nos cursos oferecidos pelo LACORD. Dessa forma toda ação pedagógica foi desenvolvida em nossa biblioteca. Como a chefia já havia sido qualificada pelo LACORD, podia então, transmitir alguns ensinamentos recebidos. Nosso bolsista trouxe as contribuições que recebeu do pessoal do LACORD, e contamos também com um dos membros de nossa equipe que já havia trabalhado nesse mesmo Laboratório. O maior desafio era conseguir que práticas costumeiras, como uso de durex, clips, e erros no manuseio perdessem seu uso. Mas todos se mostraram bastante solícitos, e com o conhecimento das técnicas de preservação e conservação pode-se substituir velhas ações, e assim todos vêm contribuindo para o sucesso dos Programas de Preservação e Conservação de nosso acervo. Os nossos usuários/clientes, maiores interessados, também se mostraram prontos a colaborar. Estamos desenvolvendo uma estratégia de marketing, a fim de incentivar essa colaboração. Cartazes, marcadores de livros, com mensagens esclarecedoras, e estimuladoras da preservação são algumas das idéias traçadas para implementação desta estratégia. 4 PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO Este programa objetiva realizar trabalho de conservação, que há algum tempo vem sendo desenvolvido, em nosso Sistema de Bibliotecas e Arquivos (NDC), através das Oficinas de Pequenos Reparos, coordenadas pelo Laboratório de Conservação e Restauração (LACORD). Com a reforma, ocorrida em 2003, ganhamos uma pequena oficina, onde são realizados os pequenos reparos, como folhas soltas, e outros pequenos trabalhos de conservação. Os

8 trabalhos mais complexos são efetuados no LACORD, que possui toda a estrutura, para tal. Os pequenos reparos são efetuados pelo bolsista sob orientação do pessoal do LACORD. Contamos também com a colaboração de uma de nossas funcionárias que já havia trabalhado nesse Laboratório, que pôde assim contribuir com sua experiência para o nosso Programa. Toda seleção dos itens, como já foi dita é efetuada pelos funcionários do balcão que fazem a triagem desse material, direcionando-os para o devido procedimento de conservação ou restauração, de acordo com as políticas definidas. O êxito desse Programa trouxe melhores condições de uso do nosso acervo, garantindo melhor acesso à informação. Com a nossa Oficina de pequenos reparos os itens podem ser reparados logo nos primeiros momentos, evitando que o dano seja agravado. Infelizmente nossa coleção já estava muito deteriorada, pois não tínhamos nem a oficina, nem uma pessoa dedicada ao trabalho que já vinha sendo desenvolvido pelo LACORD. Com o Planejamento da Preservação e da Conservação pode-se melhor cumprir os papeis da biblioteca de preservar e disseminar a informação. 5 CONCLUSÃO A Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia pôde estabelecer ações coordenadas de preservação e conservação de suas coleções com o Planejamento da Preservação e Conservação de Acervo, através dos Programas de Preservação e de Conservação, assim como o de Capacitação do Pessoal e dos Usuários/Clientes, minorizando assim o efeito das políticas, ou melhor, da falta de política de aquisição dos últimos governos, que precarizou nossas coleções. Por meio dessas ações podemos desenvolver melhor a função de preservação e guarda da informação, o futuro; buscando menor prejuízo ao

9 acesso, o presente. Podemos perceber que essas funções podem ser complementares, que podem ser exercidas concomitantemente. Com o Planejamento garantimos a preservação sem maiores prejuízos do acesso. Os sucessos dos Programas criados nesse Planejamento só poderiam ser obtidos com a colaboração de todos. E essa deve ser buscada sempre, a fim de continuar garantir esse bom trabalho. ABSTRACTS The experience of the Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia da Universidade Federal Fluminense in the development of a Planning of Preservation and Conservation of the collections,. Of this Planning it was born the Programs of Preservation and Conservation. It is distinguished Oficina de Pequenos Reparos, that develops the work of conservation. It presents the Programs of capacitation of the staff and the users bred of form to contribute with preservation. It concludes that the Planning it established a strategies for one action coordinated of preservation and conservation, and guaranteed greater and better access information, making with that the library fulfills to thus its functions. KEYWORDS: Library planning. preservation. REFERÊNCIAS GOMES, Sônia de Conti; MOTTA, Rosemary Tofani. Técnicas alternativas de conservação: recuperação de livros, revistas, folhetos e mapas. 2 ed. Minas Gerais: UFMG, LUCCAS, Lucy; SERIPIERRI, Dione. Conservar para não restaurar. Brasília: Thesaurus, SARMENTO, Adriana Godoy da Silveira. Preservar para não restaurar. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE PROPRIEDADE INTELECTUAL, INFORMAÇÃO E ÉTICA, , Florianópolis. Anais eletrônico. Florianópolis: Associação Catarinense de Bibliotecários, Disponível em: Acesso em: 05 mar

10 CASSARES, Norma Cianflone. Como Fazer Conservação Preventiva em Arquivos e Bibliotecas. São Paulo: Arquivo do Estado e Imprensa Oficial, p. HAZEN, Dan, et al. Planejamento de preservação e gerenciamento de programas. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, MERRILL-OLDHAM, Jan, SCOTT, Jutta Reed. Programa de planejamento de preservação. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos : Arquivo Nacional, p. MILEVSKI, Robert J. Manual de pequenos reparos em livros. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos : Arquivo Nacional, p OGDEN, Sherelyn (Ed.). Armazenagem e manuseio. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn (Ed.). Meio ambiente. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn (Ed.). Procedimento de conservação. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, OGDEN, Sherelyn; GARLICK, Karin. Planejamento e prioridades. 2.ed. Rio de Janeiro : Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos, POLÍTICA de preservação de acervos institucionais. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia, p. REILLY, James M.; NISHIMURA, Douglas W., ZINN, Edward. Novas ferramentas para preservação. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos: Arquivo Nacional, p. TRIKLEY, Michael. Considerações sobre a preservação na construção de bibliotecas. Rio de Janeiro: Projeto Conservação Preventiva em Bibliotecas e Arquivos: Arquivo Nacional, p. WEBER, Harmut. Preservação de acervos arquivísticos e materiais raros de bibliotecas. In: A INFORMAÇÃO: tendências para o novo milênio. Brasília: IBICT, 1999.

11 Bibliotecária chefe. Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia. Núcleo de Documentação.Universidade Federal Fluminense Rua São Paulo, 30, 5ºandar Niterói Rio de Janeiro Brasil Bolsista de Treinamento UFF. Biblioteca das Faculdades de Nutrição e Odontologia. Núcleo de Documentação. Universidade Federal Fluminense Rua São Paulo, 30, 5ºandar Niterói Rio de Janeiro Brasil

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING.

PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING. PRESERVAÇÃO E CONSERVAÇÃO, O USO DO MARKETING. Ana Rosa dos Santos Graduada em Biblioteconomia e Documentação Bibliotecário/documentalista Universidade Federal Fluminense ndcars@uff.br Anderclébio de Lima

Leia mais

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE

OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE OFICINA DE CONSERVAÇÃO DE ACERVOS BIBLIOGRÁFICOS Iuri Rocio Franco Rizzi Professor Assistente Curso de Biblioteconomia Universidade Federal de Alagoas Alfenas-MG 5 jun. 2013 PLANO DA OFICINA: Parte I:

Leia mais

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução

PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução PRESERVAÇÃO PAPEL: Introdução 94% da informação escrita pelo Homem está em papel. Principal motivo para a má qualidade do papel, foi a introdução de produtos químicos para branquear e aumentar a produção.

Leia mais

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional.

a) Apresentam sugestões de obras de interesse para sua formação ou desenvolvimento profissional. POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DO ACERVO PFDA DA BIBLIOTECA DO INSTITUO J. ANDRADE 1. Objetivo Para que o acervo da biblioteca esteja em conformidade com as necessidades e os objetivos da Instituição

Leia mais

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS

GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES REPOSITÓRIOS DIGITAIS CONFIÁVEIS PARA DOCUMENTOS ARQUIVISTICOS GESTÃO DE DOCUMENTOS: ASPECTOS LEGAIS E PRÁTICOS GESTÃO DE ARQUIVOS HOSPITALARES INTRODUÇÃO AO MODELO DE REQUISITOS PARA SISTEMAS INFORMATIZADOS DE GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS E-ARQ BRASIL REPOSITÓRIOS

Leia mais

A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima

A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima Temática 3: Políticas de Informação, Multiculturalidade e Identidade Cultural A Biblioteca de História e Sabores higienização e conservação do acervo de Carlos Lima e Zelinda Lima Carlos Wellington Martins

Leia mais

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO

BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO XIV ENCONTRO DE BIBLIOTECÁRIOS DA JUSTIÇA DO TRABALHO BIOSSEGURANÇA EM BIBLIOTECA: GARANTIA DE SAÚDE E SEGURANÇA NO AMBIENTE DE TRABALHO Eduardo Maciel Engenheiro de Segurança do Trabalho Assessor e Consultor

Leia mais

Monitoramento de Conservação

Monitoramento de Conservação TÓPICOS DE GERENCIAMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOGRÁFICAS ESPECIAIS Monitoramento de Conservação Ministrantes: Prof. Ms. Fabiano Cataldo de Azevedo Universidade do Estado do Rio de Janeiro Diná Araújo Universidade

Leia mais

ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções

ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções ACERVOS RAROS E ESPECIAIS NO COLÉGIO PEDRO II: diagnóstico, tratamento e preservação de suas coleções Tatyana Marques de Macedo Cardoso Mestre em Memória Social pela Universidade Federal do Estado do Rio

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação de Acervos Documentais

Leia mais

Preservação Documental

Preservação Documental Preservação Documental O acesso e a preservação são duas funções vitais dos Centros de Documentação, mas muitas vezes são antagônicas. A primeira, entendida aqui como a possibilidade de consulta, como

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES E MANUTENÇÃO DA INFRAESTRUTURA FÍSICA DA BIBLIOTECA UNIFAMMA MARINGÁ 2012 1 APRESENTAÇÃO O Desenvolvimento de Coleções, qualquer que seja o tipo de biblioteca (pública,

Leia mais

NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE RESUMO

NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE RESUMO NOVOS SERVIÇOS DE INFORMAÇÃO DA BIBLIOTECA DAS FACULDADES DE NUTRIÇÃO E ODONTOLOGIA DA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE Ana Rosa dos Santos RESUMO Relata a experiência de gestão de projetos para informatização

Leia mais

DIRETRIZES PARA PRESERVAÇÃO DOS DOCUMENTOS DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE

DIRETRIZES PARA PRESERVAÇÃO DOS DOCUMENTOS DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE DIRETRIZES PARA PRESERVAÇÃO DOS DOCUMENTOS DO CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA MAESTRO GUERRA-PEIXE AGOSTO DE 2014 Sumário Apresentação... 3 Conservação preventiva... 3 Fatores que contribuem para a deterioração...

Leia mais

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS

BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS BIBLIOTECA PARQUE VILLA-LOBOS POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO E AVALIAÇÃO DE COLEÇÕES É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e

Leia mais

COLEÇÕES ESPECIAIS: UM ESTUDO DE CASO NO MUSEU DE ASTRONOMIA E CIÊNCIAS AFINS

COLEÇÕES ESPECIAIS: UM ESTUDO DE CASO NO MUSEU DE ASTRONOMIA E CIÊNCIAS AFINS COLEÇÕES ESPECIAIS: UM ESTUDO DE CASO NO MUSEU DE ASTRONOMIA E CIÊNCIAS AFINS HANNESCH, Ozana Conservadora-Restauradora de papel. Responsável pelo Laboratório de Conservação e Restauração de Papel do MAST

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA PAULO ERNESTO TOLLE 1 INTRODUÇÃO A Biblioteca Paulo Ernesto Tolle é mantida pela Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado FECAP, uma das mais antigas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS PLANO DE METAS 2013/2014 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 META 1: MELHORIA DOS SERVIÇOS E PRODUTOS... 4 META 2 : EDUCAÇÃO

Leia mais

Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Prof. Lillian Alvares Conservação e Preservação de

Leia mais

PRESERVAÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA: o desafio do profissional da informação 1

PRESERVAÇÃO DIGITAL E ANALÓGICA: o desafio do profissional da informação 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE BIBLIOTECONOMIA DIRETÓRIO ACADÊMICO DE BIBLIOTECONOMIA XIV Encontro Regional de Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência

Leia mais

Coleção Livro de Artista

Coleção Livro de Artista Fundação Biblioteca Nacional PLANOR XI ENAR Encontro Nacional de Acervo Raro Coleção Livro de Artista da Universidade Federal de Minas Gerais Diná Araújo Magna Lúcia dos Santos Livro de Artista FBN PLANOR

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleção

Política de Desenvolvimento de Coleção Política de Desenvolvimento de Coleção 1 Política de Desenvolvimento de Coleção É o conjunto de atividades que determina a conveniência de se adquirir, manter ou descartar materiais bibliográficos e não

Leia mais

INPE eprint: sid.inpe.br/eprint@80/2006/05.12.18.00 v1 2006-05-13

INPE eprint: sid.inpe.br/eprint@80/2006/05.12.18.00 v1 2006-05-13 PROPOSTA DE MANEJO AMBIENTAL DO SERVIÇO DE INFORMAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO DO INPE Maria Tereza Smith de Brito Serviço de Informação e Documentação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. Av. dos Astronautas,

Leia mais

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é:

Questão 2: O principal fato histórico que modifica o conhecimento do ser humano é: Questão 1: Cesare Brandi, no livro intitulado Teoria da Restauração, afirma que: a) em geral, entende-se por restauração qualquer intervenção voltada a dar novamente eficiência a um produto da atividade

Leia mais

Questão 3: Assinale os serviços de atendimento ao público que se concentram no fornecimento de informações e orientações.

Questão 3: Assinale os serviços de atendimento ao público que se concentram no fornecimento de informações e orientações. Questão 1: Marque o catálogo considerado auxiliar. a) Autor. b) Biobibliográfico. c) Título. d) Dicionário. e) Assunto. Questão 2: A ficha que relaciona as entradas (autor, assunto e título) não utilizadas

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS (CCH) ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA (EB)

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS (CCH) ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA (EB) UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO (UNIRIO) CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS (CCH) ESCOLA DE BIBLIOTECONOMIA (EB) NAIANE DA SILVA ALVES FEITOSA A POLÍTICA DE PRESERVAÇÃO EM BIBLIOTECAS

Leia mais

Preservação e Acesso à Informação em Bibliotecas Híbridas

Preservação e Acesso à Informação em Bibliotecas Híbridas Temática 2: Direito à Informação, Acesso à Informação e Inclusão Social Preservação e Acesso à Informação em Bibliotecas Híbridas Ana Rosa dos Santos ndcars@uff.br Universidade Federal Fluminense RESUMO

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES A Biblioteca da Faculdade do Guarujá tem por objetivos: - Colaborar em pesquisas e projetos desenvolvidos pelo corpo docente e discente da Faculdade do Guarujá;

Leia mais

Capacitações em Gestão Documental

Capacitações em Gestão Documental Capacitações em Gestão Documental Responde por este documento: Blenda de Campos Rodrigues, Dra. Sócia diretora da Anima Ensino Mídia e Conhecimento blenda.campos@animaensino.com.br 48.2107.2722 Conteúdo

Leia mais

MARKETING DE SERVIÇOS: experiência da biblioteca do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense

MARKETING DE SERVIÇOS: experiência da biblioteca do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Qualidade dos serviços e foco no usuário MARKETING DE SERVIÇOS: experiência da biblioteca do Instituto Biomédico da Universidade Federal Fluminense

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES PDC DA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA DA UDESC Florianópolis, 2011 Universidade do Estado de Santa Catarina Biblioteca Universitária POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

Leia mais

Noções Básicas de Conservação de Livros e Documentos

Noções Básicas de Conservação de Livros e Documentos Noções Básicas de Conservação de Livros e Documentos Maria Aparecida de Vries Mársico Introdução: a ordem dos fatores altera o produto Imagine a situação: documentos rasgados, amassados e manchados, livros

Leia mais

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO

FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO FAPPES FACULDADE PAULISTA DE PESQUISA E ENSINO SUPERIOR ORGANIZAÇÃO, POLÍTICA DE AQUISIÇÃO, EXPANSÃO E ATUALIZAÇÃO DE ACERVO A Biblioteca da FAPPES é uma Biblioteca especializada, mantida pela Sociedade

Leia mais

PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS

PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS PROGRAMA DE POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DAS BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ: DOAÇÕES RECEBIDAS Lúcia Maria Oliveira da Silva Doris Day Eliano França Francisco Leandro Castro Lopes

Leia mais

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS

PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS PROGRAMA DE VOLUNTARIADO PARA OS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DEPENDENTES DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO (MINUTA) VOLUNTARIADO NOS MONUMENTOS, MUSEUS E PALÁCIOS DA DGPC CARTA DO VOLUNTÁRIO DE MONUMENTOS,

Leia mais

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA

FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA FUNDAÇÃO BENEDITO PEREIRA NUNES FACULDADE DE MEDICINA DE CAMPOS BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA REGIMENTO INTERNO DISCIPLINAR DA BIBLIOTECA PROF. LUIZ AUGUSTO NUNES TEIXEIRA DA FACULDADE DE

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE PATRIMÔNIO CULTURAL ARTÍSTICO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS. Palavras chaves: mural, arte, conservação.

CONSERVAÇÃO DE PATRIMÔNIO CULTURAL ARTÍSTICO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS. Palavras chaves: mural, arte, conservação. CONSERVAÇÃO DE PATRIMÔNIO CULTURAL ARTÍSTICO E A FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS Emílio Caetano Edna de Jesus Goya Faculdade de Artes Visuais da Universidade Federal de Goiás Prolicen/UFG Formação

Leia mais

FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO

FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO FRAMES E MÓDULO SEPARADOR DE ASSUNTOS: FACILITADORES NA BUSCA DE MATERIAIS NO ACERVO Rosemeire A. C. Zambon 1, Maria Alice S. de Castro 2, Regina C. V. Medeiros 3, Irene Lucinda 1, Maria G. Lima 4, Gláucia

Leia mais

Patrocínio Institucional Parceria Apoio

Patrocínio Institucional Parceria Apoio Patrocínio Institucional Parceria Apoio InfoReggae - Edição 79 Memória Institucional - Documentação 17 de abril de 2015 O Grupo AfroReggae é uma organização que luta pela transformação social e, através

Leia mais

Capítulo I. Da Finalidade

Capítulo I. Da Finalidade Dispõe sobre o Regulamento do Serviço de Circulação do Sistema de Bibliotecas (SiBi), da Universidade Federal do Paraná (UFPR) aprovado em Reunião de Chefias em 26 de fevereiro de 2015. Capítulo I Da Finalidade

Leia mais

www.unioeste.br/portaldainformacao

www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE Página de acesso livre ao conhecimento. www.unioeste.br/portaldainformacao PORTAL DA INFORMAÇÃO DA UNIOESTE A P R E S E N T A Ç Ã O O Portal da Informação da Unioeste é

Leia mais

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA

DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA FAHESA - Faculdades de Ciências Humanas, Econômicas e da Saúde de Araguaína ITPAC Instituto Tocantinense Presidente Antônio Carlos Ltda BIBLIOTECA DADOS TÉCNICOS DA BIBLIOTECA Araguaína Março / 2014 1.

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE MARKETING NA BIBLIOTECA ÂNGELA VAZ LEÃO UNIFOR MG RESUMO

IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE MARKETING NA BIBLIOTECA ÂNGELA VAZ LEÃO UNIFOR MG RESUMO IMPLANTAÇÃO DO PLANO DE MARKETING NA BIBLIOTECA ÂNGELA VAZ LEÃO UNIFOR MG Aparecida de Fátima Castro Campos Bibliotecária do UNIFOR MG Especialista em Treinamento da Informação Científica e Tecnológica

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Pró-Reitoria de Graduação e Educação Profissional PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Instrução Normativa n o 03/2013 PROGRAD

Leia mais

FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFMGAprovado pela Congregação da Faculdade de Odontologia em 26/03/2008 CAPÍTULO I

FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFMGAprovado pela Congregação da Faculdade de Odontologia em 26/03/2008 CAPÍTULO I FACULDADE DE ODONTOLOGIA UFMGAprovado pela Congregação da Faculdade de Odontologia em 26/03/2008 CAPÍTULO I Da finalidade e administração Art. 1º - A Biblioteca da Faculdade de Odontologia da UFMG tem

Leia mais

Plano de Utilização do Acervo e Acessos

Plano de Utilização do Acervo e Acessos FACULDADE DE RONDÔNIA INSTITUTO JOÃO NEÓRICO Plano de Utilização do Acervo e Acessos SUMÁRIO 1 OBJETIVO GERAL...2 2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS...2 3. ABRANGÊNCIA...2 4. BIBLIOTECA...2 4.1 Espaço Físico...4

Leia mais

PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC RESUMO

PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC RESUMO PREPARANDO SUA BIBLIOTECA PARA AVALIAÇÃO DO MEC Maria Elisa Americano do Sul Barcelos Maria Lúcia Barcelos Martins Gomes RESUMO Com a expansão do número de Instituições de Ensino Superior no Brasil, e

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DA COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - 2012

RELATÓRIO ANUAL DA COORDENAÇÃO DE BIBLIOTECAS - 2012 RELATÓRIO ANUAL DA - 2012 Informatização do Sistema Devido aos problemas apresentados pelo servidor de páginas da SDC, as interfaces do catálogo eletrônico e do serviço de empréstimo online ficaram inoperantes

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH UNIDADE DE ENSINO SUPERIOR VALE DO IGUAÇU - UNIGUAÇU POLÍTICA DE DESENVILVIMENTO DE COLEÇÕES BIBLIOTECA WILHELM HEINRICH A implantação

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014

RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 RESOLUÇÃO CONSEPE 017/2014, de 23 de outubro de 2014 Dispõe sobre a utilização da Biblioteca Comunitária do Centro Universitário Central Paulista (UNICEP) e Regulamenta os Prodecimentos. O Diretor Geral,

Leia mais

O projeto de conservação preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa

O projeto de conservação preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa O projeto de conservação preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa Cláudia Rodrigues Carvalho, arquiteta da Fundação Casa de Rui Barbosa e coordenadora do plano de conservação preventiva do Museu Casa de

Leia mais

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física

BIBLIOTECA CENTRAL. Estrutura física BIBLIOTECA CENTRAL A missão da Biblioteca Central Prof. Eurico Back - UNESC é promover com qualidade a recuperação de informações bibliográficas, com enfoque no desenvolvimento das atividades de ensino,

Leia mais

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES.

BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. BIBLIOTECA ESCOLAR ESTADUAL JOAQUIM MARIA MACHADO DE ASSIS DO COLÉGIO ESTADUAL DE CAMPO MOURÃO. PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES. 1. INTRODUÇÃO A biblioteca Joaquim Maria Machado de Assis do Colégio

Leia mais

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009.

Art. 1º Aprovar o Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB, anexo a esta Resolução. São João del-rei, 16 de fevereiro de 2009. RESOLUÇÃO N o 003, de 16 de fevereiro de 2009. Aprova Regimento Interno da Divisão de Biblioteca DIBIB. O PRESIDENTE DO CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI UFSJ, no uso de

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES Art. 1 O presente documento desenvolvido na Biblioteca Professor Doutor N. de Carvalho da FACSETE, através da Comissão de Biblioteca, estabelece os parâmetros que

Leia mais

FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM

FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM 1 FACILIDADES PARA LOCALIZAÇÃO DE MATERIAIS BIBLIOGRÁFICOS EM ESTANTES NO SISTEMA PERGAMUM RESUMO Heloisa Helena Anzolin 1 Relata o caso da Biblioteca Central da Pontifícia Universidade Católica do Paraná,

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto

FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA. Dr. Wladimir de Rezende Pinto FACULDADE DE DIREITO DE VARGINHA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Dr. Wladimir de Rezende Pinto Missão: Promover o desenvolvimento humano e social através da difusão de conhecimento, da formação ética, da competência

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861

MANUAL DO USUÁRIO. Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 MANUAL DO USUÁRIO Organização: Evanildo Vieira dos Santos Bibliotecário CRB7-4861 Rio de Janeiro INPI/CEDIN 2014 BIBLIOTECA DO INPI Vinculada ao Centro de Disseminação da Informação Tecnológica (CEDIN),

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES DA BIBLIOTECA DO CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DE SANTA CATARINA FLORIANÓPOLIS 2011 CONSELHO REGIONAL DE

Leia mais

Conservação de livros raros: relato de uma experiência pedagógica

Conservação de livros raros: relato de uma experiência pedagógica Conservação de livros raros: relato de uma experiência pedagógica Maria da Conceição Carvalho Professora da Escola de Ciência da Informação da UFMG, Mestre em Biblioteconomia pelo PPCCI-UFMG, Doutoranda

Leia mais

Regulamento da Biblioteca do Instituto Biomédico

Regulamento da Biblioteca do Instituto Biomédico 1 Capítulo I. Das Disposições Gerais Art. 1º Do objetivo UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE SUPERINTENDÊNCIA DE DOCUMENTAÇÃO BIBLIOTECA DO INSTITUTO BIOMÉDICO Regulamento da Biblioteca do Instituto Biomédico

Leia mais

ARQUIVOS, GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO ARCHIVE, MANAGEMENT OF DOCUMENTS AND INFORMATION

ARQUIVOS, GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO ARCHIVE, MANAGEMENT OF DOCUMENTS AND INFORMATION ARQUIVOS, GESTÃO DE DOCUMENTOS E INFORMAÇÃO ARCHIVE, MANAGEMENT OF DOCUMENTS AND INFORMATION Cynthia Roncaglio, Mestre Doutoranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento UFPR Décio Roberto Szvarça, Mestre Silvana

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS

NOÇÕES BÁSICAS DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Centro de Informação Científica e Tecnológica Biblioteca de Manguinhos Laboratório de Conservação Preventiva de Documentos NOÇÕES BÁSICAS DE CONSERVAÇÃO PREVENTIVA DE DOCUMENTOS Marilene Fragas Costa Tel.

Leia mais

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR

PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PATRIMÓNIO ARQUIVÍSTICO ESCOLAR PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS Secretaria-Geral do Ministério da Educação 1 Índice 1. Preâmbulo... 3 2. O que são os arquivos escolares?... 4 3. O arquivo no sistema de informação

Leia mais

Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas da Faculdade FORTIUM.

Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas da Faculdade FORTIUM. REGULAMENTO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE FORTIUM I DO REGULAMENTO E SUA APLICAÇÃO Art. 1. O presente regulamento contém as normas que regem e orientam as rotinas dos serviços prestados pelas Bibliotecas

Leia mais

SERVIÇO DE PERMUTA E DOAÇÃO DE PERIÓDICOS PERSONALIZADO

SERVIÇO DE PERMUTA E DOAÇÃO DE PERIÓDICOS PERSONALIZADO TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas SERVIÇO DE PERMUTA E DOAÇÃO DE PERIÓDICOS PERSONALIZADO SANTOS, A. R. 1 RESUMO Apresenta

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

Ferramentas de diagnósticos para a Conservação Preditiva: Aplicação da Ratio Scale e ABC Scale em países de clima tropical.

Ferramentas de diagnósticos para a Conservação Preditiva: Aplicação da Ratio Scale e ABC Scale em países de clima tropical. Ferramentas de diagnósticos para a Conservação Preditiva: Aplicação da Ratio Scale e ABC Scale em países de clima tropical. Kleumanery de Melo Barboza Prof. Dr. Luiz Antônio Cruz Souza Universidade Federal

Leia mais

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014

Recepção de Calouros. Lavras-MG 2º semestre/2014 Recepção de Calouros Lavras-MG 2º semestre/2014 Contatos: (35) 3829-1174/1181 HORÁRIOS DE ATENDIMENTO De segunda a sexta-feira 07h15 às 21h45. Aos sábados 07h15 às 12h45. Qualquer alteração no horário

Leia mais

Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP

Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP Temática(s): Acessibilidade em bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de experiência Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP Autores

Leia mais

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa)

Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Política de Desenvolvimento de Coleções do Sistema de Bibliotecas da Universidade Federal do Pampa (SISBI Unipampa) Andréa de Carvalho Pereira Vanessa Abreu Dias Vera Lucia Scotto Leite Bagé, Agosto 2014

Leia mais

Tamara Schenkel O MANUSEIO ADEQUADO DE LIVROS POR CRIANÇAS COMO AGENTES DE PRESERVAÇÃO DOCUMENTAL

Tamara Schenkel O MANUSEIO ADEQUADO DE LIVROS POR CRIANÇAS COMO AGENTES DE PRESERVAÇÃO DOCUMENTAL Tamara Schenkel O MANUSEIO ADEQUADO DE LIVROS POR CRIANÇAS COMO AGENTES DE PRESERVAÇÃO DOCUMENTAL Porto Alegre 2004 Tamara Schenkel O MANUSEIO ADEQUADO DE LIVROS POR CRIANÇAS COMO AGENTES DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO. Política de Desenvolvimento de Coleções UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE BIBLIOTECA PAULO LACERDA DE AZEVEDO Política de Desenvolvimento de Coleções Porto Alegre 2013 2 1 APRESENTAÇÃO A Biblioteca Paulo Lacerda de Azevedo

Leia mais

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~

_áääáçíéå~= `Éåíêç=ÇÉ=fåÑçêã~ ç=é=oéñéêæååá~ _áääáçíéå~ `ÉåíêçÇÉfåÑçêã~ çéoéñéêæååá~ DIRETRIZES PARA A SELEÇÃO E AQUISIÇÃO DE LIVROS, MONOGRAFIAS E SIMILARES PARA A BIBLIOTECA DA FACULDADE DE SAÚDE PÚBLICA/ USP 1. INTRODUÇÃO O fluxo crescente de

Leia mais

DA UEFS PARA NOVOS USUÁRIOS

DA UEFS PARA NOVOS USUÁRIOS APRESENTAÇÃO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS APRESENTAÇÃO DO SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UEFS PARA NOVOS USUÁRIOS Sistema Integrado de Bibliotecas da UEFS Sejam Bem-Vindos! SISTEMA INTEGRADO DE BIBLIOTECAS DA

Leia mais

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS)

POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DE ACERVO DA BIBLIOTECA DA FACULDADE UNIDA DE CAMPINAS (FACUNICAMPS) XIV Encontro Regional dos Estudantes de Biblioteconomia, Documentação, Ciência da Informação e Gestão da Informação - Região Sul - Florianópolis - 28 de abril a 01 de maio de 2012 POLÍTICA DE FORMAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA CAPÍTULO I Das considerações preliminares Art. 1º - A Biblioteca e a Biblioteca Digital da instituição é o depositário de todo material bibliográfico

Leia mais

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos

Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos Programas de Apoio a Normalização de Trabalhos Acadêmicos As Bibliotecas da (Unidade Serraria e Antares) tem como intuito, auxiliar os usuários em suas necessidades de ensino, pesquisa e orientação voltados

Leia mais

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet

Analisado por: (SECAM) (DECCO) intranet Proposto por: Analisado por: Aprovado por: Chefe de Serviço de Diretor do Departamento de Diretor da Diretoria-Geral de Catalogação, Classificação e Gestão e Disseminação do Comunicação e de Difusão do

Leia mais

FACULDADE INTERAMERICANA DE PORTO VELHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE PORTO VELHO REGIMENTO INTERNO BIBLIOTECA JUAREZ AMÉRICO DO PRADO

FACULDADE INTERAMERICANA DE PORTO VELHO FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE PORTO VELHO REGIMENTO INTERNO BIBLIOTECA JUAREZ AMÉRICO DO PRADO REGIMENTO INTERNO BIBLIOTECA JUAREZ AMÉRICO DO PRADO Porto Velho RO 2013 CAPITULO I DAS FINALIDADES Art. 1º. A Biblioteca Juarez Américo do Prado tem como finalidade prestar serviços à comunidade, discentes,

Leia mais

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados

Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados Revolução Francesa; Segunda Guerra Mundial fotocopiadora, eletrônica, televisão, satélites, computadores; 1970 telemática, computadores interligados a outros via linhas telefônicas; Antiga Grécia Arché

Leia mais

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG

PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE BIBLIOTECAS UFMG TRABALHO ORAL EMPREENDEDORISMO EM BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS Desenvolvimento de serviços inovadores em bibliotecas PROPOSTA DE CRIAÇÃO DE UM CENTRO DE EXTENSÃO NA BIBLIOTECA UNIVERSITÁRIA / SISTEMA DE

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11

LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 LISTA DE EXERCÍCIOS AULA 11 1. (CESPE / TRE GO / 2009 - adaptada) A teoria das três idades é aquela que afirma que os documentos passam por diferentes fases, determinadas, por um lado, pela frequência

Leia mais

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO

BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO BIBLIOTECAS DA UNIVERSIDADE FUMEC POLÍTICA DE FORMAÇÃO E DE DESENVOLVIMENTO DO ACERVO Belo Horizonte 2009 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVOS... 3 2.1 Geral... 3 2.2 Específicos... 3 3 FORMAÇÃO DO ACERVO...

Leia mais

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar

UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS. Versão Preliminar UNICAMP SISTEMA DE BIBLIOTECAS DA UNICAMP PROCEDIMENTOS PARA COLETA DE DADOS Versão Preliminar MANUAL 2002 1 Manual editado pela Área de Planejamento da Biblioteca Central da Unicamp. UNIVERSIDADE ESTADUAL

Leia mais

Regulamento Biblioteca

Regulamento Biblioteca Regulamento Biblioteca 2012 A Diretora Geral do Colégio e, no uso de suas atribuições regimentais, estabelece o presente regulamento da Biblioteca da Instituição. A Biblioteca do Colégio e, denominada

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA Estabelece procedimentos para o uso do espaço físico das Bibliotecas das Faculdades Ponta Grossa e dos serviços prestados pelas mesmas. CAPÍTULO I COMPOSIÇÃO E FINALIDADE Art.

Leia mais

- Apresentar experiências i entre profissionais i i responsáveis pelo patrimônio cultural.

- Apresentar experiências i entre profissionais i i responsáveis pelo patrimônio cultural. Universidade de Brasília Departamento de Ciência da Informação e Documentação Curso de Arquivologia Disciplina: Conservação e Restauração de Documentos Profa. Lillian Alvares Conservação e Preservação

Leia mais

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL

O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL O ARQUIVO E A GESTÃO DOCUMENTAL Edna Maria da Silva Matte 1 ; Graziela Boreck Rosa 2 ; Josilda Rodrigues Souza 3 ; Marcia Correia de Souza 4 ; Marizete Aparecida Schulz de Souza5 Agente Universitária vinculada

Leia mais

Biblioteca Pública Regional da Madeira MANUAL DE PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS

Biblioteca Pública Regional da Madeira MANUAL DE PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS Biblioteca Pública Regional da Madeira MANUAL DE PRESERVAÇÃO DE DOCUMENTOS Índice Índice 2 Introdução 2 Arrumação das estantes 3 Arrumação dos livros nos carrinhos 6 Manuseamento 7 Transporte 9 Fotocópia

Leia mais

Instruções para o Acervo... 05

Instruções para o Acervo... 05 Sumário Apresentação... 03 Instruções gerais... 04 Instruções para o Acervo... 05 Política de Troca... 06 2 Apresentação Ao compreender as mudanças que o livro e a leitura podem fazer na vida de nossos

Leia mais

SUB-PROJETO CT-INFRA 01/2013

SUB-PROJETO CT-INFRA 01/2013 SUB-PROJETO CT-INFRA 01/2013 COORDENADOR DO SUB-PROJETO: Nome: Kelma Patrícia de Souza CPF: 030686066-08 Titulação: Especialista em Biblioteconomia Titulação: Especialista em Biblioteconomia Instituição/País/Ano:

Leia mais

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos Setembro de 2011: os grupos CID e Física relizaram o curso de gerenciamento de riscos A formulação de um programa eficaz de preservação documental

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA. Itamaraju, 2011.2 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 Bibliotecário Emanuel Vieira Pinto CRB-5/1618 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES FACISA Itamaraju, 2011.2 2 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 5

Leia mais

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA

REGULAMENTO DA BIBLIOTECA REGULAMENTO DA BIBLIOTECA SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 1. USO DA BIBLIOTECA...3 2. ACERVO...3 3. ATENDIMENTO AO PÚBLICO...3 4. USUÁRIOS...3 5. INSCRIÇÃO...3 5.1 DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA...4 6. SERVIÇOS...4 6.1

Leia mais

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim

Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Regulamento Interno das Bibliotecas da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - Campus de Erechim Capítulo I DA ESTRUTURA E DA FINALIDADE Art. 1º Este regulamento disciplina o funcionamento

Leia mais

Apresentação. Equipe CPMUS

Apresentação. Equipe CPMUS 1 Apresentação Baseada nas publicações existentes sobre a criação de museus, a equipe da Coordenação do Patrimônio Museológico CPMUS, do Departamento de Processos Museais DEPMUS, do Instituto Brasileiro

Leia mais

1 Projeto Biblioteca Vitrine Perfil de Biblioteca Parceira Nome da Escola Nome da Biblioteca e CRB Endereço com CEP Cidade, UF (DDD) Telefone e E-mail Telefone E-mail Responsável pela biblioteca Horários

Leia mais

Kennya Torres Andrade Brasileira, 27 anos.

Kennya Torres Andrade Brasileira, 27 anos. Kennya Torres Andrade Brasileira, 27 anos. CEP:242742-140 (21)99535-3287 São Gonçalo-RJ (21)3706-4194 Kennyat@yahoo.com.br OBJETIVO PROFISSIONAL: Tem interesse de aumentar seus conhecimentos e experiências

Leia mais