JURIS POIESIS REVISTA DO CURSO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. Rio de Janeiro, ano 16, n. 16, jan-dez.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "JURIS POIESIS REVISTA DO CURSO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ. Rio de Janeiro, ano 16, n. 16, jan-dez."

Transcrição

1 JURIS POIESIS REVISTA DO CURSO DE DIREITO DA UNIVERSIDADE ESTÁCIO DE SÁ Rio de Janeiro, ano 16, n. 16, jan-dez.

2 Solicita-se permuta Exchange requested On demande l`échange Se solicita caje FICHA CATALOGRÁFICA E SOLICITAÇÃO DE TROCA Juris Poiesis ano 16, n.16, jan-dez Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá, Mestrado e Doutorado em Direito, Revista do Curso de Direito da Universidade Estácio de Sá Descrição baseada em: ano 1, n ISSN Direito Periódicos I. Mestrado e Doutorado em Direito II. Universidade Estácio de Sá Juris Poiesis: Revista do Curso de Direito da Universidade Estácio de Sá. Mestrado e Doutorado em Direito. Rua São José, 35 15º andar. CEP Centro - Rio de Janeiro Brasil. Tel: (21) ou (21) FAX: (21)

3 Juris Poiesis Revista do Curso de Direito da Universidade Estácio de Sá Rio de Janeiro, ano 16, n. 16, jan-dez ISSN

4 Reitoria Paula Caleffi Vice-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Luciano Medeiros Editor Científico Fábio Corrêa Souza de Oliveira Editor Executivo Rafael Mario Iorio Filho Conselho Editorial Ángel Oquendo University of Connecticut/Estados Unidos da América. Antônio Carlos Wolkmer UFSC. Carlos Alberto Bolonha UFRJ. Carlos Emilio Gaviria Diaz - Universidad de Antioquia / Corte Constitucional da Colômbia. Daniela Mesquita Leutchuk UNISINOS. Fabio Corrêa Souza de Oliveira UNESA Fernando Antonio de Carvalho Dantas PUC/PR Humberto Dalla Bernardina de Pinho UNESA. Lenio Luiz Streck UNESA. Leonardo Greco UFRJ/UERJ. Luciana Aboim Machado Gonçalves da Silva UFSE. Maria Clara Dias UFRJ (IFCS). Miguel Angel Linera Presno - Universidad de Oviedo / Espanha. Miguel Azpitarte Sánchez - Universidad de Granada / Espanha. Nilton Cesar Flores UNESA. Raiza Méndez - Universidad de Los Andes / Venezuela. Sergio Cademartori UFSC. Vanice Lírio do Valle UNESA. Vicente Barretto UNESA.

5 Avaliadores Ad Hoc André Luiz Nicolitt IBMEC. Bárbara Gomes Lupetti Baptista PPGD/UCP. Carlos Eduardo Adriano Japiassú PPGD/UNESA. Cipriana Nicolitt Cordeiro UNESA. Delton Ricardo Soares Meirelles PPGSD/UFF. Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann PPGD/UNESA. Eduardo Manuel Val PPGD/UNESA. Fabiano Soares Gomes UFRJ. Fernanda Duarte Lopes Lucas da Silva PPGD/UNESA. Fernanda Luiza Fontoura de Medeiros PUCRS. Marcello Raposo Ciotola - PPGD/UNESA.

6 Corpo Docente Coordenador: Fábio Corrêa Souza de Oliveira Doutor Universidade do Estado do Rio de Janeiro Coordenador adjunto: Carlos Eduardo Adriano Japiassú Doutor Universidade do Estado do Rio de Janeiro Aluísio Gonçalves de Castro Mendes Doutor Universidade Federal do Paraná Edna Raquel Rodrigues Santos Hogemann Doutora Universidade Gama Filho Eduardo Manuel Val Doutor Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Fernanda Duarte Lopes Lucas da Silva Doutora Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Humberto Dalla Bernardina de Pinho Doutor Universidade do Estado do Rio de Janeiro Lenio Luiz Streck Doutor Universidade Federal de Santa Catarina Marcello Raposo Ciotola Doutor Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro Nilton César Flores Doutor Universidade Federal de Santa Catarina / Universidad de Valencia Rafael Mario Iorio Filho Doutor Universidade Gama Filho Doutor Universidade Federal do Rio de Janeiro Rogério José Bento Soares do Nascimento Doutor Universidade do Estado do Rio de Janeiro

7 Sumário Editorial A competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/98 The jurisdiction of the Federal Court to adjudicate crimes described in Law nº. 9605/ Rúbia Chassot de Almeida, Luiz Eduardo Cleto Righetto A internação compulsória dos viciados em crack a partir da ponderação entre liberdade e dignidade humana Compulsory hospitalization of crack addicts from the balance balance between freedom and human dignity Jessica Hind Ribeiro Costa A subjetividade dos direitos sociais prestacionais: um diálogo com a Corte Sul-Africana The subjectivity of the social rights: a dialogue with the South African Court Fabiana de Almeida Maia Santos A união poliafetiva à luz do princípio da dignidade da pessoa humana Polyaffetive marriage in view of the principle of human dignity Marcelo Santoro Pires de Carvalho Almeida Edna Raquel Hogemann Audiências públicas na Suprema Corte Brasileira: novas tendências para o diálogo social Public Hearings at Brazilian Supreme Court: new tendences about social dialogue Igor Ajouz, Cecilia de Almeida Silva Cidadania Global Global Civics Hakan Altiney Da obsolescência programada face ao desenvolvimento econômico e jurídico sob a ótica do código de defesa do consumidor Obsolescence of scheduled to face legal and economic development the perspective of the code of consumer protection Victor da Silva Mauro Direito fundamental à propriedade aos quilombolas: efetividade do artigo 68 do ADCT da Constituição Federal The fundamental right of property to quilombolas: effectiveness of the clause 68 of the ADCT of the Brazilian Constitution Virginia Junqueira Rugani Brandão

8 Discriminações lícitas e igualdade: uma relação necessária Positive discriminations and equality: a necessary relation Denny Mendes Santiago, Fabiana Figueiredo Felício dos Santos Heróis da natureza, inimigos dos animais Heroes of nature, enemies of animals Daniel Braga Lourenço, Fábio Corrêa Souza de Oliveira Michael Walzer e as duas formas da argumentação moral Michael Walzer and the two forms of moral argument Marcello Ciotola O governo brasileiro quase unificado e o Executivo own-bounded The brazilian almost-unified government and the executive own-bounded Henrique Rangel, Marina Rezende, Carlos Bolonha O princípio da afetividade e a família constitucionalizada Principle of family and affectivity constitutionalized Eloisa de Souza Hobus Linhares, Cláudia Regina Althoff Figueiredo O princípio da dignidade para além da vida humana The principle of the dignity beyond human life Fernanda Luiza Fontoura de Medeiros O Uso da Epistemologia Pragmática de John Dewey para ensinar a disciplina Análise e Comunicação Jurídicas Using John Dewey s Pragmatist Epistemology to teach Legal Analysis and Communication David T. Ritchie Os Direitos Humanos entre o universalismo e o relativismo: uma possível contribuição da História para o Direito Human rights between universalism and relativism: a possible contribution of History to the Law studies Cecilia Perlingeiro, Vinicius Scarpi Os novos direitos e as medidas alternativas pré-delitivas The new rights and the pre-delict alternative measures Thaís Aline Mazetto Corazza Poder Judiciário brasileiro e tratamento igualitário a homossexuais: uma análise do caso histórico - Ação Civil Pública no Brazilian judicial branch and equal protection to homosexuals: an analysis of historical case - Ação Civil Pública no Fernanda Duarte, Rafael Mario Iorio Filho

9 Reflexões sobre a judicialização do direito fundamental à saúde a partir do ativismo judicial Reflections on judicialization of the fundamental right to health from judicial activism Heletícia Leão de Oliveira Sustentabilidade nas relações de trabalho e o elementar direito à resposta pelo Tribunal Superior do Trabalho Sustainability in labor relations and the basic right to the response by the Tribunal Superior do Trabalho Nilton Cesar Flores, Daniele Regina Terribile NORMAS GERAIS PARA PUBLICAÇÃO DE TRABALHOS

10

11 Editorial O número 16 da Juris Poiesis, ano de 2013, deve ser o último no formato impresso. A partir de 2014 a Revista do PPGD/UNESA passará ao modelo eletrônico e, com isso, possivelmente ganhará mais de uma edição por ano. Este é o terceiro número seguido em que a Juris Poiesis adota os critérios exigidos para o qualis B1 (CAPES). Contamos para esta edição com um expressivo elenco de avaliadores ad hoc, nomeados anteriormente, que vêm a emprestar as suas autoridades à publicação, a quem muito agradecemos. Registramos um obrigado especial ao mestrando Ricardo Granja, que trabalhou dedicadamente neste número da Revista. A Juris Poiesis de número 16 encerra mais uma trienal, conforme o período de avaliação da Pós-Graduação Stricto Sensu pela CAPES ( ). O resultado desta trienal, que consolidou o Mestrado e Doutorado em Direito da Universidade Estácio de Sá com a nota 5, denotando o progresso alcançado pelo Programa, faz com que a presente edição tenha um sabor de regozijo e de trabalho cumprido. Os novos caminhos a serem trilhados pela Juris Poiesis, a partir da forma eletrônica, somam-se aos desafios que o PPGD/UNESA tem de enfrentar em conformidade com a responsabilidade advinda da avaliação da CAPES e de novas conquistas. O sucesso obtido é partilhado entre os docentes do Programa, bem como os alunos, e se encontra parcialmente retratado na Juris Poiesis. A Revista continua sendo disponibilizada em PDF na página do PPGD/UNESA. Fábio Corrêa Souza de Oliveira Coordenador do Programa de Mestrado e Doutorado em Direito da Universidade Estácio de Sá

12

13 A competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/98 The jurisdiction of the Federal Court to adjudicate crimes described in Law nº. 9605/98 Rúbia Chassot de Almeida 1 Luiz Eduardo Cleto Righetto 2 RESUMO O presente estudo tem como objetivo sintetizar as regras que definem a competência da Justiça Federal na tutela penal ambiental, trazendo o entendimento mais atual, tanto doutrinário quanto jurisprudencial, no que diz respeito aos conflitos de jurisdição quanto aos principais crimes tipificados na lei nº 9.605/98. A lei de crimes ambientais não definiu competência para apreciação dos tipos penais que instituiu, o que acarreta na prática uma série de dúvidas de atribuição, principalmente no momento do ajuizamento das ações penais ambientais. Por isso, se faz necessário um estudo atual, obedecendo as regras de competência estabelecidas na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e colacionando as mais recentes decisões dos tribunais brasileiros. PALAVRAS-CHAVE Crimes Ambientais. Justiça Federal. Competência. Conflitos. ABSTRACT The present study aims to summarize the rules which define the jurisdiction of the Federal Court in criminal oversight environmental bringing understanding most current, both doctrinal as jurisprudence, with respect to conflicts of jurisdiction as to the principal crimes described in Law nº. 9605/98. The environmental crimes law did not define competence for consideration of criminal types who instituted, resulting in a number of practical questions of attribution, especially at the time of the filing of criminal environmental actions. Therefore, it is necessary to study current, 1 Bacharel em Direito pela Universidade Vale do Itajaí - Univali no Campus de Balneário Camboriú/SC e servidora da Justiça Federal do estado de Santa Catarina. e 2 Advogado Criminalista; Especialista em Direito Público pela Escola Superior da Magistratura Federal do Estado de Santa Catarina; Mestre em Ciência Jurídica pela Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI; Professor de Direito Penal e Processo Penal da Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI; Professor de Deontologia Jurídica e Prática Processual Penal do Morgado Concursos (Curso Preparatório para Concursos) e Professor de Tópicos Especiais de Direito Processual Penal no Curso de Pós-Graduação da Universidade do Oeste Catarinense - UNOESC.

14 14 Rúbia Chassot De Almeida, Luiz Eduardo Cleto Righetto obeying the rules of jurisdiction laid down in the Constitution of the Federative Republic of Brazil 1988 and the most recent decisions of the courts of Brazil. KEYWORDS Environmental Crimes. Federal Court. Competence. Conflicts. INTRODUÇÃO O artigo em questão aborda o tema sobre a competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/98 e tem por objetivo esclarecer quais os delitos descritos na lei de crimes ambientais devem ser julgados por juízes federais. Atualmente, a problemática da degradação e da destruição do meio ambiente atinge o mundo inteiro, afetando de alguma forma toda a humanidade. Os estragos muitas vezes são irremediáveis, e a fauna, flora e os recursos minerais que, embora abundantes, são passíveis de extinção, de exaurimento. Ademais, o meio Ambiente não se restringe ao ambiente físico e biológico, mas inclui também as relações sociais, econômicas e culturais. Nessa esfera, a questão da preservação do meio ambiente tem atraído a atenção dos legisladores, e com o objetivo de regulamentar o art. 225 da Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 (CRFB/88), foi criada lei nº 9.605/98. Devido à criação da referida lei, condutas e atividades consideradas lesivas ao meio ambiente passaram a ser punidas civil, administrativa e criminalmente. Assim, constatada a degradação ambiental, seja o poluidor, seja o destruidor, além de ser obrigado a promover a sua recuperação, responde com o pagamento de multas pecuniárias e com processos criminais. O tema reveste-se da maior importância haja vista a necessidade de que seja esclarecida a competência para processar e julgar os crimes tipificados na lei supracitada. A hipótese levantada no presente estudo é a de que a lei que versa sobre crimes ambientais não definiu competência para apreciação dos tipos penais que instituiu, restando necessária a consulta à doutrina e à jurisprudência quando do ajuizamento de ações desta natureza. A CRFB/88 imbuída do desejo de proteção integral e universal atribuiu à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios a competência comum para proteger o meio ambiente e combater a poluição em qualquer de suas formas, bem como preservar as florestas, a fauna e a flora (art. 23, VI e VII). Além disso, atribuiu competência concorrente à União, aos Estados e ao Distrito Federal para legislar sobre temas relacionados às florestas, caça e pesca, fauna, conservação da natureza, defesa do solo e dos recursos naturais, proteção do meio ambiente e controle da poluição (art. 24, VI). Essa autonomia dada aos entes da federação quanto à proteção ambiental acarreta dúvida em definir de quem é a competência para julgar crimes ambientais.

15 A competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/98 15 A competência da Justiça Federal, fincada direta e expressamente na CRFB/88, é de natureza absoluta, e está direcionada no sentido de julgar causas em que há interesses, serviços ou bens da União envolvidos. Esse modelo é um tanto complexo, gerando, na prática, uma série de conflitos de competência, suscitados muitas vezes pelos próprios magistrados frente à incerteza de ter ou não jurisdição sobre a matéria. A pesquisa utilizou-se do método indutivo, sendo possível a partida de um ponto maior da Ciência Penal para chegar a uma gama de conhecimento específico sobre o referido tema. Este estudo abordará a competência da Justiça Federal segundo a CRFB/88, breves comentários à lei nº 9.605/98 e a competência da Justiça Federal nos crimes tipificados na lei nº 9.605/98. O presente artigo se encerra com as considerações finais, nas quais são apresentados pontos conclusivos sobre o tema abordado. 1. DA COMPETÊNCIA CRIMINAL DA JUSTIÇA FEDERAL SEGUNDO A CRFB/88 Este primeiro capítulo tem como objetivo descrever, à luz da CRFB/88, a competência da Justiça Federal na esfera criminal. Na definição de CAPEZ, competência é a delimitação do poder jurisdicional. Aponta quais os casos que podem ser julgados pelo órgão do Poder Judiciário, sendo, portanto, uma verdadeira medida da extensão do poder de julgar. 3 Para Mirabete, é a medida e o limite da jurisdição, é a delimitação do poder jurisdicional. 4 Seguindo esse raciocínio, Tourinho Filho 5 e Mirabete 6 entendem que a limitação do exercício jurisdicional é feita com base na natureza da lide (ratione materiae), no território e nas funções que os órgãos podem exercer dentro dos processos. Na CRFB/88, a distribuição de competência encontra-se expressamente prevista segundo a estrutura do Poder Judiciário nacional. A competência da Justiça Federal é expressamente descrita em seu art Aquilo que não couber a ela, e nem às outras Justiças Especializadas, caberá, por exclusão, à Justiça Estadual. 7 Seguem os incisos do art , que tratam de matéria criminal afeta à Justiça Federal: Art Aos juízes federais compete processar e julgar: [...] IV - os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral; 3 CAPEZ, Fernando. Curso de Processo penal. 9. ed. São Paulo: Saraiva, p MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. 10 ed. São Paulo: Atlas, p TOURINHO FILHO, Fernando da Costa. Processo penal. Vol 2. São Paulo: Saraiva, 25. ed., p MIRABETE, Julio Fabbrini. Processo penal. p COSTA E NETO, Nicolao Dino de Castro; BELLO FILHO, Ney Barros; CASTRO E COSTA, Flávio Dino de. Crimes e infrações administrativas ambientais Comentários à Lei 9.605/ ed. Brasília: Brasília Jurídica, p BRASIL, Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

16 16 Rúbia Chassot De Almeida, Luiz Eduardo Cleto Righetto V - os crimes previstos em tratado ou convenção internacional, quando, iniciada a execução no País, o resultado tenha ou devesse ter ocorrido no estrangeiro, ou reciprocamente; V-A as causas relativas a direitos humanos a que se refere o 5º deste artigo; VI - os crimes contra a organização do trabalho e, nos casos determinados por lei, contra o sistema financeiro e a ordem econômico-financeira; VII - os habeas-corpus, em matéria criminal de sua competência ou quando o constrangimento provier de autoridade cujos atos não estejam diretamente sujeitos a outra jurisdição; [...] IX - os crimes cometidos a bordo de navios ou aeronaves, ressalvada a competência da Justiça Militar; X - os crimes de ingresso ou permanência irregular de estrangeiro, a execução de carta rogatória, após o exequatur, e de sentença estrangeira, após a homologação, as causas referentes à nacionalidade, inclusive a respectiva opção, e à naturalização; XI - a disputa sobre direitos indígenas. Os crimes ambientais não são da competência da Justiça Federal, necessariamente, pois não há nos incisos do art. 109 da CRFB/88 previsão a respeito. Além disso, segundo o art. 225, caput, da Carta Magna 9, o meio ambiente é considerado bem de uso comum do povo 10. José Afonso da Silva 11 leciona que a Constituição define o meio ambiente ecologicamente equilibrado como direito de todos e lhe dá a natureza de bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida. Entretanto, é possível que uma infração penal tenha mais de um titular do direito lesado 12. Isto pode ocorrer também nos crimes ambientais, podendo a União e suas autarquias ou empresas públicas estarem ao lado do sujeito passivo coletividade. Assim, atrai-se a competência para a Justiça Federal (CRFB/88, art. 109, IV) 13. A Súmula 122, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), diz que compete à Justiça Federal o processo e julgamento unificado dos crimes conexos de competência federal e estadual, não se aplicando a regra do art. 78, II, a, do Código de Processo Penal 14. Assim, a competência especial fixada na Constituição para a Justiça Federal dá-lhe a condição especial sobre a competência geral no julgamento de crimes conexos, ou seja, infração penal em detrimento de bens, serviços ou interesse da União e crime comum de competência da Justiça Estadual. 9 Art Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá- lo para as presentes e futuras gerações. 10 FREITAS, Vladimir Passos de; FREITAS, Gilberto Passos de. Crimes contra a natureza. 8. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, p SILVA, José Afonso da. Curso de direito constitucional positivo. 27. ed. São Paulo: Malheiros, p MIRABETE, Julio Fabbrini. Manual de direito penal, v. III, 24. ed. São Paulo: Atlas, p FREITAS, Vladimir Passos de; FREITAS, Gilberto Passos de. Crimes contra a natureza. p Art. 78. Na determinação da competência por conexão ou continência, serão observadas as seguintes regras: [...] Il - no concurso de jurisdições da mesma categoria: a) preponderará a do lugar da infração, à qual for cominada a pena mais grave.

17 A competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/ BREVES COMENTÁRIOS À LEI Nº 9.605/98 Com o objetivo de regulamentar o referido art. 225 da CRFB/88, entrou em vigor, nos seus aspectos penais, a partir de 30/03/1998, a Lei nº 9.605/98, conhecida como a Lei de Crimes Ambientais. O citado diploma legal é decorrente da imperativa necessidade de normatização das condutas que afetavam e afetam o meio ambiente nacional. Com patrimônio natural inestimável, buscou-se não somente para o país o controle e punição das ações perniciosas à natureza, mas a própria garantia de que tal patrimônio se perpetue no tempo. 15 A lei não é apenas penal, pois contém dispositivos de ordem administrativa. Consoante Freitas 16, esses dispositivos, de todo oportunos, foram elaborados por outra comissão, possibilitando ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) atuar com maior eficácia. Segundo Fiorillo 17, as disposições gerais da lei nº 9.605/98 procuraram atender não só os regramentos que fundamentam o direito criminal e penal constitucional, como as especificidades criadas pelo direito criminal ambiental constitucional e pelo direito penal ambiental constitucional. A citada lei, além de apontar a possibilidade de aplicação de sanções penais para as pessoas físicas, possibilitou a responsabilização penal das pessoas jurídicas, sejam elas de direito público ou de direito privado, inclusive com a aplicação do instituto da desconsideração da pessoa jurídica 18. O capítulo V da Lei 9.605/98 traz como objeto jurídico geral tutelado o ambiente, e está dividido em cinco seções, a saber: (seção I) crimes contra a fauna; (seção II) crimes contra a flora; (seção III) crimes de poluição e outros crimes ambientais; (seção IV) crimes contra o ordenamento urbano e o patrimônio cultural; e (seção V) crimes contra a administração ambiental. Os crimes capitulados apresentam-se quase sempre como delitos pluriofensivos, isto é, descrevem várias condutas ou vários objetos jurídicos. Freitas 19 leciona, ainda, que a lei nº 9.605/98 alterou profundamente a tipificação de condutas, pois antes dela, a matéria relativa ao Direito Ambiental Penal estava dispersa em várias leis, as quais eram pouco conhecidas e desrespeitadas. Cita algumas condutas reprováveis que se tornaram crimes: maus-tratos contra animal doméstico (art ), pesca de espécies com aparelhos não permitidos (art. 34, parágrafo único, II 21 ), poluição do mar por óleo, incluída a forma culposa (art. 54, 15 LOURES, Sérgio Lopes; MIRANDA, Marcos Paulo de Souza; OLIVEIRA, Ana Raquel Cardoso de. Considerações acerca da nova Lei de Crimes Ambientais. Jus Navegandi. Acesso em 25/07/ FREITAS, Vladimir Passos de. A Constituição federal e a efetividade das normas ambientais. 2. ed. rev. São Paulo: Revista dos Tribunais, p FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. 4. ed. ampl. São Paulo: Saraiva, p FIORILLO, Celso Antonio Pacheco. Curso de direito ambiental brasileiro. p FREITAS, Vladimir Passos de.. A Constituição federal e a efetividade das normas ambientais. p Art. 32. Praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa. 21 Art. 34. [...] Parágrafo único. Incorre nas mesmas penas quem: II - pesca quantidades superiores às permitidas, ou mediante a utilização de aparelhos, petrechos, técnicas e métodos não permitidos.

18 18 Rúbia Chassot De Almeida, Luiz Eduardo Cleto Righetto 2º, inciso V, e 3º 22 ), construção de obras sem estudo de impacto ambiental (art ) e impedimento ou embaraço à ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais (art ). Para Freitas, nobre desembargador federal aposentado, a maior parte das infrações penais ambientais sujeita-se à lei dos Juizados Especiais Criminais, pois nenhuma delas tem pena mínima superior a um ano. Sendo assim, ou são passíveis de transação, por ser a sanção máxima de um ano, ou admitem suspensão do processo, por ser a pena mínima de um ano. O citado professor salienta: é importante que as condições para gozar das regalias da lei especial só sejam concedidas se o infrator procurar reparar o mal. Se o infrator polui um rio, a suspensão do processo terá como condição alguma atividade relacionada diretamente com a ação reprovável 25. Não obstante aos avanços trazidos pela lei de crimes ambientais, Milaré e Costa Júnior fazem expressa crítica à lei no que tange a presença de um excessivo número de normas penais em branco. Afirmam que o comportamento proibido não deve ser enunciado de forma vaga, ou complementado por dispositivos legais, ou atos normativos extravagantes. Trazem como exemplo o disposto no art. 29, 4º, incisos I e VI 26, no qual não se acham discriminadas as espécies raras ou ameaçadas de extinção, nem estão definidos os métodos ou instrumentos capazes de provocar destruição em massa 27. Mesmo contendo erros grosseiros, como utilizar a expressão exportar para o exterior no caput do art. 30, e outros tantos equívocos que ferem a boa técnica legislativa, a lei de crimes ambientais já regula as atuais relações do homem com o meio ambiente. 3. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL NOS CRIMES TIPIFICADOS NA LEI Nº 9.605/98 A lei n.º 9.605/98 não determinou a competência para julgamento de seus crimes. Assim, torna-se necessário um estudo detalhado da matéria, levando-se em conta 22 Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora: Pena - reclusão, de um a quatro anos, e multa. [...] 2º Se o crime: [...] V - ocorrer por lançamento de resíduos sólidos, líquidos ou gasosos, ou detritos, óleos ou substâncias oleosas, em desacordo com as exigências estabelecidas em leis ou regulamentos: Pena - reclusão, de um a cinco anos. 23 Art. 60. Construir, reformar, ampliar, instalar ou fazer funcionar, em qualquer parte do território nacional, estabelecimentos, obras ou serviços potencialmente poluidores, sem licença ou autorização dos órgãos ambientais competentes, ou contrariando as normas legais e regulamentares pertinentes: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa, ou ambas as penas cumulativamente. 24 Art. 69. Obstar ou dificultar a ação fiscalizadora do Poder Público no trato de questões ambientais: Pena - detenção, de um a três anos, e multa. 25 FREITAS, Vladimir Passos de. A Constituição federal e a efetividade das normas ambientais. 2. ed. rev. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 218 e Art. 29. Matar, perseguir, caçar, apanhar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida: Pena - detenção de seis meses a um ano, e multa. [...] 4º A pena é aumentada de metade, se o crime é praticado: I - contra espécie rara ou considerada ameaçada de extinção, ainda que somente no local da infração;[...] VI - com emprego de métodos ou instrumentos capazes de provocar destruição em massa. 27 MILARÉ, Édis; COSTA JUNIOR, Paulo José da. Direito penal ambiental Comentários à lei 9.605/98. Campinas: Millenium, p

19 A competência da Justiça Federal para processar e julgar crimes tipificados na lei nº 9.605/98 19 a particularidade do caso concreto, para que se possa definir a competência da Justiça Federal ou da Justiça Estadual nos delitos praticados contra o meio ambiente. Para a incidência da norma constitucional (art. 109, IV), basta a ofensa direta a bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, não sendo necessária a ocorrência de efetivo prejuízo CRIMES CONTRA A FAUNA Antes da edição da lei nº 9605/98, a jurisprudência do Superior Tribunal de Justiça havia consagrado, por meio da súmula 91, a competência da Justiça Federal para o conhecimento dos crimes contra a fauna 29. A mencionada súmula foi cancelada, e segundo Freitas, o raciocínio desenvolvido para concluir pela competência da Justiça Estadual foi o de que a lei nº 9.605/98 não dispôs sobre competência, cabendo, a partir da CRFB/88, à União, Estados e Municípios zelar pelo meio ambiente 30. Segue o posicionamento atualmente pacificado do STJ 31 a respeito: PENAL E PROCESSO PENAL. CONFLITO NEGATIVO DE COMPETÊNCIA. CRIME CONTRA A FAUNA. AUSÊNCIA DE OFENSA A BENS, SERVIÇOS OU INTERESSES DA UNIÃO, SUAS AUTARQUIAS, OU EMPRESAS PÚBLICAS. COMPETÊNCIA DO JUÍZO ESTADUAL. 1. Não havendo prejuízo à União, Autarquias Federais ou Empresas Públicas Federais, o processamento e julgamento de crime contra a fauna compete à Justiça Estadual. 2. Conflito conhecido e provido para declarar competente o Juízo do Primeiro Juizado Especial Criminal da Comarca de Nova Iguaçu/RJ, Suscitado. Assim, a competência para processar e julgar crimes contra a fauna é da Justiça Estadual e, excepcionalmente da Justiça Federal nos casos em que os crimes forem praticados em detrimento de bens, serviços ou interesses da União, suas autarquias ou empresas públicas. Como exemplo, crimes contra espécies protegidas em áreas da União como parques nacional e reservas indígenas. Segundo Freitas, serão também da competência da Justiça Federal os casos de tráfico de animais para o exterior, haja vista o Brasil ter se comprometido a reprimir tal conduta através da Convenção sobre o Comércio Internacional de espécies da Flora e Fauna Selvagem em Perigo de Extinção (CITES), aprovada no Brasil pelo decreto legislativo 54, de 26/06/ CRIMES CONTRA A FLORA Consoante se infere das decisões dos tribunais superiores, nada há que justifique a competência federal para processar e julgar os crimes contra a flora, a não ser 28 BRASIL, Superior Tribunal de Justiça. RHC 40, Relator. Min. Costa Leite, DJ Súmula 91 STJ (cancelada). Compete à Justiça Federal processar e julgar os crimes praticados contra a fauna. 30 FREITAS, Vladimir Passos de; FREITAS, Gilberto Passos de. Crimes contra a natureza. p BRASIL, STJ, CC / RJ. Relatora Min. Maria Thereza de Assis Moura. DJE 21/03/ FREITAS, Vladimir Passos de; FREITAS, Gilberto Passos de. Crimes contra a natureza. 8. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, p. 56.

20 20 Rúbia Chassot De Almeida, Luiz Eduardo Cleto Righetto que o delito tenha sido praticado contra bens da União, incidindo a regra geral do art. 109, inciso IV da CRFB/ Assim, se o crime for praticado em área de conservação federal, a competência será da Justiça Federal. Em contrapartida, se o mesmo crime for perpetrado contra árvores ou florestas de particulares, a competência será da justiça Estadual. O STJ 34 possui inúmeras decisões nesse sentido: CONFLITO POSITIVO DE COMPETÊNCIA. CRIME CONTRA O MEIO AMBIENTE. ART.39 DA LEI 9.605/98. CORTE DE ÁRVORES EM ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL SITUADA NO ENTORNO DO PARQUE NACIONAL DO ITATIAIA. COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA FEDERAL. 1. A competência da Justiça Federal, expressa no art. 109, IV, da Carta Magna, restringe-se às hipóteses em que os crimes ambientais são perpetrados em detrimento de bens, serviços ou interesses da União, suas autarquias ou empresas públicas. 2. Delito em tese cometido no interior de área de proteção ambiental localizada no Entorno do Parque Nacional do Itatiaia, criado pelo Decreto 1.713/37, floresta contígua à aludida unidade de conservação, o que faz incidir na espécie o disposto no art. 9º da Lei nº 4.771/65 (Código Florestal), verbis: as florestas de propriedade particular, enquanto indivisas com outras, sujeitas a regime especial, ficam subordinadas às disposições que vigorarem para estas. 3. Logo, tendo em vista que a área na qual houve o prejuízo ambiental é vizinha a outra submetida a regime especial (bem da União), compete à Justiça Federal processar e julgar o feito, nos termos do art. 109, inciso IV, da Carta Magna (grifo nosso). É importante salientar que não há se confundir patrimônio nacional com bem da União. Aquela locução revela proclamação de defesa de interesses do Brasil diante de eventuais ingerências estrangeiras 35. Apesar de o art. 225, 4º da CRFB/88 atribuir caráter de patrimônio nacional à Floresta Amazônica, à Serra do Mar, à Mata Atlântica, ao Pantanal e à Zona Costeira, não significa que são bens da União. Entretanto, é evidente que há um interesse nacional na preservação de tais ecossistemas, porquanto é um patrimônio que diz respeito a todos os brasileiros, e não apenas aos habitantes da região 36. O Tribunal Regional da 4ª Região entende que se houver extração de bens oriundos de áreas consideradas patrimônio nacional, a competência é da Justiça Federal, conforme segue 37 : 33 Art Aos juízes federais compete processar e julgar: [...] IV - os crimes políticos e as infrações penais praticadas em detrimento de bens, serviços ou interesse da União ou de suas entidades autárquicas ou empresas públicas, excluídas as contravenções e ressalvada a competência da Justiça Militar e da Justiça Eleitoral. 34 BRASIL, Superior Tribunal de Justiça. CC / RJ. Relator Min. Jorge Mussi. DJE 19/04/ BRASIL, Superior Tribunal de Justiça. CC / RO. Relator Min. Maria Thereza de Assis Moura. DJE 21/08/ COSTA E NETO, Nicolao Dino de Castro; BELLO FILHO, Ney Barros; CASTRO E COSTA, Flávio Dino de. Crimes e infrações administrativas ambientais Comentários à Lei 9.605/98. p BRASIL, Tribunal Regional Federal da 4ª REGIÃO, Acórdão Relator Néfi Cordeiro, DE 28/10/2010.

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS

DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS DIREITO PROCESSUAL PENAL COMPETÊNCIAS Atualizado em 03/11/2015 4. Competência Material Ratione Materiae: Divide-se em competência da Justiça Estadual, Federal, Eleitoral e Militar (não falamos da Justiça

Leia mais

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE

O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE O PAPEL DO MINISTÉRIO PÚBLICO P NA DEFESA DO MEIO AMBIENTE DAS DISPOSIÇÕES CONSTITUCIONAIS RELATIVAS ÀS FUNÇÕES DO MINISTÉRIO PÚBLICO Art. 129. São funções institucionais do Ministério Público: I- promover,

Leia mais

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental

Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Atribuições estaduais e municipais na fiscalização ambiental Rodolfo Torres Advogado Assessor Jurídico do INEA Especialista em Direito Ambiental pela PUC/RJ Fiscalização: noções gerais Manifestação do

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br A responsabilidade administrativa no Direito Ambiental por Carolina Yassim Saddi * Uma data que merece reflexão foi comemorada no dia 5 de junho do corrente ano: Dia Mundial do Meio

Leia mais

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Legislação Federal LEI N 7.804, de 18 de julho de 1989 Altera a Lei n 6.938 de 31 de agosto de 1981, que dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação

Leia mais

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados

Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados Responsabilidade dos bancos por riscos/danos ambientais Demarest & Almeida Advogados Associados São Paulo, 17 de maio de 2012 I. Apresentação II. Legislação Federal Básica III. Responsabilidade Ambiental

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos

ADMINISTRAÇÃO DE CRISES Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos Técnicas e Recomendações Práticas Para Preparação das Organizações para o Enfrentamento de Momentos Críticos C W M C O M U N I C A Ç Ã O WALTEMIR DE MELO ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS CRÍTICOS

Leia mais

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde

14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde 14º Congresso Brasileiro de Direito Ambiental do Instituto O Direito por um planeta verde O licenciamento ambiental e o licenciamento urbanístico no Projeto de Lei nº 3.057/2000 Lei de responsabilidade

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO. PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1. COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 4.548, DE 1998 (Apensos os Projetos de Lei nºs 4.602/98, 4.790/98 e 1.901/99) Dá nova redação ao caput do artigo 32 da Lei nº 9.605, de

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL

DIREITO AMBIENTAL NO BRASIL DIREITO NO BRASIL CONTEXTO NACIONAL Ordenamento Jurídico; O meio ambiente na constituição federal; Política Nacional do Meio Ambiente; SISNAMA; Responsabilidades civil; Responsabilidade penal ambiental;

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98

Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 Responsabilidade Criminal Ambiental - Lei 9.605/98 29 Clara Maria Martins Jaguaribe 1 BREVE INTRODUÇÃO Antes da sistematização da responsabilidade penal em termos de meio ambiente, todos os tipos penais

Leia mais

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N o 2.602, DE 2010 Susta os efeitos do Decreto nº 7.154, de 9 de abril de 2010. Autora: Deputado SARNEY FILHO Relator:

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL

IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL IMPOSSIBILIDADE JURÍDICA DO TRIBUNAL DO JURI NA JUSTIÇA MILITAR ESTADUAL Jonas Guedes 1 Resumo: O tema abordado no presente artigo versará sobre a impossibilidade jurídica do Tribunal do Júri na Justiça

Leia mais

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010

Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97. Resolução Conama 237/97 7/10/2010 LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA ATIVIDADE DE MINERAÇÃO: ASPECTOS LEGAIS E TÉCNICOS GEÓLOGO NILO SÉRGIO FERNANDES BARBOSA Art. 1º - Para efeito desta Resolução são adotadas as seguintes definições: I - Licenciamento

Leia mais

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011

PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 PROJETO DE DECRETO LEGISLATIVO N O, DE 2011 (Do Sr. Neri Geller) Susta os efeitos dos dispositivos que cita do Decreto 6.514, de 22 de julho de 2008, o qual dispõe sobre as infrações e sanções administrativas

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados:

PARECERES JURÍDICOS. Para ilustrar algumas questões já analisadas, citamos abaixo apenas as ementas de Pareceres encomendados: PARECERES JURÍDICOS Partindo das diversas obras escritas pelo Prof.Dr. AURY LOPES JR., passamos a oferecer um produto diferenciado para os colegas Advogados de todo o Brasil: a elaboração de Pareceres

Leia mais

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem:

ESTRUTURA DO MATERIAL foi ELABORADA por: André Vieira. CURSO CETECNET. Processar e julgar, originariamente: Origem: STF MINISTROS 11 CIDADÃO +35 / - 65 N.S.J / R.I Pres. Repúb. Senado Federal Maioria absoluta NÃO POS- SUE ORI- GEM Processar e julgar, originariamente: a) a ADi de lei ou ato normativo federal ou estadual

Leia mais

Copyright Proibida Reprodução.

Copyright Proibida Reprodução. RESPONSABILDADE CIVIL DO DANO AMBIENTAL Prof. Éder Responsabilidade Clementino dos civil Santos INTRODUÇÃO Evolução da sociedade: séc. XX (novas tecnologias x modelo de vida); Inércia do Estado: auto-tutela;

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL

INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL INTRODUÇÃO AO DIREITO AMBIENTAL 1. NOMENCLATURA DA DISCIPLINA JURÍDICA Direito ambiental, direito do meio ambiente, direito do desenvolvimento sustentável, direito verde, direito ecológico, direito de

Leia mais

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro

Responsabilidade Criminal Ambiental. Paulo Freitas Ribeiro Responsabilidade Criminal Ambiental Paulo Freitas Ribeiro Constituição Federal Artigo 225 - Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade

Leia mais

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS

LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS LATROCÍNIO COM PLURALIDADE DE VÍTIMAS ALESSANDRO CABRAL E SILVA COELHO - alessandrocoelho@jcbranco.adv.br JOSÉ CARLOS BRANCO JUNIOR - jcbrancoj@jcbranco.adv.br Palavras-chave: crime único Resumo O presente

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa

O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS. João Batista Machado Barbosa O MEIO AMBIENTE E A LEI DOS CRIMES AMBIENTAIS João Batista Machado Barbosa DIREITO PENAL AMBIENTAL OBJETIVO Fazer com que a audiência compreenda os princípios e normas que constituem o Direito Penal Ambiental

Leia mais

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98

ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 ANÁLISE DA EXPRESSÃO FLORESTA INSERIDA NO ARTIGO 38 DA LEI Nº 9.065/98 Hassan Souki Advogado Associado do Escritório Homero Costa Advogados. A Lei nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998, tipifica, em seu

Leia mais

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA

FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA FICHA TÉCNICA PROGRAMA DE DEFESA DA MATA ATLÂNTICA ALINHAMENTO ESTRATÉGICO OBJETIVO ESTRATÉGICO ESTRATÉGIA INICIATIVA ESTRATÉGICA Promover a Defesa do Meio Ambiente Aperfeiçoar e estruturar a atuação do

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Fixa normas para a cooperação entre a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, nas ações administrativas decorrentes do exercício da competência comum relativas

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 5.ª REGIãO Gabinete da Desembargadora Federal Margarida Cantarelli AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 119427-CE (0014160-68.2011.4.05.0000) AGRTE : MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL AGRDO : CARLOS FLÁVIO OLIVEIRA SILVEIRA ADV/PROC : JOÃO OLIVARDO MENDES ORIGEM : 18ª Vara Federal do Ceará

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR ESTUDO LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE POLUIÇÃO DO AR José de Sena Pereira Jr. Consultor Legislativo da Área XI Meio Ambiente, e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 87.156 - RJ (2007/0145923-6) RELATOR : MINISTRO SIDNEI BENETI AUTOR : EVANDRO DA SILVA ADVOGADO : CARLOS LIMA CASTRO RÉU : SAINT GOBAIN CANALIZAÇÃO S/A ADVOGADO : HISASHI KATAOKA

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS. RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Procuradoria da República no Município de Corumbá/MS RECOMENDAÇÃO nº 007/2011 Renováveis (Ibama), Ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador

Leia mais

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS

COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII 1. NOÇÕES GERAIS COMPETÊNCIA CAPÍTULO VIII COMPETÊNCIA SUMÁRIO 1. Noções gerais; 2. Competência territorial (ratione loci); 2.1. O lugar da infração penal como regra geral (art. 70 CPP); 2.2. O domicílio ou residência

Leia mais

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I:

Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental. Unidade I: Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Unidade I: 0 Unidade: Meio Ambiente e Direito Ambiental Introdução A disciplina Direito Ambiental tem como objetivo propiciar ao corpo discente uma análise sobre

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas

Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Registros em terras de fronteiras, margens de rio e terras devolutas Josely Trevisan Massuquetto Procuradora do INCRA no Paraná. Francisco José Rezende dos Santos Oficial do 4º Reg. Imóveis de Bhte e Presidente

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA No Brasil, as leis voltadas para a conservação ambiental começaram a partir de 1981, com a lei que criou a Política Nacional do Meio Ambiente. Posteriormente, novas leis

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A competência nos pedidos de adoção, guarda e tutela Rogério Medeiros Garcia de Lima* 1. INTRODUÇÃO A vigência do novel Estatuto da Criança e do Adolescente (Lei federal 8.069, de

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL

PADRÃO DE RESPOSTA PEÇA PROFISSIONAL PEÇA PROFISSIONAL Petição inicial: Queixa-crime. Endereçamento: Vara Criminal da Comarca de São Paulo SP. Vara criminal comum, visto que as penas máximas abstratas, somadas, ultrapassam dois anos. Como

Leia mais

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR

IMPOSSIBILIDADE DE RECOLHIMENTO DE PRESO CIVIL EM PRISÃO MILITAR ELBERT DA CRUZ HEUSELER Mestre em Direito da Administração Pública Doutorando em Ciências Jurídicas e Sociais Pós Graduado em Estratégia e Relações Internacionais Especialista em Globalização e Brasil

Leia mais

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de

ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de ARTIGO: Efeitos (subjetivos e objetivos) do controle de constitucionalidade Luís Fernando de Souza Pastana 1 RESUMO: há diversas modalidades de controle de constitucionalidade previstas no direito brasileiro.

Leia mais

Gestão e Legislação Ambiental

Gestão e Legislação Ambiental UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS CENTRO DE TECNOLOGIA Mestrado em Recursos Hídricos H e Saneamento Disciplina: Gestão e Legislação Ambiental Professora: Selêude Wanderley da NóbregaN Legislação Ambiental

Leia mais

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1

A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA. Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1134 A LEI MARIA DA PENHA E A AÇÃO PENAL CABÍVEL À VÍTIMA Maria Eduarda Lopes Coelho de Vilela 1 1 Discente do 6º

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

02579887423 MI 4208 MANDADO DE INJUNÇÃO COLETIVO EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL A UNIÃO DOS ADVOGADOS PÚBLICOS FEDERAIS DO BRASIL UNAFE, pessoa jurídica de direito privado, sem fins econômicos, associação civil

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Ação de Nunciação de obra Nova Gisele Leite* A intenção do legislador ao enunciar a referida ação foi a harmonizar o direito de vizinhança com o direito de propriedade, permitindo

Leia mais

2 - Como as penas são aplicadas

2 - Como as penas são aplicadas 1 de 8 10/16/aaaa 11:40 Meio Ambiente A Lei de Crimes Ambientais Nome A Lei de Crimes Ambientais Produto Informação Tecnológica Data Setembro - 2000 Preço - Linha Meio Ambiente Resenha Informações resumidas

Leia mais

Licenciamento Ambiental

Licenciamento Ambiental Conceito Licenciamento Ambiental Procedimento administrativo pelo qual o órgão ambiental competente licencia a localização, instalação, ampliação e a operação de empreendimentos e atividades utilizadoras

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL RESPONSABILIDADES DOS AGENTES NA GESTÃO DOS RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL Antonio Fernando Pinheiro Pedro Pinheiro Pedro Advogados OBRIGAÇÕES LEGAIS As empresas de construção civil estão sujeitas a elaboração

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL DOS CORRETORES DE SEGUROS, DE RESSEGUROS, DE CAPITALIZAÇÃO, DE PREVIDÊNCIA PRIVADA, DE SEGUROS DE PESSOAS, DE PLANOS E DE SEGUROS DE SAÚDE, E SEUS PREPOSTOS FEVEREIRO/2008

Leia mais

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR)

Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Áreas de Preservação Permanente e Reserva Legal Isenção com relação ao Imposto Territorial Rural (ITR) Ab initio deve-se salientar quais áreas estão abrangidas pelo conceito de Áreas de Conservação e/ou

Leia mais

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado

Conceito. Responsabilidade Civil do Estado. Teorias. Risco Integral. Risco Integral. Responsabilidade Objetiva do Estado Conceito Responsabilidade Civil do Estado é a obrigação que ele tem de reparar os danos causados a terceiros em face de comportamento imputável aos seus agentes. chama-se também de responsabilidade extracontratual

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VIII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL Com fundamento na recente Lei n. 1.234, do Estado Y, que exclui as entidades de direito privado da Administração Pública do dever de licitar, o banco X (empresa pública

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo ACÓRDÃO Registro: 2012.0000122121 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9074862-42.2007.8.26.0000, da Comarca de São José do Rio Preto, em que são apelantes PREFEITURA MUNICIPAL DE

Leia mais

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL

RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL JURISPRUDÊNCIA/STJ RESP 697585 / TO ; RECURSO ESPECIAL 2004/0099400-2 Ministro GILSON DIPP (1111) T5 - QUINTA TURMA 22/03/2005 DJ 18.04.2005 p. 383 CRIMINAL. RESP. COMPETÊNCIA. INTIMAÇÃO DO DENUNCIADO.

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO

JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO JORNADA DE TRABALHO/PONTO ELETRÔNICO 1 O art. 19 da Lei nº 8.112/90, com a redação dada pela Lei nº 8.270/91, estabelece que os servidores públicos deverão cumprir jornada de trabalho fixada em razão das

Leia mais

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014

SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011. Ricardo Carneiro Junho/2014 SEMANA DO MEIO AMBIENTE LICENCIAMENTO AMBIENTAL LEI COMPLEMENTAR Nº 140/2011 Ricardo Carneiro Junho/2014 Constituição da República Art. 23. É competência comum da União, dos Estados, do Distrito Federal

Leia mais

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE

CONSTITUIÇÃO FEDERAL 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE CONSTITUIÇÃO FEDERAL Constituição Federal de 1988, CAPÍTULO VI - DO MEIO AMBIENTE Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010.

RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. RESOLUÇÃO Nº, DE DE 2010. Dispõe sobre a divulgação de dados processuais eletrônicos na rede mundial de computadores, expedição de certidões judiciais e dá outras providências. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 2ª Câmara de Coordenação e Revisão VOTO Nº 5076/2012 PROCEDIMENTO MPF nº 1.00.000.002444/2012-76 ORIGEM: PRM TUBARÃO / SC PROCURADOR OFICIANTE: MICHAEL VON MÜHLEN DE BARROS GONÇALVES

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE

A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice ÍNDICE Estrada Dona Castorina, 124 Jardim Botânico Rio de Janeiro RJ CEP: 22460-320 Tel.: 21 35964006 A Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012 e as competências florestais dos entes públicos Roberta Rubim del Giudice

Leia mais

Luiz Eduardo de Almeida

Luiz Eduardo de Almeida Luiz Eduardo de Almeida Apresentação elaborada para o curso de atualização do Instituo Brasileiro de Direito Tributário IBDT Maio de 2011 Atividade da Administração Pública: ato administrativo Em regra

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA DE ESTADO DE MEIO AMBIENTE DIRETORIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL GERÊNCIA DE PROJETOS MINERÁRIOS ITAITUBA PA Junho/2012 O QUE É O LICENCIAMENTO AMBIENTAL? O Licenciamento

Leia mais

OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais

OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais OFICINA 4: Lavra ilegal e apreensão de bens minerais Salvador-BA, 9 de junho de 2010 Frederico Munia Machado Procurador Federal Coordenador de Assuntos Minerários da PF/DNPM Consideração iniciais Constituição

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 129.804 - PB (2013/0300560-9) RELATOR SUSCITANTE SUSCITADO : MINISTRO REYNALDO SOARES DA FONSECA : JUÍZO FEDERAL DA 8A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DA PARAÍBA : JUÍZO DE

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS

FACULDADE DE DIREITO DE CAMPOS Grupo de Pesquisa Institucional de Acesso à Justiça e Tutela de direitos Proposta de implementação I Objeto: Realização de estudos e pesquisas pela comunidade acadêmica da Faculdade de Direito de Campos

Leia mais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais

Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais Dr. Luiz Carlos Aceti Júnior Especialista em Direito Empresarial Ambiental Pós-graduado em Direito das Empresas Inovações do Advento da Lei de Crimes Ambientais 1. Leis esparsas, de difícil aplicação.

Leia mais

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237.

PARECER. 1 Gasparini, Diogenes. Direito Administrativo. 5ed. São Paulo: Saraiva, 2000. Pág.237. PARECER Trata-se de parecer em resposta à consulta formulada pela Presidência da Câmara Municipal de sobre a constitucionalidade do instituto do acesso a cargo público. Em sua solicitação, o Presidente

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Tutela antecipada e suspensão da exigibildade do crédito tributário Eduardo Munhoz da Cunha* Sumário:1. Introdução. 2. A possibilidade de concessão de tutela antecipada contra a

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1

NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 NOTA TÉCNICA Nº 01/2012/GT PROJETOS DE LEI E LEGISLAÇÃO AMBIENTAL/COMITE DE MEIO AMBIENTE CMA 1 Em, 16 de maio de 2012. 1. Referência Projeto de Lei Complementar n. 117/2011 que altera dispositivos da

Leia mais

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA

DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA DO PRINCÍPIO DA TERRITORIALIDADE TEMPERADA O Princípio da Territorialidade Temperada informa a aplicação da lei penal brasileira aos crimes cometidos no território nacional I, mas não é absoluta, admitindo

Leia mais

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR

MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR MED. CAUT. EM AÇÃO CAUTELAR 1.406-9 SÃO PAULO RELATOR : MIN. GILMAR MENDES REQUERENTE(S) : PROCURADOR-GERAL DA REPÚBLICA REQUERIDO(A/S) : UNIÃO ADVOGADO(A/S) : ADVOGADO-GERAL DA UNIÃO REQUERIDO(A/S) :

Leia mais

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007)

COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) COMISSÃO DE FINANÇAS E TRIBUTAÇÃO PROJETO DE LEI N o 3.230, DE 2008 (Apenso o Projeto de Lei n.º 1.701, de 2007) Acrescenta 1º e 2º ao art. 45 do Decreto n.º 70.235, de 6 de março de 1972, para vedar a

Leia mais

Súmulas em matéria penal e processual penal.

Súmulas em matéria penal e processual penal. Vinculantes (penal e processual penal): Súmula Vinculante 5 A falta de defesa técnica por advogado no processo administrativo disciplinar não ofende a Constituição. Súmula Vinculante 9 O disposto no artigo

Leia mais

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei:

Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu a sanciono a seguinte Lei: Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Faço saber

Leia mais

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL

A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL A RESPONSABILIDADE CIVIL PELO DANO AMBIENTAL NO DIREITO BRASILEIRO E A QUESTÃO DA REPARAÇÃO MATERIAL E MORAL I CONGRESSO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL Mariza Giacomin Lozer Patrício Advogada (FESV).

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR PRISÃO REALIZADA PELA GUARDA MUNICIPAL Denis Schlang Rodrigues Alves - Delegado de Polícia do Estado de Santa Catarina. Pós- Graduado em Direito Penal pela Universidade Paulista. Professor de Direito Penal

Leia mais

1ª FASE - EXTENSIVO NOTURNO Disciplina: Direito Processual Civil Prof.: Fábio Menna Data: 08/09/2008

1ª FASE - EXTENSIVO NOTURNO Disciplina: Direito Processual Civil Prof.: Fábio Menna Data: 08/09/2008 TEMAS TRATADOS EM SALA 1. Jurisdição e Competência Ação Estado para que exerça atividade jurisdicional. Art. 1º, CPC. Pode ser contenciosa (há conflito de interesses, e o Estado atua na solução deste conflito)

Leia mais

A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar

A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar A (in) dispensabilidade da presença do advogado no processo admnistrativo disciplinar Igor de Carvalho Leal Campagnolli Advogado, Graduado em Direito pelo Centro Universitário de Educação Superior do Amazonas

Leia mais

Supremo Tribunal Federal

Supremo Tribunal Federal RECLAMAÇÃO 15.309 SÃO PAULO RELATORA RECLTE.(S) PROC.(A/S)(ES) RECLDO.(A/S) ADV.(A/S) INTDO.(A/S) ADV.(A/S) : MIN. ROSA WEBER :MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO :PROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE REDAÇÃO PROJETO DE LEI Nº 3.124, DE 1997 Dispõe sobre a regulamentação da profissão de Psicopedagogo, cria o Conselho Federal e os Conselhos Regionais de Psicopedagogia

Leia mais

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO

FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO FACULDADE LA SALLE DE LUCAS DO RIO VERDE - MT DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS JURÍDICAS FACULDADE DE DIREITO A FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE JOCEANE CRISTIANE OLDERS VIDAL Lucas do Rio Verde MT Setembro 2008 FACULDADE

Leia mais

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES

ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES ACUMULAÇÃO DE CARGOS PÚBLICOS POR MILITARES 1. INTRODUÇÃO O presente estudo tem por finalidade analisar a possibilidade de um militar exercer, na ativa ou na reserva remunerada, outro cargo público e receber,

Leia mais

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado

Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Natanael Gomes Bittencourt Acadêmico do 10º semestre de Direito das Faculdades Jorge Amado Resumo: A Administração Pública se liga ao interesse público e às necessidades sociais,

Leia mais

Tendo em vista o artigo da Promotora de Justiça no Estado do Paraná, Dra. Suzane Maria Carvalho do Prado, disponibilizado por esse CAO-Crim, e as decisões proferidas pela Turma Recursal (Acórdão 71001890557)

Leia mais

Marco Civil da Internet

Marco Civil da Internet Marco Civil da Internet Tendências em Privacidade e Responsabilidade Carlos Affonso Pereira de Souza Professor da Faculdade de Direito da UERJ Diretor do Instituto de Tecnologia e Sociedade (ITS) @caffsouza

Leia mais

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001.

LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. LEI Nº 10.259, DE 12 DE JULHO DE 2001. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, Dispõe sobre a instituição dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais no âmbito da Justiça Federal. Faço saber que o Congresso Nacional

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br A Constituição Federal e o meio ambiente Lucas Britto Tolomei A Constituição Federal de 1988 revelou a importância que a sociedade, Estado e os instrumentos jurídicos devem ter quando

Leia mais

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições:

Art. 6 o O SNUC será gerido pelos seguintes órgãos, com as respectivas atribuições: SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO CF/88 art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao

Leia mais

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes

Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes Tropa de Elite - Polícia Militar Legislação da Polícia Militar Parte 05 Wagner Gomes 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. PROMOÇÃO CONCEITO: O acesso na hierarquia

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO

DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO DIREITO AMBIENTAL NA LEGISLAÇÃO FUNDAMENTOS DE DIREITO AMBIENTAL LEGISLAÇÃO NACIONAL Didaticamente podemos dividir o estudo do Direito em duas grandes áreas: o público e o privado. No direito público tratamos

Leia mais

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO

A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO 1 A DROGA ILÍCITA COMO OBJETO DOS CRIMES DE FURTO E DE ROUBO SANTOS, T. M. Resumo: No decorrer deste trabalho, buscou-se trazer ao leitor a problemática envolvendo os crimes praticados tendo como objeto

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça CONFLITO DE COMPETÊNCIA Nº 52.333 - SP (2005/0111505-0) RELATORA : MINISTRA ELIANA CALMON SUSCITADO : JUÍZO FEDERAL DA 21A VARA DA SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO EMENTA PROCESSUAL CIVIL CONFLITO

Leia mais

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA.

REF: EXERCÍCIO DO DIREITO DE GREVE DOCENTES EM ESTÁGIO PROBATÓRIO, SUBSTITUTOS E VISITANTES ANÁLISE JURÍDICA. 1 Brasília (DF), 7 de maio de 2012. Ilustríssimo Senhor Professor LUIZ HENRIQUE SCHUCH, 1º Vice-Presidente do SINDICATO NACIONAL DOS DOCENTES DAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO SUPERIOR- ANDES-SINDICATO NACIONAL.

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO

CONSELHO NACIONAL DO MINISTÉRIO PÚBLICO RESOLUÇÃO N.º 13, DE 02 DE OUTUBRO DE 2006. (Alterada pela Res. 111/2014) Regulamenta o art. 8º da Lei Complementar 75/93 e o art. 26 da Lei n.º 8.625/93, disciplinando, no âmbito do Ministério Público,

Leia mais