ARTIGO MERENDA ESCOLAR AUTOR: ADALBERTO BÉRGAMO MARTINS PROFESSOR DE GEOGRAFIA, FORMADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARTIGO MERENDA ESCOLAR AUTOR: ADALBERTO BÉRGAMO MARTINS PROFESSOR DE GEOGRAFIA, FORMADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA."

Transcrição

1 ARTIGO MERENDA ESCOLAR AUTOR: ADALBERTO BÉRGAMO MARTINS PROFESSOR DE GEOGRAFIA, FORMADO NA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE LONDRINA.

2 ORIENTADORA: PROFESSORA E DOUTORA ORIENTADORA (IES): ELOIZA CRISTIANE TORRES ÀREA/DISCIPLINA: GEOGRAFIA Aplicação de Tecnologias Educacionais no Ensino de Geografia da Série Inicial de 5ª Série com Base na Pesquisa da merenda Escolar na Escola Estadual Evaristo da Veiga de Londrina. Agradecimentos: A DEUS, por mais esta oportunidade; a Eloiza Cristiane Torres (orientadora), pelo seu importante apoio; aos alunos da 5ª Série, Direção, Equipe Pedagógica e Merendeiras, e a minha família, pelo incentivo.

3 Resumo Considerando a proposta da Secretaria de Estado da Educação Programa de Desenvolvimento Educacional - PDE, com o objetivo de uma nova política de Formação Continuada, valorizando os professores que atuam na Rede Pública Estadual de Ensino do Estado do Paraná, que incorpora os princípios político-pedagógicos da SEED, eu como parte do grupo de professores PDE turma 2008, em meu projeto de Implementação na Escola, viso a pesquisa sobre a Merenda Escolar. A implementação do Projeto com o Título: Aplicação de Tecnologias Educacionais no Ensino de Geografia da Série Inicial de 5ª Série com Base na pesquisa da Merenda Escolar na Escola Estadual Evaristo da Veiga de Londrina, foi desenvolvido no ano de 2009, sob orientação da Professora Orientadora (IES), Eloiza Cristiane Torres, Doutora atuante na Universidade Estadual de londrina, no Curso de Geografia. Alunos de 5ª Série do período vespertino, foram escolhidos para desenvolver o projeto, desenvolvendo pesquisa, elaboração de um cardápio da merenda para uma semana na escola e apresentação de todo o conteúdo, na TV Multimídia, ao final do ano. Palavras-chaves: Alunos. Tv Multimídia. Merenda Escolar.

4 Summary: Considering the proposal of the State secretary of the Education - Program of Educational Development - PDE, with the objective of a new politics of Continued Formation, valuing the professors whom they act in the State Public Net of Education of the State of the Paraná, that incorporates the politician-pedagogical principles of the SEED, I I eat part of the group of professors PDE - group 2008, in my project of Implementation in the School, I aim at the research on the Pertaining to school Merenda. The implementation of the Project with the Heading: Application of Educational Technologies in Ensino de Geografia of the Initial Series of 5ª Series on the basis of the research of the Pertaining to school Merenda in the State School Evaristo of the Fertile valley of Native of London, was developed in the year of 2009, under orientation of Professora Orientadora (IES), Eloiza Cristiane Torres, operating Doctor in the State University of native of London, in the Course of Geography. Pupils of 5ª Series of the vespertine period, had been chosen to develop the project, developing research, elaboration of a cardápio of merenda for one week in the school and presentation of all the content, in the TV Multimedia, to the end of the year. Word-keys: Pupils. TV Multimedia. Pertaining to school Merenda.

5 Introdução: A proposta do artigo está relacionada com a importância do Merenda Escolar nas Escolas. É importante a participação direta ou indireta de toda a comunidade escolar, no que se refere a Merenda na escola. Os alunos devem entender a importância da alimentação escolar sem perder de vista o processo para que tudo esteja pronto para ser consumido. Devemos mostrar que a alimentação tem também o seu custo. Sendo assim, acredito que as pessoas vão enxergar com outros olhos a Merenda Escolar como direito aos alunos das escolas públicas de todo o território nacional.

6 1.Referencial Teórico: 1.1 Importância da alimentação no mundo: A Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação do Ministério da Educação (FNDE/MEC), são referências para o Projeto Horta Escolar como Eixo Gerador De Dinâmicas Comunitárias, Educação Ambiental e Alimentação Saudável e Sustentável. O projeto justifica-se pelo fato de coexistirem no Brasil, a fome, a desnutrição, as deficiências de micro nutrientes e as enfermidades produzidas por alimentação excessiva ou inadequada. A partir dos anos oitenta, doenças como diabetes, hipertensão arterial e obesidade tiveram o aumento alarmante de 240%, agravando, juntamente com os males oriundos da subnutrição, a situação da saúde pública do País. O Projeto Horta Escolar foi concebido com a finalidade de intervir na cultura alimentar e nutricional dos escolares da faixa etária de 7 a 14 anos, com base no entendimento de que é possível promover a educação integral de crianças e jovens de escolas e comunidades do seu entorno, por meio de hortas escolares incorporando a alimentação nutritiva, saudável e ambientalmente sustentável como eixo gerador da prática pedagógica.

7 Foram implantadas hortas escolares durante os anos de 2005 e 2006, produzidos materiais didático-pedagógicos para aperfeiçoamento e qualificação dos profissionais da educação oferecidos eventos de capacitação de professores e merendeiras. Como conseqüência, tem sido possível perceber mudanças significativas dos hábitos alimentares, inclusive, no que se refere à preparação da alimentação escolar. 1.2 Alimentação no Brasil: Em 1995, foi implantado o Pnae ( Programa Nacional de Alimentação Escolar) e garante, por meio da transferência de recursos financeiros, a alimentação escolar dos alunos da educação infantil e do ensino fundamental, com o objetivo de atender as necessidades nutricionais dos alunos durante sua permanência em sala de aula, contribuindo para o crescimento, o desenvolvimento, a aprendizagem e o rendimento escolar dos estudantes, bem como promover a formação de hábitos alimentares saudáveis. - Um breve Histórico: Década de 1940: O programa tem sua origem, mas não sendo possível concretizá-la, por indisponibilidade de recursos financeiros. Década de 1950: elaborado um Plano Nacional de alimentação e nutrição, denominado Conjuntura Alimentar e o Problema da Nutrição no Brasil. 31 de março de 1955: institui a Campanha de merenda Escolar (CME), subordinada ao Ministério da Educação.

8 1956: passa a ser denominado Campanha Nacional de merenda Escolar (CNME) 1965: alterado para Campanha Nacional de Alimentação Escolar (CNAE) e programas de ajuda americana, e o Programa mundial de Alimentos, da FAO/ONU. Escolar. 1979: passa a ser chamado de Programa Nacional de Alimentação 1988: com a promulgação da Constituição Federal, em 1988, ficou assegurado o direito à alimentação escolar a todos os alunos do ensino fundamental por meio de programa suplementar de alimentação escolar a ser oferecido pelos governos federal, estaduais e municipais. 1993: a execução do programa se deu de forma centralizada, ou seja, o órgão gerenciador planejava os cardápios, adquiria os gêneros por processo licitatório, contratava laboratórios especializados para efetuar o controle de qualidade e ainda se responsabilizava pela distribuição dos alimentos em todo o território nacional. 1994: a descentralização dos recursos do programa foi instituída por meio da Lei nº 8.913, de 12/07/1994, mediante celebração de convênios com os municípios e com o envolvimento das secretarias de educação dos estados e do Distrito federal. Avanços: A Medida provisória n 2.178, de 28/06/2001, propiciou grandes avanços ao Pnae. Dentre eles, destacam-se a obrigatoriedade de que 70% dos recursos transferidos pelo governo federal sejam aplicados exclusivamente em produtos básicos e o respeito aos hábitos alimentares regionais e à vocação agrícola do município.

9 2009: a Lei n , de 16 de junho, troux e novos avanços para o Pnae, como a extensão do programa para toda a rede pública de educação básica e de jovens e adultos, e a garantia de que 30% dos repasses do FNDE sejam investidos na aquisição de produtos da agricultura familiar. 1.3 Alimentação no Estado do Paraná: O Programa Estadual de Alimentação Escolar PEAE foi Instituído pelo Decreto nº de 19 de janeiro de No Estado do Paraná, o Instituto de Desenvolvimento Educacional do Paraná FUNDEPAR é o órgão responsável pela operacionalização do PEAE. A. MUNICIPALIZAÇÃO PARCIAL A coordenação municipal recebe os gêneros alimentícios, armazena, efetua a distribuição dos mesmos às escolas estaduais, conforme guia emitida pela FUNDEPAR. O município recebe o recurso para atendimento das escolas municipais, promove a aquisição e distribuição dos gêneros a estas escolas, conforme guia emitida pela Prefeitura Municipal.

10 Realiza o acompanhamento do Programa mediante análise de relatórios (APE) e supervisões periódicas às escolas estaduais, municipais e filantrópicas, promovendo ações complementares ao Programa Merenda Escolar. 1. B. MUNICIPALIZAÇÃO TOTAL O município recebe o recurso, planeja, executa a aquisição e a distribuição dos gêneros alimentícios, acompanha o recebimento, a distribuição às Escolas Municipais, Estaduais e Filantrópicas (quando for o caso), conforme guia emitida pela Prefeitura. Realiza o acompanhamento mediante análise de relatórios e supervisões às escolas, promovendo ações complementares ao Programa Merenda Escolar. B- HISTÓRICO DO ATENDIMENTO DO PEAE Remessas 2004 Remessa Estabelecimentos Atendidos Quantidade de Gêneros Clientela Distribuídos (kg) N.º Municípios Valor (R$) Atendidos 1ª , ,94

11 2ª , ,11 3ª , ,31 Recurso Estadual ,00 4ª , ,89 5ª , ,58 TOTAL (média) (média) ,25 294* ,03 * Municípios que retornaram ao atendimento do FUNDEPAR em C- CONSELHO ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - CEAE Colegiado instituído no âmbito de cada entidade executora. Segundo a Medida Provisória 2.178, de 24 de agosto de 2001, o CAE em cada Entidade Executora será composto por sete membros, sendo 1 representante do Poder Executivo, um do Poder Legislativo, dois dos professores (indicados pelo órgão de classe), dois representantes dos pais, um representante de outro segmento da sociedade local. Art.3º,, Parágrafo 5º - São atribuições do CAE: acompanhar a aplicação dos recursos federais transferidos pelo FNDE à conta do PNAE;

12 zelar pela qualidade dos produtos, em todos os níveis, desde a aquisição até a distribuição, observando sempre as boas práticas higiênicas e sanitárias; receber, analisar e remeter ao FNDE, com parecer conclusivo, as prestações de contas do PNAE encaminhadas pelos Estados, pelo Distrito Federal e pelos Municípios, na forma desta Medida Provisória. O Conselho de Alimentação Escolar, no âmbito de suas atribuições, a comunidade escolar e a sociedade civil deverão formalizar denúncia de qualquer irregularidade identificada na execução do programa, ao FNDE, à Secretaria Federal de Controle do Ministério da Fazenda, ao Ministério Público e ao Tribunal de Contas do Estado. D- PROGRAMAÇÃO DE GÊNEROS (PAUTA ALIMENTAR) Pauta é a denominação que se dá à relação de gêneros alimentícios e quantitativos necessários para proporcionar atendimento da merenda escolar por um determinado período letivo. A pauta é, portanto, a consolidação dos seguintes componentes: cardápios escolhidos, freqüência com que os mesmos serão servidos e per capita de cada alimento. Com o intuito de adequar os gêneros alimentícios encaminhados pela FUNDEPAR aos hábitos regionais, o FUNDEPAR desde 1997 atende aos municípios/estabelecimentos com programações diferenciadas. Nas últimas pesquisas foram constatadas diferenças significativas quanto à preferência por cardápios salgados e doces. Assim sendo, as pautas atuais são divididas da seguinte forma:

13 - 80% de cardápios salgados e 20% de cardápios doces; - 60% de cardápios salgados e 40% de cardápios doces; - 40% de cardápios salgados e 60% de cardápios doces; - 20% de cardápios salgados e 80% de cardápios doces. Com base nos resultados de pesquisas, o FUNDEPAR tem incluído novos alimentos, melhorado a tipificação e especificação dos produtos e solicitado o seu enriquecimento com ferro (para alguns itens), com vistas a reduzir os altos índices de anemia entre os escolares. E- COMPOSIÇÃO DA PAUTA ALIMENTAR Atualmente os gêneros que fazem parte da pauta são os seguintes: Achocolatado em pó, Açúcar cristal, Almôndega Bovina, Amido de Milho, Arroz, Bebidas Lácteas, Biscoito Coco ou Leite, Biscoito Cream Craker/ Água e Sal, Biscoito tipo It Sal, Biscoito Maisena, Biscoito Maria, Biscoito Rosquinha, Biscoito Recheado, Biscoito Sortido, Biscoito Wafer, Carne Bovina em Cubos, Carne de Frango ao Molho, Carne Moída, Carne Suína, Cereais de Milho enriquecido com ferro, Chá Mate, Charque Bovino, Ervilha em Conserva, Extrato de Tomate, Farinha de Milho, Feijão carioca e preto, Fubá de Milho Comum, Leite em Pó Integral, Macarrão Espaguete, Macarrão Padre-Nosso, Conchinha ou Letrinha, Macarrão Parafuso, Milho para Canjica, Milho Verde em Conserva, Mistura para preparo de molho à bolonhesa, Mistura para preparo de picadinho, Mistura para preparo de sopa (diversos sabores), Óleo de soja, Pão de mel, Pescado em Conserva, Preparado para Refresco, Sagu, Sal Refinado Iodado, Salsicha Viena e Tempero em pó.

14 F- CONTROLE DE QUALIDADE DOS ALIMENTOS Os gêneros alimentícios adquiridos pela FUNDEPAR, antes de serem distribuídos aos municípios, são submetidos ao Controle de Qualidade que é viabilizado pelo CEPPA - Centro de Pesquisa e Processamento de Alimentos - da Universidade Federal do Paraná - UFPR. No Controle de Qualidade são verificados alguns aspectos como: a composição química dos alimentos, presença de nutrientes nas quantidades solicitadas (ex. ferro nos cereais de milho), características sensoriais (sabor, cor, odor, aparência e textura), contaminação por microorganismos, toxinas ou agentes estranhos (ácaros, insetos, pêlos de roedores, presença de metais), umidade, etc. Se a amostra for aprovada, o lote é liberado para a distribuição. Em caso negativo, o fornecedor tem direito à reanálise. Se o defeito persistir, o produto deve ser substituído e passa por nova análise. Com estes cuidados, o FUNDEPAR visa garantir a sanidade e a qualidade dos gêneros por ela distribuídos, atendendo aos requisitos básicos para uma alimentação saudável. G- ARMAZENAMENTO NA ESCOLA A Escola deve manter o seu depósito de acordo com o seguinte: a. localizar-se próximo à cozinha e longe dos sanitários;

15 b. ser arejado, seco, claro, protegido do sol e da luz direta sobre os alimentos. As janelas, preferencialmente, devem ser teladas; c. manter as paredes limpas e preferencialmente em cor clara; d. guardar os alimentos em prateleira, deixando um espaço de 20 cm abaixo e entre as prateleiras para evitar umidade, contaminação dos alimentos, bem como facilitar a limpeza; e. agrupar todos os alimentos iguais num mesmo local da prateleira; f. colocar na frente os alimentos com o menor prazo de validade, para que sejam usados em primeiro lugar; g. separar produtos formulados doces e salgados em prateleiras distantes, para que estes alimentos não alterem o sabor e odor entre si e dos demais; h. nunca armazenar no mesmo local produtos de limpeza e inseticidas, para que os alimentos não se contaminem, nem adquiram o cheiro e gosto característico destes, tornando-se impróprios para o consumo; i. antes de armazenar os gêneros de nova remessa no depósito, deve-se promover uma limpeza geral, dedetização e os reparos necessários. No caso dos alimentos que já se encontram no depósito, tomar muito cuidado no uso de inseticidas. Estes podem contaminar o alimento mesmo com as embalagens fechadas. Jamais pulverize o inseticida diretamente sobre o alimento. Em caso de ratos, dar preferência ao uso de ratoeiras; j. nunca deixar gêneros diretamente no chão. Além do problema de umidade, há maior probabilidade de contaminação do produto. H- ELABORAÇÃO DE CARDÁPIOS

16 Estes devem ser elaborados na Escola semanalmente ou quinzenalmente, observando-se: a. a sugestão de cardápio encaminhado pela equipe técnica do FUNDEPAR; b. os gêneros disponíveis; c. a variedade dos cardápios; d. a variedade dos alimentos utilizados; e. os prazos de validade dos gêneros, utilizando primeiramente aqueles com menor validade; f. a média de alunos que consomem efetivamente a merenda, e g. o per capita do produto (consta da Guia de Remessa da Escola). I- REMANEJAMENTO Sempre que houver necessidade, seja por excesso ou falta de gêneros, o Coordenador Municipal do Programa, representante do Núcleo Regional de Educação e/ou diretores devem providenciar o remanejamento de gêneros somente entre as escolas inscritas no Programa. Para operacionalizar esse procedimento, deve emitir 03 vias da Guia de Remanejamento de Alimentos - GRA - ( Modelo em anexo). A primeira deve ficar na Coordenação Municipal e as outras duas com as escolas receptora e doadora dos alimentos. A Coordenação Municipal do Programa através de supervisões periódicas às escolas, deve estar atenta ao consumo e validade dos gêneros. Por outro lado, as escolas devem programar-se sistematicamente quanto ao período de utilização dos mesmos. Sempre que não houver tempo hábil para o consumo

17 de determinado gênero no prazo de validade previsto, a direção da escola deve comunicar imediatamente a coordenação para providenciar o remanejamento imediato. Deve-se lembrar, ainda, que o remanejamento só poderá ser efetuado com produtos dentro da validade e aptos para o consumo. J- ACOMPANHAMENTO DO PROGRAMA NA ESCOLA - APE Como mecanismo de controle, acompanhamento e avaliação do Programa Merenda Escolar, o Coordenador Municipal do programa deve efetuar orientações e assessoramento permanente às escolas (diretores e merendeiras), através de visitas de supervisão e análise de relatórios mensais. A escola por sua vez, deve registrar o seu dia a dia no mapa mensal denominado APE (Acompanhamento do Programa na Escola). Este formulário deve servir como instrumento de controle e avaliação da execução do Programa nas escolas, bem como da utilização adequada dos alimentos e necessidade de ajustes no número de alunos inscritos no programa (Modelo em anexo). O APE, deve ser preenchido mensalmente pela escola e entregue à coordenação municipal e ao representante da FUNDEPAR no Núcleo Regional de Educação, até o 5º dia útil do mês subseqüente. K- OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA NA ESCOLA 1. A cozinha/cantina escolar e o depósito da merenda, são restritos às merendeiras e auxiliares. Desta forma, está proibida a circulação de alunos e demais funcionários neste local;

18 2. As merendeiras e auxiliares deverão usar diariamente uniforme completo (avental, preferencialmente em cor clara, protetor de cabelos (rede, touca, lenço, etc) e sapatos fechados; 3. A atribuição da merendeira será preparar e servir a alimentação dos alunos com zelo e os cuidados de higiene necessários; 4. Os professores e funcionários da escola, poderão alimentar-se contribuindo, desta forma, para o estímulo ao consumo da merenda. É importante ressaltar, no entanto, que o cardápio servido aos professores e funcionários deve ser o mesmo servido aos alunos. Ressaltamos que os alimentos são destinados prioritariamente aos alunos, não devendo existir cardápios diferenciados para os professores. Lembramos ainda, que o local a ser servida a merenda deve ser o mesmo para alunos, professores e funcionários; 5. Organize seu depósito de tal forma a ter um perfeito controle da validade dos gêneros. Priorize o preparo dos gêneros com menor data de validade; 6. O depósito dos gêneros alimentícios deve ser exclusivo, ou seja, não podem ser guardados no mesmo local materiais de limpeza, expediente, esportivos ou outros; 7. Os alimentos devem ser protegidos do sol e da luz direta. É recomendado que as janelas do depósito e cozinha (e refeitório, se for o caso), sejam teladas; 8. Agrupar os alimentos iguais num mesmo local da prateleira; 9. Antes de armazenar os gêneros de nova remessa no depósito, promover uma limpeza geral, dedetização e os reparos necessários; 10. Nunca deixar gêneros diretamente no chão. Além do problema de umidade, há maior probabilidade de contaminação dos produtos; 11. Abrir apenas as embalagens para o consumo do dia, guardando-as fechadas quando não utilizadas totalmente;

19 12. Controlar as condições higiênico-sanitárias do depósito, verificando periodicamente as condições dos produtos; 13. Utilizar os gêneros alimentícios dentro do prazo de validade determinado pelo fabricante. Para tanto, deve ser observada, rigorosamente, a data de vencimento de cada produto. L- INOVAÇÕES IMPLEMENTADAS EM 2004 Proibição de alimentos com transgenia; Aquisição e distribuição dos kits de alimentação em aço inox (prato, caneca, garfo e colher); Aquisição de uniformes para merendeiras estaduais; Aquisição de utensílios para atendimento de todas as cantinas estaduais; Implantação do laboratório experimental no Departamento de Apoio Escolar. M- AVALIAÇÃO DO PROGRAMA ESTADUAL EM 2004 A avaliação do Programa Estadual de Alimentação Escolar é realizada anualmente pelo Departamento de Apoio Escolar, junto às coordenações municipais e direções de estabelecimentos. São avaliados os seguintes quesitos em relação aos gêneros: qualidade, quantidade distribuída e

20 aceitabilidade geral. Outros aspectos avaliados são atendimento prestado pela FUNDEPAR e pela transportadora. Os resultados de 2004 encontram-se no quadro abaixo: RESULTADO DOS MUNICÍPIOS ASPECTO ANALISADO MB (%) BOM (%) REG (%) RUIM NÃO OPINOU (%) (%) QUALIDADE 30,40 61,60 7,50 _ 0,50 QUANTIDADE 7,50 50,40 32,10 7,50 2,50 ACEITABILIDADE 20,40 68,30 8,30 _ 3 ATEND. DAE 47,90 45,40 2 _ 4,70 ATEND. TRANSP 34,50 47,50 12,90 2,90 2,20 Fonte: DAE Diretoria de Administração Escolar. 1.4 Conselho Municipal de Alimentação Escolar de Londrina Paraná: Conselho Municipal de Alimentação Escolar

21 O Conselho de Alimentação Escolar foi criado em 31 de agosto de 2000, através da Lei Municipal Nº , que regulou sua composição e atribuições. COMPETÊNCIAS E ATRIBUIÇÕES -Fiscalizar e controlar a aplicação dos recursos federais transferidos à conta do Programa Nacional de Alimentação Escolar; -Orientar o órgão municipal responsável pela aquisição de insumos para o Programa Nacional de Alimentação Escolar, com prioridade para os produtos da região; -Zelar pela qualidade dos produtos em todos os níveis, desde a aquisição até a distribuição, sempre em observação às práticas higiênicas e sanitárias; -Colaborar na elaboração dos cardápios da merenda escolar, considerando os hábitos alimentares municipais, sua vocação agrícola e dando preferência aos produtos primários; -Acompanhar e avaliar o serviço de merenda escolar nas unidades escolares; -Promover a integração de instituições, agentes de comunidade e órgãos públicos, com o propósito de auxiliar a equipe da Prefeitura responsável pela execução do Programa Nacional de Alimentação Escolar quanto ao planejamento, acompanhamento, controle e avaliação da prestação dos serviços de merenda escolar; -Realizar estudos e pesquisas de impacto da merenda escolar, entre outros de interesse deste Programa; -Analisar, emitindo parecer conclusivo, as prestações de conta do Plano Nacional de Alimentação escolar encaminhadas pelo Município, que deverão ser enviadas ao FNDE ao final do exercício; -Apreciar e votar, em sessão aberta ao público, o Plano de Ação da Prefeitura sobre a gestão do Programa de Merenda Escolar no início do exercício letivo; -Divulgar a atuação do CAE, com organismo de controle social e de apoio à gestão municipalizada do Programa de Merenda escolar; -Zelar pela efetivação e consolidação da descentralização do Programa da Merenda Escolar no âmbito do Município;

22 -Oficiar ao FNDE qualquer irregularidade que chegar ao seu conhecimento, sob pena de responsabilidade de seus membros; -Elaborar o regimento interno do Conselho, conforme definição do FNDE. 2. Implementação Pedagógica na Escola: 2.1 Localização da Escola: Projeto aplicado na Escola Estadual Evaristo da Veiga, localizada na Rua Goiás, Centro de Londrina- PR. 2.2 Perfil dos alunos: Alguns alunos da 5ª Série do período vespertino participaram deste projeto, sendo na grande maioria alunos residentes em outros bairros distantes da Escola, e com idade entre 10 e 11 anos. 2.3 Questionário aplicado com a Direção e Merendeira da Escola: 2.4 Cardápio escolhido pelos alunos para uma semana: Turma: 5ª Série C Segunda- feira: sucrilhos de chocolate com leite. Terça- feira: macarrão com salsicha. Quarta-feira: bolo com chá. Quinta-feira: arroz, feijão, salada e carne. Sexta-feira: canjiquinha doce.

23 3. Atividades desenvolvidas pelos alunos:

24

25 Conclusão: A escolha deste tema, Merenda Escolar, não foi por acaso. Observei que em várias escolas públicas que lecionei, de certa forma, a Merenda Escolar passa despercebida. Os alunos consumiam o produto sem ter a noção exata de toda a problemática envolvida para ter o produto final e consumido por eles. Muitos alunos não dão o valor necessário a está alimentação nas escolas. Alguns chegam a brincar ou desprezar os alimentos. O envolvimento dos alunos da 5ª série do Evaristo da Veiga, período vespertino, foi de grande valia, descobriram ou perceberam a importação da alimentação nas escolas públicas, alguns ficaram pasmos ao multiplicar o número de refeições servidas durante todo o ano em uma única escola. Chegaram a perceber o quanto sai caro aos cofres do governo.

26 Para trabalhar este projeto na escola, devido ao grande número de alunos, 4 (quatro) turmas de 5ª série, aproximadamente, 140 (cento e quarenta) alunos, escolhi duas turmas e alguns alunos para desenvolver o projeto. A cozinha da Escola Estadual Evaristo da Veiga é pequena, então, os alunos, durante um dia escolhido de uma semana acompanharam o serviço das Merendeiras, ajudando a servir os alimentos. Alguns alunos ficaram anotando o número de refeições atendidas no período de estudo enquanto outros ficaram no pátio observando o comportamento dos alunos, durante o consumo dos alimentos, para verificar se estava ocorrendo desperdício. Tive dificuldade para organizar os alunos no laboratório de informática, enquanto atendia os outros alunos, não envolvidos no projeto. No laboratório, abrimos o Linux para eles familiarizarem com o programa e registrar o conteúdo pesquisado e elaborado por eles. Percebi que eles ficaram pasmos, devido a grande quantidade de merenda servidas somente na Escola que estudam, pedi que multiplicassem por 70 (setenta), número aproximado de escolas estaduais em Londrina. Considero que foi bastante proveitoso o projeto. Os alunos passaram a ter uma visão mais ampla da Merenda Escolar e observando se outros não estão com brincadeiras ou desperdícios de alimentos na Escola. Alunos participantes do projeto: Turma: 5ª Série C

27 Alexsandra M. Mostachi, Anna Rebecca Rodrigues de Oliveira, Beatriz Chapiesk, Camila Pinho, João Pedro Ortunes dos Santos, Júlia Vieira Sardi, Larissa Kawana, Leticia Steffens, Mayara Cristina, Rafaela G. Dias Simão, Mylena Viana Martins, Thaís Cibeli da Silva Fonseca, Victor Hugo Correia Loução e Wellinton Henrique da Silva. Turma: 5ª Série D Caio Cesar Soares, Daniele Aparecida Souza, Daniel Carlos, Giulia Christe Vicente horaguchi, Gabriel Silvestre, Isadora Venancio, João Marcelo, Luana Thiemi e Ramom Moreno. Referência Bibliográfica: -Cavalcanti, Clóvis (org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma Sociedade sustentável. São Paulo/Recife, Cortez/Fundação Joaquim Nabuco, Chossudovsky, Michel. A globalização da pobreza. São Paulo, Moderna, Beckouche, Pierre. Indústria: um só mundo. São Paulo, Ática, 1995 (Série Geografia Hoje). -IBGE. Brasil: uma visão geográfica nos anos 80. Rio de Janeiro, Síntese dos indicadores sociais Rio de janeiro, www.aomestre.com.br/mcc/especiais/merenda_esc.htm

28 -www.planetaorganico.com.br/daroltmerenda.htm -www.educacao.go.gov.br/portal/gemes/index.asp -www.agenciabrasil.gov.br/noticias/2007/10/29/matéria /view -www.fnde.gov.br/-48k -Cavalcanti, Lana de Souza. Geografia, escola e Construção de Conheci- Mentos. Paraná, Papirus Editora. -Banco Internacional de Reconstrução e Desenvolvimento/Banco Mundial. Relatório sobre o desenvolvimento mundial 2000/2001: luta contra a pobreza. Washington DC: Oxford University Press; Ministério da Educação e do Desporto/Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais. Síntese dos resultados da pesquisa "avaliação da descentralização de recursos do FNDE e da merenda escolar. Campinas: Núcleo de Política Pública/Unicamp, 1997.

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

QUESTIONÁRIO DO MERENDA ESCOLAR. MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Este questionário tem por objetivo orientar a participação do cidadão na gestão pública a partir do controle das despesas públicas efetuadas e da oferta de sugestões aos órgãos do governo, para que estes

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 SUDE/DILOG/CANE PROGRAMA ESTADUAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PEAE 1. DO RECEBIMENTO E ARMAZENAMENTO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS 1.1 Cada escola é responsável pela guarda, controle,

Leia mais

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Presidência da República Controladoria-Geral da União MERENDA ESCOLAR Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) MERENDA ESCOLAR O Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE, conhecido como Merenda

Leia mais

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar,

PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, PROJETO DE LEI 01-0378/2009 dos Vereadores Claudio Fonseca (PPS) e Jose Police Neto (PSD) Consolida a legislação municipal sobre alimentação escolar, no Município de São Paulo, como um direito constitucional

Leia mais

Conselho de Alimentação Escolar

Conselho de Alimentação Escolar Conselho de Alimentação Escolar Controle Social no Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Ana Luiza Scarparo Nutricionista Agente do PNAE Porto Alegre, 30 de setembro de 2014 Centros Colaboradores

Leia mais

Projeto Tempero de Mãe

Projeto Tempero de Mãe Projeto Tempero de Mãe Secretaria Municipal de Educação 1 Introdução A nutrição da população brasileira está cada vez mais afetada de más influências que vão da ignorância de uns até a superstição de outros,

Leia mais

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar.

Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Lei n 11.947/2009 PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. Art. 1 o Para os efeitos desta Lei, entende-se por alimentação escolar todo alimento oferecido no ambiente escolar, independentemente de

Leia mais

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009.

LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. LEI Nº 740, DE 03 DE NOVEMBRO DE 2009. Consolida a Legislação Municipal sobre Alimentação Escolar, no Município de Chapadão do Sul-MS, como um direito Constitucional dos Escolares e Dever do Estado, e

Leia mais

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo;

Período Pós-Guerra 1914-1918. Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Período Pós-Guerra 1914-1918 Veio mostrar o valor do capital alimento; Surge escolas de nutrólogos em todo mundo; Brasil criticavam a falta de políticas de alimentação. 1923 Cartilha de higiene para uso

Leia mais

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE

DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE LEI 2510 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR CAE DO MUNICÍPIO NOS TERMOS DA MEDIDA PROVISÓRIA 1979-19, DE 02 DE JUNHO DE. DOWNLOAD PARA IMPRESSÃO Lei 2510 ***** TEXTO COMPLETO *****

Leia mais

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012

*75F1D60601* COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 ** 1 COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.195, DE 2012 Acrescenta parágrafo ao art. 6º da Medida Provisória nº 2.178-36, de 24 de agosto de 2001, para tornar a carne suína obrigatória nos cardápios

Leia mais

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE

Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Programa Nacional de Alimentação Escolar/PNAE Atualizações com base na Lei 11.947/2009 Alaíde Oliveira do Nascimento Coordenadora de fomento ao Controle Social

Leia mais

Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE. Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE

Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE. Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE Monitoramento do Programa Nacional de Alimentação Escolar PNAE Cássia Augusta Amaral Buani Técnica PNAE/FNDE POPULAÇÃO 180 Milhões de Habitantes Extensão Territorial 8.514.876,599 km2 MUNICÍPIOS 5.560

Leia mais

LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001.

LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001. LEI MUNICIPAL Nº 111/2001, de 29 de Novembro de 2001. Revoga a Lei Municipal n.º 084/2001, dá novas disposições sobre a criação do Conselho de Alimentação Escolar do Município e dá outras providências.

Leia mais

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP

10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP 10. SUGESTÕES DE PROPOSTAS PARA IMPLANTAÇÃO NO MUNICÍPIO DE HORTOLÂNDIA/SP Políticas e Ambiente Escolar Padronização dos ambientes físicos de todas as escolas, procurando proporcionar espaços saudáveis

Leia mais

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba

Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Ofício CRN-8 nº 165 /2014 Diretoria Curitiba, 22 de outubro de 2014. Vossa Excelência a Senhora Secretária Municipal da Educação de Curitiba Roberlayne de Oliveira Borges Roballo Assunto: Quadro Técnico

Leia mais

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE

ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO CAPÍTULO I DA FINALIDADE ESTADO DO MARANHAO PREFEITURA MUNICIPAL DE ALTO ALEGRE DO PINDARÉ GABINETE DO PREFEITO LEI DE N 142/2013 de 18 de abril de 2013. DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE)

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação. Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Transferência de recursos financeiros do Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE) Coordenação-Geral do Programa Nacional de Alimentação Escolar (CGPAE)

Leia mais

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres)

SIM NÃO B. Equipamentos limpos (geladeira, freezer, fogão, batedeira) SIM NÃO C. Utensílios limpos (panelas, canecas, pratos, talheres) MODELO: ROTEIRO DE VISITAS ÀS ESCOLAS: PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR PNAE ESCOLA DATA PERÍODO CONSELHEIRO(S) 1. HIGIENE PESSOAL DAS MERENDEIRAS A. Mãos lavadas e higienizadas B. Asseio (cabelos,

Leia mais

PNAE. Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE

PNAE. Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE PNAE Passos para executar o PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EXPEDIENTE Presidência da República Ministério da Educação Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Diretoria de Ações Educacionais

Leia mais

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001;

6) o que determinam os itens II e III do 7º do art. 3 e os artigos 6º, 7º e 8º da Medida Provisória nº. 2.178-38, de 24 de agosto de 2001; 1 RESOLUÇÃO CFN Nº 358/2005 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista no âmbito do Programa de Alimentação Escolar (PAE) e dá outras providências. O Conselho Federal de Nutricionistas, no uso das atribuições

Leia mais

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014.

LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. LEI Nº 2.699, DE 8 DE SETEMBRO DE 2014. Dispõe sobre adequação da Lei nº 1.253, de 12 de abril de 1996 que instituiu o Conselho de Alimentação Escolar do Município de Ananindeua, e dá outras providências.

Leia mais

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE

Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Maria Luiza da Silva MEC/FNDE/PNAE Art. 14. da Art. 14. Do total dos recursos financeiros repassados pelo FNDE, no âmbito do PNAE, no mínimo trinta por cento deverá ser utilizado na aquisição de gêneros

Leia mais

ATUAÇÃO DOS NUTRICIONISTAS NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO ESTADO DE GOIÁS, NO ANO DE 2009

ATUAÇÃO DOS NUTRICIONISTAS NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO ESTADO DE GOIÁS, NO ANO DE 2009 ATUAÇÃO DOS NUTRICIONISTAS NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM MUNICÍPIOS SELECIONADOS DO ESTADO DE GOIÁS, NO ANO DE 2009 MARTINS, Karine Anusca 1 ; SILVA, Simoni Urbano da 2 ; SOUSA, Lucilene

Leia mais

Departamento de Alimentação Escolar. Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos

Departamento de Alimentação Escolar. Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos Departamento de Alimentação Escolar Investindo na Qualidade para a Melhoria da Aprendizagem dos Alunos Dra. Maria Helena Cecin Resek Albernaz Diretora do Departamento de Alimentação Escolar Abril / 2013

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010

INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE 2010 SECRETARIA de ESTADO da EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA de DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL DIRETORIA de ADMINISTRAÇÃO ESCOLAR COORDENADORIA de ALIMENTAÇÃO e NUTRIÇÃO ESCOLAR INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO DO APE

Leia mais

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social

PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar. As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social PNAE Programa Nacional de Alimentação Escolar As ações para a Agricultura Familiar e o Controle Social Missão: Contribuir para a melhoria da educação por meio de ações educativas de alimentação e nutrição

Leia mais

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios

Legislação. Itens relacionados aos alimentos que compõem os cardápios PNAE Mais antigo programa social do Governo Federal na área de alimentação e nutrição, considerado como um dos maiores programas na área de alimentação escolar do mundo, com atendimento universalizado

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO TERMO DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EXTERNA DO PROJETO EDUCANDO COM A HORTA ESCOLAR 1. Breve Histórico do Projeto de Cooperação Técnica

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010

CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS. RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 CONSELHO FEDERAL DE NUTRICIONISTAS RESOLUÇÃO No- 465, DE 23 DE AGOSTO DE 2010 Dispõe sobre as atribuições do Nutricionista, estabelece parâmetros numéricos mínimos de referência no âmbito do Programa de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS

A IMPORTÂNCIA DOS PAIS 1 A IMPORTÂNCIA DOS PAIS NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ELABORADO POR LUCILEIDE RODRIGUES DOS SANTOS Gerente de Supervisão e Avaliação DAE SEED/SE 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE

Leia mais

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS

LOTES 01- PERECÍVEIS FRIOS LOTES 0- PERECÍVEIS FRIOS 3 4 5 Lingüiça, do tipo calabresa, resfriada, industrialmente embalada, com SIF, embalagem plástica transparente atóxica não reciclada, contendo informações sobre o fabricante

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 633

LEI COMPLEMENTAR Nº 633 Altera os anexos I, III e IV da Lei Complementar nº 268, de 28.12.99, que dispõe sobre o Quadro de Pessoal da Prefeitura, cria cargos, institui o Plano de Cargos e Carreiras, e dá outras providências.

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA MUNICIPAL DO NATAL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FORMULÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA DIREÇÃO DAS ESCOLAS MUNICIPAIS DE NATAL PELA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO 217-5699 PREFEITURA

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito

PREFEITURA MUNICIPAL DE CANOAS Gabinete do Prefeito Projeto de Lei nº 13 de 09 de janeiro de 2009 Cria o Programa de Qualificação Municipal da Alimentação Escolar no Ensino Fundamental PQMAE, institui a transparência e o controle social na gestão, dispondo

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE PINHAIS LEI Nº 1059, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre a Organização do Sistema Municipal de Ensino do Município de Pinhais e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE PINHAIS,, aprovou e eu, PREFEITO

Leia mais

O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros

O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros O Controle da Qualidade da Alimentação Escolar e a Capacitação dos Conselheiros I Encontro Estadual da Educação do Ministério Público/BA Maio/2012 O que é o CECANE? Centro Colaborador em Alimentação e

Leia mais

Manual de Instruções. APE Eletrônico

Manual de Instruções. APE Eletrônico GOVERNO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL - SUDE DIRETORIA DE INFRAESTRUTURA E LOGÍSTICA - DILOG COORDENAÇÃO DE ALIMENTAÇÃO E NUTRIÇÃO ESCOLAR -

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos

Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Programa de Aquisição de Alimentos Produção Consumo Rede Socioassistencial Agricultura Familiar Inclui: Agricultores Familiares; Assentados; Povos e Comunidades Tradicionais;

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR. Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Eliene Ferreira de Sousa PNAE/FNDE/MEC TRAJETÓRIA HISTÓRICA e FINANCEIRA Déc. de 40 Instituto de Nutrição já defendia proposta para oferecer alimentação ao escolar.

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2

UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 UM OLHAR SOBRE A ALIMENTAÇÃO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Silvia de Souza acadêmica 3º ano Pedagogia UNICENTRO 1 Sandra Aparecida Machado Polon Professora Pedagogia UNICENTRO 2 RESUMO: Este artigo dialogou com

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR FNDE MEC PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Atendimento universal Território de 8,5 milhões de km2 27 estados 5.569 municípios 170.000 escolas 47 milhões de alunos 130 milhões de refeições servidas

Leia mais

RESOLUÇÃO SME N 08/2015

RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Prefeitura de São José do Rio Preto, 13 de Agosto de 2015. Ano XII n 3511 - DHOJE RESOLUÇÃO SME N 08/2015 Dispõe sobre o processo de cadastramento de alunos, coleta de vagas, compatibilização demanda/vaga

Leia mais

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo.

II - obrigatoriedade de participação quando realizados no período letivo; III - participação facultativa quando realizados fora do período letivo. Capítulo II DA EDUCAÇÃO Art. 182. A educação, direito de todos e dever do Estado e da família, será promovida e incentivada pelo Município, com a colaboração da sociedade, visando ao pleno desenvolvimento

Leia mais

Programação e Controle de Qualidade

Programação e Controle de Qualidade MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO FNDE DIRETORIA DE AÇÕES EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE SBS Q.2 Bloco F Edifício Áurea

Leia mais

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade:

Art. 2º - São diretrizes da Política Municipal de Educação Alimentar e Combate à Obesidade: PROJETO DE LEI N. 426/2013 ESTADO DO AMAZONAS ESTABELECE diretrizes para a Política Municipal de Educação Alimentar Escolar e Combate à Obesidade, e dá outras providências. Art.1º - O Poder Público Municipal,

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 406, DE 2005 Altera o Decreto-Lei nº 986, de 21 de outubro de 1969, a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente) e a Medida Provisória nº 2.178-36,

Leia mais

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão.

Preferências alimentares individuais; Disponibilidade dos alimentos no mercado; Influência das propagandas no mercado, na televisão. Nutrição na Infância e Adolescência A alimentação e a nutrição constituem requisitos básicos para a promoção e a proteção da saúde, possibilitando a afirmação plena do potencial de crescimento e desenvolvimento

Leia mais

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR

ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR ANEXO I INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM INFRAESTRUTURA ESCOLAR INFORMAÇÕES GERAIS: Denominação: Curso Técnico em Infraestrutura Escolar Eixo Tecnológico: Apoio Educacional Titulação Conferida:

Leia mais

LEI Nº 10.031. Parágrafo único A execução do Programa terá uma programação inicial de 12 (doze) meses, podendo ser prorrogado se houver interesse.

LEI Nº 10.031. Parágrafo único A execução do Programa terá uma programação inicial de 12 (doze) meses, podendo ser prorrogado se houver interesse. LEI Nº 10.031 Autoriza a criação e a composição da estrutura organizacional do Programa de Educação em tempo integral - PROETI. O Povo do Município de Uberaba, Estado de Minas Gerais, por seus representantes

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM)

FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) FACULDADE METODISTA DE BIRIGUI REGIMENTO DO NÚCLEO DE EXTENSÃO EMPRESARIAL (NEXEM) A extensão é o processo educativo, cultural e científico que articula, amplia, desenvolve e reforça o ensino e a pesquisa,

Leia mais

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei:

LEI Nº 1528/2004. A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1528/2004 "INSTITUI O SISTEMA MUNICIPAL DE ENSINO DO MUNICÍPIO DE ARAUCÁRIA, E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". A CÂMARA MUNICIPAL DE ARAUCÁRIA, Estado do Paraná, aprovou, e eu, Prefeito Municipal, sanciono

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PMAE

PROGRAMA MUNICIPAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PMAE Programa Municipal de Alimentação Escolar e-mail: alimentacaoescolar@uberlandia.mg.gov.br 3239-2882/32392487/3239-2764 CURSO DE GESTÃO DEMOCRÁTICA PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - PNAE PROGRAMA

Leia mais

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO

ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO ACEITABILIDADE E QUALIDADE DA MERENDA ESCOLAR: UM ESTUDO DE CASO Patrícia Santiago Vieira UFG/GO Ivna Custódio de Moraes UFG/GO Jeannie Carolina Pizarro UFG/GO Marcela Araújo Parreira UFG/GO RESUMO Neste

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Conversão da MPv nº 173, de 2004 Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE GESTÃO, ARTICULAÇAO E PROJETOS EDUCACIONAIS TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO

Leia mais

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008

III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família. Brasília, 08 de Agosto de 2008 Oficina de Promoção da Alimentação Saudável para Agentes Comunitários de Saúde III Mostra Nacional de Produção em Saúde da Família IV Seminário Internacional de Atenção Primária/ Saúde da Família Brasília,

Leia mais

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR

ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E AGRICULTURA FAMILIAR Com a aprovação da Lei nº 11.947, de 16 de junho de 2009, e da Resolução FNDE nº 38, de 16 de julho de 2009, as escolas

Leia mais

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR

QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS DIAGNÓSTICO DA MERENDA ESCOLAR 1 Justificativa O Observatório Social do Brasil lança uma ação conjunta para a Rede de Observatórios Sociais que consistirá num

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR

ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ATUAÇÃO DA FAO NA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR II Encontro Nacional de Experiências Inovadoras em Alimentação Escolar 50 ANOS Sr. José Tubino Representante da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - DAE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR - DAE - DAE Elaborado por: Lucileide Rodrigues dos Santos Gerente de Supervisão e Avaliação DAE-SEED/SE Sergipe, 2014 2 EQUIPE DAE SEED/SE Edneia Elisabete Cardoso Diretora DAE - SEED/SE Luiz Carlos dos Santos

Leia mais

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar

Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Questionário do Pessoal Docente do Pré-escolar Liderança 1.1 1.2 1.3 1.4 1. As decisões tomadas pelo Conselho Pedagógico, pela Direção e pelo Conselho Geral são disponibilizadas atempadamente. 2. Os vários

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Defesa Agropecuária Brasília / DF 2010 2010 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Todos os direitos reservados. Permitida

Leia mais

Cardápios na Alimentação Escolar

Cardápios na Alimentação Escolar PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR Cardápios na Alimentação Escolar Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional - COSAN Stella Lemke Nutricionista Agente PNAE CECANE UFPR Cardápio, segundo a

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 030/2013.

PROJETO DE LEI N.º 030/2013. PROJETO DE LEI N.º 030/2013. Institui o Programa Menor Aprendiz no âmbito do Município de Bela Vista de Minas e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Bela Vista de Minas, Estado de Minas Gerais,

Leia mais

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE

Apresentação O PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E A PROMOÇÃO DA SAÚDE Apresentação O presente livreto é um material educativo destinado aos profissionais de educação de unidades escolares municipais do Rio de Janeiro, cujo objetivo é subsidiar ações para promover o consumo

Leia mais

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar

Oficina de Controle Social na Alimentação Escolar Projeto Consumo Responsável e Coletivo Oficina de Campina Grande, 21 de Novembro de 2011 Ana Flávia Badue, Danuta Chmielewska e Viviany Félix Instituto Kairós - Ética e Atuação Responsável www.institutokairos.net

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS PARTICIPANTES DO CURSO DE FORMAÇÃO DE CONSELHEIROS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM 2010

CARACTERIZAÇÃO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS PARTICIPANTES DO CURSO DE FORMAÇÃO DE CONSELHEIROS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM 2010 CARACTERIZAÇÃO DOS MUNICÍPIOS GOIANOS PARTICIPANTES DO CURSO DE FORMAÇÃO DE CONSELHEIROS DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR EM 2010 SILVA, Simoni Urbano da 1 ; FERREIRA, Mariana de Andrade 2 ; MARTINS, Karine Anusca

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM MARKETING Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de Tecnologia em Marketing da Faculdade de Castanhal.

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS

DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA GUIAS DE BOAS PRÁTICAS NUTRICIONAIS 1. Introdução As Boas Práticas Nutricionais constituem-se um importante instrumento para a modificação progressiva da composição nutricional

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO E TECNOLOGIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA - CONSULTOR POR PRODUTO OEI/TOR/FNDE/CGETI

Leia mais

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar.

Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. Nota Técnica nº 01/2014 COSAN/CGPAE/DIRAE/FNDE Assunto: Restrição da oferta de doces e preparações doces na alimentação escolar. A Coordenação de Segurança Alimentar e Nutricional COSAN do Programa Nacional

Leia mais

NOTA TÉCNICA 26 /2013

NOTA TÉCNICA 26 /2013 NOTA TÉCNICA 26 /2013 Institui a Estratégia Nacional para Promoção do Aleitamento Materno e Alimentação Complementar Saudável no Sistema Único de Saúde (SUS) - Estratégia Amamenta e Alimenta Brasil. Brasília,

Leia mais

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS

ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS ANEXO I DESCRIÇÃO DAS ATRIBUIÇÕES DOS CARGOS TABELA A ATRIBUIÇÕES DO CARGO PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS CARGO: PROFESSOR E PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA 20 HORAS - Ministrar aulas de

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas.

O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. O trabalho do CFN amplia o campo de atuação dos nutricionistas. Quando o campo se expande, mais profissionais chegam ao mercado, mais áreas de atuação se formam e a categoria conquista mais visibilidade.

Leia mais

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella

Municípios premiados. Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Municípios premiados Categoria: Nacional Governador Valadares MG Prefeito: João Domingos Fassarella Receita municipal em 2003: R$ 136.478.646,98 Recursos transferidos pelo FNDE em 2003: R$ 641.290,00 Complementação

Leia mais

MODELO DE CARTA PROPOSTA

MODELO DE CARTA PROPOSTA 1 ACHOCOLATADO EM PÓ INST. POTE 400G UND 36 2 ÁGUA MINERAL 20 LITROS RECARGA 40 3 AÇUCAR PCT DE 2KG CADA C/ 15UND FARDO 35 4 ALHO BOA QUALIDADE KG 20 5 AMENDOIN IN NATURA, SEM CASCA, MEDIO 1 KG KG 4 6

Leia mais

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção.

Tem por objetivo garantir a existência contínua de um estoque organizado, de modo a não faltar nenhum dos itens necessários à produção. Resumo aula 3 Introdução à gestão de materiais A gestão de materiais é um conjunto de ações destinadas a suprir a unidade com materiais necessários ao desenvolvimento das suas atribuições. Abrange: previsão

Leia mais

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009.

Plano de Ação. Colégio Estadual Ana Teixeira. Caculé - Bahia Abril, 2009. Plano de Ação Colégio Estadual Ana Teixeira Caculé - Bahia Abril, 2009. IDENTIFICAÇÃO DA UNIDADE ESCOLAR Unidade Escolar: Colégio Estadual Ana Teixeira Endereço: Av. Antônio Coutinho nº 247 bairro São

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Página 1 de 11 Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI Nº 11.947, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Conversão da Medida Provisória nº 455, de 2008 Dispõe sobre o atendimento da

Leia mais

Roteiro para elaboração do Parecer Conclusivo do CAE

Roteiro para elaboração do Parecer Conclusivo do CAE Roteiro para elaboração do Parecer Conclusivo do CAE Caros Conselheiros e Conselheiras, A atividade que será desenvolvida por vocês logo a seguir é uma ação muito importante, pois o Parecer do CAE é um

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007.

Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Lei N. 391/2007 Wanderlândia 14 de Março de 2007. Altera na integra o texto da Lei nº. 334/2002, de 20 de Dezembro de 2002, que cria o Conselho Municipal de Educação e da outras providencias. Faço saber

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO/FNDE/CD/Nº 38, DE 19 DE AGOSTO DE 2008 Estabelece critérios para o repasse de recursos financeiros,

Leia mais

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE

GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE GOVERNO DE SERGIPE SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO DRE 3 COLÉGIO ESTADUAL DJENAL TAVARES DE QUEIROZ MOITA BONITA SE O Colégio Estadual Djenal Tavares de Queiroz, foi fundado

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE GOIÁS O MP E AS VERBAS DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO PÚBLICO O Ministério Público é instituição permanente, essencial à função jurisdicional do Estado, incumbindo-lhe a defesa

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES CAPÍTULO I REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE ACOMPANHAMENTO E ORIENTAÇÃO DO ESTÁGIO DO CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM REDES DE COMPUTADORES Dispõe sobre o Acompanhamento e Orientação do Estágio do Curso Superior de

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos LEI N o 10.880, DE 9 DE JUNHO DE 2004. Institui o Programa Nacional de Apoio ao Transporte do Escolar - PNATE e o Programa de Apoio

Leia mais

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) -

CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Exemplo de Atribuições: Condições de Trabalho: Requisitos para preenchimento do cargo: b.1) - CARGO: PROFESSOR Síntese de Deveres: Participar do processo de planejamento e elaboração da proposta pedagógica da escola; orientar a aprendizagem dos alunos; organizar as atividades inerentes ao processo

Leia mais

DECRETO Nº 2.483/2014

DECRETO Nº 2.483/2014 DECRETO Nº 2.483/2014 APROVA A INSTRUÇÃO NORMATIVA SED Nº 001/2014 E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL de São Roque do Canaã, Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, conferidas

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO

QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO ESTADO DO MARANHÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA ADJUNTA DE ENSINO SECRETARIA ADJUNTA DE PROJETOS ESPECIAIS QUESTIONÁRIO DE SONDAGEM DA PRÁTICA PEDAGÓGICA DADOS DE IDENTIFICAÇÃO URE: ESCOLA:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável

PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável PREFEITURA MUNICIPAL DE VILA VELHA Secretaria Municipal de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS (APLICADO A INDÚSTRIA E COMÉRCIO

Leia mais

Capacitação de Recursos Humanos para o Uso de Tecnologias no Ensino Fundamental

Capacitação de Recursos Humanos para o Uso de Tecnologias no Ensino Fundamental Programa 0042 ESCOLA DE QUALIDADE PARA TODOS Objetivo Melhorar a qualidade do ensino fundamental, mediante a democratização do acesso a novas tecnologias de suporte à formação educacional. Indicador(es)

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais