DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012"

Transcrição

1 DESENHO ARQUITETÔNICO CEPREVI 2012

2 OBJETIVO: Tornar o aluno apto a interpretação do desenho técnico e das simbologias utilizadas em projetos de segurança contra incêndio e pânico; Identificar e compreender conceitos, normas, convenções e simbologias de representação em projetos arquitetônicos; Capacitar o aluno para a análise de projetos de segurança contra incêndio e pânico no CBMERJ.

3 Programa 1. FASES DO PROJETO 2. REPRESENTAÇÃO GRÁFICA 3. PROJETO DE ARQUITETURA 4. ÓRGÃOS REGULADORES CONFEA/ CREA/ CAU 5. DOCUMENTAÇÃO 6. ANÁLISE

4 INTRODUÇÃO A Arquitetura, como a arte de edificar, é, ao mesmo tempo, uma ciência dinâmica e ilimitada em sua capacidade criadora, que aliou as necessidades fundamentais do homem, como: a) físicas: de abrigo; b) emocionais: de segurança e proteção; c) estéticas: de beleza e funcionalidade.

5 DESENHO ARQUITETÔNICO É todo o conjunto de registros gráficos produzidos por arquitetos ou outros profissionais durante o processo de projeto arquitetônico. O desenho arquitetônico, portanto, manifesta-se como um código para uma linguagem, estabelecida entre o emissor (o desenhista ou projetista) e o receptor (o leitor do projeto).

6 1. FASES DO PROJETO ESTUDO PRELIMINAR primeiro esboço. Consultas aos órgãos são feitas. ANTEPROJETO após definição do projeto, são realizados projetos complementares. PROJETO DE EXECUÇÃO ajustes entre os diversos projetos e definição dos detalhes para a obra. PROJETO CONSTRUÍDO modificações feitas durante a obra são anotadas e alterações podem ser realizadas.

7 NORMAS TÉCNICAS Para facilitar a compreensão do projeto em nível nacional, todos os componentes que envolvem o desenho de arquitetura e engenharia são padronizados e normatizados em todo o país. Para isto existem normas específicas para cada elemento do projeto, assim como: caligrafia, formatos do papel e outros. O objetivo é conseguir melhores resultados a partir do uso de padrões que supostamente descrevem o projeto de maneira mais adequada e permitem a sua compreensão e execução por profissionais diferentes independente da presença daquele que o concebeu. O órgão responsável pela normatização técnica, no país, é a ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS.

8 NORMAS TÉCNICAS NBR 6492/94 Representação de projetos de arquitetura; NBR 8196/99 Emprego de escalas; NBR 8403/84 Aplicações de linhas tipos e larguras; NBR 10068/87 Folha de desenho leiaute e dimensões; NBR 13142/99 Dobramento e cópia.

9 OBJETIVO DA NBR-6492/94 Fixar as condições exigíveis para representação gráfica de projetos de arquitetura, visando à sua boa compreensão. Obs.: Na aplicação desta Norma é necessário consultar: NBR Folha de desenho Leiaute e dimensões - Padronização

10 DEFINIÇÕES DA NBR-6492/94 Planta de situação; Planta de locação (ou implantação); Planta de edificação; Corte; Fachada Elevações Detalhes ou ampliações; Escala; Programa de necessidades; Memorial justificativo; Especificação; etc;

11 Papel Papel transparente ou opaco Formatos do papel Devem ser utilizados os formatos de papel da série A, conforme NBR10068/87, formato A0 como máximo e A4 como mínimo, para evitar problemas de manuseio e arquivamento.

12 Formatos do papel

13 Margem

14 Configuração da folha

15 Carimbo Conteúdo mínimo da legenda: Designação e emblema da empresa que está elaborando o projeto ou a obra; Nome do responsável técnico pelo conteúdo do desenho, com sua identificação(inscrição no órgão de classe) e local para assinatura; Local e data; Nome ou conteúdo do projeto; Conteúdo da prancha(quais desenhos estão presentes na prancha) Escala(s) adotada(s) no desenho e unidade; Número da prancha; Áreas(construída,terreno).

16 DOBRADURA AS PRANCHAS Os projeto de Arquitetura e Engenharia após serem executados, devem ser dobrados conforme as figuras abaixo:

17 DOBRADURA AS PRANCHAS O formato final deve ser o A4. As folhas devem ser dobradas levando em conta a fixação da aba em pastas e deixando visível o carimbo destinado à legenda.

18 Representação gráfica de arquitetura Linhas de contorno Linhas internas Linhas situadas além do plano do desenho Linhas de projeção Linhas de eixo ou coordenadas Linhas de cotas Linhas auxiliares

19 Representação gráfica de arquitetura

20 Representação gráfica de arquitetura CURVAS DE NÍVEL - São linhas curvas que indicam as alturas e a inclinação do terreno. As curvas de nível devem ser representadas metro a metro em um levantamento topográfico. Estas curvas são definidas de acordo com a sinuosidade do terreno: quanto mais próximas indicam que o terreno possui inclinação, quando são mais espaçadas, indicam que o terreno é pouco inclinado ou até mesmo plano. Conforme podemos notar na figura abaixo, o setor A é o mais ingrime e o setor B é o menos inclinado.

21 Representação dos materiais

22 Representação gráfica de arquitetura Linha de interrupção Linhas de indicação Linha de silhueta

23 Representação gráfica de arquitetura Tipos de letras e números Manual A letra tipo bastão é a recomendada pela ABNT Trata-se de caracteres desenhados com linhas de espessura uniforme, sem enfeites ou serifas. Letras Sempre maiúsculas e não inclinadas Números Não inclinados

24 Tipos de letras e números Letras Números

25 Numeração e títulos dos desenhos

26 Cotas de nível

27 Marcação dos cortes gerais * Quando o desenho indicado estiver na mesma folha, deixar em branco o local designado para o número da folha.

28 Marcação de detalhes

29 Esquadrias Portas e Janelas

30 Exemplo

31 Representação gráfica de arquitetura ESCALAS: Relação que existe entre os comprimentos de um desenho e seus correspondentes no objeto; portanto, escala nada mais é do que uma razão de semelhança. Sendo assim, toda escala é expressa por uma fração; essa fração é chamada Escala Numérica; sua representação gráfica chama-se escala gráfica. Mais utilizadas: 1/25;1/50;1/75;1/100;1/200;1/250 e1/500.

32 Representação gráfica de arquitetura DECRETO No 897, DE 21 DE SETEMBRO DE COSCIP CAPITULO II Dos Projetos Art. 8º - Os projetos serão apresentados obedecendo às seguintes normas: I - As plantas terão as dimensões mínimas de 395 mm (trezentos e noventa e cinco milímetros) X 297 mm (duzentos e noventa e sete milímetros) e máximas de 1320 mm (um mil trezentos e vinte milímetros) X 891 mm (oitocentos e noventa e um milímetros) e serão dobradas de modo a ficar reduzidas ao tamanho de 185 mm (cento e oitenta e cinco milímetros) X 297 mm (duzentos e noventa e sete milímetros, no formato A4 da NB-8 da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) (fig. 1); II - As escalas mínimas serão de: a) 1:2000 (um por dois mil) para plantas gerais esquemáticas de localização; b) 1:500 (um por quinhentos) para plantas de situação; c) 1:50 (um por cinqüenta) ou 1:100 (um por cem) para plantas baixas, fachadas e cortes; d) 1:25 (um por vinte e cinco) para os detalhes;

33 Exercício 1

34 Representação gráfica de arquitetura COTAS As cotas devem ser indicadas em metro(m) para as dimensões iguais e superiores a 1m; Em centímetro(cm) para as dimensões inferiores a 1m; NORTE NORTE MAGNÉTICO

35 Representação gráfica de arquitetura ESCADAS E RAMPAS:

36 ESCADAS E RAMPAS CoSCIP - Art A escada enclausurada à prova de fumaça deverá ter seu acesso através de uma antecâmara (balcão, terraço ou vestíbulo). Balcão ou terraço vestíbulo

37 4. PROJETO DE ARQUITETURA O projeto de arquitetura é constituído pelos seguintes desenhos: Planta Baixa ou Pavimento Térreo Pavimento Superior (quando for sobrado ou prédio) Layout Corte Transversal Corte Longitudinal Fachadas Planta de Cobertura Planta de Situação Implantação ou Locação Quadro de Aberturas Quadro de Áreas

38 PLANTA DE SITUAÇÃO Define a situação do lote em relação à quadra, às ruas e aos lotes vizinhos.

39 PLANTA DE SITUAÇÃO NBR Planta de situação A planta de situação deve conter: a) simbologias de representação gráfica; b) curvas de nível existentes e projetadas; c) indicação do norte; d) vias de acesso ao conjunto, arruamento e logradouros adjacentes com os respectivos equipamentos urbanos; e) indicação das áreas a serem edificadas; f) denominação dos diversos edifícios ou blocos; g) construções existentes, demolições ou remoções futuras, áreas non aedificandi; h) escalas; i) notas gerais, desenhos de referência e carimbo.

40 PLANTA BAIXA É um corte transversal à edificação, a uma altura de 1,50m. Através da planta baixa, podemos visualizar os ambientes que compõe o projeto. Layout

41 PLANTA BAIXA NBR 6492 As plantas baixas, em geral, devem conter: a) simbologias de representação gráfica; b) indicação do norte; c) eixos do projeto; d) sistema estrutural; e) indicação das cotas entre os eixos, cotas parciais e totais; f) caracterização dos elementos do projeto: - fechamentos externos e internos; - circulações verticais e horizontais; - cobertura/telhado e captação de águas pluviais; - acessos e demais elementos significativos; g) marcação de projeção de elementos significativos acima ou abaixo do plano de corte; h) indicação dos níveis de piso acabado; i) denominação dos diversos compartimentos e respectivas áreas úteis; j) marcação de cortes e fachadas; k) escalas; l) notas gerais, desenhos de referência e carimbo.

42 CORTES São elevações verticais feitas no sentido transversal e longitudinal dentro da edificação, para medir as alturas dos elementos arquitetônicos, portas, telhados, escadas, rampas e outros.

43 CORTES NBR 6492 Os cortes devem conter: a) simbologias de representação gráfica; b) eixos do projeto; c) sistema estrutural; d) indicação das cotas verticais; e) indicação de cotas de nível em osso e acabado dos diversos pisos; f) caracterização dos elementos do projeto: - fechamentos externos e internos; - circulações verticais e horizontais; - áreas de instalações técnicas e de serviços; - cobertura/telhado e captação de águas pluviais; - forros e demais elementos significativos; g) denominação dos diversos compartimentos seccionados; h) escalas; i) notas gerais, desenhos de referência e carimbo; j) marcação dos cortes transversais nos cortes longitudinais.

44 FACHADAS OU ELEVAÇÕES São elevações verticais, frontal, lateral ou posterior, para visualização da edificação.

45 FACHADAS NBR 6492 As fachadas devem conter: a) simbologias de representação gráfica conforme as prescritas nesta Norma; b) eixos do projeto; c) indicação de cotas de nível acabado; d) escalas; e) notas gerais, desenhos de referência e carimbo; f) marcação dos cortes longitudinais ou transversais.

46 PLANTA DE COBERTURA Este desenho define a situação do telhado, número de águas, tipo de telha, lado da queda d água e a largura do beiral.

47 PLANTA DE IMPLANTAÇÃO/LOCAÇÃO Define a situação do projeto em relação ao terreno, incluindo as medidas dos afastamentos.

48 PLANTA DE IMPLANTAÇÃO/LOCAÇÃO NBR Planta de locação A planta de locação deve conter: a) simbologias de representação gráfica; b) sistema de coordenadas referenciais do terreno, curvas de nível existentes e projetadas; c) indicação do norte; d) indicação das vias de acesso, vias internas, estacionamentos, áreas cobertas, platôs e ; e) perímetro do terreno, marcos topográficos, cotas gerais e níveis principais; f) indicação dos limites externos das edificações: recuos e afastamentos; g) eixos do projeto; h) amarração dos eixos do projeto a um ponto de referência; i) denominação das edificações; j) escalas; k) notas gerais, desenhos de referência e carimbo.

49 QUADROS RESUMO QUADRO DE ÁREAS - Legenda que apresenta a área do terreno, área de construção e a área de permeabilidade (área de jardim). QUADRO DE ABERTURAS Legenda a qual possui informações sobre as aberturas, portas e janelas.quando a referência é para janela, denominamos a sigla J, e para porta P.

50 PROJETO DE ARQUITETURA RESOLUÇÃO N 169, DE 28 DE NOVEMBRO DE 1994 Art. 3 - O Projeto de Segurança Contra Incêndio e Pânico constitui-se basicamente dos seguintes documentos: V - No mínimo de 02 (dois) jogos completos das plantas de situação, baixas, cortes e fachada, com o projeto de segurança, elaborado em matrizes específicas ou sobre as plantas de arquitetura desde que a superposição dos sistemas fixos de segurança contra incêndio e pânico, não dificultem a análise do projeto, em conformidade com o Art. 11 da Resolução 142/94;

51 GLOSSÁRIO ABÓBADA cobertura de secção curva. ADUELA peça da grade ou marco da portas e de janelas. AFASTAMENTO distância mínima a ser observada entre as paredes externas da edificação e os limites do terreno. ÁGUA - termo que designa o plano do telhado. (quatro águas, duas águas, etc). ALINHAMENTO linha legal que serve de limite entre o terreno e o logradouro para o qual faz limite. ALVENARIA conjunto de pedras, tijolos, blocos ou concreto, com ou sem argamassa, para formação de paredes, muros etc. ÁREA TOTAL soma de todas as áreas de uma edificação, incluindo todos os pavimentos. ÁREA ÚTIL superfície de utilização de uma edificação fora as paredes. ARGAMASSA mistura de aglutinante com areia e água, suada para assentamento de tijolos, cerâmicas, rebocos etc. ASSOALHO piso de tábuas. Soalho. BALANÇO avanço da edificação sobre alinhamentos ou recuos regulamentares. BASCULANTE janela ou peça móvel em torno de eixo horizontal. BEIRAL parte saliente da cobertura. BRITA pedra quebrada em tamanhos variáveis. CALÇADAS pavimentação do terreno, dentro do lote. CALHA conduto de águas pluviais. CASA GEMINADA separada de outra edificação com uma parede comum. CLARABÓIA vão nas coberturas, em geral protegido com vidros. CÓDIGO DE OBRAS legislação vigente em cada cidade, que determina as normas que o projeto arquitetônico deve obedecer. COIFA cobertura acima do fogão para tirar a fumaça.

52 GLOSSÁRIO CORRIMÃO peça ao longo e nos lados das escadas servindo de apoio a quem dela se serve. COTA indicação ou registro numérico de dimensões. COTA DE COROAMENTO ponto mais alto da edificação, permitido pelo código de obras local. COTA DE SOLEIRA nível mais baixo da edificação, permitido pelo código de obras local. CROQUI rascunho inicial de um projeto arquitetônico. CUMEEIRA parte reta mais alta dos telhados onde tem inicio as águas; a peça de madeira que a forma. DEMÃO camada de pintura. DUPLEX apartamento de dois pisos superpostos. EDÍCULA pequena casa; dependência para empregados. EMBASAMENTO parte inferior de um edifício destinada à sua sustentação. EMBOÇO a 1ª camada de argamassa ou cal, após o chapisco, que serve de base ao reboco. ESPELHO face vertical de um degrau; ESQUADRIA fechamento dos vãos; formada por grade ou marco e folhas. ESTACA peça de madeira, concreto ou ferro que se crava no terreno como base da construção. FACHADAS elevações das paredes externas de uma edificação. FACHADA PRINCIPAL voltada para o logradouro público. FOLHA parte móvel da esquadria. FORRO vedação da parte superior dos compartimentos da construção. FUNDAÇÃO conjunto dos elementos da construção que transmitem cargas das edificações ao solo. GABARITO medida que limita largura de logradouros e altura das edificações.

53 GLOSSÁRIO GALPÃO construção aberta e coberta. GRADE elemento vazado que forma a esquadria; marco. GUARDA-CORPO parapeito; proteção de um vão. JIRAU pequeno piso colocado à meia altura. JUNTA espaço entre elementos. LADRILHO peça de forma geométrica, de pouca espessura, de cimento ou barro cozido, em geral destinado a pisos. LÂMINA bloco vertical numa construção de vários pavimentos. LANTERNIM pequena torre destinada à iluminação e ventilação. LONGARINA viga. LOGRADOURO espaço público (rua) compreendido entre dois alinhamentos postos. MARQUISE balanço constituindo cobertura. MEIO-FIO bloco que separa o passeio da rua. NERVURA viga saliente ou não de uma laje;quando oculta chama-se também viga chata. OSSO sem revestimento. Medida no osso: antes de feito o revestimento. PANO porção de superfície plana de parede, compreendida entre duas pilastras. PARAPEITO resguardo de pequena altura, de sacadas, terraços e galerias. PASSEIO parte do logradouro público, destinado ao trânsito de pedestre. PATAMAR superfície intermediária entre dois lances de escada. PÉ-DIREITO distância vertical entre forro e piso. PEITORIL parte inferior da janela / distância entre o piso e o início do espaço ocupado por ela.

54 GLOSSÁRIO PÉRGOLA construção de caráter decorativo para suporte de plantas, sem constituir cobertura. PILAR elemento de sustentação tendo secção quadrada ou retangular. PILASTRA pilar incorporado à parede e ressaltando. PILOTIS elemento de sustentação de um pavimento térreo; nome que se dá ao pavimento térreo quando aberto. PIVOTANTE folha móvel em torno de eixo vertical. PLANTA projeção horizontal; vista superior; projeção de um corte horizontal numa edificação. PLATIBANDA coroamento de uma edificação, formado pelo prolongamento das paredes externas, acima do forro. POÇO DE ILUMINAÇÃO/VENTILAÇÃO espaço destinado a ventilação e iluminação de ambientes (janelas). PORÃO parte não usada para habitação, sob o térreo. REBOCO revestimento final de argamassa. RODAPÉ faixa de proteção entre a parte inferior da parede e o piso. SANCA - moldura na parte superior da parede, ligando-a ao teto. SOLEIRA elemento localizado no piso, no vão das portas, de marco a marco.

55 SÓTÃO espaço situado entre o forro e a cobertura, aproveitável como dependência de uso comum de uma edificação. TALUDE _ rampa inclinada de um terreno, normalmente feita pelo homem. TAPUME vedação provisória usada durante a edificação. TELHADO cobertura onde se usam as telhas. TERRAÇO cobertura total ou parcial de uma edificação, constituindo piso acessível. TESTADA linha que separa o lote do logradouro pública (rua). TRAÇO DE ARGAMASSA proporção entre seus componentes. TRELIÇA armação de madeira ou metal onde existem aberturas; viga. VARANDA construção protegida pelo prolongamento da cobertura. VÃO abertura; distância entre os apoios.

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS EXATAS E AMBIENTAIS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Projeto Arquitetônico I 2015/01 Representação de projetos de arquitetura - NBR 6492 Arquitetura

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO Pontifícia Universidade Católica de Goiás Departamento de Artes e Arquitetura Curso de Arquitetura e Urbanismo Escola Edgar Albuquerque Graeff Desenho Projetivo I DP-I NORMAS TÉCNICAS PARA O DESENHO ARQUITETÔNICO

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura 1 via; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo

Leia mais

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA REPRESENTAÇÕES DE DESENHO TÉCNICO E APROVAÇÃO DE PROJETOS SETOR DE ENGENHARIA ANEXO II DO DECRETO N 80/2011 DE 02/05/2011 PARTE 01: OBRA NOVA OU AMPLIAÇÃO 1. Planta de situação

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura via física e via digital; III. Memorial de Cálculo de Área Construída e

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às

DESENHO TÉCNICO. Apresentar de forma sintética, as normas e convenções usuais referente às CURSO: DESIGN DE INTERIORES DISCIPLINA: DESENHO TÉCNICO E ARQUITETÔNICO TURNO: Manhã / Noite PERÍODO: 1º PROFESSORAS: Dodora DESENHO TÉCNICO Dimensões de papéis para desenhos técnicos: Objetivo: pranchas

Leia mais

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES

DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES DESENHOS UTILIZADOS NA REPRESENTAÇÃO DOS PROJETOS ARQUITETÔNICOS DE EDIFICAÇÕES Na representação dos projetos de edificações são utilizados os seguintes desenhos: _ Planta de situação _ Planta de localização

Leia mais

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1

TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 TÉCNICO TÊXTIL EM MALHARIA E CONFECÇÃO PLANTA BAIXA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br 3526-0833 8407-9946 1 Aula 1 Componentes de uma PBA Apresentação da turma Introdução

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre

MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS. Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre MEMORIAL DESCRITIVO PRÉDIO DE APARTAMENTOS Local: Rua General Auto, N 101 e 111 Centro Porto Alegre INDICE 1. GENERALIDADES 1.1. OBJETOS E DADOS 1.2. NORMAS 1.3. PLANTAS 2. INTERPRETAÇÃO 3. PRÉDIO 3.1.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA

PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE ARQUITETURA 1. PROCEDIMENTO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE Para primeira análise: I. Levantamento Planialtimétrico; II. Projeto de Arquitetura III. Memorial de Cálculo de Área Construída e Memorial de Cálculo de Área

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES

DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA AULA 01 PROF ALINE FERNANDES DESENHO DE ARQUITETURA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PLANTA BAIXA PROJETO ARQUITETÔNICO SÍMBOLOS GRÁFICOS PASSOS PARA MONTAGEM DE PLANTA BAIXA: 1. Deve-se estimar o tamanho

Leia mais

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico?

PLANTA BAIXA AULA 09. O que é um Projeto Arquitetônico? PLANTA BAIXA AULA 09 Projetos de Arquitetura: Conceitos e Representações 1 O que é um Projeto Arquitetônico? conjunto de passos normativos, voltados para o planejamento formal de um edifício qualquer,

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047 AULA 3. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 AULA 3 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: INFORMAÇÕES NA PRANCHA: Nome dos ambientes:

Leia mais

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS

PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Universidade Federal de Goiás Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos Setor de Engenharia Rural PROJETO DE EDIFICAÇÕES RURAIS Construções e Eletrificação Rural Prof. Dr. Regis de Castro Ferreira

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1 AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização por

Leia mais

Desenho Técnico Sumário

Desenho Técnico Sumário Sumário 1 Introdução... 3 2 Classificação dos desenhos... 3 3 Formatos e tipo de papel... 6 4 Letras e Algarismos... 7 5 Escalas... 7 6 Carimbo ou Legenda... 8 7 Simbologia... 9 8 - Linhas e Traçados...

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS NO LOTEAMENTO ALPHAVILLE MOSSORÓ Associação Alphaville Mossoró Janeiro- 2014 ORIENTAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS 1. PROJETOS DE REMEMBRAMENTO E / OU DESMEBRAMENTO

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT

RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT RESUMO DAS NORMAS TÉCNICAS DA ABNT A padronização ou normalização do desenho técnico tem como objetivo uniformizar o desenho por meio de um conjunto de regras ou recomendações que regulamentam a execução

Leia mais

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade

Vila do IAPI - Patrimônio Cultural da Cidade Item Diretriz Tipologia 1. Reformas e Ampliações 1.1. Cosntruções Originais 1.1.1. Não será permitida a demolição da edificação original para construção de uma nova edificação ou para qualquer outro fim.

Leia mais

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o

Desenho Técnico. D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o D e s e n h o A r q u i t e t ô n i c o DESENHO ARQUITETÔNICO Planta Baixa é a projeção que se obtém, quando cortamos, imaginariamente, uma edificação, com um plano horizontal, paralelo ao plano do piso.

Leia mais

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL

5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL 57 5 DESCRIÇÃO DETALHADA DO BEM CULTURAL O conjunto arquitetônico da residência de Antônio de Rezende Costa, que hoje abriga a Escola Estadual Enéas de Oliveira Guimarães foi pelos autores do presente

Leia mais

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA

FUNCIONAL ENTORNO ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS TOPOGRAFIA FUNCIONAL ENTORNO IDENTIFICAR A RELAÇÃO DO EDIFÍCIO COM OS ELEMENTOS DE ENTORNO, CONSIDERANDO OS ATRIBUTOS DO LUGAR - MASSAS EDIFICADAS, RELAÇÕES DE PROXIMIDADE, DIÁLOGO, INTEGRAÇÃO OU AUTONOMIA BAIRRO

Leia mais

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte.

Acerca da representação do projeto de arquitetura, julgue o item seguinte. 52.(UEAP/FGV/2014) Segundo Neves (1989), as informações básicas conceituais são o embasamento sobre o qual se assentam todas as ideias do partido arquitetônico e podem ser sintetizadas em cinco tópicos,

Leia mais

LEI Nº 690/95. Capítulo I Das Disposições Preliminares

LEI Nº 690/95. Capítulo I Das Disposições Preliminares LEI Nº 690/95 Súmula: Dispõe sobre o Código de Obras do Município de Dois Vizinhos e dá outras providências. A Câmara Municipal de Dois Vizinhos, Estado do Paraná, aprovou e eu Olivindo Antonio Cassol,

Leia mais

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS

MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS MANUAL PARA APRESENTAÇÃO DOS PROJETOS 1 1. AUTORIZAÇÕES E CADASTRAMENTO: Para entrada de profissionais e execução de serviços como LEVANTAMENTO PLANIALTIMÉTRICO e SONDAGEM, será necessária a autorização

Leia mais

NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura

NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura ABR 1994 NBR 6492 Representação de projetos de arquitetura ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro

Leia mais

Conceitos Básicos de Desenho Técnico

Conceitos Básicos de Desenho Técnico Conceitos Básicos de Desenho Técnico 1. Utilização Das Ferramentas E Papel De Desenho 1.1. Ferramentas de Desenho 1.1.1. Apresentação O Desenho Arquitetônico uma especialização do Desenho Técnico, o qual

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC

IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC MEMORIAL DESCRITIVO IMPLANTAÇÃO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC Lote 01 MARÇO/2011 1. PROJETO DE SINALIZAÇÃO HORIZONTAL E VERTICAL LINHA VERDE CIC SUL INTRODUÇÃO O Projeto de Sinalização

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS J u n 2 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Este documento normatiza a apresentação de projetos técnicos, em suas diferentes especializações e etapas com objetivo de gerar documentos completos necessários à contratação

Leia mais

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS

APRESENTAÇÃO DE PROJETOS Este informativo foi elaborado visando a padronização para a Apresentação de Projetos junto ao da Associação, para que a análise e a aprovação de projetos transcorram de forma mais rápida e eficiente.

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE RECURSOS HUMANOS - PRORH COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO - COPESE CONCURSO PÚBLICO PARA CARGO DE SERVIDOR Questão 1: O desenho possibilita a representação dos objetos. Por meio dos desenhos temos a construção de ideias. No caso da arquitetura, o desenho consiste: a) na representação exata da planta alta e

Leia mais

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA

DEPARTAMENTO DE PROJETO DE ARQUITETURA Disciplina: PROJETO DE ARQUITETURA III FAP 355 Professores: MÓDULO 3 1 o. Período Letivo 2009 Cristiane Rose Duarte, Joacir Esteves, Luciana Andrade, Maria Ligia Sanches, Paulo Afonso Rheingantz e Vera

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA

MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO ARQUITETÔNICO - REFORMA Projeto:... REFORMA POSTO DE SAÚDE Proprietário:... PREFEITURA MUNICIPAL DE IRAÍ Endereço:... RUA TORRES GONÇALVES, N 537 Área a Reformar:... 257,84

Leia mais

Parque do Engenho Central e Mirante 2002

Parque do Engenho Central e Mirante 2002 Anexo 1.34 Parque do Engenho Central e Mirante 2002 1. EDIFÍCIO HISTÓRICO Endereço: Rua Maurice Allain, 454, Vila Rezende, Piracicaba SP, Brasil. Autoria: desconhecida. Data do Projeto: final da década

Leia mais

PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO

PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO 34 PARTE 2 O DESENHO ARQUITETÔNICO 1 O PROJETO E O DESENHO DE ARQUITETURA Os projetos arquitetônicos devem conter todas as informações necessárias para que possam ser completamente entendidos, compreendidos

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG

NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG NORMAS TÉCNICAS Para implantação de empresas em áreas e Distritos Industriais da CODEMIG 1 S U M Á R I O CAPÍTULO APRESENTAÇÃO PÁGINA I Disposições Preliminares 02 II Uso e Ocupação do Solo 03 III Projetos

Leia mais

Nivelamento Desenho Técnico

Nivelamento Desenho Técnico Módulo: Nivelamento Desenho Técnico Natanael Gomes da Costa Júnior Curso: FTST - FORMAÇÃO TÉCNICA EM SEGURANÇA DO TRABALHO MÓDULO DE NIVELAMENTO DESENHO TÉCNICO Sumário Sumário...2 Competências a serem

Leia mais

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/

Código da Disciplina CCE0047. e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ Código da Disciplina CCE0047 e-mail: prof.clelia.fic@gmail.com http://cleliamonasterio.blogspot.com/ AULA 4 PLANTA BAIXA Representação de projetos de arquitetura NBR- 6492: REPRESENTAÇÃO DE ELEMENTOS CONSTRUTIVOS:

Leia mais

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação.

ESCADAS. Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. ESCADAS Escadas são elementos arquitetônicos de circulação vertical, cuja função é vencer os diferentes níveis entre os pavimentos de uma edificação. Componentes da escada: Degraus: São os múltiplos níveis

Leia mais

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 )

REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) REGULAMENTO DE EDIFICAÇÕES (Consta da Ata de Constituição da Associação Residencial Morada do Engenho, registrada sob n 51.758 ) Este regulamento sem prejuízo das Restrições Convencionais, tem como objetivo

Leia mais

ELEVAÇÕES OU FACHADAS

ELEVAÇÕES OU FACHADAS ELEVAÇÕES OU FACHADAS 1- CONCEITUAÇÃO Elevações ou fachadas são elementos gráficos componentes de um projeto de arquitetura, constituídos pela projeção das arestas visíveis do volume sobre um plano vertical,

Leia mais

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO

IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO IFES/CAMPUS DE ALEGRE - ES PROJETO BÁSICO Especificação Destinada Construção do Núcleo de Empresas Junior INTRODUÇÃO A execução dos serviços referente Construção do Núcleo de Empresas Junior, obedecerá

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04

MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 MEMORIAL DESCRITIVO versão 04 Arquitetônico Hidrossanitário EMPREENDIMENTO: Edifício Residencial ÁREA CONSTRUIDA: 2.323,60 m² ÁREA DO TERRENO: 1.474,00 m² LOCALIZAÇÃO: Rua Ianne Thorstemberg, n 344 Bairro

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE.

MEMORIAL DESCRITIVO. Construção Unidade Básica de Saúde PROPRIETÁRIO: PREFEITURA MUNICIPAL DE CACIQUE DOBLE. MEMORIAL DESCRITIVO Construção Unidade Básica de Saúde TIPO DE CONSTRUÇÃO: Prédio em Alvenaria UBS Unidade Básica de Saúde da Sede do município. LOCAL: Rua Édimo Luiz Tonial na cidade de Cacique Doble

Leia mais

BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO

BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO BASE ZW INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES LTDA. MEMORIAL DESCRITIVO SALAS COMERCIAIS E ESTACIONAMENTOS 1 ÍNDICE 1. OBJETIVO...03 1.1. O EMPREENDIMENTO...03 1.2. PROJETOS E ÁREAS...03 1.3. - LOCAÇÃO DA OBRA...04

Leia mais

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES

DESENHO DE ARQUITETURA CORTES DESENHO DE ARQUITETURA CORTES CORTES são representações de vistas ortográficas seccionais do tipo corte, obtidas quando passamos por uma construção um plano de corte e projeção VERTICAL, normalmente paralelo

Leia mais

Lei Municipal N.º 1414

Lei Municipal N.º 1414 Subseção II Dos Estacionamentos e Guarda de Veículos Art. 41 - Os locais para estacionamento ou guarda de veículos podem ser cobertos ou descobertos, podendo se destinar em ambos os casos à utilização

Leia mais

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases:

ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES. O Projeto de passarela para pedestres será desenvolvido em duas fases: ISF 219: PROJETO DE PASSARELA PARA PEDESTRES 1. OBJETIVO Definir e especificar os serviços constantes do Projeto de Passarela para Pedestres em Projetos de Engenharia Ferroviária. 2. FASES DO PROJETO O

Leia mais

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS

ORIENTAÇÕES INICIAIS PARA PROPRIETÁRIOS E ARQUITETOS 1. ROTEIRO PARA APROVAÇÃO E LIBERAÇÃO DE PROJETOS E OBRAS: PROJETOS A. Aprovação do Projetos pelo Depto. Técnico da Associação B. Aprovação do Projeto e Solicitação de Alvará de Construção na Prefeitura

Leia mais

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa

Desenho Técnico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato. Planta Baixa Desenho Técnico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Planta Baixa PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Profª. Ms. Laura Ludovico de Melo ENG1051 PROJETO ARQUITETÔNICO: PLANTAS E VISTAS Planta Baixa:

Leia mais

INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho

INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho INSTITUTO TECNOLÓGICO DA PARAÍBA LTDA. Educação Técnica de Nível Médio Curso Técnico em Segurança do Trabalho LEITURA E INTERPRETAÇÃO DE DESENHO ARQUITETÔNICO Profª Alessandra Gualter WEJ Consultoria e

Leia mais

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO

NORMA TÉCNICA LICENCIAMENTO ELEMENTOS ANEXOS PARA A INSTRUÇÃO DE PEDIDO DE 1. PEDIDO DE DE OPERAÇÃO DE LOTEAMENTO 2. PEDIDO DE ALTERAÇÃO À LICENÇA DE LOTEAMENTO 3. PEDIDO DE DE OBRAS DE URBANIZAÇÃO 4. PEDIDO DE DE OBRAS DE EDIFICAÇÃO

Leia mais

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP

LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP LOTEAMENTO VILLAGGIO DI FIRENZE Av. Dr. Armando Sales de Oliveira Nº 400 Franca - SP CARTILHA DE CONSTRUÇÃO Seguem especificações para as construções nos lotes do Loteamento Villaggio Di Firenze: A) Conforme

Leia mais

Blumenau, maio de 2010.

Blumenau, maio de 2010. INSTRUÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE ORÇAMENTOS E CRONOGRAMAS Blumenau, maio de 2010. 1. RESUMO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. INTRODUÇÃO... 3 4. COMPOSIÇÃO DO ORÇAMENTO... 4 4.1. SERVIÇOS PRELIMINARES/TÉCNICOS...

Leia mais

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille

14/05/2015 AVALIAÇÃO DOS PROJETOS EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015. Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille AVALIAÇÃO DOS PROJETOS Profa. Dra. Giovanna M. Ronzani Borille 14/05/2015 1 EDI 64 ARQUITETURA E URBANISMO_ 2015 Avaliação: o Conceitos de projeto (I: 50%, II: 50% e para Exame: 30%) o Representação gráfica

Leia mais

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS

Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS Capítulo 4 - EXECUÇÃO E SEGURANÇA DAS OBRAS 4.1 Disposições gerais Art. 61 - A execução de obras, incluindo os serviços preparatórios e complementares, suas instalações e equipamentos, embora que temporários,

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas. Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo CIRCULAÇÕES VERTICAIS - escadas Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios Circulações Verticais São meios mecânicos e não mecânicos que permitem a ligação entre

Leia mais

DESENHO TÉCNICO. Aula 03

DESENHO TÉCNICO. Aula 03 FACULDADE DE TECNOLOGIA SHUNJI NISHIMURA POMPÉIA - SP DESENHO TÉCNICO Aula 03 Prof. Me. Dario de A. Jané DESENHO TÉCNICO 1. PRINCÍPIOS BÁSICOS DE DESENHO TÉCNICO Normas Instrumentos Folhas (dobra, moldura,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2)

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Nome/Nº RE.PRO.023. Memorial Descritivo (7.3.2) 02/07/22 12/12/22 Versão MEMORIAL DESCRITIVO RESIDENCIAL NERIÁ Rua A.J. Renner, 1.390 Estância Velha Canoas / RS Arquivo: P:\SGQ\Registros\ e Desenvolvimento\0-RE.PRO.023 - Memorial Descritivo V.\Residencial

Leia mais

LEI N.º 1.595 INSTITUI O CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E DISCIPLINA A SUA APLICAÇÃO JOÃO CARLOS SCHMITT, PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA PRATA

LEI N.º 1.595 INSTITUI O CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E DISCIPLINA A SUA APLICAÇÃO JOÃO CARLOS SCHMITT, PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA PRATA LEI N.º 1.595 INSTITUI O CÓDIGO DE EDIFICAÇÕES E DISCIPLINA A SUA APLICAÇÃO PRATA seguinte Lei: JOÃO CARLOS SCHMITT, PREFEITO MUNICIPAL DE NOVA Faço saber que a Câmara Municipal aprovou e eu sanciono e

Leia mais

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br RESIDENCIAL QUINTA DE JUQUEHY. Juquehy - SP - 2010

11 3159 1970 www.apiacasarquitetos.com.br RESIDENCIAL QUINTA DE JUQUEHY. Juquehy - SP - 2010 RESIDENCIAL QUINTA DE JUQUEHY Juquehy - SP - 2010 MEMORIAL Implantação O estudo da implantação do condomínio foi desenvolvido com a premissa de reservar a maior parte da área não construída para jardins,

Leia mais

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br

Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br Instituto Brasileiro de Auditoria de Obras Públicas www.ibraop.com.br ORIENTAÇÃO TÉCNICA OT - IBR 001/2006 PROJETO BÁSICO Primeira edição: válida a partir de 07/11/2006 Palavras Chave: Projeto Básico,

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MATO GROSSO Página 1/38 Professor: Fabiano de Pádua Data: 10/2/2010 Aluno(a): Turma: Página 2/38 SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 4 2. CONCEITOS BÁSICOS... 4 2.1- Histórico... 4 2.2- Desenho Técnico... 4 2.3- Normas e Padrões...

Leia mais

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto

Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR Curso: Gestão de Estruturas Racionalizadas de Concreto Trabalho Final: Marcações e Execuções Racionalizadas em Estruturas de Concreto. COMUNIDADE DA CONSTRUÇÃO - SALVADOR

Leia mais

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D

SEDE SESC-DF. CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SEDE SESC-DF CADERNO DE ENCARGOSE ESPECIFICAÇÕES GERAIS Graficação em Auto-Cad 2013 e Confecção de Imagens em 3D SUMÁRIO 1. OBJETIVO...03 2. DESCRIÇÃO TÉCNICA: GRAFICAÇÃO EM AUTO-CAD 2013...03 3. OBSERVAÇÕES

Leia mais

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio

Rev Modificação Data Projetista Desenhista Aprovo. Sítio. Área do sítio OBJETO: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA EXECUÇÃO DE SERVIÇOS DE ENGENHARIA PARA RECUPERAÇÃO DE CERCA OPERACIONAL, IMPLANTAÇÃO DA CERCA DE SERVIDÃO, COMPLEMENTAÇÃO DA CERCA PATRIMONIAL E SERVIÇOS COMPLEMENTARES

Leia mais

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO

SUMÁRIO 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO ESPECIFICAÇÃO PARA ELABORAÇÃO DO PROJETO DE TOPOGRAFIA SUMÁRIO 1.0 - INTRODUÇÃO 1.1 - ESPECIFICAÇÕES CORRELATAS 2.0 - LEVANTAMENTO TOPOGRÁFICO PLANIALTIMÉTRICO E CADASTRAL URBANO 2.1 - POLIGONAIS DE 1

Leia mais

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994

Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Lei 11.666, de 9 de dezembro de 1994 Estabelece normas para facilitar o acesso dos portadores de deficiência física aos edifícios de uso público, de acordo com o estabelecido no art. 227 da Constituição

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281

Prefeitura Municipal de Vitória Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estado do Espírito Santo DECRETO Nº 13.281 Estabelece normas e procedimentos para recuperação, manutenção e valorização de edifícios, obras e monumentos tombados, sujeitos ao tombamento vizinho ou identificados

Leia mais

MANUAL DE ACESSIBILIDADE

MANUAL DE ACESSIBILIDADE MANUAL DE ACESSIBILIDADE INSTITUTO DE PLANEJAMENTO URBANO DE FLORIANÓPOLIS Equipe Técnica: Engenheira Luiza Regina dos Santos Medeiros Engenheiro Keedson Sousa dos Santos Técnico Baiard Tadeu Frediani

Leia mais

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO

PROJETO BÁSICO I - DISPOSIÇÕES GERAIS I.1 - INTRODUÇÃO PROJETO BÁSICO OBJETO: Obras de Engenharia para Reforma e Ampliação do CAIC THEOPHILO DE SOUZA PINTO. Localizado na Rua Praça do Terço, s/nº - Nova Brasília - Bonsucesso Rio de Janeiro. I- DISPOSIÇÕES

Leia mais

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS

Data: fevereiro/2012 AULA 4 - CÁLCULO DE ESCADAS Grupo Universitário - IPEP São Paulo - SP Rua Maria Paula, 35-1º andar Bela Vista Fone: (11) 3293-3558 Rua Pirapitingui, 186-1º andar Liberdade Fone: (11) 3385-7400 Campinas - SP Rua José de Alencar, 470

Leia mais

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio.

institucional do projeto, além de permitir uma inserção urbana mais democrática e inusitada no entorno imediato ao prédio. MEMORIAL DESCRITIVO O anteprojeto em questão, referente à instalação da Inspetoria do Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia da Paraíba em Campina Grande, surge no contexto atual das

Leia mais

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo:

Graus de orçamento. Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Graus de orçamento Exercício da aula passada Orçamento preliminar Graus de orçamento Orçamento preliminar estimar os quantitativos de concreto, aço e fôrma do edifício abaixo: Área de 300 m² por pavimento

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO O

MEMORIAL DESCRITIVO O MEMORIAL DESCRITIVO O presente memorial tem por objetivo estabelecer requisitos técnicos, definir materiais e padronizar os projetos e execuções da obra localizada na Rua Jorge Marcelino Coelho, s/n, Bairro

Leia mais

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP.

Placa de obra: Haverá a colocação em local visível de placa de obra, metálica, fixada em estrutura de madeira, conforme padrão fornecido SOP. MEMORIAL DESCRITIVO RECONSTRUÇÃO DO ALBERGUE JUNTO AO PRESIDIO ESTADUAL DE VACARIA RS. VACARIA RS. GENERALIDADES: Este Memorial Descritivo tem a função de propiciar a perfeita compreensão do projeto e

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase

MEMORIAL DESCRITIVO. Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase MEMORIAL DESCRITIVO Obra: Reforma da Câmara Municipal de Conchas 2ª Fase Este Memorial Descritivo tem por finalidade especificar os materiais e serviços a serem executados na REFORMA DA CÂMARA MUNICIPAL

Leia mais

DESENHO TÉCNICO PROJETO ARQUITETÔNICO. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos

DESENHO TÉCNICO PROJETO ARQUITETÔNICO. Prof. Dr. Rodrigo Couto Santos M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O U N I V E R S I D A D E F E D E R A L D A G R A N D E D O U R A D O S F A C U L D A D E D E C I Ê N C I A S A G R Á R I A S E n g e n h a r i a A g r í c o l a DESENHO

Leia mais

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

LEI COMPLEMENTAR Nº 019, DE 09 DE AGOSTO DE 2006. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. ESTABELECE NORMAS SOBRE EDIFICAÇÕES NO CONDOMÍNIO BOSQUES DE ATLÂNTIDA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. CELSO BASSANI BARBOSA, Prefeito Municipal de Xangri-Lá, FAÇO SABER que a Câmara Municipal de Vereadores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das especificações de materiais, julgue os itens a seguir. 51 Os cimentos CP III cimentos portland de alto-forno e CP IV cimento portland pozolânico são menos porosos e resistentes, sendo ideais

Leia mais

13. Proteção Legal Existente: não tem 14. Proteção Legal Proposta: Tombamento

13. Proteção Legal Existente: não tem 14. Proteção Legal Proposta: Tombamento Página 81 de 112 basculante, com vedações em vidro. A decoração externa é composta de pequenas colunas torsas e frontões arqueados coroados com telhas tipo capa e canal e cimalha. 13. Proteção Legal Existente:

Leia mais

PLANTA BAIXA UNIDADE 3

PLANTA BAIXA UNIDADE 3 PLANTA BAIXA UNIDADE 3 Componentes de uma Planta-Baixa (25-08) Roteiro para Elaboração de uma Planta-Baixa 81 Conteúdo da Planta Baixa vedações (paredes) estrutura (pilares) aberturas (portas e janelas)

Leia mais

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO

ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO ROTEIRO PRÁTICO DE DESENHO TÉCNICO 1. OBJETIVO Este roteiro, baseado nas normas de desenho técnico em vigor, destina-se a orientar as empresas, interessadas em realizar ensaios para avaliações técnicas

Leia mais

Prefeitura Municipal de Piratini

Prefeitura Municipal de Piratini MEMORIAL DESCRITIVO O presente Memorial Descritivo visa estabelecer as condições de materiais e execução referentes à construção de um Vestiário Esportivo, localizado na Av. 6 de julho s/n, em Piratini/RS,

Leia mais

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio

Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Módulo 2 - Sistemas básicos de proteção passiva contra incêndio Apresentação do módulo Os sistemas de proteção contra incêndio e pânico são classificados em duas categorias distintas: proteção passiva

Leia mais

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário.

INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Lápis e lapiseiras Os lápis médios são os recomendados para uso em desenho técnico, a seleção depende sobretudo de cada usuário. INSTRUMENTOS USADOS Esquadros São usados em pares: um

Leia mais

PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES

PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES 200888 Técnicas das Construções I PLANO DE ENSINO e ESTUDOS PRELIMINARES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 1 APRESENTAÇÃO DO CURSO: ESTUDOS PRELIMINARES:

Leia mais

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena

ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Página 70 de 141 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 11: Antigo Cine Teatro Helena Coroamento da fachada frontal Vista da fachada frontal Afastamento lateral esquerdo Inscrições do nome do antigo

Leia mais

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS

PROJETO DE INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUA FRIA REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS Página 1 GRUPO RESPONSÁVEL PELA ELA- BORAÇÃO DO PROJETO: REGISTRO DE INSPEÇÃO DE PROJETOS PROJETO INSPECIONADO: DATA DA INSPEÇÃO: AUTOR DESTE CHECKLIST MARCOS LUÍS ALVES DA SILVA Sistema de instalações

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA.

MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. MEMORIAL DESCRITIVO DE ARQUITETURA REFORMA E AMPLIAÇÃO / OBRA INSTITUCIONAL EM ALVENARIA, FORRO DE GESSO E COBERTURA EM TELHA METÁLICA. Dados da Obra: Endereço da obra: Rua Amazonas, nº512, Centro. Parte

Leia mais

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO

La Bella Città MEMORIAL DESCRITIVO. Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO MEMORIAL DESCRITIVO La Bella Città Informações Gerais: INCORPORAÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA CONSTRUÇÃO IGUASSU ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA PROJETO ARQUITETÔNICO ARQUITETA CARMEN LUCIA PEZZETTE

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE VENÂNCIO AIRES CONCLUSÃO GINÁSIO LINHA MANGUEIRÃO MEMÓRIA DE CÁLCULO 1. SERVIÇOS GERAIS: MEMÓRIA DE CÁLCULO 1.1. Placa de Obra: 1,50 x 3,00 = 4,50m2 Conclusão Ginásio Linha Mangueirão 1.2. Demolição de Telhas Onduladas:

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO

MEMORIAL DESCRITIVO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO CAMARA DE VEREADORES DE ABELARDO LUZ - SC MEMORIAL DESCRITIVO 1.- GENERALIDADES 1.1.- OBJETO O presente Memorial Descritivo tem por finalidade estabelecer as condições que orientarão os serviços de construção,

Leia mais

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho

Etapas do Projeto de Arquitetura. Normas técnicas. Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura. Folhas de desenho Etapas do Projeto de Arquitetura Normas técnicas Desenhos componentes do Projeto de Arquitetura Universidade Federal de Juiz de Fora - UFJF Faculdade de Arquitetura e Urbanismo - FAU Departamento de Projeto,

Leia mais

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS

FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS FOLHAS PARA DESENHOS TÉCNICOS Faculdade de Arquitetura Departamento de Expressão Gráfica Setor Técnico Disciplinas de desenho técnico instrumentado dos cursos de Engenharia (ARQ 3322, ARQ 3319 e ARQ 3323)

Leia mais

6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA

6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA Página 38 de 141 6.2 ESTRUTURAS ARQUITETÔNICAS (acervo civil) ficha 04: Antiga Fábrica da CICA Fachada frontal da Fábrica da CICA Vista lateral esquerda da Fábrica da CICA Vista dos fundos da Fábrica da

Leia mais

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D

3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D 3. O projeto fornecido para a modelagem paramétrica 3D Com finalidade de avaliar alguns aspectos da metodologia BIM e algumas das ferramentas computacionais envolvidas, buscou-se um projeto de engenharia

Leia mais

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12

PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO AP4 UP2 SUPERQUADRAS 400 ESCALA PREDOMINANTE: RESIDENCIAL PURP 16. AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 1 / 12 AP4 UP2 Folha 2 / 12 AP4 UP2 Folha 3 / 12 AP4 UP2 Folha 4 / 12 AP4 UP2 Folha 5 / 12 VALOR PATRIMONIAL PLANILHA DE PARÂMETROS URBANÍSTICOS E DE PRESERVAÇÃO A ATRIBUTOS DE CONFIGURAÇÃO

Leia mais