RELÓGIOS, LDA.. FEIRA ADP ÁGUAS DE PORTUGAL, IMOBILIÁRIOS, AIRBUS INDUSTRIE ÁLVARO SIZA ANDRÉ JORDAN IBERSOL, SGPS, S.A. LEIXÕES, S.A.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELÓGIOS, LDA.. FEIRA ADP ÁGUAS DE PORTUGAL, IMOBILIÁRIOS, AIRBUS INDUSTRIE ÁLVARO SIZA ANDRÉ JORDAN IBERSOL, SGPS, S.A. LEIXÕES, S.A."

Transcrição

1 Plano de Actividades 2011

2 PLANO DE ACTIVIDADES 2011

3 FUNDAÇÃO DE SERRALVES CONSELHO DE FUNDADORES ANTÓNIO GOMES DE PINHO - Presidente ESTADO PORTUGUÊS A BOA REGULADORA COMÉRCIO E INDUSTRIA DE RELÓGIOS, LDA.. ACO - FÁBRICA DE CALÇADO, S.A. ADALBERTO NEIVA DE OLIVEIRA ADP ÁGUAS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. AENOR AUTO-ESTRADAS DO NORTE, S.A. ÁGUAS DO DOURO E PAIVA, SA. AGUSTINA BESSA-LUÍS AIRBUS INDUSTRIE ALEXANDRE CARDOSO, S.A. ÁLVARO SIZA AMORIM - INVESTIMENTOS E PARTICIPAÇÕES, S.A. ANA AEROPORTOS DE PORTUGAL, S.A. ANDRÉ JORDAN ANTÓNIO BRANDÃO MIRANDA APDL - ADMINISTRAÇÃO DOS PORTOS DO DOURO E DEE LEIXÕES, S.A. ÁREA METROPOLITANA DO PORTO ARSOPI - INDÚSTRIA METALÚRGICA, S.A. ÁRVORE COOPERATIVA DE ACTIVIDADES ARTÍSTICAS, CRL. ASA EDITORES II, S.A. ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DO PORTO ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE FARMÁCIAS AUTO SUECO, LDA. BA VIDRO, S.A. BANCO BILBAO VIZCAYA ARGENTARIA (PORTUGAL), S.A. BANCO BORGES & IRMÃO, S.A. BANCO BPI, S.A.. BANCO DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA, S.A. BANCO ESPIRÍTO SANTO, S.A. BANCO FINANTIA, S.A. BANCO FONSECAS & BURNAY BANCO INTERNACIONAL DE CRÉDITO, S.A. BANCO NACIONAL ULTRAMARINO BANCO PORTUGUÊS DO ATLÂNTICO, E.P. BANCO PRIVADO PORTUGUÊS, S.A. BANIF BANCO INTERNACIONAL DO FUNCHAL, S.A. BIAL PORTELA & Cª, S.A. BNP FACTOR, Cª INTERNACIONAL DE AQUISIÇÃO DE CRÉDITOS, S.A. BOSCH TERMOTECNOLOGIA, S.A. BPI - BANCO PORTUGUÊS DE INVESTIMENTO, S.A. BRISA - AUTO-ESTRADAS DE PORTUGAL, S.A. CAIXA GERAL DE DEPÓSITOS, S.A. CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS CÂMARA MUNICIPAL DE OVAR CÂMARA MUNICIPAL DE S. JOÃO DA MADEIRA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTA MARIA DA FEIRA CÂMARA MUNICIPAL DE SANTO TIRSO CÂMARA MUNICIPAL DE VIANA DO CASTELO CÂMARA MUNICIPAL DE VILA DE CONDE CÂMARA MUNICIPAL DE VISEU CÂMARA MUNICIPAL DO PORTO CEREALIS,SGPS, S.A. CHELDING, LDA.. CIMPOR - CIMENTOS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. CIN - CORPORAÇÃO INDUSTRIAL DO NORTE, S.A. CINCA - COMPANHIA INDUSTRIAL DE CERÂMICA, S.A. COMPANHIA DEE SEGUROS ALLIANZ PORTUGAL, S.A. COMPANHIA DEE SEGUROS FIDELIDADE MUNDIAL, S.A. COMPANHIA DEE SEGUROS TRANQUILIDADE, S.A. COMPANHIA PORTUGUESA DE HIPERMERCADOS, S.A. COTESI COMPANHIA DE TÊXTEIS SINTÉTICOS, S.A. CRÉDITO PREDIAL PORTUGUÊS, S.A. CTT - CORREIOS DE PORTUGAL, S.A. DILIVA - SOCIEDADE DE INVESTIMENTOS IMOBILIÁRIOS, S. A. EDIFER CONSTRUÇÕES PIRES COELHO & FERNANDES, S. A. EDP - ELECTRICIDADE DE PORTUGAL, S.A. EFACEC CAPITAL, SGPS, S.A. EL CORTE INGLÊS, S.A. ENTREPOSTO - GESTÃO E PARTICIPAÇÕES, SGPS, S.A.. ERICSSON TELECOMUNICAÇÕES, LDA. EURONEXT LISBON SGMR, S.A. EUROPARQUE - CENTRO ECONÓMICO E CULTURAL F. RAMADA, AÇOS E INDÚSTRIAS, S.A. FÁBRICA DE MALHAS FILOBRANCA, S.A. FERNANDO SIMÃO, SGPS, S..A. FILINTO MOTA,, SUCRS, S.A. FNAC - FÁBRICA NACIONAL DE AR CONDICIONADO FRANSCISCO JOSÉ MARQUES PINTO FROMAGERIES BEL PORTUGAL, S.A. FUNDAÇÃO ENGENHEIRO ANTÓNIO DE ALMEIDA FUNDAÇÃO LUSO - AMERICANA GALP ENERGIA, SGPS, S.A. ( PETROGAL-PETRÓLEOS DE PORTUGAL, S.A.) GALP ENERGIA, SGPS, S.A. (TRANSGÁS - SOCIEDADE PORTUGUESA DE GÁS NATURAL, S.A.) GAMOBAR SOCIEDADE DE REPRESENTAÇÕES, S.A. GESTIFUTE, S.A. GRUPO CIVILIZAÇÃO GRUPO MEDIA CAPITAL GRUPO NABEIRO - DELTA CAFÉS, SGPS, S.A. I. P. HOLDING, SGPS, S S.A. IBERSOL, SGPS, S.A. IMATOSGIL INVESTIMENTOS, SGPS, S.A. IMPÉRIO BONANÇA COMPANHIA DE SEGUROS, S.A. INDITEX, S.A. (ZARA PORTUGAL) INDÚSTRIAS TÊXTEIS SOMELOS, S.A. INTER IKEA CENTRE PORTUGAL, S.A. J. SOARES CORREIA, S.A. JBT - TECIDOS,, S.A. JERÓNIMO MARTINS, SGPS, S.A. JMA FELPOS, S.A. S JOÃO GONÇALVES JOÃO RENDEIRO JOÃO VASCO MARQUES M PINTO JOAQUIM MOUTINHO JORGE DE BRITO JORGE SAMPAIO JOSÉ BERARDOO JOSÉ DE MELLO - SAÚDE, SGPS, S.A. JOSÉ PAULO FERNANDES JVC HOLDING, SGPS, S.A. LUSOMUNDO, SGPS, S S.A. MACONDE, SGPS, S.A. MANOEL DE OLIVEIRA 3

4 MARIA ANTÓNIA PINTO DE AZEVEDO MASCARENHAS MARIA CÂNDIDA E RUI SOUSA MORAIS MÁRIO SOARES MARTIFER, CONSTRUÇÕES METALOMECÂNICAS, S.A. MARTINEZ GASSIOT, VINHOS, S.A. MCCANN ERICKSON, PORTUGAL, PUBLICIDADE, LDA. MCKINSEY & COMPANY METRO DO PORTO, S.A. MIGUEL PAIS DO AMARAL MILLENNIUM BCP MONTEPIO GERAL MORAIS LEITÃO, GALVÃO TELES, SOARES DA SILVA E ASSOCIADOS MOTA ENGIL, SGPS, S.A. N. QUINTAS, SGPS, S.A. NESTLÉ PORTUGAL, S.A. NORPRINT ARTES GRÁFICAS, S.A. OCIDENTAL SEGUROS PARQUE EXPO 98, S.A. PEDRO ALMEIDA FREITAS POLIMAIA SGPS, S.A. PORTGÁS - SOCIEDADE DE PRODUÇÃO E DISTRIBUIÇÃO DE GÁS, S.A. PORTUCEL EMPRESA PRODUTORA DE PASTA DE PAPEL, S.A. PORTUGAL TELECOM, SGPS, S.A. PRODUTOS SARCOL, S.A. PROSEGUR R. A. R. - REFINARIAS DE AÇÚCAR REUNIDAS, S.A. RANGEL INVEST INVESTIMENTOS LOGÍSTICOS, S.A. REFRIGE SOCIEDADE INDUSTRIAL DE REFRIGERANTES, S.A. REN, REDE ELÉCTRICA NACIONAL, S.A. RIMA, S.A. ROLPORTO (SOLEASING) RUMAPE, SGPS, S.A. SAG GESTE SOLUÇÕES AUTOMÓVEIS GLOBAIS, SGPS, S.A. SANTANDER TOTTA SANTOGAL, SGPS, S.A. SAP IBÉRIA SCC SOCIEDADE CENTRAL DE CERVEJAS, S.A. SIC - SOCIEDADE INDEPENDENTE DE COMUNICAÇÃO, S.A. SIEMENS, S.A. SOCIEDADE COMERCIAL TASSO DE SOUSA AUTOMÓVEIS, S.A. SOCIEDADE TÊXTIL A FLOR DO CAMPO, S.A. SOGRAPE VINHOS, S.A. SOJA DE PORTUGAL, SGPS, S.A. SOMAGUE, SGPS, S.A. SONAE SGPS, S.A. SOVENA GROUP SGPS, S.A. STCP - SOCIEDADE DE TRANSPORTES COLECTIVOS DO PORTO, S.A. TABAQUEIRA, S.A TERESA PATRÍCIO GOUVEIA TÊXTEIS CARLOS SOUSA, S.A. TÊXTIL MANUEL GONÇALVES, S.A. TMN TELECOMUNICAÇÕES MÓVEIS NACIONAIS, S.A. TOYOTA CAETANO PORTUGAL, S.A. UNIÃO DE BANCOS PORTUGUESES, S.A. UNICER BEBIDAS DE PORTUGAL, SGPS, S.A. UNIVERSIDADE DO MINHO UNIVERSIDADE DO PORTO VARZIM-SOL - TURISMO, JOGO E ANIMAÇÃO, S.A. VERA LILIAN COHEN ESPÍRITO SANTO SILVA VICAIMA - INDÚSTRIA DE MADEIRAS E DERIVADOS, S.A. VISTA ALEGRE ATLANTIS, S.A. VODAFONE PORTUGAL, COMUNICAÇÕES PESSOAIS, S.A. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO LUÍS GARCIA BRAGA DA CRUZ - Presidente RUI MANUEL CAMPOS GUIMARÃES - Vice-Presidente LUÍS MANUEL MOREIRA DE CAMPOS E CUNHA - Vice- Presidente ADALBERTO MANUEL DA FONSECA NEIVA DE OLIVEIRA- Vice-Presidente ELISA MARIA DA COSTA GUIMARÃES FERREIRA VERA MARGARIDA ALVES PIRES COELHO ANA MARIA ALMEIDA LEITE DE PINHO MACEDO SILVA ANDRZEJ FRANCISZEK SPITMAN JORDAN MANUEL EUGÉNIO PIMENTEL CAVALEIRO BRANDÃO CONSELHO FISCAL ANA MARGARIDA BARATA FERNANDES - Presidente JORGE NELSON QUINTAS ERNST & YOUNG AUDIT & ASSOCIADOS - SROC. SA. Representado por: António Manuel Dantas de Amorim DIRECÇÃO Directora Geral ODETE PATRÍCIO Director do Museu JOÃO FERNANDES Directora de Recursos e Projectos Especiais CRISTINA PASSOS Directora de Marketing e Desenvolvimento BÁRBARA MARTO Director Administrativo-Financeiro SALUSTIANO NOGUEIRA PLANO DE ACTIVIDADES 2011

5 5

6 PLANO DE ACTIVIDADES 2011

7 ÍNDICE 1. A FUNDAÇÃO DE SERRALVES HOJE UMA VISÃO ESTRATÉGICA E 9 2. PLANO DE ACTIVIDADES Criação Artística 2.2. Ambiente, Ecologia e Paisagem 2.3. Sensibilização e Formação de Públicos 2.4. Reflexão e Estudo sobre a Sociedade Contemporânea 2.5. Indústrias Criativas PROJECTOS ESPECIAIS 3.1. Autarquias 3.2. Certificação Ambientall 3.3. Estudo do Impacto Socioeconómico da Fundação 3.4. Estudo de Públicos 3.5. Voluntariadoo Serralves Sénior 3.6. Guardaria de Obras de Arte

8 PLANO DE ACTIVIDADES 2011

9 1. A FUNDAÇÃO DE SERRALVES HOJE ESTRATÉGICA UMA VISÃO Ao longo da sua existência, e em particular nos últimos anos, a Fundaçãoo de Serralves tem vindo a desenvolver-se harmonicamente de acordo com a Missão que definiu com base em 5 eixos estratégicos: CRIAÇÃO ARTISTICA Com particular relevância para as artes plásticas,, através da constituição de uma colecção internacional de arte contemporânea de referência e de um ambicioso programa de exposiçõess dos artistas portugueses e estrangeiross mais relevantes e de iniciativas de apoio aos jovens criadores. AMBIENTE, ECOLOGIA E PAISAGEM Valorizando o Parque como espaço de fruição pública e pretexto para a abordagem dos principais problemas ambientaiss do mundoo de hoje, no contextoo mais vasto de relações da arte com a paisagem. SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO DE PÚBLICOS Através de d programas educativos inovadores, adequados a todos os tipos de pessoas, dee todas as idades, de acções de grande visibilidade como o Serralves em Festa, a Festa do Outono, o Dia do Ambiente e a realização de Exposições Itinerantes de carácter pedagógico. REFLEXÃO CRÍTICA SOBRE A SOCIEDADE CONTEMPORÂNEA Através do estudo e debate em conferências e colóquios das principais questões do nosso tempo, quer a nível Nacional quer Internacional, com a participação de grandes pensadores no domínio das artes, das ciências sociais e das ciências experimentais. INDÚSTRIAS CRIATIVAS Como expressão da crescente relação entre a cultura e a economia, com grande potencial para a criação de emprego e de riqueza em domínios tão diversos como a arquitectura, o design, as tecnologias da informação, a publicidade, etc.. Esta é uma área em que Serralves, pelas suass características específicas de ponto de encontro entre empresários e artistas, 9

10 assumiu um papel pioneiro, criando a primeira Incubadora de Indústrias Criativas portuguesa INSERRALVES - já em funcionamento e promovendo, com a criação da ADDICT (Agência para o Desenvolvimento das Indústrias Criativas), a que preside, a constituição do primeiro Cluster de Indústrias Criativas em Portugal, na região Norte. Estes 5 grandes eixos, que se interligam e reciprocamente se potenciam, conferem à Fundação de Serralves um carácter único, no plano Nacional e Internacional, permitindo-lhe simultaneamente, uma focagem clara em objectivos precisos e uma visão abrangente da sociedade contemporânea, indispensável a uma instituição que, por natureza, tem que estar no centro dessa contemporaneidade. Baseando a sua actuação numa Visão estratégica que se define pelos seguintes princípios: Foco na contemporaneidade; Âmbito Internacional; Integração na comunidade; Abertura e incentivo ao debate de novas ideias; Pluridisciplinaridade; Abordagem Empresarial na gestão da Fundação; Sustentabilidade, actuando de forma exemplar, em relação às questões ambientais, sociais e financeiras. E desenvolvendo a sua acção de acordo nos seguintes Valores: Independência; Excelência institucional; Cooperação com o Estado na realização dos objectivos das políticas cultural e educativa; Valorização do papel dos Fundadores como mecenas e parceiros; Autonomia da programação; Rigor e eficiência na gestão dos recursos. A Fundação acredita que a sua cultura institucional, a par do entusiasmo e empenho de todos os que participam neste projecto, é um dos seus principais activos e motor do seu desenvolvimento. Esta singularidade de Serralves, a par de um modelo de gestão igualmente inovador, em que se concilia autonomia face aos interesses privados e independência face ao poder político, com uma metodologia de trabalho assente no estabelecimento de parcerias com os Fundadores e de cooperação activa com o Estado, as Autarquias e as Instituições da Sociedade Civil, de um grande rigor e eficiência na gestão dos recursos, são factores determinantes do sucesso deste projecto, que importa, pois, preservar e aprofundar, respondendo às dificuldades do presente e aos desafios do Futuro. PLANO DE ACTIVIDADES 2011

11 2. PLANO DE ACTIVIDADES CRIAÇÃO ARTÍSTICA ARTES PLÁSTICAS 1. PROGRAMAÇÃO LINHAS GERAIS A programação do Museu de Serralves para 2011 procura responder já às novas circunstâncias económicas que restringem as actividades da Fundação de Serralves. Uma exposição inaugurada em 2010, Àss Artes, Cidadãos!, irá prolongar-se por todo o primeiro trimestre do ano. Por outro lado, um importante conjunto de d exposições e actividades torna-se possível devido a uma candidatura a a fundos europeus quee financia o programa Improvisações/Colaborações. Algumas das exposições previstas são também realizadas ao abrigo a de protocolos financeiramente relevantes com alguns dos nossos Mecenas, como é o caso da exposição Às Artes, Cidadãos!, que conta com o apoio da Comissãoo Nacional para as Comemorações da República e do BPI, da exposição dedicada a Eduardo Batarda, apoiada pela EDP, ou da exposição de Thomass Struth, apoiada pelo BES. Para além da exposição de Batarda, a arte portuguesa encontra-se ainda representada nesta programação pela exposição dedicada aos arquivos de Ernesto de d Sousa, assim como pelas exposições individuais de José Barrias e de Leonor Antunes, esta últimaa organizada em co-produção com a Kunsteverein de Dusseldorf e, possivelmente, com o Musée d Art Moderne de la Ville de Paris. Uma importante co-produção internacional será a exposição dedicada a Thomas Struth, um dos mais importantes fotógrafos da actualidade, a qual teve início este ano na Kunsthalle de Zurique, circulando ainda por Dusseldorf e Londres (Whitechppel), antes de chegar ao Porto. O presentee programaa expositivoo responde,, apesar das restrições financeiras actuais, ao cumprimento do desígnio estratégico de mostrar a produção artística actual, de d artistas portugueses e estrangeiros mais relevantes, integrando os primeiros numa programaçã ão com impacto internacional e de promover iniciativas de apoio a jovens j criadores. 11

12 2. PROGRAM A DE EXPOSIÇÕESS 2.1. NO MUSEU Janeiro Março ÀS ARTES, CIDADÃOS! A exposição Às Artes, Cidadãos! incide sobre algumas das intersecções quee a arte e o político, entendido comoo acção, representação ou referência, manifestam m na actualidade. Salientam-see algumas questões que atravessam essa relação, as quais podem serr definíveis através de conceitos comoo activismo, cidadania, memória, arquivo, emigração, exílio, ideologia, revolução, utopia, iconoclastia, democracia, catástrofe, comunidade, crise, sexualidade, multiculturalismo, ambiente, globalização, etc. A exposição reúne obras produzidas por artistass nascidos a partir de 1961, 1 ano daa construção do muro de Berlim, um objecto que materializa uma divisão ideológica que marca m o século XX, cuja sombra continua ainda a marcar o pensamento político e cultural em inícios do século XXI. A escolha dessa data como referente e ela permite confrontarr uma história que irá, pelo menos, do presente até à Comuna de Paris, em 1871 tem ainda como intenção sublinhar a relevância doo político na produçãoo artística das duas últimas décadas, uma constatação realizada a partir das obras de muitos autores cujo trabalho se afirmou nestes anos. Simultaneamente, a exposição incluirá uma secção histórica, em que cartazes, revistas e publicações de artistas tornarão visíveis as referências ao político ao longo da história daa arte que precede a geração dos artistas agoraa apresentados. Os comissários da exposição são João Fernandes, directorr do Museu de Serralves, Óscar Faria, crítico de arte, e Guy Schraenen, coleccionador e curadorr especializado em publicações de artistas. A exposição resume um desejo de actualidade que não deixa de revisitar o passado, olhando para a história e participando na construçãoo do presente. Às Artes, Cidadãos! levantará questões mais do PLANO DE ACTIVIDADES 2011

13 que produzirá respostas; interpelará o visitante, convidando-o a reflectir r a partir de obras e ideias produzidas por autores que constatam a necessidade da arte ser uma possível plataforma para a construçãoo de uma consciência política. Não deixará deste modo de dar continuidade a uma tradição republicana do museu, evidentee desde quee o Louvre abriu as suas portas ao público em 1793, no ano seguinte à criação da república francesa. Contudo, se no passado a referência política em arte no século XX, dos primeiros modernismos às décadas de 1960 e 70,, foi tambémm um modoo de contestação e de crítica institucional ao papel do museuu na sociedade, importa hoje interrogar o lugar da referência política num mundo onde a arte é também cada vez mais uma evidência de e uma sociedade globalizada na sua economia e cultura. Comissariado: Óscar Faria, Joãoo Fernandes e Guy Schraenen Produção: Fundação de Serralves Artistas: Ahlam Shibli (Palestina), Ahmet Ögüt (Turquia), André Romãoo (Portugal), Andrea Geyer (Alemanha), António de Sousa (Portugal), Asier Mendizabal (Espanha),( Bureau d Études: Léonore Bonaccini and Xavier Fourt (França), Carlos Motta (Colômbia), Carolina Caycedo (Reino Unido), Chto Delat (Russia), Claire Fontaine (Itália/RU/França), Danh Vo (Vietname / Dinamarca), Gardarr Eide Einarsson (Noruega), Gert Jan Kocken (Holanda), João Sousa Cardoso (Portugal), Silva (Portugal), Matias Faldbakken (Noruega), Nicoline vann Harskamp (Holanda), Pedro G. Romero (Espanha), Rigo 23 (Portugal), Rosella Biscotti (Itália), Sam Durant (USA), Sharon Hayes (USA), Shilpa Gupta (India), Simon Wachsmuth ( Alemanha), Stefan Brüggmann (México), Tom Nicholson (Austrália), Vangelis Vlahos (Grécia), Zachary Formwalt (USA). GIL J WOLMAN, SOU IMORTAL E ESTOU VIVO Esta mostra, a primeira exposição monográfica dedicada à obra do artista francês Gil J Wolman ( ) realizada em Portugal, consiste em obras e documentos que investigam a intersecção e a alteração das linguagens visual e textual. Nela se incluem as peças mais importantes e fecundas do artista, algumas das quais nunca tinham sido expostas. Wolman foi um destacado membro do movimentoo artístico e intelectual criado em meados dos anoss 1940 e designado letrismo. Os seus representantes exploravam novas sínteses entre a escrita e ass artes visuais. A revolução letrista 13

14 também implicou a crítica da vida social e política e um compromis so pessoal com aquilo a que os próprios artistass chamavamm uma nova maneira de viver a vida. Devido à quantidade e à qualidade de obras, documentos e publicações que a constituem, esta exposição é uma espécie de enciclopédia do letrismo. Exibindo todas as técnicas e todos os recursos criativos de Wolman, da pintura ao cinema, passando pela colagem e pelas obras com fita adesiva (nos anos 1960 e 1970 ficou conhecido pelas suas peças scotch art ) a exposição sublinha o modo comoo o artista reformulou a natureza da relação entree a palavra e, por um lado a imagem, por outro o mundo. Comissariado: Frédéric Acquaviva Co-produção: Museu de Serralves, Porto e MACBA, Barcelona Abril - Outubro IMPROVISAÇÕES/COLABORAÇÕES Do dadaismo ao surrealismo, do futurismo ao construtivismo, encontramoss o aparecimento da improvisação como uma das características maiss inovadoras das vanguardas, combinada com o uso do acaso e com a colaboração entre artistas, muitas vezes provenientes de diferentes linguagens, l géneros e práticas artísticas. Esta experiência das primeiras vanguardas será revisitada nas décadas de 60 e de 70, redefinindo a natureza do processo artístico e doss seus resultados, incorporandoo frequentes vezes o espectador, construindo plataformas colectivas dee colaboração entre áreas muito diferenciadas entre si, como as artes visuais, a performance, a dança, a música, o teatro, o cinema e o vídeo. Nos nossos dias, toda esta história é umaa das maiores referências para o desenvolvimento do trabalho dos jovens artistass contemporâneos em todas estas áreas. Improvisações/Colaborações é um ciclo de numerosas manifestaçõess culturais que, ao longo de três meses, entre Abril e Junho de 2011, articularáá o programa do Museu de Arte Contemporânea de Serralves com os programas de numerosas entidades artísticas independentes que, na Região Norte, têm assumido o protagonismo das novas cenass culturais, originando a produção de exposições e de espectáculos específicos que cruzarão as experiências de diferentes artistas portugueses e estrangeiros. Todas as iniciativas constantes desta programação serão desenvolvidas por grupos de PLANO DE ACTIVIDADES 2011

15 artistas, projectos criativos autónomos e espaços independentes, escolas profissionais, empresas de produção e de comunicação. Na programação, o Museu funcionará como um lugar de contextualização histórica do papel da improvisação e da colaboração entre artistas ao longo do último século, enquanto numerosos outros espaços na cidade serão lugar de novas criações e produções especificame mente projectadas paraa este contexto. As artes do espaço ( as artes visuais propriamente ditas) serão cruzadas com as artes do tempo (todas as artes performativas mais aquelas que envolvem a imagem em movimento), em formatos mistos que possibilitarão influências recíprocas e a optimização dos contributos de cadaa uma das áreas envolvidas. OFF OF THE WALL Off the Wall reúnee trinta acções performativas de artistas, emm trabalhoss realizados desde 1946 até ao presente, assim como sete obras icónicas de Trisha Brown. A exposiçãoo é produzida pelo Whitney Museum of Contemporary Art. As performances consistem de acções usando o corpo em frente da câmara, ou em relação com uma superfície fotográfica ou impressa, ouu um desenho. Cada acção desloca o local da obra de um objecto para o corpo, actuando em relaçãoo com, ou directamente no espaço físico do Museu, Artistas: Vito Acconci, Carl Andre, John Baldessari, Dara Birnbaum, Jonathan Borofsky, John Coplans, Maya Deren, Jimmy DeSana, Trisha Donnely, Simone Forti, Daraa Friedman, Jack Goldstein, Scott Grieger, Walter Gutman, David Hammonds, Lyle Ashton Harris, Jenny Holzer, Peter Hujar, Joan Jonas, Richard Kostelanetz, Les Levine, Roy Lichtenstein, Kalup Linzy, Robert Longo, Robert Mapplethorpe, Paul MacCarthy, Ray K. Metzker, MICA-TV, Robert Morris, Bruce Nauman, Yokoo Ono, Dennis Oppenheim, Tony Oursler, Jack Pierson, Yvonne Rainer, Charles Ray, Martha Rosler, David Salle, Lucas Samaras, Richard Serra, Cindy Sherman, Laurie Simmons, Keith Sonnier, Andy Warhol, Hannah Wilke, Francesca Woodman, Jordann Wolfson. Comissariado: Chrissie Iles Co-Produção: Whitney Museum for Contemporary Art, Fundaçãoo de Serralves 15

16 ROBERT MORRIS: VIDEOS E BODYSPACEMOTIONTHINGS Robert Morris é um dos mais importantes artistas conceptuais norte-americanos, cuja participação foi decisiva nas actividades da Judson Church. Esta exposição apresentará pela primeira vez os seus videos criados conjuntamente com Bodyspacemotionthings, uma instalação participatória onde o artista convida o público a subir, a escorregar e a balançar através de grandes elementos de escultura. Criado em 1971 para a inauguração de uma exposição na Tate Gallery, Londres, e reconstituída recentemente no Fim-de-semana Longo da Tate Modern, consiste de objectos tais como cilindros, rampas, túneis e paredes de escalada. Será feita nova reconstrução dessa instalação para apresentação no Museu de Serralves. Maio - Setembro JOSÉ BARRIAS José Barrias (1944) é um artista português residente em Milão que inicia o seu trabalho em finais da década de 70, construindo narrativas visuais através do desenho, da pintura, da fotografia e da instalação. A memória íntima articula-se com a memória dos lugares e da História nos seus trabalhos. O tempo como passagem é convocado a partir da acumulação de vestígios e de referências onde a composição visual resulta da convergência das imagens e das histórias. O romance filosófico adquire assim a dimensão de um romance visual. Ou de quase um romance, como diria Barrias, que assume o inacabado ou o imperfeito como condição da obra aberta que as suas narrativas constituem. A exposição de José Barrias no Museu de Serralves dá continuidade a projectos seus existentes na Colecção da Fundação, retomados e modificados a partir de novas condições de apresentação, juntamente com novos projectos que o artista se encontra a produzir especificamente para este momento. Comissário: João Fernandes Produção: Fundação de Serralves PLANO DE ACTIVIDADES 2011

17 Outubro - Dezembro THOMAS STRUTH A partir do início dos anos 1980, o fotógrafo de Düsseldorf Thomass Struth desenvolveu uma abordagem dos temas característica e um repertório intrigante, ao mesmo tempo que permanecia atento às possibilidades específicas do medium fotográfico. Trabalhando numa época caracterizada por uma sobrecarga de imagens extremamente trabalhadas e mediadas, m Struth dotou a fotografia de uma intensidade e uma integridade renovadas. A exposição passa em revista a obra de Struth ao longo de trêss décadas e inclui grupos alargados de cada uma das famílias ou séries que constituem o corpo da obra: o fotografias a preto e branco de cidades europeias, asiáticas e americanas s, retratos de família e impressões a cor em grande escala realizadas em selvas e florestas densas, no interior de alguns dos maiores museus do mundo e em locais de culto comoo templos e catedrais. Culmina com um importante conjunto de novos trabalhos apresentados pela primeira vez em Zurique. Reunindo cerca de uma centena de obras, é a exposição mais abrangente da obra de Struth realizada até à data e revela a complexidade do modo como o artista vê e representa o mundo. Comissariado: James Lingwood Co-produção: Kunsthaus Zurich, K20 Dusseldorf, Fundação de Serralves e Whitechapel, Londres 17

18 EDUARDO BATARDA (Vencedor Grande Prémio EDP -2008) Eduardo Batardaa (Coimbra, 1943) é um dos nomes fundamentais da pintura p portuguesa. Começou, na década de 1960, por praticar uma pintura figurativa em que a cultura pop, nomeadamente as técnicas e métodos da banda desenhada e da ilustração, era uma clara referência. Caracteriza esta fase a disjunção entre imagens violentas servidas por um humor acutilante e desinibido.. O seu livro intitulado O peregrino blindado (the blind penguin) (1970), posteriormente traduzida para aguarelas, traduz bem o carácter dessacralizador e irónico da suaa arte, que também pode ser vista como um arrasadorr retrato social e político do Portugal de então. A exposição em Serralves, quee acontece depois da atribuição a Eduardo Batarda de um dos prémios artísticos portugueses mais legitimantes, o Grande Prémio EDP, apresentará trabalhos antigos, que permitem leituras políticass anti-fascistas, anti- colonialistas e anti-imperialistas, e pinturas recentes, que partilham o mesmo humor dessacralizante e paródico, mas que, no seu enganador formalismo, nos seus jogoss compositivos tendencialmentee abstractos, nas múltiplas referências eruditass que convocam, sublinham uma postura irónica e distanciada em relação às virtudes militantes da arte. Comissariado: João Pinharanda e João Fernandes Produção: Fundação de Serralves BES REVELAÇÃO No contexto nacional as oportunidades para um jovem artista apresentar o seu trabalho são escassas. Por este motivo, uma iniciativa como a do Prémio Bes Revelação aberto a todos quantos nele desejem participar, onde 4 trabalhos são seleccionados por um júri internacional e a quemm são proporcionadas condições excepcionais de produção de trabalho, difíceis de obter por jovens artistas, assume particular relevância. Um prémio específico na área da fotografia reconhece e representa as várias possibilidades criativas do uso deste media na experiência artística contemporânea. Comissariado: Margarida Mendes Produção: Fundação de Serralves PLANO DE ACTIVIDADES 2011

19 2.2. NA CASA Julho - Setembro LEONOR ANTUNES Leonor Antunes (Lisboa, 1972) é uma artista portuguesa a viver e trabalhar em Berlim desde Apesar de ter alcançado um considerável reconhecimento internacional, com exposições em museus internacionais legitimantes e artigos monográficos em reputadas revistas de arte, têm sido raros os momentos de apresentação do seu trabalhoo em Portugal. Esta exposição na Casa de Serralves permitirá ao público português um contacto privilegiado com a sua produção artística dos últimos dez anos, ao mesmo tempoo que apresentará projectos inéditos, concebidos especificamente para os espaços da Casa na verdade, o trabalho de Leonor Antunes sempre se relacionou intimamente com a arquitecturaa e com as características dos espaços paraa onde é convidada a expor. As suas esculturas mais antigas, sóbrias, quase invisíveis, já apontavam para detalhes e singularidades dos edifícios onde expunha partiam muitas vezes da duplicação de elementos arquitectónicos, propondo experiências dos espaços que afectavam a nossa percepção dos mesmos. Mais tarde, já em Berlim, a artista insistirá na ideia de duplicação, desta vez replicando e descontextualizando fragmentos de edifícios desenhados por arquitectos como Hans Scharoum, Rolf Gutbrod e Werner Düttman, duplicados s depois da divisão da cidadee (que passou a ter duas bibliotecas, dois teatros, etc.). Recenteme ente, Antunes centrou a sua atenção no trabalho de vários arquitectos modernistas casos de, entree outros, Eillen Gray, Carlo Mollino e Flávio de Carvalho transferindo para esculturas, frequentemente replicando à escala real, formas, padrões, materiais e detalhes do mobiliário. Comissariado: Nuria Enguita Co-produção: Kunstverein Dusseldorf e Fundação de Serralves 19

20 2.3. EXPOSIÇÕES ITINERANTES O programa de exposições itinerantes para 2011 é consentâneo com os objectivos estratégicos da instituição, no que respeita à criação de parcerias em todo o país de modo a apoiar a revelação de novos valores, divulgar a Colecção de Serralves e qualificar a programação de equipamentos existentes. PROGRAMA EXPOSITIVO PARA AUTARQUIAS Serralves apresenta novamente uma série de exposições itinerantes diversificadas e investe na promoção de um conjunto de exposições adaptadas ao contexto autárquico. O Programa Antena é retomado, como forma de revelar novos valores, sendo apresentadas duas exposições Antena em Reforça-se, em simultâneo, o âmbito geográfico das colaborações com autarquias e outras entidades, apresentando-se um programa que visa realizar exposições em todo o país: Norte, Centro, Alentejo, LVT, Algarve e Ilhas. Após a apresentação em 2010 da exposição Impressões e Comentários, que reúne fotografia das colecções de Serralves e do BES, em Barcelona e em Valencia, esta circulará em Portugal, em 2011, por várias autarquias. Além disso, a Fundação continua a promover a exposição A Razão das Coisas, que reúne trabalhos de Júlio Pomar, Gerard Castello Lopes e António Rodrigues, apresentando-a no próximo ano em duas autarquias. No que respeita a exposições pontuais, apresentar-se-á Manoel de Oliveira / José Régio em Portalegre, num dos dois momentos das comemorações da instalação de José Régio em Portalegre, que decorrem este ano e o próximo (80 anos da instalação de José Régio em Portalegre em 2010 e 40 anos da Casa Museu em 2011). Além disso, a Fundação de Serralves participará no Allgarve 2011, em articulação com câmaras locais, em termos a confirmar. BIBLIOTECAS A aposta nas Bibliotecas constitui um novo vector de colaboração, iniciado em 2010 com a oferta alargada de publicações de Serralves às Bibliotecas Municipais das autarquias nossas Fundadoras, através da proposta de realização do projecto e da disponibilização da exposição Gateways. O projecto reunirá várias Câmaras Fundadoras e terá uma primeira exposição no último trimestre de A exposição que integra o projecto intitulada Do Rato Mickey a Andy Warhol estará em digressão pelos restantes 4 parceiros ao longo de Por sua vez, a exposição Gateways, apresentada no Silo-Cultural do NorteShopping é retomada para circulação, desta vez numa proposta para Bibliotecas, pois os seus conteúdos permitem uma excelente exploração de actividades pedagógicas em torno do Livro, sendo totalmente flexível a sua adaptação aos espaços expositivos. PLANO DE ACTIVIDADES 2011

FUNDAÇÃOSERRALVES PROGRAMA DE VOLUNTARIADO O

FUNDAÇÃOSERRALVES PROGRAMA DE VOLUNTARIADO O PROGRAMA DE VOLUNTARIADO Cara(o) Voluntária(o) A Fundação de Serralves agradece a sua participação no Programa do Voluntariado, estando convictos que, com o seu empenho e vontade, esta iniciativa será

Leia mais

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão.

a favor do contributo profissional e cívico dos arquitectos Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Projecto Os anos do mandato que terminámos foram anos difíceis para a profissão. Tempo de escassa encomenda e recursos económicos e consequentemente de alteração de paradigmas sociais e profissionais.

Leia mais

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal

PEDRO SOUSA VIEIRA. Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal PEDRO SOUSA VIEIRA Galeria Belo-Galsterer Rua Castilho 71, RC, Esq. 1250-068 Lisboa - Portugal www.belogalsterer.com galeria.belogalsterer@gmail.com +351-213815914 VITA Pedro Sousa Vieira Nasceu no Porto,

Leia mais

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS

ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS ANEXO III PROGRAMAÇÃO ARTÍSTICA LINHAS ORIENTADORAS E OBJETIVOS CENTRO CULTURAL VILA FLOR A programação do Centro Cultural Vila Flor deverá assentar em critérios de qualidade, diversidade, contemporaneidade

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014. Capítulo I. Introdução

PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014. Capítulo I. Introdução PLANO DE ACTIVIDADES DA FUNDAÇÃO ARPAD SZENES VIEIRA DA SILVA 2014 Capítulo I Introdução 1. O Plano de actividades que agora se apresenta insere-se na estratégia aprovada, no ano passado, pelo Conselho

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade

Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Memória descritiva do projecto Sanjonet Rede de Inovação e Competitividade Candidatura aprovada ao Programa Política de Cidades - Redes Urbanas para a Competitividade e a Inovação Síntese A cidade de S.

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças

>>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico. as nossas cidades retratadas por crianças >>>>>>>>>>>>>>>> passeio fotográfico as nossas cidades retratadas por crianças ----------------------------------------------------------- departamento de promoção da arquitectura educação pela arquitectura

Leia mais

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social

02-07-2015 PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA. Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social PROGRAMA DE VOLUNTARIADO CULTURAL DA FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Tânia Semedo Silva Técnica da Área Social 1 A FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA Estabelecida em 1963 por Vasco Maria Eugénio de Almeida Missão:

Leia mais

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008

PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 PLANO DE ACÇÃO E ORÇAMENTO PARA 2008 O ano de 2008 é marcado, em termos internacionais, pela comemoração dos vinte anos do Movimento Internacional de Cidades Saudáveis. Esta efeméride terá lugar em Zagreb,

Leia mais

REPÚBLICA NAS ESCOLAS

REPÚBLICA NAS ESCOLAS REPÚBLICA NAS ESCOLAS COM O APOIO DE: http://www.centenariorepublica.pt/escolas escolas@centenariorepublica.pt República nas Escolas Descrição e Objectivos O tema Centenário da República deverá ser um

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS

REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS REGULAMENTO DO CONCURSO NACIONAL DE IDEIAS CIDADES CRIATIVAS, REFLEXÃO SOBRE O FUTURO DAS CIDADES PORTUGUESAS Dirigido aos alunos do 12.º ano da área curricular não disciplinar de Área de Projecto - 1.ª

Leia mais

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade.

b. Promover a contribuição das artes e humanidades, assim como das ciências, na educação para sustentabilidade. Integrar, na educação formal e na aprendizagem ao longo da vida, os conhecimentos, valores e habilidades necessárias para um modo de vida sustentável. b. Promover a contribuição das artes e humanidades,

Leia mais

Produção Multimédia Interactiva

Produção Multimédia Interactiva Produção Multimédia Interactiva Candidaturas 2012/13 secretaria@ipa.univ.pt http://pmi.ipa.univ.pt www.ipa.univ.pt IPA Instituto Superior Autónomo de Estudos Politécnicos No IPA prosseguimos os seguintes

Leia mais

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social

Membro da direcção da Revista Intervenção Social Investigadora do CLISSIS Doutoranda em Serviço Social A investigação do Serviço Social em Portugal: potencialidades e constrangimentos Jorge M. L. Ferreira Professor Auxiliar Universidade Lusíada Lisboa (ISSSL) Professor Auxiliar Convidado ISCTE IUL Diretor

Leia mais

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA

2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA 2.ª CONFERÊNCIA MOBILIDADE URBANA Gestão Inteligente e Competitividade 15 de Setembro 2011 Museu da Carris Conheça as estratégias nacionais e internacionais para uma gestão eficiente da mobilidade urbana

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA

CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA CÂMARA MUNICIPAL DE LISBOA DIRECÇÃO MUNICIPAL DE CULTURA GRUPO DE TRABALHO PARA AS COMEMORAÇÕES MUNICIPAIS DO CENTENÁRIO DA REPÚBLICA PLANO DE ACTIVIDADES (2010) Lisboa, Dezembro de 2009 1 Comemorações

Leia mais

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011

Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 Projecto Anual com Escolas Ano lectivo 2010/2011 1. Enquadramento O Serviço Educativo da Casa das Histórias Paula Rego é entendido como um sector de programação que visa uma mediação significativa entre

Leia mais

CURRICULUM VITAE. A - Identificação, habilitações, profissão e actividades na área do Direito. Participação: colóquios; encontros; cursos; seminários.

CURRICULUM VITAE. A - Identificação, habilitações, profissão e actividades na área do Direito. Participação: colóquios; encontros; cursos; seminários. CURRICULUM VITAE A - Identificação, habilitações, profissão e actividades na área do Direito Nome: GUILHERME COELHO DOS SANTOS FIGUEIREDO. Naturalidade: FREGUESIA DE MASSARELOS, CONCELHO DO PORTO. Data

Leia mais

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009

FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009. Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 FÓRUM DE PESQUISA CIES 2009 Olhares sociológicos sobre o emprego: relações laborais, empresas e profissões 18 de Dezembro de 2009 EMPRESAS E INOVAÇÃO Luísa Oliveira luisa.oliveira@iscte.pt Luísa Veloso

Leia mais

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016

MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 PROJECTO CONJUNTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO MÉXICO 2015-2016 MISSÃO EMPRESARIAL AO MÉXICO 19-27 Fev. 2016 INSCRIÇÕES ATÉ 15 DE JANEIRO 2016 Promotor: Co-financiamento: Monitorização: Foto: Miguel Moreira

Leia mais

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial. CoP de Gestão do Conhecimento Notas da sessão presencial de 24 de Março de 2014 Realizou-se dia 24 de Março, na Maia, nas instalações da Sonae Learning Center, a 6ª sessão da CoP, desta vez presencial.

Leia mais

Projecto Integrado da Baixa da Banheira

Projecto Integrado da Baixa da Banheira Projecto Integrado da Baixa da Banheira 1. INTRODUÇÃO O Projecto Integrado da Baixa da Banheira nasce de uma parceria entre a Câmara Municipal da Moita e o ICE tendo em vista induzir as Associações da

Leia mais

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS

7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS UMA INICIATIVA INTEGRADA NA: URBAVERDE FEIRA DAS CIDADES SUSTENTÁVEIS ª 7.ª GRANDE CONFERÊNCIA DO JORNAL ARQUITECTURAS ARRENDAMENTO E REABILITAÇÃO: DINAMIZAR O MERCADO, REGENERAR A CIDADE 12 de Abril de

Leia mais

Recursos Humanos em Portugal

Recursos Humanos em Portugal O Maior Salão Profissional de Recursos Humanos em Portugal 9.ª Edição 17e 18 de Março de 2010 Centro de Congressos do Estoril www.ife.pt OS DECISORES SÃO UMA PRESENÇA GARANTIDA + 2000 profissionais de

Leia mais

Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal

Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal Análise de Resultados do Estudo sobre o Estado de Arte das Práticas de Sustentabilidade em Portugal Release 2007 presentation by: to: on: Name of Person Location/company Insert date Índice Introdução...1

Leia mais

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX)

ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) ESPAÇOS E ACTORES DA CIÊNCIA EM PORTUGAL (XVIII-XX) C O O R D E N A Ç ÃO Maria Fernanda Rollo Maria de Fátima Nunes Madalena Esperança Pina Maria Inês Queiroz SUMÁRIO INTRODUÇÃO 7 ESPAÇOS E ACTORES: LUGARES

Leia mais

PROJECTO MOVING CINEMA

PROJECTO MOVING CINEMA PROJECTO CICLO DE PROJECÇÕES CONVERSA DEDICADO AOS JOVENS E SEMINÁRIO 11 e 12 de Maio de 2015 Moagem Cidade do Engenho e das Artes (Fundão) Este projecto pretende desenvolver estratégias inovadoras para

Leia mais

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista

Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique. Programa de Acção. Luis Filipe Baptista Candidatura a Presidente da Escola Superior Náutica Infante D. Henrique Programa de Acção Luis Filipe Baptista ENIDH, Setembro de 2013 Motivações para esta candidatura A sociedade actual está a mudar muito

Leia mais

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições

Formadores (1º ano) Locais das oficinas. Data limite de inscrições Sementes para a Criatividade É uma acção de formação constituída por duas oficinas, uma de escrita criativa e outra de artes plásticas, em que se prevê: a criação de uma narrativa ilustrada que será submetida

Leia mais

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO

PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO PRESSUPOSTOS BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO NO ALENTEJO ÍNDICE 11. PRESSUPOSTO BASE PARA UMA ESTRATÉGIA DE INOVAÇÃO 25 NO ALENTEJO pág. 11.1. Um sistema regional de inovação orientado para a competitividade

Leia mais

CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE"

CICLO DE CONFERÊNCIAS 25 ANOS DE PORTUGAL NA UE Boletim Informativo n.º 19 Abril 2011 CICLO DE CONFERÊNCIAS "25 ANOS DE PORTUGAL NA UE" A Câmara Municipal de Lamego no âmbito de atuação do Centro de Informação Europe Direct de Lamego está a promover

Leia mais

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006

Diálogo 5 + 5. Quinta Conferência Ministerial. sobre a Migração no Mediterrâneo Ocidental Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Diálogo 5 + 5 Quinta Conferência Ministerial sobre a "Migração no Mediterrâneo Ocidental" Algeciras, 12 e 13 de Dezembro de 2006 Conclusões da Presidência Nos dias 12 e 13 de Dezembro de 2006 teve lugar

Leia mais

WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM

WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM WORKSHOP DE DANÇA INCLUSIVA ORIENTADO POR ANA RITA BARATA COMPANHIA CIM DIAS/HORÁRIOS 24 e 25 de Outubro > 14h às 17h Apresentação final dia 25 de Outubro às 18h NºPARTICIPANTES Mínimo 8 / Máximo 20 Nota

Leia mais

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014

RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 associação cultural sem fins lucrativos Rua Roberto Ivens, 582 4450-248 Matosinhos. Portugal T + 351 222 404 663/4 www.casadaarquitectura.pt info@casadaarquitectura.pt RELATÓRIO DE ATIVIDADES 2014 ENQUADRAMENTO

Leia mais

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS

VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS VAMOS PROCURAR A ARQUITETURA 2ª Edição I ESPAÇOS PÚBLICOS A Secção Regional do Norte da Ordem dos Arquitectos (OASRN) convida todas as Instituições de Ensino da Região Norte, a participar na 2ª edição

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural Licença para Criar: Imigrantes nas Artes em Portugal Magda Nico, Natália Gomes, Rita Rosado e Sara Duarte Maio de 2007, Estudos OI 23 Alto Comissariado para a Imigração e Diálogo Intercultural (ACIDI)

Leia mais

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014

AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 AGENDA DE NOVEMBRO E DEZEMBRO DE 2014 O Agrupamento de Escolas N.º2 de Abrantes tem como um dos seus objetivos a plena integração na comunidade de que faz parte. Surge assim como natural a divulgação das

Leia mais

CURRÍCULO JOSÉ MANUEL GALVÃO TELES exerce advocacia desde 1961. Actualmente é fundador e senior partner da Morais Leitão, Galvão Teles, Soares da Silva & Associados Sociedade de Advogados. Simultaneamente

Leia mais

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012

Apoio à Internacionalização. CENA 3 de Julho de 2012 Apoio à Internacionalização CENA 3 de Julho de 2012 Enquadramento Enquadramento Comércio Internacional Português de Bens e Serviços Var. 13,3% 55,5 68,2 57,1 73,4 48,3 60,1 54,5 66,0 67,2 61,7 Exportação

Leia mais

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com

Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Ciência na Cidade de Guimarãeswww.ciencianacidade.com Cidade de Guimarães Faixas Etárias do Concelho 65 ou mais 24-64 anos 15-24 anos 0-14 anos 0 20000 40000 60000 80000 100000 População do Concelho 159.576

Leia mais

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE

NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE NEWSLETTER Nº 13 JANEIRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES EM DESTAQUE A LINK THINK AVANÇA COM PROGRAMA DE FORMAÇÃO PROFISSONAL PARA 2012 A LINK THINK,

Leia mais

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE

REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE REPENSAR O TURISMO EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE Num contexto de modernização e inovação constante, torna-se imperioso e urgente criar uma legislação turística em São Tomé e Príncipe, sendo este um instrumento

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13

ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 02 HISTÓRIA 02 OBJECTIVOS 02 CURSOS 04 CONSULTORIA 06 I&D 07 DOCENTES 08 FUNDEC & IST 09 ASSOCIADOS 10 PARCERIAS 12 NÚMEROS 13 QUEM SOMOS FUNDEC APRESENTAÇÃO HISTÓRIA OBJECTIVOS A

Leia mais

Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas )

Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas ) Ideias finais (Concurso Nacional de Ideias Cidades Criativas ) O Concurso "Cidades Criativas", iniciativa dirigida a jovens alunos de Área de Projecto do 12.º ano, chegou ao fim. Durante cerca de nove

Leia mais

APRESENTAÇÃO. 1 Com o projecto inicial do Dicionário de História Empresarial previu-se o seguinte plano de execução: I

APRESENTAÇÃO. 1 Com o projecto inicial do Dicionário de História Empresarial previu-se o seguinte plano de execução: I Séculos XIX e XX. Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2013-2014. 2 vols. APRESENTAÇÃO No tempo presente chegam-nos diariamente notícias da situação do sistema financeiro relacionadas com o momento

Leia mais

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia:

- PERFIL DO GRUPO - O Portfólio de negócios, obedece a um critério de maturidade e geração de valor, no qual o Grupo, concilia: GRUPO FERREIRA A GFH, é um Grupo sólido e inovador, detendo um curriculum de projectos de qualidade reconhecida, com um portfólio de negócios diversificado, e que aposta no processo de internacionalização,

Leia mais

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA

EDP. PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA EDP PREPARAR A ECONOMIA DO CARBONO Eficiência energética em alerta vermelho EMPRESA O Grupo EDP Energias de Portugal centra as suas actividades na produção, distribuição e comercialização de energia eléctrica,

Leia mais

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que:

(2006/C 297/02) considerando o seguinte: constatando que: C 297/6 Resolução do Conselho e dos Representantes Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, relativa à realização dos objectivos comuns em matéria de participação e informação dos jovens para

Leia mais

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007

XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 XIV Jornadas Pedagógicas de Educação Ambiental Ambiente, Saúde e Qualidade de Vida Lisboa, 26 e 27 de Janeiro de 2007 Projecto Carta da Terra. Instrumento de Sustentabilidade. Balanço e Perspectivas Manuel

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009 Exploração de domínios analíticos para a redescoberta da Colóquio Letras Maria Inês Cordeiro e António Tavares Lopes Panorama da edição e utilização das publicações periódicas Coimbra, 6 de Maio de 2009

Leia mais

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA

PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA PRÉMIO EMPREENDEDORISMO INOVADOR NA DIÁSPORA PORTUGUESA 2015 CONSTITUIÇÃO DO JÚRI Joaquim Sérvulo Rodrigues Membro da Direcção da COTEC Portugal, Presidente do Júri; Carlos Brazão Director Sénior de Vendas

Leia mais

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO

VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL. ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL ESCOLA SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DE VIANA DO CASTELO ------------8 de MAIO - 9H30 ÀS 12H40 APOIO VÍDEO NA ESCOLA ENCONTRO SOBRE EDUCAÇÃO AUDIOVISUAL As mensagens

Leia mais

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto

DOSSIER DE IMPRENSA. ICAL, 25 anos em imagens. Museu dos Transportes e Comunicações do Porto DOSSIER DE IMPRENSA ICAL, 25 anos em imagens Museu dos Transportes e Comunicações do Porto De 1 ao 22 de Dezembro de 2014 DOSSIER DE IMPRENSA Índice 1. Apresentação da exposição 2. Ical, 25 anos contando

Leia mais

Rua Faria Guimarães, 494 2º Esq. 4000-205 Porto +351 965 371 568 olinda@mdemaria.com www.mdemaria.com

Rua Faria Guimarães, 494 2º Esq. 4000-205 Porto +351 965 371 568 olinda@mdemaria.com www.mdemaria.com CURRICULUM VITAE olinda martins 01.junho.2012 INFORMAÇÃO PESSOAL nome filiação data de nascimento naturalidade bilhete de identidade contribuinte estado civil carta de condução Maria Olinda Carneiro Martins

Leia mais

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes:

O presente documento suporta a apreciação do ponto 3 da Agenda da reunião da Comissão de Acompanhamento de 13/11/07, sendo composto por duas partes: EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE PME (SI QUALIFICAÇÃO PME) O presente documento suporta a apreciação do ponto 3

Leia mais

22 e 23 de Setembro de 2014 Funchal

22 e 23 de Setembro de 2014 Funchal 22 e 23 de Setembro de 2014 Funchal Apoios Instituto de Direito do Trabalho da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa (IDT) Empresa de Electricidade da Madeira ACIF - Associação Comercial e Industrial

Leia mais

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução

Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas. Introdução Metas de Aprendizagem 1.º Ciclo Expressões Artísticas Introdução A Educação Artística no Ensino Básico desenvolve-se em quatro grandes áreas (Expressão Plástica e Educação Visual; Expressão e Educação

Leia mais

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT

Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Cerimónia de lançamento do contrato de colaboração entre o Estado Português e o Massachusetts Institute of Technology, MIT Centro Cultural de Belém, Lisboa, 11 de Outubro de 2006 Intervenção do Secretário

Leia mais

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas

Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes. Algumas considerações estratégicas Projecto de criação de uma escola de Gestão das Artes Algumas considerações estratégicas António Jorge Monteiro Abril de 1992 2 I. A História II. O Mercado III. Os Cursos IV. Os Professores V. Os Alunos

Leia mais

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO

ROJECTO PEDAGÓGICO E DE ANIMAÇÃO O Capítulo 36 da Agenda 21 decorrente da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e Desenvolvimento, realizada em 1992, declara que a educação possui um papel fundamental na promoção do desenvolvimento

Leia mais

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA

MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA MAIOR EVENTO NACIONAL PARA O CRESCIMENTO VERDE E DESENVOLVIMENTO DAS CIDADES 04 / 06 MARÇO 2015 CENTRO DE CONGRESSOS DE LISBOA Conselho Estratégico da Green Business Week Entidades Empresas convidadas

Leia mais

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA

OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA OPERAÇÕES COFINANCIADAS EM REGIME DE OVERBOOKING PELO QREN, NO ÂMBITO DO PROGRAMA OPERACIONAL DE LISBOA Promoção e divulgação dos Jardins da Fundação Calouste Gulbenkian - Centro Interpretativo Gonçalo

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS

NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS NOVO PERIODO DE PROGRAMAÇÃO INCENTIVOS DO QREN CERTIFICAÇÃO DE EMPRESAS 04-06-2008 Índice A. NOVO PERÍODO DE PROGRAMAÇÃO 2007-2013. B. ACÇÃO INTEGRADA DO IDE-RAM NO PERÍODO 2007-2013. C. APOIOS À ACTIVIDADE

Leia mais

Retratos de Trabalho

Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho Retratos de Trabalho é uma exposição fotográfica organizada pela Cidade das Profissões e pelo Museu da Indústria do Porto que convida a comunidade do Porto a revisitar profissões e

Leia mais

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto

CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA. Concurso. Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Nacional de Vozes & Revelação de Vozes da Diáspora - Projecto Concurso 2015 CONCURSO NACIONAL DE VOZES & FESTIVAL REVELAÇÃO DE VOZES DA DIÁSPORA PROJECTO APRESENTADO PARA EFEITO DE APRECIAÇÃO E RESPECTIVO

Leia mais

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA

PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA PROPOSTA DE PROGRAMA DE ACÇÃO PEDAGÓGICA SOBRE ARQUITECTURA, CIDADE E TERRITÓRIO PARA CRIANÇAS ANDREIA SALAVESSA OLHAR PARA VER OBJECTIVOS O desafio passa por analisar o meio construído segundo as suas

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros

Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros NOTA DE IMPRENSA Projectos aprovados recebem um apoio de dois milhões de euros PROGRAMAÇÃO CULTURAL EM REDE A NORTE RECEBE NOVOS APOIOS DO ON.2 A autoridade de gestão do ON.2 O Novo Norte (Programa Operacional

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS

EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 1 2 EMPREENDEDORISMO JOVEM METODOLOGIA DESCRITIVA E ORIENTADORA DE ACÇÕES PARA ENQUADRAMENTO DE INICIATIVAS DE EMPREGO LOCAL PARA JOVENS DESEMPREGADOS/AS 3 4 TÍTULO: Empreendedorismo jovem - metodologia

Leia mais

Adenda aos Critérios de Selecção

Adenda aos Critérios de Selecção Adenda aos Critérios de Selecção... Critérios de Selecção SI Qualificação PME EIXO I COMPETITIVIDADE, INOVAÇÃO E CONHECIMENTO INSTRUMENTO: SISTEMA DE INCENTIVOS À QUALIFICAÇÃO E INTERNACIONALIZAÇÃO DE

Leia mais

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa.

Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. Workshop PROCESSING > Marius Watz 11-15 Outubro, 2004 no Espaço Atmosferas em Lisboa. > Sobre o Workshop Nos últimos anos surgiu um novo movimento de designers e artistas que reconhece o potencial do uso

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA

INED PROJETO EDUCATIVO INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO MAIA INED INSTITUTO DE EDUCAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROJETO EDUCATIVO MAIA PROJETO EDUCATIVO I. Apresentação do INED O Instituto de Educação e Desenvolvimento (INED) é uma escola secundária a funcionar desde

Leia mais

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt

CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt CRIAÇÃO DE SISTEMAS DE INOVAÇÃO ORGANIZACIONAL (Transformação da criatividade individual em inovação) www.apgico.pt QUEM SOMOS SOMOS ESPECIALISTAS (corpos sociais) Jorge Alves Prof. Catedrático jubilado

Leia mais

Candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade

Candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade Candidatura do Fado à Lista Representativa do Património Cultural Imaterial da Humanidade A Câmara Municipal de Lisboa escolheu a apresentação de Sombras, de Ricardo Pais para apresentar oficialmente a

Leia mais

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa

Maio 2013 PE2020. O papel da Engenharia como fator de competitividade. Iniciativa Maio 2013 PE2020 O papel da Engenharia como fator de competitividade Iniciativa Agenda 1. Apresentação da Proforum e do PE2020 como plataforma colaborativa relevante e integradora 2. Contributo do PE2020

Leia mais

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo

CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo CMVC - Câmara Municipal de Viana do Castelo 1 Índice de Conteúdos Enquadramento Mensagem de Apresentação do Serviço de Apoio ao Investidor e à Viabilização Empresarial (SAIVE) Mensagem do Senhor Presidente

Leia mais

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE JOVENS EMPRESÁRIOS ANJE Bruno Nunes brunonunes@anje.pt www.anje.pt 14 de Dezembro Gouveia 1ª Encontro de Jovem Produtor de Queijo da Serra da Estrela ANJE Introdução O que é: Associação

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE

LUGAR DO DESENHO FUNDAÇÃO JÚLIO RESENDE 1- PRESERVAR E DIVULGAR O SEU ACERVO EXPOSIÇÕES DO ACERVO (sala do acervo da Fundação) DATA DESIGNAÇÃO DAS EXPOSIÇÕES LOCAL 23.Out.2011 a 14.Out.2012 27.Out.2012 a 13.Out.2013 CADERNO DE VIAGENS Júlio

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES

PLANO DE ACTIVIDADES PLANO DE ACTIVIDADES 2006 [aprovado em reunião do CC em 11 de Novembro 2005] Introdução O IPRI-UNL definiu como objectivo fundamental para a sua actividade constituir-se como uma estrutura institucional

Leia mais

ÍNDICE: Novembro de 2009

ÍNDICE: Novembro de 2009 ÍNDICE: 1. Início Ano Lectivo 2. Portugal Tecnológico 3. Gripe A Plano Contingência 4. Espaço de Leitura 5. Sonangol 6. Novos Órgãos Sociais da ETLA 7. Medalha de Mérito Concelho de Santiago do Cacém 8.

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação. Informação Adicional

Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação. Informação Adicional Açores no Mercado do Turismo Chinês Sessão de Formação Informação Adicional Informação adicional: COTRI EDELUC Fundação Jardim José do Canto Agenda do Evento Apoio OCOTRI é um instituto de pesquisa independente

Leia mais

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012

Programa. Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 Programa Empreendedorismo Cultural e Indústrias Criativas 2012 3 Hemisfério esquerdo responsável pelo pensamento lógico e pela competência

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas

Plano Anual de Atividades 2014-2015 Departamento de Ciências Humanas Visita de estudo Geografia Conhecer o funcionamento de uma unidade industrial; Reconhecer a importância da atividade industrial na economia. Geografia e Alunos do 9º Ano Unidade Industrial 2ºPeríodo Visita

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal

TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal TOURING CULTURAL produto estratégico para Portugal O TURISMO CULTURAL HOJE 44 milhões de turistas procuram turismo cultural na Europa O património cultural aproxima civilizações e motiva a viagem A preservação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALCABIDECHE ESCOLA BÁSICA 2,3 DE ALCABIDECHE Sede 1. Identificação DEPARTAMENTO: Pré-Escolar PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES - PROPOSTA DE ACTIVIDADES ANO LECTIVO - 2010 / 2011 Coordenador(a):

Leia mais

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas.

especiais por ano, garantindo a máxima capacidade de transporte para jogos de futebol, concertos e outras celebrações de massas. O Metro do Porto O Metro é um sistema de transportes públicos da Área Metropolitana do Porto e combina uma rede ferroviária subterrânea, no centro da cidade, com linhas à superfície em meio urbano e diversos

Leia mais

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0

FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 FEUP 2006/2007 Mestrado em Tecnologias Multimédia Doc. Apresentação V0 TÍTULO: Animatic - Marionetas Digitais Interactivas ORIENTADORES: Professor Doutor Aníbal Ferreira Professor Doutor Rui Torres ALUNO:

Leia mais