PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO"

Transcrição

1 GPLAN-002-REV00 INDET. 1 de 31 PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO

2 GPLAN-002-REV00 INDET. 2 de OBJETIVO FASES DO PROCESSO DE ACESSO FASE 1 - CONSULTA DE ACESSO FASE 2 INFORMAÇÃO DE ACESSO FASE 3 SOLICITAÇÃO DE ACESSO FASE 4 PARECER DE ACESSO GLOSSÁRIO ANEXO A (CONSULTA DE ACESSO) MODELO DE CONSULTA DE ACESSO (ELABORADA PELO ACESSANTE) INFORMAÇÕES GERAIS (INFORMADAS PELO ACESSANTE) REPRESENTANTES PARA CONTATO (INFORMADOS PELO ACESSANTE) ANEXO B (INFORMAÇÃO DE ACESSO) INFORMAÇÕES DE ACESSO (INFORMADO PELA DISTRIBUIDORA) ANEXO B-I (RELAÇÃO DOS ESTUDOS NECESSÁRIOS GERAIS À CONEXÃO PARA QUALQUER TIPO DE ACESSANTE) ESTUDOS GERAIS ANEXO B-II (RELAÇÃO DOS ESTUDOS E INFORMAÇÕES TÉCNICAS ESPECÍFICAS) INFORMAÇÕES DA CENTRAL GERADORA (PARA CADA ESTÁGIO PREVISTO NO CRONOGRAMA) CARGA (PARA CADA ESTÁGIO PREVISTO NO CRONOGRAMA) TRANSFORMADORES DA SUBESTAÇÃO ESTUDOS ESPECÍFICOS PARA GERAÇÃO EÓLICA ESTUDOS ESPECÍFICOS PARA GERAÇÃO TÉRMICA DADOS COMPLEMENTARES DE CENTRAIS GERADORAS HIDRAÚLICAS DADOS COMPLEMENTARES PARA CENTRAIS GERADORAS TÉRMICAS DADOS COMPLEMENTARES PARA CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS ANEXO B-III - DADOS DAS MÁQUINAS SÍNCRONAS ANEXO B-IV - RESULTADOS DE ENSAIOS/SIMULAÇÕES E RELATÓRIO DE ENSAIOS DE TURBINAS EÓLICAS RESULTADOS DE ENSAIOS/SIMULAÇÕES RELATÓRIO DE ENSAIOS DE TURBINAS EÓLICAS DADOS GERAIS O RELATÓRIO DOS TESTES DEVE ACOMPANHAR OS DOCUMENTOS ABAIXO: PARÂMETROS CARACTERÍSTICOS DADOS GENÉRICOS DE IDENTIFICAÇÃO DAS TURBINAS EÓLICAS: ANEXO B-V - INFORMAÇÕES SOBRE OS PRINCIPAIS MOTORES DE INDUÇÃO ANEXO C (SOLICITAÇÃO DE ACESSO) ANEXO D (MODELO DO PARECER DE ACESSO) OBJETIVO HISTÓRICO DO PROCESSO DE ACESSO CARACTERIZAÇÃO DAS CONDIÇÕES DE ACESSO DADOS DO ACESSANTE PONTO DE CONEXÃO À REDE ELÉTRICA... 28

3 GPLAN-002-REV00 INDET. 3 de IMPACTO NA REDE ELÉTRICA OBRAS NECESSÁRIAS ASSOCIADAS AO EMPREENDIMENTO CUSTOS ASSOCIADOS E PARTICIPAÇÃO FINANCEIRA ESTUDOS COMPLEMENTARES CONCLUSÕES REFERÊNCIAS EQUIPE TÉCNICA EQUIPE TÉCNICA... 31

4 1. OBJETIVO Título: Data Elaboração: Revisão: GPLAN-002-REV00 INDET. 4 de 31 Apresentar a metodologia para viabilizar o Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Eletrobras Distribuição, conforme os Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3, da Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL. Este processo aplica-se somente aos seguintes tipos de acessantes: consumidor especial, consumidor livre, central geradora com registro, central geradora com autorização, central geradora com concessão, outra distribuidora de energia elétrica e agentes importadores ou exportadores de energia. 2. FASES DO PROCESSO DE ACESSO O processo de viabilização do acesso compreende as seguintes fases: Fase 1 - Consulta de Acesso; Fase 2 - Informação de Acesso; Fase 3 - Solicitação de Acesso; Fase 4 - Parecer de Acesso. Na Figura 1 é apresentado o fluxograma das fases do processo de viabilização do acesso ao sistema elétrico.

5 GPLAN-002-REV00 INDET. 5 de 31 ACESSANTE ELABORA A CONSULTA DE ACESSO (Anexo A) ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO ANALISA A CONSULTA DE ACESSO FIM REALIZA ESTUDOS DE VIABILIDADE 60 dias PREPARA AS INFORMAÇÕES DE ACESSO (Anexo B) NÃO TEM VIABILIDADE? SIM REALIZA CONSULTA À ANEEL/ PUBLICAÇÃO. ELABORA A SOLICITAÇÃO DE ACESSO (Anexo C) RECEBE PARECER DE ACESSO 90 dias CELEBRAM CONTRATOS DE CUSD, CCD, ETC ANALISA A SOLICITAÇÃO DE ACESSO 30 dias (sem obras) ELABORA O PARECER DE ACESSO (Anexo D) 120 dias (com obras) IMPLANTA A CONEXÃO APROVA A CONEXÃO Figura 1 Fluxograma das fases do processo de viabilização do acesso ao sistema elétrico Na Tabela 1 são apresentadas as etapas opcionais e necessárias a serem cumpridas pelos acessantes nos procedimentos de acesso. ACESSANTE CONSULTA DE ACESSO ETAPAS A CUMPRIR INFORMAÇÃO DE ACESSO SOLICITAÇÃO DE ACESSO Consumidor Especial Opcionais Necessárias Consumidor Livre Opcionais Necessárias Central Geradora Registro Opcionais Necessárias Central Geradora Autorização Necessárias Necessárias Central Geradora Concessão Procedimento definido no edital de licitação Outra Distribuidora de Energia Necessárias Necessárias Agente Importador/Exportador de Energia Necessárias Necessárias Tabela 1 Etapas dos procedimentos de acesso por tipo de acessante 2.1. FASE 1 - CONSULTA DE ACESSO PARECER DE ACESSO A Consulta de Acesso é um procedimento preliminar que visa orientar o acessante em seus estudos elétricos e econômicos, não implicando em compromisso contratual de nenhuma das partes.

6 GPLAN-002-REV00 INDET. 6 de 31 A Tabela 2 apresenta as ações e prazos para a Consulta de Acesso: TIPO DE ACESSANTE AÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Central Geradora - Concessão Procedimento definido no edital de licitação. Central Geradora - Autorização O acessante encaminhará a Consulta de Acesso à Outra Distribuidora de Energia Ver Anexo A distribuidora conforme modelo Agente Importador/Exportador de Energia apresentado no Anexo A Tabela 2 - Ações e prazos para a Consulta de Acesso PRAZO O acessante define A Consulta de Acesso deve ser formulada pelo acessante com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de um ou mais pontos de conexão de interesse. No caso de usinas termelétricas e eólicas, o acessante deve apresentar o despacho da ANEEL registrando o requerimento de outorga, documento definido em resolução específica FASE 2 INFORMAÇÃO DE ACESSO A Informação de Acesso é a resposta formal e obrigatória da acessada (distribuidora) à Consulta de Acesso, sem ônus para o acessante, visando fornecer informações sobre o acesso pretendido, bem como a relação das informações e estudos que deverão ser entregues pelo acessante na ocasião da Solicitação de Acesso. A Tabela 3 apresenta as ações e prazos para a Informação de Acesso. TIPO DE ACESSANTE Central Geradora - Concessão AÇÃO DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Procedimento definido no edital de licitação. PRAZO Central Geradora - Autorização Outra Distribuidora de Energia Agente Importador/Exportador de Energia A distribuidora responderá a Consulta de Acesso com as informações do seu sistema elétrico conforme Anexo B Tabela 3 - Ações e prazos para a Consulta de Acesso Ver Anexo B, B-I, B-II, B-III, B-IV e B-V Até 60 dias após a data de recebimento da Consulta de Acesso 2.3. FASE 3 SOLICITAÇÃO DE ACESSO A Solicitação de Acesso é o requerimento pelo qual o acessante, tendo já realizado seus estudos elétricos e econômicos, interage com a distribuidora para estabelecimento definitivo de compromissos através de contratos formais. A Tabela 4 apresenta as ações e prazos para Solicitação de Acesso. DOCUMENTOS TIPO DE ACESSANTE AÇÃO PRAZO NECESSÁRIOS Central Geradora - Concessão Procedimento definido no edital de licitação. Consumidor Especial O acessante encaminhará Ver Anexos B e C O acessante define

7 GPLAN-002-REV00 INDET. 7 de 31 Consumidor Livre Central Geradora - Registro Agente Importador/Exportador de Energia Outra Distribuidora de Energia Central Geradora - Autorização a Solicitação de Acesso à distribuidora contendo os estudos e as informações solicitados no Anexo B Tabela 4 - Ações e prazos para a Solicitação de Acesso 60 dias após a publicação do ato autorizativo 2.4. FASE 4 PARECER DE ACESSO O Parecer de Acesso é um documento formal obrigatório apresentado pela distribuidora ao acessante, sem ônus, onde são informadas as condições de acesso, compreendendo a conexão e o uso, e os requisitos técnicos que permitam a conexão das instalações do acessante, com os respectivos prazos. Ele deve ser emitido pela distribuidora definindo as condições de acesso do empreendimento. A Tabela 5 apresenta as ações e prazos para o Parecer de Acesso. TIPO DE ACESSANTE Central Geradora - Concessão Consumidor Especial Consumidor Livre Central Geradora - Registro Agente Importador/Exportador de Energia Outra Distribuidora de Energia Central Geradora - Autorização AÇÃO A distribuidora elaborará o Parecer de Acesso ao acessante contendo as informações contidas no Anexo D DOCUMENTOS NECESSÁRIOS Procedimento definido no edital de licitação. Ver Anexo D Tabela 5 - Ações e prazos para o Parecer de Acesso PRAZO 30 dias sem obras e 120 dias com obras 3. GLOSSÁRIO ACESSADA: Distribuidora de energia elétrica em cujo sistema elétrico o Acessante conecta suas instalações. ACESSANTE: Consumidor, central geradora, distribuidora ou agente importador ou exportador de energia, com instalações que se conectam ao sistema elétrico de distribuição, individualmente ou associados. ACESSO: Disponibilização do sistema elétrico de distribuição para a conexão de instalações de unidade consumidora, central geradora, distribuidora, ou agente importador ou exportador de

8 GPLAN-002-REV00 INDET. 8 de 31 energia, individualmente ou associados, mediante o ressarcimento dos custos de uso e, quando aplicável conexão. AGENTE: Cada uma das partes envolvidas em produção, transporte, comercialização, consumo, importação e exportação de energia elétrica. AGENTE EXPORTADOR: Agente titular de autorização expedida pela ANEEL para exercer as atividades de exportação de energia elétrica. Agente importador: Agente titular de autorização expedida pela ANEEL para exercer as atividades de importação de energia elétrica. ANEEL - Agência Nacional de Energia Elétrica: Autarquia sob regime especial, vinculada ao Ministério de Minas e Energia - MME, que tem a finalidade de regular e fiscalizar a produção, a transmissão, a distribuição e comercialização de energia elétrica. Foi criada pela Lei nº 9.427, de 26 de dezembro de AO - Acordo Operativo: Acordo, celebrado entre o Acessante e a Acessada, que descreve e define as atribuições, responsabilidades e o relacionamento técnico-operacional do ponto de conexão e instalações de conexão, quando o caso, e estabelece os procedimentos necessários ao sistema de medição para faturamento - SMF. CARGA: É a caracterização da demanda do sistema, em um determinado ponto de interesse, definida por uma ou mais das seguintes grandezas: potência ativa, demanda de energia ativa e demanda de energia reativa. CARGA INSTALADA: Soma das potências nominais dos equipamentos elétricos instalados na unidade consumidora e em condições de entrar em funcionamento, expressa em quilowatts (kw). CCD - Contrato de Conexão ao Sistema de Distribuição: Contrato celebrado entre o Acessante e a distribuidora Acessada, que estabelece termos e condições para conexão de instalações do Acessante às instalações de distribuição, definindo, também, os direitos e obrigações das partes. CENTRAL GERADORA: Agente que explora a atividade de geração de energia elétrica e que pode deter instalações de interesse restrito. Incluem-se, neste conceito, autoprodutores, co-geradores e produtores independentes. CONDIÇÕES DE ACESSO: Condições gerais de acesso que compreendem ampliações, reforços e/ou melhorias necessárias às redes ou linhas de distribuição da Acessada, bem como os

9 GPLAN-002-REV00 INDET. 9 de 31 requisitos técnicos e de projeto, procedimentos de solicitação e prazos, estabelecidos nos Procedimentos de Distribuição para que se possa efetivar o acesso. CONDIÇÕES DE CONEXÃO: É o procedimento que deve ser formulado pelo Acessante a Acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de um ponto de conexão de interesse. CONSUMIDOR ESPECIAL: Aquele que, segundo o disposto no artigo 26 da Lei no 9.427, de 26 de dezembro de 1996, opte pela compra de energia elétrica junto a empreendimentos geradores ali definidos. CONSUMIDOR LIVRE: Aquele que tenha exercido a opção de compra de energia elétrica na modalidade de contratação livre, conforme disposto nos artigos 15 e 16 da Lei no 9.074, de 7 de julho de 1995; CUSD - Contrato de uso do sistema de distribuição: Contrato celebrado entre o Acessante e a distribuidora, que estabelece os termos e condições para o uso do sistema de distribuição e os correspondentes direitos, obrigações e exigências operacionais das partes. DEMANDA: Média das potências elétricas ativas ou reativas, solicitadas ao sistema elétrico pela parcela da carga instalada em operação na unidade consumidora, durante um intervalo de tempo especificado, expressa em quilowatts (kw) e quilo-volt-ampère-reativo (kvar) respectivamente. ESTUDOS DE FLUXO DE POTÊNCIA: Estudo do sistema elétrico tendo como base parâmetros da rede, de centrais geradoras, de cargas e tensões, com o objetivo de se avaliar o fluxo de potência nas redes, as perdas e o carregamento do sistema elétrico. FATOR DE CARGA: Razão entre a demanda média e a demanda máxima da unidade consumidora ocorridas no mesmo intervalo de tempo especificado. FATOR DE POTÊNCIA: Razão entre a energia elétrica ativa e a raiz quadrada da soma dos quadrados das energias elétricas ativa e reativa, consumidas em um mesmo período especificado. MENOR CUSTO GLOBAL: Critério para avaliação de alternativas tecnicamente equivalentes para integração de instalações de conexão, segundo o qual é escolhida aquela de menor custo global de investimentos, consideradas as instalações de conexão de responsabilidade do Acessante, os reforços nas redes e/ou linhas de distribuição e transmissão e os custos das perdas elétricas.

10 GPLAN-002-REV00 INDET. 10 de 31 MONTANTE DE USO DO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO (MUSD): Potência ativa média calculada em intervalos de 15 (quinze) minutos, injetada ou requerida pelo sistema elétrico de distribuição pela geração ou carga, em kw. PONTO DE CONEXÃO: Conjunto de equipamentos que se destina a estabelecer a conexão na fronteira entre as instalações da Acessada e do Acessante. REDE BÁSICA: Instalações de transmissão de energia elétrica que integram o Sistema Interligado Nacional SIN, de propriedade de concessionárias de serviço público de transmissão, definida segundo critérios estabelecidos pela ANEEL. REFORÇO: Obras em instalações elétricas existentes que não possuem influência sistêmica. Em geral, o efeito do reforço é pontual. SMF - Sistema de Medição para Faturamento: Sistema composto pelos medidores principal e retaguarda, pelos transformadores de instrumentos (TI) transformadores de potencial (TP0 e de corrente (TC), pelos canais de comunicação entre os Agentes e a CCEE, e pelos sistemas de coleta de dados de medição para faturamento.

11 GPLAN-002-REV00 INDET. 11 de ANEXO A (CONSULTA DE ACESSO) À 4.1. MODELO DE CONSULTA DE ACESSO (ELABORADA PELO ACESSANTE) Eletrobras Distribuição XXX Cidade UF. Data. (NOME DO ACESSANTE), (CNPJ), vem, pelo presente consultar sobre o anteprojeto, anexo, das Instalações Elétricas localizada a (RUA, SÍTIO, CIDADE, ESTADO, CEP, etc.). Acesso: Ampliação ( ); Novo ( ). Fornecendo-lhes as seguintes informações adicionais: 4.2. INFORMAÇÕES GERAIS (INFORMADAS PELO ACESSANTE) Natureza: (produtor independente, consumidor livre, etc); Localização geográfica do empreendimento (mapas e coordenadas georeferenciadas); Nível de tensão: (13,8kV, 34,5kV, 69kV, etc); Ponto(s) de conexão desejado(s): (coordenadas georeferenciadas com justificativas); Subestação da Eletrobras que deseja se conectar: ; Distância do ponto de conexão desejado a subestação da Eletrobras (km): ; Especificação do condutor: ; Ramo de atividade a que se destina a instalação: ( )Comercialização com o consumidor livre, ( )Comercialização com a, ( )Autoprodução, ( )Outros (especificar) ; Autorização/registro do Órgão regulador para instalação do empreendimento (caso exista): Estágio atual do processo junto à ANEEL: : Cronograma de implantação/ampliação: Data prevista para o início da construção das instalações: ; Data prevista para alimentação do canteiro de obras: ; Data prevista de entrada em operação:.

12 GPLAN-002-REV00 INDET. 12 de REPRESENTANTES PARA CONTATO (INFORMADOS PELO ACESSANTE) REPRESENTANTE LEGAL Nome: Endereço: Telefone/ Fax: RG e CPF: REPRESENTANTE TÉCNICO Nome: Endereço: Telefone/ Fax: RG, CPF e CREA: Comprovantes legais: (nº do imóvel, alvará de funcionamento, aprovação governamental e ART-CREA). Projeto básico: (memorial descritivo, planta de localização, arranjo físico, diagramas incluindo o SMF).

13 GPLAN-002-REV00 INDET. 13 de ANEXO B (INFORMAÇÃO DE ACESSO) 5.1. INFORMAÇÕES DE ACESSO (INFORMADO PELA DISTRIBUIDORA) Identificação do acessante (razão social, CNPJ, endereço, sigla, , telefone, etc.) - Uma confirmação dos dados já informados pelo acessante; Classificação da atividade do acessante; Regra de participação financeira, quando aplicável; Localização geográfica (longitude, latitude, município, UF); Definição do ponto de conexão de acordo com o menor custo global. Em caso de central geradora solicitante de autorização devem ser apresentadas mais de uma alternativa, acompanhada das estimativas dos respectivos custos, conclusões e justificativas; Características do sistema de distribuição e do ponto de conexão, incluindo requisitos técnicos e padrões de desempenho a serem atendidos pelo acessante; Informações e dados atualizados do sistema elétrico da distribuidora necessários a elaboração dos estudos que serão realizados pelo acessante; Tarifas de uso aplicáveis; Relação dos estudos necessários gerais à conexão (CONFORME ANEXO B-I) a serem apresentados pelo acessante na da Solicitação de Acesso; Relação dos estudos e informações técnicas específicas (CONFORME ANEXO B-II, B-III, B-IV E B-V) a serem apresentadas pelo acessante na Solicitação de Acesso. Os acessantes que não estão obrigados a realizar a Consulta de Acesso devem enviar, além dos dados requeridos neste anexo, as informações contidas no Anexo A.

14 GPLAN-002-REV00 INDET. 14 de ANEXO B-I (RELAÇÃO DOS ESTUDOS NECESSÁRIOS GERAIS À CONEXÃO PARA QUALQUER TIPO DE ACESSANTE) 6.1. ESTUDOS GERAIS Conforme estabelecido no Artigo 6º da Resolução ANEEL Nº 281 de 01 de outubro 1999, os acessantes devem "efetuar os estudos, projetos e a construção das instalações de uso exclusivo e a conexão com o sistema elétrico da concessionária ou permissionária onde será feito o acesso". Dependendo do porte e tipo da geração e do Ponto de Conexão pretendido, o acessante deverá apresentar resultados de ensaios e/ou simulações da geração, de forma que demonstre que os sistemas de controle e regulação de velocidade e tensão, bem como do Sinal Adicional Estabilizador proposto, atendem aos requisitos mínimos estabelecidos no Módulo 6 do PRODIST Informações Requeridas e Obrigações. Os ensaios ou simulações a serem efetuados, deverão incluir as seguintes análises: Degraus na referência do regulador de tensão e de velocidade, bem como variações com tomadas de carga em rampa, para as condições com e sem presença do Sinal Adicional Estabilizador; Estudo de comportamento de tensão (BT e AT) e da potência reativa gerada pela Central Geradora, para a faixa de tapes definida para os transformadores elevadores da Central Geradora; Estudo de estabilidade eletromecânica para impactos na Central Geradora e no sistema elétrico da Distribuidora O acessante deve também apresentar o modelo computacional utilizado nas simulações para demonstração do atendimento aos requisitos supracitados. O objetivo desses estudos, além de definir as características e avaliação do desempenho das instalações de uso exclusivo do acessante, é avaliar o impacto do empreendimento no sistema de distribuição, averiguando eventuais necessidades de ampliações e reforços para viabilizar tecnicamente a conexão. O acessante deve elaborar estudos visando à comprovação da viabilidade técnica e de segurança da conexão do seu sistema com o sistema elétrico da Distribuidora no que tange a qualidade de fornecimento, levando em consideração o escoamento pleno da potência gerada.

15 GPLAN-002-REV00 INDET. 15 de 31 Os estudos devem ser realizados para um horizonte mínimo de 5 anos, levando em consideração os seguintes aspectos: o Estudo de fluxo de carga, análise das condições de carga, no momento de carga pesada, carga média e carga leve; o Análise das condições normais de operação e em contingência simples (n-1); o Estudo analisando as condições de Geração. Neste caso, as condições operacionais do sistema com a geração, devem ser avaliadas considerando cada um dos patamares da curva de carga da área onde se verifica o acesso, conforme item a, para despachos de geração de: 0%, 50% e 100%; o Nível de curto-circuito; o Capacidade de disjuntores, barramentos, transformadores de instrumentos e malhas de terra; o Adequação do sistema de proteção envolvido na integração das instalações do acessante e revisão dos ajustes associados, observando-se estudos de coordenação de proteção, quando aplicáveis; o Ajuste dos parâmetros dos sistemas de controle de tensão e de freqüência e, para conexões em alta tensão, dos sinais estabilizadores. o Estudo analisando os cenários, os quais devem ser avaliados considerando a conexão do Acessante como também de outros empreendimentos em processo de implantação na área onde se localiza o Acessante; o O acessante deve utilizar no desenvolvimento dos estudos, preferencialmente, os programas computacionais desenvolvidos pela Eletrobras CEPEL (Anarede, Anafas, Anatem, etc); o A previsão de carga ano a ano e a configuração do sistema será fornecida pela distribuidora; o As características e modelos de simulação das máquinas de geração devem ser disponibilizados para a distribuidora

16 GPLAN-002-REV00 INDET. 16 de ANEXO B-II (RELAÇÃO DOS ESTUDOS E INFORMAÇÕES TÉCNICAS ESPECÍFICAS) 7.1. INFORMAÇÕES DA CENTRAL GERADORA (PARA CADA ESTÁGIO PREVISTO NO CRONOGRAMA) Energético utilizado; Número de unidades geradoras; Diagrama unifilar do arranjo da subestação; Estudo de avaliação da capacidade energética; Potência nominal (placa) e efetiva (máxima em regime contínuo) de cada unidade, e número de unidades; Dados de máquina síncrona: vide Anexo B-III; Fator de potência nominal; Tensão e frequência nominal; Fabricantes da(s) turbina(s) e do(s) gerador(es); Energia Garantida (MW); Regime de horário de funcionamento; Limite de excedente a ser fornecido (caso exista); Limite de tensão que o acessante pode operar; Demanda suplementar de reserva; Período de produção; Operação Interligada: Sim ( ) Não ( ); Características das principais máquinas de corrente alternada: Código, instalação (existente/prevista), tipo (motor síncrono/assíncrono, gerador/compensador síncrono), quantidade, aplicação, potência (%), esquema de partida, corrente de partida (A); Sistemas de proteção e controle, especificando ajustes de trip instantâneo e temporizado das máquinas por sobre e subtensão e por sobre e subfrequência;descrição do sistema de partida da Central Geradora, apresentando suas características básicas; Faixas de operação proibidas de cada conjunto turbina-gerador em virtude de vibrações mecânicas, ressonâncias, abertura de válvulas, poluição, etc.; Curvas de capabilidade: o para as tensões de operação mínima, máxima e nominal (1,0 pu); o no caso de máquinas térmicas, fornecer as referidas curvas para as condições ambientais locais (altitude e temperatura média anual);

17 GPLAN-002-REV00 INDET. 17 de 31 Curvas de saturação, em pu na base da máquina; Níveis de confiabilidade; Variação de tensão e frequência; Diagrama esquemático das instalações da geração até o ponto de conexão; Informações sobre o sistema de medição; Montante de Uso a ser contratado do Sistema de Distribuição em kw (potência efetiva deduzida do consumo próprio, das perdas elétricas nas instalações de uso exclusivo e dos fornecimentos feitos diretamente ou através de instalações de uso exclusivo) CARGA (PARA CADA ESTÁGIO PREVISTO NO CRONOGRAMA) Carga instalada, carga máxima e acréscimo de carga previsto; Demanda máxima no horário de ponta e fora de ponta; Característica da carga; Fator de carga; Fator de potência, Fator de potência previsto e Fator de potência médio horário; Sazonalidade; Equipamentos com retificação de corrente (existentes e previstos); Equipamentos especiais (fornos, compressores, etc.); Sistema de proteção e controle; Variação de tensão e frequência; Transformadores de subestações; Diagrama unifilar de dados gerais das instalações internas do consumidor; Geração própria vinculada ao suprimento; Potência de cada unidade já existente TRANSFORMADORES DA SUBESTAÇÃO Potência nominal trifásica (MVA); Tensão nominal dos enrolamentos; Número de enrolamentos, tipo de ligação e defasamento angular; Impedâncias de curto-circuito de sequência positiva e zero em pu (na base do transformador para o último estágio de ventilação forçada, quando for o caso); Impedância dos enrolamentos;

18 GPLAN-002-REV00 INDET. 18 de 31 Em caso de 3 (três) enrolamentos especificar também Xps, Xst e Xpt (p= enrolamento primário; s= enrolamento secundário; t= enrolamento terciário); Relação das tensões disponíveis, considerando: o derivações de tapes sob carga; o derivações de tapes a vazio; 7.4. ESTUDOS ESPECÍFICOS PARA GERAÇÃO EÓLICA Quando se tratar de acesso de geradores eólicos, o acessante deve apresentar, juntamente com a Solicitação de Acesso, os seguintes estudos: Avaliação dinâmica para analisar a influência no sistema das saídas da central geradora, bem como a estabilidade da central geradora face às perturbações na rede; Estudos de ajustes das proteções intrínsecas das centrais geradoras, considerando os compromissos de coordenação com as proteções sistêmicas; Estudos transitórios de energização de linhas, transformadores coletores das centrais geradoras, quando julgados necessários; Avaliação dos níveis de flicker para operação em regime permanente ck (ψk,va); Avaliação de flicker e variação de tensão de curta duração: o Variação de tensão devido às correntes de inrush ku (ψk) o Flicker quando de conexão ou transição do aerogerador - kf (ψk) Estudos de harmônicos, para o caso de conexão de aerogeradores à rede elétrica por meio de conversores; Estudos de harmônicos para o caso de aerogeradores a indução com dupla alimentação; 7.5. ESTUDOS ESPECÍFICOS PARA GERAÇÃO TÉRMICA Transitórios eletromagnéticos de energização dos transformadores; Rejeição de carga e abertura de linhas de distribuição de alta tensão; Análise de curto-circuito com as relações R0/X1, R1/X1 e X0/X1 no ponto do defeito para avaliações das sobretensões a freqüência industrial decorrentes de curtos-circuitos; Além dos Estudos já citados, dependendo da tecnologia do sistema de geração, outros Estudos poderão ser requeridos pela distribuidora DADOS COMPLEMENTARES DE CENTRAIS GERADORAS HIDRAÚLICAS Rendimento dos conjuntos turbina-gerador; Tipo de turbina; Rampeamento (curvas de carga) em MW/s nas diversas situações operativas; 7.7. DADOS COMPLEMENTARES PARA CENTRAIS GERADORAS TÉRMICAS

19 GPLAN-002-REV00 INDET. 19 de 31 Temperatura (graus centígrados), altitude (metros em relação ao nível médio do mar) e umidade relativa do ar (%) utilizados no cálculo da potência efetiva; Rampeamento em MW/s nas diversas condições de carga, devendo ser apresentadas: o as curvas para tomada de carga (cold, warm e hot start); o as curvas para parada da(s) unidade(s); o condições ambientais para as quais estas curvas estão referidas; Função transferência das turbinas a gás, a vapor e de ciclo combinado, quando for o caso; 7.8. DADOS COMPLEMENTARES PARA CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS O acessante deve apresentar um relatório de testes da turbina eólica executado e certificado por um laboratório independente. O relatório deve contemplar os dados e parâmetros dos resultados de testes das Turbinas Eólicas (Anexo B-IV).

20 GPLAN-002-REV00 INDET. 20 de ANEXO B-III - DADOS DAS MÁQUINAS SÍNCRONAS Para cada unidade devem ser fornecidas as seguintes informações: DESCRIÇÃO UNIDADE UNIDADE 1 UNIDADE 2 UNIDADE 3 Designação (código) Tipo (*) GR/ MS/ CS Potência Nominal (MVA) Corrente Nominal (A) Tensão NOMINAL (kv) Número de Pólos Pólos Lisos/ Salientes Velocidade Nominal (rpm) Fator de Potência em regime Conjugado Pull In (Nm) Conjugado Pull out (Nm) Reatâncias Saturadas e Não Saturadas Xd % Xq % X'd % X'q % X"d % X"q % X1 % Constantes de tempo T'd0 s T'q0 s T d0 s T q0 s Momento de inércia (H) (**) (MW.s/MVA) Constante de pu/pu Amortecimento (D) Corrente de Partida (A) Fator de Potência na Partida Partida a vazio ou sob carga Frequência de partidas Aplicação Esquema de Partida Direta ou auxiliar Reator série Tapes (%) Resistor série Tapes (%) Autotrafo Tapes (%) Outros (especificar) Controle de Velocidade Inversores (preencher) Cicloconv. (questionários) Chopper (específicos) Outros (especificar) Curvas Características (***) (*) GR = Gerador, MS= Motor Síncrono, CS= Compensador Síncrono (**) Conjunto turbina-gerador ou motor-carga. (***) Conjugado motor x velocidade, conjugado da carga x velocidade, corrente x velocidade, fator de potência x velocidade, conjugado da carga x tempo.

21 GPLAN-002-REV00 INDET. 21 de ANEXO B-IV - RESULTADOS DE ENSAIOS/SIMULAÇÕES E RELATÓRIO DE ENSAIOS DE TURBINAS EÓLICAS 9.1. RESULTADOS DE ENSAIOS/SIMULAÇÕES O acessante deve apresentar resultados de ensaios e/ou simulações de forma a demonstrar que o sistema de excitação proposto atende aos requisitos mínimos estabelecidos. Quando for o caso, o acessante deve também apresentar o modelo computacional utilizado nas simulações para demonstração do atendimento aos requisitos supracitados RELATÓRIO DE ENSAIOS DE TURBINAS EÓLICAS O Acessante de Geração Eólica deve apresentar um relatório de testes da turbina eólica executado e certificado por um laboratório independente. O relatório deve contemplar os seguintes dados e parâmetros dos resultados de testes das Turbinas Eólicas: Dados Gerais Nome do Laboratório que realizou o teste; Numero do relatório; Designação do tipo de turbina eólica; Fabricante da turbina eólica; Número de série da turbina eólica testada; Referência Normativa; O relatório dos testes deve acompanhar os documentos abaixo: Informação do tipo; Nome e data do documento Descrição da turbina eólica testada, incluído ajuste dos parâmetros de controle; Descrição dos testes local e conectado à rede; Descrição do teste do equipamento; Descrição das condições do teste; Notas contemplando as exceções à Referência Normativa Autor; Inspetor; Aprovador;

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 Motivo da Revisão

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso

Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso Submódulo Informações para a solicitação de acesso Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 0.4 0.5 1.0 1.1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Revisão 0 1 2 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada (após realização

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executa Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executa Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.003 2ª Folha 1 DE 17 23/10/2008 HISTÓRICO

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-015 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO NDU-015 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso ao Sistema de Distribuição Revisão 0 1 2 3 4 Motivo da

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Edição Data Alterações em relação à edição anterior Acesso, Conexão e Uso do Sistema de Distribuição por Agentes Geradores Processo Gerenciamento da Compra, da Utilização e da Conexão do Sistema Elétrico Atividade Código Edição Data VM02.00-00.001 4ª Folha

Leia mais

Páginas 1 de 17 Requisitos para a Conexão de Micro ou Mini Geradores de Energia ao Sistema - Empresa Força e Luz de Urussanga Ltda. 1. FINALIDADE A presente Instrução Normativa tem como finalidade estabelecer

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-24/06/2014 04/07/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES RODNEY P. MENDERICO

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03

DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA DT-104/2010 R-03 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT DECISÃO TÉCNICA /2010 R- FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO A presente Decisão Técnica R substitui a R02 e visa estabelecer instruções técnicas para

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO T Í T U L O NORMA DE DISTRIBUIÇÃO CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA DE VERSÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DA VIGÊNCIA R2 I - GPC 11/04/2014 16/04/2014 REQUISITOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES PRODUTORES DE ENERGIA

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários. Conexão de Microgeradores ao Sistema de Distribuição em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.14-01.011 5ª Folha 1 DE 31 30/06/2014 HISTÓRICO

Leia mais

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT

CONEXÃO DE MINI E MICROGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EM MT S istema Normativo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 01-10/12/2012 15/12/2012 APROVADO POR () EDSON HIDEKI TAKAUTI (-BD) MARCELO POLTRONIERI (-ES) SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2.

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU - 020 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO MOMENTÂNEO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO...

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos Conexão de Minigeração ao Sistema de Distribuição em Média Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.08-01.009 2ª Folha 1 DE 23 27/12/2013 HISTÓRICO DE

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU 019 EXIGÊNCIAS MÍNIMAS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR DE CONSUMIDOR PRIMÁRIO COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA COM PARALELISMO PERMANENTE SUMÁRIO 1.INTRODUÇÃO...

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso ao Sistema de Distribuição Revisão 0 1 2 3 4 Motivo da

Leia mais

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída

Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração Distribuída Procedimento de Acesso para Microgeração e Minigeração CÓDIGO VERSÃO Nº APROVAÇÃO RESPONSÁVEL DATA DATA DA VIGÊNCIA 00 15/12/2012 SUMÁRIO 1 OBJETIVO... 3 2 ÂMBITO DE APLICAÇÃO... 3 3 DEFINIÇÕES... 3 4

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 0 Revisão Inicial

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 25 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 Estabelece os requisitos necessários à obtenção de Registro ou Autorização para a Implantação, Ampliação ou Repotenciação

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS

GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS GERAÇÃO DISTRIBUIDA - MANUAL DE PROCEDIMENTOS INTRODUÇÃO Denomina-se geração distribuída ou descentralizada a produção de energia elétrica próxima ao ponto de consumo, podendo ser este ponto de consumo

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA

PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA PROCEDIMENTOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA SANTA MARIA REVISÃO DEZEMBRO/2012 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO 2 TERMINOLOGIA 3 CRITÉRIOS E PADRÕES TÉCNICOS 4 - SOLICITAÇÃO

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM MÉDIA TENSÃO 1/51 MPN-DP-01/N-6 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3 Disposições

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 00 Revisão Inicial Resolução

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL GE Distributed Power Jose Renato Bruzadin Sales Manager Brazil T +55 11 2504-8829 M+55 11 99196-4809 Jose.bruzadini@ge.com São Paulo, 11 de Julho de 2014 NOME DA INSTITUIÇÃO: GE Distributed Power AGÊNCIA

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC

CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC CONEXÃO DE GERAÇÃO AO SISTEMA CELESC FINALIDADE Reunir informações sintetizadas do Processo de Acesso ao Sistema Elétrico da Celesc com o objetivo de orientar os Acessantes, como proceder na condução do

Leia mais

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa.

3.3 Operação em Rampa Transferência de carga de modo gradativo entre a Distribuidora e um gerador de consumidor ou vice-versa. O SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO, COM OPERAÇÃO Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.05 1/9 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo

S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo S i s t e m a N o r m a t i vo Corporativo PROCEDIMENTO VERSÃO Nº DELIBERAÇÃO Nº APROVAÇÃO DATA DATA DE PUBLICAÇÃO 01-01/07/2014 31/07/2014 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI DTES-ES RODNEY PEREIRA MENDERICO

Leia mais

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Submódulo 3.6 Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Dezembro / 2012 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG

LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, DIT E ICG LEILÃO A-3/2015: TOPOLOGIA, PREMISSAS E CRITÉRIOS PARA O CÁLCULO DA CAPACIDADE DE ESCOAMENTO DE ENERGIA ELÉTRICA PELA REDE BÁSICA, Empresa de Pesquisa Energética Av. Rio Branco, 001 - Centro 20090-003

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação:

pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29 Versão: 1 Início de Vigência: XX.XX.200X Instrumento de Aprovação: pdc_me_04_minuta_01 Página 1 de 29. Procedimento de Comercialização MAPEAMENTO DE PONTOS DE MEDIÇÃO NO SCDE Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: CÓDIGO ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL RESOLUÇÃO NORMATIVA N o 506, DE 4 DE SETEMBRO DE 2012. (*) Vide alterações e inclusões no final do texto. Voto Estabelece as condições de acesso ao sistema de

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída Fevereiro / 2013 Praça Leoni Ramos n 1 São Domingos Niterói RJ Cep 24210-205 http:\\ www.ampla.com Conexão de Acessante a Rede de Distribuição com Sistema de Compensação de Energia - Geração Distribuída

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-1/N-7 19/11/213 RES nº 14/213, 19/11/213 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Requisitos Para a Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição Cemig Conexão em Alta Tensão

Requisitos Para a Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição Cemig Conexão em Alta Tensão Classificação: Público ND 5.32 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Requisitos Para a Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição Cemig Conexão

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional Módulo 1 Introdução Revisão 0 1 2 3 4 5 6 Motivo da Revisão Primeira versão aprovada

Leia mais

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento

Submódulo 12.3. Manutenção do sistema de medição para faturamento Submódulo 12.3 Manutenção do sistema de medição para faturamento Rev. Nº. 0 1 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Atendimento à Resolução

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES

REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES NTD-22 CONTROLE DE VERSÕES NTD 22- REQUISITOS MÍNIMOS PARA INSTALAÇÃO DE GERADOR POR PARTICULARES Nº.: DATA VERSÃO 01 04/2010 Original INDICE

Leia mais

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL -

A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Inova FV Workshop Inovação para o Estabelecimento do Setor de Energia Solar Fotovoltaica no Brasil A Regulação para o Estabelecimento do Mercado de Energia Fotovoltaica no Brasil - O Papel da ANEEL - Armando

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 4 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3 RESPONSABILIDADES... 4 4 DEFINIÇÕES... 5. 4.1 Acessada... 5. 4.2 Acessante...

NORMA TÉCNICA SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 4 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3 RESPONSABILIDADES... 4 4 DEFINIÇÕES... 5. 4.1 Acessada... 5. 4.2 Acessante... 17 / 12 / 2012 1 de 34 SUMÁRIO 1 FINALIDADE... 4 2 CAMPO DE APLICAÇÃO... 4 3 RESPONSABILIDADES... 4 4 DEFINIÇÕES... 5 4.1 Acessada... 5 4.2 Acessante... 5 4.3 Acesso... 5 4.4 Acordo operativo... 6 4.5

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 3 Acesso aos Sistemas de Distribuição Revisão Motivo da Revisão

Leia mais

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05

REQUISITOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERADORES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CHESP NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 PÁGINAS 1 de 42 NORMA TÉCNICA DE DISTRIBUIÇÃO NTD 05 Requisitos para conexão de Micro e Minigeradores ao Sistema de Distribuição da CHESP PÁGINAS 2 de 42 Treinamento recomendado: ( X ) Formal ( ) Leitura

Leia mais

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA COMPANHIA CAMPOLARGUENSE DE ENERGIA - COCEL NORMAS TÉCNICAS CONEXÃO DE MICRO E MINI GERAÇÃO DISTRIBUÍDA 2012 ÍNDICE 1 OBJETIVO 1 2 ABRANGÊNCIA 1 3 TERMINOLOGIA 1 4 DISPOSIÇÕES GERAIS 9 5 REQUISITOS TÉCNICOS

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

010/2012 NORMA TÉCNICA NT-010/2012 R-00 CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA COELCE

010/2012 NORMA TÉCNICA NT-010/2012 R-00 CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA COELCE 010/2012 010/2012 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT NORMA TÉCNICA /2012 R- CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA ELÉTRICO DA FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO...4 1 OBJETIVO...6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA VIABILIZAÇÃO

Leia mais

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ

Energia Solar no Brasil. 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Fórum Canalenergia/Cogen Potencial e Perspectivas da Energia Solar no Brasil O Processo da Regulação da Geração Distribuída Edvaldo Alves de Santana 12/04/2012 Rio de Janeiro - RJ Objetivos e princípio

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA

PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA PROCEDIMENTOS DE DISTRIBUIÇÃO Título PARALELISMO MOMENTÂNEO DE GERADOR COM O SISTEMA PRIMÁRIO DE DISTRIBUIÇÃO ATÉ 69 kv, COM OPERAÇÃO EM RAMPA Código NTD-00.024 Data da emissão 05.11.2009 Data da última

Leia mais

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008.

pdc_me_04 Página 1 de 24 Versão: 1 Início de Vigência: 11.03.2008 Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. pdc_me_04 Página 1 de 24. Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 934, de 07 de março de 2008. ÍNDICE 1. APROVAÇÃO... 3 2. HISTÓRICO DE

Leia mais

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior

Realizar Novas Ligações. Executar Ligação AT. HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES Edição Data Alterações em relação à edição anterior Paralelismo Momentâneo de Gerador com o Sistema de Distribuição com Processo Atividade Realizar Novas Ligações Executar Ligação AT Código Edição Data SM04.08-00.005 2ª Folha 1 DE 10 11/11/2010 HISTÓRICO

Leia mais

Gerenciamento de Energia

Gerenciamento de Energia Gerenciamento de Energia Mapa do Cenário Brasileiro Capacidade total de quase 88.500MW; Geração de 82.000MW; Transmissão de 80.000Km maiores que 230kV; mais de 530 usinas e subestações; 47 milhões de consumidores.

Leia mais

PdC Versão 1 PdC Versão 2

PdC Versão 1 PdC Versão 2 Procedimento de Comercialização Controle de Alterações PdC Glossário de Termos da CCEE PdC Versão 1 PdC Versão 2 METODOLOGIA DO CONTROLE DE ALTERAÇÕES Texto em realce refere-se à inserção de nova redação.

Leia mais

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda.

Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. Iguaçu Distribuidora de Energia Elétrica Ltda. NORMA TÉCNICA PARA CONEXÃO DE MINIGERAÇÃO E MICROGERAÇÃO DISTRIBUÍDA DE ENERGIA, AO SISTEMA ELÉTRICO DA IGUAÇU ENERGIA 1 Bibliografia utilizada e consultada:

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO

REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO E MINIGERAÇÃO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO REQUISITOS TÉCNICOS PARA CONEXÃO DE MICRO AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO EMISSÃO: 10/04/2013 REVISÃO: --/--/---- PÁG. 1/42 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Aplicação... 3 3. Documentos de Referência... 3 4. Definições...

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento é apenas explicativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...1 2 Quanto

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014

DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES. Abril/2014 DESAFIOS DA EXPANSÃO DA TRANSMISSÃO DO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL COM O AUMENTO DAS FONTES RENOVÁVEIS INTERMITENTES Abril/2014 Dificuldades no Processo de Implantação dos Empreendimentos de Transmissão

Leia mais

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I

Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Sistema de Proteção Elétrica em Subestações com Alta e Média Tensão Parte I Prof. Eng. José Ferreira Neto ALLPAI Engenharia Out/14 Parte 1 -Conceitos O Sistema Elétrico e as Subestações Efeitos Elétricos

Leia mais

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização

Tipo: FECO-G-03 Norma Técnica e Padronização Tipo: Norma Técnica e Padronização Requisitos Conexão Mini Micro Geradores Sistema SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 4 1 OBJETIVO... 6 2 CAMPO DE APLICAÇÃO...6 3 RESPONSABILIDADES...6 4 CONCEITOS...7 5 ETAPAS PARA

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL

CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL CONTRIBUIÇÃO AES BRASIL Consulta Pública 015/2010 A) Caracterização dos empreendimentos A1. Qual seria a melhor forma de caracterização de uma pequena central geradora distribuída, além da fonte primária

Leia mais

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013

NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013 NORMA DE DISTRIBUIÇÃO UNIFICADA NDU-013 CRITÉRIOS PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES DE GERAÇÃO DISTRIBUÍDA AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA ENERGISA - CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO NDU-013 ESE/EPB/EBO/EMG/ENF VERSÃO

Leia mais

Geração Própria NT 07 05 014

Geração Própria NT 07 05 014 Geração Própria NT 07 05 014 SUMÁRIO CONTEÚDO PG. 1. OBJETIVO 02 2. ÂMBITO 02 3. DEFINIÇÕES 05 4. NORMAS E LEGISLAÇÃO APLICÁVEIS E DOCUMENTOS COMPLEMENTARES 06 5. INSTRUÇÕES GERAIS 06 6. PROCEDIMENTOS

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO

NORMA TÉCNICA PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO PARA A CONEXÃO DE ACESSANTES À REDE DE DISTRIBUIÇÃO DAS DISTRIBUIDORAS DA ELETROBRAS CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO MPN-DC-/N-007 /03/26 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 4 1.1 Objetivos... 4 1.2 Terminologia... 4 1.3

Leia mais

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Submódulo 2.3 Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Rev. Nº. 0.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 2 Planejamento da Expansão do Sistema de Distribuição Revisão 0

Leia mais

008/2012 NORMA TÉCNICA NT-008/2012 R-02

008/2012 NORMA TÉCNICA NT-008/2012 R-02 008/2012 DIRETORIA TÉCNICA PLANEJAMENTO E ENGENHARIA DE AT E MT 008/2012 NORMA TÉCNICA /2012 R- CONEXÃO DE CENTRAL GERADORA DE ENERGIA AO SISTEMA ELÉTRICO DA FOLHA DE CONTROLE I APRESENTAÇÃO Esta Norma

Leia mais

Requisitos Para Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição da Cemig D Média Tensão

Requisitos Para Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição da Cemig D Média Tensão Classificação: Público ND 5.31 Companhia Energética de Minas Gerais Manual de Distribuição Requisitos Para Conexão de Acessantes Produtores de Energia Elétrica ao Sistema de Distribuição da Cemig D Média

Leia mais

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição

NOTA TÉCNICA 6.008. Página 1 de 24. Diretoria de Planejamento e Engenharia. Gerência de Planejamento do Sistema. Gerência da Distribuição Página 1 de 4 NOTA TÉCNICA 6.008 REQUISITOS MÍNIMOS PARA INTERLIGAÇÃO DE GERADOR PARTICULAR COM A REDE DE DISTRIBUIÇÃO DA AES ELETROPAULO UTILIZANDO SISTEMA DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA COM INTERRUPÇÃO

Leia mais

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012

Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Perguntas e Respostas sobre a aplicação da Resolução Normativa nº 482/2012 Este documento tem caráter apenas orientativo e não tem força normativa. 1 O que é o Sistema de Compensação de Energia Elétrica?...

Leia mais

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779

PLANTA DA ULBRA USINA DE CANOAS /RS ESTUDO DE CURTO E SELETIVIDADE ORDEM DE COMPRA 210779 RELATÓRIO DO ESTUDO DE CURTO CIRCUITO E DA PLANTA DA ULBRA - PARTE 1 CONFORME SOLICITAÇÃO DA ORDEM DE COMPRA STEMAC - 210779 EMITIDA EM 01/03/2007. REVISÃO 1 19/04/2007 Introdução. O presente documento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA TEMA DA AULA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA - SEP PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA SISTEMA ELÉTRICO DE POTÊNCIA Visão global de um sistema

Leia mais

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações

Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Uma viagem pelas instalações elétricas. Conceitos & aplicações Workshop Etapa BRASÍLIA CEB CEB 01 UPS 150 kva IGBT/IGBT BASEADO NAS INFORMAÇÕES DO DIAGRAMA UNIFILAR APRESENTADO, DEFINIR: 1 - Corrente nominal

Leia mais