Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Submódulo 3.4. Informações para a solicitação de acesso"

Transcrição

1 Submódulo Informações para a solicitação de acesso Rev. Nº Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação à Resolução ANEEL nº 281, de 01 de outubro de Aperfeiçoamentos decorrentes do exercício do processo com os agentes. Adequação aos formulários do sistema acesso online. Data de aprovação pelo ONS Data e instrumento de aprovação pela ANEEL 12/04/ /01/ /04/2001 Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 115, de 29 de novembro de /09/2005 Versão decorrente da Audiência Pública nº 049/2008, submetida para aprovação em caráter definitivo pela ANEEL. Atendimento à Resolução Normativa ANEEL nº 312/08, de 06 de maio de /10/2000 Resolução nº 420/00 25/03/2002 Resolução nº 140/02 26/03/ /06/ /06/ /09/2007 Resolução Autorizativa nº 1051/07 07/07/2008 Resolução Autorizativa nº 1436/08 05/08/2009 Resolução Normativa nº 372/09 15/09/2010 Despacho SRT/ANEEL nº 2744/10 Endereço na Internet:

2 1 INTRODUÇÃO OBJETIVO ALTERAÇÕES DESTA REVISÃO CONDIÇÕES GERAIS ESTUDOS DE INTEGRAÇÃO DO EMPREENDIMENTO À REDE BÁSICA E ÀS DIT INFORMAÇÕES PARA SUPERVISÃO E CONTROLE EM TEMPO REAL PELO ONS DETALHAMENTO DAS INFORMAÇÕES FORMULÁRIOS... 8 ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO ANEXO Endereço na Internet: Página 2/37

3 1 INTRODUÇÃO 1.1 Este submódulo apresenta a relação de dados e informações que devem ser providenciadas pelo acessante para subsidiar o processo de solicitação de acesso descrito no Submódulo 3.3 Solicitação de acesso. 1.2 Os módulos e submódulos aqui mencionados são: (a) Submódulo 2.7 Requisitos de telessupervisão para a operação; (b) Submódulo 3.3 Solicitação de acesso; (c) Submódulo 3.6 Requisitos técnicos mínimos para a conexão às instalações de transmissão; (d) Módulo 4 Ampliações e reforços; (e) Módulo 5 Consolidação da previsão de carga; e (f) Módulo 18 Sistemas e modelos computacionais. 2 OBJETIVO 2.1 O objetivo deste submódulo é apresentar, para fins da solicitação de acesso, a relação de dados e informações a serem providenciadas pelo acessante e fornecidas ao ONS ou ao agente de transmissão a ser acessado. 3 ALTERAÇÕES DESTA REVISÃO 3.1 Alterações decorrentes para o atendimento da Resolução Normativa nº 312, de 06 de maio de Condições gerais As informações a serem encaminhadas ao ONS ou ao agente de transmissão pelos agentes de geração, de distribuição, de importação/exportação e consumidores livres para a solicitação de acesso são de dois tipos: (a) resultados decorrentes da realização dos estudos de integração do empreendimento à rede básica ou às DIT, efetuados pelo acessante; (b) informações requeridas aos agentes de geração, de distribuição, de importação/exportação e consumidores livres (cf. item 4.4 deste submódulo) Em virtude do papel institucional do agente de distribuição, a base de dados necessária à análise da solicitação de acesso, referente à implantação de um novo ponto de conexão, deve ficar disponível durante o ciclo do Plano de Ampliações e Reforços na Rede Básica PAR e do Plano Anual de Ampliações e Reforços de Instalações de Transmissão não Integrantes da Rede Básica PAR-DIT, conforme explicitado no processo de relacionamento do agente de distribuição com o ONS descrito no Módulo 4. Endereço na Internet: Página 3/37

4 4.1.3 Dependendo do porte da conexão e do ponto solicitado para a conexão, o ONS pode requerer informações adicionais do acessante, necessárias à análise da viabilidade técnica da conexão Além das informações estabelecidas neste submódulo, o acessante deve se submeter aos requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica e às Demais Instalações de Transmissão DIT, estabelecidos no Submódulo 3.6. Havendo quaisquer discordâncias em relação a esses requisitos técnicos mínimos, o acessante deve destacar na solicitação de acesso quais são essas discordâncias e os motivos pelos quais os requisitos não estão sendo atendidos Com relação ao item 4.1.1(b) deste submódulo, podem ser aceitos dados típicos no que concerne às informações essencialmente técnicas referentes às novas instalações (ainda não implantadas). O acessante deve identificar quais dados são típicos. 4.2 Estudos de integração do empreendimento à rede básica e às DIT Conforme estabelecido na Resolução ANEEL nº 281/99, os usuários das instalações de transmissão devem "efetuar os estudos, os projetos e a execução das instalações de uso exclusivo e a conexão com o sistema elétrico da concessionária ou permissionária onde será feito o acesso". Esses estudos devem compreender, pelo menos, a análise de curto-circuito, de fluxo de carga e da estabilidade eletromecânica, essa última realizada para os casos em que há geração própria ou motores acima de 5 MW O acessante que tiver geradores com a possibilidade de operação em paralelo com o Sistema Interligado Nacional SIN deve apresentar resultados de ensaios e/ou simulações que demonstrem que os sistemas de controle e regulação de velocidade e tensão, bem como o sinal adicional estabilizador proposto, atendem aos requisitos técnicos mínimos estabelecidos no Submódulo 3.6. Os ensaios ou simulações a serem efetuados devem incluir as seguintes análises: (a) degraus na referência do regulador de tensão e de velocidade, bem como variações com tomadas de carga em rampa, para as condições com e sem presença do sinal adicional estabilizador (SAE); (b) estudo de comportamento de tensão (BT e AT) e da potência reativa gerada pela usina, para a faixa de tapes definida para os transformadores elevadores da usina; (c) estudo de estabilidade eletromecânica para impactos na usina e na rede elétrica à qual será conectada O acessante deve apresentar o modelo computacional utilizado nas simulações para demonstração do atendimento aos requisitos supracitados O objetivo desses estudos é, além de definir as características e avaliar o desempenho das instalações de uso exclusivo do acessante, analisar o impacto do empreendimento na rede elétrica, identificando eventuais necessidades de ampliações, reforços e melhorias para a viabilização técnica da conexão Os estudos de caráter sistêmico são efetuados pelo ONS e têm como principal objetivo apontar um conjunto de obras que viabilize tecnicamente todos os acessos, em consonância com as estratégias de expansão da transmissão definidas pela Empresa de Pesquisa Energética EPE Para o caso de acesso às DIT, os estudos acima citados poderão ser simplificados, a critério do ONS, dependendo do porte do empreendimento. Endereço na Internet: Página 4/37

5 4.3 Informações para supervisão e controle em tempo real pelo ONS De acordo com o estabelecido no Submódulo 2.7, cabe ao acessante definir a arquitetura dos seus sistemas de supervisão e controle e das interligações, com o objetivo de atender aos requisitos estabelecidos nesse submódulo Dessa forma, previamente à solicitação de acesso, o acessante deve consultar o ONS para obter, formalmente, as seguintes informações necessárias à finalização da arquitetura de supervisão e controle: (a) o centro com o qual o acessante se relacionará, designado no Submódulo 2.7 como centro de operação controlador da área; (b) eventualmente, outros centros com que o acessante deve estabelecer interligações de dados, designados no Submódulo 2.7 como centro de operação da área interligada e como centro de operação que assume a área de controle; (c) no caso de agente de geração, a participação ou não no Controle Automático de Geração CAG; (d) o protocolo de comunicação de dados a ser utilizado em cada interligação de dados De posse dessas informações, o acessante deve encaminhar ao ONS, além da arquitetura de supervisão e controle, que deve atender aos requisitos definidos no Submódulo 2.7: (a) a arquitetura das interligações de dados; (b) a filosofia a ser adotada na telemedição, sinalização de estado, telecontrole e seqüência de eventos, incluindo indicação de atendimento aos requisitos de qualidade, tais como exatidão da medição, idade do dado, exatidão do selo de tempo etc; (c) a proposta para a identificação dos equipamentos. 4. O encaminhamento de tais informações não isenta o acessante de fornecer, posteriormente, as informações requeridas no Submódulo 2.7 para a configuração da(s) base(s) de dados do(s) sistema(s) de supervisão e controle. De acordo com esse submódulo, as informações devem ser encaminhadas ao ONS até 2 (dois) meses antes de os equipamentos entrarem em operação. 4.4 Detalhamento das informações Usinas Termelétricas (a) preencher o cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher os documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão (Formulário 8). (c) preencher os dados da usina (Anexo 4). (d) informar montante de uso do sistema de transmissão (MUST) a contratar (Formulário 1). (e) para cada grupo de transformadores elevadores com características idênticas, preencher o(s) dado(s) do Anexo 2. (f) fornecer os modelos das máquinas e de seus controles no formato adotado pelos programas computacionais utilizados pelo ONS (cf. Módulo 18), no caso de estudos de regime permanente e regime dinâmico, e preferencialmente no formato adotado pelo programa ATP, no caso de estudos de transitórios eletromagnéticos. (g) fornecer diagrama unifilar da usina incluindo a subestação elevadora e vãos de saída das linhas de conexão à rede básica. Endereço na Internet: Página 5/37

6 (h) para instalações de conexão, preencher o Formulário 3 e preencher o(s) dado(s) do Anexo 2 para cada grupo de transformadores que possuam características idênticas. (i) preencher os dados do ponto de conexão (Anexo 6). (j) preencher o(s) dado(s) de motores de indução (Anexo 3), quando for o caso Hidrelétricas (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão (Formulário 8). (c) preencher dados da usina (Anexo 5). (d) informar montante de uso do sistema de transmissão (MUST) a contratar (Formulário 2). (e) preencher o(s) dado(s) do Anexo 2 para cada grupo de transformadores elevadores com características idênticas. (f) fornecer os modelos das máquinas e de seus controles no formato adotado pelos programas computacionais utilizados pelo ONS (cf. Módulo 18), no caso de estudos de regime permanente e regime dinâmico, e preferencialmente no formato adotado pelo programa ATP, no caso de estudos de transitórios eletromagnéticos. (g) fornecer diagrama unifilar da usina incluindo a subestação elevadora e vãos de saída das linhas de conexão à rede básica. (h) para instalações de conexão, preencher o Formulário 3 e preencher o(s) dado(s) do Anexo 2 para cada grupo de transformadores que possuam características idênticas. (i) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (j) preencher o(s) dado(s) de motores de indução (Anexo 3), quando for o caso Centrais Geradoras Eólicas (a) preencher o cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher os documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão: (Formulário 8). (c) informar montante de uso do sistema de transmissão (MUST) a contratar e data de início de contratação (mês/ano) (Formulário 11). (d) preencher os dados das centrais geradoras eólicas (Anexo 8). (e) instalações de conexão (de uso restrito ou compartilhado): (i) para instalações em corrente alternada, sem conversor, preencher Formulário 3; (ii) para instalações em corrente alternada, com conversor, preencher Formulário 3 e o(s) dado(s) do Anexo 11. (f) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (g) fornecer os modelos dos aerogeradores e de seus controles no formato adotado pelos programas computacionais utilizados pelo ONS (cf. Módulo 18), no caso de estudos de regime permanente e regime dinâmico, e preferencialmente no formato adotado pelo programa ATP, no caso de estudos de transitórios eletromagnéticos Agentes de importação a partir de uma hidrelétrica ou termelétrica (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). Endereço na Internet: Página 6/37

7 (b) preencher documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão (Formulário 8). (c) dados da usina: (i) preencher Formulário 1 para UTE. (ii) preencher Formulário 2 para UHE. (d) instalações de conexão: (i) para instalações em corrente alternada preencher Formulário 3. (ii) para instalações em corrente contínua preencher os dados do Anexo 7. (e) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (f) preencher o(s) dado(s) dos motores de indução (Anexo 3), quando for o caso. (g) montantes de uso a contratar, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor, preencher Formulário Agentes de importação a partir de um sistema (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão (Formulário 8). (c) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (d) montantes de uso a contratar, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor, preencher Formulário 9. (e) instalações de conexão: (i) fornecer diagrama unifilar e informações gerais do sistema de transmissão do país vizinho. (ii) para instalações em corrente alternada, preencher Formulário 3. (iii) para instalações em corrente contínua, preencher o(s) dado(s) do Anexo Consumidores livres (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (c) instalações de conexão: preencher o Formulário 3 e preencher o(s) dado(s) do Anexo 2 para cada grupo de transformadores que possuam características idênticas. (d) informações técnicas do acesso, preencher Formulário 4. (e) montantes de uso do sistema de transmissão (MUST) a contratar, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor, preencher Formulário 10. (f) caso a instalação tenha motores com potência maior ou igual a 5MW, preencher os dados do Anexo 9 para motores síncronos e/ou do Anexo 3 para motores de indução. (g) caso a instalação tenha fornos, preencher Formulário 5 e os dados do Anexo 10. (h) caso a instalação tenha conversores e/ou retificadores, preencher o Formulário 6 com dados gerais e os dados do Anexo 11 para cada grupo de conversores com características idênticas e/ou os dados do Anexo 12 para cada grupo de ciclo conversores com características idênticas. Endereço na Internet: Página 7/37

8 (i) caso a instalação tenha geração própria, preencher os dados do Anexo 9 para cada grupo de geradores síncronos com características idênticas Agentes de distribuição (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (c) para a subestação, preencher Anexo 2. (d) informações técnicas do acesso, preencher Formulário 7. (e) montantes de uso a contratar, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor, preencher Formulário 9. Nota: Os agentes de distribuição deverão preencher a tabela do Formulário 9 também para os seus demais pontos de conexão afetados pelo novo acesso. (f) Informar para o novo ponto de conexão e para os demais pontos de conexão afetados pelo acesso os valores de demanda, em conformidade com o Módulo Agentes de exportação (a) preencher cadastro do empreendimento (Anexo 1). (b) preencher documentos comprobatórios dos atos de autorização ou de concessão: (Formulário 8). (c) preencher o(s) dado(s) do ponto de conexão (Anexo 6). (d) montantes de uso a contratar, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor, preencher Formulário 10. (e) instalações de conexão: (i) fornecer diagrama unifilar e informações gerais do sistema de transmissão do país vizinho.; (ii) para instalações em corrente alternada, preencher Formulário 3. (iii) para instalações em corrente contínua preencher os dados do Anexo Formulários Formulário 1 Informações e dados de usinas termelétricas (a) Número total de unidades. (b) Preencher tabela abaixo: Dados Identificação da unidade Potência nominal (MVA) Potência máxima em regime contínuo (MW) Data da 1a sincronização à rede básica Data de entrada em operação comercial Montante de uso acumulado a contratar (MW) Unidade 1 Unidade 2 Unidade n Endereço na Internet: Página 8/37

9 (c) Fonte de energia. (d) Ciclo de operação (simples ou combinado). (e) Estágio atual (licença ambiental, andamento de obras etc.). (f) Dados utilizados no cálculo da potência máxima em regime contínuo: (i) temperatura ( o C); (ii) altitude (metros em relação ao nível médio do mar); e (iii) umidade relativa do ar (%). (g) Regime de operação (permanente, temporário, sazonal). (h) Diagrama unifilar elétrico da subestação da usina, incluindo os vãos de entrada e saída da subestação elevadora e indicando os sistemas de proteção e de medição. (i) Descrição do sistema de partida da usina, com suas características básicas Formulário 2 Informações e dados de usinas hidrelétricas (a) Número total de unidades. (b) Preencher tabela abaixo: Dados Identificação da unidade Potência nominal (MVA) Potência máxima em regime contínuo (MW) Data da 1 a sincronização à rede básica Data de entrada em operação comercial Montante de uso acumulado a contratar (MW) Unidade 1 Unidade 2 Unidade n (c) Regime de operação (particularidades). (d) Estágio atual (licença ambiental, andamento de obras etc.). (e) Diagrama unifilar elétrico da subestação da usina, incluindo os vãos de entrada e saída da subestação elevadora e indicando os sistemas de proteção e de medição. (f) Descrição do sistema de partida da usina, apresentando suas características básicas Formulário 3 Dados das instalações de conexão (a) Diagrama unifilar simplificado das instalações de conexão, indicando o ponto de conexão na rede básica, os vãos de linha(s) na subestação do acessante e na da rede básica. (b) Número de circuitos para conexão à rede básica. (c) Preencher tabela abaixo: Endereço na Internet: Página 9/37

10 Dados Identificação do circuito: Comprimento do circuito (km) Capacidade nominal do circuito (MVA) Impedância própria de seqüência positiva Impedância própria de seqüência zero Impedância mútua de seqüência positiva Impedância mútua de seqüência zero Susceptância Formulário 4 Informações técnicas do acesso de consumidor livre (a) Data de entrada em operação. (b) Preencher a tabela abaixo com os valores de carga totais, ano a ano, até o horizonte do ciclo do PAR em vigor: Mês/Ano Ponta (MW) Carga Total do Consumidor Horário da ponta Fora de Ponta do consumidor (1) (MW) NOTA: (1) Não havendo coincidência entre o horário informado na tabela e o horário de ponta da distribuidora em cuja área de concessão se localiza a instalação do consumidor livre, informar também o horário de ponta da distribuidora. (c) Equipamentos: Tipo Motores de indução Motores síncronos Fornos Retificadores Quantidade Capacidade Instalada Total (MW) (d) Características da geração própria (atual e prevista): Capacidade nominal instalada (MW) Fator de potência (cos ϕ) Tensão nominal (kv) (e) Regime de operação da geração própria. Dependendo da localização do acessante na rede básica e do porte da sua geração própria, o ONS poderá solicitar as informações relacionadas nos subitens (c), (g) e (h) e/ou (c), (g), (h) deste anexo Formulário 5 Dados gerais de fornos (a) Número de fornos existentes: (i) tipos. Endereço na Internet: Página 10/37

11 (ii) potência total (kw). (b) Número de fornos previstos: (i) tipos (ii) potência total (kw) (iii) data de entrada em operação. (c) Ciclo diário de operação dos fornos. (d) Fornos operando simultaneamente Formulário 6 Dados gerais de retificadores de corrente, de conversores (retificadores/inversores) e dispositivos automáticos para controle de velocidade de motores ( driver ) (a) Identificação do equipamento. (b) Número de tipos diferentes. (c) Preencher tabela abaixo: Nome Aplicação Tipo de conversor N o de pulsos Fator de potência Potência Nominal (kw) Corrente Nominal CC (A) Tensão Nominal (kv) CA CC Formulário 7 Informações técnicas de agentes de distribuição (a) Informar a(s) data(s) de entrada em operação nos casos de expansão de subestação existente ou de implantação de nova subestação. (b) Enviar diagrama unifilar simplificado das instalações de conexão, indicando o ponto de conexão na rede básica, os vãos de linha(s) na subestação do acessante e na da rede básica. (c) Enviar diagrama unifilar e informações gerais do sistema de distribuição da área de influência do novo acesso (acima e/ou igual a 69 kv) Formulário 8 - Documentos Comprobatórios dos Atos de Autorização ou de Concessão Contratos de Concessão / Autorizações Número/Data/Resolução ANEEL Endereço na Internet: Página 11/37

12 4.5.9 Formulário 9 - Montantes de Uso a Contratar, Ano a Ano Mês/Ano Montante (MW) Fator de Potência Ponta Fora de Ponta Ponta Fora de Ponta Formulário 10 - Montantes de Uso a Contratar, Ano a Ano, fator de potência e fator de carga Mês/Ano Montante (MW) Fator de Potência Fator de Carga Ponta (1) Fora de Ponta Ponta (1) Fora de Ponta Nota: (1) Ponta é o horário de ponta do sistema, ou seja, da distribuidora em cuja área de concessão se localizam as instalações do consumidor livre Formulário 11 - Montantes de Uso a Contratar, usinas eólicas Dados Identificação da unidade Potência nominal (MVA) Potência máxima em regime contínuo (MW) Data da 1 a sincronização à rede básica Data de entrada em operação comercial Montante de uso acumulado a contratar (MW) Central geradora eólica Endereço na Internet: Página 12/37

13 ANEXO 1 ANEXO 1 INFORMAÇÕES SOBRE O ACESSANTE E O EMPREENDIMENTO A) Informações gerais 1 - Nome do empreendimento 2 - Razão social 3 - Caracterização (agente de distribuição, agente de geração, consumidor livre etc) 4 - Ramo de atividade 5 - CNPJ 6 - Inscrição estadual 7 - Endereço 8 - Município 9 - UF 10 - CEP 11 - Telefone 12 - Fax B) Dados do representante perante o ONS 1 - Empresa 2 - Cargo 3 - Setor 4 - Nome 5 - Endereço 6 - Município 7 - UF 8 - CEP 9 - Telefone 10 - Fax C) Localização do empreendimento 1 - Município 2 - UF 3 - Latitude (graus, minutos e segundos) 4 - Longitude (graus, minutos e segundos) Endereço na Internet: Página 13/37

14 ANEXO 2 ANEXO 2 DADOS DE TRANSFORMADORES 1 - Preencher a tabela para cada grupo de transformadores com os mesmos parâmetros. Identificação do transformador Tensão nominal dos enrolamentos (kv) Potência nominal trifásica para os estágios de ventilação (MVA) Sobrecargas admissíveis (% e duração) Números de enrolamentos e tipo de ligação Impedâncias de seqüência positiva e zero em pu (especificar base em MVA) Em caso de 3 enrolamentos especificar X ps, X st, X pt 2 - Fornecer as curvas de saturação. 3 - Relação das tensões disponíveis, considerando: a) Derivações de tapes sob carga (indicar o enrolamento) b) Derivações de tapes em vazio (indicar o enrolamento) Endereço na Internet: Página 14/37

15 ANEXO 3 ANEXO 3 DADOS DE MOTORES DE INDUÇÃO A) Dados do motor de indução - Preencher a tabela abaixo: Motor 1 Motor 2 Motor 3 Motor 4 Motor Designação (nome) 2 Tipo (marcar Gaiola de Esquilo GE ou Rotor Bobinado RB (*) 3 - Potência nominal (KVA) 4 - Corrente nominal (A) 5 - Tensão nominal (kv) 6 - N de pólos 7 - Velocidade nominal (rpm) 8 - Fator de potência (%) 9 - Rendimento nominal (%) 10 Escorregamento do motor 11 - Dados de impedância Estator Rs (ohm) Xs (ohm) Rotor Rr (ohm) Xr (ohm) Magnetização Xm (ohm) 12 - Corrente de partida (A) 13 - Fator de potência na partida (%) em vazio 14 - Partida sob carga 15 - Freqüência de partidas 16 - Descrição da aplicação 17 - Esquema de partida Direta Motor auxiliar Reator série Tapes (%) Resistor série Tapes (%) Autotransformador Tapes (%) Outros (Especificar) 18 - Momento de Inércia motor-carga (kg.m 2 ) 19 - Controle de velocidade (informar qual controle o motor possui) - Inversores - Preencher Anexo 11 - Cicloconversores Preencher Anexo 12 - Outros (Chopper, cascata subsíncrona etc) - Enviar diagramas e características. (*) Caso seja duplamente alimentado, fornecer os dados do conversor Anexo 12 Endereço na Internet: Página 15/37

16 ANEXO 4 ANEXO 4 DADOS DE UNIDADES GERADORAS DE TERMELÉTRICAS A) Dados Gerais 1 - Preencher a tabela abaixo para unidades com mesmo parâmetro: 1 Identificação da unidade 2 Fabricante da turbina 3 Tipo da turbina (gás, vapor, outros) 4 Fabricante do gerador(es) 5 Potência nominal de placa (MVA) 6 Potência máxima de regime contínuo (MW) 7 Corrente nominal (A) 8 Tensão nominal (kv) 9 Freqüência nominal (Hz) 10 Velocidade nominal (rpm) 11 Número de fases 12 Tipos de ligação 13 Número de pólos 14 Fator de potência nominal (sobreexcitado e subexcitado) Unidades B) Dados complementares 1- Curvas para tomada de carga (cold, warm e hot start) 2 - Curvas para parada da(s) unidade(s) 3 - Condições ambientais para as quais as curvas estão referidas C) Curvas de capabilidade e de saturação 1 - Curvas de capabilidade para as tensões de operação mínima, máxima e nominal. (fornecer as referidas curvas para as condições ambientais locais altitude e temperatura média anual) 2 - Curvas de saturação em pu na base da máquina D) Faixas operativas: 1 - Faixa operativa contínua de tensão nos terminais da máquina em regime permanente 2 - Faixa operativa temporizada de tensão 3 - Ajustes propostos da proteção de sobretensão e de subtensão 4 - Faixa operativa contínua de freqüência 5 - Ajustes propostos da proteção de sobrefreqüência e de subfreqüência 6 - Faixas de operação proibidas por conjunto turbina-gerador 7 - Limite máximo da turbina acoplada ao gerador (MW) E) Gerador - Sistema de excitação - Preencher a tabela abaixo Sinal adicional (PSS) de potência acelerante: Tensão de teto positivo Tempo de resposta Tensão de teto negativo Tipo de excitação (brushless/pmg, estática etc) Sim/Não Valor (pu) Valor (s) Valor (pu) Endereço na Internet: Página 16/37

17 ANEXO 4 E.1) Diagrama de blocos do regulador de tensão - Sinal adicional - Limitador de sobre-excitação - Limitador de subexcitação E.2) Documentação - Ajustes propostos de regulador de tensão/sinal adicional - Faixas de parâmetros para os ajustes - Resultados de simulações e/ou ajustes F) Turbina - Sistemas de regulação de velocidade F.1) Diagrama de blocos do regulador de velocidade F.2) Documentação - Ajustes propostos de regulador de velocidade - Faixas de parâmetros para os ajustes - Resultados de simulações e/ou ajustes G) Geradores síncronos - Informações a serem fornecidas para cada grupo de geradores com parâmetros idênticos Preencher a tabela Reatâncias em % na base em MVA da máquina Saturada Não-saturada X d Reatância síncrona de eixo direto X q Reatância síncrona de eixo em quadratura X d Reatância transitória de eixo direto X d Reatância sub transitória de eixo direto X l Reatância de dispersão T d0 Constantes de tempo transitória de eixo direto, em circuito aberto T d0 Constantes de tempo sub transitória de eixo direto, em circuito aberto T q0 Constantes de tempo sub transitória de eixo em quadratura, em circuito aberto D Constante de amortecimento em pu/pu Momento de inércia do conjunto turbina-gerador em MW.s/MVA Endereço na Internet: Página 17/37

18 ANEXO 4 H) Turbinas a Gás Preencher a tabela Fabricante Modelo Tipo Aeroderivativa Heavy Duty Se o tipo selecionado foi aeroderivativa, informar: N o de spools Presença de turbina livre Sim Informar tipo de combustível Potência nominal (MW) Máxima sobrecarga admissível Fator limitante Não Duração (min) Se a turbina operar em ciclo aberto, informar: Potência mínima despachável (MW) Fator limitante : Potência máxima despachável (MW) Fator limitante : N o de estágios compressores N o de estágios de pressão Nº de eixos (caso seja de eixos múltiplos, anexar diagrama de sua configuração ) Forma de conexão entre os estágios compressores e os estágios da turbina Tipo de regulador de velocidade: mecânico-hidráulico eletro-hidráulico eletro-hidráulico digital Fornecer dados e modelo matemático do regulador de velocidade Há controle de aceleração? Sim Não Descrever as características do controle de aceleração Fornecer dados e modelo matemático do controle de aceleração Há controle de temperatura? Sim Não Descrever as características do controle de temperatura Fornecer dados e modelo matemático do controle de temperatura Descrever as características do controle de IGV Inlet Guide Vane Fornecer dados e modelo matemático do controle de IGV Outros elementos: regenerador intercooler câmara de combustão adicional outros: Fornecer dados e modelo matemático para o(s) elemento(s) selecionado(s) Constante de tempo de inércia (H) associada à turbina à gás Constantes de tempo de inércia individuais das massas girantes da turbina a gás (estágios de compressão e de pressão da turbina) Coeficientes de acoplamento entre as massas girantes da turbina a gás Coeficientes de amortecimento das massas girantes da turbina a gás Se a turbina operar em ciclo aberto, informar: Freqüência mínima admissível (Hz) Freqüência máxima admissível (Hz) Freqüência(s) de trip / temporização (Hz e s) Limite de sobrevelocidade (rpm ) Endereço na Internet: Página 18/37

19 ANEXO 4 I) Turbinas a vapor Preencher a tabela Potência nominal (MW) Máxima sobrecarga admissível Duração (min) Fator limitante N o de estágios de pressão da turbina a vapor Fornecer diagramas esquemáticos e modelos matemáticos associados, valores das constantes de tempo e dos fatores de participação. Informar as limitações dos diversos estágios de pressão das turbinas a vapor Taxa de aquecimento da turbina em geral o C/hora Diferença de temperatura externa e interna da carcaça Taxa de variação de potência recomendada Redução de carga recomendada Níveis de alarme Outras limitações Rotação mínima Rotação máxima Excentricidade Deslocamento axial Expansão diferencial Temperatura dos mancais Amplitude de vibração vertical/horizontal o C MW/min (turbina fria) MW/min (turbina quente) MW/min Bypass de vapor? sim não Descrever as características do by-pass de vapor Fornecer as características operacionais dos controles de pressão de vapor e de abertura da válvula de admissão de vapor (Fornecer diagramas e modelos matemáticos) Informar restrições (limitações) operacionais dos controles de pressão e de abertura da válvula de admissão de vapor (pressão, temperatura, rampa de potência) A turbina a vapor dispõe de regulador de velocidade? sim não Informar as características da regulação de velocidade e sua interação com o controle de velocidade das turbinas a gás (quando em ciclo combinado) - Fornecer diagramas, modelos matemáticos e parâmetros do regulador de velocidade. Existe fast valving (intercept value) na turbina a vapor? sim não Em caso afirmativo, fornecer as características básicas do fast valving, diagramas, modelos matemáticos e parâmetros Constante de tempo de inércia associada à turbina a vapor (total do eixo, exceto gerador e sistema de excitação) Constantes de tempo de inércia individuais dos estágios de pressão da turbina a vapor: Alta pressão Pressão intermediária Baixa pressão Coeficientes de acoplamento entre as massas girantes da turbina a vapor: Coeficientes de amortecimento das massas girantes da turbina a vapor rpm rpm mm mm mm o C mm Endereço na Internet: Página 19/37

20 ANEXO 4 J) Quando de operação em ciclo combinado Preencher a tabela Tipo Ciclo combinado em série Ciclo combinado em paralelo Ciclo combinado série-paralelo Nº de Eixos (caso seja de eixos múltiplos, anexar diagrama de sua configuração) Single-Shaft_(1 turbina a gás e 1 turbina térmica a vapor acopladas ao mesmo eixo) Single-Shaft com Clutch turbina(s) a gás e turbina(s) térmica(s) a vapor turbina(s) a gás e uma turbina térmica a vapor com estágio(s) de pressão A turbina a vapor é tandem-compound cross-compound Cogeração (vapor)? sim não N o de caldeiras de recuperação (caso haja) que compõem o ciclo combinado Se a operação da turbina for em ciclo combinado, informar para a turbina a gás: Potência mínima despachável (MW) Fator limitante : Potência máxima despachável (MW) Fator limitante : Variações de freqüência admissíveis na operação em ciclo combinado: Freqüência mínima (Hz) Freqüência máxima (Hz) Freqüência(s) de trip / temporização (Hz e s) Limite de sobrevelocidade (rpm) Caso existam duas ou mais turbinas a gás nesse ciclo, é possível a operação do ciclo combinado mesmo com a saída, súbita ou programada, de uma turbina a gás? Sim Não As turbinas a gás podem operar com a saída súbita de uma turbina a vapor? sim K) Caldeiras de recuperação HRSG - Preencher a tabela não Existe uma caldeira de recuperação para cada turbina a gás? sim não N o de estágios de pressão das caldeiras de recuperação (Fornecer diagrama esquemático): Existe bypass de gás nas caldeiras de recuperação? : sim Em caso afirmativo, informar: Tempo de fechamento para a caldeira Tempo de abertura para a caldeira Modulação sim não não Informar os tempos referentes à produção de vapor nas HRSG e enviar os modelos matemáticos incluindo ganhos e constantes de tempo Informar os dispositivos de controle existentes nas caldeiras de recuperação e enviar diagramas, modelos matemáticos e parâmetros. Há queima suplementar? sim não Em caso afirmativo, informar as características da queima e enviar diagramas, modelos matemáticos incluindo ganhos e constantes de tempo Informar como são as conexões existentes entre as turbinas a gás, as turbinas a vapor e a caldeira de recuperação e enviar diagramas esquemáticos. Informar os limites operativos das caldeiras de recuperação (pressão e temperatura) para o vapor principal e o reaquecido quente Informar outras restrições operacionais referentes às caldeiras de recuperação Endereço na Internet: Página 20/37

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 Motivo da Revisão

Leia mais

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO

Gerencia de Planejamento do Sistema GPS FORMULÁRIO DE CONSULTA DE ACESSO A consulta de acesso deve ser formulada pelo acessante à acessada com o objetivo de obter informações técnicas que subsidiem os estudos pertinentes ao acesso, sendo facultada ao acessante a indicação de

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 27 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 41 De acordo com a NBR 5410, em algumas situações é recomendada a omissão da proteção contra sobrecargas. Dentre estas situações estão, EXCETO: a) Circuitos de comando.

Leia mais

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações

Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST. Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Agência Nacional de Energia Elétrica ANEEL Procedimentos de Distribuição de Energia Elétrica no Sistema Elétrico Nacional PRODIST Módulo 6 Informações Requeridas e Obrigações Revisão 0 1 2 3 4 5 6 7 8

Leia mais

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS

PREZADO ACESSANTE, ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO EM 10 PASSOS PREZADO ACESSANTE, A legislação vigente assegura a todos os Agentes do setor elétrico e consumidores livres o acesso aos sistemas de transmissão de concessionário público de energia elétrica. O Operador

Leia mais

PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO

PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO GPLAN-002-REV00 INDET. 1 de 31 PROCEDIMENTO DE VIABILIZAÇÃO DE ACESSO AO SISTEMA ELÉTRICO DA ELETROBRAS DISTRIBUIÇÃO GPLAN-002-REV00 INDET. 2 de 31 1. OBJETIVO... 4 2. FASES DO PROCESSO DE ACESSO... 4

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE CURSO DE ENGENHARIA ELÉTRICA LABORATÓRIO 9: Acionamento de Motores Assíncronos Trifásicos e Monofásicos Objetivo: Verificar alguns tipos de acionamento de motores elétricos de indução trifásicos e monofásicos. Teoria: Os motores elétricos,

Leia mais

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios

ET720 Sistemas de Energia Elétrica I. Capítulo 3: Gerador síncrono. Exercícios ET720 Sistemas de Energia Elétrica I Capítulo 3: Gerador síncrono Exercícios 3.1 Dois geradores síncronos estão montados no mesmo eixo e devem fornecer tensões em 60 Hz e 50 Hz, respectivamente. Determinar

Leia mais

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S

LINHA DE EQUIPAMENTOS DIDÁTICOS PARA ÁREA DE ELETROTÉCNICA: DESCRIÇÃO ETC S EQUACIONAL ELÉTRICA E MECÂNICA LTDA. RUA SECUNDINO DOMINGUES 787, JARDIM INDEPENDÊNCIA, SÃO PAULO, SP TELEFONE (011) 2100-0777 - FAX (011) 2100-0779 - CEP 03223-110 INTERNET: http://www.equacional.com.br

Leia mais

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é:

Questão 3: Três capacitores são associados em paralelo. Sabendo-se que suas capacitâncias são 50μF,100μF e 200μF, o resultado da associação é: Questão 1: A tensão E no circuito abaixo vale: a) 0,5 V b) 1,0 V c) 2,0 V d) 5,0 V e) 10,0 V Questão 2: A resistência equivalente entre os pontos A e B na associação abaixo é de: a) 5 Ohms b) 10 Ohms c)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito de sistemas de distribuição de energia elétrica, julgue os itens a seguir. 4 Ao operar em tensão secundária, um sistema de distribuição de energia elétrica funciona

Leia mais

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA

MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUIDA Versão: 01 Data: 12/01/2013 SUMÁRIO 1. Objetivo 03 2. Normas e Regulamentos Complementares 03 3. Definições 04 3.1. Acesso 04 3.2 Acordo Operativo 04 3.3. Condições

Leia mais

Controle do motor de indução

Controle do motor de indução CONTROLE Fundação Universidade DO MOTOR DE Federal de Mato Grosso do Sul 1 Acionamentos Eletrônicos de Motores Controle do motor de indução Prof. Márcio Kimpara Prof. João Onofre. P. Pinto FAENG Faculdade

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comissão Permanente de Concurso Público PR CONCURSO PÚBLICO 23 / MAIO / 2010 ÁREA / SUBÁREA: ELETROTÉCNICA GABARITO MÁQUINAS ELÉTRICAS

Leia mais

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima*

Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* 30 Capítulo VI Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas, falha de disjuntor e energização inadvertida Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Proteção contra motorização e correntes desbalanceadas

Leia mais

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA

1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA 1- INTRODUÇÃO... 130 2 - OPERAÇÃO DO GERADOR SÍNCRONO INTERLIGADO AO SISTEMA ELÉTRICO... 131 2.1-GERADOR SÍNCRONO DURANTE DISTÚRBIOS NO SISTEMA ELÉTRICO - INFLUÊNCIA DOS REGULADORES E CONTRIBUIÇÃO PARA

Leia mais

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA

ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção ESTUDO APLICADO DE UMA EÓLICA INTRODUÇÃO Nesta exposição apresentam-se as equações e os conhecimentos necessários para a resolução dos exercícios.

Leia mais

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas

Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Substações MT/BT Teoria e exemplos de cálculo das correntes de curto circuito trifásicas Filippe Pereira Dolgoff Engenheiro de Aplicação Produtos e Sistema de Baixa Tensão ABB 1 INTRODUÇÃO Um sistema elétrico

Leia mais

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA.

SCHWEITZER ENGINEERING LABORATORIES, COMERCIAL LTDA. Nr Denominação 1 Elemento Principal 2 Relé de partida ou fechamento temporizado 3 Relé de verificação ou interbloqueio 4 Contator principal 5 Dispositivo de interrupção 6 Disjuntor de partida 7 Relé de

Leia mais

Técnico em Eletrotécnica

Técnico em Eletrotécnica Técnico em Eletrotécnica Caderno de Questões Prova Objetiva 2015 01 Em uma corrente elétrica, o deslocamento dos elétrons para produzir a corrente se deve ao seguinte fator: a) fluxo dos elétrons b) forças

Leia mais

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS

CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS CAPÍTULO 2 - TIPOS DE MÁQUINAS ASSÍNCRONAS TRIFÁSICAS 2.1 INTRODUÇÃO O objetivo do presente trabalho é estudar o funcionamento em regime permanente e em regime dinâmico da Máquina Assíncrona Trifásica

Leia mais

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2

Eletrotécnica Geral. Lista de Exercícios 2 ESCOLA POLITÉCNICA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO PEA - Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas Eletrotécnica Geral Lista de Exercícios 2 1. Condutores e Dispositivos de Proteção 2. Fornecimento

Leia mais

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica

Submódulo 3.6. Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Submódulo 3.6 Requisitos técnicos mínimos para a conexão à rede básica Rev. Nº. 0.0 0.1 0.2 0.3 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico. Adequação

Leia mais

Sistemas de Força Motriz

Sistemas de Força Motriz Sistemas de Força Motriz Introdução; Os Dados de Placa; Rendimentos e Perdas; Motor de Alto Rendimento; Partidas de Motores; Técnicas de Variação de Velocidade; Exemplos; Dicas CONSUMO DE ENERGIA POR RAMO

Leia mais

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva

Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência. Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Controle e Estabilidade de Sistemas Elétricos de Potência Antonio J.A. Simões Costa e Aguinaldo S. e Silva Florianópolis, agosto de 2000 Capítulo 1 Introdução 1.1 Controle de Freqüência e Tensão na Operação

Leia mais

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW

APÊNDICE B. Ensaio da Performance do Protótipo. MATRBDA-HAW560-75kW APÊNDICE B Ensaio da Performance do Protótipo MATRBDA-HAW560-75kW 282 LABORATÓRIO DE ENSAIOS ELÉTRICOS - BAIXA TENSÃO WEG MÁQUINAS RELATÓRIO DE ENSAIO DE PROTÓTIPO MATRBDA 560 POTÊNCIA: 75KW / 25KW TENSÃO

Leia mais

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator

Revisão. Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Gerador Síncrono Tensão induzida no enrolamento do estator Revisão Motor de Indução Geração do campo girante do estator Revisão Motor de Indução Velocidade de rotação do campo girante do estator

Leia mais

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos

Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Sistema de Excitação e Regulação Digital de Tensão RG3 para geradores síncronos Características operacionais Equipamento padrão Confiabilidade Elevada disponibilidade Facilidades da tecnologia digital

Leia mais

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas

5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5 Controle de Tensão em Redes Elétricas 5.1 Introdução O objetivo principal de um sistema elétrico de potência é transmitir potência dos geradores para as cargas e esta responsabilidade é dos agentes que

Leia mais

Conhecer as características de conjugado mecânico

Conhecer as características de conjugado mecânico H4- Conhecer as características da velocidade síncrona e do escorregamento em um motor trifásico; H5- Conhecer as características do fator de potência de um motor de indução; Conhecer as características

Leia mais

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM

WWW.RENOVAVEIS.TECNOPT.COM Geradores de turbinas eólicas O aerogerador converte a energia mecânica em energia elétrica. Os aerogeradores são não usuais, se comparados com outros equipamentos geradores conectados a rede elétrica.

Leia mais

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos

Submódulo 2.3. Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Submódulo 2.3 Requisitos mínimos para transformadores e para subestações e seus equipamentos Rev. Nº. 0.0 Motivo da revisão Este documento foi motivado pela criação do Operador Nacional do Sistema Elétrico.

Leia mais

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA - ANEEL RESOLUÇÃO ANEEL Nº 112, DE 18 DE MAIO DE 1999 Estabelece os requisitos necessários à obtenção de Registro ou Autorização para a Implantação, Ampliação ou Repotenciação

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ACIONAMENTOS DE MOTORES Introdução Um acionamento elétrico moderno é formado normalmente pela combinação dos seguintes elementos: MOTOR: converte energia elétrica em energia mecânica

Leia mais

Máquinas Eléctricas I

Máquinas Eléctricas I I Máquinas Síncronas Luis Pestana Resumo Máquinas Síncronas Generalidades Principio de funcionamento Aspectos construtivos O gerador síncrono em carga com cargas isoladas Curvas de regulação ligado a um

Leia mais

Nota Técnica 003/2010

Nota Técnica 003/2010 Nota Técnica 003/2010 Produto: Crowbar Aplicação: Acionamento da resistência de descarga em motores síncronos Serão discutidos os tópicos a seguir: 1) Conceito de Motores Síncronos 2) Determinação da Resistência

Leia mais

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores

Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores 22 Capítulo I Fatores limítrofes, arranjos e aterramento de geradores Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Novo! As retiradas de geradores do sistema de potência devido a curto-circuitos, operação anormal ou

Leia mais

Potência Instalada (GW)

Potência Instalada (GW) Modelagem e simulação de um aerogerador a velocidade constante Marcelo Henrique Granza (UTFPR) Email: marcelo.granza@hotmail.com Bruno Sanways dos Santos (UTFPR) Email: sir_yoshi7@hotmail.com Eduardo Miara

Leia mais

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação

Capítulo III. Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda. Proteção de geradores. Faltas à terra no rotor. Tipos de sistemas de excitação 24 Capítulo III Faltas à terra no rotor e proteções de retaguarda Por Geraldo Rocha e Paulo Lima* Faltas à terra no rotor A função primária do sistema de excitação de um gerador síncrono é regular a tensão

Leia mais

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos

Aula 19. Modelagem de geradores síncronos trifásicos Aula 19 Modelagem de geradores síncronos trifásicos Geradores Em problemas de fluxo de potência normalmente são especificadas as tensões desejadas para a operação do gerador e calculadas as injeções de

Leia mais

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples

ÃO AO CURSO LEGENDA WS 01 S 01 ENGENHARIA ELÉTRICA. Valor: 1,0. 1 a QUESTÃO. Tomada de 350 W. Luminária de 250 W monofásica. Interruptor simples CONCURSO DE ADMISSÃ ÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2009 1 a QUESTÃO Valor: 1,0 3m 02 g 3m 3m 4m 3m e 6m 4m 6m 6m d 4m 4m 02 02 02 4m 02 S g f 4m S S f e 4m c S d WS ab

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Considerando que um transformador monofásico será submetido aos ensaios de curto-circuito e a vazio para determinação dos parâmetros do seu circuito equivalente, o qual deverá

Leia mais

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado.

NT 6.005. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Felisberto M. Takahashi Elio Vicentini. Preparado. NT.005 Requisitos Mínimos para Interligação de Gerador de Consumidor Primário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento e

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 1 CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 0 Revisão Inicial

Leia mais

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda.

Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Equipamentos Elétricos e Eletrônicos de Potência Ltda. Confiança e economia na qualidade da energia. Recomendações para a aplicação de capacitores em sistemas de potência Antes de iniciar a instalação,

Leia mais

Motores eléctricos em sistemas de controlo

Motores eléctricos em sistemas de controlo Instituto Superior de Engenharia do Porto Departamento de Engenharia Electrotécnica Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de Computadores SISEL - Sistemas Electromecânicos Exercícios de 26 1. Considere

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

Transformadores trifásicos

Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Transformadores trifásicos Por que precisamos usar transformadores trifásicos Os sistemas de geração, transmissão e distribuição de energia elétrica

Leia mais

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins.

NT 6.010. Nota Técnica. Diretoria de Planejamento e Engenharia Gerência de Engenharia. Elio Vicentini Ermínio Belvedere João Martins. NT 6.010 Requisitos Mínimos Para Interligação de Gerador de Consumidor Secundário com a Rede de Distribuição da Eletropaulo Metropolitana com Paralelismo Momentâneo Nota Técnica Diretoria de Planejamento

Leia mais

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante

Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante. Investimento: R$ 2.200,00 (dois mil e duzentos) por participante CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SISTEMAS ELÉTRICOS - CESE - ÊNFASE GERAÇÃO 2013 - www.cese.unifei.edu.br CALENDÁRIO CESE GERAÇÃO 1 MÉTODOS COMPUTACIONAIS APLICADOS A SISTEMAS ELÉTRICOS 11/03/13 a 15/03/13 2

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A PROVA:

INSTRUÇÕES PARA A PROVA: CONCUSO PÚBLICO POFESSO / ELETOTÉCNICA GUPO MAGISTÉIO eservado ao CEFET-N 16 de setembro de 007 INSTUÇÕES PAA A POVA: Use apenas caneta esferográfica azul ou preta; Escreva o seu nome completo, o número

Leia mais

Introdução à Máquina de Indução

Introdução à Máquina de Indução Introdução à Máquina de Indução 1. Introdução Nesta apostila são abordados os aspectos básicos das máquinas de indução. A abordagem tem um caráter introdutório; os conceitos abordados serão aprofundados

Leia mais

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua

Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua Experiência IV Levantamento da Característica de Magnetização do Gerador de Corrente Contínua 1. Introdução A máquina de corrente contínua de fabricação ANEL que será usada nesta experiência é a mostrada

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.7. Incluídos os anexos II e III. Nome dos grupos Conexão de Minigeração ao Sistema de Distribuição em Média Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.08-01.009 2ª Folha 1 DE 23 27/12/2013 HISTÓRICO DE

Leia mais

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos.

Disciplina: Eletrificação Rural. Unidade 9 Instalações para motores elétricos. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE SOLOS E ENGENHARIA AGRÍCOLA Disciplina: Eletrificação Rural Unidade 9 Instalações para motores elétricos. Prof. JORGE LUIZ MORETTI

Leia mais

Medidas de mitigação de harmônicos

Medidas de mitigação de harmônicos 38 Apoio Harmônicos provocados por eletroeletrônicos Capítulo XII Medidas de mitigação de harmônicos Igor Amariz Pires* A maneira mais comum de mitigar harmônicos é por meio da utilização de filtros. O

Leia mais

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009

MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 MODELO PARA ENVIO DE CONTRIBUIÇÕES REFERENTE À AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 039 /2009 NOME DA INSTITUIÇÃO: Associação Brasileira de Pequenos e Médios Produtores de Energia Elétrica - APMPE AGÊNCIA NACIONAL DE

Leia mais

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Motores de Indução ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Motores CA Os motores CA são classificados em: -> Motores Síncronos; -> Motores Assíncronos (Motor de Indução) O motor de indução é o motor CA mais usado, por causa de sua

Leia mais

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS

COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO UTILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS COMPENSAÇÃO DE REATIVOS EM LINHAS DE TRANSMISSÃO TILIZANDO COMPENSADORES ESTÁTICOS FIXOS Paulo H. O. Rezende, Fabrício P. Santilho, Lucas E. Vasconcelos, Thiago V. Silva Faculdade de Engenharia Elétrica,

Leia mais

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002

Área de Distribuição e Comercialização Identificação do Trabalho: BR-53 São Paulo, Brasil, Setembro de 2002 COMISSÃO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL IV CIERTEC SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE AUTOMAÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E CENTROS DE CONTROLE Área de Distribuição e Comercialização Identificação

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Eletricidade, Máquinas e Medidas Elétricas: 1.1. Princípios da Eletrodinâmica: Tensão Elétrica, Corrente Elétrica, Resistores Elétricos, Potência Elétrica e Leis de OHM; 1.2. Circuitos

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações.

Sem Excedentes - O autoprodutor produz energia elétrica que é totalmente consumida nas suas instalações. DISTRIBUIÇÃO POR AGENTES GERADORES DE Processo: PROJETO E CONSTRUÇÃO Subprocesso: INSTALAÇÃO ELÉTRICA DE CONSUMIDOR PCI.00.03 1/14 Primeira 1. OBJETIVO Estabelecer os critérios e requisitos necessários

Leia mais

Introdução à Máquina Síncrona

Introdução à Máquina Síncrona Apostila 2 Disciplina de Conversão de Energia B 1. Introdução Introdução à Máquina Síncrona Esta apostila descreve resumidamente as principais características construtivas e tecnológicas das máquinas síncronas.

Leia mais

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico

Figura 1 - Diagrama de Bloco de um Inversor Típico Guia de Aplicação de Partida Suave e Inversores CA Walter J Lukitsch PE Gary Woltersdorf John Streicher Allen-Bradley Company Milwaukee, WI Resumo: Normalmente, existem várias opções para partidas de motores.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA PROCEDIMENTO PARA DETERMINAÇÃO DA POTÊNCIA INSTALADA E POTÊNCIA LÍQUIDA DE EMPREENDIMENTO DE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO DESCRIÇÃO DA REVISÃO ATO LEGAL 00 Revisão Inicial Resolução

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Atualização das informações. Nome dos grupos Instalação de Banco de Capacitores em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executar Ligações BT Código Edição Data SM04.14-01.008 2ª Folha 1 DE 9 26/10/2009 HISTÓRICO DE MODIFICAÇÕES

Leia mais

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana

Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Geradores CC Parte 2 Adrielle C. Santana Aplicações dos Geradores CC Atualmente com o uso de inversores de frequência e transformadores, tornou-se fácil a manipulação da Corrente Alternada. Como os geradores

Leia mais

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08

Eletrônicos PAE. Componente Curricular: Práticas de Acionamentos. 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 1 Componente Curricular: Práticas de Acionamentos Eletrônicos PAE 5.ª Prática Inversor de Frequência Vetorial da WEG CFW-08 OBJETIVO: 1) Efetuar a programação por meio de comandos de parametrização para

Leia mais

Sistemas de Geração Eólica

Sistemas de Geração Eólica Cronograma Aula 1. Panorâma de geração eólica 22/11 Sistemas de Geração Eólica Aula 2. Operação de sistemas de geração eólica 29/11 Prof. Romeu Reginato Outubro de 2010 1 Aula 3. Tecnologias de geração

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS

PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS PROBLEMAS DE MÁQUINAS ELÉCTRICAS 1. Um dinamo octopolar de 600 r.p.m. com enrolamento em série de 300 condutores activos tem um fluxo por pólo de 5x10 6 Maxwell. Calcule a força electromotriz produzida.

Leia mais

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng.

Transformadores Para Instrumentos. Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Transformadores Para Instrumentos Prof. Carlos Roberto da Silva Filho, M. Eng. Sumário 1. Tipos de Transformadores. 2. Transformadores de Corrente - TCs. 3. Transformadores de Potencial TPs. 4. Ligação

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA TRANSFORMADORES DE INSTRUMENTOS PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA MEDIÇÃO DE GRANDEZAS ELÉTRICAS Por que medir grandezas elétricas? Quais grandezas elétricas precisamos medir? Como medir

Leia mais

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento

Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia Elétrica em Sistemas de Bombeamento VI SEREA Seminário Iberoamericano sobre Sistemas de Abastecimento Urbano de Água EFICIÊNCIA HIDRÁULICA E ENERGÉTICA EM SANEAMENTO Utilização de Inversores de Freqüência para Diminuição de Consumo de Energia

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-3.5A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3

TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ESCOLA SUPERIOR NÁUTICA INFANTE D. HENRIQUE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MARÍTIMA M422 - SISTEMAS E INSTALAÇÕES ELÉCTRICAS DE NAVIOS TRABALHO LABORATORIAL Nº 3 ENSAIO DE UMA MÁQUINA ASSÍNCRONA TRIFÁSICA

Leia mais

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários.

Edição Data Alterações em relação à edição anterior. Incluído o item 4.4.5. Incluídos os anexos V e VI com formulários. Conexão de Microgeradores ao Sistema de Distribuição em Baixa Tensão Processo Realizar Novas Ligações Atividade Executa Ligação BT Código Edição Data SM04.14-01.011 5ª Folha 1 DE 31 30/06/2014 HISTÓRICO

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA

Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores e Circuitos Polifásicos ADRIELLE DE CARVALHO SANTANA Alternadores Um gerador é qualquer máquina que transforma energia mecânica em elétrica por meio da indução magnética. Um gerador de corrente

Leia mais

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP

Capítulo VII. Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos. Manutenção elétrica industrial. Características. Conceitos. Organização do SMP 50 Capítulo VII Sistema de manutenção planejada e em motores elétricos Por Igor Mateus de Araújo e João Maria Câmara* O Sistema de Manutenção Planejada (SMP) é formado por instruções, listas e detalhamento

Leia mais

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL

V SBQEE COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS TRIFÁSICOS ALIMENTANDO CARGAS NÃO LINEARES E DESEQUILIBRADAS. UMA ABORDAGEM ANALÍTICA E EXPERIMENTAL V SBQEE Seminário Brasileiro sobre Qualidade da Energia Elétrica 17 a 20 de Agosto de 2003 Aracaju Sergipe Brasil Código: AJU 03 091 Tópico: Modelagens e Simulações COMPORTAMENTO DE GERADORES SÍNCRONOS

Leia mais

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17

APRESENTAÇÃO... 13. Unidade 1: Revisão de eletricidade básica. 1.1 Primeiras palavras... 17. 1.2 Problematizando o tema... 17 ........... Sumário APRESENTAÇÃO.... 13 Unidade 1: Revisão de eletricidade básica 1.1 Primeiras palavras.... 17 1.2 Problematizando o tema... 17 1.3 Texto básico para estudos.... 17 1.3.1 Tensão Contínua

Leia mais

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV

Boletim Te cnico. Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV Boletim Te cnico Tema: BT002 Fontes para lâmpadas UV As fontes para lâmpadas ultravioleta são os circuitos de potência responsáveis pela alimentação das lâmpadas de média pressão. São também conhecidas

Leia mais

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO

CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO CAPÍTULO III MOTORES ELÉTRICOS PRINCÍPIOS DE FUNCIONAMENTO 3.1 Introdução. 3.1.1 Estator e Rotor. As máquinas elétricas girantes normalmente são constituídas por duas partes básicas: o estator e o rotor.

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO ENGENHARIA ELÉTRICA CADERNO DE QUESTÕES 2014 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A figura acima apresenta o circuito equivalente monofásico de um motor de indução trifásico

Leia mais

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS

AS DIFERENTES TECNOLOGIAS Temática Energias Renováveis Capítulo Energia Eólica Secção AS DIFERENTES TECNOLOGIAS INTRODUÇÃO Nesta secção apresentam-se as diferentes tecnologias usadas nos sistemas eólicos, nomeadamente, na exploração

Leia mais

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA

Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos ADRIELLE C SANTANA Motores Síncronos Possuem velocidade fixa e são utilizados para grandes cargas, (em função do seu alto custo que faz com que ele não seja viável para aparelhos menores)

Leia mais

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA

DESTAQUE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Capítulo 0 Transformadores DESTAQE: A IMPORTÂNCIA DOS TRANSFORMADORES EM SISTEMAS DE ENERGIA ELÉTRICA Os geradores elétricos, que fornecem tensões relativamente baixas (da ordem de 5 a 5 kv), são ligados

Leia mais

Tabela de Funções Ansi

Tabela de Funções Ansi Tabela de Funções Ansi A ANSI visando a padronização dos códigos das funções de proteções, criou uma tabela de códigos com das funções de proteção. Na verdade, esta tabela veio da ASA e posteriormente

Leia mais

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA

ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA ENTENDENDO O FATOR DE POTÊNCIA Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento - CP Eletrônica S.A. Rua da Várzea 379 CEP: 91040-600 Porto Alegre RS Brasil Fone: (51)2131-2407 Fax: (51)2131-2469 engenharia@cp.com.br

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05

MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 MOTORES DE INDUÇÃO MONOFÁSICOS CAPÍTULO 05 2 5.1 Introdução Os motores elétricos pertencem a dois grandes grupos: os de corrente contínua e os de corrente alternada. Os motores de indução se enquadram

Leia mais

Motor de Indução de Corrente Alternada

Motor de Indução de Corrente Alternada Notas Técnicas Motores NT-1 Motor de Indução de Corrente Alternada Introdução O motor de indução ou assíncrono de corrente alternada tem sido o motor preferido da indústria desde o principio do uso da

Leia mais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG) Departamento de Ensino de II Grau Coordenação do Curso Técnico de Eletrotécnica e Automação Industrial Disciplina: Prática de Laboratório

Leia mais

ENGEMATEC CAPACITORES

ENGEMATEC CAPACITORES ENGEMATEC CAPACITORES CORREÇÃO DO FATOR DE POTÊNCIA Confiança e economia na qualidade da energia. Equipamentos Elétricos e Elêtronicos de Potência Ltda 2 MODELOS DOS CAPACITORES TRIFÁSICOS PADRONIZADOS

Leia mais

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS

ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS ESTUDO SOBRE CONTROLE DE MOTORES DE INDUÇÃO TRIFÁSICOS Autores : Marina PADILHA, Tiago DEQUIGIOVANI. Identificação autores: Engenharia de Controle e Automação - Bolsista Interno; Orientador IFC - Campus

Leia mais

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992

Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Subestações Introdução: O que é uma Subestação? Definição NBR 5460 / 1992 Parte de um sistema de potência, concentrada em um dado local, compreendendo primordialmente as extremidades de linhas de transmissão

Leia mais

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof.

DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA. Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica. Prof. DIRETORIA DE EDUCAÇÃO E TECNOLOGIA COORDENAÇÃO DO CURSO DE ELETROTÉCNICA Disciplina: Máquinas e Automação Elétrica Prof.: Hélio Henrique INTRODUÇÃO IFRN - Campus Mossoró 2 MOTORES TRIFÁSICOS CA Os motores

Leia mais