FRANCLIDES CORRÊA RIBEIRO CAP QOPM/AM

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FRANCLIDES CORRÊA RIBEIRO CAP QOPM/AM"

Transcrição

1 POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DA PARAÍBA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM SEGURANÇA PÚBLICA FRANCLIDES CORRÊA RIBEIRO CAP QOPM/AM SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO João Pessoa 2005

2 FRANCLIDES CORRÊA RIBEIRO CAP QOPM/AM 2 SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO Monografia apresentada à coordenação do Curso de Especialização em Segurança Pública do Centro de Ensino da Polícia Militar da Paraíba, como requisito para obtenção do título de Especialista em Segurança Pública. Orientadora: Profª. Maria de Lourdes Pereira, Drª. João Pessoa 2005

3 3 Ficha Catalográfica R465s Ribeiro, Franclides Corrêa Sistema Penitenciário Brasileiro: Um Estudo de Caso / Franclides Corrêa Ribeiro. João Pessoa: Centro de Ensino da PMPB, f: il. 29 cm. Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Segurança Pública PMPB. 1. Sistema Penitenciário I. Título CDU

4 FRANCLIDES CORRÊA RIBEIRO 4 SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO: UM ESTUDO DE CASO MONOGRAFIA X Nota de Aprovação Aprovada em 15 / 12 / ,81 ( nove e oitenta e um ) Nota de Reprovada Reprovada em / / ( ) Profª. Drª.Maria de Lourdes Pereira (UFPB) Presidente(a) Profº. Esp. Roberto Rodrigues da Costa (Cap PMPB) Examinador(a) Profº. Ms. Gustavo Batista (UFPB) Examinador(a) João Pessoa 2005

5 Aos meus familiares, especialmente minha esposa Galeandra e minha filha Giovanna, pelo incentivo e pela compreensão demonstrada durante a elaboração deste trabalho acadêmico. 5

6 6 AGRADECIMENTOS Ao grande arquiteto do Universo pela vida e a oportunidade de ser útil à sociedade e ao meu Estado. Ao Exmº Senhor Cel PM José Gomes de Lima Irmão, Comandante Geral da Polícia Militar da Paraíba, pela oportunidade da participação no Curso de Especialização em Segurança Pública CESP / Ao Exmº Senhor Cel PM Wilson Martins de Araújo, Comandante Geral da Polícia Militar do Amazonas. Agradeço a ajuda prestimosa de minha orientadora Profª. Drª. Maria de Lourdes Pereira, pelo apoio e a capacidade de transmitir valiosos ensinamentos para a elaboração deste trabalho. Ao Senhor Maj PM Euller de Assis Chaves, Diretor do Centro de Ensino da Polícia Militar da Paraíba, pelo apoio incondicional à realização do presente trabalho. Aos integrantes do Centro de Ensino da Polícia Militar da Paraíba, pela forma cordial e atenciosa com que nos receberam durante nossa permanência neste curso. Ao Senhor Ten Cel PM Washington Germano Franca, pela competência na coordenação do CESP/2005. Aos professores e instrutores do CESP/2005, pelo conhecimento e experiências transmitidas durante o desenvolvimento deste curso. Aos funcionários do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto pelo apoio durante a realização da pesquisa. Aos amigos de sala de aula, pela amizade e companheirismo demonstrado durante o decorrer do curso.

7 7 A segurança das prisões é indispensável para converter nosso sistema de justiça em uma arma eficaz contra a criminalidade. Quando as pessoas presas que foram condenadas ou que aguardam julgamento são confiadas aos seus cuidados, elas devem saber e a população também deve saber que elas permanecerão na prisão até que sejam legalmente dispensadas. A contribuição plena que nossas penitenciárias podem dar para uma redução definitiva do índice de criminalidade no país também reside no modo como elas tratam as pessoas presas. Toda ênfase é pouca para frisar a importância tanto do profissionalismo quanto do respeito pelos direitos humanos. Nelson Mandela

8 8 RESUMO O presente trabalho monográfico objetivou a realização de estudo sobre o funcionamento da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto, identificando as principais causas que impedem a total aplicação da Lei de Execução Penal e apresentando sugestões e estratégicas, dando ênfase ao trabalho prisional, para a efetiva melhoria do Sistema Penitenciário no Estado da Paraíba. Os procedimentos metodológicos adotados, para a realização deste trabalho, consistiram em dois momentos: uma pesquisa bibliográfica e uma pesquisa no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto com abordagem qualitativa e quantitativa. Para tanto, realizamos um resgate histórico da pena e do surgimento das prisões, sua utilidade como pena propriamente dita e a realidade atual dos presídios. São analisados a pena privativa de liberdade e os preceitos da Lei de Execução Penal; a privatização e terceirização dos presídios; e a questão sócio-econômica na prevenção do crime. O funcionamento da execução da pena no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto é visto sob a ótica dos apenados, dos agentes penitenciários e do Diretor da Penitenciária. Após a coleta e análise dos dados verificou-se que 88% dos apenados poderiam estar disputando vagas no mercado de trabalho; 54% dos delitos foram qualificados como crimes hediondos; 54% são reincidentes; 60% dos apenados não estavam trabalhando quando cometeram o delito; A alimentação com 31,5% e a superlotação com 30,8% são os principais pontos negativos da Penitenciária na visão dos apenados; 83% dos Agentes Penitenciários recebem um salário mínimo por mês e são do quadro temporário do Estado. Esses resultados permitiram, então, uma melhor análise do problema, que toma como parâmetro o referencial teórico, sendo nesta oportunidade enfocadas algumas considerações, visando contribuir para a formulação das políticas voltadas a ressocialização do homem que cumpre pena privativa de liberdade no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto. Palavras chaves: Sistema Penitenciário, Lei de Execução Penal, trabalho prisional, ressocialização.

9 9 ABSTRACT The present work monographic aimed at the study accomplishment on the operation of the penal execution in the Institute Penal Chief judge Sílvio Porto, we identified the principal causes that impede to total application of the Law of Penal Execution and presenting suggestions and strategic, giving emphasis to the work prisional, for the effective improvement of the Penitentiary System in the State of Paraíba. The adopted methodological procedures, for the accomplishment of this work, they consisted of two moments: a bibliographical research and a research in the Institute Penal Chief judge Sílvio Porto with qualitative and quantitative approach. For so much, we accomplished a historical ransom of the feather and of the appearance of the prisons, your usefulness as feather and the current reality of the prisons. The private feather of freedom and the precepts of the Law of Penal Execution are analyzed; the privatization and terceirização of the prisons; and the socioeconomic subject in the prevention of the crime. The operation of the execution of the feather in the Institute Penal Chief judge Sílvio Porto is seen under the optics of the appends, of the penitentiary agents and of the Director of the Prison. After the collection and analysis of the data was verified that 88% of the appends could be disputing vacancies in the job market; 54% of the crimes were qualified as vile crimes; 54% are recurrent; 60% of the appends were not working when they made the crime; The feeding with 31,5% and the super capacity with 30,8% is the principal negative points of the Prison in the vision of the appends; 83% of the Penitentiary Agents receive a minimum wage a month and they are of the temporary picture of the State. Those results allowed, then, a better analysis of the problem, that takes as parameter the theoretical referencial, being in this opportunity focused some considerations, seeking to contribute for the formulation of the returned politics the man's resocialization that accomplishes private feather of freedom in the Institute Penal Chief judge Sílvio Porto. Key-words: Penitentiary system, Law of Penal Execution, I work prisional, resocialization.

10 10 LISTA DE FIGURAS Figura 1 Projeto de Penitenciária, Figura 2 Interior da Penitenciária de Stateville, Estados Unidos, Século XX Figura 3 Círculo Vicioso da Prisionização Figura 4 Pavilhões 16, 17, Figura 5 Pavilhões 19, 20, Figura 6 Organograma do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Figura 7 Gráfica Figura 8 Máquina de Reciclagem de Cartuchos Figura 9 Prótese Figura 10 Projeto Pintando a Liberdade Figura 11 Vista Aérea do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto

11 11 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Número de presos por Estado e por habitantes Tabela 2 Número de presos por Estado, vagas e déficit, em jun / Tabela 3 Número de presos no Sistema Prisional do Estado da Paraíba Tabela 4 População Prisional do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Tabela 5 Faixa Etária dos apenados Tabela 6 Escolaridade dos apenados Tabela 7 Estado Civil dos apenados Tabela 8 Grupo Étnico dos apenados Tabela 9 Tipo de Delito Tabela 10 Motivo do Crime Tabela 11 Reincidência Tabela 12 Delitos relacionados ao uso de Drogas Tabela 13 Tipo de Drogas Tabela 14 Voto do Apenado Tabela 15 Na época em que foi preso, estava trabalhando Tabela 16 Tratamento na Penitenciária Tabela 17 Pontos Positivos na visão dos apenados Tabela 18 Pontos Negativos na visão dos apenados Tabela 19 Profissão Tabela 20 Trabalho na Penitenciária Tabela 21 Recuperação para a sociedade

12 Tabela 22 A penitenciária corrige uma pessoa que errou no convívio em sociedade Tabela 23 Tempo na função de Agente Penitenciário Tabela 24 Nível de Escolaridade dos Agentes Penitenciários Tabela 25 Remuneração Média dos Agentes Penitenciários Tabela 26 Na visão dos Agentes Penitenciários os Principais Problemas da Penitenciária Tabela 27 Situação dos Agentes Penitenciários Tabela 28 Visão dos Agentes Penitenciários sobre a Recuperação dos Presos Tabela 29 A Principal Tarefa dos Agentes Penitenciários Tabela 30 O Agente Penitenciário Vigilante ou Ressocializador Tabela 31 Papel do Agente Penitenciário

13 13 LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 1 Comparação do aumento da população prisional entre o Estado da Paraíba e o Estado de Pernambuco Gráfico 2 População prisional do Estado da Paraíba por Estabelecimento Penal Gráfico 3 Comparação de presos condenados e provisórios do Regime Fechado Gráfico 4 Número de presos condenados e provisórios do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Gráfico 5 Faixa Etária dos apenados Gráfico 6 Escolaridade dos apenados Gráfico 7 Estado Civil dos apenados Gráfico 8 Grupo Étnico dos apenados Gráfico 9 Tipo de Delito Gráfico 10 Motivo do Crime Gráfico 11 Reincidência Gráfico 12 Delitos relacionados ao uso de Drogas Gráfico 13 Tipo de Drogas Gráfico 14 Voto do Apenado Gráfico 15 Na época em que foi preso, estava trabalhando Gráfico 16 Tratamento na Penitenciária Gráfico 17 Pontos Positivos na visão dos apenados Gráfico 18 Pontos Negativos na visão dos apenados Gráfico 19 Profissão Gráfico 20 Trabalho na Penitenciária

14 Gráfico 21 Recuperação para a sociedade Gráfico 22 A penitenciária corrige uma pessoa que errou no convívio em sociedade Gráfico 23 Tempo no exercício da função de Agente Penitenciário Gráfico 24 Nível de Escolaridade dos Agentes Penitenciários Gráfico 25 Remuneração Média dos Agentes Penitenciários Gráfico 26 Na visão dos Agentes Penitenciários os Principais Problemas da Penitenciária Gráfico 27 Situação dos Agentes Penitenciários Gráfico 28 Visão dos Agentes Penitenciários sobre a Recuperação dos Presos Gráfico 29 A Principal Tarefa dos Agentes Penitenciários Gráfico 30 O Agente Penitenciário Vigilante ou Ressocializador Gráfico 31 Papel do Agente Penitenciário

15 15 LISTA DE QUADROS Quadro 1 Órgãos da Execução Penal Quadro 2 Estabelecimentos Penais, natureza e tipo de regime Quadro 3 Regimes penitenciários da pena privativa de liberdade, da pena de Reclusão e da pena de detenção Quadro 4 Assistência e serviços oferecidos aos presos e egressos Quadro 5 Condições de aplicação da pena no Instituto Penal Desembargador Silvio Porto Quadro 6 Síntese das entrevistas dos trabalhadores-presos Quadro 7 Opiniões do Diretor do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Quadro 8 Dados sobre identificação, a respeito da prisão e trabalho fornecidos pelo grupo

16 16 LISTA DE ABREVIATURAS CESP CNPCP COSIPE CTC DEPEN DST FUNAP FUNPEN IBGE IDH ILANUD LEP ONU SENAI Curso de Especialização em Segurança Pública Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária Coordenadoria do Sistema Penitenciário Comissão Técnica de Classificação Departamento Penitenciário Nacional Doenças Sexualmente Transmissíveis Fundação Estadual de Amparo ao Trabalhador Preso Fundo Penitenciário Nacional Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística Índice de Desenvolvimento Humano Instituto Latino Americano das Nações Unidas para Prevenção do Delito e Tratamento do Deliquente. Lei de Execução Penal Organização das Nações Unidas Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial

17 17 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 1 Justificativa... 2 Objetivos Geral Específicos... 3 Relevância do estudo... 4 Delimitação do tema... CAPÍTULO 1 REFERENCIAL TEÓRICO A Pena: Conceito, definições e teoria Evolução Histórica das Penas Fases da Vingança Penal Período Humanístico Escolas Penais Modelos de Organizações Organizações Coercitivas Sistema Penitenciário Direitos Humanos dos Presos Arquitetura Penitenciária Sistema Penitenciário no Brasil População Prisional Sistema Penitenciário do Estado da Paraíba Dados gerais sobre a população carcerária estadual A realidade prisional brasileira e o que dispõe a Lei nº 7.210, de 11 de julho de A Comissão Técnica de Classificação Dos deveres e direitos dos condenados Da Assistência Remição O Pessoal Penitenciário A Direção O Agente Penitenciário Os Técnicos Os Presos Penas Alternativas à prisão Lei 9.714/ O Trabalho no meio prisional Relação entre Criminalidade e Desemprego Políticas Públicas e o Sistema Penitenciário A Segurança Pública e o Sistema Penitenciário

18 CAPÍTULO 2 PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS Método de abordagem Método indutivo Método de procedimentos Método estudo de caso Técnica de pesquisa Universo Amostra Coleta de dados Pesquisa documental Entrevistas Questionários Procedimentos de análise e interpretação de dados... CAPÍTULO 3 INSTITUTO PENAL DESEMBARGADOR SÍLVIO PORTO O CONTEXTO DA PESQUISA Histórico do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Instalações do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto Organograma atual da Organização Estrutura Organizacional A Laborterapia Fundo Penitenciário Nacional Privatização e Terceirização Reeducação, Ressocialização e Reinserção Social Proposta para minimizar os problemas do Sistema Penitenciário Paraibano Criação da Fundação Estadual de Amparo ao Preso Trabalhador Implantação da Escola Penitenciária da Paraíba Incidentes Prisionais Condições de aplicação da pena no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto... CAPÍTULO 4 RESULTADOS E DISCUSSÕES SOBRE O ESTUDO EMPÍRICO Análise e interpretação dos resultados Estudo sobre a situação dos apenados Análise dos questionários dos Agentes Penitenciários Entrevistas dos presos-trabalhadores das oficinas Entrevista do diretor do Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto... CONSIDERAÇÕES FINAIS... REFERÊNCIAS... APÊNDICES... ANEXOS

19 19 INTRODUÇÃO Ao se considerar que a pena de prisão tem por objetivo a proteção da sociedade contra o crime, infere-se também que este objetivo só pode ser alcançado se, durante o processo de reclusão, ao preso sejam proporcionadas condições, para ele aprender que, após o cumprimento da pena, no seu retorno à sociedade, possa exercer a cidadania e além de respeitar a lei e se autosustentar, adquirir a capacidade de fazê-lo. A análise da problemática da execução da pena no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto far-se-á, primeiramente, num levantamento histórico-jurídico do Direito Penal, a permitir uma melhor compreensão de sua evolução e da influência de determinados posicionamentos nos dias atuais. O sistema Penitenciário é constituído através de duas vertentes que são a gestão penitenciária, enquanto atividade meio, e a execução penal, enquanto atividade fim. Neste sentido, questiona-se: o funcionamento da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto ocorre de acordo com as normas estabelecidas na legislação vigente, viabilizando o processo de ressocialização do homem condenado à pena privativa de liberdade? O trabalho monográfico foi dividido em quatro capítulos. O primeiro trata do referencial teórico: A pena e sua evolução histórica desde a época das torturas e dos suplícios; A questão das primeiras prisões e sua forma de organização; A evolução da Teoria da Organização e Organizações Coercitivas; A evolução do Sistema Penitenciário no Brasil e na Paraíba e a Legislação pertinente ao sistema; As penas alternativas à prisão, o trabalho no meio prisional e a

20 20 relação da criminalidade com o desemprego; Políticas Públicas e o Sistema Penitenciário; A Segurança Pública e o Sistema Penitenciário como um todo. O Capítulo 2 trata dos procedimentos metodológicos, e o Capítulo 3, apresenta um breve histórico sobre o Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto sua estrutura organizacional e o funcionamento da execução penal; A Laborterapia, o Fundo Penitenciário Nacional (FUPEN), privatização e terceirização; Reeducação, Ressocialização e Reinserção social e as condições da aplicação da pena privativa de liberdade no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto. O Capítulo 4 apresenta os resultados e discussões do estudo empírico, análise das entrevistas e questionários aplicados. Por fim, as considerações finais sobre a contextualização teórica e o estudo empírico; Apêndices; Anexos. 1 Justificativa No contexto da segurança pública, o sistema penitenciário no Estado da Paraíba como no restante do Brasil apresenta um quadro preocupante, pois, historicamente, a estrutura penitenciária não acompanha o crescimento da população carcerária, resultando em vivência humilhante e sub-humanas para os apenados. No Estado Democrático de Direito, a obrigação com o cumprimento das leis, especialmente as que tratam de um dos maiores valores do ser humano, que é a sua liberdade, deveria ser a regra. É extremamente sério o atual quadro do sistema prisional, caracteristicamente criminalizante que atua no contexto de um conjunto arcaico no qual subsiste uma escola para a reprodução do crime. Na prática, apenas segrega, temporariamente o condenado, pela ótica exclusiva da repressão. As conflitantes metas punir, prevenir e regenerar não alcançam os fins a que se propõem. Porém, é preciso enfatizar que o problema se agrava quando se expõe uma crise sobre

21 outra crise, pois a prisão torna-se objeto de urgente e indispensável intervenção. 21 O complexo processo de execução penal demonstra a necessidade do Estado estabelecer uma política penitenciária sistematizada a partir de referências técnicas e cientificamente definidos as que contemplem tanto o modelo de gestão quanto o modelo de execução penal. Diante dessa realidade percebe-se a necessidade de conhecer o funcionamento do sistema carcerário. Justifica-se por tratar-se de tema atual, de alta relevância, que tem gerado inúmeras polêmicas e que urge por uma solução, sob pena de a sociedade se ver diante de irreparáveis conseqüências. Então optamos por realizar um trabalho monográfico voltado para a realização de estudo sobre o funcionamento da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto e as leis que regem o sistema. Nas últimas décadas, as várias leis introduzidas no Direito Penal Brasileiro, procurando criar novas alternativas às penas privativas de liberdade, visando evitar-se o encarceramento, como a Lei 7.209/84 que reformou a parte geral do Código Penal, a Lei 9.714/98 Penas Alternativas e, ainda, inúmeras recomendações internacionais adotadas pelo Brasil, não foram suficientes para resolver os problemas enfrentados pelo sistema punitivo e trazer a tranqüilidade social almejada. Grande desafio do mundo moderno é, pois, buscar soluções para a problemática do sistema prisional de tal forma que seja possível oferecer ao apenado condições para se reabilitar e voltar ao convívio social. Várias são as propostas neste sentido, como adiante serão analisadas. 2 Objetivos 2.1 Geral Porto. Estudar o funcionamento da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio

22 2.2 Específicos 22 Descrever as condições do funcionamento da execução da pena privativa de liberdade no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto. Enfatizar a importância do trabalho na ressocialização do apenado. Analisar a eficácia da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto. 3 Delimitação do tema Um sistema penal funcional parte da arquitetura do estabelecimento, passa pela classificação do condenado, pelo regime de trabalho e aprendizado profissional, pelo ensino, pela alimentação, pela ordem e disciplina a serem impregnados no apenado, pelo tratamento pessoal. O estudo abordou a execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto e a estrutura funcional da organização, tendo como referencial teórico os modelos de organização e a evolução histórica da pena e a legislação pertinente ao assunto. Procuramos relacionar o funcionamento da execução penal no Instituto Penal Desembargador Sílvio Porto com os preceitos legais previstos na Lei de Execução Penal, dando ênfase ao trabalho como instrumento primordial para a reinserção social do apenado. 4 Relevância do estudo A relevância maior do estudo centra-se na preocupação de atender as exigências quanto à existência de projetos e políticas públicas que apontem para uma efetiva recuperação do condenado e não simplesmente o aumento do número de vagas nas penitenciárias que serve somente para justificar gastos públicos e incentivar a ótica prisional da segregação tipificada de certos grupos sociais. Igualmente vítima se torna o contribuinte que financia um falido sistema

23 23 carcerário e sua alta manutenção, que além de não atingir os objetivos a que se propõe, só favorece o constante aumento da criminalidade. Ao se abordar que a recuperação ou ressocialização do infrator só será de fato alcançada quando este se integrar no sistema social, tornando-se produtivo socialmente poder-seá pensar na melhor forma de ressarcimento do dano causado à comunidade além de, sem sombra de dúvida, ser a melhor satisfação que os órgãos públicos poderiam prestar à sociedade com relação aos recursos investidos.

24 24 CAPÍTULO 1 REFERENCIAL TEÓRICO Este capítulo trata da literatura que descreve e interpreta a pena privativa de liberdade e sua origem através da manipulação conceitual e apresentação de citações, autores e obras, destacando várias idéias que são produtos distintos, permitindo relacioná-la com o objeto de estudo: o Sistema Penitenciário. Ainda neste capítulo são tratados o funcionamento da execução penal e alternativas para ressocialização dos apenados. 1.1 A Pena: Conceito, definições e teorias A pena é tão antiga quanto o homem e o significado da palavra pena, etimologicamente, procede do latim (poena), porém, com derivação do grego (poine), significando dor, castigo, punição, expiação, penitencia, sofrimento, trabalho, fadiga, submissão, vingança e recompensa : A pena é a sanção de caráter aflitivo, imposta pelo Estado, em execução de uma sentença, ao culpado pela prática de uma infração penal, consistente na restrição ou privação de um bem jurídico, cujas finalidades são aplicar a retribuição punitiva ao deliquente, promover a sua readaptação social e prevenir novas transgressões pela intimidação dirigida à coletividade. (CAPEZ, 2004, p.19).

25 25 Segundo Mirabete (2003), a pena apresenta várias características como: legalidade, personalidade, proporcionalidade e inderrogabilidade. O princípio da legalidade consiste na existência prévia de lei para a imposição da pena, previsto no Código Penal. A característica da personalidade refere-se à impossibilidade de estender-se a terceiros a imposição penal (art. 5º, XLV, primeira parte da CF). Deve haver, ainda, proporcionalidade entre o crime e a pena; cada crime deve ser reprimido com uma sanção proporcional ao mal por ele causado. A pena deve ser inderrogável: praticado o delito, a imposição deve ser certa e a pena cumprida. A utilização da pena como eixo estruturador do sistema jurídico-policial e administrativo (justiça criminal, polícia judiciária e política criminal e penitenciária) orienta-se no sentido de que uma violência posterior possa compensar uma violência anterior. Essa formulação está presente desde as teorizações do Direito Penal, no final do século XVIII, admitindo a violência institucional como forma de combater a violência individual, mesmo sob risco de que ela cumpra a função de reproduzir a violência estrutural e de garantir a desigualdade social, penalizando os mais vulneráveis aos comportamentos desviantes. Ainda, segundo o referido autor, o direito de Punir do Estado (também dever de punir), que nasce com a prática do crime, proporcionou o surgimento de três correntes doutrinárias a respeito da natureza e dos fins da pena: as teorias absolutas, relativas e mistas. As teorias absolutas (de retribuição ou retribucionistas) têm como fundamento da sanção penal a exigência da justiça: pune-se o agente porque cometeu o crime (punitur quia pecatum est). Dizia Kant que a finalidade da pena é a expiação do delito, um imperativo categórico, uma retribuição jurídica, pois ao mal do crime impõe-se o mal da pena, do que resulta a igualdade e só esta igualdade traz a justiça. O castigo compensa o mal e dá reparação à moral. O castigo é imposto por uma exigência ética, não se tendo que vislumbrar qualquer conotação ideológica nas sanções penais. Para Hegel, a pena, razão do direito, anula o crime, razão do delito, emprestando-se à sanção não uma reparação de ordem ética, mas de natureza

26 26 jurídica. Verifica-se, assim, que, quanto a natureza da retribuição, que se procurava sem sucesso não confundir com castigo, dava-se um caráter ora divino (Bekker, Sthal), ora moral (Kant), ora jurídico (Hegel, Pessina). Nas teorias relativas (utilitárias ou utilitaristas) dava-se à pena um fim exclusivamente prático, em especial o de prevenção. O crime não seria causa da pena, mas a ocasião para ser aplicada. Feuerback, o pai do Direito Moderno e precursor do Positivismo, entendia que a finalidade do Estado é a convivência humana de acordo com o Direito. Sendo o crime a violação do Direito, o Estado deve impedi-lo através da coação psíquica (intimidação) ou física (segregação). Para Mirabete (2003), a pena é intimidação para todos, ao ser cominada abstratamente, e para o criminoso, ao ser imposta no caso concreto. Jeremias Bentham dizia que a pena é um mal tanto para o indivíduo, que a ela é submetido, quanto para a sociedade, que se vê privada de um elemento que lhe pertence, mas que se justifica pela utilidade. O fim da pena é a prevenção particular, ao impedir que o delinqüente pratique novos crimes, intimidando-o e corrigindo-o. As teorias relativas podem classificar-se em dois grupos: preventivas e reparadoras. As teorias preventivas mostram o cunho preventivo da pena, para evitar delitos futuros, enquanto as reparadoras pretendem, com fim da pena, corrigir conseqüências danosas do ato perpetrado. As teorias preventivas, por sua vez, podem agir como uma prevenção geral ou especial. A prevenção é geral quando a sanção configura modo de evitar as violações futuras, agindo sobre toda a sociedade. A pena tem por finalidade impedir, através da intimidação a prática de delitos. A prevenção especial atua sobre o criminoso pela intimidação de sua personalidade. A pena tem uma única referência, intimidar o deliquente que cometeu um crime, e a execução da pena é entendida como meio adequado para evitar a reincidência desta pessoa, além de ser um instrumento de ressocialização.

27 27 Para as teorias mistas (ecléticas) fundiram-se as duas correntes. Passou-se a entender que a pena, por sua natureza, é retributiva, tem seu aspecto moral, mas sua finalidade é não só a prevenção, mas também um misto de educação e correção. Para Pellegrino Rossi, Guizot e Cousein, a pena deve objetivar, simultaneamente, retribuir e prevenir a infração: punitur quia peccatum ut ne pecceptur. Segundo tal orientação, a pena deve conservar o seu caráter tradicional, porém outras medidas devem ser adotadas em relação aos autores de crimes, tendo em vista a periculosidade de uns e a inimputabilidade de outros. Seriam essas as denominadas medidas de segurança. Com o surgimento da Escola da Defesa Social, de Adolfo Prins e Filippo Grammatica, e, mais recentemente, com a Nova Defesa Social, de Marc Ancel, tem-se buscado instituir um movimento de política criminal humanista fundado na idéia de que a sociedade apenas é defendida à medida que se proporciona a adaptação do condenado ao meio social (teoria ressocializadora). Esse posicionamento especialmente moderno procura excluir, definitivamente, a retributividade da sanção penal. Desde a origem até hoje, porém, a pena sempre teve o caráter predominantemente de retribuição, de castigo, acrescentando-se a ela uma finalidade de prevenção e ressocialização do criminoso. Em nosso ordenamento jurídico, subsistem as finalidades retributiva e preventiva, sendo esta de acordo com o disposto no artigo 59 do Código Penal, de caráter ressocializador. 1.2 Evolução Histórica das Penas Em sua origem remota, a pena marca de maneira tão profunda o destino dos homens, acompanhando-o através dos tempos, isso porque a pena, no início nada mais foi do que uma vingança, pois nada mais natural que aqueles indivíduos, que viviam conforme seus instintos, revidassem a agressão sofrida, não havendo preocupações com a proporção, nem mesmo com a

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO

FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO FACULDADE DE DIREITO DE CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA DENTRO DO SISTEMA CARCERÁRIO BRASILEIRO CACHOEIRO DE ITAPEMIRIM 2010 NOME DO ALUNO A DIGNIDADE DA PESSOA HUMANA

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( x ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Políticas Publicas de Ressocialização

Políticas Publicas de Ressocialização Primeiro Encontro Mato Grossense de Conselhos da Comunidade Políticas Publicas de Ressocialização ão Rosangela Peixoto Santa Rita 26 de junho de 2008. O Brasil já tem mais de 423 mil presos em seus cárceres;

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES

PRINCÍPIOS BÁSICOS E ORIENTADORES ÍNDICE PREFÁCIO par. pág. Razão de ser 1-3 13 Os objectivos 4-5 13 A origem 6-8 13 Agradecimentos: aos redactores 9 14 Agradecimentos: aos patrocinadores 10 14 Aos destinatários 11 14 ONDE COMEÇA O MANUAL

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015

PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 PROJETO DE LEI Nº, DE 2015 (Do Sr. Nelson Marchezan Junior) Dispõe sobre a indenização das despesas realizadas com a manutenção devida ao Estado pelo condenado à pena privativa de liberdade independentemente

Leia mais

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge

Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime. UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Boa tarde! Em nome do Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime UNODC quero agradecer ao coordenador residente, sr. Jorge Chediek, e a toda sua equipe, pela oportunidade em participar desse importante

Leia mais

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011 CASOTECA DIREITO GV Caso do Campo de Algodão: Direitos Humanos, Desenvolvimento, Violência e Gênero ANEXO I: DISPOSITIVOS RELEVANTES DOS INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS

Leia mais

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO

TRABALHO CARTILHA DO REEDUCANDO TRABALHO VOLTA AO CRIME CARTILHA DO REEDUCANDO CARTILHA DO REEDUCANDO ÍNDICE Introdução...5 Deveres...6 Direitos...7 Disciplina...10 Sanções...11 Formulário para Habeas Corpus...12 Petição Simplificada...13

Leia mais

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA

PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA PROPOSTAS PARA A REDUÇÃO DA VIOLÊNCIA 1. Criar o Fórum Metropolitano de Segurança Pública Reunir periodicamente os prefeitos dos 39 municípios da Região Metropolitana de São Paulo para discutir, propor,

Leia mais

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA

A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA A ORIGEM DA APLICAÇÃO DA PENA Cinthia Marins Teles 1, Cláudia de Lima e Séllos 2, Prof. Dr. Nivaldo dos Santos 3 1,2,3 Núcleo de Estudos e Pesquisas do Departamento de Ciências Jurídicas da Universidade

Leia mais

DIREITO PENAL - PRIVATISTA (PRATICADA PELO PARTICULAR) Economia baseada na agricultura, poder político exercido pelo senhor feudal

DIREITO PENAL - PRIVATISTA (PRATICADA PELO PARTICULAR) Economia baseada na agricultura, poder político exercido pelo senhor feudal 1 ESTUDO DAS ESCOLAS PENAIS De forma sucinta, existem 2 (duas) escolas penais de grande relevância para a evolução do Direito Penal. Em análise da evolução do Direito Penal no tempo podemos identificá-las

Leia mais

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS

AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS AS VANTAGENS DA APLICAÇÃO DE PENAS ALTERNATIVAS Camila Silvia Martinez Perbone 30* As penalidades, desde os primórdios da civilização, sempre tiveram a finalidade de punir de modo severo, apenas para restabelecer

Leia mais

Princípios norteadores

Princípios norteadores Princípios norteadores A Associação pela Reforma Prisional, Conectas Direitos Humanos, Instituto dos Defensores de Direitos Humanos, Instituto Sou da Paz, Instituto Terra, Trabalho e Cidadania, Instituto

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo

CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO. Do UOL Notícias Em São Paulo CERCA DE 76% DOS CONDENADOS NO BRASIL ESTÃO OCIOSOS NA PRISÃO, APONTA ESTUDO Ana Sachs* 20/09/2009-07h00 Do UOL Notícias Em São Paulo Ainda que seja uma exigência da lei de Execuções Penais, o trabalho

Leia mais

Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências

Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências Lição 6. Relação da Criminologia com outras Ciências RELAÇÃO DA CRIMINOLOGIA COM OUTRAS CIÊNCIAS Não haverá qualquer exagero em afirmar que a Criminologia praticamente se relaciona com todas as ciências

Leia mais

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG).

As Propostas da Pastoral Carcerária Nacional em relação ao Eixo 6 Sistema Penitenciário da 1ª Conferência Nacional de Segurança Pública (I CONSEG). PASTORAL CARCERÁRIA NACIONAL - CNBB Praça Clovis Bevilácqua, 351, conj.501 Centro - 01018-001 - São Paulo - SP Tel/fax (11) 3313-5735, 3227-8683, 3101-9419 - gzgubic@uol.com.br - www.carceraria.org.br

Leia mais

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR

PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR PENAS ALTERNATIVAS E O DIREITO PENAL MILITAR MARIA FERNANDA DE LIMA ESTEVES [1] Desde o início da história, a humanidade depara-se com o cometimento das mais diversas infrações, e, ao lado delas, surge

Leia mais

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO

PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO P á g i n a 1 PROVA DAS DISCIPLINAS CORRELATAS TEORIA DO ESTADO 1. Na teoria contratualista, o surgimento do Estado e a noção de contrato social supõem que os indivíduos abrem mão de direitos (naturais)

Leia mais

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros.

INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM. * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais e sistemas financeiros. INDIVIDUALISMO ÉMILE DURKHEIM Fato Social - Exterioridade (o fato social é exterior ao indivíduo). - Coercitividade. - Generalidade (o fato social é geral). * Os fatos sociais são regras jurídicas, morais

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL

CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL Boaventura de Sousa Santos Coimbra, 20 de Julho de 12015 CARTA ABERTA À PRESIDENTA DILMA ROUSSEFF E ÀS AUTORIDADES POLÍTICAS E JUDICIÁRIAS BRASILEIRAS SOBRE A REDUÇÃO DA MAIORIDADE PENAL DAS VIOLÊNCIAS

Leia mais

Curso de Especialização em Gestão Pública

Curso de Especialização em Gestão Pública Universidade Federal de Santa Catarina Centro Sócio-Econômico Departamento de Ciências da Administração Curso de Especialização em Gestão Pública 1. Assinale a alternativa falsa: (A) No processo gerencial,

Leia mais

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE

PROGRAMA PATRONATO: RESSOCIALIZAÇÃO EM BUSCA DE DIGNIDADE 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS

A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS A MUDANÇA DA CULTURA JURÍDICA SOBRE DROGAS Mirela Aparecida Xavier da Silva 1 Wagner Edemilson Mendonça Silva Melo 2 Resumo O presente artigo abordará assuntos relativos à nova lei de drogas, a Lei 11.343/2006,

Leia mais

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional

Poder e Dominação Segundo Max Weber. Dominação Legal, Dominação Tradicional, Dominação Carismática. Dominação Legal. Dominação Tradicional Poder e Dominação Segundo Max Weber Poder significa toda oportunidade de impor sua própria vontade, no interior de uma relação social, até mesmo contra resistências, pouco importando em que repouse tal

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa.

Mostra de Projetos 2011. Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa. Mostra de Projetos 2011 "Educação prisional na Penitenciária Industrial de Guarapuava - PIG: Da prisão que pune à privação que educa." Mostra Local de: Guarapuava Categoria do projeto: Projetos finalizados.

Leia mais

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO

COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO COMISSÃO DE SEGURANÇA PÚBLICA E COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, VIOLÊNCIA E NARCOTRÁFICO PROJETO DE LEI Nº 7.311, DE 2002 (Apenso o Projeto de Lei nº 788, de 2003) Dispõe sobre a obrigatoriedade de presença

Leia mais

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010.

PARECER DO CRESS/SP SOBRE A RESOLUÇÃO SAP 88, de 28/04/2010. 1/7 CONSIDERANDO a Lei de Execução Penal 7.210/1984, a partir da redação em vigor dada pela Lei 10.792/2003, especificamente no que diz respeito ao Exame Criminológico; CONSIDERANDO a Súmula Vinculante

Leia mais

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL.

Assim, o bem jurídico tutelado é o meio ambiente natural, cultural, artificial e do trabalho, englobáveis na expressão BEM AMBIENTAL. ASPECTOS DA TUTELA PENAL DO AMBIENTE 1. Introdução Como conseqüência da consciência ambiental, o legislador brasileiro não só previu a proteção administrativa do meio ambiente e a denominada tutela civil

Leia mais

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI

Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Isabella Camarço Gomes Aluna do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo UFPI Iara Mesquita da Silva Braga Prof. Msc. Do Curso de Bacharelado em Moda, Design e Estilismo - UFPI ATIVIDADES DA CADEIA

Leia mais

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios

Associação de Proteção e Assistência aos condenados. Criação e Implantação nos Municípios Associação de Proteção e Assistência aos condenados Criação e Implantação nos Municípios O Método APAC O que é? A APAC é uma entidade civil de Direito Privado, com personalidade jurídica própria, destinada

Leia mais

Rogério Sanches Cunha

Rogério Sanches Cunha Art. 24 SEÇÃO VII Da Assistência Religiosa Art. 24 A assistência religiosa, com liberdade de culto, será prestada aos presos e aos internados, permitindo-se-lhes a participação nos serviços organizados

Leia mais

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS

O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS 1. Introdução O TROTE NA PERSPECTIVA DOS DIREITOS HUMANOS Mônica Alves Costa Ribeiro* Na definição da profª Maria Helena Diniz, trote é: b) troça que os estudantes veteranos impõem aos calouros. 1 Ou seja,

Leia mais

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO

JANE PAIVA ELIONALDO FERNANDES JULIÃO EDUCAÇÃO EM PRISÕES Refere-se à oferta de educação como direito de jovens e adultos em privação de liberdade, no marco dos direitos humanos, em modalidade de atendimento que considera necessidades específicas

Leia mais

Sociologia e Espiritismo

Sociologia e Espiritismo Sociologia e Espiritismo Sérgio Biagi Gregório SUMÁRIO: 1. Introdução. 2. Conceito: 2.1. Etimologia; 2.2. Objeto da Sociologia; 2.3. Natureza da Sociologia. 3. Histórico. 4. O Positivismo de Augusto Comte.

Leia mais

A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO. Luiz Flávio Gomes

A MENOR ELEGIBILIDADE (LESS ELIGIBILITY) DA PRISÃO. Luiz Flávio Gomes A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO Luiz Flávio Gomes A MENOR ELEGIBILIDADE ("LESS ELIGIBILITY") DA PRISÃO Luiz Flávio Gomes Diretor geral dos cursos de Especialização TeleVirtuais da

Leia mais

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher.

Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Campanha de combate e prevenção à Violência Contra a Mulher. Vamos juntos trabalhar em prol da vida! BRASIL É CAMPEÃO DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NUM RANKING DE 54 PAÍSES fonte: Sociedade Mundial de Vitimologia,

Leia mais

Direito Penal. Sinopse histórica. Prof. Saulo Cerutti

Direito Penal. Sinopse histórica. Prof. Saulo Cerutti Direito Penal Sinopse histórica Prof. Saulo Cerutti Conceito de direito penal Segundo Pierangeli e Zaffaroni (2011, p. 83), o direito penal: [...] é o conjunto de leis que traduzem normas que pretendem

Leia mais

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES

VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES VIOLÊNCIA NO TRABALHO EM AMERICA LATINA UMA FORMA DE DISCRIMINAÇÃO NO EMPREGO RISCO PARA A SAÚDE DOS TRABALHADHORES FORMA DE DISCRIMINAÇÃO E VIOLAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS A violência é global e sistêmica.

Leia mais

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA

CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ZUMBI DOS PALMARES AUTOR(ES): MARIANA TOLEDO ALVES TEIXEIRA TÍTULO: "DIÁRIO" DE UM EX - DETENTO : AS DIFICULDADES E PRECONCEITOS ENCONTRADOS, NO DIA A DIA,PARA RESSOCIALIZAÇÃO DO EX - PRESIDIÁRIO NEGRO NO BRASIL. CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E

Leia mais

DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade. Émile Durkheim. DIREITO = instrumento de poder = superestrutura Função ideológica

DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade. Émile Durkheim. DIREITO = instrumento de poder = superestrutura Função ideológica DIREITO = símbolo da consciência coletiva = função de solidariedade Émile Durkheim Fato social Consciência coletiva Solidariedade Simbólico direito Anomia norma/crime Karl Marx Potencial humano consciência

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução: A Pena 2. A Pena na Constituição Federal de 1988 3. Finalidades da pena 4. Espécies de pena no Código Penal brasileiro 5. Direito Penitenciário 6. Legislação 7. Aplicação

Leia mais

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF

ANEXO 01. CURSO: Tecnólogo em Segurança Pública e Social UFF ANEXO 01 CURSO: Tecnólogo em e Social UFF SELEÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES DISCIPLINAS / FUNÇÕES - PROGRAMAS / ATIVIDADES - PERFIS DOS CANDIDATOS - NÚMEROS DE VAGAS DISCIPLINA/FUNÇÃO PROGRAMA/ATIVIDADES

Leia mais

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO

A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO A PRÁTICA PSICOLÓGICA EM UMA U IDADE PRISIO AL DE REGIME SEMIABERTO 2013 Psicóloga do Sistema Prisional Paulista. Especialista em Psicologia Jurídica (Brasil) Email: borgeskb@gmail.com RESUMO Este texto

Leia mais

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA

A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO MILITAR DIREITO PENAL MILITAR PARTE GERAL MARCELO VITUZZO PERCIANI A PENA DE MORTE EM TEMPO DE GUERRA Marcelo Vituzzo Perciani 1º Tenente da Polícia

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 128, DE 2014 Altera a Lei de Execução Penal e o Código Penal para criminalizar o diretor do estabelecimento penal ou o agente público competente pela não atribuição de trabalho

Leia mais

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ

CRESS / 7ª Região Conselho Regional de Serviço Social RJ OFÍCIO /CRESS/SEC/Nº 0535/2013 Rio de Janeiro, 20 de setembro de 2013 De: Conselho Regional de Serviço Social 7ª Região À Comissão de Juristas com a finalidade de realizar estudos e propor atualização

Leia mais

Teorias da Administração

Teorias da Administração Teorias da Administração Cronologia das teorias da administração 1903 Administração Científica 1903 Teoria Geral da Administração 1909 Teoria da Burocracia 1916 Teoria Clássica da Administração 1932 Teoria

Leia mais

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi

Objetivos da aula: Emile Durkheim. Ciências Sociais. Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia. Profa. Cristiane Gandolfi Ciências Sociais Profa. Cristiane Gandolfi Emile Durlheim e o estatuto da cientificidade da sociologia Objetivos da aula: Compreender o pensamento de Emile Durkheim e sua interface com o reconhecimento

Leia mais

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA

MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA MITOS E REALIDADES A QUESTÃO DA VIOLÊNCIA Mitos e Realidades Algumas considerações O álcool e as drogas são as causas reais da violência. O consumo de álcool pode favorecer a emergência de condutas violentas,

Leia mais

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO

GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO GISELE CALDEIRA DE FREITAS PROJETO DE PESQUISA APLICADA: A RESSOCIALIZAÇÃO DO PRESO FRENTE AO SISTEMA PENITENCIÁRIO BRASILEIRO IBAITI 2013 3 AUÍLIO FINANCEIRO A CURSOS PROJETO DE PESQUISA APLICADA SUMÁRIO

Leia mais

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA

COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO E JUSTIÇA E DE CIDADANIA PROJETO DE LEI Nº 7.645, DE 2014. Altera o art. 18 do Decreto-Lei nº 667, de 2 de julho de 1969, que extingue a pena de prisão disciplinar para as polícias

Leia mais

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA

ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA ÉTICA, EDUCAÇÃO E CIDADANIA Marconi Pequeno * * Pós-doutor em Filosofia pela Universidade de Montreal. Docente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia e membro do Núcleo de Cidadania e Direitos Humanos

Leia mais

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO

2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2 SIGNIFICADO DA ADMINISTRAÇÃO 2.1 IMPORTÂNCIA DA ADMINISTRAÇÃO Um ponto muito importante na administração é a sua fina relação com objetivos, decisões e recursos, como é ilustrado na Figura 2.1. Conforme

Leia mais

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU

CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU CONCEPÇÃO DE HOMEM EM DO CONTRATO SOCIAL DE ROUSSEAU Resumo: Este artigo tem como objetivo apresentar a concepção de homem na obra Do contrato social de Rousseau. O contrato de doação é o reflexo da complacência

Leia mais

ASPECTOS HISTÓRICOS RESGATE DA HISTÓRIA DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES NO BRASIL Maria Izabel Rocha Simão e Silva Capacitação de Candidatos ao Conselho Tutelar Barbacena, julho/2010 Objetivos: 1- Entendimento

Leia mais

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções.

A violência, e em particular a violência doméstica, constitui um desses velhos / novos problemas para o qual urge encontrar novas soluções. A justiça restaurativa no combate à violência doméstica O final de uma legislatura é, certamente, um tempo propício para a realização de um balanço de actividades. Pode constituir-se como convite à avaliação

Leia mais

O ensino jurídico moderno e a formação do profissional de direito: uma visão crítica sobre os fins das penas no sistema penal brasileiro

O ensino jurídico moderno e a formação do profissional de direito: uma visão crítica sobre os fins das penas no sistema penal brasileiro O ensino jurídico moderno e a formação do profissional de direito: uma visão crítica sobre os fins das penas no sistema penal brasileiro Resumo Gabriela Maranhão 1 O ensino superior das Ciências Jurídicas

Leia mais

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe:

O acórdão em análise é oriundo do Superior Tribunal de Justiça, no julgamento de um agravo regimental em Recurso Especial e assim dispõe: 3. COMENTÁRIOS À JURISPRUDÊNCIA 3.1 QUESTÕES PONTUAIS SOBRE EXECUÇÃO PENAL ÉRIKA DE LAET GOULART MATOSINHO Oficial do Ministério Público do Estado de Minas Gerais Bacharel em Direito 1. Escolha do acórdão

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br Pena de prisão e perda do caráter ressocializador Marco Antônio Garcia de Pinho * Como citar este artigo: PINHO, Marco Antônio Garcia de. Pena de prisão e perda do caráter ressocializador.

Leia mais

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º

FICHAMENTO. Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º FICHAMENTO Aluno(a): Odilon Saturnino Silva Neto Período: 3º Disciplina: Administração Contemporânea IDENTIFICAÇÃO DO TEXTO MOTTA, Fernando C. Prestes; VASCONCELOS, Isabella F. Gouveia. Teoria geral da

Leia mais

A importância da correta execução penal para a segurança pública. Cristiano Lajóia

A importância da correta execução penal para a segurança pública. Cristiano Lajóia A importância da correta execução penal para a segurança pública Cristiano Lajóia Uma das primeiras coisas em que pensamos quando o assunto é Ministério Público (MP), é que o órgão tem duas funções no

Leia mais

Categorias Sociológicas

Categorias Sociológicas Categorias Sociológicas Fato Social DURKHEIM, E.; AS REGRAS DO MÉTODO SOCIOLÓGICO.São Paulo, Abril, Os Pensadores, 1973 p. 389-90. O que é fato social O objeto de estudo da Sociologia é o fato social.

Leia mais

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL

CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL FUNDAÇÃO SOUSÂNDRADE INSTITUTO UNIVERSITÁRIO ATLÂNTICO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO CONDUCENTE AO MESTRADO EM CRIMINOLOGIA A REALIZAR NO BRASIL E A REALIZAR EM PORTUGAL UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA São Luis

Leia mais

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006

Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Curso de Formação de Conselheiros em Direitos Humanos Abril Julho/2006 Realização: Ágere Cooperação em Advocacy Apoio: Secretaria Especial dos Direitos Humanos/PR Módulo III: Conselhos dos Direitos no

Leia mais

6. Modelo Burocrático

6. Modelo Burocrático 6. Modelo Burocrático Conteúdo 1. Burocracia 2. Teoria da Burocracia 3. Tipos de Sociedade 4. Tipos de Autoridade 5. Características da Burocracia segundo Weber 6. Disfunções da Burocracia 7. Modelo Geral

Leia mais

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil.

Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Arquivo do Estado de SP O Uso dos Documentos de Arquivo na Sala de Aula Tema: Criminalidade e Cotidiano. Título: A violência na História do Brasil. Mariana Ramos Apolinário 2º semestre 2013 São Paulo SP

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97

LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 LEI DE TORTURA Lei n. 9.455/97 DUDH Artigo 5º Ninguém será submetido à tortura, nem a tratamento ou castigo cruel, desumano ou degradante. ART. 5º DA CF Inciso III Ninguém será submetido à tortura nem

Leia mais

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda

CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda CURSO e COLÉGIO ESPECÍFICO Ltda www.especifico.com.br DISCIPLINA : Sociologia PROF: Waldenir do Prado DATA:06/02/2012 O que é Sociologia? Estudo objetivo das relações que surgem e se reproduzem, especificamente,

Leia mais

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial

Tipos de Administração Pública. 1 - Administração Patrimonialista 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial Tipos de Administração Pública Professor Luiz Antonio de Carvalho Tipos de Administração Pública BUROCRÁTICA 1 - Administração 2 - Administração Burocrática 3 Administração Gerencial lac.consultoria@gmail.com

Leia mais

HISTÓRIA DO DIREITO PENAL

HISTÓRIA DO DIREITO PENAL HISTÓRIA DO DIREITO PENAL ROBERTO JOSÉ DAHER Delegado de Polícia, Bacharel em Direito pela PUC de Campinas, Mestre em Direito Constitucional pela UNIP de Campinas, Professor das disciplinas Direito Penal,

Leia mais

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito

ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito ALBERTO MARQUES DOS SANTOS Juiz de Direito CRIMINALIDADE causas e soluções Juruá Editora Curitiba, 2006 CATALOGAÇÃO NA FONTE S237 Santos, Alberto Marques dos. Criminalidade: causas e soluções./ Alberto

Leia mais

MODELOS DE DEFICIÊNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA

MODELOS DE DEFICIÊNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1 MODELOS DE DEFICIÊNCIA E SUAS IMPLICAÇÕES NA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Ingrid Augustin - UCS Resumo: Para compreender cientificamente os caminhos que levaram a situação atual da inclusão escolar da pessoa com

Leia mais

Max Weber e o Direito (1864-1920)

Max Weber e o Direito (1864-1920) 82 Max Weber e o Direito (1864-1920) Fontes: BILLIER, Jean-Cassiere MARYIOLI, Aglaé. História da Filosofia do Direito. Barueri: Manole, 2005. DEFLEM, Mathiew. Sociology of Law. Cambridge: CUP, 2008. RODRIGUES

Leia mais

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família

Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Aulas de Saúde Mental para Equipes do Programa de Saúde da Família Coordenadoria de Educação Permanente - CEP Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais Elaboração: Ana Marta Lobosque 2007 AULA

Leia mais

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico:

Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: 1 Jusnaturalismo ou Positivismo Jurídico: Uma breve aproximação Clodoveo Ghidolin 1 Um tema de constante debate na história do direito é a caracterização e distinção entre jusnaturalismo e positivismo

Leia mais

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65

Índice. 5. A escola moderna alemã 64 6. Outras escolas penais 65 Índice Prefácio à 2ª edição Marco Aurélio Costa de Oliveira 7 Apresentação à 2ª edição Marco Antonio Marques da Silva 9 Prefácio à 1ª edição Nelson Jobim 11 Apresentação à 1ª edição Oswaldo Lia Pires 13

Leia mais

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas.

Documento que marca as reformas na atenção à saúde mental nas Américas. CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA Centro de Referência Técnica em Psicologia e Políticas Públicas LEVANTAMENTO DOS MARCOS TEÓRICOS E LEGAIS DO CAPS CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL 1. Marco Teórico NORMATIVAS

Leia mais

Sistema Penitenciário Paulista. Profª Dra. Rosalice Lopes

Sistema Penitenciário Paulista. Profª Dra. Rosalice Lopes Sistema Penitenciário Profª Dra. Rosalice Lopes Histórico A história do sistema penitenciário paulista começa em 1º/03/1892, quando o Decreto nº 28 criou a Secretaria da Justiça. Até o início de 1979,

Leia mais

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( X) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA O GRUPO SERMAIS:

Leia mais

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL

CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL CÓDIGO PENAL: PARTE ESPECIAL Ataídes Kist 1 1 Docente do Curso de Direito da Unioeste, Campus de Marechal Cândido Rondon. E-mail ataideskist@ibest.com.br 10 ATAÍDES KIST RESUMO: Na estrutura do Direito

Leia mais

Código de ética e Conduta

Código de ética e Conduta DEPARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS GlobalPET Reciclagem S.A Agosto /2014 Código de ética e Conduta Sumário 1. Introdução 2. Objetivos 3. Código de Conduta 4. Código de Ética 5. Valores éticos 6. Princípios

Leia mais

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho?

Qual a melhor forma de fazer um determinado trabalho? A abordagem típica da Escola da Administração Científica é a ênfase nas tarefas; Objetivava a eliminação dos desperdícios e elevar os níveis de produtividade Frederick W. Taylor (1856-1915): Primeiro período

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR SECRETÁRIO DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO FABIANO CONTARATO, brasileiro, solteiro, com 48 anos de idade, Delegado de Polícia Civil e Professor Universitário,

Leia mais

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO

INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO INTRODUÇÃO AO ESTUDO DO DIREITO - IED AULAS ABRIL E MAIO Docente: TIAGO CLEMENTE SOUZA E-mail: tiago_csouza@hotmail.com 2. Direito como objeto de conhecimento. Conforme pudemos observar nas aulas iniciais

Leia mais

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor

O Dano Moral e o Direito Moral de Autor O Dano Moral e o Direito Moral de Autor Guilherme L. S. Neves Advogado especializado em Direito do Entretenimento Associado à Drummond e Neumayr Advocacia 11/05/2007 Introdução: Como é cediço, o direito

Leia mais

OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE

OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE OS DIREITOS HUMANOS E A PENA DE MORTE Ana Flavia JOLO 1 Sérgio Tibiriçá AMARAL 2 RESUMO: A Declaração Universal dos Direitos Humanos deu maior abertura a discussão sobre a Pena de Morte. Veremos o posicionamento

Leia mais

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420)

As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria (092-236-5568 e 092-985-5420) Fica autorizada a reprodução do texto e ilustrações, no todo ou em parte, desde que se não altere o sentido, bem como seja citada a fonte. As ilustrações desta cartilha foram efetuadas por Carlos Myrria

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 ESTADO DO ESPÍRITO SANTO LEI Nº 10.006 Institui o Comitê Estadual para a Prevenção e Erradicação da Tortura no Espírito Santo - CEPET/ES e o Mecanismo Estadual de Prevenção e Erradicação da Tortura no

Leia mais

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo

O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU. Resumo 1 O PAPEL DA ESCOLA NA SOCIEDADE: ALGUMAS CONCEPÇÕES DE WEBER E BOURDIEU Suellen Celina Vitcov Ribeiro IE/UFMT shuribeiro@hotmail.com Juliana Assis da Cruz IE/UFMT- juliassis2010@yahoo.com.br Resumo Este

Leia mais

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão.

Programa. Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Programa UNIDADE 1: UNIDADE 2 Fundamentos de filosofia e Sociologia das Organizações Teorias e modelos de gestão. Funções do administrador no mundo contemporâneo. Arquitetura Organizacional. UNIDADE 3

Leia mais

QUERIDO(A) ALUNO(A),

QUERIDO(A) ALUNO(A), LANÇADA EM 15 MAIO DE 2008, A CAMPANHA PROTEJA NOSSAS CRIANÇAS É UMA DAS MAIORES MOBILIZAÇÕES PERMANENTES JÁ REALIZADAS NO PAÍS, COM FOCO NO COMBATE À VIOLÊNCIA DOMÉSTICA E À EXPLORAÇÃO SEXUAL DE CRIANÇAS

Leia mais

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO

Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO Lição 7. A SOCIEDADE E A NATUREZA DO DELITO COMO FENÔMENO INDIVIDUAL E COLETIVO A SOCIEDADE A E NATUREZA DO DELITO COMO FENOMENO INDIVIDUAL E COLETIVO a) O aparecimento da vida e do homem A doutrina do

Leia mais

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica

Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Lei Maria da Penha: uma evolução histórica Karina Balduino Leite e Rivadavio Anadão de Oliveira Guassú Maria da Penha foi uma entre as incontáveis vítimas de violência doméstica espalhadas pelo planeta.

Leia mais

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA.

A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. A VIOLÊNCIA NAS ESCOLAS E O DESAFIO DA EDUCAÇÃO PARA A CIDADANIA. NOGUEIRA, Ione da Silva Cunha - UNESP/Araraquara Uma educação conscientizadora e emancipadora, que garanta qualidade de ensino e acesso

Leia mais

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ

CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ CONVENÇÃO INTERAMERICANA PARA PREVENIR, PUNIR E ERRADICAR A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER, CONVENÇÃO DE BELÉM DO PARÁ (Adotada em Belém do Pará, Brasil, em 9 de junho de 1994, no Vigésimo Quarto Período Ordinário

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br

BuscaLegis.ccj.ufsc.Br BuscaLegis.ccj.ufsc.Br Análise Crítica das Escolas Penais, Sob à Luz dos Fins e Funções da Pena Victor da Silveira Graça* INTRODUÇÃO: Diante de uma reação humanitária, decorrente do iluminismo durante

Leia mais