INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ"

Transcrição

1 INOVAÇÕES NA AGRICULTURA FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM PROPRIEDADES RURAIS LEITEIRAS NO PARANÁ Fernanda Mattioda (UTFPR) Juliana Vitoria Messias Bittencourt (UTFPR) Guatacara dos Santos Junior (UTFPR) O presente trabalho tem como principal objetivo apresentar a implantação de Unidades de Referencia no meio rural para promover a transferência de informação e conseqüentemente a inovação do setor lácteo. Esta metodologia de Unidade de Referrência proporciona a aproximação de pesquisadores, extensionistas e agricultores, e o desenvolvimento de uma série de ações e capacitação em torno de uma propriedade. Portanto, foram selecionadas cinco propriedades rurais leiteiras nos municípios de Fernandes Pinheiro e Teixeira Soares - PR, trabalhadas como Unidades de Referencia. O estudo e a coleta de dados foram realizados no período setembro de 2009 a julho de Aplicação de questionários e coletas de amostras de leite para análises de Contagem de Células Somáticas e Contagem Bacteriana Total, foram feitas a fim de determinar o nível de conhecimento dos agricultores e a qualidade do leite produzido, respectivamente. A transmissão de informações aos produtores foi feita através de visitas técnicas e treinamento higiênico-sanitário. Por meio desta pesquisa conclui-se que a implantação de URs, pode ser capaz de melhorar a qualidade destas propriedades através das inovações propostas no treinamento. Palavras-chaves: Qualidade do leite, Treinamento higiênico-sanitário, Unidades de Referência

2 1. Introdução A agricultura exerce importância nacional como fonte geradora de alimentos. Zylbersztajn e Neves (2000) definem a agricultura como produção rural ou produção primária, considerados agentes atuantes na geração de matéria prima para indústria de alimentos. No setor primário da economia brasileira, a agricultura familiar é um setor que com o passar do tempo foi rompendo conceitos e se consolidando. Schneider (2003) relata que a agricultura familiar passa a ser utilizada com mais freqüência em discursos de movimentos sociais rurais, por órgãos do governo ou segmentos acadêmicos. A Agricultura Familiar é definida segundo a Lei número de julho de 2006, a qual considera o agricultor familiar aquele que pratica atividades no meio rural e que não detenha área maior do que 4 (quatro) módulos fiscais; utilize mão-de-obra da própria família nas atividades do seu estabelecimento; tenha renda familiar originada de atividades econômicas do próprio estabelecimento. Este Sistema de Agricultura Familiar exerce papel importante em pequenas cidades, e a melhoria de renda deste segmento por meio de sua maior inserção no mercado tem impacto importante no interior do país e por conseqüência nas grandes metrópoles. Diante da relevância da agricultura familiar, deve-se assegurar que a produção de alimentos por parte destes agricultores seja de acordo com as exigências do mercado e inovações do setor, resultando em um processo produtivo de qualidade. Entretanto, a falta de recursos dos agricultores familiares é um fator que dificulta a introdução de novos métodos ou tecnologias na propriedade rural, além da insegurança em correr riscos e o emprego de mão de obra menos qualificada nesse segmento, dificultando a melhoria da produção (FRANÇA, 2006). No que diz respeito à Inovação Tecnológica, segundo Barbieri (2004), é o processo realizado por uma organização para implementar produtos ou processos, visando novas soluções técnicas, funcionais ou estéticas, e com o objetivo de alcançar resultados positivos. O autor comenta ainda que tais soluções podem se apresentar das seguintes formas: novo processo produtivo ou alterações em processos existentes; modificação ou substituição de produto; fabricação de produtos a partir de um processo produtivo comum; e ainda novos produtos que exijam novas tecnologias. Com base nesta definição de Inovação Tecnológica, o presente artigo justifica-se pela necessidade de promover a inovação no setor primário, principalmente no que diz respeito ao Sistema de Agricultura Familiar, o qual é formado por pequenos produtores que, na maioria das vezes, não possuem acesso as informações técnicas ou inovações do setor a que pertencem. Portanto, este trabalho tem como principal objetivo apresentar a implantação de Unidades de Referencia no meio rural para promover a transferência de conhecimento e conseqüentemente a inovação do setor Lácteo. Dessa forma, o conceito de Unidade de Referência (UR) é definido na Secretaria da Agricultura Familiar, do Ministério de Desenvolvimento Agrário (MDA), como assistência técnica e extensão rural direta ao agricultor familiar, realizando visitas em que são coletadas informações sobre as atividades da propriedade rural. 2

3 Esta metodologia de Unidade de Referência foi desenvolvida a partir de 1981 pelo Institut de L Élevage, na França, a qual proporcionou a aproximação de pesquisadores, extensionistas e agricultores (PERERA, 2009). Portanto, a Unidade de Referência é considerada uma idéia ampla, a qual permite o desenvolvimento de uma série de ações e capacitação em torno de uma propriedade. E deve proporcionar espaço para a potencialização das experiências de agricultores, assim como validar novos métodos de produção, ou até mesmo construir soluções a partir de elementos observados nas unidades e agricultores participantes. 2. Metodologia O presente estudo está inserido em um Projeto de Extensão da Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (SETI) em parceria com a Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). A pesquisa e a coleta de dados foram do período de setembro de 2009 a julho de 2010, totalizando 11 meses de estudo. O estudo foi realizado nos municípios de Fernandes Pinheiro e Teixeira Soares, pertencentes à Região Sudeste do Paraná. A escolha dos municípios foi feita com base em informações do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2000), baseando-se em questões de IDH e economia do município. Portanto, estes municípios atendiam aos requisitos definidos pela pesquisa, sendo municípios de IDH reduzido se comparado aos demais municípios, e com economia voltada para a agricultura familiar e produção leiteira. Finalizada a etapa de seleção dos municípios, a escolha das Unidades de Referência (UR) foi a partir de uma avaliação inicial dos produtores leiteiros dos municípios em estudo. Esta avaliação contou com o apoio de técnicos das Instituições locais, em especial o Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER dos municípios, a qual disponibilizou os dados referentes ás comunidades rurais e os produtores da região. Nesta avaliação inicial foram levados em consideração os aspectos sociais e técnicos dos produtores, bem como a observação das condições das propriedades que poderiam se tornar UR s, através de visitas. Portanto, o quadro 1 apresenta os aspectos analisados. Aspectos Sociais Aspectos técnicos Agricultores familiares Mão - de obra Propriedade Sanitário Produtivo Fonte: Adaptado de França (2006) Sexo, idade, escolaridade, motivação, participação da atividade na renda total da família. Familiar ou contratada Atividades exploradas, área de produção, tipos de pastagens e manejo, instalações, maquinário e equipamentos, rebanho Problemas mais freqüentes, controle de doenças, vacinação e exames realizados, técnicas para prevenção de mastite Número e método de ordenha, higienização, médias de produção Quadro 1: Aspectos considerados na seleção de URs Após a verificação destes aspectos, foram estabelecidas as URs por pesquisa participativa, em comum acordo com as comunidades rurais e com os parceiros. 3

4 O fator decisivo na escolha das UR s foi acessibilidade á família de produtores, onde foi possível observar quais produtores realmente possuíam interesse em adquirir informações a respeito da produção leiteira e qualidade da matéria-prima, além das inovações do setor. Dessa forma, foram selecionadas cinco propriedades rurais leiteiras, as quais foram trabalhadas como Unidades de Referência. Das UR s escolhidas, duas pertencem ao município de Fernandes Pinheiro em assentamentos distintos, e três localizam-se em Teixeira Soares, duas em assentamento e uma em comunidade rural. Para a caracterização das UR s, um dos métodos utilizados foi aplicação de questionários aos produtores, ao iniciar os trabalhos de acompanhamento, em setembro de A aplicação deste questionário teve como objetivo determinar o grau de conhecimento higiênico-sanitário de cada produtor, assim como as condições da propriedade e de produção leiteira. O questionário aplicado é composto de perguntas abertas e fechadas, o qual buscou diagnosticar os fatores relacionados à produção leiteira, como características do rebanho, manejo de ordenha, higiene nas atividades, refrigeração e armazenamento do leite. O questionário foi adaptado de França (2006). No que diz respeito à caracterização das UR quanto á qualidade do leite, mensalmente foram realizadas coletas de amostras de leite e encaminhadas para o Laboratório da Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH). A coleta de leite seguiu as instruções descritas no Manual de Operações de Campo Coleta de Amostras, da APCBRH. As análises consideradas no presente trabalho foram Contagem Bacteriana Total (CBT), Contagem de Células Somáticas (CCS). No que diz respeito à transferência de informações e tecnologias as URs, a mesma foi realizada através de visitas técnicas, feitas ao menos uma vez na semana em cada UR. Estas visitas técnicas tinham como finalidade repassar informações aos produtores com relação aos parâmetros higiênicos sanitários da produção leiteira. Dessa forma, com base nas bibliografias e exigências impostas pela IN 51, foi elaborado e repassado um treinamento higiênico-sanitário aos produtores, realizado a cada visita. Para verificar o quanto os produtores das URs assimilaram as informações e as técnicas repassadas no treinamento higiênico-sanitário, fez-se necessário a avaliação por meio das análises de qualidade do leite, coletadas mensalmente neste estudo. São as análises de CBT, CCS. A análise dos dados foi por meio de comparação entre a primeira e última análise, para verificar se houve melhoria nos fatores analisados. 3. Resultados e Discussão 3.1 Caracterização das Unidades de Referência A partir do questionário aplicado as UR s, foi possível verificar que se caracterizam como Agricultura Familiar, as quais possuem a diversificação das atividades agropecuárias e além da bovinocultura de leite trabalham com culturas de milho e feijão. A diversificação da produção representa para os agricultores familiares uma estratégia de redução de riscos e incertezas, surgindo como uma resposta a uma situação de crise (GRISA, GAZOLLA, SCHNEIDER, 2010). 4

5 A área das UR s varia de 12 a 35 hectares, e no que diz respeito à produção de leite, a média diária varia de período para período, com base na alimentação do animal. Dessa forma, a produção leiteira das propriedades varia de 5 a 14 litros por vaca. A ordenha é realizada pelos produtores duas vezes ao dia, geralmente às 6 da manhã e às 17 da tarde. Os produtores C e D realizam a ordenha manual, e o restante trabalha com ordenha mecânica, entretanto, de acordo com Scalco et al (2007) a utilização de ordenha mecânica não contribui para a melhoria da qualidade do leite. Ou seja, pode até contribuir para a falta de segurança do leite entregue aos laticínios, caso não sejam tomados os cuidados necessários de higienização do equipamento. Com relação ao armazenamento do leite cru, a Instrução Normativa n 51 exige que seja feito logo após a ordenha, em tanque refrigerador a granel. Apenas a propriedade E possui este equipamento, o restante das propriedades possui latões e freezer para armazenar o leite. E a propriedade D envia o leite a um resfriador comunitário. Os produtores A e B entregam leite a um laticínio que paga por qualidade, o qual considera parâmetros de Contagem Bacteriana Total (CBT), Contagem de Células Somáticas (CCS) e a gordura presente o leite, e quinzenalmente o laticínio repassa os resultados das análises aos produtores. O restante dos produtores entrega leite a um laticínio que não possui pagamento diferenciado por qualidade. Com relação ao quanto os agricultores familiares conhecem a Instrução Normativa n 51, pode-se concluir que apenas três tinham recebido informações contidas na legislação, porém, por meio das observações feitas no local de trabalho, nota-se que os mesmos não possuíam conhecimento amplo e suficiente da aplicação dos parâmetros exigidos. No que diz respeito às técnicas utilizadas no rebanho para prevenção de mastite, definida como a infecção no úbere que pode afetar a qualidade do leite, apenas um produtor utilizava a técnica de pré e pós-dipping. Segundo Pedrini e Margatho (2003), é indispensável um úbere saudável para garantir a elevada qualidade de produção. Os autores comentam que pré e pós-dipping consiste em mergulhar os tetos em soluções antissépticas adequadas, considerado uma etapa relevante na produção de leite, e capaz de garantir a redução de mastite contagiosa e ambiental. Um dos instrumentos utilizados para verificar a qualidade do leite, é o teste da caneca de fundo preto, o qual segundo Scalco et al (2007) é capaz de detectar a presença de mastite clínica no animal. Porém, os mesmos autores relatam que o produtor somente percebe que a vaca está com infecção em um estágio muito avançado da doença, quando ocorre mudança de comportamento da vaca e a redução da produção de leite, não se prevenindo de maneira correta. Anormalidades no leite, como a presença de grumos, também são observadas pelos produtores. Portanto, tal procedimento não é executado por dois produtores, C e D, os quais desconheciam os benefícios de se executar o teste de caneca de fundo preto. Ribeiro et al (2003) afirmam que o California Matitis Test (CMT) é um dos testes mais utilizados e eficientes para a detecção de mastite subclínica, pois ele detecta a presença da mastite, mesmo não apresentando anormalidades no leite, além de ser um indicador indireto de contagem de células somáticas no leite. O teste consiste na coleta individual de leite dos quartos mamários, em uma bandeja apropriada, adicionando um detergente aniônico neutro. Ambos os testes, caneca de fundo preto e CMT podem ser realizados pelo próprio produtor, porém apenas um produtor realizava o CMT, o restante desconhecia o teste. 5

6 3.2 Treinamento higiênico sanitário XXXI ENCONTRO NACIONAL DE ENGENHARIA DE PRODUCAO O objetivo do treinamento foi garantir a adequação dos parâmetros de produção e qualidade do leite, através da transmissão de informações e técnicas, até então inutilizadas ou até mesmo desconhecidas por estes produtores. O treinamento abordou seguintes aspectos relacionados à produção leiteira: utensílios e equipamentos, higiene dos operadores/ordenhadores, ambiente de trabalho e manejo dos animais, de acordo com o Quadro 2. Temas do Treinamento Higiênico-sanitário Utensílios e Equipamentos Higiene dos Operadores/ordenhadores Ambiente de Trabalho Manejo do Rebanho Fonte: Autoria Própria (2011) Descrição dos aspectos abordados no treinamento - Higienização dos equipamentos: recomendou-se o uso de água quente a 72 C, para facilitar a retirada da gordura do leite no equipamento; detergente básico diariamente após a ordenha, para retirada da gordura, proteína e lactose; e detergente ácido semanalmente, para a retirada dos minerais do leite. - Higiene pessoal: práticas de higiene lavando-se as mãos e braços com sabão, além de manter hábitos limpos no momento da ordenha, a fim de evitar a contaminação do leite pelo próprio ordenhador. - Local de permanência do rebanho: local limpo e seco para evitar a contaminação de microrganismos responsáveis pela mastite, devido ao contato do teto dos animais com o solo úmido e infectado por microrganismos. -Sala de ordenha: lavagem diária do piso, assim como a manutenção da higiene do ambiente onde se refrigera o leite, sem outros objetos desnecessários a atividade. - ordem de ordenha dos animais: animais sadios são ordenhados primeiramente, seguidos dos animais infectados; - desinfecção dos tetos: antes e após a ordenha e a secagem com papel toalha descartável. - Prevenção de mastite no rebanho: recomendou-se a realização do Teste de California Matitis Test CMT e o teste da caneca de fundo preto Quadro 2 Aspectos abordados no Treinamento Higiênico-sanitário aplicado as UR s. 3.3 Análise da melhoria da qualidade do leite das UR s A verificação da absorção das informações repassados no treinamento, por parte dos Agricultores Familiares, foi feita através dos resultados das análises de Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT), os quais foram comparados com os limites estabelecidos na Instrução Normativa n 51, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. A escolha destes parâmetros foi pelo fato de que estas análises de CCS e CBT refletem o estado higiênico-sanitário da atividade leiteira desenvolvida por cada agricultor familiar, trabalhado como Unidade de Referência. Portanto, a figura 1 apresenta os valores de CCS das amostras de leite de cada UR, do primeiro e último mês de análise. Dessa forma, observa-se que as Unidades de referência B, C, D e E tiveram reduções significativas nos seus valores. 6

7 Figura 1 Primeiro e último mês de análise de Contagem de Células Somáticas No caso na UR A, este aumento no valor de CCS pode ter sido devido a diversos fatores, como disponibilidade de alimentação do rebanho, baixa produção de leite por animal em lactação, perído com muita chuva e falta de conhecimento das normas estabelecidas na Instrução Normativa n 51. Fatores esses que interferem diretamente no nível de CCS. Portanto, de acordo com estes resultados obtidos das análises laboratoriais e comparados a IN51, a qual estabelece máximo de 750X10 3 CS/mL para CCS, nota-se que os valores permaneceram abaixo do item estabelecido. Segundo Gimenes e Ponchio (2004), o leite com alta CCS pode afetar negativamente a indústria, como a produção de leite em pó, manteiga e leite UHT, reduzindo a vida de prateleira, e produzindo sabores indesejáveis. E com relação à saúde pública, à medida que há aumento de CCS do rebanho, maior é a probabilidade de serem encontrados resíduos de antibióticos no leite. Portanto, deve-se ter o controle deste parâmetro a fim de garantir um leite de qualidade e um processo rentável, tanto para o produtor rural como para a indústria. Com relação à CBT, a figura 2 apresenta seus valores e observa-se que todas as Unidades de Referência tiveram seus valores reduzidos. 7

8 Figura 2 Primeiro e último mês de análise de Contagem Bacteriana Total Merece destaque a UR B, pois possuía um valor extremamente elevado na primeira análise, porém, no decorrer dos meses o valor reduziu e permaneceu constante e abaixo dos limites descritos na IN51, a qual estabelece 750X10 3 UFC/mL. Fato ocorrido devido a mudanças na higienização da ordenhadeira. A UR B desconhecia a importância da correta higienização dos utensílios e não possuía nenhum procedimento estabelecido para esta tarefa, apenas utilizava água fria para a limpeza do equipamento. Porém, a partir das informações repassadas no treinamento, deu início nos novos procedimentos, e passou a seguir corretamente as etapas de sanitização dos eqeuipamento, utilizando água quente, detergente básico diariamente e detergente ácido uma vez na semana, e dessa forma foi possível reduzir significativamente o valor. 4. Considerações Finais Diante das características do Sistema da Agricultura Familiar, e dos dados coletados durante a pesquisa, ressalta-se a relevância deste trabalho, a fim de transmitir conhecimento e informação ao segmento rural. E no que diz respeito aos produtores de leite, os quais necessitam de informações técnicas para produzir um leite de qualidade, esta alternativa de informá-los por Unidades de Referência teve resultado positivo, pois com base nos resultados de CCS e CBT, percebe-se a redução destes parâmetros e conseqüentemente a melhoria na qualidade do leite produzido Portanto, conclui-se através deste estudo que a implantação de Unidade de Referencia em propriedades rurais leiteiras, considerada inovação no meio rural, foi capaz de transmitir melhorias na produção leiteira. Referências BARBIERI, José Carlos. Produção e Transferência de Tecnologia. Editora Ática S.A: São Paulo, SP,1990. BRASIL. Lei nº , de 24 de julho de Estabelece as diretrizes para a formulação da Política Nacional da Agricultura Familiar e Empreendimentos Familiares Rurais. 8

9 BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Instrução Normativa n 51, de 20 de setembro de Aprova os Regulamentos Técnicos de produção, identidade e qualidade do leite tipo... Diário Oficial da União, Brasília, 18 de Setembro de Seção 1. FRANÇA, Silvia R. de A.Perfil dos produtores, características da propriedades, e qualidade do leite bovino nos Municípios de Esmeraldas e Sete Lagoas MG f. Tese (Doutorado em Ciência Animal) - Escola de Veterinária da Universidade Federal de Minas Gerais, GIMENES, Raquel M.; PONCHIO, Leandro A. Elaboração de sistema de pagamento de leite pela qualidade para fornecedores da empresa A. In: Congresso Brasileiro de Qualidade do Leite, 2, 2006, Goiânia. Anais eletrônicos... Disponível em< Acesso em 20 mar GRISA, Catia; GAZOLLA, Marcio; SCHNEIDER, Sergio. A produção invisível na agricultura familiar: autoconsumo, segurança alimentar e políticas públicas de desenvolvimento rural. Agroalimentaria. Vol. 16, Nº 31; jul-dez PEDRINI, S. C. B.; MARGATHO, L. F. F. Sensibilidade de microrganismos patogênicos isolados de casos de mastite clínica em bovinos frente a diferentes tipos de desinfetantes. Arquivos do Instituto Biológico, v. 70, n. 4, p , PERERA, Apes F. P. Avaliação da Rede de Referência como estratégia de transferência de tecnologia na perspectiva dos agricultores, f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Sistemas de Produção Agrícola Familiar. Universidade Federal de Pelotas, Pelotas. RIBEIRO, Maria E. R.; PETRINI, Lelis A. ; AITA, Marta F.; BALBINOTTI, Maira; STUMPF JR, Waldyr; GOMES,Jorge F.; SCHRAMM, Renata C. ; MARTINS, Paulo R.; BARBOSA, Rosângela S. Relação entre mastite clínica, subclínica infecciosa e não infecciosa em Unidades de Produção Leiteiras na Região Sul do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Agrociência, v. 9, n. 3, p , jul-set, SCALCO, Andréa R.; MACHADO, João G. de C. F.; QUEIRÓZ, Timótio R. Gestão da qualidade em propriedades leiteiras. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 45, 2007, Tupã. Anais eletrônicos... Disponível em< > Acesso em 14 de mai SCHENEIDER, Sérgio. Teoria social, agricultura familiar e pluriatividade. Revista Brasileira de Ciências Sociais. vol.18 no.51, São Paulo, Fev ZYLBERSZTAJN, Decio, NEVES, Marcos F. Economia e gestão dos negócios agroalimentares. São Paulo: Pioneira,

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL.

MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. MELHORIA NA QUALIDADE DO LEITE JUNTO À COOPERATIVA AGROLEITE NO SUL DO BRASIL, COMO INSTRUMENTO DE INCLUSÃO SOCIAL. Área temática: Políticas públicas para a promoção e inclusão social. Resumo: A agricultura

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP

CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP CARACTERIZAÇÃO DE PROPRIEDADES RURAIS QUE PRODUZEM QUEIJO NO MUNICÍPIO DE ANGATUBA, SP Paola Mariano Profª Esp. Sílvia Panetta Nascimento FATEC Itapetininga SP Resumo: A cadeia produtiva do leite é uma

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

Comunicado Técnico 02

Comunicado Técnico 02 Comunicado Técnico 02 Controle da Qualidade do Leite Instruções Técnicas para redução da Contagem de Células Somáticas (CCS) e Contagem Bacteriana Total (CBT). Responsável: Juliana Jorge Paschoal Zootecnista;

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Convênio APCBRH/UFPR GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ MANUAL GESTÃO DE CONTROLE DE

Leia mais

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA Artigo nº 3 LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA É fundamental que a indústria estabeleça um Programa de Qualidade, fixando critérios

Leia mais

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO

Christiano Rehbein HAGEMEYER. christhiano@gmail.com Universidade Estadual do Centro Oeste- UNICENTRO QUALIDADE DO LEITE: FATORES QUE INTERFEREM E A IMPORT ツ NCIA DA A ヌテ O DOS PRODUTORES Autor: Izamara de oliveira FERREIRA. izarf.oli@hotmail.com Co-autores: Luiz Fernando Rizzardi SILVESTRI. luizsilvestri@globo.com

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE GERBER, Andrea Colman¹; RICORDI, Vanessa Gentil²; MILANI, Idel Cristiana Bigliardi³; NEBEL, Álvaro Luis Carvalho 4

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO A IMPORTÂNCIA DA GESTÃO NO AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Adriana Botelho Taliarine dritaliarine@hotmail.com Darci de Jesus Ramos Prof. MSc. José Ricardo Favoretto Fatec Itapetininga - SP RESUMO: O aumento da

Leia mais

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ (UNOCHAPECÓ) Curso de Graduação em Agronomia AUGUSTO ZAMIGNAN LUIZ PAULO DALTOÉ

UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ (UNOCHAPECÓ) Curso de Graduação em Agronomia AUGUSTO ZAMIGNAN LUIZ PAULO DALTOÉ 1 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ (UNOCHAPECÓ) Curso de Graduação em Agronomia Nota: 5,0. AUGUSTO ZAMIGNAN LUIZ PAULO DALTOÉ PROPOSTAS DE PROGRAMA DE DESENVOLVIMENTO RURAL PARA A BOVINOCULTURA

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola.

Palavras-chave: Cana-de-açúcar; Bem-estar; Goiatuba; Expansão agrícola. Implicações da Expansão do cultivo da cana-deaçúcar sobre o município de Goiatuba Washington Pereira Campos8 Márcio Caliari9 Marina Aparecida da Silveira10 Resumo: A partir de 2004, ocorreu um aumento

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007

LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 LEI Nº 7.043, DE 8 DE OUTUBRO DE 2007 Publicada no DOE(Pa) de 09.10.07. Dispõe sobre Política Estadual para a Promoção do Uso de Sistemas Orgânicos de Produção Agropecuária e Agroindustrial. Lei: A ASSEMBLÉIA

Leia mais

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite...

ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite... ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3 Resfriamento do leite...3 Higiene na ordenha...4 Controle de Mastite...5 Controle de Resíduos de antimicrobianos...9 Nutrição

Leia mais

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62

Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Mudanças no Cálculo do Preço Referência do Conseleite-PR: uma notícia positiva para a implantação da IN 62 O Conseleite foi criado originalmente em

Leia mais

CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO

CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO 1 CONSERVAÇÃO TÊXTIL: UMA ANÁLISE DO NÍVEL DE CONHECIMENTO DA POPULAÇÃO DAS PRINCIPAIS REGIÕES DE PERNAMBUCO LIVIA LOUISI ARRUDA DA SILVA, BRUNA DENISE MENDES DE MORAIS, ANA CARLA CAMPOS DE OLIVEIRA, ETIENE

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. O aspecto qualidade em duas cooperativas do Estado do Rio Grande do Sul César Augustus Winck 1, Valdecir José Zonin 2, Luciana Maria Scarton 3,

Leia mais

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL MASTITE BOVINA INFORMATIVO BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular.

PALAVRAS-CHAVE - economia solidária. extensão universitária. educação popular. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí

Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Conscientização da qualidade do leite e prevenção da mastite nas comunidades rurais de Bambuí Clara Costa Zica Gontijo¹; Brenda Veridiane Dias¹; Silvana Lúcia dos Santos Medeiros² ¹Estudante de Zootecnia.

Leia mais

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles.

Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Cuidados simples são fundamentais para o sucesso desta fase de criação e muitas vezes são negligenciados pelo produtor. Saiba quais são eles. Publicado em 03/09/2010 por Breno Bracarense, graduando em

Leia mais

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO

Obtenção de Leite 1. INTRODUÇÃO Obtenção de Leite Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A produção

Leia mais

8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: TECNOLOGIA QUALIFICAÇÃO PARA O TRABALHO: TREINAMENTO PARA PRODUÇÃO DE ALIMENTO SEGURO AOS INTEGRANTES DA ASSOCIAÇÃO DE PEQUENOS PRODUTORES RURAIS

Leia mais

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007

150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 150 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2007 A evolução da produção de milho no Mato Grosso: a importância da safrinha Jason de Oliveira Duarte 1 José Carlos Cruz 2 João Carlos Garcia 3 Introdução

Leia mais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais

Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais PARTE 4 Estado da tecnologia avançada na gestão dos recursos genéticos animais A caracterização de raças e ambientes de produção precisa ser melhorada para fomentar políticas de decisão na gestão dos recursos

Leia mais

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor

Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Comunidade Cabras leiteiras em condomínio: renda para o produtor Daniel Maia Nogueira e Francisco Nilton de Menezes Cavalcanti A criação de cabras está ligada ao homem desde o início da civilização e teve

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1

1. INTRODUÇÃO. Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO (GMP) E ANÁLISE DE PERIGOS E PONTOS CRÍTICOS DE CONTROLE (HCCPP) EM UNIDADES DE ARMAZENAMENTO DE GRÃOS E PRODUTOS PROCESSADOS Engº Agrº Arnaldo Cavalcanti de Rezende 1 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser

Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Cozinha Multiuso Comunitário de Produção CMCP denominado DE COZINHA COMUNITÁRIA a ser Mostra Local de: Rio Branco do Sul (Municípios de Rio Branco do Sul, Almirante Tamandaré e Itaperuçu) Categoria do

Leia mais

EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS.

EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS. EM BUSCA DA SUSTENTABILIDADE: UM PLANO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL COM ÊNFASE EM MICRO BACIAS HIDROGRÁFICAS. Laila da Silva Vieira Graduanda em Geografia - Bolsista de IC FAPEMIG, Faculdade Católica de Uberlândia

Leia mais

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita

Produção Integrada de Maçã PIM. Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Produção Integrada de Maçã PIM Lista de Verificação para Auditoria de Acompanhamento Pós-Colheita Empresa: Localização: Responsável Técnico: Data: Horário Realização da Visita: Recepção da fruta Conservação

Leia mais

B4-271 Construção participativa de sistemas individuais de esgotamento sanitário em comunidades rurais.

B4-271 Construção participativa de sistemas individuais de esgotamento sanitário em comunidades rurais. B4-271 Construção participativa de sistemas individuais de esgotamento sanitário em comunidades rurais. Machado, Diogo Faria¹; Andrade, Amanda de Oliveira²; Maia, Hérksson Mota³; Rezende, Ana Augusta Passos

Leia mais

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA

ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA ACESSIBILIDADE E FORMAÇÃO DE PROFESSORES: EXPERIÊNCIA COM UM ALUNO CEGO DO CURSO DE GEOGRAFIA, A DISTÂNCIA Maria Antônia Tavares de Oliveira Endo mariantonia@cead.ufop.br Curso de Geografia 1900 Paulo

Leia mais

Relatório Final do Experimento

Relatório Final do Experimento Relatório Final do Experimento Efeito da suplementação de duas formas comerciais de somatotropina bovina (bst) na produção de leite de vacas de alta produção. Prof. Dr. Rodrigo de Almeida (DZ-UFPR) Coordenador

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

Figura 1: Diagrama de funcionamento do Trocas Verdes. (Fonte: Instituto Kairós, 2010).

Figura 1: Diagrama de funcionamento do Trocas Verdes. (Fonte: Instituto Kairós, 2010). Avaliação sobre perfil de consumo e consumidores do grupo de consumo Trocas Verdes, Campinas-SP RIOS, Natalie Machado (Mestranda no Master Food Identity, Erasmus Mundus), FERREIRA, Mariana Magalhães (Mestranda

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

CLIPPING De 17 de abril de 2015

CLIPPING De 17 de abril de 2015 CLIPPING De 17 de abril de 2015 VEÍCULO DATA 2 3 VEÍCULO EDITORIA DATA Asbraer participa do lançamento da Frente Parlamentar de Ater Foi realizada, nesta quinta-feira, 16, a cerimônia de instalação da

Leia mais

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda DeLaval InService All Inclusive O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda Confie em quem é especialista em produção de leite A DeLaval é uma empresa global com mais de 130 anos de inovação e

Leia mais

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO

O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 O USO DA INDICAÇÃO GEOGRÁFICA PARA O DESENVOLVIMENTO REGIONAL: O CASO DA CARNE DO PAMPA GAÚCHO Andréia Moreira da Fonseca Boechat 1, Yony Brugnolo Alves

Leia mais

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS

PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS PERFIL EMPREENDEDOR DOS APICULTORES DO MUNICIPIO DE PRUDENTÓPOLIS Elvis Fabio Roman (Bolsista programa universidade sem fronteiras/projeto associativismo apícola no município de Prudentópolis), e-mail:

Leia mais

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel 1 de 5 10/17/aaaa 08:32 Pecuária Resfriamento do Leite e Coleta a Granel Resfriamento do Leite e Nome Coleta a Granel Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações

Leia mais

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP

DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP DIAGNÓSTICO QUALITATIVO DA SITUAÇÃO DE DESPERDÍCIO DE ALIMENTOS NA EMPASA/JP MARTINS, Marcus Vinicius de Oliveira 1, GOMES, Liana Santos do Nascimento 1, SUCUPIRA, Weslley Ferreira Martins 2, NASCIMENTO,

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios

Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios Revista Economia & Tecnologia (RET) Seção: Tecnologia & Inovação Volume 8, Número 4, p. 67-74, Out/Dez 2012 Agricultura orgânica no Brasil: características e desafios Wescley de Freitas Barbosa * Eliane

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 RECÉM NASCIDO PRÉ-TERMO DE MÃE ADOLESCENTE: UM RELATO DE CASO AUTORES: Giovanna Carolina Guedes 1 Cláudia Silveira Viera Jéssica Chritina Acosta Kamila Lubenow Vanessa Rosseto RESUMO: INTRODUÇÃO: Anualmente

Leia mais

1ª OLIMPIADA DO LEITE

1ª OLIMPIADA DO LEITE 1ª OLIMPIADA DO LEITE Justificativa : Como o avanço e o aparecimento de novas tecnologias é de fundamental importância que o produtor rural, assim como em qualquer atividade que demande tecnologia, venha

Leia mais

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB

AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB UFPB-PRAC XIV Encontro de Extensão AVALIAÇÃO E INTERVENÇÃO NO PROGRAMA NACIONAL DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR NO MUNICÍPIO DE BANANEIRAS-PB ATAÍDE, Celene dos Santos²; SANTOS, Juliana Marques Lima¹; MELO, Luana

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: E-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA

TÍTULO: AUTORES: E-mail: INSTITUIÇÃO: ÁREA TEMÁTICA 1 TÍTULO: EXTENSÃO RURAL: O PAPEL DOS ESTUDANTES DE MEDICINA VETERINÁRIA NA ORIENTAÇÃO DE PRODUTORES FAMILIARES AUTORES: Wanderson A. B. Pereira, Murilo M. O. de Souza, David G. Francis E-mail: wadriano@bol.com.br,

Leia mais

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção

Leia mais

Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica

Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica Homeopatia Popular: A Prática Gerando Autonomia na Produção Ecológica Grisa, Simone. Centro de Apoio ao Pequeno Agricultor (CAPA), simonegrisa@hotmail.com; Toledo, Marcia. Instituto Emater; jasmar32@hotmail.com;

Leia mais

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial.

Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. Biodiesel Uma Sinopse das Conjunturas Brasileira e Mundial. * Penteado, R. A. N. (1) ; * Cunha, R. B. C.; * Penteado, A.P. (1)l renato@lactec.org.br (*) Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento (LACTEC)

Leia mais

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO

ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO II HISTÓRICO DAS FEIRAS DE TROCA DE SEMENTES TRADICIONAIS E CRIOULAS DO ESTADO DE SÃO PAULO JUSTIFICATIVA Após a organização do 1 Seminário de Acesso a Sementes Crioulas e Orgânicas em abril de 2010

Leia mais

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB

ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB ANÁLISE DA DEGRADAÇÃO DO BIOMA CAATINGA NAS IMEDIAÇÕES DA CIDADE DE SANTA CECÍLIA PB Roseana Barbosa da Silva Graduada em Geografia, Universidade Estadual do Vale do Acaraú UVA/UNAVIDA E-mail: roseanabsilva@gmail.com.br

Leia mais

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ

29º Seminário de Extensão Universitária da Região Sul DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS PARA SISTEMAS DE PRODUÇÃO LEITEIRA NA REGIÃO OESTE DO PARANÁ Área temática: Tecnologia e Produção Maximiliane Alavarse Zambom (Coordenadora da Ação de Extensão) Leslié Defante 1,

Leia mais

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014

Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Portaria Conjunta INDEA/SEDRAF nº 9 DE 13/11/2014 Norma Estadual - Mato Grosso Publicado no DOE em 14 nov 2014 Institui o regulamento técnico do plano de vigilância para a Erradicação da Tuberculose bovina

Leia mais

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14

de alimentos ecológicos: caminho para o acesso à alimentação saudável Agriculturas v. 11 - n. 4 dezembro de 2014 14 Compras coletivas de alimentos ecológicos Foto: Tiago da Costa O relacionamento direto entre produtores e consumidores estabelece vínculos de confiança e amizade Compras coletivas de alimentos ecológicos:

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL

INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL INDICADORES EM ENGENHARIA DE CONFIABILIDADE PARA A CADEIA PRODUTIVA DE GÁS NATURAL Pedro Duarte Filho 1 José Marta Filho 2 Resumo O setor energético de gás natural vem crescendo rapidamente e tornando-se

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 TRANSFERÊNCIA DA TECNOLOGIA DO CONSÓRCIO MILHO SAFRINHA E PLANTAS FORRAGEIRAS PARA PRODUTORES RURAIS POR MEIO DE

Leia mais

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM

EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009. Produção ASCOM EMPRESA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MINAS GERAIS - EPAMIG C L I P P I N G 14/05/2009 Produção ASCOM Valor Econômico 12/05/2009 Agronegócios Gazeta de São João del Rei 12/05/2009 www.gazetadesaojoaodelrei.com.br

Leia mais

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão

Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão Pesquisa e Desenvolvimento em Agricultura Familiar na Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Dezembro, 2004 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Centro Nacional de Pesquisa de Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA Obra resenhada: OLIVEIRA, Marcelo Nascimento de; XAVIER, José Humberto Valadares; ALMEIDA, Suênia Cibeli Ramos de; SCOPEL,

Leia mais

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA

TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA TA 421 CARACTERÍSTICAS E PRÉ PROCESSAMENTO DE LEITE E OVOS 2 o SEMESTRE 2014 Profa. Mirna L. Gigante 1ª AULA PRÁTICA CONTROLE DE QUALIDADE DO LEITE CRU ANÁLISES FÍSICO-QUÍMICAS PED C: Débora Parra Baptista

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES

PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES PROJETO QUALIFEIRAS QUALIDADE NAS FEIRAS LIVRES DO MUNICÍPIO DE VITÓRIA - ES Rosimeri Galimberti Martins (1)* Diretora do Departamento de Abastecimento da Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Vitória.

Leia mais

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Resumo Lauro Mattei Professor dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação do Departamento de Economia da UFSC. E-mail: mattei@cse.ufsc.br Este artigo

Leia mais

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás

Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás Jornal Brasileiro de Indústrias da Biomassa Biomassa Florestal no Estado de Goiás O Estado de Goiás está situado na Região Centro-Oeste do Brasil e, segundo dados oficiais, ocupa área territorial de 340.111,783

Leia mais

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO.

ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ADEQUAÇÃO DAS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO JUNTO AOS MANIPULADORES DE ALIMENTOS DE UMA ESCOLA MUNICIPAL DE GOIÂNIA - GO. ZAGO, Márcio Fernando Cardoso 1 ; COUTO, Daiane Borges Sousa do 2 ; SILVEIRA, Nusa

Leia mais

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA

ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA ESTÁGIO DE VIVÊNCIA- RESIDÊNCIA AGRÁRIA BARROS (1), Adamastor Pereira; LIMA (1),Andréia Santos de; MEDEIROS (2), Marcos Barros de, OLIVEIRA (1), Maria Eduarda Benjamim; SOUZA (1), Walter Ubiratan Pinheiro

Leia mais

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22...

AGRÍCOLA NO BRASIL. Prefácio. resultados do biotecnologia: Benefícios econômicos da. Considerações finais... 7 L: 1996/97 2011/12 2021/22... O OS BENEFÍCIOS ECONÔMICOS DA BIOTECNOLOGIA AGRÍCOLA NO BRASIL L: 1996/97 2011/12 O caso do algodão geneticamente modificado O caso do milho geneticamente modificado O caso da soja tolerante a herbicida

Leia mais

FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO

FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO FICHA DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Emater-MG. Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais. Endereço: Av. Raja Gabaglia, 1626 - B. Gutierrez / Belo Horizonte - MG

Leia mais

CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA

CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA CAPACITAÇÃO DE AGENTES DE PRODUÇÃO PARA FABRICAÇÃO DE PUFE DE GARRAFA PET VISANDO A GERAÇÃO DE TRABALHO E RENDA Área Temática: Geração de trabalho e renda Adriana de Paula Lacerda Santos 1 (Coordenador

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE APREDIZAGEM NO IFRN

Leia mais

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI)

DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) DESAFIOS E OPORTUNIDADES DA INCUBADORA TECNOLÓGICA DE COOPERATIVAS POPULARES DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ (INTECOOP/UNIFEI) Área Temática: Trabalho Responsável pelo trabalho: H. H. COUTINHO Instituição:

Leia mais

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise

Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Doi: 10.4025/7cih.pphuem.1481 ECONOMIA DOMÉSTICA: O Desafio do Planejamento dos Gastos Familiares em Época de Crise Franciele Henrique, Aluna do Curso de Graduação em Economia da UNESPAR/Apucarana, franciele_henrique@hotmail.com

Leia mais

IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015

IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015 IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015 Objetivo: O Seminário busca fomentar a divulgação da produção técnica e científica relacionada à agricultura familiar

Leia mais