ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite...

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3. Resfriamento do leite...3. Higiene na ordenha...4. Controle de Mastite..."

Transcrição

1 ÍNDICE UMA HISTÓRIA DE SUCESSO... 2 COMO MELHORAR A QUALIDADE DO LEITE...3 Resfriamento do leite...3 Higiene na ordenha...4 Controle de Mastite...5 Controle de Resíduos de antimicrobianos...9 Nutrição do rebanho...10 Melhoramento Genético do Rebanho...12 A ÁGUA E O SEU IMPACTO NA QUALIDADE MICROBIOLÓGICA DO LEITE...15 CANA-DE-AÇÚCAR NA ALIMENTAÇÃO DO REBANHO LEITEIRO...18 Utilização da cana...19 Outras opções de uso...20 CONTROLE SANITÁRIO DOS REBANHOS DE LEITE...22 CUIDADOS SANITÁRIOS NA CRIAÇÃO DE BEZERROS...24 PROBLEMAS NOS CASCOS DOS BOVINOS...26 CONTROLE ESTRATÉGICO DO CARRAPATO DOS BOVINOS DE LEITE...28 DICAS PARA CONSTRUÇÃO E MANUTENÇÃO DE UM ABRIGO PARA RESFRIADORES...32 Localização do abrigo...32 A infra-estrutura e organização do abrigo...33 A instalação elétrica...34 A Água...35 A Limpeza externa...35 PLANTA DE CONSTRUÇÃO DE ABRIGO PARA RESFRIADOR DE LEITE...36 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:...37

2 Há mais de 50 anos a Marca Piracanjuba conquista Consumidores fiéis, não só pela qualidade de seus produtos como também pelo atendimento e atenção dedicada aos seus Parceiros Comerciais. O Laticínios Bela Vista, detentor da Marca Piracanjuba, trilha os ideais de qualidade e atendimento, onde além da busca incessante para atender e superar as expectativas de seus Consumidores e Clientes, também possui uma grande preocupação com o bemestar constante dos seus colaboradores e da sua comunidade, atuando com projetos sociais e ambientais há mais de 20 anos. Voltada originalmente para a produção de manteiga, é atualmente uma das principais indústrias de Laticínios da região Centro-Oeste do Brasil, gerando mais de 500 empregos diretos e cerca de indiretos. Também possui um cadastro com aproximadamente fornecedores de matéria-prima e uma capacidade de produção de mais de litros de leite/dia, atuando nos segmentos de leite longa vida, leite em pó, creme de leite, queijos e manteiga, contando com um portfolio composto por mais de 100 produtos, distribuídos em suas duas marcas: Piracanjuba e Salé e também nas marcas próprias: Carrefour, Dia%, Pão de Açúcar, Extra, CompreBem e Nutriama. Graças ao trabalho desenvolvido, a marca Piracanjuba é hoje a mais lembrada nos segmentos de Queijos e Manteiga de acordo com a pesquisa Pop List, realizada anualmente em Goiânia, e está entre os maiores do ICMS do Estado de Goiás. Conquistou a classificação A nas auditorias realizadas pelo Ministério da Agricultura em suas unidades industriais, e ainda, com a mesma qualidade e atendimento, iniciou a exportação de seus produtos para vários países do mundo. Quem pensa em leite, creme de leite, manteiga e queijos, pensa em Piracanjuba, marca que se traduz em tradição e qualidade.

3 1955 Fundação do Laticínios Piracanjuba e início da produção da Manteiga Piracanjuba Os atuais proprietários assumem o controle acionário da empresa e a produção da Manteiga Piracanjuba Inauguração da primeira fábrica de queijos, em Amorinópolis GO Início da produção de queijos em Piracanjuba GO Fundação do Laticínios Bela Vista e inauguração da fábrica de queijos com capacidade inicial instalada para litros de leite/dia, em Bela Vista de Goiás GO Inauguração da nova fábrica de queijos e manteiga em Bela Vista de Goiás GO, com capacidade instalada para litros de leite/dia Inauguração da primeira linha de envase de leite longa vida (UHT), em Bela Vista de Goiás GO, com capacidade para litros de leite/dia, elevando a capacidade total instalada para litros de leite/dia Implantação da fábrica de leite e soro em pó com capacidade para litros de leite/dia, em Bela Vista de Goiás GO, elevando a capacidade total instalada para litros de leite/dia Implantação da fábrica de queijos em Alto Boa Vista MT, com capacidade instalada de litros de leite/dia Ampliação da fabrica de leite longa vida (UHT) aumentando a capacidade total de produção para litros de leite/dia e lançamento do creme de leite UHT Piracanjuba, nas embalagens de 65g e 200g Lançamento das novas embalagens de leite longa vida UHT Piracanjuba com tampa flexicap e também do leite longa vida UHT semidesnatado Implantação da fábrica de leite condensado com lançamento nas embalagens de 270g e 395g e aumento na capacidade total de produção para litros de leite/dia.

4 Etapa de limpeza Como fazer? 1. Enxágüe Imediatamente após a retirada do leite do resfriador, enxágüe bem o equipamento. Não reutilize esta água. Sanitização: O que fazer? Circule uma solução sanitizante à base de hipoclorito de sódio à temperatura ambiente, por 5 minutos, usando a concentração recomendada pelo fabricante. Não reutilize a água que passou pelo equipamento. Quando fazer? Fazer todos os dias, antes do início da Ordenha. 2. Detergente alcalino Prepare a solução de limpeza de acordo com a recomendação do fabricante. A temperatura da água dependerá do tipo de detergente. Primeiro enxágüe: Faça o enxágüe do equipamento com água morna (40 C) sem fazer recirculação, parando somente quando a água descartada estiver límpida. Fazer todos os dias depois da Ordenha. 3. Detergente ácido Uma ou duas vezes por semana, utilize detergente ácido após o enxágüe da solução alcalina. Limpeza alcalina: Circule solução de detergente alcalino clorado com temperatura de 70º a 75º C, por 10 minutos, sem deixar a temperatura da água baixar de 40 C. Fazer todos os dias depois do primeiro enxágüe. 4. Sanitização Passe a solução sanitizante (cloro) 30 minutos antes de colocar o leite da primeira ordenha e drene o resfriador. Enxágüe à solução alcalina clorada. Fazer todos os dias depois da limpeza alcalina. Limpeza ácida: Circule solução de detergente ácido, por 5 minutos. Não é necessário fazer o enxágüe do equipamento, após a limpeza com detergente ácido. Use a concentração do produto recomendada pelo fabricante e certifique-se de que o produto é mesmo eficiente. Fazer todos os dias depois da limpeza alcalina.

5

6 4. Controle de Resíduos de antimicrobianos

7

8 Médias para cada raça Comparação entre a raça Jersey e Holandesa 5 4 Holandês Jersey Gordura % Proteína % Escore de células Somáticas Vida produtiva (Lactações) Gráfico 1 - Comparação entre as raças Holandesa e Jersey para gordura, proteína, escore de células somáticas e vida produtiva nos EUA (

9 % Proteína Kg Leite Kg Gordura % Gordura Holandesa 9, , ,22 Jersey 6, , ,84 Raça Kg Proteína Tabela 1. Fonte: Dairy Animal Improvemente Statistics, Agriculture Canadá (2003). Produções médias de leite, gordura e proteína em algumas raças leiteiras do Canadá, em 2002.

10

11 RB IAC IACSP IACSP IACSP

12

13 Cronograma de atividades sanitárias e preventivas executado nos rebanhos da Embrapa Gado de Leite Mês Doença/Atividade Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Manqueira - Vacinação Aftosa Vacinação Raiva Vacinação Brucelose Vacinação Helmintose Vermifugação Tuberculose exame Brucelose Exame

14 TRATAMENTO DE DIARRÉIA Bezerros com diarréias devem ser isolados dos outros, pois ficam mais fracos e não conseguem competir pela água e comida, além de contaminarem ainda mais o ambiente. Eles devem receber soro, de preferência caseiro, principalmente no início da doença. Em alguns casos, devem ser tratados com antibióticos, para melhor recuperação.a fórmula mais simples de soro caseiro é: para cada 5 litros de água, 45 gramas de sal de cozinha (NaCl) e 250g de açúcar. O animal deverá tomar cinco litro por dia, separados em quatro partes.

15 Formulação para Pedilúvio 5 litros de formol 5 kg de sulfato de cobre Quantidade de água suficiente para completar 100 litros

16

17 A cada utilização de carrapaticidas, resíduos químicos dos produtos ficam depositados no animal, por períodos variados de tempo, durante os quais o leite não deve ser destinado ao consumo humano. A aplicação correta desses produtos implica respeito a esses períodos, estipulados na bula, evitando se assim problemas com a qualidade do leite. O correto destino tanto de embalagens vazias, quanto das sobras da solução preparada para o banho, é importante para que se evite a contaminação do ambiente.

18

19 Esquema de aterramento Barra de cobre Barra de cobre 3 metros 2,40 metros

20 Planta de construção de abrigo para resfriador de leite Referências Bibliográficas: Caminhão LARANJA, L.F.; SANTOS, M.V. Qualidade do leite e controle de mastite. Piracicaba, Lemos Editorial, Máx. 3 metros Portão LARANJA, L.F.Estudo da prevalência da mastite bovina e sua relação com práticas de manejo, higiene e terapia em fazendas produtoras de leite tipo B no Estado de São Paulo. Tese mestrado, ESALQ/USP, Pia Mín. 1,2 m Ralo SANTOS, M.V & FONSECA, L.F.L. Estratégias para Controle de Mastite e Melhoria da Qualidade do Leite. Barueri S.P, Editora Manole RIBEIRO, A.C.C.L Controle Sanitário dos rebanhos de leite. Disponível em Tanque 0,5m RIBEIRO, A.C.C.L Cuidados Sanitários na Criação de Bezerros. Disponível em RIBEIRO, A.C.C.L Problemas nos cascos dos bovinos. Disponível em min.1,2 FURLONG, J. & PRATA, Márcia. Controle Estratégico de Carrapato dos bovinos de leite. Disponível em min.1 0,3-0,5m DELAVAL. Manual DeLaval de Instrução e Operação de Tanques Refrigeradores de Leite. Ventilação Motor Ventilação

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

MANUAL INFORMATIVO PARA ORDENHA MECÂNICA BPA 34 3818-1300 34 9684-3150. bpa@cemil.com.br REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ilustra BPA REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA Normativa nº 51 18/09/2002. Regulamentos Técnicos de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, do Leite tipo B, do Leite tipo C, do Leite Pasteurizado e do

Leia mais

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA

LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA Artigo nº 3 LÁCTEOS SEGUROS COLETA E TRANSPORTE DE LEITE CRU (1) CRITÉRIOS BÁSICOS A SEREM OBSERVADOS PELA INDÚSTRIA É fundamental que a indústria estabeleça um Programa de Qualidade, fixando critérios

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura

BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura BOAS PRÁTICAS NA PRODUÇÃO LEITEIRA Revisão de Literatura 1 LIMA, Eduardo Henrique Oliveira; 2 NORONHA, Cássia Maria Silva; SOUSA, Edgar João Júnio¹. 1 Estudante do Curso Técnico em Agricultura e Zootecnia

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015

Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 5 Nº 41 14/Setembro/2015 Ano 6, n. 47 - Outubro/2015 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 - Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7400 Fax: (32) 3311-7424 www.embrapa.br

Leia mais

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite

Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite Qualidade do leite e manejo de ordenha Composição do Leite 1 O QUE PODE AFETAR A COMPOSIÇÃO DO LEITE? RAÇA MANEJO MASTITE ESTRESSE ALIMENTAÇÃO Mastite Doença que mais causa prejuízos econômicos na cadeia

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização

Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros. Instruções de montagem e utilização Kit Embrapa de Ordenha Manual para Caprinos Leiteiros Instruções de montagem e utilização Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Caprinos e Ovinos Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel

Pecuária. Resfriamento do Leite e Coleta a Granel 1 de 5 10/17/aaaa 08:32 Pecuária Resfriamento do Leite e Coleta a Granel Resfriamento do Leite e Nome Coleta a Granel Produto Informação Tecnológica Data Abril - 2000 Preço - Linha Pecuária Informações

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

Manual do Carrapatograma

Manual do Carrapatograma Manual do Carrapatograma Amigo Produtor de Leite, Existem no mundo quase 900 espécies de carrapatos, só no Brasil existem mais de cinqüenta. Sendo que, o mais preocupante para a pecuária é o carrapato

Leia mais

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7

Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade. Introdução. A higiene na ordenha CAPÍTULO 7 CAPÍTULO 7 Dicas de manejo de ordenha para obtenção de um leite de qualidade Rodolpho de Almeida Torres Vânia Maria Oliveira Guilherme Nunes de Souza Introdução A qualidade do leite para o consumidor está

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE

LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE LEITE : PAGAMENTO POR QUALIDADE A EXPERIÊNCIA DO POOL LEITE ABC Arnaldo Bandeira Mestrado em Produção Animal - UFSM Mestrado em Administração de Empresas - ESADE Pós Graduação em Agribusiness - FAE MBA

Leia mais

Gerenciamento de Resíduos

Gerenciamento de Resíduos Gerenciamento de Resíduos Hospital São Paulo HSP/SPDM HU da Universidade Federal de São Paulo UNIFESP Dr. João Luiz Grandi Gerente de Meio Ambiente Gerência Executiva de Engenharia e Infraestrutura Hospitalar

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2014 Vitória, dezembro de 2014 Cesta Básica

Leia mais

Campanha: Diga Não para o Desperdício

Campanha: Diga Não para o Desperdício Campanha: Diga Não para o Desperdício Elian A Elian está no mercado há 24 anos, atuando no ramo têxtil. Produzimos roupa infantil e adulto masculino e feminino; Hoje a empresa possui dois parques fabris

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

SEGURANÇA E TÉCNICA DE LABORATÓRIO AULA 01: ORGANIZANDO O LABORATÓRIO TÓPICO 03: ORGANIZAÇÃO LABORATORIAL O laboratório, seja de uma indústria, de um centro de pesquisa ou de uma instituição de ensino

Leia mais

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP

Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite. Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Oportunidade para o setor do leite: Melhoria da qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos QualiLeite Lab. Pesquisa em Qualidade do Leite FMVZ-USP Agenda 1. Situação atual da qualidade do leite 2. Conceitos

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ

GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Convênio APCBRH/UFPR GESTÃO DE CONTROLE DE QUALIDADE GCQ MANUAL GESTÃO DE CONTROLE DE

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí.

Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 1 Objetivo Descrever o procedimento para realização do gerenciamento de resíduos sólidos no Porto de Itajaí. 2 Abrangência Este procedimento se aplica a todas as áreas e colaboradores enquadrados no perímetro

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha)

Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Oficina de fabricação de sabão a partir de resíduos de óleo doméstico (de cozinha) Essa cartilha tem como objetivo, auxiliar no processo de ensinoaprendizagem durante a oficina de Fabricação de sabão a

Leia mais

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo

Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado de São Paulo Safra 2015/2016 Mensal Acumulado Cana Campo (1) Cana Esteira (2) R$/Kg ATR R$/Kg ATR R$/Ton. R$/Ton. Abr/15 0,4909

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos LEITE E DERIVADOS NOVEMBRO DE 2015 PRODUTOS 0,5% Exportação 46% Leite 41% Leite Condensado e Creme de Leite 55% Venezuela 11% Argélia Leite Fluido 34

Leia mais

CONTROLE DO CARRAPATO NA VACA E O CARRAPATICIDA NO LEITE. JOHN FURLONG MÁRCIA PRATA Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora MG

CONTROLE DO CARRAPATO NA VACA E O CARRAPATICIDA NO LEITE. JOHN FURLONG MÁRCIA PRATA Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora MG CONTROLE DO CARRAPATO NA VACA E O CARRAPATICIDA NO LEITE JOHN FURLONG MÁRCIA PRATA Embrapa Gado de Leite Juiz de Fora MG O inimigo mais prejudicial: carrapato do boi Brasil: US$ 2 bilhões/ano O inimigo

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3

AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO. Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 37 AÇÕES RESPONSÁVEIS PELA QUEDA DA QUALIDADE DE LEITE NO CAMPO Cristiane de Sousa Lima 1, Alessandra Sayegh Arreguy Silva 2, Dayana de Jesus Lodi 3 Resumo: A elevada procura pela qualidade dos produtos

Leia mais

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO

MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO MANUAL DE HIGIENIZAÇÃO Como fazer a ordenha correta Para fazer a ordenha mecânica, você deve seguir os mesmos passos da ordenha manual. Siga as etapas abaixo indicadas: 1 Providencie um ambiente para a

Leia mais

Sandra Heidtmann Agosto de 2011. Problema, perigo ou alerta? DETERIORANTES

Sandra Heidtmann Agosto de 2011. Problema, perigo ou alerta? DETERIORANTES Deteriorantes e indicadores em produtos congelados Sandra Heidtmann Agosto de 2011 Problema, perigo ou alerta? DETERIORANTES 1 DEFINIÇÕES READY TO EAT: Pronto para comer, pronto para servir e já que se

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL

TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL TRATAMENTO DE MADEIRA NA PROPRIEDADE RURAL Este folheto indica a maneira de preparar uma solução imunizadora para tratamento de madeira roliça de Eucalipto e

Leia mais

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE

PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE PROGRAMA ALIMENTO SEGURO VOLTADO PARA A CADEIA PRODUTIVA DO LEITE Nívea Maria Vicentini Pesquisadora Embrapa Gado de Leite 15 o Encontro Técnico do Leite Campo Grande, 15 de maio de 2012 O QUE É O PAS?

Leia mais

SEGUNDA RETIFICAÇÃO DO ANEXO V DO EDITAL EMATER-MG Nº 01/2015

SEGUNDA RETIFICAÇÃO DO ANEXO V DO EDITAL EMATER-MG Nº 01/2015 SEGUNDA RETIFICAÇÃO DO ANEXO V DO EDITAL EMATER-MG Nº 01/2015 A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado de Minas Gerais - EMATER-MG, no uso das suas atribuições, torna pública a Segunda

Leia mais

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA

RELATÓRIO DE ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO FINANCEIRA CONTRATO 07/2013 EXERCÍCIO 2013 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 Número da Nota Fiscal emitida - - - - - - 92 99 110 121/133-157 - - Depósitos realizados

Leia mais

Qualidade dos Produtos Mais Baratos Alimentaria 2011. 28.Março.2011 Jorge Morgado

Qualidade dos Produtos Mais Baratos Alimentaria 2011. 28.Março.2011 Jorge Morgado Qualidade dos Produtos Mais Baratos Alimentaria 2011 28.Março.2011 Jorge Morgado Como Avaliámos Como avaliámos Em época de poupança o consumidor pode optar por encher o seu carrinho de compras com os produtos

Leia mais

1980 1991 2000 ESTIMATIVA

1980 1991 2000 ESTIMATIVA POPULAÇÃO - UIBAÍ 1980 1991 2000 ESTIMATIVA 2009 POP. % POP. % POP. % POP. % URBANA 6.818 50,07 7.880 57,88 RURAL 6.798 49,93 5.734 42,12 TOTAL 11.606 100,00 13.616 100,00 13.614 100,00 14.203 100,00 FONTE:

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS

MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS ASSOCIAÇÃO PARANAENSE DE CRIADORES DE BOVINOS DA RAÇA HOLANDESA PROGRAMA DE ANÁLISE DE REBANHOS LEITEIROS DO PARANÁ Laboratório de Análise de Leite MANUAL DE OPERAÇÕES DE CAMPO COLETA DE AMOSTRAS Versão:.01/2012

Leia mais

Ano 5 n o 41 abril/2012

Ano 5 n o 41 abril/2012 Ano 6 no 71 outubro/2012 Ano 5 n o 41 abril/2012 Embrapa Gado de Leite Rua Eugênio do Nascimento, 610 Bairro Dom Bosco 36038-330 Juiz de Fora/MG Telefone: (32) 3311-7494 Fax: (32) 3311-7499 e-mail: sac@cnpgl.embrapa.br

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.

Pool Leite. SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop. Pool Leite SIMPÓSIO REGIONAL DE BOVINOCULTURA DE LEITE GUARAPUAVA, PR 08/outubro/2015 Henrique Costales Junqueira henrique@castrolanda.coop.br Palestrante Granja Primavera, Juiz de Fora, Minas Gerais,

Leia mais

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009

RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 RELATÓRIO ANUAL DE QUALIDADE DAS ÁGUAS DE ABASTECIMENTO - 2009 INTRODUÇÃO O objetivo deste relatório é apresentar os resultados, relativos ao ano de 2009, de qualidade das águas de abastecimento de Jurerê

Leia mais

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite

América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Workshop Regional sobre Cooperativismo Lácteo América Latina como Novo Pólo de Produção de Leite Vicente Nogueira Netto Fepale OCB/CBCL Cotrial Curitiba, 08 de julho de 2008 Agenda Mudanças recentes no

Leia mais

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite

Árvore da informação do agronegócio do leite. identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite Árvore da informação do agronegócio do leite identificação animal e rastreamento da produção de bovinos de leite 1. Introdução Claudio Nápolis Costa 1 A exposição dos mercados dos diversos países às pressões

Leia mais

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.

BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA. Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp. BEM-ESTAR ANIMAL NA BOVINOCULTURA LEITEIRA Mateus J.R. Paranhos da Costa Departamento de Zootecnia, FCAV/UNESP, Jaboticabal-SP mpcosta@fcav.unesp.br Vacas há muitas, gordas é que há poucas e são raros

Leia mais

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO.

ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A DIFERENTES FORMAS DE ARMAZENAMENTO. SynThesis Revista Digital FAPAM, Pará de Minas, v.2, n.2, 120-126, nov. 2010 ISSN 2177-823X 120 ANALISE DA CONCENTRAÇÃO DE CLORO ATIVO EM ÁGUAS SANITÁRIAS COMERCIALIZADAS EM PARÁ DE MINAS SUBMETIDAS A

Leia mais

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades

Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades 1 São Paulo, 16 de fevereiro de 2016 NOTA à IMPRENSA Custo da Cesta Básica aumenta em todas as cidades A partir de janeiro de 2016, o DIEESE (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos)

Leia mais

Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO

Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO Prêmio por um País s Melhor REAPROVEITAMENTO DE ÁGUA DE PROCESSO INTRODUÇÃO A Planta de Jundiaí, localizada numa região estratégica que proporciona o abastecimento da região com maior concentração de consumidores

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA

PROJETO DE PESQUISA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS. Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA EMPRESA JÚNIOR FABAVI VITÓRIA DIRETORIA DE PROJETOS SOCIAIS PROJETO DE PESQUISA Projeto: CESTA BÁSICA DA CLASSE MÉDIA CAPIXABA Período: Janeiro a Dezembro de 2015 Vitória, dezembro de 2015 Cesta Básica

Leia mais

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov.

Diante da atual situação de desabastecimento de água na cidade. Orientações à população para uso da Água. prefeitura.sp.gov. Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Vigilância em Saúde - COVISA 08 de abril de 05 Orientações à população para uso da Água Diante da atual situação de desabastecimento

Leia mais

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt

Colectores Solares para Aquecimento de Água. S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt Colectores Solares para Aquecimento de Água S. T. Spencer silvino.spencer@adene.pt POTENCIAL DE APLICAÇÃO DE COLECTORES SOLARES PARA AQUECIMENTO DE ÁGUA Hotéis Apartamento Moteis Pousadas Estalagens

Leia mais

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP.

Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus de Pirassununga, SP. Boas práticas de produção associadas à higiene de ordenha e qualidade do leite Marcos Veiga dos Santos Médico Veterinário, Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia, FMVZ-USP Campus

Leia mais

FAZENDA PARENTE. Iguatu - CE

FAZENDA PARENTE. Iguatu - CE FAZENDA PARENTE Iguatu - CE Antônio Gracivan de Araújo Produtor de leite, Comerciante, Proprietário da Fazenda Parente; Está na atividade há aproximadamente 10 anos; Produz atualmente 850 litros de leite

Leia mais

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO

INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO INFRA ESTRUTURA FÍSICA EQUIPAMENTOS E UTENSÍLIOS LAVAGEM, SECAGEM E INATIVAÇÃO 1 RDC 067/07 ANVISA ANEXO I (QUANDO APLICÁVEL) Área ou sala administrativa Área ou sala de armazenamento Área ou sala de controle

Leia mais

PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS

PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS PETGEL, UM DISPENSADOR DE ÁLCOOL-GEL AUTO-SUSTENTÁVEL E DE BAIXO CUSTO: EXPERIÊNCIA EM DOIS HOSPITAIS PÚBLICOS Genny Oliveira Moura Guarabyra Iza Maria Fraga Lobo Gabriela Menezes Gonçalves de Brito Pabliane

Leia mais

BARRO ALTO. Resíduos sólidos preocupam

BARRO ALTO. Resíduos sólidos preocupam BARRO ALTO Resíduos sólidos preocupam Semana do Meio Ambiente de Barro Alto enfocou reaproveitamento de materiais descartáveis para a fabricação de aquecedores solares caseiros, tapetes plásticos e até

Leia mais

Nestlé em campo. Carrapatos no rebanho. Eficiência e qualidade na produção leiteira. Como reduzir os prejuízos desse parasita na propriedade leiteira

Nestlé em campo. Carrapatos no rebanho. Eficiência e qualidade na produção leiteira. Como reduzir os prejuízos desse parasita na propriedade leiteira Nestlé em campo Eficiência e qualidade na produção leiteira Carrapatos no rebanho Como reduzir os prejuízos desse parasita na propriedade leiteira Ano 2 Número 10 Jul./Ago. 2015 Nestlé em Campo Controle

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DA ÁGUA DE PROPRIEDADES RURAIS COM SISTEMA DE PRODUÇÃO DE LEITE GERBER, Andrea Colman¹; RICORDI, Vanessa Gentil²; MILANI, Idel Cristiana Bigliardi³; NEBEL, Álvaro Luis Carvalho 4

Leia mais

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda

DeLaval InService All Inclusive. O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda DeLaval InService All Inclusive O plano de pós-vendas e serviços para a sua fazenda Confie em quem é especialista em produção de leite A DeLaval é uma empresa global com mais de 130 anos de inovação e

Leia mais

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof

PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR. Eng. Agr. Breno Kirchof PRODUÇÃO E PERPECTIVAS DA CADEIA DO LEITE NA AGRICULTURA FAMILIAR Eng. Agr. Breno Kirchof SITUAÇÃO MUNDIAL PRODUÇÃO MUNDIAL LEITE VACA - 599,6 bilhões de litros leite/ano CRESCIMENTO PRODUÇÃO - 1% a 2%

Leia mais

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil

O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil O melhoramento animal e a qualidade do leite no Brasil Rodrigo Sant Anna Alvim 1 e Marcelo Costa Martins 2 1 Engenheiro Agrônomo, Presidente da Comissão Nacional de Pecuária da CNA 2 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE

AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE AVIAÇÃO AGRÍCOLA E O MEIO AMBIENTE. INTRODUÇÃO Eng. Agr. Eduardo C. de Araújo As discussões relacionadas à proteção ao meio ambiente, em que pese sua inquestionável importância, são, infelizmente, frequentemente

Leia mais

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br

Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br Med. Vet. Avelino Murta avelino@biocampomg.com.br QUEM SOMOS Localizada em Montes Claros, norte de Minas Gerais, a BIOCAMPO Assistência Veterinária foi fundada em 2010 e atua na área de Reprodução Bovina.

Leia mais

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS

MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS MCI - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - INDÚSTRIAS Elaborado por:

Leia mais

Redução da contagem bacteriana na propriedade

Redução da contagem bacteriana na propriedade Redução da contagem bacteriana na propriedade Marcos Veiga dos Santos Agenda Fontes de contaminação do leite Redução da Contagem Bacteriana Total (CBT); Limpeza de equipamentos e utensílios Resfriamento

Leia mais

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL

PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL PLANO DE TRABALHO 2011 PROGRAMA DE ATENÇÃO À SAÚDE BUCAL COLATINA 2011 ÍNDICE 1) INTRODUÇÃO 2) DESCRIÇÃO DA CLIENTELA 3) OBJETIVOS 4) CARGA HORÁRIA 5) DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 6) CRONOGRAMA 7) PREVISÃO

Leia mais

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL

A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL A SUSTENTABILIDADE ECONÔMICA E SOCIAL DA PRODUÇÃO DE FRANGOS E SUÍNOS EM SANTA CATARINA E NO BRASIL Jonas Irineu dos Santos Filho Pesquisador da Embrapa Suínos e Aves O consumo de proteína animal no mundo

Leia mais

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão

BNDES. ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1. Papelcartão BNDES FINAME BNDESPAR ÁREA DE OPERAÇÕES INDUSTRIAIS 2 Gerência Setorial 1 Papelcartão Papelcartão, ou simplesmente cartão, é o papel fabricado em múltiplas camadas, com gramaturas superiores a 150 g/m

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

Saiba mais sobre Condicionadores de AR.

Saiba mais sobre Condicionadores de AR. Saiba mais sobre Condicionadores de AR. O ar-condicionado está na vida das pessoas: em casa, no carro e no trabalho. Apesar de ser um alívio contra o calor, este equipamento pode ser um meio de disseminação

Leia mais

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira

Congresso Internacional do Leite. Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Congresso Internacional do Leite Uma Visão Internacional da Sustentabilidade na Atividade Leiteira Pedro B. ARCURI Pesquisador, Embrapa Gado de Leite Alexandre Berndt Chefe Adjunto de Pesquisa e Desenvolvimento,

Leia mais

MELHORAMENTO DE BOVINOS DE LEITE. Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV - UNESP

MELHORAMENTO DE BOVINOS DE LEITE. Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV - UNESP MELHORAMENTO DE BOVINOS DE LEITE Profa. Dra. Sandra Aidar de Queiroz Departamento de Zootecnia FCAV - UNESP O BOM MOMENTO DO LEITE MERCADO INTERNACIONAL US$ 3.000/ton Leite Pó ~ R$ 0,70/litro PRODUÇÃO

Leia mais

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb

Caixa d Água. Materiais necessários. Anotações. 0800 771 0001 odebrechtambiental.com odebrecht.amb Materiais necessários Separe todo o material que será utilizado para a limpeza do seu reservatório. Anotações Papai, precisamos separar o material de limpeza. Claro, filha! Caixa d Água SAIBA COMO LIMPAR

Leia mais

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA

FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO. XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA FERTILIZANTES: PRODUTO E MERCADO XIII Encontro Nacional de Produção e Abastecimento de Batata ABBA Holambra, 25 de Outubro de 2007 Fertilizantes: Análise Mercadológica Produto: Insumo Bem homogêneo Bem

Leia mais

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS

BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS BOAS PRÁTICAS NO PREPARO DE ALIMENTOS SÉRIE: SEGURANÇA ALIMENTAR e NUTRICIONAL Autora: Faustina Maria de Oliveira - Economista Doméstica DETEC Revisão: Dóris Florêncio Ferreira Alvarenga Pedagoga Departamento

Leia mais

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil

FACT-SHEET. Cana-de-Açúcar, Milho e Soja. Programa Agricultura e Meio Ambiente. WWF - Brasil FACT-SHEET Cana-de-Açúcar, Milho e Soja Programa Agricultura e Meio Ambiente WWF - Brasília Março 28 WWF- Secretaria Geral Denise Hamú Superintendência de Conservação de Programas Temáticos Carlos Alberto

Leia mais

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade

Leite de qualidade LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL. Leite de Qualidade. Histórico 30/06/ Portaria 56. Produção Identidade Qualidade Leite de Qualidade Leite de qualidade Histórico LEGISLAÇÃO DO LEITE NO BRASIL Getúlio Vargas 29 de março de 1952 RIISPOA Decreto nº 30.691 Brasil Mercosul (Anos 90) Ministério da Agricultura 1998 Grupo

Leia mais

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010

Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Notas sobre a divulgação do CAGED (Cadastro Geral de Empregados e Desempregados) JUNHO/2010 Dados divulgados pelo Ministério do Trabalho e Emprego para junho de 2010 confirmam a recuperação do emprego

Leia mais

LEITE: Ameaças e Oportunidades

LEITE: Ameaças e Oportunidades Campo Grande-MS, 14 de maio de 2012. LEITE: Ameaças e Oportunidades Rodrigo Sant Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA 1 AGENDA: 1. MERCADO LÁCTEO; 2. AMEAÇAS AO SETOR

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE

INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE VERSÃO 1 INSTRUÇÕES DE USO MEPILEX AG CURATIVO ANTIMICROBIANO DE ESPUMA COM SILICONE SUAVE Nome técnico: Curativo Nome comercial: Mepilex Ag Verifique no rótulo do produto a versão da instrução de uso

Leia mais

III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS

III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS III-120 - RESIDUOS SÓLIDOS GERADOS EM REFEITÓRIOS Kelma Maria Nobre Vitorino (1) Química industrial pela UFC,1988. Mestrado em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB,1991. Professora Coordenadora do

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DOMINGOS DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO DOMINGOS DO NORTE SECRETARIA MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE Projeto Acondicionamento Correto de Resíduos Sólidos SUMARIO Introdução...04 Justificativa...05 Objetivos...06 Metodologia...07 Cronograma Físico...08 Parcerias...09 Anexos...10 I) IDENTIFICAÇÃO Secretaria

Leia mais

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA

RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA RELATORIO DE GESTÃO 2011 SETOR DE NUTRIÇÃO E DIETÉTICA 1. Apresentação O Setor de Nutrição e Dietética O Serviço de Nutrição e Dietética, esta localizado ao lado direito do prédio central, sua instalação

Leia mais

MANUAL DE FUNCIONAMENTO

MANUAL DE FUNCIONAMENTO MANUAL DE FUNCIONAMENTO Prezado cliente, Nossas embaladoras são desenvolvidas para oferecer economia e, melhoria na apresentação de seus produtos, levando aos consumidores garantia de maior durabilidade

Leia mais

Sua solução - todos os dias

Sua solução - todos os dias Sua solução - todos os dias A produção de um leite de qualidade depende de diversos fatores, entre eles a higiene da ordenha e do tanque, a manutenção dos equipamentos, a disponibilidade de um ambiente

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha

Olericultura. A Cultura do Morango. Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha 1 de 6 10/16/aaaa 11:54 Olericultura A Cultura do Morango Nome Cultura do Morango Produto Informação Tecnológica Data Janeiro -2001 Preço - Linha Olericultura Resenha Informações gerais sobre a Cultura

Leia mais

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas

Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Prática Pedagógica: Coleta de Lixo nas Escolas Introdução O objetivo desse trabalho é ajudar as Escolas e demais instituições na implantação do programa da coleta seletiva do lixo e do lixo eletrônico.

Leia mais

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens

PAC 11. Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 1 de 8 PAC 11 Controle da matéria-prima, ingredientes e material de embalagens PAC 11 Página 2 de 8 1. Objetivo----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------03

Leia mais