XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA"

Transcrição

1 XI CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA 1 a 5 de setembro de 2003, UNICAMP, Campinas, SP Título da atividade: 5) Do Monopólio da Modernização à Diversidade do Progresso Social: as formas sociais de produção na agricultura brasileira ou 10) Movimentos sociais rurais em múltiplas dimensões TÍTULO DO TRABALHO: UMA AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE QUEIJO TIPO PROVOLONE NO PROJETO DE ASSENTAMENTO ESMERALDA NO EDR DE ANDRADINA-SP. Autor(a): LUÍS GILBERTO BONADIO FRANCO - ITESP Grupo Técnico de Campo de Andradina, Analista Desenvolvimento Agrário. Fone: (18) Rua Rui Barbosa, 144 CEP: Mirandópolis-SP. MARIA APARECIDA ANSELMO TARSITANO - UNESP - Campus de Ilha Solteira, Profª Adjunta. Fone: (18) Passeio Sabará, Ilha Solteira RESUMO: Nos assentamentos do Estado, mais de 70% das famílias possuem gado leiteiro e o valor gerado pela atividade responde por 60,98 % do valor total da produção. Entretanto, a renda obtida por estes agricultores individualmente varia bastante dependendo do modo como é conduzida a atividade e sua forma de comercialização. O município de Mirandópolis, região noroeste Paulista, mais especificamente no Projeto de Assentamento Esmeralda, a produção de leite e seus derivados são significativos. A importância de se analisar economicamente, projetos desta natureza, motivou a realização deste trabalho, que teve como objetivo estimar e avaliar os resultados sócio-econômicos da produção do queijo tipo provolone, na época da safra do leite. Os dados foram obtidos mediante entrevista e acompanhamento de um produtor rural, representativo no assentamento na produção de queijo. Os resultados indicam que a produção de queijo tipo provolone é viável principalmente quando se considera o sub-produto da fabricação do queijo como alimento de matrizes suínas na propriedade.

2 TÍTULO: UMA AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE QUEIJO TIPO PROVOLONE NO PROJETO DE ASSENTAMENTO ESMERALDA NO EDR DE ANDRADINA-SP. INTRODUÇÃO Nas décadas de 1950 e 60 as Ligas Camponesas se constituíram num dos paradigmas da luta pela terra, em um momento histórico em que a reforma agrária se constituiu na proposta política dos trabalhadores rurais excluídos. A partir do começo da década de 1980, uma nova política começou a se desenhar com o levantamento completo dos bens imóveis rurais da Administração direta Centralizada do Estado e com a promulgação da Lei Estadual que determinou o levantamento de imóveis inaproveitados para o assentamento de trabalhadores rurais. Estabeleceu-se uma nova categoria o Assentamento Estadual, promovido em terras do patrimônio público do estado, além da assistência técnica em assentamentos Federais INCRA. (Cadernos ITESP nº 06). A principal produção animal nos Assentamentos do Estado de São Paulo é a pecuária de leite, que se explica tanto pela característica das áreas objeto de assentamento, em boa parte constituída de pastagens, como pela possibilidade de remuneração imediata e constante que essa atividade propicia às famílias que a desenvolvem, onde a capacidade média de suporte das pastagens dos assentamentos é de 1,4 Unidade Animal (UA) por hectare, ou seja, 40% superior em relação à média para o Estado de São Paulo, aferida pelo Projeto LUPA em 1,0 UA por hectare com produção de vacas em lactação por dia de 4,74 litros (Cadernos ITESP nº 01).

3 Nos assentamentos do Estado de São Paulo, mais de 70% das famílias possuem gado leiteiro e o valor gerado pela atividade responde por 60,98 % do valor total da produção. Entretanto, a renda obtida por estes agricultores individualmente varia bastante dependendo do modo como é conduzida a atividade e sua forma de comercialização. Os assentamentos no Escritório de Desenvolvimento Rural (EDR) de Andradina são da década de 80, sendo que o assentamento Esmeralda, pertencente aos municípios de Pereira Barreto e Mirandópolis, foi implantado em Segundo Amaral, et al. (2003) no EDR de Andradina existem cerca de cabeças de bovinos para leite e quase cabeças de bovinos mistos (leite e carne), representando pouco mais de 4% da produção total do Estado de São Paulo. Nos assentamentos desta região a atividade leiteira é a que propicia maior renda aos assentados, sendo que 75% dos produtores possuem vacas ordenhadas, sendo que a produção em 97/98 foi de quase 7 milhões de litros de leite (Hespanhol et al., 2003) A importância de se analisar economicamente, projetos desta natureza, motivou a realização deste trabalho, que teve como objetivo estimar e avaliar os resultados sócioeconômicos da produção do queijo tipo provolone, na época da safra do leite. METODOLOGIA Definiu-se que a pesquisa seria concentrada no Assentamento Esmeralda, pertencente ao EDR de Andradina, região oeste do estado de São Paulo onde a presença da pecuária leiteira é marcante. A opção por este assentamento também se deveu ao fato do mesmo apresentar razoáveis condições logísticas para realização da pesquisa e do interesse do técnico do ITESP no sentido de apoiar as atividades de campo, fornecendo roteiros e outras informações importantes sobre o assentamento. A metodologia proposta neste trabalho é composta pela aplicação de um questionário junto ao produtor, definido como participantes da pesquisa, representativo no assentamento na produção de queijo tipo provolone. O questionário foi elaborado visando levantar dados sobre o efetivo das criações, sobre a produção leiteira, tecnologia utilizada, canais de comercialização, quantidades

4 comercializadas, preços médios recebidos pelos produtores, entre outros. Além disso, o questionário procurou identificar com perguntas abertas, os principais problemas enfrentados pelo produtor. Os dados foram obtidos durante o período de Outubro e Novembro de 2002 mediante acompanhamento das atividades desenvolvidas na preparação do queijo. Não se levantou os custos da abertura de firma e com as demais exigências da legislação vigente para a comercialização do queijo, pois o mesmo é considerado artesanal e será beneficiado pela nova lei de comercialização de produtos de origem animal artesanal. Para a determinação do custo de produção do queijo foram considerados os preços dos insumos praticados em maio de Na composição do custo de mão-de-obra foi considerado o valor médio da diária paga na região, e o rendimento do queijo foi de 1 kg para cada 10 l de leite. O método utilizado como parâmetros dessas estimativas baseia-se em MATSUNAGA et al., (1976), que permite obter o Custo Operacional Efetivo (COE) e Custo Operacional Total (COT) de produção. O COE constitui-se na soma de despesas diretas de custeio incorridas pelo produtor agrícola na condução de sua atividade, tais como: mão de obra e materiais consumidos, enquanto que o COT inclui, além do COE outras despesas operacionais como 5% do COE. Foram determinados os seguintes indicadores de lucratividade: a receita bruta (RB) foi obtida considerando a quantidade produzida em número de peças de queijo, e preço médio recebido pelo produtor; o lucro operacional (LO) constitui a diferença entre a receita bruta e o custo operacional total; o índice de lucratividade mostra a proporção da receita bruta que se constitui em recursos disponíveis, após a cobertura dos custos operacionais totais. É uma medida importante da rentabilidade da atividade agropecuária (Martin et al. 1987). RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 1 apresenta uma estimativa do custo operacional total, da produção mensal de 210 peças de 0,5 kg cada, de queijo tipo provolone no assentamento Esmeralda.

5 Analisando esta tabela verifica-se que o custo operacional efetivo, isto é, as despesas com mão-de-obra e materiais totalizaram R$612,32, destacando as despesas com material que representaram quase 95% do COE. Das despesas totais com materiais, somente as despesas com o leite in natura representa quase 85% deste total. Na etapa da fabricação de queijo, somente as despesas com leite representaram um custo de R$ 2,35 a unidade de queijo produzido, ou seja, quase 60% do preço recebido pelo produtor pela peça do queijo provolone. Se do custo operacional efetivo acrescentarmos as outras despesas operacionais, obtemos o custo operacional total de R$642,92 ou R$3,06 a peça de 0,5 kg (preço mínimo para cobrir todos os custos). Os indicadores de lucratividade da produção de queijo podem ser observados na Tabela 2. Considerando um preço médio de R$4,00 a peça de 0,50 kg a receita bruta foi de R$840,00, obtendo um lucro operacional de R$197,09 e um índice de lucratividade de 23,46%. A partir dos dados coletados, podemos observar que, dependendo do preço do leite pago pelo laticínio na venda in natura, pode não compensar a fabricação de queijo.

6 Tabela 01. Custo de Produção de Queijo Tipo Provolone no Projeto de Assentamento Esmeralda município de Mirandópolis, maio de DESCRIÇÃO ESPECIF. V. unit. Qtd. Total (R$) Total (US$)* A. OPERAÇÕES MANUAIS Mão de Obra HH 1,50 21,00 31,50 94,50 Subtotal A 31,50 94,50 B. MATERIAL LEITE litros 0, ,00 493, ,50 SAL kg 1,10 10,00 11,00 33,00 EMBALAGEM unid com 100m 5,30 1,00 5,30 15,90 GAS unid 30,00 0,50 15,00 45,00 COALHO litros 14,00 4,00 56,00 168,00 Subtotal B 580, ,40 Custo operacional efetivo (C.O.E) 612, ,90 Outras despesas 30,62 91,85 Custo operacional total (C.O.T) 642, ,75 CUSTO TOTAL 642, ,75 RENDA BRUTA unid com 0,5 kg 4,00 210,00 840, ,00 RENDA LIQUIDA 197,09 591,26 Fonte: dados básicos da pesquisa * Valor atual do dólar R$3,00

7 Tabela 02. Lucratividade da Produção de Queijo Tipo Provolone no Assentamento Esmeralda da Mirandópolis, maio de PRODUÇÃO (Unidade/mês) 210,00 PREÇO MÉDIO R$ 4,00 RENDA BRUTA R$ 840,00 CUSTO OP TOTAL R$ 642,92 LUCRO OPERAÇÃO R$ 197,09 ÍNDICE DE LUCRATIVIDADE R$ 23,46 PREÇO DE EQUILÍBRIO R$ 3,06 Fonte: dados básicos da pesquisa CONCLUSÃO Com o presente estudo constatou-se que a produção queijo representa uma boa alternativa para produtor rural, principalmente na época de safra da produção de leite, além do aproveitamento do sub-produto originado da fabricação do queijo que é usado na alimentação de 06 matrizes suínas da propriedade. Se o mesmo leite usado na fabricação do queijo fosse vendido para o laticínio a R$ 0,47 o litro (preço liquido de maio de 2003 pago ao agricultor) o lucro seria de R$ 493,50. Um estudo que pode ser realizado em uma próxima etapa para mensurar a dimensão do lucro líquido em toda a cadeia de produção, do leite ao soro e queijo;

8 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS AMARAL, A.M.P. et al. Estimativa da produção animal no Estado de São Paulo. Informações Econômicas, v. 33, n. 3, p.84-97, HESPANHOL, A.N., COSTA, V.M.H. M., SANTO, C.R.E. Os assentamentos e os reassentamentos rurais na região de Andradina-SP. In: BERGAMASCO, S.M.P.P.; AUBRÉE, M. e FERRANTE, V.L.S.B. (Coord.). Dinâmicas familiar, produtiva e cultural nos assentamentos rurais de São Paulo. FEAGRI/UNICAMP, Campinas, P MARTIN, N.B. et al. Sistema CUSTAGRI : sistema integrado de custo agropecuário. São Paulo: IEA, P.4-7. MATSUNAGA, M. et al. Metodologia de custo de produção utilizada pelo IEA. Agricultura em São Paulo, São Paulo, v.23, t.1, p , janeiro MEDIAÇÃO NO CAMPO: Estratégias de Ação em Situações de Conflito Fundiário. Nº 06 (dez. 1998). São Paulo: ITESP, p., il., 23 cm. (Série Cadernos ITESP / Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania). RETRATO DA TERRA 97/98: Perfil Sócio - Econômico e Balanço da Produção Agropecuária dos Assentamentos do Estado de São Paulo n 09, São Paulo: ITESP, p.,il., 23 cm (Série Cadernos ITESP / Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania). RETRATO DA TERRA: Perfil sócio-economico dos Assentamentos do Estado de São Paulo. Nº 02 (jul. 1998). São Paulo: ITESP, p., il., 23 cm. (Série Cadernos ITESP / Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania).

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Custo de Produção e Lucratividade da Cultura de Milho Sequeiro: um estudo de caso no município de Sud Mennucci, SP

Leia mais

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca.

de inverno que viraram opção para o pecuarista da região para conseguir ter pasto na época da seca. CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM GUARAPUAVA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 38,34% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM PARANAVAÍ/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia

Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Audiência Pública Comissão de Agricultura e Reforma Agrária Fortalecimento da cadeia produtiva do leite Elizabeth Nogueira Fernandes Chefe Adjunto de Transferência de Tecnologia Cadeia produtiva do leite

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM LONDRINA/PR Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL. ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA - GPL ROTEIRO DE ANÁLISE DE GRUPO DE PROPRIEDADES Sistema de produção de leite à pasto Odilio Sepulcri Milton Satoshi Matsushita Airton Luiz Empinotti Marco Aurélio Viechnieski

Leia mais

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81%

Índices Zootécnicos Taxa de mortalidade 1,0% Idade de abate do boi gordo ou venda do animal Taxa de desfrute 45,81% CUSTO DE PRODUÇÃO DE BOVINOCULTURA DE CORTE EM UMUARAMA/PR. Com a iniciativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem (SENAR) e o Centro

Leia mais

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001.

Gabinete do Prefeito Municipal de Mangueirinha, Estado do Paraná, aos 28 dias do mês de junho de 2001. LEI Nº 1114/2001 SÚMULA: Autoriza o Executivo Municipal, a criar o Programa de Incentivo da Produção Leiteira das pequenas propriedades no município de Mangueirinha, Pr. Faço saber, que a Câmara Municipal

Leia mais

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo

Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Custo Operacional do Sistema Integração Lavoura-Pecuária-Silvicultura (ILPS) na Região Noroeste do Estado de São Paulo Adelina Azevedo BOTELHO ( 1 ); Wander Luis Barbosa BORGES ( 1 ); Rogério Soares de

Leia mais

Ano V - Edição 34 Agosto 2014

Ano V - Edição 34 Agosto 2014 da pecuária de leite Ano V - Edição 34 Agosto 2014 PODER DE COMPRA AUMENTA NO PRIMEIRO SEMESTRE DE 2014 Por Pedro de Lima, equipe Gado de Leite Cepea O poder de compra do pecuarista de leite esteve maior,

Leia mais

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE.

INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. INOVAÇÕES TECNOLÓGICAS NO CULTIVO DA CANOLA NO BRASIL E IMPACTOS NO CUSTO DE PRODUÇÃO E NA RENTABILIDADE. Cláudia De Mori 1 ; Gilberto Omar Tomm 1 ; Paulo Ernani Peres Ferreira 1 ; Vladirene MacedoVieira

Leia mais

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados.

Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. Apuração de impostos; Registro e controle dos documentos fiscais; Registro e controle de prejuízos acumulados. 02 São todas as receitas provenientes da atividade operacional da empresa, incluindo as vendas

Leia mais

ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE ACEROLA PARA MESA, EM JALES-SP: UM ESTUDO DE CASO 1

ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE ACEROLA PARA MESA, EM JALES-SP: UM ESTUDO DE CASO 1 411 ANÁLISE ECONÔMICA DA PRODUÇÃO DE ACEROLA PARA MESA, EM JALES-SP: UM ESTUDO DE CASO 1 RICARDO ALESSANDRO PETINARI 2 & MARIA APARECIDA ANSELMO TARSITANO 3 RESUMO - Este trabalho foi realizado no município

Leia mais

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL ALTERNATIVA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL IMPLANTAÇÃO DE PROJETO DE CASA DE FARINHA COMO OPÇÃO DE RENDA PARA OS REASSENTADOS DO REASSENTAMENTO RURAL COLETIVO Abril de 2013 1 SUMÁRIO execução: INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor

PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL FAMILIAR Proposta de Treinamento Prático/ Teórica Roteiro para o instrutor CURITIBA, SETEMBRO DE 2004 2 PLANEJAMENTO DA PROPRIEDADE RURAL Proposta de Treinamento Prático/

Leia mais

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA

DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA DESAFIOS DA PECUÁRIA LEITEIRA Walter Miguel Ribeiro Engenheiro Agrônomo GERAR RENDA??? Como gerar renda Renda Resultado = Quantidade de leite + Quantidade de animais - CUSTO TOTAL x preço do leite x preço

Leia mais

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010

Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 ISSN 2176-2864, Versão Eletrônica Avaliação econômica da produção de trigo no Estado do Paraná, para a safra 2010 75 As estimativas dos custos e lucros de produção de uma determinada atividade agropecuária

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) A REALIDADE DAS AGROINDÚSTRIAS DOS MUNICÍPIOS DE BARRACÃO E BOM JESUS DO SUL, PR. Área Temática 07: Tecnologia e Produção Ivanira Correia de Oliveira 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) Kérley Braga Pereira

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO E AGROECOLOGIA NA AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA - RESIDÊNCIA AGRÁRIA

EDUCAÇÃO DO CAMPO E AGROECOLOGIA NA AGRICULTURA FAMILIAR E CAMPONESA - RESIDÊNCIA AGRÁRIA Universidade Estadual de Campinas Faculdade de Engenharia Agrícola CEP 13.083-875, Campinas, SP Home Page: www.feagri.unicamp.br Fax: 55-19-3521-1066- Fone: 55-19-3521-1072 EDITAL DE SELEÇÃO DE ESTUDANTES

Leia mais

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução

PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS. Hélio Machado. Introdução Capítulo 34 Gestão da pecuária bovina de Minas Gerais PROGRAMA REFERENCIAL DE QUALIDADE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA PECUÁRIA BOVINA DE MINAS GERAIS Hélio Machado Introdução Minas Gerais tem uma área de 58

Leia mais

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ

DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL NA PRODUÇÃO DE BOVINOS LEITEIROS DA AGRICULTURA FAMILIAR RURAL DO PARANÁ Área Temática: Tecnologia e Produção Júlio Cesar Damasceno (Coordenador da ação de Extensão) Júlio Cesar

Leia mais

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL

AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL AVALIAÇÃO ECONÔMICA EM SISTEMAS PECUÁRIOS DE CICLO COMPLETO NO ESTADO RIO GRANDE DO SUL JOÃO GARIBALDI ALMEIDA VIANA; VICENTE C. P. SILVEIRA; ADRIANA FERREIRA VARGAS; UFSM SANTA MARIA - RS - BRASIL joaogaribaldi@brturbo.com.br

Leia mais

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da

São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do. cultivo da terra, da criação de animais e da 1 São aquelas que exploram a capacidade do solo por meio do cultivo da terra, da criação de animais e da transformação de determinados produtos agropecuários com vistas à obtenção de produtos que venham

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 de 5 10/08/2015 23:58 Infobibos - Informações Tecnológicas - www.infobibos.com 1. Definições CONCEITUAÇÃO DE AGRICULTURA FAMILIAR UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA AGRICULTURA FAMILIAR Sonia Terezinha Juliatto

Leia mais

MERCADO FUTURO: BOI GORDO

MERCADO FUTURO: BOI GORDO MERCADO FUTURO: BOI GORDO Sergio De Zen Mestre em Economia Aplicada, Pesquisador do CEPEA/ESALQ/USP Os anos noventa têm sido marcados por termos modernos na terminologia do mercado financeiro. Dentre essas

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS

DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS DEFINIÇÃO DE MIX DE PRODUÇÃO COM USO DE PROGRAMAÇÃO LINEAR E CUSTOS EMPRESARIAIS Resumo A proposta deste trabalho é realizar um estudo de programação linear para definir a viabilidade da produção, assim

Leia mais

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras

Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras EletrosSaúde Notas Explicativas às Demonstrações Financeiras Em 31 de dezembro de 2011 e de 2010 Em milhares de reais 1 Contexto Operacional A Fundação Eletrobrás de Seguridade Social ELETROS é uma entidade

Leia mais

Desenvolvimento de pequenas propriedades rurais e a utilização de tecnologias

Desenvolvimento de pequenas propriedades rurais e a utilização de tecnologias Desenvolvimento de pequenas propriedades rurais e a utilização de tecnologias Leandro César Neukirchen (UNIOESTE) E-mail: leandro@copagril.com.br - Rua Blumenau 140, Jd. Líder - Fone: (45) 3254-5920 Aládio

Leia mais

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO

FAZENDA SANTA LUZIA. Maurício Silveira Coelho HISTÓRICO FAZENDA SANTA LUZIA Maurício Silveira Coelho Medico Veterinário CRMV MG 2352 Fazenda Santa Luzia PASSOS/MG E-mail mauricio@josecaboverde.com.br HISTÓRICO Proprietário: José Coelho Vítor e filhos Localização:

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES DE LEITE DE MONÇÕES (SP). MARIA APARECIDA TARSITANO; JULIANO ALARCON FABRICIO; ÉRCIO ROBERTO PROENÇA; UNESP ILHA SOLTEIRA - SP - BRASIL maat@agr.feis.unesp.br APRESENTAÇÃO

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO

CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO CONTRIBUIÇÕES DA EXTENSÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DO SETOR CÍTRICO DO MUNICÍPIO DE MATINHAS E MICRORREGIÃO DO BREJO PARAIBANO DAL MONTE 1, Hélio Luiz Beretta FERNANDES 2, Inês Leal de Andrade GOMES 3, Jairo

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NA CULTURA DE CANOLA

INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NA CULTURA DE CANOLA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA ATRAVÉS DA TRANSFERÊNCIA DE TECNOLOGIA NA CULTURA DE CANOLA Paulo Ernani Peres Ferreira 1, Gilberto Omar Tomm 2, Joseani Mesquita Antunes 3, Cláudia de Mori 4. 1 Engenheiro Agrônomo,

Leia mais

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS

Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Associação Instituto Nacional de Matemática Pura e Aplicada IMPA-OS Demonstrações Financeiras em 31 de dezembro de 2004 e Parecer dos Auditores Independentes Parecer dos Auditores Independentes 03 de fevereiro

Leia mais

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999

GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 GESTÃO DA PECUÁRIA LEITEIRA GPL versão 1.0 maio / 1.999 Autores : Engº Agrº Milton S. Matsushita Engº Agrº Odílio Sepulcri Méd. Vet. Luiz Augusto Pfau EMATER Paraná Vinculada à Secretaria da Agricultura

Leia mais

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO

ANAIS ELETRÔNICOS - 1ª JORNADA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO DO IFTO CARACTERIZAÇÃO SÓCIO-ECONÔMICA DOS PRODUTORES DE LEITE DA AGRICULTURA FAMILIAR E ANÁLISE DA INFORMALIDADE NO MUNICÍPIO DE PALMAS/TO Clauber ROSANOVA (1); Danilo de CASTRO RIBEIRO (2). (1) IFTO Campus Palmas,

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2012 e de 2011 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

Anexo 1 Inscrição. Ana Ligia de Lima - Lote 114- projeto de assentamento Dois Irmãos - município de Murutinga do Sul. Tel: (018) 99701-4337

Anexo 1 Inscrição. Ana Ligia de Lima - Lote 114- projeto de assentamento Dois Irmãos - município de Murutinga do Sul. Tel: (018) 99701-4337 Anexo 1 Inscrição DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: Cooperativa de Trabalho de Assessoria Técnica e Extensão Rural COATER Endereço: Rua Floriano Peixoto,1291 Centro Andradina-SP Executora de Chamada pública de

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

SICOOB SUL-LITORÂNEO. Resultados

SICOOB SUL-LITORÂNEO. Resultados SICOOB SUL-LITORÂNEO Resultados 2014 MENSAGEM DA DIRETORIA O Sicoob Sul-Litorâneo conseguiu ótimos resultados numa clara demonstração da força do trabalho cooperativo, na busca por maior participação no

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cespe Cebraspe FUB2015 Aplicação: 2015 Julgue os itens a seguir, com relação aos fatos descritos e seus efeitos nas demonstrações contábeis, elaboradas conforme a Lei n.º 6.404/1976

Leia mais

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

PROJETO DE LEI. Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: PROJETO DE LEI Dispõe sobre a subvenção econômica ao prêmio do Seguro Rural e dá outras providências. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte

Leia mais

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL

ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL ATUAL SITUAÇÃO DA PECUÁRIA DE CORTE NO BRASIL Empresa Júnior de Nutrição de Ruminantes NUTRIR FCA-UNESP-FMVZ INTRODUÇÃO CONCEITOS BÁSICOS CENÁRIO DADOS MERCADO DO BOI CONSIDERAÇÕES FINAIS CONCEITOS BÁSICOS

Leia mais

SEGURANÇA alimentar e nutricional

SEGURANÇA alimentar e nutricional SEGURANÇA alimentar e nutricional Nota Técnica A agricultura familiar produz 70% dos alimentos consumidos no Brasil? Rodolfo Hoffmann 1 Autoridades afirmaram que a agricultura familiar produz 70% dos alimentos

Leia mais

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial

Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Produção de F1 pelas fazendas Calciolândia e Colonial Ronaldo Lazzarini Santiago 1 INTRODUÇÃO As fazendas Calciolândia e Colonial, de Gabriel Donato de Andrade, sempre foram a referência na seleção do

Leia mais

METODOLOGIA PARA CONTROLE E ANÁLISE DE CUSTO DA PRODUÇÃO DE LEITE1.

METODOLOGIA PARA CONTROLE E ANÁLISE DE CUSTO DA PRODUÇÃO DE LEITE1. X'J'tl SC1H4H4 M &4t«daHte-.,I/timeHtacM de g'~ H4 Sua. lto4 S~ 'lhteh4w04 de ~ 80 METODOLOGIA PARA CONTROLE E ANÁLISE DE CUSTO DA PRODUÇÃO DE LEITE1. Oscar Tupy2 Sérgio Novita Esteves2 Eliseu Roberto

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM LONDRINA-PR Foi realizado no dia 12 de julho de 2012 em Londrina (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA

VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Ano 6 - Edição 25 Agosto 2014 VALORIZAÇÃO DO BEZERRO ATRAI ATENÇÃO PARA A CRIA Por Prof. Dr. Sergio De Zen, Pesquisador; Equipe Pecuária de Corte As cotações praticadas em todos os elos da cadeia pecuária

Leia mais

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br

Departamento de Ciências Econômicas DCECO. Tel.: +55 32 3379-2537 E-mail: infover@ufsj.edu.br 2013 InfoVer São João del-rei, fevereiro de 2013 InFover InfoVer Informativo sobre o Mercado de Leite de Vaca do Campo Uma publicação do DCECO- UFSJ Ano VI Nº 55 Agosto de 2013 Universidade Federal de

Leia mais

GERENCIAMENTO DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM UNIDADE FAMILIAR NO ASSENTAMENTO ALVORADA, DA CIDADE DE JÚLIO DE CASTILHOS/RS 1

GERENCIAMENTO DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM UNIDADE FAMILIAR NO ASSENTAMENTO ALVORADA, DA CIDADE DE JÚLIO DE CASTILHOS/RS 1 GERENCIAMENTO DE UMA PEQUENA PROPRIEDADE FAMILIAR: ESTUDO DE CASO EM UNIDADE FAMILIAR NO ASSENTAMENTO ALVORADA, DA CIDADE DE JÚLIO DE CASTILHOS/RS 1 Leandro Gonçalves Machado 2, Rosangela Oliveira Soares

Leia mais

DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995.

DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995. ALTERADO PELO DECRETO N 38.932/1998 DECRETO Nº 36.050, DE 04 DE JULHO DE 1995. Dispõe sobre a estrutura básica da Secretaria da Agricultura e Abastecimento e dá outras providências. O GOVERNADOR DO ESTADO

Leia mais

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012

Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 11 Custo de Produção da Cultura da Soja Safra 2011/2012 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso 1 2 11.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez mais requerem um grau de conhecimento

Leia mais

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE

PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE PRODUÇÃO DE MILHO SAFRINHA IRRIGADO, NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO SP: CUSTOS E LUCRATIVIDADE Rosalina Maria Alves Rapassi (1), Rodrigo Anselmo Tarsitano (2), Ércio Roberto Proença (3) Introdução O milho

Leia mais

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos

5 Plano Financeiro. Investimento total. investimentos fixos; capital de giro; investimentos pré-operacionais. 5.1 Estimativa dos investimentos fixos 5 Plano Financeiro Investimento total Nessa etapa, você irá determinar o total de recursos a ser investido para que a empresa comece a funcionar. O investimento total é formado pelos: investimentos fixos;

Leia mais

Sistema de Gestão Estratégica

Sistema de Gestão Estratégica Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Índice de Desenvolvimento Sustentável Brasília, março de 2011 Índice de Desenvolvimento Sustentável

Leia mais

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE

VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE 1 VALORAÇÃO AMBIENTAL DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE LEITE FERNANDES, E. N 1 ; NOGUEIRA, A. C. S 2 RESUMO: O presente trabalho discute o uso da Análise Emergética (AE) para avaliar a sustentabilidade de dois

Leia mais

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA

PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA PROJETO CAMPO FUTURO CUSTO DE PRODUÇÃO DO CAFÉ EM LUÍS EDUARDO MAGALHÃES-BA Os produtores de Luís Eduardo Magalhães se reuniram, em 09/04, para participarem do levantamento de custos de produção de café

Leia mais

IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015

IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015 IV SEMINARIO CIENTÍFICO SOBRE AGRICULTURA FAMILIAR NA AGRO CENTRO- OESTE FAMILIAR 2015 Objetivo: O Seminário busca fomentar a divulgação da produção técnica e científica relacionada à agricultura familiar

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Institui o Programa Nacional de Incentivo à Educação Escolar Básica Gratuita (PRONIE). O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui o Programa Nacional de

Leia mais

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015

Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Rentabilidade das propriedades de recria-engorda de MT cai em 2015 Por Prof. Dr. Sergio De Zen e Graziela Correr; Equipe Pecuária de Corte A rentabilidade em propriedades típicas de recria-engorda do estado

Leia mais

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67

ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 ALGODÃO 2ª SAFRA NA SAFRA 14/15 DEZEMBRO - ANO 6 - EDIÇÃO 67 A decisão sobre o plantio do algodão segunda safra a esta altura já foi tomada. Seu Custo Operacional (CO) é estimado pelo Cepea em R$ 5.614,63/ha

Leia mais

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins

Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Edição1 2014 Piscicultores discutem custos de produção da aquicultura na região central do estado do Tocantins Piscicultores e técnicos da região central do Tocantins se reuniram no dia 24 de julho de

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL

DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL DECISÃO DE COMPRAR OU PRODUZIR: UM ESTUDO REALIZADO EM UMA EMPRESA NA ÁREA TÊXTIL Edzana Roberta Ferreira Da Cunha Vieira Lucena UFRN Jefferson Douglas Barbosa UFRN (84) 99932-3975 jeffersondouglasg3hotmail.com

Leia mais

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG

Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica. Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG Sistemas de Produção em Pecuária de Corte Análise Crítica Lívio Ribeiro Molina MSc;DSc. Escola de Veterinária - UFMG As organizações empresariais fracassam por um desses motivos: Sistema sem paixão; Paixão

Leia mais

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA

RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA RESENHA PROJETO UNAÍ: PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM ASSENTAMENTOS DE REFORMA AGRÁRIA Obra resenhada: OLIVEIRA, Marcelo Nascimento de; XAVIER, José Humberto Valadares; ALMEIDA, Suênia Cibeli Ramos de; SCOPEL,

Leia mais

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo

02-11-2010. Formador: Rui Carvalho. Carga horária 25 horas. Objectivo Carga horária 25 horas Objectivo (s) Realização de apoio administrativo e logístico, ligada à função de aprovisionamento. Formador: Rui Carvalho Formador: Rui Carvalho 2 1. Ficheiros de armazém Códigos

Leia mais

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P.

A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. A COMERCIALIAÇÃO DO MARACUJÁ AMARELO NA CEASA DE RIBEIRÃO PRETO S.P. GISELLE SMOCING ROSA(CPF: 218131888-31) MARIA INEZ ESPAGNOLI GERALDO MARTINS (CPF: 748443508-20) FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E VETERINÁRIAS

Leia mais

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA

SAFRAS & CIFRAS TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA TRIBUTAÇÃO INCIDENTE SOBRE FATURAMENTO - PARTE II EMPRESÁRIO RURAL PESSOA JURÍDICA * Carla Hosser * Leticia de Oliveira Nunes * Litiele Maltezahn * Priscila Duarte Salvador * Rosana Vieira Manke Diante

Leia mais

Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências.

Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências. Lei nº 15607 DE 06/10/2015 Norma Estadual - Pernambuco Publicado no DOE em 07 out 2015 Dispõe sobre a Licença Sanitária de Pequenas Fábricas Rurais de Laticínios e dá outras providências. O Presidente

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA E POLÍTICA RURAL PROJETO DE LEI Nº 3.428, de 1997 Dispõe sobre a elaboração, beneficiamento e comercialização de produtos artesanais de origem animal e vegetal e dá outras providências.

Leia mais

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012

Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 09 Custo de Produção do Milho Safrinha 2012 1 Carlos DirceuPitol Luiz2 Broch1 Dirceu Luiz Broch Roney Simões Pedroso2 9.1. Introdução Os sistemas de produção da atividade agropecuária cada vez requerem

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM

Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações Financeiras Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração - ABM Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA "LUIZ DE QUEIROZ"

DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ Na média, pecuarista ganha da inflação em setembro Em setembro, o custo efetivo da pecuária, pesquisado pela CNA/Cepea-USP, teve alta de apenas 0,22%, enquanto que a inflação medida pelo IGP-M alcançou

Leia mais

INOVAÇAO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR: O EXEMPLO DO CULTIVO DE UVAS NO ESTADO DE GOIÁS. Sandra Santos FARIA 1 ; Alcido Elenor WANDER 2

INOVAÇAO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR: O EXEMPLO DO CULTIVO DE UVAS NO ESTADO DE GOIÁS. Sandra Santos FARIA 1 ; Alcido Elenor WANDER 2 INOVAÇAO PARA A AGRICULTURA FAMILIAR: O EXEMPLO DO CULTIVO DE UVAS NO ESTADO DE GOIÁS Sandra Santos FARIA 1 ; Alcido Elenor WANDER 2 1 Aluna do Mestrado em Agronegócio/ UFG 2010, bolsista CNPq, 2 Professor

Leia mais

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos

Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar. Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Desenvolvimento e Oportunidades da Agricultura Familiar Marco Antonio Viana Leite Diretor PAC e Mais Alimentos Agricultura Familiar no Mundo São 500 milhões de estabelecimentos da agricultura familiar

Leia mais

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins

Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins Demonstrações Financeiras Associação Ame Jardins com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes... 1 Demonstrações financeiras auditadas

Leia mais

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Introdução O Marco de Políticas serve para orientar as equipes estaduais para os casos em que a construção de infra-estrutura hídrica com financiamento

Leia mais

Divulgação de Resultados 3T15

Divulgação de Resultados 3T15 São Paulo - SP, 4 de Novembro de 2015. A Tarpon Investimentos S.A. ( Tarpon ou Companhia ), por meio de suas subsidiárias, realiza a gestão de fundos e carteiras de investimentos em bolsa e private equity

Leia mais

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 149, DE 2011

SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 149, DE 2011 SENADO FEDERAL PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 149, DE 2011 Altera o art. 47 da Lei nº 4.506, de 30 de novembro de 1964, para considerar como operacionais as despesas de capacitação de empregados, para fins

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País

Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Assistência Técnica e Extensão Rural no Brasil: Um debate nacional sobre as realidades e novos rumos para o desenvolvimento do País Cenário 66 ANOS DE EXTENSÃO RURAL A agricultura como via estratégica

Leia mais

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR)

GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE MONTE BELO (PEROBAL - PR) ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 GESTÃO DA PROPRIEDADE COMO EMPRESA RURAL E VIABILIDADE REAL DAS ATIVIDADES AGRÍCOLAS CASO PROPRIEDADE

Leia mais

MANUAL PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PDDE

MANUAL PRESTAÇÃO DE CONTAS DO PROGRAMA DINHEIRO DIRETO NA ESCOLA PDDE ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO Diretoria de Educação Básica - DIEB Gerência de Administração Escolar - GEADE Programa Dinheiro Direto na Escola - PDDE Rua Antônio Luz, 111-5º

Leia mais

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR)

A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) A INVISIBILIDADE DO TRABALHO DA MULHER NA ORGANIZAÇÃO DOS ESTABELECIMETNOS AGROPECUÁRIOS: UM ESTUDO DO MUNICÍPIO DE MARMELEIRO (PR) LUÍS CARLOS BRAGA UNESP Presdiente Prudente l.karlos2009@hotmail.com

Leia mais

OBJETIVOS DESTE MATERIAL

OBJETIVOS DESTE MATERIAL TEMA: CPC PME / NBC TG 1000 - Resolução CFC nº 1.255/2009 Seção 34 - Atividades Especializadas OBJETIVOS DESTE MATERIAL Este material tem como objetivo específico uma complementação dos principais aspectos

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB

IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB IDENTIFICAÇÃO DOS TIPOS DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DE CHUVA NO ASSENTAMENTO JACU NO MUNICÍPIO DE POMBAL-PB Paulo Ricardo Dantas (1); Ana Paula Fonseca e Silva (1); Andreza Maiara Silva Bezerra (2); Elisângela

Leia mais

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP.

AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. AS RELAÇÕES ENTRE O CAMPONES E OS SETORES COMERCIAIS NA REGIÃO DE PRESIDENTE PRUDENTE- SP. Fátima Rotundo da Silveira Facultade de Ciências e Tecnologia UNESP- Presidente Prudente 1. INTRODUÇÃO Com o aumento

Leia mais

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais.

Ovinocultura de Leite. Uma alternativa de renda às famílias rurais. Ovinocultura de Leite Uma alternativa de renda às famílias rurais. Área de abragência Oeste, Meio Oeste, Alto Uruguai e Extremo Oeste Catarinense. 53% dos estabelecimentos rurais e 67% da área total rural.

Leia mais

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra

A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra A nova redação dos artigos 95 e 96 do Estatuto da Terra O Arrendamento Rural e a Parceria Agrícola, Pecuária, Agro-Industrial e Extrativa a cada dia ganham mais importância em nosso meio tendo em vista

Leia mais

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome apresentação do programa Brasília, maio 2007 PATRUS ANANIAS DE SOUZA Ministro de Estado do Desenvolvimento Social e Combate à Fome ONAUR RUANO Secretário Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional CRISPIM

Leia mais

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96

Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD CNPJ: 07.442.466/0001-96 Lâmina de informações essenciais sobre o Fundo SUMITOMO MITSUI FIC DE FIM BTG PACTUAL HIGH YIELD Informações referentes a novembro de 2015 Esta lâmina contém um resumo das informações essenciais sobre

Leia mais

PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR

PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR PROGRAMA MUNICIPAL DE SEGURANÇA ALIMENTAR PRODUÇÃO SUSTENTÁVEL NO CAMPO E NA CIDADE GARANTIA DE QUALIDADE NO SETOR ALIMENTICIO PRÁTICAS ALIMENTARES SAUDÁVEIS I - Introdução A economia local de Caracol

Leia mais

Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite

Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite Arq. Bras. Med. Vet. Zootec,. v.58, n.4, p.642-647, 2006 Análise de rentabilidade de uma empresa com opção de comercialização de queijo ou leite [Analysis of profitability in a production system with the

Leia mais

PRODUÇÃO E GERAÇÃO DE RENDA DE PRODUTOS ARTESANAIS NO. MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO: um estudo de caso.

PRODUÇÃO E GERAÇÃO DE RENDA DE PRODUTOS ARTESANAIS NO. MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO: um estudo de caso. PRODUÇÃO E GERAÇÃO DE RENDA DE PRODUTOS ARTESANAIS NO MUNICÍPIO DE PEREIRA BARRETO: um estudo de caso. RAPASSI, R.M.A. 1 PROENÇA, É. R. 1 TARSITANO, R.A. 2 TEZZIN, K.V.M. 3 RESUMO: A agregação de valor

Leia mais

Estratégias de Desenvolvimento Regional

Estratégias de Desenvolvimento Regional Estratégias de Desenvolvimento Regional Mesa Redonda sobre Desenvolvimento Regional nos Estados Brasileiros Marcelo Sacenco Asquino Coordenador da Área Regional Secretaria de Economia e Planejamento do

Leia mais

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS

TÍTULO 30 COMPRA COM DOAÇÃO SIMULTÂNEA CDS (*) 1) FINALIDADE: Aquisição de alimentos de organizações fornecedoras constituídas por público descrito no parágrafo 2º, item 4, Art. 3º da Lei Nº 11.326/2006, com vistas à doação para organizações constituídas

Leia mais